Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral"

Transcrição

1 Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral 4 4

2 = 53 Em que temos a fórmula geral: Exatamente um primo existe em a ou b no numerador. E exatamente um primo existe no denominador, salvo quando os primos forem univitelinos. Exemplo:

3 São primos de Fermat idênticos aos nossos primos, onde em linguagem matemática, são primos da forma e primos da forma 4 p, tal que p sejam idênticos para a, b. Juntando as duas fórmulas, temos a sequência de números primos de Fermat e o nosso, mas não a sequência de todos os números primos, neste quesito a fórmula falha: 2, 3, 5, 7, 11, 13, 17, 19, 29, 37, 41, 43, 53, Nisto consiste um número primo univitelino. Sendo o número 29 o único primo univitelino dos dois conjuntos de primos segundo a relação das equações dada anteriormente. O que nos leva a pergunta: existem infinitos primos univitelinos? Suponha que existem finitos primos univitelinos. Agora considere o número natural n =. O

4 número n possui um fator primo, que, portanto, deve ser um dos ; mas isso implicaria que p divide 1. O que é um absurdo. Portanto, existem infinitos primos univitelinos. É possível expressar a hipótese de que todos os números primos, isto é, todas as mônadas, podem ser expressas por meio de uma série de frações exatas com denominador 2 para numeradores pares e denominador 3 para numeradores ímpares ( (4 p )

5 3, 13, 17, 19, Comparando toda a série, temos o conjunto de alguns números primos: 4n , 3, 5, 7, 11, 13, 17, 19, 29, 37, 41, 43, 53, Nesta fórmula está contido o conjunto de todos os números de Fermat e as duas formas que encontramos. Mas ele ainda não revela o conjunto de todos os números primos, faltando alguns, como, por exemplo, 31, 47, 59 e Isso indica que existe pelo menos mais uma fórmula de primos que precisamos encontrar para formar o conjunto de todos os números primos.

6 23, 31, 47, 59, 61 Cada fórmula gera primos distintos uns dos outros com exceção dos primos univitelinos, e as três formas juntas geram o conjunto de todos os números primos p. Agora temos a fórmula: 4n , 3, 5, 7, 11, 13, 17, 19, 23, 29, 31,37, 41, 43, 47, 53, 59, 61, Onde os números anulados em vermelho são todos os primos univitelinos. Em fim agora temos o conjunto de todos os números primos. Percebam que os

7 numeradores são todos números compostos múltiplos de 2 com denominadores todos iguais a 2, então temos um teorema fundamental dos números primos. Cuja fórmula geral é um corolário de que existem infinitos números primos: 4n Ou: 4 Para provar esse teorema devemos mostrar que o enunciado vale para cada n = 1. O segundo passo é mostrar que, se o enunciado vale para n = k, então o mesmo enunciado vale para n = k + 1. Como vimos, o enunciado é verdadeiro para alguns valores iniciais das frações que geram primos, provando que cada fração é

8 válida para o numerador múltiplo de 2. Como ambas as coisas podem ser provadas, então qualquer número primo pode ser obtido através de frações partindo do mesmo processo. Se tivermos uma longa série de frações que geram números primos e pudermos assegurar que infinitas frações geram números primos então o teorema estará provado. Para isso é preciso que nos asseguremos de que a primeira fração gera um número primo, e, sempre que uma fração for substituída, gera-se sempre outra fração que produz um número primo. Então podemos concluir que todos os números primos, isto é, todas as mônadas, podem ser expressas por meio de uma série de frações exatas com denominador 2 para numeradores pares e denominador 3 para numeradores ímpares. Desejamos provar que:

9 Para todos os números primos 2 e 3. Esta é uma fórmula para a soma da série dos números primos de 2. A prova de que todos os números primos, isto é, todas as mônadas, podem ser expressas por meio de uma série de frações exatas com denominador 2 para numeradores pares é seguinte: O primeiro passo é tomar a base da prova; que serão 2. Obviamente, do lado esquerdo da equação fica: E do lado direito da equação fica:

10 Logo o enunciado de que todos os números primos, isto é, todas as mônadas, podem ser expressas por meio de uma série de frações exatas com denominador 2 para numeradores pares é verdadeiro para n = 1 quando n. Desejamos provar que: Para todos os números primos 3. Esta é uma fórmula para a soma da série dos números primos de 3. A prova de que todos os números primos, isto é, todas as mônadas, podem ser expressas por meio de uma série de

11 frações exatas com denominador 3 para numeradores ímpares é a seguinte: O primeiro passo é tomar a base da prova; que serão 3. Obviamente, do lado esquerdo da equação fica: E do lado direito da equação fica: Logo o enunciado de que todos os números primos, isto é, todas as mônadas, podem ser expressas por meio de uma série de frações exatas com denominador 3 para numeradores ímpares é verdadeiro para n = 1 quando n.

12 Comparando com os dígitos binários da diagonalização de Cantor, uma ilustração de que existem infinitos números primos incontáveis na diagonalização de Cantor na base 7 pode ser demonstrada. Existem, pois, dois conjuntos incontáveis: o conjunto dos números reais e o conjunto dos números primos. s1 = ( ) s2 = ( ) s3 = ( ) s4 = ( ) s5 = ( ) s6 = ( ) s7 = ( ) s1 = ( ) s2 = ( )

13 s3 = ( ) s4 = ( ) s5 = ( ) s6 = ( ) s7 = ( )... S = ( ) = 1 p = s p Este é mais um corolário de que existem infinitos números primos. Considere o conjunto T como sendo todas as sequências infinitas de dígitos binários representando cada S um número primo. Desse modo se é qualquer número primo em T, então resta sempre um elemento s de T que não corresponde a nenhum na enumeração dos números primos. Onde os são distintos de T, não sendo contável e não enumerável. A

14 sequência de primos na parte inferior não pode surgir em nenhum lugar em T, sendo, portanto, não enumerável. Como o conjunto das partes infinitesimais do conjunto T tem mais elementos que s, como s é um conjunto infinito, então g (x) é um conjunto incontável. O argumento prova que o conjunto dos números primos é não enumerável. A primeira fórmula dos primos aproximada é: Onde a barra representa a divisibilidade por 2 do número composto em questão na fórmula. Aproximada na medida em que não sabemos que número composto irá satisfazer a fração. Perceba que a série é sempre formada por um numerador composto e um denominador primo. Mas seu defeito está em

15 nem sempre formar primos com todos os numeradores compostos, mas somente com alguns. Em que se distribui em duas formas: Onde todo numerador par é divisível por um denominador 2, e todo numerador ímpar é divisível por um numerador ímpar 3, gerando sempre o próximo número primo. De modo que todos os numeradores que geram números primos são 2 e 3. Seja n = 2, sabemos de imediato que ele é uma mônada, pois é um número primo. Agora suponhamos o mesmo resultado para todo número natural n e vamos provar que a fração vale para todo

16 primo. Observe que, se n é uma mônada = 2, ou seja, um número primo; então nada temos para provar, pois todo número natural n. No entanto, sendo n = 4 um número composto, existem infinitas frações tais que n = xy com todo número natural n. Por hipótese de indução, temos que existem infinitas frações tais que x =... e y =..., logo n = que expressam sempre números primos. Quanto à cardinalidade dos números primos e reais. ( ) ( )... Para provar que a cardinalidade dos números primos é equivalente à cardinalidade dos números reais, organizamos números

17 primos em reais em uma tabela. Cada linha tem frações com números primos em ordem crescente tendendo ao infinito, e cada coluna também tem frações com números primos, compondo assim uma síntese de números primos e reais. ( ) ( )... Porém os dois conjuntos são incontáveis, mesmo sendo possível estabelecer uma bijeção entre eles. Onde cada número inteiro positivo corresponde a exatamente um número primo real e vice e versa, provando que o conjunto dos números primos possui exatamente o mesmo numero de elementos do conjunto dos números reais. Sendo possível estabelecer uma relação de um para um entre os números primos e os números reais.

18 Iniciando na ponta, basta circular uma linha entre cada número primo real, que são números reais formados unicamente por primos, em ordem crescente, que a cada primo corresponde a um número real e vice e versa. Números reais distintos um dos outros, associando cada um deles a um número primo, fazendo uma lista: A pergunta é: será que se fizermos uma lista com todos os números primos real, com exceção do zero, obteremos infinitos primos tal que p + 1? Vamos usar todos os números primos reais que existem, sem restar nenhum? Não, pois tanto o conjunto dos números primos quanto o conjunto dos números reais

19 são incontáveis. Mesmo que nossa lista inclua todos os números primos real ainda sobrarão infinitos números primos reais que não estão inclusos na lista de número primos reais. Para demonstrar isso basta consideramos um número primo real como, por exemplo,. Escrevemos o zero e a vírgula e o primeiro termo após a vírgula deve ser igual a 2, que é o único número primo par, sendo o primeiro termo depois da vírgula no primo real associado ao numero primo 2. Esse número primo real está presente na lista de correspondência com o conjunto de todos os números primos, posto que o algarismo numa posição aleatória n depois da

20 vírgula sempre difere do algarismo da posição 1. c. q. d

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização 1 Provas, lemas, teoremas e corolários Uma prova é um argumento lógico de que uma afirmação é verdadeira Um teorema

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

NÚMEROS DE FERMAT. (Pedro H. O. Pantoja, Universidade de Lisboa, Portugal)

NÚMEROS DE FERMAT. (Pedro H. O. Pantoja, Universidade de Lisboa, Portugal) NÚMEROS DE FERMAT (Pedro H. O. Pantoja, Universidade de Lisboa, Portugal) Intrudução: O matemático francês Pierre de fermat (1601-1665) é famoso pelo seu extensivo trabalho em teoria dos números. Suas

Leia mais

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F.

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1.

Leia mais

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro MAT 1511 - Laboratório de Matemática I - Diurno - 2005 Profa. Martha Salerno Monteiro Representações decimais de números reais Um número real pode ser representado de várias maneiras, sendo a representação

Leia mais

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos Capítulo 2 Conjuntos Infinitos Não é raro encontrarmos exemplos equivocados de conjuntos infinitos, como a quantidade de grãos de areia na praia ou a quantidade de estrelas no céu. Acontece que essas quantidades,

Leia mais

MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04

MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04 MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04 Para efetuar cálculos, a forma mais eciente de representar os números reais é por meio de expressões decimais. Vamos falar um pouco

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

José Paulo Carneiro (0; 0) (0; 1) (0; 2) (0; 3) (1; 0) (1; 1) (1; 2) (1; 3) (2; 0) (2; 1) (2; 2) (2; 3) (3; 0) (3; 1) (3; 2) (3; 3)

José Paulo Carneiro (0; 0) (0; 1) (0; 2) (0; 3) (1; 0) (1; 1) (1; 2) (1; 3) (2; 0) (2; 1) (2; 2) (2; 3) (3; 0) (3; 1) (3; 2) (3; 3) A ENUMERABILIDADE DE E O CHÃO TRIANGULAR José Paulo Carneiro Nível Intermediário < < é < < e

Leia mais

Aula 10: Decidibilidade

Aula 10: Decidibilidade Teoria da Computação Segundo Semestre, 2014 Aula 10: Decidibilidade DAINF-UTFPR Prof. Ricardo Dutra da Silva Definição 10.1. Um problema de decisão P é um conjunto de questões para as quais as respostas

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

n. 18 ALGUNS TERMOS...

n. 18 ALGUNS TERMOS... n. 18 ALGUNS TERMOS... DEFINIÇÃO Uma Definição é um enunciado que descreve o significado de um termo. Por exemplo, a definição de linha, segundo Euclides: Linha é o que tem comprimento e não tem largura.

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 2. Conceitos Básicos da Teoria da Computação

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 2. Conceitos Básicos da Teoria da Computação Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série Aula 2 Conceitos Básicos da Computação pode ser definida como a solução de um problema ou, formalmente, o cálculo de uma função, através de um algoritmo. A

Leia mais

6. Frações contínuas como as melhores aproximações de um número real

6. Frações contínuas como as melhores aproximações de um número real 6. Frações contínuas como as melhores aproximações de um número real Com um pouco de técnica matemática iremos calcular frações contínuas, ou seja, os numeradores e denominadores de através de fórmulas

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Notação. Usaremos Nat para representar o conjunto dos números naturais; Int para representar o conjunto dos números inteiros. Para cada n Nat, [n] representa o

Leia mais

Demonstrações. Terminologia Métodos

Demonstrações. Terminologia Métodos Demonstrações Terminologia Métodos Técnicas de Demonstração Uma demonstração é um argumento válido que estabelece a verdade de uma sentença matemática. Técnicas de Demonstração Demonstrações servem para:

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

Matemática Discreta - 05

Matemática Discreta - 05 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Tarefa 06 Todos Subconjuntos

Tarefa 06 Todos Subconjuntos Tarefa 06 Todos Subconjuntos Disciplina: Estatística Básica para Bioinformática Discentes: Diego M Salvanha, Madeleine Ernst Enunciado da tarefa: Dado que o número de subconjuntos que podem ser feitos

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Tecnologias de Informação e Comunicação Engenharia Mecânica 1º Ano / 1º Semestre Filipe Caldeira, 2006 Sistema Decimal No sistema decimal existem dez símbolos numéricos, algarismos : 0 1 2 3 4 5 6 7 8

Leia mais

Aritmética dos Restos. Pequeno Teorema de Fermat. Tópicos Adicionais

Aritmética dos Restos. Pequeno Teorema de Fermat. Tópicos Adicionais Aritmética dos Restos Pequeno Teorema de Fermat Tópicos Adicionais Aritmética dos Restos Pequeno Teorema de Fermat 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Encontre os restos da divisão de 2 24 por a) 5

Leia mais

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Fernando Neres de Oliveira 21 de junho de 2015 Resumo Neste trabalho iremos provar uma curiosa propriedade para listas de inteiros positivos da forma 1, 2,...,

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues CENTRO EUCACIONAL GIRASSOL T de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues proftiagorodrigues@gmail.com IVISIBILIAE E RESTO. Introdução O assunto divisibilidade no Conjunto dos Inteiros ( ) é extremamente importante

Leia mais

1 Conjuntos enumeráveis

1 Conjuntos enumeráveis Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales de maio de 007. Conjuntos enumeráveis Denotamos por Q os numeros racionais, logo [0, ] Q, são os números racionais

Leia mais

MA12 - Unidade 2 Indução Matemática Semana de 04/04 a 10/04

MA12 - Unidade 2 Indução Matemática Semana de 04/04 a 10/04 MA - Unidade Indução Matemática Semana de 04/04 a 0/04 Nesta unidade mostraremos como o Axioma da Indução, que foi apresentado na Unidade como um dos axiomas pilares dos números naturais, nos fornece um

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 2 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de :

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de : Sequências Uma sequência é uma função f de em, ou seja. Para todo número natural i associamos um número real por meio de uma determinada regra de formação. A sequencia pode ser denotada por: Ou, por meio

Leia mais

Módulo de Progressões Aritméticas. Soma dos termos de uma P.A. 1 a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis

Módulo de Progressões Aritméticas. Soma dos termos de uma P.A. 1 a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Módulo de Progressões Aritméticas Soma dos termos de uma PA 1 a série EM Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Progressões Aritméticas Soma dos termos de uma PA 1 Exercícios Introdutórios Exercício

Leia mais

Bézout e Outros Bizus

Bézout e Outros Bizus 1. Introdução Bézout e Outros Bizus Davi Lopes Olimpíada Brasileira de Matemática 18ª Semana Olímpica São José do Rio Preto, SP Neste material, iremos demonstrar o teorema de Bézout, que diz que, dados

Leia mais

GABARITO - LISTA 1 DE SÉRIES

GABARITO - LISTA 1 DE SÉRIES 1-A- Pelo teste da integral temos: GABARITO - LISTA 1 DE SÉRIES Uma vez que o valor da integral é um valor finito, a série converge. Resolução alternativa: Teste da razão: Dividindo o numerador e denominador

Leia mais

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez).

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez). SISTEMA DECIMAL 1. Classificação dos números decimais O sistema decimal é um sistema de numeração de posição que utiliza a base dez. Os dez algarismos indo-arábicos - 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 - servem para

Leia mais

Congruências I. Por exemplo, 7 2 (mod 5), 9 3 (mod 6), 37 7 (mod 10) mas 5 3 (mod 4). Veja que a b (mod m) se, e somente se, m a b.

Congruências I. Por exemplo, 7 2 (mod 5), 9 3 (mod 6), 37 7 (mod 10) mas 5 3 (mod 4). Veja que a b (mod m) se, e somente se, m a b. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 6 Congruências I Definição 1. Dizemos que os inteiros a e b são congrentes módulo m se eles deixam o mesmo

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

Olimpíada Pernambucana de Matemática Nível 2 (8 o e 9 o anos)

Olimpíada Pernambucana de Matemática Nível 2 (8 o e 9 o anos) Olimpíada Pernambucana de Matemática - 205 Nível 2 (8 o e 9 o anos). Quantos números com dois algarismos distintos são compostos? Resolução. Para fazer essa contagem utilizaremos o príncipio da inclusão-exclusão.

Leia mais

Matemática Discreta - 04

Matemática Discreta - 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Resoluções. Aula 1 NÍVEL 2. Classe

Resoluções. Aula 1 NÍVEL 2. Classe www.cursoanglo.com.br Treinamento para Olimpíadas de Matemática NÍVEL 2 Resoluções Aula 1 Classe 1. Observe que: 14 1 = 14 14 2 = 196 14 par termina em 6 e 14 ímpar termina em 4 14 3 = 2.744 14 4 = 38.416...

Leia mais

1. Métodos de prova: Construção; Contradição.

1. Métodos de prova: Construção; Contradição. Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Ciência da Computação Fundamentos Matemáticos para Computação 1. Métodos de prova: Construção; Contradição.

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites Este trabalho tem como foco, uma abordagem sobre a teoria dos limites. Cujo objetivo é o método para avaliação da disciplina

Leia mais

Números Naturais Representação, Operações e Divisibilidade. Múltiplos e Divisores. Tópicos Adicionais

Números Naturais Representação, Operações e Divisibilidade. Múltiplos e Divisores. Tópicos Adicionais Números Naturais Representação, Operações e Divisibilidade Múltiplos e Divisores Tópicos Adicionais Números Naturais Representação, Operações e Divisibilidade Múltiplos e Divisores 1 Exercícios Introdutórios

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos (notas da primeira aula 1 Definições básicas 1.1 Conjuntos Definição 1. Um conjunto é uma coleção de objetos, denominados elementos. Notação 1. Para indicar que um elemento

Leia mais

Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais.

Aula 3 Propriedades de limites. Limites laterais. Propriedades de ites. Limites laterais. MÓDULO - AULA 3 Aula 3 Propriedades de ites. Limites laterais. Objetivos Estudar propriedades elementares de ites, tais como: soma, produto, quociente e confronto.

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 9 O Teorema de Euler Nesta aula, obteremos uma generalização do teorema de Fermat. Definição 1. Dado n N,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I CDI I

Cálculo Diferencial e Integral I CDI I Cálculo Diferencial e Integral I CDI I Limites laterais e ites envolvendo o infinito Luiza Amalia Pinto Cantão luiza@sorocaba.unesp.br Limites 1 Limites Laterais a à diretia b à esquerda c Definição precisa

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Tópicos de Matemática Elementar 2 a série de exercícios 2004/05. A seguinte prova por indução parece correcta, mas para n = 6 o lado esquerdo é igual a 2 + 6 + 2 + 20 + 30 = 5 6, enquanto o direito é igual

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

MA14 - Unidade 2 Divisão Euclidiana Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 2 Divisão Euclidiana Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 2 Divisão Euclidiana Semana de 08/08 a 14/08 Divisão Euclidiana Mesmo quando um número natural a não divide o número natural b, Euclides 1, nos seus Elementos, utiliza, sem enunciá-lo explicitamente,

Leia mais

Dois amigos resolveram apostar qual deles acertava mais bolas ao cesto. João arremessou 12 bolas e acertou 7; Mário arremessou 15 bolas e acertou 8.

Dois amigos resolveram apostar qual deles acertava mais bolas ao cesto. João arremessou 12 bolas e acertou 7; Mário arremessou 15 bolas e acertou 8. Dois amigos resolveram apostar qual deles acertava mais bolas ao cesto. João arremessou 1 bolas e acertou 7; Mário arremessou 1 bolas e acertou 8. Escreva as frações que representam Qual deles ganhou a

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE Neste momento inicial, nosso interesse será em determinar quando a divisão entre dois números inteiros é exata, ou seja, quando o resto da divisão é 0. Antes de mais

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos Pode-se dizer que a é em grande parte trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). noção de conjunto não é suscetível de definição precisa a partir d noções mais simples, ou seja, é uma noção

Leia mais

Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso)

Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Roberto Imbuzeiro Oliveira 8 de Janeiro de 2014 1 Conjuntos e funções Neste curso procuraremos fundamentar de forma precisa os fundamentos

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Congruências II. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Congruências II. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 6 Congruências II Na aula de hoje, aprenderemos um dos teoremas mais importantes do curso: o pequeno teorema

Leia mais

Critérios de Divisibilidade

Critérios de Divisibilidade Critérios de Divisibilidade Introdução Se você procurar pela Internet, irá encontrar dezenas de sites que falam sobre este assunto, alguns muito bons por sinal, mas a grande maioria deles embora apresentem

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/30 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

setor 1102 Aula 20 PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONTAGEM 2 REVISÃO

setor 1102 Aula 20 PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONTAGEM 2 REVISÃO setor 1102 1102008 Aula 20 PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONTAGEM 1 PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONTAGEM Seja, por exemplo, uma lanchonete que vende três tipos de refrigerantes e dois tipos de cerveja. Pergunta-se:

Leia mais

Afirmações Matemáticas

Afirmações Matemáticas Afirmações Matemáticas Na aula passada, vimos que o objetivo desta disciplina é estudar estruturas matemáticas, afirmações sobre elas e como provar essas afirmações. Já falamos das estruturas principais,

Leia mais

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE ANA PAULA CHAVES AND THIAGO PORTO 1. Introdução Os temas centrais deste texto - bases numéricas e critérios de divisibilidade

Leia mais

3. Sequências de aproximações racionais

3. Sequências de aproximações racionais 3. Sequências de aproximações racionais 3.1 Aproximações com denominadores q Sabemos que o conjunto dos números racionais é denso em R, isto é, números reais podem ser bem aproximados por números racionais,

Leia mais

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1 Três VIPs da Teoria dos Números É claro, VIP significa Very Important Problems. Os problemas discutidos aqui, além de suas variações, são bastante comuns em Olimpíadas de Matemática e costumam ser resolvidos

Leia mais

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco MATEMÁTICA 1 Professor Matheus Secco MÓDULO 2 Divisibilidade 1. DIVISIBILIDADE 1.1 DEFINIÇÃO: Dizemos que o inteiro a é divisível pelo inteiro b (ou ainda que a é múltiplo de b) se existe um inteiro c

Leia mais

Origem do Universo {1, 2, 2, 4, 8, 32...} + Quando elevamos 2 a sequência de {0, 1, 1, 2, 3, 5...} +

Origem do Universo {1, 2, 2, 4, 8, 32...} + Quando elevamos 2 a sequência de {0, 1, 1, 2, 3, 5...} + Origem do Universo A multiplicação dos dois termos anteriores gera a seguinte sequência que chamamos de sequência do tempo, e que produz um conjunto de números que chamamos de números vazios. {1, 2, 2,

Leia mais

matematicaconcursos.blogspot.com

matematicaconcursos.blogspot.com Professor: Rômulo Garcia Email: machadogarcia@gmail.com Conteúdo Programático: Teoria dos Números Exercícios e alguns conceitos imortantes Números Perfeitos Um inteiro ositivo n diz-se erfeito se e somente

Leia mais

Um número é divisível por 2 se ele é par, ou seja, termina em 0, 2, 4, 6 ou 8.

Um número é divisível por 2 se ele é par, ou seja, termina em 0, 2, 4, 6 ou 8. Alguns critérios de divisibilidade Divisibilidade por 2 Um número é divisível por 2 se ele é par, ou seja, termina em 0, 2, 4, 6 ou 8. Exemplos: O número 5634 é divisível por 2, pois o seu último algarismo

Leia mais

Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte B vale 10 pontos (total de pontos do nível III-fase de seleção = 60 pontos).

Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte B vale 10 pontos (total de pontos do nível III-fase de seleção = 60 pontos). III OLIMPÍADA REGIONAL DE MATEMÁTICA Nível III Ensino Médio DE RIEIRÃO PRETO FASE DE SELEÇÃO - 7 de setembro de 008 Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte vale 10 pontos (total de

Leia mais

Identificar e aplicar os critérios de divisibilidade por 2, 3, 4, 5,6, 8, 9 e 10.

Identificar e aplicar os critérios de divisibilidade por 2, 3, 4, 5,6, 8, 9 e 10. DISCIPLINA: MATEMÁTICA PROFESSORA: GIOVANA 6os. ANOS (161 e 162) Você deverá: ORIENTAÇÃO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 3º. TRIMESTRE 1. Estudar o resumo dos conteúdos que, neste material, estão dentro dos quadros.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações 1. A Base de Nosso Sistema Numérico Se observarmos a história, nós veremos que os primeiros números usados pelos humanos

Leia mais

O tamanho do infinito Descubra fatos e propriedades surpreendentes sobre os conjuntos que não têm fim!

O tamanho do infinito Descubra fatos e propriedades surpreendentes sobre os conjuntos que não têm fim! O tamanho do infinito Descubra fatos e propriedades surpreendentes sobre os conjuntos que não têm fim! Ciência Hoje 1,2,3... Estes são os números naturais, nesta ordem. Cada um dos naturais tem um único

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Teoria dos Conjuntos Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Teoria dos Conjuntos Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Teoria dos Conjuntos Prof. Dudan Matemática NÚMEROS PRIMOS Por definição, os números primos são números pertencentes ao conjunto dos números naturais não nulos, que possuem

Leia mais

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa.

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa. DR. SIMON G. CHIOSSI @ GMA / UFF MB V 1 0/02/2016 NOME LEGÍVEL: Matemática Básica Prova V 1 turma A1 0 / 02 / 2016 MATRÍCULA: EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS (1) Sejam P(x) o predicado x 2 = x e Q(x) o predicado

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

Jogos e invariantes. 6 de Janeiro de 2015

Jogos e invariantes. 6 de Janeiro de 2015 Jogos e invariantes 6 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: continuar com a ideia de explorar problemas. Apresentar a ideia de invariantes. 1 O jogo de apagar - introdução Quem

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

Um pouco de história. Ariane Piovezan Entringer. Geometria Euclidiana Plana - Introdução

Um pouco de história. Ariane Piovezan Entringer. Geometria Euclidiana Plana - Introdução Geometria Euclidiana Plana - Um pouco de história Prof a. Introdução Daremos início ao estudo axiomático da geometria estudada no ensino fundamental e médio, a Geometria Euclidiana Plana. Faremos uso do

Leia mais

Contando o Infinito: os Números Cardinais

Contando o Infinito: os Números Cardinais Contando o Infinito: os Números Cardinais Sérgio Tadao Martins 4 de junho de 2005 No one will expel us from the paradise that Cantor has created for us David Hilbert 1 Introdução Quantos elementos há no

Leia mais

x a1 mod m 1 x a 2 mod m 2

x a1 mod m 1 x a 2 mod m 2 Teorema Chinês do Restos. Dados dois inteiros m, m primos entre si (isto é, mdc(m, m )=), e dados outros dois inteiros quaisquer a, a, o sistema x a mod m x a mod m () Obs: Quem é chinês é o teorema, não

Leia mais

Notas sobre os anéis Z m

Notas sobre os anéis Z m Capítulo 1 Notas sobre os anéis Z m Estas notas complementam o texto principal, no que diz respeito ao estudo que aí se faz dos grupos e anéis Z m. Referem algumas propriedades mais específicas dos subanéis

Leia mais

NÚMEROS 2. Antonio Carlos Brolezzi.

NÚMEROS 2. Antonio Carlos Brolezzi. NÚMEROS 2 Antonio Carlos Brolezzi www.ime.usp.br/~brolezzi brolezzi@usp.br Os símbolos numéricos Com o nosso sistema de numeração, usando apenas dez símbolos diferentes, podemos escrever qualquer número,

Leia mais

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit MATEMÁTICA I AULA 03: LIMITES DE FUNÇÃO, CÁLCULO DE LIMITES E CONTINUIDADES TÓPICO 02: CÁLCULO DE LIMITES Neste tópico serão estudadas as técnicas de cálculo de limites de funções algébricas, usando alguns

Leia mais

Números Racionais. MAT1514 MEB 2/2016 T42 Diurno Substituição da Profa. Martha Monteiro

Números Racionais. MAT1514 MEB 2/2016 T42 Diurno Substituição da Profa. Martha Monteiro Números Racionais MAT1514 MEB 2/2016 T42 Diurno Substituição da Profa. Martha Monteiro O que são números racionais? Alguma definição? Como surgiram? Relacionados a quais ideias ou situações? Representação

Leia mais

Volume de um gás em um pistão

Volume de um gás em um pistão Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo Volume de um gás em um pistão Suponha que um gás é mantido a uma temperatura constante em um pistão. À medida que o pistão é comprimido, o volume

Leia mais

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo:

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo: MÓDULO 2 POTÊNCIA Sabendo que as potências tem grande importância no mundo da lógica matemática, nosso curso terá por objetivo demonstrar onde podemos utilizar esses conceitos no nosso cotidiano e vida

Leia mais

Técnicas de. Integração

Técnicas de. Integração Técnicas de Capítulo 7 Integração TÉCNICAS DE INTEGRAÇÃO 7.4 Integração de Funções Racionais por Frações Parciais Nessa seção, vamos aprender como integrar funções racionais reduzindo-as a uma soma de

Leia mais

O uso de letras na linguagem matemática

O uso de letras na linguagem matemática O uso de letras na linguagem matemática Vimos que a linguagem matemática utiliza letras para representar propriedades, como por exemplo a propriedade distributiva: a(b + c) = ab + ac De fato as letras

Leia mais

LIMITES E CONTINUIDADE

LIMITES E CONTINUIDADE LIMITES E CONTINUIDADE Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE

Leia mais

Método de indução. José Carlos Santos

Método de indução. José Carlos Santos Método de indução José Carlos Santos O termo «indução» tem origem na Filosofia. A entrada do Dicionário de Filosofia de Simon Blackburn que lhe diz respeito começa do seguinte modo: Indução Termo usado

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas. Aula 05 GRUPOS QUOCIENTES METAS Estabelecer o conceito de grupo quociente. OBJETIVOS Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Leia mais

O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática

O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível 2 Prof. Marcelo Mendes Aula 6 Indução - Parte I O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática (ou Indução

Leia mais

Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta

Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta Capítulo 3 Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta Nesta aula vamos caracterizar de forma algébrica a posição relativa de duas retas no plano e de uma reta e de um círculo

Leia mais

38ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 (6º e 7º anos do Ensino Fundamental) GABARITO

38ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 (6º e 7º anos do Ensino Fundamental) GABARITO 38ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 (6º e 7º anos do Ensino Fundamental) GABARITO GABARITO NÍVEL 1 1) E 6) E 11) C 16) E ) D 7) D 1) A 17) A 3) D 8) A 13) E 18) B 4) C 9) C 14)

Leia mais

Conjuntos Contáveis e Não Contáveis / Contagem

Conjuntos Contáveis e Não Contáveis / Contagem Conjuntos Contáveis e Não Contáveis / Contagem Introdução A história nos mostra que desde muito tempo o homem sempre teve a preocupação em contar objetos e ter registros numéricos. Seja através de pedras,

Leia mais

Divisibilidade Múltiplos de um número Critérios de divisibilidade 5367

Divisibilidade Múltiplos de um número Critérios de divisibilidade 5367 Divisibilidade Um número é divisível por outro quando sua divisão por esse número for exata. Por exemplo: 20 : 5 = 4 logo 20 é divisível por 5. Múltiplos de um número Um número tem um conjunto infinito

Leia mais

(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação

(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação Álgebra (Ciência de Computadores) 2005/2006 Números inteiros 1. Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação (a) {inteiros positivos impares}; (b) {inteiros negativos pares};

Leia mais

PCC104 - Projeto e Análise de Algoritmos

PCC104 - Projeto e Análise de Algoritmos PCC104 - Projeto e Análise de Algoritmos Marco Antonio M. Carvalho Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal de Ouro Preto 7 de outubro de 2016 Marco Antonio

Leia mais

01- Verifique se o número é múltiplo de 29. R.: a) D (25) = b) D (17) = c) D (20) = d) D (18) =

01- Verifique se o número é múltiplo de 29. R.: a) D (25) = b) D (17) = c) D (20) = d) D (18) = PROFESSOR: EQUIPE DE MATEMÁTICA BANCO DE QUESTÕES - MATEMÁTICA - 5º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 01- Verifique se o número 8 437 é

Leia mais