Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 ESTUDOS FUNENSE 4 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas Paulo Pereira Ferreira * Abril de 7 * Sócio Consultor da Towers Perrin, Mestre em Estatística e diplomado pela UFRJ, Professor da área de seguros nos cursos de graduação em Atuária da UFRJ e de pós-graduação da Funenseg, FV-SP, PUC-RJ e da Universidade Candido Mendes UCAM-RJ), Membro da International Actuarial Association IAA) e da Comissão de Ética do Instituto Brasileiro de Atuária IBA), autor do livro "Modelos de Precificação e Ruína para Seguros de Curto Prazo", publicado pela Funenseg.

2 Escola Nacional de Seguros FUNENSE Presidente Robert Bittar Vice-Presidente Mauro César Batista Diretor Executivo Renato Campos Martins Filho Diretor de Ensino e Produtos Nelson Victor Le Cocq d Oliveira Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento Claudio Contador Diretor Regional de São Paulo João Leopoldo Bracco de Lima erente Executiva Paola Young Casado Barros de Souza Conselho de Administração Robert Bittar Paulo Roberto Sousa Thomaz Miguel Junqueira Pereira Mauro César Batista Alexandre Penner Vandro Ferraz da Cruz Tânia Ramos de Moraes Conselho Fiscal Lúcio Antônio Marques Maria Elena Bidino Vera Melo Araújo Eliezer Fernandes Tunala Severino José de Lima Filho João Ricardo Pereira Unidades Funenseg Rio de Janeiro RJ Matriz) Rua Senador Dantas, 74 - térreo, ª sobreloja., 3º e 4º and. - Centro Tel.: 33- Rio de Janeiro RJ Av. Franklin Roosevelt, 39 - sobreloja - Castelo Tel. : 33- Blumenau SC Tel.: Brasília DF Tel.: Campinas SP Tel.: Curitiba PR Tel.: oiânia O Tel.: Porto Alegre RS Tel.: Recife PE Tel.: Ribeirão Preto SP Tel.: Salvador BA Tel.: Santos SP Tel.: São José do Rio Preto SP Tel.: São Paulo SP Tel.: Central de Atendimento: Série destinada à publicação de trabalhos e pesquisas de profissionais das áreas de seguro, resseguro, previdência privada complementar e capitalização. É comercializada com exclusividade em seminários, palestras, fóruns e workshops realizados pela Funenseg e por instituições do Mercado de Seguros. Os textos podem ser impressos em formato pdf) no site da Funenseg link publicações/livros técnicos. Caso haja interesse em adquirir os números da série no formato original, entrar em contato com o setor de Vendas da Funenseg ou com a Secretaria da Escola: Rua Senador Dantas, 74/Térreo Centro Rio de Janeiro RJ Tel.: ) Para publicação na série, os textos devem ser encaminhados, para avaliação, para o Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Funenseg, Claudio R. Contador. Enviar duas cópias: uma por para mencionando no assunto Estudos Funenseg Trabalho para Avaliação e outra impressa para a Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Funenseg Rua Senador Dantas, 74/3o andar Centro Rio de Janeiro RJ CEP 3-5), identificando no envelope Estudos Funenseg. Incluir nas duas cópias um resumo em português e em inglês do trabalho. As referências bibliográficas devem ser incluídas no final do texto. Enviar também um breve currículo profissional, e- mail e telefone para contato. Coordenação Claudio R. Contador Editor Antonio Carlos Teixeira Conselho Editorial Claudio Contador Francisco aliza Joel omes José Americo Peón de Sá Lúcio Antônio Marques Nelson Victor Le Cocq d Oliveira Ricardo Bechara Santos Sergio Viola Capa Ronny Martins Diagramação Info Action Editoração Eletrônica Revisão Maria Helena de Lima Hatschbach Tiragem: exemplares Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Núcleo de Publicações O trabalho publicado nesta edição é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião da Funenseg. Permitida a citação, total ou parcial, do texto publicado nesta edição, desde que identificada a fonte. Virginia L. P. de S. Thomé Bibliotecária Responsável pela elaboração da ficha catalográfica F443p Ferreira, Paulo Pereira Precificação: credibilidade, risco no resseguro e aplicações diversas / Paulo Pereira Ferreira. Rio de Janeiro: Funenseg, p. 3 cm. Estudos Funenseg, nº 4). Teoria do risco.. Tarifação Seguro). 3. Risco Resseguro). 4. Precificação. 5. Teoria da credibilidade. 6. Resseguro Contratos. I. Série. II.Título CDU 368.

3 Sumário Resumo... 5 Summary... 7 Aplicações em Resseguro... 9 Contratos de Resseguro... 9 Distribuição do Sinistro Retido... 9 Aplicações Diversas... 3 Aplicações Práticas na Precificação... 3 Tarifação Especial para Seguros de Vida em rupo Teoria da Credibilidade Conceito Básico Credibilidade Total... 4 Crebilidade Parcial... 4 Bibliografia Apêndice : Exposição ao Risco... 5 Apêndice : Tabela "Distribuição Normal Padronizada Acumulada" Respostas dos Exercícios

4

5 Resumo Neste estudo, serão descritos os principais tipos de contratos de resseguro, mostrando-se as aplicações práticas a eles relacionados, tanto do ponto de vista do ressegurador, onde se inclui o processo de precificação, quanto do ponto de vista da seguradora, onde se destaca a obtenção da distribuição da variável aleatória "valor de sinistro após a contratação do resseguro", aqui denominada variável aleatória "valor de sinistro retido". Serão apresentados, também, diversos instrumentos práticos de um contrato de seguro, tais como: franquia, seguros proporcionais ou não proporcionais e reintegração automática da importância segurada. Para cada um desses instrumentos será desenvolvido o processo de precificação correspondente. Trataremos ainda do processo de precificação a partir da chamada Teoria da Credibilidade. Por esse processo de precificação é possível conjugar a experiência da seguradora com a experiência de riscos similares, o que torna a Teoria da Credibilidade uma importante ferramenta para as seguradoras que possuem pouca massa de sinistros para utilizar no processo de tarifação. 5

6

7 Summary In this study, the main types of reinsurance contracts will be described, presenting the practical applications related to them, as under the reinsurer s point of view, where the pricing process is included, as the insurance companies point of view, where it is stand out the obtainment of the distribution of the random variable value of loss after the reinsurance undertaken, here denominated random variable value of retained loss. Several practical instruments from an insurance contract will also be presented, such as: deductible, proportional and non-proportional insurance contracts and the automatic reintegration of the insured capital. For each of these present instruments, the correspondent pricing process will be developed. We will also approach the pricing process from the Credibility Theory, as it is called. Through this pricing process, it is possible to conjugate the experience from the Insurance Company with the experience from similar risks, which makes the Credibility Theory an important tool for the Insurance Companies that count on a small mass of claims to be used on the pricing process. 7

8 8 - Estudos Funenseg

9 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - 9 APLICAÇÕES EM RESSEURO O resseguro é um dos principais instrumentos de transferência de risco da seguradora, contribuindo sobremaneira para a homogeneização dos seus riscos. A seguir, serão apresentadas diversas aplicações da Teoria do Risco ao resseguro, com ênfase nas aplicações relacionadas ao processo de precificação dos principais tipos de contratos de resseguro. Serão descritos os principais tipos de contratos de resseguro, mostrando-se as aplicações práticas a eles relacionados, tanto do ponto de vista do ressegurador, onde se inclui o processo de precificação, quanto do ponto de vista da seguradora, onde se destaca a obtenção da distribuição da variável aleatória "valor de sinistro após a contratação do resseguro", aqui denominada variável aleatória "valor de sinistro retido". Contratos de Resseguro Vejamos a seguir os principais contratos de resseguro, e os principais aspectos referentes à precificação de um contrato de resseguro. Classificação dos Contratos de Resseguro Os contratos de resseguro podem ser classificados em contratos proporcionais e contratos não proporcionais. Nos contratos proporcionais, os prêmios e sinistros são divididos proporcionalmente entre o segurador e o ressegurador numa proporção preestabelecida. Nos contratos não proporcionais não há valores segurados cedidos, mas limites pré-definidos de participação do ressegurador nos sinistros. Contratos Proporcionais CONTRATO DE QUOTA-PARTE Neste contrato a seguradora cede um percentual determinado do risco. Em caso de sinistro, essa recupera da resseguradora a mesma proporção da indenização. Exemplo: Quota 5% Prêmio de seguro $ Importância segurada $. Sinistro bruto $ 6. Logo Prêmio de resseguro 5%) $ 5

10 - Estudos Funenseg Prêmio retido 75%) $ 75 Recuperação de resseguro 5%) $ 5. Sinistro retido 75%) $ 45. CONTRATO DE EXCEDENTE DE RESPONSABILIDADE OU SURPLUS A seguradora assume o risco até uma quantia, calculada pelo atuário, chamada limite técnico LT) ou limite de retenção. Este é um contrato proporcional como o quota-parte, pois, quando a importância segurada IS) supera o LT, a seguradora transfere o excedente de forma proporcional. A partir desse momento, temos um contrato proporcional e, qualquer que seja o valor do sinistro, a seguradora recupera a proporção cedida. Modelo:,6 /7 não há resseguro,6 > /7 seguradora cede,6 /7,6 proporcionalmente Exemplo: LT $ 5. Prêmio $ 8 IS $ 8. Sinistro bruto $.6 Logo Prêmio de resseguro 3/8) $ 3 Prêmio retido 5/8) $ 5 Recuperação de resseguro Sinistro retido 5/8) $. Veja que, mesmo o sinistro tendo sido inferior ao LT, houve recuperação da indenização na mesma proporção da cessão de prêmio 3/8). Exemplo Seja uma carteira de seguros com as seguintes características: Plano de resseguro de excedente de responsabilidade, com LT $ 8 Taxa pura anual cobrada pela seguradora é de 7% Taxa comercial anual cobrada pela resseguradora é de % Comissão de resseguro é igual a % O sinistro agregado possui distribuição de Poisson Composta, podendo ser aproximada por uma Normal O número médio de sinistros em ano λ ) é aproximado pelo número observado de sinistros em ano Q ) e são aproximados pelos momentos amostrais do valor observado de sinistro

11 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - Relação de Importâncias Seguradas IS) e sinistros brutos observados em ano, sendo o valor do sinistro sempre igual ao valor da IS: IS$ $ 3 $ 5 $ 8 $ $ 5. N o de apólices N o de sinistros a) Calcular 3 6 > 3), sem considerar o resseguro b) Calcular > 3 57 ), considerando o resseguro Resposta: a) Calcular 6 3) 3 >, sem considerar o resseguro. O número total de sinistros observados na carteira Q λ Q O total de IS bruta,6%7 ) é de: Q ) é de: 64,6%7. $ +.5 $3 + 9 $5 + 7 $8 + 6 $ + $5. $8. E o prêmio puro anual total 3 ) é o produto da taxa pura anual pela,6%7, ou seja, 3 7 % $8. $9.74 Os momentos amostrais do valor de sinistro bruto são: $ + 75 $ $ $8 + 8 $ + $5. 64 $53, 4 $ + 75 $ $ $8 + 8 $ + $5. $96.568,8 Então: [ 6 64 $53,4 $4. λ 64 [ 6 λ 64 $96.568,8 $ [ 6 $5.49, 6 9 σ Logo 3 6 3) [ 6 [ 6 3 $9.74 $4. > 3 > 3 > 3 σ 5.49, > 3 57, considerando o resseguro. O total de IS cedida em resseguro,6&' ) é de: b) Calcular ) >,) 3,4%,6&' 6 $ + $4.9 $.6 E o prêmio comercial anual total de resseguro 3 ) é o produto da taxa comercial anual de 56 resseguro pela,6&', ou seja, 3 % $.6 $.6

12 - Estudos Funenseg O custo de resseguro, líquido da comissão de resseguro, & 56 & 56 % ) $.6 $8. 8 ) é de: Observe que a taxa de resseguro líquida de comissão de resseguro é igual a 8% 8 % % ). O prêmio puro retido total 3 ) é igual a: & $ 9.74 $8.8 $.6 Os momentos amostrais do valor de sinistro retido são: $ + 75 $ $ $8 64 [ $34, $ + 75 $ $ $8 [ $.786, Então: 64 [ 6 [ 64 $34,7 $9. λ [ 6 λ 64 $.786,3636 $47.6 [ $686, 73 9 σ Logo ) 57 [ 6 57 [ 6 3 $.6 $9. 57 > 3 > 3 > 3 57 σ 686,73 57 > 3,77),% Esta é uma situação em que a seguradora tem um grande benefício com o resseguro, pois houve uma redução drástica na probabilidade dos sinistros superarem os prêmios puros, mesmo sendo a taxa de resseguro líquida de comissão 8%) superior à taxa pura cobrada pela seguradora 7%). Como a proporção de sinistros de altos valores é igual à proporção de IS de altos valores, pois a freqüência anual de sinistros é uniforme e igual a 5% em todas as faixas de IS, logo a razão para esta melhoria na solvência da seguradora está na redução do coeficiente de variação dos sinistros agregados, principalmente pela transferência de risco na faixa de IS$ 5.. Contratos Não Proporcionais CONTRATO EXCESSO DE DANOS OU EXCESS OF LOSS O compromisso da seguradora está limitado ao LT. Para sinistros acima do LT, a resseguradora paga a diferença entre o sinistro e o LT, e a seguradora paga o LT. Para sinistros até o LT, a seguradora paga todo o sinistro. O prêmio de resseguro é um percentual do prêmio de seguro de toda a carteira, sendo este percentual aplicado inclusive àqueles riscos que apresentam,6 /7. No cálculo do prêmio leva-se em consideração a distribuição de sinistros que superam o LT. Este cálculo é semelhante ao feito nos seguros a o risco absoluto, de modo que quanto maior for o LT menor será a taxa de excesso de danos. Modelo: 6, /7 não há recuperação 6, > /7 a seguradora recupera 6, /7

13 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - 3 Exemplo Calcular a taxa comercial anual a ser cobrada pelo ressegurador em um contrato de excesso de danos, a ser aplicada ao prêmio comercial anual da seguradora, dados: Total de importância segurada exposta ao risco é igual a $ 3.. Taxa comercial anual cobrada pela seguradora é de,5 O sinistro agregado do ressegurador possui distribuição de Poisson Composta, podendo ser aproximada por uma Normal Carregamento para despesas do ressegurador é igual a % Nível de significância de % de modo que o sinistro agregado assumido pelo ressegurador em ano não ultrapasse o total de prêmio puro anual de resseguro O número médio de sinistros de resseguro em ano λ ) é aproximado pelo número observado de sinistros em ano Q ) e do ressegurador são aproximados pelos momentos amostrais do valor observado de sinistro [ Relação de sinistros brutos observados em ano: 3 sinistros de $, sinistros de $ 3, 5 sinistros de $ 4 e 5 sinistros de $ 5. Calcule a taxa comercial de resseguro para as seguintes situações: a) LT $ b) LT $ 35 Resposta: O total de prêmio comercial anual π ) cobrado pela seguradora será: π,5 $3.. $5. a) LT $ Quando o LT $, os sinistros assumidos pelo ressegurador serão: sinistros de $, 5 sinistros de $ e 5 sinistros de $ 3. Logo Q 6 λ 6 $ + 5 $ + 5 $3 6 $9, 7 $ + 5 $ + 5 $3 $ 45 6 [ 6 6 $9,7 $.5, [ 6 λ 6 $45 $5.5 [ 6 $59, 69 FRO λ FRO 9 σ O total de prêmio puro anual de resseguro será determinado de tal forma que: 6 > 3) % 3 [ 6 + [ 6 FRO FRO 3 σ,99 3 $.5, +,33 $59,69 $.5,8 Logo a taxa pura anual de resseguro aplicada sobre π será: 3 π $.5.8 $5.,5% FRO FRO

14 4 - Estudos Funenseg E a taxa comercial anual de resseguro, considerando o carregamento para despesas de %, será:,5%,69%,8 b) LT $ 35 Quando o LT $ 35, os sinistros assumidos pelo ressegurador serão: 5 sinistros de $ 5 e 5 sinistros de $ 5. Logo Q 4 λ 4 5 $5 + 5 $5 4 $8, 75 5 $5 + 5 $5 $ 4 [ 6 4 $8,75 $ 35 [ 6 λ 4 $ $4. [ 6 $63, 5 FRO λ FRO 9 σ O total de prêmio puro anual de resseguro, então, será: 3 $ 35 +,33 $63,5 $497,37 Logo a taxa pura anual de resseguro aplicada sobre π será: 3 π $497,37 $5. 3,3% E a taxa comercial anual de resseguro, considerando o carregamento para despesas de %, será: 3,3%,8 4,5% Observe que, ao aumentarmos o LT de $ para $ 35, o que representa um aumento de 75%, a taxa de excesso de danos caiu de,69% para 4,5%, ou seja, caiu a menos de /3 da taxa anterior. Isto ocorre pelo fato de a maior concentração na distribuição do valor de sinistro ocorrer nos baixos valores, o que ajuda a reduzir desproporcionalmente a taxa de excesso de danos quando a seguradora decide por assumir responsabilidades maiores de sinistros. Por causa disto, é importante que as taxas de excesso de danos sejam revistas periodicamente para eliminar os efeitos da inflação. Uma inflação elevada pode aumentar muito os sinistros brutos da seguradora, transferindo mais responsabilidade para o ressegurador, caso o LT seja mantido constante. O ideal é que a taxa de excesso de danos seja função do LT fixado em uma moeda estável. Exemplo 3 Seja uma carteira de seguros com freqüência de sinistros I VHJ ) de 5% e o valor de sinistro bruto ) com distribuição Log Normal µ $ 6, σ $, 3 ). Calcular a freqüência de sinistros para o ressegurador em um contrato de excesso de danos com LT igual a $ 55. Resposta: Dado que o ressegurador assume somente sinistros que ultrapassam o LT, então, o número esperado de sinistros para o ressegurador deverá ser igual ao número esperado de sinistros para o segurador multiplicado pela probabilidade de o valor de sinistro bruto ultrapassar o LT. FRO

15 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - 5 Logo a freqüência de sinistros para o ressegurador I ) será de: UHV /7 ) I I 3 > UHV VHJ I UHV > $55),5 3 ln ln $55),5 3 > I UHV I UHV ln µ ln $55 µ,5 3 >,5 3 σ σ >,3),5,55,76%,5 3 ln $55 $6 > $,3 CONTRATO DE CATÁSTROFE O contrato de catástrofe previne o pagamento de elevadas indenizações em um mesmo evento, como, por exemplo, o pagamento de 3 LTs pela morte de 4 pessoas na queda de um avião. Normalmente existe um limite de catástrofe assumido pela seguradora em função de um múltiplo do seu limite técnico. Sempre que em um mesmo evento vários riscos de uma mesma seguradora são atingidos e, desde que a soma das indenizações ultrapasse um múltiplo do LT, o ressegurador assume a responsabilidade excedente. Neste caso, o prêmio de resseguro é função do prêmio retido pela seguradora. O processo de precificação dos contratos de catástrofe exige a utilização de experiência de sinistros de longo prazo, observando possíveis sazonalidades e concentrações de risco. Dada a característica do risco, é comum se utilizar técnicas estatísticas de séries temporais. Devemos utilizar, também, curvas de sinistros com cauda longa, como a distribuição de Pareto *. CONTRATO DE STOP LOSS Contrato de Stop Loss por Limite de Sinistralidade Neste contrato a seguradora assume os sinistros até um limite máximo de sinistralidade. O limite de sinistralidade pode ser, por exemplo, de 7% ou 8%, sendo esses escolhidos pela seguradora de modo que a seguradora não apresente prejuízos na sua operação. Modelo: 6. π não há recuperação 6 >. π a seguradora recupera 6. π Onde:. Limite de sinistralidade 6 Variável aleatória "valor total dos sinistros em ano" π Prêmio comercial da carteira em ano. * Ver FERREIRA, Paulo Pereira. Modelos de precificação e ruína para seguros de curto prazo. Rio de Janeiro: Funenseg, a reimpressão, a edição, 5.

16 6 - Estudos Funenseg Seja R a variável aleatória que representa o volume de recuperação por este tipo de contrato. Dado que π 3 / α), sendo α o carregamento para despesas, e que o limite de sinistralidade é igual a K, logo: α 3 6. α 3 6 >. α Assim sendo, podemos calcular [ 5, conforme a seguir: N3 [ 5 [ I ) [ α.3 α 6 [ N3 α.3.3 [ I ) [ [ [ I ) [ [ 6 6 α α.3 α N3 α.3 α [ 6 [ I ) [ 6 [ Veja que é possível determinar a distribuição de R e, desta forma, calcular o prêmio de resseguro. Se utilizarmos o princípio do valor esperado, o prêmio de resseguro será: [ 5 +θ ) Podemos afirmar que este contrato é uma variante do contrato de resseguro stop loss por limite de perda, que será visto a seguir. Contrato de Stop Loss por Limite de Perda Neste contrato a seguradora assume um limite anual global de retenção de sinistros. Acima deste limite a resseguradora paga a diferença. Seja, a variável aleatória "volume de recuperações dado um limite de retenção igual a d". Logo, 6 6, > 6 6 > Onde 6, é o volume de sinistro retido pela seguradora. Assim sendo, o prêmio de risco de resseguro será: Caso de 6 Contínuo [, [ ) I [) [ 6

17 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - 7 [ 6 6 [ ) I [) [ [ ) I [) [ 6 + [) I [) Ou, então, a partir de ) 6 ) [ [, [ ) I [) [ 6 [ [) ) ) [ ) 6 [ 6 [ [) ) [ ) + ) ) [ ) Ou, então: ) ) [ ) 6 [ [ 6 6 [ 6 [, [ 6 + [) I [) [ 6 [) ) ) [ ) [ 6 [ [ 6 [) ) [ ) ) ) [ ) [ 6 + ) ) [ ) [ 6 ) ) [ ) Caso de 6 Discreto 6 [ 6 [ 6 6 [ Vejamos as 4 fórmulas de cálculo de [, correspondentes ao caso contínuo: [, [ ) I ) [ 6 [ + [, [ 6 + [) I [) [ [, ) )) [ 6 [ 6

18 8 - Estudos Funenseg [ 6 [ ο [, [ 6 ) )) A partir da relação [, ) ) [ ) 6 [ podemos obter uma fórmula recursiva, qual seja: [, + [, ) ) ),,,. 6 Onde [, [ 6 ο Exemplo 4 Uma sociedade seguradora paga benefícios por morte de um segurado no valor fixo de $. O número esperado de mortes é de por ano. A seguradora tem um contrato de resseguro de stop loss, no qual o número de mortes excedentes a, em ano, a resseguradora paga os benefícios de morte subseqüentes. Qual o prêmio de risco de resseguro 3 ), dado que possui distribuição de Poisson? Resposta: 3 $. 3 3 $.. ) 3.). ) H! 3. 3 $ H 3.! N )! $ H.!. 3 $ H 3 $,4!.. H H + 5) +,5 Exemplo 5 Sejam I 6 ) [ e ) [ de stop loss com limite fixo de $ 3. x$) ) [ ) 6 [.5,5 5,,35,5,6 5,4,74,,86 5,8,94 3,3,97 35,,99 4,, ) 6 definidos conforme a seguir. Calcule o prêmio de risco para um resseguro I 6 )

19 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - 9 Resposta: A distribuição de, 3 será: x$) I,3 ) [,97 5,, Logo: [ 35 [, [ 3) I [) $5, + $, $, Ou, então: 4 [, ) ) [ ) $5,97) + $5,99) + $ ) $, 6 3 [ 3 Observe que, pelo segundo método, temos que considerar ) 6 ) [ em todos os números inteiros compreendidos entre 3 e 4. Distribuição do Sinistro Retido Sejam: Variável aleatória "valor de sinistro retido" 57 ) 57 ) [ Função de distribuição de 57 ) ) [ Função de distribuição do valor de sinistro bruto. Vejamos a seguir como determinar ) [ para diversos contratos de resseguro, em função de ) ) [ Contrato de Excesso de Danos ) 57 ) ) [ ) 57 ) [ [ < /7 [ /7 Contrato de Excesso de Danos Conjugado com um Contrato de Quota-Parte Seja. a quota de cessão de resseguro, então: ) ) [ 57 ). [ [ < /7 [ /7

20 - Estudos Funenseg Contrato de Excedente de Responsabilidade ) 57 ) [ ) ),6 /7 ) [ /7 Onde, 57 [,6 [,6 > /7,6 /7 Exemplo 6 Determinar uma expressão para ) [ I e [ em um contrato de excesso de danos. Resposta: Para sinistros brutos com valor até o LT, o sinistro retido será igual ao sinistro bruto. Já para sinistros brutos superiores ao LT, o sinistro retido será igual ao LT, de modo que a probabilidade do sinistro retido ser igual ao LT é igual à probabilidade do sinistro bruto ser superior ou igual ao LT. Desta forma, então: I 57 ) [ ) [ I ) /7 ) [ < /7 [ /7 [ > /7 Logo /7... [ I ) [ [ + /7 ) /7 ) ) 57 Exemplo 7 Seja com uma distribuição Exponencial α / $5. ) em uma carteira com contrato de resseguro de excesso de danos, com limite técnico de $.. Determinar: a) A função de densidade de 57 b) A média e a variância de. 57 Resposta: a) Função de densidade de 57 Dado que possui distribuição Exponencial α / $5. ), então, I ) [ / 5.H / 5. [ [ [ <

21 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - ) ) [ H /5. [ [ [ > Desta forma, pelo exemplo anterior, temos: I 57 ) [ I / 5. H H /5. [ [ <. [. [ >. e [ <. 3 >. 3. H H /5. [. Onde, ) ) ) 57 b) Média e variância de 57 Sabemos, também, pelo exemplo anterior, que: /7 [ I ) [ [ + /7 ) /7 ) 57. /5. [ [ H [ +. H /5. [. /5. [ [H + H [ / 5. [.. H H H [ $ /5. [ [ [ H [ +. H /5. [. /5. [ [ H + [ H [ +. H 57. / 5. [. /5. [. H.[H +. H [ +. H 57 / 5. [.. H H. H 5...H [ $ Logo 9[ $ $43.33 $ E, σ[ 9[ $ A distribuição de, neste caso, é chamada distribuição Exponencial Truncada. 57

22 - Estudos Funenseg Exercícios ) Calcular o total de prêmio puro de resseguro anual em um contrato de excesso de danos, dados: O sinistro agregado do ressegurador possui distribuição Binomial Negativa Composta U., S, 8 ), podendo ser aproximada por uma Normal Nível de significância de,5% de modo que o sinistro agregado assumido pelo ressegurador em ano não ultrapasse o total de prêmio puro anual de resseguro LT$ 5 e do ressegurador são aproximados pelos momentos amostrais do valor observado de sinistro Distribuição de freqüência dos valores de sinistros: [ $) [) 3,3,4,8,8,4 ) Seja uma carteira de seguros com freqüência de sinistros I VHJ ) de % e o valor de sinistro bruto ) com distribuição conforme o exercício. Calcular a freqüência de sinistros para o ressegurador em um contrato de excesso de danos com LT igual a $. [ ), onde ) ) [ *[,α, β ) FRO [ [ ) FRO 3) Seja 6 com distribuição ama,α, β α [, *, α +, β ) *, α, β β 6. Mostre que: 4) Suponha que o ressegurador assume um risco de pagar 8% dos sinistros agregados que ultrapassam um limite, sujeito a um limite máximo de pagamento de P. Determine uma expressão para o prêmio de risco do ressegurador em função do prêmio de risco de um resseguro stop loss tradicional sem limite de pagamento e sem o fator de 8%). 5) Calcular > 3 57 ) no exemplo., supondo que LT $, considerando o resseguro.

23 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - 3 APLICAÇÕES DIVERSAS Serão apresentados, a seguir, diversos instrumentos práticos de um contrato de seguro, tais como: franquia, seguros proporcionais ou não proporcionais e reintegração automática da importância segurada. Para cada um desses instrumentos será desenvolvido o processo de precificação correspondente. Será demonstrada, também, uma fórmula prática, utilizada por muito tempo no mercado segurador brasileiro para a tarifação especial de um seguro de Vida em rupo. Aplicações Práticas na Precificação FRO A distribuição da variável aleatória "valor total de sinistros em ano" 6 ) pode ser aproximada pela distribuição Normal, sendo excelente essa aproximação na cauda à direita da distribuição. Esta característica é muito útil no processo de precificação, por ser a cauda à direita da distribuição a região de interesse quando se precifica, e pela facilidade de se trabalhar com a distribuição Normal. Vejamos a seguir algumas situações práticas de cálculo do preço do seguro, aplicando a aproximação FRO Normal para o sinistro agregado 6 ), supondo que a distribuição do número de sinistros ) é uma Poisson λ ). Para tal, vejamos inicialmente como determinar os parâmetros envolvidos neste tipo de 3.. cálculo, quais sejam: λ,, 3 e, Cálculo de λ O valor de λ poderá ser uma observação anual do número de sinistros Q ) ou, então, poderemos trabalhar com o limite superior do intervalo de confiança, qual seja: λ [ Q + ε Q Q Q ) Q Na verdade, o uso do limite superior do intervalo de confiança representa uma segurança adicional no cálculo do preço do seguro, pois as fórmulas de cálculo em si já contêm níveis de segurança implícitos.. Cálculo de. Podemos calcular de duas formas: Quando Possui Distribuição Paramétrica Conhecida.. [ I ) [ [ A Partir dos Valores Observados de. Q L Q. L

24 4 - Estudos Funenseg Onde é o valor observado do i-ésimo sinistro. L Cálculo do Prêmio Puro Total 3) Sabemos que 3 deve ser determinado de modo que: &/ &/ &/ 6 3) α 3 [ 6 + [ 6 3 σ > α + [ 3 λ λ α Cálculo do Prêmio Puro Individual ) 3, Seja ) a referência de cálculo. Logo 3, 3 ) Precificação de Seguros com Franquia A franquia representa um instrumento muito importante no processo de precificação, pois torna o segurado mais cuidadoso na proteção do seu risco, além de proporcionar uma redução significativa nos custos com a regulação de sinistros de baixo valor. Como normalmente a distribuição do valor de sinistro ) possui alta concentração em torno dos pequenos valores, a redução no preço do seguro pode ser significativa com a aplicação da franquia. Uma abordagem ampla sobre as distribuições de após a aplicação da franquia, pode ser vista em HO AND KLUMAN) 9. Existem 3 tipos de franquia, quais sejam: Franquia Proporcional CONCEITO Neste caso, o segurado participa com um percentual pré-definido.% ) em todos os sinistros. Este tipo de franquia possui o inconveniente de penalizar demais os segurados nos sinistros de alto valor. É comum utilizar este tipo de franquia com um limite máximo de franquia em valor absoluto. MODELO ATUARIAL Sejam: i) λ Número médio de sinistros após a aplicação da franquia ii) Variável aleatória "valor de sinistro líquido da franquia" iii) 3 Prêmio de risco após a aplicação da franquia. Então: λ λ.) [ ) [ I. I

25 Precificação: Credibilidade, Risco no Resseguro e Aplicações Diversas - 5.) λ λ.) 3 Veja que o prêmio de risco após a aplicação da franquia percentual é igual ao prêmio de risco original, antes da aplicação da franquia, multiplicado por.. Franquia Dedutível CONCEITO Na franquia dedutível, o segurado participa integralmente dos sinistros cujos valores não ultrapassam o valor pré-definido da franquia dedutível ). Quando o valor do sinistro ultrapassa esse limite, a indenização a ser paga ao segurado representa a diferença entre o valor do sinistro e o valor da franquia dedutível. MODELO ATUARIAL ) λ λ 3 > ) [ I [ + ) > ) [ [ > I [ 3 [ ) 3 I ) [ > ) [ 3 [ ) I [)[ λ λ É fácil provar que o prêmio de risco acima é inferior ao prêmio de risco original, antes da aplicação da franquia dedutível, pois: [ ) I ) [ [ λ [ I ) [ [ λ 3 λ Franquia Simples CONCEITO Assim como na franquia dedutível, o segurado participa integralmente dos sinistros cujos valores não ultrapassam o valor pré-definido da franquia simples ). Sempre que o sinistro ultrapassa esse limite, o segurado é indenizado pelo valor total do sinistro, e não pela diferença, como no caso da franquia dedutível.

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com

TEORIA DO RISCO. LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com TEORIA DO RISCO LUIZ SANTOS / MAICKEL BATISTA economia.prof.luiz@hotmail.com maickel_ewerson@hotmail.com 1 TARIFAÇÃO (FERREIRA, 2002) Diversos conceitos e metodologias envolvidos no cálculo do preço pago

Leia mais

Estruturação do Contrato Automático de Resseguro

Estruturação do Contrato Automático de Resseguro Estruturação do Contrato Automático de Resseguro Seminário A Arte de Elaborar o Contrato Marcus Clementino 13 de agosto de 2013 Estruturação do Contrato Automático Princípios básicos; Interesses e necessidades

Leia mais

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento 13 1 Introdução Esta dissertação é o estudo de um problema estatístico de classificação que diz respeito à precificação de seguros de automóveis. Devido às particularidades deste ramo, a formação dos contratos,

Leia mais

Metodologias de Precificação de Resseguro para embasar a Formulação de um Modelo Interno com ênfase em Risco de Subscrição e incorporando Resseguro

Metodologias de Precificação de Resseguro para embasar a Formulação de um Modelo Interno com ênfase em Risco de Subscrição e incorporando Resseguro Máris Caroline Gosmann Metodologias de Precificação de Resseguro para embasar a Formulação de um Modelo Interno com ênfase em Risco de Subscrição e incorporando Resseguro Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS COMPREENSIVOS Nilso Gonçalves Membro Comissão Ramos Diversos PDES Seguros Compreensivos

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

2 Modelo Clássico de Cramér-Lundberg

2 Modelo Clássico de Cramér-Lundberg 2 Modelo Clássico de Cramér-Lundberg 2.1 Conceitos fundamentais Nesta sessão introduziremos alguns conceitos fundamentais que serão utilizados na descrição do modelo de ruína. A lei de probabilidade que

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

1.1 Planos do tipo Benefício Definido

1.1 Planos do tipo Benefício Definido 1 Introdução O estudo de persistência equivale a verificar o comportamento dos participantes de uma Entidade Aberta de Previdência Privada ou Seguradora quanto à saída do plano por resgates, cancelamentos

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 362, de 26 de março de 2008. Estabelece regras para a Nota Técnica Atuarial de Carteira que deverá ser encaminhada com o Plano

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

Microsseguros. Série Pesquisas. Volume 2

Microsseguros. Série Pesquisas. Volume 2 Microsseguros Série Pesquisas Volume 2 i ii ESCOLA NACIONAL DE SEGUROS FUNENSEG Microsseguros Série Pesquisas Volume 2 Coordenação Editorial CLAUDIO CONTADOR Rio de Janeiro 2010 iii Escola Nacional de

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES.Nº 83/99 GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Recomendação Nº

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP

CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS DO CONFIANÇA CAP CONDIÇÕES GERAIS CONFIANÇA CAP Versão: 05/2013 Proc. SUSEP 15414.004330/2012-21 CONDIÇÕES GERAIS DO CONFIANÇA CAP SUMÁRIO I - INFORMAÇÕES

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES. Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Comentários sobre as provas de estatística e financeira ICMS RJ Caríssimos, Acabei de voltar de uma longa auditoria em que visitamos inúmeros assentamentos federais do INCRA no interior do estado. Ou seja:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) - textos na cor azul serão adotados caso selecionados; - textos na cor vermelha deverão ser suprimidos no documento original e trata-se de informações para a elaboração do Título; - textos em negrito,

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 368, de 1 o de julho de 2008. Estabelece regras para estruturação e envio da nota técnica atuarial da carteira de automóveis

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES

DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES LUIZ CLAUDIO BENCK KEVIN WONG TAMARA CANDIDO DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES Trabalho apresentado para avaliação na disciplina de Estatística e Métodos Numéricos do Curso de Administração

Leia mais

3 Resseguro. 3.1. Introdução (História)

3 Resseguro. 3.1. Introdução (História) 3 Resseguro 3.1. Introdução (História) De acordo com a Enciclopédia Virtual Wikipedia 4, o primeiro contrato de resseguro é datado de 12 de julho de 1370 em Gênova na forma de compra e venda condicional

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA PLANO

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Regulatory Practice Insurance News Janeiro 2014 SUSEP Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Esta Circular dispõe sobre instruções complementares necessárias à execução

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

Nota Técnica Atuarial de Carteira

Nota Técnica Atuarial de Carteira Nota Técnica Atuarial de Carteira Circular SUSEP 362/2008 Resolução CNSP 163/2007 Quadros Estatísticos 270, 271 e 272 Carlos Augusto Pinto César da Rocha Neves Eduardo Fraga Lima de Melo São Paulo 29 de

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS Forma de Contratação do Limite Máximo de Responsabilidade 1. SEGURO A PRIMEIRO RISCO RELATIVO A seguradora responderá pelos prejuízos de sua

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

Bases Técnicas das Empresas Securitárias

Bases Técnicas das Empresas Securitárias Bases Técnicas das Empresas Securitárias Francisco de Assis Braga Risco e Seguro - Definições Básicas - Probabilidade de dano - é a freqüência relativa de perdas no longo prazo. - Risco - é a incerteza

Leia mais

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA

AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA AEP FISCAL CURSO DE ESTATÍSTICA Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil, Analista Tributário da Receita Federal do Brasil e Auditor Fiscal do Trabalho. Prof. Weber Campos webercampos@gmail.com AUDITOR-FISCAL

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO

COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO! Como projetar uma linha de tendência no Excel?! Como escolher a curva que melhor se ajusta a uma determinada origem de dados?! Como

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE PLANO PM

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE I Informações Iniciais... 4 II Glossário... 4 III Objetivo... 5 IV Natureza do Título... 5 V Vigência... 5 VI Pagamento... 5 VII Carência...

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 D - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

GLOSSÁRIO. Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento.

GLOSSÁRIO. Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento. GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que adquire o Título, responsabilizando-se pelo seu pagamento. Titular é o próprio subscritor ou outra pessoa expressamente indicada pelo mesmo, sendo este o proprietário

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL

CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 BRADESCO SOLUÇÃO DE ALUGUEL PLANO PU 15/15 A - MODALIDADE:

Leia mais

AS PRINCIPAIS ATIVIDADES DO ATUÁRIO NAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE - OPS

AS PRINCIPAIS ATIVIDADES DO ATUÁRIO NAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE - OPS João Pessoa - PB 5 de abril de 2013 AS PRINCIPAIS ATIVIDADES DO ATUÁRIO NAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE - OPS Atenção Médico-Hospitalar (MH) José Nazareno Maciel Júnior Atuário MIBA 1.286 Coordenador

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

Edital de 18 de janeiro de 2010 Bolsão Curso Clio Concurso de Bolsas por Desempenho

Edital de 18 de janeiro de 2010 Bolsão Curso Clio Concurso de Bolsas por Desempenho Edital de 18 de janeiro de 2010 Bolsão Curso Clio Concurso de Bolsas por Desempenho 1. Das disposições preliminares 1.1 O Concurso de Bolsas do Curso Clio será organizado por esta mesma instituição e o

Leia mais

RC PROFISSIONAL. Sucursal Endereço Telefone Fax CNPJ SAO PAULO AV. PAULISTA, 1294 17 4504-4400 4504-4395 3.502.099/0001-18

RC PROFISSIONAL. Sucursal Endereço Telefone Fax CNPJ SAO PAULO AV. PAULISTA, 1294 17 4504-4400 4504-4395 3.502.099/0001-18 SEGURO DE RC PROFISSIONAL Sucursal Endereço Telefone Fax CNPJ SAO PAULO AV. PAULISTA, 1294 17 4504-4400 4504-4395 3.502.099/0001-18 Apólice Número Endosso Número Renova Apólice 17.7826713.28 17611 Vigência

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 510 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902145/2013-85 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026

CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026 CONDIÇÕES GERAIS DO APLICAP 026 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLICAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 13.122.801/0001-71 APLICAP 026 MODALIDADE: PU POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900500/2014-62

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99)

Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99) Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99) Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), Professor do MBA - Gestão Atuarial e Financeira (USP) e-mail: galiza@gbl.com.br

Leia mais

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014 Inferência Estatística Estimação Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil Mestrado em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica Julho, 2014 C.T.Cristino

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP EMPRESA FLEX - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076. CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 226 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO NO BRASIL

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos

Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Palestrantes: Gabriel Caldas Adriano Rodrigues 1 Seminário Relação entre Resseguro, Solvência e Tributos Palestrante Gabriel Caldas Apresentação

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 Página 1 de 7 CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. CNPJ: 33.425.075/0001-73 TC CASH 36 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012)

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012) LISTA DE VERIFICAÇÃO CIRCULARES SUSEP N os 256 e 269/04 E OUTROS NORMATIVOS DESCRIÇÃO ATENÇÃO: No preenchimento da Lista de Verificação, para os itens informativos, a coluna Fls. deverá ser marcada com

Leia mais

ANS. Grupo TécnicoT. Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco. 14 de maio de 2013. Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP. @usp.

ANS. Grupo TécnicoT. Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco. 14 de maio de 2013. Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP. @usp. Grupo TécnicoT Solvência ANS Origens e Fundamentos da Supervisão Baseada em Risco Prof. Dr. Luiz Augusto F. Carneiro FEA/USP lacarneiro@usp. @usp.br 14 de maio de 2013 Introduçã ção Internacionalmente,

Leia mais

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO 1 Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil 1º de abril de 2014 Roteiro 2 Alterações na Norma Contábil Principais justificativas para as alterações na norma contábil Alterações promovidas

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE i1 Introdução Uma distribuição de probabilidade é um modelo matemático que relaciona um certo valor da variável em estudo com a sua probabilidade de ocorrência. Há dois tipos

Leia mais

SEMINÁRIO DA MÚTUA DA AMAPAR. Curitiba, 29 de Julho de 2011.

SEMINÁRIO DA MÚTUA DA AMAPAR. Curitiba, 29 de Julho de 2011. SEMINÁRIO DA MÚTUA DA AMAPAR Curitiba, 29 de Julho de 2011. 1 Roteiro da Apresentação: 1) Brevíssimo Histórico; 2) Análise Diagnóstica do Modelo Anterior; 3) Comparativo dos Sistemas: Anterior x Atual

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros

CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS Troca Premiável Bradesco Seguros SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PU 12/12 T MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 II GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MODALIDADE: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005233/2011-75

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA

CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA Página 1 de 6 CONDIÇÕES GERAIS - TC MEGA DATA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. TC MEGA DATA MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº 15414.000814/2006-53

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

ICATU SEGUROS Condições Gerais Página 1

ICATU SEGUROS Condições Gerais Página 1 CONDIÇÕES GERAIS DO PU114P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73 PLANO PU114P MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005166/2011-99II

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 100 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 100 II PLANO PU 36/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada.

VI - PAGAMENTO 6.1 - Este Título é de pagamento único, cabendo ao Subscritor o pagamento de uma única parcela na data indicada. CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES versão 178) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ Nº 03.558.096/0001-04 (PU 12 MESES versão 178) - MODALIDADE:

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep ao Mercado

Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep ao Mercado Valores Redutores da Necessidade de Cobertura das Provisões Técnicas por Ativos Garantidores Orientações da Susep Julho/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Área Responsável... 3 1.2. Base Legal... 3 1.3.

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Viviane de Senna, Adriano Mendonça Souza, Afonso Valau de Lima Junior, Fernanda Rezer,

Leia mais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Raquel Rodrigues Santos Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre

Leia mais

Condições Gerais Agromania CAP

Condições Gerais Agromania CAP Condições Gerais Agromania CAP CONDIÇÕES GERAIS DO (PU 12 MESES VERSÃO 16) I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Sul América Capitalização S.A. SULACAP CNPJ Nº 03.558.096/0001-04 (PU 12 MESES

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Exponencial

Probabilidade. Distribuição Exponencial Probabilidade Distribuição Exponencial Aplicação Aplicada nos casos onde queremos analisar o espaço ou intervalo de acontecimento de um evento; Na distribuição de Poisson estimativa da quantidade de eventos

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Para fundamentar o presente trabalho, serão apresentados três trabalhos que serviram de inspiração para o desenvolvimento desta dissertação: os estudos da LIMRA International e SOA,

Leia mais

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis 1. Autarquia, com personalidade jurídica de direito público, que dispõe de autonomia administrativa e financeira, que tem como atribuição fundamental fiscalizar o fiel cumprimento da legislação de seguros:

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Roberta de Souza Chun Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901295/2014-52 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PREMIUM CASH PLANO PM 60/60 N - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Estatística: Conceitos e Organização de Dados Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Introdução O que é Estatística? É a parte da matemática aplicada que

Leia mais