SISTEMA AQUÍFERO: SINES (O32)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA AQUÍFERO: SINES (O32)"

Transcrição

1

2 SISTEMA AQUÍFERO: SINES (O32) Figura O32.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero de Sines Sistema Aquífero: Sines (O32) 409

3 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia Hidrográfica: Melides Distrito: Setúbal Concelhos: Grândola, Santiago do Cacém e Sines Enquadramento Cartográfico Folhas 494, 505, 516 e 526 da Carta Topográfica na escala 1: do IGeoE Folhas 42-A e 42-C do Mapa Corográfico de Portugal na escala 1: do IPCC Folha 42-C da Carta Geológica de Portugal na escala 1: do IGM A Grândola Santiago do Cacém C 526 Sines 527 Figura O32.2 Enquadramento geográfico do sistema aquífero Sines Enquadramento Geológico Estratigrafia e Litologia Este sistema é constituído por um aquífero mais profundo, tendo como suporte litológico formações carbonatadas do Jurássico, e um aquífero superficial, multicamada, instalado em formações do miocénico e pliocénico. A formação aquífera mais antiga data do Jurássico inferior (Toarciano-Sinemuriano) e denomina-se Dolomitos, margas dolomíticas e calcários de Fateota, sendo formada por dolomitos, margas dolomíticas e calcários oolíticos e calciclásticos dolomitizados (Manuppella in Inverno et al., 1993). Verifica-se uma variação acentuada de fácies em Sistema Aquífero: Sines (O32) 410

4 particular de norte para sul, predominando a sedimentação terrígena para norte e dolomítica, com raras intercalações carbonatadas, para sul (ibidem). A espessura desta formação é da ordem dos 100 m. Seguem-se formações do Jurássico médio, verificando-se a existência de uma discordância angular. Na base depositaram-se os Calcários do Rodeado, constituídos por calcários calciclásticos, oolíticos e microcristalinos, apresentando escassos dolomitos, com algumas intercalações margosas ou calco-margosas (Manuppella in Inverno et al., 1993). Esta formação, de idade batoniana, apresenta uma espessura da ordem dos 200 m. Seguem-se os Calcários de Monte Branco, do Caloviano, mas apenas foi reconhecida, de modo contínuo, em sondagens. Esta unidade é formada por calcários calciclásticos, com raras intercalações de calcários micríticos e de microconglomerados. A sua espessura não ultrapassa os 50 m (Manuppella in Inverno et al., 1993). As formações do Jurássico terminam com os Calcários, margas e conglomerados de Deixao-Resto, do Oxfordiano-Kimeridgiano. Esta unidade assenta em discordância angular, ravinando o Dogger através de um conglomerado que aumenta de espessura de Oeste para Este, com os valores a variarem de 5 m para 50 m (Ramalho in Inverno et al., 1993). Por cima depositaram-se espessas camadas de calcários calciclásticos, oolíticos e microconglomeráticos, com intercalações de margas e argilas, bem como conglomerados quartzosos (ibidem). A espessura total é da ordem dos 600 m. O Miocénico está representado pelos níveis marinhos do litoral, formados por biocalcarenitos e arenitos finos, esbranquiçados (G. Zbyszewski & J. Pais in Inverno et al., 1993). Esta unidade assenta directamente sobre os depósitos do Jurássico. A sequência litológica que suporta o aquífero detrítico, termina com as formações do Plioplistocénico denominadas de Areias com seixos da planície litoral. São constituídos por areias com pequenos seixos de quartzo, lascas de xisto e fragmentos de arenitos do Triásico. A cor destas formações é, de um modo geral, alaranjada e avermelhada (G. Zbyszewski & J. Pais in Inverno et al., 1993). Tectónica Este sistema aquífero insere-se na Bacia de Santiago do Cacém que teve origem durante o Mesozóico, quando se deu o basculamento de blocos do soco paleozóico devido a fases distensivas. Quatro estruturas fundamentais controlaram a movimentação dos blocos e dominaram esta bacia. São elas: Falha de Santo André, com orientação NNE-SSW; Falha de Santa Cruz, com orientação NW-SE; Falha de Grândola, com direcção WNW-ESE; e, posteriormente, o alinhamento estrutural Portimão, Monchique-Sines-Sesimbra-Sintra (Manuppella in Inverno et al., 1993). Os contínuos abatimentos do bloco oeste da falha de Santo André permitiram a sedimentação de mais de mil metros (ibidem). É natural que as formações jurássicas estejam intensamente fracturadas porque na colina da Fateota é possível observar uma apertada rede de falhas. Verifica-se que existem movimentações pós-pliocénicas ao longo das falhas de Santo André e de Santa Cruz e fracturação que afecta toda a cobertura pós-mesozóico. Sistema Aquífero: Sines (O32) 411

5 Hidrogeologia Características Gerais Este sistema é constituído por vários aquíferos, sendo por isso designado de sistema multiaquífero. Um dos aquíferos é cársico, artesiano cujo reservatório é formado pelos calcários e dolomitos do Jurássico. O outro aquífero, que se sobrepõe ao anterior, é multicamada, poroso, livre a confinado, sendo as formações do Miocénico marinho e do Plio- Plistocénico que constituem o reservatório. São as formações carbonatadas do Jurássico que suportam o sistema aquífero mais importante na região. A recarga é directa onde as formações jurássicas afloram, no limite leste do sistema, e é feita por drenância dos aquíferos sobrejacentes. Dado que se trata de um sistema cársico é extremamente heterogéneo. O aquífero poroso recebe recarga directa da precipitação, pois tem uma grande área de afloramento e existe conexão hidráulica com as linhas de água. As formações do Miocénico marinho são as que parecem mais produtivas. A área do sistema aquífero é de 250 km 2. Parâmetros Hidráulicos e Produtividade Segundo Esteves Costa in Inverno et al., 1993, as produtividades para as diferentes formações aquíferas são as seguintes: Plio-Plistocénico, a produtividade média é da ordem dos 5 L/s; no Miocénico os caudais podem atingir os 10 L/s; para o Jurássico, os caudais variam entre 3 e 70 L/s. Para as formações pós-jurássicas apenas se dispõe de dados referentes à produtividade de 7 captações: 1,2; 1,6; 2,5; 2,6; 4,5; 9,4 e 9,6 L/s. As estatísticas para o Jurássico foram calculadas a partir de 13 dados de caudais (L/s) e encontram-se no quadro O32.1. Média Desv. Padrão Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo 27,6 39,2 0,3 1,4 15,0 23,8 125,0 Quadro O Principais estatísticas dos caudais para as formações jurássicas Sistema Aquífero: Sines (O32) 412

6 Figura O Distribuição cumulativa de caudais para o Jurássico Os valores mais frequentes da transmissividade das formações jurássicas, estimada a partir de 37 caudais específicos, situam-se entre 44 e 1118 m 2 /dia. Análise Espaço-temporal da Piezometria Dispõe-se de um conjunto de dados de medição do nível piezométrico nas formações jurássicas. Estes dados foram obtidos no âmbito do projecto ERHSA, mas as medições são feitas pela DELSA (delegação do INAG em Santo André). Esta entidade faz a medição dos níveis em 19 pontos de água, tendo-se iniciado em 1983/84. No entanto, não se dispõe de dados suficientes para se produzir uma superfície piezométrica, até porque a própria heterogeneidade do sistema não o permite. Fazendo a análise dos dados disponíveis, verifica-se que em muitos dos piezómetros o nível se encontra acima da cota do terreno há vários anos, enquanto noutros piezómetros durante um certo período, os níveis estavam abaixo do nível do mar. Esta situação ocorreu em três piezómetros que se encontram relativamente perto uns dos outros e que devem traduzir extracções em maiores quantidades que ocorreram durante esse período. De um modo geral não se verifica qualquer tendência nos níveis piezométricos, mas em quase todos os piezómetros se verifica que os níveis desceram progressivamente até ao ano de 1995 e que depois recuperaram para níveis mais elevados, demonstrando bem os anos de seca que se fizeram sentir entre 1991 e 1995, conforme se pode observar na figura seguinte (O32.4). Sistema Aquífero: Sines (O32) 413

7 JKP12 Nível Piezométrico (m) May-83 May-84 May-87 Mar-88 Mar-89 May-90 Jun-91 Jun-92 Jun-93 Jun-94 Jun-95 Jun-96 Jun-97 Jun-98 Figura O32.4 Evolução do nível piezométrico no piezómetro JKP12 Balanço Hídrico Henriques e Rodrigues (1987) consideraram 4 L/s.km 2 como valor de recarga média no sistema, equivalente a 31,5 hm 3 /ano, tendo em conta a sua área. Por sua vez, Moinante et al., 1994, consideraram como recarga potencial média para o sistema, um valor equivalente a 224 mm anuais, equivalentes a 56 hm 3 /ano, para a área aqui considerada. Henriques e Rodrigues (1987) consideraram 6,6 hm 3 /ano, como valor total médio das saídas. No entanto, Rodrigues e Roque (1990) estimam em menos de 0,5 hm 3 /ano as saídas para abastecimento no concelho de Sines. Este valor foi obtido tendo em conta a população residente (em 1981) e uma capitação média de 100 L/dia. As extracções para a agricultura são estimadas pelos mesmos autores em cerca de 1,3 hm 3 /ano e as destinadas à indústria são irrelevantes. Tendo em conta estas estimativas, o sistema seria largamente excedentário, pelo que haveria lugar a um significativo volume de saídas naturais, escoadas pela rede de drenagem superficial e, eventualmente, através de nascentes costeiras. No entanto, é possível que a recarga esteja sobreavaliada, dada a extensão de afloramento das formações carbonatadas jurássicas ser relativamente reduzida. Qualidade Considerações Gerais Dispõe-se de um conjunto de análises realizadas durante o ano de 1999, no âmbito do projecto ERHSA. Para cada captação apenas se dispõe de uma única análise química. As análises de água referentes a este sistema foram caracterizadas separadamente em função da fácies hidroquímica. Assim, as águas que apresentam uma fácies bicarbonatada cálcica, relacionadas com as formações carbonatadas do Jurássico foram separadas daquelas cuja fácies se apresenta como mista ou cloretada, com origem nas formações detríticas do Miocénico e Plio-Plistocénico. Sistema Aquífero: Sines (O32) 414

8 Figura O32.5 Diagrama de Piper relativo às águas captadas nas formações carbonatadas do sistema aquífero de Sines As principais estatísticas para as águas captadas no Jurássico apresentam-se no Quadro O32.2. Condutividade (µs/cm) n Média Desvio Padrão Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo ph 29 7,1 0,3 6,4 7,0 7,2 7,4 7,8 Bicarbonato (mg/l) Cloreto (mg/l) 29 72,7 25,5 26,0 51,0 78,0 93,0 113,0 Sulfato (mg/l) 29 43,9 39,7 15,0 28,0 32,0 46,0 183,0 Nitrato (mg/l) 29 20,2 16,7 4,7 12,1 13,4 27,3 93,4 Dureza Total (mg/l) Sódio (mg/l) 29 33,4 11,6 0,0 28,8 34,3 38,5 53,5 Potássio (mg/l) 29 29,0 2,4 0,8 0,8 2,1 2,4 2,8 Cálcio (mg/l) Magnésio (mg/l) 29 32,5 11,4 8,3 24,3 32,5 36,5 56,0 Ferro (mg/l) 29 0,06 0,06 0,01 0,02 0,04 0,08 0,26 Sistema Aquífero: Sines (O32) 415

9 Cobre (mg/l) 26 0,010 0,028 0,001 0,002 0,003 0,007 0,144 Manganês (mg/l) 15 0,045 0,105 0,002 0,004 0,013 0,019 0,410 Alumínio (mg/l) 27 0,069 0,051 0,007 0,031 0,065 0,079 0,252 Quadro O Principais estatísticas dos parâmetros físico-químicos das águas do Jurássico do sistema aquífero de Sines Figura O32.6 Diagrama de Piper relativo às águas captadas nas formações detríticas do sistema aquífero de Sines As estatísticas referentes às águas captadas nas formações detríticas do Miocénico e Plioplistocénico encontram-se no quadro O32.3. Condutividade (µs/cm) n Média Desvio Padrão Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo ph 11 6,8 0,5 6,0 6,5 6,9 7,3 7,4 Bicarbonato (mg/l) Cloreto (mg/l) Sulfato (mg/l) Nitrato (mg/l) 11 16,8 5,2 6,7 13,8 17,1 19,4 27,0 Dureza Total (mg/l) Sistema Aquífero: Sines (O32) 416

10 Sódio (mg/l) Potássio (mg/l) 11 3,7 1,9 2,1 2,6 2,8 4,0 7,9 Cálcio (mg/l) Magnésio (mg/l) 11 24,2 17,0 5,0 8,1 24,0 31,9 57,3 Ferro (mg/l) 11 0,07 0,06 0,01 0,04 0,05 0,09 0,22 Cobre (mg/l) 9 0,003 0,002 0,001 0,001 0,002 0,004 0,005 Manganês (mg/l) 7 0,012 0,010 0,003 0,004 0,008 0,014 0,033 Alumínio (mg/l) 10 0,056 0,022 0,015 0,043 0,063 0,070 0,080 Quadro O Principais estatísticas dos parâmetros físico-químicos das águas captadas nas formações detríticas do sistema aquífero de Sines Qualidade para Consumo Humano As águas deste sistema, quer as provenientes das formações carbonatadas, quer das formações detríticas, apresentam uma qualidade fraca, quer para abastecimento, quer para regadio. De facto, os VMRs estabelecidos para água para consumo humano, são ultrapassados na maioria das análises de sódio, sulfatos e condutividade e em todas as análises de cloretos e também em algumas análises de nitrato. Verifica-se algumas violações dos VMAs referentes à dureza, magnésio, nitratos, manganês, ferro e alumínio. Por outro lado, em 37% das análises consideradas de manganês e 13% de cobre, o valor da concentração destes elementos encontra-se abaixo do limite de detecção, que é respectivamente de 2,15 e 0,65 µg/l. A apreciação da qualidade face aos valores normativos consta dos quadros seguintes (Quadros O32.4 e O32.5). Parâmetro Anexo VI Anexo I Categoria A1 <VMR >VMR >VMA <VMR >VMR >VMA ph Condutividade Cloretos Dureza total 100 Sulfatos Cálcio Magnésio Sódio Potássio Nitratos Ferro Sistema Aquífero: Sines (O32) 417

11 Manganês Alumínio Cobre Quadro O32.4 Apreciação da qualidade da água das formações Jurássicas face aos valores normativos Anexo VI Anexo I Categoria A1 Parâmetro <VMR >VMR >VMA <VMR >VMR >VMA ph Condutividade Cloretos Dureza total 100 Sulfatos Cálcio Magnésio Sódio Potássio Nitratos Ferro Manganês Alumínio Cobre Quadro O32.5 Apreciação da qualidade da água proveniente das formações detríticas face aos valores normativos Uso Agrícola A totalidade das águas deste sistema pertencem às classes C 1 S 1 (2,6%), C 2 S 1 (64,5%) e C 3 S 1 (33,3%) pelo que representam um perigo de salinização dos solos baixo a alto e perigo de alcalinização dos solos baixo (Figura O32.7). Sistema Aquífero: Sines (O32) 418

12 Figura O Diagrama de classificação da qualidade para uso agrícola Bibliografia Henriques, R. G., Rodrigues, J. D. (1987) Estudo e Modelação das Águas Subterrâneas da Bacia de Sto. André. Relatatório do LNEC, Lisboa. 28 pág. Horta da Silva, J. A.& Fraga, R. (1980) - Sedimentos Plio-Plistocénicos da Área de Sines. Caracterização geológico-geotécnica e implicações práticas no domínio das geociências aplicadas. Boletim da Sociedade Geológica de Portugal. Livro de Homenagem ao Professor Doutor Carlos Teixeira. Volume XXII. Lisboa pp Inverno, C. M. C.; Manuppella, G.; Zbyszewski, G.; Pais, J.; Ribeiro, M. L. (1993) - Carta Geológica de Portugal na Escala 1/ e Notícia Explicativa da Folha 42-C SANTIAGO DO CACÉM. Serviços Geológicos de Portugal. Lisboa. 75 pág. Moinante, M. J., Oliveira, M. P. M., Lobo-Ferreira, J. P. C. (1994) Desenvolvimento de um Inventário das Águas Subterrâneas de Portugal, Relatório 329/94 GIAS, LNEC, Lisboa. 262 pág. Sistema Aquífero: Sines (O32) 419

13 Manuppella, G.; Balacó Moreira, J. C.; (1975) - Panorama dos Calcários Jurássicos Portugueses. Bol. Minas, Lisboa, Vol. 12 N.º 4 Out./Dez. 1975, pp Mendia de Castro, L. F. (1968) - Carta Litológica de Portugal à escala de 1/ e Notícia Explicativa. Separata da Agronomia Lusitana, Vol. XXIX. Tomo IV. pp Oliveira, J. T. (coord.) (1984) - Carta Geológica de Portugal na Escala 1/ e Notícia Explicativa da Folha 7. Serviços Geológicos de Portugal. Lisboa. 77 pág. Oliveira, J. T.; Pereira, E.; Ramalho, M.; Antunes, M. T.; Monteiro, J. H. (1992) - Carta Geológica de Portugal na Escala 1: Serviços Geológicos de Portugal. Lisboa. Rodrigues, J. D., Roque, A. (1990) Inventário dos Recursos Hídricos Subterrâneos do Algarve e Alentejo. Relatório 97/90 NP, LNEC, Lisboa. 67 pág. Sistema Aquífero: Sines (O32) 420

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10)

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) Figura M10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. João da Venda-Quelfes Sistema Aquífero: S. João da Venda-Quelfes (M10) 531 Identificação

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11)

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) Figura A11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Elvas-Campo Maior (A11) 117 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7)

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) Figura O7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Figueira da Foz-Gesteira Sistema Aquífero: Figueira da Foz-Gesteira (O7) 224 Identificação

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16)

SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16) SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16) Figura M16.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. Bartolomeu Sistema Aquífero: S. Bartolomeu (M16) 585 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla

Leia mais

3 - Bacias Hidrográficas

3 - Bacias Hidrográficas 3 - Bacias Hidrográficas A bacia hidrográfica é uma região definida topograficamente, drenada por um curso d água ou um sistema interconectado por cursos d água tal qual toda vazão efluente seja descarregada

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO Francisco MIRA (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO Este trabalho

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3)

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3) SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM ESQUERDA (T3) Figura T3.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Bacia do Tejo-Sado/Margem Esquerda (T3) 615 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1).

O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1). 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem como objectivo principal efectuar uma caracterização sucinta da geologia/hidrogeologia, dos factores hidrometereológicos e estimação do balanço hídrico na região

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS LOPES Ana Rita (1) ; MACEDO Maria Emília (1) ; ORLANDO Marco (2) ; CUPETO Carlos (1) RESUMO Atendendo aos recursos hídricos subterrâneos

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO

CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CONCEITOS DE CARTOGRAFIA ENG. CARTÓGRAFA ANNA CAROLINA CAVALHEIRO CAMPO LARGO, 15 DE ABRIL DE 2013 Cartografia Cartografia é o conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseado

Leia mais

Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho

Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho Formação dos Solos Solos Transportados (Sedimentares): Solo Aluvial, Solo Lacustre, Solo Coluvial, Solo Eólico e Solo Marinho Bibliografia: Notas de aula (apostila) de Geotécnica, Prof. Reno Reine Castello

Leia mais

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura António Firmino da Costa Elsa Pegado Patrícia Ávila CIES-ISCTE 2008 BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes

Leia mais

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Alcançar e manter índices ótimos de produtividade florestal é o objetivo principal do manejo

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar

HIDROGEOLOGIA. Água Subterrânea. Conhecer para Proteger e Preservar HIDROGEOLOGIA Água Subterrânea Conhecer para Proteger e Preservar 1 INDICE Distribuição da Água na Terra 3 Ciclo Hidrológico 4 Reservatórios de Água Subterrânea 6 Porosidade e Permeabilidade 9 Aquíferos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5 Recomendação Técnica n.º 5 Revisão de Demonstrações Financeiras Intercalares Janeiro de 1988 Índice Julho de 1993 (1ª Revisão) Parágrafos Introdução 1-3 Justificação 4-5 Objectivos 6-8 Recomendações 9-17

Leia mais

CARTOGRAFIA DE RISCO

CARTOGRAFIA DE RISCO CARTOGRAFIA DE RISCO Mapa de Perigosidade de Incêndio Florestal e Mapa de Risco de Incêndio Florestal A Carta de Risco de Incêndio Florestal tem como objetivo apoiar o planeamento de medidas de prevenção

Leia mais

CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CIRCULAR RELATIVA À AVALIAÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO DESENVOLVIDOS POR ORGANISMOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO I. Enquadramento 1. Nos termos do artigo 210.º/2 do Regime Geral dos Organismos

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1) Arredonde os valores abaixo, para apenas dois algarismos significativos: (a) 34,48 m (b) 1,281 m/s (c) 8,563x10

Leia mais

Acidentes de origem eléctrica em Portugal

Acidentes de origem eléctrica em Portugal 0. Introdução Este relatório é o resultado do registo dos acidentes e incidentes de origem eléctrica que foram noticiados pela imprensa nos serviços online a nível nacional no ano de 2011, à imagem dos

Leia mais

Ana Maria PIRES Carlos MACHADO João VILHENA José Paulo MONTEIRO Luís RODRIGUES Maria José CARVALHO Nelson LOURENÇO Rui REBELO

Ana Maria PIRES Carlos MACHADO João VILHENA José Paulo MONTEIRO Luís RODRIGUES Maria José CARVALHO Nelson LOURENÇO Rui REBELO ÁGUA, ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS E ACTIVIDADE HUMANA. UMA ABORDAGEM INTEGRADA E PARTICIPATIVA NA DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORES E PROSPECTIVAS DE GESTÃO INTEGRADA DE RECURSOS HÍDRICOS NO SUL DE PORTUGAL

Leia mais

GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS

GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS 2008/2009 1º SEMESTRE GUIÃO DA DISCIPLINA Docentes: Anabela Mendes Moreira, Professora Adjunta NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva

Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA ASPECTOS HIDROGEOLÓGICOS E HIDROQUÍMICOS DO BAIRRO BENFICA FORTALEZA, CEARÁ Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota

Leia mais

A nascente do Alviela no Sinclinal de Monsanto

A nascente do Alviela no Sinclinal de Monsanto A nascente do Alviela no Sinclinal de Monsanto José António Crispim j.a.crispim@fc.ul.pt Departamento e Centro de Geologia da Universidade de Lisboa Enquadramento geológico A nascente do Alviela situa-se

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998)

Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998) Carvalho, S., Midões, C., Duarte, P., Orlando, M., Quina, A. P., Duarte, R. S., Cupeto, C., Almeida, C., Silva, M. O. (1998) Sistemas Aquíferos de Estremoz-Cano e Elvas-Vila Boim - Estudo dos Recursos

Leia mais

Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança

Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança (Retirado do estudo promovido pela CCDR-N) Introdução A Comissão de Coordenação da Região Norte,

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I. Sólidos SÓLIDOS PARTICULADOS 1: Particulados - PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS PARTICULADOS - PENEIRAÇÃO

OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I. Sólidos SÓLIDOS PARTICULADOS 1: Particulados - PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS PARTICULADOS - PENEIRAÇÃO OPERAÇÕES UNITÁRIAS 1I Sólidos SÓLIDOS PARTICULADOS 1: Particulados - PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS PARTICULADOS - PENEIRAÇÃO Prof. Dr. Félix Monteiro Pereira PROF. DR. FÉLIX MONTEIRO PEREIRA 1 O que é um sólido

Leia mais

Breve enquadramento no Sistema Estatístico Nacional. - O INE, Serviços disponíveis, Ligações, Contacte-nos

Breve enquadramento no Sistema Estatístico Nacional. - O INE, Serviços disponíveis, Ligações, Contacte-nos Serviço de Difusão Portal do INE CENSOS 2011 (ao abrigo do projeto RIIBES) Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior dezembro 2012 Itinerário Breve enquadramento no Sistema Estatístico

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 2 Definição de atividades Sequenciamento das atividades 1 6.1 Definir as atividades 1 Lista das atividades A lista das atividades é uma lista abrangente que inclui todas as atividades necessárias

Leia mais

Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio

Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio 1 Decreto Regulamentar n.º 10/2009, de 29 de Maio Fixa a cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial, bem como na representação de quaisquer

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU Bruxelas, 14 de Agosto de 2003 Proposta de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Directiva 96/82/CE do Conselho relativa ao controlo dos perigos associados a acidentes

Leia mais

Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas

Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas VI Semana da Geografia Unesp Ourinhos, Maio 2010 Gestão Sustentável da Água no 3º. Milênio: Desafios e Alternativas Henrique Marinho Leite Chaves Faculdade de Tecnologia-EFL Universidade de Brasília-UnB

Leia mais

NOVO MAPA NO BRASIL?

NOVO MAPA NO BRASIL? NOVO MAPA NO BRASIL? Como pode acontecer A reconfiguração do mapa do Brasil com os novos Estados e Territórios só será possível após a aprovação em plebiscitos, pelos poderes constituídos dos respectivos

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal 2 Ficha 7.0 Auxílio estatal Índice 1 Princípio... 5 2 Definição do conceito de auxílios estatais... 6 3 Quem

Leia mais

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda APRESENTAÇÃO A Nailsondas Perfurações de Solo Ltda. é uma empresa que vem atuando no mercado desde 2002, prestando serviços em todo território nacional. Executando com excelência vários projetos por ano,

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

IVA - REGIME ESPECIAL DE ISENÇÃO PREVISTO NO ARTIGO 53.º DO CÓDIGO DO IVA

IVA - REGIME ESPECIAL DE ISENÇÃO PREVISTO NO ARTIGO 53.º DO CÓDIGO DO IVA Classificação: 020.01.10 Seg.: P úbli ca Proc.: 2012 004921 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Of.Circulado N.º: 30138/2012 2012-12-27 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407 Sua Ref.ª: Técnico:

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai

Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte. Dr. Cristiano Kenji Iwai Tecnologias para disposição final de resíduos sólidos urbanos em municípios de pequeno porte Dr. Cristiano Kenji Iwai Belo Horizonte Março/2013 Introdução Condições da disposição de resíduos no Brasil

Leia mais

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 GEOMETRIA Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 O MATERIAL COMO SUPORTE DO PENSAMENTO Muita gente usa o material na sala de aula como se a Geometria estivesse no material.

Leia mais

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 PARTE I: PRAIA DE PORTO DE MÓS...8 Localização geográfica do local da saída de campo...9

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, 1 de outubro de 13 Novas estatísticas das não financeiras da Central de Balanços O Banco de Portugal passa a divulgar no Boletim Estatístico (secção A.19 e Capítulo

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano)

QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano) QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano) TABELA PERIÓDICA ATUAL Exemplo: Se o K (potássio) encontra-se no 4º período ele possui 4 camadas. Nº atômico = Z 19 K-2; L-8, M-8; N-1 Propriedades gerais dos elementos Metais:

Leia mais

tecfix ONE quartzolit

tecfix ONE quartzolit Pág. 1 de 8 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato 1. Descrição: Produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada dos constituintes

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DAS MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DE

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DAS MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DE MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Laboratório Nacional de Engenharia Civil, I.P. DEPARTAMENTO DE HIDRÁULICA E AMBIENTE Núcleo de Águas Subterrâneas Núcleo de Recursos Hídricos e

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

Probabilidade. Luiz Carlos Terra

Probabilidade. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá os conceitos básicos de probabilidade que é a base de toda inferência estatística, ou seja, a estimativa de parâmetros populacionais com base em dados amostrais.

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA Como pode cair no enem (UFRGS) Considere as seguintes afirmações sobre a Austrália. I) A Austrália não recebe fluxos migratórios significativos, apesar de ser considerado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO SIMPLES DO MACIÇO ROCHOSO GRANITO IMARUI - ESTUDO DE CASO

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO SIMPLES DO MACIÇO ROCHOSO GRANITO IMARUI - ESTUDO DE CASO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO SIMPLES DO MACIÇO ROCHOSO GRANITO IMARUI - ESTUDO DE CASO RESUMO Orientando (Giovan Caciatori Jacinto), Orientador (Adailton Antonio dos Santos) UNESC Universidade

Leia mais

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade

AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade 1 AULA 07 Distribuições Discretas de Probabilidade Ernesto F. L. Amaral 31 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais

Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais Análise espacial do prêmio médio do seguro de automóvel em Minas Gerais 1 Introdução A Estatística Espacial é uma área da Estatística relativamente recente, que engloba o estudo dos fenômenos em que a

Leia mais

MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004

MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004 MUNICÍPIO DE VINHAIS CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO ORDINÁRIA DATA: 2004/02/23 ACTA N.º 4/2004 Presenças:------------------------------------------------------------------------------------------------- José

Leia mais

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial Materiais / Materiais I Guia para Trabalho Laboratorial ENSAIO DE DUREZA 1. Introdução A dureza de um material é uma propriedade mecânica que mede a resistência à deformação plástica (permanente). A dureza

Leia mais

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN V-7 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN André Luís Calado de Araújo (1) Engenheiro Civil pela UFPA (199). Mestre em Engenharia Civil pela UFPB (1993). PhD em

Leia mais

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa Considerando que a competitividade da economia concelhia está na primeira linha das preocupações

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Cidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CELULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-010/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹

Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹ Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹ Lauro Rafael Lima² Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. Resumo O trabalho apresenta uma análise

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas MSc Engenharia do Ambiente Área de especialização Avaliação e Gestão Ambiental Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve 1

Leia mais

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras);

É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); É a superfície coberta por água o que corresponde a 70% da mesma; Encontrada em: - Oceanos; - Mares; - Águas continentais (rios, lagos e geleiras); - 97,5% é água salgada - 2,5% apenas é água doce Distribuição:

Leia mais

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente

Figuras 3 e 4-Chuva Média e observada para o mês de fevereiro, respectivamente ANÁLISE E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O SEMIÁRIDO E LITORAL LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE No monitoramento das chuvas que ocorrem sobre o Estado do Rio Grande do Norte é observado que durante o mês de Janeiro

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA FINANÇAS E TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL. 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA FINANÇAS E TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL. 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 8/2016 Procede à décima alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro,

Leia mais

Contabilidade Analítica 4º semestre. Conceição Gomes, Nuno Arroteia

Contabilidade Analítica 4º semestre. Conceição Gomes, Nuno Arroteia Contabilidade Analítica 4º semestre Conceição Gomes, Nuno Arroteia 3. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO 2 Custos industriais Materiais directos Mão-de-obra directa Gastos gerais de fabrico Produto 3 Materiais

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Aquisição de serviços de formação comportamental e motivação de equipas espap

CADERNO DE ENCARGOS. Aquisição de serviços de formação comportamental e motivação de equipas espap CADERNO DE ENCARGOS Aquisição de serviços de formação comportamental e motivação de equipas espap ÍNDICE CLÁUSULAS JURÍDICAS... 3 Cláusula 1.ª Objeto... 3 Cláusula 2.ª Local da prestação de serviços...

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. Conheça a Bacia do Alto Tietê Qualidade das Águas

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. Conheça a Bacia do Alto Tietê Qualidade das Águas Conheça a Bacia do Alto Tietê Qualidade das Águas Sumário 1. QUALIDADE DAS ÁGUAS... 3 1.1. Caracterização... 3 1.2. Áreas Contaminadas... 8 2 1. QUALIDADE DAS ÁGUAS 1.1. Caracterização A péssima condição

Leia mais

OS AQUÍFEROS QUE CONTRIBUEM NO ABASTECIMENTO DA CIDADE DE CURITIBA-PARANÁ

OS AQUÍFEROS QUE CONTRIBUEM NO ABASTECIMENTO DA CIDADE DE CURITIBA-PARANÁ OS AQUÍFEROS QUE CONTRIBUEM NO ABASTECIMENTO DA CIDADE DE CURITIBA-PARANÁ Ernani Francisco da Rosa Filho 1 Eduardo Chemas Hindi 1 Leandson Roberto F. de Lucena 2 RESUMO No Estado do Paraná as investigações

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADO À CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO BLOCO DE REGA DE CANHESTROS (ALENTEJO, PORTUGAL)

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADO À CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO BLOCO DE REGA DE CANHESTROS (ALENTEJO, PORTUGAL) SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADO À CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO BLOCO DE REGA DE CANHESTROS (ALENTEJO, PORTUGAL) A. P. Francés - Instituto Geológico e Mineiro (IGM), Departamento de Hidrogeologia

Leia mais

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO No seguimento das propostas apresentadas por esta Direcção Regional de Educação para o Plano de Acompanhamento dos Centros de Recursos TIC (CRTIC) no ano de 2011, com uma linha orientadora

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB MILTON DOS REIS SOUZA Técnico Contábil Março/2009 FONTES DE RECURSOS FUNDEB FINANCIAMENTO DO FUNDEB 2009 ESTADOS - ICMS - ITCMD - IPVA - FPE (21,5% do IR e IPI)

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

Sistemática dos seres vivos

Sistemática dos seres vivos Sistemática dos seres vivos O mundo vivo é constituído por uma enorme variedade de organismos. Para estudar e compreender tamanha variedade, idd foi necessário agrupar os organismos de acordo com as suas

Leia mais

3/19/2013 EQUIPAMENTOS. Trator de lâmina D9T. Caminhão basculante. Escavadeira hidráulica

3/19/2013 EQUIPAMENTOS. Trator de lâmina D9T. Caminhão basculante. Escavadeira hidráulica Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Disciplina: Estradas e Transportes II TERRAPLENAGEM DE RODOVIAS

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO ISENÇÃO DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO DOS JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11 Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas Continentais: Rios,

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m.

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO OBRAS / LOCALIZAÇÃO 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. 01 BUEIRO triplo na RS 715 com 3,00m X 2,00m X 19m,

Leia mais

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO ELABORAÇÃO Dezembro / 2013 Sumário 1 Introdução... 3 2- ABORDAGEM TEÓRICA - SISTEMA DEPOSICIONAL FLUVIAL MEANDRANTE... 3 3 TRABALH

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAÍBA Secretaria de Administração e Orçamento Seção de Engenharia e Arquitetura / COSEG RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM

Leia mais

OCUPAÇÃO URBANA E AS CONCENTRAÇÕES DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU

OCUPAÇÃO URBANA E AS CONCENTRAÇÕES DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU SEMINÁRIO NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO ESTADO DE SÃO PAULO: DESAFIOS FRENTE AO PANORAMA ATUAL OCUPAÇÃO URBANA E AS CONCENTRAÇÕES DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU Dra. Claudia Varnier Núcleo de

Leia mais

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis A nossa visão para o Sector Energético Abastecimento seguro das populações Garantia da qualidade de vida Desenvolvimento empresarial Construir um sector

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA EM NATAL

INFORMAÇÕES SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA EM NATAL INFORMAÇÕES SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA EM NATAL Na semana em que se comemora o dia mundial da água, o Ministério Público, pela 45ª Promotoria de Justiça de Natal, tece alguns comentários para reflexão acerca

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

REPARTIÇÃO MODAL NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS DE E PARA OS PORTOS DA UE

REPARTIÇÃO MODAL NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS DE E PARA OS PORTOS DA UE DIREÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO TRANSPORTES E TURISMO REPARTIÇÃO MODAL NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS DE E PARA OS PORTOS DA UE SÍNTESE Resumo

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DA OUVIDORIA DA AGERSA

RECOMENDAÇÕES DA OUVIDORIA DA AGERSA RECOMENDAÇÕES DA OUVIDORIA DA AGERSA MENSAGEM AO CONSUMIDOR ADMINISTRE A SUA CONTA DE ÁGUA PORQUE ADMINISTRAR Na maioria das vezes o morador de um imóvel ou o síndico de um condomínio somente se apercebe

Leia mais