"Kokumin Kenko Hoken" Seguro Nacional de Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Kokumin Kenko Hoken" Seguro Nacional de Saúde"

Transcrição

1 Numção ClificçãoDonç Aunto Sguo Público p Aitênci Médic Tm "Kokumin Knko Hokn" Sguo Ncionl d Súd Nívl d conult 3 1 Pgunt Rpot Báic Não poo incv-m no guo d úd. Djo b ob o itm p pcv-m no 2 Pgunt Rpot Báic Conulto Conulto Conulto O qu é o Sguo Ncionl d Súd? É um itm d guo público d úd dminitdo pl dminitçõ loci (pfitu) p tnd po qu não podm incv- no guo d úd do locl d tblho. A po qu tiv gitd como tngio com pvião d idi mi d 1 no no pí, podá incv-. Como dvo fz p m incv no "Kokumin KnkoHokn" (guo ncionl d úd)? A incição é fit no blcão do guo ncionl d úd d pfitu ond fz o u gito d tngio. Pfitu Sgui p Expliqu-m qui ão o documnto ncáio p mud p ou incv-m no guo ncionl d úd. É ncáio fz o guint tâmit dnto d 14 di no blcão do guo ncionl d úd d pfitu ond id: P fz o pocdimnto, á mp ncáio pnt o ctificdo d gito d tngio. i n c v - P Rzão d ncidd d tâmit Vio d mudnç d out cidd Siu d outo guo d úd Ncu um cinç Não pod mi cb pnão d it ênci ocil "Siktu Hogo" Documnto ncáio lém do ctão d gito d tngio Attdo d qu iu do guo d úd Ctão do Sguo d úd, Cdnt d úd d Mã Comunicdo d dcião d intupção d pnão d itê nci ocil P Vi mud p out cidd Incvu- m outo guo d úd Mot Ctão do guo d úd Ctão do guo ncionl d úd do outo guo Ctão do guo d úd ttdo d mot

2 i Vi cb pnão d itênci ocil Ctão do guo d úd comunicdo d dcião d início d pnão d itênci ocil O u t o Mudnç d ndço, chf d fmíli, nom, tc. Ctão do guo d úd Pd ou dno do ctão do guo d úd Ctão do guo d úd, documnto d idntidd Ctão do guo d úd (no co Outo ctão do guo d úd p vigm long d ctão não individul) Ctão do guo d úd O filho vi viv m out cidd p tud. ttdo d mtícul n col Copond-Não copond o itm mé Ctão do guo d úd, dico p pontdo cti d pontdo O tblhdo qu pontou d mp tá cbndo pontdoi o u dpndnt fmili, té t pto p incluído no itm do guo d úd d idoo o 75 no (po com dtmind dficiênci o 65 no) podm cb itênci médic plo Sitm d Aitênci Médic p Apontdo. Ao dquii o diito pontdoi, dnto d 14 di pó cb o ctificdo d pontdo, dv diigi- o ncgdo do guo ncionl d úd d pfitu ond mo p o pctivo tâmit. Qul é tx do guo d úd? Conulto A po incit no Sguo Ncionl d Súd tm o dv d pg tx do guo clculd com b no ndimnto do no ntio. Confom 4 condiçõ citd bixo, é clculd tx unitái po fmíli. A tx do guo vi cd no, po qu é dcidid ob o ndimnto d cd no. O modo d clcul dif um pouco confom cidd. O pgmnto d tx do guo pod fito pl po, lvndo- o fomuláio mitido pl pfitu à gênci bncái ou plo mé todo d dconto utomático d cont bncái d po. Qundo po dj pg tx tvé do dconto utomático d u cont bncái, dv diigi- à g ênci bncái dtmind pl pfitu lvndo u cdnt do bnco, o cimbo utilizdo no bnco o fomuláio p pgmnto d tx do guo fz o pctivo tâmit. Popoção ob nd Método d clcul confom nd fmili do no ntio d po incit. Popoção quivlnt Método m qu tod fmíli pgm mm qunti não impot nd. Popoção igulitái Métodod d clcul po po, confom o númo d po incit no guo ncionl d úd. Popoção d bn Método d clcul confom o bn d po incit. Qu tipo d bnfício podi cb? Conulto Qundo po incit no guo ou fmili fic dont ou fi-, o guo d ú

3 d cobiá 70~90% do cuto do ttmnto médico. O contúdo do bnfício tá dcito n ção 4 Conhcimnto Báico. Exit xm médico conhcido cito plo guo outo qu não ão cito? Conulto O qu pod cobto plo guo ão: Exm médico, ttmnto ciugi p cupção cutivo, foncimnto d médio mtii p o ttmnto médico, viço d nfmgm p cuiddo ttmnto médico no l, hopitlizção vi ço d nfmgm (dp com limntção clculd à pt). O guo não cob dp com ciugi plátic p mblzmnto, xm d úd, vcinção, pto noml, boto po zõ conômic, donç fimnto dunt o tblho qu tã o ndo ttdo plo guo cont cidnt d tblho ("Roi Hokn") fimnto ou donç cud po big ou mbiguz. Como dvo pocd qundo fo o médico? Conulto Qundo fo cb ttmnto médico po donç ou fimnto, pnt o ctão do guo d úd n clínic ou hopitl convnido com o guo podá cb o ttmnto pgndo pn tx copondnt à idd láio. O mmo contcá qundo fo comp m fmáci convnid com o guo, o mdicmnto pcito pl intituição médic convnid com o guo. 3 Out Pgunt Rpot O qu contcá o pgmnto d tx do guo tivm td? Conulto Sá nvid um dvtênci d to d pgmnto o pzo d vlidd do ctão do guo d úd á duzido. S flt d pgmnto d tx cumul- po mi d 1 no, dp médic xcto o do filho() mno(mno d 15 no d idd) tão qu pg m u totlidd pl po. S po fiz um quimnto potioi, dp podão mbold, dcontndo pt pg plo pcint. Qundo flt d pgmnto d tx do guo polong- po mi d 1 no mio, o ubídio do guo d úd á upno, qundo o pgmnto cumul lém dio, o pgmnto tdo d tx á dcontdo d qunti do ubídio qu foi pndid. Qundo houv dificuldd p pg tx do guo, fç um conult com ntcdênci no blcão do guo ncionl d úd d pfitu. 4 Conhcimnto Báico Lit do contúdo do tipo d ubídio do guo d úd Tipo médic Rzão Contúdo do ubídio A po pg/abixo d 3 no 20% D 3 té 69 no 30%

4 Subídio p itênci Qundo cb ttmnto médico pntndo o ctão do guo d úd Acim d 70 no 10% () Tblhdo tunt com nd fmili médi pg 30%. Qundo um po complt mi d 70 no, cb um ctificdo d po ido, m qu tá cito popoção qu dv pg pl po, qu pod vi d 10% 30%. Et ctificdo é difnt dqul d po gud plo guo d úd. Apnt o ctificdo d ubídio p po ido no blcão d intituiçõ médic. Cuto do ttmnto médico Qundo fz um xm médico ou cbu ttmnto médico m utiliz o guo d úd, po zõ invitávi, ou fz um plho p ttmnto médico (cot É pgo um pt d dp médic d codo com um dtmindo citéio. Cuto lvdo Qundo o vlo pgo plo pcint à intituição médic é lvdo Qundo o vlo pgo plo pcint ultp um dtmind qunti, é mboldo o vlo xcdnt. Cuto d tnpot Qundo o pcint utilizou o co d tnpot ditdo, m co d hopitlizção po mgênci médic ou mudnç d É pgo um qunti d codo com um dtmindo citéio. hopitl po indicção do médico. Cuto d nfmgm Cuto d limntção hopitl Pcint com nfmidd difíci ou dficiê nci gv, qu utilizm tção d nfmi domicili confom indicção do Dp com limntção m co d hopitlizção. Cuto d Qunti quivlnt dp com Qunti pg no pto Cuto d nto domicili vid limntção dp com luz á dunt gu, qundo po gud cim hopitli d 70 no fo hopitlizd p zção ttmnto médico. Qundo po incit no guo fiz um pto. Qundo po incit no guo flc. É mbold qunti pg plo pcint, dcontndo- tx d uo. É pgo qunti copondnt à médi p limntção hopitl, dcontndo- pt qu dv pg plo pcint. impoto d idênci, há um itm d dução d qunti pg plo pcint. É pgo qunti copondnt à médi do cuto d vid dunt o ttmnto, dcontndo- qunti pg P po d bix nd fmíli int do P po d bix nd, fmíli int do impoto d idênci pcint com lt ncidd d hopitlizção ttmnto médico, há um itm d É pgo qunti d yn plo ncimnto d cd cinç (Et qunti vi confom f itu ) É pgo qunti d yn à po qu lizou o nto (Et qunti vi confom pfitu)

5 P infomção dtlhd, vj o HP d Aocição Cntl do Sguo Ncionl d Súd "Kokumin Knko Hokn Chu-o Ki"

TEMA 1 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. Filipa, 12 anos

TEMA 1 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. Filipa, 12 anos 2º/3º ciclo O Ã Ç A T N E M A LIndo d pgunt u u ni u i ct n u Exit co? d d dit, d á l tção, f n ão p t t N n nci li ê f p tnt o p i hábito i g ê t d indic udávl. o ã ç t n d li Filip, 12 no lid 1 EguNntTAÇÃO

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL GESTÃO DE STOCKS. (Modelos Determinísticos)

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL GESTÃO DE STOCKS. (Modelos Determinísticos) INVESTIGAÇÃO OPERAIONAL GESTÃO DE STOKS (Modlos Dtminísticos) António los Mois d Silv Pofsso d I.O 1. Not Pévi Est txto sting-s à sntção d técnics quntittivs ssocids à gstão d stocks ois é diigido lunos

Leia mais

Análises de sistemas no domínio da frequência

Análises de sistemas no domínio da frequência prmno d Engnhri Químic d Prólo UFF iciplin: TEQ0- COTROLE E PROCESSOS náli d im no domínio d frquênci Prof inok Boorg Rpo d Frquênci Cliqu pr dir o ilo do xo mr COCEITO: Coni d um méodo gráfico-nlíico

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão?

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão? Escol Secundái Anselmo de Andde Ciêncis Físico - Químics 8º Ano Ano Lectivo 07/08 ACTIVIDADES: Execícios de plicção Pof. Dulce Godinho 1 ) O que é pessão tmosféic? No S.I. em que uniddes é expess pessão?

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

TECNOLOGIA PETCHANNEL EM. 4K 60P HEVC 20 Mb. Nelson Faria

TECNOLOGIA PETCHANNEL EM. 4K 60P HEVC 20 Mb. Nelson Faria TECNOLOGIA PETCHANNEL EM 4K 60P HEVC 20 Mb Nln Fi TV nlógic cmç dligd m 2015. ADOÇÃO ADOÇÃO DA DA TECNOLOGIA TECNOLOGIA 4K 4K DIAGRAMA DIAGRAMA DE DE UMA UMA INSTALAÇÃO INSTALAÇÃO POR POR IP IP EQUIPAMENTOS

Leia mais

faz toda diferença em sua dieta. Escolha seu prato principal e

faz toda diferença em sua dieta. Escolha seu prato principal e Há i d 10 n, COMABEM - Rfiçõ Ditétic - v tund pciliznd n fncint d fiçõ fc cngld, ppd d ni udávl. Aqui, vcê ncnt vái pçõ c bix t clóic vind duçã d p, lh d qulidd d vid qund ptd d lgu ptlgi, nutnçã d p c

Leia mais

BAGS LIFE BAGS FOR ENTREG

BAGS LIFE BAGS FOR ENTREG , N M DIF QU M 4 c liz v l Id v u c u Y BG LIF BG F bg v w 5 g.c y-b www. IM PDUZ LIZM PN M XP IMDI NG N MN P K Y BG BG IF F L IM PDUZ M IZ L N P M XP DI IM G N N N M P K G b v w 66 D Y BG D L L D LIF

Leia mais

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada SO TS 16949:2002 A uu d pcfcçã écnc E g pná cnc d m d gã d quldd, uu d pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 bdgm d m d quldd umv. A pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 é bd n pncíp d gã d quldd pnd n nm NBR SO 9001:2000:

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

TIPOS DE GRANDEZAS. Grandeza escalar necessita apenas de uma. Grandeza vetorial Além do MÓDULO, ela

TIPOS DE GRANDEZAS. Grandeza escalar necessita apenas de uma. Grandeza vetorial Além do MÓDULO, ela TIPO DE GRANDEZA Gndez escl necessit pens de um infomção p se compeendid. Nesse cso, qundo citmos pens o MÓDULO d gndez (intensidde unidde) el fic definid. Exemplo: tempetu(30ºc), mss(00kg), volume(3400

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

INSTRUÇÕES C C C. o 2 2

INSTRUÇÕES C C C. o 2 2 INTUÇÕ Congresso 2001 -C Congresso 2009 -P Congresso 2002 -C Congresso 1998 - Congresso 2006 - Congresso 2010 -B Congresso 2003 -B Congresso 1999 -P 2013 Congresso 1996 -P Congresso 2004 -J Congresso 2007

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça,

Quem são? Um refugiado é toda pessoa que devido a temores de ser perseguida por motivos de raça, g u f R d Qum ã? Um fugd é td p qu dvd tm d pgud p mtv d ç, lgã, ncnldd, p ptnc dtmnd gup cl p u pnõ plítc, ncnt f d pí d u ncnldd nã p u nã qu c à ptçã d tl pí. Ou qu, ccnd d ncnldd tnd f d pí nd tv u

Leia mais

Notícias de Parcerias

Notícias de Parcerias Pimv 2016 Notícis d Pcis A poi cinçs jovns com ncssidds ductivs spciis os sus pis/pstdos d cuiddos Rcbu o su plno EHC finl ou dclção SEN? Concod com l? Lmb-s qu o su Plno dv s spcífico (clo) quntificdo

Leia mais

Catálogo2012 PRODUTOSEXCLUSIVOS ÍNDICEDEPRODUTOS ACRIL ACRÍLICO AGLO WEB MERADO SHAMMALUZ SHAMMALUZ. Pressione ESC parasair

Catálogo2012 PRODUTOSEXCLUSIVOS ÍNDICEDEPRODUTOS ACRIL ACRÍLICO AGLO WEB MERADO SHAMMALUZ SHAMMALUZ. Pressione ESC parasair Cáogo2012 PRODUTOSEXCLUSIVOS ÍNDICEDEPRODUTOS ACRIL WEB SHAMMALUZ ACRÍLICO AGLO MERADO SHAMMALUZ Pon ESC p ACRÍ LI CO A G L O MERADO SHAMMALUZ ASh mm uz p f ç oou é n n d x u ã oàqu n dops C, um n mop

Leia mais

Atendimento por marcação Atualizado em:

Atendimento por marcação Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL pr rcçã Atulizd : 23-01-2017 O qu é O tn pr rcçã é u rvi qu prit gn d tn di hr prvint finid. C t rvi cidã é tndid n di hr qu i qu à u dipnibili, tr prncr fil pr. O tn pr rcçã p r fit n-lin

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A Eam Final Nacional do Ensino Scundáio Pova Escita d Matmática A 1.º Ano d Escolaidad Dcto-Li n.º 139/01, d 5 d julho Pova 635/1.ª Fas Citéios d Classificação 1 Páginas 014 Pova 635/1.ª F. CC Página 1/

Leia mais

Visão Geral Métodos construtivos Métodos construtivos O Mercado Visão de Negócios Alguns números Principais diferenciais

Visão Geral Métodos construtivos Métodos construtivos O Mercado Visão de Negócios Alguns números Principais diferenciais Shw C TÓPICOS Vã Gl Mé cv Mé cv O Mc Vã Ngóc Alg ú Pcp fc Rl N vç Pc Q fz Vã Gl A ESTRUTURA ECOLÓGICA CONSTRUTORA, g c l é c cçã à v pcpçã q lz écc clógc. Sb p v é pf pívl v, p g cl c fã. N çã ppc c, c

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

FORMULÁRIO DE TEORIA DAS FILAS (QUEUEING THEORY)

FORMULÁRIO DE TEORIA DAS FILAS (QUEUEING THEORY) D i i l i n a : u i a O r a i o n a l I I T o r i a d a f i l a - F o r m u l á r i o S g u n d o m t r d FOMUÁIO DE TEOIA DAS FIAS (QUEUEING THEOY Na notação d ndall uma fila é drita or: A/B/C/Z//m Ou

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

Nível 7ªe 8ªséries (8º e 9º anos) do Ensino Fundamental

Nível 7ªe 8ªséries (8º e 9º anos) do Ensino Fundamental Nível 7ªe 8ªséries (8º e 9º nos) do Ensino Fundmentl 2ªFASE 20 de outubro de 2007 2 Prbéns pelo seu desempenho n 1ª Fse d OBMEP. É com grnde stisfção que contmos gor com su prticipção n 2ª Fse. Desejmos

Leia mais

Operações comuns em transportes

Operações comuns em transportes paçõ cmu m tapt Ex Wk (EXW) : aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a dpdêcia d vdd (igm), m cagamt, ã ã dmbaaçad paa xptaçã. = ic = ut Vdd mpad ai (A): aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a taptad digad

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

91/enloria áo' engenhelro áe csouia!l.janáetra

91/enloria áo' engenhelro áe csouia!l.janáetra &xttlt 91/li á ghl á Si!lJát tjll Czi O t içõ t t Ftz lv á git lõ: I O vi t i é fit i i l t gi t fix :;:ã;"4 l ll 1tlt xit á fi " """" t i t j it z 1 t A gitçã Iti ttt v i á g l vt bt l é itt q gã i fiíi

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios sluçõs Ecícis MTEMÁTI IV LOO 0 nhcimnts lgébics pítul 0 Funçõs Tignmétics 0 p.( p-)( p-b).( p- c), n + b+ c 8+ + p 8 8.0...9..... LOO 0 0 D + D sn cs tg 0 + 0... sn +.,8.,8. sn 0. +,.,8. +, cm. sn 0 0

Leia mais

do o de do Dn pr es i lha n har ac ord ad o... E co 1 0 uma

do o de do Dn pr es i lha n har ac ord ad o... E co 1 0 uma P R O P " E ) A D E DO C L U D L I T T E H A R I O S U MMARIO f ; õ E J ; õ E ; I \ ;; z Df < j ç f:t \ :f P ü Bz }? E CLOTIJ DE J x "? ú J f Lf P DI!; V: z z " I O PA F L ARÉNE S Pz: E:\H P HA RRC : A

Leia mais

Cleber Giorgetti Assessoria e Consultoria. Business & Strategy Marketing & Sales Products & Services Technology & Innovation

Cleber Giorgetti Assessoria e Consultoria. Business & Strategy Marketing & Sales Products & Services Technology & Innovation Cb Gg A C B & Sgy Mkg & S P & Sv Thgy & v Qm Sm N m 2002, mp v x mp çm bjv gó, m m f óg, pb-h m mpv. Apçã hm é gó q vé xpê 20 f, q xm pçõ gã m pçõ m: G Tg, Avy, L Thg, B Lb, AT&T, SD T,. R m p m gó g,

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Chotes. Música na escola: exercício 12

Chotes. Música na escola: exercício 12 Chts Músic n scl: xcíci 12 Chts Aut: Aut scnhci, cnçã flclóic Rgiã: Ri Gn Sul Fix: 12 Anj: Nil Azv Pvt Músics: Cls Rbt Olivi pin Nil Azv Pvt clints sx lt Cnts: lic Alid Pi Guilh Cnciçã Sntn Eily Ryn Buin

Leia mais

MASSAS LUBRIFICANTES DE ALTO RENDIMENTO

MASSAS LUBRIFICANTES DE ALTO RENDIMENTO MASSAS LUBRIFIANTES DE ALTO RENDIMENTO www.cquin.c M ARESENTAÇÃO LUBRIFIAÇÃO ÓTIMA é u nv c d cnitnt d lt ndint cncbid, pinciplnt, p u quini d Ob úblic, nd igênci d u lubificã ficint dudu é fundntl p vit

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Queridos (as) Líderes do Ministério da Criança

APRESENTAÇÃO. Queridos (as) Líderes do Ministério da Criança Quido () Líd do Minitéio d Cinç APRESENTAÇÃO A Adoção Infntil é u onto do Culto Divino ond cinç tê u pcil pticipção p cb o linto piitul fi d int incluíd, vloizd conhcid E onto tbé jud n pndizg, ccinto

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO RECURSOS HUMANOS Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MUNICIPIO DE VARJÃO BALANÇO GERAL DO EXERCÍCIO DE 2014 DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR GRUPOS DE NATUREZA E FONTE

ESTADO DE GOIÁS MUNICIPIO DE VARJÃO BALANÇO GERAL DO EXERCÍCIO DE 2014 DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR GRUPOS DE NATUREZA E FONTE ETDO DE GOIÁ DEMONTRTIVO D DEPE POR GRUPO DE NTUREZ E 1.001 1.002 1.003 1.004 1.005 1.007 1.008 1.010 1.011 120 1.012 1.013 1.014 1.015 EPECIFICÇÃO OBR CONT /MPL /REF PREDIO CMR CONT /MPL /REFORM CENTRO

Leia mais

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% Anxo V 1) Srá purd rlção conform bixo: = Folh d Slários incluídos ncrgos (m 12 mss) Rcit Brut (m 12 mss) 2) Ns hipótss m qu corrspond os intrvlos cntsimis d Tbl V-A, ond < signific mnor qu, > signific

Leia mais

Nível. Ensino Médio. 2ªFASE 20 de outubro de 2007

Nível. Ensino Médio. 2ªFASE 20 de outubro de 2007 Ensino Médio 2ªFASE 20 de outubro de 2007 Nível 3 Prbéns pelo seu desempenho n 1ª Fse d OBMEP. É com grnde stisfção que contmos gor com su prticipção n 2ª Fse. Desejmos que você fç um bo prov e que el

Leia mais

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Módul MOTORES E BUSCA NA NTERNET duç Pqu d ç d gé Pqu d ç B d d Ulzç d d -l F d duç -l @2007 v 1 O qu é? A é d udl d d d ud qu uç l qulqu ud d ud, d lh u C u? Avé d u ju d l (g d uç TCP/P) qu ê gd vg d

Leia mais

HORÁRIO DIA DE PROVA BLOQUEIO. 00h às 16h DETALHE BARRA DA TIJUCA SÃO CONRADO PRAINHA. Ás 08h

HORÁRIO DIA DE PROVA BLOQUEIO. 00h às 16h DETALHE BARRA DA TIJUCA SÃO CONRADO PRAINHA. Ás 08h 1/5 FHMNTOS D VIS POV D U D STD DT DI D POV GO Bi ft OPBN, IPNM,, GÁV, JD, HOTO, LTO D BO VIST, SÃO ONDO, OINH, VIDIGL, B D TIJU, IO, GUTIB JOÁ 00h à 16h LGND DO MP MSULINO THO INTDITDO P O TÁFGO GL Á

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências UNIERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto d Ciências Exatas Biológicas Mstado Pofissional m Ensino d Ciências Slção da pimia tapa d avaliação m Física Instuçõs paa a alização da pova Nst cadno sponda

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013 Txto para Coluna do NRE-POLI na Rvita Contrução Mrcado Pini - Novmbro 2013 Rico do Tomador do Agnt Financiro no Uo do Sitma Pric m rlação ao Sitma SAC no Financiamnto d Imóvi Ridnciai Prof. Dr. Claudio

Leia mais

AQUECEDORES & PRESSURIZADORES. AF114 Catalogo Aquecedores 2014 AB 400x200mm.indd 1 04/06/14 10:32

AQUECEDORES & PRESSURIZADORES. AF114 Catalogo Aquecedores 2014 AB 400x200mm.indd 1 04/06/14 10:32 QUEEDORES & PRESSURIZDORES 2014 F114 lg qud 2014 400x200.indd 1 04/06/14 10:32 Linh Águ Qun Obi. Mi fiin, i unávl. S unávl é uiliz u nui d f i inlign. É iiz uld, duzi dpdíi, g i i fiz. É i qu Linh Águ

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

O EMPREITEIRO. Copatrocínio

O EMPREITEIRO. Copatrocínio KH T M W TÃ G A N F NAL UC Lp D CA -A 1200 ÁT X A JT - / A ã 5 1 0 2 D m 26 A A ç p 27 MW c áb fz h C J F g c h Lb 290/ -116 6 1 0 y 2 w h çã f pc G pc m D x f L ª 4 G c M A Jg q A b é C gh H V V g ã M

Leia mais

TEORIA DOS LIMITES LIMITES. Professor: Alexandre 2. DEFINIÇÃO DE LIMITE

TEORIA DOS LIMITES LIMITES. Professor: Alexandre 2. DEFINIÇÃO DE LIMITE TEORIA DOS LIMITES Professor: Alendre LIMITES. NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE Vmos nlisr o comportmento gráfico d função f ( ) qundo tende pr. ) Primeirmente vmos tender vriável por vlores inferiores, ou sej,

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x.

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x. 6. Primitivs cd. 6. Em cd cso determine primitiv F (x) d função f (x), stisfzendo condição especi- () f (x) = 4p x; F () = f (x) = x + =x ; F () = (c) f (x) = (x + ) ; F () = 6. Determine função f que

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO A Casan 5/09) Diário do Sul/Tubarão - 29/09/2015 2 - Colunista - Arilton Barriros Mídia Imprssa A Ca www.clipagm.com.br 1 Mídia Imprssa Pr Projto d li ncaminha Balnário Piçarras ao tratamnto d sgoto 8/09)

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão Vs o to nh o oho d ão Oá, ss ntd fo ns dos tos fz s gost. Aé d nd dd, obnção d sbos sson té os s xgnts. A t s dfí v s onsg vs fss. Ingdnts: 1 to nh; 3 dúzs d vs; s nt t; d do. Modo d fz: t s tbhos é bs

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE LAPLACE PARA O POTENCIAL DE LIGAÇÃO IÔNICA

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE LAPLACE PARA O POTENCIAL DE LIGAÇÃO IÔNICA SOLUÇÃO D EQUÇÃO DE LPLCE PR O POTENCIL DE LIGÇÃO IÔNIC Bathista,. L. B. S., Ramos, R. J., Noguia, J. S. Dpatamnto d Física - ICET - UFMT, MT, v. Fnando Coa S/N CEP 786-9 Basil, -mail: andlbbs@hotmail.com

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Folhas de Cálculo. O EXCEL como Folha de Cálculo

Folhas de Cálculo. O EXCEL como Folha de Cálculo Flh d Clul O qu é: U Flh d Clul é, dç, u ju d élul qu u glh u bl qu d l- vé d xõ lóg /u O qu : Ogzç ç d bl l d vl; F, í,, qu jud xu lul lx; Auzç d, vé d gç u d ódg d lul u d uld; Rç g d ç; d bl ulzd çõ

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re O dia do benquerer José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re O dia do benquerer José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 2- t O i bq Jé Ri Mi 1 Cpítl D pi q gt t, l té q é b lgl. Algé h q ã? Etã p: ã f l, é q vê ii h tt iç vz? E ã vl fl ft ivái, pi iç lá pi q bl b. Até vê, q tbé t q vlt p. T p big, é

Leia mais

GUARITA / FACHADA GUARITA / PLANTA COBERTURA

GUARITA / FACHADA GUARITA / PLANTA COBERTURA MP i:% MP i:% MP i:.0% ÚLMO ÁO LZ O VO: OMO FÊ L00 PLJMO LVMO O PL00 PLJMO PLJMO XÇÃO O OOL O POJO FLVOPP_Levantamento_ev0..0.0.0.0.0.0.0.00.0.0.0.0.0.0.0 MOLOG FÇÃO X V. OL FO.. PO LHO V G GÇ..0... L

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto:

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: www.engenhrifcil.weely.com Resumo com eercícios resolvidos do ssunto: (I) (II) Teorem Fundmentl do Cálculo Integris Indefinids (I) Teorem Fundmentl do Cálculo Ness postil vmos ordr o Teorem Fundmentl do

Leia mais

log5 log 5 x log 2x log x 2

log5 log 5 x log 2x log x 2 mta unção rítmic. Indiqu o vlor d:.. 6.. 7 49...5..6. 5 ln.7. 9.4. ln.8..9. 46.. 4 4 6 6 8 8. Dtrmin o vlor d... 4 8.. 8.. 8.4. 5.5..9. 5.6. 9.7.,8.8... 6 5 8 4 5..... Rsolv cd um ds quçõs:.... 5.. ln

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Português. 1) Marque como quiser, o pedacinho que começa o nome de cada figura. da pa na ca ma

Português. 1) Marque como quiser, o pedacinho que começa o nome de cada figura. da pa na ca ma Português 1) Marque como quiser, o pedacinho que começa o nome de cada figura. ca pa na ma da do po co no mo mi pi ni di pe de ne me da pa na ca ma 2) Em cada quadro, pinte a palavra que corresponde ao

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Lista de Ferragens e Acessórios PARAFUSO CABEÇA PANELA 3,5x19mm

Lista de Ferragens e Acessórios PARAFUSO CABEÇA PANELA 3,5x19mm Produto ÁI I 0 PT etalhamento - xterno - Peças etalhamento - Interno - Peças 9 0 0 0 0 0 4 5 0 0 0 0 0 0 0 0 09 0 0 0 09 0 7 8 5 06 6 mensões do Produto ltura: 800mm argura: 56mm Profunddade Útl: 46mm

Leia mais

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$ 81,9(56,'$'( )('(5$/ ' 5, '( -$1(,5 &1&856 '( 6(/(d 0$7(0É7,&$ -867,),48( 7'$6 $6 68$6 5(667$6 De um retângulo de 18 cm de lrgur e 48 cm de comprimento form retirdos dois qudrdos de ldos iguis 7 cm, como

Leia mais

Para entender a MP 579

Para entender a MP 579 E X C L U S I VA M E N T E PA R A USO INSTITUCIONAL P ntnd MP 579 Mudnç gultói n concõ d ngi létic Pi Impõ SETEMBRO 2012 E m 11 d tmbo, o Govno P tnto, mdid lid com nov Fdl ditou mdid poviói d concõ vincnd

Leia mais

arctg x y F q E q v B d F d q E q v B se y r sen sen

arctg x y F q E q v B d F d q E q v B se y r sen sen List Gomti Anlític Cálculo Vtoil Pof. D. Cláudio S. Stoi Poduto misto, Plnos ts, Mtis, Dtminnts Sistms Lins, Coodnds cilíndics sféics, Cônics Poduto misto, Plnos ts. Ach qução do plno contndo o ponto P

Leia mais

RT-9003 / RT-9004 / RT-9005 / RT-9006 /RT-9007 / RT-9008 RT-9050

RT-9003 / RT-9004 / RT-9005 / RT-9006 /RT-9007 / RT-9008 RT-9050 MÓDULOS REITRON CÓDIGOS : RT-9003 / RT-9004 / RT-9005 / RT-9006 /RT-9007 / RT-9008 RT-9050 MODELOS RT-9003 RT-9004 RT-9005 RT-9006 RT-9007 RT-9008 RT-9050-1 - ATENÇÃO: O mesmo defeito que causou a queima

Leia mais

Livres (ou suspensa) A) Poligonais (geométrica) Abertas Fechadas Múltiplas. Apoiadas (amarradas) Abertas (não apoiadas) Em anel Amarradas

Livres (ou suspensa) A) Poligonais (geométrica) Abertas Fechadas Múltiplas. Apoiadas (amarradas) Abertas (não apoiadas) Em anel Amarradas ogo Topográfc A ogo Topográfc pod (ou mrrd ão fgur gométrc (poígoo brto ou fchdo d poo o pocomto topográfco, formd por um úmro fto d do, trgdo do ou m poto prvmt coorddo poto d poo, o qu é cohcd um ortção

Leia mais

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002.

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002. PREFEITURA i1 UN ICLPL I)I (;ARRI Prç Mrchl Dodoro d Fonsc s/ny Cntro. CEP: 49.830-0()0 CGC 13 112669/0001-17 * Tlfon (0'x79)354 1240 1 E-Mil: LEI n 45712002 D 29 d bril d 2002. Autoriz o Podr Excutivo

Leia mais

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 )

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n ja m i n C o n s t a n t, c o m o c o s t u m a s e r r e f e r i d o, é c o n s i d e r a d o c o m o o

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

SC101. Decibelímetro integrador classe 1 com protocolos de medição FOI TÃO FÁC. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para:

SC101. Decibelímetro integrador classe 1 com protocolos de medição FOI TÃO FÁC. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para: Dciblímtro intgrador cla 1 com protocolo d mdição Aplicaçõ Dipõ d protocolo d mdição para: Ruído grado por vículo a motor Nívi onoro mitido produzido por atividad vizinhança UÍDO NUNA MEDIR O R IL FOI

Leia mais

Dicas de Restaurante - Porto, Portugal

Dicas de Restaurante - Porto, Portugal Ds d Rstnt - Poto, Potg Poto é m dd, n, hmos, h d t A omd d Poto fo m ss, todos os gs om fom dms. Ms o ntnd, s dds do not d Potg, gstonom é nd ms vozd no stnt do ís. Como não osso f d todos os gs, vo nd

Leia mais

Ferramentas para Usinagens

Ferramentas para Usinagens S Fmt lt F m t l t M í. 43 Máx. 54 R E G U L A G E M Ø 43 - Ø 54 EMS - 92585000142 EDIÇÃO - 01/08 Pjt Gáfic - ROBERTO CAMPOS YNOWA FERRAMENTAS LTDA RUA CLÁUDIA SOARES, Nº 153 - BAIRRO PORTAL DO SOL SÃO

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Uma publicação que é referência no setor

Uma publicação que é referência no setor ublic qu é rfrêci Vlt r rfiii ii frcêuc, viári, c, bitclgi, litíci, quíic fi, quit hitlr, i vi qu cl cti é u xigêci, rvit Cl Cti fc luçõ tclógic r rli brilir. C iibui irigi, ublic g rtt ghri ut, r Quli,

Leia mais

RECEITAS DEMO NSTRATIVO DAS REC EITAS - SETEM BRO 20 15

RECEITAS DEMO NSTRATIVO DAS REC EITAS - SETEM BRO 20 15 DEMO NSTRATIVO DAS REC EITAS - SETEM BRO 20 15 RECEITAS CO NDOM INIO S SÓCIO S PRO PRIETÁRIOS 47.399,75 CO NDOM INIO S CO M PLE ME NTARE S CO NTRIBUIN TE S 2.567,16 CO NDOM ÍNIO S CO M PLE ME NTARE S B

Leia mais

III - GABARITO LISTA SALA

III - GABARITO LISTA SALA cício ião Li Fíic - GBTO LST SL oáic Foç éic, po éico, Ponci, pciânci, on iênci éic Pof. D. áuio S. Soi www.cuio.oi.no.b cu@uo.co.b. cício Soução: ()..5 pf (b).5 pf p.,5 ncon foç qu u cg cooc cono, c u

Leia mais

MECÂNICA VETORES AULA 3 1- INTRODUÇÃO

MECÂNICA VETORES AULA 3 1- INTRODUÇÃO AULA 3 MECÂNICA VETOES - INTODUÇÃO N Físic usmos dois gupos de gndezs: s gndezs escles e s gndezs vetoiis. São escles s gndezs que ficm ccteizds com os seus vloes numéicos e sus espectivs uniddes. São

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

sábado, 5 de março de 2016 Destaque Foto: Leandro Brito Sessão fofura Liz Muniz Casamento Sarah e Luis Henrique

sábado, 5 de março de 2016 Destaque Foto: Leandro Brito Sessão fofura Liz Muniz Casamento Sarah e Luis Henrique Em áb, 5 mç 2016 Dtqu Ft: Ln Bit Sã ffu Liz uniz Cmnt Sh Lui Hniqu OGI GUAÇU, áb, 5 mç 2016 OGI GUAÇU, áb, 5 mç 2016 2 3 Sh LuiHniqu O mnt Sh hi Suz Lui Hniqu Bini Hnói fi liz n i 24 jni. Amig fmili fm

Leia mais