Catálogo dos equipamentos remanescentes do Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento em Química (LPQ)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Catálogo dos equipamentos remanescentes do Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento em Química (LPQ)"

Transcrição

1 Catálogo dos equipamentos remanescentes do Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento em Química (LPQ) Ultima Atualização: 01/02/2011

2 Sumário página Cromatógrafo a gás (CG) acoplado a espectrômetro de massas (EM) Cromatógrafo a gás (CG) acoplado a espectrômetro de massas (EM) triploquadrupolo Cromatógrafo a gás (CG) acoplado a espectrômetro de massas (EM) íon trap Cromatógrafo a gás (CG) com detector de ionização por chama (FID) e com detector de condutividade térmica (TCD) Cromatógrafo a gás (CG) acoplado a espectrômetro de massas (EM) Cromatógrafo a gás (CG) com detector de captura de elétrons (DCE) Equipamento de dessorção térmica Equipamento de análise por TOF ( tempo de vôo ) Cromatógrafo líquido de alta eficiência (HPLC) com detector de arranjo de diodos (DAD) Espectrômetro de massas Cromatógrafo líquido de alta eficiência (HPLC) com detector ultravioleta (UV-Vis) e de fluorescência (Flu) Cromatógrafo de íons Amostrador de grande volume (AGV) para partículas totais em suspensão (PTS) Amostrador de grande volume (AGV) para partículas de até 10µm (MP 10) Amostrador de grande volume (AGV) para partículas de até 2,5µm (MP 2,5) Nano-Moudi I Nano-Moudi II Refrigerador (Frigobar) Refrigerador Duplex I Refrigerador Duplex II Estufa Deionizador Forno mufla Banho de refrigeração Estação meteorológica Amostrador de Nanoaerossois Analisador do tamanho de partículas por mobilidade diferencial (SMPS) Contador de partículas Microbalança Balança analítica I Balança analítica II Centrífuga Sistema de Destilação Sistema de Irradiação Gerador de Nitrogênio Banho Ultra-Sônico I Banho Ultra-Sônico II No Break (04 itens) Placa de aquecimento e agitação Evaporador Rotativo

3 Cromatógrafo a gás (CG) acoplado a espectrômetro de massas (EM) Fabricante: Shimadzu Modelo: CG: GC-2010 Gas Chromatograph EM: GCMS-QP2010 Plus Amostrador: Combi Pal AOC Voltagem: V Freqüência: 50/60Hz Potência: 1000VA Esse equipamento possui o autoamostrador Combi Pal que permite análise por SPME, headspace e de líquidos. O mesmo também contém um sistema para inserção direta de amostra no espectrômetro de massas. 3

4 Cromatógrafo a gás (CG) acoplado a espectrômetro de massas (EM) triploquadrupolo Fabricante: Varian Modelo: CG: CP-3800 Gas Chromatograph EM: Varian 320-MS TQ Mass Spectrometer Amostrador: CP-8400 autosampler Voltagem: ~120V Freqüência: 50/60Hz Potência: CG: 1200VA EM: 2400VA Esse equipamento possui o espectrômetro de massas triploquadrupolo que permite a obtenção de resultados de EM/EM. 4

5 Cromatógrafo a gás (CG) acoplado a espectrômetro de massas (EM) íon trap Fabricante: Varian Modelo: CG: Varian 431-GC Gas Chromatograph EM: Varian 200-MS IT Mass Spectrometer Amostrador: CP-8410 autosampler Voltagem: ~120V Freqüência: 50/60Hz Potência: CG: 1500VA EM: 1440VA Esse equipamento possui um equipamento de dessorção térmica acoplado ao CG. 5

6 Cromatógrafo a gás (CG) com detector de ionização por chama (FID) e com detector de condutividade térmica (TCD) Fabricante: Shimadzu Modelo: CG: GC-2014 Gas Chromatograph Voltagem: 115V Freqüência: 50/60Hz Potência: CG: 1500VA Esse equipamento possui um sistema de análise de gases on-line. 6

7 Cromatógrafo a gás (CG) acoplado a espectrômetro de massas (EM) Fabricante: Shimadzu Modelo: CG: GC-2010 Gas Chromatograph EM: GCMS-QP2010 Amostrador: AOC-20i Voltagem: V Freqüência: 50/60Hz Potência: 1000VA 7

8 Cromatógrafo a gás (CG) com detector de captura de elétrons (DCE) Fabricante: Varian Modelo: Varian Star 3400 CX Voltagem: ~120V Freqüência: 50/60Hz Potência: 1440VA No momento este equipamento não se encontra em operação. 8

9 Equipamento de dessorção térmica Fabricante: Dynatherm Modelo: Model 9300 ACEM Voltagem: ~115V Freqüência: 50/60Hz Potência: 250VA Esse equipamento está acoplado a um CG/EM. As amostras são colocadas neste instrumento, dessorvidas e enviadas para o CG. 9

10 Equipamento de análise por TOF ( tempo de vôo ) Fabricante: Bruker Daltonics Modelo: microtof Voltagem: ~115V Freqüência: 50/60Hz Potência: 250VA 10

11 Cromatógrafo líquido de alta eficiência (HPLC) com detector de arranjo de diodos (DAD) Fabricante: Agilent Modelo: Agilent 1100 Series Voltagem: ~115V Freqüência: 50/60Hz Potência: 250VA 11

12 Espectrômetro de massas Fabricante: Bruker Daltonics Modelo: Esquire 3000 plus Voltagem: ~115V Freqüência: 50/60Hz Potência: 250VA Esse equipamento está acoplado a um HPLC. 12

13 Cromatógrafo líquido de alta eficiência (HPLC) com detector ultravioleta (UV-Vis) e de fluorescência (Flu) Fabricante: Perkin Elmer Bomba: Series 200 pump Detector UV-Vis: Series 200 UV/VIS Detector Detector de fluorescência: Series 200a fluorescence detector Autoamostrador: Perkin Elmer Flexar LC autosampler Dimensão: Voltagem: ~115V Freqüência: 50/60Hz Potência: 250VA 13

14 Cromatógrafo de íons Fabricante: Dionex Modelo: Series 4000i Voltagem: ~115V Freqüência: 50/60Hz Potência: 250VA Esse equipamento não está em operação no momento. 14

15 Amostrador de grande volume (AGV) para partículas totais em suspensão (PTS) Fabricante: Energética Modelo: AGV-PTS Voltagem: ~110V Potência: 840W 15

16 Amostrador de grande volume (AGV) para partículas de até 10µm (MP 10 ) Fabricante: Energética Modelo: AGV- MP 10 Voltagem: ~120V Potência: 934W 16

17 Amostrador de grande volume (AGV) para partículas de até 2,5µm (MP 2,5 ) Fabricante: Energética Modelo: AGV- MP 2,5 Voltagem: ~120V Potência: 934W 17

18 Nano-Moudi I Fabricante: MSP Corporation Modelo: 125A Voltagem: 110V Patrimônio:

19 Nano-Moudi II Fabricante: MSP Corporation Modelo: 125B Voltagem: 110V 19

20 Refrigerador (Frigobar) Fabricante: Consul Modelo: Compacto 80 Voltagem: 110V Frigobar de 80L utilizado para armazenamento de amostras nas campanhas de amostragem. 20

21 Refrigerador Duplex I Fabricante: Electrolux Modelo: Electrolux Premium Voltagem: 127V Patrimônio: Volume do compartimento do refrigerador: 322 litros - Volume do compartimento do congelador: 91 litros - Temperatura no congelador: C 21

22 Refrigerador Duplex II Fabricante: Consul Modelo: Consul Biplex Voltagem: 127V - Geladeira marrom 22

23 Estufa Fabricante: Fanem Modelo: 315 SE Voltagem: 110V Estufa de secagem e esterilização. 23

24 Desionizador Fabricante: Barnstead Modelo: NANOpure Diamond Voltagem: 110V Patrimônio: Este equipamento está ligado ao reservatório do destilador. 24

25 Forno mufla Fabricante: Quimis Voltagem: 220V 25

26 Banho de refrigeração Fabricante: Quimis Voltagem: 220V 26

27 Estação meteorológica Fabricante: HOBO Modelo: HOBO remote monitoring system Voltagem: N/A Esta estação meteorológica fornece dados de umidade relativa do ar, temperatura, pressão atmosférica, pluviosidade, direção e velocidade dos ventos e radiação solar. 27

28 Amostrador de Nanoaerossois Fabricante: TSI Modelo: TSI 3089 Voltagem: V Freqüência: 50/60Hz Potência: 25W 28

29 Analisador do tamanho de partículas por mobilidade diferencial (SMPS) Fabricante: TSI Modelo: TSI 3080 Electrostatic Classifier Voltagem: V Freqüência: 50/60Hz Potência: 200W Duas torres (DMA 3081 e 3085), podem ser acopladas ao SMPS de modo a trabalhar e faixas de tamanho diferentes. 29

30 Contador de partículas Fabricante: TSI Modelo: TSI 3080 Model 3785 Voltagem: V Freqüência: 50/60Hz Potência: 125VA Patrimônio:

31 Microbalança Fabricante: Mettler Toledo Modelo: MX5 Patrimônio:

32 Balança analítica I Fabricante: Sartorius Modelo: TE2145 Voltagem: 110V Patrimônio:

33 Balança analítica II Fabricante: Sartorius Modelo: TE612 Voltagem: 110V Patrimônio:

34 Centrífuga Fabricante: Fanem Modelo: Excelsa 2 M. 205N Voltagem: 110V Patrimônio: capacidade máxima de amostras 8 34

35 Sistema de Destilação Fabricante: Voltagem: 220/230V 35

36 Sistema de Irradiação Fabricante: Voltagem: 110V Potência: variável até 1000 VA sistema composto por uma câmara e fonte de luz de arco-xe de alta potência e um sistema de refrigeração. 36

37 Gerador de Nitrogênio Fabricante: Dominick Hunter Modelo: Nitrox G4600W Voltagem: 115V Potência: 0,5 W 37

38 Banho Ultra-Sônico I Fabricante: Modelo: SX-10 Voltagem: 110V 38

39 Banho Ultra-Sônico II Fabricante: Odontobrás Modelo: Ultrasonic Cleaner 1440 D Voltagem: V 39

40 No Break (04 itens) Fabricante: CM Comandos Lineares Modelo: Selection SP 5000 Voltagem: 220 V Potência: 5000 KVA 40

41 Placa de aquecimento e agitação Fabricante: IKA Modelo: C-MAG HS 7 Voltagem: 230 V Potência: W 41

42 Evaporador Rotativo Fabricante: Tecnal Modelo: TE 211 Voltagem: 220 V 42

43 43

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Agitador Magnético c/ Aquecimento Modelo HSC Agitador magnético com placa de cerâmica, durável e fácil de limpar. DESCRIÇÃO O agitador magnético com aquecimento

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Chapa c/ Aquecimento e Agitação Modelo AREC Chapa de aquecimento com agitação, com placa de aquecimento em cerâmica, extremamente resistente à corrosão e fácil

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.biochrom.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.biochrom.com Descritivo de produto Fornecedor www.biochrom.com Lavadora de Microplacas Fluido 2 SILENCIOSA E EFICIENTE - Sistema livre de vácuo e pressurização com bombas silenciosas. - Sem necessidade de tempos de

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Termorregulador Digital - Modelo VTF Indicado para aplicações onde é exigido controle preciso de temperatura. DESCRIÇÃO O VTF é equipado com a Tecnologia de

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.danispa.it

Descritivo de produto. Fornecedor. www.danispa.it Descritivo de produto Fornecedor www.danispa.it Cromatógrafo - Modelo MASTER TOF PLUS GCMS DESCRIÇÃO Atualmente na economia mundial, laboratórios analíticos estão sob constante pressão para fornecer resultados

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com/en

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com/en Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com/en Analisador de Nitrogênio/Proteína - Modelo Dumas NDA 701 NDA 701 é a melhor solução para alta produtividade, oferecendo a vantagem de ser totalmente automático

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

CROMATÓGRAFO A GÁS. Eis um orgulho, uma realidade, GERAÇÃO 8000 um produto brasileiro.

CROMATÓGRAFO A GÁS. Eis um orgulho, uma realidade, GERAÇÃO 8000 um produto brasileiro. COMATÓGAFO A GÁS DINÂMICO COMPLETO CONFIGUÁVEL GEAÇÃO 8000 PAA PAA SE SUA ÚNICO INOVADO MODENO 2 ANOS DE GAANTIA PEFEITO EM QUALQUE ÂNGULO O cromatógrafo a gás GEAÇÃO 8000, mostra-se inovador, moderno,

Leia mais

Central Analítica Central Analítica Central Analítica Central Analítica ntral Analítica

Central Analítica Central Analítica Central Analítica Central Analítica ntral Analítica A Central Analítica é um centro de análise de matérias e substâncias químicas que facilita o desenvolvimento de pesquisas, pós-graduação e formação de recursos humanos no Departamento de Química Fundamental

Leia mais

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS Técnicas cromatográficas Termo cromatografia são atribuídos ao botânico Mikhael Tswett, em 1906. Chrom cor Graphe escrever Reed (Inglaterra) e Day (EUA) Petróleo Época Moderna

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Análise DBO DBO Sensor EVO e DBO Sensor EVO System 6 A maneira mais conveniente para obter resultados confiáveis automaticamente para análise de DBO manométrico.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. PRÓ-EQUIPAMENTOS 2013 INFORMAÇÕES Subprojeto Situação Localização 1. PPGCA Centrífuga refrigerada (para tubos de 1,5 a 50 ml) Incubadora de CO2 (150 litros) Extrator de Lipídio (modelo com 06 provas) Destilador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA Relação de equipamentos multiusuários - UFRB QUANTIDADE 06 EQUIPAMENTO AGITADOR C/AQUECIMENTO

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA Com a descoberta que o átomo possui estrutura; isto é, é composta de partículas menores tais como elétrons os quais são ordenados de acordo a critérios quânticos

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos.

Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. PETRÓLEO E DERIVADOS ASELCO / TELEDYNE TIPOS DE PETRÓLEO Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. Mistos

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA Laboratórios de Química I, II, III, IV Localização: - Analítica - Bloco "M" 304 Área: 70,65 m² - Físico Química - Bloco M 303 Área: 95,48m² - Química Inorgânica - Bloco

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS

EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS AGILENT TECHNOLOGIES Como companhia nº 1 do mundo na área da medição, a Agilent Technologies oferece o maior portefólio de soluções inovadoras para a indústria,

Leia mais

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS)

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) 78 4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) Os espectrômetros de massa constam de quatro partes básicas: um sistema de manipulação para introduzir a amostra desconhecida no equipamento;

Leia mais

LEITORA DE ELISA EZ READ 400

LEITORA DE ELISA EZ READ 400 LEITORA DE ELISA Leitora da ELISA e software Galápagos fornecem tudo que você precisa para tornar sua análise extremamente fácil. DESCRIÇÃO Medidas em placas de 96 cavidades de fundo reto, redondo, em

Leia mais

MATERIAIS RECEBIDOS (2013)

MATERIAIS RECEBIDOS (2013) MATERIAIS RECEBIDOS (2013) DESTINATÁRIO GRUPO MATERIAL ESPECÍFICO VALOR UNIT. QTDE VALOR TOTAL MEDIDOR PORTATIL DE PH R$ 389,00 1 R$ 389,00 ESPECTROFOTOMETRO R$ 1.534,00 1 R$ 1.534,00 SALAS SALAS DE CAIXA

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

INFRAESTRUTURA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GABINETES DE TRABALHO PARA PROFESSORES TEMPO INTEGRAL TI

INFRAESTRUTURA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GABINETES DE TRABALHO PARA PROFESSORES TEMPO INTEGRAL TI INFRAESTRUTURA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GABINETES DE TRABALHO PARA PROFESSORES TEMPO INTEGRAL TI Os professores que atuam tempo integral na Universidade do Extremo Sul Catarinense contam com

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN

BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN O Bentley NexGen representa o resultado de mais de 20 anos de trabalho conjunto com nossos clientes. O Bentley NexGen representa a última palavra em tecnologia de ponta para análise

Leia mais

DESTILADOR ENOLÓGICO DIGITAL SUPER DEE

DESTILADOR ENOLÓGICO DIGITAL SUPER DEE DESTILADOR ENOLÓGICO DIGITAL DESCRIÇÃO Método Oficial OIV para a determinação do teor alcoólico em volume, acidez volátil e Anidridos Sulfurosos em vinhos, mostos e bebidas alcoólicas de acordo com regulamentação

Leia mais

Introdução à LC/MS. Introdução

Introdução à LC/MS. Introdução Introdução à LC/MS Introdução n LC provém a separação, em fase líquida, de misturas complexas, porém dificilmente fornece a identificação positiva de componentes individuais. n MS é uma técnica que auxilia

Leia mais

Aula 11. Prof. Rafael Sousa

Aula 11. Prof. Rafael Sousa Analítica V: Aula 11 Eletroforese capilar Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan EletroforeseCapilar(EC) TÉCNICA ELETROANALÍTICA HISTÓRICO

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

Regras Operacionais do Laboratório de Metais Traços. Por gentileza forneça as seguintes informações para um dos Pósdoctor

Regras Operacionais do Laboratório de Metais Traços. Por gentileza forneça as seguintes informações para um dos Pósdoctor UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOLOS E QUALIDADE DE ECOSSISTEMAS Regras

Leia mais

LABORATÓRIO / DISCIPLINAS

LABORATÓRIO / DISCIPLINAS LABORATÓRIO / DISCIPLINAS Laboratório de Farmacotécnica: Farmacotécnica, Cosmetologia e Farmacotécnica Homeopática e Fitoterápica. ÁREA CONTRUIDA (m 2 ) 80 Multidisciplinar I: Biofísica, Toxicologia, Fisiologia

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA AMBIENTAL

LABORATÓRIOS DA ÁREA AMBIENTAL LABORATÓRIOS DA ÁREA AMBIENTAL Laboratório de Hidráulica Ambiental Localização: Bloco "M" 223 Área: 70,38 m² Módulo para Experimentos e Perda de Carga: - 01 Reservatório (300L); - 01 Grupo Motor Bomba;

Leia mais

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado)

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado) Principais tipos: Parafuso simples Parafuso duplo (mais empregado) Vantagens em relação aos alternativos: Menor tamanho Número inferior de partes móveis Desvantagens em relação aos alternativos: Menor

Leia mais

http://intranet.ad.finep.gov.br/sistemas/operacionais/acompanhamento_tecnico/cron...

http://intranet.ad.finep.gov.br/sistemas/operacionais/acompanhamento_tecnico/cron... Página 1 de 5 RELAÇÃO DE ITENS DA CONTRAPARTIDA E DE OUTROS APORTES Referência: 0636/10 Convênio: 01.10.0767.01 Despesas Acessórias de Importação Conjunto de Componentes para vácuo Sistema de vácuo com

Leia mais

Sumário. capítulo 1 Aparelho radiográfico 1. capítulo 2 Fonte de raios X 13. Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4

Sumário. capítulo 1 Aparelho radiográfico 1. capítulo 2 Fonte de raios X 13. Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4 capítulo 1 Aparelho radiográfico 1 Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4 Componentes básicos 5 Aparelho fixo 6 Aparelho móvel 8 Aparelho portátil 9 capítulo 2 Fonte de raios X 13 História 14 Produção

Leia mais

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO Novembro de 2011 Índice 1. Regras básicas na realização da experiência... 2 2. Objectivos das experiências... 3 3. Descrição do equipamento... 4 3.1. Torre... 5 3.2. Pulverizadores

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG II INOVAMIN Experiência da em Subvenção Econômica Plano Introdução Projeto de Subvenção Econômica Aspectos positivos, dificuldades, sugestões Red, Orange and Green Tecnologias Ambientais Pequena empresa

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU:

Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU: Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU: Os componentes de uma cromatografia líquida são: bomba, coluna cromatográfica, detector e o registrador.

Leia mais

CLARUS 500 / HEADSPACE TURBO MATRIX 1. INTRODUÇÃO

CLARUS 500 / HEADSPACE TURBO MATRIX 1. INTRODUÇÃO 1/10 1. INTRODUÇÃO A Cromatografia em Fase Gasosa (CG) é um método usado frequentemente em bioquímica e em química analítica para separar, identificar e quantificar diferentes compostos. Para tanto, utiliza-se

Leia mais

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS É sabido que agricultura sem

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Unidade de Destilação Kjeldahl UDK129 Destilador básico para destilações Kjeldahl DESCRIÇÃO A unidade de destilação UDK129 foi projetada para atender diversas

Leia mais

Edital EQUIPAMENTO Nº PATRIMÔNIO LOCALIZAÇÃO

Edital EQUIPAMENTO Nº PATRIMÔNIO LOCALIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA FINEP Edital EQUIPAMENTO Nº PATRIMÔNIO LOCALIZAÇÃO SCANER DE MESA-LEITOR COPIADOR E DIGITALIZADOR

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

Galtrans MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC EQUIPAMENTOS PARA GALVANOPLASTIA. www.galtrans.com.br

Galtrans MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC EQUIPAMENTOS PARA GALVANOPLASTIA. www.galtrans.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC A GALTRANS agradece pela compra deste equipamento.para assegurar o total entendimento do seu funcionamento e obter o melhor desempenho possível, leia atentamente

Leia mais

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Automação e Instrumentação Ivo M. Raimundo Jr. Instituto de Química UNICAMP Grupo de Instrumentação e Automação em Química Analítica INCTAA Instituto Nacional de Ciências e Tecnologias Analíticas Avançadas

Leia mais

FC 4S O QUE É JAR TEST INSTRULAB INSTRUMENTOS PARA LABORATÓRIOS

FC 4S O QUE É JAR TEST INSTRULAB INSTRUMENTOS PARA LABORATÓRIOS JAR TEST Floculador com 4 posições de agitação. Possibilita o ajuste individual da agitação em cada posição, possibilitando diferentes condições de análises em cada copo. O QUE É JAR TEST JAR TESTE é um

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

Lista de equipamentos adquiridos pelos Programas de Pós- Graduação da UFSJ, através do Edital Capes nº 27/2010 Pró-Equipamentos Institucional

Lista de equipamentos adquiridos pelos Programas de Pós- Graduação da UFSJ, através do Edital Capes nº 27/2010 Pró-Equipamentos Institucional Lista de equipamentos adquiridos pelos Programas de Pós- Graduação da UFSJ, através do Edital Capes nº 27/200 Pró-Equipamentos Institucional Sistema de Sala.49 CDB São João del- 0697 TV digital, tela LCD

Leia mais

a Energia em casa Da usina até sua casa

a Energia em casa Da usina até sua casa a Energia em casa Da usina até sua casa Para ser usada nas cidades, a energia gerada numa hidrelétrica passa por uma série de transformações A eletricidade é transmitida de uma usina até os centros de

Leia mais

Ar Condicionado Split High Wall 7000BTUs Só Frio Consul Bem Estar

Ar Condicionado Split High Wall 7000BTUs Só Frio Consul Bem Estar Ar Condicionado Split High Wall 7000BTUs Só Frio Consul Bem Estar Características A temperatura vai ficar exatamente como você quer. Com uma unidade interna conectada a outra externa, esse modelo é a escolha

Leia mais

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011)

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) 2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) (1) Considerando o sistema mostrado na Figura 1: (a) Projete a tubulação através da abordagem da velocidade econômica; (b) Selecione uma bomba mostrando todos

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

Condições Gerais de Prestação de Serviços Analíticos 2013/14

Condições Gerais de Prestação de Serviços Analíticos 2013/14 Laboratório de Análises Um Laboratório ao serviço da Academia e da Indústria Condições Gerais de Prestação de Serviços Analíticos 2013/14 Laboratório de Análises Tel: +351 212947805 (ext: 10993) http://www.dq.fct.unl.pt/servicos-externos

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

Raquel P. F. Guiné ESAV

Raquel P. F. Guiné ESAV OS PROCESSOS nas INDÚSTRIAS ALIMENTARES Raquel P. F. Guiné ESAV OS PROCESSOS nas INDÚSTRIAS ALIMENTARES Raquel P. F. Guiné Edição Edição de autor Coordenação editorial Raquel Guiné, ESAV Composição Raquel

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE MICROBIOLOGIA E ALIMENTAÇÃO

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE MICROBIOLOGIA E ALIMENTAÇÃO LABORATÓRIOS DA ÁREA DE MICROBIOLOGIA E ALIMENTAÇÃO Laboratório de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Localização: Bloco "M" 125 Área: 158,69 m² Projetos de Pesquisa: POLIFENÓIS DE YACON (Smallanthus sonchifolius):investigação

Leia mais

Equipamento Patrimônio Local Prof./Técnico Supervisores Freezer C - ultralow Sanyo

Equipamento Patrimônio Local Prof./Técnico Supervisores Freezer C - ultralow Sanyo LISTA DE EQUIPAMENTOS: ESTRUTURA MULTI-USUÁRIO DO PPGCF Atualizada em 30 de março de 2017 por Thaís Erig/Renata Pereira Fagundes/Stela Rates Para a utilização dos equipamentos os usuários devem estar devidamente

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.unityscientific.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.unityscientific.com Descritivo de produto Fornecedor www.unityscientific.com Analisador NIR Modelo SPECTRASTAR - Resultados precisos em 30 segundos; - Computador interno com HD em estado sólido; - Fácil Instalação e startup;

Leia mais

G-8000 - Instalação e Preparação

G-8000 - Instalação e Preparação G-8000 - Instalação e Preparação www.intecrom.com.br www.intecrom.com.br 1 Índice Título Página Instalação do Geração 8000 3 Configuração do Equipamento 4 Especificação do Geração 8000 5 Ambiente 6 Instalações

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE QUÍMICA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE QUÍMICA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DO LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR DE QUÍMICA BAURU - 2014 APRESENTAÇÃO Nesse manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Química, o horário

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000 26267 - UNIVERSIDADE FED DA INTEGR LATINO-AMERICANA 58658 - UNIVERSIDADE FED. DA INTEGR. LATINO-AMERICANA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/20-000 - Itens da Licitação - APARELHO ENSAIOS FÍSICOS

Leia mais

Inovação tecnológica em DSC e hifenações

Inovação tecnológica em DSC e hifenações Inovação tecnológica em DSC e hifenações Thiago Fatobene 2009 Perkin Elmer DSC Fluxo de calor Princípio Monitoramento de eventos que envolvem troca de calor: eventos endotérmicos e exotérmicos, variação

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Cromatógrafo Master GC DESCRIÇÃO Atualmente, o número de amostras a serem analisadas tem aumentado em níveis consideráveis, o que torna o processo um desafio

Leia mais

a excelência do clima sistemas VRF

a excelência do clima sistemas VRF a excelência do clima VRF UNIDADES INTERIORES 5 MODELOS / 37 VERSÕES UNIDADES EXTERIORES 3 MODELOS / 36 VERSÕES Mural Cassette 4 vias Mini - VRF VRF VRF Plus Parede / Tecto Módulos Básicos Módulos Básicos

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Curso Básico de Instrumentação

Curso Básico de Instrumentação Curso Básico de Instrumentação Ementa O treinamento aborda os fundamentos de controle de processos visando preparar profissionais com formação técnica para atuar em projetos de instrumentação no setor

Leia mais

Cromatografia Gasosa. Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman. Thomson Learning; ISBN: 0030020786. Departamento de Química

Cromatografia Gasosa. Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman. Thomson Learning; ISBN: 0030020786. Departamento de Química Capítulo X-5 Cromatografia Gasosa Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman Thomson Learning; ISBN: 0030020786 1 Na cromatografia de fase gasosa (GC) a amostra é volatizada e injectada

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

White Paper sobre Antiestática

White Paper sobre Antiestática Cargas Eletrostáticas Durante a Pesagem: Medidas para a Prevenção de Erros Geração de carga eletrostática As amostras carregadas eletrostaticamente podem causar dificuldades de manuseio e erros de medição

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Experimentos. Indústria Química. Dicas e Truques para Pesagem. Experiência com as leis da ciência natural "ao vivo" - fácil aprendizagem

Experimentos. Indústria Química. Dicas e Truques para Pesagem. Experiência com as leis da ciência natural ao vivo - fácil aprendizagem Indústria Química Experimentos Pesagem Catálogo de Ajuda Dicas e Truques para Pesagem Experiência com as leis da ciência natural "ao vivo" - fácil aprendizagem Caro Leitor Primeiramente, obrigado pelo

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA

CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA SETEMBRO 2015 1 2 3 4 FE / FM 5 FM = LÍQUIDO CROMATOGRAFIA LÍQUIDA FM = GÁS CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) SÓLIDA CGS FE em CG LÍQUIDA CGL 6 VANTAGENS

Leia mais

ÁGUA REAGENTE Sistema: Máster System MS2000

ÁGUA REAGENTE Sistema: Máster System MS2000 POPE n.º: E 03 Página 1 de 8 1. Objetivo: Estabelecer a sistemática para produção de água reagente Tipo 2 para o abastecimento do equipamento COBAS INTEGRA 400 Plus, dos demais equipamentos que utilizam

Leia mais

Uma Revolução Na Análise De Leite

Uma Revolução Na Análise De Leite Uma Revolução Na Análise De Leite O NOVO EQUIPAMENTO DA SÉRIE NEXGEN Bentley DairySpec FT Um equipamento robusto e de alta precisão desenvolvido para análise de produtos lácteos A Série NexGen da Benltey

Leia mais

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda.

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. Linha de Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva ao direito de alterar

Leia mais

Física 2ª série Ensino Médio v. 2

Física 2ª série Ensino Médio v. 2 ísica 2ª série Ensino Médio v. 2 Exercícios 01) Caloria é a quantidade de calor necessária para que um grama de água possa aumentar sua temperatura de 1,5 o C para 15,5 o C. 02) É o calor necessário para

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

III - ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE AUTORIZAÇÃO DE CURSOS

III - ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE AUTORIZAÇÃO DE CURSOS I - APRESENTAÇÃO O presente documento completa a série de instrumentos elaborados pela Comissão de Especialistas de Ensino de Farmácia, compostos por Roteiro de Autorização de Novos Cursos, Roteiro de

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

ANALÍTICA V 1S 2013. Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa

ANALÍTICA V 1S 2013. Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa ANALÍTICA V 1S 2013 Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA Espectrometria de Absorção Atômica - Parte I Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ2013-340 DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos 1, Marcelo O. Morais Filho 2, Rodolfo

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS Instalações e Serviços Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso,

Leia mais