Java além das aplicações comerciais convencionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Java além das aplicações comerciais convencionais"

Transcrição

1 Java além das aplicações comerciais convencionais Leonardo Simberg Solution IT Architect IBM Professor Pós-Graduação - IBTA v setembro de 2009

2 O que é uma aplicação Comercial Tradicional? 2

3 Tecnologias normalmente utilizadas Desktop (Java FX, SWF, ) Web (JSF, Java FX,..) Mobile (JME, ) Dados (Derby, Hibernate,..) Integração (WS,REST, EAI ) 3

4 Mas Java é muito mais! Veja alguns exemplos: Desktop (Java FX, SWF, ) Web (JSF, Java FX,..) Mobile (JME, ) Dados (Derby, Hibernate,..) Integração (WS,REST, EAI ) SOA (SCA, SDO, ) Processos (BPM, Workflow,..) Cloud Computing (SAS,..) Sistemas Distribuídos (Grid, Javaspace, ) Orientação a aspectos (AspectJ, ) TV Digital (Java TV, Xlet, ) Blu-Ray (BDJ) Games 3D (JMonkey, JOGL,...) Sistemas Embarcados (JSTAMP,SPOT,..) Massivamente Paralela (HPC, Concurrent, ) Real Time (JSR 1 RTSJ) Robótica (MAX, ) Visualização (Java 2D, Java 3D,..) Inteligencia Artificial (JOONE, ) Java Card 4

5 Mas Java é muito mais! Alguns exemplos: Desktop (Java FX, SWF, ) Web (JSF, Java FX,..) Mobile (JME, ) Dados (Derby, Hibernate,..) Integração (WS,REST, EAI ) SOA (SCA, SDO, ) Processos (BPM, Workflow,..) Cloud Computing (SAS,..) Sistemas Distribuídos (Grid, Javaspace, ) Orientação a aspectos (AspectJ, ) TV Digital (Java TV, Xlet, ) Blu-Ray (BDJ) Games 3D (JMonkey, JOGL,...) Sistemas Embarcados (JSTAMP,SPOT,..) Massivamente Paralela (HPC, Concurrent, ) Real Time (JSR 1 RTSJ) Robótica (MAX, ) Visualização (Java 2D, Java 3D,..) Inteligencia Artificial (JOONE, ) Java Card 5

6 Blu-ray Disc 6

7 Blu-ray Disc O que é? Novo formato de mídia de óptica para eletrônicos de consumo, computadores e vídeo games (PS3). Excelente qualidade de áudio e vídeo: Blu-ray Disc: 1920x1080 DVD: TV analógica: 720x x240 Alta capacidade 25GB (single layer) / 50GB (double layer) Futuramente 200GB (multi-layer) 7

8 Uma Plataforma -> Dois modelos High-Definition Movie (HDMV) Modelo criado através da extensão de funcionalidades do DVD. Blu-ray Disc Java (BD-J) Modelo baseado em uma plataforma completamente programável com suporte a conectividade e novos modos de interação. * Todos os aparelhos compatíveis com Blu-ray devem suportar ambos os modelos 8

9 Visão geral do Blu-ray Disc Java (BD-J) 9

10 Profiles do Blu-ray 10

11 Alguns títulos com o BD-J 11

12 Menus mais elaborados * Menus podem ser abertos em cima do filme em execução sem interrupção! 12

13 Criação de jogos Use the embedded cross-hair to shoot either heroes or foes, in this rather lame, early game from Fox Studios for The League of Extraordinary Gentlemen. 20th Century Fox Studios. 13

14 Criação de jogos Ratatouille: Gusteau's Gourmet Game - The Walt Disney Company. 14

15 Algumas idéias de uso para o BD-J Menus elaborados Interatividade In-movie Jogos Persistência de Informações Download de conteúdo Comercio eletrônico associado com o filme Download de legendas Eventos sincronizados Compartilhamento de experiências em comunidades Versatilidade de design Internet Banking 15

16 Impactos Um mercado potencial de mais de 1 Bilhão de aparelhos novos rodando a Máquina Virtual Java (JVM); Milhares de títulos que podem ser incrementados com Java, abrindo um grande mercado para desenvolvedores; Uma nova plataforma para comercio eletrônico interativo, onde você pode comprar os objetos que estão aparecendo no filme! Novo método de integração entre os usuários sem a necessidade de um desktop. 16

17 Referências Hollywood Studios and Blu-ray Disc Interactivity Using BD-J; Malik, Sumit; Blu-ray BD-J Application Development using Java ME; 17

18 Jogos 3D em Java 18

19 Por que um jogo em Java deveria ser assim? 19

20 Se ele pode ser assim? 20

21 Principais mitos sobre jogos 3D em Java O Java é muito lento para ser usado em jogos 3D! ERRADO! A partir do Java o Java resolveu os principais problemas de desempenho, além de grande parte do trabalho pesado do processamento nos jogos é feito pelo hardware, principalmente pelas placas gráficas. Falta de qualidade visual e sonora! ERRADO! O Java contêm APIs gráficas poderosas como Java 3D e Java 2D, além de ser integrado com OpenGL e DirectX. E possui recursos poderosos de audio através da integração com o OpenAL. Pergunta: Será que Java conseguirá a curto prazo ser mais poderoso ou igualar as Engines em C, como por exemplo a Unreal? Por que? 21

22 Arquitetura típica de um jogo 3D em Java API Gráfica Nativa (OpenGL) Código do Jogo (Personalisado) Controle de Jogo (JMonkey) Wrapper Java + Utilitários (LWJGL) API Áudio Nativa (OpenAL) Interface de Entrada Nativa + Java (JInput) Wrapper Java (JME-Physics) API de Cálculos Físicos Nativa (ODE) 22

23 Exemplo de arquitetura de um jogo em Java 23

24 JMonkey Engine DEMO 24

25 Inteligência Artificial e outros facilitadores Enquanto deixamos os gráficos e sons para bibliotecas especializadas em C/Assembler, podemos nos preocupar com o enredo do jogo e a inteligência artificial que pode ser desenvolvida de mais alto nível, como o Java. Existem diversos algoritmos e api s em java: JSR94 Java Rule Engine (JESS, JBOSS DROOLS) JMonkey, LWJGL, JME-Physics Reconhecimento de Voz Reconhecimento de Vídeo e Movimento Sintetização de voz Comunicação 25

26 Jogos MMOG (Massively Multiplayer Online Games) Grande quantidade de usuários simultâneos; Controle de interação entre usuários e objetos em um mesmo espaço; Gerenciamento de comunicação; Segurança; Velocidade; Tolerância a falhas; Baixa latência; Alta capacidade de processamento. Servidor central 26

27 Projeto Darkstar What is Project Darkstar? Project Darkstar is software infrastructure that aims to simplify the development and operation of massively scalable online games, virtual worlds, and social networking applications. Originally created by Sun Microsystems, it is today advanced as an open source project through the Project Darkstar Community. What problems does Project Darkstar solve? Project Darkstar is designed to help developers and operators avoid a range of serious, yet typical, problems associated with massive scale online games today, including zone overloading, data corruption, and server under-utilization. In addition, Project Darkstar will enable developers to support new dimensions of play such as evolvable virtual worlds and very large scale battlefields. ** Informações extraídas do site do projeto Darkstar, 27

28 Impactos Um mercado cada vez mais crescente de jogos sendo desenvolvidos em Java, tanto a parte 3D, como a parte server; Criação de interfaces mais ricas para os sistemas comerciais desenvolvidos em Java; Avanço nas técnicas de Inteligência Artificial que podem ser utilizadas em outras áreas, como por exemplo o Algorithm Trade no mercado de ações; Uso de mundos virtuais dos MMOGs para outros usos, como gerenciamento/fechamento de compra e vendas de ações para Bolsas de Valores; 28

29 Referências Creating Games on the Java Platform with the jmonkeyengine; Slack, Joshua; Herlitz, Rikard; JMonkeyEngine; Jogos 3D na Prática; Mundo Java; número 24 Project Darkstar; Editora Apress: Versão online: 8C&pg=PA10&lpg=PA10&dq=java+3dgames&source=web&ots=Ipg5xX 2Ahx&sig=LmjLd_DitZUrzz4ThkCatc8nE&hl=en&sa=X&oi=book_result&resnum=9&ct=result 29

30 Sistema Embarcados com Java 30

31 O que é um sistema embarcado (Embedded System)? Um sistema embarcado (ou sistema embutido) é um sistema microprocessado no qual o computador é completamente encapsulado ou dedicado ao dispositivo ou sistema que ele controla. Diferente de computadores de propósito geral, como o computador pessoal, um sistema embarcado realiza um conjunto de tarefas predefinidas, geralmente com requisitos específicos. ; Wikipedia 31

32 Sistemas prontos para uso: JStamp JStamp é um produto da Systronix pronto para uso, ele contem o Hardware e software (VM) já implementado em um dispositivo comercial de aproximadamente $150 pronto para uso. Este pode processar mais de 3 milhões de byte codes Java por segundo. 32

33 Sun Spot Dispositivo programável em Java composto por camadas A camada de sensor pode ser trocada, existe uma placa demo que contém os seguintes elementos: Acelerômetro Sensor de luz Sensor de temperatura Botões do tipo push buttons 8 LEDs RGB 6 Entradas analógicas 5 Entradas/Saídas de uso geral 4 Saídas de alta corrente 33

34 Exemplo de Uso Avançado: Perrone Robotics 34

35 Vários Sun Spot criam uma rede mesh 35

36 Máquina Virtual para sistema embarcado da SUN: SquawK 36

37 Máquina Virtual para sistema embarcado: NanoVM The NanoVM is a java virtual machine for the Atmel AVR ATmega8 CPU, the member of the AVR CPU family used e.g. in the DLR Asuro robot, manufactured by AREXX engineering. With the NanoVM, the Asuro can be programmed in the popular Java language using the standard Sun JDK. The NanoVM and its tools are distributed under the GPL and can be used on other AVR based systems as well. 37

38 Impactos Criação novas soluções cada vez mais baratas, inteligentes e conectadas; Junção de software e eletrônica, melhorando a interação dos aparelhos comuns como Geladeira, Carro, Máquina de Lavar, Brinquedos até sistemas industriais como Máquinas Operatrizes e Robôs; Um mercado crescente de desenvolvimento embarcados e Java é um grande candidato, pois as aplicações estão ficando cada vez mais complexas, mais conectadas e os microcontroladores estão cada vez mais rápidos; Desenvolvimento de novas ferramentas de desenvolvimento e metodologias; 38

39 Referências Embedded Systems Glossary; Barr, Michael; The Nano VM; JStamp; Project Sun SPOT: A Java Technology-Enabled Platform for Ubiquitous Computing; 6495&yr=2008&track=javame 39

40 Java além das aplicações comerciais convencionais Leonardo Simberg Solution IT Architect IBM Professor Pós-Graduação - IBTA v setembro de 2009

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Java & OpenJDK Thiago S. Gonzaga Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Tópicos Sobre a Sun Microsystems Algumas tecnologias da Sun Linguagem de Programação Ciclo de Desenvolvimento O que é Java?

Leia mais

Seleção de Livros sobre Desenvolvimento de Jogos. Por Marcos Romero Dezembro / 2008

Seleção de Livros sobre Desenvolvimento de Jogos. Por Marcos Romero Dezembro / 2008 Seleção de Livros sobre Desenvolvimento de Jogos Por Marcos Romero Dezembro / 2008 Categoria: Essencial Desenvolvimento de jogos 3d e aplicações em tempo real Programação de jogos com C++ e Directx Modelagem

Leia mais

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation Soluções IBM SmartCloud Estratégia de Cloud Computing da IBM Business Process as a Service Software as a Service Platform as a Service Infrastructure as a Service Design Deploy Consume Tecnologias para

Leia mais

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA QUALQUER TIPO DE USUÁRIO Gustavo Henrique Rodrigues Pinto Tomas 317624 AGENDA Introdução: Cloud Computing Modelos de Implementação Modelos de Serviço Eucalyptus

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Visual COBOL é a solução líder da indústria para o desenvolvimento de aplicações COBOL e implantação em sistemas Windows, Unix e Linux. Ele combina as melhores ferramentas de desenvolvimento de sua classe

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Sistemas Embarcados Android

Sistemas Embarcados Android Engenharia Elétrica UFPR 7 de março de 2013 Outline Desenvolvido para sistemas móveis pelo Google: Android Open Source Project (AOSP) Grande sucesso, devido a combinação de: open source licensing aggressive

Leia mais

SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros

SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros SIM V.T 3D Software de simulação completo para treinamento dos futuros Técnicos e Engenheiros Solução em software exclusivo, o SIM V.T 3D oferece um design intuitivo, animações em 3D, animação virtual

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Autonômica Emanuel F. Coutinho 1, Gabriel A. L. Paillard 1 Leonardo O. Moreira 1, Ernesto Trajano de Lima

Leia mais

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8 Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial INTRODUÇÃO O uso de máquinas virtuais pode ser adequado tanto

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE HORÁRIOS DE AULA UTILIZANDO LEITORES BIOMÉTRICOS

SISTEMA DE CONTROLE DE HORÁRIOS DE AULA UTILIZANDO LEITORES BIOMÉTRICOS SISTEMA DE CONTROLE DE HORÁRIOS DE AULA UTILIZANDO LEITORES BIOMÉTRICOS Renan Rabelo Soeiro renan.ifce@gmail.com Hugaleno da Costa Bezerra hugaleno@gmail.com Fillipe Diego Ferreira Carneiro fillipediego@gmail.com

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

Levantamento sobre Computação em Nuvens

Levantamento sobre Computação em Nuvens Levantamento sobre Computação em Nuvens Mozart Lemos de Siqueira Doutor em Ciência da Computação Centro Universitário Ritter dos Reis Sistemas de Informação: Ciência e Tecnologia Aplicadas mozarts@uniritter.edu.br

Leia mais

Sistemas Embarcados Android

Sistemas Embarcados Android Engenharia Elétrica UFPR 13 de novembro de 2014 Desenvolvido para sistemas móveis pelo Google: Android Open Source Project (AOSP) Grande sucesso, devido a combinação de: open source licensing aggressive

Leia mais

Tipos de Computadores. Sediane Carmem Lunardi Hernandes

Tipos de Computadores. Sediane Carmem Lunardi Hernandes Tipos de Computadores Sediane Carmem Lunardi Hernandes 1 Introdução Objetivo Apresentar a Lei de Moore e mostrar os vários tipos de computadores 2 a) Lei de Moore Processadores (maioria) são um conjunto

Leia mais

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Primeira Dica Afirmação O que é Java? Características do Java Como Java Funciona Plataforma Java Edições Java Java SE Java EE Java ME

Leia mais

Tutorial Java ME. Deixe o JME surpreender você também! Porque programar com 1 GB de RAM é fácil!! Neto Marin

Tutorial Java ME. Deixe o JME surpreender você também! Porque programar com 1 GB de RAM é fácil!! Neto Marin Deixe o JME surpreender você também! Porque programar com 1 GB de RAM é fácil!! Neto Marin Apresentação Experiência com Java desde 2002 (SCJP): Atuando com mobilidade desde 2005 P&D do Mobile Sys da Softway

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

Introdução a Linguagem

Introdução a Linguagem Introdução a Linguagem Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2011 Unidade 03 Introdução a Linguagem Java 1 Conteúdo Máquina Virtual (JVM) Histórico de Java Case Sensitive Tipos Primitivos Tipo String

Leia mais

Java Básico. Aula 1 por Thalles Cezar

Java Básico. Aula 1 por Thalles Cezar + Java Básico Aula 1 por Thalles Cezar + Histórico Green Project (1991) Desenvolver plataforma para eletrodomésticos inteligentes Tentaram usar C++ Mas resolveram desenvolver uma linguagem própria Oak

Leia mais

Orientação a Objetos com Java

Orientação a Objetos com Java Orientação a Objetos com Java Julio Cesar Nardi julionardi@yahoo.com.br 2011/2 Aula 01: Começando com Java Objetivos: Compreender o que é Java, OO e suas vantagens; Entender os procedimentos para criação

Leia mais

Mapas e Localização. Programação de Dispositivos Móveis. Mauro Lopes Carvalho Silva

Mapas e Localização. Programação de Dispositivos Móveis. Mauro Lopes Carvalho Silva Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos

Leia mais

Aula 3 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 3 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I. Marcelo Henrique dos Santos Aula 3 Email: marcelosantos@outlook.com marcellohenrique@outlook.com Twitter: @marcellohsantos Apresentação Comparativa Apresentação Comparativa O QUE É UMA GAME ENGINE? Apresentação Comparativa O QUE

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Nº 96080 - Adário de Assunção Fonseca Muatelembe Nº 96118 - Castelo Pedro dos Santos Nº 96170 - Feliciano José Pascoal

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 fevereiro/2011 Surgimento, desenvolvimento e evolução dos sistemas operacionais até os sistemas modernos. 1 - Introdução A evolução dos sistemas operacionais

Leia mais

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition 1 Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition Sobre o Autor Carlos Eduardo G. Tosin (carlos@tosin.com.br) é formado em Ciência da Computação pela PUC-PR, pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO As respostas das atividades deverão ser mais simples e completas possíveis e baseadas nas aulas (vídeo-aula). Acrescentei mais informações para servirem de material de apoio aos estudos para avaliações

Leia mais

Mini-curso Gratuito. Globalcode - The Developers Company Slide 1

Mini-curso Gratuito. Globalcode - The Developers Company Slide 1 Mini-curso Gratuito Globalcode - The Developers Company Slide 1 Globalcode - The Developers Company Slide 2 Agenda Parte teórica 1. Introdução 2. Vantagens da tecnologia Java 3. Máquinas Virtuais 4. Áreas

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES Célia Hirata Aoki - celia@unisalesiano.edu.br Prof. M.Sc. Anderson Pazin - pazin@unisalesiano.edu.br RESUMO As fortes expansões

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX. Vinícius Barreto de Sousa Neto

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX. Vinícius Barreto de Sousa Neto INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX Vinícius Barreto de Sousa Neto Libgdx é um framework multi plataforma de visualização e desenvolvimento de jogos. Atualmente ele suporta Windows, Linux,

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Móveis: Presente, Passado e Futuro

Desenvolvimento de Aplicações Móveis: Presente, Passado e Futuro Desenvolvimento de Aplicações Móveis: Presente, Passado e Futuro Prof. Gilberto Amado de Azevedo Cysneiros Filho Tecnologia Vestível Tecnologia vestível (wearable technology) são acessórios diretamente

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Tecnologia Java. Helder darocha (hslr@uol.com.br)

Tecnologia Java. Helder darocha (hslr@uol.com.br) Tecnologia Java Helder darocha (hslr@uol.com.br) O que é Java? Uma linguagem de programação (Java) for (int i = 0; i

Leia mais

Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução. Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados: Visão Geral

Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução. Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados: Visão Geral Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução Tópico: Agenda 1 Motivação Introdução aos Sistemas Embarcados (SEs) Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados:

Leia mais

1.1. Java como plataforma, além da linguagem

1.1. Java como plataforma, além da linguagem Capítulo 1 A plataforma Java Diversas plataformas de desenvolvimento possuem grande penetração no mercado. A plataforma Java atingiu a liderança devido a algumas características relacionadas ao seu processo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Computação nas Nuvens

Computação nas Nuvens Computação nas Nuvens TÓPICOS Introdução Internet: O fundamento principal O que é Computação em Nuvens Vantagens Dúvidas Corrida pela tecnologia Trabalhos Futuros Conclusão Referências 2 TÓPICOS Introdução

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUIDO PARA CONSULTA DE TEMPERATURA E UMIDADE UTILIZANDO ARDUINO E ANDROID

BANCO DE DADOS DISTRIBUIDO PARA CONSULTA DE TEMPERATURA E UMIDADE UTILIZANDO ARDUINO E ANDROID BANCO DE DADOS DISTRIBUIDO PARA CONSULTA DE TEMPERATURA E UMIDADE UTILIZANDO ARDUINO E ANDROID Douglas Bento Scriptore¹, José de Moura Júnior² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil. douglasscriptore@gmail.com

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

OFICINA ANDROID COMO COMEÇAR A DESENVOLVER!

OFICINA ANDROID COMO COMEÇAR A DESENVOLVER! OFICINA ANDROID COMO COMEÇAR A DESENVOLVER! QUEM SOU EU? REGILAN MEIRA SILVA Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização em Sistemas de Informação e Mestrado

Leia mais

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul 1 Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem Luiz Filipe Licidonio Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms Porto Alegre, Rio Grande do Sul luiz_np_poa@hotmail.com 2 Análise de Sistemas I: Programação em

Leia mais

FICHA DE CATALOGAÇÃO DE REVISTAS DE NOTÍCIAS. Coleção

FICHA DE CATALOGAÇÃO DE REVISTAS DE NOTÍCIAS. Coleção Título: SQL Magazine Notas de Título Feita para Desenvolvedores de Software e DBAs. Descrição Geral: Revista focada em banco de dados, análise, projeto e modelagem. Editor(es): Diretor responsável Gladstone

Leia mais

Desenvolvendo aplicações

Desenvolvendo aplicações Desenvolvendo aplicações Sobre Adriano Bertucci Email: adriano@bertucci.com.br Twitter: @adrianobertucci Técnico: www.bertucci.com.br Consultoria e Serviços: www.fcamara.com.br Agenda Software + Serviços

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi A virtualização de desktops pode ser trabalhada sobre servidores virtuais e esta técnica torna nossa tecnologia ainda mais atraente. Certifique-se que o seu

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Linguagem Java. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento Prof. Anderson Augustinho Uniandrade

Linguagem Java. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento. Arquitetura e Ambiente de Desenvolvimento Prof. Anderson Augustinho Uniandrade Linguagem Java de Desenvolvimento Máquina Virtual Um código intermediário, chamado de bytecode, é gerado quando um programa Java é compilado. Este bytecode é interpretado pelas máquinas virtuais java (JVMs)

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

NanoDataCenters. Aline Kaori Takechi 317055

NanoDataCenters. Aline Kaori Takechi 317055 NanoDataCenters Aline Kaori Takechi 317055 INTRODUÇÃO Introdução Projeto Europeu: NICTA National ICT Australia FP7 7th Framework Program Rede formada por Home Gateways Objetivo: distribuir conteúdo Dispositivos

Leia mais

SejaBem-vindo! 2014 Extreme Networks, Inc. All rights reserved.

SejaBem-vindo! 2014 Extreme Networks, Inc. All rights reserved. SejaBem-vindo! 0 CIO Weekend DF 2014 Segurança Digital: do risco à solução Redes criadas a partir de softwares Momemntoeconômico Hoje consumimos mais mídias socias, mobilidade e Cloud BYOD, Internet das

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 07 Arquitetura de Sistemas Operacionais Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais

Leia mais

Análise de Performance de Frameworks de Desenvolvimento Mobile Multiplataforma

Análise de Performance de Frameworks de Desenvolvimento Mobile Multiplataforma 347 Análise de Performance de Frameworks de Desenvolvimento Mobile Multiplataforma Kamile A. Wahlbrinck, Bruno B. Boniati Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Caixa Postal 54 98.400-000 Frederico

Leia mais

35% GARTNER. Despesas com tecnologia ocorrem fora da T.I. Fazem uso de tecnologias não aprovadas pela T.I.

35% GARTNER. Despesas com tecnologia ocorrem fora da T.I. Fazem uso de tecnologias não aprovadas pela T.I. DEVOPS E PAAS - ABORDAGENS E FERRAMENTAS PARA ATENDER AS NOVAS DEMANDAS DE MERCADO Rodrigo Ramalho da Silva - Solutions Architect rramalho@redhat.com INOVAR NÃO É UMA ESCOLHA Organizações de T.I. que não

Leia mais

3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR

3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR 6,67(0$'(*(5(1&,$0(172&86720,=È9(/%$6($'2(0 3'$ 6 7DWLDQD$OYHV/HVVQDX 3URI$OHVVDQGUR=LPPHU H3URI(PHUVRQ3DUDLVR 1, 2,3 UNICENP Centro Universitário Positivo Rua Professor Viriato Parigot de Souza, 5300

Leia mais

Computação Gráfica, Jogos e Mundos Virtuais na Educação Prof.Dr. Romero Tori 1

Computação Gráfica, Jogos e Mundos Virtuais na Educação Prof.Dr. Romero Tori 1 Romero Tori Centro Universitário SENAC, USP Introdução A Computação Gráfica (CG) surgiu no início dos anos 1960 quando Ivan Sutherland defendeu, no Massachussets Institute of Technology (MIT), a histórica

Leia mais

EA998/MC933 Guido Araujo e Sandro Rigo

EA998/MC933 Guido Araujo e Sandro Rigo EA998/MC933 Guido Araujo e Sandro Rigo 1 Introdução Livros adotados (e-books) Learning Android, Marco Gargenta, O Reilly Media (livro texto) Professional Android Application, Reto Meier, Wrox Abordagem

Leia mais

GameGol. Um Manager de Futebol On-line Brasileiro

GameGol. Um Manager de Futebol On-line Brasileiro GameGol Um Manager de Futebol On-line Brasileiro http://www.o2games.com.br Daniel Coquieri Diretor de Tecnologia dcoquieri@o2games.com.br Manager de Futebol On-line Massivo Multiplayer Web Based Formação

Leia mais

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Android Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Universidade Federal de Santa Catarina November 18, 2008 Agenda 1 Introdução 2 Dalvik 3 Linux 2.6 Introdução

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista. VI Workshop sobre Computação na Faculdade Campo Limpo Paulista WCF 2010 de 24 a 28 de maio de 2010

Faculdade Campo Limpo Paulista. VI Workshop sobre Computação na Faculdade Campo Limpo Paulista WCF 2010 de 24 a 28 de maio de 2010 Faculdade Campo Limpo Paulista VI Workshop sobre Computação na Faculdade Campo Limpo Paulista WCF 2010 de 24 a 28 de maio de 2010 Campo Limpo Paulista (SP) 2010 2 3 Sumário Apresentação... 7 Análise Comparativa

Leia mais

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 0 CLOUD COMPUTING 1 1. Introdução Com o grande avanço da tecnologia de processadores,

Leia mais

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares:

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares: ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO e Inteligência Artificial Aplicada a Jogos, com 6 Paradigmas de Programação I, com 9 Paradigmas de Programação II, com 9 Algoritmos e Estrutura de

Leia mais

RICH INTERNET APPLICATIONS

RICH INTERNET APPLICATIONS Uma visão geral RICH INTERNET APPLICATIONS joao.saleiro@webfuel.pt Agenda 1. A história do Sr. Fonseca 2. Rich Internet Applications 3. Showcase 4. Tecnologias Adobe Flex 5. Próximos passos O apresentador

Leia mais

Monitoramento Inteligente:

Monitoramento Inteligente: Ebook Exclusivo Monitoramento Inteligente: Melhore a eficiência operacional, automatize processos e aumente a produtividade. E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Célia Hirata Aoki Anderson Pazin LINS SP 2009 2 JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS RESUMO As fortes expansões do mercado de desenvolvimento de softwares,

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

www.barrio.com Barrio Cloud Solutions

www.barrio.com Barrio Cloud Solutions www.barrio.com Barrio Cloud Solutions Cloud Solutions Visão a partir da Nuvem Definição: Aplicações em nuvem, sem a necessidade de instalação de software. Usuários de Apps Esperamos que email na Nuvem

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais