O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas."

Transcrição

1 O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais, estes devem procurar fazer escolhas informadas, tendo presente que um investimento responsável exige que conheça os riscos e esteja disposto a aceitá-los. A informação apresentada neste documento sobre instrumentos financeiros tem uma natureza genérica, não dispensando a consulta de informação sobre as características e riscos específicos do instrumento financeiro em concreto. Etapas essenciais no processo de investimento O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. Para tal importa: 1. Definir uma estratégia de investimento, através da: i) Análise da sua situação financeira: O investidor deverá efectuar uma avaliação dos seus activos financeiros, o apuramento das responsabilidades financeiras (prestações, mensalidades e outras despesas fixas) e dos rendimentos periódicos (salários, rendas de imóveis) e/ou pontuais (venda de imóveis, activos financeiros), etc. ii) dos seus objectivos de investimento, nomeadamente: - O montante que pretende ou pode investir; - O prazo durante o qual pretende investir esta informação é particularmente pertinente quando se pretende investir em instrumentos financeiros sem ou com reduzida liquidez até à sua maturidade ou com custos de transacção ou de reembolso antecipado muito elevados. - Qual a finalidade do investimento por exemplo: a obtenção de rendimentos periódicos ou só na maturidade, preservação do capital, poupança para a reforma, especulação, etc. - Nível de risco que está disposto a assumir. iii) Auto-avaliação dos conhecimentos e experiência em instrumentos financeiros. 2. Conhecer o funcionamento dos mercados onde pretende transaccionar A informação relativa ao funcionamento dos mercados poderá ser obtida junto das entidades de supervisão (nomeadamente junto da CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários) e das entidades gestoras de mercados. Deve igualmente questionar o Banco sobre as principais regras de funcionamento de determinado mercado antes de negociar, nomeadamente, sobre o horário de funcionamento, tipo de ordens aceites, existência de informação pública sobre cotações e como se processa a liquidação das operações. 3. Conhecer as características dos instrumentos financeiros que pretende transaccionar e compreender as respectivas implicações e riscos associados O investidor não deve investir em determinado instrumento financeiro sem antes compreender as suas características, certificar-se que conhece todas as suas implicações e que está disposto a aceitá-las, pelo que se recomenda a leitura atenta de toda a documentação associada (prospectos, fichas técnicas, etc.) O investidor deve estar ciente que: 1/ 14

2 i) O investimento em instrumentos financeiros acarreta riscos, pelo que deve avaliar cuidadosamente o nível de risco que está disposto a assumir. ii) O investimento em instrumentos financeiros com maior potencial de realização de ganhos financeiros implica a assunção de maior nível riscos (podendo implicar a perda do capital investido). No investimento em instrumentos financeiros derivados, o investidor deverá também verificar em que circunstâncias lhe poderão exigir a constituição/reforço de margens e o encerramento unilateral de posições. 4. Conhecer os custos dos serviços A rentabilidade dos investimentos em instrumentos financeiros é influenciada negativamente pelas comissões e outros encargos cobrados pelo Banco (preçário) e pela fiscalidade aplicável, e que incluem, designadamente, as comissões e custos de transacção, comissões de subscrição, pagamento de juros/dividendos, reembolso e de custódia, portes e despesas de envio, etc. O Preçário é entregue ao Cliente no momento da celebração do contrato e poderá ser consultado, a qualquer momento, nos sites do Banif (www.banif.pt) e da CMVM (www.cmvm.pt) bem como nos locais de atendimento ao público. 5. Acompanhar a evolução dos investimentos efectuados Após a realização dos investimentos em instrumentos financeiros, o investidor deve acompanhar regularmente a valorização da sua carteira e avaliar se os investimentos efectuados vão de encontro às suas expectativas e objectivos de investimento. O investidor deve ainda analisar cuidadosamente os extractos enviados periodicamente pelo Banco e deve questionar o Gestor de Conta sempre que detectar anomalias ou discrepâncias na informação. Recomendamos que o Investidor leia os Guias e Recomendações da CMVM (clicar na imagem para abrir documento). Acções Obrigações Fundos de Investimento Recomendações aos Investidores Produtos Financeiros Complexos Recomendações aos Investidores em Produtos Financeiros Complexos 2/ 14

3 Formas de Negociação Regulamentados (Bolsas) são estruturas onde se negoceiam os instrumentos financeiros emitidos pelas empresas, pelo Estado ou por entidades financeiras. A sua função principal é servir de ponto de encontro entre vendedores e compradores, proporcionando maior liquidez aos valores negociados, transparência na formação dos preços, bem como maior protecção e segurança aos investidores. As Bolsas apresentam as seguintes características: São geridas por entidades gestoras devidamente autorizadas; São mercados públicos, aos quais se acede através dos respectivos membros: sociedades corretoras, sociedades financeiras de corretagem e Bancos. Funcionam em sessões públicas normais quando os instrumentos são transaccionados no sistema de negociação em contínuo ou especiais, por exemplo, na colocação de emissões primárias. Os instrumentos financeiros transaccionados são admitidos à negociação apenas se cumprirem determinadas regras. A informação sobre os instrumentos financeiros, entidades emitentes ou membros de Bolsa é pública e transparente. Sistemas de Negociação Multilateral (MTF s) são sistemas de negociação de instrumentos financeiros, geridos por um intermediário financeiro ou entidade gestora, que permitem, dentro do próprio sistema e de acordo com regras não discricionárias, o encontro entre compradores e vendedores. Os instrumentos financeiros negociados em Regulamentados podem ser negociados em MTF s sem o consentimento do emitente dos mesmos. Neste caso, o emitente não é obrigado a prestar qualquer informação adicional. Internalizadores Sistemáticos intermediários financeiros que, contra a sua carteira própria e de forma organizada e sistemática, executam ordens de compra e venda de clientes. OTC Over the counter ou operações fora do sistema organizado são formas não organizadas em que as transacções são efectuadas directamente entre as partes. A negociação de instrumentos financeiros fora do sistema implica que as transacções não possam ser efectuadas a preços que sejam públicos, podendo também não existir oportunidades frequentes para a sua execução. Instrumentos Financeiros Conceitos Rentabilidade Taxa de rendimento gerada pelo investimento em determinado período de tempo. A rentabilidade é formada por duas parcelas: a mais ou menos valia (diferença entre preço de compra e preço de venda), e, a remuneração periódica (dividendos, no caso das acções, e juros, no caso de obrigações ou outros títulos representativos de dívida). : quando não se verifica o risco de o montante a receber pelo investidor vir a ser inferior ao capital investido (o montante do capital a reembolsar ou o preço a receber é certo, sendo superior ou igual ao capital investido). O capital pode ser garantido a todo o tempo ou apenas se o investimento for mantido até à data de vencimento (maturidade). Um produto com capital garantido não deixa de ter risco de crédito. Risco representa a incerteza relativa à variação futura da rentabilidade. Tipos de Risco: Possibilidade de não conseguir transaccionar determinado instrumento financeiro por não existirem oportunidades frequentes que permitam a sua execução por inexistência de contraparte, ou, de sofrer uma perda na sua transacção, face ao seu justo valor, num mercado onde existem poucas contrapartes. 3/ 14

4 Risco de Mercado Risco de Taxa de Juro Outros riscos Risco associado à volatilidade do instrumento financeiro. Quanto maior for a volatilidade maior será o risco de mercado. Possibilidade do emitente falhar o cumprimento das suas obrigações (não pagar os juros ou outros rendimentos e de não reembolsar o capital investido) Possibilidade do valor de um instrumento financeiro ser afectado pelas flutuações da taxa de juro do mercado (por exemplo: o valor das obrigações de taxa fixa desce quando a taxa de juro do mercado Euribor sobe). Possibilidade do valor de um instrumento financeiro denominado em moeda estrangeira ser afectado pela variação das taxas de câmbio. Possibilidade do valor de um instrumento financeiro ser afectado por factores externos, por exemplo: risco político, risco de contraparte, alterações do regime fiscal etc. possibilita a exposição a uma posição muito superior ao montante investido. A alavancagem é possível através do recurso a empréstimos para aquisição de instrumentos financeiros ou através do investimento em instrumentos financeiros derivados. A alavancagem tem um efeito ampliador tanto dos ganhos como das perdas, podendo provocar perdas superiores ao capital investido. é um indicador de risco que mede a variação dos preços dos instrumentos financeiros em determinado período de tempo. Um instrumento muito volátil (que regista muitas oscilações de preço) apresenta um maior grau de risco de mercado. Os instrumentos financeiros podem ser complexos ou não complexos. A natureza ou as características específicas dos instrumentos financeiros complexos dificultam a percepção quer do seu funcionamento quer dos riscos associados e a determinação da sua rentabilidade. Determinados instrumentos financeiros complexos obrigam à disponibilização de um documento designado por informações Fundamentais ao Investidor (IFI) o qual inclui um alerta gráfico que visa comunicar aos investidores, de forma simples e directa, as características relevantes do produto financeiro complexo no que respeita à possibilidade de perder parte ou a totalidade do capital investido: Cor Verde produtos financeiros complexos de rendimento garantido, emitidos ou garantidos por uma entidade sujeita a supervisão prudencial na União Europeia ou que beneficie de regime de equivalência; Cor Amarela produtos financeiros complexos com rendimento garantido que não sejam emitidos nem garantidos por entidade referida na alínea anterior e ainda os produto financeiro complexo cuja perda máxima de capital na maturidade seja inferior ou igual a 10% do capital investido; Cor Laranja produtos financeiros complexos em que haja possibilidade de se verificar uma perda de capital na maturidade superior a 10% e inferior a 100% do capital investido; Cor Vermelha produtos financeiros complexos em que haja possibilidade de se verificar uma perda de capital superior ou igual a 100% do capital investido. 4/ 14

5 Acções As Acções (ordinárias) são valores mobiliários representativos do capital social de uma sociedade e que conferem ao investidor (accionista) um conjunto de direitos, nomeadamente: participar e votar em assembleias gerais, receber dividendos (parte dos lucros distribuídos pelos accionistas) e participar nos aumentos de capital (ver Direitos). Os estatutos da sociedade contêm a informação relativa aos direitos e deveres do Accionista. O investimento em acções deve ser acompanhado pelo conhecimento da empresa e das condições gerais do mercado e dos factores que possam influenciar a evolução económica (taxa de inflação, crescimento económico, nível das taxas de juro, condições políticas, etc) Risco de Mercado Prospecto (na colocação inicial ou em aumentos de capital através de oferta pública) Variável de acordo com as características da empresa, do seu sector de actividade e das condições do mercado Bolsa, MTF s e OTC complexo (se admitidas à negociação em mercado organizado). Alto - para acções não admitidas à negociação em mercados organizados (não cotadas) ou admitidas (cotadas), mas com pouca liquidez (volume médio de transacções diárias baixo) - para acções admitidas à negociação em mercados organizados (cotadas) e com elevada liquidez (volume médio de transacções diárias alto) Alto Alto para acções emitidas em moeda estrangeira 5/ 14

6 Acções Preferenciais As Acções Preferenciais são uma categoria especial de acções (por contraposição a acções ordinárias), que pagam uma taxa pré-definida de dividendos acima dos dividendos atribuídos às acções ordinárias e com prioridade na sua distribuição, pelo que não poderão ser pagos dividendos às acções ordinárias antes dos dividendos devidos às acções preferenciais. Conferem igualmente o direito ao reembolso prioritário, em caso de liquidação da sociedade. O dividendo preferencial é normalmente cumulativo, ou seja, se em determinado exercício o dividendo preferencial não for pago deverá ser adicionado ao dividendo do exercício seguinte. Normalmente, as Acções Preferenciais não conferem direito ao voto em assembleias geral. Risco de Mercado Prospecto (na colocação inicial ou em aumentos de capital através de oferta pública) Alta, embora variável de acordo com as características da empresa, do seu sector de actividade e das condições do mercado Bolsa, MTF s e OTC Complexo Alto geralmente as acções preferenciais não estão admitidas à negociação em mercados organizados ou, quando estão, tendem a ter pouca liquidez Alto Alto - para Acções Preferenciais que atribuam direito a um dividendo a uma Taxa Fixa (se a taxa de juro de mercado subir o valor das obrigações irá descer) Alto para acções emitidas em moeda estrangeira 6/ 14

7 Direitos de subscrição e incorporação Alguns valores mobiliários conferem direitos que podem ser destacados e negociados separadamente (por exemplo direitos de subscrição e incorporação). Os Direitos são valores mobiliários de muito curto prazo e que, no final do período definido para o seu exercício, extinguem-se. As sociedades podem efectuar o aumento de capital através da subscrição de novas acções ou através de incorporação de reservas. Num aumento de capital por subscrição de novas acções, regra geral, é dado ao accionista um direito de preferência de compra das acções que serão emitidas. Neste caso, das acções existentes são destacados direitos de subscrição que poderão ser exercidos pelo accionista. Os direitos de subscrição conferem aos investidores o direito de subscrever as novas acções nas condições fixadas na Assembleia de Accionistas. Se o aumento de capital for por incorporação de reservas, o capital social é aumentado e procede-se à atribuição gratuita de novas acções aos accionistas. Em determinadas situações os direitos de incorporação poderão ser negociados autonomamente. Risco de Mercado Prospecto (aumentos de capital através de oferta pública) Alta Bolsa, e OTC Complexo Alto - se não admitidos à negociação em mercados organizados (não cotados) ou admitidos (cotados), mas com pouca liquidez (volume médio de transacções diárias baixo) se os direitos forem admitidos à negociação em mercados organizados (cotados) e com elevada liquidez (volume médio de transacções diárias alto) Alto O não exercício implica a extinção do direito (perda do valor atribuído) 7/ 14

8 Obrigações As Obrigações são valores mobiliários representativos de um empréstimo contraído por uma sociedade ou pelo Estado, com uma maturidade definida ou não (obrigações perpétuas), e que conferem ao investidor (obrigacionista) o direito a receber o juro (com a periocidade acordada) e o reembolso do montante investido na maturidade da emissão. Nas Obrigações de cupão zero, uma vez que estas são admitidas abaixo do valor nominal, o rendimento do obrigacionista resulta da diferença entre o valor de subscrição e o valor de reembolso. As Obrigações poderão, ainda, incorporar uma opção de reembolso antecipado a exercer pelo emitente (call option) ou pelo Obrigacionista (put option). Nas Condições Finais (ou Ficha Técnica) ou Prospecto são apresentadas as características e identificados os riscos associados a cada emissão. Risco de Mercado Prospecto (colocação através de oferta pública, excepto quando dispensado, por exemplo, se montante mínimo de subscrição superior a ). Em programas de emissões poderá existir um Prospecto Base e Condições Finais para cada uma das Emissões. Na maturidade, embora dependente das condições da emissão Baixa Bolsa, MTF s e OTC complexo - obrigações clássicas Complexo Obrigações com opção de reembolso antecipado pelo emitente ou pelo obrigacionista ou obrigações perpétuas. Alto - para emissões não admitidas à negociação em mercados organizados (não cotadas) ou admitidas (cotadas), mas com pouca liquidez (volume médio de transacções diárias baixo) - para emissões admitidas à negociação em mercados organizados (cotadas) e com elevada liquidez (volume médio de transacções diárias alto) Médio Variável de acordo com o grau de risco da emitente (rating) Alto - para Obrigações de Taxa Fixa (se a taxa de juro de mercado subir o valor das obrigações irá descer) Alto - para obrigações emitidas em moeda estrangeira 8/ 14

9 Obrigações Estruturadas As Obrigações Estruturadas são valores mobiliários que combinam uma obrigação com um instrumento derivado, por força do qual a remuneração da obrigação depende do desempenho de outro activo, instrumento ou contrato financeiro (indexante) que pode potenciar ou alavancar essa remuneração. Os activos subjacentes ou indexantes mais comuns são: uma acção ou um cabaz de acções, um índice (por exemplo o PSI20), uma matéria-prima ou um cabaz de matérias-primas (ouro, petróleo, trigo etc), taxas de câmbio etc. A entidade comercializadora das Obrigações Estruturadas deve assegurar a existência de um documento informativo intitulado «Informações Fundamentais ao Investidor» (IFI). Risco de Mercado Prospecto (colocação através de oferta pública, excepto quando dispensado, por exemplo, se montante mínimo de subscrição superior a ). Documento de Informações Fundamentais ao Investidor (IFI) Na maturidade, embora dependente das condições da emissão Variável de acordo com a volatilidade do activo subjacente Depende da estrutura da emissão Bolsa. MTF s e OTC Complexo Alto geralmente não estão admitidas à negociação em mercados organizados ou, quando estão, tendem a ter pouca liquidez Variável Variável de acordo com o grau de risco da emitente (rating) Médio Alto - para obrigações emitidas em moeda estrangeira Risco associado ao indexante 9/ 14

10 Títulos de Participação São valores mobiliários emitidos por empresas públicas ou por sociedades maioritariamente detidas pelo Estado. A remuneração dos Títulos de Participação tem duas componentes: componente fixa (depende da taxa de juro da emissão) e uma componente variável (que depende dos resultados da empresa). Os Títulos de Participação não têm maturidade definida e só são reembolsáveis, por decisão da emitente, mas nunca antes de terem decorrido 10 anos desde a sua emissão, ou, em caso de falência da empresa. Prospecto (colocação através de oferta pública) Depende das condições da emissão Variável Bolsa e OTC Complexo Alto geralmente não estão admitidas à negociação em mercados organizados ou, quando estão, tendem a ter pouca liquidez Variável de acordo com o grau de risco da emitente (rating) Alto 10/ 14

11 Unidades de Participação As unidades de participação são valores mobiliários que representam parcelas em que se divide o património de um Organismo de Investimento Colectivo (Fundo de Investimento). Um Fundo de Investimento caracteriza-se por ser um património detido por várias pessoas participantes segundo um princípio de divisão de riscos, cujo investimento, em determinados activos, é gerido por profissionais (sociedades gestoras) que actuam no interesse dos respectivos participantes. O valor da Unidade de Participação corresponde à divisão do valor do património do fundo pelo número de unidades de participação em circulação e é calculado e divulgado (por norma, diariamente) pela Sociedade Gestora. O fundo poderá investir em valores mobiliários (Fundo Mobiliário) ou em imóveis (Fundo Imobiliário) A decisão de investimento em fundos de investimento deve ser baseada na leitura dos respectivos documentos constitutivos (prospecto e regulamento de gestão) disponibilizados pela sociedade gestora ou pelo Banco comercializador e devem ser igualmente equacionados os custos associados não só á subscrição e resgate mas também as comissões associadas à actividade do fundo (comissão de gestão e custódia). Risco de Mercado Regulamento de Gestão ou Prospecto Prospecto Simplificado (excepto fundos garantidos) Depende do tipo de Fundo Comercializados ao balcão (fundos abertos) ou negociáveis em Bolsa e OTC (fundos fechados) Complexo (Fundos Harmonizados) Complexos (Fundos Harmonizados, nos quais se incluem os Fundos Especiais de Investimento) Alto - para fundos fechados não admitidos à negociação em mercados não organizados ou em mercados pouco líquidos - para fundos abertos que admitam subscrições e resgates diários Depende do tipo de Fundo Depende do tipo de Fundo Alto para fundos que investem em activos em moeda estrangeira dos activos que compõem a carteira do Fundo De acordo com a Regulamentação da CMVM, a classificação do risco dos Fundos é efectuada com base na volatilidade passada anualizada (desvio padrão da rendibilidade) e varia entre 1 (risco baixo) e 6 (risco muito alto), conforme quadro seguinte: CLASSE RISCO DESVIO-PADRÃO ANUALIZADO ESCALÃO DE RISCO 1 [0 ; 1,5] Risco 2 [1,5 ; 5] Risco Médio 3 [5 ; 10] Risco Médio 4 [10 ; 15] Risco Médio Alto 5 [15 ; 20] Risco Alto 6 >= 20 Risco Muito Alto A classe de risco do Fundo consta obrigatoriamente do Prospecto Simplificado e representa o comportamento do fundo no passado, mas não constitui garantia quanto à sua evolução futura. 11/ 14

12 Exchange Traded Funds (ETF s) Os ETF s Exchange Traded Funds são fundos de investimento abertos, mas negociados em mercados organizados (Bolsas e MTF s). Os ETF s têm como objectivo a replicação da evolução de um determinado indicador de referência. O indicador mais comum é um índice bolsista ou obrigacionista. No entanto, o ETF pode replicar o comportamento de determinado cabaz de acções ou mercadorias (petróleo, trigo, ouro, etc) ou de determinado sector de actividade, etc. Embora a generalidade dos ETF s tenham como objectivo a replicação da evolução do indicador, existem ETF s com outras estratégias, como por exemplo: Inverse ou Short ETF visam obter um desempenho inverso à evolução do indicador de referência. Leverage ETF ou, ETF s alavancados, que têm como objectivo obter um desempenho que corresponderá a um múltiplo da evolução do indicador de referência (existem ETF s que têm como objectivo duplicar ou triplicar o comportamento do indicador de referência). Actively-Managened ETF são ETF s com uma estratégia de investimento activa (não tem como objectivo a replicação de determinado indicador de referência), pelo que a sua rentabilidade será um reflexo da estratégia adoptada e não dependerá da evolução de um indicador de referência. Regulamento de Gestão ou Prospecto Prospecto Simplificado Depende do tipo de ETF Sim (Leverage ETF s) pode conduzir à perda do capital investido Bolsas, MTF s Complexos (Fundos harmonizados) Complexos (Fundos não harmonizados) Depende do indicador de referência ou da estratégia adoptada Alto (Se emitido em moeda estrangeira) associados ao indicador de referência ou à estratégia prosseguida pelo ETF 12/ 14

13 Warrants Os Warrants são instrumentos financeiros emitidos por instituições financeiras e habitualmente transaccionados em mercados organizados, de duração limitada e que conferem ao investidor um direito sobre outro activo financeiro (activo subjacente, por exemplo. acções, índices bolsistas, taxas de juro e câmbio, etc). Os Warrants conferem os seguintes direitos: - A comprar o activo subjacente call warrant - A vender o activo subjacente put warrant - A receber a diferença em dinheiro entre dois preços o preço do activo subjacente no momento de exercício e o preço de exercício. O investidor tem sempre a possibilidade de optar por exercer ou não o seu direito, pelo que o warrant confere um direito e não uma obrigação. O não exercício do direito implica a sua extinção e, consequentemente, a perda total do capital investido. O exercício do Warrant na maturidade nem sempre é automático. Nesse caso, se o investidor não declarar a sua intenção de exercício, o Warrants vence-se sem que investidor receba qualquer quantia a que tinha direito. Relativamente ao momento em que o investidor pode exercer o seu direito, os Warrants podem ser do tipo europeu, em que o investidor apenas pode exercer o seu direito na data da maturidade, ou, do tipo americano, em que o investidor pode exercer o seu direito desde a data de aquisição à data da maturidade. Prospecto Documento de Informações Fundamentais ao Investidor (IFI) Alta Média pode conduzir à perda do capital investido Bolsas, MTF s Complexos Alto (Se emitido em moeda estrangeira) Do Activo Subjacente 13/ 14

14 Certificados Os Certificados são produtos financeiros emitidos por intermediários financeiros e habitualmente transaccionados em mercados organizados, de duração limitada e que replicam a evolução do valor do respectivo activo subjacente. Os certificados atribuem ao investidor o direito de receber em dinheiro o valor do activo subjacente numa determinada data. No entanto, a emitente pode estabelecer: - Um limite máximo dos ganhos que o investidor pode obter; - A garantia de recebimento de uma valor mínimo, que pode ser igual, superior ou inferior ao montante investido; - Que o valor do activo subjacente não seja apurado num único momento, mas em diferentes momentos no tempo. Uma vez que o valor a receber pelo investidor na maturidade depende do valor do activo subjacente, os certificados podem ter risco de capital, uma vez que o valor a receber pode ser inferior ao capital investido. Prospecto Documento de Informações Fundamentais ao Investidor (IFI) Alta Sim. Pode conduzir à perda do capital investido Bolsas, MTF s, Internalização sistemática Complexos Alto (Se emitido em moeda estrangeira) Do activo subjacente 14/ 14

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 O que são obrigações As obrigações são instrumentos financeiros que representam um empréstimo contraído junto dos investidores pela entidade

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1)

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Março de 2011 Designação: Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1). Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização PSI 20 Entidade Emitente:

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros

Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros Um investimento responsável exige que conheça todas as suas implicações. Certifique-se de que conhece essas implicações e que está disposto a

Leia mais

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Consulta Pública sobre os Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) As Novas Formas Organizadas de Negociação

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA

ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei aplica-se aos seguintes valores mobiliários de estrutura derivada:

Leia mais

A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR

A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A adequação do Instrumento Financeiro ao Perfil do Investidor nota Os intermediários

Leia mais

. FUNDOS DE INVESTIMENTO

. FUNDOS DE INVESTIMENTO . FUNDOS 7.. F DE INVESTIMENTO 7. Fundos de Investimento O QUE É UM FUNDO DE INVESTIMENTO? Um fundo de investimento é um património que pertence a várias pessoas, destinado ao investimento em determinados

Leia mais

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Breve Descrição do produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Contraparte: Saxo Bank. O Saxo Bank

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: 100% do capital investido garantido na maturidade Remuneração não garantida Possibilidade

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015 VALORES MOBILIÁRIOS Clientes Particulares e Empresas 21 FUNDOS DE INVESTIMENTO 21.1. Fundos Banif 21.2. Fundos de Terceiros Internacionais 22 TÍTULOS 22.1. Transacção

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

sobre Instrumentos Financeiros

sobre Instrumentos Financeiros A Informação que deve ser Prestada pelos Intermediários Financeiros sobre Instrumentos Financeiros CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A Informação que deve ser prestada pelos

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Opções Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las Contraparte: X-Trade Brokers

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

Documento Informativo. Obrigações db Double Chance Europe. - Obrigações relativas ao Índice DJ Euro Stoxx 50 - Produto Financeiro Complexo

Documento Informativo. Obrigações db Double Chance Europe. - Obrigações relativas ao Índice DJ Euro Stoxx 50 - Produto Financeiro Complexo Documento Informativo Obrigações db Double Chance Europe - Obrigações relativas ao Índice DJ Euro Stoxx 50 - ISIN: XS0464427177 Produto Financeiro Complexo 1. Produto As Obrigações relativas ao Índice

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

Ordem de Constituição do DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO

Ordem de Constituição do DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO Ordem de Constituição do DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO Identificação do Cliente Nº. de Conta D.O. Nome Completo Morada Localidade Nº Contribuinte Telefone E-mail O Cliente abaixo assinado solicita

Leia mais

Este depósito não garante uma remuneração mínima.

Este depósito não garante uma remuneração mínima. Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentesou associados Perfil de cliente recomendado Condições

Leia mais

Ordem de Constituição de Aplicação Conjunta de DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO e SUPER DEPÓSITO BIG 6%

Ordem de Constituição de Aplicação Conjunta de DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO e SUPER DEPÓSITO BIG 6% Ordem de Constituição de Aplicação Conjunta de DEPÓSITO BOLSA GARANTIDO EUA E JAPÃO e SUPER DEPÓSITO BIG 6% Identificação do Cliente Nº. de Conta D.O. Nome Completo Morada Localidade Nº Contribuinte Telefone

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Solução Multifundos Zurich Fundo Autónomo: MF Zurich Vida Agressivo Empresa de Seguros: Zurich -Companhia de Seguros de Vida S.A. Sede: Rua Barata Salgueiro 41, 1269-058 Lisboa TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM

Leia mais

Constituição de Aplicação EURO-AMÉRICA 16%

Constituição de Aplicação EURO-AMÉRICA 16% Constituição de Aplicação EURO-AMÉRICA 16% Identificação do Cliente Nº. de Conta D.O. Nome Completo Morada Localidade Telefone E-mail Montante a aplicar (em Euro) no EURO-AMÉRICA 16%: Extenso O Cliente

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Emissão de Obrigações ao abrigo do Euro Medium Term Note Programme de 10,000,000,000 do Banco BPI para a emissão

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS GUIA DO INVESTIDOR

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS GUIA DO INVESTIDOR AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS GUIA DO INVESTIDOR Banco de Cabo Verde AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS Guia do Investidor Banco de Cabo Verde Ficha Técnica Título: Guia

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Telecom & Internet (Ser. 13/1)

Prospecto Informativo Invest Telecom & Internet (Ser. 13/1) Prospecto Informativo Invest Telecom & Internet (er. 13/1) Julho de 2013 Designação: Invest Telecom & Internet (er. 13/1) Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração:

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A.

Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. I. Identificação do Distribuidor A Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. (doravante,

Leia mais

Ordem de Constituição de EUA RETORNO ABSOLUTO 60-120

Ordem de Constituição de EUA RETORNO ABSOLUTO 60-120 Ordem de Constituição de EUA RETORNO ABSOLUTO 60-120 Identificação do Cliente Nº. de Conta D.O. Nome Completo Morada Localidade Telefone E-mail Cód.Postal O Cliente abaixo assinado solicita a constituição

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

Documento Informativo

Documento Informativo Notes db Investimento Europa-América (2ª Versão) Notes relating to a Basket of Indices ISIN: XS0460668550 Produto Financeiro Complexo 1. Advertências ao investidor Risco de perda total ou parcial do capital

Leia mais

Informação Complementar aos Clientes

Informação Complementar aos Clientes Informação Complementar aos Clientes 1. Classificação dos Clientes O Banco Finantia, S.A. (de ora em diante o BANCO) procede à classificação de cada cliente, de acordo com critérios definidos na lei. Os

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto * Na sequência do Decreto-Lei n.º 183/2003, de 19 de Agosto, que alterou o Estatuto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Caixa Eurostoxx Down maio 2015_PFC Classificação Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Caracterização do Produto Garantia de Capital O Caixa Eurostoxx Down maio 2015 é um depósito indexado

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. OPÇÕES SOBRE FOREX Contraparte:

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

SACYR VALLEHERMOSO, S.A.

SACYR VALLEHERMOSO, S.A. SACYR VALLEHERMOSO, S.A. Sede: Paseo de la Castellana, 83-85, Madrid Capital Social: EUR 259.661.799 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Madrid sob a referência: Tomo 1.884, Folha 219,

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BBVA Unit-Linked Empresa de Seguros: Zurich -Companhia de Seguros de Vida S.A. Sede: Rua Barata Salgueiro 41, 1269-058 Lisboa TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO! Risco de perder a totalidade do capital investido

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Aplica-se o preçário do ponto 1.1. Aplica-se o preçário do ponto 1.

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Aplica-se o preçário do ponto 1.1. Aplica-se o preçário do ponto 1. Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: Remuneração não garantida DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

Documento Informativo

Documento Informativo Notes db Rendimento CGD 3ª Versão Retail CLN on Caixa Geral De Depósitos ISIN: XS0543068810 Produto Financeiro Complexo 1. Advertências ao investidor Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 1 de Julho de 2015

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 1 de Julho de 2015 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados de: - Oferta Pública de Subscrição de Obrigações ME Fev-2020 - Oferta Pública de Troca de Obrigações ME Mar-2016 1 de Julho de 2015 Não

Leia mais

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. Existindo o risco de perda dos montantes investidos.

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. Existindo o risco de perda dos montantes investidos. Mod. Versão: 42.00 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Poupança Vida BES (I.C.A.E.) Data início de Comercialização: 24/08/2009 Data fim de Comercialização: Em comercialização Empresa

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO BES ESTRUTURADO FLEXÍVEL (ICAE NÃO NORMALIZADO) PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPECTO SIMPLIFICADO BES ESTRUTURADO FLEXÍVEL (ICAE NÃO NORMALIZADO) PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informação actualizada a: 01/04/2010 Designação Comercial: BES Estruturado Flexível (I.C.A.E. Não Normalizado) Data início de Comercialização do Fundo BES Ouro: 03/03/2008 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente recomendado Condições

Leia mais

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- --

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Leia mais