ROTINA COMPUTACIONAL PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTINA COMPUTACIONAL PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS"

Transcrição

1 38 ROTINA COMPUTACIONA PARA A PREVISÃO DA CAPACIDADE DE CARGA EM ESTACAS Comutational routine to rovision of the caacity of load in iles. Tobias Ribeiro Ferreira 1, Rodrigo Gustavo Delalibera 2, Wellington Andrade da Silva 3 Recebido em 16 de fevereiro de 2014; recebido ara revisão em 28 de abril de 2014; aceito em 08 de maio de 2014; disonível on-line em 06 de junho de PAAVRAS CHAVE: Caacidade de carga; Fundações or estacas; Planilhas eletrônicas. RESUMO: As fundações têm o objetivo de suortar e transmitir ao solo os esforços oriundos da suerestrutura e ara que isso ocorra, seu dimensionamento deve ser feito de modo que a caacidade de carga do solo não seja atingida. A determinação da caacidade de carga dos solos é um dos desafios da engenharia civil, visto que o solo aresenta camadas heterogêneas e singularidades em regiões distintas dentro de uma mesma área. Além disso, durante o rocesso de investigação do terreno, ou mesmo na fase executiva da fundação, o solo aresenta grandes erturbações e o estado de tensões inicial é alterado, modificando assim, sua caacidade ortante. Mesmo com a investigação do solo feita or sondagens de enetração estática (CPT) ou sondagens de ercussão simles (SPT), ainda há uma dificuldade ara reroduzir analítica e numericamente o comortamento do elemento de fundação no solo. No Brasil, ara a determinação da caacidade de cargas das estacas, odem ser utilizadas metodologias semiemíricas que consideram fatores de correção. As metodologias mais difundidas são os modelos roostos or: Aoki-Velloso (1975), Décourt-Quaresma (1978) e Teixeira (1996). Com base nestas metodologias, foi desenvolvida uma rotina comutacional, com o objetivo de estimar a caacidade de carga de estacas or meio dos três métodos aresentados. Ainda, com o intuito de validar os resultados da rotina comutacional, comararam-se resultados entre rovas de carga estática de estacas e os resultados obtidos or meio da utilização da rotina comutacional. Faz-se necessário, a alicação de fatores de correção ara os solos e tios de estacas utilizados. * Contato com o autor: 1 ( T. R. Ferreira ) Professor Substituto, Universidade Federal de Goiás Camus Catalão, Deartamento de Engenharia Civil 2 ( R. G. Delalibera ) Professor Adjunto III, Universidade Federal de Goiás Camus Catalão, Deartamento de Engenharia Civil 3 ( W. A. da Silva ) Professor Adjunto I, Universidade Federal de Goiás Camus Catalão, Deartamento de Engenharia Civil ISSN: REEC - Todos os direitos reservados. 1. INTRODUÇÃO As edificações em geral, são sujeitas às ações horizontais (vento e desarumo), ações gravitacionais ermanentes, ações gravitacionais acidentais, efeitos de temeratura, em alguns casos ações excecionais como sismos e choques. Os esforços internos rovocados or estas ações roduzem reações nos aoios que são transmitidos ao solo or meio dos elementos de fundação, sejam elas suerficiais ou rofundos. Quando o solo não aresenta condições de resistência nas camadas suerficiais (até uma rofundidade de dois metros) faz-se necessário que as fundações alcancem camadas rofundas e resistentes, e neste caso, odem ser utilizados tubulões ou estacas, as quais são definidas ela NBR 6118 (ABNT, 2010) como elementos de

2 fundação que transmitem as cargas ao terreno ela base (resistência de onta), or sua suerfície lateral (resistência de atrito do fuste) ou or uma combinação das duas. As estacas disoníveis no mercado são classificadas em duas macrocategorias: estacas de deslocamento que são introduzidas no terreno or meio de rocesso que não rovoca a retirada do solo e estacas escavadas, que são aquelas executadas in situ or meio de erfuração manual ou mecânica do terreno, com remoção de material com ou sem a utilização de fluido estabilizante (lama bentonitica), utilizando ou não revestimento ara roteção do fuste. No dimensionamento da fundação é necessário saber a caacidade resistente das estacas e qual o nível de solicitação que os solos resistem sem rutura ou deformação excessiva. A determinação correta da caacidade de carga de uma fundação é a base ara o desenvolvimento de um rojeto que seja seguro e economicamente viável. Atualmente existem vários rogramas que fazem esses cálculos, contudo em sua maioria são rogramas que utilizam aenas um único método. O desenvolvimento dessa esquisa foi justificado ela ossibilidade que um engenheiro, estudante, ou esquisador terá ara avaliar a melhor metodologia de cálculo, bem como o tio de execução e ainda as ossibilidades ara os mais variados tios de fundações em estacas, utilizando uma rotina comutacional de fácil manuseio e gratuita. 2. OBJETIVO Este artigo tem or objeto a aresentação de uma rotina comutacional ara o cálculo de caacidade de carga geotécnica em estacas, como também, comarar os resultados teóricos com resultados obtidos or meio de rovas de carga. 3. METODOOGIA Desenvolveu-se uma rotina comutacional utilizando-se em lanilhas eletrônicas com imlementação de macros e linguagem de rogramação VBA. Por meio da rotina comutacional, o usuário terá condições de estimar a caacidade geotécnica de estacas, inserindo de dados geotécnicos, tios de estacas e característicos do solo. 3.1 MÉTODOS DE CÁCUO Na definição da caacidade de carga ara estacas, a rimeira etaa é calcular sua resistência estrutural. Essa resistência é calculada com base nas dimensões e no material da estaca. Para as estacas ré-moldadas, esse valor ode ser obtido or meio da alicação das hióteses básicas do concreto armado e rotendido. Tais valores estão descritos nos manuais dos fabricantes ou em tabelas de caacidade de carga estrutural, como ode ser observado na Tabela 1. Na Tabela 1 observa-se que a caacidade de carga estrutural aumenta à medida que o diâmetro aumenta e a tensão de trabalho oderá variar ara uma mesma estaca. Uma vez definida a caacidade estrutural das estacas é reciso entender que o sistema estaca-solo submetido a uma carga vertical, resiste às solicitações or meio da resistência ao cisalhamento gerada ao longo de seu fuste e elas tensões normais geradas ao nível de sua onta. A carga que leva a rutura desse conjunto é denominada de caacidade de carga. Carga essa que ode ser avaliada or meio de métodos estáticos, dinâmicos ou rovas de carga. Os métodos estáticos se dividem em métodos racionais ou teóricos (aqueles que utilizam soluções teóricas de caacidade de carga e arâmetros do solo) e métodos semiemíricos (aqueles que se baseiam em ensaios in situ de enetração, como or exemlo, o SPT e o CPT). Há também os métodos emíricos, a artir dos quais se ode estimar de forma aroximada a caacidade de carga de estaca com base na descrição das camadas do solo ao longo do fuste e da exeriência do rofissional. A rotina comutacional desenvolvida nesta esquisa utiliza os métodos semiemíricos, dentre os quais foram utilizados as metodologias roostas or Aoki-Velloso (1975), Décourt- Quaresma (1978) e Teixeira (1996). 39

3 40 TABEA 1: Caacidade de carga estrutural de estacas ré-moldadas de concreto. Tio de estaca Dimensão (cm) Carga usual (kn) Carga máxima (kn) Observação 20 x Pré-moldada vibrada quadrada (σ = 6 à 10 MPa) 25 x x Disoníveis até 8 metros; Podem ser emendadas. 35 x Pré-moldada vibrada circular (σ = 9 à 11 MPa) Ø Ø Ø Disoníveis até 10 metros; Podem ser emendadas; Podem ter furo central Pré-moldada rotendida circular (σ = 10 à 14 MPa) Ø Ø Ø Disoníveis até 12 metros; Podem ser emendadas; Podem ter furo central Ø Pré-moldada centrifugada (σ = 9 à 11 MPa) Ø Ø Ø Ø Disoníveis até 12 metros; Podem ser emendadas; Com furo central (ocas) e aredes de 6 à 12 cm. Ø x σ = tensão de trabalho (função da resistência ao escoamento das barras de aço e da resistência característica do concreto à comressão) FONTE: Velloso e oes (2002). Pode-se dizer que as metodologias foram desenvolvidas a artir da definição de AONSO (1983), onde é descrito uma estaca como sendo um elemento estrutural esbelto que, colocado no solo or cravação ou erfuração, tem a finalidade de transmitir ações ao mesmo. Diz ainda, que estes elementos aresentam caacidade de dissiar os esforços solicitantes em função da resistência sob sua extremidade inferior, ela resistência ao longo do fuste or meio do atrito lateral, ou ainda ela combinação das duas. A Figura 1 mostra esquematicamente como é considerada cada arcela de resistência.

4 T. R. Ferreira, R. G. Delalibera, W. A. da Silva - REEC Revista Eletrônica de Engenharia Civil Vol 8 - nº 3 (2014) 41 FIGURA 1: Mecanismo de Resistência da Fundação or Estaca FONTE: Cintra e Aoki (2010). Com base na Figura 1 a caacidade de carga de uma estaca é desenvolvida da seguinte forma: Em que: R: Caacidade de carga; R : Parcela de resistência lateral; R : Parcela de resistência de onta. R R R Eq.[01] A Equação 1 é a origem ara todos os métodos utilizados neste trabalho, a diferença entre eles se dará elas considerações e coeficientes sugeridos or cada um dos autores Método de cálculo de Aoki-Velloso Aoki e Velloso (1975) roõem critérios ara a determinação da resistência de onta (R ) e da resistência lateral (R l ) que comõem a caacidade de carga da estaca (R). As Equações 2 e 3 aresentam as arcelas da resistência de onta e da resistência lateral. R r A Eq.[02] R U Eq.[03] r i Em que: r é a caacidade de carga do solo na cota de aoio do elemento estrutural de fundação (MPa); A é a área da seção transversal da onta (m 2 ); r i, é a tensão media de adesão ou de atrito lateral na camada de esessura Δ (MPa); U é o erímetro da seção transversal do fuste (m). As arcelas r e r i são arâmetros geotécnicos que foram inicialmente obtidos, or relações dos ensaios de enetração estática (CPT), onde o valor de resistência de onta do cone (q c ) é relacionado com a resistência de onta da estaca, e o atrito lateral unitário na luva (f s ) relacionado com a resistência roduzida ao longo do fuste, como aresentado nas Equações 4 e 5. qc r Eq.[04] r F 1 K Eq.[05] N SPT No meio técnico brasileiro, entretanto, como a ocorrência de ensaios tio CPT é rara e costumeiramente utiliza-se o ensaio SPT (Standard Penetration test), foram criados arâmetros de correlações ara a resistência de onta e atrito. Essas correlações odem ser realizadas or meio da Equação 6. q K Eq.[06] c N SPT Sendo que o coeficiente K é um valor deendente do tio de solo. Esse recurso ermite que o atrito lateral seja exresso em função do N SPT, utilizando simlesmente a razão de atrito (α) da Equação 7. f s Eq. [07] q Com isso o valor da resistência de atrito lateral assa a ser exresso ela Equação 8. c

5 42 f s q K N Eq. [08] c Sendo o coeficiente α função do tio de solo. Com essas correlações entre os ensaios, as Equações 4 e 5 foram reescritas obtendo-se as equações 9 e 10. r r F 1 SPT K N Eq. [09] K N F 2 Eq.[10] Em que N e N são resectivamente, o índice de resistência à enetração na cota de aoio da onta da estaca e o índice médio de resistência à enetração na camada de solo de esessura Δ (Figura 1). Assim, no método de Aoki-Velloso, a caacidade de carga (R) de um elemento isolado de fundação é estimada ela fórmula semiemírica mostrada na Equação 11. K N R F 1 A U F 2 n 1 K N Eq.[11] Os valores de K e de α são exressos na Tabela 2, enquanto os valores de F1 e F2 estão disostos na Tabela 3. TABEA 2: Coeficiente K e razão de atrito α. Solo K (MPa) α (%) Areia 1,00 1,4 Areia siltosa 0,80 2,0 Areia siltoargilosa 0,70 2,4 Areia argilosa 0,60 3,0 Areia argilossiltosa 0,50 2,8 Silte 0,40 3,0 Silte arenoso 0,55 2,2 Silte arenoargiloso 0,45 2,8 Silte argiloso 0,23 3,4 Silte argiloarenoso 0,25 3,0 Argila 0,20 6,0 Argila arenosa 0,35 2,4 Argila arenossiltosa 0,30 2,8 Argila siltosa 0,22 4,0 Argila siltoarenosa 0,33 3,0 FONTE: Aoki e Cintra (2010). TABEA 3: Fatores de correção F, e F2. Tio de estaca F1 F2 Franki 2,50 5,00 Metálica 1,75 3,50 Pré-moldada 1+D/0,80 2 F1 Escavada 3,00 6,00 Raiz, Hélice Contínua, Ômega 2,00 4,00 FONTE: Aoki e Cintra (2010)

6 Método de cálculo Décourt-Quaresma O método roosto or Décourt e Quaresma (1978) faz a consideração das arcelas de resistência (R e R ), necessárias ara a determinação da caacidade de carga em um elemento isolado de fundação, reresentando-as como mostrado nas equações 12 e 13. R R r U Eq.[12] r A Eq.[13] O rocedimento desenvolvido or esses esquisadores, faz uma estimativa da tensão de adesão ou de atrito lateral (r ) calculando o valor médio do índice de resistência à enetração do ensaio de SPT ao longo do fuste (N ) sem fazer qualquer distinção quanto as camadas de solo que comõem a região a ser inserida a estaca. Além disso, esse método limita os valores inferior e suerior do N SPT, de três e quinze resectivamente, além de não considerar os valores que serão utilizados no cálculo da arcela resistida ela onta. Quando esses cálculos foram roostos em 1978, definiram-se também os valores de entrada ara r e r, contudo em 1982, os valores tabelados existentes foram modificados or Décourt, assando a serem calculados elas Equações 14 e 15: N r 10 1 Eq.[14] 3 r C Eq.[15] N Em que: N é o valor médio do índice de resistência à enetração na onta ou base da estaca, obtidos a artir do valor corresondente ao nível da onta e os valores imediatamente anterior e osterior. C é coeficiente característico do solo, disostos na Tabela 4. TABEA 4: Coeficiente característico do solo. Tio de solo C (kpa) Argila 120 Silte argiloso* 200 Silte arenoso* 250 Areia 400 * Solos residuais FONTE: Aoki e Cintra (2010). Outra alteração desse método ocorre em 1996 quando Décourt introduz fatores α e β, resectivamente nas arcelas de resistência de onta e resistência lateral, resultando na equação 16. N R C N A 10 1 U Eq.[16] 3 Os valores roostos ara α e β são em função da comosição do solo e do tio de estaca a ser executada na fundação. As Tabelas 5 e 6 aresentam os valores definidos ara esses novos arâmetros. x TABEA 5: Valores do fator α em função do tio de estaca e do tio de solo, resistência de onta. Tio de solo Escavada em geral Escavada (betonita) Hélice Continua Raiz Injetada Argilas 0,85 0,85 0,3* 0,85* 1* Solos intermediários 0,6 0,6 0,3* 0,6* 1* Areias 0,5 0,5 0,3* 0,5* 1* Os valores aresentados com * são aenas orientativos diante do reduzido número de dados disoníveis FONTE: Aoki e Cintra (2010)

7 44 x TABEA 6: Valores do fator β em função do tio de estaca e do tio de solo, resistência lateral. Tio de solo Escavada em geral Escavada (betonita) Hélice Continua Raiz Injetada Argilas 0,8* 0,9* 1* 1,5* 3* Solos intermediários 0,65* 0,75* 1* 1,5* 3* Areias 0,5* 0,6* 1* 1,5* 3* Para as estacas ré-moldadas, metálicas e tio Franki, α e β ermanecem 1, como o da roosição inicial. Observa-se or meio das Tabelas 5 e 6 que há valores de coeficiente aenas orientativos, em função do equeno número de ensaios. Em função disto, utilizou-se resultados de rova de carga estática de estacas, com o intuito de comarar resultados obtidos elos modelos analíticos e confrontá-los com os valores exerimentais. 3.3 Método de cálculo de Teixeira Teixeira (1996), na tentativa de uma unificação entre os métodos de Aoki-Velloso (1975) e Décourt-Quaresma (1978) roõe que o cálculo da caacidade de carga seja feito utilizando outros arâmetros ara α e β. Assim, or meio da Os valores aresentados com * são aenas orientativos diante do reduzido número de dados disoníveis FONTE: Aoki e Cintra (2010). Equação 1 desenvolve-se a Equação 17. R R R TABEA 7: Valores do arâmetro α. N A N U Eq.[17] Em que: N é o valor médio do índice de resistência à enetração medido no intervalo de quatro diâmetros acima da onta e um diâmetro abaixo; N é o valor médio do índice de resistência à enetração ao longo do fuste da estaca. Os valores roosto or Teixeira ara o arâmetro α são decorrentes do solo e do tio de estaca, e são aresentados na Tabela 7. Os valores sugeridos ara o arâmetro β são decorrentes aenas do tio de estaca, indeendem da comosição das camadas do solo, os mesmos são mostrados na Tabela 8. Solo (4 < SPT < 40) Metálica Escavada Franki Raiz Areia Areia siltosa Areia argilosa Silte* Silte arenoso Silte argiloso Argila* Argila arenosa Argila siltosa * Valores adatados linearmente elos autores deste artigo ara reencher os dados não existentes na tabela original. FONTE: Aoki e Cintra (2010).

8 45 TABEA 8: Parâmetro β (kpa) (Resistência ateral). Tio de estaca β (kpa) 3.2 COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS Para uma melhor visualização das diferenças dos métodos, aresenta-se na Tabela 9 uma comaração entre os valores utilizados de N SPT. 4. APRESENTAÇÃO DA ROTINA COMPUTACIONA Inicialmente o usuário deverá informar à rotina comutacional os arâmetros do ensaio de ercussão simles e escolher o tio de estaca, Metálica 4 Escavada 4 Franki 5 Raiz 6 Fonte: Aoki e Cintra (2010). informando também o diâmetro e a cota de arrasamento da onta da mesma. Na Figura 2, aresenta-se a rimeira etaa da rotina comutacional. Nas róximas etaas, o usuário deverá escolher um método de cálculo e a rotina aresentará os valores da caacidade de carga das estacas de forma automática. Nas Figuras 3, 4 e 5, aresentam-se os resultados dos modelos desenvolvidos or Aoki-Velloso (1975), Décourt- Quaresma (1978) e Teixeira (1986), resectivamente. TABEA 9: Comaração entre os valores utilizados de SPT considerados or cada método. Aoki-Velloso (1975) Décourt-Quaresma (1978) Teixeira (1996) N = Índice N SPT na cota de aoio da onta da estaca; N = Índice N SPT médio na camada de solo de esessura Δ. N = Valor médio do N SPT na base da estaca, obtido a artir de 3 valores: o da onta, imediatamente anterior e osterior; N = Índice N SPT médio ao longo do fuste da estaca. N = Valor médio do N SPT medido no intervalo de 4 diâmetros acima da onta da estaca e 1 diâmetro abaixo; N = Índice N SPT médio ao longo do fuste da estaca. x Quadro desenvolvido a artir do estudo de cada metodologia.

9 T. R. Ferreira, R. G. Delalibera, W. A. da Silva - REEC Revista Eletrônica de Engenharia Civil Vol 8 - nº 3 (2014) 46 FIGURA 2: Sondagem e informação do tio de estaca. Fonte: Prórios autores. x FIGURA 3: Caacidade de carga, Método Aoki-Velloso (1975). FONTE: Prórios autores. FIGURA 4: Caacidade de carga, Método Decóurt-Quaresma (1979). FONTE: Prórios autores.

10 T. R. Ferreira, R. G. Delalibera, W. A. da Silva - REEC Revista Eletrônica de Engenharia Civil Vol 8 - nº 3 (2014) 47 FIGURA 5: Caacidade de carga, Método Teixeira (1996). FONTE: Prórios autores. Por fim, aresenta-se um resumo dos três métodos de cálculo ara a determinação da caacidade de carga de estacas. Na Figura 6, aresenta-se um gráfico que reresenta a caacidade de carga das estacas ao longo da rofundidade do fuste. No sítio eletrônico do curso de Engenharia Civil ( do Camus Catalão, é ossível descarregar a rotina comutacional ara o cálculo da caacidade de carga em estacas. FIGURA 6: Resumo das caacidades de carga de estacas. FONTE: Prórios autores.

11 5. VAORES DE AFERIÇÃO T. R. Ferreira, R. G. Delalibera, W. A. da Silva - REEC Revista Eletrônica de Engenharia Civil Vol 8 - nº 3 (2014) O desenvolvimento da rotina comutacional ara o cálculo da caacidade de carga de estacas foi baseada em métodos alicáveis ara solos com características esecíficas. Faz-se necessário que os coeficientes sejam ajustados ara os solos das diferentes regiões do aís. Com o objetivo de avaliar os resultados da rotina comutacional e roor esquisas ara a obtenção de arâmetros de correção ara os solos da região Centro-Oeste, utilizaram-se valores de três rovas de cargas, duas executadas em Brasília-DF e uma de Goiânia-GO. Os resultados das rovas de carga foram obtidos em Magalhães (2005). O rimeiro ensaio de rova de carga é designado or PC-01BR, o qual aresenta uma curva carga-recalque definida. Trata-se de uma rova de carga em estaca curta (/D = 25) de 35 cm de diâmetro, tio Hélice contínua monitorada. A rova de carga foi interromida com carga última evidenciada, rovocando recalque suerior a 30 mm, ou seja, suerior à deformação limite revista ela NBR 6122:2010 e deformação relativa maior que 8,5% do diâmetro da estaca na carga máxima atingida elo teste. A estaca tem comrimento 8,60 m, carga última de ensaio igual a 1400 KN. No Quadro 1 é mostrado o boletim de sondagem a ercussão simles do solo onde foi realizada a rova de carga da estaca PC-01BR. O segundo ensaio de rova de carga utilizado foi ara a estaca PC-01BR, a qual aresenta uma curva carga-recalque definida. Trata-se de uma rova de carga em estaca intermediária (/D = 46) de 40 cm de diâmetro. O ensaio foi interromido com carga máxima evidenciada e com valor de recalque suerior a deformação limite revista ela NBR-6122:2010 e deformação relativa róxima de 6% do diâmetro da estaca em relação a carga máxima atingida elo ensaio. A referida estaca tem comrimento igual a 18,50 m e aresentou carga máxima de ensaio igual a 1100 kn. No Quadro 2 aresenta-se o boletim de sondagem a ercussão simles do solo onde foi realizada a rova de carga da estaca PC-02BR. A terceira rova de carga utilizada foi ara a estaca PC-02GO, que também aresenta uma curva carga-recalque definida. Trata-se de uma rova de carga em estaca intermediária (/D = 37) de 40 cm de diâmetro, comrimento igual a 15 m e foi interromida com recalque róximo de 10 mm, resultando numa deformação relativa róxima de 3% do diâmetro da estaca em relação à carga máxima do ensaio, cujo valor foi igual a 1200 kn. Por meio do Quadro 3 mostra-se o boletim de sondagem a ercussão simles do solo onde foi realizada a rova de carga da estaca PC-02GO.. QUADRO 1: Sondagem tio SPT PC-01BR.. Prof. (m) N SPT Tio de solo Argila ouco siltosa com edregulhos, mole, vermelha / / Silte ouco argiloso, rijo a duro, variegado 48 FONTE: Magalhães (2005).. QUADRO 2: Sondagem tio SPT PC-02BR.. Prof. (m) N SPT Tio de solo Aterro Consolidado Solo Argiloso Solo Siltoso FONTE: Magalhães (2005).

12 49. QUADRO 3: Sondagem tio SPT PC-02GO.. Prof. (m) N SPT Tio de solo RESUTADOS E DISCUSSÃO Silte arenoso, rósea Silte arenoso, rósea e amarelo Silte arenoso, micáceo FONTE: Magalhães (2005). Na Tabela 10, aresentam-se os resultados obtidos or meio dos métodos Aoki- Velloso (1975), Décourt-Quaresma (1978) e Teixeira (1996). É imortante ressaltar que os valores obtidos elos métodos semiemíricos, não foram afetadas elos coeficientes de seguranças externos. Observa-se or meio da Tabela 10, que os coeficientes de correção utilizados elos métodos semiemíricos, necessitam de ajustes ara solos de cada região do aís. Verifica-se que o método de Aoki-Velloso (1975), aresentou valores contra a segurança, quando comarados com os valores exerimentais. Os resultados dos modelos de Décourt-Quaresma (1978) e Teixeira (1996) aresentaram resultados conservadores. Para o método de Aoki-Velloso (1975), ara as rovas de carga PC01BR e PC02BR, indicamse que os coeficientes ara argila, argila siltosa e silte tenham os resectivos valores: 0,56, 0,035 e 0,026. Para os valores do coeficiente K, sugerem-se 178 kpa ara argilas, 193 kpa ara argila siltosa e 350 ara siltes. Para a rova de carga PC02GO, os valores de ara silte arenoso tenha o valor de 0,0136 e K = 341 kpa. Para o modelo de Décourt-Quaresma, nos rovas de carga PC01BR e PC02BR sugerem-se que os coeficientes C tenham os valores de 268 kpa e 558 kpa ara argila siltosa e silte resectivamente. Para a rova de carga PC02GO o valor do coeficiente C não necessita de ajuste. Para o método de Teixeira (1996), ara as rovas de carga PC01BR e PC02BR, indicam-se que os coeficientes ara argila, argila siltosa e silte tenham os resectivos valores: 143 kpa, 157 kpa e 254 kpa. Para os valores do coeficiente, sugeremse 5,72 kpa ara argilas e argila siltosa e 4,16 ara siltes. Para a rova de carga PC02GO, os valores de ara silte arenoso tenha o valor de 125 kpa e = 3,12 kpa. TABEA 10: Comaração entre as rovas de cargas e os métodos da rotina comutacional. Estaca Prova de Carga Aoki-Velloso Décourt-Quaresma Teixeira P ex P ru P adm P ex /P ru P ru P adm P ex /P ru P ru P adm P ex /P ru PC01BR , , ,43 PC02BR , , ,07 PC02GO , , ,78 P ex reresenta o valor da carga de rutura exerimental, obtida or meio dos ensaios de rova de carga. P ru é a caacidade de carga de rutura da estaca, obtida or meio dos métodos semi-emíricos. P adm é a caacidade de carga admissível da estaca, obtida or meio dos métodos semi-emíricos.

13 50 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados aresentados ela rotina comutacional mostraram-se eficientes ara uma análise comarativa entre os três métodos de cálculo, ficando evidente que em decorrência das considerações feitas or cada método, o resultado final aresenta variação. Tais variações devem ser analisadas com rigor elo engenheiro no ato de esecificar o tio de fundação a ser utilizado. Destaca-se que a formulação desenvolvida neste artigo, é aenas uma das diversas soluções ossíveis ara a revisão de carga de uma fundação em estaca, além disso, às variações de cada tio de solo e recursos ara a execução das fundações, aumentam consideravelmente as ossibilidades de esquisa nesta área. Constata-se que é necessária, uma amla esquisa com a execução de rovas de carga em todas as regiões do aís, com intuído de aferir os coeficientes de correção utilizados nos métodos de cálculo analisados neste artigo. A rotina comutacional desenvolvida neste trabalho está disonível no sítio eletrônico do curso de Engenharia Civil do camus Catalão da Universidade Federal de Goiás e tem como objetivo auxilar rofissionais habilitados no desenvolvimento de rojeto de fundações. ASSOCIAÇÃO BRASIEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118 Projeto de estruturas de concreto - Procedimento. Rio de Janeiro ASSOCIAÇÃO BRASIEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6122 Projeto e Execução de Fundações. Rio de Janeiro CINTRA, J. C. A.; AOKI, N. (2010). Fundações or Estacas: rojeto geotécnico. Editora Oficina de Textos, São Paulo, DÉCOURT,.; QUARESMA, A. R. Caacidade de carga de estacas a artir de valores de SPT. In: VI COBRAMSEF Rio de Janeiro, MAGAHAES, P. H.. Avaliação dos métodos de caacidade de carga e recalque de estacas hélice contínua via rovas de carga. Dissertação, Universidade de Brasília, Brasília, TEIEIRA, Alberto Henriques (1996). Projeto de execução de fundações. SEFE, 3, São Paulo, vol AGRADECIMENTOS Ao Conselho de desenvolvimento científico e tecnológico CNPq, ela bolsa de iniciação científica disonibilizada ao rimeiro autor. 9. REFERÊNCIAS BIBIOGRÁFICAS AONSO, U. R.. Exercícios de fundação. Editora Edgard Blucher TDA. São Paulo AONSO, Urbano Rodriguez. Previsão e Controle das Fundações. Vol 3. São Paulo. Editora: Edgard Blucher, AOKI, N.; VEOSO, D. A. An roximate method to estimative the bearing caacity of ile. In: Pan American V P.C.S.M.F.E., Buenos Aires, Proccedings. Vol. 1,

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

Estudo de correlação entre ensaios penetrométricos estáticos e dinâmicos

Estudo de correlação entre ensaios penetrométricos estáticos e dinâmicos Estudo de correlação entre ensaios enetrométricos estáticos e dinâmicos Jeselay Hemetério Cordeiro dos Reis Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Brasil, E-mail: jeselay@hotmail.com Pedro Paulo Michelan

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO Heriberto Pagnussatti; Adailton Antonio dos Santos UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Capacidade de carga de fundações profundas. 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Capacidade de carga de fundações profundas. 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações FUNDAÇÕES PROFUNDAS Capacidade de carga de fundações profundas 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações Métodos Diretos para Cálculo da Capacidade de Carga por meio do SPT. Métodos Direto Semi Empíricos - Estatísiticos

Leia mais

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas.

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. Memória de cálculo de fundações 1. Classificação As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. As fundações rasas podem ser sapatas (isoladas ou corridas) e radiers

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ALUNA: MARESSA M. DE FREITAS OLIVEIRA ORIENTADOR: PROF. JAIRO P. DE ARAÚJO ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES Mogi das Cruzes,SP

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação Mecânica dos Solos e Fundações PEF a Aula Escolha do Tipo de Fundação Considerações Iniciais Dados: Planta de pilares Cargas Perfil de solo Verificação da ordem de grandeza das cargas apresentadas pelo

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO João Manoel Cardoso (1); Adailton Antonio dos Santos (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)jocardoso@gmail.com (2)adailton@unsec.net

Leia mais

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES?

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? Sob a ótica do... Projetista estrutural Consultor de fundações Executor das fundações Equipe de obra Gerenciador da obra Proprietário da obra Empreendedor/investidor Órgãos

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Resumo. Introdução. 1. Universidade de Fortaleza PBICT/FUNCAP

Resumo. Introdução. 1. Universidade de Fortaleza PBICT/FUNCAP XXI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 19 à 23 de Outubro de 2015 Interpretação de Resultados de Sondagem à Percussão com Medição de Torque em Subsolo Arenoso. Tiago Melo Monteiro

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Rubenei Novais Souza Petrobras S/A Rio de Janeiro - Brasil RESUMO: O trabalho apresenta uma verificação expedita realizada em uma

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

Eng Mauro Hernandez Lozano

Eng Mauro Hernandez Lozano 3. Fundações É o sistema de apoio de uma estrutura qualquer no solo ou rocha de maneira a obter segurança em relação a dois condicionantes fundamentais: - Ruptura: representa a situação limite de resistência

Leia mais

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal ara escoamento suersônico e hiersônico de ar sobre cones Guilherme Bertoldo Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) 85601-970, Francisco

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

Comparações entre DPL NILSSON e SPT

Comparações entre DPL NILSSON e SPT Comarações entre DPL NILSSON e SPT Thomas Ulf Nilsson Thomas Nilsson Geoconsultores Ltda, Curitiba, PR RESUMO: O ensaio de enetração adronizado, SPT, é utilizado no transcorrer da sondagem à ercussão e

Leia mais

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28 APRESENTAÇÃO Em prosseguimento à nossa campanha de divulgação de ensaios de carregamento dinâmico realizados em obras da nossa responsabilidade, e por ocasião do SEFE V no ano de, retratamos neste trabalho

Leia mais

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Universidade Federal de Sergipe Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Prof. Erinaldo Hilário Cavalcante Novembro de 2013 Sumário Contextualização

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4 Documento: Cliente: MEMÓRIA DE CÁLCULO CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS LDIST-ST-A4-002-0 Pag: 1 of 32 Título: EQUIPAMENTOS E FUNDAÇÕES PARA PÓRTICOS TECHNIP ENGENHARIA

Leia mais

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Introdução O desemenho de aviões e de motores atmosféricos deende da combinação de temeratura, ressão e densidade do ar circundandante. O movimento

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações

3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações 3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações Dados Indiretos Nas areias a amostreação indeformada, bem como a moldagem de corpos de prova para a execução de ensaios de laboratório, são operações extremamente

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227. Capítulo 11 Principais Tipos de Fundações Profundas, 235

SUMÁRIO. Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227. Capítulo 11 Principais Tipos de Fundações Profundas, 235 SUMÁRIO Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227 10.1 conceitos e definições............................................................... 227 10.2 breve histórico......................................................................

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Cristóvão C. C. Cordeiro Fundações usuais em relação ao porte dos edifícios Pequenos edifícios (casas e sobrados) pequenas cargas Rasas Blocos e alicerces,

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL

FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL SEFE 7 Seminário de Engenharia de Fundações Especiais e Geotecnia FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL Antônio Sérgio Damasco Penna FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL As conquistas do período, o avanço tecnológico, a fartura

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos MÉTODOS ESTÁTICOS Capacidade de carga total da estaca Capacidade de carga lateral da estaca Peso próprio

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos (alinecris16@hotmail.com) MÉTODOS ESTÁTICOS Capacidade de carga total da estaca Capacidade de carga

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Bianca de Oliveira Lobo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre/RS, Brasil. Julia Luiza

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba.

Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba. Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba. Fundações em São Paulo e Curitiba Prof. Eng. Luciano Décourt Fundações Profundas em São Paulo Frederico F. Falconi, Maíra

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE ESTADUAL AULISTA UNES - Camus de Bauru/S FACULDADE DE ENGENHARIA Deartamento de Engenharia Civil Discilina: 2139 - CONCRETO ROTENDIDO NOTAS DE AULA CONCRETO ROTENDIDO rof. Dr. AULO SÉRGIO

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA ENTECA 23 397 PROVAS DE CARGA EM ESTACAS ESCAVADAS COM TRADO MANUAL PREENCHIDAS COM SOLO-CIMENTO PLÁSTICO Rafael Leite Gonçalves 1, Elian Marcos da Silva Moreira 1, Miriam Gonçalves Miguel 1 e Antonio

Leia mais

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas Métodos Dinâmicos maio/ 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Avaliação da capacidade de carga de estacas Método - Fórmulas

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO III INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO POR SPT

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Escola Politécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Escola Politécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Escola Politécnica COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO E INFLUÊNCIA DO PROCESSO EXECUTIVO NO COMPORTAMENTO DE ESTACAS HÉLICE Raphael Martins Mantuano 2013

Leia mais

ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA

ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA ESTUDO EM TÚNEL DE VENTO DA COBERTURA DO ESTÁDIO DO GAMA - BRASÍLIA Acir Mércio Loredo-Souza, Mario Gustavo Klaus Oliveira, Gustavo Javier Zani Núñez, Daniel de Souza Machado, Elvis Antônio Careggiani,

Leia mais

Neste capítulo introdutório comentaremos alguns problemas

Neste capítulo introdutório comentaremos alguns problemas FUNDAÇÕES: ENSAIOS ESTÁTICOS E DINÂMICOS Prova 5 18/10/2013 Maluhy&Co. página (local 9, global #9) Problemas em fundações e SPT 1 9 José Carlos A. Cintra Neste capítulo introdutório comentaremos alguns

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

Avaliação de Métodos de Previsão de Carga Aplicados à Estaca Raiz

Avaliação de Métodos de Previsão de Carga Aplicados à Estaca Raiz 1 Avaliação de Métodos de Previsão de Carga Aplicados à Estaca Raiz Patrícia Amelco patricia.amelco@hotmail.com MBA Projeto Controle e Execução de Estruturas e Fundações Instituto de Pós-Graduação - IPOG

Leia mais

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 1 Universidade de Uberaba / andersonaf@outlook.com 2 Universidade de Uberaba / tulio.acerbi@gmail.com

Leia mais

Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque

Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque Isabella Barbalho Santini Batista SoloSSantini, Recife, Brasil, isabella@solossantini.com.br

Leia mais

Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ. Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira

Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ. Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira 2013 PROVA DE CARGA ESTÁTICA INSTRUMENTADA EM ESTACA METÁLICA DE SEÇÃO DECRESCENTE

Leia mais

Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2

Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2 Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2 1 Universidade Federal de Viçosa / Chemtech Serviços de Engenharia e Software

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA: CORRELAÇÕES ENTRE A MONITORAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS (1) Alberto Alonso Lázaro (2) Claudio Michael Wolle (3) RESUMO

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA: CORRELAÇÕES ENTRE A MONITORAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS (1) Alberto Alonso Lázaro (2) Claudio Michael Wolle (3) RESUMO ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA: CORRELAÇÕES ENTRE A MONITORAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS (1) Alberto Alonso Lázaro () Claudio Michael Wolle () RESUMO As estacas hélice contínua, introduzidas no Brasil em 1987,

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS TENSÕES NODAIS EM BLOCOS SOBRE ESTACAS

VERIFICAÇÃO DAS TENSÕES NODAIS EM BLOCOS SOBRE ESTACAS VERIFICAÇÃO DAS TENSÕES NODAIS EM BLOCOS SOBRE ESTACAS R. K. Q. Souza¹, B. C. S. Lopes2, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Calão 1. rhuankarlo_@hotmail.com; 2. bcs_90@hotmail.com;

Leia mais

INVESTIGAÇÕES DE CAMPO SÃO PAULO /SP

INVESTIGAÇÕES DE CAMPO SÃO PAULO /SP INVESTIGAÇÕES DE CAMPO SÃO PAULO /SP Eng.Arthur Quaresma Filho Prof. Dr.Antônio Sérgio Damasco Penna Prof. Dr. Paulo José Rocha de Albuquerque /SP A maior parte dos problemas geotécnicos está vinculado

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso i Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso Utilização de diversos métodos de cálculo na capacidade de estaca hélice contínua para um solo no Distrito Federal Autor:

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA

O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA MARCOS A. R. GAMITO, MÁRIO OLESKOVICZ Escola de Engenharia de São Carlos, USP Av.

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Civil Trabalho de Conclusão de Curso ESTUDO COMPARATIVO ENTRE UMA FUNDAÇÃO JÁ EXECUTADA E NOVOS DIMENSIONAMENTOS COM NOVAS SONDAGENS Autora: Maria Clara Rubinger

Leia mais

Fundações Profundas:

Fundações Profundas: UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Profundas: Tubulões Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, abril de 004. 1 Fundações Profundas: Tubulões A altura H (embutimento)

Leia mais

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA CONCEITO É uma estaca de pequeno diâmetro concretada in loco, cuja perfuração é realizada por rotação ou roto-percussão (no caso de rochas), em direção vertical ou inclinada. Utilizada para reforço de

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES Sylio Luiz Andreozzi 1 Fláia Aarecida Vieira de Araújo 2 Introdução As uniersidades úblicas brasileiras determinam

Leia mais

CAPÍTULO 4 - FUNDAÇÕES PROFUNDAS

CAPÍTULO 4 - FUNDAÇÕES PROFUNDAS CAPÍTULO 4 - FUNDAÇÕES PROFUNDAS 4.1. DEFINIÇÕES Segundo a NBR 6122/1996, define-se como fundação profunda aquela que transmite a carga proveniente da superestrutura ao terreno pela base (resistência de

Leia mais

4 Análises de probabilidade de ruptura de fundações

4 Análises de probabilidade de ruptura de fundações 4 Anáises de robabiidade de rutura de fundações 4.1. Introdução No resente caítuo são aresentadas formas de estimarem-se robabiidades de rutura de fundações suerficiais e rofundas. Iniciamente, são desenvovidos

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DOS IMPACTOS FINANCEIROS PROVOCADOS POR REFORÇO DE FUNDAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EDIFICAÇÂO NA CIDADE DE UBERLÂNDIA/MG Edson Silva de Lima 1 ; Luan Serafim Mendes Gonçalves 2 ; Luiz Humberto de Freitas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS RAIZ E ESCAVADA CONVENCIONAL, INSTRUMENTADAS, EM SOLOS DE DIABÁSIO

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS RAIZ E ESCAVADA CONVENCIONAL, INSTRUMENTADAS, EM SOLOS DE DIABÁSIO AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS RAIZ E ESCAVADA CONVENCIONAL, INSTRUMENTADAS, EM SOLOS DE DIABÁSIO Paulo José Rocha de Albuquerque Unicamp, Campinas, Brasil, pjra@fec.unicamp.br Bárbara Nardi

Leia mais

INOVAÇÕES NA CONSTRUÇÃO E NO CONTROLO DE ATERROS DE ESTRADAS E DE CAMINHOS DE FERRO DE ALTA VELOCIDADE PARTE 2

INOVAÇÕES NA CONSTRUÇÃO E NO CONTROLO DE ATERROS DE ESTRADAS E DE CAMINHOS DE FERRO DE ALTA VELOCIDADE PARTE 2 INOVAÇÕES NA CONSTRUÇÃO E NO CONTROLO DE ATERROS DE ESTRADAS E DE CAMINHOS DE FERRO DE ALTA VELOCIDADE PARTE 2 A. Gomes Correia Universidade do Minho Eduardo Fortunato - LNEC Universidade do Minho ESTRUTURA

Leia mais

Prova de Carga à Compressão Instrumentada em Estaca Cravada Moldada in loco do tipo Ecopile

Prova de Carga à Compressão Instrumentada em Estaca Cravada Moldada in loco do tipo Ecopile Prova de Carga à Compressão Instrumentada em Estaca Cravada Moldada in loco do tipo Ecopile Uberescilas Fernandes Polido GEOCONSULT/ CT-UFES, Vitória/ES, geoconsult@geoconsult.com.br Hugo Ferreira França

Leia mais

Estacas Escavadas com Trado Mecanizado, com Anéis ao Longo do Fuste

Estacas Escavadas com Trado Mecanizado, com Anéis ao Longo do Fuste Estacas Escavadas com Trado Mecanizado, com Anéis ao Longo do Fuste Juliane Andréia Figueiredo Marques, D.Sc. Responsável Técnico da AGM Geotécnica Ltda, Prof a da FACET-CESMAC/FEJAL Maceió, Brasil, juliane@agmgeotecnica.com.br

Leia mais

PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS CRAVADAS MÉTODO UFRGS

PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS CRAVADAS MÉTODO UFRGS PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS CRAVADAS MÉTODO UFRGS Bianca de Oliveira Lobo - Milititsky Consultoria Geotécnica Fernando Schnaid - Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Edgar Odebrecht

Leia mais

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões 3. MEDIÇÃO DE VZÃO. Introdução Vazão é uma das grandezas mais utilizadas na indústria. s alicações são inúmeras, indo desde de medição de vazão de água em estações de tratamento e residências, até medição

Leia mais

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos)

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos) Protocolo Internacional Harmonizado ara ensaios de roficiência de laboratórios analíticos (químicos) (Relatório Técnico IUPAC) Resumo: As organizações internacionais de normalização AOAC International,

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas a decisão de qual fundação se comporta melhor envolve a análise técnica, logística e econômica. Tipos de fundações D B 2,5 D B 2,5 e D 3m Tipos de fundações

Leia mais

Mestrado em Engenharia de Estruturas. Fundações de Estruturas. Ensaios de campo. Jaime A. Santos (IST)

Mestrado em Engenharia de Estruturas. Fundações de Estruturas. Ensaios de campo. Jaime A. Santos (IST) Mestrado em Engenharia de Estruturas Fundações de Estruturas Ensaios de campo Jaime A. Santos (IST) Ensaio de penetração dinâmica SPT Ensaio SPT (Standard Penetration Test) - realizado na base de um furo

Leia mais

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Ivan Grandis IGR Engenharia Ltda. Jaime Domingos Marzionna ENGEOS Engenharia e Geotecnia S/S Ltda. Escola Politécnica da USP Twin Cities 1 Evolução das

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS Associado à Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS 38 ANOS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA PONTE PARAUAPEBAS - PARÁ DATA Outubro de 2011 Belém, 11 de outubro de 2011 Referência: Ponte em Parauapebas,

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 5 (Cap. 6 Teoria) FUNDAÇÕES 1. Tipos de Fundações Fundações superficais D/B

Leia mais

Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil

Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil Tiago Garcia Rodriguez FEC/Unicamp / Fugro In Situ Geotecnia Jundiaí, São Paulo, Brasil,

Leia mais

Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados

Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados Uso de martelo hidráulico em obras na Região Nordeste Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados Apresentação Introdução Histórico Prática atual no Recife

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos:

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos: Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tubulões à ar comprimido - exemplos: Fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A):

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT PUBLICAÇÃO: Reforsolo 2033/15

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL

UNIVERSIDADE DE ÉVORA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL UNIVERSIDDE DE ÉVOR DEPRTMENTO DE ENGENHRI RURL HIDRÁULIC GERL PONTMENTOS DS ULS TEÓRICS ENGENHRI GRÍCOL ENGENHRI BIOFÍSIC ENGENHRI GEOLÓGIC Maria Madalena V. Moreira Vasconcelos Évora, 004 Caítulo 1 FORÇS

Leia mais

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Raquel Cristina Borges Lopes de Albuquerque Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

Neusa Maria Mota Bezerra BMS Engenharia, Brasília-DF, Brasil,

Neusa Maria Mota Bezerra BMS Engenharia, Brasília-DF, Brasil, O Futuro Sustentável do Brasil assa or Minas Cong. Brasileiro Mec. dos Solos e Eng. Geotécnica 19-22 Outubro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil ABMS, 2016 Análise Comarativa do Método de Previsão de

Leia mais

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Sondagens Rotativas, Métodos Semi-Diretos e Métodos Indiretos Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Sondagens Rotativas Quando se atinge material impenetrável à percussão (estrato

Leia mais

5 Método de Olson (2001)

5 Método de Olson (2001) 6 5 Método de Olson (200) Na literatura existem várias técnicas empíricas para análise da liquefação de solos, como as de Campanella (985), Seed e Harder (990) e Olson (200). Neste capítulo é brevemente

Leia mais

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A aresentação dos resultados advém dos factos observados durante a colheita de dados e do tratamento estatístico. O tratamento dos dados é efectuado através

Leia mais

FUNDAÇÕES EM PRESENÇA DE SOLOS MOLES ANÁLISE DE CASO

FUNDAÇÕES EM PRESENÇA DE SOLOS MOLES ANÁLISE DE CASO GUSTAVO SMARI GUIMARÃES FUNDAÇÕES EM PRESENÇA DE SOLOS MOLES ANÁLISE DE CASO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais