Aná lise QL QL Me todo do X²

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aná lise QL QL Me todo do X²"

Transcrição

1 Aná lise QL QL Me todo do X² Isso é um resumo-manual, ou seja, primeiro apresentarei os conceitos, depois explicarei passo a passo como fazer uma análise. Para fazer uma análise de dados QL-QL (qualitativa, qualitativa), primeiramente devemos saber o que é uma variável qualitativa. Ou melhor, se ela é qualitativa ou quantitativa. Vejamos os conceitos: 1. Variável Qualitativa: expressa em categorias, isto é, a resposta é uma característica. Como assim? Vejamos exemplos que fica mais fácil: a. Sexo (resposta: masculino ou feminino, não há uma quantidade, a resposta não é um número) b. Aprovação (resposta: Sim ou Não, não há uma quantidade) c. Bebe (resposta: Sim ou Não, não há uma quantidade) d. Time que torce (resposta: Figueirense, Avaí, Criciúma, Nenhum time.) e. Gênero de filme (Drama, Romance, Comédia ) f. Conceito (Tirou Excelente, Muito Bom, Mediano) g. Escolaridade (Ensino Superior, Médio, Fundamental, lê e escreve ) 2. Variáveis Quantitativas: expressa medidas, números a. Notas (resposta: 10; 8,5; 7 ) b. Idade (resposta: 70, 50, 45) c. Quantas disciplinas faz (resposta: 5, 3, 2, 10) d. Salário (resposta: R$5.000; R$4.000) e. Distância da casa a UFSC (resposta: 5km, 4km, 100m) f. População da cidade (300 mil; 40 mil; 500 (Alfredo Wagner)) Variáveis Qualitativas Como o objetivo deste manual é a análise meramente qualitativa (QL-QL), temos que perceber alguns fatores: 1. Tipos de Variável Qualitativa: a. Nominal: a ordem não importa (ex: Masculino e feminino, não há um mais importante que o outro, então tanto faz. O fato de beber ou não beber também não interfere, nem mesmo time que se torce, ou gênero do filme) b. Ordinal: a ordem importa, há uma hierarquia implícita ou explícita (ex: o conceito num mestrado, Excelente é maior que Muito Bom, que é maior que Mediano, etc A escolaridade também interfere, pois alguns tem MAIOR escolaridade do que outros.) 2. Dependência da Variável: Quando há duas variáveis, temos que inferir qual que depende da outra. Como assim? Por exemplo se queres saber se o fato do gênero influencia no gosto de um filme, a variável INDEPENDENTE (a que regula) é o GÊNERO), já a DEPENDENTE (é o filme). Ou seja, queres analisar se o fato de alguém gostar

2 de um filme DEPENDE do gênero, que é INDEPENDENTE. Tal situação aplica no sistema CAUSA-EFEITO 3. Maneiras de analisarmos uma Variável Qualitativa: a. Criando uma TABELA DE FREQUÊNCIAS: que nada mais é do que a tabela de quantidade de cada variável. Ou numa definição mais bonita: é uma forma estruturada de apresentar um conjunto de valores de uma variável. De preferência deve conter a porcentagem: Time que torce Quantidade (X%) Figueirense 1400 (28%) Criciúma 1300 (26%) Joinville 1200 (24%) Avaí 100 (2%) Nenhum 1000 (20%) Total 5000 (0%) b. Criando uma TABELA DE CONTIGÊNCIA: Apresenta quantidades e porcentagens (frequências) relacionando duas variáveis, como no exemplo do manual anterior (Homem, mulher, maior de idade, menor de idade) Esporte favorito Homem Mulher Total Volei 4 (10%) 8 (20%) 12 (30%) Futebol 16 (40%) 4 (10%) 20 (50%) Tenis 2 (5%) 6 (15%) 8 (20%) Total 22 (55%) 18 (45%) 40 (100%) Olhando esse caso, já pode-se observar alguma discrepância. Por exemplo, há uma grande quantidade de homens que gostam de futebol e poucos que gostam de tênis. Já nas mulheres parece haver um equilíbrio. Isto pode ser analisado mais numericamente utilizando o método do X² Método do X² (Teste de hipóteses) Este método consiste em darmos um valor ABSOLUTO para as nossas suposições. Uma coisa é acharmos que algo tem a ver, outra é darmos uma veia estatística, provarmos isso matematicamente. De maneira bonita, um teste de hipóteses é um processo de inferência (discutir a partir de um pequeno grupo sua relação com a realidade) que busca verificar a associação ou não entre duas variáveis (ex: se o gênero influencia no esporte) Para isso, é preciso seguir alguns conceitos: 1. Nível de Significância: É a chance máxima de ERRO ao se inferir na hipótese H1. É o contrário da confiabilidade. Serve como um parâmetro na análise estatística. Os mais comuns são 10%, 5% e 1%: 0,10; 0,05 e 0,01. Ou seja, se nível de significância alcançado foi 0,05 e inferimos que a relação entre sexo e gosto musical EXISTE, isso tem 5% de chance de estar errado!

3 2. Frequência esperada: É a frequência que cada variável teria se não houvesse absolutamente NENHUMA RELAÇÃO. Já explicarei mais um pouco abaixo 3. Grau de liberdade: é o número de células livres (explicarei junto com a frequência esperada) 4. Distância X²: Somatório das diferenças (ao quadrado) entre o que foi observado e o que foi esperado. Note-se que, se o X² for grande, quer dizer que o observado foi muito diferente do esperado, havendo relação. 5. Pvalor: probabilidade de significância entre as associações das duas variáveis. É a chance de erro ao se inferir na hipótese H1. Ou seja, se o pvalor é muito baixo, quer dizer que há uma forte chance de haver relação (tudo será explicado com exemplos ali em baixo) Frequência esperada Como falei, representa um mundo onde não há relação entre as variáveis. Mostra o que se ESPERA! Vejamos o exemplo do manual anterior: OBSERVADO Homens Mulheres Total Maior de Idade Menor de Idade Como vamos obter a tabela ESPERADA??? Bem, podemos fazer CÉLULA A CÉLULA. Lembrem como calculamos cada célula??? A primeira célula indica os HOMENS que são ADULTOS (maiores de idade). Em probabilidade, qual é a chance de uma pessoa aleatória ser um homem E um adulto??? Ou seja, qual é P(A H)? Pela última fórmula que verificamos, temos que: P(A H) = P (H) * P(A se H) Como queremos determinar o ESPERADO, onde não há relação NENHUMA entre as variáveis, pensem assim: se o fato de ser homem ou mulher não interfere se ele é adulto ou criança, então a chance de ser adulto se for homem (de um homem ser adulto) P(A se H) é tão somente a mesma de ser simplesmente adulto P(A), nesse caso. Assim, calcularemos a primeira célula assim: P(A H) = P (H) * P(A se H) P(A H) = P (H) * P(A) P(A H) = 0,60 * 0,70 = 0,42 (42%) Assim, 0,42 é a chance ESPERADA, num mundo IDEAL, de uma pessoa ser HOMEM e ADULTO. Como temos 1000 pessoas, 42% de 1000 é 420. Vamos seguir esse mesmo raciocínio para as outras células:

4 1. P(M A) = P(M) *P(A) = 0,40*0,70 = 0,28 = 28%. 28% de 1000 = P (M C)= P(M)*P(C)= 0,40*0,30 = 0,12 = 12% 12% de 1000 = P(H C) = P(H)*P*(C)=0,60*0,30 = 0,18 = 18% 18% DE 1000 = 180 Montando a tabela esperada: Esperado Homens Mulheres Total Maior de Idade Menor de Idade Note que as extremidades continuam as mesmas. Isso porque a chance de cada variável, independentemente, foi MANTIDA! Naturalmente, pois a chance de ser homem continua a mesma, independente de qualquer outra coisa. Isso ajudará a entender o conceito de GRAU DE LIBERDADE Grau de Liberdade Significa o número de variáveis livres na tabela, isto é, considerando que as extremidades são sempre as mesmas, quantos números eu posso botar ALEATORIAMENTE???? Ex, se eu fizer uma nova observação e descobrir que há 500 homens. Como as extremidades estão FIXAS, as outras células dependerão DESTA inicial. Ou seja, esta inicial é completamente LIVRE, enquanto as outras são DEPENDENTES dessa. Homens Mulheres Total Maior de Idade = Menor de Idade = = = Observe que só UM valor controla a tabela, então o grau de liberdade é UM, isto é, só tem um valor livre. Agora olhe essa outra tabela aqui: Esporte favorito Homem Mulher Total Volei Futebol Tenis Total Veja que agora temos duas categorias para uma variável, enquanto temos duas categorias para a outra. Como saberemos então? Lembrando que as extremidades ficam fixas, se

5 estipularmos um número de homens que gostam de vôlei, saberemos as mulheres que também gostam de vôlei. Mas e depois??? Olhe bem: Esporte favorito Homem Mulher Total Volei Futebol 20 Tenis 8 Total As pessoas que gostam de Futebol e Tenis podem variar. Eu posso escolher 9 homens que gostam de futebol, restando assim somente quatro que gostam de tênis. Ou então 11 homens que gostam de futebol, restando apenas dois que gostam de tênis. Note que ainda há outra célula livre para eu escolher. Veremos se com ela já completamos. Esporte favorito Homem Mulher Total Volei = 3 12 Futebol = 9 20 Tenis = 2 8-2= = 6 8 Total FECHOU! Então temos duas variáveis livres nesse caso. Agora vamos raciocinar um pouco A primeira tabela tinha duas linhas e duas colunas (ignore os totais, pelo amor de deus) e o grau de liberdade era UM. A segunda tabela tinha duas três linhas e duas colunas e o grau de liberdade era dois. Se resolveres brincar (eu sei que não vais), verás que numa 3x3 temos quatro variáveis livres: Girassol Violeta Rosa Total Amarelo = 1 20 Vermelho = Azul = = = =0 30 Total Se fizermos mais, podemos deduzir uma fórmula: Gl (grau de liberdade) = (número de linhas menos um) * (números de colunas menos um) = (nl-1)*(nc-1) Verificando: 1º Caso (2x2) = (2-1)*(2-1) = 1*1 = 1 variável livre CORRETO 2º Caso (3x2) = (3-1)*(2-1) = 2*1 = 2 variáveis livres CORRETO 3º Caso (3x3) = (3-1)*(3-1) = 2*2 = 4 variáveis livres CORRETO

6 Qui Quadrado Como eu falei é o somatório das diferenças sobre o valor esperado. Se encontra na fórmula: Meu deus, mas o que é isso??? Vamos pegar aquela tabela da criminalidade lá: OBSERVADO Homens Mulheres Total Maior de Idade Menor de Idade Esperado Homens Mulheres Total Maior de Idade Menor de Idade Estão vendo aqueles somatórios. Vejam que tem i e j. Ou seja, faremos o somatório dos valores LINHA A LINHA e COLUNA A COLUNA. Mais precisamente, CÉLULA A CÉLULA! 1ª Célula: ( )²/420 = 400/420 = 0,95 [precisa de todos os algarismos, mas eu estou com preguiça] 2ª Célula ( )²/280 = 400/280 = 1,43 3ª Célula( )²/180 = 400/180 = 2,22 4ª Célula ( )²/120 = 400/120 = 3,33 SOMATÓRIO (X²) = 0,95+1,43+2,22+3,33 = 7,93 Observamos duas coisas: 1. O numerador, a princípio, se mantém (sempre 400), mas isso não é regra quando se utilizar tabelas maiores. 2. Se o número de baixo (esperado) for muito pequeno, isso torna o Qui Quadrado muuuito grande. Por isso, é recomendado que nenhum deles tenha Frequência INFERIOR a cinco. p-valor O p-valor é a chance de erro ao se inferir na hipótese H1 (ali em baixo explicarei melhor), primeiro vamos ao conceito matemático: O p-valor é a área debaixo de um intervalo de uma função que usa o Qui Quadrado e o grau de liberdade para avaliar as hipóteses estatísticas.

7 Se utilizarmos o teste X², 0 p-valor nada mais é do que uma integral da função do X² ou melhor dizendo, a área sobre o gráfico. Para descobrir o p-valor, basta olhar na tabela: Como vamos usá-la???? Fácil É só olhar o seu grau de liberdade e o X² Quanto deu o nosso gl na conta de cima (tem duas linhas e duas colunas), então o gl é: gl = (2-1)*(2-1) = 1*1 = 1 [primeira linha dessa tabela grandona] Quanto deu o nosso x²? 7,93. Então procuramos nessa linha (no caso a primeira) um valor próximo de 7,93. No caso é o 7,88. Assim, olhamos o valor do pvalor na coluna (no caso 0,005) Análise: H0 e H1 Mas afinal, para que vale isso??? Simples precisamos comparar o pvalor com a nossa significância para verificar o nosso teste de hipóteses. Por quê? Por que a significância é a chance máxima de dar errado. Quanto menor for essa chance MAIS EXIGENTE devemos ser, ou seja, precisamos de um pvalor MENOR ainda para inferir que há associação. Assim será esquematizado:

8 H0 = Pvalor > Significância (no teste X² = não há relação) H1 = =Pvalor < Significância (no teste X² = há relação) No caso, o pvalor deu 0,005. Considerando a significância 5% (0,05), podemos observar que há sim relação, já que 0,005 < 0,05. Logo, é H1.

Uma livraria vende a seguinte a quantidade de livros de literatura durante uma certa semana:

Uma livraria vende a seguinte a quantidade de livros de literatura durante uma certa semana: Medidas de Tendência Central. Depois de se fazer a coleta e a representação dos dados de uma pesquisa, é comum analisarmos as tendências que essa pesquisa revela. Assim, se a pesquisa envolve muitos dados,

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

TEM ALTERNATIVA CORRETA!!!! CERTAMENTE A BANCA EXAMINADORA DARÁ COMO RESPOSTA CERTA LETRA (E). SERIA A MENOS ERRADA POR ELIMINAÇÃO.

TEM ALTERNATIVA CORRETA!!!! CERTAMENTE A BANCA EXAMINADORA DARÁ COMO RESPOSTA CERTA LETRA (E). SERIA A MENOS ERRADA POR ELIMINAÇÃO. Prezados concursandos!!! Muita paz e saúde para todos!!! Passemos aos comentários da prova de Raciocínio Lógico Quantitativo propostas pela CESGRANRIO no último concurso para o IBGE, no dia 10/01/010.

Leia mais

Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas Prentice Hall

Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas Prentice Hall Medidas e Escalas: Fundamentos e Escalas Comparativas 1-1 Sumário 1) Visão Geral; 2) Medidas e Escalas; 3) Principais ; i. Escala Nominal ii. Escala Ordinal iii. Escala Intervalar iv. Escala de Razão 1-2

Leia mais

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas

Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Conceitos básicos, probabilidade, distribuição normal e uso de tabelas padronizadas Prof. Marcos Vinicius Pó Métodos Quantitativos para Ciências Sociais Alguns conceitos População: é o conjunto de todos

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Relembrando!!! Não é uma CIÊNCIA EXATA!!! É UMA CIÊNCIA PROBABILÍSTICA!!!!!!! Serve

Leia mais

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III ESTATÍSTICA Prof. Fernando Rodrigues Medidas de dispersão Estudamos na unidade anterior as medidas de tendência central, que fornecem importantes informações sobre uma sequência numérica. Entretanto,

Leia mais

aula DISTRIBUIÇÃO NORMAL - PARTE I META OBJETIVOS PRÉ-REQUISITOS Apresentar o conteúdo de distribuição normal

aula DISTRIBUIÇÃO NORMAL - PARTE I META OBJETIVOS PRÉ-REQUISITOS Apresentar o conteúdo de distribuição normal DISTRIBUIÇÃO NORMAL - PARTE I 4 aula META Apresentar o conteúdo de distribuição normal OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: determinar a média e a variância para uma função contínua; padronizar

Leia mais

Teste Qui-quadrado de aderência Rinaldo Artes Insper Instituto de Ensino e Pesquisa 2014

Teste Qui-quadrado de aderência Rinaldo Artes Insper Instituto de Ensino e Pesquisa 2014 Teste Qui-quadrado de aderência Rinaldo Artes Insper Instituto de Ensino e Pesquisa 2014 Objetivo: Decidir se um conjunto de dados segue uma determinada distribuição de probabilidades. Exemplo 1: Uma emissora

Leia mais

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA

CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GCN 7901 ANÁLISE ESTATÍSTICA EM GEOCIÊNCIAS PROFESSOR: Dr. ALBERTO FRANKE CONTATO: alberto.franke@ufsc.br F: 3721 8595 CAPÍTULO 3 POPULAÇÃO E AMOSTRA As pesquisas de opinião

Leia mais

Continuando com. O título desta aula já indica que continuaremos. Nossa aula. Permutações com repetição

Continuando com. O título desta aula já indica que continuaremos. Nossa aula. Permutações com repetição A UA UL LA Continuando com permutações Introdução Nossa aula O título desta aula já indica que continuaremos o assunto da Aula 49, em que vimos vários exemplos de permutações denominadas permutações simples

Leia mais

3ª Lista de Exercícios de Programação I

3ª Lista de Exercícios de Programação I 3ª Lista de Exercícios de Programação I Instrução As questões devem ser implementadas em C, apoiadas por representação em algoritmo para planejamento. 1. Desenvolva um programa que leia dois valores a

Leia mais

Fatorando o número 50 em fatores primos, obtemos a seguinte representação: = 50

Fatorando o número 50 em fatores primos, obtemos a seguinte representação: = 50 FATORAÇÃO DE EXPRESSÃO ALGÉBRICA Fatorar consiste em representar determinado número de outra maneira, utilizando a multiplicação. A fatoração ajuda a escrever um número ou uma expressão algébrica como

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA APOSTILA 1 ARITMÉTICA PARTE I INTRODUÇÃO Durante muitos períodos da história

Leia mais

Aula 3 Distribuição de Frequências.

Aula 3 Distribuição de Frequências. 1 Estatística e Probabilidade Aula 3 Distribuição de Frequências. Professor Luciano Nóbrega Distribuição de frequência 2 Definições Básicas Dados Brutos são os dados originais que ainda não foram numericamente

Leia mais

Termo-Estatística (2013) 2ª Aula. Prof. Alvaro Vannucci

Termo-Estatística (2013) 2ª Aula. Prof. Alvaro Vannucci Termo-Estatística (2013) 2ª Aula Prof. Alvaro Vannucci Na Mecânica Estatística, será muito útil a utilização dos conceitos básicos de Análise Combinatória e Probabilidade. Por ex., uma garota vai sair

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova de Agente / PF Neste artigo, farei a análise das questões

Leia mais

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID. Subprojeto Matemática Campus Itaqui. RELATÓRIO I Data: 29/04/2015.

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID. Subprojeto Matemática Campus Itaqui. RELATÓRIO I Data: 29/04/2015. RELATÓRIO I Data: 29/04/2015 Objetivo(s) Ampliar noções de Estatística; Analisar e generalizar gráficos e tabelas. Desenvolvimento da práxis pedagógica Moda:O elemento com maior frequência, ou seja, o

Leia mais

CESPE UnB PROVA DE LÓGICA POLÍCIA FEDERAL DE 21 DE DEZEMBRO DE 2014 Prof Pacher ENUNCIADO PRINCIPAL QUESTÃO 57. Solução

CESPE UnB PROVA DE LÓGICA POLÍCIA FEDERAL DE 21 DE DEZEMBRO DE 2014 Prof Pacher ENUNCIADO PRINCIPAL QUESTÃO 57. Solução CESPE UnB PROVA DE LÓGICA POLÍCIA FEDERAL DE 21 DE DEZEMBRO DE 2014 Prof Pacher ENUNCIADO PRINCIPAL QUESTÃO 57 Partindo da hipótese que João pediu peixe, coloque um V na tabela para atender a informação

Leia mais

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS Introdução: REGRA DE SINAIS PARA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO: Sinais iguais: Adicionamos os algarismos e mantemos o sinal. Sinais diferentes: Subtraímos os algarismos e aplicamos

Leia mais

Exame de Acesso ACFES Maiores de 23; Acesso Específico. Matemática. PROVA MODELO - proposta de resolução

Exame de Acesso ACFES Maiores de 23; Acesso Específico. Matemática. PROVA MODELO - proposta de resolução Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Exame de Acesso ACFES Maiores de 23; Acesso Específico Matemática PROVA MODELO - proposta de resolução - INSTRUÇÕES - Deverá responder à prova na folha

Leia mais

Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada

Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada a) Quiquadrado de Pearson: mede a associação de tabelas de dupla entrada, sendo definida por: c ( e e ij ij n ) ij, em que é

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás Bioestatística Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB rangel.ufg@gmail.com Página do curso: http://www.ecologia.ufrgs.br/~adrimelo/bioestat

Leia mais

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo:

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo: MÓDULO 2 POTÊNCIA Sabendo que as potências tem grande importância no mundo da lógica matemática, nosso curso terá por objetivo demonstrar onde podemos utilizar esses conceitos no nosso cotidiano e vida

Leia mais

XXXIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 (6º. e 7º. anos) GABARITO

XXXIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 (6º. e 7º. anos) GABARITO XXXIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL (6º. e 7º. anos) GABARITO GABARITO NÍVEL ) A 6) A ) D 6) E ) B 7) E ) D 7) C ) E 8) C ) D 8) D 4) B 9) E 4) A 9) B 5) B 0) D 5) A 0) C Cada

Leia mais

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05 Distribuição Normal Introdução O pesquisador estuda variáveis. O estatístico diz que essas variáveis são aleatórias porque elas têm um componente que varia ao acaso. Por exemplo, a variabilidade dos pesos

Leia mais

Tutorial Casio fx-82ms

Tutorial Casio fx-82ms Tutorial Casio fx-82ms Constantes Científicas e Conversão de Unidades Tutorial Casio Fx-82MS Aprendendo novas funções Gustavo Luiz da Silva Visite o Blog Engenharia Cotidiana www.engenhariacotidiana.com

Leia mais

Comprovação Estatística de Medidas Elétricas

Comprovação Estatística de Medidas Elétricas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Métodos e Técnicas de Laboratório em Eletrônica Comprovação Estatística de Medidas Elétricas Florianópolis,

Leia mais

AT = Maior valor Menor valor

AT = Maior valor Menor valor UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TABELAS E GRÁFICOS Departamento de Estatística Luiz Medeiros DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Quando se estuda uma massa de dados é de frequente interesse resumir as informações

Leia mais

Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) Prof. Guilherme Neves

Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) Prof. Guilherme Neves Prova Resolvida Raciocínio Lógico Quantitativo e Estatística (ANAC/2016) 31- (ANAC 2016/ESAF) A negação da proposição se choveu, então o voo vai atrasar pode ser logicamente descrita por a) não choveu

Leia mais

Testes t para médias

Testes t para médias Testes t para médias 1-1 Testes t para médias Os testes t aplicam-se tanto a amostras independentes como a amostras emparelhadas. Servem para testar hipóteses sobre médias de uma variável quantitativa

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 8 11/2014 Distribuição Normal Vamos apresentar distribuições de probabilidades para variáveis aleatórias contínuas.

Leia mais

Estimativas e Tamanhos de Amostras

Estimativas e Tamanhos de Amostras Estimativas e Tamanhos de Amostras 1 Aspectos Gerais 2 Estimativa de uma Média Populacional: Grandes Amostras 3 Estimativa de uma Média Populacional: Pequenas Amostras 4 Tamanho Amostral Necessário para

Leia mais

Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central.

Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central. Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central. Atividade 2 Ao longo dos próximos exercícios nós trabalharemos com uma planilha de dados a ser fornecida durante a aula. A planilha contém dados

Leia mais

XXXV Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

XXXV Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase XXXV Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 2 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 4 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado.

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado. Probabilidade Definição: Probabilidade é uma razão(divisão) entre a quantidade de eventos e a quantidade de amostras. Amostra ou espaço amostral é o conjunto formado por todos os elementos que estão incluídos

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Amostragem: Em pesquisas científicas, quando se deseja conhecer características de uma população, é comum se observar apenas uma amostra de seus elementos e, a partir dos resultados dessa amostra, obter

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 4

Deixando de odiar Matemática Parte 4 Deixando de odiar Matemática Parte 4 Fatoração 2 Quantidade de divisores de um número natural 3 Mínimo Múltiplo Comum 5 Simplificação de Frações 7 Máximo Divisor Comum 8 Método da Fatoração Simultânea

Leia mais

ESTATÍSTICA E. Prof Paulo Renato A. Firmino. Aulas

ESTATÍSTICA E. Prof Paulo Renato A. Firmino. Aulas ESTATÍSTICA E Prof Paulo Renato A. Firmino praf62@gmail.com Aulas 05-06 Descritiva Medidas de Posição Mediana: É o valor que se localiza no centro de uma amostra ordenada Se o número de observações (n)

Leia mais

Estatística. Professora: Eliana Carvalho Estatística e Probabilidade 1

Estatística. Professora: Eliana Carvalho Estatística e Probabilidade 1 Estatística Fonte bibliográfica: FARIAS, Alberto Alves Introdução a Estatística MEYER, Paul L. Probabilidade: Aplicações à Estatística MONTGOMERY, Douglas C; Estatística aplicada e probabilidade para engenheiros.

Leia mais

EXPERIMENTO FATORIAL BLOCADO PARA DETERMINAÇÃO DE DIFERENÇAS ENTRE TEMPO DE QUEIMA DE VELAS DE PARAFINA

EXPERIMENTO FATORIAL BLOCADO PARA DETERMINAÇÃO DE DIFERENÇAS ENTRE TEMPO DE QUEIMA DE VELAS DE PARAFINA Revista da Estatística da UFOP, Vol I, 2011 - XI Semana da Matemática e III Semana da Estatística, 2011 ISSN 2237-8111 EXPERIMENTO FATORIAL BLOCADO PARA DETERMINAÇÃO DE DIFERENÇAS ENTRE TEMPO DE QUEIMA

Leia mais

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos Segmento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Matemática Volume: 1 Unidade 1: Série 17 Resoluções Conjuntos 1. A = {1, } O Conjunto A possui dois elementos: 1 e. O total de subconjuntos

Leia mais

Livro Texto recomendado para a Disciplina

Livro Texto recomendado para a Disciplina Livro Texto recomendado para a Disciplina FREUND, John E. Estatística aplicada: economia, administração e contabilidade. Porto Alegre: Bookman, 2006. 11ª Edição, 536 p. (com CD) ISBN: 8573075317 Biblioteca:

Leia mais

Resumo de Aula: Notação científica kg. Potências positivas Potências negativas ,1

Resumo de Aula: Notação científica kg. Potências positivas Potências negativas ,1 Resumo de Aula: Notação científica. 1- Introdução Este resumo não trata exatamente sobre física, é sobre uma das formas que expressamos os resultados numéricos em ciências em geral (e na física em particular).

Leia mais

OBMEP NA ESCOLA Soluções

OBMEP NA ESCOLA Soluções OBMEP NA ESCOLA 016 - Soluções Q1 Solução item a) A área total do polígono da Figura 1 é 9. A região inferior à reta PB é um trapézio de área 3. Isso pode ser constatado utilizando a fórmula da área de

Leia mais

F r F N BANCO DO BRASIL E CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Estatistica. b) Variável qualitativa

F r F N BANCO DO BRASIL E CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Estatistica. b) Variável qualitativa Estatistica Introdução: A talvez seja a parte da Matemática que mais se preocupa com o comportamento social, visto que tal conteúdo é repleto de coletas de dados, para que se possa então fazer a análise

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão

Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa - Datas de campo De 17 a 22 de junho de 2015 Seleção da amostra Aleatória Margem de erro 3 pontos percentuais

Leia mais

Considere os portfolios X, Y e Z, abaixo, caracterizados pelas respectivas distribuições de probabilidades:

Considere os portfolios X, Y e Z, abaixo, caracterizados pelas respectivas distribuições de probabilidades: Fundação Getulio Vargas Curso de Graduação Disciplina: Estatística Professor: Moisés Balassiano 1. Investidores geralmente constroem portfolios, ou carteiras, contendo diversas aplicações financeiras.

Leia mais

Significância do Coeficiente de Correlação

Significância do Coeficiente de Correlação Significância do Coeficiente de Correlação A primeira coisa que vamos tentar fazer nesta aula é apresentar o conceito de significância do coeficiente de correlação. Uma vez entendido este conceito, vocês

Leia mais

Apontamentos de Matemática 6.º ano

Apontamentos de Matemática 6.º ano Revisão (divisores de um número) Os divisores de um número são os números naturais pelos quais podemos dividir esse número de forma exata (resto zero). Exemplos: Os divisores de 4 são 1, e 4, pois se dividirmos

Leia mais

Estimando probabilidades

Estimando probabilidades A UA UL LA Estimando probabilidades Introdução Nas aulas anteriores estudamos o cálculo de probabilidades e aplicamos seu conceitos a vários exemplos. Assim, vimos também que nem sempre podemos calcular

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Daniel Queiroz VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS INTRODUÇÃO O que é uma variável aleatória? Um tipo de variável que depende do resultado aleatório de um experimento aleatório. Diz-se que um experimento é

Leia mais

Fernando de Pol Mayer

Fernando de Pol Mayer Fernando de Pol Mayer Laboratório de Estatística e Geoinformação (LEG) Departamento de Estatística (DEST) Universidade Federal do Paraná (UFPR) Este conteúdo está disponível por meio da Licença Creative

Leia mais

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Análise de Variância - ANOVA Cap. 12 - Pagano e Gauvreau (2004) - p.254 Enrico A. Colosimo/UFMG Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 39 Introdução Existem

Leia mais

Alex Lira. Olá, pessoal!!!

Alex Lira. Olá, pessoal!!! Olá, pessoal!!! Seguem abaixo os meus comentários das questões de Lógica que foram cobradas na prova para o cargo de Agente da Polícia Federal, elaborada pelo Cespe, realizada no último final de semana.

Leia mais

Professor conteudista: Renato Zanini

Professor conteudista: Renato Zanini Matemática Básica Professor conteudista: Renato Zanini Sumário Matemática Básica Unidade I 1 OS NÚMEROS REAIS: REPRESENTAÇÕES E OPERAÇÕES... EXPRESSÕES LITERAIS E SUAS OPERAÇÕES...6 3 RESOLVENDO EQUAÇÕES...7

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10º ano 2009/2010 Ficha de trabalho 1: Interpretando dados. Noções básicas de Estatística. Sondagens e amostras. Organizando os dados.

Leia mais

Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade

Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade Aqui você tem mais uma oportunidade de estudar os teoremas da probabilidade, por meio de um conjunto de exercícios resolvidos. Observe como as propriedades

Leia mais

Análise Combinatória e Probabilidade

Análise Combinatória e Probabilidade Análise Combinatória e Probabilidade E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de análise combinatória e probabilidade? Análise Combinatória Considere a seguinte situação:

Leia mais

Métodos Estatísticos Módulo 2 1 o. Semestre de 2008 ExercícioProgramado5 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos Módulo 2 1 o. Semestre de 2008 ExercícioProgramado5 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos Módulo 2 1 o. Semestre de 08 ExercícioProgramado5 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) 1. Um dado é viciado de tal forma que um número par é duas vezes mais provável que

Leia mais

Fundamentos da Matemática

Fundamentos da Matemática Fundamentos da Matemática Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites Este trabalho tem como foco, uma abordagem sobre a teoria dos limites. Cujo objetivo é o método para avaliação da disciplina

Leia mais

Potências de dez, ordens de grandeza e algarismos significativos

Potências de dez, ordens de grandeza e algarismos significativos Potências de dez, ordens de grandeza e algarismos significativos Potências de dez Há muitos séculos que o homem procura compreender e prever o comportamento da natureza. O que chamamos de ciências naturais

Leia mais

Construção do esquema corporal: plano transversal (em cima/embaixo), plano frontal (frente/atrás).

Construção do esquema corporal: plano transversal (em cima/embaixo), plano frontal (frente/atrás). Matemática 2ª 1ª Ano E.F. Competências Objeto de Aprendizado Habilidades COMPETÊNCIA 1: Perceber o espaço ocupado pelo próprio corpo e por diferentes objetos, demonstrando noções de relações espaciais.

Leia mais

VERDADES E MENTIRAS. Quem está mentindo e quem está dizendo a verdade. Quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade

VERDADES E MENTIRAS. Quem está mentindo e quem está dizendo a verdade. Quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade VERDADES E MENTIRAS Chamamos de a um tipo específico de questão, cujo enunciado nos apresenta uma situação qualquer, envolvendo normalmente alguns personagens, que irão declarar algo. O ponto principal

Leia mais

OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS, DECIMAIS, FRAÇÕES, MDC, MMC E DIVISORES.

OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS, DECIMAIS, FRAÇÕES, MDC, MMC E DIVISORES. OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS, DECIMAIS, FRAÇÕES, MDC, MMC E DIVISORES. 1) Calcule o valor das expressões: a) 19,6 + 3,04 + 0,076 = b) 17 + 4,32 + 0,006 = c) 4,85-2,3 = d) 9,9-8,76 = e) (0,378-0,06)

Leia mais

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula 8 Profa. Renata G. Aguiar Considerações Coleta de dados no dia 18.05.2010. Aula extra

Leia mais

FUNDAMENTAL. PARTE 1

FUNDAMENTAL. PARTE 1 FUNDAMENTAL PARTE 1 www.ceejamax.com 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...págs. 03 ESPAÇO GEOGRÁFICO E PAISAGEM... 03 LEITURA DAS PAISAGENS... 04 REPRESENTAÇÕES DO ESPAÇO GEOGRÁFICO... 06 MAPA ANTIGO E MAPA ATUAL...

Leia mais

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

- identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades; DISCIPLINA: ELEMENTOS DE MATEMÁTICA AVANÇADA UNIDADE 3: ÁLGEBRA LINEAR. OPERADORES OBJETIVOS: Ao final desta unidade você deverá: - identificar operadores ortogonais e unitários e conhecer as suas propriedades;

Leia mais

Modelos de teias tróficas e seleção de modelos. Mathias M. Pires

Modelos de teias tróficas e seleção de modelos. Mathias M. Pires Modelos de teias tróficas e seleção de modelos Mathias M. Pires Objetivos: 1. Familiarizem-se com os modelos e seus usos potenciais 2. Percebam o potencial de métodos de seleção de modelos no contexto

Leia mais

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1

AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 AULA 1 - CONCEITOS BÁSICOS E APRESENTAÇÃO DE DADOS PARTE 1 INFORMAÇÕES Professor: Roberto C. Leoni BLOG: http://aedbest.wordpress.com Apostilas com exercícios e gabaritos Software R http://cran.r-project.org/

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO Luiz Fernando Stringhini 1 Na tentativa de mostrar as possibilidades de uso das ferramentas da estatística dentro da contabilidade,

Leia mais

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Reforço escolar M ate mática Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Dinâmica 7 9º ano 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Fundamental 9ª Geométrico Teorema de Pitágoras

Leia mais

Correlação e Regressão Lista de Exercícios

Correlação e Regressão Lista de Exercícios Correlação e Regressão Lista de Exercícios 1) Barbetta (001, p.7). Considerando os dados da Tabela 1: a) Construir um diagrama de dispersão para as variáveis taxa de alfabetização e taxa de mortalidade

Leia mais

Conjunto dos números inteiros

Conjunto dos números inteiros E. M. E. F. MARIA ARLETE BITENCOURT LODETTI DISCIPLINA DE MATEMÁTICA PROFESSORA: ADRIÉLE RÉUS DE SOUZA Conjunto dos números inteiros O conjunto dos números inteiros é formado pelos algarismos inteiros

Leia mais

CE Estatística I

CE Estatística I CE 002 - Estatística I Agronomia - Turma B Professor Walmes Marques Zeviani Laboratório de Estatística e Geoinformação Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná 1º semestre de 2012 Zeviani,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Currículo da disciplina de Matemática - 7ºano Unidade 1 Números inteiros Propriedades da adição de números racionais Multiplicação de números

Leia mais

7. Testes de Hipóteses

7. Testes de Hipóteses 7. Testes de Hipóteses Suponha que você é o encarregado de regular o engarrafamento automatizado de leite numa determinada agroindústria. Sabe-se que as máquinas foram reguladas para engarrafar em média,

Leia mais

Estatística dos aprovados para Analista-Tributário da Receita Federal em 2012.

Estatística dos aprovados para Analista-Tributário da Receita Federal em 2012. Estatística dos aprovados para Analista-Tributário da Receita Federal em 2012. Olá pessoal, tudo bem? Trago para vocês uma avaliação das notas dos candidatos aprovados no último concurso para Analista-Tributário

Leia mais

6. Frações contínuas como as melhores aproximações de um número real

6. Frações contínuas como as melhores aproximações de um número real 6. Frações contínuas como as melhores aproximações de um número real Com um pouco de técnica matemática iremos calcular frações contínuas, ou seja, os numeradores e denominadores de através de fórmulas

Leia mais

Parâmetros do som. 24 Capítulo 2

Parâmetros do som. 24 Capítulo 2 Parâmetros do som Ouvimos diversos sons produzidos por uma quantidade enorme de fontes sonoras. Sons diferentes e também sons que conhecemos e reconhecemos diariamente. Uma mesma nota musical pode ser

Leia mais

Solução: a) Observamos que temos as seguintes linhas entre as cidades: A B C

Solução: a) Observamos que temos as seguintes linhas entre as cidades: A B C Exercício 1 Há 3 linhas de ônibus entre as cidades A e B e 2 linhas de ônibus entre B e C. De quantas maneiras uma pessoa pode viajar: (a) indo de A até C, passando por B? (b) indo e voltando entre A e

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Inferência Estatística Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Núcleo de Estatística e Informática HUUFMA email: alcione.miranda@terra.com.br Inferência Estatística Inferências

Leia mais

E-Books Excel Fast Training

E-Books Excel Fast Training Sumário Sumário... 2 Introdução... 4 Definição de Média Aritmética... 6 Função MÉDIA no Excel... 7 Observações da Função Média do Excel... 7 Observação 01 - Células vazias... 7 Observação 02 - Células

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva C E N T R O D E M A T E M Á T I C A, C O M P U T A Ç Ã O E C O G N I Ç Ã O UFABC Estatística Descritiva Centro de Matemática, Computação e Cognição March 17, 2013 Slide 1/52 1 Definições Básicas Estatística

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo I Aula 02 EQUAÇÕES Pense no seguinte problema: Uma mulher de 25 anos é casada com um homem 5 anos mais velho que ela. Qual é a soma das idades

Leia mais

RAIZ QUADRADA DE UM NÚMERO RACIONAL. Objectivos de Aprendizagem. No fim desta lição, você será capaz de: Consideremos o seguinte problema:

RAIZ QUADRADA DE UM NÚMERO RACIONAL. Objectivos de Aprendizagem. No fim desta lição, você será capaz de: Consideremos o seguinte problema: Lição N o 4 RAIZ QUADRADA DE UM NÚMERO RACIONAL Objectivos de Aprendizagem No fim desta lição, você será capaz de: Determinar a raiz quadrada de um número inteiro. Tem empo necessário para a comple pletar

Leia mais

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística Professor: Assunto(s): Curso(s): William Costa Rodrigues Inferência ; Tipo de Variáveis, Tipos de Amostras; Tamanho da Amostra; Medidas de tendência central: Medidas de Variação Ciências Contábeis Q1.

Leia mais

APONTAMENTOS DE SPSS

APONTAMENTOS DE SPSS Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar APONTAMENTOS DE SPSS Rui Magalhães 2010-1 - - 2 - Menu DATA Opção SPLIT FILE Permite dividir, de uma forma virtual, o ficheiro em diferentes ficheiros com

Leia mais

Para resolver o problema de dona Leonor, é preciso aprender a fatorar, como você já viu na Aula = 2 x = 4 x 5

Para resolver o problema de dona Leonor, é preciso aprender a fatorar, como você já viu na Aula = 2 x = 4 x 5 Dona Leonor faz empadinhas e sempre recebe encomendas para festas. Certo dia, ela recebeu três encomendas: uma de 200 empadinhas, outra de 240 e outra de 300. Depois de fazer todas as empadinhas, dona

Leia mais

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Estatística Geral I Prof: Jony Arrais Pinto Junior Lista 08 1. Utilizando os dados da Tabela 01 da Lista

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1.

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. CONCEITO DE FUNÇÃO... 2 IMAGEM DE UMA FUNÇÃO... 8 IMAGEM A PARTIR DE UM GRÁFICO... 12 DOMÍNIO DE UMA FUNÇÃO... 15 DETERMIAÇÃO DO DOMÍNIO... 15 DOMÍNIO A PARTIR DE UM GRÁFICO... 17 GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO...

Leia mais

DRUIDAS DO SABER CENTRO DE EXPLICAÇÕES. Matemática - 9º Ano

DRUIDAS DO SABER CENTRO DE EXPLICAÇÕES. Matemática - 9º Ano DRUIDAS DO SABER CENTRO DE EXLICAÇÕES Matemática - 9º Ano Em todas as questões apresenta o teu raciocínio de forma clara, indicando todos os cálculos que tiveres de efectuar e todas as justificações que

Leia mais

CONJUNTOS EXERCÍCIOS DE CONCURSOS

CONJUNTOS EXERCÍCIOS DE CONCURSOS CONJUNTOS EXERCÍCIOS DE CONCURSOS E0626 (IBEG Merendeira Prefeitura de Uruaçu GO). Sendo os conjuntos A = {2, 4, 6, 8, 10, 12}; B = {1, 3, 5, 7, 9, 11}; C = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12}. I A

Leia mais

Aprendizado de Máquina (Machine Learning)

Aprendizado de Máquina (Machine Learning) Ciência da Computação (Machine Learning) Aula 08 Regressão Linear Max Pereira Regressão: Prevendo valores de casas Regressão Quanto vale a minha casa? Quero vender minha casa. R$??? Regressão Verificar

Leia mais

FUNÇÃO SE. = SE ([condição]; [valor se verdadeiro]; [valor se falso]). A condição pode ser efetuada usando sinais matemáticos comparativos:

FUNÇÃO SE. = SE ([condição]; [valor se verdadeiro]; [valor se falso]). A condição pode ser efetuada usando sinais matemáticos comparativos: FUNÇÃO SE A função SE() é uma função especial que determina o valor da célula de acordo com um teste-lógico. Ela sempre contém uma condição, que definirá o valor da célula. Se a condição for verdadeira

Leia mais

rofessor oaquim cel.: ou

rofessor oaquim   cel.: ou Estatística Conjunto de métodos e processos quantitativos que servem para estudar e medir os fenômenos coletivos. Dessa forma, podemos dizer que a ESTATÍSTICA é uma parte da Matemática Aplicada que fornece

Leia mais