PED ABC. Maio 2 DE Pequeno crescimento da taxa de desemprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. N o 25

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PED ABC. Maio 2 DE Pequeno crescimento da taxa de desemprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. N o 25"

Transcrição

1 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Maio 2 DE 2013 DIVULGAÇÃO N o 25 Pequeno crescimento da taxa de desemprego Aumenta o nível de ocupação no Comércio e Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas e diminui na Indústria de Transformação Cresce o emprego assalariado no setor privado sem carteira de trabalho assinada e mantém-se relativamente estável o com carteira Diminui o rendimento médio real dos ocupados e se eleva o dos assalariados em abril de 2013 Reduzem-se as massas de rendimentos de ocupados e assalariados, mas ambas permanecem superiores às de abril de 2012 Anexo estatístico Principais conceitos 1. Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. 2. Refere-se ao trimestre móvel dos meses de março, abril e maio. As informações sobre rendimentos correspondem ao trimestre móvel anterior (fevereiro, março e abril). 1

2 RESULTADOS DO MÊS 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, em parceria com o Consórcio Intermunicipal Grande ABC, mostram que, em maio, a taxa de desemprego total na Região do ABC cresceu ligeiramente, ao passar de 10,2%, em abril, para os atuais 10,6% (Gráfico 1). Sua principal componente, a taxa de desemprego aberto, variou de 8,1% para 8,3%, no mesmo período. 2. O contingente de desempregados na região foi estimado em 149 mil pessoas, 6 mil a mais do que no mês anterior. Esse resultado decorreu do fato de as ocupações criadas (4 mil) terem sido em número inferior ao de pessoas que ingressaram no mercado de trabalho da região (10 mil) (Tabela 1). A taxa de participação elevou-se de 62,0% para 62,4%. Gráfico 1 Taxas de desemprego total Região do ABC (1) Em % ,4 10,2 11,2 11,2 11,0 11,2 10,8 10,2 9,6 9,5 9,6 9,3 9,4 9,5 10,1 10,2 10,6 Jan. Fev. Mar. Abr. Maio Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Fonte: Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional. Convênio Seade Dieese, MTE/FAT e Consórcio Intermunicipal Grande ABC. (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. 3. Entre abril e maio, a taxa de desemprego total manteve-se estável na RMSP (11,4%) e no município de São Paulo (10,5%) e praticamente não variou nos demais municípios da RMSP, exceto a capital (de 12,6% para 12,5%) (Gráfico 2). 2

3 Tabela 1 Estimativas do número de pessoas de 10 anos e mais, segundo condição de atividade Região do ABC (1) Maio/12-Maio/13 Condição de atividade Estimativas (em mil pessoas) Maio-12 Abr-13 Maio-13 Absoluta (em mil pessoas) Maio-13/ Abr-13 Maio-13/ Maio-12 Variações Maio-13/ Abr-13 Relativa (%) Maio-13/ Maio-12 POPULAÇÃO EM IDADE ATIVA ,1 0,7 População Economicamente Ativa ,7 2,0 Ocupados ,3 2,4 Desempregados ,2-2,0 Inativos com 10 anos e mais ,9-1,4 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. Nota: Estimativas revistas. Ver nota técnica n o 14. Gráfico 2 Taxas de desemprego total Região do ABC (1), Região Metropolitana de São Paulo, Município de São Paulo e RMSP exceto MSP Maio/12-Maio/13 Em % 11,4 11,4 11,0 10,9 10,6 10,2 Maio-12 Abr-13 Maio-13 12,6 12,5 11,6 10,4 10,5 10,5 Região do ABC RMSP MSP RMSP exceto MSP Fonte: Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional. Convênio Seade Dieese, MTE/FAT e Consórcio Intermunicipal Grande ABC. (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. 3

4 4. Na Região do ABC, o nível de ocupação apresentou pequena variação positiva (0,3%) e o contingente de ocupados foi estimado em mil pessoas (Tabela 2). Segundo os principais setores de atividade econômica, o nível de ocupação elevou-se no Comércio e Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (6,2%, ou criação de 13 mil postos de trabalho), permaneceu relativamente estável nos Serviços (0,3%, ou 2 mil) e diminuiu na Indústria de Transformação (-3,6%, ou a eliminação de 11 mil postos de trabalho). Tabela 2 Estimativas do número de ocupados, segundo setores de atividade Região do ABC (1) Maio/12-Maio/13 Setores de atividade Estimativas (em mil pessoas) Absoluta (em mil pessoas) Variações Relativa (%) Maio-12 Abr-13 Maio-13 Maio-13/ Abr-13 Maio-13/ Maio-12 Maio-13/ Abr-13 Maio-13/ Maio-12 Total (2) ,3 2,4 Indústria de transformação (3) ,6-11,6 Metal-mecânica (4) ,6-10,1 Comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas (5) ,2 7,2 Serviços (6) ,3 8,6 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); construção (Seção F); organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. (3) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (4) Divisões 24 a 29 da CNAE 2.0 domiciliar. (5) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Seções H a T da CNAE 2.0 domiciliar. Nota: Estimativas revistas. Ver nota técnica n o Segundo posição na ocupação, o número de assalariados cresceu 1,3% no mês em análise. No setor privado, aumentou o emprego sem carteira de trabalho assinada (2,2%) e permaneceu em relativa estabilidade o com carteira (-0,1%). Aumentou o contingente de autônomos (1,1%) e diminuiu o de empregados domésticos (-4,2%) (Tabela 3). 4

5 Tabela 3 Estimativas do número de ocupados, segundo posição na ocupação Região do ABC (1) Maio/12-Maio/13 Posição na ocupação Estimativas (em mil pessoas) Maio-12 Abr-13 Maio-13 Absoluta (em mil pessoas) Maio-13/ Abr-13 Maio-13/ Maio-12 Variações Maio-13/ Abr-13 Relativa (%) Maio-13/ Maio-12 TOTAL DE OCUPADOS (2) ,3 2,4 Total de assalariados (3) ,3 2,0 Setor privado ,1 0,9 Com carteira assinada ,1 4,1 Sem carteira assinada ,2-16,7 Autônomos ,1 3,3 Empregados domésticos (4) ,2 - (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Incluem empregadores, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração, profissionais liberais e outras posições ocupacionais. (3) Inclui o setor público e os que não sabem a que segmento pertence a empresa em que trabalham. (4) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Nota: Estimativas revistas. Ver nota técnica n o Entre abril e maio, não variou a média de horas semanais trabalhadas pelos ocupados (41) e assalariados (42). Já a proporção dos que trabalharam mais do que 44 horas semanais diminuiu entre os ocupados (de 32,3% para 31,1%) e os assalariados (de 29,2% para 27,7%). 7. Em abril, diminuiu o rendimento médio real dos ocupados (-2,5%) e elevou- -se o dos assalariados (0,7%), os quais passaram a equivaler a R$ e R$ 2.045, respectivamente (Tabela 4). Diminuíram as massas de rendimentos de ocupados (-1,8%) (Gráfico 4) e assalariados (-2,0%). Tal resultado, no caso dos ocupados, foi decorrência da redução do rendimento médio, uma vez que se elevou o nível de ocupação e, no dos assalariados, em função da redução do nível de emprego. 5

6 Tabela 4 Rendimento médio real (1) dos ocupados e assalariados, segundo categorias selecionadas, e dos trabalhadores autônomos Região do ABC (2) Abril/12-Abril/13 Categorias selecionadas Rendimentos (em reais de abril de 2013) Abr-12 Mar-13 Abr-13 Abr-13/ Mar-13 Variações (%) Abr-13/ Abr-12 TOTAL DE OCUPADOS ,5 3,6 Total de assalariados (3) ,7 5,3 Setor privado (4) ,8 3,1 Indústria de transformação (5) Serviços (6) ,7 14,1 Com carteira assinada ,0 2,3 Sem carteira assinada - - Trabalhadores autônomos - - (1) Inflator utilizado: ICV Dieese. (2) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (3) Inclui o setor público e os que não sabem a que segmento pertence a empresa em que trabalham. (4) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); construção (Seção F); comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (Seção G); organismos internacionais e outras instituições de gestão extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. (5) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Seções H a S da CNAE 2.0 domiciliar. A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Nota: Exclusive os assalariados e os empregados domésticos assalariados que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. COMPORTAMENTO EM 12 MESES 8. A taxa de desemprego total na Região do ABC reduziu-se de 11,0% em maio de 2012, para 10,6%, em maio de 2013, pelo quarto mês consecutivo inferior ao mesmo período do ano passado (Gráfico 1). Nesse período, a taxa de desemprego aberto diminuiu de 9,2% para 8,3%. 9. Em termos absolutos, a redução do contingente de desempregados em 3 mil pessoas, foi resultado da geração de 30 mil postos de trabalho, número superior ao de pessoas que se incorporaram à força de trabalho da região (27 mil) (Tabela 1). A taxa de participação elevou-se de 61,6% para 62,4%, no período analisado. 6

7 Gráfico 3 Variação anual (1) do nível de ocupação Região do ABC (2) Em % 2,6 2,3 3,3 3,2 2,3 2,4 0,7 1,3 0,1 1,5-0,2-1,4-2,7 Maio -12 Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Jan. Fev. Mar. Abr. Maio -13 Fonte: Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional. Convênio Seade Dieese, MTE/FAT e Consórcio Intermunicipal Grande ABC. (1) Mês de referência em relação ao mesmo mês do ano anterior. (2) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. 10. Entre maio de 2012 e de 2013, o nível de ocupação cresceu 2,4%, desempenho semelhante ao do mês anterior, nessa base de comparação (Gráfico 3). Sob a ótica setorial, tal resultado decorreu do aumento do contingente de ocupados nos Serviços (8,6%, ou criação de 53 mil postos de trabalho) e no Comércio e Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas (7,2%, ou 15 mil), enquanto na Indústria de Transformação houve redução (-11,6%, ou -39 mil) (Tabela 2). 11. O assalariamento total aumentou 2,0% na comparação de 12 meses. No setor privado, elevou-se o número de empregados com carteira de trabalho assinada (4,1%) e retraiu-se fortemente o daqueles sem carteira (-16,7%). No período em análise, aumentou o número de autônomos (3,3%) (Tabela 3). 12. Entre abril de 2012 e de 2013, cresceram os rendimentos médios reais de ocupados (3,6%) e assalariados (5,3%). Também se expandiram as massas de rendimentos reais dos ocupados (5,6%) (Gráfico 4) e dos assalariados (5,5%), em ambos os casos, devido à elevação do nível de ocupação e, principalmente, do rendimento médio real. 7

8 Gráfico 4 s da massa de rendimentos reais (1) dos ocupados (2) Região do ABC (3) Base: média de 2000 = ,0 140,0 130,0 120,0 110,0 100,0 Jan. Fev. Mar. Abr. Maio Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Fonte: Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional. Convênio Seade Dieese, MTE/FAT e Consórcio Intermunicipal Grande ABC. (1) Inflator utilizado: ICV Dieese. (2) Incluem os ocupados que não tiveram remuneração no mês e excluem os trabalhadores familiares sem remuneração e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. (3) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. 8

9 Anexo Estatístico Tabela 1 EstimativaS da População Total e Economicamente Ativa e dos Inativos Maiores de 10 Anos, Taxas de Participação e de Desemprego Total Região DO ABC (1) (2) População Economicamente Ativa Inativos maiores Total Ocupados Desempregados de 10 anos (3) (2) (3) (2) (3) (2) (3) Participação (PEA/PIA) Taxas (%) População total () Desemp. total (DES/PEA) (2) Maio , , , ,4 60,9 19, Maio , , , ,3 62,2 18, Maio , , , ,1 62,0 17, Maio , , , ,4 61,6 16, Maio , , , ,4 61,7 13, Maio , , , ,2 62,2 12, Maio , , , ,9 61,3 13, Maio , , , ,4 61,9 13, Maio , , , ,9 61,3 10, Maio , , , ,8 61,6 11, Jun , , , ,4 62,1 11, Jul , , , ,1 61,2 10, Ago , , , ,0 61,9 10, Set , , , ,9 62,0 9, Out , , , ,6 62,8 9, Nov , , , ,5 61,8 9, Dez , , , ,1 60,6 9, Jan , , , ,2 60,2 9, Fev , , , ,2 60,6 9, Mar , , , ,9 61,4 10, Abr , , , ,3 62,0 10, Maio , , , ,3 62,4 10, Variação Mensal (%) Maio-2013/Abr ,7 0,3 4,2-0,9 0,6 3,9 0,0 Variação no Ano (%) Maio-2013/Dez ,3 1,9 17,3-4,3 3,0 14,0 0,2 Variação Anual (%) Maio-2013/Maio ,0 2,4-2,0-1,4 1,3-3,6 0,6 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Em pessoas. (3) Base: média de 2000 = 100. Nota: Projeções populacionais revisadas com base no Censo de Ver nota técnica n o 14. 9

10 Tabela 2 Taxas de Desemprego, por Tipo Região DO ABC (1), REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, MUNICÍPIO DE SÃO PAULO e RMSP exceto MSP Em porcentagem Taxas de desemprego, por tipo Região do ABC (1) Região Metropolitana de São Paulo Município de São Paulo RMSP exceto MSP Total Aberto Oculto Total Aberto Oculto Total Aberto Oculto Total Aberto Oculto Maio ,7 12,8 6,9 20,6 13,4 7,2 19,5 12,4 7,1 22,1 14,8 7,3 Maio ,5 12,1 6,4 19,7 12,3 7,4 19,7 12,3 7,4 19,7 12,4 7,3 Maio ,9 11,4 6,5 17,5 11,0 6,5 16,0 10,1 5,9 19,7 12,3 7,4 Maio ,1 11,1 5,0 17,0 11,3 5,7 15,9 10,5 5,4 18,6 12,3 6,3 Maio ,9 9,6 (2) 15,5 10,6 4,9 14,2 10,0 4,2 17,2 11,3 5,8 Maio ,2 9,3 (2) 14,1 9,8 4,3 13,0 8,7 4,3 15,6 11,3 4,3 Maio ,1 10,1 (2) 14,8 10,8 4,0 14,0 10,1 3,9 15,8 11,7 4,1 Maio ,0 10,3 (2) 13,3 9,7 3,6 12,2 8,7 3,5 14,8 11,1 3,7 Maio ,6 8,7 (2) 10,7 8,5 2,2 10,2 8,2 2,1 11,2 Maio ,0 9,2 (2) 10,9 8,8 2,1 10,4 8,4 2,0 11,6 9,0 2,2 9,3 2,3 Jun ,2 9,2 (2) 11,2 9,0 2,2 10,8 8,7 2,2 11,6 9,4 2,2 Jul... 10,8 9,1 (2) 11,1 9,1 2,0 10,5 8,5 2,0 11,9 10,0 2,0 Ago... 10,2 8,5 (2) 11,6 9,4 2,2 11,4 9,1 2,3 11,8 9,7 2,1 Set... 9,6 7,9 (2) 11,3 9,1 2,2 10,8 8,5 2,3 11,9 10,0 1,9 Out... 9,5 7,4 (2) 10,9 8,5 2,4 10,4 7,8 2,5 11,5 9,3 2,2 Nov... 9,6 7,3 (2) 10,3 7,9 2,4 9,3 7,0 2,2 11,6 9,1 2,5 Dez... 9,3 7,1 (2) 10,0 7,6 2,4 9,2 7,1 2,2 10,9 8,4 2,6 Jan ,4 7,3 (2) 10,0 7,8 2,2 9,1 7,0 2,1 11,2 8,8 2,4 Fev... 9,5 7,7 (2) 10,3 8,2 2,1 9,4 7,3 2,0 11,6 9,3 2,3 Mar... 10,1 8,2 (2) 10,9 8,8 2,1 10,0 8,0 2,0 12,2 9,9 2,3 Abr... 10,2 8,1 (2) 11,4 9,1 2,3 10,5 8,3 2,1 12,6 10,1 2,6 Maio... 10,6 8,3 (2) 11,4 9,0 2,4 10,5 8,2 2,3 12,5 10,0 2,5 Variação Mensal Maio-2013/Abr ,9 2,5-0,0-1,1 4,3 0,0 Variação no Ano Maio-2013/Dez ,0 16,9-14,0 18,4 0,0 14,1 15,5 4,5 Variação Anual Maio-2013/Maio ,6-9,8-4,6 2,3 14,3-1,2 9,5-0,8-1,0-3,8 14,7 19,0-3,8 1,0-2,4 15,0 7,8 7,5 8,7 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. 10

11 TABELA 3 TAXAS DE DESEMPREGO, POR ATRIBUTOS PESSOAIS Região DO ABC (1) Taxas de desemprego, por atributos pessoais Em porcentagem Total (2) Sexo Nível de instrução Raça/Cor Homens Mulheres Fundamental incompleto Fundamental completo e médio incompleto Médio completo ou mais Negros Não negros Maio ,7 17,1 22,9 20,3 24,9 16,8 24,5 17,5 Maio ,5 15,3 22,7 19,2 25,5 15,2 22,9 16,5 Maio ,9 14,3 22,1 17,2 26,5 14,9 21,7 16,1 Maio ,1 14,2 18,5 (3) 23,2 14,7 18,6 14,9 Maio ,9 11,2 17,2 (3) (3) 12,5 16,9 12,5 Maio ,2 (3) 16,3 (3) (3) 10,6 (3) 10,2 Maio ,1 11,4 14,9 (3) (3) 12,5 16,3 11,2 Maio ,0 10,3 16,1 (3) (3) 11,4 16,3 11,5 Maio ,6 (3) 13,1 (3) (3) 10,9 (3) 10,0 Maio ,0 8,9 13,4 (3) (3) 9,5 (3) 10,0 Jun ,2 8,9 13,8 (3) (3) 9,7 (3) 10,9 Jul... 10,8 (3) 13,0 (3) (3) 9,7 (3) 9,8 Ago... 10,2 (3) 12,2 (3) (3) 9,2 (3) 9,3 Set... 9,6 (3) 11,1 (3) (3) 8,8 (3) 8,3 Out... 9,5 (3) 10,9 (3) (3) 8,6 (3) 8,8 Nov... 9,6 9,0 10,3 (3) (3) 8,7 (3) 8,9 Dez... 9,3 8,6 (3) (3) (3) 8,4 (3) 8,6 Jan ,4 9,4 (3) (3) (3) 8,5 (3) 8,4 Fev... 9,5 9,0 (3) (3) (3) 8,4 (3) 8,9 Mar... 10,1 9,3 11,0 (3) (3) 9,1 (3) 9,5 Abr... 10,2 9,2 11,3 (3) (3) 9,6 (3) 9,7 Maio... 10,6 9,8 11,5 (3) (3) 10,5 (3) 10,0 Variação Mensal Maio-2013/Abr ,9 6,5 1, ,4-3,1 Variação no Ano Maio-2013/Dez ,0 14, ,0-16,3 Variação Anual Maio-2013/Maio ,6 10,1-14, ,5-0,0 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Inclui os analfabetos. (3) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. 11

12 TABELA 4 DISTRIBUIÇÃO DOS DESEMPREGADOS, POR ATRIBUTOS PESSOAIS Região DO ABC (1) Distribuição dos desempregados, por atributos pessoais Em porcentagem Total (2) Sexo Nível de instrução Raça/Cor Homens Mulheres Fundamental incompleto Fundamental completo e médio incompleto Médio completo ou mais Negros Não negros Maio ,0 48,7 51,3 31,7 28,0 37,9 38,2 61,8 Maio ,0 45,5 54,5 27,6 29,4 40,6 39,1 60,9 Maio ,0 43,1 56,9 24,8 28,4 44,0 37,6 62,4 Maio ,0 48,1 51,9 (3) 27,1 50,7 37,7 62,3 Maio ,0 43,9 56,1 (3) (3) 53,2 39,0 61,0 Maio ,0 (3) 61,1 (3) (3) 52,1 (3) 57,9 Maio ,0 46,4 53,6 (3) (3) 59,2 45,0 55,0 Maio ,0 42,1 57,9 (3) (3) 54,0 40,7 59,3 Maio ,0 (3) 57,3 (3) (3) 65,5 (3) 63,3 Maio ,0 43,1 56,9 (3) (3) 57,3 (3) 60,3 Jun ,0 42,6 57,4 (3) (3) 57,8 (3) 64,5 Jul ,0 (3) 55,9 (3) (3) 59,9 (3) 60,9 Ago ,0 (3) 55,8 (3) (3) 61,3 (3) 61,4 Set ,0 (3) 54,5 (3) (3) 61,3 (3) 58,0 Out ,0 (3) 53,3 (3) (3) 59,5 (3) 64,1 Nov ,0 51,1 48,9 (3) (3) 60,3 (3) 63,0 Dez ,0 51,8 (3) (3) (3) 61,4 (3) 65,9 Jan ,0 55,2 (3) (3) (3) 63,3 (3) 61,3 Fev ,0 50,8 (3) (3) (3) 61,4 (3) 64,6 Mar ,0 49,0 51,0 (3) (3) 62,2 (3) 65,3 Abr ,0 47,7 52,3 (3) (3) 63,7 (3) 66,4 Maio ,0 49,5 50,5 (3) (3) 66,9 (3) 65,8 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Inclui os analfabetos. (3) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. 12

13 TABELA 5 ESTIMATIVAS E ÍNDICES DO NÍVEL DE OCUPAÇÃO, POR SETOR DE ATIVIDADE Região DO ABC (1) Total geral (2) (8) Estimativas e índices do nível de ocupação, por setor de atividade Indústria de transformação (3) Comércio, reparação de veículos Total Metal-mecânica (4) automotores e motocicletas (5) (8) (8) (8) Serviços (6) Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , , , , ,4 Maio , , , , ,3 (8) Jun , , , , ,0 Jul , , , , ,9 Ago , , , , ,4 Set , , , , ,8 Out , , , , ,5 Nov , , , , ,2 Dez , , , , ,6 Jan , , , , ,9 Fev , , , , ,6 Mar , , , , ,8 Abr , , , , ,1 Maio , , , , ,4 Variação Mensal (%) Maio-2013/Abr ,3-3,6-0,6 6,2 0,3 Variação no Ano (%) Maio-2013/Dez ,9-5,1-5,9 9,9 4,4 Variação Anual (%) Maio-2013/Maio ,4-11,6-10,1 7,2 8,6 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); construção (Seção F); organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. (3) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (4) Divisões 24, 25, 26, 27, 28 e 29 da CNAE 2.0 domiciliar. (5) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Seções H a T da CNAE 2.0 domiciliar. Em pessoas. (8) Base: média de 2011 = 100. Nota: (...) Dados não disponíveis. 13

14 TABELA 6 ESTIMATIVAS E ÍNDICES DO NÍVEL DE OCUPAÇÃO, POR POSIÇÃO NA OCUPAÇÃO Região DO ABC (1) Ocupados (2) (4) (5) Total geral (3) (4) (5) Estimativas e índices do nível de ocupação, por posição na ocupação (4) Assalariados Setor privado Total Com carteira assinada Sem carteira assinada (5) Autônomos Empregados domésticos Maio , , , , , , ,8 Maio , , , , , , ,7 Maio , , , , , , ,3 Maio , , , , , , ,2 Maio , , , , , , ,0 Maio , , , , , , ,6 Maio , , , , , , ,4 Maio , , , , , , ,1 Maio , , , , , ,9 (6) (6) Maio , , , , , ,9 (6) (6) (4) (5) (4) (5) (4) (5) (4) (5) Jun , , , , , , ,2 Jul , , , , , , ,6 Ago , , , , , , ,1 Set , , , , , , ,5 Out , , , , , , ,4 Nov , , , , , , ,6 Dez , , , , , , ,7 Jan , , , , , ,1 (6) (6) Fev , , , , , ,5 (6) (6) Mar , , , , , ,3 (6) (6) Abr , , , , , , ,0 Maio , , , , , , ,6 Variação Mensal (%) Maio-2013/Abr ,3 1,3-0,1-0,1 2,2 1,1-4,2 Variação no Ano (%) Maio-2013/Dez ,9 1,1 1,9 3,5-7,8 6,2 3,0 Variação Anual (%) Maio-2013/Maio ,4 2,0 0,9 4,1-16,7 3,3 - (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Incluem empregadores, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração, profissionais liberais e outras posições ocupacionais. (3) Excluem-se os empregados domésticos e incluem-se os assalariados do setor público e aqueles que não sabem a que setor pertence a empresa em que trabalham. (4) Em pessoas. (5) Base: média de 2000 = 100. (6) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. 14

15 Total geral (2) TABELA 7 DISTRIBUIÇÃO DOS OCUPADOS, POR SETOR DE ATIVIDADE E POSIÇÃO NA OCUPAÇÃO Região DO ABC (1) Indústria de transformação (3) Total Metal-mecânica (4) Distribuição dos ocupados Setor de atividade Posição na ocupação Comércio, repa- -ração de veículos automotores e motocicletas (5) Serviços (6) Total Total Assalariados Setor privado Com carteira assinada Sem carteira assinada Autônomos Em porcentagem Empregados domésticos Maio , ,7 56,3 44,5 11,8 19,4 7,6 Maio , ,3 58,6 46,1 12,5 17,9 7,5 Maio , ,9 60,1 47,3 12,8 17,9 7,2 Maio , ,8 60,5 48,1 12,4 16,5 7,2 Maio , ,4 60,3 48,4 11,9 17,2 6,3 Maio , ,8 62,6 50,3 12,3 16,4 6,8 Maio , ,4 62,4 52,3 10,1 15,6 6,4 Maio , ,6 62,4 52,3 10,2 15,6 5,9 Maio ,0 28,2 14,1 18,0 47,8 73,2 64,4 55,7 8,8 14,1 (8) Maio ,0 27,4 14,5 16,8 49,8 72,3 64,6 55,3 9,3 14,8 (8) Jun ,0 27,5 14,3 16,6 49,8 70,7 62,6 53,7 8,8 15,3 5,3 Jul ,0 26,2 14,4 16,7 50,7 70,9 62,4 53,6 8,8 15,2 5,6 Ago ,0 25,9 13,8 15,6 52,8 72,3 63,7 54,2 9,5 14,5 5,4 Set ,0 26,2 14,1 14,9 52,5 72,8 63,9 54,7 9,2 14,0 5,6 Out ,0 25,2 13,6 15,4 52,5 71,7 62,8 54,2 8,7 14,3 5,7 Nov ,0 25,3 13,9 16,0 51,4 72,1 63,1 54,9 8,2 14,2 5,5 Dez ,0 25,4 13,7 16,3 51,5 72,5 63,6 55,3 8,3 14,3 5,4 Jan ,0 26,4 14,2 17,4 50,1 75,0 66,4 57,6 8,8 12,9 (8) Fev ,0 26,7 13,8 16,8 50,6 74,7 66,7 58,7 8,0 12,8 (8) Mar ,0 25,4 12,4 17,3 51,8 73,7 65,7 58,2 7,5 13,3 (8) Abr ,0 24,6 12,8 16,6 52,8 71,3 63,9 56,5 7,4 14,8 5,7 Maio ,0 23,6 12,7 17,6 52,8 72,0 63,6 56,2 7,5 14,9 5,5 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); construção (Seção F); organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. Inclui empregadores, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração, profissionais liberais e outras posições ocupacionais. (3) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (4) Divisões 24, 25, 26, 27, 28 e 29 da CNAE 2.0 domiciliar. (5) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Seções H a T da CNAE 2.0 domiciliar. Incluem os assalariados do setor público e aqueles que não sabem a que setor pertence a empresa em que trabalham. (8) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Nota: (...) Dados não disponíveis. 15

16 TABELA 8 DISTRIBUIÇÃO DOS OCUPADOS, POR ATRIBUTOS PESSOAIS Região DO ABC (1) Distribuição dos ocupados, por atributos pessoais Em porcentagem Sexo Faixa etária Nível de instrução Posição no domicílio Raça/Cor Total (2) Homens Mulheres 16 a 24 anos 25 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos Fundamental incompleto Fundamental completo e médio incompleto Médio completo ou mais Chefe Demais membros Negros Não negros Maio ,0 57,8 42,2 18,9 44,1 21,7 10,5 30,4 20,6 46,0 47,7 52,3 28,8 71,2 Maio ,0 57,6 42,4 21,5 42,5 23,0 9,3 26,5 19,6 51,7 48,3 51,7 30,0 70,0 Maio ,0 56,3 43,7 22,6 39,3 21,7 11,8 25,9 17,2 54,9 47,2 52,8 29,4 70,6 Maio ,0 56,1 43,9 22,2 40,8 21,5 11,2 24,6 17,2 56,6 44,0 56,0 31,6 68,4 Maio ,0 56,0 44,0 20,3 39,4 22,8 12,8 21,2 16,2 60,5 44,2 55,8 31,0 69,0 Maio ,0 56,3 43,7 20,8 42,8 19,1 12,0 23,1 14,7 60,5 43,9 56,1 29,2 70,8 Maio ,0 54,3 45,7 19,5 42,4 21,9 11,7 20,9 15,2 62,3 44,5 55,5 34,7 65,3 Maio ,0 54,7 45,3 21,0 39,2 23,8 11,4 19,4 15,9 62,9 44,1 55,9 31,3 68,7 Maio ,0 54,6 45,4 18,8 39,8 23,1 13,8 18,8 15,4 64,2 45,1 54,9 31,9 68,1 Maio ,0 54,7 45,3 17,1 41,0 22,9 13,9 16,5 14,5 67,7 44,6 55,4 33,4 66,6 Jun ,0 55,1 44,9 16,8 41,9 22,0 14,1 17,2 14,0 67,7 45,7 54,3 33,6 66,4 Jul ,0 55,2 44,8 17,3 41,9 20,9 14,5 17,2 14,1 67,6 45,6 54,4 32,9 67,1 Ago ,0 54,3 45,7 16,7 42,0 20,5 14,7 17,9 13,4 67,9 45,8 54,2 32,1 67,9 Set ,0 53,7 46,3 16,9 41,6 20,2 15,3 17,4 14,0 67,4 44,7 55,3 32,4 67,6 Out ,0 54,6 45,4 16,8 40,6 20,9 15,5 17,7 14,7 66,2 45,9 54,1 30,4 69,6 Nov ,0 55,1 44,9 17,4 40,9 21,6 15,0 16,7 14,9 67,1 45,3 54,7 30,7 69,3 Dez ,0 56,2 43,8 18,6 38,9 22,6 15,1 16,1 14,1 68,7 45,4 54,6 28,5 71,5 Jan ,0 55,4 44,6 18,5 40,1 22,8 14,4 15,6 12,4 71,2 44,0 56,0 30,1 69,9 Fev ,0 54,6 45,4 17,8 39,9 23,5 14,3 16,0 12,9 70,3 45,3 54,7 30,0 70,0 Mar ,0 53,5 46,5 16,4 40,8 23,6 14,1 15,9 13,6 69,9 46,4 53,6 30,3 69,7 Abr ,0 53,4 46,6 16,6 40,3 23,2 14,0 16,4 14,6 68,1 46,6 53,4 30,3 69,7 Maio ,0 53,8 46,2 16,8 40,4 22,2 14,5 16,9 14,3 67,8 45,2 54,8 29,8 70,2 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Inclui as faixas etárias de 10 a 15 anos e 60 anos e mais. Inclui também os analfabetos. 16

17 TABELA 9 HORAS SEMANAIS TRABALHADAS PELOS OCUPADOS, POR SETOR DE ATIVIDADE Região DO ABC (1) Horas semanais trabalhadas pelos ocupados, por setor de atividade Média de horas Total (2) Indústria de transformação (3) % dos que trabalharam mais que a jornada legal (6) Média de horas % dos que trabalharam mais que a jornada legal (6) Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (4) Média de horas % dos que trabalharam mais que a jornada legal (6) Média de horas Serviços (5) % dos que trabalharam mais que a jornada legal (6) Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , , , ,8 Maio , , , ,5 Jun , , , ,6 Jul , , , ,1 Ago , , , ,8 Set , , , ,9 Out , , , ,7 Nov , , , ,6 Dez , , , ,4 Jan , , , ,2 Fev , , , ,9 Mar , , , ,4 Abr , , , ,9 Maio , , ,7 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); construção (Seção F); organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. (3) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (4) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (5) Seções H a T da CNAE 2.0 domiciliar. (6) A jornada legal é de 44 horas semanais. A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Nota: Exclusive os ocupados que não trabalharam na semana. (...) Dados não disponíveis. 17

18 TABELA 10 HORAS SEMANAIS TRABALHADAS PELOS assalariados, POR SETOR DE ATIVIDADE Região DO ABC (1) Horas semanais trabalhadas pelos assalariados, por setor de atividade Média de horas Total (2) Indústria de transformação (3) % dos que trabalharam mais que a jornada legal (6) Média de horas % dos que trabalharam mais que a jornada legal (6) Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (4) Média de horas % dos que trabalharam mais que a jornada legal (6) Média de horas Serviços (5) % dos que trabalharam mais que a jornada legal (6) Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , Maio , , , ,0 Maio , , , ,4 Jun , , ,9 Jul , , ,7 Ago , , ,4 Set , , , ,3 Out , , , ,6 Nov , ,6 Dez , , ,7 Jan , , , ,8 Fev , , , ,6 Mar , ,9 Abr , ,0 Maio , ,6 (1) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (2) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); construção (Seção F); organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. (3) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (4) Seção G da CNAE 2.0 domiciliar. (5) Seções H a S da CNAE 2.0 domiciliar e excluem os serviços domésticos. (6) A jornada legal é de 44 horas semanais. A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Nota: Exclusive os assalariados que não trabalharam na semana. (...) Dados não disponíveis. 18

19 TABELA 11 RENDIMENTO MÉDIO REAL TRIMESTRAL DOS OCUPADOS E DOS ASSALARIADOS (1) Região DO ABC (2) (6) Ocupados (3) (6) Total geral (4) Rendimento médio real trimestral (1) Assalariados Setor privado Total (5) Com carteira de trabalho assinada Abr , , , ,9 Abr , , , ,6 Abr , , , ,9 Abr , , , ,1 Abr , , , ,8 Abr , , , ,4 Abr , , , ,8 Abr , , , ,8 Abr , , , ,1 Abr , , , ,1 (6) (6) Maio , , , ,1 Jun , , , ,8 Jul , , , ,9 Ago , , , ,4 Set , , , ,3 Out , , , ,1 Nov , , , ,5 Dez , , , ,0 Jan , , , ,3 Fev , , , ,2 Mar , , , ,3 Abr , , , ,2 Variação Mensal (%) Abr-2013/Mar ,5 0,7-0,8-1,0 Variação no Ano (%) Abr-2013/Dez ,7-0,7 0,3 0,2 Variação Anual (%) Abr-2013/Abr ,6 5,3 3,1 2,3 (1) Inflator utilizado ICV do Dieese. (2) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (3) Exclui os assalariados e os empregados domésticos assalariados que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. Inclui os demais ocupados não assalariados. (4) Exclui os assalariados que não tiveram remuneração no mês. Inclui os assalariados do setor público e aqueles que não sabem a que setor pertence a empresa em que trabalham. (5) Inclui os assalariados sem carteira de trabalho assinada. (6) Valores em reais de abril de Base: média de 2000 =

20 TABELA 12 RENDIMENTO MÉDIO REAL TRIMESTRAL DOS ASSALARIADOS do setor privado, POR SETOR DE ATIVIDADE (1) Região DO ABC (2) (6) Total (3) Rendimento médio real trimestral dos assalariados do setor privado (1) Setor de atividade Indústria de transformação (4) Serviços (5) (6) Abr , Abr , Abr , Abr , Abr , Abr , Abr , Abr , Abr ,1 (8) (8) (8) (8) Abr , , ,3 (6) Maio , , ,1 Jun ,4 (8) (8) ,3 Jul ,9 (8) (8) ,2 Ago ,2 (8) (8) ,9 Set ,5 (8) (8) ,1 Out , , ,8 Nov , , ,1 Dez , , ,3 Jan , , ,8 Fev , , ,7 Mar ,4 (8) (8) ,9 Abr ,5 (8) (8) ,0 Variação Mensal (%) Abr-2013/Mar ,8 - -0,7 Variação no Ano (%) Abr-2013/Dez ,3-5,0 Variação Anual (%) Abr-2013/Abr ,1-14,1 (1) Inflator utilizado ICV do Dieese. (2) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (3) Inclui agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (Seção A); indústrias extrativas (Seção B); eletricidade e gás (Seção D); água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação (Seção E); construção (Seção F); comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (Seção G); organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (Seção U); atividades mal definidas (Seção V). As seções mencionadas referem-se à CNAE 2.0 domiciliar. (4) Seção C da CNAE 2.0 domiciliar. (5) Seções H a S da CNAE 2.0 domiciliar. (6) Valores em reais de abril de Base: média de 2011 = 100. (8) A amostra não comporta a desagregação para esta categoria. Nota: Exclusive os assalariados que não tiveram remuneração no mês e os empregados domésticos. (...) Dados não disponíveis. 20

21 TABELA 13 RENDIMENTO REAL TRIMESTRAL máximo e mínimo DOS OCUPADOS E DOS ASSALARIADOS (1) Região DO ABC (2) Rendimento real trimestral (1) Limite máximo dos 25% mais pobres Ocupados (3) Assalariados (4) Limite máximo dos 50% mais pobres Limite mínimo dos 25% mais ricos Limite máximo dos 25% mais pobres Limite máximo dos 50% mais pobres Limite mínimo dos 25% mais ricos Abr Abr Abr Abr Abr Abr Abr Abr Abr Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Variação Mensal (%) Abr-2013/Mar ,1-0,1-1,9 2,1 0,0 0,8 Variação no Ano (%) Abr-2013/Dez ,2-5,9-4,0 0,3-3,0 2,1 Variação Anual (%) Abr-2013/Abr ,7 3,4 1,7 7,6 1,9 7,6 (1) Inflator utilizado ICV do Dieese. Valores em reais de abril de (2) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (3) Excluem os assalariados e os empregados domésticos assalariados que não tiveram remuneração no mês, os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. (4) Excluem os assalariados que não tiveram remuneração no mês. 21

22 TABELA 14 ÍNDICES TRIMESTRAIS DO EMPREGO, DO RENDIMENTO MÉDIO REAL E DA MASSA DE RENDIMENTOS REAIS DOS OCUPADOS E DOS ASSALARIADOS (1) Região DO ABC (2) s trimestrais (1) Emprego Ocupados (3) Assalariados (4) Rendimento médio real Massa de rendimentos reais Emprego Salário médio real Abr ,8 80,7 84,6 104,0 84,9 88,2 Abr ,2 77,9 84,2 106,9 82,3 88,0 Abr ,7 82,6 93,1 116,8 83,5 97,5 Abr ,4 77,8 89,7 121,0 80,5 97,3 Abr ,4 87,3 104,2 126,9 90,6 115,0 Abr ,6 86,7 108,9 135,6 88,6 120,1 Abr ,8 91,8 111,8 132,6 93,4 123,8 Abr ,5 88,4 111,8 137,1 86,6 118,6 Abr ,2 92,8 119,8 142,3 92,5 131,5 Abr ,5 103,1 133,4 144,0 101,3 145,8 Massa salarial real Maio ,7 102,1 132,3 143,7 99,7 143,3 Jun ,5 101,9 132,9 141,5 98,8 139,6 Jul ,2 104,5 134,8 140,3 101,0 141,7 Ago ,7 105,6 139,0 146,0 102,5 149,6 Set ,9 107,9 143,3 148,2 105,8 156,7 Out ,9 109,1 147,1 148,2 106,3 157,5 Nov ,5 108,3 143,4 146,5 105,7 154,7 Dez ,4 110,7 144,3 145,0 107,5 155,8 Jan ,6 108,4 140,3 149,1 104,0 154,9 Fev ,3 109,8 143,0 149,2 105,8 157,8 Mar ,3 109,4 143,5 148,2 105,9 156,9 Abr ,4 106,4 140,9 144,7 106,4 153,8 Variação Mensal (%) Abr-2013/Mar ,9-2,7-1,8-2,4 0,4-2,0 Variação no Ano (%) Abr-2013/Dez ,5-3,8-2,3-0,2-1,0-1,3 Variação Anual (%) Abr-2013/Abr ,3 3,2 5,6 0,4 5,0 5,5 (1) Inflator utilizado ICV do Dieese. Base: média de 2000 = 100. (2) Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. (3) Incluem os ocupados que não tiveram remuneração no mês e excluem os trabalhadores familiares sem remuneração salarial e os trabalhadores que ganharam exclusivamente em espécie ou benefício. (4) Incluem os assalariados que não tiveram remuneração no mês. 22

23 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC PIA População em Idade Ativa: população com 10 anos e mais. PEA População Economicamente Ativa: parcela da PIA que está ocupada ou desempregada. Ocupados: indivíduos que nos 7 dias anteriores ao da entrevista: a) possuem trabalho remunerado exercido regularmente; b) possuem trabalho remunerado exercido de forma irregular, desde que não estejam procurando trabalho diferente do atual; c) possuem trabalho não remunerado de ajuda em negócios de parentes, ou remunerado em espécie/benefício, sem procura de trabalho; d) excluem-se as pessoas que de forma bastante excepcional fizeram algum trabalho nesse período. Desempregados: indivíduos que se encontram em uma das seguintes situações: a) Desemprego Aberto: pessoas que procuraram trabalho de maneira efetiva nos 30 dias anteriores ao da entrevista e não exerceram nenhum trabalho nos 7 últimos dias; b) Desemprego Oculto pelo Trabalho Precário: pessoas que realizam algum trabalho remunerado eventual de auto-ocupação, ou seja, sem qualquer perspectiva de continuidade e previsibilidade, ou realizam trabalho não remunerado em ajuda de negócios de parentes e que procuraram mudar de trabalho nos 30 dias anteriores ao da entrevista ou que, não tendo procurado neste período, o fizeram sem êxito até 12 meses atrás; c) Desemprego Oculto pelo Desalento e Outros: pessoas que não possuem trabalho e nem procuraram nos últimos 30 dias, por desestímulo do mercado de trabalho ou por circunstâncias fortuitas, mas apresentaram procura efetiva de trabalho nos últimos 12 meses. Inativos (maiores de 10 anos): parcela da PIA que não está ocupada ou desempregada. Rendimento do trabalho: rendimento monetário bruto (sem descontos de imposto de renda e previdência social) efetivamente recebido, referente ao trabalho realizado no mês imediatamente anterior ao da pesquisa. Para os assalariados, são considerados descontos por falta, etc. ou acréscimos devidos a horas extras, gratificações, etc. Não são computados o 13 o salário e os benefícios indiretos. Para os empregadores, os autônomos e as demais posições é considerada a retirada mensal, não incluindo os lucros do trabalho, da empresa ou do negócio. PRINCIPAIS INDICADORES Taxa de Desemprego Total: proporção da PEA que se encontra na situação de desemprego total, aberto e oculto. Taxa de Participação: proporção de pessoas com 10 anos e mais incorporadas ao mercado de trabalho como ocupadas ou desempregadas. de Ocupação: nível de ocupação alcançado em determinado trimestre em relação ao nível médio do ano de Rendimentos: rendimento real trimestral dos ocupados e assalariados no trabalho principal apresentados os valores máximos recebidos pelos 25% e 50% mais pobres (mediana) e valores mínimos recebidos pelos 25% mais ricos. 23

24 A Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Seade, em colaboração com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Dieese, vem divulgando sistematicamente os resultados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED-RMSP, desde Fevereiro de Trata-se de uma pesquisa domiciliar que, a cada mês, investiga uma amostra de aproximadamente domicílios localizados na Região Metropolitana de São Paulo. As informações da PED são apresentadas agregadas em trimestres móveis. Por exemplo, a taxa de desemprego de janeiro corresponde ao trimestre móvel novembro, dezembro e janeiro. A taxa de fevereiro corresponde ao trimestre móvel dezembro, janeiro e fevereiro. A qualidade de seus indicadores e as inovações metodológicas introduzidas fazem da PED uma das principais fontes de referência sobre a conjuntura do mercado de trabalho metropolitano. Por estas razões, outros Estados brasileiros passaram a realizar a pesquisa nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador e o Distrito Federal. Em 2011, retomando parceria iniciada em 1998 com o Consórcio Intermunicipal Grande ABC, voltam a ser divulgadas informações específicas para a Região do ABC. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Av. Cásper Líbero 464 CEP São Paulo SP Fone (11) Fax (11) / / Rua Aurora, 957/ 3 o andar República CEP São Paulo SP Fone (11) / Consórcio Intermunicipal Grande ABC Av. Ramiro Colleoni 5 CEP Santo André SP Fone (11) / Apoio: Ministério do Trabalho e Emprego MTE. Fundo de Amparo ao Trabalhador FAT. Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho Sert. 24

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

Taxa de desemprego diminui

Taxa de desemprego diminui MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 Taxa de desemprego diminui 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, em parceria com o Consórcio Intermunicipal

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 277 266 DEZEMBRO DE 2007 Taxa de desemprego total diminui para 13,5% Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

Leia mais

Taxa de desemprego se eleva

Taxa de desemprego se eleva MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 Taxa de desemprego se eleva 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego - PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, em parceria com o Consórcio

Leia mais

Desemprego mantém relativa estabilidade na maioria das regiões

Desemprego mantém relativa estabilidade na maioria das regiões Desemprego mantém relativa estabilidade na maioria das regiões JUNHO DE 20 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego aumentou apenas em duas das seis

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO DE 2009 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO N o 292 N o 266 Desemprego cresce, mas indústria e serviços param de demitir Demissões no Comércio

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2012 Crescimento da ocupação e saída de pessoas do mercado de trabalho determinam expressiva redução do desemprego 1. Em junho, as informações da Pesquisa

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade

AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade Nível de ocupação aumenta na Indústria de Transformação, mantém-se relativamente estável

Leia mais

TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO

TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Resultados de outubro² 1 de 2014 TAXA DE DESEMPREGO DIMINUIU PELO SEGUNDO MÊS CONSECUTIVO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Agosto/2013 Desemprego registra redução em agosto 1. No mês de agosto, os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego para os residentes em mostraram variação

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

PED ABC. Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC. Estudo Especial JULHO DE 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC *

PED ABC. Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC. Estudo Especial JULHO DE 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC * PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC * JULHO DE 2013 Os jovens e o mercado de trabalho na região do ABC Estudo Especial * Compreende os municípios de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2013 Mercado de trabalho no mês de junho apresenta relativa estabilidade 1. Em junho, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de mostraram

Leia mais

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 01 Resultados de janeiro de 2015 PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa

Leia mais

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 MARÇO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº03 CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões NOVEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego permaneceu relativamente estável

Leia mais

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O comércio sempre foi considerado como porta de entrada para o mercado de trabalho sendo, assim, um dos principais setores econômicos em termos de absorção da população

Leia mais

Diminui desigualdade no mercado de trabalho entre mulheres e homens, mas desemprego cresce

Diminui desigualdade no mercado de trabalho entre mulheres e homens, mas desemprego cresce 1 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE MARÇO 2016 Diminui desigualdade no mercado de trabalho entre mulheres e homens, mas desemprego cresce Em 2015, o desempenho

Leia mais

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos Taxa de participação feminina diminuiu em boa parte das regiões E ntre 2013 e 2014, a proporção de mulheres com 10 anos ou mais inseridas no mercado

Leia mais

Desemprego cresceu no conjunto das regiões

Desemprego cresceu no conjunto das regiões Desemprego cresceu no conjunto das regiões SETEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego aumentou nas cinco regiões pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de São Paulo

Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de São Paulo Pesquisa de Emprego e Desemprego na Abril de 1998 DESEMPREGO MANTÉM CRESCIMENTO E ATINGE 18,9% DA PEA As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego, da Fundação Seade e do Dieese, mostram

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho metropolitano

A inserção das mulheres no mercado de trabalho metropolitano A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE MARÇO 2013 A inserção das mulheres no mercado de trabalho metropolitano De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Resultados de janeiro de 2015 Taxa de desemprego estável na RMS 1. As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada pela

Leia mais

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Resultados de 2013 Divulgação: Novembro de 2014 A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013)

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Viçosa Minas Gerais Junho de 2013 1 DEMOGRAFIA BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA TABELA 1 Evolução

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Novembro/2013 registra a menor taxa de desemprego em 21 anos 1. Em novembro, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de mostraram que a taxa de

Leia mais

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Abril DE 2014 EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Em 2013, cresceu o número de diaristas e diminuiu o de mensalistas com e sem carteira de trabalho. Elevou-se o rendimento médio

Leia mais

BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família

BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família BOLETIM TRABALHO NO COMÉRCIO Mulher Comerciária: Trabalho e Família No ano do centenário da Declaração do Dia Internacional da Mulher e diante da importância feminina para a categoria comerciária, o DIEESE

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Rui Costa Governador. Secretaria do Planejamento João Leão Secretário

Governo do Estado da Bahia Rui Costa Governador. Secretaria do Planejamento João Leão Secretário Governo do Estado da Bahia Rui Costa Governador Secretaria do Planejamento João Leão Secretário Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Eliana Boaventura Diretora-geral Armando Affonso

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho metropolitano

A inserção das mulheres no mercado de trabalho metropolitano A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE MARÇO 2012 A inserção das mulheres no mercado de trabalho metropolitano De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

As informações da Pesquisa de Emprego

As informações da Pesquisa de Emprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC NOVEMBRO DE 2014 Mercado de trabalho e mobilidade do trabalhador As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED na Região do ABC, rea lizada pela

Leia mais

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0.

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0. Sistema PED Maio 2012 Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Governador do

Leia mais

São Paulo, março de 2014 n o 25. A presença feminina

São Paulo, março de 2014 n o 25. A presença feminina São Paulo, março de 2014 n o 25 A presença feminina NO MERCADO DE TRABALHO EM 2013 NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Diminui presença feminina no mercado de trabalho Metade das mulheres passam a ter

Leia mais

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS DO PAÍS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE (RECiFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres no mercado de trabalho da RMS, em 2014

Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres no mercado de trabalho da RMS, em 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Março de 2015 Aumento da ocupação e do rendimento médio real e redução da taxa de desemprego melhoram a inserção das mulheres

Leia mais

Sondagem do Setor de Serviços

Sondagem do Setor de Serviços Sondagem do Setor de Serviços % Setor 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Agropecuária 5,9 4,9 4,7 4,8 5,0 5,2 Indústria 25,8 25,1 24,7 23,9 23,3 21,8 Serviços 54,1 55,8 56,5 57,3 56,8 58,9 Impostos líquidos

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares 1 Rio de Janeiro, 17/01/2014 S I P D Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares O IBGE iniciou uma importante etapa no aprimoramento de seu sistema de pesquisas domiciliares, que propiciará maior eficácia

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Recife, Ano 9 nº 112 Maio de 2007. Resultados de Abril de 2007

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Recife, Ano 9 nº 112 Maio de 2007. Resultados de Abril de 2007 PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Recife, Ano 9 nº 112 Maio de 2007. Resultados de Abril de 2007 Taxa de desemprego decresce em abril 1. As informações da Pesquisa de

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Recife, Ano 9 nº 111 Abril de 2007. Resultados de Março de 2007

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Recife, Ano 9 nº 111 Abril de 2007. Resultados de Março de 2007 PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Recife, Ano 9 nº 111 Abril de 2007. Resultados de Março de 2007 Taxa de desemprego cresce no mês 1. Em março, a taxa de desemprego total

Leia mais

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade CIDOB AECID EL BRASIL DESPUES DE LULA. Éxitos y desafíos en la reducción de la pobreza y el liderazgo regional Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade Lena LAVINAS Instituto

Leia mais

16 a 31 de dezembro de 2014

16 a 31 de dezembro de 2014 16 a 31 de dezembro de 2014 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nº 5 Fevereiro 2011 O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL O desenvolvimento capitalista no Brasil alcançou um impulso formidável no século passado, dotando, em curto espaço de tempo, uma economia

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2009 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Março de 2015 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Bem-estar, desigualdade e pobreza

Bem-estar, desigualdade e pobreza 97 Rafael Guerreiro Osório Desigualdade e Pobreza Bem-estar, desigualdade e pobreza em 12 países da América Latina Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, México, Paraguai, Peru,

Leia mais

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE -

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Elaboração: (SPM), Fundo de Desenvolvimento das Nações

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador

A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Novembro de 2013 A inserção da população negra no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador Os dados da Pesquisa de Emprego

Leia mais

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Dezembro 2011 Nº 6 Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Durante a década de 1990, com o enfraquecimento das instituições reguladoras da economia e da sociedade

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo. Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP

A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo. Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP Momento Econômico Atual Indicadores Econômicos Taxa de Desemprego (média) Medo Desemprego 11,5% 97,50

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo SUMÁRIO EXECUTIVO O Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Espírito Santo é calculado anualmente pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) em parceria com o Instituto eiro de Geografia e Estatística

Leia mais

BOLETIM DIEESE OS DOMICÍLIOS BRASILEIROS E A CHEFIA FEMININA. Edição especial março de 2004

BOLETIM DIEESE OS DOMICÍLIOS BRASILEIROS E A CHEFIA FEMININA. Edição especial março de 2004 BOLETIM DIEESE Edição especial março de 24 A MULHER CHEFE DE DOMICÍLIO E A INSERÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO Dois fatos recentes merecem a atenção em relação à questão de gênero no Brasil: o incremento

Leia mais

Indicador de qualidade do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador

Indicador de qualidade do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador ÍNDICE DE qualidade DO MERCADO DE TRABALHO Nov. 2011-fev. 2012 Indicador de qualidade do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Salvador O Índice de Qualidade do Mercado de Trabalho da Região Metropolitana

Leia mais

racismo, a fato é que a pesquisa que ora publicamos revela que o quadro apenas se agravou.

racismo, a fato é que a pesquisa que ora publicamos revela que o quadro apenas se agravou. Página 1 de 15 Apresentação Com o objetivo de examinar o quadro atual da discriminação racial nas relações de trabalho, o INSPIR - Instituto Sindical lnteramericano pela Igualdade Racial, encomendou ao

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 Região Metropolitana de São Paulo Março 2010 O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 No ano em que a Organização Internacional do Trabalho OIT inclui o trabalho doméstico como tema de sua 99ª Conferência

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CAMPO GRANDE - MS MARÇO/2016 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela

Leia mais

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ano 19 Nº 13 - O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em A partir da aprovação da Emenda Constitucional n 72,

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março - 2006

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março - 2006 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março - 2006 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Produto Interno Bruto Trimestral do Estado do Amazonas 4º Trimestre de 2014 Março de 2015 GOVERNADOR

Leia mais

FATOS RELEVANTES SOBRE A DISTRIBUIÇÃO da RENDA no BRASIL. Rodolfo Hoffmann Junho de 2014

FATOS RELEVANTES SOBRE A DISTRIBUIÇÃO da RENDA no BRASIL. Rodolfo Hoffmann Junho de 2014 FATOS RELEVANTES SOBRE A DISTRIBUIÇÃO da RENDA no BRASIL Rodolfo Hoffmann Junho de 2014 Observação discrepante em 2012 São utilizados dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Desemprego aumenta para as mulheres na RMS, em 2013

Desemprego aumenta para as mulheres na RMS, em 2013 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Março de 2014 Desemprego aumenta para as mulheres na RMS, em 2013 Depois de ter verificado pequenas melhorias na sua inserção

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil Dieese. Subseção Força Sindical Elaboração: 21/07/2015 De acordo com os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

1 a 15 de janeiro de 2015

1 a 15 de janeiro de 2015 1 a 15 de janeiro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO A produtividade do trabalho da indústria catarinense variou 2% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano anterior. No primeiro bimestre de

Leia mais