Padrões de Workflow. Flávio Horita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Padrões de Workflow. Flávio Horita"

Transcrição

1 Padrões de Workflow Flávio Horita

2 Problema Várias linguagens de workflow com semânticas diferentes; Finalização implicita x Finalização explicita Um entrada e uma saída no loop X sem restrição Várias instâncias X apenas uma Crescente utilização e maturidade da tecnologia de workflow.

3 Padrões de Workflow O Workflow Patterns Initiative foi estabelecido com o objetivo de delinear sobre os requisitos fundamentais para surgem durante a modelagem de processos de negócio.

4 Padrões de Workflow Um padrão estabelece um nome e define o problema, a solução, quando aplicar esta solução e suas consequências. Os padrões visam facilitar a reutilização de soluções de desenho Tornar comum, reutilizável, normalizado

5 Padrões de Workflow A Workflow Patterns initiative indica os pré-requisitos para o idioma de workflow. Workflow Patterns também como padrão de notação, simbolos,??? Existem vários padrões, BPMN Business Process Diagram from BPMI, and the UML 2.0 Activity Diagram from the OMG, exemplos.

6 História dos Padrões de Workflow Wil van der Aalst Holanda Arthur ter Hofstede Australia Servir como base para desenv de ferramenta; Comparar sistemas de workflow; Comparar abordagens e linguagens para um determinado processo. The Workflow Patterns initiative 1999 Ling. De Work e BPM devem suportar os padrões

7 Tipos de Padrões de Workflow Existem ~144 padrões agrupados em quatro perspectivas: Control-Flow Patterns Resources Patterns Data Patterns Exception Handling Patterns

8 Breve Resumo dos Tipos A perspectiva de Control-flow trata dos aspectos relacionados ao controle de fluxo entre as atividades; A perspectiva de Data trata do gerenciamento de dados e informações; A perspectiva de Resource trata do gerenciamento de recursos para alocação de itens de trabalho; A perspectiva de Exception Handling trata das várias causas de erros/exceções e suas ações corretivas. Em sistemas de processo de reconhecimento de informações diversas perspectivas podem ser distinguidos

9 Control-flow Pattern Captura aspectos relacionados ao fluxo de controle entre várias tarefas

10 Control-Flow Pattern Os primeiros projetos de pesquisas definiram vinte padrões para descrever o Controlflow Patterns nos sistemas de worflow. Novas pesquisas identificaram outros vinte e três novos padrões relevantes para o Control-flow Patterns. O Control-flow Patterns é separado em oito classes: Basic Control Flow Patterns Advanced Branching and Synchronization Patterns Multiple Instance Patterns State-based Patterns Cancellation and Force Completion Patterns Iteration Patterns Termination Patterns Trigger Patterns

11 Basic Control Flow Patterns Esta classe de padrão trata de simples iterações entre as atividades do Workflow. Composto por cinco tipos de padrões: Sequence Parallel Split Syrichronization Exclusive Choice Simple Merge

12 Overview AND AND

13 Overview XOR XOR

14 Branching and Synchronization Avançado Branching e Merging mais complexos; Inicialmente composto por quatro padrões. Durante várias pesquisas outros dez foram identificados e criados, formando os 14 padrões conhecidos atualmente.

15 Branching and Synchronization Avançado Pattern Tipo Instâncias Simple Merge Synchron. 1 Exclusive Choice Branch. 1 Multi-Choice Branch. 1-n Multi-Merge Synchron. 1-n

16 Branching and Synchronization Avançado Structured Synchronizing Merge Permite unir os ramos. No entanto, a execução da ativ. seguinte é condicionada a ativ. que terminar primeiro. Se no multi-choice a opção escolhida foi a divisão paralela de B e C, então o multimerge habilita a atividade D após o término da thread de controle na divisão paralela que terminar primeiro. Permite unir os ramos separados anteriormente por um Multi-Choice. No entanto, é necessário que todas as instâncias alcancem o Sync Merge para finalizar. Structured Discriminator*

17 Branching and Synchronization Avançado Ao invés de iniciar a próxima thred, ela é cancelada. Cancelling Discriminator Entra duas threads Sai duas threads

18 Padrões de Multiplas Instâncias Independente Define na modelagem quantas instâncias serão.

19 Padrões de Multiplas Instâncias Define em tempo de execução quantas instâncias serão. Define em tempo de execução quantas instâncias serão. Mas permite, também em tempo de exec, acrescentar mais instâncias.

20 Padrões baseado no Estado Nestes padrão os estados determinam o curso de ações. o qual provê a habilidade de evitar a execução concorrente de partes específicas de um processo

21 Padrões baseado no Estado Nestes padrão os estados determinam o curso de ações.

22 Padrões baseado no Estado Nestes padrão os estados determinam o curso de ações. Tarefa somente pode ser ativada quando o token estiver em um estado específico

23 Padrões de Cancelamento e Finalização

24 Padrões de Cancelamento e Finalização

25 Padrões de Cancelamento e Finalização

26 Padrões de Termino

27 Padrões de Disparo

28 Data Patterns Lida com a passagem de informações, escopo de variavéis e etc.

29 Data Pattern Esta classe trata da forma com que os dados serão gerenciados pelo sistema de workflow. Como são utilizados? Como são representados?

30 Caracterização dos Dados Composta por 4 tipos de padrões: Visibilidade dos Dados - relacionado a maneira como os dados são visualizados pelos outros componentes; Iteração entre os Dados - focado em como os dados são comunicados entre os elementos; Transferência de Dados descreve como os dados são transferidos entre os componentes do workflow; Roteamento baseado em Dados - maneira com que os dados podem influenciar outros aspectos do workflow.

31 Visibilidade dos Dados Task Data Visivel apenas dentro do elemento.

32 Visibilidade dos Dados Block Data Visivel dentro do elemento e no sub-processo.

33 Visibilidade dos Dados Scope Data Visivel apenas em atividades definidas.

34 Visibilidade dos Dados Multiple Instance Data Tarefas que podem ser executadas várias vezes e que resultam em um dado específico, individual.

35 Visibilidade dos Dados Case Data Elementos que podem ser executados por todos os elementos do processo no caso/instancia.

36 Visibilidade dos Dados Folder Data Elementos visiveis em todo processo. No entato, dentro do mesmo caso.

37 Visibilidade dos Dados Workflow Data Elementos visiveis em todo processo e casos.

38 Visibilidade dos Dados Environment Data Elementos disponíveis em um ambiente externo mas que podem ser acessados dentro do processo.

39 Iteração Interna dos Dados Task to Task Habilidadade para comunicar dados entre dois elementos no mesmo caso.

40 Iteração Interna dos Dados Block Task to Sub- Workflow Decomposition Habilidadade para passar dados da tarefa para um sub-processo.

41 Iteração Interna dos Dados Sub-Workflow Decomposition to Block Task Habilidade de passar dados do sub-processo de volta para a atividade correspondente.

42 Iteração Interna dos Dados To Multiple Instance Task Habilidade de passar um dado para uma atividade que pode executar várias instancias.

43 Iteração Interna dos Dados From Multiple Instance Task Habilidade de passar um dado para uma atividade que pode executar várias instancias. A passagem do dado final ocorre na conclusão de uma instancia. Quando uma tarefa é concluida acontece a passagem de parametro das outras também.

44 Iteração Interna dos Dados Case to Case Passagem de um dado de um caso para outro. Neste caso, utiliza-se uma váriavel externa de dados (Environment Data).

45 Iteração Externa dos Dados Task to Environment - Push Habilidade de uma tarefa iniciar a passagem de um dado para um recurso ou serviço.

46 Iteração Externa dos Dados Environment to Task - Pull Habilidade de uma tarefa requisitar e receber um dado de um serviço ou recurso.

47 Iteração Externa dos Dados Environment to Task - Push Habilidade de uma tarefa receber e armazenar um dado de um serviço ou recurso.

48 Iteração Externa dos Dados Task to Environment - Pull Habilidade de uma tarefa receber e responder a requisição de dados de um recursos ou serviço.

49 Iteração Externa dos Dados Case to Environment - Push Habilidade de um caso iniciar a passagem de um dado para um recurso ou serviço.

50 Iteração Externa dos Dados Environment to Case - Pull Habilidade de um caso requisitar e armazenar um dado de um recurso ou serviço.

51 Iteração Externa dos Dados Environment to Case - Push Habilidade de um caso requisitar e utilizar um dado de um recurso ou serviço.

52 Iteração Externa dos Dados Case to Environment - Pull Habilidade de um caso responder um requição de um dado de um recurso ou serviço.

53 Iteração Externa dos Dados Workflow to Environment - Push Habilidade de um ambiente de processo (workflow) iniciar a passagem de um dado para um recurso ou serviço.

54 Iteração Externa dos Dados Environment to Workflow - Pull Habilidade de um ambiente de processo (workflow) requisitar e armazenar um dado de um recurso ou serviço.

55 Iteração Externa dos Dados Environment to Workflow - Push Habilidade de um ambiente de processo (workflow) requisitar e utilizar um dado de um recurso ou serviço.

56 Iteração Externa dos Dados Workflow to Environment - Pull Habilidade de um ambiente de processo (workflow) lidar com solicitações de dados externos.

57 Transferência dos Dados Data Transfer by Value - Incoming Habilidade de um componente em receber dados por valor, sem precisar de nomes ou endereçamento.

58 Transferência dos Dados Data Transfer by Value - Incoming Habilidade de um componente em receber dados por valor, sem precisar de nomes ou endereçamento.

59 Transferência dos Dados Data Transfer by Value - Outgoing Habilidade de um componente em passar dados por valor, sem precisar de nomes ou endereçamento.

60 Transferência dos Dados Data Transfer - Copy In/Copy Out Habilidade de um componente em copiar dados de uma fonte externa em um endereço e no seu final copiar os dados de volta.

61 Transferência dos Dados Data Transfer by Reference - Unlocked A capacidade de um componente em comunicar dados entre elementos utilizando algum lugar mutuamente acessíveis. Sem Restrição

62 Transferência dos Dados Data Transfer by Reference - With Lock A capacidade de um componente em comunicar dados entre elementos utilizando algum lugar mutuamente acessíveis. No entanto, com restriçoes de concorrência. Com Restrição

63 Transferência dos Dados Data Transformation - Input A capacidade de um elemento aplicar uma função de transformação antes de ser passado para um componente.

64 Transferência dos Dados Data Transformation - Output A capacidade de um elemento aplicar uma função de transformação antes de ser passado para fora de um componente.

65 Roteamento baseado em Dados Task Precondition - Data Existence Pré-condição para iniciar a execução de um tarefa. Neste padrão, a existencia de um dado é o pré-requisito.

66 Roteamento baseado em Dados Task Precondition - Data Value Neste caso, a pré-condição é no valor.

67 Roteamento baseado em Dados Task Postcondition - Data Existence Pré-condição para finalizar a execução de um tarefa. Neste padrão, a existencia de um dado é o pré-requisito.

68 Roteamento baseado em Dados Task Postcondition - Data Value Neste padrão, a condição para finalização da tarefa está atrelada ao seu valor de saída.

69 Roteamento baseado em Dados Event-Based Task Trigger Habilidade de um evento externo iniciar e passar dados para uma tarefa.

70 Roteamento baseado em Dados Data-Based Task Trigger Habilidade de disparar uma tarefa especifica somente quando uma expressão baseada em dados for verdadeira.

71 Roteamento baseado em Dados Data-Based Routing Habilidade de alterar o fluxo de controle com base em uma expressão. Se assemelha muito com um OR-Split ou XOR-Split.

72 Resources Pattern Lida com recursos para alocação de atividades, delegação e etc

73 Resources Pattern Esta classe trata da forma com que os recursos serão gerenciados pelo sistema de workflow. Como são utilizados? Como são representados?

74 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho

75 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Direct Distribution Dizer durante o desenvolvimento qual caso irá executar a tarefa;

76 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Role-Based Distribution Dizer durante o desenvolvimento qual grupo de tipos/papeis irá executar a tarefa;

77 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Deferred Distribution Durante a execução e antes da tarefa, escolher qual recursos irá executar a tarefa;

78 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Authorization Privilegios que os recursos dispoe frente aos processos. choose concurrent reorder view offers skip suspend delegate

79 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Authorization Privilegios que os recursos dispoe frente aos processos. choose concurrent reorder view offers skip suspend delegate

80 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Separation of Duties Tarefas devem ser executadas por diferentes recursos. Case Handling Habilidade de alocar os itens de trabalho para o mesmo mesmo recursos quando iniciado.

81 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Separation of Duties Tarefas devem ser executadas por diferentes recursos. Case Handling Habilidade de alocar os itens de trabalho para o mesmo mesmo recursos quando iniciado.

82 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Retain Familiar Alocar um item de trabalho para o mesmo recursos que recebeu o item anterior Capability-Based Distribution Alocar um item de trabalho baseado na capacidade do recurso

83 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho History-Based Distribution Alocar um item de trabalho baseado no histórico de execução do recurso (Richard realizou 59 tarefas de dispacho de cheques) Organisational Distribution Alocar item de trabalho baseado na posição organizacional do recursos

84 Resources Pattern Padrões de Criação correspondem a limitação na execução do item de trabalho Automatic Execution Habilidade um tarefa executar sem a necessidade de utilizar um serviço do recurso Tarefa marcada como automatic executa imediatamente quando acionada

85 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos

86 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Distribution by Offer - Single Resource Habilidade de distribuir um item de trabalho para um recurso individual; Distribution by Offer - Multiple Resources Habilidade de distribuir um item de trabalho para mais de um recurso. No entato, a alocação é individual.

87 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Distribution by Allocation - Single Resource Habilidade de distribuir um item de trabalho para um recurso específico para sua execução (similar a apontar o dono) Random Allocation Distribuição randômica de quem irá executar a partir de um grupo de recursos;

88 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Round Robin Allocation Distribuição ciclica de quem irá executar a partir de um grupo de recursos;

89 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Round Robin Allocation Distribuição ciclica de quem irá executar a partir de um grupo de recursos;

90 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Shortest Queue Distribuição do item de trabalho para o recurso que, teóricamente, irá executar mais rápido, menos item.

91 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Shortest Queue Distribuição do item de trabalho para o recurso que, teóricamente, irá executar mais rápido, menos item.

92 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Early Distribution Indicar antes do inicio da tarefa, qual recurso irá executar o item de trabalho.

93 Resources Pattern Padrões de Alocação ou Oferta de um Item de Trabalho para recursos Distribution on Enablement Habilidade de distribuir o item de trabalho no momento em que sua tarefa é ativada para execução

94 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los

95 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los Resource-Initiated Allocation Habilidade de um recursos se comprometer a executar o item de trabalho antes de seu inicio. No entato, ele não pode comecar antes da alocação Resource-Initiated Execution - Allocated Work Item Habilidade de um recurso começar a trabalhar em um item de trabalho atribuído a ele

96 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los Resource-Initiated Execution - Offered Work Item Habilidade de um recursos selecionar um item de trabalho oferecido a ele e iniciar sua execução imediata

97 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los System-Determined Work Queue Content Capacidade do sistema em determinar como os item de trabalho são apresentados para execução Resource-Determined Work Queue Content Capacidade do recursos determinar como os itens de trabalho são apresentados para execução; podendo assim, está apresentação variar entre os recursos

98 Resources Pattern Pull Patterns acontece quando os recursos conhecem os item de trabalhos a serem executados e realizam ações para executá-los Selection Autonomy Passa a responsabilidade da execução dos itens de trabalho para o recurso

99 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso

100 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Delegation Habilidade de um recursos alocar um item de trabalho não iniciado, pré-alocado para sua execução, a um outro recurso Escalation Capacidade do sistema alocar ou oferecer um item de trabalho para um grupo de recursos, que não os tenha sido distribuído, como o objetivo de aumentar sua conclusão.

101 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Deallocation Habilidade de um recurso abandonar a execução de um item de trabalho e oferecer a outros recursos Stateful Reallocation Habilidade de realocação de um item de trabalho em execução, com retenção de seu estado

102 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Stateless Reallocation Habilidade de realocação de um item de trabalho em execução, sem retenção de seu estado Suspension/Resumption Habilidade de um recursos suspender ou reiniciar a execução de um item de trabalho

103 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Skip Habilidade de um recursos pular a execução de um item de trabalho e mesmo assim marcá-lo como concluído Redo Habilidade de um recursos refazer um item de trabalho concluído em um caso anterior. Devido a isso os itens de trabalho subsquentes devem ser refeitos também

104 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso Pre-Do Habilidade de um recursos iniciar a execução antes do tempo em que foi oferecido ou alocado. Somente itens independentes podem sofrer Pre-Do

105 Resources Pattern Padrões de Desvio acontece quando a distribuição de um item de trabalho é interrompida pelo sistema ou pelo recurso

106 Resources Pattern Padrão de Inicio Automático

107 Resources Pattern Padrão de Inicio Automático Commencement on Creation Habilidade de um recurso começar a executar um item de trabalho logo que é criado Commencement on Allocation Habilidade de um recurso iniciar a execução do item de trabalho logo que é alocado

108 Resources Pattern Padrão de Inicio Automático Piled Execution A capacidade de executar várias instâncias de uma mesma tarefa em formato de pilha; Apenas um recurso pode estar em modo de execução empilhado.

109 Resources Pattern Padrão de Inicio Automático Chained Execution Habilidade de iniciar a execução de um item de trabalho logo depois que anterior é concluído

110 Resources Pattern Padrão de visibilidade de recursos Configurable Unallocated Work Item Visibility Habilidade de configurar a visibilidade dos item de trabalho não alocados. Quem pode ver o que?

111 Resources Pattern Padrão de visibilidade de recursos Configurable Allocated Work Item Visibility Habilidade de configurar a visibilidade dos item de trabalho alocados para os recursos; Para quem esta alocado o item de trabalho?

112 Resources Pattern Padrão de multiplos recursos Additional Resources Solicitação e uso de recursos adicionais O recurso Josh solicita alguma ação ou dado do sistema para continuar sua execução

113 Resources Pattern Padrão de multiplos recursos Simultaneous Execution Um recursos executar mais de um item de trabalho

114 Exception Handling Perspective Lidar com as diversas causas de exceções e as várias ações que precisam ser tomadas como resultado de exceções.

115 Exception Um evento; Distinto mas identificável; Diz respeito a um item de trabalho único; Possui um tipo atrelado, e que diz como ela deverá ser tratada.

116 Exception Esta classe trata da forma com que as exceções serão gerenciados pelo sistema de workflow. Para isso, três considerações principais são necessárias: Como o item será tratado? Como os outros itens serão tratados? Quais serão as ações corretivas?

117 Tipos de Exception Item de trabalho falha; Tempo de execução expira; Recurso indisponível Violação de restrição.

118 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho

119 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho continue-offer (OCO) - o item de trabalho é oferecido para um ou mais recurso e seu estado não é alterado como feedback da exception; reoffer (ORO) - o item de trabalho é oferecido para um ou mais recursos e como resultado da exception eles são removidos, depois são novamente oferecidos; force-fail-o (OFF) - o item de trabalho é oferecido para um ou mais recursos, essas ofertas são removidas e o item passa para fail, depois nada é efetuado; force-complete-o (OFC) - o item de trabalho é oferecido para um ou mais recursos, o item de trabalho é retirado, passa para complete e os processos seguintes são executados;

120 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho continue-allocation (ACA) - o item de trabalho é alocado para um recurso específico, aguardando para ser executado futuramente e não acontecem mudançãs em seu estado por causa da exception; reallocate (ARA) - o item de trabalho é alocado para um recursos, esta alocação é returada e o item é alocado para um outro recurso; reoffer-a (ARO) - o item de trabalho é alocado para um recursos, esta alocação é retirada e o item de trabalho é oferecido para um ou mais recursos; force-fail-a (AFF) - o item de trabalho é alocado para um recursos, esta alocação é returada e o estado do item passa para failed, nada é executado;

121 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho force-complete-a (AFC) - o item de trabalho é alocado para um recursos, esta alocação é retirada e o estado para para completo, todos os items a seguir são disparados; continue-execution (SCE) - o item de trabalho é iniciado e nada é alterado por causa da exception; restart (SRS) - o item de trabalho é iniciado, a execução atual é interrompida e o item de trabalho é reiniciado; reallocate-s (SRA) - o item de trabalho é iniciado, sua execução é interrompida e o item de trabalho é realocado para um outro recurso;

122 Tratamento das Exceptions em um Item de Trabalho reoffer-s (SRO) - o item de trabalho é iniciado, sua execução é interrompida e ele é oferecido para um ou mais recursos; force-fail (SFF) - o item de trabalho é executado, todo seu processamento é interrompido e seu estado passa para failed, nada é executado; force-complete (SFC) - o item de trabalho é executado, todo seu processamento é interrompido e seu estado passa para complete, todos os item a seguir são disparados.

123 Tratamento das Exceptions em um Caso Continue with case (CWC) - o caso continua a ser executado; Remove current case (RCC) - remove os itens de trabalho do caso que causou a exception; Remove all cases (RAC) - remove todos os itens e casos que estão executando.

124 Ações Corretivas No action (NIL) - não faz nada; Rollback (RBK) - reverte o que foi feito; Compensate (COM) - compensar os efeitos da exception.

125 Avaliação de Produtos Produtos Comerciais Produtos Open Source Avaliação de Padrões nas Linguagens de Workflow

126 Simples Exemplo Tabela 1. Apresenta um simples exemplo de avaliação das ferramentas comerciais para o Control-flow Pattern

127 Simples Exemplo Tabela 2. Apresenta um simples exemplo de avaliação da aderência das linguagens ao Control-flow Pattern

128 Referências ations.htm

129 Obrigado! Flávio Horita

Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm. Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida

Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm. Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida Módulo de Ampliação de Expressividade para a Ferramenta jbpm Aluno: Diorbert Corrêa Pereira Orientador: João Paulo A. Almeida o o o o o o Processos de Negócio Visão geral: Workflow Resource Patterns A

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation

BPMN. Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Montar viagem UML (diagrama de atividades) Montar viagem BPMN Tipos de diagrama 1) Private Business Process ou Diagramas de processos privados: usado quando não

Leia mais

REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO

REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO ALUNA: FLÁVIA LEITE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO SOBRE PADRÕES DE WORKFLOW E SUAS IMPLEMENTAÇÕES EM WORKFLOW MANAGEMENT

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

Curso de BPMN - II. Desenho de processo

Curso de BPMN - II. Desenho de processo Curso de BPMN - II Glauco Reis (gsrt@terra.com.br) é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4, e IBM CSE e IBM Websphere Application

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA XPDL E BPEL. Tese de Mestrado. Mestrado em Sistemas de Informação

FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA XPDL E BPEL. Tese de Mestrado. Mestrado em Sistemas de Informação ESCOLA DE ENGENHARIA FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA DE FRAMEWORK COMPARATIVA DAS TECNOLOGIAS XPDL E BPEL Tese de Mestrado Mestrado em Sistemas de Informação Trabalho

Leia mais

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13 Computação Orientada aos Serviços WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13 Workflow No desenvolvimento de software, o principal objectivo é resolver problemas reais de negócio. Normalmente parte-se a resolução

Leia mais

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos Tutorial de BPMN Visão Geral É um padrão para modelagem de processos de negócio que fornece uma notação gráfica para especificação de processos de negócio em um DPN (Diagrama de Processo de Negócios).

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI Harley Caixeta Seixas Márcia Lúcia Borges de Melo Gomes Roberta A. de Mello Bezerra Silvana Dias Soares FERRAMENTA BIZAGI BPMN Business Process Modeling Notation

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br BPMN Business Process Modeling Notation Outubro/2006 Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br 1 Agenda Introdução História Especificação Swinlanes Atividades Eventos Gateways

Leia mais

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Business Process Modeling Notation BPMN BPMN Business Process Modeling Notation A especificação da notação de modelagem

Leia mais

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos 1 Mapeamento de Processos Mapeamento de Processos e Negócios com BPM 2 Ementa Introdução Definição

Leia mais

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 13/14

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 13/14 Computação Orientada aos Serviços WF (parte 1) Semestre de Inverno 13/14 Workflow No desenvolvimento de software, o principal objetivo é resolver problemas reais de negócio. Normalmente parte-se a resolução

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal Manual de Convenções BPMN Business Process Modelling Notation 2009 GFI Portugal O que é o BPMN? O BPMN é uma notação gráfica para a definição de processos de negócio É o standard internacional para modelação

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto

PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto PROGRAMAÇÃO PARALELA EM C# Notas de Aula Prof. Marcos E Barreto Referências: - Programming C#. Jesse Liberty, O Reilly, 2001. - Threading in Java and C#: a focused language comparison. Shannon Hardt -

Leia mais

Curso de Modelagem de Processos CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS. Tradução e Organização Adinilson Martins

Curso de Modelagem de Processos CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS. Tradução e Organização Adinilson Martins CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS Tradução e Organização Adinilson Martins 1 Sumário Introdução... 3 1. Conceito de Processo... 3 2. Análise de Processos... 5 2.1 Identificação dos processos institucionais...5

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

Adaptação Dinâmica de processos através de planejamento sensível a contexto

Adaptação Dinâmica de processos através de planejamento sensível a contexto Adaptação Dinâmica de processos através de planejamento sensível a contexto Vanessa Tavares Nunes Orientadores: Claudia Werner Flavia Santoro Agenda Cenário Problema Geral e Objetivo Visão geral da solução

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Um Framework para Desenvolvimento de Workflows baseado em Padrões de Workflow

Leia mais

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BP Business Process Algumas definições sobre o que é Processos de Negócio (BP) Um processo é um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio Usando Álgebra de Processos

Gerenciamento de Processos de Negócio Usando Álgebra de Processos V CONGED Congresso de Tecnologias para Gestão de Dados e Metadados do Cone Sul Gerenciamento de Processos de Negócio Usando Álgebra de Processos João Eduardo Ferreira (jef@ime.usp.br) Esta palestra é uma

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio e Aplicabilidade na Saúde e na Robótica

Gerenciamento de Processos de Negócio e Aplicabilidade na Saúde e na Robótica Capítulo 4 Gerenciamento de Processos de Negócio e Aplicabilidade na Saúde e na Robótica Lucinéia Heloisa Thom Resumo O gerenciamento de processos de negócio (BPM) proporciona não apenas a redução de custos,

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de ações a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Treinamentos em Gestão por Processos Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Representando processos de negócio com a notação mais poderosa do Mercado. BPMN (Business Process Model and Notation)

Leia mais

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Prof. Silvana Rossetto 1 Departamento de Ciência da Computação (DCC) Instituto de Matemática (IM) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Maio de 2012 1.

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System Fábio Meira de O. Dias, Marcelo Tílio M. Carvalho TecGraf PUC-Rio Tópicos Introdução Planos de emergência Linguagem de definição de planos

Leia mais

7 Processos. 7.1 Introdução

7 Processos. 7.1 Introdução 1 7 Processos 7.1 Introdução O conceito de processo é a base para a implementação de um sistema multiprogramável. O processador é projetado apenas para executar instruções, não se importando com qual programa

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Gestão de Processos de Negócios

Gestão de Processos de Negócios Gestão Operacional da TI Gestão de Processos de Negócios Business Process Management (BPM) Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Professor NOME: RÔMULO CÉSAR DIAS DE ANDRADE

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Produto : Logix, WMS, 12 Chamado : PCREQ-1926 Data da criação : 03/07/2015 Data da revisão : 24/07/15 País(es) : Todos Banco(s) de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

SAP FINANCEIRO O curso completo abrange quatro módulos:

SAP FINANCEIRO O curso completo abrange quatro módulos: SAP FINANCEIRO O curso completo abrange quatro módulos: - SAP FOUNDATIONS (40 horas EAD) - FI Contabilidade Financeira (40 horas presenciais), tendo como pré requisito o módulo SAP FOUNDATIONS * - BPM

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos conceitos básicos de gerenciamento de projetos e considerando o PMBOK, julgue os itens a seguir. 51 No gerenciamento de um projeto, deve-se utilizar não apenas as ferramentas

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server. Recover no Oracle O backup e recuperação de dados em um SGBD é de grande importância para a manutenção dos dados. Dando continuidade a nossos artigos, apresentamos abaixo formas diferentes de se fazer

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma:

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma: 1 Introdução A utilização de frameworks como base para a construção de aplicativos tem sido adotada pelos desenvolvedores com três objetivos básicos. Primeiramente para adotar um padrão de projeto que

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento

Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento Leonardo Vieiralves Azevedo CMO Habber Tec 15 de Agosto de 2013 AGENDA 1. JUSTIFICATIVAS E CRITÉRIOS

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Desenvolvimento web II IMPORTANTE SABER Desenvolvimento web II DEADLOCK (interbloqueio, blocagem, impasse) Situação em

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 9 Modelagem de estados Todos os adultos um dia foram crianças, mas poucos se lembram disso.

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Guia do Cúram Verification

Guia do Cúram Verification IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 Nota Antes de usar essas informações e o produto

Leia mais

SAP VENDAS E DISTRIBUIÇÃO O curso completo abrange quatro módulos:

SAP VENDAS E DISTRIBUIÇÃO O curso completo abrange quatro módulos: SAP VENDAS E DISTRIBUIÇÃO O curso completo abrange quatro módulos: - SAP FOUNDATIONS (40 horas EAD) - SD Vendas e Distribuição (40 horas presenciais), tendo como pré requisito o módulo SAP FOUNDATIONS

Leia mais

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos SUMÁRIO PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI... 2 1. CONFIGURANDO A FERRAMENTA... 2 2. GLOSSÁRIO... 2 3. OBJETIVO... 3 4. NOTAÇÃO... 3 5. REGRAS DE DESENHO... 3 5.1. Macroprocesso... 3 5.2. Sub-processo......

Leia mais

BPM. Gerenciamento de Processos de Negócio. www.tecproit.com.br

BPM. Gerenciamento de Processos de Negócio. www.tecproit.com.br BPM Gerenciamento de Processos de Negócio Adilson Taub Júnior Process Manager tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified Expert in BPM; Certified ScrumMaster; ITIL Certified;

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia EDITAL Nº05/ PROGRAD/ DIREN/2010 ANEXO II 1 Título do Projeto: Automação de Fluxo de Trabalho Administrativo 2- Nome do Orientador: Autran Macêdo 3 Unidade: FACOM 4- Curso: Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Casos de Uso Objetivos Principais dos Casos de Uso: Delimitação do contexto de

Leia mais

PHC Workflow CS. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow CS. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow CS DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g 1. Introdução Neste artigo serão apresentados alguns conceitos inerentes a SOA Service Oriented Architecture e um exemplo prático de construção de processo

Leia mais

Introdução ao Gerenciamento de Processos de Negócio e Inteligência Artificial na Bioinformática. Minicurso do SBSI 2012

Introdução ao Gerenciamento de Processos de Negócio e Inteligência Artificial na Bioinformática. Minicurso do SBSI 2012 Introdução ao Gerenciamento de Processos de Negócio e Inteligência Artificial na Bioinformática Minicurso do SBSI 2012 Dra. Lucinéia Heloisa Thom Dr. Ronnie Alves Roteiro Histórico da tecnologia de Workflow

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Modelagem da arquitetura de negócios Arquitetura Definições Aurélio: Informática: Estrutura e organização lógica de funcionamento de um sistema computacional.

Leia mais

Ricardo Manuel Meira Ferrão Luis. Análise de Sistemas para Especificação de Workflow baseados em XML. Escola de Engenharia Departamento de Informática

Ricardo Manuel Meira Ferrão Luis. Análise de Sistemas para Especificação de Workflow baseados em XML. Escola de Engenharia Departamento de Informática Escola de Engenharia Departamento de Informática Ricardo Manuel Meira Ferrão Luis Análise de Sistemas para Especificação de Workflow baseados em XML Tese de Mestrado Mestrado de Informática Trabalho realizado

Leia mais

Diagrama de Classes. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Diagrama de Classes. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Diagrama de Classes Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Diagrama mais utilizado da UML Representa os tipos (classes) de objetos de um

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Eclipse Process Framework

Eclipse Process Framework Ins>tuto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Natal- Central Diretoria Acadêmica de Gestão e Tecnologia da Informação Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional.

Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional. Unidade 3: Modelagem de requisitos e de soluções (Parte a) 1 Casos de uso 1.1 Conceitos básicos e parâmetros de descrição Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional.

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1

Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Autores C. Geyer Local II-UFRGS Versão v6 2008-2 Disciplinas SOII Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 2 Bibliografia base original dos

Leia mais

ESTUDO SOBRE MODELAGEM E APLICAÇÃO DE SISTEMAS DE WORKFLOW

ESTUDO SOBRE MODELAGEM E APLICAÇÃO DE SISTEMAS DE WORKFLOW ESTUDO SOBRE MODELAGEM E APLICAÇÃO DE SISTEMAS DE WORKFLOW Kurt Werner Molz kurt@polaris.unisc.br Lucinéia Heloisa Thom lucineia@viavale.com.br Neiva Scheidt neiva@viavale.com.br Universidade de Santa

Leia mais

Business Process Integration Architecture

Business Process Integration Architecture Business Process Integration Architecture Definição, Motivações e Conceitos Base 3/2/2005 José Alves Marques 1 Processo de Negócio A modelação de processos está focada em: Criar e optimizar modelos de

Leia mais

Enviando E-mail (Tarefa H) Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Enviando E-mail (Tarefa H) Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Enviando E-mail (Tarefa H) Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Feedback do Cliente Fechamos o ciclo até a finalização da venda Mas, que tal habilitarmos o envio de e-mail para alguém quando

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais