Projeto Europeu ENCLOSE: promoção da eficiência na logística urbana

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Europeu ENCLOSE: promoção da eficiência na logística urbana"

Transcrição

1 Sessão de Apresentação do Programa Energia Inteligente Europa (Info-Day 2013) Projeto Europeu ENCLOSE: promoção da eficiência na logística urbana Carlos Sousa, Pedro Machado e Catarina Freitas Câmara Municipal de Almada Departmento de Estratégia e Gestão Ambiental Sustentável Agência Municipal de Energia de Almada, AGENEAL

2 População Comerciantes Fornecedores Bancos e instituições de crédito Produtores Empresas tecnológicas Forças de ordem Município Associações profissionais Escolas Universidades Empresas gestão de circulação e estacionamento Empresas de transportes Bombeiros Correios e distribuição postal Serviços de urgência Distribuidores

3 A importância da Logística Urbana Mais de 70% da população da União Europeia vive em áreas urbanas Nas áreas urbanas é gerado cerca de 85% do PIB da EU 3 em cada 5 pessoas viverão numa cidade em 2030 Um desafio: manter a atractividade e qualidade de vida nas cidades, apesar do congestionamento e da poluição com origem no tráfego rodoviário

4 A importância da Logística Urbana Relevância económica da logística A logística (transporte, armazenamento) representa 10 a 15% do custo do produto acabado Representa cerca 13,8% do PIB da UE É necessário estudar soluções mais eficientes para uma melhoria continuada dos processos logísticos nas cidades europeias

5 Logística Urbana: papel das entidades públicas a nível europeu Estabelecer regulamentos e regras de operação Estudar e definir acessos, emitir autorizações, gerir espaços, etc. Acesso/autorização por tipo de produto/dia/hora Tipo e duração do acesso/autorização (longo prazo, mensal, ocasional, etc.) Promover iniciativas para a melhoria dos processos de logística urbana Optimização de processos logísticos e estudo de novas soluções Incentivo ao uso de tecnologias de apoio ao processo

6 Logística Urbana: vertentes de actuação a logística urbana é um processo dinâmico, fundamental para o funcionamento de uma cidade, existem inúmeras soluções, esquemas e tipos de serviços, é necessário adoptar a solução que melhor se adequa à realidade local, deve ser desenvolvida de forma gradual, em função das necessidades e características locais é necessário envolver os vários agentes

7 ENCLOSE ENCLOSE - ENergy efficiency in City LOgistics Services for small and mid-sized European Historic Towns ENCLOSE Eficiência Energética em Serviços de Logística Urbana em Cidades Europeias de Pequena e Média Dimensão

8 ENCLOSE Início oficial do projeto: Maio de 2012 Duração: 30 meses Coordenador do projeto: MemEx Srl, Livorno (Italia) Consórcio: 16 parceiros de 13 países da UE

9 Consórcio Cidades líder Lucca (Itália), Trondheim (Noruega), s Hertogenbosch (Holanda) Cidades seguidoras Almada (Portugal), Burgos (Espanha), Dundee (Escócia), Alba Julia (Roménia), Serres (Grécia), Balchik (Bulgária) Agências / Universidades Agência de Energia do Sudoeste da Suécia (Suécia), Agência de Energia de Tipperary (Irlanda), Austria Tech (Áustria), ILIM - Instituto de Logísticas e Armazenamento (Polónia) Associações EATHR - Associação Europeia de Regiões e Cidades Históricas Consultores especializados MemEx (Itália), MCOMM (Itália)

10 Consórcio: parceiros 13 países Áustria Bulgária Espanha Grécia Holanda Irlanda Itália Noruega Polónia Portugal Reino Unido Roménia Suécia Cidades parceiras Outros parceiros Associações Apoiantes

11 Objetivos Sensibilizar instituições para os desafios da eficiência energética e da logística urbana sustentável em pequenas e médias cidades Identificar oportunidades concretas de melhoria significativa da logística urbana nas cidades parceiras Estudar soluções e medidas efetivas com possibilidade de implementação concreta em territórios urbanos de pequena e média dimensão

12 Tarefas a realizar Diagnóstico, necessidades e desafios caracterização da área urbana; identificação de necessidades e oportunidades; inventariação de boas práticas Estudo de soluções de logística urbana Análise de boas práticas e troca de experiências Comunicação, promoção e disseminação

13 Tarefas a realizar Diagnóstico, necessidades e desafios caracterização da área urbana; identificação de necessidades e oportunidades; inventariação de boas práticas Estudo de soluções de logística urbana Análise de boas práticas e troca de experiências Comunicação, promoção e disseminação

14

15

16 Obrigado pela atenção

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009 Duarte Rodrigues Coordenador adjunto do Observatório do QREN Sintra, 21 de Setembro 2009 O desafio da cooperação institucional As respostas Clusterização (EEC) Os factores críticos de sucesso Parcerias

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 Como Nasceu a União Europeia? Depois da guerra...a paz, a solidariedade na Europa Em 1951, nasceu a primeira Comunidade - a Comunidade Europeia

Leia mais

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso)

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Áustria Bélgica Carta de condução da categoria D: 2015 Carta

Leia mais

RETIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 139 de 26 de maio de 2016) O anexo II é inserido com a seguinte redação:

RETIFICAÇÕES. («Jornal Oficial da União Europeia» L 139 de 26 de maio de 2016) O anexo II é inserido com a seguinte redação: 3.6.2016 L 146/31 RETIFICAÇÕES Retificação do Regulamento de Execução (UE) 2016/799 da Comissão, de 18 de março de 2016, que dá execução ao Regulamento (UE) n. o 165/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Seminário APCER Maio 2008 Agenda O Modelo CAF o que é; para que

Leia mais

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en)

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en) CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2013/0900 (NLE) EUCO 110/13 INST 234 POLGEN 69 OC 295 ATOS JURÍDICOS Assunto: PROJETO DE DECISÃO DO CONSELHO EUROPEU que

Leia mais

PNPOT. Território e Economia Circular. Energia. Gabriela Prata Dias. Lisboa, 27 outubro 2016

PNPOT. Território e Economia Circular. Energia. Gabriela Prata Dias. Lisboa, 27 outubro 2016 PNPOT Território e Economia Circular Energia Gabriela Prata Dias Lisboa, 27 outubro 2016 Temas Eficiência energética em Portugal Energia e economia circular Transição energética para um novo paradigma

Leia mais

A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL MNE DGAE

A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL MNE DGAE A UNIÃO EUROPEIA E O DIÁLOGO INTERCULTURAL O CAMINHO PARA A UNIÃO EUROPEIA O QUE SE COMEMORA NO ANO EUROPEU 2008 QUIZ O CAMINHO PARA A UNIÃO EUROPEIA No século XX, depois das Guerras Mundiais (a 2ª foi

Leia mais

Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS

Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS Luciana Costa Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

PROJETO U-BIKE PORTUGAL

PROJETO U-BIKE PORTUGAL PROJETO U-BIKE PORTUGAL Lisboa Auditório do IRHU 28 de janeiro 2016 PROJETO U-BIKE PORTUGAL Auditório do IRHU 28 jan 2016 1. Enquadramento 2. Objetivos 3. Regulamento Geral do Projeto 4. Protocolo IMT

Leia mais

O que é a União Europeia (UE)?

O que é a União Europeia (UE)? O que é a União Europeia (UE)? 28 Estados-Membros Mais de 500 milhões de habitantes Atuais candidatos à adesão à UE: Albânia, antiga República Iugoslava da Macedônia, Montenegro, Sérvia e Turquia Tratados

Leia mais

Como funciona a UE. Como funciona a UE

Como funciona a UE. Como funciona a UE Como funciona a UE Como funciona a UE Três instituições principais O Parlamento Europeu, a voz dos cidadãos Jerzy Buzek, Presidente do Parlamento Europeu O Conselho de Ministros, a voz dos Estados-Membros

Leia mais

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional 1 Uma porta aberta para a Europa Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional Albino Oliveira Serviço de Relações Internacionais da Universidade do Porto 2 1 Cinco tipos de Acção Mobilidade

Leia mais

Programa Energia Inteligente Europa (EIE)

Programa Energia Inteligente Europa (EIE) Programa Energia Inteligente Europa (EIE) -Participação Nacional Porto, Fevereiro de 2014 Isabel Soares 1 Programa comunitário Energia Inteligente - Europa Apoio a políticas da UE em matéria de energias

Leia mais

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Grandes preocupações da humanidade Aquecimento Global

Leia mais

, , , ,

, , , , 13. TRANSFERÊNCIAS (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 01-julho-2016 13.1. Ordens de Transferência 1. Transferências Internas / Nacionais Emitidas 1.1. Entre Contas Bankinter

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Análise do Mercado dos Produtos Petrolíferos em 2011 Introdução O preço dos combustíveis é um tema sempre presente na nossa sociedade, que afeta todos os

Leia mais

OEm Observatório da Emigração

OEm Observatório da Emigração OEm Observatório da Emigração Ficha 2014.01 Emigração Portuguesa na União Europeia Os Dados dos Censos de 2011 Mais de um milhão de portugueses estavam emigrados nos países da União Europeia e da EFTA

Leia mais

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI Albino Oliveira O que é o Programa Leonardo da Vinci? É um Programa Comunitário de Acção em Matéria de Formação Profissional que agora se encontra na sua segunda fase (01 de

Leia mais

Smart Cities Benchmark Portugal 2015

Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Contexto Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). 1 Mais de 80% da populção da Europa Ocidental irá viver em zonas em 2020. 2 80%

Leia mais

2.1 Descrição. Objetivos:

2.1 Descrição. Objetivos: Item a) Relações com a Europa. Comércio e investimentos. Extensão máxima. Quatro laudas. Introdução: A liderança econômica global da Europa é notável: são europeias cinco das 10 maiores economias do mundo;

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

JESSICA - Joint European Support

JESSICA - Joint European Support JESSICA - Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas KICK-OFF PORTUGAL Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 Virgílio Martins Unidade REGIO D3 Engenharia Financeira Direcção-Geral Porquê

Leia mais

Compreender a obesidade infantil...

Compreender a obesidade infantil... Introdução Compreender a obesidade infantil... Você tem vindo a constatar, desde há algum tempo, que o seu filho se tem tornado mais roliço e, progressivamente, mais gordo. O médico de família, que já

Leia mais

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA?

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? O QUE É A UNIÃO EUROPEIA? A União Europeia é uma união de países democráticos europeus, que partilham valores comuns e que se encontram empenhados num projeto

Leia mais

Políticas de Patrocínio Internacional. 1 de Abril, 2015 Amway

Políticas de Patrocínio Internacional. 1 de Abril, 2015 Amway Políticas de Patrocínio Internacional 1 de Abril, 2015 Amway Políticas de Patrocínio Internacional Esta Política é aplicável em todos os mercados europeus (Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, República

Leia mais

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS 11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS O QUE ESTÁ NO MENU EUROPEU? INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS

Leia mais

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016 Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da MAXPAY-Instituição de Pagamento, Lda, contém o Folheto

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 1 eidas o novo Regulamento Europeu sobre certificação digital que substitui a legislação Portuguesa O que é o eidas? No próximo dia 1 de Julho entra em vigor o Regulamento nº910/2014 do Parlamento e do

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

Mercado Liberalizado de Energia

Mercado Liberalizado de Energia Mercado Liberalizado de Energia BRAGA - 26/10/2012 1 ÍNDICE 1. PRESENÇA GLOBAL 2. NEGÓCIO LIBERALIZADO 3. IBERDROLA EM PORTUGAL 4. MERCADO LIVRE 5. CONTRATAÇÃO PÚBLICA 2 PRESENÇA GLOBAL 3 A IBERDROLA é

Leia mais

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito As grandes cidades e áreas metropolitanas encaram o aumento da demanda nos sistemas de transportes, especialmente nas regiões

Leia mais

Orçamento da UE e perspetivas financeiras

Orçamento da UE e perspetivas financeiras Orçamento da UE e perspetivas financeiras 06 de julho de 2013 José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu O atual modelo de financiamento As receitas e despesas orçamentais da UE estão limitadas

Leia mais

A Integração no Espaço Europeu

A Integração no Espaço Europeu Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 3 A Integração no Espaço Europeu Pedro Bandeira Simões Professor

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão C(2008) 2976 final.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento da Comissão C(2008) 2976 final. CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Junho de 2008 (02.07) (OR. en) 11253/08 FRONT 62 COMIX 533 NOTA DE ENVIO de: Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Director

Leia mais

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI 0 Investimento e financiamento, a relação com a banca Luís Rêgo, Banco BPI 1 Eficiência Energética Enquadramento Legal (1/2) 2 Mercado de serviços energéticos (Directiva 2006/32/CE, de 05 de Abril*) Metas

Leia mais

14º Encontro de Energia - FIESP

14º Encontro de Energia - FIESP 14º Encontro de Energia - FIESP Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética A contribuição da norma ISO 50001 para a Eficiência Energética São Paulo, 06 de agosto de 2013 Objetivo Promover a

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2011 COM(2011) 352 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Segundo relatório sobre

Leia mais

Direito Internacional da Segurança Social

Direito Internacional da Segurança Social Direito Internacional da Segurança Social 16 de Abril de 2008 Pierre Guibentif ISCTE / Mestrado em Ciências do Trabalho e Relações Laborais ISCTE 16-4-2008 Introdução histórica Parte 1: até a II Guerra

Leia mais

Desenvolvimento Económico Regional

Desenvolvimento Económico Regional Desenvolvimento Económico Regional Conceito Aumento sustentado do emprego, rendimento e produtividade Desenvolvimento = Desenvolvimento Económico? séc. XIX anos 40 do séc. XX O conceito de desenvolvimento

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 3 Globalização e desenvolvimento local. Regiões ganhadoras e regiões perdedoras. Comparação entre regiões usando como indicador o Índice de dispersão do PIB per capita. Dinâmicas

Leia mais

A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras. Prof. Leise Kelli de Oliveira DETG

A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras. Prof. Leise Kelli de Oliveira DETG A Logística Urbana para a melhoria da Mobilidade nas cidades brasileiras DETG 5,69 5,39 4,92 4,83 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Importância da mobilidade urbana Aumento

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves

Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves www.cm-porto.pt 0 O que é o Civitas? CiViTAS: City + ViTA + Sustentability É um programa comunitário no

Leia mais

A UNIÃO EUROPEIA.

A UNIÃO EUROPEIA. A UNIÃO EUROPEIA O Centro de Informação Europeia Jacques Delors O Centro foi criado para informar os cidadãos sobre qualquer assunto relacionado com a União Europeia. Jacques Lucien Jean Delors Nasceu

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

Regulamento. Prémio Eu Reduzo

Regulamento. Prémio Eu Reduzo Regulamento Prémio Eu Reduzo Almada, Portugal 2016 PRÉMIO EU REDUZO Regulamento Artigo 1 (Projeto Missão Reduzir) a) Missão Reduzir é um projeto que visa sensibilizar, mobilizar e capacitar os munícipes

Leia mais

O Funcionamento do Triângulo Institucional

O Funcionamento do Triângulo Institucional Construção da União Europeia O Funcionamento do Triângulo Institucional 25 de Junho de 2009 Centro de Informação Europeia 1 1 Como funciona a União Europeia? O sistema político da União Europeia tem vindo

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro

Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Universidade de Aveiro BTL 2014 Lisboa, 13.03.2014 01. Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada Enquadramento da atividade Evolução

Leia mais

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Rural Europa S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

GUIA PRÁTICO DESTACAMENTO DE TRABALHADORES DE OUTROS PAÍSES PARA PORTUGAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DESTACAMENTO DE TRABALHADORES DE OUTROS PAÍSES PARA PORTUGAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DESTACAMENTO DE TRABALHADORES DE OUTROS PAÍSES PARA PORTUGAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Destacamento de Trabalhadores de Outros Países para Portugal

Leia mais

Taxa de gestão de resíduos

Taxa de gestão de resíduos Taxa de gestão de resíduos Inês Diogo Vogal do Conselho Diretivo da Agência Portuguesa do Ambiente, I.P. 30 de abril de 2013 Resumo 1. Enquadramento 2. Objetivo 3. Aplicação 4. Valores 5. Evolução 6. Destino

Leia mais

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento 2 EDP no Mundo EDP no mundo Video 14 países 11.992 colaboradores Geração: 25.223 MW Canada Estados Unidos Reino Unido Bélgica

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS PORTUGAL

CUIDADOS PALIATIVOS PORTUGAL Na análise do caminho feito por Portugal na área dos Cuidados Paliativos, tinha já sido enfatizado o seu sucesso através de documento de reconhecimento por parte do perito da O.M.S. que acompanhou a elaboração

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão J. Martins, P. Laranjeira, M. Rebelo, M. Lopes CIICESI, ESTG, Politécnico do Porto ICSLM Congress 24-11-2016, Covilhã, Portugal INTRODUÇÃO

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini

Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini Produtos Exportados por Santa Catarina: 2002 e 2009 e Análise de Mercados

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009

REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009 REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 1 2. ENQUADRAMENTO... 3 3. EVOLUÇÃO DA REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS... 3

Leia mais

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 1948: BENELUX, primeiro bloco econômico do mundo (pós 2ª Guerra Mundial). HISTÓRICO Integrantes: Bélgica, Holanda e Luxemburgo. 1952: CECA

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologias

Faculdade de Ciências e Tecnologias Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Duração: 5 anos Grau: Mestrado Coordenador: Maria de Graça Martinho Objectivos: A Engenharia

Leia mais

CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL

CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL CLUSTER VIRTUAL DE CRIATIVIDADE EMPRESARIAL João Amaro (jamaro@ualg.pt) Faro, 20 de Abril de 2010 O PROJECTO Programa: INTERREG IVB SUDOE PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL (1st CALL) Título: Cluster Virtual

Leia mais

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS CONFERÊNCIA COMEMORATIVA DOS 30 ANOS DO IVA EM PORTUGAL II Painel: O funcionamento do IVA: A experiência do funcionamento do imposto em Portugal O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS Jorge Oliveira*

Leia mais

MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA

MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA MIBEL ASPECTOS DE GOVERNAÇÃO E HARMONIZAÇÃO REGULATÓRIA XV REUNION ANUAL IBEROAMERICANA DE REGULADORES DE LA ENERGIA Santo Domingo, República Dominicana 6-8 Abril de 2011 Hermínio Moreira AGENDA 1. Conselho

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

Cidadania Europeia T R A B A L H O R E A L I Z A D O P O R : F I L I P A R E S E N D E N º º H

Cidadania Europeia T R A B A L H O R E A L I Z A D O P O R : F I L I P A R E S E N D E N º º H Cidadania Europeia T R A B A L H O R E A L I Z A D O P O R : F I L I P A R E S E N D E N º 2 1 1 2 2 1 1 º H Momentos importantes na construção da UE A Cidadania da União Europeia foi estabelecida pelo

Leia mais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais Usos Inovadores do Gás Natural (GN) Promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais (APLs) Temas Estrutura Geral do Projeto As investigações em Viena As investigações em Viena Propostas

Leia mais

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008)

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008) Manual da EU sobre a Prática de Reunião do Council of European Dentists Bruxelas 28 de Novembro de 2008 Dr Anthony S Kravitz OBE (Condecoração Ordem do Império Britânico) Professora Elizabeth T Treasure

Leia mais

Recolocação de requerentes de proteção internacional

Recolocação de requerentes de proteção internacional European Asylum Support Office Recolocação de requerentes de proteção internacional Folheto informativo PT SUPPORT IS OUR MISSION «Que se entende por recolocação?» Por recolocação entende se a transferência

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008.

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Paridades de Poder de Compra 2008 15 de Dezembro de 2009 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Com

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em

Leia mais

para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi

para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi Agenda O ICA/Procobre Gestão de Energia e a ISO 50001 O setor industrial brasileiro Conclusões O avanço

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.11.2015 C(2015) 8642 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 30.11.2015 que aprova o programa operacional «Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas Programa Operacional

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Designação do Redes onde o é aceite NB Verde NB Verde Dual + MB, American Express NB Gold NB Gold Dual + MB, American Express 1.º ano 1. Anuidades 1.º Titular

Leia mais

Evolução das emissões de CO 2. nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal. PCEEE 22 de Junho 2012

Evolução das emissões de CO 2. nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal. PCEEE 22 de Junho 2012 PCEEE 22 de Junho 2012 Evolução das emissões de CO 2 nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal Mafalda Sousa - Quercus A.N.C.N. Laura Carvalho, Ana Rita Antunes - Quercus A.N.C.N. Francisco Ferreira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O PROJECTO Projecto de promoção do desenvolvimento local utilizando o turismo como instrumento catalisador de integração e sustentabilidade. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALENTEJO ARAD LAPÓNIA LOMZA TRENTINO

Leia mais

Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas. Sofia Santos 24 novembro 2015

Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas. Sofia Santos 24 novembro 2015 Mais valias do ciclo de vida e da economia circular para o desempenho e negócio das empresas Sofia Santos 24 novembro 2015 A origem da economia circular não é nova Fonte: Paulo Ferrão, apresentação realizada

Leia mais

Balcão. operador S/ 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes

Balcão. operador S/ 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes Entrada em vigor: 15fev2017 13.1. Ordens de transferência C/ operador S/ Operador 1. Transferências Internas / Nacionais Emitidas em euros 1.1 Para conta domiciliada na própria Instituição de Crédito com

Leia mais

BANCO SANTANDER TOTTA, SA 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito

BANCO SANTANDER TOTTA, SA 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) (ÍNDICE) Designação do Redes onde o é aceite Platinum Gold MasterCard Gold Visa Gold Exclusive 1.º Titular [Outros

Leia mais

PNEUS USADOS TEMA 6 LEGISLAÇÃO B. NÍVEL MAIS AVANÇADO

PNEUS USADOS TEMA 6 LEGISLAÇÃO B. NÍVEL MAIS AVANÇADO TEMA 6 PNEUS USADOS B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 111/2001, de 6 de Abril, os pneus podem ser utilizados em veículos motorizados, aeronaves, reboques, velocípedes e outros equipamentos,

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9746, válido até 31/12/2006» RECENSEAENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006

Leia mais

V. N. de Gaia Espaço Porto Cruz 17/06/2015. Hugo Marques Sousa

V. N. de Gaia Espaço Porto Cruz 17/06/2015. Hugo Marques Sousa V. N. de Gaia Espaço Porto Cruz 17/06/2015 Hugo Marques Sousa Contextualizaçã o 2 Setor tradicional Posicionamento Que resposta? + qualidade + inovação + valor acrescentado Eixos para o renascimento industrial

Leia mais

INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES

INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES Compromisso para o Crescimento Verde: Energia 2 Dezembro 2014 0 As metas da UE para 2030 3 objectivos de política energética METAS (%) 2030 UE POLÍTICA ENERGÉTICA DA UE OBJECTIVOS

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis SEMINARIO - TALLER COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTABLES Oportunidades en Argentina y en el MERCOSUR Valéria D Amico vdamico@sp.gov.br Governo do Estado de São Paulo Secretaria da

Leia mais

13. TRANSFERÊNCIAS (OUTROS CLIENTES) Ordens de transferência

13. TRANSFERÊNCIAS (OUTROS CLIENTES) Ordens de transferência 13. TRANSFERÊNCIAS (OUTROS CLIENTES) 13.1. Ordens de transferência Transferências Internas/Nacionais 1. Para conta domiciliada na própria Instituição de Crédito (internas) Com o mesmo ordenante e beneficiário

Leia mais

MUNICÍPIO DE TORRES VEDRAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE ESTACIONAMENTO NA CIDADE DE TORRES VEDRAS

MUNICÍPIO DE TORRES VEDRAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE ESTACIONAMENTO NA CIDADE DE TORRES VEDRAS MUNICÍPIO DE TORRES VEDRAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE ESTACIONAMENTO NA CIDADE DE TORRES VEDRAS Histórico Adélia Simões, Geógrafa Coordenadora de Área de Valorização Urbana e Mobilidade - Departamento

Leia mais

Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal

Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal Workshop O hidrogénio na transição para uma economia de baixo carbono: elaboração do roteiro português Lisboa, 13 de março 2017

Leia mais

GUIA. Perguntas Frequentes

GUIA. Perguntas Frequentes GUIA Perguntas Frequentes Índice Clique no que deseja saber A Porto Seguro Viagem Individual cobre viagens de navio?... 03 Como aciono a Assistência Emergencial em Viagem?... 04 A quem se destinam os Planos

Leia mais

A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade

A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade A Construção do Mercado Europeu de Eletricidade Situação atual e perspetivas futuras Jorge Sousa Professor Coordenador ISEL Investigador INESC-ID Lisboa PORTUGAL jsousa@isel.pt 1 A G E N D A 2 Breve Caracterização

Leia mais

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras Leise Kelli de Oliveira UFMG Distribuição Urbana de Mercadorias n Entrega ou Coleta de mercadorias no ambiente urbano

Leia mais

Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA

Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA Preçário INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Sonae Financial Services, SA, contém o Folheto de

Leia mais