MBA Executivo UFPE FORMATOS E MODELOS DE VAREJO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA Executivo UFPE FORMATOS E MODELOS DE VAREJO"

Transcrição

1 MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 FORMATOS E MODELOS DE VAREJO Fonte: MATTAR, Fauze Najib. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011 Prof. Bosco Torres 1

2 Lojas Classificação do varejo físico Barracas (em ruas, feiras livres, camelódromos) Quiosques (em ruas, shopping centers) Bancas (de jornais/revistas, flores) 2

3 Classificação do varejo sem loja física 1. Venda direta porta a porta Individual (sacoleiras) Representantes de grandes empresas (Avon, Natura) 2. Venda ambulante com carrinho (de doces, pipocas, sorvetes, etc.) 3. Venda em reuniões de vendas (Tupperware) 4. Venda direta por catálogo (catálogo enviado por correio ou propaganda em qualquer meio de comunicação e recebimento de pedidos por correio, telefone, telemarketing (passivo) ou internet. 5. Venda direta por telefone (telemarketing ativo) 6. Venda direta pela Internet (varejo eletrônico) 7. Venda direta por televendas (utilização da televisão para divulgação e recepção de pedidos por telefone e Internet). 3

4 Diferentes tipos/formatos de lojas no setor supermercadista Fonte: Revista ABRAS (2010) 4

5 1. Lojas de departamentos completas de grande porte (acima de m2) Conceito: one stop shopping (local único de compras) Grande variedade de produtos Agregam nível elevado de serviços ao consumidor Estruturadas em bases departamentais: linha dura (eletrodomésticos, eletrônicos, ferramentas e utilidades); e linha mole (confecções, cama, mesa e banho). Sistema de autosserviço e seleção assisstida. Exemplo: Mappin, Mesbla, Sears 5

6 2. Lojas de departamento júnior Lojas de departamento de tamanho menor (de 500 a m2). Linha limitada de produtos Modelo de loja intermediária entre as de departamentos completas e as especializadas. Ex.: C&A, Renner. 6

7 3. Loja de variedades Grande variedade de produtos semiduráveis, de baixo valor monetário e fácil transporte, que podem ser levados pelo próprio consumidor e, no geral, operam no sistema de autosserviços. Os clientes compram poucos itens específicos (como chocolates e cosméticos), geralmente com frequência semanal. Ex.: Lojas Americanas 7

8 4. Lojas especializadas Podem ser lojas pequenas, médias ou grandes; independentes ou redes de lojas. Localizam-se em centros comerciais naturais de rua ou em shopping centers. Possuem grande incidência de franquias. Oferecem atendimento especializado ao consumidor. Apresentam sortimento profundo em uma ou poucas linhas de produtos. Ex.: Livraria Cultura 8

9 5. Category Killer Tipo especializado de loja especializada. Grandes lojas que trabalham com uma linha de produtos com variedade estreita, grande sortimento e preços altamente competitivos. Muitas trabalham em parcerias com fabricantes para obter tratamento diferenciado. Ex.: Kalunga (material de escritório, papelaria). 9

10 6. Cadeias de lojas Médias ou grandes empresas de varejo com inúmeras unidades espalhadas por grandes territórios e até por todo o território nacional. Mantêm controle centralizado. Têm grande poder de compra combinado. Geralmente oferecem pouca flexibilidade quanto à prestação de serviços e promoções. Abrangem uma grande variedade de possibilidades, como cadeia de supermercados, magazines ou lojas especializadas. Ex.: Pão de Açúcar, Magazine Luiza, Casas Bahia. 10

11 7. Supermercados Funcionam com autosserviço. Há ampla variedade de linhas de alimentos e produtos de higiene e limpeza. Caracterizam-se pela apresentação dos produtos de forma acessível e organizada por seções. Trabalham com preços competitivos e utilizam-se da estratégia de altos giros e baixas margens. Podem ser desde pequenas empresas independentes até grandes cadeias de lojas. Ex.: Pão de Açucar. 11

12 8. Superlojas São supermercados de grande porte, que além de trabalharem com linha completa de alimentos e produtos perecíveis, têm várias outras linhas de produtos não-perecíveis, como confecções e utensílios domésticos. Ex. Extra. 12

13 9. Hipermercados São caracterizados por grandes áreas em um mesmo nível, com áreas de vendas acima de 8.000m2. Seguem o conceito one stop shopping. Visam atender a maioria das necessidades de compra. Têm cerca de itens, abrangendo não-duráveis, semiduráveis, duráveis e produtos perecíveis e artigos de higiene, limpeza, esportivos e para o lar, inclusive eletrodomésticos, eletrônicos e vestuários. Ex.: Carrefour e Wal-Mart. 13

14 10. Clubes de compras São lojas que se caracterizam por vender em maiores quantidades aos seus consumidores, geralmente à vista, com concessão limitada de crédito. Não possuem uma estrutura de loja sofisticada e o tamanho médio varia em torno de m2. Possuem sortimento menor (em torno de itens) se comparado aos supermercados. Vendem alimentos, artigos de higiene e limpeza, eletrodomésticos, vestuário e artigos para o lar em embalagens com quantidades maiores. Funcionam como autosserviço, oferecem poucas e básicas opções de serviços. É necessário se associar para comprar. Ex.: Sam s Club 14

15 11. Cooperativas de consumo É uma forma de organização cooperativa com o objetivo de satisfazer às necessidades de consumo dos seus cooperados. Pode ser aberta, onde qualquer pessoa pode se associar, ou fechada, admitindo como cooperados somente as pessoas ligadas a uma mesma empresa, sindicato ou profissão. Sua operação é semelhante à de qualquer outra loja da mesma categoria e o que a diferencia é a propriedade, pois pertence a todos os seus cooperados e as decisões são tomadas em assembleias gerais. Os cooperados pagam taxa para ingressar e taxa annual para permanecer na cooperativa. Podem operar em forma de supermercado, loja de especialidades etc. Os resultados da cooperativa são rateados entre seus cooperados. Ex.: COOP Cooperativa de Consumo 15

16 12. Lojas de conveniência São lojas de porte pequeno (apenas uma pequena fração do tamanho de um supermercado), com área de vendas de, no máximo, 250m2. Geralmente funcionam com autosserviço em local de grande circulação. Precificam acima dos supermercados convencionais. Vendem alimentos e artigos de primeira necessidade. Têm margens elevadas. Grande parte dos itens adquiridos é consumida na própria loja. Ex.: BR Mania; AM/PM. 16

17 13. Lojas de desconto São lojas de ofertas de porte médio que operam com estrutura de custos baixa com linhas variadas de produtos: alimentos, vestuário, brinquedos, CDs, DVDs e artigos para o lar de marcas nacionais tradicionais. O tamanho da loja é menor que 1.000m2, com layout simples, sortimento limitado e poucos serviços agregados. Trabalham com o conceito preço baixo todo dia. Podem ser independentes ou de rede. Ex.: Americanas Express. 17

18 14. Lojas de fábricas São operadas pelos próprios fabricantes para vender seus produtos no varejo. Em muitos casos são utilizadas para a venda de sobras de estoques, produtos descontinuados, devoluções ou com defeitos. A loja localiza-se, geralmente, junto da unidade de produção, distante dos centros, mas com fácil acesso. Mas a tendência é que, cada vez mais, passem a utilizar espaços em centros naturais de compras, em lojas de rua ou em shoppings outlets que agrupam dezenas de lojas desse tipo. Praticamente todas as grifes de confecções têm loja de fábrica. 18

19 15. Lojas de preço único São empresas independentes, de pequeno porte, com lojas com áreas de vendas de 20 a 50m2, no máximo, que podem operar com autosserviço e trabalham com utilidades domésticas, papelaria, presentes e brinquedos. Têm por característica principal vender grande parte dos itens da loja pelo mesmo preço, geralmente de R$ 1,99 ou R$ 2,

20 16. Lojas de comida rápida (fast food) Comercializam refeições padronizadas, de preparo rápido, custos baixos e sem serviço. Podem ou não ser autosserviço. Possuem grande incidência de franquias. A localização é diversificada, mas geralmente as franqueadas localizam-se em praças de alimentação de shopping centers. 20

21 17. Padarias Localizadas em centros naturais de compras ou shoppings de conveniência, com o grande atrativo de produção própria de pães, bolos e doces, além de comercializarem produtos complementares e de conveniência como leite, queijo, margarina, frios para fatiar, bebidas e refrigerantes. Oferecem também serviços de lanchonete e bar com: sanduíches, salgadinhos, café, bebidas e refeições simples. Geralmente são empresas independentes e de pequeno porte, mas já começam a surgir redes, tanto de lojas próprias como de franquias. 21

22 18. Mercearias/Armazéns/empórios São empresas independentes, de pequeno porte, com lojas cuja área varia de 20 a 50m2. Oferecem linha básica de produtos alimentícios. Podem ou não funcionar como autosserviço, com até 2 checkouts. 19. Quitandas São empresas independentes de pequeno porte com lojas com área de vendas de 20 a 50m2. Trabalham exclusivamente com produtos hortifrutigranjeiros como verduras, frutas, legumes e ovos. 22

23 20. Bares/lanchonetes/café São empresas independentes de pequeno porte com lojas com área de vendas de 20 a 50m2. Trabalham com bebidas (alcoólicas e não-alcoólicas). Servem café, lanches e pequenas refeições para consumo no local. Trabalham com linha restrita de produtos de consumo rápido como cigarros, balas, chocolates, doces e guloseimas. Estão licalizados por todas as áreas urbanas e nãourbanas. 23

24 21. Adegas São empresas independentes de pequeno porte com lojas com área de vendas de 20 a 50m2. Trabalham, exclusivamente, com bebidas alcoólicas e não-alcoólicas, como: vinhos, cervejas, refrigerantes, sucos engarrafados etc., para consumo no local. Estão localizadas em áreas urbanas, em centros comerciais naturais ou em ruas de bairros, mas também são encontradas em shopping centers. 24

25 22. Home Centers/Construcenters São grandes lojas de redes funcionando com autosserviço, geralmente localizadas à margem de grandes avenidas ou rodovias com acesso fácil. Comercializam materiais de construção e artigos para o lar. Apesar das quantidades comercializadas, trabalham com margens elevadas. Possuem grandes estacionamentos. Ex.: Ferreira Costa 25

26 23. Autocenters Venda de autopeças e prestação de serviços automotivos. Possuem como principal atrativo a garantia do serviço executado. 24. Shopping Centers São espaços planejados e administrados de forma centralizada que contêm estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços como: lojas de todos os tipos, lanchonetes, restaurantes, bancos, salas de cinema, áreas destinadas a entretenimento e diversões, e amplo estacionamento. 26

MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 V A R E J O

MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 V A R E J O MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 V A R E J O Fonte: MATTAR, Fauze Najib. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011 Prof. Bosco Torres www.boscotorres.com.br

Leia mais

A SEGMENTAÇÃO DO COMÉRCIO VAREJISTA

A SEGMENTAÇÃO DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Março/2000 N o 12 A SEGMENTAÇÃO DO COMÉRCIO VAREJISTA 1 INTRODUÇÃO O comércio varejista pode ser classificado sob diferentes

Leia mais

MBA Executivo UFPE. Disciplina: Ambiente de Negócios. Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS

MBA Executivo UFPE. Disciplina: Ambiente de Negócios. Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 Prof. Bosco Torres SHOPPING CENTERS Fonte: MATTAR, Fauze Najib. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011 Prof. Bosco Torres

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Processo CERSC 1.398 Expediente DS nº 483/07 Origem: Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de

Leia mais

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são:

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são: O que é? São todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente a consumidores finais para seu uso pessoal, e não empresarial. (Philip Kotler) Não importa como os produtos são vendidos

Leia mais

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como:

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: TENDÊNCIAS 1. Globalização Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: Grupo Casino Carrefour Wal-Mart C&A

Leia mais

MBA Executivo UFPE. Disciplina: Ambiente de Negócios. Setembro/2011 GESTÃO DE FRANQUIAS

MBA Executivo UFPE. Disciplina: Ambiente de Negócios. Setembro/2011 GESTÃO DE FRANQUIAS MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 GESTÃO DE FRANQUIAS Fonte: MATTAR, Fauze Najib. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011 Prof. Bosco Torres www.boscotorres.com.br

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF Distribuição Urbana de Food Service Francisco Moura, ABIAF Agenda O Mercado de Food Service e segmentos Como as cadeias de suprimentos estão organizadas EUA e Brasil O Operador Logístico de FS dificuldades,

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura,

Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, Setor produtivo G07 - Gráfica e Edição Visual/ Papel, Papelão e Cortiça. Contém 953505 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0121-1/01 Horticultura, exceto morango 0122-9/00 Cultivo de flores e plantas

Leia mais

Pesquisa sobre oportunidades no fornecimento de produtos do agronegócio no segmento de Refeições Fora do Lar. Especialistas em Pequenos Negócios

Pesquisa sobre oportunidades no fornecimento de produtos do agronegócio no segmento de Refeições Fora do Lar. Especialistas em Pequenos Negócios Pesquisa sobre oportunidades no fornecimento de produtos do agronegócio no segmento de Refeições Fora do Lar Especialistas em Pequenos Negócios 1 Apoio 2 2013 Público de Bares, restaurantes e afins Nível

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Apresentação da Metodologia que definirá os vencedores do Prêmio Carrinho de Ouro 2015.

Apresentação da Metodologia que definirá os vencedores do Prêmio Carrinho de Ouro 2015. Apresentação da Metodologia que definirá os vencedores do Prêmio Carrinho de Ouro 2015. Apresentação O Prêmio Carrinho de Ouro é uma premiação institucional que visa reconhecer o esforço empreendido pelos

Leia mais

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 GCV GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 ABORDAGEM 1. O GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO 2. DIFICULDADE E DORES ATUAIS 3. COMO RESOLVER COM GCV 4. COMO GERIR FRANQUIA COM O GCV

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Estudo Mais Mais A Escolha do Consumidor aponta que em 79% das 94 categorias de produtos pesquisadas houve

Leia mais

Setor de Panificação e Confeitaria

Setor de Panificação e Confeitaria Setor de Panificação e Confeitaria Em 2014 o setor de Panificação e Confeitaria brasileiro cresceu 8,02%e faturou R$ 82,5 bilhões. Desde 2010, o mercado vem registrando uma desaceleração. Setor de Panificação

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I! Como fazer a análise de mercado?! Qual a diferença entre análise de mercado e análise da indústria?!

Leia mais

UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR

UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR FOOD SERVICE UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR I-INTRODUÇÃO AO MERCADO DE FOOD SERVICE INTRODUÇÃO Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

MÍDIA ESPECIALIZADA, DIVULGAÇÃO ACERTADA!

MÍDIA ESPECIALIZADA, DIVULGAÇÃO ACERTADA! MÍDIA ESPECIALIZADA, DIVULGAÇÃO ACERTADA! A HG Casa é uma revista profi ssional e dirigida ao mercado de artigos para casa com ênfase nos segmentos de Eletrodomésticos, Iluminação, Movelaria, Decoração,

Leia mais

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A melhor localização de Águas Claras Surpreenda seus clientes com estilo. No comércio, o ponto é tudo! Na região que vem se consolidando como maior centro comercial de Águas Claras, nasce o Supremo Mall,

Leia mais

ÍNDICE APRAS NIELSEN MAIO DE 2013

ÍNDICE APRAS NIELSEN MAIO DE 2013 ÍNDICE APRAS NIELSEN MAIO DE 2013 ÍndAPRAS-Nielsen 07 de Maio de 2013 ÍNDICE APRAS/NIELSEN ASPECTOS METODOLÓGICOS Metodologia: Scantrack (autosserviços de 5+ cks colaboradores com a Nielsen) O que é Scantrack?

Leia mais

Melhores Práticas do Varejo em Precificação. e Promoção. José Roberto Resende. Shopping Brasil

Melhores Práticas do Varejo em Precificação. e Promoção. José Roberto Resende. Shopping Brasil Melhores Práticas do Varejo em Precificação e Promoção José Roberto Resende Shopping Brasil Julho - 2008 Estratégia de Crediário Participação dos anúncios por prazo de pagamento 100% * Todas as categorias

Leia mais

TABELA II SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA TAXAS

TABELA II SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA TAXAS Lei nº 5.655/91 TABELA II SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA TAXAS DISCRIMINAÇÃO DE INCIDÊNCIA Divisão de Controle da Qualidade dos Alimentos - D.C.Q.A. 1 Estabelecimentos que lidam com gêneros alimentícios

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

As Origens do Comércio Moderno Armazéns Gerais

As Origens do Comércio Moderno Armazéns Gerais As Origens do Comércio Moderno O comercio envolve a troca de bens e serviços por dinheiro. Algumas vezes, a transação se faz sem a interveniência do dinheiro, ou seja, troca-se uma mercadoria ou serviço

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA INTRODUÇÃO CONCEITUAÇÃO GERAL. Vendas de produtos não-alimentícios: Varejo de alimentos - auto-serviço e tradicionais: Julho/96

COMÉRCIO VAREJISTA INTRODUÇÃO CONCEITUAÇÃO GERAL. Vendas de produtos não-alimentícios: Varejo de alimentos - auto-serviço e tradicionais: Julho/96 COMÉRCIO VAREJISTA Julho/96 INTRODUÇÃO Recentemente o BNDES ampliou a oferta de linhas de financiamento ao setor de comércio e serviços. Este caderno dá continuidade ao trabalho de pesquisa e registro

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Dezembro/98 N o 20 DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA O comércio é a ponta da cadeia produtiva e é o primeiro

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Shopping Bela Vista EM SALVADOR, A MODA E O LAZER TEM UM LUGAR ÚNICO. SIMPLESMENTE ÚNICO. 200 lojas, incluindo as maiores âncoras do Brasil.

Shopping Bela Vista EM SALVADOR, A MODA E O LAZER TEM UM LUGAR ÚNICO. SIMPLESMENTE ÚNICO. 200 lojas, incluindo as maiores âncoras do Brasil. Shopping Bela Vista EM SALVADOR, A MODA E O LAZER TEM UM LUGAR ÚNICO. SIMPLESMENTE ÚNICO. 200 lojas, incluindo as maiores âncoras do Brasil. 9 salas de cinema da Rede Cinépolis, com o primeiro cinema 4D

Leia mais

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014*

RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* RESOLUÇÃO SMAC nº 577 de 02 de dezembro de 2014* Estabelece parâmetros para o Licenciamento Ambiental das atividades de comércio atacadista e de confecção e fabricação de produtos têxteis. O SECRETÁRIO

Leia mais

PLANO DE MIX PLANO DE MIX

PLANO DE MIX PLANO DE MIX PLANO DE MIX PLANO DE MIX 1 Associação Brasileira de Shopping Centers Rua Samuel Morse, 74 6º. Andar São Paulo SP Tel: 11 36-83 www.portaldoshopping.com.br 1 INTRODUÇÃO A publicação do PLANO DE MIX é um

Leia mais

Conheça a nossa história

Conheça a nossa história 9 Conheça a nossa história É uma empresa goiana, formada por uma equipe que trabalha a mais de 8 anos com a comercialização de alimentos saudáveis no estado de Goiás, oferecendo sanduíches naturais e o

Leia mais

Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010

Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010 Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010 As empresas de Panificação e Confeitaria brasileira confirmam o momento de evolução pelo qual passam nos últimos anos. Em 2010, o índice

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Janeiro 2006

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Janeiro 2006 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Janeiro 2006 Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2006 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS JANEIRO DE 2006 ÍNDICE NACIONAL

Leia mais

Best Franchises. Feira das Melhores Franquias. 23, 24, e 25 de outubro de 2014 Shopping Iguatemi Ribeirão Preto - SP

Best Franchises. Feira das Melhores Franquias. 23, 24, e 25 de outubro de 2014 Shopping Iguatemi Ribeirão Preto - SP Best Franchises Feira das Melhores Franquias 23, 24, e 25 de outubro de 2014 Shopping Iguatemi Ribeirão Preto - SP Ribeirão Preto possui uma vocação inequívoca para o desenvolvimento do turismo de eventos.

Leia mais

Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades

Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades SuperHiper é a publicação oficial do setor, pertence à Abras e este ano completa 35 anos Leitores: supermercadistas de todos os portes, fornecedores, órgãos governamentais, universidades Representa o setor

Leia mais

WWW.INFINIT-MAGIC.COM

WWW.INFINIT-MAGIC.COM Para conhecer de perto as opções deste catálogo, assim como toda a linha de Displays Infinit Magic, entre no site ou consulte um representante de sua cidade. São infinitos modelos à sua disposição, agende

Leia mais

A Tok Take Alimentação Ltda é uma empresa do ramo de YHQGLQJ PDFKLQHV, fundada em 08 de agosto de 1995 na cidade de São Paulo, e que hoje

A Tok Take Alimentação Ltda é uma empresa do ramo de YHQGLQJ PDFKLQHV, fundada em 08 de agosto de 1995 na cidade de São Paulo, e que hoje 'HVFULomRGRSUREOHPD 6REUHDHPSUHVD A Tok Take Alimentação Ltda é uma empresa do ramo de YHQGLQJ PDFKLQHV, fundada em 08 de agosto de 1995 na cidade de São Paulo, e que hoje possui 8 unidades espalhadas

Leia mais

Artigo 10 Como montar uma Loja de Conveniência

Artigo 10 Como montar uma Loja de Conveniência Artigo 10 Como montar uma Loja de Conveniência A principal lei do capitalismo é: quanto mais se precisa, mais se vende e mais caro o produto chegará na mão do consumidor. Ou seja: a simples lei da oferta

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39 p e r a T e x t o a l e s s a n d r a m o r i t a a l e s s a n d r a. m o r i t a @ s m. c o m. b r divulgaçãoo v t Lojas localizadas perto da casa do consumidor e que praticam preços difíceis de copiar.

Leia mais

Características Gerais do Varejo no Brasil

Características Gerais do Varejo no Brasil Características Gerais do Varejo no Brasil ANGELA MARIA MEDEIROS M. SANTOS CLÁUDIA SOARES COSTA* Resumo No setor varejista observa-se a reestruturação de empresas de vários segmentos, tendo por objetivo

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 POPULAÇÃO... 3 4 COLETA DE DADOS... 3 5 RESULTADOS... 4 Ilustração 1 -

Leia mais

SAP Customer Success Story Alimentício Jerivá. SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação

SAP Customer Success Story Alimentício Jerivá. SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação Geral Executiva Nome da Jerivá Indústria Alimentício Produtos e Serviços Produção, industrialização e comercialização de

Leia mais

O setor supermercadista e o compromisso com a qualidade das frutas e verduras. ABRAS Associação Brasileira de Supermercados

O setor supermercadista e o compromisso com a qualidade das frutas e verduras. ABRAS Associação Brasileira de Supermercados O setor supermercadista e o compromisso com a qualidade das frutas e verduras ABRAS Associação Brasileira de Supermercados ABRAS Entidade civil sem fins lucrativos, criada em 1971 Missão Representar,

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

Dinheiro e Pagamentos Eletrônicos:

Dinheiro e Pagamentos Eletrônicos: Dinheiro e Pagamentos Eletrônicos: a Visão dos Comerciantes Brasileiros Ernesto Guedes Sócio Sênior & Diretor Fernando Botelho Coordenador do Projeto 2015 Brasil Existem 17 milhões de estabelecimentos

Leia mais

COMPETITIVIDADE: DESENVOLVIMENTO PRÓXIMOS ANOS? COMO SERÁ O DO SEU NEGÓCIO NOS. Sussumu Honda

COMPETITIVIDADE: DESENVOLVIMENTO PRÓXIMOS ANOS? COMO SERÁ O DO SEU NEGÓCIO NOS. Sussumu Honda REFLEXÕES SOBRE A COMPETITIVIDADE: COMO SERÁ O DESENVOLVIMENTO DO SEU NEGÓCIO NOS PRÓXIMOS ANOS? Sussumu Honda 2013: O MUNDO Perspectivas Globais RECUPERAÇÃO GRADATIVA COM GRANDES MUDANÇAS Perspectivas

Leia mais

julho 2011 www.sm.com.br

julho 2011 www.sm.com.br www.sm.com.br Uma publicação do Grupo Lund ano 42 nº 7 julho 2011 DOIS (BONS) PROGRAMAS DE FIDELIDADE COMO DECIDIR O MELHOR NÍVEL DE ESTOQUE MÍDIA DIGITAL A TV QUE FAZ DINHEIRO UNILEVER DEFINE MIX DE 80

Leia mais

Rua do Oratório, 1606 - Conjunto 607, Edifício San Franscisco Bussines Tower São Paulo SP / CEP 03116-000 Fone: 55(11) 2021-3363 / 2021-3383 /

Rua do Oratório, 1606 - Conjunto 607, Edifício San Franscisco Bussines Tower São Paulo SP / CEP 03116-000 Fone: 55(11) 2021-3363 / 2021-3383 / Rua do Oratório, 1606 - Conjunto 607, Edifício San Franscisco Bussines Tower São Paulo SP / CEP 03116-000 Fone: 55(11) 2021-3363 / 2021-3383 / 2021-9093 Sumário Sumário... pag.02 MS Unidade Móvel... pag.03

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

ANÁLISE DA DEMANDA DE TRANSPORTE DE CARGA RELACIONADA ÀS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SHOPPING-CENTERS E SUPERMERCADOS

ANÁLISE DA DEMANDA DE TRANSPORTE DE CARGA RELACIONADA ÀS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SHOPPING-CENTERS E SUPERMERCADOS ANÁLISE DA DEMANDA DE TRANSPORTE DE CARGA RELACIONADA ÀS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE SHOPPING-CENTERS E SUPERMERCADOS A. Gasparini; V.B.G.Campos, M.A. D Agosto RESUMO Neste trabalho buscou-se, através de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0015, DE 13 DE AGOSTO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0015, DE 13 DE AGOSTO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0015, DE 13 DE AGOSTO DE 2012 Publicada no DOE(Pa) de 14.08.12. Vide IN 16/12, que trata do registro eletrônico de documentos fiscais. Alterada pelas IN 17/12, 03/14, 23/14. Vide

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Maio 2015

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Maio 2015 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Maio 2015 Rio de Janeiro, 10 de junho de 2015 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Maio 2015 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO

Leia mais

Food Service. como restaurante, rotisserie, comprada no local ou entregue em casa.

Food Service. como restaurante, rotisserie, comprada no local ou entregue em casa. Food Service Food Service é o mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, insumos, equipamentos e serviços, orientado a atender os estabelecimentos que preparam e fornecem

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados Associação Brasileira de Supermercados Nº38 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Março de 2014 Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Evolução do Índice de

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 GCV GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 ABORDAGEM 1. O GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO 2. DIFICULDADE E DORES ATUAIS 3. COMO RESOLVER COM GCV 4. COMO GERIR FRANQUIA COM O GCV

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ANEXO 96 ATIVIDADES COM FORMA DE PAGAMENTO EM FUNÇÃO DA RECEITA BRUTA (a que se refere o 1º do art. 118)

ANEXO 96 ATIVIDADES COM FORMA DE PAGAMENTO EM FUNÇÃO DA RECEITA BRUTA (a que se refere o 1º do art. 118) ANEXO 96 ATIVIDADES COM FORMA DE PAGAMENTO EM FUNÇÃO DA RECEITA BRUTA (a que se refere o 1º do art. 118) Nota: A redação atual do Anexo 96 foi dada pela Alteração nº 84 (Decreto nº 10.223, de 02/02/07,

Leia mais

ANEXO IX TABELA DE RECEITA Nº IX VIGILÂNCIA SANITÁRIA. ATACADISTA DE ALIMENTOS / FABRICAS E INDUSTRIA DE ALIMENTOS Atividades.

ANEXO IX TABELA DE RECEITA Nº IX VIGILÂNCIA SANITÁRIA. ATACADISTA DE ALIMENTOS / FABRICAS E INDUSTRIA DE ALIMENTOS Atividades. ANEXO IX TABELA DE RECEITA Nº IX VIGILÂNCIA SANITÁRIA ATACADISTA DE ALIMENTOS / FABRICAS E INDUSTRIA DE ALIMENTOS Armazém Distribuidora de Água e Alimentos (Atacadista) Distribuidora e Deposito de Bebidas

Leia mais

ENTREGAS SEGMENTADAS

ENTREGAS SEGMENTADAS ENTREGAS SEGMENTADAS No Jornal A TARDE, o anunciante pode segmentar a sua comunicação direcionando sua mensagem para um público específico; Possibilidade de escolher características e o perfil de assinantes

Leia mais

O Mercado e o Shopper Masculino Men's Beauty Show. Abril de 2011

O Mercado e o Shopper Masculino Men's Beauty Show. Abril de 2011 O Mercado e o Shopper Masculino Men's Beauty Show Abril de 2011 Agenda Revisão da Indústria e Cestas Tendências Macro econômicas e Cestas de Consumo Cesta Foco e mercado Masculino Mercado Masculino Nível

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Receita do Estado

Estado do Paraná Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Receita do Estado RESOLUÇÃO SEFA Nº 145/2015 Publicada no DOE 9428 de 09.04.2015 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, com fundamento nos Ajustes SINIEF 1/2013, 22/2013 e 5/2014; no inciso XIV do art. 45 da Lei n. 8.485, de

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional A Multipel é uma empresa especializada na fabricação de Embalagens de Papel Kraft, voltada para o segmento ecologicamente correto. Somos uma Indústria Brasileira com sede na

Leia mais

Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br

Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Qual é o seu Negócio? Hoje em dia existe um excesso de: empresas similares, empregando pessoas similares, que tiveram educações similares, exercendo funções

Leia mais

Presença de cigarros nos PDVs. Maio 2010

Presença de cigarros nos PDVs. Maio 2010 Presença de cigarros nos PDVs Maio 2010 Índice 2 2 Objetivo e Metodologia Perfil do estabelecimento (entrevista pessoal) Exposição dos cigarros e presença de produtos associados ao cigarro (observação)

Leia mais

Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos

Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos Criada em 2010, a Odebrecht TransPort Participações S.A.

Leia mais

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira Artigo 16 Como montar uma Cafeteira O consumo de café é um hábito entre os brasileiros, seja em casa, no trabalho ou na rua. Esse hábito vem crescendo e se modificando também. O interesse pelos cafés finos

Leia mais

Master File CARTILHA MASTER FILE

Master File CARTILHA MASTER FILE CARTILHA MASTER FILE 1 - Master File O Master File é um arquivo de cadastros de itens, subcategorias, categorias, grupos e departamentos que foi criado e desenvolvido pela divisão de lojas e franquias

Leia mais

PESQUISA DE POTENCIAL DE COMPRAS PARA O NATAL

PESQUISA DE POTENCIAL DE COMPRAS PARA O NATAL PESQUISA DE POTENCIAL DE COMPRAS PARA O NATAL Macapá-AP, Dezembro de 2014 RESULTADOS DA PESQUISA O Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio do Estado do Amapá (IPDC), ligado a Fecomércio Amapá,

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Perfil do Franqueado. Procuramos empreendedores com o seguinte perfil: Experiência em varejo ou rede de negócio.

Perfil do Franqueado. Procuramos empreendedores com o seguinte perfil: Experiência em varejo ou rede de negócio. F R A N Q U I A Benefícios do Modelo Uma das marcas mais fortes e reconhecidas do país. A marca faz parte de um conglomerado que se consolida como um dos maiores do país (Alpargatas - Grupo Camargo Corrêa).

Leia mais

Processos e Melhores Práticas em FLV

Processos e Melhores Práticas em FLV Processos e Melhores Práticas em FLV Comitê ABRAS de Prevenção de Perdas André Lucena Natural da Terra Alimentos No quê consiste esta iniciativa? Orientados à Prevenção de Perdas A Abras em conjunto com

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

Fundamentos e formatos do atacado e varejo

Fundamentos e formatos do atacado e varejo Fundamentos e formatos do atacado e varejo Introdução As atividades do varejo e do atacado assumiram grande importância no cenário econômico brasileiro e mundial nas últimas décadas. Diariamente milhões

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden utility house in domus eletro house in light linea domus supri shop outdoor living & garden FEIRA PROFISSIONAL Reunir em um mesmo local e momento investidores e mercado-alvo, formando um ambiente de negócios

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2013

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2013 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2013 Rio de Janeiro, 10 de janeiro de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Dezembro 2013 1. No mês 1.1 - ÍNDICE

Leia mais

promoções Estratégias diferenciadas na rotisseria despertam o apetite do consumidor e incrementam a receita dos supermercados

promoções Estratégias diferenciadas na rotisseria despertam o apetite do consumidor e incrementam a receita dos supermercados Cardápio de promoções Estratégias diferenciadas na rotisseria despertam o apetite do consumidor e incrementam a receita dos supermercados POR DENISE TURCO Comida de restaurante no supermercado. É com apetite

Leia mais

SUPER E HIPER MERCADOS: UMA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE AUTO-SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG.

SUPER E HIPER MERCADOS: UMA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE AUTO-SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG. SUPER E HIPER MERCADOS: UMA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE AUTO-SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG. 5 - Dinámica urbana RESENDE, Thalita Mendes 1 thalitamresende@yahoo.com.br Introdução PACHECO,

Leia mais

O Super Nosso surgiu em novembro de 1998 com a primeira loja no bairro Buritis, conta hoje com 11 lojas, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O Super Nosso surgiu em novembro de 1998 com a primeira loja no bairro Buritis, conta hoje com 11 lojas, na região metropolitana de Belo Horizonte. O GRUPO ALIANÇA tem como visão, ser o melhor distribuidor de produtos de consumo industrializados de Minas Gerais, no canal alimentar e nos diferentes segmentos que atua. NOMES FANTASIAS: Previsão de faturamento

Leia mais

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO 1-A: BAIXA COMPLEXIDADE 1 - ALIMENTOS COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Açougues, comércio de frios,comércios de pescados; Depósitos de alimentos, bombonièries, cafés, depósitos de bebidas, depósitos

Leia mais

Pinheiro Supermercado O Bom Vizinho

Pinheiro Supermercado O Bom Vizinho 1 2 3 Pinheiro Supermercado O Bom Vizinho PIB do Ceará 2% R$ 56.939 bilhões PIB do Brasil R$ 2.889.719 trilhões No Ceará o crescimento foi acima da média com taxa de 6,5% gerando um valor de R$ 56,93 bilhões

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais