VULNERABILIDADE, RESILIÊNCIA E ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VULNERABILIDADE, RESILIÊNCIA E ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS"

Transcrição

1 VULNERABILIDADE, RESILIÊNCIA E ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O que significa a adaptação para as cidades? Katerina Elias-Trostmann WRI Brasil

2 Image: Wikimedia; Source: IPCC A MUDANÇA CLIMÁTICA CHEGOU

3 PERIGOS E IMPACTOS

4 COMUNIDADES POBRES E MARGINALIZADAS ESTÃO NA FRENTE CLIMÁTICA 81% Das fatalidades de desastres naturais ocorrem em países de rendimentos baixos e de rendimentos médios baixos Images: Wikimedia, Picasa/Food for the Hungry; Source: World Ocean Review

5 Precipitação Variabilidade climática e a mudança climática Nova média Média Variabilidade climática Variabilidade climática aumentada Mudança climática Tempo em anos

6 IMPACTOS NA INFRAESTRUTURA DE MOBILIDADE URBANA Muitas cidades não possuem infraestrutura de mobilidade resistente ao clima. Infraestrutura de mobilidade pode estar em zonas de risco.

7 Adaptação Descreve ajustes em sistemas ecolo gicos ou socioecono micos em resposta a s mudanc as clima ticas, resultantes de pra ticas, processos, medidas ou mudanc as estruturais. - Carlos Nobre, INPE

8 SÃO PAULO ESTÁ VIVENDO A SUA PIOR SECA NA HISTÓRIA 7 0 municípios e 15,6 milhões de pessoas no estado de São Paulo afetadas.

9 Vulnerabilidade Refere-se ao nível de propensão de um individuo, comunidade ou um sistema a ser afetado pela mudança climática. - Carlos Nobre, INPE

10 CHUVAS FORTES E INTENSAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 844 Mortos nos na Região Serrana, RJ

11 Vulnerabilidade Vulnerabilidade é uma função de exposição, sensibilidade e capacidade de adaptação. Exposição: o grau no qual um indivíduo está suscetível a um perigo climático. Sensibilidade: o grau do impacto de um perigo climático num indivíduo. Capacidade de adaptação: a capacidade de um indivíduo a se ajustar à mudança climática. Vulnerabilidade = Exposição x Sensibilidade Capacidade de adaptação

12 Bem-estar Resiliência A capacidade de se recuperar após um choque. Resiliência Tempo Seca

13 POLÍTICA PÚBLICA NO BRASIL Plano Nacional de Adaptação Iniciativa recente do governo federal que está em processo de elaboração. Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei) Implementação de medidas para promover a adaptação à mudança do clima, com a participação e a colaboração dos agentes econômicos e sociais interessados ou beneficiários.

14 POR QUE FOCAR EM RESILIÊNCIA URBANA?

15 URBANIZAÇÃO NO BRASIL 90% % 2010

16 COMUNIDADES MENOS VULNERÁVEIS MORADIA APROPRIADA INSTALAÇÃO DE SERVIÇOS BÁSICOS INFRAESTRUTURA URBANA ADEQUADA MENOR DESIGUALDADE

17 CIDADES MAIS PREPARADAS PARA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS INTEGRAÇÃO ENTRE SECRETARIAS CAPACITAÇÃO MONITORAMENTO DOS RISCOS GERENCIAR DESASTRES MENOR MORTALIDADE

18 COMO AS CIDADES ESTÃO SE ADAPTANDO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS?

19 EXEMPLOS REDES DE APOIO Rotterdam, Holanda Nova Iorque, EUA Dhaka, Bangladesh Surat, Índia Londres, Reino Unido

20 ROTTERDAM, HOLANDA 1. Robusto & resiliente 2. Proteção & evoluir com tempo 3. Obras de grande & pequena escala 4. Tecnologia & natureza

21 EXEMPLO: MEDIDAS DE INFRAESTRUTURA PARA SECAS FAZER DA CIDADE UMA ESPONJA Telhados azuis captação de agua Armazenamento de agua usando espaço público Aumentar pavimento permeável Plantar árvores e flora perto de ruas e córregos Participação pública: escolas, agricultura urbana Criação de uma rede verde-azul

22 SURAT, ÍNDIA População (2011) Density /km2

23 EXEMPLO: ADAPTAÇAO SOCIO-ECONÔMICA RESILIENCIA COMUNITÁRIA GOVERNANÇA EMPODERAMENTO DOS CIDADÃOS CONSCIENTIZAÇÃO E DIALOGO RESOLUÇÃO DE CONFLITO EDUCAÇÃO AMBIENTAL CAPACITAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS MODELOS DE PPP INOVADORES PARTICIPAÇÃO PÚBLICA

24 NOVA IORQUE, ESTADOS-UNIDOS Prefeito Bloomberg criou a Iniciativa Especial para a Reconstrução e Resiliência (SIRR) em 2012: 1. Análise dos impactos climáticos 2. Análise dos riscos climáticos 3. Estratégias de resiliência holística Plano Municipal: I II III Análise Climática Infraestrutura Urbana & Ambiente Construído Reconstrução e Resiliência Comunitária

25 EXEMPLO: CRIAÇÃO DE NOVA INFORMAÇÃO

26

27 EXEMPLO: ESTRATEGIAS PARA MOBILIDADE 3 ESTRATÉGIAS Proteção da infraestrutura para manter as operações do sistema de mobilidade Preparação do sistema de mobilidade para restorar serviços após eventos climáticos Implementação de serviços novos e a expansão da rede atual para aumentar a flexibildade do sistema de mobilidade 18 MEDIDAS Integração de resiliencia climática em novos projetos e infraestrutura de mobilidade Expandir a rede de ônibus Aumentar a oferta de calçadas e ciclofaixas para melhorar a conectividade com hubs de transporte

28 CONSIDERAÇÕES Aprendizagem constante Contínua capacidade de desenvolver conhecimento para melhor prever os riscos e desenvolver soluções. Contenção dos impactos Limitar a propagação dos impactos. Recuperação rápida A capacidade de restaurar, reorganizar e prevenir transtornos no longo prazo. Flexibilidade Capacidade de reserva A capacidade de evoluir e se adaptar em situações de desastre. A segurança de ter planos ou recursos de contingencia.

29 INICIATIVA DE VULNERABILIDADE E ADAPTAÇÃO NO WRI FERRAMENTAS APOIO TÉCNICO PESQUISAS E CAPACITAÇÃO FOCO EM POLÍTICA URBANA INFLUENCIA EM FINANÇAS CLIMÁTICAS

30 OBRIGADA! Katerina Elias-Trostmann Pesquisadora, WRI Brasil

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

Desafio 100 Cidades Resilientes

Desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de 2015 www.100resilientcities.org/challenge O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estejam preparadas para construir

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

A SECA NO BRASIL E AS DIFERENTES ABORDAGENS E POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O SEU ENFRENTAMENTO

A SECA NO BRASIL E AS DIFERENTES ABORDAGENS E POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O SEU ENFRENTAMENTO A SECA NO BRASIL E AS DIFERENTES ABORDAGENS E POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O SEU ENFRENTAMENTO Carlos Freitas, Aurea Pitta, Taís Alpino, Aderita Sena, André Monteiro, Marcel Pedroso, Christovam Barcellos, Carlos

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Louveira ( São Paulo), Brazil

Louveira ( São Paulo), Brazil Louveira ( São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nicolau Finamore Junior Nome do ponto focal:

Leia mais

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas Instrumentos e Medidas de Adaptação Objetivos desta sessão Ao fim desta sessão, os participantes poderão: Compreender o conceito de adaptação às

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

FUNDAÇÃO TELEFÔNICA: EDUCAÇÃO INOVATIVA

FUNDAÇÃO TELEFÔNICA: EDUCAÇÃO INOVATIVA FUNDAÇÃO TELEFÔNICA: EDUCAÇÃO INOVATIVA INOVAÇÃO EDUCATIVA FOCO DE ATUAÇÃO DA FUNDAÇÃO TELEFÔNICA VIVO INOVAÇÃO EDUCATIVA VISÃO_ Conectando pessoas e instituições podemos transformar o futuro, tornando-o

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

Rio de Janeiro a caminho de um desenvolvimento sustentável

Rio de Janeiro a caminho de um desenvolvimento sustentável GERÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS SMAC Rio de janeiro, 2 de Junho 2014 Cidades Resilientes Rio de Janeiro a caminho de um desenvolvimento sustentável A Prefeitura do Rio de Janeiro realizou no dia 02 de

Leia mais

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES:

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: Novembro/2007 A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS:

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

Princípios de Empoderamento das Mulheres

Princípios de Empoderamento das Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade Significa Negócios Princípios de Empoderamento das Mulheres 1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de Gênero, no mais alto nível. 2.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

O Impacto das Mudanças Climáticas em Empresas de Água e Saneamento no Brasil

O Impacto das Mudanças Climáticas em Empresas de Água e Saneamento no Brasil O Impacto das Mudanças Climáticas em Empresas de Água e Saneamento no Brasil Marcos Thadeu Abicalil Especialista Sênior em Água e Saneamento, Banco Mundial Impatos Gerais das Mudanças Climáticas Enfoque

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES 1. Nós, representantes dos governos nacionais e locais, grupos comunitários, comunidade científica, instituições profissionais, empresas,

Leia mais

Gestão de Risco de Desastres Naturais

Gestão de Risco de Desastres Naturais Gestão de Risco de Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (CEPEDES FIOCRUZ) GESTÃO Conjunto de decisões administrativas, de organização e de

Leia mais

A experiência de Belo Horizonte:

A experiência de Belo Horizonte: A experiência de Belo Horizonte: a construção de uma capital sustentável Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Junho 2012 Belo Horizonte e RMBH (34

Leia mais

Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes.

Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até o dia 10 de setembro de 2014 www.100resilientcities.org/challenge Perguntas Frequentes Mais informações sobre o Desafio 100 Cidades Resilientes. Qual é a

Leia mais

Localização Estratégica

Localização Estratégica PORTO MARAVILHA Localização Estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Oceano Atlântico Maracanã 5 km Aeroporto Santos Dumont 2 km Corcovado 7 km Copacabana 8 km Pão de Açúcar 6 km Perímetro Porto

Leia mais

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral de Acesso à Água Carolina Bernardes Água e Segurança

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Síntese e Resultados III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Resultados & Avanços Resultados Implementaçao de Hyogo revista e avaliada*

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

Ministério das Comunicações. Secretaria de Inclusão Digital

Ministério das Comunicações. Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Secretaria de Inclusão Digital Computadores para a Inclusão Os Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs) são parte do projeto Computadores para Inclusão, que promove

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia Dr. Josef Leitmann 12 de junho de 2015 Qual a Importância da Questão Metropolitana e dos Aspectos de Governança

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

Itaú Unibanco Centro Tecnológico Mogi Mirim. CIAB - 16 junho 2015

Itaú Unibanco Centro Tecnológico Mogi Mirim. CIAB - 16 junho 2015 Itaú Unibanco Centro Tecnológico Mogi Mirim CIAB - 16 junho 2015 Motivadores Suportar o crescimento de negócio Elevar a disponibilidade dos serviços Tempo de recuperação de dados igual a zero CTSP Data

Leia mais

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE)

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) MAIO 2014 + Agenda Horário Atividade Facilitador 10:00 Boas Vindas e

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities. São Paulo, 23 setembro 2014

Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities. São Paulo, 23 setembro 2014 Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities São Paulo, 23 setembro 2014 1 Índice 1. Fatores habilitantes da Cidade Inteligente 2. Modelos de financiamento da Cidade Inteligente 2 1. Fatores

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Conceito dos empregos verdes Setores de alto potencial Agricultura: problema ou solução? Empregos verdes na agricultura do Brasil Conclusões Muito mais

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA. A VISÃO DO GOVERNO PARA A COP 21

IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA. A VISÃO DO GOVERNO PARA A COP 21 IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA. A VISÃO DO GOVERNO PARA A COP 21 Adriano Santhiago de Oliveira Diretor Departamento de Mudanças Climáticas Secretaria de Mudanças Climáticas e

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. Conferência Internacional da Rede WATERLAT

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. Conferência Internacional da Rede WATERLAT CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Conferência Internacional da Rede WATERLAT Tensão entre justiça ambiental e justiça social na América Latina: o caso da gestão da água PRIMEIRA CIRCULAR (MARÇO DE

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

Por uma Niterói mais sustentável

Por uma Niterói mais sustentável Por uma Niterói mais sustentável 11 de junho de 2015 Priscilla Grimberg Agenda I. Contexto atual e o desenvolvimento sustentável II. A participação Social e O Fórum da Agenda 21 III. Ações Coletivas IV.

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) LÍDERES Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento Brasília DF 26 de novembro a 07 de dezembro de 2007 Ministério da Saúde

Leia mais

Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total:

Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição XVIII MMXIII Extra 6º ao 9º anos MUDANÇAS CLIMÁTICAS Hoje, tivemos a presença das pesquisadoras

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

SEGURANÇA HÍDRICA EM UM MUNDO EM MUDANÇA FRANCISCO DE ASSIS DE SOUZA FILHO

SEGURANÇA HÍDRICA EM UM MUNDO EM MUDANÇA FRANCISCO DE ASSIS DE SOUZA FILHO SEGURANÇA HÍDRICA EM UM MUNDO EM MUDANÇA FRANCISCO DE ASSIS DE SOUZA FILHO SEGURANÇA HÍDRICA EM UM MUNDO EM MUDANÇA FRANCISCO DE ASSIS DE SOUZA FILHO TÓPICOS CONTEXTO DA MUDANÇA MUDANÇA CLIMÁTICA E PADRÕES

Leia mais

TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA

TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA Autora: Erotides Lacerda Choueri Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Vânia Maria Nunes

Leia mais

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Atuando com responsabilidade para colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Compromisso com um futuro melhor. Com o nosso trabalho, somos parte da solução para uma agricultura mais sustentável.

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente São Paulo, 12 de mao de 2016 Estrutura da Apresentação Panorama Geral - Mudanças Climáticas - Desastres

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA.

HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. HÁ 130 ANOS A FURUKAWA PARTICIPA ATIVAMENTE NA VIDA DAS PESSOAS, ATRAVÉS DA CONTÍNUA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. CRIANDO SOLUÇÕES COMPLETAS PARA EMPRESAS E PESSOAS A Furukawa tem como foco ampliar os relacionamentos,

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres. Praia, 10 de Dezembro de 2014

Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres. Praia, 10 de Dezembro de 2014 Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres Praia, 10 de Dezembro de 2014 Sr. Ministro do Ambiente, da Habitação e de Ordenamento

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

O Brasil, oitava Potência econômica coloca o seu povo na 69a. Categoria no IDH & 59a no IDT.

O Brasil, oitava Potência econômica coloca o seu povo na 69a. Categoria no IDH & 59a no IDT. O Brasil, oitava Potência econômica coloca o seu povo na 69a. Categoria no IDH & 59a no IDT. EXCLUSÃO SOCIAL NO BRASIL 1% dos brasileiros é dono de 53% das riquezas do país. Nos países capitalistas centrais,

Leia mais

Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo

Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo Fernando Rei Presidente da CETESB Sustentabilidade Conceito sistêmico relacionado com a continuidade dos aspectos

Leia mais

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO Seminário sobre Pobreza Urbana Maputo, 16 de Abril de 2009 RAZOES E FILOSOFIA DO PEUMM O PEUM é o primeiro plano de ordenamento urbano elaborado pelo próprio

Leia mais

M0.1 Registrar a intenção do cumprimento ao Pacto dos Prefeitos, por favor anexe a carta de compromisso [Anexo]

M0.1 Registrar a intenção do cumprimento ao Pacto dos Prefeitos, por favor anexe a carta de compromisso [Anexo] O (Compact of Mayors) é o maior esforço internacional de cooperação entre prefeitos e funcionários municipais para demonstrar seu compromisso com a redução das emissões de gases de efeito estufa assim

Leia mais

Subsídios para a elaboração do Plano Nacional de Adaptação aos Impactos Humanos da Mudanças Climáticas

Subsídios para a elaboração do Plano Nacional de Adaptação aos Impactos Humanos da Mudanças Climáticas Subsídios para a elaboração do Plano Nacional de Adaptação aos Impactos Humanos da Mudanças Climáticas Andre Spitz Maio de 2011 C onceito de Adaptação: Ajuste dos sistemas sociais, econômicos e ambientais

Leia mais

Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento SECRETARIA DO PLANEJAMENTO -SPG

Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento SECRETARIA DO PLANEJAMENTO -SPG MODELO DE GESTÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA DESCENTRALIZAÇÃO AÇÃO E REGIONALIZAÇÃO AÇÃO Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento Santa Catarina em dados Superfície: 95.346,2 km2 População....5.774.178

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

10:00-10:30 Apresentação do Plano Nacional de Adaptação (Pedro Christ Ministério do Meio-Ambiente)

10:00-10:30 Apresentação do Plano Nacional de Adaptação (Pedro Christ Ministério do Meio-Ambiente) Workshop sobre Adaptação de Infraestrutura a Mudanças Climáticas: Melhorando Resiliência Econômica Regional para Enfrentar as Alterações Climáticas no Brasil Data: 25/09/2015 1) Sobre o workshop O workshop

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Integração Metropolitana do Transporte Público pelo Bilhete Único e Sistemas Estadual e Metropolitano de Transporte

Leia mais

MUDANÇAS! CLIMATICAS!

MUDANÇAS! CLIMATICAS! MUDANÇAS! CLIMATICAS! NA SALA DE AULA!! Curso da UNESCO para professores secundários (fundamental II e ensino médio) sobre educação em! mudança climática e desenvolvimento sustentável (EMCDS)! Terceiro

Leia mais

01/12/2010. A AFD no Brasil : uma nova fonte de financiamento do desenvolvimento urbano

01/12/2010. A AFD no Brasil : uma nova fonte de financiamento do desenvolvimento urbano 01/12/2010 A AFD no Brasil : uma nova fonte de financiamento do desenvolvimento urbano 1 Quem é a AFD? A Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) é a agência de cooperação financeira do governo francês,

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Vigilância em Saúde Ambiental Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Resolução Imagens de satélite No seu quarto relatório (2007), o IPCC

Leia mais

O que é HORIZONTE 2020?

O que é HORIZONTE 2020? O que é HORIZONTE 2020? Maior Programa Mundial para financiamento da Pesquisa e Inovação 80 bilhões (2014-2020) Responder a crise econômica através de investimentos em empregos, crescimento e inovação

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTADAS

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTADAS ANEXO I METAS E PRIORIDADES ÓRGÃOS, PROGRAMAS, OBJETIVOS E METAS 01 PROGRAMA: ATUAÇÃO LEGISLATIVA CÂMARA MUNICIPAL DE MONTADAS Fortalecer a democracia e garantir as ações legislativas MUNICÍPIO Manutenção

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

O futuro digital das cidades

O futuro digital das cidades O futuro digital das cidades Visão & Tecnologia: a fórmula para tornar nossas Cidades mais Inteligentes Hora de Agir: As cidades mais que estados ou países estarão cada mais se tornando o centro determinante

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais