Parte 1 Risco e Retorno

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte 1 Risco e Retorno"

Transcrição

1 TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1 Risco e Retorno Agenda O que é risco em Finanças O modelo CAPM O Custo de Capital Próprio O Custo das Dívidas WACC Custo Médio Ponderado de Capital

2 Relação Risco & Retorno Os seres humanos buscam risco ou procuram evita lo? Como o risco afeta o comportamento e quais as consequências para os negócios e decisões de investimento? O risco em finanças está associado a probabilidade do retorno do investimento sair diferente do esperado. Os investidores tem diferentes atitudes frente ao risco. Relação Risco & Retorno No mundo real, o investidor é em geral avesso ao risco e está disposto a pagar um preço menor para fluxos de caixa arriscados do que para fluxos de caixa sem risco, dado o mesmo valor esperado. (Damodaran, 2010) Risco de Mercado x Risco Diversificável. As perspectivas de risco são distintas para os detentores de Equity (ações) e Debt (dívida). Escolha da melhor composição de financiamento para empresa. O que é risco? 1. Como o risco de um investimento deve ser mensurado? Desvio padrão ou Variância dos retornos 2. Quando eu tenho uma ação (ativo financeiro) de uma empresa, qual o risco que estou correndo? 3. Um investimento de renda fixa tem risco? taxa livre de risco (Selic, poupança) O que é risco? O risco de um ativo financeiro pode ser analisado de 2 maneiras: 1. De forma isolada quando mantido sozinho 2. Em contexto de carteira risco diversificável risco do mercado

3 O que é risco? 1. De forma isolada quando mantido sozinho O que é risco? 2. Em contexto de carteira risco diversificável risco do mercado O que é risco? Suponha que um investidor compre $ em títulos do governo (renda fixa sem risco). Ele espera ganhar em rentabilidade 5% em 1 ano, com quase de certeza. Se os $ fossem investidos em ações da Vale (com risco), o investidor não consegue prever o quanto vai ganhar. Pela rentabilidade passada, ele acha que pode ganhar 24% em 1 ano. Existe Risco na operação? O que é risco? Então, por que o investidor compraria a ação da Vale, que é mais arriscada (acha que vai ganhar 24%), ao invés de comprar títulos do governo, que não é arriscado (ganha 5%)? Risco Retorno A relação entre risco e retorno é tal que nenhum investimento é feito a menos que a taxa de retorno seja alta o suficiente para compensar o risco percebido.

4 Risco e Retorno Realizados Vale Lojas Americanas Risco Retorno Risco e Retorno Realizados de 1 ativo De 1 ativo: Pt+ 1 Pt Pt+ 1 R = = 1 retornos dos preços P P t t Risco Associado à variabilidade dos preços futuros Desvio padrão dos retornos dos preços Risco desvio padrão dos retornos dos preços σ = variância 2 2 R ER [ t ER ( t)] 2 σ = σ R Desvio padrão Retorno ou Rentabilidade média aritmética dos retornos Retorno ou Rentabilidade média média aritmética dos retornos 1 n R = a R t= 0 t n Risco e Retorno Realizados de 1 ativo Calcular o Risco e Retorno de 1 ativo se comprar ações da Vale irei ganhar 24% em média por ano? NÃO dados passados dados históricos Risco e Retorno Esperado de 1 ativo Utiliza se a probabilidade de ocorrência do retorno: Retorno de A Recessão 50% -20% Crescimento 50% 70% E(R A )= 0,5 x -20% + 0,5 x 70% = 25% Retorno Esperado de 1 ativo E( R ) = Pr ob (R ) + Pr ob (R ) Pr ob (R ) A n n

5 Exercício 1 Calcule o retorno esperado da Ação A: Retorno da Ação A Recessão 10% -9% Normal 70% 11% Crescimento 20% 28% E( R ) = Pr ob (R ) + Pr ob (R ) Pr ob (R ) A n n E(R A )= 0,1 x -9% + 0,7 x 11% + 0,2 x 28% = 12,4% Risco e Retorno Esperado de 1 ativo Utiliza se a probabilidade de ocorrência do retorno: Retorno da Ação A Recessão 50% -20% Crescimento 50% 70% E(R A )= 0,5 x -20% + 0,5 x 70% = 25% Risco Esperado de 1 ativo σ = Pr ob (R E(R )) + Pr ob (R E(R )) Pr ob (R E(R )) i 2 2 i n n i σ = 0,5 ( 0, 2 0,25) + 0,5 (0,7 0,25) = 2 σ = 0,2025 σ = 45% Risco e Retorno Realizados de 1 carteira Retorno da carteira: Risco Retorno ou Rentabilidade média Variância 2 σ = σ R Desvio padrão R media R = x% R + x% R cart a a b b σ = X σ + 2X X σ σ ρ + X σ p a a a b a b ab b b 1 n t= 0 n = R cart Risco e Retorno Esperado de 1 carteira Utiliza se a probabilidade de ocorrência do retorno: Retornos Recessão 50% -20% Crescimento 50% 70% E(R A )= 0,5 x -20% + 0,5 x 70% = 25% A B 3% 10% Composição: 50% 50% E(R B )= 0,5 x 3% + 0,5 x 10% = 20% = 22,5%

6 Risco e Retorno Esperado de 1 carteira E o Risco Esperado da carteira? Retornos A B Carteira Recessão Crescimento 50% 50% -20% 70% 3% 10% 25% 20% Retorno Esperado Carteira: 22,5% Exercício 2 Calcule o Retorno e Risco Esperado das duas Ações? Recessão Normal Crescimento 20% 4% 60% 8% 20% 16% Retornos A B -20% 20% 60% σ = Pr ob (R E(R )) + Pr ob (R E(R )) Pr ob (R E(R )) i 2 2 i n n i Variância (σ ): σ = 0,5 (0,25% 0,225%) + 0,5 (0,20% 0,225%) = 0,063% Risco(σ): = 2,5% E( R ) = Pr ob (R ) + Pr ob (R ) Pr ob (R ) A n n σ = Pr ob (R E(R )) + Pr ob (R E(R )) Pr ob (R E(R )) i 2 2 i n n i Exercício 2 Calcule o Retorno e Risco Esperado das duas Ações? Recessão Normal Crescimento Retorno Médio = Risco = Retornos A B 20% 4% -20% 0,23% 16,00% 60% 8% 20% 0,01% 0,00% 20% 16% 60% 0,52% 16,00% 8,8% 20% 3,9% 25,3% A Risco B Tipos de Risco Quando avaliamos ativos individuais, percebemos que existem 2 tipos de risco: Carteira: Itaú4 Vale5 Arcz6 Petr4 Poupança CDI 1º Risco não sistemático ou diversificável: processos judiciais; greves; ganho ou perda de grandes contratos; eventos específicos a 1 empresa 2º Risco sistemático ou não diversificável: afeta todas as empresas Inflação, taxa de juros, PIB, etc...

7 5,5% Princípio da Diversificação Quanto mais ativo numa carteira, menor o risco. Risco diversificável Risco não diversificável Carteira: Itaú4 Vale5 Arcz6 Petr4 Poupança CDI Princípio da Diversificação Risco diversificável ou não sistemático ou o específico = 0 Diversificação uma carteira Risco Remanescente: Risco sistemá co 0. ou Risco do Mercado 0 NÃO HÁ COMO TORNÁ LO NULO. Carteira: Itaú4 Vale5 Arcz6 Petr4 Poupança CDI 2 3 Princípio da Diversificação Risco Remanescente: Risco sistemá co 0. ou Risco do Mercado 0 Importante: Saber medir o risco sistemático. Esse é o risco que o investidor está submetido Esse é o risco que o mercado remunera. Risco Sistemático: Conceito Risco sistemático refletido no coeficiente Beta (β) Coeficiente Beta (β) mede o retorno esperado de um determinado ativo vis à vis o retorno do mercado. 15% Retorno Ativo β = 15/10 = 1,5 10% Retorno Mercado

8 Risco Sistemático: Conceito OBeta(β) pode ser estimado regredindo os retornos de um ativo contra os retornos de um índice que represente o portfolio de mercado. rx Reta característica (regressão linear) β Coeficiente beta Parâmetro angular A Linha do Mercado de Títulos A marcação entre os retornos esperados e o coeficiente beta, que descreve a relação entre o risco sistemático e o retorno esperado dos mercados financeiros. 15% Rf = 6% Retorno Ativo Linha de Mercado de Títulos Inclinação LTM = E ( R ) M β M R o = 1, Sendo β M essa carteira representa todos os ativos de mercado. Assim: ( ) Inclinação LTM = E R M R f f x m 2 2 m σm rm ( ) COV( r, r ) E ( rx μx). rm μm βx = = σ 2 beta Custo de Capital 1. Como uma empresa financia seus projetos? Parte 2 Custo de Capital 2. Para o valor da empresa ou projeto qual a taxa de desconto utilizada? n FCt VPL = I0 + 1 t ( 1+ k ) 3. A que taxa (K T ) que uma empresa pode pegar dívidas? A que taxa (K S ) os acionistas esperam ser remunerados?

9 Custo de Capital Custo de Capital de Terceiros (Kt) vs o Custo de Capital Próprio (Ke) K T ou K S? Deveria a empresa se financiar com capital próprio? Custo de Capital Custo de Capital de Terceiros (K T ) é menor que o Custo de Capital Próprio (K S ) K T < K S Os acionistas assumem maior risco: Capital investido é recuperado em um prazo maior; Em caso de liquidação da empresa os credores recebem antes; Direito residual sobre o fluxo de caixa. Impacta o custo de oportunidade do investidor Lógica e Definição de Custo de Capital Lógica e Definição de Custo de Capital TOTAL: ATIVO PASSIVO Ativo Circulante: Caixa, Contas a receber, Estoques, Etc... Ativo Não Circulante: Equipamentos, Propriedades, Sistemas, Marcas, Etc... Passivos circulantes: Salários; Contas a pagar; dívidas curto prazo, etc... Exigível longo prazo: Dívida de longo prazo Patrimônio Líquido: Capital dos acionistas, Ações Ord Ações Pref etc Terceiros Próprio Comp Custo PL (capital próprio) % 30% 0,8 x 30% = 24% Dívidas % 20% 0,2 x 20% = 04% Total % Custo Médio Comp Custo PL (capital próprio) % 30% 0,5 x 30% = 15% Dívidas % 20% 0,5 x 20% = 10% Total % Custo Médio Custo que seja a média

10 Custo de Capital de Terceiros É a remuneração exigida pelos credores de dívidas (capital oneroso) da empresa. Refere se à taxa de juros paga nos empréstimos e financiamentos. É importante utilizar e saber calcular líquido de IR. Custo da Dívida = Juros/Dívidas Totais Notação: K T OBS: Jurosé sinônimo de Despesas Financeiras Custo de Capital de Terceiros É importante utilizar e saber calcular líquido de IR. IR = 30% Empresa Não tem dívidas não Paga Juros Paga mais IR Empresa tem dívidas Paga Juros Paga menos IR Lucro Operacional $100 $100 Juros (Desp Financeiras) 0 $10 Lair $100 $3 $90 IR $30 $27 LL $70 $63 Dívida = $100 Custo = 10/100 = 10% Benefício Fiscal = $3 Desembolso = $7 Custo Líquido = 7/100 = 7% Custo de Capital de Terceiros Custo de Capital de Terceiros Admita um financiamento de $ com juros de $12.000/ano. Sendo a IR = 34%, os juros da dívida representam quanto na realidade? K T = =12% Taxa Bruta Kd = K (1 IR) = 12%(1 0,34) =7,92% Taxa Líquida T Benefício Fiscal TOTAL: ATIVO PASSIVO Ativo Circulante: Caixa, Contas a receber, Estoques, Etc... Ativo Não Circulante: Equipamentos, Propriedades, Sistemas, Marcas, Etc... Passivos circulantes: Salários; Contas a pagar; dívidas curto prazo, etc... Exigível longo prazo: Dívida de longo prazo Patrimônio Líquido: Capital dos acionistas, Ações Ord Ações Pref etc Custo que seja a média Terceiros K T Próprio K S

11 Lógica e Definição de Custo de Capital Comp Custo PL (capital próprio) % 30% 0,8 x 30% = 24% Dívidas % 20% 0,2 x 20% = 04% Total % Custo Médio Comp Custo PL (capital próprio) % 30% 0,5 x 30% = 15% Dívidas % 20% 0,5 x 20% = 10% Total % Custo Médio Custo de Capital de Próprio É a remuneração exigida pelos acionistas e/ou investidores que detém a ação da empresa Custo de oportunidade desses investidores Rendimento ação: dividendos e ganho de capital Dividendo = lucro distribuído Ganho de Capital = valorização ação no mercado Cálculo: 1) CAPM: Notação: K S R ativo = K S = Rf + β i (Rm Rf) S = Sócio = Capital Acionário = Patrimônio Líquido Custo de Capital de Próprio pelo CAPM CAPM: R ativo = K S = Rf + β i (Rm Rf) Taxa de retorno exigida pelo investidor requer a taxa livre de risco (Rf) + prêmio (Rm Rf) que remunere o risco sistemático (β) apresentado pela ação da empresa ou pelo projeto. 1. O beta da empresa = beta do projeto Riscos são iguais 2. Se esses têm riscos diferentes, o beta do projeto beta da empr. 3. O CAPM é uma simplificação da realidade. 4. É útil em fornecer valores básicos e essenciais para uma tomada de decisão racional. Exercício 2 Admita que as ações de uma empresa apresente um beta igual a 1,2. A empresa está avaliando 3 projetos com risco similar ao da empresa. Taxa livre de risco da economia = 4,5%; Prêmio de risco = 9,0%.Qual o custo de capital próprio a ser adotado na avaliação dos projetos? CAPM: R ativo = K S = Rf + β i (Rm Rf) R ativo =K S = 4,5 + 1,2 (9) = 15,3%

12 CAPM no Brasil A aplicação do CAPM no Brasil para a estimação do capital próprio tem algumas limitações: 1) Pouca transparência 2) Alto grau de concentração das ações negociadas no mercado 3) Baixa participação das ações ordinárias nos pregões 4) Limitado número de empresas no Novo Mercado CAPM no Brasil Uma adequação do CAPM no Brasil Referência: Mercado Acionário Americano R i = Rf + β i (Rm Rf) + r BR Rf Títulos Tesouro Americano de LP Beta empresas do mesmo setor Rm índice Dow Jones ou S&P500 Risco Brasil (r br ) EMBI+ risco de default CAPM no Brasil Risco Brasil (α br ) EMBI+ risco de default JP Morgan Emerging Markets Bonds Index Plus (EMBI+Brazil) Média ponderada dos prêmios pagos por títulos de dívida externa brasileira em relação a papéis de prazo equivalente do Tesouro dos s Unidos Medidos em pontos base: 100 pontos = 1% EMBI+BR atualmente em 180 pontos (aprox.) Exercício 3 Admita uma ação que apresenta um beta igual a 0,85. A taxa livre de risco = 6% e o retorno do mercado = 15%. O risco Brasil está em 2%. Determine a remuneração exigida mínima pelo custo de oportunidade do capital? R i = Rf + β i (Rm Rf) + α BR R i = 6 + 0,85 (15 6) + 2 = 15,65%

13 Custo de Capital de Próprio pelo Modelo de Dividendos Dividendo remuneração do acionista remuneração do capital próprio P 0 preço da ação em t = 0 D 1 dividendos esperados por ação em t = 1 g taxa de crescimento esperada dos dividendos em perpetuidade; ke taxa de retorno da ação. (o que queremos calcular) n FCt VPL = I 1 t 0 D ( 1+ k 1 D2 D3 ) P0 = k ( 1+ k) ( 1+ k) n Divt Vaçao = 1 t ( 1+ k ) D0(1 + g) D1 ( 1+ g) D2(1 + g) P0 = k ( 1+ k) ( 1+ k) D1 Perpetuidade P0 = k g S Custo de Capital de Próprio pelo Modelo de Dividendos D D D P = k 1+ k 1+ k ( ) ( ) D1 ( 1+ g) ( ) ( ) D0 (1 + g) D2 (1 + g) P0 = k 1+ k 1+ k Perpetuidade k D1 P0 = k g k S S D g = P D 1 S = + P0 g 1 0 Custo de Capital de Próprio Custo de Capital Modelo de Desconto de Dividendos: k D 1 S = + P0 Modelo CAPM: R i = K S = Rf + β i (R m Rf) g TOTAL: ATIVO PASSIVO Ativo Circulante: Caixa, Contas a receber, Estoques, Etc... Ativo Não Circulante: Equipamentos, Propriedades, Sistemas, Marcas, Etc... Passivos circulantes: Salários; Contas a pagar; dívidas curto prazo, etc... Exigível longo prazo: Dívida de longo prazo Patrimônio Líquido: Capital dos acionistas, Ações Ord Ações Pref etc Terceiros Próprio K S Custo que seja a média

14 Antes de avançar Exercício 4 O prêmio por risco de mercado é de 8% e o ativo livre de risco rende 6%. Qual das duas ações tem maior risco? Exercícios de Custo de Capital de Terceiros Custo de Capital Próprio CAPM Recessão Normal Crescimento Retornos A B 10% 14% 60% 24% 30% 28% -20% 10% 42% E( R ) = Pr ob (R ) + Pr ob (R ) Pr ob (R ) A n n β = E ( R) Rf ( Rm Rf ) Exercício 4 Rf = 6% Rm Rf = 8% Retorno Esperado = Beta (β) = Qual das duas ações tem maior risco? Recessão Normal Crescimento Retornos A B 10% 14% 60% 24% 30% 28% -20% 10% 42% 24% 17% 2,3 1,3 TÓPICOS ESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. PROF. LUIZ E. BRANDÃO RAFAEL IGREJAS E( R ) = Pr ob (R ) + Pr ob (R ) Pr ob (R ) A n n β = E ( R) Rf ( Rm Rf )

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Custo de Capital. Capital ELP BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Incrementos. oportunidade Livres de impostos. Mix INVESTIMENTOS. Custos do financiamento

Custo de Capital. Capital ELP BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Incrementos. oportunidade Livres de impostos. Mix INVESTIMENTOS. Custos do financiamento Tópico Novo Custos do financiamento Custo de Capital Custo Médio Ponderado de Capital ou Taxa Mínima de Atratividade Mix Custos Individuais Ponderação por volume Aspectos que continuam sendo importantes

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 30-10-2013 aula 3 Fluxo de Caixa Apuração do Imposto de Renda com base no Lucro Real Apuração do Imposto de Renda com

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital. MM - Proposição I. Efeito das imperfeições do mercado. Custo de Capital. Premissas do Modelo de MM

Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital. MM - Proposição I. Efeito das imperfeições do mercado. Custo de Capital. Premissas do Modelo de MM Modigliani e Miller (MM) Estrutura de Capital Premissas do Modelo de MM Não existem impostos. O endividamento da empresa não afeta o seu custo de capital A divisão do lucro entre Dividendos e Lucros Retidos

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE ll

O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE ll O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE ll! REMUNERAÇÃO PELA ESPERA! REMUNERAÇÃO PELO RISCO! COEFICIENTE BETA! A EQUAÇÃO Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas CUSTO DAS DIVERSAS FONTES DE CAPITAL Aula 4 Da aula passada: Vimos a relação entre risco e retorno; Os benefícios da diversificação (eliminação do risco não-sistemático); O que importa

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 7 - Custo de Capital e Estrutura de Capital Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios, fundamentos

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais Financiamento a Longo Prazo Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Alternativas Ações Ordinárias Ações Preferenciais Debêntures Outros títulos de dívida BNDES Capital Próprio Ações autorizadas x emitidas Lucros retidos

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO

COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA EMPRESA DE CAPITAL FECHADO COMO CALCULAR O COEFICIENTE BETA DE UMA Como dimensionar o Custo de Capital de uma empresa de capital fechado? Como solucionar a apuração de custo de capital no Brasil? A determinação do coeficiente Beta

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)

Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM) Cálculo do Custo de Capital Próprio (Utilizando o CAPM)! Petroquímica Brasil (nome de fantasia)! Guia para elaboração de um relatório do trabalho Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 19/02/2010 CETIP S.A BALCÃO ORGANIZADO DE ATIVOS E DERIVATIVOS A Companhia A CETIP S.A. - Balcão Organizado de Ativos e Derivativos ( Companhia ou CETIP ) opera o maior Mercado Organizado para Ativos de

Leia mais

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes.

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Data Base 31.12.2010 Dados do declarante Participação no capital social do declarante Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Poder de voto de

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01901-1 EMPR. CONCESS. DE RODOVIAS DO NORTE S.A. 02.222.736/0001-30 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01901-1 EMPR. CONCESS. DE RODOVIAS DO NORTE S.A. 02.222.736/0001-30 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1 Balanço Patrimonial Aplicação dos Capitais

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital.

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital. DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este trabalho considera os custos de dívidas a longo prazo,

Leia mais

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Métodos de Análise Valor Presente Líquido (VPL): Fácil de entender, fácil de calcular. Depende do conhecimento prévio de uma taxa de desconto. Taxa Interna de Retorno (TIR): Difícil de

Leia mais

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 Í DICE BETA E SUA IMPORTÂ CIA PARA A DETERMI AÇÃO DE RISCO DOS ATIVOS Beta ajustado, contábil, alavancado e desalavancado Sua utilização como medida de risco dos ativos Autora:

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO Mário Henrique da F. Oliveira

Leia mais

ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL

ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL PRINCIPAIS TEMAS DESAFIOS E FATORES DE SUCESSO NA GLOBALIZAÇÃO. OBJETIVO DA EMPRESA. DIVIDENDOS:

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Segurança financeira. Garanta sua renda mensal. Recolocação no mercado de trabalho pode não ser tão fácil Precisa estar preparado para altos e baixo.

Segurança financeira. Garanta sua renda mensal. Recolocação no mercado de trabalho pode não ser tão fácil Precisa estar preparado para altos e baixo. Dicas para o Sucesso Dedicação Atualização de conhecimento mercado que pretende atuar. Segurança Financeira nunca utilize todos os seus recursos. Não arrisque sua segurança. Segurança financeira Garanta

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 9: Concessionárias de Transmissão S u b m ó d u l o 9. 8 M e t o d o l o g i a d e c á l c u l o de p r e ç o t e t o d a R e c e

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

Balanço Patrimonial ( em R$ 000 )

Balanço Patrimonial ( em R$ 000 ) Demonstrações Financeiras Índice de Endividamento Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ( em R$ 000 ) Circulante X X-1 Caixa... 363 288 Títulos Negociáveis... 68 51 Duplicatas a Receber... 503

Leia mais

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Política de Investimento Os RPPS possuem obrigação legal de elaborar anualmente sua política de investimentos; Essa política deve

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS

FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS FLUXO DE CAIXA BÁSICO E ARRENDAMENTOS PORTUÁRIOS Ângelo da Silva Agosto/2011 Conceitos 2 Lucro econômico (L) = Receitas Custos (deve embutir o custo de capital, diferindo do lucro contábil) Um projeto

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS

FINANÇAS CORPORATIVAS FINANÇAS CORPORATIVAS Marcus Quintella, D.Sc. E-mail: marcus.quintella@fgv.br Internet: www.marcusquintella.com.br FINANÇAS CORPORATIVAS Marcus Quintella, D.Sc. Bibliografia Recomendada ROSS, S. A., WESTERFIELD,

Leia mais

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc.

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc. DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Regime de Caixa Regime de Competência X DFC: Objetivo/finalidade Permitir que investidores, credores e outros usuários avaliem:

Leia mais

GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital

GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital Prof: Cleber Almeida de Oliveira 1. Introdução Neste módulo abordaremos as decisões de investimento e de financiamento. Os seguintes conceitos deverão

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Como funciona a análise fundamentalista de ações

Como funciona a análise fundamentalista de ações Como funciona a análise fundamentalista de ações Entenda como os investidores analisam balanços e fazem contas para avaliar se determinada empresa está ou não barata Julia Wiltgen, de EXAME.com GETTY IMAGES

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES

ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES Empresas do Setor de Concessionárias de Transportes AGConcessoes BGPar CCR Conc Rio Teresopolis Concepa Econorte Ecosul Ecovias Invepar Localiza OHL Brasil Triunfo Empresas

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS 110 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BÁSICAS CAPITAL ORDINÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2006 2005 Caixa e investimentos Caixa................................................. $ 276 $ 223 Investimentos Carteira

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 No balanço real de uma empresa ativos e capacitações são financiados

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

2. Avaliação de Ativos

2. Avaliação de Ativos 15 2. Avaliação de Ativos 2.1. O método tradicional Fluxo de Caixa Descontado (FCD) O método de fluxo de caixa descontado (FCD) é atualmente o mais utilizado por profissionais de finanças na avaliação

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 Sumário Prefácio xiii 1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 A EMPRESA 6 CUSTO DE OPORTUNIDADE 8 PROJETO DE INVESTIMENTO 9 VALOR DO PROJETO 10 LUCRO ECONÔMICO DO PROJETO 14 VALOR PRESENTE LÍQUIDO DO

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

12/09/13. } Conceitos:

12/09/13. } Conceitos: Adriano Gonçalves de Araujo Ana Carolina Cezar Sales Fabíola Gomes Silva Magalhães Renato Domingos Arantes Silvia Cristina A. S. de Paula } Conceitos: Preço justo de uma ação; Valor estimado de um projeto

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 12: Concessionárias de Geração. S u b m ó d u l o 12. 3

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 12: Concessionárias de Geração. S u b m ó d u l o 12. 3 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 12: Concessionárias de Geração S u b m ó d u l o 12. 3 C U S T O D E C A P I T A L DA G E R A Ç Ã O Revisão Motivo da revisão Instrumento

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

ICPC 14 Cotas de Cooperados em Entidades Cooperativas e Instrumentos Similares

ICPC 14 Cotas de Cooperados em Entidades Cooperativas e Instrumentos Similares ICPC 14 Cotas de Cooperados em Entidades Cooperativas e Instrumentos Similares Introdução Esta Interpretação tem por base a IFRIC 2 do IASB que foi editada para esclarecer aspectos sobre a classificação

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 20 2. Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema Custo de Capital, sendo dividido em diversas seções. Cada seção apresentará

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais