INTERNATIONAL RUGBY BOARD NÍVEL 1 OFFICIATING APRESENTAÇÃO DO OFFICIATING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERNATIONAL RUGBY BOARD NÍVEL 1 OFFICIATING APRESENTAÇÃO DO OFFICIATING"

Transcrição

1 INTERNATIONAL RUGBY BOARD NÍVEL 1 OFFICIATING APRESENTAÇÃO DO OFFICIATING Manual do curso e livro de atividades International Rugby Board 2012

2 Apresentação da Arbitragem Conteúdo do curso Visão Geral Módulo 1 Módulo 2 Módulo 3 Conhecimento do jogo 1. Os princípios do Rugby Rugby - um jogo simples Os princípios das Regras do Rugby A função do árbitro Habilidades técnicas Apresentação e procedimento Início e reinício do jogo Jogada aberta: As necessidades de espaço Contato: A necessidade de disputa Vantagem: Por que é necessário parar o jogo? Reinício de um scrum Linha de lateral Lateral Segurança e espírito de equipe Planejamento dos próximos passos 1. Preparação do árbitro Apoio do árbitro Apêndices A. Glossário de termos do Rugby B. Posicionamento - práticas estabelecidas

3 Visão Geral Conteúdo Cursos de educação e treinamento do IRB Amostra do programa Apresentação do curso Prefácio Bem-vindo ao curso de da IRB. O objetivo desse curso introdutório é possibilitar que os oficiais de partidas adquiram habilidades básicas para arbitrar competições seguras e agradáveis. A presença do esporte na vida de uma pessoa carrega enormes benefícios para o desenvolvimento social, físico e pessoal, ao mesmo tempo que amplia a consciência cultural. O Rugby é um esporte unicamente inclusivo e você, como árbitro, está numa posição com real influência na segurança dos jogadores e no prazer do jogo. O curso de da IRB foca nas competências principais de um Oficial de Partida em nível introdutório. Seu objetivo é criar uma plataforma para despertar o interesse em arbitragem de partida e motivar entusiastas a colecionar experiências em arbitragem pelo caminho. O curso é dado usando-se a seguinte estrutura: Primeiro, ele usa elementos do recurso IRB Coaching para aprimorar o conhecimento de jogo dos oficiais de partida. Segundo, ele usa três módulos diferentes para explicar, demonstrar, praticar, realizar e analisar as habilidades de arbitragem. No decorrer do curso você será encorajado a praticar suas habilidades de arbitragem. Agarre essa oportunidade para obter feedback do seu Educador IRB e seus semelhantes. Espero sinceramente que você aproveite o curso e se beneficie da participação. Atenciosamente, Agradecimentos O comprometimento com a tarefa e os esforços do autor e da equipe editorial, assim como da equipe de consultoria para contribuir para o desenvolvimento desse programa educacional são reconhecidos por este agradecimento. Autor: Bernd Gabbei Editor: Mark Harrington Equipe de consultoria: Alejandro Degano (Argentina), Steve Griffiths (IRB), Frank Meiklejohn (Australia) Produção e design: Sport Development Sobre este recurso Este recurso é um manual de curso e um livro de atividades e uma cópia deve ser dada a cada participante do curso. As notas do educador estão disponíveis separadamente na IRB. Mark Harrington Gerente de treinamento, International Rugby Board 3

4 Cursos de educação e treinamento do IRB Trainer Educador Treinador Oficial da partida S&C Médico Equipe Educacional Primeiros socorros em Rugby Nível 1 Cuidados imediatos no Rugby Níveis 2, 3 Equipe Médica Administrators Administradores Certificação baseada em competências Todas as partes interessadas Força e condicionamento Níveis 1, 2 Sevens Níveis 1, 2 Treinadores Fifteens Níveis 1, 2, 3 Treinadores e oficiais de partida identificados por talento Programa do Otimização de Talento Oficiais de jogo Fifteens Níveis 1, 2, 3 Sevens Níveis 1, 2 Treinamento de árbitros/oficiais da partida Níveis 1, 2 Os cursos de treinamento e educação do IRB evoluíram desde meados dos anos 90 e têm sido atualizados regularmente desde então utilizando-se a experiência dos Clubes membros e as habilidades de um seleto número de treinadores IRB que também são 'especialistas de conteúdo'. Desde 2006, a provisão da IRB se estendeu para servir os agentes envolvidos, conforme demonstrado no portfólio acima. Todos os cursos agora são baseados em competências, projetados para oferecer aprendizado e treinamento adequado aos contextos nos quais os treinador e oficiais estejam ativos. Além disso, os cursos do IRB agora só podem ser realizados por Educadores licenciados pela IRB que tenham demonstrado habilidades técnicas e de facilitação nos padrões prescritos. Todos os registros e certificações são feitos pela sede da IRB em Dublin, Irlanda. 4

5 Amostra do programa 9 às 9h10 Apresentação e breve visão-geral 10 minutos 9h10 às 10h10 Conhecimento do jogo 60 minutos 10h10 às 10h30 Tarefa de jogo de Touch 20 minutos Pausa para café 15 minutos 10h45 às 11h15 Prática: Início e reinício de jogo 30 minutos 11h15 às 11h45 Prática: Linha de lateral e Lateral 30 minutos 11h45 às 12h15 Prática: Reinício de um scrum 30 minutos Pausa para almoço 45 minutos 13 às 14h Prática: Contato (tackle, ruck, maul) 60 minutos 14 às 14h30 Prática: Segurança e espírito de equipe 30 minutos 14h30 às 15h Prática: Jogada aberta e vantagem 30 minutos Pausa para chá 30 minutos 15h30 às 16h Planejamento 30 minutos 16 às 16h30 Próximos passos 30 minutos 16h30 às 16h45 Feedback e encerramento 15 minutos 5

6 Apresentação do curso O objetivo desse curso de Introdução a Arbitragem ajuda os oficiais de partidas a adquirir habilidades básicas para arbitrar competições seguras e agradáveis. Esse livro de trabalho oferece a base teórica e serve como recurso de referência, embora a ênfase desse curso seja a atividade prática. Oficiais de partida devem realizar suas técnicas em situações competitivas para que elas se tornem habilidades. Os cenários práticos durante esse curso oferecem aos participantes várias oportunidades semelhantes ao jogo para esse desafio. O desempenho dessas habilidades não é só uma questão técnica relacionada às Regras do Jogo; o envolvimento da tomada de decisão torna-o uma tarefa de gerenciamento também. Antes de arbitrar, vale planejar seu envolvimento como um oficial para obter o melhor resultado possível para que você consiga um bom desempenho no campo de jogo. Seguindo o método de instrução todo-parte-todo, você primeiro examinará o Jogo em si e os princípios fundamentais do Rugby. Isso ajudará no desenvolvimento da apreciação do Jogo como um todo, depois haverá a combinação desse conhecimento com os princípios de arbitragem e seus vários aspectos técnicos individuais, que são as partes, e por fim os colocaremos em prática no Jogo, que é o todo. Todo Parte Todo Entendendo o Jogo Aspectos técnicos individuais Arbitragem de Rugby - uma abordagem orientada pelo jogo Técnica Colocando o aprendizado em prática no Jogo Informações gerais do curso Requisitos de inscrição O requisito de inscrição é a conclusão bem-sucedida do Rugby Ready. Ele pode ser feito online ou pessoalmente. Quando o programa Rugby Ready for concluído como parte do Nível 1 do curso (pessoalmente), ele deve ser concluído antes do início do curso de. É benéfico aos participantes ter uma compreensão básica do Jogo a partir de sua experiência de jogador e/ou treinador. Recursos exigidos Esse manual/livro de atividades 'Introdução a Arbitragem' O livro 'Regras do Jogo de Rugby Union' e/ou website em Avaliação Para obter o Certificado de Presença IRB, o participante deve frequentar todos os módulos do curso. Princípios Arbitragem Officiating Gerenciamento Métodos de ensino Esse curso será ensinado por meio de: sessões práticas usando explicações, demonstrações e prática tarefas de resolução de problemas cenários apresentações. O Jogo Planejamento A arbitragem se trata de entender o Jogo e depois usar os princípios de segurança, equidade e Regra para tornar o Jogo de Rugby um evento agradável para todos os participantes. 6

7 Módulo um - Conhecimento do jogo Capítulo um - Os princípios do Rugby Introdução Um Jogo que começou como um mero passatempo se transformou numa rede global ao redor da qual se construíram vários estádios, criou-se uma intricada estrutura administrativa e foram desenvolvidas estratégias complexas. Rugby Football tem vários lados e faces, junto com qualquer atividade que atraia o interesse e entusiasmo de todo o tipo de pessoa. Além de jogar o Jogo e de seu apoio auxiliar, o Rugby engloba vários conceitos sociais e emocionais como coragem, lealdade, espírito esportivo, disciplina e trabalho em equipe. Os princípios do Rugby dão ao Jogo uma lista de eventos que permite avaliar o modo de jogar e comportamento. O objetivo é garantir que o Rugby mantenha seu caráter único tanto dentro quanto fora do campo. Os princípios básicos do Rugby se relacionam com jogar e treinar e com a criação e aplicação das Regras. Espera-se que esses princípios, que formam um complemento importante das Regras do Jogo, definam o padrão para todos aqueles envolvidos no Rugby, seja em qual nível for. Conduta A lenda de William Webb Ellis, que foi creditado como o primeiro que pegou a bola e correu com ela, tem sobrevivido teimosamente às inúmeras teorias revisionistas desde àquele tempo da Escola Rugby em Mas de certa forma é apropriado que o Jogo tenha suas origens em um ato de espirituoso desafio. À primeira vista é difícil encontrar os princípios orientadores por trás de um Jogo que, para o observador casual, parece ser uma massa de contradições. É perfeitamente aceitável, por exemplo, ser visto exercendo pressão física extrema sobre um oponente na tentativa de obter a posse de bola, mas não causar uma lesão voluntária ou maliciosamente. Esses são os limites dentro dos quais os jogadores e árbitros devem operar e é a capacidade de fazer essa tênue distinção, combinada com o controle e disciplina, tanto individual quanto coletiva, sobre a qual depende o código de conduta. Espírito O Rugby deve muito de seu apelo ao fato de que é jogado tanto ao pé da letra quanto dentro do Espírito das Regras. A responsabilidade de garantir que isso aconteça não é de um único indivíduo ou de uma única função ela envolve treinador, capitães, jogadores e árbitros. 7

8 É por meio da disciplina, controle e respeito mútuo que o Espírito do Jogo floresce e, no contexto de um jogo tão fisicamente exigente quanto o Rugby, essas são as qualidades que forjam o companheirismo e senso de fair play tão essencial ao duradouro sucesso e sobrevivência do Jogo. Podem ser tradições e virtudes antiquadas, mas resistiram à ação do tempo e, em todos os níveis no qual o Jogo é jogado, mantiveram a importância para o futuro do Rugby quanto tiveram em seu longo e distinto passado. Os princípios do Rugby são elementos fundamentais sobre os quais o Jogo é baseado e permitem que os participantes identifiquem imediatamente o caráter do Jogo e o que o distingue como esporte. Objetivo O Objetivo do Jogo é que duas equipes, cada uma com quinze jogadores, observando o fair play, seguindo as Regras e o Espírito esportivo, devem marcar tantos pontos quanto possível carregando, passando, chutando e apoiando a bola. O Rugby é jogado por homens e mulheres e por garotos e garotas no mundo todo. Mais de 3 milhões de pessoas de menos de 6 e mais de 60 anos participam regularmente de partidas do Jogo. A grande variação de habilidades e requisitos físicos necessários para o Jogo significam que há uma oportunidade de indivíduos de todos os tipos físicos, tamanhos e habilidades participarem em todos os níveis. Princípios do Rugby: Lista técnica Os princípios do Jogo são os fundamentos sobre os quais se baseia o Jogo. Eles permitem que os participantes identifiquem claramente o que distingue o Rugby como esporte. Eles são os princípios do Jogo, não de uma equipe. E oferecem a estrutura para análise do jogo, para garantir que haja um equilíbrio entre a continuidade da posse e a continuidade da jogada. Isso é determinado pela disputa da posse junto com seu papel na criação de espaço. Os princípios do Jogo: 1. A disputa da posse. 2. No ataque - continuidade da jogada. 3. Na defesa - recuperação da posse. 4. Um Jogo multifacetado. 5. Recompensas e punições ou penalidades 8

9 Tarefa um: Os princípios do ataque e da defesa Os princípios do ataque e da defesa são uma lista orientadora do que uma equipe está tentando conseguir em diferentes etapas no ciclo do jogo. Ataque - Quando a equipe está em posse da bola (que é diferente da definição do livro de Regras que se refere a uma equipe na metade do campo adversário). Defesa - Quando a equipe não está em posse da bola (a equipe está na sua própria metade do campo nas Regras). Nas tabelas abaixo, ordene corretamente a sequência de princípios de ataque e defesa. ATAQUE Princípio Ordem Pontos sendo marcados Exerce pressão no adversário, resultando em Para ganhar a posse de bola Com o apoio de ou no apoio dos colegas de equipe Usando a bola para avançar Para manter continuidade, o que DEFESA Princípio Ordem Apoiado por ou no apoio de colegas de equipe para Disputar a posse para Aplicando pressão a Contra-atacar Evitar o ganho de território Recuperar a posse para Avançar para um padrão 9

10 Disputar a posse A disputa da posse é um princípio importante do Rugby. Várias formas dessa disputa acontecem em várias etapas do Jogo. Pode ser uma jogada dinâmica, quando um jogador de uma equipe entra em contato com o adversário e em reinícios estáticos - scrums, laterais ou reinícios de chute. Todas essas disputas devem ter um grau de imparcialidade para ambas as equipes, para que ambas tenham a chance de ganhar e/ou reter a posse. Em reinícios, a iniciativa de começar o reinício é dada à equipe que não cometeu um erro. Ex. (1) quando um jogador que está correndo com a bola é tackleado e coloca a bola no solo em uma posição que seus colegas podem facilmente pegá-la, aí a equipe é recompensada com a possibilidade de continuar a jogada. Ex. (2) quando um jogador de uma equipe toca a bola para a frente e um scrum é ordenado pelo árbitro, o time infrator é negado o direito de jogar a bola para o scrum. Essa função é concedida à equipe adversária. Isso dá à equipe uma vantagem na obtenção da posse de bola quando a jogada recomeça. Ataque / continuidade da jogada A equipe com a posse tenta avançar a bola, carregando-a ou chutando-a para a frente, na direção da linha do gol da equipe adversária. Os jogadores da equipe na posse de bola podem usar tanto o espaço lateral no campo de jogada quanto o espaço linear no campo de avanço para realizar um ataque e eventualmente marcar. O objetivo da equipe que tem a posse é manter essa posse e usar suas habilidades e físico para avançar a bola. Conforme a equipe adversária tenta impedi-los e recuperar a posse de bola para lançar seu próprio ataque, a equipe com a posse pode ser forçada a se reagrupar num ruck ou maul para restabelecer o espaço para avançar a bola. Uma equipe com a posse mantém continuidade de jogada retendo a bola e avançando-a em direção à linha do gol adversário. Defesa / recuperação da posse A tarefa inicial da equipe que não tem a posse é negar a seus oponentes o espaço e o tempo para avançar a bola pelo campo. Se conseguirem, podem recuperar a posse da bola e lançar seu próprio ataque. Essa ação mantém. 10

11 Um Jogo de diversos aspectos O efeito cumulativo dos primeiros três princípios serve para criar um Jogo multifacetado no qual todos os jogadores têm a oportunidade de demonstrar uma ampla gama de habilidades individuais e coletivas: correr, passar, receber, chutar, tacklear, ruck, maul, jogadas de lateral, scrummaging e assim por diante. Dessa forma, o Jogo oferece aos jogadores de habilidades e características físicas muito distintas a oportunidade de participarem juntos numa equipe. Jogadores individuais têm muitas habilidades em comum, enquanto ao mesmo tempo conseguem se especializar em habilidades específicas da posição em que se encaixam melhor. Prêmios e Castigos Se uma equipe consegue jogar dentro das Regras, ela será recompensada, se jogar fora das Regras, provavelmente serão penalizadas. A equipe premiada Conseguir ganhar território, reter a posse e eventualmente marcar pontos recompensa uma equipe que consegue penetrar na defesa de um oponente. Embora possam não ter a introdução da bola, o scrum de uma equipe pode conseguir empurrar seus oponentes e recuperar a posse. A recompensa dessa habilidade 'superior' em recuperar a posse é a bola. A equipe castigada Um exemplo disso é que uma equipe com a posse numa jogada aberta que escolhe chutar a bola para fora do campo de jogo será penalizada com a concessão do lançamento no lateral. Seus oponentes terão a vantagem por introduzirem a bola na disputa do lateral e a iniciativa em jogar com a sua força para ganhar a posse. Os jogadores de uma equipe defensora que estejam à frente da linha de impedimento quando seus oponentes comecem a jogada com a bola para o scrum, lateral, ruck ou maul e cujas ações reduzam as opções de seu adversário serão penalizados pelo árbitro. A penalidade será conceder aos adversários um pênalti. 11

12 Arbitragem Os oficiais de partida usam seu conhecimento e habilidades para observar a situação de jogo diante deles, analisar as ações dos jogadores e decidir se a jogada deve continuar ou ser interrompida. O modelo abaixo esboça o processo de arbitragem e mostra que o árbitro deve observar a jogada, analisar o que está acontecendo e decidir qual ação é necessária. Os oficiais de partida seguem três prioridades. Jogar Observação Continuidade e disputa O JOGO Diversão UM RUGBY MELHOR Segurança AS REGRAS Imparcialidade e consistência Decidir Analisarar Continuidade Por meio da comunicação, os oficiais de partida conseguirão evitar interrupções e aumentar o valor de entretenimento do Rugby permitindo que jogadores mantenham a continuidade. Segurança Os oficiais de partida garantem a segurança dos jogadores e que estes sigam os princípios do Jogo. Os oficiais de partida podem ter de interromper o jogo para garantir a segurança dos jogadores. Comunicação Para comunicar e explicar suas decisões aos jogadores e espectadores e para ajudá-los a entender suas decisões. 12

13 Módulo um - Conhecimento do jogo Capítulo dois - Rugby: um Jogo simples Ao ler os princípios do Jogo no capítulo um, é fácil imaginar às vezes a relação entre essas declarações básicas de um lado e a enorme complexidade do Jogo de Rugby em si do outro. Agregando a essa questão, para o novato interessado em arbitragem de Rugby, as Regras do Jogo espelham a complexidade do Rugby e cobrem tantos detalhes que torna-se um desafio sempre se lembrar da beleza e simplicidade dos princípios básicos do Jogo. As questões oriundas daí são fundamentais para o entendimento do Jogo de Rugby e permanecem igualmente importantes desde o nível mais básico até os níveis mais avançados da arbitragem: a. Por que a continuidade pode ser interrompida? b. Quais Regras usamos para a continuidade do árbitro? c. Qual é a função do árbitro? Tarefa um Para responder as questões acima, seu Educador vai organizar um jogo de touch entre duas equipes de quatro jogadores. Os jogadores só podem andar e não podem jogar a bola para a frente. Se a bola for perdida ou tocar o solo, a equipe adversária recebe a posse. O objetivo é marcar um try. O árbitro apontado adiciona mais Regras conforme o jogo progride. Todos os outros participantes observam. Pergunta Observações a. Por que a continuidade pode ser interrompida? b. Quais Regras usamos para a continuidade do árbitro? c. Qual é a função do árbitro? 13

14 As três perguntas da tarefa um acima também podem ser explicadas por ambas as situações de jogo abaixo. O time azul com a bola ataca e tenta manter a continuidade. O time verde defende e tenta disputar a bola e minimiza o espaço do adversário. Situação de jogo 1 Azul 1 está com a posse da bola. Azul 2 está atrás e disponível para receber a bola. Verde 1 cobre o espaço, pronto para defender o Azul 2. Verde 2 está defendendo o espaço à direita. Há espaço disponível à esquerda, então a decisão do Azul 1 é fácil de ser tomada: continuar com a posse e correr para marcar. Correr? Situação de jogo 2 Azul 1 está com a posse da bola. Azul 2 está atrás e disponível para receber a bola. Verde 1 cobre o espaço, pronto para defender o Azul 1. Verde 2 está defendendo o espaço à direita. Há espaço disponível à esquerda, então a decisão do Azul 1 é fácil de ser tomada: Continuar com a posse passando a bola para Azul 2 marcar Passar? 2 14

15 As questões oriundas desse jogo simplificado são questões fundamentais para a compreensão do Jogo de Rugby e têm papel importante não só nesse cenário simplificado, mas nos níveis mais altos da arbitragem. a. Por que a continuidade pode ser interrompida? b. Quais Regras usamos para a continuidade do árbitro? c. Qual é a função do árbitro? Essas questões também nos dão uma diretriz para focar no contexto do treinamento dos oficiais de partida e nos ajudam a identificar prioridades no treinamento dos oficiais de partida e no desenvolvimento de recursos adequados. Como resultado dessa discussão, poderíamos analisar os componentes de arbitragem do Jogo da seguinte forma: Conduta Espírito Objetivo Princípios Situações de grupo Reinícios Scrum Lateral Disputa Maul Continuidade Ruck Situações um contra um Tackle Officiating O Jogo Vantagem Jogada maliciosa Impedimento Conceitos gerais Ações individuais Corrida Passe Chute Pontuação Se transferirmos esses conceitos para o livro real das Regras, parece lógico concentrar em algumas Regras primeiro para somente num estágio posterior entrar em todos os detalhes do livro de Regras completo. Os dois exemplos deste jogo modificado envolvem as seguintes Regras do Jogo: Vantagem. Tackle / ruck. Maul. Impedimento (incluindo knock-on e lançamento para a frente*). Jogada maliciosa. Método de pontuação. Essas são as Regras que você vai estudar em mais detalhes durante esse curso. 15

16 Módulo um - Conhecimento do jogo Capítulo três - Os princípios das Regras do Rugby Os princípios sobre os quais se baseiam as Regras do Rugby são: Um esporte para todos As Regras dão a jogadores de diferentes físicos, habilidades, sexos e idades a oportunidade de participar no seu nível de habilidade de um ambiente controlado, competitivo e agradável. É responsabilidade de todos os que jogam Rugby ter conhecimento e entendimento abrangentes das Regras do Jogo. Mantendo a identidade As Regras garantem que as características distintas do Rugby sejam mantidas nos scrums, laterais, mauls, rucks, inicios e reinícios. Elas também incluem características importantes relacionadas à disputa e continuidade - o passe para trás, o tackle ofensivo. Diversão e entretenimento As Regras dão a estrutura para um jogo que é divertido de jogar e um bom entretenimento para quem assiste. Se por vezes esses objetivos pareçam incompatíveis, diversão e entretenimento são melhorados permitindo-se que os jogadores libertem suas habilidades. Para atingir um equilíbrio correto, as Regras são revisadas constantemente. Aplicação Há uma obrigação primordial sobre os jogadores de observar as Regras e de respeitar os princípios do fair play. As Regras devem ser aplicadas de tal forma a garantir que o Jogo seja jogado de acordo com os Princípios do Rugby. O árbitro e os juízes de toque* podem conseguir isso pela imparcialidade, consistência, sensibilidade e gestão. Em troca, é a responsabilidade dos treinadores, capitães e jogadores de respeitar a autoridade dos oficiais de partida. Conclusão As Regras do Jogo garantem que o Rugby seja valorizado como um esporte para homens, mulheres, meninos e meninas. Ele constrói trabalho em equipe, entendimento, cooperação e respeito pelos outros atletas. Suas pedras fundamentais são, como sempre foram, o prazer da participação; a coragem e habilidade que o Jogo demanda; o amor por um esporte coletivo que enriquece a 16

17 vida de todos os envolvidos; e as amizades para a vida toda que são formadas por meio do interesse compartilhado no Jogo. É devido às características físicas e atléticas intensas do Rugby e não apesar delas que existe tal camaradagem antes e depois das partidas. A longa tradição de jogadores de times adversários aproveitarem a companhia um do outro fora do campo e num contexto social permanece no cerne do Jogo. O Rugby abraçou totalmente a era profissional, mas reteve o etos e as tradições do Jogo recreativo. Numa época na qual muitas qualidades esportivas tradicionais estão sendo diluídas ou até contestadas, o Rugby permanece merecidamente orgulhoso de sua habilidade de reter altos padrões de espírito esportivo, comportamento ético, fair play e de acordo com os valores associados ao Jogo. Valores principais do Rugby INTEGRIDADE O Rugby é um esporte para todos aqueles que se orgulhem de seus valores e permaneçam fiéis a eles. Os valores principais do Jogo são: INTEGRIDADE - Integridade é central ao tecido do Jogo e é gerada por meio de honestidade e fair play PAIXÃO - O pessoal do Rugby tem um entusiasmo passional pelo Jogo. O Rugby gera animação, ligação emocional e uma sensação de se pertencer à família global do Rugby PAIXÃO SOLIDARIEDADE - O Rugby traz um espírito unificante que leva a amizades, camaradagem, trabalho em equipe e lealdade para a vida toda que transcendem diferenças culturais, geográficas, políticas e religiosas DISCIPLINA - Disciplina é parte integral do Jogo, tanto dentro quanto fora do campo e reflete no cumprimento das Regras, dos Regulamentos e dos valores principais do Rugby RESPEITO - Respeito pelos colegas de equipe, adversários, oficiais de partida e aqueles envolvidos no Jogo é essencial SOLIDARIEDADE DISCIPLINA Assista ao vídeo dos Valores Principais da IRB: RESPEITO 17

18 INTERNATIONAL RUGBY BOARD Apresentação da Arbitragem Módulo um - Conhecimento do jogo Capítulo quatro - A função do árbitro Oficiais como indivíduos Atualmente, os oficiais de partida são parte integral do Jogo. Sua função se estende muito além do princípio antigamente utilizado de ser '... o único juiz de fato e Regra durante uma partida' conforme escrito nas Regras sob o artigo 6.A.4 (a). O Jogo moderno pede que os oficiais de partida consigam encapsular as demandas do desempenho atlético máximo e a execução de uma arbitragem justa e imparcial. Também descobriu-se que a maioria dos oficiais tinha atração especial pelo esporte no qual arbitravam. Numa investigação do perfil social dos oficiais, concluiu-se que todos os seguintes são motivos pelos quais os oficiais escolhem essa função: Interesse e entusiasmo pelo esporte. Desafio e animação oferecidos pela arbitragem. Os benefícios extras oferecidos pela arbitragem. A sensação de poder e de se estar em controle gerados pela arbitragem. A arbitragem consome tempo, é estressante e provavelmente é uma dentre as muitas profissões esportivas mais exigentes e menos apreciadas. O respeito recebido de jogadores e treinadores adiciona outra motivação. Então por que os oficiais realizam essa tarefa? O que os leva a se expor à pressão e frequente críticas infundadas? Para aqueles que já se lesionaram, oferece uma oportunidade de participar do Jogo no campo onde ele é jogado. Um dos motivos é que o amor pelo Jogo e a forte identificação com a justiça são os principais motivos pelos quais o oficial toma para si essa tarefa. Em um estudo sobre a percepção dos oficiais esportivos sobre os torcedores, jogadores e sua ocupação, dentre outras descobertas foi relatado que os oficiais consideravam seu trabalho desafiador e competitivo. É um desafio intelectual, cuja complexidade é vista como positiva por muitos. 18

19 O ambiente correto para se tomar decisões de arbitragem Independente do nível da partida, sempre haverá decisões que são difíceis para o árbitro tomar. Por quê? Muitos corpos perto da bola restringindo a visão dos árbitros, árbitros fora da posição, o clima, o temperamento dos jogadores, a velocidade da ação, como a Regra é aplicada e as reações dos jogadores são apenas algumas dentre vários motivos. Mas decisões devem ser feitas e os árbitros e jogadores precisam viver com elas. Como árbitro, você é treinado para tomar essas decisões. Você deve se mostrar confiante, manter feições inalteradas e sorrir, mesmo quando tiver um pouco de dúvida sobre sua decisão. Você deve reconhecer que há decisões difíceis, manter a sua e seguir para a próxima fase da jogada enquanto mantém sua concentração. Os juízes oferecem muito mais do que só aparecer para permitir que a partida aconteça. Você pode ajudar a transformar a partida numa experiência agradável para todos os envolvidos. Da mesma forma, você pode contribuir para sentimentos de frustração e insatisfação, particularmente quando devem ser tomadas decisões que são difíceis e que possam afetar o resultado da partida. No entanto, todo mundo tem a responsabilidade de criar o ambiente correto para permitir que o árbitro tenha o melhor desempenho possível. Para conseguir isso, as comunidades de arbitragem e de jogadores têm que trabalhar em conjunto. Os árbitros precisam apresentar uma imagem positiva do que fazem aproveitando as oportunidades de serem amistosos, bem humorados, acessíveis e mostrando que gostam da sua função. Se você arbitrar partidas seguindo o senso comum, você será visto como parte integral do Jogo e empático às necessidades dos jogadores. Você deve reconhecer seus erros e se preparar para explicar porque os cometeu. Quando os jogadores, treinador e espectadores apreciam a função do árbitro é mais provável que o ambiente correto seja criado, não só para tomar decisões difíceis, mas também para o desenvolvimento do Jogo. O modelo abaixo lista as três áreas que compõem o árbitro completo. O ÁRBITRO COMPLETO Fisiológico Força Aeróbica Anaeróbica Gordura corporal Flexibilidade Velocidade Plano de treinamento Nutrição Psicológico Planejamento Definição de objetivo Visualização Relaxamento Gerenciamento Técnica Materialidade Vantagem Jogada posicional Tackle Ruck e Maul Scrum Lateral Jogada maliciosa 19

20 INTERNATIONAL RUGBY BOARD Apresentação da Arbitragem Comunicação Oficiais de partida usam uma ampla gama de ferramentas para se comunicar durante uma partida de Rugby. Você usa seus ouvidos para escutar, seus olhos para observar e sua voz para falar, seus braços (e corpo) para sinalizar e seu apito para interromper o jogo. Além disso, seus juízes de toque utilizarão suas bandeiras. A utilização dessas ferramentas, que obviamente dependem da situação de jogo diante de você, permitem obter três coisas críticas na sua capacidade como árbitro. No capítulo um, examinamos as três prioridades da arbitragem que envolve a comunicação para promover: Continuidade Segurança Diversão Há três maneiras de um árbitro se comunicar: Voz Apito Sinais 20

21 Comunicação vocal Para a comunicação vocal, você pode usar as seguintes diretrizes que ajudam a garantir uma abordagem consistente para todas as partidas. Ao explicar suas decisões, você deve ser sucinto e sempre que possível usar a linguagem do livro de Regras da IRB. Essa explicação verbal deve ser acompanhada pelo sinal secundário apropriado e pode ser diretiva (um jogador deve fazer ou evitar fazer algo, por exemplo, "Solte a bola") ou informacional (um jogador recebe informação, por exemplo, "Forme um ruck"). Declarações preventivas devem ser usadas com parcimônia e não devem ser usadas por todo o jogo. Os jogadores devem se adaptar cedo na partida. Declarações preventivas não devem ser usadas repetidamente. Quando uma declaração começar pela segunda vez, já foi cometida uma infração. O método de comunicação preferido é usar o nome ou cor da equipe mais o número do jogador. Não use o nome de um jogador para identificá-lo. Oficiais de partida não devem entrar em diálogos extensos com jogadores, exceto o capitão, e mesmo assim apenas em questões específicas. Linguagem de baixo calão nunca deve ser usada em nenhuma partida oficial. O apito O apito deve ser feito para 'falar' - para comunicar a todos os interessados que aconteceu uma infração. Lembre-se jogadores e espectadores não gostam do uso excessivo do apito. Sempre veja se não está apitando muito cedo e consequentemente prejudicando uma possível vantagem. Para a comunicação com o apito, você pode usar as seguintes diretrizes que ajudam a garantir uma abordagem precisa, confiante e consistente para todas as partidas: O ângulo do apito em sua boca produz tons diferentes - para cima para uma nota mais aguda, para baixo para uma nota mais grave. O tom pode ser encurtado ou estendido rapidamente removendo-se o apito da boca. Pode ser igualmente eficiente colocar a língua na frente da boca para bloquear a abertura do apito. Dependendo da infração, você pode variar o uso do apito da seguinte forma. - Use um sopro longo e alto para uma penalidade ou marcação. - Use um sopro alto 'feliz' para um try ou um gol. - Use um sopro curto para um scrum. 21

22 Sinais Os sinais de um árbitro são um padrão aplicável em qualquer jogo de Rugby. Eles fazem parte do livro de Regras, onde estão representados por figuras com descrição. Sinais primários Try Há quatro sinais que são mostrados pelo árbitro para indicar uma interrupção: Try. Pênalty Kick. Free Kick. Scrum concedido. Esses sinais, mais o sinal de vantagem, são chamados de sinais primários. Esses sinais serão os mais importantes e os primeiros sinais que um árbitro iniciante aprenderá e que o espectador de Rugby entenderá. Como o motivo para um pênalti ou um tiro livre e às vezes o motivo por trás da decisão de um árbitro de conceder um scrum ou a indicação de aplicar a Regra da vantagem não são facilmente entendidos pelos jogadores e espectadores, há outro conjunto de sinais. Esses são os sinais secundários e cada um está ligado a um dos sinais primários; por exemplo, para indicar que ocorreu um knock-on*, por exemplo, pelo qual o scrum foi concedido. Esses sinais não são de uso opcional pelo árbitro; eles são tão importantes quanto os sinais primários e, quando usados corretamente pelo árbitro, fazem uma diferença enorme no desempenho deste. Penalidade Free Kick além dos sinais primários e secundários, há um terceiro grupo de sinais, os sinais 'terciários'. Esses sinais incluem o sinal de formar um scrum, para uma lesão que está sangrando, a chamada para um médico/fisioterapeuta e a chamada para o cronometrista de parar/iniciar o cronômetro. Os árbitros devem aplicar os sinais numa sequência. Isso se torna mais evidente com jogos mais rápidos e com um padrão treinador mais alto de Rugby, mas no nível iniciante também há a necessidade de se comunicar claramente de acordo com a sequência a seguir: Scrum concedido 1. O que acontecerá depois? (Sinal primário.) 2. Qual foi o motivo para a interrupção? (Sinal secundário.) 3. Há alguma informação adicional a ser dada pelo árbitro? (Sinal terciário.) Para fazer esses sinais de maneira precisa e com o timing adequado, você precisa de muita prática de campo e precisará estudar constantemente outros árbitros e suas sinalizações. Lembre-se de que todos os árbitros têm um estilo único, ainda que todos sejam obrigados a seguir o livro de Regras para atingir uma aplicação uniforme pelo mundo todo. Vantagem 22

23 Módulo dois - Habilidades técnicas Apresentação e procedimento Esse curso de Introdução a Arbitragem é baseado no aprendizado prático. Esse livro de trabalho oferece a base teórica e serve como ponto de referência para você voltar a consultar depois, mas a ênfase principal desse curso está em pedi-lo que desenvolva suas habilidades de maneira prática via cenários e situações reais de jogo. Os cenários práticos desse módulo oferecem muitas oportunidades semelhantes às de jogo. Elas incluem posicionamento e comunicação em seu contexto treinador para garantir o aprendizado relacionado ao jogo e baseado na realidade. Embora em níveis mais altos do programa de Arbitragem da IRB os aspectos de gestão e planejamento serão discutidos em mais detalhes, a IRB quer garantir que no Nível 1 você já esteja focado no jogo e não se distraia por questões que são secundárias nessa etapa. A estrutura desse módulo treinador emprega uma análise simplificada do Jogo e é entregada usando-se as categorias no seguinte diagrama. Conduta Reinícios Espírito Objetivo Princípios Situações de grupo Scrum Lateral Disputa Maul Continuidade Ruck Situações um contra um Tackle Officiating O Jogo Vantagem Jogada maliciosa Impedimento Conceitos gerais Ações individuais Corrida Passe Chute Pontuação 23

24 Lembre-se de que as situações de aprendizado criadas para esse módulo são só exemplos para oferecer uma oportunidade prática de arbitrar de verdade num contexto específico. Elas servem para desenvolver suas habilidades de arbitragem apresentando-o às áreas principais da arbitragem do jogo. Legenda Os diagramas de cada um dos exercícios práticos desse módulo seguem essa legenda: Procedimento para exercícios práticos 9 Jogador atacante Cada participante terá uma função a ser desempenhada a todo momento durante os exercícios práticos. Essa função pode ser uma das seguintes: - Árbitro. - Juiz de toque*. - Jogador defensor ( ) ou jogador atacante ( ). - Treinador. - Espectador. Seu educador irá organizá-los em grupos. Os diagramas de exemplo nas páginas a seguir supõem um grupo de 15 participantes. Depois de cada passagem pelo exercício, trocam-se os papeis e o exercício é repetido até que todos os participantes tenham realizado todas as funções ARB ED Jogador defensor Quem carrega a bola no início do exercício Árbitro Educador do curso Trajetória da bola (com um arco se a bola se move pelo ar) A todo momento, independente da função que estiver realizando, você deverá observar e revisar o seguinte: - Posicionamento e comunicação (conteúdo desse livro de atividades). - Regras do Jogo (conteúdo do livro de Regras). - Pontos-chave de aprendizado (processo). Trajetória do árbitro Depois de cerca de cinco repetições do exercício, reúna-se com seu grupo e analise o processo que está acontecendo nessa fase específica do jogo e revise os requerimentos de arbitragem no cenário. Incluam posicionamento, comunicação e aplicação da Regra nessa análise e cheguem a um acordo sobre os pontos-chave do aprendizado. Transforme esses pontos-chave do aprendizado numa lista e anote-os nesse livro de atividades. O educador irá observar a ação, supervisionar a discussão do grupo/processo de análise e irá corrigir/interferir somente se necessário. Em alguns dos exercícios práticos, o educador pede a alguns participantes que fabriquem erros ou questões de não-cumprimento. 24

25 1. Início e reinício do jogo Disciplinas envolvidas: Inicios, com saída de drop de 22 m Pontos-chave de aprendizado Arranjo - Inicio (ou saída de drop de 22 m) m ED Metade do caminho ARB m Área Objetivos da fase Objetivo de resultado Foco do árbitro Comunicação Regras (três prioridades) Posicionamento Princípios que se deve proteger Dicas para o árbitro Um método de iniciar ou reiniciar a partida Garantir uma disputa justa pela posse O chute e o lugar onde a bola aterrissa Voz: Garantir que as equipes estejam prontas antes de permitir que a jogada continue Sinal: Nenhum aplicável nessa fase Apito: Para o inicio essa é a única etapa que se usa o apito para iniciar em vez de interromper o jogo Para o inicio certifique-se de que o tipo correto de chute seja usado Observe os companheiros da equipe que chuta que se movem à frente da bola antes de ela ser chutada Verifique se a bola passe pelo mínimo de 10 m Comece atrás do chutador Siga a bola A disputa da posse Descrição O árbitro inicia a partida e 13 chuta a bola na direção do time oposto. O árbitro segue a bola e interrompe o jogo depois da primeira infração. Os jogadores retornam às suas posições e repetem o cenário. O ARB torna-se 1, 2 torna-se 3, etc, até que o 7 torna-se 8 e o número 14 se torna o ARB. 25

26 2a. Jogada aberta: As necessidades de espaço Pontos-chave de aprendizado Disciplina envolvida: Impedimento na jogada aberta m ED Metade do caminho 12 ARB Área Objetivos da fase Objetivo de resultado Foco do árbitro Comunicação Regras (três prioridades) Posicionamento Princípios que se deve proteger Dicas para o árbitro Ganhar território, colocando o time receptor sob pressão Observar o chutador e verificar se todos os jogadores não estão em posição de impedimento Impedimento Voz: Encorajar os jogadores a não ficarem impedidos Sinal: Não aplicável nessa fase Apito: Soprar antes se a segurança de algum jogador estiver em risco Observe um tackle atrasado no chutador Observe os companheiros do chutador à frente da bola Observe os jogadores do chutador no impedimento de 10 m Mova-se paralelo ao chutador Siga a bola - observe os jogadores, não a bola Continuidade da jogada Descrição Jogadores espalhados no campo de forma aleatória. 11 chuta a bola para a equipe adversária e depois as equipes disputam a posse normalmente. O árbitro segue a bola e interrompe o jogo depois da primeira infração. Os jogadores retornam às suas posições e repetem o cenário. O ARB torna-se 1, 2 torna-se 3, etc, até que o 7 torna-se 8 e o número 14 se torna o ARB. 26

27 2b. Jogada aberta: As necessidades de espaço Pontos-chave de aprendizado Disciplinas envolvidas: Knock-on* e passe para a frente ARB1 ARB2 ED 5 6 ARB3 7 ARB Área Objetivos da fase Objetivo de resultado Foco do árbitro Comunicação Regras (três prioridades) Posicionamento Princípios que se deve proteger Dicas para o árbitro Criar continuidade de jogada; correr para a frente sem passar a bola para a frente Detectar passes para a frente e/ou knock-ons (derrubar a bola para a frente) O knock-on e o passe para a frente Voz: Não aplicável nessa fase Sinal: Não aplicável nessa fase Apito: Soprar antes se não houver vantagem imediata 'Para a frente' é definido como "em direção à linha de fundo do adversário" Bloquear um chute não é um knock-on* Knock-on ou passe para a frente intencional resultam na concessão de uma penalidade Mova-se em linha com a bola Siga um pouco atrás da jogada Continuidade da jogada Descrição Dois jogadores são escolhidos para passar a bola. Quatro árbitros são colocados em posições diferentes com ângulos de visão diferentes, para que possam determinar a posição mais benéfica a partir da qual vão arbitrar aquela situação. 5 passa a bola para 6, que passa para 7. Cada um dos quatro árbitros tenda decidir sobre um possível passe para a frente e interrompe o jogo depois da primeira infração. Os jogadores retornam às suas posições e repetem o cenário. ARB1 torna-se ARB2, ARB4 torna-se 5, etc, até que 7 torne-se 8 e o número 15 torne-se ARB1. 27

28 3a. Contato: A necessidade de disputa Disciplinas envolvidas: Tackle (e o ruck resultante) Pontos-chave de aprendizado ED ARB Área Objetivos da fase Objetivo de resultado Foco do árbitro Comunicação Regras (três prioridades) Posicionamento Princípios que se deve proteger Dicas para o árbitro Os defensores tentam quebrar a continuidade da posse Garantir a disponibilidade da bola Tackleador, jogadores tackleados, jogadores chegando Voz: Encorajar o cumprimento da Regra Sinal: Mostrar sua presença Apito: Sobrar logo se a bola não puder ser jogada Definição: Jogador levado ao chão/bola toca o solo Jogador tackleado/bola deve ser solta imediatamente Jogadores chegando ficam de pé e participam corretamente Entre e saia Em geral, fique alguns passos atrás Disputa da posse Descrição Três jogadores montam uma situação de tackle com a bola entre eles. Após o sinal do educador, o árbitro corre em direção ao tackle e toma uma decisão de continuar a jogada ou conceder uma penalidade usando os sinais adequados para comunicar isso. A posição inicial e a distância de corrida para o árbitro podem ser variadas para desafiar os participantes. Se possível, a situação de tackle pode ficar mais complexa usando-se mais jogadores no tackle, uma metade de um scrum para permitir que a jogada continue e jogadores que chegam no tackle. Cada um dos participantes deve arbitrar pelo menos uma situação de tackle. 28

29 3b. Contato: A necessidade de disputa Disciplinas envolvidas: Maul (e o ruck resultante) Pontos-chave de aprendizado ED ARB Área Objetivos da fase Objetivo de resultado Foco do árbitro Comunicação Regras (três prioridades) Posicionamento Princípios que se deve proteger Dicas para o árbitro Os defensores tentam quebrar a continuidade da posse Garantir a disponibilidade da bola Saiba a diferença: é um ruck ou um maul? Voz: Encorajar o cumprimento da Regra Sinal: Indique as áreas problemáticas Apito: Sobrar logo se a bola não puder ser jogada Verifique se os jogadores estão de pé Monitore a posição e disponibilidade da bola Fique consciente da alteração das linhas de impedimento para jogador não participantes Entre e saia Recue alguns metros para a lateral Visualize a linha de impedimento da equipe adversária Disputa da posse Descrição Cinco jogadores montam uma situação de maul com a bola entre eles. Após o sinal do educador, o árbitro corre em direção ao maul e toma uma decisão de continuar a jogada ou conceder uma penalidade usando os sinais adequados para comunicar isso. A posição inicial e a distância de corrida para o árbitro podem ser variadas para desafiar os participantes. Se possível, a situação de maul pode ficar mais complexa usando-se mais jogadores, uma metade de um scrum para permitir que a jogada continue e jogadores que chegam no maul. Cada um dos participantes deve arbitrar pelo menos uma situação de maul. 29

30 4. Por que é necessário parar o jogo? Disciplinas envolvidas: Vantagem Pontos-chave de aprendizado 22 m ED REF Metade do caminho Área Objetivos da fase Objetivo de resultado Foco do árbitro Comunicação Regras (três prioridades) Posicionamento Princípios que se deve proteger Dicas para o árbitro Criar continuidade de jogada Considerar jogar na vantagem em todas as situações de jogo (com algumas exceções) Soprar o apito no momento certo - nem muito cedo, nem muito tarde Voz: Gritar vantagem e fim da vantagem Sinal: Braço estendido, cintura levantada, indicando o time que tem a vantagem Apito: No momento certo A decisão é do árbitro É uma vantagem territorial ou tática? Sempre interrompa o jogo por jogada perigosa Siga a jogada pelo tempo que a vantagem durar Lembre-se do local original da infração Permitir continuidade de jogada Descrição Jogadores são espalhados em um campo pequeno entre a linha do meio e a linha de 22 m em duas equipes. Uma equipe chuta a bola para os oponentes e a outra equipe recebe a bola. Depois siga as regras do touch Rugby (jogo com contato controlado), com a restrição adicional de que nenhum jogador pode correr e só pode andar cinco passos antes de passar a bola. Cada evento de não cumprimento resulta em um mini scrum de 1 x 1. O árbitro segue a jogada e interrompe o jogo só se não ocorrer nenhuma vantagem. Se houver vantagem, o árbitro usa os sinais apropriados de voz e braço. Depois de um curto período, os jogadores retornam às suas posições e repetem o cenário. O ARB torna-se 1, 7 torna-se 8, 14 torna-se ARB, etc. 30

31 5. Reinício de um scrum Disciplinas envolvidas: Scrum Pontos-chave de aprendizado ARB ED ARB Área Objetivos da fase Objetivo de resultado Foco do árbitro Comunicação Regras (três prioridades) Posicionamento Princípios que se deve proteger Dicas para o árbitro Reiniciar uma jogada com uma disputa pela bola Garantir um engajamento seguro e uma disputa justa pela bola Questões de segurança são a prioridade - se parecer perigoso, interrompa imediatamente Voz: Sequência de engajamento Sinal: Não aplicável nessa fase Apito: Soprar antes se a segurança de algum jogador estiver em risco Antes: Procedimento de engajamento, firme e direito Durante: Estabilidade e bola, mantendo continuidade Depois: Linhas de impedimento de jogadores não participantes Esteja lá - sua presença no scrum é essencial Mova-se com a bola Visualize a linha de impedimento da equipe adversária A segurança de todos os jogadores Descrição Dois grupos de jogadores montam situações de scrum 2 x 2 não disputados com a bola jogada por um meio-scrum. Após o sinal do educador, o árbitro ordena o engajamento e toma uma decisão de continuar a jogada ou decidir sancionar uma penalidade usando os sinais adequados para comunicar isso. Também há a opção de recomeçar um scrum particular se o árbitro não estiver satisfeito com o engajamento ou posições do corpo dos jogadores ou se o scrum desabar. O cenário pode ficar mais complexo, se necessário, formando-se um scrum completo com 8 jogadores e/ou usando participantes extras para servirem de jogadores de apoio e para arbitrar sobre a linha de impedimento. Cada um dos participantes arbitra uma situação de scrum, no mínimo. 31

32 6. Linha lateral Disciplinas envolvidas: Interação com árbitros assistentes, chute para lateral Pontos-chave de aprendizado Área Objetivos da fase Objetivo de resultado Foco do árbitro Comunicação Regras (três prioridades) Posicionamento Princípios que se deve proteger Dicas para o árbitro Estabelecer a função do árbitro assistente no auxílio ao árbitro Delinear as tarefas dos árbitros assistentes : linha lateral, chutes a gol, jogada faltosa Tomar decisões precisas e comunicá-las Voz: Comunicação com o árbitro/outros TJ* Sinal: Sinais precisos com a bandeira Apito: Não aplicável nessa fase A bola ou quem carrega a bola está na linha lateral? O chute a gol foi bem sucedido? Observe e sinalize a jogada faltosa onde necessário Posições básicas Liderando e acompanhando Atrás do gol A segurança de todos os jogadores, a disputa da posse e a continuidade Descrição Em grupos de três dessa vez, um age como árbitro e dois como árbitros assistentes. A tarefa do árbitro é explicar aos dois AAs os fundamentos de seu trabalho para os próximos 80 minutos. Como os AAs chegaram atrasados, o árbitro só tem cinco minutos para priorizar e verificar o entendimento. Na segunda abordagem, os participantes funcionam como um árbitro assistente em cada um dos cenários mostrados nos diagramas acima e para mostrar o posicionamento e sinais corretos. 32

APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO

APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO APOSTILA DE RUGBY O RUGBY BRASILEIRO História do Rugby no Brasil -O RUGBY chegou ao BRASIL no século retrasado. -Charles Miller teria organizado em 1895 o primeiro time de rugby brasileiro, em São Paulo.

Leia mais

LEIS DO JOGO DE RUGBY INFANTIL (M11 / M12 / M13 / M14)

LEIS DO JOGO DE RUGBY INFANTIL (M11 / M12 / M13 / M14) LEIS DO JOGO DE RUGBY INFANTIL (M11 / M12 / M13 / M14) 2012 Introdução Rugby é um esporte com contato físico que tem como filosofia básica para sua prática a lealdade, além do respeito aos rivais, companheiros,

Leia mais

OS SINAIS DO ÁRBITRO. Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde

OS SINAIS DO ÁRBITRO. Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde OS SINAIS DO ÁRBITRO Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde Os 49 sinais do árbitro têm como objetivo facilitar a comunicação com os jogadores e o público

Leia mais

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017

EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 EMENDAS ÀS REGRAS DO JOGO 2016/2017 INTRODUÇÃO OBSERVAÇÕES SOBRE AS REGRAS DO JOGO AS REGRAS DO JOGO EXPLICADAS AS MUDANÇAS ÀS REGRAS PARA 2016/17 - TEXTO ANTIGO -

Leia mais

FESTIVAL INFANTIL DE RUGBY Etapa Jacareí

FESTIVAL INFANTIL DE RUGBY Etapa Jacareí FESTIVAL INFANTIL DE RUGBY Etapa Jacareí Regulamento O Festival tem como base ideológica o processo formativo dos participantes, tendo os seguintes delineamentos como parte inerente das atividades: Utilizar

Leia mais

Confederação Brasileira de Futsal

Confederação Brasileira de Futsal Emendas e correções às Regras do Futsal para os jogos a partir de 01/01/2015 Prezados Desportistas, Em colaboração com a International Football Association Board ( IFAB) e o Departamento de Arbitragem

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL N.: 15 DATA: 2012.07.17 ALTERAÇÕES, EMENDAS E CORREÇÕES LEIS DO JOGO DE FUTSAL 2012/13 + DECISÕES IFAB A TODOS OS MEMBROS DA FIFA

COMUNICADO OFICIAL N.: 15 DATA: 2012.07.17 ALTERAÇÕES, EMENDAS E CORREÇÕES LEIS DO JOGO DE FUTSAL 2012/13 + DECISÕES IFAB A TODOS OS MEMBROS DA FIFA ALTERAÇÕES, EMENDAS E CORREÇÕES LEIS DO JOGO DE FUTSAL 2012/13 + DECISÕES IFAB A TODOS OS MEMBROS DA FIFA Zurique, 2 de julho de 2012 Em colaboração com a subcomissão do International Football Association

Leia mais

Rugby de contato, bom ou ruim?

Rugby de contato, bom ou ruim? Vejo muitos treinadores reclamar do quanto seus jogadores jogam rugby de contato antes do treino ou nas horas vagas. Talvez tenham medo de que os jogadores criem maus hábitos e não se dediquem aos fundamentos

Leia mais

Modificação Experimental das Leis

Modificação Experimental das Leis Modificação Experimental das Leis Lei 3: Número de Jogadores - O Time 3.4 Jogadores relacionados como substitutos Equipes internacionais permitidas a realizar até oito substituições 3.4 Jogadores relacionados

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Tomar, 5 de Agosto de 2007 ÉPOCA 2007/2008

Leia mais

Futebol de Precisão. Livro Oficial

Futebol de Precisão. Livro Oficial Futebol de Precisão Livro Oficial T O D O S O S D I R E I T O S R E S E R V A D O S. 2 0 1 5. P R O I B I D A A R E P R O D U Ç Ã 0 P A R C I A L O U T O T A L D E S T E D O C U M E N T O. EM C A S O D

Leia mais

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM ACÇÃO INTERMÉDIA DE AVALIAÇÃO E REFLEXÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Leiria, 20 de Janeiro de 2007 ÉPOCA 2006/2007 TESTE ESCRITO

Leia mais

3x3 Regras do Jogo. quadra se alguma for utilizada podem ser adaptadas ao espaço disponível

3x3 Regras do Jogo. quadra se alguma for utilizada podem ser adaptadas ao espaço disponível 3x3 Regras do Jogo As Regras do Jogo de Basquete Oficiais da FIBA são válidas para todas as situações de jogo não especificamente mencionadas nestas Regras do Jogo 3x3. Art. 1 Quadra e Bola O jogo será

Leia mais

Aqui você também vai encontrar o botão ""Autocompletar"", que ajuda na criação do alinhamento, caso você não consiga se decidir.

Aqui você também vai encontrar o botão Autocompletar, que ajuda na criação do alinhamento, caso você não consiga se decidir. 1. ATIVAR CARTA Nesta seção, localizada dentro do ""shopping center"", você precisa inserir o código que aparece no verso da sua carta real para adicioná-la à sua coleção virtual. Às vezes, você pode se

Leia mais

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol

Prof. Mst. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Prof. Mst. Sandro de Souza Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Desenhe um campo de Futebol com as suas dimensões e marcações. Qual o número mínimo de jogadores, em um time, para iniciar

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015

III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015 III TORNEIO DE BASQUETE 3 x 3 MASCULINO E FEMININO CEFER - USP RIBEIRÃO PRETO - 2015 I - OBJETIVOS: Incentivar a integração de todos como também valorizar e estimular a prática esportiva, como fator de

Leia mais

Regulamento do Circuito Paulista de Rugby Infantil 2011

Regulamento do Circuito Paulista de Rugby Infantil 2011 Regulamento do Circuito Paulista de Rugby Infantil 2011 OBJETIVOS As Leis de Jogo do Regulamento do Circuito Paulista de Rugby Infantil, têm como base ideológica o Regulamento Nacional de Rugby Infantil

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Fátima, 6 de Agosto de 2006 ÉPOCA 2006/2007

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

AS REGRAS DO BASQUETEBOL

AS REGRAS DO BASQUETEBOL AS REGRAS DO BASQUETEBOL A BOLA A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintéctico. O peso situa-se entre 600 g e 650g e a circunferência deve estar compreendida entre 75 cm e 78 cm. CESTOS

Leia mais

Introdução à participação infantil

Introdução à participação infantil Seção 1 Introdução à participação 1.1 Uma visão bíblica da criança Em muitas culturas, as crianças são subestimadas. No entanto, Deus valoriza as crianças tanto quanto os adultos. Todos os seres humanos

Leia mais

Regras de Futebol de Campo

Regras de Futebol de Campo Curso de Educação Física Futebol - Fundamentos Regras de Futebol de Campo Leandro Tibiriçá Burgos Regra 1: Campo de jogo Partidas Nacionais Comprimento: de 90m a 120 metros; Largura: de 45m a 90 metros.

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Avaliação Época 2014/2015 Setúbal, 20 de Setembro de 2014 Observadores Distritais TESTE ESCRITO (a) 1. Identifique o comportamento e sinalética que estão estabelecidos numa situação

Leia mais

Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho. Joe Murli

Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho. Joe Murli Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho Joe Murli O trabalho padrão do líder, incluindo o comportamento de liderança lean, é um elemento integral de um sistema de

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL N.: 5 DATA: 2012.07. 07.10 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13

COMUNICADO OFICIAL N.: 5 DATA: 2012.07. 07.10 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DE FUTEBOL ONZE 2012/13 Para conhecimento geral, informa-se que a FIFA, através da sua Circular Nº 1302 de 31.05.2012, divulgou as alterações às leis do jogo 2012/13, que se

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I I MACEIÓ-AL, 2015 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º - O esporte é considerado um fenômeno cultural da humanidade capaz de propiciar inúmeros benefícios aos seus praticantes.

Leia mais

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 S E L E C I O N A R D E S E N V O L V E R L I D E R A R H O G A N D E S E N V O L V E R C A R R E I R A DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 Data: 12,

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

CONSTRUINDO A IDENTIDADE DE UMA EQUIPE Por: Veronica Ahrens

CONSTRUINDO A IDENTIDADE DE UMA EQUIPE Por: Veronica Ahrens CONSTRUINDO A IDENTIDADE DE UMA EQUIPE Por: Veronica Ahrens Uma das definições mais simples e de fácil compreensão sobre equipes é: um conjunto de pessoas com um objetivo em comum. Esse objetivo também

Leia mais

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento

PESSOAS RESILIENTES: suas características e seu funcionamento CONNER, Daryl. Gerenciando na velocidade da mudança: como gerentes resilientes são bem sucedidos e prosperam onde os outros fracassam. Rio de Janeiro: Infobook, 1995. PESSOAS RESILIENTES: suas características

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha Negociação e Vendas Marketing e vendas Quais são as relações entre marketing e vendas casos e causos de negociação

Leia mais

Guia de Principiantes do. Rugby Union

Guia de Principiantes do. Rugby Union Guia de Principiantes do Rugby Union Segurança como prioridade Rugby é um jogo com um nível elevado de contato físico. Para apreciá-lo ao máximo é necessário estar física e mentalmente preparado, e também,

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

Bitoque Râguebi. Criação do Bitoque Râguebi. História

Bitoque Râguebi. Criação do Bitoque Râguebi. História Bitoque Râguebi História A lenda da criação do râguebi teve início por William Webb Ellis, um estudante de Londres. Foi dito que, durante uma partida de futebol em Novembro de 1823 na Rugby School, o tal

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

https://www.bigby.com/systems/selectport/samplereports/inboundsales1.htm

https://www.bigby.com/systems/selectport/samplereports/inboundsales1.htm Página 1 de 9 CCin v2 r i cpb cpb_att n SELECT para Centrais de Atendimento a Clientes - Recebimento de Vendas (v2) Copyright 1995-2005, 2006 Bigby, Havis & Associates, Inc. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Criando uma equipe vencedora

Criando uma equipe vencedora Criando uma equipe vencedora Como montar uma equipe vencedora? Hoje em dia, empresas de todos os tamanhos têm um objetivo em comum: fazer mais com menos. Desde a crise financeira global, alcançar novos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Novas regras do futsal

Novas regras do futsal Novas regras do futsal 2011 Confederação Brasileira de Futebol de Salão - Futsal Futsal do Brasil passa a adotar novidades na regra em 2011 A temporada de 2011 ainda nem começou, mas o futsal brasileiro

Leia mais

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4 Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM Árbitro ou Oficial de Mesa. Uma forma diferente de jogar Basquetebol NOV 2015 Nº 01 Índice: PAG. 2 CO N CENTRAÇÃO PAG. 3 CRITÉRIO PAG. 4 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT ACRESCENTANDO IMAGENS A APRESENTAÇÃO Algumas igrejas preferem o uso do multimídia para suas apresentações. Oferecendo a esses pastores uma apresentação

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

Updates. Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS. Updates do Desafio do Robô FLL WORLD CLASS

Updates. Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS. Updates do Desafio do Robô FLL WORLD CLASS Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS 2 ANIMAIS Para escrever a sua Questão da FLL WORLD CLASS, seu time precisa escolher um tópico em que uma PESSOA possa aprender. Tudo bem se há um animal envolvido em

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO PROGRAMA DE VOLUNTÁRIOS CBRU 2015

ÁREAS DE ATUAÇÃO PROGRAMA DE VOLUNTÁRIOS CBRU 2015 ÁREAS DE ATUAÇÃO PROGRAMA DE VOLUNTÁRIOS CBRU 2015 *Este informativo foi criado em conjunto com pessoas que já atuaram como voluntárias nos eventos da CBRu. Obrigada a todos pela colaboração! VIVA NOVAS

Leia mais

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais.

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais. Professional Profissional Tomada de decisão Gestão do Desempenho Forecasting Previsão A qualificação de negócios profissionais globais O CIMA é a escolha dos empregadores no recrutamento de líderes de

Leia mais

REGRAS DE FUTSAL (Principais Regras)

REGRAS DE FUTSAL (Principais Regras) REGRAS DE FUTSAL (Principais Regras) Tempo de jogo: 30 minutos (15 min. + 15 min.); Período de desconto de tempo: Cada equipa tem direito a 2 (um em cada parte) Duração: 1 minuto; Número de jogadores:

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Basquete 3x3 Tour Nacional Etapas Regionais/FINAL 2013

Basquete 3x3 Tour Nacional Etapas Regionais/FINAL 2013 Basquete 3x3 Tour Nacional Etapas Regionais/FINAL 2013 REGRAS As Regras do Jogo de Basquete Oficiais da FIBA são válidas para todas as situações de jogo não especificamente mencionadas nestas Regras do

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Helder Silva Considerações gerais Índice Proposta de ensino do tema Transição Defesa Ataque O que é?,

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

Como fazer. networking. Um guia prático e fácil para um networking efetivo.

Como fazer. networking. Um guia prático e fácil para um networking efetivo. Como fazer networking Um guia prático e fácil para um networking efetivo. Este whitepaper é para... Em um evento de determinado setor (e aqui estamos falando do nosso, a rede de moda!), todos os participantes

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

REGULAMENTO PARA CAMPEONATO LUTAS NO ALTO E CHÃO KARATÊ - SHUBU-DO

REGULAMENTO PARA CAMPEONATO LUTAS NO ALTO E CHÃO KARATÊ - SHUBU-DO REGULAMENTO PARA CAMPEONATO LUTAS NO ALTO E CHÃO KARATÊ - SHUBU-DO Índice: 1º Objetivo 2º Finalidade 3º Área de competição 4º Uniforme 5º Sistema de competição 6º Tempo de combate 7º Infrações e desclassificações

Leia mais

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação Para muita gente, os sonhos são apenas sonhos. Não levam necessariamente a ações diretas para transformar tais sonhos em realidade. Esta

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO ESPECÍFICO. Módulo Competitivo

IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO ESPECÍFICO. Módulo Competitivo PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTES, RECREAÇÃO E LAZER IV JOGOS MUNICIPAIS DA TERCEIRA IDADE DE PORTO ALEGRE 1, 2 e 3 de julho de 2005 - Ginásio Tesourinha REGULAMENTO

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

Profa. Yanna C. F. Teles. União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa

Profa. Yanna C. F. Teles. União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa Profa. Yanna C. F. Teles União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa Trabalhos na graduação (seminários, tcc...) Apresentações em congressos

Leia mais

Educar filhos: cuidar mais do que proteger. Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br

Educar filhos: cuidar mais do que proteger. Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br Educar filhos: cuidar mais do que proteger Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br As 4 principais tarefas dos pais DESENVOLVER: 1. Independência emocional 2. Autodisciplina 3. Capacidades 4. Moral Educar

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

Índice. Introdução. Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo. Saiba quem rouba o seu tempo. Separe o importante do urgente

Índice. Introdução. Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo. Saiba quem rouba o seu tempo. Separe o importante do urgente Índice 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Introdução Entenda porque vale a pena administrar o seu tempo Saiba quem rouba o seu tempo Separe o importante do urgente Defina prioridades Aprensa a usar seu e-mail

Leia mais

REGRAS E REGULAMENTOS

REGRAS E REGULAMENTOS REGRAS E REGULAMENTOS V OLIMPÍADA DE RACIOCINIO MENTEINOVADORA MIND LAB (alunos de 4º ao 7º ano) IV OLIMPÍADA DE RACIOCÍNIO MENTEINOVADORA DE JOVENS (alunos de 8º e 9º ano) I OLIMPÍADA DE RACIOCÍNIO MENTEINOVADORA

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO?

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? Apresentação Ir para a escola, passar um tempo com a família e amigos, acompanhar as últimas novidades do mundo virtual, fazer um curso de inglês e praticar um esporte são

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Guia de Orientação a concussão para o público geral

Guia de Orientação a concussão para o público geral FATOS DE UMA CONCUSSÃO A concussão é uma lesão cerebral. Todas as concussões são graves. Os abalos podem ocorrer sem perda de consciência. Todo atleta com os sintomas de uma lesão na cabeça deve ser removido

Leia mais

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM HABILIDADES E COMPETÊNCIAS EMOCIONAIS Um curso aprovado por Paul Ekman

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM HABILIDADES E COMPETÊNCIAS EMOCIONAIS Um curso aprovado por Paul Ekman Um programa de certificação internacional de três dias EMOÇÕES: O QUE SÃO E COMO LIDAR COM ELAS? Este curso trata das emoções, dos sentimentos, de como reconhecer e dirigir as emoções em nós mesmos e nos

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA O DESPORTIVISMO NO JOGO É SEMPRE VENCEDOR (Fair play - The winning way) INTRODUÇÃO... 2 AS INTENÇÕES DO CÓDIGO... 2 DEFINIÇÃO DE FAIR PLAY... 2 RESPONSABILIDADE PELO FAIR PLAY...

Leia mais