Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras"

Transcrição

1 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

2 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis de merecer alteração retroativa mensal. Os dados do nosso Boletim Mensal contemplam as alterações mensais retroativas realizadas pelo BACEN, de tal forma que nossos registros estão sempre atualizados. 2

3 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Í N D I C E Sistema Financeiro 5 - Crédito do Sistema Financeiro Nacional 6 - Saldo Total das Carteiras de Veículos - Financiamento (CDC) e Leasing 7 - Saldo da Carteira de Financiamento (CDC) Pessoa Física e Juridica 8 - Saldo da Carteira de Leasing Pessoa Física e Juridica 9 - Total Acumulado de Recursos Liberados Veículos Financiamento (CDC) e Leasing 10 - Total Acumulado de Recursos Liberados Veículos - Financiamento (CDC) 11 - Recursos Liberados no Mês Veículos - Financiamento (CDC) 12 - Total Acumulado de Recursos Liberados Veículos Leasing 13 - Recursos Liberados no Mês Veículos - Leasing 14 - Taxas de Juros Veículos - % a.a Taxa de Juros Veículos % a.m Planos e Prazos de Financiamento 17 - Atrasos de 15 a 90 dias Pessoa Física e Pessoa Jurídica 18 - Inadimplência Acima de 90 dias Pessoa Física 19 - Inadimplência Acima de 90 dias - Pessoa Jurídica Formas de Escoamento das Vendas no Mercado Interno 21 - Modalidades de Pagamento na Venda de Veículos e Comerciais Leves 22 - Modalidades de Pagamento na Venda de Veículos Comerciais (Caminhões e Ônibus) 23 - Modalidades de Pagamento na Venda de Motocicletas Perfil da Frota de Autoveículos e Motocicletas por Gravame 25 - Gravame sobre a frota estimada até dezembro 2013 Setor Comercial Novos e Usados 27 - Consolidado dos Licenciamentos Unidades Novas 28 - Veículos e Comerciais Leves 29 - Veículos Comerciais (Caminhões e Ônibus) 30 - Motocicletas Setor Industrial 32 - Veículos e Comerciais Leves 33 - Veículos Comerciais (Caminhões e Ônibus) 34 - Motocicletas Projeções Ano

4 O Saldo do Crédito Bancário Brasileiro alcançou em Maio de 2017 o valor de R$ 3.078,2 bilhões, representando 48,2% do PIB (estimado em R$ 6.392,5 bilhões), registrando um decréscimo de 2,9 p.p. em comparação a Junho de O Saldo do Crédito para aquisição de veículos pelas Pessoas Físicas e Jurídicas corresponde a 2,5% do PIB, contra 2,8% no mesmo período do ano anterior, um decréscimo de 0,3 p.p. representando 5,2% do total do crédito do SFN e 10,6% do total das operações de crédito Recursos Livres. 4

5 Relação Crédito/PIB 53,1% 53,7% 49,4% 51,1% 48,2% 3.219, , , , , , , , , ,6 211,2 183,6 162,7 169,3 161, jun/16 jun/17 Saldo do Crédito do SFN Total Oper.de Crédito - Recursos Livres CDC+Leasing PF e PJ (Veículos) Saldo do Crédito do SFN = R$ 3.078,2 bi: ( 0,4% mês; -1,6% em doze meses) Total Oper. de Crédito Recursos Livres = R$ 1.531,6 bi: ( 0,6% mês; -2,4% em doze meses) Saldo CDC + Leasing PF e PJ (Veículos) = R$ 161,6 bi: ( 0,2% mês; -4,6% em doze meses) Fonte: Banco Central 5

6 211,2 8,3 183,6 6,0 162,7 169,3 4,4 5,1 161,6 3,9 202,9 177,6 158,3 164,2 157, jun/16 jun/17 Financiamento - CDC Leasing Soma dos Saldos das Carteiras de Veículos = R$ 161,6 bi: ( 0,2% mês; - 4,6% em doze meses) Saldo Financiamentos (CDC) = R$ 157,7 bi: ( 0,3% mês; - 4,0% em doze meses) Saldo Leasing = R$ 3,9 bi: ( 2,5% mês; - 23,5% em doze meses) Fonte: Banco Central 6

7 jun/16 jun/17 Total Pessoa Fisica Pessoa Juridica Saldo Total da Carteira de Financiamento (CDC) = R$ 157,7 bi : ( 0,2% mês; - 4,0% em doze meses) Saldo da Carteira Pessoa Física = R$ 142,7 bi: ( 0,2% mês; - 4,2% em doze meses) Saldo da Carteira Pessoa Juridica = R$ 14,9 bi: ( 0,8% mês; - 1,6% em doze meses) Fonte: Banco Central 7

8 jun/16 jun/17 Total Pessoa Fisica Pessoa Juridica Saldo Total da Carteira de Leasing = R$ 3,9 bi: ( -0,5% mês; -23,0% em doze meses) Saldo da Carteira Pessoa Física = R$ 1,1 bi: ( -3,1% mês ; -30,2% em doze meses) Saldo da Carteira Pessoa Juridica = R$ 2,8 bi: ( 0,6% mês; -19,9% em doze meses) Fonte: Banco Central 8

9 jun/16 jun/17 Financiamento - CDC Leasing Total Acumulado de Recursos Liberados = R$ milhões: ( 18,6% em doze meses) Recursos Liberados - Financiamentos (CDC) = R$ milhões: ( 19,8% em doze meses) Recursos Liberados - Leasing = R$ 880 milhões: ( -22,3% em doze meses) Fonte: Banco Central 9

10 jun/16 jun/17 Pessoa Física Pessoa Juridica Total Acumulado de Recursos Liberados = R$ 45,0 bi: ( 19,8% em doze meses) Pessoa Física = R$ 40,0 bi: ( 19,6% em doze meses) Pessoa Juridica = R$ 4,9 bi: ( 21,4% em doze meses) Fonte: Banco Central 10

11 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 Total Pessoa Fisica Pessoa Juridica Total de Recursos Liberados no mês = R$ milhões : ( -3,0% no mês; 19,4% no mesmo mês de 2016 ) Pessoa Física = R$ milhões: ( -3,7% no mês; 19,0% no mesmo mês de 2016 ) Pessoa Jurídica = R$ 983 milhões: ( 2,0% no mês; 22,6% no mesmo mês de 2016 ) Fonte: Banco Central 11

12 jun/16 jun/17 Pessoa Jurídica Pessoa Fisica Total Acumulado de Recursos Liberados = R$ 880 milhões: ( -22,3% em doze meses) Pessoa Física = R$ 158 milhões: ( -62,7% em doze meses) Pessoa Jurídica = R$ 722 milhões: ( 1,8% em doze meses) Fonte: Banco Central 12

13 jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 Total Pessoa Fisica Pessoa Juridica Total de Recursos Liberados no mês = R$ 132 milhões: ( - 41,6% no mês; - 18,0% no mesmo mês de 2016) Pessoa Jurídica = R$ 108 milhões: ( - 45,2% no mês; - 10,7% no mesmo mês de 2016) Pessoa Física = R$ 24 milhões: ( - 17,2% no mês; - 40,0% no mesmo mês de 2016) Fonte: Banco Central 13

14 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 ANEF 23,80 24,06 23,00 23,00 23,00 23,14 23,14 23,43 23,43 23,28 23,28 23,14 23,28 23,26 22,42 21,70 20,98 20,98 SELIC 14,25 14,25 14,25 14,25 14,25 14,25 14,25 14,25 14,25 14,25 14,00 13,75 13,00 12,25 12,25 11,25 11,25 10,25 MERCADO 27,50 27,60 27,00 26,80 26,30 26,00 26,00 26,20 26,10 25,80 25,90 25,70 26,20 25,70 24,80 24,40 24,30 24,00 14

15 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0,00 Jan/16 Fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 ANEF 1,80 1,78 1,74 1,74 1,74 1,75 1,75 1,77 1,77 1,76 1,76 1,75 1,76 1,75 1,70 1,65 1,60 1,60 SELIC 1,12 1,12 1,12 1,12 1,12 1,12 1,12 1,12 1,12 1,10 1,10 1,08 1,02 0,97 0,97 0,89 0,89 0,82 MERCADO 2,00 2,01 1,97 1,96 1,93 1,94 1,94 1,96 1,95 1,93 1,94 1,92 1,96 1,92 1,86 1,84 1,83 1,81 15

16 Em meses ,9 41,7 42,4 41,7 41,9 15,3 15,9 15,3 14,4 14, jun/16 jun/17 Plano Máximo Prazo Médio das Concessões Prazo Médio da Carteira Planos Máximos disponibilizados pelos Bancos aos Consumidores foram mantidos em 60 meses. Prazo Médio das Concessões indica o prazo a decorrer desde a contratação até o vencimento da última prestação, que em Junho de 2016 era de 41,7 e passou para 41,9 em Junho de Prazo Médio da Carteira indica o prazo remanescente do saldo total das operações em carteira, que em Junho de 2017 ficou em 14,9 meses e era 14,4 em Junho de Fonte: Banco Central/ Anef 16

17 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 7,6 7,8 8,2 8,1 8,6 9,0 9,1 8,7 7,8 8,0 7,8 7,4 4,2 5,2 4,1 3,9 8,5 7,9 8,1 8,0 8,4 8,4 8,9 7,9 8,6 7,0 8,1 8,1 7,9 8,2 7,9 8,0 7,5 7,7 7,0 7,2 7,2 7,4 6,8 5,9 4,5 3,9 4,3 3,6 3,4 3,2 3,4 3,3 7,7 7,4 7,8 7,9 7,6 7,4 7,7 7,4 7,7 7,2 7,1 6,6 6,5 6,6 5,9 6,0 6,1 4,7 3,4 3,4 2,8 5,6 2,3 2,1 - jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 jun-16 jul-16 ago-16 set-16 out-16 nov-16 dez-16 jan-17 fev-17 mar-17 abr-17 mai-17 jun-17 Financiamento (CDC) - P. Juridica Leasing - P. Juridica Financiamento (CDC) - P.Física Leasing - P.Física % Atrasos do total da Carteira - Financiamentos (CDC) - P. Física = 7,4% ( - 0,2 p.p. mês; - 0,5 p.p. em doze meses) % Atrasos do total da Carteira - LEASING - P.Física = 5,6% ( - 0,5 p.p. mês; - 1,1 p.p. em doze meses) % Atrasos do total da Carteira - Financiamentos (CDC) - P.Jurídica = 6,6% ( - 0,5 p.p. mês; - 2,0 p.p. em doze meses) % Atrasos do total da Carteira - LEASING - P. Jurídica = 2,1% ( - 0,2 p.p. mês; - 1,8 p.p. em doze meses) Fonte: Banco Central 17

18 9,50 5,80 4,60 4,60 4,40 3,80 4,30 3,90 3,30 4,20 6,20 5,30 6,20 6,00 5, jun/16 jun/17 TOTAL - Recursos Livres Financiamentos (CDC) LEASING % Inadimplência do Total do Cred.Sist.Fin. Recursos Livres = 5,8% ( - 0,1 p.p. mês; -0,4 p.p. em doze meses) % Inadimplência do total da Carteira - Financiamentos (CDC) = 4,4% ( - 0,1 p.p. mês; -0,2 p.p. em doze meses) % Inadimplência do total da Carteira - LEASING = 3,3% ( -0,2 p.p. mês; -1,0 p.p. em doze meses) Fonte: Banco Central 18

19 4,9 5,0 5,6 4,1 4,2 3,8 2,7 3,4 3,6 3,9 3,4 4,5 5,2 5,1 5,3 dez-14 dez-15 dez-16 jun/16 jun/17 TOTAL - Recursos Livres Financiamentos (CDC) LEASING % Inadimplência do Total do Cred.Sist.Fin. Recursos Livres = 5,3% ( - 0,7 p.p. mês; 0,2 p.p. em doze meses) % Inadimplência do total da Carteira - Financiamentos (CDC) = 3,8% ( - 0,4 p.p. mês; - 1,8 p.p. em doze meses) % Inadimplência do total da Carteira - LEASING = 3,9% ( - 0,3 p.p. mês; - 0,3 p.p. em doze meses) Fonte: Banco Central 19

20 20

21 7% 5% 5% 5% 53% 53% 49% 47% 2% 2% 2% 2% 38% 40% 44% 46% º sem 2017 À Vista Leasing Financiados Consórcio Fonte: ANEF 21

22 2% 2% 5% 6% 74% 66% 62% 60% 1% 2% 4% 1% 15% 11% 17% 18% 12% 16% 14% 12% º sem 2017 À Vista Financiados Leasing (incluso Finame Leasing) Finame Consórcio Fonte: ANEF 22

23 34% 35% 36% 34% 33% 33% 34% 36% 33% 32% 31% 30% º sem 2017 À Vista Leasing Financiados Consórcio Fonte: ANEF 23

24 24

25 Frota Estimada: 48,2 milhões 28,3 milhões financiadas = 58,8% Frota Estimada: 2,4 milhões 1,7 milhão financiadas = 70,7% Frota Estimada: 23,4 milhões 15,5 milhões financiadas = 66,0% 3,3% 3,9% 7,9% 45,7% 58,1% 56,2% 9,8% 8,8% 1,9% 41,3% 29,3% 34,0% Sem Gravame Arrendamento (Leasing) Alienação Outros (Penhor Mercantil, Res.de Dominio etc) Fonte: Fenabrave/Renavam 25

26 26

27 Fonte: Fenabrave 27 Unidades/ Junho 2016 Junho 2017 Var. % Veículos 2.795, , ,2 810,6 847,8 4,6% Com. Leves 533,6 354,2 298,2 140,5 143,7 2,3% Veíc. + Leves 3.328, , ,4 951,1 991,5 4,3% Caminhões 137,0 71,8 50,3 25,4 21,5-15,6% Ônibus 32,0 20,3 13,6 6,9 6,5-7,3% Caminhões +Ônibus 169,0 92,1 63,9 32,4 27,9-13,8% Motos 1.429, ,2 998,0 547,1 427,3-21,9% Total 4.927, ,1 3048,3 1592,7 1505,5-5,5%

28 Unidades / milhões NOVOS , , ,2 USADOS 3.328, , , , ,0 951,1 991, , , , , , jun/16 jun/17 Total Veículos e Com. Leves = 6.062,0: ( -3,5% mês; 8,9% em doze meses ) Total Novos = 991,5: ( -0,5% mês; 4,3% em doze meses ) Total Usados = 5.070,5: ( -4,1% mês; 9,9% em doze meses ) Os veículos e comerciais leves usados na relação com os novos em Junho de 2016 era 4,9 passando a 5,1 em Junho de Fonte: Fenabrave / Renavam 28

29 Unidades / mil 555,2 463,8 436,3 NOVOS USADOS 169,1 92,1 63,9 208,2 215,5 386,1 371,7 372,4 32,4 27,9 175,8 187, jun/16 jun/17 Total Veículos Comerciais = 215,5: ( -4,4% mês; 3,5% em doze meses ) Total Novos = 27,9: ( 5,6% mês; -13,8% em doze meses ) Total Usados = 187,6: ( -5,9% mês; 6,7% em doze meses ) Os veículos comerciais usados na relação com os novos em Junho de 2016 era 5,4 passando a 6,7 em Junho de Fonte: Fenabrave / Renavam 29

30 Unidades / milhões 4.235, , ,3 NOVAS USADAS 1.429, ,2 998, , , ,3 1879,0 1822,7 547,1 427, , , jun/16 jun/17 Total Motocicletas = 1.822,7: ( -8,1% mês; -3,0% em doze meses ) Total Novas = 427,3: ( -9,8% mês; -21,9% em doze meses ) Total Usadas = 1.395,4: ( -7,6% mês; 4,8% em doze meses ) As motocicletas usadas na relação com as novas em Junho de 2016 era 2,4 passando a 3,3 em Junho de Fonte: Fenabrave / Renavam 30

31 31

32 Unidades/000 MERCADO DE VEÍCULOS E COMERCIAIS LEVES Produção e Licenciamento - Acumulado 3.328,7 Produção Licenciamento 2.476, , ,5 951,1 991, , ,1 984,4 1217, jun/16 jun/17 Produção = 1217,2: ( 21,7% mês; 23,7% em doze meses ) Licenciamentos = 991,5: ( 23,6% mês; 4,25% em doze meses ) OBS.: No gráfico acima, a diferença entre a produção realizada e os licenciamentos efetuados correspondem às exportações/importações de unidades ocorridas mais estoques nos Revendedores e/ou no pátio da própria Montadora. Fonte: Anfavea/Fenabrave/Renavam 32

33 Unidades/ ,0 172,9 92,1 95,6 63,9 79,3 32,4 27,9 40,5 46, jun/16 jun/17 Produção Licenciamento Produção = 46,0: ( 24,7% mês; 13,6% em doze meses ) Licenciamentos = 27,9: ( 25,6% mês; - 13,8% em doze meses ) OBS.: No gráfico acima, a diferença entre a produção realizada e os licenciamentos efetuados correspondem às exportações de unidades ocorridas mais estoques nos Revendedores e/ou no pátio da própria Montadora. Fonte: Anfavea/Fenabrave/Renavam 33

34 Unidades/ , , ,6 998, ,7 887,7 547,1 427,3 464,8 423, jun/16 jun/17 Produção Licenciamento Produção = 423,8: ( 13,5% mês; -8,8% em doze meses ) Licenciamentos = 427,3: ( 20,2% mês; -21,9% em doze meses ) OBS.: No gráfico acima, a diferença entre a produção realizada e os licenciamentos efetuados correspondem às exportações de unidades ocorridas mais estoques nos Revendedores e/ou no pátio da própria Montadora. Fonte: Anfavea/Fenabrave/Renavam 34

35 Autoveículos: Produção Licenciamento (mil unidades) - Fonte Anfavea ,5% ,0% Exportações (mil unidades) - Fonte Anfavea ,6% Motocicletas: Produção Licenciamento (mil unidades) - Fonte Abraciclo ,6% ,0% Autoveículos e Motocicletas Saldo de Financiamento Recursos Liberados (bilhões de Reais) Fonte ANEF 162,7 166,7 2,5% 82,2 90,6 10,2% 35

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Mensal Novembro/ 2.014 Acumulado janeiro a novembro/2014 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Anual 2.013 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e,

Leia mais

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009 BOLETIM MENSAL 1º Trimestre 2009 Sistema Financeiro 4 - Crédito do Sistema Financeiro 5 - Carteiras de Financiamento (CDC) e Leasing Aquisição de Veículos 6 - Saldo e Recursos Liberados Financiamento CDC

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Esgotamento do Funding Tradicional?

Esgotamento do Funding Tradicional? Esgotamento do Funding Tradicional? Novos instrumentos vão vigorar no curto prazo? Gueitiro Matsuo Genso 12ª Conferência Internacional da LARES São Paulo 19 a 21 de setembro, 2012 Agenda Relevância no

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 Fonte: Bacen 27/01/2009 DESTAQUES DE DEZEMBRO / 2008 As operações de crédito no SFN, incluindo recursos livres e direcionados, finalizaram o ano com um incremento

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia 1 DE 28 1 Crédito Imobiliário no Brasil Crescimento contínuo e sustentável nos últimos anos, aumento

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN MARÇO/ 2009 Fonte: Bacen 23/04/2009 DESTAQUES DE MARÇO/ 2009 O estoque total de crédito contratado no SFN totalizou R$ 1,23 trilhões em Março. Esse montante representou uma

Leia mais

Série 108 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15

Série 108 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-15 31-jan-15 a - Saldo atual dos CRI Seniors (37.502.102,11) c - Saldo devedor total da carteira, encargos e valores a processar 37.502.133,30 f - Excedente / (Falta) 1.034,16 28-fev-15 a - Saldo atual dos

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 1 pico = 100 Valor de Mercado das Bolsas Mundiais pico 100 Atual 80 Japão 60 40 crise 1929 20

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional sobem 0,1% em maio de 2016, acumulando alta de 2,0% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%)

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 CRESCIMENTO DO PIB

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

Dados de Crédito agosto

Dados de Crédito agosto 29/09/09 Dados de Crédito agosto O Banco Central divulgou relatório de política monetária e crédito referente ao mês de agosto. O crédito com recursos livres teve aumento real de 6, nos últimos 12 meses.

Leia mais

Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito. Espírito Santo, 06/04/2015. Murilo Portugal Presidente

Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito. Espírito Santo, 06/04/2015. Murilo Portugal Presidente Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito Espírito Santo, 06/04/2015 Murilo Portugal Presidente 1 or Bancário O sistema bancário brasileiro comporta atualmente 132 bancos múltiplos,

Leia mais

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 CAIXA e o NORDESTE NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 ATENDIMENTOS CAIXA Total de Transações 921 milhões em terminais de Auto- Atendimento 131 milhões

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego para junho de 2010 confirmam a recuperação do emprego

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A B R I L, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 27 de maio de 2016 Crédito imobiliário alcança R$ 3,5 bilhões em abril

Leia mais

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013)

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Viçosa Minas Gerais Junho de 2013 1 DEMOGRAFIA BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA TABELA 1 Evolução

Leia mais

Crédito - junho. Brasil - Estoque de Crédito como Proporção do PIB (%)

Crédito - junho. Brasil - Estoque de Crédito como Proporção do PIB (%) set/03 fev/04 jul/04 mai/05 out/05 mar/06 ago/06 jan/07 nov/07 abr/08 fev/09 jul/09 mai/10 out/10 ago/11 jan/12 Crédito - junho 26/07/12 Diversos indicadores do crédito no Brasil em junho seguiram a trajetória

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

Sustentabilidade do Crédito Imobiliário Algumas contribuições do Governo Federal e da CAIXA

Sustentabilidade do Crédito Imobiliário Algumas contribuições do Governo Federal e da CAIXA 2 a Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Sustentabilidade do Crédito Imobiliário Algumas contribuições do Governo Federal e da CAIXA Fortaleza, Março/2010 Modelo Stop and Go EVOLUÇÃO DE FINANCIAMENTOS

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

DEZEMBRO/2007 Ano VIII - No. 96

DEZEMBRO/2007 Ano VIII - No. 96 DEZEMBRO/2007 Ano VIII - No. 96 Índice de Velocidade de Vendas IVV Mercado Imobiliário de Maceió DEZEMBRO/2007 COMENTÁRIOS O mês de Dezembro/07 fechou o ano com a venda de 276 unidades, recorde absoluto

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 -

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Coordenação de Campo: Roberto Guerra SUMÁRIO

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2014 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

Demonstrativo Mensal das Coletas Seletivas em 2006

Demonstrativo Mensal das Coletas Seletivas em 2006 JAN Acumulado em 2006 1 -ASMARE 2 - COOCAPEL 3 - OUTRAS COOPERATIVAS 378,74 337,20 337,20 216,54 198,31 198,31 162,20 138,89 138,89 0,08 1,02 1,02 - - - 0,08 1,02 1,02 28,44 33,50 33,50 108,96 121,00 121,00

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 1. Análise da Poupança

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48 25/05/2015 10:59:09 Página 1 Grupo: 000894 Prazo: 084 Prazo Restante: 062 Assembleia Atual: 023 11/06/2015 Vencimento: 08/06/2015 Participantes: 600 Cotas Vagas: 000 Característica: 1 SORTEIO - 1 SORTEIO

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL Expectativas de Mercado BACEN (15/05/2015) Pág. 2 maio de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % MARÇO ABRIL DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos Financiamento de veículos Crédito Pessoa Física Principais Produtos 115 +11% Carteira de Crédito 124 +3% 127 Crédito ao Consumo Veículos R$ Bilhões Pessoa Física Crédito Consignado 1 32 Cartão de Crédito

Leia mais

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade CIDOB AECID EL BRASIL DESPUES DE LULA. Éxitos y desafíos en la reducción de la pobreza y el liderazgo regional Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade Lena LAVINAS Instituto

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO Expectativas de Mercado BACEN (17/04/2015) Pág. 2 abril de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % FEVEREIRO MARÇO DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

A política comercial no período 2005-2010:

A política comercial no período 2005-2010: A política comercial no período 2005-2010: contribuições para o desempenho exportador? Julho de 2010 Estrutura 1. Quando foi o boom exportador? 2. Política comercial pós-boom: - política de proteção (tarifas

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal Sem grandes novidades no Relatório Focus desta segunda-feira, apenas pequenos ajustes nas previsões para o IPCA e a Produção industrial de 2010, as atenções estarão voltadas esta semana

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Agosto de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing do Banco Itaú Indicadores de Mercado 2 Mercado de Cartões 2008 Indicadores de

Leia mais

Superintendência de Seguros Privados Ministério da Fazenda DECON/GEEST

Superintendência de Seguros Privados Ministério da Fazenda DECON/GEEST BOLETIM ESTATÍSTICO DOS MERCADOS SUPERVISIONADOS Julho de 2007 Mercado Brasileiro de Seguros Mercado Brasileiro de Previdência Privada Aberta Mercado Brasileiro de Capitalização Mercado Brasileiro de Seguros

Leia mais

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 PROGRAMA CAIXA APL SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 ATENDIMENTOS 436 milhões em Agências 921 milhões em terminais de Auto-Atendimento QUANTIDADE DE CLIENTES - EM MILHÕES

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

Banco Panamericano S.A. Release de Resultados 1T13

Banco Panamericano S.A. Release de Resultados 1T13 Banco Panamericano S.A. Release de Resultados 1T13 06 de Maio de 2013 Teleconferência - Português 07 de maio de 2013 10h00 (Brasília) / 09h00 (US-EST) Telefone de Conexão: +55(11) 3728-5971 Cód. de Acesso:

Leia mais

CRÉDITO Á IMOBILI RIO BB

CRÉDITO Á IMOBILI RIO BB CRÉDITO IMOBILIÁRIO BB Histórico i Mar/2008 Res. 3.549 CMN possibilita ao BB a captar poupança na modalidade SBPE Saldo da Carteira: R$ 384 mil Set/2008 Carteira da Bescri (R$ 63 milhões) é incorporada

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

SCR - Cronograma 2011

SCR - Cronograma 2011 SCR - Cronograma 2011 1. Introdução O que compõe o cronograma Algumas informações que não são atualmente enviadas nos documentos 3020 e 3030 serão introduzidas no documento 3040, e deverão ser enviadas

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

O IMPACTO AMBIENTAL DEVIDO A POLÍTICA DE CRESCIMENTO DA FROTA DE VEÍCULOS. Curso de Graduação Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação/UNICAMP

O IMPACTO AMBIENTAL DEVIDO A POLÍTICA DE CRESCIMENTO DA FROTA DE VEÍCULOS. Curso de Graduação Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação/UNICAMP O IMPACTO AMBIENTAL DEVIDO A POLÍTICA DE CRESCIMENTO DA FROTA DE VEÍCULOS AUGUSTO RONCHINI XIMENES 1 ; ALEXANDRE GIRARDELLO MERLI 1* ; EDUARDO MONTEAGUDO DE CAMPOS 1 ; JOÃO VÍCTOR PIÑÓN PEREIRA DIAS 1

Leia mais

Atravessando a Crise Mundial

Atravessando a Crise Mundial 1 Atravessando a Crise Mundial LIDE Ministro Guido Mantega Fevereiro de 2009 1 2 Agravamento da Crise Mundial Crise Financeira externa não foi suficientemente equacionada Recessão global vai tomando corpo

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural. Adriano Pires

Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural. Adriano Pires Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural Adriano Pires 17/03/2009 1 O Ano de 2009 Uma queda no crescimento da demanda global de energia conduzirá a preços menores de petróleo e de gás em

Leia mais

FIDC - Fundos de Investimento em Direitos Creditórios no Brasil

FIDC - Fundos de Investimento em Direitos Creditórios no Brasil - Fundos de Investimento em Direitos Creditórios no Brasil Carlos Fagundes 26 de Maio de 2009 Roteiro da Apresentação Histórico e Evolução e outras formas de securitização no Brasil Cenário atual (Crise

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Mercado de Capitais 18/08/2015

Mercado de Capitais 18/08/2015 Mercado de Capitais 18/08/2015 O que é Cetip? CTIP3; Novo Mercado; Integradora do mercado financeiro; Utiliza a tecnologia para oferecer serviços de infraestrutura; Maior depositária de títulos de renda

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 Preliminares Paridade do Poder de Compra (PPC) Equilíbrio de longo prazo Bens comercializáveis (PPC) e não-comercializáveis Câmbio

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos

Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Análise de Cenários Econômicos (Disciplina

Leia mais

RESULTADOS GLOBAIS PRELIMINARES Milhões de Euros

RESULTADOS GLOBAIS PRELIMINARES Milhões de Euros 00 99 DDEE FF EEVVEERREEI IIRROO DDEE 22000099 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2008 Comércio Internacional I Saídas diminuem 5,9 e Entradas 1,5 No trimestre terminado em Novembro de

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

Banco Panamericano S.A.

Banco Panamericano S.A. Banco Panamericano S.A. Release Relatório de de Resultados 1T13 3T14 06de 03 Maio Novembro de 2013 de 2014 Teleconferência - Português 04 de novembro de 2014 10h00 (Brasília) / 07h00 (US-EST) Telefone

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte EXERCÍCIOS PRÁTICOS - PLANILHAS DE CÁLCULOS CONTABILIZAÇÕES 1. Empréstimo Bancário Contabilização de empréstimo (Planilha 1), considerando que não houve despesas incrementais de captação, como taxas e

Leia mais