Processos de Negócios. para concursos. Questões comentadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos de Negócios. para concursos. Questões comentadas"

Transcrição

1 Processos de Negócios para concursos Questões comentadas

2 Prefácio Entende-se por processos de negócio o conjunto de atividades organizadas, através da qual uma organização é estruturada para produzir os seus produtos ou prestar seus serviços. Portanto, o entendimento dos processos de negócio se faz fundamental para a construção de soluções de tecnologia da informação que atendam aos requisitos das organizações. Para ser um bom analista de negócio, um prossional de tecnologia da informação necessita dominar o conceito de processos, conhecer as ferramentas que permitam modelá-los, além de conhecer as principais categorias de sistemas de informações gerenciais. Portanto, o Grupo Handbook de TI preparou o volume Processos de Negócio, que traz uma série de questões comentadas sobre temas como ERPs, CRMs, BSC, BPM, modelagem de processos, entre outros. Bons estudos, Grupo Handbook de TI Página 1 de 30

3 Direitos Autorais Este material é registrado no Escritório de Direitos Autorais (EDA) da Fundação Biblioteca Nacional. Todos os direitos autorais referentes a esta obra são reservados exclusivamente aos seus autores. Os autores deste material não proíbem seu compartilhamento entre amigos e colegas próximos de estudo. Contudo, a reprodução, parcial ou integral, e a disseminação deste material de forma indiscriminada através de qualquer meio, inclusive na Internet, extrapolam os limites da colaboração. Essa prática desincentiva o lançamento de novos produtos e enfraquece a comunidade concurseira Handbook de TI. A série Handbook de Questões de TI Comentadas para Concursos Além do Gabarito é uma produção independente e contamos com você para mantê-la sempre viva. Grupo Handbook de TI Página 2 de 30

4 Canais de Comunicação O Grupo Handbook de TI disponibiliza diversos canais de comunicação para os concurseiros de TI. Loja Handbook de TI Acesse a nossa loja virtual em Serviço de Atendimento Comunique-se diretamente conosco através do Twitter do Handbook de TI Acompanhe de perto promoções e lançamentos de produtos pelo nosso Twitter com/handbookdeti Página 3 de 30

5 1. Assuntos relacionados: Modelagem de Processos de Negócio, Business Process Modeling, BPM, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócio Ano: 2008 Questão: 65 O analista recebeu do gerente da concessionária uma lista de processos que ele julgava que deveriam ser modelados para ns de execução na ferramenta BPM, que a concessionária acabara de implantar. A lista é mostrada a seguir. Processo de Recursos Humanos (RH) Cadastro do Formulário de Revisão Revisar automóvel Tabular resultados das avaliações dos clientes Aprovar nanciamento de veículo O analista armou ao gerente, olhando a lista, que provavelmente apenas Revisar automóvel seria um processo, do ponto de vista da denição de processo, e justicou da seguinte forma: I Recursos Humanos é uma função; II Cadastro do Formulário de Revisão não entrega um resultado especíco para o cliente do processo, tendo características de uma transação simples que pode ser vinculada a uma atividade de um processo; III Tabular resultados das avaliações dos clientes é apenas uma atividade no processo maior de CRM (Customer Relationships Management); IV Aprovar nanciamento de veículo envolve as áreas de vendas e nanças e, como tal, deve ser substituído por dois processos que cooperem entre si. Estão corretas APENAS as armações (a). I e II. (b). I e III. (c). II e III. (d). II e IV. (e). III e IV. Solução: Esta é uma típica questão sobre modelagem de processos de negócio. Para alcançar a resposta, vamos primero fazer uma breve introdução sobre o conceito de processo de negócio. Pode-se dizer que, para atingir seus objetivos, uma empresa precisa executar uma série de tarefas. Em um nível bem alto de abstração, as empresas recebem entradas (matérias primas, por exemplo) e as modicam, gerando saídas (os produtos vendidos pela empresa, por exemplo). Para que as coisas se mantenham funcionando, é necessário ainda que existam uxos de controle, que envolvem a realimentação da cadeia de transformação de entradas em saídas. A execução conjunta e organizada das referidas tarefas chama-se processo. Página 4 de 30

6 Em outras palavras, os processos são qualquer atividades (ou conjunto de atividades) que (i) recebem entradas; (ii) as adicionam valor e (iii) fornecem saídas a clientes especícos. Agora, vamos avaliar as justicativas apresentadas pelo analista, para que possamos chegar a resposta da questão. (I) CORRETA Em administração, uma função empresarial agrupar pessoas envolvidas em uma atividade ou em várias atividades relacionadas com o objetivo de manter o controle e facilitar a execução destas atividades. Portanto, a interpretação do analista está correta, pois a área de Recursos Humanos é uma função, e não um processo. (II) CORRETA Conforme explicado no início da questão, um processo deve entregar uma saída especíca a algum cliente. Se o Cadastro do Formulário de Revisão não cumpre com essa exigência, não pode ser considerado um processo. (III) ERRADA A mesma interpretação realizada no item II é válida neste caso. Se Tabular resultados das avaliações dos clientes não possui as três característica básicas de um processo, é porquê trata-se de apenas mais uma atividade que compõe algum processo. No caso da empresa apresentada na questão, tal atividade compõe o processo de gerenciamento de relacionamento com clientes (CRM, do Inglês, Customer Relationships Management) (IV) ERRADA Segundo a questão, a área de vendas e a área de nanças são funções distintas dentro da organização que está sendo analisada. Embora não haja restrições formais na disciplinas de modelagem e gerenciamento de processos que impeçam duas ou mais funções de participarem do mesmo processo, dependendo da complexidade do processo, pode ser mais aconselhável que se desmembre um único processo em mais processos ou em subprocessos. Portanto, a justicativa IV pode ser considerada verdadeira. Portanto, a resposta correta é alternativa A. Página 5 de 30

7 2. Assuntos relacionados: BPM, Workow, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócio Ano: 2008 Questão: 69 A seguir são feitas as armativas sobre características gerais de aplicações BPM. I - Têm execução demorada, podendo chegar a meses, estando ociosas (ou adormecidas) na maior parte do tempo. II - Orquestram sistemas e humanos. III - Persistem seu estado em um bancos de dados. IV - Substituem com vantagens as antigas aplicações de Workow. Estão corretas as armativas (a). I e II, apenas. (b). II e IV, apenas. (c). I, II e III, apenas. (d). I, II e IV, apenas. (e). I, II, III e IV. Solução: Item I CORRETA O gerenciamento de processo de negócio concentra-se na modelagem e na orquestração do uxo de trabalho entre funções individuais em aplicações diferentes, para automatizar e dinamizar processos de negócios anteriormente independentes. O BPM focado inicialmente em processos de negócio de longa duração que podem levar horas, dias, meses ou um tempo ainda maior para sua conclusão. Além de processos de negócios que se estendem por várias aplicações e incluem interação com os usuários. O gerenciamento de processos de longa duração exige um acompanhamento do estado do processo em questão, durante toda execução. Tipicamente, as ferramentas de BPM incluem também modelagem de automação e componentes de gerenciamento. Os componentes de modelagem permitem aos analistas de negócio denir, visualizar e gerenciar processos individuais sem a necessidade de compreender os detalhes técnicos subjacentes de como o processo realmente é implementado. Item II CORRETA A estratégia de BPM independe da existência de sistemas informatizados, ou seja, dentro do contexto da empresa, os sistemas serão ferramentas utilizadas para automatizar os processos já existentes. O BPM permite a análise, denição, execução, monitoramento e administração de processos, incluindo o suporte para a interação entre pessoas e aplicações informatizadas diversas. Para documentar o funcionamento dos processos em uma empresa requer uma ação coordenada de atividades e um método de trabalho bem denido, obtido com a utilização de Página 6 de 30

8 uma metodologia que permita a descrição dos processos da organização juntamente com as regras de negócio envolvidas de forma sistemática, devendo estas regras estarem previstas em modelos de documentos sendo elas utilizadas pelos sistemas ou mesmo por funcionários da empresa que estão envolvidos na área de negócio. Item III CORRETA O BPM trata da execução física e do controle das atividades previamente denidas em um processo, que certamente geram dados e informações organizados em bancos de dados para posteriormente serem analisados e consolidados com indicadores. O BPM mira na gestão dos processos organizacionais e no seu controle efetivo, permitindo mensurar a eciência da empresa através de informações extraídas durante certo tempo das atividades em questão. Item IV CORRETA A base de trabalho do antigo Workow era a automação do uxo de trabalho. O BPM deve permitir que os usuários recebam suas tarefas em caixas de entrada semelhantes as do correio eletrônico, e possam recebê-las com as instruções correspondentes e os links para os documentos que necessitam consultar para a execução dessas tarefas. Os padrões de notação desenvolvidos pela Business Process Management Initiative tendem a ser adotados por todas as ferramentas de BPM, facilitando muito a vida dos usuários. Os aplicativos de Workow usavam a sua própria notação gráca. Processos envolvem tarefas humanas e operações automatizadas. Os antigos Workows não incluíam as operações executadas por sistemas aplicativos fora deles. Houve uma evolução signicativa nas tecnologias de integração de sistemas (middleware, servidores de aplicações, e tudo o que se compreende hoje no conceito de EAI - Enterprise Application Integration). De certa forma, o BPM adiciona aos antigos Workows a tecnologia de EAI. Com isso, o BPM substitui o Workow com um sistema integrado mais robusto agregando as características operacionais do Workow junta com a gestão do uxo de trabalho. Portanto, a resposta correta é a alternativa E. Página 7 de 30

9 3. Assuntos relacionados: BPM, BPMN, BPSS, Erlang, Pi-Calculus, Lambda-Calculus, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócio Ano: 2008 Questão: 70 A linguagem formal para denir processos concorrentes que se comunicam, incluindo, mas não restrita a, processos de negócio, e que pode fornecer uma base formal às características de controle de uxo, comunicação baseada em mensagens e mobilidade do BPM é o (a). Pi-Calculus. (b). Lambda-Calculus. (c). Erlang. (d). BPMN. (e). BPSS. Solução: O conceito de BPM (Business Process Management - Gerenciamento de Processos de Negócio) surgiu no nal dos anos 80 nos Estados Unidos, mas somente em 2003 começou a ser utilizado em grande escala por organizações interessadas em novas ferramentas para a implementação e controle de suas estratégias. O aparecimento do BPM aconteceu a partir da onda de implementação dos sistemas integrados de gestão (ERPs) nas grandes empresas privadas. Os ERPs contêm uma innidade de regras, cuja alteração é custosa e demorada, requerendo pessoal especializado de TI. Já os BPMs extraem dos ERPs a administração dessas regras e possibilitam aos analistas de processo fazer alterações sem alterar a programação. Podemos ver o BPM como uma abordagem estruturada que emprega métodos, políticas, métricas, práticas de gestão e ferramentas de software para gerenciar e otimizar continuamente as atividades e processos de uma organização. Várias pesquisas de Mercado têm apontado o BPM como sendo de interesse de empresas, em geral como forma de resolver ou contribuir de maneira acentuada na solução de uma série de problemas organizacionais. Você saberia dizer o que estas empresas buscam ao adotar o BPM? A seguir, alguns objetivos: reduzir a distância entre as necessidades dos processos de negócio e os projetos de TI; obter conhecimento e controle da operação (execução dos processos), a m de tornálo explícito, correlacionando-os com as demais Gestões Organizacionais (ex. riscos, qualidade, controladoria); estabelecer procedimento padrão para documentação de processos integrados aos sistemas que os suportam; garantir ferramentas comuns para documentação de processos, geração dos blue-prints, gestão e acompanhamento dos projetos de processos; garantir a reusabilidade da documentação e a transferência de conhecimento entre os colaboradores da empresa; Página 8 de 30

10 ampliar o conhecimento dos usuários sobre os processos de negócio, bem como favorecer, criar condições, para melhoria contínua dos mesmos. Como de costume, abordaremos cada alternativa. (A) CORRETA Devido ao crescente uso de sistemas de computação paralela e distribuída, há muitos esforços envolvidos em tentar modelar e formalizar processos concorrentes e interativos. Podemos citar como algumas destas abordagens (pertencentes à família do Process Calculi) a linguagem formal CSP (Communicating Sequential Processes) como descritora de padrões de interação em concorrência, ACP (Algebra of Communicating Processes) como uma estratégia algébrica para o entendimento de sistemas concorrentes, e CCS (Calculus of Communicating Systems) como uma modelagem indivisível de comunicação entre exatamente dois participantes. O mesmo autor dessa última abordagem descreveu um formalismo matemático chamado Pi- Calculus, capaz de modelar problemas de entidades paralelas ou distribuídas. Pi-Calculus é uma álgebra avançada de processos (que podem ou não ser processos de negócio) que possui mecanismos formais para criação e ativação de processos que se comunicam através da troca de mensagens em canais, usando o modelo de Rendez-vous síncrono. Além disso, cada processo tem o seu próprio controle de uxo (sequencial, condicional, recursivo, paralelo). Uma terceira característica que o Pi-Calculus fornece é a mobilidade (endereçamento dinâmico). Apesar da sua complexidade, a literatura popular sobre BPM arma, enfaticamente, que esta linguagem está na base de outras linguagens como o BPML (Business Process Modeling Language) e o BPEL(Business Process Execution Language). Considere, por exemplo, uma Máquina Virtual Pi-Calculus (MVP) que recebe o programa Pi-Calculus e produz todas as reações possíveis, ou seja, gera todos os caminhos de execução que o programa pode seguir. A partir desse resultado, efetua-se a vericação de propriedades como: atendimento às especicações de mais alto nível, ordenação de eventos e ocorrência ou não de deadlocks. Em termos práticos, uma ferramenta desse tipo pode ser incorporada aos Sistemas de Gerência de Processos de Negócios (Business Process Management Systems - BPMS) para ampliar a cobertura de testes durante as fases de análise e implementação de um processo dentro do seu ciclo de vida. (B) ERRADA É um modelo formal de computação equivalente às Máquinas de Turing, Post, Markov, etc.. Trata-se de uma linguagem denotacional, a qual possui um sistema dedutivo de igualdades e equivalências. Por ser completa e por não existirem funções que não possam ser representadas, o Lambda-Calculus pode ser considerado como a ferramenta mais adequada para escrever programas usando o paradigma funcional. Uma das características desta linguagem é a simplicidade sintática e a facilidade em escrever problemas recursivos. Lambda-Calculus pode ser considerada a primeira linguagem de programação funcional, embora nunca tenha sido projetada para ser realmente executada em um computador (é a base das linguagens funcionais tais como Lisp e Haskell). (C) ERRADA Página 9 de 30

11 Erlang (homenagem a Agner Krarup Erlang) é uma linguagem de programação de uso geral desenvolvida pela Ericsson para suportar aplicações distribuídas e tolerantes a falhas a serem executadas em um ambiente de tempo real e ininterrupto. Além disso, ela suporta, nativamente, hot swapping (código pode ser modicado sem a parada do sistema). Enquanto as threads são consideradas complicadas e sujeitas a erros na maioria das linguagens, Erlang fornece recursos para a criação e gerenciamento de processos com o objetivo de simplicar a programação concorrente. A comunicação entre processos é feita por troca de mensagens ao invés de variáveis compartilhadas, o que remove a necessidade mecanismos explícitos de exclusão mútua. (D) ERRADA O padrão de representação BPMN (Business Process Modeling Notation) foi desenvolvido inicialmente em 2004 pela BPMI (Business Process Management Initiative), uma organização independente voltada ao desenvolvimento de especicações abertas para o gerenciamento de processos de negócio. A especicação BPMN tem como principal objetivo disponibilizar uma notação universal compreensível para os usuários e analistas do negócio, bem como para os técnicos que irão implementar e monitorar a tecnologia que irá suportar os processos. A BPMN cria uma ponte de padronização entre a modelagem do processo de negócio e sua implementação. A BPMN fornece uma notação necessária para expressar os processos de negócio em um único diagrama de processo de negócio BPD (Business Process Diagram). Fornece uma notação que é compreensível por todos os utilizadores, analistas e técnicos do negócio, além de garantir que linguagens projetadas para a execução de processos de negócio, tais como a BPEL4WS (Business Process Execution Language for Web Services) e a BPML (Business Process Modeling Language) sejam visualmente expressadas com uma notação comum. Um dos objetivos da BPMN é criar um mecanismo simples para o desenvolvimento dos modelos processos de negócio, e ao mesmo tempo poder garantir a complexidade inerente aos processos. Essa notação foi projetada para cobrir diferentes tipos de modelagens. Podemos dizer que BPMN é uma notação de modelagem visual bem elaborada e que proporciona um bom suporte para aspectos comportamentais do projeto do uxo de trabalho. Está direcionada a todos os usuários do negócio e procura diminuir a distância entre o projeto e a implementação dos processos de negócio. Podemos citar, também, três razões para que a notação BPMN se estabeleça como um padrão para a modelagem de processos. A primeira consiste no seu principal objetivo que é de ser uma representação de fácil entendimento para todos os envolvidos com processos. A segunda é que a BPMN possui uma série de recursos que permitem modelar processos extremamente complexos. E a terceira razão é que ela possui uma sólida fundamentação matemática, tendo sido construída dentro dos conceitos do Pi-Calculus (como comentamos na alternativa A). (E) ERRADA BPSS (Business Process Specication Schema Esquema de Especicação do Processo de Negócio) é um conjunto de vocabulários XML, indicando os elementos e atributos que Página 10 de 30

12 podem ser utilizados para descrever um processo de negócio no padrão ebxml (Electronic Business Extensible Markup Language). Trata-se de uma linguagem simples que apenas descreve processos públicos. A orquestração das transações é denida através de uxos de trabalho baseados na semântica dos diagramas de atividades do UML. Página 11 de 30

13 4. Assuntos relacionados: Métrica de Performance de Processo, Índice de Performance de Processo, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócio Ano: 2008 Questão: 68 As informações a seguir são comuns às questões de nos 65 a 68. Um analista foi contratado para trabalhar em uma concessionária de automóveis que possui uma ocina. A ocina da concessionária possui três seções independentes: Mecânica, Elétrica e Lanternagem (Funilaria). Além de efetuar consertos em geral, a ocina também faz as revisões previstas nas garantias dos automóveis do fabricante que a concessionária representa. Para que um automóvel passe pela revisão, o cliente deve levar o mesmo à concessionária e preencher um formulário solicitando a revisão. Os dados do formulário serão vericados para determinar se o cliente tem direito à revisão ou não. O cliente não terá direito se já tiver feito uma revisão antes ou se a quilometragem do automóvel exceder determinado valor, que varia por modelo. Tendo direito, o cliente é instruído a estacionar o carro no pátio da ocina e deixar a chave e os documentos do carro com o atendente. Um prazo de dois dias úteis é dado para que o cliente retorne para buscar o automóvel. As revisões são feitas sempre na ordem Mecânica, Elétrica e Lanternagem, ainda que pudessem ser executadas em qualquer ordem, pois não há dependência entre serviços de seções diferentes. A revisão consiste em vericar uma série de itens do automóvel, alguns dos quais são obrigatoriamente substituídos enquanto outros são substituídos apenas se apresentarem desgaste. Ao retornar para buscar o automóvel, o cliente é convidado a preencher um questionário avaliando diversos aspectos do serviço. O gerente solicitou que fossem colhidas algumas métricas de performance do processo. Dentre as métricas selecionadas, qual NÃO constitui um índice de performance aplicável neste contexto, já que sua otimização poderia afetar a qualidade do processo? (a). Quantidade de revisões por dia. (b). Percentual de automóveis que retornam por falha de revisão. (c). Quantidade de peças substituídas por revisão. (d). Tempo por revisão. (e). Tempo por atividade. Solução: Aperfeiçoar um processo é medir seus atributos especícos, desenvolver um conjunto de métricas relevantes, baseadas nesses atributos, e depois utilizar essas métricas para fornecer indicadores que orientarão uma estratégia de aperfeiçoamento. Um processo possui três pilares que inuenciam profundamente a qualidade de software Página 12 de 30

14 e o desempenho de uma organização: tecnologia, produto e pessoal. A capacidade e a motivação do pessoal foi evidenciada como sendo o fator individual que mais inuencia a qualidade e o desempenho. A complexidade do produto e a tecnologia utilizada também podem inuenciar estes dois aspectos. As métricas de processo de software podem fornecer signicativos benefícios, à medida que a organização trabalha para aperfeiçoar seu nível geral de maturidade de processo. Entretanto, se mal-utilizadas, essa métricas podem criar mais problemas do que resolvê-los. Contextualizando com as informações apresentadas na questão, tem-se que a Quantidade de revisões por dia é uma informação importante para a tomada de decisões no sentido de orientar a readequação do espaço das ocinas, por exemplo. No mesmo viés, os itens Tempo por revisão e Tempo por atividade podem indicar a necessidade de realocação de mão-de-obra para a realização das diversas atividades que compõem uma revisão. O Percentual de automóveis que retornam por falha de revisão, sem dúvidas, é uma informação importantíssima para a medida de qualidade/desempenho do processo de revisão da organização, haja vista sua indicação direta ecácia do processo. A métrica Quantidade de peças substituídas por revisão é um item de avaliação perigoso, já que sua otimização consistiria na diminuição de peças substituídas, iniciativa que pode gerar efeitos colaterais indesejados, na medida em que uma diminuição indiscriminada de substituições poderia levar a queda na qualidade do serviço fornecido ao cliente em prol de uma 'melhoria' de um índice. Esta opção está apresentada na letra C, resposta para questão. Página 13 de 30

15 5. Assuntos relacionados: ERP, Banca: Cesgranrio Instituição: BR distribuidora Cargo: Analista de Sistemas - Desenvolvimento Ano: 2008 Questão: 64 Os módulos de Contas a Pagar, Contas a Receber, Faturamento e Contabilidade compõem, tipicamente, tipo de sistema (a). CRM analítico (b). Data Warehouse (DW) (c). ERP (d). ECM (e). BSC Solução: Os sistemas de ERP - Enterprise Resource Planning - visam à integração entre todos os setores produtivos da empresa, conectando-os através de processos bem denidos, onde cada um tem suas responsabilidades bem delimitadas e o negócio é visto todo sob a perspectiva dos processos que o regem. Para atingir esse objetivo, sistemas de ERP conectam, geralmente em uma solução única, vários módulos aplicativos das diversas áreas da empresa. Assim, um típico sistema ERP integra os módulos de contas a pagar, contas a receber e vários outros. Como seu enfoque são os processos, o sistema também deve prever módulos de RH para administração de pessoal, módulos de controle de estoque e, na losoa mais recente, módulos voltados à modelagem dos processos da empresa e integração automática desses esses módulos de acordo com os uxos dos processos mapeados. Os grandes desenvolvedores de soluções ERP no mercado atual são a SAP e a Oracle. Há diversas outras empresas que também fornecem soluções interessantes, além de opções em software livre. De acordo com a explicação, a resposta correta à questão é a letra (C). Entretanto, para entendermos ao menos a ideia básica dos demais itens elencados nas outras opções, vejamos de forma rápida suas denições: CRM analítico: ferramentas de CRM - Customer Relationship Management - dirigemse ao trato das informações no relacionamento das empresas com seus clientes. Há dois tipos básicos de CRM: o operacional e o analítico. O CRM operacional é voltado para o registro de toda interação entre cliente e empresa. O CRM analítico pode ser encarado como um subconjunto de ferramentas de BI (Business Intelligence) voltadas para a análise dos dados coletados pelo CRM Operacional. De acordo com o documento CRM Operacional, disponível no site A parte incluída no CRM Analítico visa aqui aferir métricas operacionais, geralmente ligadas a custo e performance, que nada mais são do que análise de cubos para vericar, por exemplo, hits na webstore por campanha, vendas por hits, percentual de acerto por chamado ativo, custo/ticket médio por chamado, etc. Data Warehouse (DW): o mote dos sistemas de DW é a consolidação de dados operacionais, geralmente extraídos de sistemas OLTP (On Line Transaction Processing - sistemas de processamento online de informações) corporativos, gerando dados Página 14 de 30

16 analíticos que servirão de base em decisões estratégicas de negócio. Nesses sistemas, os dados são trabalhados de forma a expressar a informação necessária ao corpo diretor da empresa, agregando informação de diferentes sistemas da empresa. A manipulação desses dados dá origem aos cubos, que são elementos que permitem enxergar os dados a partir de diversas perspectivas atinentes ao negócio. A subtração de dados de uma área especíca é conhecida como Data Mart. Os Data Marts dão direções sobre um departamento ou um produto da empresa. Em última análise, podemos considerar que a união de todos os Data Marts de uma empresa gera seu Data Warehouse. ECM: Enterprise Content Management é o nome dado aos sistemas que têm por vocação armazenar, em formato digital, os documentos - tanto os digitalizados de papel quanto os naturalmente eletrônicos - de uma empresa e permitir o acesso a eles de forma rápida e precisa. Estes sistemas armazenam, além dos documentos em si, os dados mais relevantes destes, de forma a tornar a pesquisa de documentos algo simples e de fácil acesso a todos que deles precisem. BSC: Balanced Scorecard é uma metodologia disponível e aceita no mercado desenvolvida pelos professores da Harvard Business School, Robert Kaplan e David Norton, em Os passos dessa metodologia incluem: denição da estratégia empresarial, gerência do negócio, gerência de serviços e gestão da qualidade; passos estes implementados através de indicadores de desempenho. A ideia é, utilizando informações dos diversos sistemas OLTP da empresa, gerar indicadores voltados não apenas aos aspectos nanceiros, mas ao negócio da empresa como um todo: clientes, processos internos, nanceiro e aprendizado e crescimento, conforme ilustra a Figura 1. Figura 1: visão estratégica do BSC. Página 15 de 30

17 6. Assuntos relacionados: Balanced Scorecard, BSC, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Pleno - Processos Ano: 2006 Questão: 40 Sobre o Balanced Scorecard são feitas as armativas abaixo. I - Traduz a missão e estratégia da empresa em objetivos e medidas organizados segundo quatro perspectivas: Financeira, Clientes, Compras e Produção. II - Utiliza indicadores para informar aos membros da organização os vetores do sucesso atual e futuro, sendo uma forma de traduzir a estratégia em termos operacionais. III - Baseia-se na premissa de que a monitoração da performance organizacional é possível graças ao estabelecimento de indicadores de desempenho, mensuráveis e estruturados, relacionando-os aos seus objetivos. IV - Uma organização pode ser entendida como um conjunto de processos relacionados, cada um com suas atividades que podem ser desmembradas em tarefas e assim sucessivamente, sendo que o BSC deve contemplar apenas o nível gerencial. Estão corretas apenas as armativas: (a). I e III, apenas. (b). II e III, apenas. (c). I, II e IV, apenas. (d). II, III e IV, apenas. (e). I, II, III e IV. Solução: Balanced Scorecard (BSC - Indicadores Balanceados de Desempenho) é uma metodologia voltada à gestão estratégica de empresas. É uma abordagem que permite a operacionalização da estratégia de empresa, facilitando a comunicação e a compreensão dos objetivos estratégicos aos vários níveis organizacionais. Através do Balanced Scorecard, a direção da empresa dispõe de uma visão integrada do negócio e de um processo contínuo de monitoramento do seu desempenho. O principal objetivo do BSC é o alinhamento do planejamento estratégico com as ações operacionais da empresa. Esse objetivo é alcançado com as seguintes ações: esclarecer e traduzir a visão e a estratégia da empresa; comunicar e associar objetivos e medidas estratégicas; planejar, estabelecer metas e alinhar iniciativas estratégicas; melhorar o feedback e o aprendizado estratégico. Um BSC deve possuir os seguintes componentes: Página 16 de 30

18 Objetivos estratégicos: implica a tradução da visão de futuro em objetivos organizados em relação de causa e efeito, de forma clara (mapa estratégico ou mapa da estratégia). O mapa da estratégia auxilia a fazer com que todos os indivíduos na organização entendam a estratégia e como transformar ativos intangíveis em resultados tangíveis; Indicadores chaves de desempenho: como será medido e acompanhado o sucesso de cada objetivo. Um bom BSC deve ser uma combinação adequada de resultados (indicadores de ocorrências) com impulsionadores de desempenho (indicadores de tendências) ajustados à estratégia; Metas de longo prazo: trata-se do nível de desempenho esperado ou a taxa de melhoria necessária para cada indicador. As metas estratégicas deverão ser quebradas ao longo do tempo, permitindo uma evolução do desempenho relacionado ao objetivo estratégico; Plano de ações e projetos estratégicos: associadas ao desao colocado pelas metas de longo prazo, planos de ação e projetos deverão ser estabelecidos a m de viabilizar seu alcance. Trata-se de ações de intervenção para fazer com que as metas sejam alcançadas. E, a implantação de um BSC em uma organização consiste em 4 processos: Arquitetura do programa de medição: o grande objetivo desta etapa é promover uma compreensão e uma análise crítica dos direcionadores de negócio e da visão de futuro. Um segundo objetivo é resgatar as diretrizes estratégicas, analisando sua coerência com os direcionadores de negócio e visão de futuro; Denição dos objetivos estratégicos: as atividades desta etapa implicam alocar os objetivos estratégicos nas quatro dimensões do BSC, correlacionando-as entre si. Nesse processo poderão ou não surgir lacunas no inter-relacionamento, que deverão ser eliminadas ou preenchidas a partir de novas discussões e análises do planejamento estratégico da organização; Escolha dos indicadores estratégicos: o objetivo essencial da seleção de indicadores especícos para o BSC é a identicação dos indicadores que melhor comuniquem o signicado da estratégia; Elaboração do plano de implementação: uma vez denidos os indicadores associados aos diferentes objetivos estratégicos, denam-se metas, planos de ação e responsáveis, a m de direcionar a implementação da estratégia. Um BSC integra-se com facilidade a outras metodologias como CobiT e ITIL. Após esta breve introdução, analisamos as armativas da questão: I - O Balanced Scorecard é uma ferramenta (metodologia) que materializa a visão (onde a empresa pretende chegar) e a estratégia (como chegar) da empresa por meio de um mapa coerente com objetivos e medidas de desempenho, organizados segundo quatro perspectivas diferentes: nanceira, do cliente, dos processos internos e do aprendizado e crescimento (vide Figura 2). Essas perspectivas são interligadas em uma relação de causa e efeito e cada uma delas possuem os seus próprios objetivos, indicadores, metas e iniciativas para operacionalizar a estratégia e avaliar o desempenho. A perspectiva Financeira representa o ponto de vista dos gerentes, diretores e acionistas, permitindo medir e avaliar resultados que o negócio proporciona. Também indica se a empresa está obtendo êxito com as estratégias denidas, implantadas e executadas. Alguns Página 17 de 30

19 indicadores desta perspectiva: retorno sobre investimento, valor econômico agregado, lucratividade, aumento das receitas, redução de custo e objetivos alinhados com a estratégia da empresa. Figura 2: as perspectivas do BSC. A perspectiva do Cliente auxilia a empresa identicar os segmentos de clientes e mercado nos quais deseja competir. Esses segmentos representam as fontes que irão produzir o componente de receita dos objetivos nanceiros da empresa. A empresa para alcançar alto nível de satisfação de cliente dever oferecer: qualidade do produto, relacionamento com o cliente, imagem e reputação. Alguns dos indicadores desta perspectiva são: participação no mercado, retenção de clientes, aquisição de novos clientes, satisfação de clientes e rentabilidade de clientes. Os processos internos são eles que condicionam o funcionamento da empresa e estão orientados no sentido de satisfação do cliente. Para oferecer valor aos clientes é necessário que os processos internos sejam otimizados de modo a baixar os custos para tornar a empresa mais competitiva. A cadeia de valores dos processos internos é: inovação (desenvolvimento de novos produtos e processos), operação (produção, distribuição, vendas) e serviços pós-venda (assistência técnica, solicitação do cliente). Alguns indicadores utilizados na perspectiva interna: desenvolvimento do produto, serviço pós-venda, marketing e processo produtivo. A perspectiva de aprendizagem e crescimento identica as necessidades da organização para que seja possível o crescimento e desenvolvimento a longo prazo. Esta perspectiva reforça a visão de investimento para o futuro, ou seja, em áreas como os recursos humanos, sistemas e procedimentos, como condição necessária ao sucesso nanceiro a longo prazo. O aprendizado e o crescimento são aspectos-chave, pois formam a base da melhoria da qualidade e da inovação. De acordo com o explicado anteriormente, um BSC não contempla as perspectivas Com- Página 18 de 30

20 pras e Produção. Portanto, armativa errada. II - O BSC vai além de medidas de curto prazo, revelando claramente os vetores de valor (sucesso) para um desempenho nanceiro e competitivo superior e a longo prazo. Os executivos das empresas precisam reconhecer esses vetores de sucesso a longo prazo, cujos objetivos e medidas utilizadas no BSC não se limitam a um conjunto de desempenho - nanceiro e não-nanceiro, mas derivam de um processo hierárquico norteado pela missão e estratégia traduzida em objetivos e medidas tangíveis (em termos operacionais). As medidas representam o equilíbrio entre indicadores externos, voltados para acionistas e clientes, e as medidas internas dos processos críticos de negócios, inovação, aprendizado e crescimento. Há um equilíbrio entre as medidas de resultado passado e futuro. Logo, esta armativa está correta. III- Um dos componentes de BSC é indicadores chaves de desempenho, onde o sucesso de cada objetivo é medido e acompanhado. Um bom BSC deve ser uma combinação adequada de resultados (indicadores de ocorrências) com impulsionadores de desempenho (indicadores de tendências) ajustados à estratégia. Portanto, esta armativa está correta. IV- Uma organização pode ser modulada como um conjunto de processos relacionados, onde as atividades podem ser desmembradas em tarefas facilitando a denição de indicadores associados aos diferentes objetivos estratégicos, denição de metas, planos de ação e responsáveis, a m de direcionar a implementação da estratégia. É uma abordagem que permite a operacionalização da estratégia de empresa, facilitando a comunicação e a compreensão dos objetivos estratégicos aos vários níveis organizacionais e não apenas ao gerencial. Logo, esta armativa está errada. Apenas as armativas II e III estão corretas. Portanto, a alternativa correta é a (B). Página 19 de 30

21 7. Assuntos relacionados: Modelagem de Negócio, Modelagem As Is, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas - Processos de Negócio Ano: 2008 Questão: 66 O analista passou a conduzir uma modelagem as is do processo Revisar automóvel. Nesta modelagem, (a). o foco primário é identicar possíveis desperdícios e otimizações. (b). o foco primário é entender o processo existente. (c). o objetivo é automatizar as atividades manuais do processo. (d). são modeladas apenas as atividades manuais. (e). são modeladas apenas as atividades automatizadas. Solução: A modelagem de processo de negócio é um conjunto de atividades ordenadas, ou seja, é uma ordenação do trabalho, com entradas e saídas bem denidas; como atores responsáveis pela execução de tarefas, com objetivo de modelar como é executado o trabalho da organização. Para tanto existe métodos de modelagem, os quais especicam as atividades da mesma. Um método de modelagem é a maneira como deve ser feita, ou executada, uma atividade, é um passo-a-passo. Em geral, um método é o resultado apurado das melhores práticas em um domínio particular de uma dada atividade. O Método as is é uma fase basicamente de documentação do processo atual, como vistas a entender as atividades do processo e de que forma estas estão atingindo, ou não, os objetivos da organização. Modelar o diagrama do uxo de trabalho do processo, com o máximo de detalhes até que o comportamento do processo seja compreendido, e realizar uma avaliação mais aprofundada do modelo obtido. Portanto, na fase de emolduração dos processos, todo o contexto da organização foi delimitado. Assim, foi possível o entendimento do escopo dos processos no nível da organização e com isso, uma primeira ideia do valor que agregam à organização. Logo, a fase de preparação foi concluída e foi possível identicar algumas restrições e gargalos neste contexto, assim, pela observação disto, os processos nos quais foram identicadas tais restrições podem ser selecionados como alternativas de estudo, análise e melhora. Esta fase possui as seguintes atividades: Mapear o uxo de trabalho de processo corrente. Visando identicar quem faz o que. Investigar os outros objetivos da organização como, por exemplo. Utilização de algum sistema já existente na organização, políticas a seguir, metas de medições para as atividades. Mapear uma avaliação nal dos outros objetivos da organização, como suas regras, políticas, sistemas, motivações. Documentar aspectos importantes de cultura, competências e sistemas de gerência. Concluindo, o método de modelagem as is tem como foco o entendimento de todo o escopo da organização, ou seja, de todos os processos existentes na empresa, logo a alternativa B está correta. Página 20 de 30

22 8. Assuntos relacionados: Qualidade Total, Indicador de Desempenho, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Pleno - Processos Ano: 2006 Questão: 39 Com relação aos indicadores de desempenho utilizados em uma empresa, assinale a armativa INCORRETA. (a). Deve-se sempre tentar obter os indicadores dos concorrentes e colocá-los como metas a serem atingidas. (b). É necessário estabelecer padrões para avaliar os indicadores, como, por exemplo, comparar os índices obtidos com: dados históricos (dos últimos anos), dados de empresas do mesmo ramo, dados dos concorrentes e dados de especialistas no assunto (benchmarking). (c). Índices representam o padrão de medida dos indicadores, permitindo a uniformidade, o estabelecimento de metas e o acompanhamento, devendo-se, sempre que possível usar valores relativos como, por exemplo, satisfação de clientes (número de reclamações / número de clientes), produtividade. (d). Recentemente vem ganhando destaque a implantação de painéis de controle, que informam os tomadores de decisão sobre a evolução da organização e fatores críticos para o seu desempenho. (e). Uma abordagem multidimensional e hierarquizada dos indicadores prevê indicadores para o negócio, para seus processos e para as suas atividades e, quanto mais especíco for um indicador, maior será seu nível de detalhe e freqüência de cálculo. Solução: Indicador de desempenho é um conceito estreitamente relacionado à Qualidade Total, uma técnica multidisciplinar de administração. Essa técnica é muito utilizada no mundo corporativo, em especial nas grandes corporações, e é formada por diversos programas, ferramentas e métodos que são aplicados nos processos internos de produção e controle a m de se obter produtos e/ou serviços cada vez com menos custo e mais qualidade, de forma a atender os anseios dos clientes. Alguns dos programas, ferramentas e métodos mais utilizados são citados a seguir: Programas: 5S, Gerência da Rotina Diária, Gerência pelas Diretrizes, Melhoria Contínua; Ferramentas: Macrouxo, Fluxograma, 5w 2h, Diagrama de Causa e Efeito, Folha de Vericação, Diagrama de Pareto; Métodos: Shake-down, Brainstorming, Método de Análise e Solução de Problemas. Há na literatura diversas denições sobre indicador de desempenho. Duas interessantes são: Um indicador de desempenho deve ser uma forma objetiva de medir a situação real contra um padrão previamente estabelecido e consensuado. Ele só deve fazer sentido e ser utilizado pelo prossional completamente responsável por ele. (Carvalho apud De Rolt, 1998) e São aqueles que medem diretamente os desempenhos relacionados às necessidades dos clientes e dos diferentes processos da empresa. (SEBRAE, 1995). Página 21 de 30

23 A partir deste ponto, analisaremos cada alternativa desta questão. (A) INCORRETA Comparar indicadores próprios com indicadores de concorrentes nem sempre gera frutos. Há casos em que a empresa já é líder de mercado, restando a ela comparar seus indicadores atuais com os anteriores, de forma que ela possa identicar se o seu planejamento estratégico esta se concretizando com qual nível de sucesso. Como esta é a única alternativa incorreta da questão, é ela que deve ser marcada. Caro concurseiro, que alerta a enunciados e alternativas que utilizam a palavra sempre; (B) CORRETA Estabelecer padrões de avaliação é justamente um dos pré-requisitos para utilização de indicadores de desempenho. Isso porque os indicadores de forma isolada não dizem muito sobre os processo, produtos ou serviços. Eles devem ser comparados com alguma base. A escolha dessa base é muito importante e deve fazer parte do planejamento estratégico da instituição. (C) CORRETA Um índice pode ser entendido como a forma pela qual um indicador é calculado. Por exemplo, imagine que uma empresa prestadora de serviço queira estabelecer um indicador de satisfação com os serviços prestados. Como essa empresa fará para ter números concretos e correto para denir esse indicador? Por meio, justamente, de algum índice (forma de cálculo)! Dessa forma, indicadores de diferentes instituições mas que usam o mesmo índice podem ser comparados sem problema e conclusões plausíveis podem ser obtidas. (D) CORRETA Boa parte do destaque que os painéis de controle vem ganhando se deve aos ERPs (Enterprise Resource Planning), um tipo de sistema de informação bem amplo que integra dados e informações sobre processos dos mais variados níveis de uma organização. Como praticamente todas as informações relevantes estão integradas em um único sistema, a criação de painéis de controle que cruzam informações e auxiliam tomadas de decisão pelo corpo gerência da empresa ganha espaço. Enm, esta é mais um alternativa correta. (E) CORRETA Esta alternativa também está correta. Geralmente as corporações estabelecem uma abordagem multidimensional e hierarquizada de indicadores. Ou seja, criam indicadores em diferentes níveis da instituição. Inicia-se com os indicadores de desempenho em áreas-chave do negócio (clientes, mercados, produtos, processos, fornecedores, recursos humanos e sociedade), que são desdobrados em indicadores de desempenho mais especícos: os indicadores para atividades (microprocessos). Página 22 de 30

24 9. Assuntos relacionados: Modelagem de Processos, Event-Driven Process Chain (EPC), Banca: Cesgranrio Instituição: BR Distribuidora Cargo: Analista de Sistemas - Desenvolvimento Ano: 2008 Questão: 53 A notação EPC dene os objetos de modelagem de processos para representar funções, eventos e conectores, além de vários outros tipos de objetos. A esse respeito, considere os seguintes símbolos e seus signicados: Qual dos trechos de diagramas da gura 9 a seguir poderia compor um diagrama EPC de modelagem de processos? Figura 3: Diagramas EPC (a). Diagrama 1 (b). Diagrama 2 (c). Diagrama 3 (d). Diagrama 4 (e). Diagrama 5 Solução: EPC (Event-Driven Process Chain), trata-se de uma cadeia de processos dirigida por eventos como o próprio nome diz. É um método usado para modelagem de processos com grande aceitação no mundo todo e, muitas vezes, associa-se à implantação de sistemas de ERP SAP/R3. Nesse método, um processo é modelado segundo uxo de eventos e funções. Existem algumas regras de construção utilizando esta notação: Página 23 de 30

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Wikipédia Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenvolvida pelos professores da Harvard Business School (HBS) Robert Kaplan

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Este é um artigo sobre BPM que merece destaque no Portal GSTI. No trabalho abaixo, de Francisco Sobreira Neto, é elaborado um apanhado

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Definição de Processos

Definição de Processos Definição de Processos Introdução Prof Ms Vinícius Costa de Souza www.inf.unisinos.br/~vinicius viniciuscs@unisinos.br Agenda Processos Definição Componentes Documentação Características Aplicações Nomenclaturas

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009 Profª. Kelly Business Intelligence (BI) OqueéBI? É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazendo uso de acontecimentos (fatos) e sistemas baseados nos mesmos, apóia a tomada de decisões em negócios;

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning. (Planejamento de Recursos Empresariais)

ERP Enterprise Resource Planning. (Planejamento de Recursos Empresariais) ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) ERP Os ERPs, em termos gerais, são plataformas de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa;

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Como Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem de Processos Alexandre Magno Vazquez Mello

Como Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem de Processos Alexandre Magno Vazquez Mello Motivação para a Modelagem/Documentação de Processo Processo, definido de forma bem direta, é como fazemos o que fazemos, isto é, o conhecimento sobre como as coisas são feitas. Esse conhecimento geralmente

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Administração estratégica da Informação: definição, controle estratégias de mercado Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Administração estratégica da Informação: definição, controle estratégias de mercado Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Administração estratégica da Informação: definição, controle estratégias de mercado Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Gestão de TI Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Aula passada... Gestão do Conhecimento 08:46 2 Aula de Hoje... BI Apresentação do artigo IT doesn t matter Debate 08:48 3 Caso da Toyota Toyota Motor

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa Balanced Scorecard Balanced Scorecard O Balanced Scorecard, sistema de medição de desempenho das empresas, foi criado por Robert Kaplan e David Norton, professores da Harvard Business School. Tendo como

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17 1/17 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI

Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Criação e uso da Inteligência e Governança do BI Governança do BI O processo geral de criação de inteligência começa pela identificação e priorização de

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais