Padrões de Workflow. Flávio Horita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Padrões de Workflow. Flávio Horita"

Transcrição

1 Padrões de Workflow Flávio Horita

2 Problema Várias linguagens de workflow com semânticas diferentes; Finalização implicita x Finalização explicita Um entrada e uma saída no loop X sem restrição Várias instâncias X apenas uma Crescente utilização e maturidade da tecnologia de workflow.

3 Padrões de Workflow O Workflow Patterns Initiative foi estabelecido com o objetivo de delinear sobre os requisitos fundamentais para surgem durante a modelagem de processos de negócio.

4 Padrões de Workflow Um padrão estabelece um nome e define o problema, a solução, quando aplicar esta solução e suas consequências. Os padrões visam facilitar a reutilização de soluções de desenho Tornar comum, reutilizável, normalizado

5 Padrões de Workflow A Workflow Patterns initiative indica os pré-requisitos para o idioma de workflow. Workflow Patterns também como padrão de notação, simbolos,??? Existem vários padrões, BPMN Business Process Diagram from BPMI, and the UML 2.0 Activity Diagram from the OMG, exemplos.

6 História dos Padrões de Workflow Wil van der Aalst Holanda Arthur ter Hofstede Australia Servir como base para desenv de ferramenta; Comparar sistemas de workflow; Comparar abordagens e linguagens para um determinado processo. The Workflow Patterns initiative 1999 Ling. De Work e BPM devem suportar os padrões

7 Tipos de Padrões de Workflow Existem ~144 padrões agrupados em quatro perspectivas: Control-Flow Patterns Resources Patterns Data Patterns Exception Handling Patterns

8 Breve Resumo dos Tipos A perspectiva de Control-flow trata dos aspectos relacionados ao controle de fluxo entre as atividades; A perspectiva de Data trata do gerenciamento de dados e informações; A perspectiva de Resource trata do gerenciamento de recursos para alocação de itens de trabalho; A perspectiva de Exception Handling trata das várias causas de erros/exceções e suas ações corretivas. Em sistemas de processo de reconhecimento de informações diversas perspectivas podem ser distinguidos

9 Control-flow Pattern Captura aspectos relacionados ao fluxo de controle entre várias tarefas

10 Control-Flow Pattern Os primeiros projetos de pesquisas definiram vinte padrões para descrever o Controlflow Patterns nos sistemas de worflow. Novas pesquisas identificaram outros vinte e três novos padrões relevantes para o Control-flow Patterns. O Control-flow Patterns é separado em oito classes: Basic Control Flow Patterns Advanced Branching and Synchronization Patterns Multiple Instance Patterns State-based Patterns Cancellation and Force Completion Patterns Iteration Patterns Termination Patterns Trigger Patterns

11 Basic Control Flow Patterns Esta classe de padrão trata de simples iterações entre as atividades do Workflow. Composto por cinco tipos de padrões: Sequence Parallel Split Syrichronization Exclusive Choice Simple Merge

12 Overview AND AND

13 Overview XOR XOR

14 Branching and Synchronization Avançado Branching e Merging mais complexos; Inicialmente composto por quatro padrões. Durante várias pesquisas outros dez foram identificados e criados, formando os 14 padrões conhecidos atualmente.

15 Branching and Synchronization Avançado Pattern Tipo Instâncias Simple Merge Synchron. 1 Exclusive Choice Branch. 1 Multi-Choice Branch. 1-n Multi-Merge Synchron. 1-n

16 Branching and Synchronization Avançado Structured Synchronizing Merge Permite unir os ramos. No entanto, a execução da ativ. seguinte é condicionada a ativ. que terminar primeiro. Se no multi-choice a opção escolhida foi a divisão paralela de B e C, então o multimerge habilita a atividade D após o término da thread de controle na divisão paralela que terminar primeiro. Permite unir os ramos separados anteriormente por um Multi-Choice. No entanto, é necessário que todas as instâncias alcancem o Sync Merge para finalizar. Structured Discriminator*

17 Branching and Synchronization Avançado Ao invés de iniciar a próxima thred, ela é cancelada. Cancelling Discriminator Entra duas threads Sai duas threads

18 Padrões de Multiplas Instâncias Independente Define na modelagem quantas instâncias serão.

19 Padrões de Multiplas Instâncias Define em tempo de execução quantas instâncias serão. Define em tempo de execução quantas instâncias serão. Mas permite, também em tempo de exec, acrescentar mais instâncias.

20 Padrões baseado no Estado Nestes padrão os estados determinam o curso de ações. o qual provê a habilidade de evitar a execução concorrente de partes específicas de um processo

21 Padrões baseado no Estado Nestes padrão os estados determinam o curso de ações.

22 Padrões baseado no Estado Nestes padrão os estados determinam o curso de ações. Tarefa somente pode ser ativada quando o token estiver em um estado específico

23 Padrões de Cancelamento e Finalização

24 Padrões de Cancelamento e Finalização

25 Padrões de Cancelamento e Finalização

26 Padrões de Termino

27 Padrões de Disparo

28 Data Patterns Lida com a passagem de informações, escopo de variavéis e etc.

29 Data Pattern Esta classe trata da forma com que os dados serão gerenciados pelo sistema de workflow. Como são utilizados? Como são representados?

30 Caracterização dos Dados Composta por 4 tipos de padrões: Visibilidade dos Dados - relacionado a maneira como os dados são visualizados pelos outros componentes; Iteração entre os Dados - focado em como os dados são comunicados entre os elementos; Transferência de Dados descreve como os dados são transferidos entre os componentes do workflow; Roteamento baseado em Dados - maneira com que os dados podem influenciar outros aspectos do workflow.

31 Visibilidade dos Dados Task Data Visivel apenas dentro do elemento.

32 Visibilidade dos Dados Block Data Visivel dentro do elemento e no sub-processo.

33 Visibilidade dos Dados Scope Data Visivel apenas em atividades definidas.

34 Visibilidade dos Dados Multiple Instance Data Tarefas que podem ser executadas várias vezes e que resultam em um dado específico, individual.

35 Visibilidade dos Dados Case Data Elementos que podem ser executados por todos os elementos do processo no caso/instancia.

36 Visibilidade dos Dados Folder Data Elementos visiveis em todo processo. No entato, dentro do mesmo caso.

37 Visibilidade dos Dados Workflow Data Elementos visiveis em todo processo e casos.

38 Visibilidade dos Dados Environment Data Elementos disponíveis em um ambiente externo mas que podem ser acessados dentro do processo.

39 Iteração Interna dos Dados Task to Task Habilidadade para comunicar dados entre dois elementos no mesmo caso.

40 Iteração Interna dos Dados Block Task to Sub- Workflow Decomposition Habilidadade para passar dados da tarefa para um sub-processo.

41 Iteração Interna dos Dados Sub-Workflow Decomposition to Block Task Habilidade de passar dados do sub-processo de volta para a atividade correspondente.

42 Iteração Interna dos Dados To Multiple Instance Task Habilidade de passar um dado para uma atividade que pode executar várias instancias.

43 Iteração Interna dos Dados From Multiple Instance Task Habilidade de passar um dado para uma atividade que pode executar várias instancias. A passagem do dado final ocorre na conclusão de uma instancia. Quando uma tarefa é concluida acontece a passagem de parametro das outras também.

44 Iteração Interna dos Dados Case to Case Passagem de um dado de um caso para outro. Neste caso, utiliza-se uma váriavel externa de dados (Environment Data).

45 Iteração Externa dos Dados Task to Environment - Push Habilidade de uma tarefa iniciar a passagem de um dado para um recurso ou serviço.

46 Iteração Externa dos Dados Environment to Task - Pull Habilidade de uma tarefa requisitar e receber um dado de um serviço ou recurso.

47 Iteração Externa dos Dados Environment to Task - Push Habilidade de uma tarefa receber e armazenar um dado de um serviço ou recurso.

48 Iteração Externa dos Dados Task to Environment - Pull Habilidade de uma tarefa receber e responder a requisição de dados de um recursos ou serviço.

49 Iteração Externa dos Dados Case to Environment - Push Habilidade de um caso iniciar a passagem de um dado para um recurso ou serviço.

50 Iteração Externa dos Dados Environment to Case - Pull Habilidade de um caso requisitar e armazenar um dado de um recurso ou serviço.

51 Iteração Externa dos Dados Environment to Case - Push Habilidade de um caso requisitar e utilizar um dado de um recurso ou serviço.

52 Iteração Externa dos Dados Case to Environment - Pull Habilidade de um caso responder um requição de um dado de um recurso ou serviço.

53 Iteração Externa dos Dados Workflow to Environment - Push Habilidade de um ambiente de processo (workflow) iniciar a passagem de um dado para um recurso ou serviço.

54 Iteração Externa dos Dados Environment to Workflow - Pull Habilidade de um ambiente de processo (workflow) requisitar e armazenar um dado de um recurso ou serviço.

55 Iteração Externa dos Dados Environment to Workflow - Push Habilidade de um ambiente de processo (workflow) requisitar e utilizar um dado de um recurso ou serviço.

56 Iteração Externa dos Dados Workflow to Environment - Pull Habilidade de um ambiente de processo (workflow) lidar com solicitações de dados externos.

57 Transferência dos Dados Data Transfer by Value - Incoming Habilidade de um componente em receber dados por valor, sem precisar de nomes ou endereçamento.

58 Transferência dos Dados Data Transfer by Value - Incoming Habilidade de um componente em receber dados por valor, sem precisar de nomes ou endereçamento.

59 Transferência dos Dados Data Transfer by Value - Outgoing Habilidade de um componente em passar dados por valor, sem precisar de nomes ou endereçamento.

60 Transferência dos Dados Data Transfer - Copy In/Copy Out Habilidade de um componente em copiar dados de uma fonte externa em um endereço e no seu final copiar os dados de volta.

61 Transferência dos Dados Data Transfer by Reference - Unlocked A capacidade de um componente em comunicar dados entre elementos utilizando algum lugar mutuamente acessíveis. Sem Restrição

62 Transferência dos Dados Data Transfer by Reference - With Lock A capacidade de um componente em comunicar dados entre elementos utilizando algum lugar mutuamente acessíveis. No entanto, com restriçoes de concorrência. Com Restrição

63 Transferência dos Dados Data Transformation - Input A capacidade de um elemento aplicar uma função de transformação antes de ser passado para um componente.

64 Transferência dos Dados Data Transformation - Output A capacidade de um elemento aplicar uma função de transformação antes de ser passado para fora de um componente.

65 Roteamento baseado em Dados Task Precondition - Data Existence Pré-condição para iniciar a execução de um tarefa. Neste padrão, a existencia de um dado é o pré-requisito.

66 Roteamento baseado em Dados Task Precondition - Data Value Neste caso, a pré-condição é no valor.

67 Roteamento baseado em Dados Task Postcondition - Data Existence Pré-condição para finalizar a execução de um tarefa. Neste padrão, a existencia de um dado é o pré-requisito.

68 Roteamento baseado em Dados Task Postcondition - Data Value Neste padrão, a condição para finalização da tarefa está atrelada ao seu valor de saída.

69 Roteamento baseado em Dados Event-Based Task Trigger Habilidade de um evento externo iniciar e passar dados para uma tarefa.

70 Roteamento baseado em Dados Data-Based Task Trigger Habilidade de disparar uma tarefa especifica somente quando uma expressão baseada em dados for verdadeira.

71 Roteamento baseado em Dados Data-Based Routing Habilidade de alterar o fluxo de controle com base em uma expressão. Se assemelha muito com um OR-Split ou XOR-Split.

72 Resources Pattern Lida com recursos para alocação de atividades, delegação e etc

73 Resources Pattern Esta classe trata da forma com que os recursos serão gerenciados pelo sistema de workflow. Como são utilizados? Como são representados?

74 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho

75 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Direct Distribution Dizer durante o desenvolvimento qual caso irá executar a tarefa;

76 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Role-Based Distribution Dizer durante o desenvolvimento qual grupo de tipos/papeis irá executar a tarefa;

77 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Deferred Distribution Durante a execução e antes da tarefa, escolher qual recursos irá executar a tarefa;

78 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Authorization Privilegios que os recursos dispoe frente aos processos. choose concurrent reorder view offers skip suspend delegate

79 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Authorization Privilegios que os recursos dispoe frente aos processos. choose concurrent reorder view offers skip suspend delegate

80 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Separation of Duties Tarefas devem ser executadas por diferentes recursos. Case Handling Habilidade de alocar os itens de trabalho para o mesmo mesmo recursos quando iniciado.

81 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Separation of Duties Tarefas devem ser executadas por diferentes recursos. Case Handling Habilidade de alocar os itens de trabalho para o mesmo mesmo recursos quando iniciado.

82 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Retain Familiar Alocar um item de trabalho para o mesmo recursos que recebeu o item anterior Capability-Based Distribution Alocar um item de trabalho baseado na capacidade do recurso

83 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho History-Based Distribution Alocar um item de trabalho baseado no histórico de execução do recurso (Richard realizou 59 tarefas de dispacho de cheques) Organisational Distribution Alocar item de trabalho baseado na posição organizacional do recursos

84 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Automatic Execution Habilidade um tarefa executar sem a necessidade de utilizar um serviço do recurso Tarefa marcada como automatic executa imediatamente quando acionada

85 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos

86 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Distribution by Offer - Single Resource Habilidade de distribuir um item de trabalho para um recurso individual; Distribution by Offer - Multiple Resources Habilidade de distribuir um item de trabalho para mais de um recurso. No entato, a alocação é individual.

87 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Distribution by Allocation - Single Resource Habilidade de distribuir um item de trabalho para um recurso específico para sua execução (similar a apontar o dono) Random Allocation Distribuição randômica de quem irá executar a partir de um grupo de recursos;

88 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Round Robin Allocation Distribuição ciclica de quem irá executar a partir de um grupo de recursos;

89 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Round Robin Allocation Distribuição ciclica de quem irá executar a partir de um grupo de recursos;

90 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Shortest Queue Distribuição do item de trabalho para o recurso que, teóricamente, irá executar mais rápido, menos item.

91 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Shortest Queue Distribuição do item de trabalho para o recurso que, teóricamente, irá executar mais rápido, menos item.

92 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Early Distribution Indicar antes do inicio da tarefa, qual recurso irá executar o item de trabalho.

93 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Distribution on Enablement Habilidade de distribuir o item de trabalho no momento em que sua tarefa é ativada para execução

94 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los

95 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los Resource-Initiated Allocation Habilidade de um recursos se comprometer a executar o item de trabalho antes de seu inicio. No entato, ele não pode comecar antes da alocação Resource-Initiated Execution - Allocated Work Item Habilidade de um recurso começar a trabalhar em um item de trabalho atribuído a ele

96 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los Resource-Initiated Execution - Offered Work Item Habilidade de um recursos selecionar um item de trabalho oferecido a ele e iniciar sua execução imediata

97 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los System-Determined Work Queue Content Capacidade do sistema em determinar como os item de trabalho são apresentados para execução Resource-Determined Work Queue Content Capacidade do recursos determinar como os itens de trabalho são apresentados para execução; podendo assim, está apresentação variar entre os recursos

98 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los Selection Autonomy Passa a responsabilidade da execução dos itens de trabalho para o recurso

99 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso

100 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Delegation Habilidade de um recursos alocar um item de trabalho não iniciado, pré-alocado para sua execução, a um outro recurso Escalation Capacidade do sistema alocar ou oferecer um item de trabalho para um grupo de recursos, que não os tenha sido distribuído, como o objetivo de aumentar sua conclusão.

101 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Deallocation Habilidade de um recurso abandonar a execução de um item de trabalho e oferecer a outros recursos Stateful Reallocation Habilidade de realocação de um item de trabalho em execução, com retenção de seu estado

102 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Stateless Reallocation Habilidade de realocação de um item de trabalho em execução, sem retenção de seu estado Suspension/Resumption Habilidade de um recursos suspender ou reiniciar a execução de um item de trabalho

103 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Skip Habilidade de um recursos pular a execução de um item de trabalho e mesmo assim marcá-lo como concluído Redo Habilidade de um recursos refazer um item de trabalho concluído em um caso anterior. Devido a isso os itens de trabalho subsquentes devem ser refeitos também

104 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Pre-Do Habilidade de um recursos iniciar a execução antes do tempo em que foi oferecido ou alocado. Somente itens independentes podem sofrer Pre-Do

105 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso

106 Resources Pattern Padrão de Inicio Automático

107 Resources Pattern Padrão de Inicio Automático Commencement on Creation Habilidade de um recurso começar a executar um item de trabalho logo que é criado Commencement on Allocation Habilidade de um recurso iniciar a execução do item de trabalho logo que é alocado

108 Resources Pattern Padrão de Inicio Automático Piled Execution A capacidade de executar várias instâncias de uma mesma tarefa em formato de pilha; Apenas um recurso pode estar em modo de execução empilhado.

109 Resources Pattern Padrão de Inicio Automático Chained Execution Habilidade de iniciar a execução de um item de trabalho logo depois que anterior é concluído

110 Resources Pattern Padrão de visibilidade de recursos Configurable Unallocated Work Item Visibility Habilidade de configurar a visibilidade dos item de trabalho não alocados. Quem pode ver o que?

111 Resources Pattern Padrão de visibilidade de recursos Configurable Allocated Work Item Visibility Habilidade de configurar a visibilidade dos item de trabalho alocados para os recursos; Para quem esta alocado o item de trabalho?

112 Resources Pattern Padrão de multiplos recursos Additional Resources Solicitação e uso de recursos adicionais O recurso Josh solicita alguma ação ou dado do sistema para continuar sua execução

113 Resources Pattern Padrão de multiplos recursos Simultaneous Execution Um recursos executar mais de um item de trabalho

114 Exception Handling Perspective Lidar com as diversas causas de exceções e as várias ações que precisam ser tomadas como resultado de exceções.

115 Exception Um evento; Distinto mas identificável; Diz respeito a um item de trabalho único; Possui um tipo atrelado, e que diz como ela deverá ser tratada.

116 Exception Esta classe trata da forma com que as exceções serão gerenciados pelo sistema de workflow. Para isso, três considerações principais são necessárias: Como o item será tratado? Como os outros itens serão tratados? Quais serão as ações corretivas?

117 Tipos de Exception Item de trabalho falha; Tempo de execução expira; Recurso indisponível Violação de restrição.

118 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho

119 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho continue-offer (OCO) - o item de trabalho é oferecido para um ou mais recurso e seu estado não é alterado como feedback da exception; reoffer (ORO) - o item de trabalho é oferecido para um ou mais recursos e como resultado da exception eles são removidos, depois são novamente oferecidos; force-fail-o (OFF) - o item de trabalho é oferecido para um ou mais recursos, essas ofertas são removidas e o item passa para fail, depois nada é efetuado; force-complete-o (OFC) - o item de trabalho é oferecido para um ou mais recursos, o item de trabalho é retirado, passa para complete e os processos seguintes são executados;

120 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho continue-allocation (ACA) - o item de trabalho é alocado para um recurso específico, aguardando para ser executado futuramente e não acontecem mudançãs em seu estado por causa da exception; reallocate (ARA) - o item de trabalho é alocado para um recursos, esta alocação é returada e o item é alocado para um outro recurso; reoffer-a (ARO) - o item de trabalho é alocado para um recursos, esta alocação é retirada e o item de trabalho é oferecido para um ou mais recursos; force-fail-a (AFF) - o item de trabalho é alocado para um recursos, esta alocação é returada e o estado do item passa para failed, nada é executado;

121 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho force-complete-a (AFC) - o item de trabalho é alocado para um recursos, esta alocação é retirada e o estado para para completo, todos os items a seguir são disparados; continue-execution (SCE) - o item de trabalho é iniciado e nada é alterado por causa da exception; restart (SRS) - o item de trabalho é iniciado, a execução atual é interrompida e o item de trabalho é reiniciado; reallocate-s (SRA) - o item de trabalho é iniciado, sua execução é interrompida e o item de trabalho é realocado para um outro recurso;

122 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho reoffer-s (SRO) - o item de trabalho é iniciado, sua execução é interrompida e ele é oferecido para um ou mais recursos; force-fail (SFF) - o item de trabalho é executado, todo seu processamento é interrompido e seu estado passa para failed, nada é executado; force-complete (SFC) - o item de trabalho é executado, todo seu processamento é interrompido e seu estado passa para complete, todos os item a seguir são disparados.

123 Tratamento das Exceptions em um Caso Continue with case (CWC) - o caso continua a ser executado; Remove current case (RCC) - remove os itens de trabalho do caso que causou a exception; Remove all cases (RAC) - remove todos os itens e casos que estão executando.

124 Ações Corretivas No action (NIL) - não faz nada; Rollback (RBK) - reverte o que foi feito; Compensate (COM) - compensar os efeitos da exception.

125 Avaliação de Produtos Produtos Comerciais Produtos Open Source Avaliação de Padrões nas Linguagens de Workflow

126 Simples Exemplo Tabela 1. Apresenta um simples exemplo de avaliação das ferramentas comerciais para o Control-flow Pattern

127 Simples Exemplo Tabela 2. Apresenta um simples exemplo de avaliação da aderência das linguagens ao Control-flow Pattern

128 Referências ations.htm

129 Obrigado! Flávio Horita

BPMN. Business Process Modeling Notation

BPMN. Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Montar viagem UML (diagrama de atividades) Montar viagem BPMN Tipos de diagrama 1) Private Business Process ou Diagramas de processos privados: usado quando não

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm. Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida

Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm. Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida o o o o o o Processos de Negócio Visão geral: Workflow Resource Patterns A

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Curso de BPMN - II. Desenho de processo

Curso de BPMN - II. Desenho de processo Curso de BPMN - II Glauco Reis (gsrt@terra.com.br) é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4, e IBM CSE e IBM Websphere Application

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO

REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO ALUNA: FLÁVIA LEITE

Leia mais

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BP Business Process Algumas definições sobre o que é Processos de Negócio (BP) Um processo é um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13 Computação Orientada aos Serviços WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13 Workflow No desenvolvimento de software, o principal objectivo é resolver problemas reais de negócio. Normalmente parte-se a resolução

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Produto : Logix, WMS, 12 Chamado : PCREQ-1926 Data da criação : 03/07/2015 Data da revisão : 24/07/15 País(es) : Todos Banco(s) de

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de ações a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Manual do sistema SMARsa Web

Manual do sistema SMARsa Web Manual do sistema SMARsa Web Módulo Gestão de atividades RS/OS Requisição de serviço/ordem de serviço 1 Sumário INTRODUÇÃO...3 OBJETIVO...3 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo gestão de atividades...4

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA XPDL E BPEL. Tese de Mestrado. Mestrado em Sistemas de Informação

FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA XPDL E BPEL. Tese de Mestrado. Mestrado em Sistemas de Informação ESCOLA DE ENGENHARIA FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA DE FRAMEWORK COMPARATIVA DAS TECNOLOGIAS XPDL E BPEL Tese de Mestrado Mestrado em Sistemas de Informação Trabalho

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos Tutorial de BPMN Visão Geral É um padrão para modelagem de processos de negócio que fornece uma notação gráfica para especificação de processos de negócio em um DPN (Diagrama de Processo de Negócios).

Leia mais

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos 1 Mapeamento de Processos Mapeamento de Processos e Negócios com BPM 2 Ementa Introdução Definição

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI Harley Caixeta Seixas Márcia Lúcia Borges de Melo Gomes Roberta A. de Mello Bezerra Silvana Dias Soares FERRAMENTA BIZAGI BPMN Business Process Modeling Notation

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Casos de Uso Objetivos Principais dos Casos de Uso: Delimitação do contexto de

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 9 Modelagem de estados Todos os adultos um dia foram crianças, mas poucos se lembram disso.

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

EverSafe Online Backup Client

EverSafe Online Backup Client Manual do usuário EverSafe Offsite Backup Equipe de desenvolvimento Fev.2011 Conteúdo 1. Baixando instalador Online Backup Agent [oba-win.exe ] 1.1. Como baixar o agente instalador 1.2. Executando o agente

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

GUIA DE USUÁRIO - GU-

GUIA DE USUÁRIO - GU- 1/22 Revisão 00 de 20//12 1. OBJETIVO Orientar o usuário para a pesquisa e visualização detalhada de todas as ordens de compra emitidas, emitir confirmações de aceite, submeter solicitação de alteração,

Leia mais

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal Manual de Convenções BPMN Business Process Modelling Notation 2009 GFI Portugal O que é o BPMN? O BPMN é uma notação gráfica para a definição de processos de negócio É o standard internacional para modelação

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos SUMÁRIO PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI... 2 1. CONFIGURANDO A FERRAMENTA... 2 2. GLOSSÁRIO... 2 3. OBJETIVO... 3 4. NOTAÇÃO... 3 5. REGRAS DE DESENHO... 3 5.1. Macroprocesso... 3 5.2. Sub-processo......

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

Backup Exec 2014: Guia de Atualização

Backup Exec 2014: Guia de Atualização Introdução Esse material tem como objetivo demonstrar na prática um passo a passo de como fazer o upgrade do Backup Exec 2010 R3 para o Backup Exec 2014, tendo como foco mostrar como algumas configurações

Leia mais

Guia para envio de SMS e e-mail

Guia para envio de SMS e e-mail Guia para envio de SMS e e-mail Sumário 3 Fluxo para envio... de SMS 4 Fluxo para envio de e-mail... 15 2 3 Fluxo para envio de SMS O usuário deve seguir o seguinte fluxo para realizar o envio de SMS como

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Introdução à Bonita BPM

Introdução à Bonita BPM WHITE PAPER Introdução à Bonita BPM Como começar a usar o Bonita BPM para capturar um processo conceitual e transformá-lo em um diagrama de processo Charlotte Adams, Alexandre Bricout e Maria Picard, Bonitasoft

Leia mais

CAPTAÇÃO DE PEDIDOS DO REVENDEDOR

CAPTAÇÃO DE PEDIDOS DO REVENDEDOR CAPTAÇÃO DE PEDIDOS DO REVENDEDOR 1. Captação de Pedidos - pela Central (Back office) 1 2. Como consultar Pedido 16 3. Como visualizar Detalhes de um Pedido 19 4. Como consultar Vendas/Cortes em Pedidos

Leia mais

Perguntas e Respostas NOVO SITE PEDIDOSONLINE HERBALIFE NO MYHERBALIFE.COM.BR BRASIL, 2013.

Perguntas e Respostas NOVO SITE PEDIDOSONLINE HERBALIFE NO MYHERBALIFE.COM.BR BRASIL, 2013. Geral Como posso pedir produtos em outros países? Como eu coloco Pedidos através do myherbalife.com.br? Como eu pago a Taxa de Processamento Anual? Esse mês tem fechamento duplo. Eu terei a possibilidade

Leia mais

Manual Administrador - Mídia System

Manual Administrador - Mídia System Manual Administrador - Mídia System Logo após cadastrarmos sua Empresa em nosso sistema, será enviado um e-mail confirmando as informações de acesso do Administrador do sistema. Obs: Caso não tenha recebido

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS)

Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS) Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS) Visibilidade global dos fornecedores Shell www.shell.com/supplier/qualification Nossa abordagem à pré-qualificação dos fornecedores O setor de contratos e aquisições

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

Treinamento Business Objects (BO) Confecção de Relatórios 1 etapa Facilitador: Fabio Alberto Paiva Xavier

Treinamento Business Objects (BO) Confecção de Relatórios 1 etapa Facilitador: Fabio Alberto Paiva Xavier Treinamento Business Objects (BO) Confecção de Relatórios 1 etapa Facilitador: Fabio Alberto Paiva Xavier 29 de Outubro 2010 Objetivos do Treinamento: Ao final deste treinamento, é esperado que os participantes

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

Adaptação Dinâmica de processos através de planejamento sensível a contexto

Adaptação Dinâmica de processos através de planejamento sensível a contexto Adaptação Dinâmica de processos através de planejamento sensível a contexto Vanessa Tavares Nunes Orientadores: Claudia Werner Flavia Santoro Agenda Cenário Problema Geral e Objetivo Visão geral da solução

Leia mais

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System Fábio Meira de O. Dias, Marcelo Tílio M. Carvalho TecGraf PUC-Rio Tópicos Introdução Planos de emergência Linguagem de definição de planos

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

Introdução ao Controle de Versões. Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br)

Introdução ao Controle de Versões. Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Introdução ao Controle de Versões Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Introdução A Engenharia de Software... Abordagem disciplinada para o desenvolvimento de software Grande diversidade de metodologias

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio para Análise de Solução de TI

Modelagem de Processos de Negócio para Análise de Solução de TI Modelagem de Processos de Negócio para Análise de Solução de TI Sonia Mara de Andréia Pimentel Machado COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA BRASIL BOLIVIA CHILE URUGUAI ARGENTINA PARANÁ CURITIBA Consumidores:.100.000

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server. Recover no Oracle O backup e recuperação de dados em um SGBD é de grande importância para a manutenção dos dados. Dando continuidade a nossos artigos, apresentamos abaixo formas diferentes de se fazer

Leia mais

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma:

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma: 1 Introdução A utilização de frameworks como base para a construção de aplicativos tem sido adotada pelos desenvolvedores com três objetivos básicos. Primeiramente para adotar um padrão de projeto que

Leia mais

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaespecificacaocasouso.odt Número de páginas: 10 Versão Data Mudanças Autor 1.0 09/10/2007

Leia mais

O processo de melhoria de processo

O processo de melhoria de processo O processo de melhoria de processo Prof.ª Dra. Aida Araújo Ferreira aidaferreira@recife.ifpe.edu.br Modelos de Melhoria de Processo de Software Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IFPE

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

Aula Anterior. Capítulo 2

Aula Anterior. Capítulo 2 Capítulo 2 Clique Ciclo para de Vida editar e o estilo do Organização título do mestre Projeto O Ciclo de vida do projeto Características do ciclo de vida do projeto Relações entre o ciclo de vida do projeto

Leia mais

INTRODUÇÃO ENTENDENDO O MODO CACHE

INTRODUÇÃO ENTENDENDO O MODO CACHE INTRODUÇÃO A Resolução nº 278/2011 PRES, modificada em parte pela Resolução nº 290/2012 PRES, regulamenta a utilização do correio eletrônico no âmbito da Justiça Federal da Terceira Região. Para atender

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Desenvolvimento web II IMPORTANTE SABER Desenvolvimento web II DEADLOCK (interbloqueio, blocagem, impasse) Situação em

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br BPMN Business Process Modeling Notation Outubro/2006 Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br 1 Agenda Introdução História Especificação Swinlanes Atividades Eventos Gateways

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

Criando Workflow de dispensa no Nintex

Criando Workflow de dispensa no Nintex No Site de dispensas (Leave): Clicar na lista de Requerimentos (Requests): Após a lista aberta selecionar a aba LIST em seguida Workflow Setting e por fim Create a Workflow in Nintex WorkFlow. A primeira

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia EDITAL Nº05/ PROGRAD/ DIREN/2010 ANEXO II 1 Título do Projeto: Automação de Fluxo de Trabalho Administrativo 2- Nome do Orientador: Autran Macêdo 3 Unidade: FACOM 4- Curso: Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-control MSI Versão: 4.6 Versão do Doc.: 1.0 Autor: Aline Della Justina Data: 17/06/2011 Público-alvo: Clientes e Parceiros NDDigital Alterado por: Release Note: Detalhamento

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian Manual do Produto Índice Introdução - Assistente do Certificado Digital Serasa Experian 3 1. Verificação de Ambiente 4 2. Instalação

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais