ÍNDICE 3. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À REGULAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DO SINISTRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE 3. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À REGULAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DO SINISTRO"

Transcrição

1 VÁLIDO A PARTIR DE OUTUBRO DE 2011

2 ÍNDICE 1. CARACTERÍSTICAS DO SEGURO DPVAT 1.1. TIPO DE SEGURO pág FINALIDADE pág COBERTURA E BENEFÍCIOS pág PEDIDO DE INDENIZAÇÃO pág PAGAMENTO DO SEGURO pág Porque pagar Isenção de pagamento 1.6. VIGÊNCIA DO SEGURO pág HIPÓTESES DE AUSÊNCIA DE COBERTURA pág INDENIZAÇÃO DO SEGURO DPVAT 2.1. VALORES DE INDENIZAÇÃO POR COBERTURA pág FORMAS DE PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO pág REGRAS PARA PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO pág Veículos identificados Veículos não identificados 2.4. INDENIZAÇÕES CUMULATIVAS pág CÁLCULO DO VALOR DE INDENIZAÇÃO pág BENEFICIÁRIOS DA INDENIZAÇÃO pág PRAZO PRESCRICIONAL pág ESTATUTO DO IDOSO pág DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À REGULAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DO SINISTRO 3.1 Documentos de identificação do veículo e do sinistro Registro da ocorrência policial pág Aviso de Sinistro pág Autorização de Pagamento/Crédito de indenização pág DUT do veículo pág Documentos específicos para cada cobertura Documentação específica/morte pág Documentação específica/invalidez Permanente pág Documentação específica/dams pág Documentos de qualificação da vítima, dos beneficiários e dos procuradores Documentação de qualificação da vítima pág Documentos de qualificação do beneficiário Para sinistros ocorridos até 28/12/2006 pág Documentos de qualificação do beneficiário Para sinistros ocorridos após 28/12/2006 pág Documentos de qualificação do procurador pág. 16 2

3 4. PROCESSO ADMINISTRATIVO PASSO-A-PASSO 4.1.RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DA DOCUMENTAÇÃO DO SINISTRO pág RECEBIMENTO DO FORMULÁRIO DE AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO/CRÉDITO DA INDENIZAÇÃO pág ORGANIZAÇÃO DOS DOCUMENTOS pág PREENCHIMENTO DO AVISO DE SINISTRO pág CADASTRAMENTO DO AVISO DE SINISTRO pág ANÁLISE TÉCNICA pág RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES pág PEDIDO DE PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO pág ANEXOS Anexo 1 Lei nº 6.194, de 19 de dezembro de 1974 pág. 23 Anexo 2 Lei nº 8.441, de 13 de julho de 1992 pág. 25 Anexo 3 Resolução CNSP nº 154, de 2006 pág. 27 Anexo 4 Lei nº , de 31 de maio de 2007 art. 8º pág. 37 Anexo 5 Lei nº , de 04 de junho de 2009 arts. 30, 31 e 32 pág. 46 Anexo 6 - Check List da documentação pág. 60 Anexo 7 Tabela para Cálculo de Indenização em caso de Invalidez Permanente Lei , de 04 de junho de 2009 pág. 71 Anexo 8 Tabela de Categoria de Veículos pág. 72 Anexo 9 Tabela de Prazo Prescricional pág. 73 Anexo 10 Declaração do Cônjuge pág. 74 Anexo 11 Declaração de Únicos Herdeiros pág. 75 Anexo 12 Declaração de Únicos Herdeiros (beneficiário menor) pág. 76 Anexo 13 Declaração de Separação De Fato pág. 77 Anexo 14 Termo de Conciliação pág. 78 Anexo 15 Resumo para liquidação de sinistros natureza Morte pág. 79 3

4 1.1.TIPO DE SEGURO 1. CARACTERÍSTICAS DO SEGURO DPVAT O Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre - SEGURO DPVAT é um seguro obrigatório. Foi instituído pela Lei nº 6.194/74, de 19/12/1974 (Anexo 1, pág. 23). 1.2.FINALIDADE O SEGURO DPVAT foi criado para amparar as vítimas de acidentes causados por veículos automotores de via terrestre em todo o território nacional. 1.3.COBERTURAS E BENEFÍCIOS O SEGURO DPVAT cobre danos pessoais. Seu objetivo é cobrir as vítimas de acidentes ou seus beneficiários, não os danos materiais causados ao veículo. As coberturas são três: Morte Invalidez Permanente Total ou Parcial Reembolso de Despesas de Assistência Médica e Suplementares DAMS Todas as pessoas, transportadas ou não, que forem vítimas de acidentes causados por veículos automotores de via terrestre ou por sua carga, estão cobertas pelo SEGURO DPVAT. As indenizações são pagas individualmente, não importando quantas vítimas estiverem envolvidas no mesmo acidente. O pagamento independe também da apuração de culpados. 1.4.PEDIDO DE INDENIZAÇÃO Para solicitar a indenização do SEGURO DPVAT a vítima ou beneficiário (ou procurador devidamente qualificado) deve apresentar os documentos necessários na seguradora consorciada de sua preferência. 1.5.PAGAMENTO DO SEGURO 1.5.1Por que pagar?: o SEGURO DPVAT tem uma função social. O seu pagamento garante amparo às vítimas de acidentes causados por veículos em todo o território nacional, independentemente de quem seja a culpa pelo acidente. Para isso, o SEGURO DPVAT foi instituído através da Lei nº 6.194, de 19/12/1974 (Anexo 1, pág. 23), como um seguro obrigatório. A legislação estabelece que todo proprietário de veículo automotor de via terrestre pague anualmente o seguro Isenção de pagamento: a lei não prevê isenção de pagamento do SEGURO DPVAT, razão pela qual os veículos que não mantêm em dia o seguro obrigatório não são considerados devidamente licenciados. Reboques e semi-reboques não pagam o SEGURO DPVAT, uma vez que a responsabilidade do pagamento cabe ao proprietário do veículo tracionador VIGÊNCIA DO SEGURO Vai de 1º de janeiro a 31 de dezembro, independentemente da data de pagamento do prêmio. Cada quitação do SEGURO DPVAT corresponde a um exercício. 4

5 1.7. HIPÓTESES DE AUSÊNCIA DE COBERTURA Danos pessoais resultantes de radiações ionizantes ou contaminações por radioatividade de qualquer tipo de combustível nuclear ou de qualquer resíduo de combustão de matéria nuclear; As multas e fianças impostas ao condutor ou proprietário do veículo e as despesas de qualquer natureza decorrentes de ações ou processos criminais; Acidentes ocorridos fora do território nacional; Acidentes com veículos estrangeiros em circulação pelo Brasil (esses acidentes devem estar cobertos por seguro contratado no país de origem do veículo). 2. INDENIZAÇÃO DO SEGURO DPVAT VALORES DE INDENIZAÇÃO POR COBERTURA Morte... R$ ,00 Invalidez Permanente... Até R$ ,00 Reembolso de Despesas de Assistência Médica e Suplementares DAMS... Até R$ 2.700,00 Valores de indenização fixados pela Lei 6.194, de 1974 após alterações promovidas pela Lei , de 31/5/2007. FORMAS DE PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO DPVAT Crédito em conta corrente de qualquer banco Crédito em conta poupança: Banco do Brasil, Banco Itaú, Banco Bradesco e Caixa Econômica Federal REGRAS PARA PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO VEÍCULOS IDENTIFICADOS A) Categorias 01, 02, 09 e 10: Acidentes ocorridos após 4/1986 (Data de criação do Convênio de Operações do Seguro DPVAT),estarão cobertos em todas as garantias, independentemente da apresentação do DUT do veículo.. B) Categorias 03 e 04: Acidentes ocorridos após 31/12/04, estarão cobertos em todas as garantias, independentemente da apresentação do DUT do veículo causador do evento. Acidentes ocorridos antes de 1/1/2005 não possuem cobertura pelos Consórcios DPVAT, cabendo esclarecer ao interessado que o mesmo deverá se dirigir à seguradora com a qual o bilhete de seguro DPVAT foi contratado pelo proprietário do veículo causador do acidente. ATENÇÃO: Para todas as categorias a apresentação do DUT somente será necessária para regulação de sinistros de Morte, quando o beneficiário for o proprietário do veículo e estivesse inadimplente quando da ocorrência do acidente; ou de Invalidez Permanente e DAMS, quando a vítima for o proprietário do veículo que estava inadimplente na data do sinistro. Nessas hipóteses, não haverá pagamento de indenização ou reembolso ao beneficiário que também era proprietário do veículo. 5

6 VEÍCULOS NÃO IDENTIFICADOS A) Categorias 01, 02, 09 e 10: Acidentes ocorridos antes de 13/7/92, data da entrada em vigor da Lei 6.194, de 1974 alterada pela Lei 8.441/1992, estarão cobertos apenas nos casos de Morte e a indenização correspondente estará limitada a 50% do valor vigente na data do seu pagamento. Acidentes ocorridos em 13/7/92, ou após essa data, estarão cobertos em todas as garantias e suas indenizações serão de até 100% do valor vigente na data do seu pagamento. B) Categorias 03 e 04: Acidentes ocorridos a partir de 1/1/05, inclusive, estarão cobertos em todas as garantias e suas indenizações serão de até 100% do valor vigente na data do seu pagamento. Acidentes ocorridos antes de 1/1/05, não estão cobertos. INDENIZAÇÕES CUMULATIVAS As indenizações por Morte e Invalidez Permanente não se acumulam. Se, após o pagamento de uma indenização por Invalidez Permanente, ocorrer Morte em conseqüência do mesmo acidente, do valor da indenização por Morte será deduzida a importância já paga por Invalidez Permanente. No entanto, é possível a cumulação de indenização de Morte ou Invalidez Permanente com reembolso de DAMS. Isto é, não há dedução do reembolso de despesas médicas e hospitalares (DAMS), em caso de pagamento de indenizações de Morte ou Invalidez Permanente. CÁLCULO DO VALOR DE INDENIZAÇÃO Em caso de sinistro de Morte e Invalidez Permanente Total, a indenização corresponderá ao valor máximo em vigor (ver Valores de Indenização por Cobertura, p. 5). Em caso de sinistro de Invalidez Permanente Parcial, a indenização corresponderá ao resultado da seguinte multiplicação: % de invalidez indicado pelo médico X % da Tabela para Cálculo da Indenização em Invalidez Permanente X Valor máximo de indenização (Anexo 7, pág. 71). Quando mais de um órgão ou membro for atingido, a indenização corresponderá ao somatório dos valores calculados para cada órgão ou membro, limitada ao valor máximo de indenização em vigor. (ver Valores de Indenização por Cobertura, p.5 e Tabela para Cálculo da Indenização em Invalidez Permanente Anexo 7. pág.71). BENEFICIÁRIOS DA INDENIZAÇÃO O beneficiário pode ser a própria vítima, o cônjuge e/ou companheiro(a) e/ou herdeiros legais, dependendo da indenização que estiver sendo pleiteada, e da data da ocorrência do sinistro. (Vide págs. 10 a 15) 6

7 PRAZO PRESCRICIONAL Desde a entrada em vigor do Novo Código Civil, o prazo para que o interessado ingresse com pedido de indenização do seguro DPVAT passou a ser de 3 anos, a contar da data em que ocorreu o acidente. Há casos, porém, em que o prazo pode ser diferente. Consulte a tabela específica (Anexo 9 pág. 73) para verificar em que situação o acidente se enquadra. ATENÇÃO: Para os processos de Invalidez Permanente, a contagem do prazo prescricional se inicia a partir da data em que a vítima tomou conhecimento de sua Invalidez Permanente. Essa circunstância temporal será comprovada através da data da expedição do Laudo do Instituto Médico Legal, que atestou em definitivo a invalidez. Na hipótese de inexistência de Instituto Médico Legal da jurisdição do acidente ou da residência da vítima, devidamente comprovada por documento oficial da Secretaria de Segurança Pública, deverá ser apresentado o Laudo do médico que assistiu à vítima, no qual conste objetivamente a data da alta definitiva. ESTATUTO DO IDOSO A Lei Federal , de 1/10/2003, garante tratamento prioritário às pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. Por este motivo, devem ser adotadas medidas que assegurem a prioridade no atendimento aos pleitos dos idosos. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À REGULAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DO SINISTRO DOCUMENTOS DE QUALIFICAÇÃO DO SINISTRO A qualificação do sinistro requer a apresentação dos seguintes documentos: REGISTRO DA OCORRÊNCIA POLICIAL AVISO DE SINISTRO SEGURO DPVAT AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO/CRÉDITO DE INDENIZAÇÃO DUT DO VEÍCULO QUANDO DEVIDO DOCUMENTAÇÃO ESPECÍFICA POR TIPO DE COBERTURA REGISTRO DA OCORRÊNCIA POLICIAL Registro da Ocorrência no órgão policial competente, em original ou em fotocópia, com frente e verso autenticados. Para que sejam satisfeitas as exigências do artigo 5º da Lei 6.194/74, é necessário que seja apresentada prova do registro policial da ocorrência efetuado na época em que o fato ocorreu. Na eventualidade desse registro ter sido feito por ato declaratório, será indispensável a apresentação de documentos adicionais, contemporâneos ao acidente, que demonstrem a existência do acidente, as circunstâncias e a participação do interessado, tais como: Atendimento pelo Corpo de Bombeiros, ou Atendimento pela Polícia Militar, ou Atendimento pela Polícia Civil, ou Atendimento pelos Anjos do Asfalto, ou concessionária ou similar, ou Inquérito Policial, ou Aviso de Sinistro em seguradora do Ramo Auto ou 7

8 Outro documento que evidencie que o acidente relatado no BO por ato declaratório de fato ocorreu na data /local informado. NOTA: O BAM não é documento correspondente para este tipo de evidência. AVISO DE SINISTRO O formulário deverá conter a identificação do interessado e/ou dos beneficiários do sinistro, bem como a respectiva qualificação e endereço para correspondência. Também deverá identificar os documentos apresentados, estando os mesmos totalmente preenchidos, datados e assinados pelo interessado, ou procurador devidamente habilitado. AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO / CRÉDITO DE INDENIZAÇÃO Consoante legislação em vigor, os créditos de indenização DPVAT só podem ser feitos em contas de legítimos beneficiários. Por essa razão, a Ficha de Autorização de Pagamento deverá conter somente os dados do beneficiário. O procurador poderá assinar o formulário mediante apresentação de uma procuração que lhe conceda poderes específicos para esse fim. Mas, também nessa hipótese, os dados indicados na Ficha de Autorização de Pagamento somente poderão ser do próprio beneficiário. Além do preenchimento dos campos, a assinatura do formulário também deve ser conferida através de um documento de identidade. O funcionário responsável deve colocar um visto/rubrica no formulário, após a conferência. ATENÇÃO: A digitação dos dados indicados no formulário requer conferência cuidadosa. Quando dados incorretos ou incompletos são digitados, o pagamento da indenização sofre atraso, gerando insatisfação do beneficiário e prejuízos à seguradora em caso de pagamento após o prazo legal. DUT DO VEÍCULO O DUT do veículo deverá ser apresentado em fotocópia com frente e verso. Esse documento é importante para fins de ressarcimento da indenização nas hipóteses em que o proprietário estava inadimplente com o seguro obrigatório que daria cobertura ao sinistro, direito garantido à seguradora pela legislação vigente. Para todas as categorias, a apresentação do DUT somente será necessária quando, durante a regulação do sinistro, for constatado que o proprietário do veículo também figura como beneficiário da indenização ou reembolso pretendidos conforme o tipo de cobertura. Nas coberturas de Invalidez e DAMS, importa verificar se o proprietário do veículo era a própria vítima, enquanto no caso de Morte, deve-se primeiro identificar os legítimos beneficiários para, em seguida, verificar se um deles era o proprietário do veículo. A) Categorias 01, 02, 09 e 10: Acidentes ocorridos após 4/1986 (Data da Criação do Consórcio SEGURO DPVAT), nos seguintes casos: Sinistros de Morte, quando o beneficiário for o proprietário, a fim de verificar se o DUT está quitado; Sinistros de Invalidez Permanente e DAMS, quando a vítima for o proprietário, a fim de verificar se o DUT está quitado. 8

9 B) Categorias 03 e 04: Acidentes ocorridos após 31/12/04 (antes de 01/01/05, estas categorias não faziam parte do Consórcio do SEGURO DPVAT), nos seguintes casos: Sinistros de Morte, quando o beneficiário for o proprietário, a fim de verificar se o DUT está quitado; Sinistros de Invalidez Permanente e DAMS, quando a vítima for o proprietário, a fim de verificar se o DUT está quitado. DOCUMENTAÇÃO ESPECÍFICA INDENIZAÇÃO POR MORTE Os documentos abaixo devem ser apresentados em original ou fotocópia com frente e verso autenticados: Certidão de Óbito da Vítima Auto de Necropsia ou Laudo Cadavérico fornecido pelo Instituto Médico Legal ( se a causa da morte não estiver descrita com clareza na Certidão de Óbito) DOCUMENTAÇÃO ESPECÍFICA INDENIZAÇÃO POR INVALIDEZ PERMANENTE Laudo do Instituto Médico Legal da jurisdição do acidente ou da residência da vítima, qualificando e quantificando a extensão das lesões físicas ou psíquicas da vítima e atestando o estado de invalidez permanente em original ou fotocópia, frente e verso, autenticados. Boletim de atendimento hospitalar ou ambulatorial fotocópia Em caso de dúvida quanto às lesões terem sido provocadas pelo acidente, poderá ser solicitado: - Relatório de Internamento com indicação das lesões produzidas pelo trauma, datas e tratamento realizados (clínicos, cirúrgicos e fisioterápicos) e data da alta hospitalar; - Relatório de Tratamento com indicação das lesões produzidas pelo trauma, datas e locais de tratamento realizados (clínicos, cirúrgicos e fisioterápicos) e data de conclusão de tratamento. A não apresentação do laudo do IML somente será aceita nos casos em que comprovadamente não haja IML nos locais em que ocorreu o acidente ou de residência da vítima. Nessa hipótese, o interessado deverá apresentar documento atestando a inexistência do IML no local. No caso de alienação mental, deverá ser nomeado um curador e apresentado Termo de Curatela. DOCUMENTAÇÃO ESPECÍFICA REEMBOLSO DE DAMS Os documentos abaixo devem ser apresentados em original ou fotocópia, frente e verso. Boletim do Primeiro Atendimento Médico Hospitalar ou Relatório do médico assistente, informando quais as lesões sofridas pela vítima e o tratamento realizado em decorrência do acidente. Comprovantes das despesas (recibos ou notas fiscais) contendo discriminação dos honorários médicos e despesas médicas, acompanhados das respectivas requisições ou receituários médicos (originais). Relatório de dentista, informando se o tratamento dentário foi realizado em decorrência de lesões sofridas no acidente, bem como se os dentes eram naturais antes do acidente. 9

10 DOCUMENTOS DE QUALIFICAÇÃO DA VÍTIMA Todos os documentos de qualificação da vítima devem ser apresentados em fotocópia, frente e verso. Carteira de Identidade/RG ou (se não existir este documento) Certidão de Nascimento ou Certidão de Casamento ou Carteira de Trabalho ou Carteira Nacional de Habilitação CPF (para distinguir homônimos e detectar eventual duplicidade de reclamação) Comprovante de Residência ou declaração assinada pela vítima/beneficiário, fornecendo dados de endereçamento (CEP inclusive), para envio de carta informando sobre o pagamento da indenização. DOCUMENTOS DE QUALIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO, PARA SINISTROS DA GARANTIA MORTE Todos os documentos de qualificação do beneficiário (seja ele cônjuge, companheiro (a), descendente, ascendente ou colateral) devem ser apresentados em fotocópia, frente e verso. A) PARA OS SINISTROS OCORRIDOS EM DATAS ANTERIORES À PUBLICAÇÃO DA MP Nº 340, DE 29/12/2006 JÁ CONVERTIDA NA LEI Nº , DE 31 DE MAIO DE 2007, OS BENEFICIÁRIOS SERÃO AQUELES INDICADOS NO ART. 4º - 1º E 2º DA LEI Nº 6.194/1974, ALTERADA PELA LEI Nº 8.441/92, DE 13/07/1992 E OS DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS SÃO OS A SEGUIR MENCIONADOS. BENEFICIÁRIO CÔNJUGE Certidão de Casamento com data de emissão atual, garantindo não haver separação judicial ou divórcio desqualificando o cônjuge como beneficiário Carteira de Identidade/RG ou (se não existir este documento) Certidão de Nascimento ou Certidão de Casamento ou Carteira de Trabalho ou Carteira Nacional de Habilitação CPF Comprovante de Residência ou declaração assinada pelo beneficiário, fornecendo dados de endereçamento (CEP inclusive), para envio de carta informando sobre o pagamento da indenização. BENEFICIÁRIO COMPANHEIRO (A) Prova de Companheirismo junto ao INSS ou Declaração de dependentes junto à Receita Federal ou Carteira de Trabalho (prova de dependência devidamente formalizada pela Previdência Sócial). IMPORTANTE: Na impossibilidade da apresentação dos documentos acima, deverá ser apresentado alvará ou decisão judicial que reconheça a união estável do interessado com a vítima. Carteira de Identidade/RG ou (se não existir este documento) Certidão de Nascimento ou Certidão de Casamento ou Carteira de Trabalho ou Carteira Nacional de Habilitação CPF Comprovante de Residência ou declaração assinada pelo beneficiário, fornecendo dados de endereçamento (CEP inclusive), para envio de carta informando sobre o pagamento da indenização. 10

11 BENEFICIÁRIO DESCENDENTE Declaração de Únicos Herdeiros, firmada pelo(s) próprio(s) beneficiário(s) (com duas testemunhas), informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheira(o) Carteira de Identidade/RG ou (se não existir este documento) Certidão de Nascimento ou Certidão de Casamento ou Carteira de Trabalho ou Carteira Nacional de Habilitação CPF Comprovante de Residência ou declaração assinada pelo beneficiário, fornecendo dados de endereçamento (CEP inclusive), para envio de carta informando sobre o pagamento da indenização. BENEFICIÁRIO ASCENDENTE Certidão de Nascimento da vítima Declaração de Únicos Herdeiros, firmada pelo(s) próprio(s) beneficiário(s)(com duas testemunhas), informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheira (o) Carteira de Identidade/RG ou (se não existir este documento) Certidão de Nascimento ou Certidão de Casamento ou Carteira de Trabalho ou Carteira Nacional de Habilitação CPF Comprovante de Residência ou declaração assinada pelo beneficiário, fornecendo dados de endereçamento (CEP inclusive), para envio de carta informando sobre o pagamento da indenização. BENEFICIÁRIO COLATERAL Certidão de Nascimento da vítima Certidão de Óbito dos pais da vítima Certidão de Óbito do cônjuge ou filhos da vítima, se for o caso. Certidão de Casamento da vítima com data de emissão atual, indicando o estado civil de separação judicial ou divórcio, se for o caso Declaração de Únicos Herdeiros, firmada pelo(s) próprio(s) beneficiário(s) (com duas testemunhas), informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheira (o) Carteira de Identidade/RG ou (se não existir este documento) Certidão de Nascimento ou Certidão de Casamento ou Carteira de Trabalho ou Carteira Nacional de Habilitação CPF Comprovante de Residência ou declaração assinada pelo beneficiário, fornecendo dados de endereçamento (CEP inclusive), para envio de carta informando sobre o pagamento da indenização. B ) PARA OS SINISTROS OCORRIDOS A PARTIR DE 29/12/2006, DEVERÃO SER APRESENTADOS OS SEGUINTES DOCUMENTOS : Carteira de Identidade/RG ou (se não existir este documento) Certidão de Nascimento ou Certidão de Casamento ou Carteira de Trabalho ou Carteira Nacional de Habilitação; CPF e Comprovante de Residência ou declaração assinada pelo beneficiário, fornecendo dados de endereçamento (CEP inclusive), para envio de carta informando sobre pagamento da indenização). PARA COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DE BENEFICIÁRIO, DEVEM SER APRESENTADOS OS DOCUMENTOS A SEGUIR MENCIONADOS PARA CADA UMA DAS HIPÓTESES DESCRITAS. 1- A VÍTIMA FALECEU NO ESTADO CIVIL DE CASADA, NÃO DEIXOU COMPANHEIRO(A) E DEIXOU HERDEIROS LEGAIS. a) 50% para o cônjuge. b) 50% para os descendentes ou ascendentes. 11

12 Apresentar : a) Cônjuge: Certidão de Casamento com data de emissão atual. Declaração do cônjuge. (Anexo 10 pág.74) b) Descendentes ( filhos da vítima ): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informado o estado civil da vítima, se deixou ou não mais filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág.75) c) Ascendentes ( pai, mãe, ou avô (ó) da vítima): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) Certidão de nascimento da vítima. 2- A VÍTIMA ERA SEPARADA JUDICIALMENTE, TINHA UM COMPANHEIRO(A) E HERDEIROS LEGAIS. a) 50% para o companheiro(a). b) 50% para os descendentes ou ascendentes. Apresentar: a) Companheiro(a): Certidão de Casamento da vítima, com data de emissão atual, com a devida averbação da separação. Prova de Companheirismo junto ao INSS ou Declaração de dependente junto à Receita Federal ou Prova de dependência através da Carteira de Trabalho. Na impossibilidade da apresentação dos documentos em referência, deverá ser apresentado alvará ou decisão judicial que reconheça a união estável do interessado com a vítima. b) Descendentes (filhos da vítima): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não mais filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) c) Ascendentes (pai, mãe ou avô (ó) da vítima): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) Certidão de Nascimento da vítima. 12

13 3- A VÍTIMA FALECEU NO ESTADO CIVIL DE CASADA, MAS ESTAVA SEPARADA DE FATO, TINHA COMPANHEIRO(A) E HERDEIROS LEGAIS. a) 25% para o cônjuge. b) 25 % para o companheiro(a). c) 50% - para os descendentes ou ascendentes. Apresentar: a) Cônjuge: Certidão de Casamento com data de emissão atual. Declaração do cônjuge onde o mesmo declare que não houve a separação judicial mas que era separado de fato e a vítima convivia em união estável com uma companheira, até a data do seu óbito, com menção à responsabilidade civil e criminal sobre tais declarações. (Anexo 13 pág. 77) b) Companheiro(a): Certidão de Casamento da vítima, com data de emissão atual Prova de Companheirismo junto ao INSS ou Declaração de dependentes junto à Receita Federal ou Prova de dependência através da Carteira de Trabalho. Na impossibilidade da apresentação dos documentos em referência, deverá ser apresentado alvará ou decisão judicial que reconheça a união estável do interessado com a vítima. Obs.: Nessa hipótese o cônjuge e o (a) companheiro (a) deverão assinar Termo de Conciliação (Anexo 14 - pág. 78). Caso o cônjuge e o companheiro não se conciliem, o Consórcio procederá o depósito judicial do valor correspondente. c) Descendentes (filhos da vítima): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não mais filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) d) Ascendentes (pai, mãe ou avô (ó) da vítima): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) Certidão de Nascimento da vítima. 4- A VÍTIMA FALECEU NO ESTADO CIVIL DE CASADA, MAS ESTAVA SEPARADA DE FATO, TINHA COMPANHEIRO(A) E NÃO TINHA HERDEIROS LEGAIS. a) 50% para o cônjuge. b) 50% para o companheiro(a). 13

14 Apresentar: a) Cônjuge: Certidão de Casamento com data de emissão atual. Declaração particular do cônjuge onde o mesmo declare que não houve a separação judicial mas era separado de fato e a vítima convivia em união estável com uma companheira, até a data do seu óbito, com menção à responsabilidade civil e criminal sobre tais declarações. (Anexo 13 pág. 77) b) Companheiro(a): Certidão de Casamento com data de emissão atual. Prova de Companheirismo junto ao INSS ou Declaração de dependentes junto à Receita Federal ou Prova de dependência através da Carteira de Trabalho. Na impossibilidade da apresentação dos documentos em referência, deverá ser apresentado alvará ou decisão judicial que reconheça a união estável do interessado com a vítima. Obs.:Nessa hipótese o cônjuge e o (a) companheiro (a) deverão assinar Termo de Conciliação (Anexo 14 pág. 78. Caso o cônjuge e o companheiro não se conciliem, o Consórcio procederá o depósito judicial do valor correspondente. 5- A VÍTIMA NÃO DEIXOU CÔNJUGE, NEM COMPANHEIRO(A) E DEIXOU DESCENDENTES. a) 100% para os descendentes. Apresentar: Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não mais filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág.74) 6- A VÍTIMA NÃO DEIXOU CÔNJUGE, TEM COMPANHEIRO (A) E DEIXOU DESCENDENTES. a) 50 % para o companheiro(a). b) 50% para os descendentes. Apresentar: a) Companheiro(a): Prova de Companheirismo junto ao INSS ou Declaração de dependentes junto à Receita Federal ou Prova de dependência através da Carteira de Trabalho. Na impossibilidade da apresentação dos documentos em referência, deverá ser apresentado alvará ou decisão judicial que reconheça a união estável do interessado com a vítima. b) Descendente (s): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não mais filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) 14

15 7- A VÍTIMA NÃO DEIXOU CÔNJUGE, TEM COMPANHEIRO (A) E NÃO DEIXOU DESCENDENTES. a) 50% para o companheiro (a). b) 50% para os ascendentes. Apresentar: a) Companheiro(a): Prova de Companheirismo junto ao INSS ou Declaração de dependentes junto à Receita Federal ou Prova de dependência através da Carteira de Trabalho. Na impossibilidade da apresentação dos documentos em referência, deverá ser apresentado alvará ou decisão judicial que reconheça a união estável do interessado com a vítima. b) Ascendentes (pai, mãe ou avô (ó) da vítima): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) Certidão de Nascimento da vítima. 8- A VÍTIMA NÃO DEIXOU CÔNJUGE, NEM COMPANHEIRO(A) E NEM DESCENDENTES. a) 100% para os ascendentes ou colaterais. Apresentar: a) Ascendentes (pai, mãe ou avô (ó) da vítima): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) Certidão de Nascimento da vítima. b) Colaterais ( irmão, irmã, tio (a) ou sobrinho (a) da vítima): Declaração de Únicos Herdeiros, com duas testemunhas, informando o estado civil da vítima, se deixou ou não filhos ou companheiro (a). (Anexo 11 pág. 75) Certidão de Nascimento da vítima. Certidão de Óbito dos pais da vítima. Certidão de Óbito do cônjuge ou filhos da vítima, se for o caso. Certidão de Casamento da vítima com data de emissão atual, indicando estado civil de separação judicial ou divórcio, se for o caso. 9- A VÍTIMA NÃO DEIXOU CÔNJUGE, NEM COMPANHEIRO(A) NEM HERDEIROS LEGAIS. a) 100% para àqueles que provarem que a morte da vítima os privou dos meios necessários à subsistência ( será solicitado Alvará Judicial ). OBS.: PARA OS CASOS EM QUE HAJA BENEFICIÁRIO MENOR, VERIFICAR OS TERMOS DO ANEXO 12- PÁG.76 15

Projeto Seguro DPVAT

Projeto Seguro DPVAT SEGURO DPVAT Projeto Seguro DPVAT Contribuindo com a Responsabilidade Social, o Sincor-Go através das Unidades de Atendimento oferece a população goiana atendimento gratuito no processo do DPVAT, serviço

Leia mais

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes?

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes? www.blabus.com.br DICAS Seguro DPEM. O que é DPEM? O seguro DPEM foi instituído pela Lei nº 8.74, de 0//9, que em seu artigo º alterou a alínea "l" do artigo 0 do Decreto lei nº 7, de //66. Tem por finalidade

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CIDADÃO DPVAT

MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CIDADÃO DPVAT MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CIDADÃO DPVAT Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não. CENTROS INTEGRADOS / CAOP do Consumidor

Leia mais

Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo

Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo Apresentamos abaixo um quadro comparando a redação original da Lei nº 6.194/74 (com as modificações da Lei nº 8.441/92) e a situação atual resultante das alterações

Leia mais

LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974 Dispõe sobre Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não. O PRESIDENTE

Leia mais

Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA

Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO DE INDENIZAÇÃO DO SEGURO DPVAT Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA Este formulário deve ser preenchido exclusivamente com dados do beneficiário da indenização do Seguro

Leia mais

VÁLIDO A PARTIR DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

VÁLIDO A PARTIR DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. VÁLIDO A PARTIR DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. ÍNDICE 1. CARACTERÍSTICAS DO SEGURO DPVAT 1.1. TIPO DE SEGURO pág.5 1.2. FINALIDADE pág.5 1.3. COBERTURA E BENEFÍCIOS pág.5 1.4. PAGAMENTO DO SEGURO pág.5 1.5.1.

Leia mais

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN.

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN. CARTILHA DPVAT - Apresentação Esta cartilha nasceu da constatação dos Promotores de Justiça, que atuam nas Varas de Delitos de Trânsito e nos Juizados Especiais Criminais, de que grande parte das vítimas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. Aprova as Normas Disciplinadoras e os Elementos Mínimos que, obrigatoriamente, devem constar do bilhete do Seguro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. Dispõe sobre Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores de via

Leia mais

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro;

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro; Prezado Beneficiário, Para melhor apoiá-lo neste momento, encaminhamos abaixo todos os formulários e documentos necessários, bem como a orientação de como realizar o envio desses documentos. Procedimentos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012. CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO INSTRUÇÕES COMPLEMENTARES PARA A OPERAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. Altera e consolida as instruções complementares para a operação do Seguro Obrigatório de Danos

Leia mais

www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT

www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT 1. O que é DPVAT? É o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas ou Não (Seguro

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001.

RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001. RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001. Aprova as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou

Leia mais

AVISO DE SINISTRO MORTE ACIDENTAL DO TITULAR

AVISO DE SINISTRO MORTE ACIDENTAL DO TITULAR Pág. 1 /7 AVISO DE SINISTRO MORTE ACIDENTAL DO TITULAR A liquidação do sinistro começa com o AVISO DO SINISTRO à Seguradora. No caso de Evento (s) que possa (m) acarretar em responsabilidade da Seguradora,

Leia mais

AVISO DE SINISTRO MORTE NATURAL - CÔNJUGE INCLUSÃO FACULTATIVA

AVISO DE SINISTRO MORTE NATURAL - CÔNJUGE INCLUSÃO FACULTATIVA AVISO DE SINISTRO MORTE NATURAL - CÔNJUGE INCLUSÃO FACULTATIVA A liquidação do sinistro começa com o AVISO DO SINISTRO à Seguradora. No caso de Evento(s) que possa(m) acarretar responsabilidade à Sociedade

Leia mais

Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais

Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais Fica determinado que as condições específicas, estabelecidas na Proposta de Contratação e nessas Condições Contratuais,

Leia mais

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP Circular nº 266 de 25.08.2004 Dispõe sobre instruções complementares para a operação do seguro obrigatório de danos pessoais causados por

Leia mais

Sinistro de Morte Natural do Segurado Titular

Sinistro de Morte Natural do Segurado Titular Sinistro de Morte Natural do Segurado Titular Os documentos desta lista marcados com (*) não se aplicam a seguros individuais ou contratados pelo próprio segurado titular, mas somente a seguros corporativos,

Leia mais

SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM:

SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM: SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM: I - O que é DPEM? II - O que cobre e o que não cobre o Seguro DPEM? III - Quanto vou receber se for vítima de acidente coberto pelo seguro? IV - É possível

Leia mais

a. Danos materiais (roubo, colisão ou incêndio de veículos); b. Acidentes ocorridos fora do território nacional;

a. Danos materiais (roubo, colisão ou incêndio de veículos); b. Acidentes ocorridos fora do território nacional; O que é DPVAT? É o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT), criado pela Lei n 6.194/74 com a finalidade de amparar as vítimas de acidentes de trânsito

Leia mais

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio.

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Prezado (a) cliente: Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Procedimentos para envio dos documentos de

Leia mais

Comunicação de Sinistro para Planos de Previdência com Coberturas Acessórias. Evento Morte Natural ou Morte Acidental

Comunicação de Sinistro para Planos de Previdência com Coberturas Acessórias. Evento Morte Natural ou Morte Acidental Planos de Previdência Itaú - Proteção Familiar Comunicação de Sinistro para Planos de Previdência com Coberturas Acessórias Evento Morte Natural ou Morte Acidental O Itaú está a sua disposição e sabe a

Leia mais

IMPORTANTE RESSALTAR QUE NO PERÍODO ENTRE A PUBLICAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 451/2008 E A PUBLICAÇÃO DA LEI Nº 11.

IMPORTANTE RESSALTAR QUE NO PERÍODO ENTRE A PUBLICAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 451/2008 E A PUBLICAÇÃO DA LEI Nº 11. 1 2 LEIA COM ATENÇÃO 1. O Seguro DPVAT, na modalidade coberta pelo Convênio DPVAT, entrou em vigor em 29 de abril de 1986, para cobrir acidentes provocados por automóveis, taxis, caminhões, camionetas,

Leia mais

COMUNICADO MASTER 19/09/2014

COMUNICADO MASTER 19/09/2014 COMUNICADO MASTER 19/09/2014 Ref.: Reprogramação de Pagamento Redução de Rejeições Bancárias Atualização da Autorização de Pagamento de Indenização do Seguro DPVAT Senhor Usuário, Mantendo nosso foco no

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

SEGURO DPVAT LISTA DE SEGURADORAS QUE FAZEM PARTE DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT

SEGURO DPVAT LISTA DE SEGURADORAS QUE FAZEM PARTE DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT SEGURO DPVAT LISTA DE SEGURADORAS QUE FAZEM PARTE DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPVAT: I - O que é DPVAT? II - O que cobre e o que não cobre o Seguro DPVAT? III - Quais

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

COMUNICADO MASTER 01/04/2015. Ref.: Sinistros ocasionados por Motocicleta ( veículo categoria 9 )

COMUNICADO MASTER 01/04/2015. Ref.: Sinistros ocasionados por Motocicleta ( veículo categoria 9 ) COMUNICADO MASTER 01/04/2015 Ref.: Sinistros ocasionados por Motocicleta ( veículo categoria 9 ) Sr. Usuário, Ratificando o Comunicado de 12/02/2015 e com o objetivo de promover o aperfeiçoamento contínuo

Leia mais

PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO

PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO 46 1. COLISÃO DO VEÍCULO SEGURADO Em caso de colisão, o Segurado deve atentar para as seguintes orientações: REGISTRO DE OCORRÊNCIA POLICIAL Para sua segurança

Leia mais

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro;

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro; Prezado Beneficiário, Para melhor apoiá-lo neste momento, encaminhamos abaixo todos os formulários e documentos necessários, bem como a orientação de como realizar o envio desses documentos. Procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004.

RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004. RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004. Altera e consolida as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

QUAIS AS COBERTURAS E BENÉFICIOS?

QUAIS AS COBERTURAS E BENÉFICIOS? 1 CARTILHA DPVAT Caro parceiro e colaborador, Esta é a nova versão da Cartilha DPVAT, a qual foi elaborada com único objetivo de oferecer a você, um material de apoio atualizado, em razão das diversas

Leia mais

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro;

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro; Prezado Beneficiário, Para melhor apoiá-lo neste momento, encaminhamos abaixo todos os formulários e documentos necessários, bem como a orientação de como realizar o envio desses documentos. Procedimentos

Leia mais

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio.

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Prezado (a) cliente: Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Procedimentos para envio dos documentos de

Leia mais

CANCELAMENTO MASTER GTA- GLOBAL TRAVEL ASSISTANCE

CANCELAMENTO MASTER GTA- GLOBAL TRAVEL ASSISTANCE CANCELAMENTO MASTER GTA- GLOBAL TRAVEL ASSISTANCE Seguradora: QBE Brasil Seguros S.A. Estipulante: Brazilian Assist Representações e Turismo Ltda. - ME Processo SUSEP nº 15414.000585/2007-58 COBERTURAS

Leia mais

FAM - Fundo de Apoio à Moradia

FAM - Fundo de Apoio à Moradia FAM - Fundo de Apoio à Moradia O Seguro Coletivo de Pessoas descrito neste material foi estipulado pela FHE com um grupo de seguradoras por ela selecionadas, em uma operação de cosseguro, tendo como líder

Leia mais

Formulário 1: Chek List de documentos para regulação de Sinistro DIT e Cesta Básica (Preenchimento obrigatório) Filial Resp.: Contato: Data de envio:

Formulário 1: Chek List de documentos para regulação de Sinistro DIT e Cesta Básica (Preenchimento obrigatório) Filial Resp.: Contato: Data de envio: Formulário 1: Chek List de documentos para regulação de Sinistro DIT e Cesta Básica Corretor: Responsável: Tel. Contato: E-mail: Filial Resp.: Contato: Data de envio: Relação de documentos para regulação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016. Aprovar as regras para a operação do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Embarcações

Leia mais

Prezado(a) cliente: Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Central Itau Resolve:

Prezado(a) cliente: Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Central Itau Resolve: Prezado(a) cliente: Para nós é importante oferecer a você o apoio necessário neste momento. E,para melhor atendêlo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários. Procedimentos para envio

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 273, de 2012.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 273, de 2012. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 273, de 2012. Altera e consolida as normas do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via

Leia mais

AVISO DE SINISTRO INVALIDEZ PERMANENTE POR ACIDENTE - CÔNJUGE

AVISO DE SINISTRO INVALIDEZ PERMANENTE POR ACIDENTE - CÔNJUGE Pág. 1 /7 AVISO DE SINISTRO INVALIDEZ PERMANENTE POR ACIDENTE - CÔNJUGE A liquidação do sinistro começa com o AVISO DO SINISTRO à Seguradora. No caso de Evento (s) que possa (m) acarretar em responsabilidade

Leia mais

COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL

COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL São Paulo, 5 de abril de 2012. Sr(a). Ref.: Solicitação de Documentos Segurado: Seguro: Apólice / Proposta n. o Aviso de Sinistro n. o Estipulante: Em atendimento a sua solicitação, confirmamos o recebimento

Leia mais

COMUNICADO MASTER 01/12/2014

COMUNICADO MASTER 01/12/2014 COMUNICADO MASTER 01/12/2014 Ref.: Declaração do Proprietário do Veículo Sr., Com o objetivo de promover o aperfeiçoamento contínuo de nossas operações e, principalmente, para que se possa comprovar o

Leia mais

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio.

Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Prezado (a) cliente: Para melhor atendê-lo, seguem abaixo todos os formulários e documentos necessários, juntamente com a orientação de como proceder ao envio. Procedimentos para envio dos documentos de

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGULAÇÃO DE SINISTRO VIDA PREMIADO

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGULAÇÃO DE SINISTRO VIDA PREMIADO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGULAÇÃO DE SINISTRO VIDA PREMIADO Documentos Necessários Junto com o Formulário de Aviso de Sinistro - Vida totalmente preenchido e assinado pelo beneficiário ou reclamante,

Leia mais

FAM - Fundo de Apoio à Moradia. Manual do Participante FAM

FAM - Fundo de Apoio à Moradia. Manual do Participante FAM - Fundo de Apoio à Moradia Manual do Participante FAM As presentes instruções normativas revogam todas as demais publicadas anteriormente. 25/09/2009 FAM - Fundo de Apoio à Moradia Manual do Participante

Leia mais

Autorização para débitos de MULTAS, AUTUAÇÕES e IPVA.

Autorização para débitos de MULTAS, AUTUAÇÕES e IPVA. Autorização para débitos de MULTAS, AUTUAÇÕES e IPVA. Declaro para os devidos fins que autorizo à GENERALI DO BRASIL COMPANHIA DE SEGUROS a debitar de minha indenização, as MULTAS, AUTUAÇÕES e IPVA existentes

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 154, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 154, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 154, DE 2006. Altera e consolida as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O CLUBE CORREIO DO POVO DE VANTAGENS SEGURO DE VIDA

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O CLUBE CORREIO DO POVO DE VANTAGENS SEGURO DE VIDA FAQ Atualizado em 16/10/2014-1 PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O CLUBE CORREIO DO POVO DE VANTAGENS O que é o Clube Correio do Povo de Vantagens? O Correio do Povo volta a proporcionar aos seus assinantes,

Leia mais

1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? 3. Como funciona o parcelamento?

1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? 3. Como funciona o parcelamento? 1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? De 18 anos a 90 anos, 11 meses e 29 dias. 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? Mínimo: R$ 200,00 Máximo: R$ 10.000,00 3. Como funciona o

Leia mais

Portal de Sinistros Abertura de Aviso de Sinistro

Portal de Sinistros Abertura de Aviso de Sinistro Portal de Sinistros Abertura de Aviso de Sinistro Aviso de Sinistro 1 O acesso será feito dentro do Portal da Tokio Marine (www.tokiomarine.com.br): 1) Clique em Autoatendimento para abrir opções Aviso

Leia mais

Sinistro Seguros de Vida e Acidentes Pessoais. O que fazer?

Sinistro Seguros de Vida e Acidentes Pessoais. O que fazer? Sinistro Seguros de Vida e Acidentes Pessoais. O que fazer? A fim de auxiliá-lo na prestação de serviços a seus clientes (segurados/beneficiários), a Unibanco Seguros & Previdência preparou este guia para

Leia mais

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002658/2011-22 Cobertura de Invalidez Permanente por Categoria de Acidente Cláusulas Complementares CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a);

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Quem são os dependentes: Cônjuge, companheiro(a), filhos menores de 21 anos, não emancipados ou inválidos e filhos até 24 anos cursando

Leia mais

Seguro viagem Kit de sinistro relação de documentos para aviso

Seguro viagem Kit de sinistro relação de documentos para aviso Seguro viagem Kit de sinistro relação de documentos para aviso Para o Aviso de Sinistro, o beneficiário do segurado, ou o próprio segurado, deverá apresentar os seguintes documentos básicos, além dos documentos

Leia mais

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO DPVAT O QUE É DPVAT? Toda a facilidade para vítimas, beneficiários, corretores de seguro e hospitais no atendimento aos processos de indenização do Seguro Obrigatório. O Seguro DPVAT foi criado com o objetivo

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 2006 N.º Despacho PROJETO DE LEI N.º 942/2006 TORNA OBRIGATÓRIA A AFIXAÇÃO DE CARTAZ INFORMATIVO SOBRE O SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES DE VIA TERRESTRE (DPVAT),

Leia mais

DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE

DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir o pagamento de uma indenização diária ao segurado, durante o período em que se verificar

Leia mais

Condições Especiais. Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente. Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19

Condições Especiais. Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente. Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19 Condições Especiais Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19 19 1. Objetivo do Seguro Esta Condição Especial integra as Condições Gerais do Plano

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Autorização

Leia mais

CPF Cadastro de Pessoas Físicas. Perguntas e Respostas

CPF Cadastro de Pessoas Físicas. Perguntas e Respostas CPF Cadastro de Pessoas Físicas Perguntas e Respostas 1. O QUE É CPF? É um banco de dados gerenciado pela Secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB que armazena informações cadastrais de contribuintes

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Autorização

Leia mais

CANCELAMENTO MASTER GTA- GLOBAL TRAVEL ASSISTANCE

CANCELAMENTO MASTER GTA- GLOBAL TRAVEL ASSISTANCE CANCELAMENTO MASTER GTA- GLOBAL TRAVEL ASSISTANCE Seguradora: QBE Brasil Seguros S.A. Estipulante: Brazilian Assist Representações e Turismo Ltda. - ME Processo SUSEP nº 15414.000585/2007-58 COBERTURAS

Leia mais

OBJETIVO CAPITAL SEGURADO

OBJETIVO CAPITAL SEGURADO OBJETIVO Assegurar aos participantes da SIAS, que aderiram ao seguro, uma indenização aos próprios ou ao(s) seu(s) beneficiário(s), em caso de falecimento ou invalidez, bem como propiciar a utilização

Leia mais

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro Definição do Seguro: Este seguro tem por objetivo principal garantir o pagamento de uma indenização ou reembolso ao próprio associado / segurado ou ao(s) seu(s) beneficiário(s), na ocorrência de um dos

Leia mais

TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO 93,75 16,29

TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO 93,75 16,29 TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO ODONTOLÓGICO PME + SAÚDE PME (NOVOS CLIENTES) ODONTOLÓGICO PME - CONTRATANDO SOMENTE O PLANO ODONTOLÓGICO 14,81 23,05 43,92 93,75 16,29 25,35 48,31 103,13 Saúde PME: O Valor

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO. b) Providenciar especificação detalhada de todos os prejuízos sofridos, além da comprovação

PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO. b) Providenciar especificação detalhada de todos os prejuízos sofridos, além da comprovação PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO 1. PROCEDIMENTO DO SEGURADO 1.1. SINISTRO DE INCÊNDIO E EXPLOSÃO Em caso de Incêndio e/ou Explosão, o Segurado deve atentar para as seguintes orientações:

Leia mais

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro Definição do Seguro: Este seguro garante ao Beneficiário, o pagamento do capital segurado ou reembolso das despesas médicas, hospitalares e/ou odontológicas, exceto se o evento caracterizar-se como um

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO OURO VIDA PRODUTOR RURAL

SEGURO DE VIDA EM GRUPO OURO VIDA PRODUTOR RURAL SEGURO DE VIDA EM GRUPO OURO VIDA PRODUTOR RURAL Condições Gerais e Particulares Processo SUSEP Nº 10.005221/99-41 Deficientes Auditivos ou de Fala: 0800 729 0088 / Ouvidoria: 0800 880 2930 Endereço: Rua

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. - FINALIDADE Este Regulamento dispõe sobre a concessão de empréstimo pessoal pela Fundação de Previdência do Instituto Emater - FAPA, ao participante ativo, assistido,

Leia mais

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro;

Passo 1: Entre em contato no numero abaixo em nossa Central Itaú Seguros para registrar a retirada do KIT de sinistro; Prezado Beneficiário, Para melhor apoiá-lo neste momento, encaminhamos abaixo todos os formulários e documentos necessários, bem como a orientação de como realizar o envio desses documentos. Procedimentos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO TÍTULO I DOS ASSOCIADOS Art.1º. Os associados distribuem-se pelas seguintes categorias: I - fundadores:

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, RESOLUÇÃO SMF Nº 2.771, DE 29 DE ABRIL DE 2013. [Publicada no D. O. Rio de 30.04.2013] * Estabelece procedimentos a serem adotados para a entrega de prêmios aos tomadores de serviços pessoas naturais titulares

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES Estipulante: ATUAL TECNOLOGIA E ADMINISTRACAO DE CARTOES. CNPJ: 07.746.799/0001-09 1. OBJETIVO DO SEGURO O presente contrato de seguro tem por objetivo

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado INSS. Outubro/14

[CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado INSS. Outubro/14 1 [CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado INSS Outubro/14 Sumário 1. Ficha Cadastral... 3 2. CCB Cédula de Crédito Bancário... 3 3. Identificação Civil (RG)... 4 4. Identificação Financeira

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS Categoria : Casamento religioso com efeitos civis 1207 A serventia possui o Livro B Auxiliar - Registro de Casamento Religioso CNCGJ, art. 589, III - Lei 6.015/73, Lei 6.015/73, art. 33, III para Efeitos

Leia mais

MANUAL DE INSCRIÇÃO E APORTE DE GARANTIAS

MANUAL DE INSCRIÇÃO E APORTE DE GARANTIAS MANUAL DE INSCRIÇÃO E APORTE DE GARANTIAS Este Manual tem como objetivo descrever o procedimento adotado para inscrição on-line e aporte de Garantias de Participação no LEILÃO. Maiores especificações sobre

Leia mais

Planos de Previdência Itaú. Relação de Documentos para Resgate em Caso de Falecimento do Titular do Plano

Planos de Previdência Itaú. Relação de Documentos para Resgate em Caso de Falecimento do Titular do Plano Planos de Previdência Itaú Relação de Documentos para Resgate em Caso de Falecimento do Titular do Plano Setembro/2014 Conte Conosco O Itaú está à sua disposição e sabe à importância de oferecer a você

Leia mais

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ORIENTAÇÕES SOBRE A ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL Apresentação A Prefeitura Municipal de Goiânia realizará a atualização cadastral dos Servidores

Leia mais

INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE

INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir o pagamento de uma indenização ao segurado, em caso de sua invalidez permanente total ou

Leia mais

Sobre o Cancelamento de Gravames. Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP

Sobre o Cancelamento de Gravames. Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP Sobre o Cancelamento de Gravames Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP Procedimentos para Solicitação do Desbloqueio de Cancelamento de Gravame De acordo com a portaria 2.762 de 28 de dezembro

Leia mais

CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989

CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989 CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989 O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do disposto no art. 36, alínea "c" do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66; RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Imóveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado Público. Outubro/14

[CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado Público. Outubro/14 1 [CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado Público Outubro/14 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Ficha Cadastral... 4 3. CCB - Cédula de Crédito Bancário... 4 4. Identificação Civil (RG)... 5 5.

Leia mais

CERTIFICADO DE SEGURO TROCO DA SORTE

CERTIFICADO DE SEGURO TROCO DA SORTE CERTIFICADO DE SEGURO TROCO DA SORTE A Cardif do Brasil Vida e Previdência S.A., doravante denominada Seguradora e o BR Home Centers S/A., doravante denominada Estipulante, especificam nestas Condições

Leia mais

COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS

COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002658/2011-22 COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA Cláusulas Complementares

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO RESUMO DAS CONDIÇÕES CONTRATUAIS SEGURO PRESTAMISTA CRÉDITO RURAL - PESSOA FÍSICA Nº SUSEP: 15414.

MANUAL DO SEGURADO RESUMO DAS CONDIÇÕES CONTRATUAIS SEGURO PRESTAMISTA CRÉDITO RURAL - PESSOA FÍSICA Nº SUSEP: 15414. MANUAL DO SEGURADO RESUMO DAS CONDIÇÕES CONTRATUAIS SEGURO PRESTAMISTA CRÉDITO RURAL - PESSOA FÍSICA Nº SUSEP: 15414.003698/2009-77 Este manual contém um resumo das condições contratuais, com o objetivo

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

Atenção: Este documento é apenas para instruir sobre como proceder, não deve ser assinado, reconhecido firma ou devolvido a Bradesco Financiamentos.

Atenção: Este documento é apenas para instruir sobre como proceder, não deve ser assinado, reconhecido firma ou devolvido a Bradesco Financiamentos. Atenção: Este documento é apenas para instruir sobre como proceder, não deve ser assinado, reconhecido firma ou devolvido a Bradesco Financiamentos. Caro Cliente, Após a quitação de seu contrato de Arrendamento

Leia mais

Planos de Previdência Itaú Soluções em Planejamento Sucessório

Planos de Previdência Itaú Soluções em Planejamento Sucessório Crédito Imobiliário Itaú Planos de Previdência Itaú Soluções em Planejamento Sucessório Relação de Documentos para Resgate em Caso de Falecimento do Titular do Plano Outubro/2011 Conte Conosco O Itaú está

Leia mais