MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus"

Transcrição

1 MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus Proj.n.º: PL01-KA Quadro de Competências-Chave para o Empreendedorismo Maio 2015

2 Índice 1. Introdução Quadro de competências-chave para o empreendedorismo Estrutura do Quadro Resultados obtidos a partir do Quadro

3 1. Introdução A Europa necessita de mais empreendedores e empresas. Durante mais de uma década, a Comissão Europeia tem vindo a aprovar medidas para a criação de um contexto mais favorável, no sentido de promover o crescimento económico através do empreendedorismo. O projeto MENTEE tem por objetivo apoiar os aspirantes e novos empreendedores de toda a Europa, proporcionando-lhes experiências empresariais práticas e know-how, juntamente com modelos empresariais a seguir, inspiração e competências informais que podem ser asseguradas pelo constante contacto com mentores/empreendedores experientes. Os principais grupos-alvo são empreendedores que, de alguma forma, estejam envolvidos no programa Erasmus para Jovens Empreendedores, e o MENTEE aplica a metodologia dos Mentoring Circles, conectando-os através de uma plataforma interativa e de aprendizagem. No projeto MENTEE trabalhamos tanto com mentores como com mentees. Este documento apresenta um dos principais resultados obtidos no âmbito do projeto MENTEE, formalmente designado por Intellectual Output 1 (realizações intelectuais/resultados tangíveis do projeto). O principal objetivo era criar uma lista de competências-chave, por ordem de relevância, que um empreendedor deve ter de modo a ter sucesso na sua atividade comercial. As atividades do IO1 são fundamentais para garantir que as ferramentas/métodos de formação desenvolvidas e promovidas no decorrer do projeto têm por base as boas práticas de formação para o empreendedorismo e do mentoring, permitindo também o desenvolvimento de um quadro de competências-chave para o empreendedorismo. As atividades implementadas pelo consórcio do MENTEE para a recolha de informação para o desenvolvimento do Quadro de competências-chave para o empreendedorismo, foram estruturadas em três (3) fases e incluem: FASE 1: Investigação e análise O principal objetivo desta fase foi explorar a atual situação Europeia em relação à educação para o empreendedorismo, iniciativas de formação e mentoring sobre competências em torno do empreendedorismo. Tal foi realizado com a recolha de boas práticas/casos de estudo de diferentes países da União Europeia. Ao explorar experiências anteriores, a parceria recolheu documentos e ferramentas testadas anteriormente e disponibilizadas para outros fins, podendo ser adaptadas como material de formação para os grupos-alvo para os quais os manuais do MENTEE foram desenhados. A análise documental e bibliográfica foi igualmente para estabelecer a base de desenvolvimento das ações posteriores, tendo a parceria estruturado o questionário qualitativo e quantitativo, administrado a empreendedores experientes e de sucesso, dando início à segunda fase do desenvolvimento do IO1. FASE 2: Entrevistas qualitativas Para a recolha de dados qualitativos diante de diferentes empreendedores Europeus e especialistas no âmbito do empreendedorismo, foram efetuadas pelo menos 5 entrevistas em cada país da parceria. Para este efeito foram realizadas, analisadas e reportadas um conjunto de entrevistas, tendo por base um guia de entrevistas qualitativo e semiestruturado especialmente construído para este fim, estruturado em questões abertas, que têm por objetivo recolher aspetos qualitativos e conhecimentos sobre as competências de empreendedorismo mais relevantes. 3

4 Esta atividade tinha como propósito explorar as competências-chave para o empreendedorismo (incluindo conhecimentos, competências, atitudes e experiência) necessárias para se ser um empreendedor de sucesso, explorando o conhecimento e experiências de empreendedores mais experientes. De facto, durante o desenvolvimento destas entrevistas, os parceiros acordaram que estas eram fundamentais para interagir com empreendedores experientes, de forma a perceber o seu entendimento e percepção sobre competências-chave para o empreendedorismo, sobre as quais deveria ser estruturado o perfil de um empreendedor de sucesso e a formação adequada para se tornar bemsucedido e atingir esse nível. Os resultados desta fase permitiram que a parceria desenvolvesse uma lista de competências-chave para o empreendedorismo (conhecimentos, competências, atitudes, características). Estas foram a base para a estruturação do inquérito online, que tinha por objetivo obter uma confirmação quantitativa e qualitativa sobre as competências-chave propostas pelos empreendedores para que o quadro de competências fosse estruturado em conformidade. FASE 3: Inquérito online e quadro de competências chave para o empreendedorismo O objetivo do inquérito online era recolher a perspetiva que empreendedores experientes têm sobre as competências-chave (conhecimento-capacidades-atitudes) necessárias para que os empreendedores tenham sucesso. O consórcio teve por base as competências-chave para o empreendedorismo identificadas através das entrevistas realizadas anteriormente, um dos maiores contributos para a construção do inquérito online, sendo este um último passo para o desenvolvimento do quadro de competências-chave para o empreendedorismo. Ao identificar o conhecimento, competências e capacidades mais relevantes, a parceria conseguiu criar um quadro de três níveis que funciona como base para a formação a ser dinamizada no âmbito das sessões presenciais dos Mentoring Circles e na plataforma de aprendizagem e networking do projeto MENTEE. A análise dos resultados do inquérito online complementou as respostas obtidas pelos empreendedores experientes que foram entrevistados na fase anterior. A par do Quadro de competências-chave para o mentoring, que foi igualmente desenvolvido tendo por base a implementação de um conjunto de atividades independentes e complementares (IO2), este quadro foi uma referência para adaptar e posteriormente desenvolver um modelo de aprendizagem coerente, partindo do produto dos Mentoring Circles. Adicionalmente, estes quadros podem ser uma boa base para que entidades e profissionais do sistema de Educação e Formação Profissional (EFP), que exercem atividade no âmbito da formação para o empreendedorismo com uma abordagem mais prática, e também para que os empreendedores compreendam como e onde concentrar os seus esforços para a aprendizagem. 2. Quadro de competências-chave para o empreendedorismo Como descrito anteriormente, o desenvolvimento do quadro de competências-chave foi cuidadosamente planeado e estruturado em fases distintas. O Quadro de Competências-chave para o Empreendedorismo é um resultado útil que permite a rápida identificação de competências, domínios e capacidades que, com base nos resultados do projeto de análise e investigação, conduzem os empreendedores ao sucesso. 4

5 2.1 Estrutura do Quadro A informação e resultados recolhidos durante as duas primeiras fases do processo, juntamente com o inquérito online, foram analisados de forma a identificar 3 principais níveis de realização correlacionados com o potencial dos empreendedores: Nível 1 - Potencial Elevado Nível 2 - Potencial Moderado Nível 3 - Potencial Limitado Cada nível está relacionado com: Um Cluster de Competências Empreendedoras: (agrupa competências técnicas e sociais, atitudes e conhecimento), que foi construído para cada nível no primeiro, segundo e terceiro grupo de 4-6 itens da questão 13 ( Características Empresariais ). Aspetos e áreas de especialização do empreendedorismo: é construído com base no primeiro, segundo e terceiro grupos de 2-3 itens da questão 14 ( Principais aspetos e áreas de especialização ), resultante da lista por ordem de relevância dada pelos inquiridos. Um cluster de Competências: evidencia a ordem de relevância para todos os níveis das 4 áreas de competência listadas na questão 8 ( Principais competências ) do questionário do MENTEE (Competências Técnicas, Competências Sociais, Atributos/Atitudes pessoais, Conhecimento) dada por todos os inquiridos. Não obstante, este difere para cada um dos 3 níveis, como mostrado em conformidade no primeiro, segundo e terceiro grupo de 2-5 capacidades/competências principais da questão 9 ( Competências técnicas ), 10 ( Competências sociais"), 11 ( Atitudes/Atributos pessoais ) e 12 ( Conhecimento ) do nosso questionário para cada nível. 2.2 Resultados obtidos a partir do Quadro As seguintes tabelas apresentam as competências-chave para o empreendedorismo identificadas por cada um dos 3 níveis de realização: 5

6 NÍVEL 1 - Potencial Elevado NÍVEL DE REALIZAÇÃO NÍVEL 1 - POTENCIAL ELEVADO CLUSTER DE EM ASPECTOS E ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO EM Observar e agarrar as oportunidades: um empreendedor procura e agarra sempre as oportunidades. Iniciativa: o empreendedor deve ser capaz de realizar ações que vão para além das exigências do seu emprego e de agir depressa. Estão sempre à frente dos outros e são capazes de se tornarem líderes no campo do negócio. Persistência: um empreendedor tem capacidade para investir continuamente e implementar atividades para ultrapassar um obstáculo e alcançar os seus objetivos. Foco na qualidade do trabalho: um empreendedor age para atingir um elevado nível de excelência, sentindo-se realizado por atingir esse nível de excelência. Capacidade para reconhecer uma oportunidade de empreendedorismo Características pessoais (pro-atividade, otimismo, correr riscos, etc ) TRANSVERSAIS Liderança Comunicação Networking Tomada de decisão ATRIBUTOS / ATITUDES PESSOAIS Entusiasmo Determinação Compromisso Iniciativa Comunicação CONHECIMENTO Conhecimento académico ou técnico Conhecimento de gestão operacional NUCLEARES Desenvolvimento de um plano de negócios em constante atualização que permite uma análise e avaliação financeira real; Desenvolvimento de orçamentos para o desenvolvimento e implementação de um negócio; Cálculo e monitorização de despesas, receitas e lucros; Desenho de uma estratégica de marketing. 6

7 NÍVEL 2 - Potencial Moderado NÍVEL DE REALIZAÇÃO NÍVEL 2 - POTENCIAL MODERADO CLUSTER DE EM ASPECTOS E ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO EM Procura de Informação: um empreendedor é capaz de realizar ações para procurar informação de modo a atingir objetivos do negócio ou clarificar problemas do mesmo. Compromisso para Contratos de Trabalho: Um empreendedor coloca a prioridade mais elevada na conclusão de um trabalho. Orientação para a eficiência: um empreendedor de sucesso encontra sempre uma forma de concretizar uma atividade de forma mais rápida e utilizando menos recursos a um custo menor. Planeamento sistemático: um empreendedor desenvolve e utiliza um plano lógico de passo-a-passo para concretizar os seus objetivos. Capacidade de resolução de problemas: empreendedores de sucesso são capazes de identificar novas e ideias únicas para concretizar os seus objetivos. Gestão Resolução de problemas Capacidade de tomada de decisão TRANSVERSAIS Colaboração e trabalho em equipa Resiliência Perseverança ATRIBUTOS / ATITUDES PESSOAIS Capacidade para correr e gerir riscos Sentido de responsabilidade CONHECIMENTO Conhecimento sobre gestão financeira NUCLEARES Reinvestir na empresa para o crescimento do negócio Planeamento de necessidades de Recursos humanos Identificação de custo de produtos e serviços de forma eficiente Previsão financeira 7

8 NÍVEL 3 - Potencial Limitado NÍVEL DE REALIZAÇÃO NÍVEL 3 - POTENCIAL LIMITADO CLUSTER DE EM Autoconfiança: um empreendedor de sucesso tem uma forte crença nele próprio e nas suas próprias capacidades. Assertividade: um empreendedor confronta os problemas e questões com os outros diretamente. Persuasão: um empreendedor é capaz de persuadir e influenciar pessoas no sentido de mobilizar Recursos, obter inputs, organizar produção e vender os seus produtos ou serviços. Utilização de estratégias de influência: um empreendedor é capaz de recorrer a pessoas influentes para alcançar os seus objetivos empresariais. ASPECTOS E ÁREAS DE Experiência de vida e condições contextuais ESPECIALIZAÇÃO EM Conhecimento prévio sobre o sector, mercado, das necessidades dos clientes e tecnologia TRANSVERSAIS Gestão de stresse Flexibilidade Gestão e resolução de conflitos ATRIBUTOS / ATITUDES PESSOAIS Imaginação Assertividade Inteligência emocional Controlo emocional Compreensão da diversidade Pensamento autocrítico Cooperação CONHECIMENTO Conhecimento sobre legislação Conhecimento sobre fiscalidade NUCLEARES Definir a organização legal da atividade da empresa (obtenção de licenças e permissões). Avaliação do impacto ambiental do negócio. 8

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio José Soares Ferreira Projecto financiado com apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO Criatividade e Economia Identificamos 4 pilares complementares que deveriam ter um papel dinamizador para a promoção do empreendedorismo e a articulação

Leia mais

O desafio: Promover um contexto mais favorável para que novos negócios e empresas possam florescer

O desafio: Promover um contexto mais favorável para que novos negócios e empresas possam florescer NESTA EDIÇÃO INTRODUÇÃO SOBRE O M O SUCESSO DOS CICLOS DE MENTORING! INICIATIVAS DE NETWORKING DO M I LANÇAMENTO DA PLATAFORMA DE APRENDIZAGEM E NETWORKING DO M! FIQUE ATENTO/A! www.mentee-project.eu Introdução

Leia mais

Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo

Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo Relatório Final Comissão Europeia, 2014 Sumário executivo Através do presente relatório, a Comissão Europeia pretende apoiar a implementação

Leia mais

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência?

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? VOCÊ SABE O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? Setembro 2014 www.in-formacao.com.pt Formador/a O formador é o técnico

Leia mais

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO DA REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Considerando: Que o 5.º

Leia mais

Business Partner em RH: Planejamento Estratégico de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Business Partner em RH: Planejamento Estratégico de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos.

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. Para efeitos de implementação do Quadro de Referência Europeu de Garantia

Leia mais

EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO 1 EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO O que é? O quanto as empresas estimulam? O quanto os funcionários valorizam? Características de um intraempreendedor?... 2 OFERECIMENTO REALIZAÇÃO

Leia mais

Título do Cenário: Trabalho Colaborativo -

Título do Cenário: Trabalho Colaborativo - Título do Cenário: Trabalho Colaborativo - Atividades de Tempo (Horas\semanas) Normalmente 2 Normal 3/4 Normal 1/2 Normal 3/4 Normal 1 Normal 1 Normal 1 Objetivo (Resultados de, correspondem às especificações)

Leia mais

A. PROJETOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

A. PROJETOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PARTE II - CRITÉRIOS DE

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO FEDERAL DE TRABALHO E DE ASSUNTOS SOCIAIS DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA Considerando a necessidade

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL Janeiro de 2016 ÍNDICE 1 Sumário Executivo 2 Concurso para atribuição de bolsas

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

Padrões dos Projectos ABC

Padrões dos Projectos ABC Padrões dos Projectos ABC Adaptação com Base na Comunidade (ABC) é uma nova área para muitos profissionais do desenvolvimento. A ABC envolve reflexões sobre questões novas e por vezes complexas. Ela envolve

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

PROGRAMA EMPREENDEDORISMO SOCIAL AMARNTE

PROGRAMA EMPREENDEDORISMO SOCIAL AMARNTE PROGRAMA EMPREENDEDORISMO SOCIAL AMARNTE APRESENTAÇÃO DESAFIOS DE INOVAÇÃO SOCIAL DE AMARANTE Março de 2016 PROMOTOR Vê o que for mais confortável. PARCEIRO DE FORMAÇÃO ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 INICIATIVA

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Aula 05 Marketing Internacional e Global objetivos, funções, gráficos. E-mail: frentzen@labmundo.org MARKETING INTERNACIONAL Processo que visa otimizar os recursos e focar os objetivos

Leia mais

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 A comissão interministerial

Leia mais

1. Os trabalhos devem ser submetidos eletronicamente, através do endereço:

1. Os trabalhos devem ser submetidos eletronicamente, através do endereço: NOTA PRÉVIA 1. Os trabalhos devem ser submetidos eletronicamente, através do endereço: www.empreendejovem.pt 2. O trabalho deve ser anexado incluindo os seguintes documentos, apresentados na seguinte lista:

Leia mais

Gestão Operacional de Redes Hoteleiras: Conceitos e Boas Práticas Objetivos Gerais Este curso pretende dotar os participantes de conhecimentos e competências das boas práticas na área do turismo e hotelaria.

Leia mais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais Comité Nacional de EITI Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais -2020 OBJETIVO GERAL De acordo com as Normas de EITI de 2016, requisito 2.5 referente a "Beneficial Ownership" (Beneficiários Reais),

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação Rui Gato

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação  Rui Gato Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação www.erasmusmais.pt Rui Gato Erasmus+ O Erasmus+ é o programa da UE nos domínios da educação, da formação, da juventude e do desporto para o período

Leia mais

ANEXO I GUIÃO PARA AS ENTREVISTAS

ANEXO I GUIÃO PARA AS ENTREVISTAS ANEXO I GUIÃO PARA AS ENTREVISTAS i A Comunicação Estratégica no âmbito da Mudança Organizacional Guião para as Entrevistas 2 Caracterização da Organização e Entrevistado Tipo ORGANIZAÇÃO Atividade Breve

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

Preparados para trabalhar?

Preparados para trabalhar? Preparados para trabalhar? Conheça o que os empregadores valorizam e saiba no que investir durante a formação Diana Aguiar Vieira Politécnico do Porto Portugal UNICAMP, 21 de março de 2016 18.000 estudantes

Leia mais

Tipologia de Operação Cursos Técnicos Superiores Profissionais (TeSP)

Tipologia de Operação Cursos Técnicos Superiores Profissionais (TeSP) Grau de Alinhamento com as prioridades regionais da Estratégia de Especialização Inteligente (RIS3) 3 Fundamento para o alinhamento dos cursos TeSP com a EREI i) Parte ou a totalidade das horas de contacto

Leia mais

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS //

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // Pós-Graduação Segurança Alimentar 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Nesta pós-graduação estudam-se os perigos, riscos, metodologias e legislação com que a segurança alimentar é confrontada na atualidade, numa

Leia mais

Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST

Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST Marta Pile Área de Estudos e Planeamento/ Instituto Superior Técnico ORGANIZAÇÃO 1. SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE a) MODELO b) DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1 GABINETE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO ISAG PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO 31 de Outubro de 2012 A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página

Leia mais

As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos. Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda

As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos. Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda Relevância geral das redes Conceito e tipologia de redes e parcerias

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Direcção-Geral da Saúde Setembro

Leia mais

Prevenção Rodoviária Portuguesa

Prevenção Rodoviária Portuguesa FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão Agosto 2015 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO TÍTULO DO COMPROMISSO Prevenção Rodoviária Portuguesa Reunião

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

CURSO PRÁTICO DE GESTÃO

CURSO PRÁTICO DE GESTÃO +351 21 00 33 892 CURSO PRÁTICO DE GESTÃO Código da Formação: 1660614 Preço: 1995 (+iva) Preço para particulares: 1535 Duração: 6 dias - 42 horas Local: LISBOA INSCREVA-SE LISBOA 1 até 31 Maio 2017 1 até

Leia mais

PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA. Prof. Araken Patusca Linhares

PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA. Prof. Araken Patusca Linhares PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA Prof. Araken Patusca Linhares UNIDADE I Surgimento do Empreendedorismo Postura e comportamento do Empreendedor A importância do Empreendedor na sociedade Motivação do

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho

Leia mais

NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Resulta do consenso entre peritos de 90 países e 45 organizações internacionais Processo multi-parte interessada, envolveu 450 peritos de países desenvolvidos e em desenvolvimento

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Reunião do Steering Committee

Reunião do Steering Committee Projecto Engenharia 2020 Reunião do Steering Committee Ordem dos Engenheiros Lisboa 10 de Maio 2013 Parceiros Estratégicos: Augusto Mateus e Associados (A.M.); MIT Portugal; Ordem dos Engenheiros (O.E.)

Leia mais

Curso de Marketing para Farmacêuticos 2017UNAVE/UA. data a definir. 1ª primeira edição

Curso de Marketing para Farmacêuticos 2017UNAVE/UA. data a definir. 1ª primeira edição Marketing para Farmacêuticos UNAVE/UA data a definir 1ª primeira edição WWW.UNAVE.PT 1 a unave A UNAVE Associação para a Formação Profissional e Investigação da Universidade de Aveiro (UA), é, desde 1986,

Leia mais

Tendências de Empregabilidade e Competências do Futuro

Tendências de Empregabilidade e Competências do Futuro VOLTA DE APOIO AO EMPREGO 2017 Tendências de Empregabilidade e Competências do Futuro Paula Loureiro 25 maio 2017 Introdução http://portugalglorioso.blogspot.co.uk/2014/02/ahistoria-do-mundo-em-2-minutos.html

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

Pesquisas Institucionais. uma forma científica de conhecer o público interno

Pesquisas Institucionais. uma forma científica de conhecer o público interno uma forma científica de conhecer o público interno Comunicação Interna Fluxos de Comunicação Chefe Subchefes Sub-sub Front office D e s c e n d e n t e A s c e n d e n t e 2 Conceito Identificação, coleta

Leia mais

Mesa redonda testemunhos. profissionais

Mesa redonda testemunhos. profissionais CONTRATAÇÃO DE PROJECTOS EM PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO - O SECTOR DA ÁGUA E O MERCADO DAS MULTILATERAIS Curso de Especialização Mesa redonda testemunhos IST Instituto Superior Técnico Lisboa, 17 e 18 de

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

Formação de Fundraisers

Formação de Fundraisers Formação de Fundraisers UMA FORMAÇÃO INOVADORA PARA CAPACITAR O TERCEIRO SECTOR Desenvolvido de acordo com o Modelo de Formação Europeu - EFA Certification Parceria ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDRAISING

Leia mais

Resultados obtidos a partir do cluster Porter do vinho, moderado pelo Monitor group, 2003 ViniPortugal. Tim Hogg UCP-ESB/CBQF

Resultados obtidos a partir do cluster Porter do vinho, moderado pelo Monitor group, 2003 ViniPortugal. Tim Hogg UCP-ESB/CBQF Resultados obtidos a partir do cluster Porter do vinho, moderado pelo Monitor group, 2003 ViniPortugal. Tim Hogg UCP-ESB/CBQF Exercícios de priorização e estratégias coletivas de I&D. O Estudo Monitor

Leia mais

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis A oportunidade Na medida em que a computação em nuvem dá origem a novas e poderosas capacidades, ela oferece o potencial de aumentar a produtividade,

Leia mais

ISEG. Call for Solutions Universities 7th Call

ISEG. Call for Solutions Universities 7th Call ISEG Call for Solutions Universities 7th Call Call for Solutions Universities A tua A tua vontade O teu talento O teu conhecimento curiosidade pelo mundo para trabalhar em novos empresarial desafios O

Leia mais

LIDERANÇA ORGANIZACIONAL PROFª ESP. ANA CARLA ALBUQUERQUE DA CUNHA MARINHO

LIDERANÇA ORGANIZACIONAL PROFª ESP. ANA CARLA ALBUQUERQUE DA CUNHA MARINHO LIDERANÇA ORGANIZACIONAL PROFª ESP. ANA CARLA ALBUQUERQUE DA CUNHA MARINHO Antes de Falar de liderança iremos relembrar as funções do Gestor em uma organização, pois elas são cruciais para um eficiente

Leia mais

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

DOSSIER DE APRESENTAÇÃO

DOSSIER DE APRESENTAÇÃO DOSSIER DE APRESENTAÇÃO O índice de desemprego jovem atinge os 34,8% em Portugal, umas das maiores taxas de desemprego jovem na União Europeia. in Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2015, Organização

Leia mais

Metodologias de. Monitorização. Sessão de Formação Julho de Mário Caeiro. Com o apoio das publicações da APT

Metodologias de. Monitorização. Sessão de Formação Julho de Mário Caeiro. Com o apoio das publicações da APT Metodologias de Mário Caeiro Monitorização Sessão de Formação Julho de 2012 Com o apoio das publicações da APT Para Lá dos Muros que nos Dividem Monitorização de Locais de Detenção de Pessoas Privadas

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO

LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS RELATÓRIOS DE AVALIAÇÃO 2014 FICHA TÉCNICA Título: Linhas de Orientação para os Relatórios de Avaliação Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação

Leia mais

Criatividade e Inteligência Emocional

Criatividade e Inteligência Emocional Criatividade e Inteligência Emocional Formato do curso: Presencial Preço: 730 Nível: Intermédio Duração: 24 horas As emoções determinam em grande medida a direção da nossa vida, tanto no que se refere

Leia mais

Manual de Ecodesign InEDIC

Manual de Ecodesign InEDIC Manual de Ecodesign InEDIC Ferramenta 4: A ferramenta da análise do mercado fornece uma abordagem prática aos conceitos teóricos explicados no capítulo 5. Com o objetivo de determinar o potencial do mercado

Leia mais

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas 7 Conclusões Esta tese teve por objetivo propor e testar um modelo analítico que identificasse como os mecanismos de controle e as dimensões da confiança em relacionamentos interorganizacionais influenciam

Leia mais

Acessibilidade inovadora

Acessibilidade inovadora Acessibilidade inovadora Como a UniEvangélica promoveu a integração entre sua comunidade de ouvintes e 22 colaboradores com deficiência auditiva Visão geral A UniEvangélica é uma instituição de ensino

Leia mais

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Mestranda: Fabiana Isabel

Leia mais

Recomendação de políticas Alfabetização digital

Recomendação de políticas Alfabetização digital Recomendação de políticas A oportunidade O conhecimento de informática e a alfabetização, a familiaridade com software de produtividade, a fluência no uso de uma ampla gama de dispositivos digitais, estas

Leia mais

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Conferência Qualidade ao serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares : uma proposta inovadora? Lisboa, 4 de Maio 2017 Sistema de Certificação

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2016 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1 a ação do seu Núcleo Executivo em 2016 vai desenvolver-se em 4 eixos de atuação:

Leia mais

MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM

MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM Organizar o Programa Educativo SFA-Fomentar novas qualificações e novos métodos de ensino para favorecer o desenvolvimento do SISTEMA DE FORMAÇÃO

Leia mais

Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN

Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN Conferência Ad Urbem Porto, 26-27 de Novembro Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN 2007-2013 Paulo Areosa Feio Informação e Monitorização Estratégica: A Experiência do

Leia mais

Balanço de Competências

Balanço de Competências Balanço de Competências Modelo em Árvore de desenvolvimento de competências empreendedoras José Soares Ferreira Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste documento, ou de qualquer uma

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - PRODUÇÃO E MARKETING DE EVENTOS DESIGNAÇÃO Nome: Produção e Marketing de Eventos Carga horária total: 250 horas Acreditação profissional: n/a Forma de organização da formação: Presencial Público-alvo: Estudantes ou profissionais com

Leia mais

ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA

ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA ESTRUTURA DE TERMOS DE REFERÊNCIA 2014 FICHA TÉCNICA Título: Estrutura de Termos de Referência Edição: Gabinete de Avaliação e Auditoria Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. Ministério dos

Leia mais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais Assertividade Formato do curso: Presencial Localidade: Lisboa Data: 07 Nov. 2016 a 08 Nov. 2016 Preço: 625 Horário: Laboral - 09h00-17h00 Nível: Intermédio Duração: 14 horas No final desta ação, os participantes

Leia mais

Business Partner em RH: Papel, Posicionamento e Postura Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Business Partner em RH: Papel, Posicionamento e Postura Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal

Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal Iniciativa para avaliação do potencial e impacto do hidrogénio em Portugal Workshop O hidrogénio na transição para uma economia de baixo carbono: elaboração do roteiro português Lisboa, 13 de março 2017

Leia mais

ESTRATEGIA GLOBAL DE SUCOS FAIRTRADE

ESTRATEGIA GLOBAL DE SUCOS FAIRTRADE ESTRATEGIA GLOBAL DE SUCOS FAIRTRADE (Rascunho 16-12-2015) Impacto para todos Antecedentes Queda do mercado dos sucos no nível mundial. Certificação empresas verticalizadas de suco de laranja em FT. Perda

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET)

Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) O que é? Modelo para garantir a qualidade das escolas profissionais implementado em toda a

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

Todos Contam para uma cidadania financeira responsável

Todos Contam para uma cidadania financeira responsável FINKIT LITERACIA FINANCEIRA Todos Contam para uma cidadania financeira responsável LÚCIA LEITÃO BANCO DE PORTUGAL 28 de março de 2017 A FORMAÇÃO FINANCEIRA PROMOVE UMA CIDADANIA FINANCEIRA RESPONSÁVEL

Leia mais

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, Grupo MARTIFER Um Case-Study Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, 23.11.2007 AGENDA 1.Apresentação do Grupo Martifer 2.Motivação 3.Metodologia 4.Resultados / diagnóstico

Leia mais

VOLTA DE APOIO AO EMPREGO

VOLTA DE APOIO AO EMPREGO VOLTA DE APOIO AO EMPREGO CIDADE DAS PROFISSÕES A CIDADE DAS PROFISSÕES É UM ESPAÇO GRATUITO DE INFORMAÇÃO E CONSULTORIA SOBRE A VIDA PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO PROMOVIDO PELA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

SOLUÇÕES DE FORMAÇÃO PARA ENTIDADES EMPREGADORAS FORMAR PARA DESENVOLVER

SOLUÇÕES DE FORMAÇÃO PARA ENTIDADES EMPREGADORAS FORMAR PARA DESENVOLVER SOLUÇÕES DE FORMAÇÃO PARA ENTIDADES EMPREGADORAS FORMAR PARA DESENVOLVER A CONSULTUA - ENSINO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL coloca ao dispor das empresas/entidades empregadoras, um produto profissional de formação

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL O conhecimento como estratégia para o desenvolvimento Realização: INTRODUÇÃO A realidade socioeconômica, que aponta a valorização do capital humano nas

Leia mais

MARATONA EMPRENDEDORA FADERGS 1ª Edição

MARATONA EMPRENDEDORA FADERGS 1ª Edição MARATONA EMPRENDEDORA FADERGS 1ª Edição - 2016 REALIZAÇÃO: PÓS-GRADUAÇÃO FADERGS e FEIRA DE EMPREGABILIDADE FADERGS DOS OBJETIVOS O programa MARATONA EMPREENDEDORA é uma iniciativa da unidade de ensino

Leia mais

SOBRE. A mesma é administrada pelo Grupo VSC, uma Empresa de Gestão Empresarial e Treinamento de Alta Performance.

SOBRE. A mesma é administrada pelo Grupo VSC, uma Empresa de Gestão Empresarial e Treinamento de Alta Performance. SOBRE A Parceria Positiva é uma Rede de Network Business Colaborativa, que ajuda empreendedores de pequeno, médio e grande porte com treinamentos, palestras e encontros, com o intuito de concedê-los a

Leia mais

Regime de Avaliação do Plano de Formação

Regime de Avaliação do Plano de Formação Centro Centro de Formação da Associação de Escolas Bragança Norte Regime de Avaliação do Plano de Formação Escola-Sede: Escola Secundária Abade de Baçal Avenida General Humberto Delgado 5300-167 Bragança

Leia mais