GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP"

Transcrição

1 GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP Terceira edição outubro 2013

2 Na terceira edição do Boletim do Seguro Rural (BSR), o Grupo GESER Gestão em Seguros e Riscos abordará em sua Matéria de Capa os principais aspectos do resseguro no mercado rural brasileiro, seu papel no mercado segurador rural, quem são os principais players desse mercado e como eles atuam. EDITOR CHEFE: Prof. Dr. Vitor Ozaki EDITORES ASSOCIADOS: Adriano Lênin Cirilo de Carvalho Carlos Andrés Oñate Paredes Eduardo Passarelli Gislaine Vieira Duarte Henrique Cyrineu Tresca COLABORADORES: Daniel Lima Miquelluti Lethicia Magno M. de Almeida Luiz Guilherme Fagotti Monique Monah Moreira Vanessa Siqueira Ribeiro A seção de Estudo de Caso, tratará um pouco mais sobre o seguro agrícola por meio de uma abordagem técnica e exemplos práticos. Será apresentado nesta terceira edição, um estudo de caso considerando o seguro de produtividade, para a cultura da soja, no município de Ponta Grossa-PR. Na seção de Entrevista, esta edição traz o Subscritor de Agro da resseguradora Munich Re, Eng. Agrônomo Konrad Mello, abordando temas referentes à sua experiência no mercado ressegurador rural no Brasil, às especificidades deste mercado e suas expectativas para o futuro do setor. Como em outras edições, o BSR traz um compilado das principais Notícias do Setor do seguro rural brasileiro. Gostaria de ressaltar a realização, nos dias 28 e 29 de outubro de 2013, do 2º Seminário Internacional de Seguro Rural, organizado pelo Grupo GESER em parceria com a resseguradora Munich Re. O evento terá como objetivo discutir estratégias do setor público e privado para o desenvolvimento do seguro rural, definindo as prioridades dos agentes produtivos. BOA LEITURA! Prof. Dr. Vitor Ozaki Dept. de Economia, Administração e Sociologia (ESALQ/USP). Coordenador do Grupo GESER 1

3 O resseguro é um contrato em que o ressegurador assume o compromisso de indenizar o cedente (companhia seguradora) pelos danos que possam acontecer em decorrência de suas apólices de seguro. Em outras palavras, resseguro é o seguro dos riscos de uma seguradora que não conseguiria absorver, isoladamente, um sinistro de vastas proporções. Em contrapartida, a seguradora deve realizar o pagamento de um prêmio de resseguro, além do comprometimento no envio de informações necessárias para análise, fixação do preço e gestão dos riscos cobertos pelo contrato. Nesse caso, a seguradora assume o papel do segurado (produtor rural), e a seguradora seria o ressegurador. 2

4 A transferência dos riscos da seguradora para resseguradora é uma política de gerenciamento de riscos das empresas em que garante o pagamento de sinistros. As empresas resseguradoras possuem um caráter heterogêneo em suas carteiras, pois a diluição dos riscos é fundamental na viabilidade das operações de seguro. Devido às suas características, o seguro agrícola está sujeito a eventos de natureza catastrófica, que podem trazer grandes perdas financeiras às seguradoras. Diante dessa realidade, o apoio do resseguro torna-se indispensável, tanto em termos de capacidade financeira quanto nas atividades de suporte técnico, por exemplo: auxiliar no desenvolvimento de condições de cobertura, identificando as culturas viáveis para fins de seguro e na elaboração de estudos atuariais para fixação do preço a ser pago pelo produtor rural, levando-se em conta a sua opção de nível de produtividade a ser garantido. No Brasil, a criação da Companhia Nacional de Seguro Agrícola, em 1954 e, posteriormente, o Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, representaram as primeiras iniciativas para estruturação do mecanismo de seguro rural. Essa norma criou o Fundo de Estabilidade do Seguro Rural (FESR), administrado pelo Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), ou seja, esse decreto deu ao IRB poderes regulatórios sobre o setor de resseguros, com o objetivo de fomentar o mercado de seguro rural por meio da mitigação dos prejuízos das seguradoras em caso de sinistros abrangentes, como grandes secas e geadas. Por praticamente quarenta anos, o IRB constitui-se como um monopólio no mercado de resseguros, até que no ano 2007, a Lei Complementar 126 e a Resolução 168 da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), promoveram a abertura do mercado de resseguros, inclusive admitindo empresas resseguradoras estrangeiras. Além disso, a LC 126/2007 e a Resolução 168 da SUSEP também estabeleceram regras que nortearam a atuação dos resseguradores estrangeiros no Brasil. Desta forma, as mencionadas medidas tiveram o objetivo de incrementar a capacidade das seguradoras para concessão de seguros em âmbito nacional. 3

5 A partir da LC 126/2007 e a Resolução 168 da SUSEP, as empresas de resseguro estrangeiras puderam atuar no país como resseguradores admitidos e eventuais. Os resseguradores admitidos são aqueles sediados no exterior com escritório de representação no Brasil. Já os eventuais são as empresas resseguradoras estrangeiras sediadas no exterior sem escritório de representação no país, mas com cadastro na Susep. Atualmente, nos mercados de seguro e resseguro existem várias empresas que estão trabalhando no ramo rural. Em relação ao mercado de seguros, o volume das operações do mercado brasileiro, medido pela variável prêmio direto 1, concentra-se em poucas seguradoras, sendo que quatro empresas representam 81% do total do mercado de seguro rural no período janeiro dezembro , cujas participações distribuem-se da seguinte forma: i) Companhia de Seguros Aliança do Brasil com 55% do prêmio direto total no período; ii) MAPFRE Seguros Gerais S.A. com 11%; iii) Nobre Seguradora do Brasil S.A. com 8%; e, iv) Allianz Seguros S.A. com 7%. Já no caso do mercado ressegurador, evidencia-se que no mesmo período (janeiro-dezembro 2012), existem seis empresas, que segundo a SUSEP, trabalham com seguro rural. A tabela a seguir descreve a importância de cada uma das empresas no mercado brasileiro, considerando como variável de comparação o Prêmio de Resseguro : Empresa Premio de Participação Percentual Resseguro (R$) percentual acumulado IRB Brasil Resseguros S.A ,5% 87,5% Austral Resseguradora S.A ,3% 96,9% MAPFRE Re Do Brasil Companhia de Resseguros ,6% 98,5% XL Resseguros Brasil S.A ,9% 99,3% MUNICH RE do Brasil Resseguradora S.A ,4% 99,7% ACE Resseguradora S.A ,2% 99,9% Markel Resseguradora do Brasil ,1% 99,96% Swiss Re Brasil Resseguros S.A ,0% 100,00% Total % 1 O conceito de prêmio direto, definido pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), reflete a arrecadação da empresa seguradora, sendo definido da seguinte forma: Prêmio direto = Prêmio Emitido - Cancelamento - Restituição Desconto. 2 Para efeitos de cálculo, foram inclusos todos os tipos de seguro agrícola, pecuário, aquícola, florestas, vinculados com produtor rural, penhor rural, animais e de vida do produtor rural. 4

6 Segundo as informações da tabela, fica evidente que após seis anos da abertura, o IRB ainda concentra a maior quantidade de operações no setor rural, mostrando claramente uma forte presencia de uma estrutura monopolística nesse mercado. No entanto, com a crescente demanda desse segmento de seguro, a necessidade de mais seguradoras e resseguradoras tornam-se evidentes. Desta forma, o maior interesse e aumento da participação tanto das resseguradoras quanto das seguradoras é muito importante para a massificação do seguro rural e a consequente redução das taxas, desenvolvimento de novos produtos que possam atender demandas específicas, de acordo com a natureza dos riscos de cada região, aumento da competitividade do agronegócio e maior capacidade de investimento em tecnologia na medida. 5

7 ESTUDOS DE CASO SEGURO AGRÍCOLA DE PRODUTIVIDADE EM PONTA GROSSA/PR NESTA SEÇÃO DO BOLETIM SERÁ APRESENTADO UM ESTUDO DE CASO CONSIDERANDO O SEGURO DE PRODUTIVIDADE, PARA A CULTURA DA SOJA, NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA/PR. De forma similar ao estudo de caso do seguro de custeio, a escolha da soja como exemplo para esse trabalho foi realizada em função da grande importância dessa cultura no agronegócio brasileiro, e, especificamente, no mercado de seguro agrícola. De acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), referentes aos resultados do Programa do Seguro Rural (PSR), a soja é a cultura agrícola com maior número de apólices de seguros, com destaque para o estado do Paraná. O objetivo do seguro agrícola por produtividade é de garantir a indenização pelos prejuízos causados às culturas temporárias e permanentes, implantadas e tecnicamente conduzidas, resultante diretamente da ocorrência de diversos sinistros, especificados nas cláusulas gerais e específicas das diferentes empresas seguradoras. Este tipo de seguro destina-se a conceder cobertura às produtividades agrícolas, de acordo com o nível de cobertura determinado pelo segurado, quando houver diferença entre a produtividade segurada e a colhida, sendo isto consequência de eventos cobertos previstos nas cláusulas. Desta forma, nesse estudo de caso serão calculadas as seguintes variáveis, as quais são fundamentais no funcionamento deste tipo de seguro: i) limite máximo de indemnização; ii) valor do prêmio; e, iii) indenização. 6

8 ESTUDOS DE CASO SEGURO AGRÍCOLA DE PRODUTIVIDADE EM PONTA GROSSA/PR Para o cálculo desses variáveis usamos os seguintes dados gerais: área segurada de 200 hectares (ha), produtividade esperada de kg/ha e produtividade colhida de ha. É importante mencionar que no estudo de caso foram inclusas dois tipos de subvenção: uma subvenção federal de 50%, e uma subvenção adicional de 10%, por se tratar de uma microrregião prioritária pelo MAPA. Por outro lado, os dados de taxas brutas de prêmio, produtividade segurada, preço da soja por saca e por quilograma segundo cinco diferentes tipos de cobertura são apresentados na seguinte tabela: Nível de cobertura Taxa bruta de prêmio Produtividade Segurada (kg/ha) Preço da saca de soja (R$) 50% 4,33% ,45 1,09 55% 4,62% ,5 0,99 60% 4,91% ,54 0,91 65% 5,95% ,34 0,84 70% 7,66% ,75 0,78 * Foi considerado que uma saca de soja equivale a 60 kg. * Os dados são ilustrativos. Definidas as variáveis, vamos aos cálculos. Preço do kg de soja (R$)* Cálculo do limite máximo de indenização O limite máximo de indenização (LMI) obedece à seguinte fórmula: LMI = Produtividade esperada x nível de cobertura x área segurada x preço do kg de soja. Usando essa fórmula e aplicando-a nos dados do estudo de caso, obtemos: Nível de Produtividade esperada Área segurada Preço do kg de cobertura (kg/ha) (ha) soja (R$)* LMI (R$) 50% , % , % , % , % ,

9 ESTUDOS DE CASO SEGURO AGRÍCOLA DE PRODUTIVIDADE EM PONTA GROSSA/PR Lembra-se que o conceito de limite máximo de indemnização é o valor máximo que o produtor receberá de indenização caso apresente perda total. Cálculo do valor de prêmio A partir do limite máximo de indenização, obteremos o valor total do prêmio e prêmio pago pelos produtores: Prêmio Total = LMI x taxa bruta de prêmio Prêmio pago pelos produtores = (LMI x taxa bruta de prêmio) x (1 subvenção federal subvenção adicional) Os resultados mostram-se na tabela a seguir: Nível de Taxa bruta de Prêmio (1 subv.federal Prêmio pago pelos LMI (R$) cobertura prêmio (R$) subv.adicional) produtores (R$) 50% ,33% % % ,62% % % ,91% % % ,95% % % ,66% % Lembre-se que o prêmio do seguro é na verdade o preço que o agricultor deverá pagar à seguradora. Como o risco é alto, o prêmio, muitas vezes, também é alto. Mas não tão elevado a ponto de inviabilizar a atividade. Por esse motivo o Governo Federal iniciou em 2005 o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR). A cada três anos, o Governo libera os percentuais de subvenção (subsídio) por tipo de cultura. Até agora, foram vistas a formas de cálculo do limite máximo de garantia e do prêmio do seguro. Falta ainda o cálculo da indenização, conceito vinculado estreitamente com a ocorrência de um sinistro. 8

10 ESTUDOS DE CASO SEGURO AGRÍCOLA DE PRODUTIVIDADE EM PONTA GROSSA/PR Cálculo do valor de indenização No estudo de caso, vamos supor que na fase em que a soja mais precisava de água, parou de chover. Nesse caso, o agricultor liga para a seguradora (aviso de sinistro) e ela, em seguida, envia o perito para verificar situação da lavoura. Lembrando que, em caso de perda parcial, o valor da perda é apurado no momento que antecede a colheita, pois a soja poderá ter se recuperado nesse período. Assim, no nosso exemplo, o perito retorna à fazenda perto da colheita e verifica que, em função da estiagem, a produtividade foi de kg/ha. Será que haverá indenização? Para responder a essa pergunta, devemos realizar o seguinte cálculo: INDENIZAÇÃO = (Produtividade segurada - produtividade colhida) x preço do kg de soja x área segurada Os resultados da indenização, segundo o nível de cobertura, estão resumidos na tabela a seguir: Nível de Cobertura Produtividade Segurada(kg/ha) Produtividade Colhida (kg/ha) Preço do kg de soja (R$)* Área Segurada (ha) Indemnização (R$) 50% , (98.175) 55% , (56.525) 60% , (21.816) 65% , % , Nota-se que nos níveis de cobertura de 50, 55 e 60% apresentam-se valores negativos, indicando que o segurado não receberia a indenização. Por outro lado, ele seria indenizado se tivesse escolhido os níveis de 65% e 70%. Nesses casos, os valores indenizados seriam de R$ (e prêmio pago de R$ 8.566), e R$ (com prêmio pago de R$ ). Caso haja alguma dúvida estaremos à disposição para auxiliá-lo da melhor forma possível. 9

11 Konrad Mello Subscritor de Agro Resseguradora Munich Re Quais são as principais diferenças dos resseguros tradicionais para o resseguro rural? Konrad Mello: Fora as características peculiares de cada uma das Linhas de Negócios, as principais diferenças seriam o calendário e contrato conforme anosafra, a alta frequência e intensidade de perdas geradas por eventos climáticos catastróficos, diferentes exposições dentro do mesmo contrato. Conforme as regiões de atuação das seguradoras, em sua grande maioria os contratos são proporcionais quota-parte (ou seja, a seguradora e resseguradora têm as mesmas responsabilidades, seja com relação a prêmios, seja com relação a sinistros). Como o resseguro rural é comercializado no Brasil? O uso de brokers é obrigatório? Konrad Mello: Segundo a Lei Complementar Nº 126/2007, a intermediação de corretores em contratos de resseguro não é obrigatória, portanto todos os contratos são tratados diretamente entre seguradora e resseguradora. As áreas técnica e de resseguro / clientes discutem os termos e condições, com base no business plan e resultados da carteira e estabelecem as bases que servirão para finalmente prosseguir para conclusão e assinatura do contrato seguinte. Qual foi o impacto da abertura dos resseguros sobre o mercado de seguro rural no Brasil? Konrad Mello: De uma maneira geral, a abertura de mercado permitiu que resseguradoras internacionais aumentassem o interesse em investir no mercado brasileiro. Com isso, além de capital financeiro, grandes resseguradoras internacionais aportaram conhecimento técnico e contribuíram para a elaboração e evolução de produtos mais abrangentes oferecidos aos produtores. Quais foram as principais dificuldades das resseguradoras para trabalhar no mercado de seguro rural no Brasil? Konrad Mello: Por se tratar de uma ferramenta de política agrícola, o seguro rural depende das Parcerias Público- Privadas (PPP), no qual o mercado privado trabalha em conjunto com setor público para avanço dos mecanismos de proteção e mitigação de riscos. 10

12 Normalmente o mercado privado é responsável pela transferência de conhecimento, troca de experiências internacionais, análise e precificação de risco, e o setor público é responsável pelo cofinanciamento do pagamento de prêmios de seguro para o produtor, cofinanciamento para as grandes perdas ocasionadas por eventos climáticos extremamente adversos, regulamentação das leis aplicáveis a este ramo e garantias de continuidade dos programas. Desde a safra 2009/10, o sistema de PPP vem sofrendo transtornos consideráveis quanto à garantia de continuidade do programa conforme o planejado anteriormente elaborado, garantias e disponibilidade de recursos e, principalmente, atrasos nas movimentações financeiras para o mercado. Estes fatores vêm gerando dúvidas quanto à credibilidade do programa e incertezas quanto à continuidade do mesmo. Além disso, as bases de dados agrícolas do Brasil (ponto de partida fundamental para o seguro agrícola em específico) climáticas e de produtividades das principais culturas, não apresentam graus de confiabilidade adequados à necessidade para elaboração de produtos adequados à realidade dos produtores. Existe capacidade técnica e experiência suficiente nas resseguradoras para assumir o desafio de trabalhar no setor rural no Brasil? Konrad Mello: Sim. As grandes resseguradoras que atuam no ramo rural normalmente possuem em seu corpo técnico engenheiros agrônomos, engenheiros florestais, veterinários ou zootecnistas. Muitas contam com as experiências adquiridas em outros mercados, que podem ser adaptadas às realidades do Brasil, além de apoio de equipes em seus escritórios-matriz. Qual tem sido o processo de capacitação das resseguradoras para assumir os desafios de trabalhar no mercado rural de seguros? Konrad Mello: No ramo do seguro rural, normalmente as resseguradoras buscam profissionais para treinamento de sua equipe interna quanto: i) às características e riscos inerentes às atividades rurais; ii) subscrição e; iii) regulação e liquidação de sinistros. 11

13 Quais são as perspectivas das empresas de resseguro no mercado de seguro rural no Brasil nos próximos 5 anos? Konrad Mello: Até a safra 2009/10, todo o mercado (seguro e resseguro) se planejou e investiu para atuar com crescimento da ordem de 25% ao ano (estudo realizado pelo MAPA na safra 2008/09, com projeções até a safra 2018/19). Com base em informações retiradas da SUSEP, entre a safra 2008/09 e 2012/13, este crescimento tem se mantido em 15% ao ano. Diante das muitas incertezas que têm ocorrido e das constantes mudanças em políticas públicas para este setor, fica bastante complicado de empresas elaborarem num planejamento de médio prazo com relação a investimentos. A Munich Re, especificamente tem interesse em atuar no mercado brasileiro, disposta a dividir conhecimento e contribuir com propostas de soluções que tenham como objetivo melhorar as condições de seguros e promover a sustentabilidade do mercado no longo prazo. Konrad Mello Engenheiro Agrônomo Subscritor de Agro Munich Re 12

14 Notícias em Destaque Banco do Brasil amplia seguro de faturamento para café e milho e o seguro de custeio para o feijão, batata inglesa, sorgo e cevada. CNA defende aperfeiçoamento do seguro rural para garantir renda aos produtores. A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, defendeu o aperfeiçoamento do seguro agrícola como forma de garantir uma política efetiva de proteção à produção agropecuária brasileira. O tema foi debatido em audiência na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado no dia 5 de setembro. Para ela, o aperfeiçoamento do seguro agrícola depende da criação de um cadastro único do produtor rural que reunirá informações sobre todos os financiamentos concedidos aos produtores rurais, níveis tecnológicos utilizados, produtividade, produção, área plantada e culturas desenvolvidas. A adesão dos produtores rurais ao cadastro não será obrigatória, mas quem aderir terá a subvenção para contratação das apólices. A partir dos dados armazenados no cadastro único será possível avaliar melhor o risco de cada operação, barateando os custos. Com o cadastro único, será possível fazer o mapeamento do perfil de cada produtor rural que aderir ao modelo, melhorando a definição da política pública e reduzindo os custos para o produtor e para o Governo. Fonte: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil CNA O Banco do Brasil confirmou hoje que o BB Seguro Agrícola Faturamento passará a contemplar, além da soja, as culturas de café e milho. O Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre decidiu ampliar a abrangência de culturas contempladas em mecanismos de mitigação de riscos para atrair maior adesão ao segmento. O BB Seguro Agrícola Faturamento inclui, além da garantia contra intempéries, a possibilidade de proteção contra prejuízos por conta de variações no preço do produto. Além disso, o banco informa que o BB Seguro Agrícola, seguro de custeio do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre, contemplará a partir da safra 2013/2014 as culturas de feijão, batata inglesa, sorgo e cevada. O Banco do Brasil lembra que os seguros contam com isenção de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), subvenção do governo federal e/ou estadual. Fonte: Canal Rural Ministério da Agricultura debate obrigatoriedade de seguro rural para áreas de risco climático. A obrigatoriedade do seguro rural para propriedades localizadas em áreas de risco climático foi discutida no dia 19 de setembro de 2013 na Câmara Temática de Financiamento e Seguro do Agronegócio, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A resolução do Conselho Monetário Nacional começa a valer no dia 1º de julho de 2014, e tornará obrigatório o seguro rural para o crédito de custeio com financiamentos subsidiados pelo governo federal em áreas prioritárias segundo o MAPA, que fazem parte do zoneamento agrícola de riscos climáticos. Hoje, estas áreas englobam os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás e oeste da Bahia. De acordo com a Federação Nacional das Seguradoras, apenas 10% das propriedades brasileiras estão cobertas contra prejuízos causados por fenômenos naturais. Fonte: Canal Rural 13

15 15

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

ESTUDO DE CASO NOTÍCIAS DO SETOR. GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS Ed. 2 agosto 2013

ESTUDO DE CASO NOTÍCIAS DO SETOR. GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS Ed. 2 agosto 2013 ESTUDO DE CASO NOTÍCIAS DO SETOR GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS Ed. 2 agosto 2013 1 EDITOR CHEFE: Prof. Dr. Vitor Ozaki EDITORES ASSOCIADOS: Adriano Lênin Cirilo de Carvalho Eduardo Passarelli

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO E SITUAÇÃO ATUAL DO SEGURO AGRÍCOLA Vera Melo - Diretora César Neves - Coordenador Sistema Nacional de Seguros Privados: Conselho Nacional

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP

GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP Quarta edição dezembro 2013 Na quarta edição do Boletim do Seguro Rural (BSR), o Grupo GESER Gestão em Seguros e Riscos abordará as principais características

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

Mesa Redonda Agrícola

Mesa Redonda Agrícola Mesa Redonda Agrícola Dia 14/04 das 14 às 16h Wady J. M. Cury 14 e 15 de Abril de 2015 ÍNDICE Princípios do Seguro MUTUALISMO... É um dos princípios fundamentais que constitui a base de todas as operações

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA Porto Alegre - Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 O IRB-BRASIL RE COMO RESSEGURADOR E GESTOR DO FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ESCOPO DA ANÁLISE Com base nas experiências internacionais e brasileiras sobre Seguro Agrícola, procurou-se

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO 1 COMITÊ GESTOR: 1.1 DA COMPOSIÇÃO: o Comitê Gestor do Fundo Mútuo Agrícola será composto pelos seguintes membros: - 01 (um) Representante do Conselho de Administração; - 01 (um) Representante do Conselho

Leia mais

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro representa

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Nome do Grupo: Grupo GESER Gestão em Seguros e Riscos Sigla: GESER Ano de Criação: 2008 Professor (es) Responsável (eis): Departamento: LES Dr. Vitor Augusto

Leia mais

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA - Criação da Federal Crop

Leia mais

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA SEGURO RURAL EVOLUÇÃO PSR 2005-2014 SITUAÇÃO 2015 ORÇAMENTO PSR 2016 NOVAS REGRAS 2016-2018 CONCLUSÕES

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL S E G U R O S E G U R O Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro Aqüícola; Seguro de Florestas; Modalidades

Leia mais

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008 P R O A G R O Programa de Garantia da Atividade Agropecuária Deoclécio Pereira de Souza Rio Branco (AC) 22-07-2008 1 1.a S E G U R O A - M U N D O ANO > 1347 LOCAL > GÊNOVA - Itália FATO > 1º CONTRATO

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP

GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP Nesta sexta edição do Boletim do Seguro Rural, o grupo GESER expõe uma análise do mercado de seguro rural privado no Brasil, com foco no seu processo

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural

Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural 17nov 2015 Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural Por Fernanda Schwantes* 1. Apresentação O setor agropecuário está exposto a diferentes elementos de risco, provenientes de fatores climáticos,

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

Entenda o seguro rural

Entenda o seguro rural HOME PERGUNTAS FREQUENTES MAPA DO SIT ça, 29 de Maio de 2012 HO ME INDIVÍDUO EMPRESA MERCADO GLOSSÁRIO FALE CONOSCO os de coberturas mprando uma apólice e poupando Entenda o seguro rural Comprando uma

Leia mais

Título em português: Seguro agrícola, subvenções e a cultura da soja no Brasil.

Título em português: Seguro agrícola, subvenções e a cultura da soja no Brasil. Título em português: Seguro agrícola, subvenções e a cultura da soja no Brasil. A sojicultura é uma atividade econômica sujeita a intempéries e ao movimento dos mercados nacional e internacional. Tais

Leia mais

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb RESSEGURO DO PROAGRO Eng Agr Angelo Gemignani Sb CRÉDITO RURAL Institucionalizado em 1965 através da Lei n 4.829, de 5-11-65 SEGURO RURAL Institucionalizado em 1966 através do Decreto-Lei n 73, de 21-11-66

Leia mais

BB Seguro Agrícola Faturamento. Brasília (DF), 06 de Julho de 2011

BB Seguro Agrícola Faturamento. Brasília (DF), 06 de Julho de 2011 BB Seguro Agrícola Faturamento Brasília (DF), 06 de Julho de 2011 1 Mitigadores de Produção/Intempéries. 2 Mitigadores de Preço. 3 Seguro de Faturamento. Exemplos. Mitigadores de Produção/Intemp ão/intempéries

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR Dispõe sobre o aperfeiçoamento dos instrumentos de seguro rural

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

WORKSHOP REGIONAL - PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2009 / 10 ESTADO DO PARANÁ PROPOSTAS / REAIS NECESSIDADES

WORKSHOP REGIONAL - PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2009 / 10 ESTADO DO PARANÁ PROPOSTAS / REAIS NECESSIDADES TEMAS VOLUME DE RECURSOS Ocorreu um aumento médio de 20% no custo de produção em relação à safra anterior. Crise as traddings, agroindútrias e cerealistas reduziram a oferta de crédito. O crédito oficial

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL. Florianópolis SC Junho - 2015

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL. Florianópolis SC Junho - 2015 Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Florianópolis SC Junho - 2015 Fonte: SEAB/DERAL. Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB O Departamento de Economia Rural está localizado na

Leia mais

:: SEI / CADE - 0056816 - Parecer ::

:: SEI / CADE - 0056816 - Parecer :: Página 1 de 9 Ministério da Justiça - MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar - Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770-504 Telefone:

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. Estabelece regras para a Nota Técnica Atuarial de Carteira que deverá ser encaminhada com o Plano

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

Vitor Augusto Ozaki Andreia C. O. Adami

Vitor Augusto Ozaki Andreia C. O. Adami 1 Novos contratos brasileiros de Seguro Faturamento Vitor Augusto Ozaki Andreia C. O. Adami 27/11/2013 2 Estrutura Introdução Metodologia Resultados Considerações finais 3 Introdução Importância Agronegócio

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio

SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio Igor Jose da Silva Consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD e do Ministério do Desenvolvimento Agrário

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SUBSCRIÇÃO E ACEITAÇÃO DE RISCOS Jean Carlo de Borba Diretor SindsegSC PDES Subscrição e

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE.

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. PRODUTOR RURAL: fale com o gerente do seu banco e saiba como ter acesso aos créditos e benefícios do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015. DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. Para

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 1 SEGURO RISCOS RURAIS Esse estudo tomou por base dados oficiais gerados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, IBGE e pela SUSEP (Superintendência

Leia mais

Nº 1 - Janeiro 2011. 1. Antecedentes

Nº 1 - Janeiro 2011. 1. Antecedentes Nº 1 - Janeiro 2011 1. Antecedentes Além dos riscos inerentes a toda atividade produtiva, o setor agrícola enfrenta ainda riscos adicionais, decorrentes basicamente de eventos naturais adversos (em geral

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Cartilha do Contrato de Opção de Venda

Cartilha do Contrato de Opção de Venda Cartilha do Contrato de Opção de Venda CONAB - COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO 01 O QUE É O CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA? É uma modalidade de seguro de preços que dá ao produtor rural e/ou sua cooperativa

Leia mais

O MUTUALISMO COMO FORMA DE GESTÃO DE RISCO NA AGRICULTURA. Fenômenos climáticos extremos podem afetar negativamente a produtividade e a

O MUTUALISMO COMO FORMA DE GESTÃO DE RISCO NA AGRICULTURA. Fenômenos climáticos extremos podem afetar negativamente a produtividade e a O MUTUALISMO COMO FORMA DE GESTÃO DE RISCO NA AGRICULTURA Vitor A. Ozaki 1 Resumo A agricultura é notadamente uma atividade que apresenta grau elevado de risco. Fenômenos climáticos extremos podem afetar

Leia mais

O Mercado de Resseguros no Brasil. San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL

O Mercado de Resseguros no Brasil. San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL O Mercado de Resseguros no Brasil San Jose, 13 a 16 de Abril, 2015 ASSAL Sumário Tema Breve Histórico do Resseguro no Brasil Marcos Importantes Legislação Modalidades de Resseguradores LC nº 126/2007 Restrições

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Nº 60/2013 novembro Informativo digital sobre temas da cadeia produtiva da soja Produtor rural muda conceito de trabalho na fazenda com o Soja Plus

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. Política de Crédito; 2. Limites em contas produção; 3. Seguro de Produção; 4. Comentários gerais. 1. POLÍTICA DE CRÉDITO 1.1 Comentários

Leia mais

Programa Garantia Safra no Rio Grande TÍTULO do Sul

Programa Garantia Safra no Rio Grande TÍTULO do Sul Programa Garantia Safra no Rio Grande TÍTULO do Sul Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo do Governo do Estado do Rio Grande do Sul Programa Garantia Safra - RS Secretaria do Desenvolvimento

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul.

Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul. Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul. ¹Lucas Galvan ²Leonardo Carlotto Portalete ³Alexandre Rui Neto 1. Introdução 3. Metodologia A APROSOJA em parceria

Leia mais

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções.

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções. Assunto: Sugestões da Petrobras Biocombustível para alteração da minuta da Portaria do Selo Combustível Social, fornecida pelo MDA em reunião com representantes das empresas produtoras de Biodiesel e disponibilizada

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL - SEAB Apresentação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Câmara Setorial de Seguros Brasília - DF Junho de 2013 Programa de Subvenção ao Prêmio de Base Legal Lei Estadual 16.166/2009

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro,

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, MINUTA DE RESOLUÇÃO CNSP Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, resseguro, previdência complementar

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014

O Resseguro e a Administração. Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 O Resseguro e a Administração Rubens Teixeira Junior São Paulo, Outubro/2014 Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração Agenda 1 Sociedade Contemporânea 2 O Resseguro 3 A Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação ou renegociação de dívidas originárias de operações

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

3 Resseguro. 3.1. Introdução (História)

3 Resseguro. 3.1. Introdução (História) 3 Resseguro 3.1. Introdução (História) De acordo com a Enciclopédia Virtual Wikipedia 4, o primeiro contrato de resseguro é datado de 12 de julho de 1370 em Gênova na forma de compra e venda condicional

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. Dispõe sobre o seguro de cédula de produto rural - CPR e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais