Sistema de Gerenciamento de Workflow para Processos Legislativos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Gerenciamento de Workflow para Processos Legislativos"

Transcrição

1 Sistema de Gerenciamento de Workflow para Processos Legislativos Cristiane Ligabue Chemello, Fábio Zschornack Faculdade de Informática Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter) CEP Porto Alegre RS Brasil Abstract. One of the roles attributed to the Legislative Assembly of Rio Grande do Sul is defining which laws will be applicable to the organization, planning and execution of public functions of common interest to the population [Rio Grande do Sul 2008]. During the implementation of this process, many people are involved (such as members, advisors, employees) making it a complex management work, what brings an imbalanced division of labor. Thus, this paper presents a solution to systematize the work and information flows at the Legislative Assembly of the RS, and automatizing the process of pre-defined business. As a tool for process automation, we use the workflow, which aims to support the cooperative work, emphasizing not only the interaction user/system, but also the interaction between users, [WfMC 1996]. Resumo. Uma das atribuições da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul é a de definir leis para integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum para a população [Rio Grande do Sul 2008]. Durante a execução deste processo muitas pessoas são envolvidas (deputados, assessores, funcionários) tornando complexo o gerenciamento do trabalho, o que traz um desequilíbrio na divisão das tarefas. Desta forma, este trabalho propõe uma solução que permita sistematizar de forma consistente fluxos de trabalho e informação da Assembleia Legislativa do RS, fazendo a automação do processo de negócio pré-definido. Como ferramenta de automação de processos utilizamos o workflow, cujo objetivo é o suporte ao trabalho cooperativo, onde se enfatiza a interação entre usuários, e não apenas a interação usuário/sistema [WfMC 1996]. 1. Introdução De acordo com Brasil (2008), o processo legislativo estadual é desempenhado pelas Assembleias Legislativas Estaduais visando a normatização de etapas para a produção legislativa. Além disso, define leis para integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum para a população, conforme define Rio Grande do Sul (2008). Durante a execução desse processo, muitas pessoas são envolvidas (deputados, assessores, funcionários), fazendo com que o tempo gasto para aprovação de uma lei seja grande, tornando complexo o gerenciamento do trabalho, o que traz um desequilíbrio na divisão das tarefas. Visando organizar eletronicamente esse 1

2 processo legislativo, desenvolveu-se uma ferramenta para solucionar e sistematizar, de forma consistente, as atividades ou fluxos de trabalho e informação da Assembleia Legislativa, de maneira a torná-los simples e transparentes aos envolvidos no processo. Este trabalho apresenta uma solução baseada em workflow que sistematiza o processo legislativo da Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Para tanto, foram necessárias as seguintes tarefas: i) estudos sobre workflow, seus tipos e suas ferramentas (motores de workflow); ii) análise, mapeamento e modelagem do processo legislativo do Estado do Rio Grande do Sul; iii) programação das regras de negócios do workflow; e iv) testes/validações desta ferramenta. Este artigo continua como segue: a seção 2 apresenta um referencial teórico sobre workflow, suas técnicas, tipos, e formas de funcionamento; a terceira seção descreve o processo legislativo estadual para o qual a ferramenta foi desenvolvida; a seção 4 descreve a ferramenta desenvolvida, com sua modelagem e implementação; a quinta seção apresenta os testes e validações realizados na ferramenta; e a sexta e última seção apresenta as conclusões e possíveis trabalhos futuros. 2. Referencial Teórico Um sistema de workflow pode ser definido como a automação de um processo de negócio, total ou parcialmente, durante o qual, informações e tarefas são passadas entre os participantes do processo. Entenda-se por processo como sendo um conjunto de atividades e seus relacionamentos, critérios para indicar o início e o término do processo e informações sobre cada atividade, tais como participantes, dados e aplicativos associados. Os processos também podem ser decompostos em subprocessos. [WfMC 1999]. A Figura 1 apresenta esquema dos caminhos e relacionamentos existentes nos conceitos de workflow. Este esquema foi proposto pela Workflow Management Coalition WfMC. Figura 1: Esquema de conceitos de workflow (WfMC 1999). 2

3 Atividade é a descrição de um fragmento de trabalho que contribui para o cumprimento de um processo [WfMC 1996]. Atividade é a menor unidade de trabalho que é manipulada por uma máquina de Workflow (Workflow engine) durante a execução de um processo. Uma atividade de workflow exige recursos humanos e/ou computacionais para ser executada; onde recursos humanos forem necessários, a atividade será alocada para um participante de workflow, também chamado de ator, agente ou usuário, segundo definição de Casati (1995). Do ponto de vista do participante (ator) do Workflow, o trabalho é representado por uma coleção de itens de trabalho. O item de trabalho é o resultado da instanciação de uma atividade. Em geral o item de trabalho é composto pela descrição textual da atividade, podendo ainda possuir documentos, formulários e aplicações anexadas, se assim a atividade o exigir. Um sistema de workflow ao iniciar um processo, em resposta a um evento externo, cria uma instância de processo. Cada instância de processo corresponde a instâncias de atividades. O sistema que permite a definição, o gerenciamento e a execução de workflows é denominado Workflow Management System WFMS. Um WFMS é capaz de interpretar a definição do processo, de interagir com os participantes do workflow e, quando necessário, de invocar ferramentas e aplicativos de sistemas de informação [WfMC 1995]. O WFMS possui, assim, a responsabilidade de controlar o andamento do processo definido, seguindo rigorosamente a ordem determinada pelas dependências entre as atividades, e fazendo sobre ele toda série de controles e consistências especificados [Barthelmess 1996]. Os itens de trabalho a serem executados pelo participante são apresentados a ele, através de uma interface, em uma lista de trabalho, individualizada por participante. Esta lista é obtida a partir de consultas ao WFMS, realizadas por um módulo de software denominado gerenciador de lista de trabalho. Este módulo é também responsável pela manipulação e atualização desta lista. Uma máquina de workflow (Workflow Engine) é um serviço de software que oferece um ambiente de execução para instâncias de processos. Um ou mais engines formam um domínio com ambiente homogêneo de execução. O engine de Workflow tem como principais funções: interpretar a definição de um processo; controlar as instâncias dos processos; navegar entre as atividades de um processo; efetuar o login/logout dos usuários; identificar os itens de trabalho; manter os dados de controle e repassar os mesmos para os sistemas e usuários; intermediar chamadas a aplicações externas; realizar ações de supervisão, para auditoria e administração do Workflow. [WfMC 1999]. Os sistemas de workflow possuem em comum um conjunto de funcionalidades. As principais, segundo Khosafian and Buckiewicz (1995) e Silver (1995), são: Priorização do Trabalho, Acompanhamento do Trabalho, Roteamento do Trabalho, Invocação Automática de Aplicativos, Distribuição Dinâmica do Trabalho e Monitoramento do Trabalho. Segundo a BPMI (2009), atualmente as ferramentas de workflow estão incorporadas em outro conceito, o BPM - Business Process Management. BPM pode ser definido como uma combinação de gerenciamento de fluxos de trabalho, WfMS, com tecnologia de integração de aplicativos, conhecidas como EAI (Enterprise 3

4 Application Integration), aliado a recursos para acompanhamento gerencial dos processos incorporando aplicações de BI - Business Intelligent. Isto tudo para apoiar a interação humana e possibilitar uma ampla integração entre sistemas e o acompanhamento dos processos de negócio. O BPMI - Business Process Management Initiative, formado por um grupo de empresas, visa à padronização da notação de modelagem de processos. Existem, entre os padrões já definidos, os seguintes: BPMN - Business Process Modeling Notation: linguagens específicas para reaproveitamento na fase de desenvolvimento de software; BPML - Business Process Modeling Language, linguagem para desenvolvimento de processos, baseada em XML; BPMA - Business Process Modeling and Analysis: contendo as técnicas de análise de processos. 3. Processo Legislativo Estadual Conforme Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (2009), o Processo Legislativo é o conjunto de atos realizados pela Assembleia, visando a elaboração das leis de forma democrática, ordenados conforme as regras definidas em acordo pelas partes, expressas na Constituição e no Regimento Interno. O Processo Legislativo é a atividade que garante a publicidade das decisões e dos processos de construção de acordos políticos, que ocorrem na Assembleia. Reúne as regras definidas em acordo pelas partes e expressas na Constituição e no Regimento Interno. Segundo Rio Grande do Sul (2008), o procedimento legislativo para a tramitação de proposições em geral é o seguinte: Recebimento, Pauta, Exame pelas Comissões Técnicas, Apreciação pelo Plenário, Sanção, Promulgação e Publicação das Leis. A Figura 2 identifica o fluxo de uma proposição dentro da Assembleia Legislativa Estadual. Todos esses procedimentos de proposições na Assembleia Legislativa Estadual são realizados de forma não interligada, as diferentes etapas podem ocorrer concomitantemente sem que haja acompanhamento por parte de todos os envolvidos no processo. Para que possíveis falhas e interferências nesse fluxo (Figura 2) sejam minimizadas sugere-se a sistematização desse processo. 4

5 Figura 2: Fluxo de uma proposição. 4. Ferramenta Desenvolvida Por ser um fluxo de trabalho padrão, regulado pela Constituição Federal e pela Constituição Estadual juntamente com o Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, foi possível automatizar o processo legislativo através de uma ferramenta de workflow. 4.1 Modelagem da Ferramenta O diagrama de atividades apresentado na Figura 3 define o processo de negócio do sistema, identificando de forma gráfica quais atividades devem ser executadas e quem irá executá-las (pessoas e sistemas). 5

6 Figura 3: Diagrama de Atividades do Processo Legislativo. O processo legislativo definido no diagrama de atividades (Figura 3) pode ser descrito como segue: Inicialmente o deputado inclui uma minuta de proposição, que é protocolada pelo Departamento de Assessoramento Legislativo e encaminhada para publicação no Diário Oficial da Assembleia para dar conhecimento da matéria proposta. A comissão competente julga a proposta e expede parecer favorável ou contrário para a mesma. A proposição do deputado é encaminhada ao plenário juntamente com o parecer da comissão para ser apreciada e votada pelos parlamentares. Se a proposição for aprovada ela é encaminhada para redação final, onde é redigido o texto que será publicado no Diário Oficial da Assembleia Legislativa. Assim a proposição votada entra em vigor. O diagrama de Casos de Uso mostrado na Figura 4 caracteriza o comportamento das principais funções do sistema e identifica os processos de negócio, representados por um caso de uso de workflow. Deputado Elaborar Proposta Protocolar Proposta Verificar Assinatura Assessoramento Legislativo Gerar Redação Final Diário Oficial Publicar Matéria Workflow Encaminhar Parecer e Emendas Arquivar Proposição Votar Parecer e Emendas Encaminhar Proposta Protocolada Comissão Incluir Parecer e Emendas Plenário Encaminhar Proposição Votada Figura 4: Diagrama de Casos de Uso do Processo Legislativo. 6

7 A figura 5 ilustra o modelo E-R (Entidade-Relacionamento) do banco de dados do sistema são apresentadas as entidades envolvidas, com seus atributos, e os relacionamentos existentes entre as entidades. Figura 5: Modelo E-R do Sistema de Workflow para Processo Legislativo. 4.2 Protótipo da Ferramenta A partir da modelagem da aplicação, definiu-se o escopo do sistema em relação ao Processo Legislativo, determinando-se que o protótipo da aplicação implementa a tramitação de proposições. As regras da base de conhecimento foram definidas para o escopo escolhido e transferidas para um banco de dados. Para tanto, utilizou-se o Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Microsoft SQL Server Express Edition. Utilizou-se a linguagem de programação orientada a objetos Visual Basic.Net, que integra a plataforma.net da Microsoft, para implementar o sistema e o Visual Studio 2008 como ambiente de programação. Desenvolveram-se as rotinas de workflow utilizando o Windows Workflow Foundation (WWF), da Microsoft. O WWF é uma API que possibilitou integrar as funcionalidades do workflow implementado à aplicação que o dispara. A Figura 6 mostra a modelagem gráfica do workflow para Processo Legislativo. 7

8 Figura 6: Desenho gráfico do workflow para Processo Legislativo gerado no WWF. A seguir apresentam-se as funcionalidades desenvolvidas no Sistema de Gerenciamento de Workflow para Processos Legislativos. Devido ao grande número de atividades, são mostradas algumas telas da aplicação. A tela de logon solicita a inserção do nome de usuário (login) e senha para acesso. A Figura 7 apresenta a interface para acesso ao sistema identificando o papel do usuário que está logando na aplicação. Figura 7: Tela de Logon 8

9 Após o login bem sucedido o sistema identifica o papel do usuário que está acessando a aplicação e mostra apenas as telas que o mesmo tem permissão de acesso. A Figura 8 mostra o acesso de um usuário com o papel de Deputado. Um deputado apenas pode criar minutas de proposição. Figura 8: Tela de Inclusão de Minuta Depois de incluída a minuta de deputado, a proposta fica na lista de minutas a serem protocoladas pelo departamento de assessoramento legislativo (DAL), que decide se deve ou não dar continuidade ao projeto do deputado; a partir de seu protocolo a minuta ganha um novo número e se torna uma proposição de lei. Caso seja rejeitada, a instância de workflow é encerrada e a proposta não vai a diante. A proposição aceita e protocolada é encaminhada ao setor de comissões para receber um parecer, favorável ou contrário, dependendo da interpretação do relator da comissão. Independente do parecer, a proposta é publicada em ordem do dia, e está apta a entrar em plenário para ser votada. O DAL recebe as matérias publicadas em ordem do dia e decide em qual Ordem do Dia da Sessão (Plenário) esta proposição será votada. Depois de sua votação, caso seja rejeitada pela maioria do plenário, a proposta de lei é arquivada e o workflow encerrado. Se for aprovada, a proposição é encaminhada para sanção, se for sancionada a proposta aguarda promulgação e após é publicada, o que encerra a instância de workflow e todo o fluxo de trabalho de um processo legislativo para projeto de lei. Se não for sancionada, encerra-se o workflow e a lei não entra em vigor. Optou-se por não implementar a atividade Arquivar Lei por ser uma ação que é executada somente a cada final de legislatura, ou seja, de quatro em quatro anos, pois com isso a instância ficaria em execução até o final do mandado, e não permitiria um controle eficaz das minutas que viraram lei. 9

10 Outro papel previsto pela aplicação é o de gerenciador de workflow, que possui uma visão de todas as instâncias iniciadas pelo sistema, estando elas em execução ou concluídas. A Figura 9 apresenta a interface de gerenciador, com a relação de instâncias de workflow que estão armazenadas no sistema. Figura 9: Tela de Lista de Instâncias de Workflow O gerenciador, ao acessar uma instância de workflow abre-se nova janela com informações detalhadas. Na aba Geral tem-se a data de inicialização, onde se iniciou a instância do processo legislativo; a descrição da proposta de lei e o número da proposta que iniciou a instância do processo, conforme mostra a Figura 10. Na aba Histórico (Figura 11) são listadas as atividades realizadas por esta instância de workflow. Figura 10: Tela de Detalhamento da Instância de Workflow 10

11 Figura 11: Tela de Atividades da Instância de Workflow 5. Testes e Validações Durante a implementação do sistema de gerenciamento de workflow, foram realizados testes em vários módulos da aplicação, em duas fases: a primeira, durante o desenvolvimento do projeto, para verificar o funcionamento adequado dos módulos. Nesta etapa, um analista de sistemas que conhece as regras de negócio da Assembleia Legislativa, acompanhou todo o desenvolvimento do projeto validando suas etapas. A segunda fase consistiu em dois testes finais na aplicação para validação do workflow. O primeiro foi feito pelo o analista de sistemas que presta serviços para a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, como mencionado acima, conhecendo as etapas deste fluxo de trabalho. Conforme sua avaliação o workflow implementado mostrou-se condizente com o processo legislativo. O sistema de workflow segundo sua análise foi eficaz na execução das atividades realizadas conforme simulação feita. O segundo teste foi realizado por um funcionário do setor administrativo que exerce cargo de coordenadora do Departamento de Assessoramento Legislativo da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, também validando o sistema de workflow e determinando sua equivalência com o processo legislativo para projetos de lei realizados pelo referido Órgão Estadual. 6. Conclusões e Trabalhos Futuros Este artigo apresentou uma ferramenta para gerenciamento de workflow para processo legislativo. A partir dos estudos apresentados determinaram-se os métodos e técnicas de automação de processos utilizados para a construção e implementação do Sistema de 11

12 Gerenciamento de Workflow para Processos Legislativos, proporcionando uma compreensão geral do processo legislativo, demonstrando eficácia no mapeamento de suas atividades e relacionamentos, conforme os testes e validações mostraram. O Windows Workflow Foundation utilizado no ambiente de desenvolvimento Visual Studio.NET e integrado ao sistema de gerenciamento de banco de dados SQL Server Express, permitiu o desenvolvimento do sistema, determinando o fluxo de trabalho, onde os usuários puderam interagir com o esse fluxo. Dentre as dificuldades encontradas, a principal delas foi mapear o processo legislativo da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, pois trata-se de um fluxo de trabalho complexo e que envolve distintas etapas e recursos. Esta ferramenta foi validada por um analista de sistemas que analisou a utilização do Windows Workflow Foundation e sua integração com a aplicação desenvolvida em.net. Durante a implementação acompanhou o desenvolvimento do sistema e sugeriu ajustes que foram acrescentados à solução. Após realizar testes o analista considerou o software aplicável ao cliente Assembleia Legislativa, por estar condizente com a realidade de trabalho da mesma. Além disso, um funcionário da Assembleia Legislativa do RS, que trabalha no setor administrativo da mesma, realizou testes na aplicação, conforme seus conhecimentos administrativos dos trâmites da Assembleia, sugerindo ajustes pertinentes aos processos de aplicação da ferramenta, adequando-se ao trabalho realizado na Casa Legislativa. Estas sugestões foram implementadas posteriormente exigindo uma nova fase de testes demonstrando, em conformidade com a primeira validação, que o workflow apresentou compatibilidade com as normas administrativas da Assembleia. Como trabalhos futuros, propõe-se fazer uma análise do tempo de execução de uma instância de workflow do processo legislativo, mostrando o real ganho com a utilização deste sistema em comparação com o fluxo de trabalho empregado atualmente na Assembleia. Além disso, sugere-se a utilização de técnicas de ECM (Enterprise Content Management) para armazenamento, controle e pesquisa dos documentos gerados pela aplicação durante o processo. References Assembleia do Estado do Rio Grande do Sul (2008) Regimento Interno : Resolução nº 2.288, de 18 jan e alterações até dez. 2008, Diário Oficial da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, December. Assembleia do Estado de São Paulo (2009) Processo Legislativo, May. Brasil. Constituição. (2008) Constituição da República Federativa do Brasil : Texto constitucional de 5 de outubro de 1988 com as alterações adotadas pela Emenda Constitucional de nº 57 de 18 dez Diário Oficial da União, Brasília, December. Barthelmess, P. (1996) Sistemas de Workflow: Análise da Área e Proposta de Modelo, Dissertação de Mestrado, Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo. 12

13 Business Process Management Initiative. (2009), April. Casati, F., Ceri, S., Pernici, B. and Pozzi, G. (1995) Conceptual Modeling of Workflows : Proceedings of OO-ER Conference, Gold Coast, Australia. Khosafian, S. and Buckiewicz, M. (1995) Workflow: Computer-Supported Collaborative Work-Processing, In: Introduction to Groupware, Workflow and Workgroup Computing, Edited by John Wiley & Sons, New York. Chap.5, p Rio Grande do Sul (2008) Constituição do Estado do Rio Grande do Sul : Texto constitucional de 3 de outubro de 1989 com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais de nº 1, de 1991, a 57, de 2008, Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Sul, May. Silver, B. (1995) Automating the Business Environment In: New Tools for New Times: The Workflow Paradigm. Lighthouse Point: Future Strategies, p Workflow Management Coalition (1996) The Workflow Reference Model, Bruxelas, June. Workflow Management Coalition (1996) Terminology & Glossary, Bruxelas, June. Workflow Management Coalition (1999) Terminology & Glossary, Hampshire, UK, February. 13

14 DECLARAÇÃO Declaro, para os devidos fins, que validei o workflow para processo legislativo implementado por Cristiane Ligabue Chemello, para seu Trabalho de Conclusão do Curso de Sistemas de Informação, do Centro Universitário Ritter dos Reis, e considerei o fluxo de trabalho de acordo com a tramitação de um projeto de lei padrão, nos termos das normas vigentes. Porto Alegre, 07 de dezembro de Carmen Suzana Rocha Santos Matrícula Consultora Técnica Legislativa da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul 14

15 DECLARAÇÃO Declaro, para os devidos fins, que validei o workflow para processo legislativo implementado por Cristiane Ligabue Chemello, para seu Trabalho de Conclusão do Curso de Sistemas de Informação, do Centro Universitário Ritter dos Reis, e considerei o fluxo de trabalho de acordo com a tramitação de um projeto de lei padrão, nos termos das normas vigentes. Porto Alegre, 07 de dezembro de Carmem Regina Strapasson Rohloff Matrícula Analista de Sistemas Cia. De Processamento de Dados do Estado do RS 15

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

ESTUDO SOBRE TÉCNICAS DE WORKFLOW 1

ESTUDO SOBRE TÉCNICAS DE WORKFLOW 1 1 ESTUDO SOBRE TÉCNICAS DE WORKFLOW 1 BRIEFING ABOUT WORKFLOW TECHNIQUES RESUMO Marcos K Schmidt 2 Rodrigo A. Machado 2 Giliane Bernardi 3 Walkiria Cordenonzi 3 Novas técnicas de administração baseadas

Leia mais

Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades. Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br

Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades. Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br Agenda Introdução Workflow Sistema Gerenciador de Workflow WfMC Modelo e Instância Workflows ad hoc Referências O que

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE CONFECÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DA PRODUÇÃO Espinosa, Caroline Stagi - Bacharel em Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS

AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PESSOAS, WORKFLOWS,... AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS Pode-se perceber mudanças no ambiente empresarial, no que concerne às tarefas básicas de um escritório. Algumas habilidades estão se

Leia mais

Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br)

Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) DAS5316 - Integração de Sistemas Corporativos BPEL Business Process Execution Language Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br)

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

MARATONA CBOK UNICORREIOS

MARATONA CBOK UNICORREIOS MARATONA CBOK UNICORREIOS Capítulo 10 Tecnologia de BPM Bruno Lima, CBPP Analista de sistemas/processos Agenda Porque tecnologia é importante; O que está envolvido na tecnologia de BPM? Modelagem, análise

Leia mais

21/03/2012. WorkFlow. Gestão Eletrônica de Documentos. Workflow HISTÓRICO

21/03/2012. WorkFlow. Gestão Eletrônica de Documentos. Workflow HISTÓRICO WorkFlow Gestão Eletrônica de Documentos Workflow HISTÓRICO 1 CSCW - Computer-supported CooperativeWork trabalho cooperativo auxiliado por computador Estudo dos conceitos que definem e desenvolvem o trabalho

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor H6Projetos Documento de Requisitos Versão 1.3 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Preenchimento do Capítulo 2 Requisitos Funcionais Evilson Montenegro 26/09/2013 1.1 Preenchimento

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO RM Agilis Manual do Usuário Ouvidoria, Correspondência Interna, Controle de Processos, Protocolo Eletrônico, Solicitação de Manutenção Interna, Solicitação de Obras em Lojas,

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR Jeferson J. S. Boesing 1 ; Manassés Ribeiro 2 1.Aluno do Curso

Leia mais

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º. O Conselho de Órgãos Municipais Integrados

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Um estudo e a utilização de padrões para integração da tecnologia de processos em ambientes de gerência de projetos na web

Um estudo e a utilização de padrões para integração da tecnologia de processos em ambientes de gerência de projetos na web Um estudo e a utilização de padrões para integração da tecnologia de processos em ambientes de gerência de projetos na web Alexandre Franco de Magalhães Mestrado em Computação Aplicada pelo Instituto Nacional

Leia mais

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO WANDER MENDONÇA DE OLIVEIRA TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO Projeto de pesquisa apresentado ao programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia EDITAL Nº05/ PROGRAD/ DIREN/2010 ANEXO II 1 Título do Projeto: Automação de Fluxo de Trabalho Administrativo 2- Nome do Orientador: Autran Macêdo 3 Unidade: FACOM 4- Curso: Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software Documento Visão e Documento Suplementar Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 1 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1.

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN

AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN Eduardo Leopoldino de Souza Prof. Cláudio Ratke, Orientador

Leia mais

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Alfresco Content Management

Alfresco Content Management Alfresco Content Management Alfresco é um sistema ECM (Enterprise Content Management) também conhecido como GED (Gestão Eletrônica de Documentos) em nosso mercado de porte corporativo para atender a empresas

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.02.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.02.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Workflow Management Systems

Workflow Management Systems Workflow Management Systems João Sequeira Tecnologias de Middleware 28 Outubro 2004 Plano de Apresentação Introdução O que são WfMS Background Histórico Definição de Sistemas de Workflow Execução de um

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras Hugo Queiroz Abonizio 1, Rodolfo Miranda de Barros 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Manual de publicação de conteúdos no Joomla - Pós-Graduação

Manual de publicação de conteúdos no Joomla - Pós-Graduação Universidade Estadual do Oeste do Paraná Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) Divisão de Desenvolvimento/Sistemas Web Manual de publicação de conteúdos no Joomla da Unioeste Como incluir conteúdo na

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Fiscalização

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Fiscalização Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Fiscalização Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK. Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP

SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK. Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP Antonio Carlos da Cunha Migliano UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP RESUMO Este

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática 9/18/2014 1 Tecnologia da Informação Visão Geral sobre Informática Trabalho compilado da internet Prof. Claudio Passos 9/18/2014 2 PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS Volume de Informação Tempo de Resposta Aumento

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011

Contact Center CPqD. Operação. Manual do Cliente. Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0 Março de 2011 Contact Center CPqD Operação Manual do Cliente Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 3.0

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque 1 / 7 SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque Código: : Data de Publicação: Cliente: Faculdade de Tecnologia SENAC-GO 2 / 7 Identificação e Histórico do Documento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica 3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Este trabalho tem o objetivo de integrar o controle de acesso no projeto de aplicações na web semântica. Uma arquitetura de software

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] [1] Aranda SQL COMPARE Versão 1.0 Aranda Software Corporation 2002-2007. Todos os direitos reservados. Qualquer documentação técnica fornecida pela Aranda software Corporation é um produto registrado da

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA Parecer.DIN 67/07 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROCESSO: ECO 07/00374850 UNIDADE GESTORA: RESPONSÁVEL: ASSUNTO: CENTRO DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CIASC HUGO

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Framework de comunicação para Webservices 2P2

Framework de comunicação para Webservices 2P2 Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Framework de comunicação para Webservices 2P2 Aluno: Brayan Vilela Alves Neves

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Ricardo Gaspar (21) 2172-8078 ricardo.gaspar@bndes.gov.br 10 de Junho de 2013 Agenda Contextualização Diretrizes de Contagem

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais