FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO"

Transcrição

1 FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO RONNIE PIMENTEL POLÍTICA COMERCIAL UNIDADE DE COMÉRCIO EXTERIOR Rio de Janeiro

2 SUMÁRIO 1. O ACORDO DE FACILITAÇÃO DE COMÉRCIO 2. O BRASIL E A FACILITAÇÃO DE COMÉRCIO 3. AS BARREIRAS ADUANEIRAS NAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES EQUIVALENTES TARIFÁRIOS 4. IMPACTOS ECONÔMICOS DO PORTAL ÚNICO 5. CONCLUSÕES

3 1. O ACORDO DE FACILITAÇÃO DE COMÉRCIO

4 O QUE É FACILITAÇÃO DE COMÉRCIO PROCEDIMENTOS COMERCIAIS Celebrar contrato Realizar pedido do bem Pagamento do bem PROCEDIMENTOS REGULATÓRIOS Obtenção de licenças Declaração da aduana Declaração de carga Aplicação de procedimentos de segurança para a carga Despacho e liberação do bem 4 PROCEDIMENTOS DE TRANSPORTE Contrato de transporte Transporte e entrega dos bens Providências de embarque e documentos de transporte PROCEDIMENTOS FINANCEIROS Análise de crédito Providência de seguro Providência do crédito Pagamento Acordo de Facilitação de Comércio da OMC foca em: Simplificação de procedimentos comerciais Atividades, práticas e formalidades Apresentação, coleta, comunicação e processamento de dados Movimentação de bens no comércio internacional Abrange a aduana, o transporte e o trânsito

5 O Acordo de Facilitação do Comércio Antecedentes Tema de discussão na OMC desde Singapura Após vários anos de trabalhos exploratórios e analíticos sobre a simplificação dos procedimentos comerciais, lançam oficialmente negociações sobre facilitação do comércio em julho de 2004 Centenas de propostas, individualmente ou em grupos ou alianças, foram submetidas à consideração do Grupo de Negociação Depois de meticulosas revisões, o texto final do Acordo de Facilitação do Comércio foi finalmente acatado pelos Membros na Conferência Ministerial de Bali, em Dezembro de 2013 Contém disposições para acelerar o movimento, liberação e desembaraço de mercadorias, incluindo mercadorias em trânsito

6 O Acordo de Facilitação do Comércio Lista de Ratificações 17 Ratificações de um total de 161 Países Membros Atualização em 22Set2015: Austrália Belize Botsuana China Hong Kong Japão Coreia Malásia Maurícius Nicarágua Nigéria Singapura Suíça Taipei Trinidad Tobago USA Liechtenstein

7 O Acordo de Facilitação do Comércio Composição Estabelece medidas para uma cooperação eficaz entre as alfândegas e outras autoridades competentes em matéria de facilitação do comércio e questões de conformidade aduaneira

8 O Acordo de Facilitação do Comércio Composição Contém disposições fornecendo flexibilidade para os países menos desenvolvidos na implementação do acordo CATEGORIA A Disposições a serem implementadas na entrada em vigor ou até após um ano PMD CATEGORIA B Disposições a serem implementadas depois de um período de transição após a entrada em vigor do Acordo CATEGORIA C Disposições a serem implementadas em uma data posterior ao período de transição e que exige m assistência e apoio para a capacitação

9 O Acordo de Facilitação do Comércio Composição Disposições finais e arranjos institucionais, tais como, a criação de comitês nacionais de facilitação do comércio

10 2. O BRASIL E A FACILITAÇÃO DE COMÉRCIO

11 COMO ESTÁ BRASIL EM FACILIDADE DE COMÉRCIO 124 entre 189 economias Ranking Doing Business de tempo e custo para comercializar Exportação Importação País Ranking Documentos Dias Custo por container Documentos Dias Custo por container Coreia do Sul Malásia Alemanha Chile México África do Sul Brasil Média OCDE Fonte: Banco Mundial

12 PRINCIPAIS ENTRAVES ÀS EXPORTAÇÕES NO BRASIL Taxa de câmbio Burocracia alfandegária / aduaneira Burocracia tributária Greves na movimentação e liberação de cargas Frete internacional Tributos e ressarcimento de créditos Adequação de produtos e processos Barreiras tarifárias Operações portuárias e/ou aeroportuárias Acesso ao financiamento das exportações Financiamento da produção Barreiras técnicas ao produto Transporte interno Serviços de promoção das exportações Exigências no canal de comercialização Seguro de crédito Manuseio e armazenagem fora do porto/aerop. Outros Fonte: Pesquisa CNI. O problema das empresas exportadoras ,3 44,4 28,3 27,2 23,0 20,4 18,5 18,4 17,6 15,9 12,9 12,9 12,0 9,7 Pesquisa CNI (2013): 9,0 Mais de 600 empresas 5,4 3,6 8,4

13 PROCESSOS ADUANEIRO MAIS BUROCRÁTICOS NO BRASIL Liberação de cargas/desembaraço aduaneiro Pagamento de honorários e taxas aduaneiras Processamento de documentos e parametrização Inspeção aduaneira de mercadoriais 38,9 38,5 34,7 58,9 Inspeção física de mercadorias Obtenção de anuencia pelos órgãos competentes Obtenção de certificados fitossanitários 13,3 27,4 25,6 Outro 2,0 Fonte: Pesquisa CNI. O problema das empresas exportadoras 2013.

14 BRASIL REDUZIU SUA PARTICIPAÇÃO EM TERMOS GLOBAIS 1,7 Participação do Brasil nas Exportações Globais 1, % 1,6 1,55 1,5 1.51% 1,45 1,

15 NOTIFICAÇÕES DE BARREIRAS ÀS EXPORTAÇÕES DO BRASIL NA OMC Notificações de barreiras não tarifárias do Brasil na OMC Principais setores afetados: Produtos de madeira, automóveis, linha branca, farmacêuticos, produtos têxteis, produtos de alumínio. Principais problemas relatados: Atraso na inspeção de mercadorias, excesso de documentação, imposição arbitrária de multas e penalidades, tempo excessivo para liberação da mercadoria. Facilitação 33% Outros 18% Barreiras técnicas e sanitárias 49% Fonte: OMC

16 3. AS BARREIRAS ADUANEIRAS NAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES EQUIVALENTES TARIFÁRIOS

17 DESAFIOS PARA AMPLIAR A PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Tarifas: Ainda que relativamente acima da média para países em desenvolvimento, não parece ter impacto relevante a ponto de colocar o Brasil na última posição, entre 133 economias, em um ranking internacional de participação no comércio internacional Desvantagem Geográfica: Brasil está distante das grandes correntes do comércio internacional, o que encarece sobremaneira seu custo de transporte marítimo Custos de transação: Neste cenário, as minimização dos custos de transação no Brasil, em particular os custos portuários e aduaneiros em geral, ganham importância estratégica fundamental

18 O QUE É EXATAMENTE O CUSTO DO TEMPO? São custos adicionais, relativos a aumento de estoques e depreciação econômica, causados por longos atrasos na entrega de mercadorias... Custos de estoques incluem tanto o custo de capital das mercadorias enquanto em trânsito, assim como a necessidade de firmas trabalharem com estoques maiores, a fim de acomodar os atrasos de suas importações... Depreciação econômica devido a atrasos inclui tanto a depreciação física de produtos (ex: frutas e verduras) como a obsolescência tecnológica de equipamentos (ex: smartphones e eletroeletrônicos em geral, entre outros...) Fonte: OECD (2014) Quanto maior o atraso de entrega, menor a predisposição a pagar por um dado volume consumido David Hummels

19 FACILITAÇÃO DE COMÉRCIO AJUDARÁ A REDUZIR CUSTOS DIRETOS E INDIRETOS 1 CUSTOS DIRETOS Encargos Taxas 2 CUSTOS INDIRETOS Atrasos na aduana (processo de despacho e liberação) Procedimentos ineficientes A importância do tempo no comércio exterior: - Comércio via aéreo cresceu 2,6 vezes mais que o comércio marítimo - 1 dia de atraso pode significar 1% a menos de exportação para um país - Custo de atraso aduaneiro varia entre 1 até 30% do valor da mercadoria

20 ATRASOS ADUANEIROS GERAM UMA TARIFA DE MAIS DE 13% NAS EXPORTAÇÕES DO BRASIL Equivalentes tarifários dos atrasos aduaneiros Exportação (2013) 17,70% 15,64% 14,29% 13,04% 11,63% 11,30% 10,97% 9,14% 7,45% 7,17% 5,05% Rússia China África do Sul Brasil Argentina México Índia Japão Alemanha Coréia do Sul EUA Fonte: Elaboracão Própria, com base nos dados de Hummels et al (2013), WITS (2013) e Doing Business (2013)

21 ATRASO ADUANEIRO EQUIVALE À QUASE O DOBRO DA TARIFA DE IMPORTAÇÃO Ad Valorem equivalente dos Atrasos x Tarifas de Importação (2013) 33,70% 21,00% 14,20% 6,20% 7,50% 7,80% 10,10% 1,70% 6,20% 5,70% 4,20% 1,30% 1,50% 0,60% Argentina Russia Brasil México Alemanha Japão EUA EA Atrasos Tarifas de Importação Fonte: FGV e CNI

22 CUSTO É MAIS RELEVANTE PARA A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO Ad Valorem equivalente dos Atrasos x Tarifas de Importação (2013) Fonte: FGV e CNI

23 4. IMPACTOS ECONÔMICOS DO PORTAL ÚNICO

24 (%) ATÉ 2017, ATÉ 1,2% DO CRESCIMENTO DO PIB PODE ADVIR DA IMPLEMENTAÇÃO DO PORTAL ÚNICO 3 2,5 Crescimento do PIB em relação ao Cenário Base (%) 2,5% 2 1,5 1 1,2% 0, ,5 Anos EUA BRASIL UE_28 ARGENTINA CHINA RM Fonte: CNI

25 (%) CRESCIMENTO DA CORRENTE DE COMÉRCIO LIGADA AO CRESCIMENTO DA FBKF Crescimento dos investimentos em relação ao Cenário Base (%) ,5% Título do Eixo EUA BRASIL UE28 ARGENTINA CHINA RM Fonte: FGV e CNI

26 ATÉ US$ 23 BILHÕES EM REDUÇÃO DE CUSTOS Economia de custos em US$ bilhões/ano 22,8 23,5 24,1 24,8 25,5 26,3 27,1 27,9 28,7 29,6 30,5 31,4 32, Fonte: FGV e CNI

27 EXPORTAÇÕES PODEM CRESCER MAIS DE 10% ATÉ A IMPLANTAÇÃO FINAL DO PORTAL ÚNICO Impacto do Portal Único: Evolução das exportações em relação ao cenário base ,5% 10,3% Agricultura Extrativa Ind. Tranformação Serviços Fonte: FGV e CNI

28 QUASE US$ 40 BILHÕES EM AUMENTO DE CORRENTE DE COMÉRCIO Ganhos corrente de comércio da indústria de transformação Fonte: FGV

29 NO LONGO PRAZO, MELHORA NO SALDO DA BALANÇA DE MANUFATURADOS Ganhos adicionais no saldo da balança comercial da indústria de transformação Fonte: FGV

30 IMPACTOS DE CUMPRIMENTO SOBRE O ACORDO DE FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO Uma vez implantado, Programa Portal Único de Comércio Exterior deve gerar externalidades sobre vários dos artigos previstos no Arcordo de Bali, com forte viés para a redução dos atrasos portuários 1. Informações Disponibilidade 2. Envolvimento da comunidade de comércio 3. Decisões antecipadas 4. Taxas e Encargos 5. Processos de recurso 6. Formalidades e documentos 7. Formalidades e Automação 8. Formalidades e procedimentos 9. Border Cooperation Agency - interna 10. Border Cooperation Agency - externo 11. Governança e Imparcialidade

31 5. CONCLUSÕES

32 CONCLUSÕES Implementação do Portal Único pode trazer ganhos de até US$ 70 bilhões Estudo traz resultados contundentes sobre a melhoria do desempenho comercial do Brasil A redução de custos pode gerar mudanças importantes em favor de uma pauta mais industrializada

33 OBRIGADO Ronnie Pimentel Unidade de Comércio Exterior

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:50737-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010. Análise CEPLAN Recife, 26 de janeiro de 2010. Temas que serão discutidos na Análise Ceplan A conjuntura econômica título em mestre 2010 e perspectivas para 2011 (Brasil, Nordeste, Estados); Informe especial

Leia mais

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas

Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Robert John van Dijk Diretor Superintendente Administração de recursos de terceiros no Brasil e no mundo: evolução e perspectivas Agosto de 2008 Agenda - Administração de recursos de terceiros: no Brasil

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

HISTÓRICO DO AMBIENTALISMO

HISTÓRICO DO AMBIENTALISMO HISTÓRICO DO AMBIENTALISMO São vários os eventos relacionados ao meio ambiente, podendo destacar os principais: 1925 Protocolo de Genebra Proibição do emprego na Guerra de gases asfixiantes, tóxicos ou

Leia mais

2012: EXPECTATIVAS PARA UM

2012: EXPECTATIVAS PARA UM - Departamento de Competitividade e Tecnologia 2012: EXPECTATIVAS PARA UM ANO DE CRISE ECONÔMICA MUNDIAL José Ricardo Roriz Coelho Abril de 2012 1. A crise econômica dos países desenvolvidos e consequências

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

MENSAGEM N o 344, DE 2015

MENSAGEM N o 344, DE 2015 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 344, DE 2015 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Protocolo de Emenda ao Acordo Constitutivo da Organização Mundial

Leia mais

Jose Lopes Vazquez. Comercio. Exterior. Brasileiro. 11- Edigäo

Jose Lopes Vazquez. Comercio. Exterior. Brasileiro. 11- Edigäo Jose Lopes Vazquez Comercio Exterior Brasileiro 11- Edigäo SÄO PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 Sumärio Prefacio ä 5 ä edi$äo, xiii Prefdcio ä 2 a edigäo, xv Introdugäo, 1 1 COMERCIO EXTERIOR, 3 1.1 Cenärio

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO DRAWBACK 1. CONCEITO Drawback é o regime especial que consiste na importação com suspensão, isenção ou restituição dos tributos, de insumos destinados a integrar produtos

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

O Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) : Benefícios para os doentes, para a ciência e para o crescimento económico

O Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) : Benefícios para os doentes, para a ciência e para o crescimento económico O Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) : Benefícios para os doentes, para a ciência e para o crescimento económico Adaptado de: PORQUE É QUE O ACORDO TTIP É IMPORTANTE Um

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

Investimento estrangeiro direto na África. Roberto Iglesias Katarina P. da Costa. Novembro 2011

Investimento estrangeiro direto na África. Roberto Iglesias Katarina P. da Costa. Novembro 2011 Investimento estrangeiro direto na África Roberto Iglesias Katarina P. da Costa Novembro 2011 Investimento t estrangeiro direto na África Contexto Global Investimento Chinês na África Investimento Brasileiro

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 12/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior Area Profissional: ECONOMIA Area de Atuacao: GESTAO FINANCEIRA/ECONOMIA Administrar os

Leia mais

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global de janeiro de 1 Por Min Zhu Em nossa Reunião Anual de outubro de 13, travamos um longo debate sobre as perspectivas

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 12/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO I FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

Leia mais

34º Encontro Nacional de Comércio Exterior - ENAEX. Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2015.

34º Encontro Nacional de Comércio Exterior - ENAEX. Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2015. 34º Encontro Nacional de Comércio Exterior - ENAEX Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2015. Acordo de Facilitação de Comércio tem o objetivo de: Reduzir o tempo e custos de procedimentos transfronteiriços,

Leia mais

INTRODUÇÃO O transporte de contêiner tem características distintas dos outros tipos de transportes; Tipos de equipamentos de movimentação de carga

INTRODUÇÃO O transporte de contêiner tem características distintas dos outros tipos de transportes; Tipos de equipamentos de movimentação de carga INTRODUÇÃO O transporte de contêiner tem características distintas dos outros tipos de transportes; Tipos de equipamentos de movimentação de carga mais pesados; Cadeia muito segmentada, muitas paradas;

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Magda Cercan Garcia Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012

O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012 Departamento de Competitividade e Tecnologia O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012 Equipe Técnica Setembro de 2013 1 Sumário 1 Introdução 2 Custos do Sistema Tributário 3 Custos

Leia mais

Coeficiente de Importação Indústria Geral

Coeficiente de Importação Indústria Geral Coeficiente de Importação Indústria Geral O Brasil precisa de um choque de competitividade Ranking IC-FIESP 2010 Energia Banda Larga Logística Educação Economia Economia Economia Economia Doméstica Doméstica

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Márcio Holland Secretário de Política Econômica Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Brasília, 19 de maio de 2014 2 Por que investimentos

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

AGENDA DESEMPENHO FINANCEIRO NOSSO NEGÓCIO VANTAGENS COMPETITIVAS OPORTUNIDADES

AGENDA DESEMPENHO FINANCEIRO NOSSO NEGÓCIO VANTAGENS COMPETITIVAS OPORTUNIDADES Dezembro de 2015 1 DISCLAIMER Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTAO DE DESPACHOS 5 DE FEVEREIRO DE 2010

A IMPORTANCIA DA GESTAO DE DESPACHOS 5 DE FEVEREIRO DE 2010 A IMPORTANCIA DA GESTAO DE DESPACHOS 5 DE FEVEREIRO DE 2010 l l PONTOS GERAIS O Despacho de Transito visto como um processo relativamente novo e que justifica suficientes esforcos redobrados do projecto

Leia mais

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas AUDITORIAS DE 2A PARTE em atividades aéreas " O QUE É E COMO ATUAMOS NESTA ÁREA. O significado de complience é o de agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou um pedido, ou seja,

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

Sistemas de Transportes. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Sistemas de Transportes. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Sistemas de Transportes Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O Sistema de transporte O transporte representa o elemento mais importante do custo logístico na maior parte das firmas. O frete costuma absorver

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

GTMMI, Lda. Condições Gerais de Venda

GTMMI, Lda. Condições Gerais de Venda GTMMI, Lda. Condições Gerais de Venda Estas Condições Gerais de Venda anulam automaticamente todas as anteriores. EXCEPTO QUANDO EXPRESSAMENTE ACORDADO EM CONTRÁRIO POR ESCRITO, TODAS AS VENDAS ESTÃO SUJEITAS

Leia mais

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 CENÁRIO INTERNACIONAL VARIAÇÃO ANUAL DO PIB REAL E DO VOLUME DE COMÉRCIO DE MERCADORIAS POR REGIÃO - 2011-2013 (%) (%) (%) CRESCIMENTO DO VOLUME DE IMPORTAÇÃO

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES NOVO STATUS DO COMÉRCIO EXTERIOR NOSSAS EXPORTAÇÕES NÃO REFLETEM O TAMANHO DA ECONOMIA BRASILEIRA PIB EXPORTAÇÃO DE BENS PAÍSES US$ bilhões Part. % PIB mundial US$ bilhões

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com base no Método Primeiro, o valor

Leia mais

CAPACITAÇÃO. Programação. Centro Tecnológico do Calçado SENAI. Local: Avenida Pedro Adams Filho, 6338 Novo Hamburgo/RS

CAPACITAÇÃO. Programação. Centro Tecnológico do Calçado SENAI. Local: Avenida Pedro Adams Filho, 6338 Novo Hamburgo/RS CAPACITAÇÃO Programação Centro Tecnológico do Calçado SENAI Local: Avenida Pedro Adams Filho, 6338 Novo Hamburgo/RS DATA DA REALIZAÇÃO AGENDA DE TREINAMENTOS NO SENAI EM NOVO HAMBURGO TREINAMENTOS PREVISTOS

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

CERT Exceptions ED 15 pt. Exceções. Documento Explicativo. Válido a partir de: 02/03/2016 Distribuição: Pública

CERT Exceptions ED 15 pt. Exceções. Documento Explicativo. Válido a partir de: 02/03/2016 Distribuição: Pública CERT Exceptions ED 15 pt Exceções Documento Explicativo Válido a partir de: 02/03/2016 Distribuição: Pública Índice 1 Objetivo... 3 2 Área de Aplicação... 3 3 Definições... 3 4 Processo... 3 5 Tipos de

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão para a Indústria Março de 2016

Sistema Integrado de Gestão para a Indústria Março de 2016 Sistema Integrado de Gestão para a Indústria Março de 2016 O QUE ESPERAR DO MONITOR ERP Ambiente ERP Completo, voltado para a área industrial, atendendo a todos os segmentos de produção industrial Sistema

Leia mais

Prefeitura Municipal de Votorantim

Prefeitura Municipal de Votorantim PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 013/2016 PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 006/2016 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2017 e dá outras providências. ERINALDO ALVES DA SILVA, PREFEITO

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

A importância dos Portos para o Comércio Exterior Brasileiro

A importância dos Portos para o Comércio Exterior Brasileiro INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL A importância dos Portos para o Comércio Exterior Brasileiro Roberto de Souza Dantas Diretor de Planejamento da SECEX Em 2012, o comércio exterior brasileiro movimentou

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG)

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) 14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) Empresa: Anglo American Trabalho premiado: Utilização de biomassa no lugar de combustível fóssil no processamento de níquel Categoria: Processo Autores: Juliana Rehfeld

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

Incentivos ao Investimento em Start-ups Análise Internacional. Rodrigo Menezes

Incentivos ao Investimento em Start-ups Análise Internacional. Rodrigo Menezes Incentivos ao Investimento em Start-ups Análise Internacional Rodrigo Menezes 2014 Experiência Internacional - Descrição dos principais programas de estímulos ao investimento em PMEs inovadoras pelo capital

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

D-Francoforte no Meno: Aluguer de salas de reuniões e conferências 2013/S 059-096665. Anúncio de concurso. Serviços

D-Francoforte no Meno: Aluguer de salas de reuniões e conferências 2013/S 059-096665. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:96665-2013:text:pt:html D-Francoforte no Meno: Aluguer de salas de reuniões e conferências 2013/S 059-096665 Anúncio

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

ESTATAIS FEDERAIS ALTERNATIVAS DE REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA ESTUDO PRELIMINAR DATAPREV SERPRO TELEBRAS

ESTATAIS FEDERAIS ALTERNATIVAS DE REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA ESTUDO PRELIMINAR DATAPREV SERPRO TELEBRAS ESTATAIS FEDERAIS ALTERNATIVAS DE REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA ESTUDO PRELIMINAR DATAPREV SERPRO TELEBRAS Serpro é a maior empresa em número de empregados e Ativos. Dataprev apresenta maior lucro e melhores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. APROVA A NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SE- REM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Fernando A. Veloso Ibmec/RJ XII Seminário Anual de Metas para a Inflação Maio de 2010 Crescimento da Renda per Capita Entre 1960 e 1980, a renda

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO. Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global

CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO. Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global CORPORATE GOVERNANCE NO ESPAÇO LUSÓFONO Normas, práticas e sustentabilidade no contexto global AGENDA Corporate governance no mundo A influência dos sistemas legais Sustentabilidade e corporate governance

Leia mais

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael É parte do software, e deve atender os requisitos do usuário Controla o hardware, incluindo periféricos de entrada e saída Usa um conjunto de comandos e regras:

Leia mais

Departamento de Negociações Internacionais

Departamento de Negociações Internacionais Departamento de Negociações Internacionais O Setor de Bens de Capital Mecânico e as Negociações Comerciais Apresentação do Estudo Consultoria ECOSTRAT 14 de setembro de 2006 Consultores da Ecostrat Apresentação

Leia mais

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Benchmarking Hospitalar

Benchmarking Hospitalar Seminário Governança e Gestão dos hospitais de atendimento público no Brasil Rio de Janeiro, 20 de Outubro de 2014 Benchmarking Hospitalar Uma ferramenta para a melhoria do desempenho Bernard F. Couttolenc

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO MANUAL DE PREENCHIMENTO

PROPOSTA DE PROJETO MANUAL DE PREENCHIMENTO PROPOSTA DE PROJETO MANUAL DE PREENCHIMENTO Cuiabá, 26 de julho de 2005 01-Proposta de Projeto.doc Instruções para Preenchimento dos Formulários do Projeto Este documento deve ser utilizado como referência

Leia mais

2º Expertise Day. SulAmérica Investimentos

2º Expertise Day. SulAmérica Investimentos 2º Expertise Day SulAmérica Investimentos O que fazemos? Equipamentos Sistemas de Gestão Serviços e Meios de Pagamento Soluções em Tecnologia para Varejo e Hotelaria 2 Onde Estamos EUA (Bathpage):. Fábrica

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rodrigo R. Latado Certificação de Soja não-ogm NEGÓCIO Pesquisa, Desenvolvimento e Difusão da Avaliação da Conformidade ALCA Grupo de Negociação

Leia mais

O ronco do boi ou Por quê o Brasil não inova?

O ronco do boi ou Por quê o Brasil não inova? O ronco do boi ou Por quê o Brasil não inova? marcos@crie.ufrj.br Conhecimento gerou 55% da riqueza mundial em 2000 (OCDE: 2001) Somos criativos mas... POR QUÊ NÃO SOMOS INOVADORES???? Ipea: empresas que

Leia mais

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo A grande janela de oportunidades (O Brasil decola) A grande janela de oportunidades Linha do tempo das conquistas

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Industrialização da Construção em Concreto

Industrialização da Construção em Concreto Industrialização da Construção em Concreto Solução para os novos desafios do Brasil Excelência em gestão da qualidade, meio ambiente e tecnologia, premissa básica para garantir a correta execução de obras

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Suporte ao desenvolvimento da Rede Saúde & Diplomacia Seguimento

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha)

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua (atualizado a 30 de abril de 2014) UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES AUDIÊNCIA PÚBLICA - SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY Brasília, 20 de maio de 2014 números do setor de telecomunicações R$ 29,3 bilhões de investimentos em 2013 segundo ano consecutivo

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais