Projeto de Integração das Clearings

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Integração das Clearings"

Transcrição

1 Projeto de Integração das Clearings Início da Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da 2ª Fase do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos reguladores 17/10/2014 Projeto de Integração das Clearings Fase 2 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno x Público 1

2 AGENDA INTRODUÇÃO PRINCIPAIS MUDANÇAS DO MODELO FASE 2 CRONOGRAMA TRANSIÇÃO EXTERNA SINACOR Projeto de Integração das Clearings Fase 2 2

3 INTRODUÇÃO PRINCIPAIS MUDANÇAS DO MODELO FASE 2 CRONOGRAMA TRANSIÇÃO EXTERNA SINACOR Projeto de Integração das Clearings Fase 2 3

4 INTRODUÇÃO A Câmara BM&FBOVESPA foi implantada em 18 de agosto de 2014 com a migração dos mercados de Derivativos Financeiros e de Commodities e Ouro (Fase 1) e integrará os mercados de Renda Variável e Renda Fixa Privada (Fase 2), de acordo com o cronograma que será apresentado a seguir. Apresentaremos as principais mudanças de modelo para a migração dos mercados de Renda Variável e Renda Fixa Privada para a Câmara BM&FBOVESPA, o cronograma da Fase 2, a atuação da Transição Externa com os Participantes e a estratégia de integração do Sinacor. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 4

5 AGENDA INTRODUÇÃO PRINCIPAIS MUDANÇAS DO MODELO FASE 2 CRONOGRAMA TRANSIÇÃO EXTERNA SINACOR Projeto de Integração das Clearings Fase 2 5

6 Estrutura de Participantes Participante de Negociação Pleno (PNP) Participante com autorização de acesso para negociação de operações. Participante de Negociação (PN) Participante com autorização de acesso para intermediação de operações por meio de um ou mais PNP. Participante de Liquidação (PL) Participante com autorização para recebimento de operações próprias e de clientes mediante repasse, para fins de controle de posições e administração de risco até sua liquidação. Este participante não possui acesso direto ao ambiente de negociação. Membro de Compensação (MC) - Participante com autorização de acesso para liquidação. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 6

7 Novos Requisitos Financeiros para PNP (requisitos atuais) (novos requisitos) Capital de Giro Próprio Patrimônio Líquido Capital de Giro Próprio Patrimônio Líquido Pleno R$ 3,75 MI N/A Renda Variável R$ 4 MI R$ 7,5 MI Regional R$ 750 Mil N/A Renda Fixa Privada R$ 1 MI R$ 3 MI Renda Fixa e Balcão R$ 750 Mil N/A Projeto de Integração das Clearings Fase 2 7

8 Novos Requisitos Financeiros MC (requisitos atuais) Capital de Giro Próprio Patrimônio Líquido Fundo de Liquidação Operacional Agente de Compensação Pleno R$ 5 MI R$ 1,5 MI R$ 7,9 MI Agente de Compensação Próprio R$ 3 MI 600 mil R$ 2,6 MI Projeto de Integração das Clearings Fase 2 8

9 Novos Requisitos Financeiros MC Capital de Giro Próprio (novos requisitos) Patrimônio Líquido Garantia Mínima Não Operacional Fundo de Liquidação Renda Variável Tipo 1 R$ 5 MI R$ 7,5 MI N/A R$ 4 MI Renda Variável Tipo 2 R$ 7,5 MI R$ 10 MI N/A R$ 4 MI Renda Variável Tipo 3 R$ 10 MI R$ 12,5 MI N/A R$ 10 MI Obs. Tipo 1: liquida operações de carteira própria e carteiras do mesmo conglomerado financeiro Tipo 2: liquida operações do Tipo 1 e também liquida operações de PNP pertencente ao mesmo conglomerado financeiro Tipo 3: liquida operações dos Tipos 1 e 2, além de poder liquidar operações de qualquer PNP, independente do conglomerado financeiro do qual faça parte. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 9

10 Novos Requisitos Financeiros - PL (requisitos atuais) (novos requisitos) Capital de Giro Próprio Patrimônio Líquido Capital de Giro Próprio Patrimônio Líquido N/A N/A Renda Variável R$ 4 MI R$ 7,5 MI Renda Fixa Privada R$ 1 MI R$ 3 MI Projeto de Integração das Clearings Fase 2 10

11 Projeto de Integração das Clearings Fase 2 11

12 Projeto de Integração das Clearings Fase 2 12

13 Contas e Vínculos Contas novas Tipologia baseada em atributo da conta Tipos de conta mantidos: Conta normal Conta erro Conta erro operacional Conta máster Conta admnicon Conta normal para restrição de entrega Conta Intermediária Conta fintermo Novos tipos de conta: Conta captura Conta brokerage Conta transitória para formador de mercado Vínculos novos Tipos de vínculo mantidos: Por conta e ordem Conta máster Tipo de vínculo excluídos: Cliente qualificado Novos tipos de vínculo: Repasse Custodiante opcional Exercício Projeto de Integração das Clearings Fase 2 13

14 Repasse de Operações (1/2) O modelo de Cliente Qualificado será substituído pelo modelo único de repasse de operações, operacionalizado por meio de alocação em contas com vínculo de repasse. Modelo de Cliente Qualificado: Projeto de Integração das Clearings Fase 2 14

15 Repasse de Operações (2/2) Modelo unificado de repasse: Projeto de Integração das Clearings Fase 2 15

16 Tipos de Repasse (1/2) Tripartite: o comitente final ou a conta máster é identificado em ambos os participantes, na origem e no destino do repasse. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 16

17 Tipos de Repasse (2/2) Brokerage: o comitente final é identificado somente no participante destino do repasse. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 17

18 Rejeição de Repasse Projeto de Integração das Clearings Fase 2 18

19 Captura de Operações Se a operação vier sem a identificação de conta do ambiente de negociação, a operação é capturada na conta captura do PNP, para posterior alocação. Se a operação vier com uma conta inválida no cadastro da bolsa, a operação é capturada na conta erro do PNP. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 19

20 Alocação O controle das alocações passará ser feito pelo número de alocação, sem perda da rastreabilidade do número de negócio, data de pregão e código de negociação. A alocação, no modelo unificado, deixará de ter o modelo de sobreposição e passará a ser incremental. Ou seja, o participante identificará, por meio do número de alocação, a parte do negócio em que deseja indicar uma nova alocação ou excluir a alocação existente. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 20

21 Realocação (1/3) O processo de alteração de conta contemplará duas etapas (exclusão e inclusão): 1. Exclusão: processo pelo qual o participante excluirá a conta alocada (sujeito à análise de risco pela câmara). A. No caso de exclusão de uma conta normal vinculada a uma conta máster, ou seja, de um filhote, o negócio retorna para a conta máster. B. Para exclusão dos demais tipos de contas, o negócio vai para a conta erro do participante. 2. Inclusão: processo pelo qual o participante incluirá uma nova conta. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 21

22 Realocação (2/3) A etapa da exclusão será obrigatória quando for realocação de negócio alocado em contas do tipo normal, erro operacional ou máster. No caso de máster, somente se a nova conta a ser alocada não for uma conta normal vinculada (filhote). Projeto de Integração das Clearings Fase 2 22

23 Realocação (3/3) A etapa de exclusão não será necessária quando o negócio estiver alocado em contas transitórias: admincon, máster, intermediária, fintermo, captura ou brokerage. Caso já esteja alocado na conta erro, também não será necessária a exclusão Projeto de Integração das Clearings Fase 2 23

24 Direcionamento de Custódia Durante o processo de alocação, o PNP/PL continuará podendo direcionar a entrega/recebimento dos ativos a um Agente de Custódia. Além da possibilidade de direcionamento na alocação, negócio a negócio, haverá a melhoria operacional para direcionamento via vínculo de custódia. Este será um vínculo previamente estabelecido entre a conta sob o PNP/PL e a conta sob o Agente de Custódia. Nas duas formas de direcionamento, o Agente de Custódia continuará podendo aceitar ou rejeitar a entrega/recebimento dos ativos. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 24

25 Controle de Posições O controle das posições passará a ocorrer de maneira centralizada em um único sistema (RTC), com visualização por meio de telas e arquivos. Além das posições dos derivativos sobre ações (opções e termo), dos aluguéis de ativos, das falhas de entrega e das recompras, as obrigações e os direitos oriundos do mercado à vista (operações a liquidar) também serão caracterizadas como posições. As posições serão atualizadas em tempo real a cada evento de atualização. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 25

26 Transferência de Posições O processo de transferência de posição será único para todas as posições de derivativos, similar ao implantado na v1. O sistema gerará um número identificador para cada solicitação de transferência e o informará ao participante origem da transferência. Este número deverá ser informado ao cliente que, por sua vez, deverá informá-lo ao participante destino da transferência. Com este número, o sistema da Clearing (RTC) identificará as posições, a conta origem e a destino da transferência. A análise de risco será realizada em tempo de transferência, ou seja, as solicitações de transferência estarão sujeitas à análise de risco por parte da Clearing. As posições oriundas do mercado à vista (compras e vendas a liquidar) não serão passíveis de transferência. Durante o prazo de alocação, o participante poderá utilizar o processo de repasse de operações. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 26

27 Compensação de Ativos Todos os produtos passarão a ter seus ativos compensados num único saldo líquido multilateral. Exemplos: (i) a liquidação de uma compra à vista compensará com devolução de um aluguel de ativos (tomador); (ii) a liquidação de uma venda à vista compensará com a liquidação de contrato de compra a termo. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 27

28 Alteração de Carteira em D+3 Até 9h45 de D+3, o Agente de Custódia poderá alterar a carteira indicada na instrução de liquidação. Com esta nova funcionalidade, será possível maior controle durante o processo de liquidação, evitando falhas de entrega por instrução indevida. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 28

29 Janela Única de Liquidação Legenda: RFP Renda Fixa Privada RV Renda Variável 10:00 Entrega de títulos de RV 13:00 Horário limite para a movimentação de garantias em reais 13:30 Horário Limite para Entrega de Títulos (RFP) 14:10 Divulgação Resultado Líquido em Recursos Financeiros 14:50 Horário Limite para Pagamento dos Recursos Financeiros pelos Participantes à Câmara 15:25 Entrega dos Títulos (RV, RFP) e Pagamento dos Recursos Financeiros pela Câmara aos Participantes 10:00 11:00 12:30 13:00 13:30 14:10 14:50 15:25 Sem escala 10:00 às 11:00 Tratamento de falhas na Entrega dos Títulos: - RV: BTC, Instrução de regularização e recompra 12:30 Horário Limite para Entrega de Ouro 13:30 às 14:10 Tratamento de falhas na Entrega dos Títulos (RFP) 14:50 às 15:25 Tratamento de falhas no Pagamento de Recursos Financeiro (linhas de liquidez Projeto de Integração das Clearings Fase 2 29

30 Termo Não haverá alteração nas características básicas do produto Termo deve ser coberto Utilização de mensagens para: Solicitação de liquidação antecipada Registros de compra ou de venda Transferência de posições Possibilidade de indicação de Agente de Custódia para: Entrega do ativo da compra do termo, na solicitação de liquidação antecipada ou liquidação no vencimento Cobertura do termo Liquidação pelo saldo líquido multilateral Compensação com demais operações Tratamento de falha idêntico para todos os mercados Projeto de Integração das Clearings Fase 2 30

31 Opções (1/2) DIRECIONAMENTO DE COBERTURA Uma opção poderá ser coberta tanto com ativos depositados no Agente de Custódia do próprio participante detentor da opção como também em outro Agente de Custódia (direcionamento da cobertura). Projeto de Integração das Clearings Fase 2 31

32 Opções (2/2) EXERCÍCIO DE POSIÇÃO SOB O PL Com (i) a substituição do modelo de Cliente Qualificado para o repasse e (ii) a introdução do PL, será possível que um PL seja detentor de uma posição de opção. Para o exercício desta opção, o PL deverá estabelecer relacionamento com um ou mais PNPs, a critério do PL, por meio de estabelecimento de vínculo de exercício, entre a conta sob o PL e a conta sob o PNP, no sistema de cadastro da bolsa. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 32

33 Aluguel de Ativos (1/2) Simplificação das características dos contratos: Todos os contratos poderão ser devolvidos antecipadamente pelo tomador, respeitando a data de carência (98%) Todos os contratos serão renováveis (99,9%) Todos os contratos terão a valorização pelo início do contrato (99,9%) Somente serão aceitas ofertas de participantes que possuam uma cadeia de responsabilidade perante a Clearing, ou seja, PNPs e PLs. Estes, por sua vez, poderão direcionar a entrega ou recebimentos dos ativos a um Agente de Custódia. O registro de ofertas continuará sendo realizando por meio do sistema BTC Carteira 28 passará a ser bloqueada para movimentações Projeto de Integração das Clearings Fase 2 33

34 Aluguel de Ativos (2/2) Todas as funcionalidades permitidas enquanto o contrato estiver em aberto (alteração de contrato, renovação de contrato e solicitação de liquidação) serão realizadas por meio do sistema RTC. Alteração de contrato: somente informações de custódia, data de carência, reversibilidade ao doador, tipo de liquidação A liquidação do doador ao tomador em D+0 (ida) continuará ocorrendo pelo módulo de liquidação bruta. Já a liquidação do tomador ao doador em D+n (volta) poderá ocorrer pelo módulo de liquidação bruta ou pelo módulo de liquidação líquida, conforme especificação do contrato, acordado entre as partes. No caso de liquidação pelo saldo líquido, os ativos compensarão com outras operações e outros mercados. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 34

35 Tarifação de Cliente Qualificado Com a substituição do modelo Cliente Qualificado para o repasse, a taxa de liquidação, a taxa de registro e os emolumentos serão cobrados da cadeia do participante (MC/PNP ou PL) detentor da posição. Ou seja, no caso de repasse, nenhuma tarifa da bolsa será cobrada do participante origem do repasse. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 35

36 Garantias (1/2) O Novo Sistema de Garantias (NGA), já em produção na Câmara nova, oferece eficiência operacional aos participantes e sua estrutura é unificada com o novo modelo de Pós-Negociação. Principais benefícios para os Participantes: Os clientes com déficit de margens serão informados no Monitor de Chamada de Margem e serão debitados pelo Sistema de Liquidação Financeira (SLF) apenas se não atenderem a chamada de margem até o horário limite; Os Participantes poderão simular movimentações de depósitos, retiradas, distribuições e transferências de garantias; Os Participantes poderão movimentar vários ativos de uma única vez, via tela ou mensagem; Projeto de Integração das Clearings Fase 2 36

37 Garantias (2/2) As transferências de garantias serão automatizadas (as cartas não serão mais necessárias), podendo ou não serem realizadas em conjunto com a posições da carteira; As transferências de ações para garantias, poderão ser efetuadas sem a necessidade de mudar de agente de custódia. Poderá ser realizada somente com a mudança entre carteiras. A utilização de ações e dinheiro depositados em garantia poderão ser utilizados para atender à liquidação desde que haja saldo disponível; Os arquivos serão padronizados em extensão XML no modelo ISO ; Todas as consultas referente a garantias serão atualizadas de forma online, atualmente a maior parte das informações são atualizadas em batch. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 37

38 Risco Principais benefícios para os Participantes: O modelo de risco CORE calculará o risco integrado das posições de derivativos financeiros e commodities, renda variável, renda fixa privada e garantias; O risco da carteira integrada poderá ser simulado pelo Simulador da Câmara nova; Haverá apenas um único Fundo de Liquidação e valor de sua contribuição variável será calculada pelo CORE; O controle do Saldo Operacional contemplará conjuntamente renda variável e renda fixa privada; O PNP/PL poderá também depositar garantias para aumento do Limite de Risco Intradiário; As posições cobertas de derivativos e empréstimos de ações serão consideradas na carteira integrada para fins de cálculo de risco. Projeto de Integração das Clearings Fase 2 38

39 Estrutura de Salvaguardas da Clearing BM&FBOVESPA Capital da BVMF BVMF Membro de Compensação BVMF Membro de Compensação Capital da BVMF FLI FLI FLI Adimplentes pagam Inadimplente paga Contribuição fixa determinada de acordo com requisitos de acesso Contribuição variável calculada pelo CORE Membro de Compensação PNP/PL Cliente Colaterais (inclusive Garantias Mínimas não operacionais) Projeto de Integração das Clearings Fase 2 39

40 AGENDA INTRODUÇÃO PRINCIPAIS MUDANÇAS DO MODELO DA FASE 2 CRONOGRAMA TRANSIÇÃO EXTERNA SINACOR Projeto de Integração das Clearings Fase 2 40

41 CRONOGRAMA CONSTRUÇÃO CERTIFICAÇÃO TRANSIÇÃO Início Out/14 Hoje 1º T 2º T 3º T 4º T 1º T 2º T 3º T 4º T Desenvolvimento e Testes Entendimento do Modelo Requisitos Desenvolvimento Testes Internos Certificação em Fases Produção Paralela Conectividade Cadastros Liquidação Riscos, Garantias e Preços Término Out/16 Entendimento do Modelo e Requisitos Janeiro/15 Acompanhamento do Desenvolvimento e Testes Internos Término da Construção e Início da Certificação Novembro/15 Término da Certificação e Início de Produção Paralela Maio/16 Implantação V2 Outubro/16 Projeto de Integração das Clearings Fase 2 41

42 AGENDA INTRODUÇÃO PRINCIPAIS MUDANÇAS DO MODELO FASE 2 CRONOGRAMA TRANSIÇÃO EXTERNA SINACOR Projeto de Integração das Clearings Fase 2 42

43 TRANSIÇÃO EXTERNA Interação com os Participantes Nova Composição do GT novos participantes e ampliação do tipo de atividade/especialização Custodiante e TI Subgrupos dependendo da necessidade e andamento do projeto Acompanhamento dos participantes desde o início da Fase 2 Avaliação da evolução do desenvolvimento de TI e Processos Reuniões bilaterais para esclarecimento de dúvidas sobre o novo modelo da Fase 2 Papel do Ponto Focal dos Participantes e da BM&FBOVESPA Formalização do Ponto Focal do Participante Realização de Workshop técnico Projeto de Integração das Clearings Fase 2 43

44 TRANSIÇÃO EXTERNA Documentação sobre a Fase 2 Site do Projeto (ipn.bmfbovespa.com.br) Regulamento e Manual de Acesso DE/PARA do Modelo DE/PARA de Mensagens e Arquivos Catálogos de Mensagens e Arquivos Projeto de Integração das Clearings Fase 2 44

45 AGENDA INTRODUÇÃO PRINCIPAIS MUDANÇAS DO MODELO FASE 2 CRONOGRAMA TRANSIÇÃO EXTERNA SINACOR Projeto de Integração das Clearings Fase 2 45

46 AGENDA Detalhamento VISÃO GERAL do escopo ABORDAGEM ESTRATÉGICA PARA UNIFICAÇÃO Projeto de Integração das Clearings Fase 2 46

47 VISÃO GERAL Construção de um novo módulo de Ordens em duas etapas, que contemple ambos os segmentos e renove o conceito do produto, adaptando-se à realidade atual dos participantes. Aumento da qualidade e eficiência do produto; Impacto reduzido aos participantes; Adesão gradativa ao novo modelo SINACOR. Unificação (Derivativos e Equities) em duas fases: Integração de Equities para o IPN v2; Transposição de Derivativos para o novo modelo (Roadmap do produto). Projeto de Integração das Clearings Fase 2 47

48 AGENDA Detalhamento VISÃO GERAL do escopo ABORDAGEM ESTRATÉGICA PARA UNIFICAÇÃO Projeto de Integração das Clearings Fase 2 48

49 ABORDAGEM ESTRATÉGICA PARA UNIFICAÇÃO IPN v1 Módulo de Ordens Clearing SMP iso SMP Módulos Internos 3. Alocação Mensageria 2. Oferta/Execução Equities Custódia DMA Sistema de Negociação 1. Ordem 2. Oferta/Execução Derivativos Ordens BOVESPA Ordens BMF Módulo de Alocação 3. Alocação Faturamento BOVESPA Faturamento BMF Tesouraria Conta Corrente Homebroker Mesa Corretora Legado OMS Homebroker Risco Alta Freqüência Sistemas Externos Projeto de Integração das Clearings Fase 2 49

50 ABORDAGEM ESTRATÉGICA PARA UNIFICAÇÃO IPN v2 - Novo Módulo de Ordens Camada de replicação de equities mantém a compatibilidade com estrutura de dados Clearing Sistema de Negociação 2. Oferta/Execução Equities SMP iso Novo Ordens Equities 3. Alocação Módulo de Alocação Mensageria 3. Alocação C O N V E R S Ã O Faturamento BOVESPA Módulos Internos Custódia Tesouraria 1. Ordem 2. Oferta/Execução Derivativos Ordens BMF Faturamento BMF Conta Corrente DMA Homebroker Mesa Corretora Legado OMS Homebroker Risco Alta Freqüência Sistemas Externos Projeto de Integração das Clearings Fase 2 50

51 ABORDAGEM ESTRATÉGICA PARA UNIFICAÇÃO Pós IPN Camada de integração de equities/derivativos oferece comunicação padronizada com estrutura de dados Clearing Sistema de Negociação 1. Ordem DMA 2. Oferta/Execução Equities/Derivativos SMP iso Novo Ordens 3. Alocação Mensageria I N T E G R A Ç Ã O Módulos Internos Custódia Tesouraria Conta Corrente Novo Faturamento Homebroker Mesa Corretora Alta Freqüência Legado OMS Homebroker Risco Sistemas Externos Projeto de Integração das Clearings Fase 2 51

52 Contato Projeto de Integração das Clearings Fase 2 52

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 Workshop Empréstimo de Ativos 31/08/2015 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico SINACOR Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos

Leia mais

Workshop 4 SINACOR Visão Geral

Workshop 4 SINACOR Visão Geral Workshop 4 SINACOR Visão Geral Dezembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

Telas de controle de posições e de liquidação

Telas de controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 5 Telas de controle de posições e de liquidação Agosto de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA AMBIENTE DE PÓS-NEGOCIAÇÃO

Leia mais

Integração da Infraestrutura de Pós Negociação AVALIAÇÃO DE IMPACTOS Fevereiro de 2013 versão 2.1

Integração da Infraestrutura de Pós Negociação AVALIAÇÃO DE IMPACTOS Fevereiro de 2013 versão 2.1 Integração da Infraestrutura de Pós Negociação Fevereiro de 2013 versão 2.1 A IMPLANTAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS DA BM&FBOVESPA E DO NOVO SISTEMA DE RISCO CORE (CLOSEOUT RISK EVALUATION) DEPENDE DE

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim 5ª Reunião do GT-Testes 7 de Fevereiro de 2013 A implantação do IPN depende de prévia autorização dos órgãos reguladores A implantação da integração das

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

IPN - Integração da Pós Negociação

IPN - Integração da Pós Negociação IPN - Integração da Pós Negociação IPN Integração da Pós Negociação Manual Operacional da (Fase 1 Derivativos financeiros e de commodities e ouro disponível) Fevereiro / 2014 Índice IPN Integração da Pós

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

Workshop 2 Cadastros. Novembro de 2012

Workshop 2 Cadastros. Novembro de 2012 Workshop 2 Cadastros Novembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos reguladores.

Leia mais

Programa IPN Certificação com o Mercado

Programa IPN Certificação com o Mercado Programa IPN Certificação com o Mercado A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos reguladores

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 8ª Reunião do GT-Testes 9 de Maio de 2013 Posição sobre as providências acordadas na realizada em 11-abr-2013 Posição sobre as providências acordadas na realizada

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Janeiro de 2007 GLOSSÁRIO... 9 CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES... 14 1. ASPECTOS GERAIS... 14 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS... 14 2. CADASTRO DE PARTICIPANTES...

Leia mais

São considerados Sistemas de Negociação os seguintes sistemas eletrônicos da BOVESPA:

São considerados Sistemas de Negociação os seguintes sistemas eletrônicos da BOVESPA: C A P Í T U L O I I - R E G I S T R O E A C E I T A Ç Ã O D E O P E R A Ç Õ E S 1. R EGISTRO DE O PERAÇÕES A CBLC registra Operações realizadas nos Sistemas de Negociação para os quais presta serviço.

Leia mais

Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação

Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação Outubro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE

Leia mais

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento.

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento. C A P Í T U L O I I I - C O M P E N S A Ç Ã O E L I Q U I D A Ç Ã O 1. A SPECTOS G ERAIS A CBLC é responsável pela Compensação e Liquidação das Operações com Ativos realizadas nos Sistemas de Negociação

Leia mais

Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa. Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco

Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa. Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco Implantação da Conta Máster no Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco Setembro/2010 1 AGENDA O que é a conta máster Titulares de conta máster Contas a serem vinculadas

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos 60 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) LIQUIDAÇÃO

Leia mais

O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite:

O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013 Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk

Leia mais

Seminário sobre Administração de Riscos na Câmara BM&FBOVESPA Fase 2

Seminário sobre Administração de Riscos na Câmara BM&FBOVESPA Fase 2 Seminário sobre Administração de Riscos na Câmara BM&FBOVESPA Fase 2 19 e 20 de outubro de 2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 x Programa 19 de outubro I. Diretrizes da Administração

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop SINACOR Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

CAPÍTULO II - REGISTRO E ACEITAÇÃO DE OPERAÇÕES... 23

CAPÍTULO II - REGISTRO E ACEITAÇÃO DE OPERAÇÕES... 23 GLOSSÁRIO... 9 CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES... 14 1. ASPECTOS GERAIS... 14 1.1. APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS... 14 1.2. CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES POR MERCADO E SISTEMAS

Leia mais

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco 02/03/2011 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL

Leia mais

Código de Erros - Mensageria 20/09/2013

Código de Erros - Mensageria 20/09/2013 Histórico de Versões... 2 Erros Mensageria - SMP (tsmt.016.001.03)... 3 Erros Mensageria - Cadastro de Participantes e Contas... 3 Erros Mensageria - RTC... 11 Erros Mensageria - Tarifação... 20 1 Histórico

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013 CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processo de Certificação 07/06/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR

Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR Sumário Pré-requisitos... 4 Configurações de Negócio...4 Instituição Financeira...4 Cenário A1.1... 6 Cenário A1.2... 16 Cenário A1.3... 17 Cenário A1.4... 26

Leia mais

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014 TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR Dezembro/2014 1. Introdução... 2 2. Estrutura de contas no BC... 2 3. Formas de acesso ao STR... 3 Acesso via RSFN... 3 Acesso via Internet...

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

Workshop Certificação Fase 6. SINACOR Cadastro de Clientes. Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ):

Workshop Certificação Fase 6. SINACOR Cadastro de Clientes. Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): Workshop Certificação Fase 6 SINACOR Cadastro de Clientes Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO 1 Agenda Alinhamento de

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Call sobre Processos de Liquidação 10/05/2013 DD/MM/AAAA A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout

Leia mais

Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação de Risco Relatório de Definições de Arquivos

Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação de Risco Relatório de Definições de Arquivos Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação Relatório de Definições de Arquivos Este documento descreve um conjunto de definições de arquivos desenvolvidos pela BM&FBOVESPA, a serem utilizados no processo

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão Custos Operacionais Os resgates solicitados são efetuados através de TED. Para tanto, cada cliente, terá direito a um por semana (gratuitamente), não cumulativo. A partir do segundo, será repassado o custo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC

Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC 11.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar definições, características, estrutura e aspectos operacionais de liquidação

Leia mais

Breve Histórico 6 Ativos Elegíveis 7 Utilização dos Ativos Emprestados 7 Participantes 7

Breve Histórico 6 Ativos Elegíveis 7 Utilização dos Ativos Emprestados 7 Participantes 7 Introdução O mercado acionário brasileiro vem ganhando crescente importância nos últimos anos. Nesse processo de desenvolvimento do mercado, com crescente sofisticação das operações e na busca do alargamento

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. Morgan Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA 09 de agosto de 2010 030/2010-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA Ref.: Acesso ao Sistema Eletrônico de Negociação Implantação dos Modelos de

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL Março 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 1 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL... 5 CAPÍTULO 2 ÁREAS DE CONHECIMENTO... 6 Operações... 6 Back Office... 6 Compliance... 7 Risco...

Leia mais

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Esta ficha complementa o cadastro do cliente na Credit Suisse (Brasil) S.A. CTVM ( Credit Suisse ) com informações

Leia mais

Processos de Liquidação Novo modelo Segmento de ações e seus derivativos

Processos de Liquidação Novo modelo Segmento de ações e seus derivativos Processos de Liquidação Novo modelo Segmento de ações e seus derivativos Abril de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

REGULAMENTO TESOURO DIRETO

REGULAMENTO TESOURO DIRETO REGULAMENTO TESOURO DIRETO Brasília Março/2015 Página 1 Glossário 4 1. Capítulo I - Regras Gerais 7 2. Capítulo II-Procedimentos Operacionais 7 2.1. Cadastro 7 2.1.1. Aspectos gerais 7 2.1.2. Cadastro

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos.

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos. C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013 CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012. Títulos-Objeto. Todas as ações de emissão de empresas admitidas à negociação na BM&FBOVESPA.

GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012. Títulos-Objeto. Todas as ações de emissão de empresas admitidas à negociação na BM&FBOVESPA. GUIA DE UTILIZAÇÃO HOME BROKER V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS

INICIAL. Guia de Criação da Base Produção Paralela IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS Guia de Criação da Base Produção Paralela INICIAL SEQUENCES, tabelas de BMF e CADASTRO. Atualização de Bancos de Dados. Validações necessárias. IMPORTANTE: MESMO QUE SEJAM EXECUTADOS OS PROCEDIMENTOS DA

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

GPD Gestão de Posições em Derivativos

GPD Gestão de Posições em Derivativos 2010 GPD Gestão de Posições em Derivativos BMF&Bovespa Versão 1.00 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O NOVO SISTEMA... 3 3. Lista de Referência... 5 3.1 Definições... 5 3.1.1 CAB Central de Atendimento BM&FBOVESPA...

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

C O M U N I C A D O E X T E R N O. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F

C O M U N I C A D O E X T E R N O. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F 03 de março de 2010 002/2010-DP C O M U N I C A D O E X T E R N O Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Lançamento do Sinacor+ em Março de 2010. Como é de conhecimento

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA Dezembro 2015 ÍNDICE Introdução 5 Funções e Notação 8 Capítulo 1 - Estrutura de Salvaguardas 9 1.1 Componentes da estrutura

Leia mais

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade Tesouro Direto Florianópolis Renato Andrade Visão Geral Vantagens Comprando Tributação e Vendendo Títulos Comprando e Vendendo Títulos Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil

Leia mais

Clearing de Ativos BM&F. Fluxos operacionais de processos de Back Office

Clearing de Ativos BM&F. Fluxos operacionais de processos de Back Office Clearing de Ativos BM&F Fluxos operacionais de processos de Back Office Versão 21/05/2003 1.1 Versão 1.1 1 Início das rotinas de abertura da Clearing D-1 D0 D+1 00h00 23h59 Funcionamento da Clearing 18h30

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais

O modelo de negócio de pós-negociação da BM&FBOVESPA Treinamento IPN Transição Externa

O modelo de negócio de pós-negociação da BM&FBOVESPA Treinamento IPN Transição Externa O modelo de negócio de pós-negociação da BM&FBOVESPA Treinamento IPN Transição Externa Aula 2 Março 2016 TREINAMENTO IPN TRANSIÇÃO EXTERNA 1 Agenda Atual ambiente de pós-negociação da BM&FBOVESPA Projeto

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A UMUARAMA S/A C.T.V.M, denominada simplesmente Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação A Renascença Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda., ora designada Renascença, em atendimento ao disposto no art. 20º, 4º da Instrução nº 505, de 27 de Setembro

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

1. A SPECTOS GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

1. A SPECTOS GERAIS 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS C A P Í T U L O I - C A D A S T R O D E P A R T I C I P A N T E S E I N V E S T I D O R E S 1. A SPECTOS GERAIS A CBLC administra dois sistemas de cadastro: o Sistema de Cadastro de Participantes e o Sistema

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN

Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR. Projeto: SINACOR - IPN Pré-Requisitos Certificação IPN- SINACOR Projeto: SINACOR - IPN A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização

Leia mais

REGULAMENTO TESOURO DIRETO

REGULAMENTO TESOURO DIRETO REGULAMENTO TESOURO DIRETO Tesouro Nacional GLOSSÁRIO 4 CAPÍTULO I REGRAS GERAIS 6 CAPÍTULO II PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 7 1. CADASTRO... 7 1.1. ASPECTOS GERAIS 7 1.2. CADASTRO DE AGENTES DE CUSTÓDIA

Leia mais

MERCADO DE OURO. Como investir no mercado a vista

MERCADO DE OURO. Como investir no mercado a vista MERCADO DE OURO Como investir no mercado a vista MERCADO DE OURO Como investir no mercado a vista 3 LIQUIDEZ INTERNACIONAL, DIVERSIFICAÇÃO DE INVESTIMENTO E RETORNO Ativo internacionalmente aceito, o

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS EMPRÉSTIMO DE ATIVOS Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 3 4 Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 1) O que é o serviço de Empréstimo de Ativos? Lançado em 1996, é um serviço por meio do qual os investidores,

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11.

A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. A BM&FBOVESPA S.A. anuncia os resultados do primeiro trimestre de 2009. O lucro líquido atingiu R$ 227 milhões com lucro por ação de R$ 0,11. O Lucro Líquido do 1T09 (sem ajustes) apresentou queda de 1,4%

Leia mais

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros

Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Diretoria de Assuntos Internacionais Gerência-Executiva de Normatização de Câmbio e Capitais Estrangeiros Geraldo Magela Siqueira Rio de Janeiro 16 / 17 de março de 2010 Contextualização As novas condições

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo. Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo. Consulta Pública de Lâmina de Fundo 1 de 6 11/06/2015 10:39 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva

Leia mais

Manual para o Preenchimento do Layout de Posição de Fundos e Carteiras

Manual para o Preenchimento do Layout de Posição de Fundos e Carteiras Manual para o Preenchimento do Layout de Posição de Fundos e Carteiras Versão 4.01 Outubro de 2009 13/10/2009 1 ÍNDICE Objetivo do Layout de posição... 03 Regras para o Nome do Arquivo...... 04 Estrutura

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário Aplicação no mercado imobiliário sem investir diretamente em imóveis O produto O Fundo de Investimento

Leia mais

O Limite Operacional do Agente de Compensação corresponde ao valor da Garantia por ele depositada após a aplicação do deságio apropriado.

O Limite Operacional do Agente de Compensação corresponde ao valor da Garantia por ele depositada após a aplicação do deságio apropriado. C A P Í T U L O V - G E R E N C I A M E N T O D E R I S C O S 1. A SPECTOS G ERAIS O Gerenciamento de Riscos tem por finalidades, identificar, mensurar e prover cobertura ou transferência dos riscos, em

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Mirae Asset Securities (Brasil) Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários Ltda., doravante denominada Mirae ou simplesmente Corretora, em atendimento ao disposto

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO OPERACIONAL. Roteiro Básico

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO OPERACIONAL. Roteiro Básico PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO OPERACIONAL Roteiro Básico Sumário Programa de Qualificação Operacional BM&FBOVESPA Sumário Programa de Qualificação Operacional BM&FBOVESPA Roteiro Básico CAPÍTULO 1 Cadastrar

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Workshop Requisitos Normativos

Workshop Requisitos Normativos Workshop Requisitos Normativos BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) Diretoria de Autorregulação 28 e 29 de maio de 2012 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO: CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

Catálogo de Serviços do SFN

Catálogo de Serviços do SFN do SFN Volume V Versão 4.07 Brasília, 11 de dezembro de 2015. Este catálogo foi publicado pelo Comitê Gestor da Comunicação Eletrônica de Dados no Âmbito do SFN, conforme competência expressa na Circular

Leia mais

Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros

Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros Workshop Banco Central do Brasil Junho 2015 Junho/2015 1 Confidencial Uso Interno Público Agenda 1. Quais os serviços

Leia mais

Iniciantes Home Broker

Iniciantes Home Broker Iniciantes Home Broker Para permitir que cada vez mais pessoas possam participar do mercado acionário e, ao mesmo tempo, tornar ainda mais ágil e simples a atividade de compra e venda de ações, foi criado

Leia mais