UFTM RESUMO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFTM RESUMO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) - 2007-2011"

Transcrição

1 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) REF ÇÔES DE DESENVOLVIENTO PRZO PRIOR ÁRE ESTRTÉGIC EXTENSÃO Criar e implementar sistemática dirigida à divulgação da extensão na Universidade, como forma de ampliar a participação Jun/2007 da comunidade acadêmica. 02 Reestruturar a atividade de extensão, mediante a instalação de infra-estrutura operacional e de gestão compatíveis (serviços). Set/ Implantar um seminário anual com vistas à divulgação institucional no campo do ensino, da pesquisa e da extensão. Jun/ Instituir um processo de trabalho que viabilize a publicação de produtos e trabalhos de extensão em canais científicos ar/2008 B 05 ssegurar vagas para docentes junto ao EC, para lotação na CI, de forma a consolidar um quadro permanente. ar/ Transformar a CI em um núcleo de comunicação integrada, ampliando seu escopo de atuação, para atuar na formulação ar/2008 e oferta de tecnologias inovadoras de ensino e linguagem contemporâneas de comunicação e expressão. 07 ontar equipe de profissionais especializados, na área cultural, munidos de perfil adequado (artes plásticas, música, teatro, ar/2008 B dança, regência de coral, diretor teatral, técnico em sonorização e iluminação) 08 Equipar o Centro Cultural com instrumental específico, inerente aos trabalhos profissionais implicados, além de ar/2008 recursos de tecnologia da informação e estantes para livros. 09 Instituir parceria e mecanismos entre FUREU (Rádio e TV Educativa) e Centro Cultural e Pró-Reitorias da UFT, ar/2007 visando à promoção e divulgação de projetos e eventos comuns, em âmbito cultural, científico e educativo. 0 Estruturar serviços na Pró-Reitoria de Extensão, com o propósito de fomentar, apoiar e gerenciar atividades e cursos ar/2008 de extensão, em suporte às diversas áreas de conhecimento. elhorar a sistemática acerca do registro formal das atividades de extensão, quanto ao processo de divulgação, ar/2007 de recebimento e de catalogação (balanço de extensão). 2 Habilitar tecnicamente e equipar tecnologicamente a Pró-Reitoria de Extensão e a CI, para conceber, desenvolver, ar/2008 B oferecer e gerenciar cursos de extensão utilizando ED, consoante à política institucional formulada. 3 mpliar a oferta de bolsas de extensão aos alunos, obstante o concurso de fontes de financiamento ar/ Incluir atividade de extensão no projeto pedagógico dos cursos, como forma de formação discente, com ênfase na interdisciplinaridade B ÁRE ESTRTÉGIC ORGNIZÇÃO E GESTÃO Implantar, mediante treinamento compulsório a todos os gestores da UFT, um modelo padrão de gestão, orientado ao aprendizado, a resultados, à descentralização, à qualidade, à visão sistêmica (estratégica e operacional) e à valorização das pessoas (usuários, clientes, colaboradores, visitantes e fornecedores). 02 Instalar uma estrutura tecnológica e de serviços, orientada ao atendimento rápido, preciso e consistente, além de canal de divulgação das ofertas e serviços à comunidade (interna e externa), via recursos de call-center/0800/telemarketing. 03 Conceber e implementar uma estrutura organizacional renovada, configurada em rede, favorável à modernização e à profissionalização do processo de gestão. ar/2008 Out/2008 ai/2009 ar/2008

2 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) ontar manual de organização da UFT, refletindo sua estrutura organizacional Jun/ utomatizar os fluxos de trabalho que demandam atendimentos e a prestação de serviços (processos, projetos, Set/2008 requerimentos, etc), mediante prévio mapeamento e programação, obstante o suporte de recursos especialistas de TI (BP/Workflow/GED). 06 Conceber e implementar políticas operacionais corporativas, orientadas à gestão dos recursos aplicados e utilizados pela br/2008 B Universidade 07 Conceber e implementar um conjunto de políticas de gestão comunitária, visando respaldar programas e atividades Jul/2008 orientadas à valorização das pessoas e do meio ambiente (humanização, consciência ambiental, qualidade de vida, atenção ao estudante e atenção ao paciente) 08 Implantar orçamento corporativo, fundado na participação dos gestores e da comunidade, bem como em critérios padrões Dez/2009 de distribuição orçamentária, como referência para a montagem do orçamento-programa oficial. 09 Empreender um processo de normatização com base nos processos chaves, distinguindo-se entre operações e serviços, de Dez/2009 forma a garantir uma lógica de encadeamento do fluxo corporativo da Instituição, e à luz das políticas corporativas pertinentes. 0 Empreender a formalização do trabalho profissional na UFT, mediante a uniformização e a padronização de técnicas Dez/2009 e procedimentos pertinentes, através de protocolos técnicos. Criar um Datawarehouse padrão, constituído por indicadores gerais envolvendo os processos-chaves, e tendo como ai/2008 fonte (on-line) os sistemas corporativos da UFT. 2 Criar uma unidade de comunicação e marketing na UFT, integrando os serviços de relações com a imprensa, relações go/2008 públicas, publicidade e divulgação, programação visual, cerimonial e eventos, vinculando serviços de apoio (gráfica, multimídia e fotografia). 3 Implantar sistemática de reuniões verticalizadas e horizontalizadas, de forma a favorecer o fluxo de comunicação interno, ai/2008 de cima para baixo e de baixo para cima, visando integrar operações e ações, além de oficializar toda a comunicação corporativa. 4 Empreender um processo de divulgação, interna e externa, da identidade cultural da UFT, em nível corporativo, através ai/2008 de cartilha, pôster, correspondência oficial, Internet e manual do estudante 5 Reconceber e dinamizar a informatização da UFT (tecnologias e conceitos novos), mediante compromisso mútuo entre Dez/2008 a área de TI e usuários. 6 Implantar recurso digital de reconhecimento de voz, para suporte à elaboração de atas de reuniões oficiais Jul/2008 B 7 Instituir processo oficial de preservação, recuperação e conservação do patrimônio histórico da Universidade Jul/ ontar estrutura operacional específica (secretária, sala, mesa de reunião, recursos de projeção, quadro, arquivos, etc.), ar/2009 para uso das diversas comissões. 9 Reestruturar a uditoria Interna da UFT, mediante atualização regimental, oficialização e provimento de contador em Out/2008 seu quadro de pessoal. 20 Instalar campi/unidades em âmbito local e regional (Peirópolis, Univerdecidade, Frutal, Iturama e raxá) Dez/2 2

3 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) ontagem e submissão do Estatuto Social da UFT à aprovação do Conselho Nacional da Educação Fev/ Revisão e adaptação do Regimento Geral da UFT go/ Implantar Restaurante Universitário. Fev/2 C ÁRE ESTRTÉGIC ENGENHRI E NUTENÇÃO Edificar instalações físicas adequadas, visando atender requisitos de segurança, de higiene e de trabalho, integrando os serviços de engenharia e manutenção. Dez/ Equipar os serviços de engenharia e manutenção com instrumental de trabalho atualizado e adequado, assim como veículo Dez/2008 utilitário para atender a demanda de serviços e de materiais para obras e manutenção 03 Repor a força de trabalho mediante concurso público, dentro dos padrões técnicos e físicos demandados. Dez/ Elaborar um Plano Diretor de Infra-Estrutura Física para a Universidade, de forma a ordenar, racionalizar e dinamizar Jun/2008 sua adequação e expansão física. D ÁRE ESTRTÉGIC GESTÃO FINNCEIR Reformular o Plano de Centro de Custos da UFT, sob o foco na estrutura organizacional em elaboração. Out/ Conceber e implantar um sistema de custos e orçamento, buscando-se a integração on-line com as fontes de dados e a Nov/2008 garantia de um sistema de informações orientado à gestão orçamentária e de custos, em nível corporativo. 03 utomatizar o processo de demanda de ordenamento de diárias e passagens, via a aplicação de ferramentas especialistas Nov/2007 de TI D ÁRE ESTRTÉGIC PESQUIS E PÓS-GRDUÇÃO ontar estrutura técnica de especialistas, em estatística, gerenciamento de projetos, tradução, metodologia e editoração Dez/2 B científica, e outras áreas requeridas, em suporte aos projetos de pesquisa. 02 Implementar processo de preservação da propriedade intelectual, vinculado à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Dez/ Instituir programa interno de incentivo à pesquisa. Jun/ ontar infraestrutura técnica e operacional de laboratórios multi-usuários. Dez/ Revitalizar o Biotério Central da UFT Dez/ mpliar número de cursos e vagas de Pós-Graduação, stricto sensu e lato sensu Dez/ mpliar os projetos em rede, no tocante a pesquisas institucionais e interinstitucionais Dez/ Fortalecer os Comitês e Comissões de Ética e de Biossegurança. Jun/ Criar novos programas de Residência édica Dez/ Criar cursos de especialização e aperfeiçoamento nas áreas de graduação e de pós-graduação da UFT Dez/20 D ÁRE ESTRTÉGIC GESTÃO DE TERIIS E SERVIÇOS Conceber e implementar uma política corporativa inerente á gestão de materiais, patrimônio e serviços. Nov/2007 3

4 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) Implantar sistema integrado de gestão de materiais, serviços e patrimônio, integrando os processos de estocagem (todos os ar/2008 almoxarifados da UFT), dispensação e consumo/aplicação. 03 Recompor o quadro de motoristas da UFT. br/ Implantar processo de digitalização do arquivo do Protocolo, disponibilizando acesso em rede/web Out/ udar o serviço de Protocolo de local, e melhor estruturá-lo, visando favorecer os usuários, quanto a acesso e atendimento. Fev/ Racionalizar o sistema de telefonia e comunicação Jun/ Executar a reforma do Centro Educacional e dministrativo (CE), assegurando uma sistemática de manutenção Dez/2007 preventiva e conservação contínua. E ÁRE ESTRTÉGIC SERVIÇO ÉDICO-HOSPITLR Concluir e instalar a obra destinada a abrigar o mbulatório de Especialidades (expansão), incorporando à mesma o Jul/2008 SE e o Hospital-Dia. 02 Reformar o Centro de Reabilitação e ampliar sua infra-estrutura física visando atender credenciamentos e abrigar um conceito de Clínicas Integradas 03 Reformar as instalações prediais do Hospital de Clínicas visando renovação, adaptação e revitalização 04 Implantar sistemática de atendimento em tenção Domiciliar Terapêutica. B 05 Implantar Unidade de Cirurgia mbulatorial 06 Desenvolver projeto para análise de viabilidade de instalação de sistema de Ressonância agnética. B 07 Instalar UTI Neurológica com 0 leitos. 08 Equipar o Serviço de Hemodinâmica com novo equipamento. 09 Instalar Ecocardiógrafo completo e móvel.. 0 Reequipar o Serviço de Endoscopia com novos equipamentos endoscópicos. Dez/2007 Instalar sistema de Ultrassonografia Endoscópica Eco-Gastroscópio. B 2 Instalar centro especializado de Quimioterapia. 3 dquirir novo equipamento de Cintilografia Tomográfica. Jul/ dquirir equipamento de Densitometria Óssea Jul/2009 B 5 dquirir novo equipamento de Ultrasson com Doppler Colorido. Jul/ Reformar o celerador Linear e instalações pertinentes, reinstalando o serviço, em parceria com o Hospital Hélio ngotti. Jul/2008 4

5 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) Instalação de uma unidade de Transplante de edula Óssea (TO). Jul/ Viabilizar a implantação de Linha Branca, interligando, e sinalizando visualmente, os acessos ao Pronto-Socorro do Jul/2009 Hospital de Clínicas, e os acessos da cidade, através dos melhores percursos (apoio da Prefeitura unicipal). 9 Fortalecer o processo de qualidade e humanização do atendimento hospitalar (ações pontuais) Jul/ Reestruturar os processos de guarda, controle, vigilância, dispensação e gestão de medicamentos, relativos à Farmácia Jul/2009 Hospitalar (ações pontuais) 2 Reestruturar o processo, a metodologia e técnicas utilizadas para produzir o censo e a estatística hospitalar. 22 Reestruturar o sistema de arquivo e localização de prontuários de pacientes, mediante suporte de automação, sistema Dez/2007 numérico, pastas padronizadas e tecnologia de gerenciamento eletrônico de documentos (GED). 23 Empreender amplo treinamento, mediante a padronização de protocolo específico, sobre o preenchimento de fichas e Dez/2007 regras de uso e conservação de prontuários, a residentes, alunos, staff e profissionais de enfermagem. 24 Reestruturar o processo de cadastramento de pacientes no hospital, centralizando-o junto ao SE, e regulamentando via Dez/2007 procedimento padrão. 25 Estabelecer e implementar calendário anual para o atendimento de serviços médico-hospitalares (cronograma de Jul/2009 produção). 26 Implantar processo de regulação (referência e contra-referência) automatizada entre Hospital de Clínicas e a rede SUS (sistema integrado on-line). F ÁRE ESTRTÉGIC GESTÃO DE PESSOL Fortalecer o programa dirigido à defesa da saúde do trabalhador e à sua qualidade de vida e segurança no trabalho, Dez/2008 mediante a realização de eventos e práticas de natureza preventiva e educativa. 2 Implantar ponto digital a todos os servidores, além de sistema de controle de horários e do fluxo no serviço (catraca Jan/2008 eletrônica e divulgação de quadro de horário) 3 Criar home-page específica orientada a esclarecer direitos e deveres aplicáveis ao servidor, possibilitando o intercâmbio go/2007 por meio de perguntes e respostas. 4 Implantar DRH itinerante visando aproximação e esclarecimentos. go/ primorar a sistemática de levantamento de necessidades de capacitação e qualificação, visando oferecer cursos ai/2007 e treinamentos consoante as demandas efetivas dos serviços. 6 Instituir programa de acesso à educação formal (ensino fundamental, médio e superior), visando oportunizar a formação Jan/2008 cultural do servidor. 7 Criar sistemática de trabalho, visando o acesso interno de servidores ao estágio curricular obrigatório (graduação) Jan/ Criar sistemática de atenção ao servidor acerca de sua preparação e adaptação técnico-profissional e psicológica à aposentadoria. 9 Formalizar regulamentação a respeito da conciliação entre horário de trabalho e demandas de capacitação e formação do servidor. Jun/2008 Jun/2008 5

6 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) Implantar processo de redimensionamento de pessoal, em termos de apuração de necessidades efetivas de pessoal, fixando Jun/2007 metas de provimento por área, e instando ao EC a recomposição do quadro de pessoal da UFT. Implantar sistemática de recrutamento interno, em provimento à alocação e movimentação de pessoal, possibilitando Dez/2007 otimizar o aproveitamento das potencialidades de recursos humanos da UFT. 2 Implantar sistemática orientada a levantamento de necessidades, recrutamento, seleção, acompanhamento e avaliação de go/2007 bolsistas e estagiários. 3 Criar sistemática orientada à digitalização da documentação de pessoal, permitindo indexação correta e acesso na rede de Dez/2008 computadores de forma seletiva e segura. 4 Criar programas com o fim de promover a socialização e a integração entre o pessoal da UFT (diversas camadas e Jan/2008 segmentos), inclusive aposentados, via eventos de educação, esporte, cultura e lazer. 5 Revisar e reeditar a regulamentação interna inerente à gestão de pessoal, à luz da política institucional e da legislação Jun/2007 específica. 6 Reestruturar sistemática de avaliação de desempenho, como critério para aprovação em estágio probatório, progressão na Jun/2007 carreira e desenvolvimento pessoal, no tocante aos servidores da UFT. 7 Redefinir os critérios de elaboração de concurso público para provimento de pessoal técnico-administrativos e docente, Dez/2007 profissionalizando a elaboração das provas e do processo de avaliação dos candidatos. G ÁRE ESTRTÉGIC TECNOLOGI D INFORÇÃO Construir prédio em terreno anexo, integrando-o à área existente, para abrigar a unidade de Tecnologia da Informação Jun/2007 da UFT. 2 Desenvolver site incorporado à Intranet da UFT, para melhorar o acesso dos usuários aos serviços, suportado e ai/2007 gerenciado por meio de recursos de workgroup (compartilhamento e interatividade) 3 Instalar, física e logicamente, nova rota de dados alternativa para a UFT. Dez/ Conceber e implantar norma específica, orientada ao usuário de informática, regulamentando o uso de software livre, da Jun/2007 rede corporativa e de backups em desktop. 5 Instalar núcleos de impressão estrategicamente posicionados, por meio de impressoras mais rápidas de uso compartilhado. Dez/ Prospectar e implementar plataformas e ferramentas de e-learning para apoio ao processo de ensino à distância da UFT. Jun/ Prospectar, estudar e implementar plataforma computacionais dispondo recursos de digitalização, armazenamento, Dez/2008 manipulação digital de documentos e imagens complexas. 8 Implantar sistema de comunicação baseado em tecnologia VOIP (Internet). Jun/ Consolidar o processo de informatização médico-hospitalar, garantindo a integração de todos os processos, interface com Jul/2008 equipamentos de diagnóstico/terapia, recursos web e de gestão (SIG). 0 Implantar a Intranet da UFT com recursos de workgroup ( corporativo, agenda eletrônica, mural eletrônico, Nov/2007 webconferência, etc.). Criar a Rede URNET, baseada em backbone RNP, integrando instituições de ensino e pesquisa da região. Jul/2009 B 6

7 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) Criar condições tecnológicas para inserir a TV Universitária no projeto RITU (Rede de Intercâmbio de TV Jul/2008 Universitária), mediante a consolidação da infraestrutura digital requerida. 3 Criar condições tecnológicas para inserir o Hospital de Clínicas e a UFT nos programas RUTE (Rede Universitária de Ju/2008 Telemedicina) e de Telessaúde (S). 4 Criar condições tecnológicas para implantação de TV digital pela TV Universitária, mediante projeto piloto nacional. Jan/2009 B 5 Implantar plataforma/ferramenta padrão (BP), de aplicação global, com vistas ao gerenciamento de processo Dez/2007 corporativos e controle do fluxo de trabalho, integrado a GED, aos aplicativos corporativos, a recursos de workgoup e à web. 6 Implantar processo de certificação de rede de dados, via solução específica de hardware e software. Dez/ Criar grupos de usuários multiplicadores capacitados para servirem de referência técnica aos demais usuários. Jun/ Criar núcleos para acesso à rede interna (sistemas corporativos) e à Internet, em pontos estratégicos da Universidade. Jun/2008 H ÁRE ESTRTÉGIC ENSINO DE GRDUÇÃO dequar o modelo pedagógico dos cursos de graduação, capacitando os docentes na inserção das metodologias inovadoras (didático-pedagógicas). 2 Fortalecer, técnica e estruturalmente, a atividade de assessoria técnico-pedagógica da UFT, tornando-a um Centro de Out/2007 Desenvolvimento Educacional. 3 Reconstruir os planos de ensino, de forma a garantir a interdisciplinaridade no curso e entre cursos 4 Inserir os alunos precocemente nos diversos cenários de prática profissionalizante. 5 Instituir e implementar um modelo de avaliação discente formativa e somativa, capacitando os docentes para tal. Out/ odernizar e dinamizar o processo de comunicação formal com alunos e docentes, mediante a aplicação de recursos de Jan/2008 tecnologia da informação (Internet, quiosques eletrônicos, home-page, call-center, workflow). 7 Construir o PPI. Out/ Inserir aos currículos dos cursos de graduação as disciplinas de conteúdo humanístico. Out/ mpliar o número de vagas dos cursos ofertados. Out/2 0 elhorar a infraestrutura relativa ao funcionamento dos cursos. Out/2007 Capacitar docentes, e incentivar a participação, quanto às questões relacionadas à atenção primária à saúde. Out/ Instituir programa de promoção da atualização técnico-científica e didática aos docentes. Out/ Criar núcleo de apoio ao aluno. Dez/ Instituir programa orientado à integração do egresso à Universidade, visando à prestação de serviços e à educação continuada (eventos científicos e culturais, cadastro on-line, site com informações específicas). Out;2008 7

8 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) Implantar a modalidade de Ensino à Distância (ED) na graduação da UFT. Jul/ Estruturar área física adequada e integrada visando ao atendimento a docentes e discentes abrigando a Pró-Reitoria, o Núcleo de poio Pedagógico, as Coordenações de Cursos e Secretaria cadêmica 7 Reformar e ampliar a Biblioteca Central, obstante dotando-a de instalações e infra-estrutura de atendimento compatíveis Fev/2008 com a demanda crescente, dotada de recursos tecnológicos compatíveis. 8 Informatizar o cadastro de alunos e o processo de empréstimos e consulta on-line do acervo bibliográfico 9 Prover a Universidade de profissionais especializados e de recursos pedagógicos afins, em atendimento aos alunos Out/2007 portadores de necessidade especiais, nos diversos cursos. 20 Fortalecer a posição de CP na UFT, como instrumento de aprimoramento acadêmico. 2 Instituir um processo periódico de avaliação dos Projetos Pedagógicos dos cursos de graduação, obstante a definição e implementação de metodologia específica. 22 Criar uma Revista Pedagógica com o fim de difundir técnicas e metodologias pedagógicas atualizadas e inovadoras. Set/ Criar um Serviço de Registro de Diplomas, junto ao DRC. 24 Implantar processo de digitalização eletrônica de documentos, visando racionalizar o armazenamento e o acesso à Jan/2008 documentação acadêmica da UFT. 25 Implantar um programa de incentivo aos cursos de graduação, que oportunize a criação e a exibição de programas específicos através do sistema de Rádio e TV universitária. 26 Instituir serviço especializado para fomentar, atender e controlar o intercâmbio de alunos, em âmbito nacional e internacional. I ÁRE ESTRTÉGIC ENSINO TÉCNICO ontar Laboratório de Informática, dotado de microcomputadores vinculados à rede corporativa da Dez/2007 UFT, além de recursos de multimídia, acesso à Internet e compartilhamento de recursos de impressão.. 2 ontar Laboratórios multidisciplinares, orientados à demanda específica dos cursos técnicos. Dez/ Implantar a Farmácia Escola-mbulatorial, em suporte ao curso técnico do CEFORES. Jul/ Estruturar processo seletivo em adequação às condições de garantia de inclusão social. Jan/ Reativar o projeto de acompanhamento do egresso (SIEGS). Dez/2 6 brir novos cursos técnicos, em áreas diversas, alinhados à demanda de mercado. Dez/2 7 Estabelecer programa específico relativo a iniciação científica e pesquisa para o ensino técnico. Dez/ Instituir programa de extensão orientado à comunidade, mediante a participação efetiva do aluno, e integrado às ações da Dez/2007 Universidade. 9 mpliar intercâmbios e convênios visando oportunizar campo de estágios. Dez/2008 8

9 UFT RESUO DO PLNO DE DESENVOLVIENTO INSTITUCIONL (PDI) dequar e fortalecer o quadro de docentes do CEFORES. Dez/2007 Instituir programa de avaliação, capacitação e reciclagem, orientado aos docentes do CEFORES, incentivando Dez/2007 a qualificação para outras áreas, a produção de conhecimentos, e a especialização em nível de pós-graduação (PIQDTEC). 2 Readequar lay-out, reformar e expandir a infraestrutura física do CEFORES. Dez/2007 9

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO

PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO U N I R I O UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REITORA MALVINA TUTTMAN PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (COMSO) Fernanda Soares Coordenadora Gabriel Melo Assistente

Leia mais

3. PERFIL DOS SERVIDORES

3. PERFIL DOS SERVIDORES 3. PERFIL DOS SERVIDORES A política de pessoal das Carreiras Docente e Técnico-Administrativa em Educação da UFJF segue as regras do Serviço Público Federal, estabelecidas por Atos Normativos e Atos Autorizativos

Leia mais

Na lista das realizações destacadas, os PROFESSORES podem relembrar:

Na lista das realizações destacadas, os PROFESSORES podem relembrar: Professor: Muitas razões para votar em Scolforo e Édila O QUE FOI FEITO! Quando um membro de sua comunidade seja professor (a), técnico (a) administrativo ou estudante - apresentar uma crítica sobre algo

Leia mais

Art. 2º - Estabelecer que a Estrutura Executiva é composta pelas seguintes Coordenadorias, as quais possuem as atribuições a seguir descritas:

Art. 2º - Estabelecer que a Estrutura Executiva é composta pelas seguintes Coordenadorias, as quais possuem as atribuições a seguir descritas: RESOLUÇÃO Nº 024/CONSUN/2008 Altera Estrutura Organizacional da UNOCHAPECÓ para a inclusão da Coordenadoria de Campus (São Lourenço D' Oeste e Xaxim) O Presidente do Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL. Objetivo

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL. Objetivo PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Aperfeiçoar, de modo permanente, a política de formação discente, mediante a avaliação do perfil acadêmico e profissional do formando de graduação e pós-graduação, e do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO ATA RESUMO DA 4ª REUNIÃO DE FECHAMENTO REALIZADA EM 20 DE SETEMBRO DE 2012 REFERENTE AO PDI 2012-2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO ATA RESUMO DA 4ª REUNIÃO DE FECHAMENTO REALIZADA EM 20 DE SETEMBRO DE 2012 REFERENTE AO PDI 2012-2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO ATA RESUMO DA 4ª REUNIÃO DE FECHAMENTO REALIZADA EM 20 DE SETEMBRO DE 2012 REFERENTE AO PDI 2012-2016 Dando continuidade aos trabalhos de fechamento do PDI 2012-2016,

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO Euro Oliveira de Araújo, graduado em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Bahia.

Leia mais

Novo Sistema de Gestão do IFAM

Novo Sistema de Gestão do IFAM Novo Sistema de Gestão do IFAM Os módulos serão implantados atendendo aos critérios: Sistema/Módulo Entrega Prazo de Entrega Módulo Administrativo Integração SIAFI Módulo de Recursos Humanos Protocolo

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

Eleições UEFS 2011. Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015

Eleições UEFS 2011. Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015 Eleições UEFS 2011 Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015 Francisco de Assis Ribeiro dos Santos Candidato a Reitor Maria do Socorro Costa São Mateus Candidata a Vice-Reitora Feira de Santana, fev/2011

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação 1. Apresentação Em novembro a comunidade do IFSC Câmpus Canoinhas elegerá seus novos dirigentes: Diretor Geral, Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

2005, um ano de ações a de iniciativas

2005, um ano de ações a de iniciativas 2005, um ano de ações a e de iniciativas 9 de dezembro de 2005 Principais ações e iniciativas Principais ações a e iniciativas em 2005 Acadêmicas Programa de Capacitação Docente Plano de Credenciamento

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Relação de iniciativas válidas no 17º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal

Relação de iniciativas válidas no 17º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal Relação de iniciativas válidas no 17º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal Inscrição INICIATIVA 1 001 SIAVANAC - Sistema de emissão e controle de Autorização de Voo da ANAC 2 002 PROJETO RESSURGIR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/1/2005 (*) Portaria/MEC nº 174, publicada no Diário Oficial da União de 20/1/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PARA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL Gestão 2012-2015. Prof. Dr. Luís Alberto FERREIRA Garcia

PARA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL Gestão 2012-2015. Prof. Dr. Luís Alberto FERREIRA Garcia 1 PARA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL Gestão 2012-2015 AUTONOMIA, DIÁLOGO E CONSTRUÇÃO COLETIVA em um CAMPUS PARA TODOS Prof. Dr. Luís Alberto FERREIRA Garcia Prezada Comunidade Acadêmica Ao iniciarmos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 05/2015 Cria a Superintendência de Comunicação Social (SCS) da UFPB, Órgão Auxiliar vinculado à Reitoria da UFPB

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO DESENVOLVIMENT 1/ 1

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO DESENVOLVIMENT 1/ 1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO P LANO DE DESENVOLVIMENT O 1/ 1 INSTITUCIONAL Vitória ES, fevereiro de 2005 INTRODUÇÃO Em quase um século de existência o Centro Federal de Educação

Leia mais

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu.

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. Nosso Compromisso é trabalhar, junto à Reitoria, Discentes, Docentes

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: ASSISTENTE SOCIAL Prestar serviços sociais orientando indivíduos, famílias, comunidade e instituições sobre direitos e deveres (normas, códigos e legislação), serviços e recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2013-2015 UNIFAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS - FAE Prof. Dr. Francisco de Assis

Leia mais

Planilha1 1. CONSOLIDAR OS CURSOS OFERTADOS

Planilha1 1. CONSOLIDAR OS CURSOS OFERTADOS Planilha1 Indicadores: 1. CONSOLIDAR OS CURSOS OFERTADOS Índice de Eficiência Acadêmica Meta: 55% Índice de Retenção do Fluxo Escolar Meta: 18% Relação Concluintes x vaga ofertada Meta: 5% Realização de

Leia mais

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB INTRODUÇÃO A atividade de pesquisa científica é parte da tríade das funções das Instituições

Leia mais

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00%

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00% Diagnóstico Planejamento PDI 2014-2018 Período de respostas: 05/09/13 a 18/09/13 Questionários Respondidos 52 Docentes 30 57,69% Técnicos-Administrativos 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade

Leia mais

CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS:

CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS: CPA AÇÕES PLANEJADAS E REALIZADAS: Das reuniões realizadas com os diversos setores, serviços, coordenação de cursos e comunidade acadêmica a Comissão pode apresentar o seguinte quatro/cenário institucional,

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

setores administrativos Barreiro

setores administrativos Barreiro setores administrativos Barreiro PUC Minas no atualização março de 2010 Pró-reitoria Adjunta Local: Prédio 4, sala 102 Telefone: 3328 9508 E-mail: proreitoriasec.bar@pucminas.br Diretoria Acadêmica Local:

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 Define as diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção das Carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: TÉCNICO DE LABORATÓRIO /ÁREA

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: TÉCNICO DE LABORATÓRIO /ÁREA ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Dar suporte administrativo e técnico nas áreas de recursos humanos, administração, finanças

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Tecnologia da Informação

Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Tecnologia da Informação Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Tecnologia da Informação Relatório de Gestão 2011/2012 Centro de Gerenciamento de Informações e Concursos - CGIC Introdução A principal finalidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II 2 de dezembro de 1837 PORTARIA N 340 DE 03 DE MARÇO DE 2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II 2 de dezembro de 1837 PORTARIA N 340 DE 03 DE MARÇO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II 2 de dezembro de 1837 PORTARIA N 340 DE 03 DE MARÇO DE 2008 Regulamenta as atividades docentes que dão cumprimento ao Regime de Trabalho de Dedicação Exclusiva (

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

PDI 2015-2019 Centro de Ciências Humanas e Letras

PDI 2015-2019 Centro de Ciências Humanas e Letras PDI 2015-2019 Centro de Ciências Humanas e Letras O Centro de Ciências Humanas e Letras (CCHL) é unidade de ensino e administração da Universidade Federal do Piauí, reconhecida nos Estatutos da Instituição.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO Tipo: 1 - Finalístico Programa: 5224 - NÚCLEO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO Objetivo: CRIAR UM NÚCLEO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPAZ DE MAPEAR, CATEGORIZAR, ORGANIZAR E DISTRIBUIR INFORMAÇÕES PARA OS DIVERSOS

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES Artigo 1.º - O corpo docente da PUCPR é constituído pelo pessoal de nível superior que exerce atividades de ensino, pesquisa

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Seção I - CARACTERIZAÇÃO DA IES E DO CURSO

Seção I - CARACTERIZAÇÃO DA IES E DO CURSO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DE MEDICINA O presente instrumento se propõe a avaliar os cursos de medicina no Brasil, seu contexto e política institucional, projeto pedagógico, programa

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Belo Horizonte Pop. estimada: 2.375.151 hab. (estimativas IBGE 2010) Informatização da Rede

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais