UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ANA CAROLINA GREEF CAMILA MANFRINATTO WORKFLOW E BUSINESS PROCESS MANAGEMENT (BPM) PARA GESTÃO DE DOCUMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ANA CAROLINA GREEF CAMILA MANFRINATTO WORKFLOW E BUSINESS PROCESS MANAGEMENT (BPM) PARA GESTÃO DE DOCUMENTOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ANA CAROLINA GREEF CAMILA MANFRINATTO WORKFLOW E BUSINESS PROCESS MANAGEMENT (BPM) PARA GESTÃO DE DOCUMENTOS CURITIBA 2010

2 ANA CAROLINA GREEF CAMILA MANFRINATTO WORKFLOW E BUSINESS PROCESS MANAGEMENT (BPM) PARA GESTÃO DE DOCUMENTOS Trabalho apresentado à disciplina de Tópicos em Gerenciamento Eletrônico de Documentos SIN 141, ao Curso de Gestão da Informação, Setor de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Paraná. Professor: Dr. Egon Walter Wildauer. CURITIBA 2010

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO BPM Seleção de ferramentas para BPM Business Process Management Suite/System WORKFLOW Workflow Management Coalition Padrões de workflow Gerenciamento Eletrônico De Documentos (GED) BPM E WORKFLOW FERRAMENTAS CONSIDERAÇÕES REFERÊNCIAS ANEXO A CÓDIGOS DE LINGUAGEM PARA WORKFLOW... 38

4 3 1 INTRODUÇÃO Os números a seguir representam a atratividade da gestão de processos por parte das organizações: de 348 participantes, 58% gastaram, em 2005, entre US$ 0 e US$ , e 5% gastaram mais de US$ em iniciativas de gestão de processos, conforme estudo de Wolf & Harmon (2006), citados por Paim et al (200[?], p. 1). Os autores citam, ainda, o estudo realizado por Palmer (2007), no qual entre 72 participantes, o retorno sobre investimento em gestão de processos foi maior que 10% e a média de retorno este veem 30% - mediana em 44%. Tais retornos representam a preocupação por parte das organizações em gerenciar seus processos, já há 5 anos. Paim et al (200[?], p. 4) exemplificam a motivação para tanto, com objetivos do referido gerenciamento: a) projetar/desenhar processos visando sua (re)definição para um estado ideal, melhoria e implantação; b) gerenciar processos cotidianamente para assegurar sua efetiva implementação e monitorar a distribuição de recursos para que possam ser executados e modificados a curto prazo. Assim, é possível estar continuamente aprendendo a respeito do ambiente interno à organização e sua evolução. Outra motivação ao gerenciamento de processos de negócio é apontada por Santos (2003, p. 4): a conformidade à normalização ISO 9001:2000, que incentiva a incorporação da gestão da qualidade nas organizações, por meio do desenvolvimento, da implementação e da melhoria de sistema para esse fim. Determina que atividades interligadas sejam identificadas e geridas e, como consequência, visa o aumento da satisfação do cliente. A Figura 1 ilustra a relação histórica entre as soluções tecnológicas para negócios, culminando na criação do Business Process Management (BPM) nos anos 2000, a partir de ferramentas voltadas aos ambientes interno e externo.

5 4 FIGURA 1 HISTÓRICO DE SURGIMENTO DO BPM Fonte: adaptado de Smith et al 1.(apud ENOKI, 2006, p. 29). Nota-se que ferramentas como Costumer Relationship Management (CRM), Enterprise Resource Planning (ERP), Supply Chain Management) (SCM), Enterprise Application Integration (EAI) e Workflow esclarecido a seguir, foram implementados ao longo da década de 1990 sob o enfoque interno às organizações, culminando no BPM enquanto fator integrador de suas ideologias, anteriormente desconexas, que conecta esse enfoque ao ambiente externo e, ao mesmo tempo, mantém o gerenciamento interno em funcionamento. Externamente, o Electronic Data Interchange (EDI), também em 1990, deu impulso ao surgimento do e- commerce, e-business, Business to Business (B2B) e ao comércio colaborativo, que alimentam o gerenciamento de processos voltados ao exterior da organização e, entende-se, à busca pelo valor exigido por clientes, que se transforma em produtos e serviços prestados pela organização em que devem manter a qualidade exigida pelo mercado. 1 SMITH, H.; NEAL, D.; FERRARA, L.; HAYDEN, F..The emergence of business process management.reportbycsc sresearch Services, 2002

6 5 2 BPM O Business Process Management (BPM), termo estrangeiro para Gerenciamento de Processos de Negócio tem por objetivo prover o alinhamento do conjunto de atividades relacionadas que visam atingir um objetivo de negócio, no contexto da estrutura organizacional (PÁDUA; BISPO, 2003), com a estratégia da organização em questão. Isso acontece por meio do arranjo e da melhoria dos processos de forma a adequar resultados deles advindos à visão, missão e metas organizacionais. Além disso, visa a redução de conflitos interfuncionais e o aumento da integração interdepartamental, inclusive de maneira visual e que permite a compreensão da sequência de atividades por todos os níveis organizacionais, de modo que os componentes dispersos da organização atuem de maneira sinérgica para entregar o valor, inerente ao processo, ao cliente/usuário. (BUSINESS..., 2007, p.4, tradução das autoras). Em complemento, para Paim et al (200[?], p. 7), o BPM tem foco em eliminar a leitura dos processos exclusivamente sob a ótica de sistemas de informação ou Enterprise Resource Planning (ERP). Para tanto, aplica métodos, técnicas e ferramentas visando analisar, modelar, publicar, otimizar e controlar processos, que envolvem recursos humanos, sistemas, documentos e outras fontes de informação que possam vir a existir internamente à organização. (UNICOMM, 2010).Tais vertentes, cada qual baseada em estudos de necessidades e ferramentas para sua gestão, são apresentadas na Figura 2, esclarecida em seguida.

7 6 FIGURA 2 FATORES INTEGRADORES DO BPM Fonte: Unicomm (2010) a) DNP Descrição e Normatização de Processos: refere-se à descrição e normatização de processos, incluindo desenho de fluxos, atribuição de responsabilidades, indicadores de desempenho; b) Otimização e Reengenharia: relativos à otimização de processos, baseada em métodos de alto impacto, como a busca do formato ideal para sua sequência, a orientação para a visão do valor essencial a ele inerente, a integração e consolidação de processos por meio da incorporação de inteligência nos mesmos. Envolvem, também, aspectos como simulação de processos redesenhados, avaliação de tempos de resposta, métricas, benchmark e outsourcing, desempenho de processos, melhoria contínua. Esta última relaciona-se ao princípio da perfeição, na mentalidade enxuta, em que a tendência é buscar continuamente a aproximação entre o bem ou serviço criado e a necessidade do mercado, baseada na agilidade de identificação de problemas e sua solução. (PICCHI, 2001); c) Automação de processos de negócio: relacionado à introdução de recursos de automação das mais diversas naturezas nos processos, visando à sua melhoria. Integram automação física, de fluxos de trabalho, comercial, logística, entre outras;

8 7 d) Integração entre processos: relacionado à integração de processos e sistemas relacionados, por meio de tecnologia de informação específica, como workflow, mas com poder de acoplamento por meio de padrões universais. Envolve aspectos como: integração ou detalhamento de processos, sistemas e dados, cadeias de valor, automação integral ou parcial (com intervenção humana) dos fluxos de trabalho; e) Estratégias de negócios e processos: refere-se à integração de processos às estratégias organizacionais ou de áreas/unidades de negócios específicas, identificando-se os elementos essenciais de processos que contribuem diretamente para as estratégias, confirmando, assim, o valor do processo focalizado; f) Cultura e processos: relativa à análise das relações entre processos e as características culturais da organização, de forma a garantir que tais aspectos atuem de forma sinérgica; g) Recursos humanos e processos: focado na análise das relações entre processos e as características dos recursos humanos, de forma a também garantir a sinergia entre os mesmos; h) Qualidade e processos: refere-se ao processo de análise das relações entre processos e os impactos sobre qualidade dos produtos e serviços entregues pela organização ao cliente final e aos clientes internos, visando a sinergia. Tal aspecto se assemelha à busca pela definição e manutenção do valor, inerente à gestão enxuta de produção, que é definido pelo cliente/usuário final e expresso em termos de um produto específico que vai ao encontro da demanda por parte do primeiro, enquanto solução para um problema por ele percebido. (PICCHI, 2001; WOMACK; JONES, 2003, tradução das autoras). A implementação do BPM com base em tais componentes, na visão de Evangelista, deve preocupar-se em agregar aos mesmos um foco comum: o alcance, por parte da organização, dos objetivos, metas e resultados definidos no planejamento estratégico: lucratividade, satisfação dos clientes, otimização de custos além da qualidade da saída, lead time, tempo de ciclo, custo do processo e

9 8 variabilidade (BUSINESS..., 2007, p.4). Apoiado nesta visão, Evangelista (2010b) complementa os aspectos representados na Figura 2 com fatores críticos de sucesso da implementação do BPM: a) Habilitação de sistemas para Arquitetura Orientada a Serviço (SOA) e serviços via Web, permitindo a flexibilização, customização e interoperabilidade com outros sitemas; b) exploração de um modelo de programação útil de SOA, permitindo a otimização dos fluxos de processos; c) criação, medição e análise dos indicadores de desempenho fundamentais do processo; d) autorização,aos analistas de negócios e gerentes,do projeto visual do fluxo entre serviços de negócio; e) disponibilização demecanismos para testar se as regras de um fluxo de processo não são contraditórias, de forma que o mesmo posa ser examinado e monitorado em uma base contínua; f) implementaçãosob perspectiva de ciclo de vida, em lugar de uma iniciativa isolada. Um dos itens de essencial compreensão, referidos acima, é a Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) que, juntamente com o BPM, tem uma combinação perfeita, pois este último permite abstração de alto-nível para definir processos de negócio. Já os serviços mantêm as funções que apoiam esses processos. Assim, a SOA provê as capacidades para que os serviços sejam combinados para apoiar e criar um empreendimento ágil e flexível. O BPM, portanto, concebe e monitora o andamento dos processos de forma ágil e aderente às particularidades da organização, contando, para tanto, com suporte tecnológico. Ao mesmo tempo que este não deve ser o foco principal da implementação do BPM, é essencial para a automação de seus componentes. Exemplos de tecnologias de suporte ao gerenciamento de processos são ilustrados na Figura 3: aplicativos diversos no âmbito organizacional, inclusive no ambiente externo, acrescentando valor às estruturas informatizadas tradicionais e reestruturando o acesso à informação.

10 9 FIGURA 3 SISTEMAS DE BASE DO BPM Fonte: adaptado de Hall & Harmon (2006 apud PAIM et al, 200[?], p. 9). A Figura reflete o que Paim, 200[?] classifica como uso intenso de melhores práticas que orientam a gestão de processos nas organizações, como: SCORM desenvolvimento de software, CMMi modelo para integração de ferramentas, Cobit e ITIL qualidade em tecnologia da informação, e-scm cadeia de suprimentos virtual, PMBOK gerenciamento de projetos, entre outros. Conforme apontam as Figuras 1, 2 e 3, o BPM é oriundo das interseções entre as áreas administrativa, contábil, de marketing, de pessoal e de vendas das organizações. Uma vez que seus processos perpassam essas áreas, o gerenciamento dos mesmos torna-se multidisciplinar dentro de tais ambientes e depende, portanto, da integração entre as tecnologias em que as informações são inseridas e das quais são extraídas para a tomada de decisão nos níveis operacional, tático e estratégico. O gerenciamento da qualidade e dos projetos aos quais as referidas ferramentas se aplicam, portanto, é fator essencial para que a organização torne-se competitiva utilizando a gestão de processos e de fluxos de trabalho, conforme o

11 10 próprio referencial aponta ao citar aspectos como otimização e controle/monitoramento. 2.1 Seleção de ferramentas para BPM A seguir é apresentada uma figura que na concepção da UNICOMM (2010) resume o processo adotado para a análise, avaliação e seleção de ferramentas para uma nova plataforma orientada a processos (BPM). FIGURA 4 METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE FERRAMENTAS DE BPM Fonte: UNICOMM (2010). Essa metodologia é passível de utilização em diversos modelos de análise, programas de capacitação gerencial para novas arquiteturas orientadas a processos, pesquisa de soluções de mercado, avaliação por institutos especializados, apresentação de ferramentas por parte dos fornecedores e avaliação por equipe interna, junto à amostra de clientes das ferramentas analisadas, entre outros critérios. Seu objetivo é automatizar e integrar, em um nível ideal, processos de negócio essenciais para a organização em questão, por meio de

12 11 ferramentas acessíveis e com efetiva correspondência à realidade institucional. (UNICOMM, 2010). 2.2 Business Process Management Suite/System O BPM necessita da tecnologia como suporte, para sua automação, pois tão importante quanto definir uma visão clara de negócios é a capacidade da organização de implementar essa visão em componentes tecnológicos que suportem os processos de negócio. Este apoio é dado por Business Process Management Suite/System (BPMS). O propósito do BPMS é suportar tecnologicamente a evolução contínua dos processos de negócio da organização, enquanto notação gráfica padronizada e auxiliar, assim, no desenho dos processos e fluxos de trabalho. Além disso, facilita a comunicação e a integração de pessoas em todos os departamentos organizacionais e, consequentemente, o planejamento, a coordenação, a liderança e o controle de atividades realizadas, bem como torna flexível e ágil a implementação de mudanças. (PAIM et al., 200[?], p. 8). Oferece funcionalidades que suportam interações humanas, entre sistemas e aplicações, processamento de documentos e de sistemas complexos para tomada de decisão. De um modo geral, o BPMS inclui: a) Funcionalidades para usuários das áreas de negócios e de Tecnologia da Informação (TI), que possibilitam tanto a criação e manutenção de processos de negócio quanto a configuração da ferramenta para integração com a arquitetura existente na organização; b) Relatórios e consultas com funcionalidades de Business Activity Monitoring (BAM), habilitando as organizações a enxergarem em tempo real os efeitos causados pelas atividades inerentes a seu negócio, possibilitando correções imediatas; c) Interface gráfica intuitiva, voltada a gestores de negócio, permitindo o desenvolvimento rápido e evolutivo, de modo integrado com o ambiente de TI já existente na organização;

13 12 d) Mecanismos de cadastramento e manutenção de regras de negócio, mantendo a integridade do modelo de processos. Uma mudança nos limites de um processo decisório, por exemplo, não altera o modelo global de gerenciamento. As referidas regras devem ser definidas e mantidas de maneira independente dos sistemas e dos processos por meio dos quais a empresa funciona. A Figura 5 ilustra a integração entre componentes do BPMS: FIGURA 5 COMPONENTES DO BPMS Fonte: Reis (2010). Os itens apresentados na figura são descritos a seguir. a. Process Modelers, são modelos de processos utilizados para quatro objetivos principais: Estimativa, que determina o valor da função de regressão (ou seja, o valor médio da variável resposta); Previsão, estipula o valor da nova observação da variável resposta; ou os valores de uma determinada proporção de todas as futuras observações da variável resposta; Calibração, quantitativamente refere-se as medições feitas através de um sistema de medição para

14 13 as de outro sistema de medição. Isto é feito para que as medições possam ser comparadas em unidades comuns ou amarrar os resultados de um método de medição em relação às unidades absolutas; e Otimização, a qual é realizada para determinar os valores das entradas do processo que deve ser usado para obter o resultado do processo desejado. Metas típicas de otimização pode ser a de maximizar o rendimento de um processo, para minimizar o tempo de processamento necessário para fabricar um produto ou a especificação do produto atingiu um alvo com variação mínima, a fim de manter as tolerâncias especificadas. b. Enterprise Application Integration (EAI) que é responsável pela troca de informações entre sistemas heterogêneos, deve dar preferência a integrar várias formas de acesso aos dados. c. Application Server, ou seja, os servidores ou espaços na rede que suportam, integram e possibilitam o gerenciamento das aplicações que compõem cada processo e fluxo de trabalho (relacionamento com cliente, sistemas contábeis, entradas e saídas, entre outros). d. Workflow, comentado adiante neste documento, que representa vários processos e seus relacionamentos e, com apoio do EAI, integra os mesmos por meio do desenho criado por esta última ferramenta. Através das descrições acima, é possível observar que o processo de BPM é formado por inúmeras unidades, estas devem interagir de forma coesa para que este ocorra de maneira eficaz e gerenciável, uma vez que o conjunto é que irá suportar a tecnologia BPM, através da utilização das ferramentas BMPS anteriormente explicitadas. A Figura 6 ilustra o diferencial entre uma organização centrada em tecnologia, e outra em processos de negócio, com intuito de que a primeira representa um ambiente que aplica BPMS somente, e a segunda, que aplica principalmente o BPM:

15 14 FIGURA 6 BPMS versus BPM Fonte: Krafzig; Banke; Slama 2 (2005 apud ENOKI, 2006, p. 31). A partir da Figura, percebe-se que a vertente tecnológica, representada pelo BPMS, é composta por serviços alocados na Web, pela modelagem e pelo monitoramento automatizado de processos, pela definição de regras de negócio, pelo intercâmbio virtual entre organizações (B2B), integração entre aplicações organizacionais e intercâmbio eletrônico de dados, ferramentas CASE, e gerenciamento de fluxo de trabalho. Já a vertente de negócios, é baseada na cadeia de valor destes últimos; na avaliação e manutenção da qualidade por meio de esquema de indicadores internos e externos de produtividade (Balanced Score Card BSC) e de impacto no mercado (Advertising, Branding and Content ABC), Gestão da Qualidade Total (TQM), conformidade à normalização ISO 9000; e no aprimoramento e foco no valor, ou core business, determinado pelo LeanThinking (Mentalidade Enxuta), 6 Sigma e Kaizen (melhoria). A linha pontilhada entre as vertentes denota que ambas devem caminhar de maneira integrada para que uma não se sobreponha à outra. Além disso, a tecnologia torna-se obsoleta à medida que não tem conteúdo inerente, e a gestão deste mesmo conteúdo é inviável sem a aplicação de algum tipo de sistema. Logo, a interseção entre ambos é condição 2 KRAFZIG, D.; BANKE, K.; SLAMA, D..Enterprise SOA. Prentice Hall PTR, NJ, USA, 2005.

16 15 essencial para que se possa efetivamente gerir os processos de negócio, conforme apontado na Seção 2.1 e nas demais Figuras deste documento. O uso integrado e contínuo de ferramentas de BPMS é fundamental, pois somente com este apoio tecnológico, as melhorias advindas da aplicação e monitoramento dos novos processos implantados poderão ser adicionadas continuamente, colaborando para se chegar de modo rápido na visão estabelecida.

17 16 3 WORKFLOW Muitas organizações com processos de negócio complexos têm identificado a necessidade de conceitos, técnicas e ferramentas para apoiar o gerenciamento de fluxo de trabalho. Baseado nessa necessidade surgiu o termo gerenciamento de workflow. Sistemas de workflow manipulam e monitoram a informação relativa ao fluxo de trabalho para gerenciar, coordenar e controlar o trabalho mais eficientemente, minimizando o problema da coordenação do trabalho nos processos de negócios (NICOLAO, 1998 apud SANTANA, 2006). Uma das principais definições de workflow é dada pela Workflow Management Coalition (WORKFLOW..., 2010): essa tecnologia representa a vertente operacional de procedimentos de trabalho, por exemplo como as tarefas são estruturadas, quem as executa, suas ordens de execução, como elas são sincronizadas, como estas tarefas estão sendo acompanhadas. Além disto, o workflow também pode ser analisado como a automação total ou parcial de um processo de negócio, durante a qual documentos, informações e tarefas são passadas entre os participantes do processo, de acordo com um conjunto de regras procedurais. (WORKFLOW..., 2010). Esta ultima definição esta mais relacionada a este estudo, uma vez que esta associada a definição do BPM. Assim,um dos objetivos do workflow trata de minimizar o problema da coordenação do trabalho nos processos, facilitando seu gerenciamento e criação (PÁDUA; BISPO, 2003). Além disso, proporciona diminuição de custos, de tempo, de erros e de redundância na execução dos processos. Consequentemente aumenta o controle sobre os mesmos sua qualidade, seus resultados e de toda a organização. (THOM; CHIAO; IOCHPE, 2007, p. 2). De acordo com Santana (2006), em um sistema workflow automatizado podese obter os seguintes benefícios:

18 17 a) o trabalho não enguiça nem perde o foco raramente os despachantes são requisitados a resolver erros ou falhas na administração do processo. b) os gerentes podem cuidar da equipe e das tarefas de negócio, tais como desempenhos individuais, otimização de processos e casos especiais, ao invés de se preocupar com a rotina das tarefas. Um exército de secretárias não é mais necessário para entregar e acompanhar um trabalho. c) os processos são oficialmente documentados e seguidos exatamente, garantindo que o trabalho é executado na forma como foi planejado, satisfazendo todos os requisitos do negócio. d) a melhor pessoa (ou máquina) é alocada a fazer cada caso, e os casos mais importantes são alocados primeiro. Usuários não perdem tempo escolhendo em qual item trabalhar. e) processamento paralelo, onde duas ou mais tarefas são executadas ao mesmo tempo, é de longe mais prático que em um workflow tradicional (manual). Entretanto, para que a aplicação do modelo utilizado para representar o fluxo de trabalho na empresa seja facilitada é necessário definir qual o tipo de workflow será aplicado. Isto ocorre a partir da identificação dos tipos de sistemas de workflow, e evita que se escolha um modelo inadequado para o problema proposto. (NICOLAO, 1998 apud SANTANA, 2006). Segundo PLESUMS (2002 apud SANTANA, 2006), workflow podem ser caracterizados de três formas distintas: a) Ad Hoc Descrevem processos simples onde é difícil encontrar um esquema para a coordenação e cooperação de tarefas, onde não há um padrão fixo para o fluxo de informações entre as pessoas envolvidas. É caracterizado pela negociação e um novo workflow pode ser definido para cada uso. Este tipo de workflow é muito conveniente, e provê um razoável controle do processo. Pois indica quem fez o quê, onde está o trabalho agora. Geralmente utiliza-se o como plataforma, quando é informatizado.

19 18 Exemplos são processos de escritório, documentação de produtos e propostas de vendas. b) Produção Um workflow de produção é pré-definido e priorizado, suportando assim um grande volume não existem negociações sobre quem fará o trabalho ou como ele será tratado. Ele pode ser completamente pré-definido ou seguir um procedimento geral, com alguns passos adicionais incluídos quando forem necessários (embora alguns autores não concordem com esta idéia). Exemplos são processamento de requisição de seguros, processamento de faturas bancárias e de cartão de crédito. c) Administrativo Este terceiro tipo é um meio-termo entre um workflow Ad hoc e um de produção. Envolve atividades fracamente estruturadas, repetitivas, previsíveis e com regras simples de coordenação de tarefa. Exemplos são o processamento de ordens de compras e autorização de férias e viagens. Saber, portanto definir formas e compreender as definições e conceitos comentados, é de suma importância para a implementação do BPM, pois workflow está presente desde as tecnologias GED até as ferramentas de BPMS, que dão suporte tecnológico a metodologia BPM, como será visto na continuação. 3.1 Workflow Management Coalition Com base nas informações publicadas em Workflow... (2010, tradução das autoras), o Workflow Management Coalition (WfMC) integra grupos de pesquisa, universidades, usuários, desenvolvedores, analistas e consultores de workflow e BPM, a nível mundial, visando a normalização do processo e a sensibilização do mercado para o uso dessas ferramentas de maneira integrada. Sua especificidade está no fato de que é o único órgão normativo que tem foco somente no processo de

20 19 BPM utilizando Workflow. Fundado em 1993, o WfMC criou linguagens XML específicas para sua área de atuação: Wf-XML e a XPDL, formato para modelagem de processo que comporta a diagramação visual e todos os atributos de tempo e de produtos inerentes ao mesmo. A coalisão permite a participação de organizações tais como as supracitadas, em duas modalidades: aquela com um representante com direito a voto em cada um dos Comitês que o compõem; e aquela que permite a participação de um convidado no Comitê Diretor, o qual pode retirar-se a qualquer momento do referido Comitê, sem ônus. Seus objetivos são(workflow..., 2010, tradução das autoras): a) especificar aplicações para programação de interfaces de gerenciamento de workflow, a partir de um modelo de referência (Figura 7) aplicável a diversos tipos de produtos; b) proporcionar, a seus membros, definir e gerenciar processos de negócio, considerando a preservação de seus recursos; c) criar um modelo de intercâmbio entre diferentes outros modelos aplicados por produtos diversos; d) especificar quais ferramentas de gerenciamento de workflow deverão ser aplicadas em que tipo de ambiente, visando integrar ferramentas dessa área com outros serviços de tecnologia; e) submeter os resultados a toda a Coalisão, para normatização dos mesmos e busca pelo reconhecimento internacional; f) encorajar a interoperabilidade organizacional.

21 20 FIGURA 7 MODELO DE REFERÊNCIA PARA WORKFLOW Fonte: WORKFLOW (2010). Conforme a Figura 7, sistemas de workflow consistem de componentes de modelagem e de representação do mesmo, sendo que os primeiros dependem da estrutura de cada organização e, portanto, não se baseiam em um conjunto de modelos ou técnicas que formalizem seu desenvolvimento. 3.2 Padrões de workflow O principal problema das atividades baseadas em processos é que não se tem o controle total das atividades que devem ser executadas. Além disso, não se tem uma visão de quais informações estão sendo manipuladas por essas atividades em um dado instante e nem quem as manipula. As técnicas de modelagem e gerenciamento de workflow devem ter como objetivo básico minimizar esses problemas, procurando oferecer uma solução flexível no apoio aos processos de negócios, por meio da facilitação de modificações e da criação de novos processos. Thom, Chiao e Iochpe (2007, p. 5) apresentam, nesse sentido, exemplos padrões existentes no referido gerenciamento, extraídos de mineração de dados de

22 processos de workflow, presentes em diferentes empresas. Seu estudo tomou como base a afirmação de Aalst e Hee (2001) 3, citada pelos referidos autores, de que a ausência de padrão de modelagem faz com que organizações tornem-se relutantes em relação ao uso de software de gerenciamento de workflow: a) Padrões baseados na estrutura organizacional, por exemplo a centralização do processo decisório, a atribuição de padrões de habilidades e a supervisão de atividades; b) Padrões fundamentados no domínio de aplicação, como o financeiro e o logístico; c) Padrões baseados em funções recorrentes em processos de negócio, incluídos em ferramentas de workflow independentemente do domínio de aplicação, como a mensuração de desempenho, de comunicação e de decisão. A utilização e reutilização destes padrões, que são definidos internamente à organização a partir de seus processos essenciais de negócio, elimina tempo de modelagem repetida e aumenta a eficiência da seleção ou do desenvolvimento de ferramentas de workflow utilizadas no ambiente em questão. Além disso, contribui para a interoperabilidade de sistemas e a adaptabilidade dos mesmos aos níveis de abstração ou estruturação informacional da organização. (THOM; CHIAO; IOCHPE, 2007). 3.3 Gerenciamento Eletrônico De Documentos (GED) O Gerenciamento Eletrônico de Documentos toma como base a tecnologia de Document Imaging (tecnologia de documentos digitais composta por uma série de operações, começando com a captura, passando pela correção e resultando na conversão de originais em papel, ou microfilme, em documentos eletrônicos 3 AALST, W.M.P. van der; HEE, K. van. (2002) Workflow Management : models, methods, and systems. London: The MIT Press.

23 22 editáveis), que permite que todos os tradicionais arquivos de documentos em papel sejam convertidos para o meio digital. O conceito de GED é uma espécie de leque em constante abertura. Isso devido às muitas tecnologias que dele fazem parte, MURAH... (2010) elenca algumas delas: a) Document Imaging (DI): foco na consulta a processos e distribuição de documentos em formato de imagem agilidade na recuperação. b) Document Management (DM): foco no controle de versões dos documentos, datas das alterações feitas pelos usuários e histórico da vida do documento. c) Records and Information Management (RIM): foco no ciclo de vida do documento gerenciamento da criação, armazenamento, processamento, manutenção, disponibilização e até descarte dos documentos Tabela de Temporalidade. d) Forms Processing (OCR/ICR/BCR,OMR): foco no processamento eletrônico de formulários automação do processo de digitação convencional. e) Computer Output to Laser Disk/Enterprise Report Management (Cold/ERM): foco no gerenciamento de relatórios. f) Workflow: fluxo de produção e foco no gerenciamento de processos e qualquer negócio da empresa. Estas tecnologias permitem digitalizar, classificar, transmitir, visualizar e imprimir todo tipo de documento. Estes são digitalizados ou importados de arquivos de outros programas. Com um poderoso sistema de gerenciamento de documentação, tem-se uma gama enorme de funções, pois um sistema computadorizado tem um potencial enorme de facilitar a própria tarefa de organização e descrição dos acervos, através de ferramentas de gestão documental e fluxo de trabalho, entendido aqui como workflow, é possível multiplicar a produtividade. Workflow está integrado a tecnologia GED por possibilitar a automatização de processos, racionalizando-os e potencializando-os por meio de dois componentes

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

Avaliação do uso de ferramentas de workflow em processos típicos de engenharia de software

Avaliação do uso de ferramentas de workflow em processos típicos de engenharia de software Avaliação do uso de ferramentas de workflow em processos típicos de engenharia de software Walter Itamar Mourão Arcadian Tecnologia S/A. Av. do Contorno 3505, sala 802 Belo Horizonte MG CEP: 30110-090

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com. BPMS Showcase 2014 Etapas e Desafios na seleção de uma plataforma de BPM corporativa Apresentado por: Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.br Apresentando a iprocess

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia EDITAL Nº05/ PROGRAD/ DIREN/2010 ANEXO II 1 Título do Projeto: Automação de Fluxo de Trabalho Administrativo 2- Nome do Orientador: Autran Macêdo 3 Unidade: FACOM 4- Curso: Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging Aplicações de GED Processamento, arquivamento e recuperação de documentos (Document Imaging) Gerenciamento de documentos (Document Management) Sistema de Gerenciamento de documentos técnicos (engineering

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Portais corporativos: evolução, aplicação, tendências e casos. de implantação. Fernando Silva Parreiras

Portais corporativos: evolução, aplicação, tendências e casos. de implantação. Fernando Silva Parreiras Portais corporativos: evolução, aplicação, tendências e casos de implantação Fernando Silva Parreiras Fernando Silva Parreiras Mestrando em ciência da informação pela ECI UFMG Especialista em gestão financeira

Leia mais

Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões

Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões CRICIÚMA 2015 Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões Maurício Bitencourt, CBPP Vice-presidente e co-fundador da ABPMP Brasil Criciúma, 16 de junho de 2015 http://mauriciobitencourt.com

Leia mais

Tecnologias de GED Simone de Abreu

Tecnologias de GED Simone de Abreu Tecnologias de GED Simone de Abreu A rapidez na localização da informação contida no documento é hoje a prioridade das empresas e organizações, já que 95% das informações relevantes para o processo de

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System Definições BPM - Business Process Management BPMN Business Process Modeling Notation BPMS Business Process Management System Erros da Gestão de Processos / BPM 1. Fazer a Gestão sem Automação Desenho,

Leia mais

GED. Conceito: Razões Para o Uso do GED:

GED. Conceito: Razões Para o Uso do GED: GED Conceito: Gerenciamento Eletrônico de Documentos, ou somente GED, é um conjunto de tecnologias e procedimentos para o gerenciamento de documentos e informações em meio digital. O GED é implementado

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar.

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. Com Conciliac é possível conciliar automaticamente qualquer tipo de transação; Bancos, Cartões de Crédito e Débito, Contas

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO

BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO João Felipe D Assenção Faria Arquiteto JEE Especialista SOA/BPM JOÃO FELIPE D ASSENÇÃO FARIA Arquiteto JEE (12 anos) Especialista SOA/BPM (aprox. 4 anos)

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação Gestão do Conhecimento evolução conceitual.

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Solução completa de gerenciamento online de embalagens

Solução completa de gerenciamento online de embalagens Solução completa de gerenciamento online de embalagens WebCenter O WebCenter é uma poderosa plataforma baseada na web para gerenciamento de embalagens que administra seu processo de negócios e aprova ciclos

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócios para e-governo

Gerenciamento de Processos de Negócios para e-governo Gerenciamento de Processos de Negócios para e-governo Rodney Ferreira de Carvalho SERPRO Serviço Federal de Processamento de Dados Departamento de Gestão de Soluções Integradas para a RFB SUNAC/ACGSI/ACCSO

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo

ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo Jambu Tecnologia Consultoria e Engenharia Ltda www.jambu.com.br - (91) 3224-5440 Responsável Comercial: Marcelo Rocha de Sá - (91) 8882-0319 Soluções abertas em

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR Karin Maria Sohnlein (UNISC) karin.sohnlein@gmail.com Rafael Bortolini (UNISC) rfbortolini@gmail.com Vinicius

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Modalidade educação a distância - 2ª edição

Modalidade educação a distância - 2ª edição Modalidade educação a distância - 2ª edição OBJETIVOS: Propiciar aos participantes o desenvolvimento das seguintes competências: Pensar estrategicamente o uso da gestão por processos; Estruturar projetos

Leia mais