Integração. ão, Monitoramento e Avaliação. de Políticas Públicas, Programas e Ações A Governamentais: o caso do Estado do Maranhão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integração. ão, Monitoramento e Avaliação. de Políticas Públicas, Programas e Ações A Governamentais: o caso do Estado do Maranhão"

Transcrição

1 Integração ão, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas, Programas e Ações A Governamentais: o caso do Estado do Maranhão João Bezerra Magalhães Neto GAG/GEPLAN Fórum CONSAD São Paulo,

2 O DESAFIO DA META MOBILIZADORA IDH META = 0,700 PC3 PC4 Resultado da gestão desvio PC2 PC1 0, CAMINHO PLANEJADO CAMINHO REAL CAMINHO PROVÁVEL CAMINHO CORRIGIDO

3 Modelo de Excelência do PNQ Uma visão sistêmica da organização

4 Marco Conceitual Implementação Objetivos Metas (Impactos) Resultados Produtos Atividades Insumos Longo prazo, ampla melhoria na sociedade Efeitos intermediários dos produtos sobre os cidadãos Produtos e serviços produzidos Atividades realizadas para transformar insumos em produtos Financeiros, humanos e materiais

5 Processo de Gestão do Plano Plurianual Avaliação Revisão dos Programas Monitoramento Impacto na na sociedade Execução dos Programa Problema ou Demanda da Sociedade Planejamento expresso em Programas

6 Gerenciamento de Programas [Modelo ISO PMI] Planejamento Execução Trajetória do programa Controle Fase Inicial Fase Final

7 Sistema Estadual de Planejamento, Orçamento e Coordenação SEPOC [Modelo Organizacional do Maranhão] [Modelo de Gestão Estratégica] Sistema Informatizado de Planejamento, Coordenação e Avaliação SISPCA Sistema Informatizado de Avaliação de Resultados e Impactos - SIARI

8 Governador do Estado Conselhos de Desenvolvimento Pacto de Gestão Compartilhada Acordo Estado-Município Comitê de Gestão Estratégica Câmaras de Políticas Públicas Comitê de Gestão Orçamentária e Financeira PPA Gerências Centrais Conselhos estaduais específicos CEDRS Gerências Regionais Conselhos de Desenvolvimento Regional Termo de Compromisso para Execução de Ações Prefeituras Conselhos municipais específicos CMDRS Associações Comunitárias PMDRS

9 Programa Ação Modelo matricial de atuação das gerências Gerências de Estado formulação de políticas elaboração de programas Gerências de Articulação do Desenvolvimento da Região execução de políticas públicas implantação e acompanhamento de programas

10 PROGRAMAS x GERÊNCIAS = RESULTADOS GEAGRO 18 GADRs Casa Casa da da Agricultura Agricultura Familiar Familiar Resultados programa

11 VISÃO ESTRATÉGICA DA AÇÃO A GOVERNAMENTAL POLÍTICAS GERÊNCIAS DE ESTADO (CENTRAIS) PROGRAMAS AÇÕES [Gerências Regionais]

12 MUNICÍPIOS I D H I S C MODELO OPERACIONAL Gerências de Estado Órgãos vinculados Programas Ações INDICADORES Gerências de Articulação do Desenvolvimento da Região

13 Macro-fun funções do Sistema Estadual de Planejamento, Orçamento e Coordenação - SEPOC Pessoas capacitadas Planejamento Orçamento Tesouro Contabilidade Coordenação Avaliação Sistemas corporativos

14 Arquitetura Funcional do SEPOC PLANEJAMENTO COORDENAÇÃO Diretrizes e Políticas Prospecção de demandas Priorização Definição de Programas e ações Viabilização de recursos Edição de leis Revisão de programas Articulação Monitoramento de programas, ações, projetos e atividades especiais Acompanhamento orçamentário, físico e financeiro Controle da execução de programas Sugestão de revisão de programas AVALIAÇÃO Mensuração e análise de eficiência, eficácia e efetividade Mensuração e análise de resultados Mensuração e análise de impactos Conhecimento PROCESSO DECISÓRIO

15 Arquitetura tecnológica informacional do SEPOC [sistemas corporativos com foco gerencial e informatização do processo decisório] PLANEJAMENTO COORDENAÇÃO AVALIAÇÃO SISPCA* SIAGEM SIARI SISIDH DECISÃO SIPAQ SIPLAN SIAFEM SISAC * Interface eventual com outros sistemas

16 O Sistema Informatizado de Planejamento, Coordenação e Avaliação - SISPCA

17 PLANEJAMENTO DEFINIÇÃO DE GRAU DE IMPORTÂNCIA - GI Análise de importância: análise de vínculo análise de aderência análise de parceria análise de impacto IDH análise de impacto no ISC análise de matricialidade PPA Plano de Governo PROGRAMAS Ações SIPLAN

18 Modelo geral da distribuição orçament amentária Reserva de contingência CONTINGÊNCIA PROGRAMAS DE SERVIÇO, DE GESTÃO E DE APOIO PROGRAMAS FINALÍSTICOS Atividades internas [menor impacto no IDH] Atividades externas [maior impacto no IDH]

19 Rotina de Cadastramento de Programas, ações e planos internos Entradas COORDENAÇÃO Processamento Consultas externas Saídas Cadastramento de dados e informações Registro e armazenagem de dados e informações Verificação de superposição e consistência de dados Algoritmos de definição dos graus de vínculo, aderência, parceria, impactos, matricilialidade e importância dos programas Imputação de metas e alocação de recursos de planos internos por município Consulta e análise Relatórios gerenciais e gráficos estatísticos

20 Modelo de Hierarquização de Programas $ 100% 95% 80% C A Sistemático B Assistemático 20% 50% 100% Ações A = Programas Essenciais B = Programas Relevantes C = Programas Coadjuvantes

21 FASES DO PROCESSO DE COORDENAÇÃO Articulação Base de dados dos programas Agregação Base de dados de conhecimento

22 PAINEL DE BORDO GERENCIAL [customizado] Situação da Ação [indicador de desempenho] Meta física da ação versus execução orçamentária e financeira mensal CRÍTICO DISPERSÃO SUPERIOR A 30% INADEQUADO DISPERSÃO ENTRE 10 E 30% ADEQUADO DISPERSÃO ATÉ 10%

23 FLUXO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA PROCEDIMENTOS E PONTOS DE INTERAÇÃO ACOMPANHAMENTO, CONTROLE E ANÁLISE AVALIAÇÃO SISPCA Orçamento Empenho Contratação Liquidação Pagamento Nota de Orçamento Nota de Empenho Contrato Nota fiscal Ordem Bancária SIPLAN SIAGEM SIAFEM

24 Níveis de Acompanhamento e Controle de Programas Consulta: painel de bordo e sala de situação performance gerencial termos de compromisso para execução de ações acordos estado-município Níveis de acesso Integração entre planejamento e orçamento Liberação orçamentária e financeira vinculada: à prestação de contas ao cumprimento de metas Acompanhamento da alocação de recursos orçamentários, compatível com as metas e as necessidades da sociedade

25 Rotina de Acompanhamento e Controle de Programas Entradas COORDENAÇÃO Processamento Saídas Agenda de eventos e cronograma de imposição Atualização de dados e informações verificação, aviso e controle de prazos e de utilização de recursos verificação e alerta de prováveis Inconsistências verificação, aviso e controle de pendências bloqueio ou liberação de orçamento Consulta e análise Relatórios gerenciais de crítica e inconsistências

26 ACOMPANHAMENTO, CONTROLE E ANÁLISE SISPCA AVALIAÇÃO SIARI Efetividade Eficácia Recursos humanos Recursos orçamentários Recursos materiais PROGRAMAS Ações Resultado Impacto Eficiência

27 Modelo de geração e gestão de conhecimento para processo decisório e orientação estratégica Resultado Impacto Informação Conhecimento Indicador Dado Processo decisório Orientação estratégica

28 Hierarquia de Indicadores IDH ISC Avaliação Exógena Resultados e impactos Avaliação Endógena Efetividade Eficácia Eficiência Indicadores Intermediários Indicadores Programáticos Metas e Resultados das Ações Recursos e Processos

29 CRITÉRIOS RIOS DE PRIORIZAÇÃO DAS AÇÕESA Potencial de Impacto no IDH. Possibilidade de pactuação entre as Gerências de Estado e as Gerências de Articulação e Desenvolvimento das Regiões Importância para a imagem do Governo na sociedade [ISC] Sintonia com os investimentos, programas e ações municipais e federais

30 Estratégia de Avaliação Avaliação inicial (marco 0) Ações de Melhoria Avaliação do modelo e dos resultados Orientação e suporte do Sistema de Planejamento

31 SIARI - Sistema Informatizado de Avaliação de Resultados e Impactos Identificar simular, mensurar e avaliar a natureza e o perfil dos resultados e impactos dos programas e ações SISIDH SIPAQ SISAC Simulação, mensuração e avaliação de resultados e impactos no IDH Avaliação da performance e da qualidade da gestão Avaliação da satisfação dos cidadãos com o governo

32 SISAC - Subsistema Informatizado de Avaliação do Índice de Satisfação do Cidadão com o Governo do Maranhão ISC - Índice de Satisfação do Cidadão Mensuração e avaliação do Índice de Satisfação do Cidadão com o Governo do Maranhão, vinculados a programas e ações do Plano de Governo e do PPA Envolvimento da Ouvidoria Geral do Estado e da Controladoria Geral do Estado

33 Sistema Informatizado de Avaliação de Resultados e Impactos SIARI

34 O Sistema Informatizado de Avaliação de Resultados e Impactos - SIARI

35 Rotina de Análise e Avaliação de Programas [SISPCA + SIARI] Entradas COORDENAÇÃO Processamento Saídas Atualização de dados e informações verificação, aviso e controle de resultados e impactos esperados [marcos referenciais] verificação, aviso e controle de não conformidades Consulta e análise Relatórios de conferência e de não conformidades

36 MODELO CONCEITUAL DO COMPONENTE HORIZONTAL INTEGRAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS SEPOC AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E IMPACTOS DE PROGRAMAS E AÇÕES GOVERNAMENTAIS SIARI MONITORAMENTO DE PROGRAMAS E AÇÕES GOVERNAMENTAIS SISPCA INFORMAÇÃO GESTÃO

37 O PAPEL DO BANCO MUNDIAL NO PROJETO COMPONENTE HORIZONTAL Rogério Pinto, Assessor Técnico do Projeto Componente Horizontal PCPR II - PRODIM

38

39 DUAS OBSERVAÇÕES FINAIS: O desafio da mobilização institucional e organizacional está na rota crítica de levar o SEPOC às suas conseqüências práticas de utilidade e valor agregado para a administração estadual e é recomendável que seja abordado sistemática e oportunamente. O SEPOC e seus desdobramentos técnicos são impressionantes e representam uma capacidade de oferta técnica de primeiro mundo. Entretanto, a demanda - no caso do Maranhão - ainda esta aquém do nível de oferta. Esta brecha deve fechar-se e passar pela mobilização institucional e por um programa intenso e extenso de treinamento calcado na fundamentação técnica do SEPOC.

Sistema de Monitoramento Físico e Financeiro do Plano Plurianual de Ação Governamental - PPAG

Sistema de Monitoramento Físico e Financeiro do Plano Plurianual de Ação Governamental - PPAG Sistema de Monitoramento Físico e Financeiro do Plano Plurianual de Ação Governamental - PPAG Gerência do PPAG Secretaria Municipal Adjunta de Orçamento PPAG Plano Plurianual de Ação Governamental Planejamento

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas 17 de novembro de 2016 Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas Agenda Nossa missão Estrutura Processo Orçamentário Orçamento Matricial Despesas

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO E ORÇAMENTO PLURIANUAL

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO E ORÇAMENTO PLURIANUAL MANUAL DE ORGANIZAÇÃO COD. 100 ASSUNTO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE APROVAÇÃO: Deliberação CONSAD nº 54, de 26/08/2015 VIGÊNCIA: 26/08/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO E

Leia mais

ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA SENASP (1/5) (Decreto nº de 12 de fevereiro de 2016)

ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA SENASP (1/5) (Decreto nº de 12 de fevereiro de 2016) ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SENASP (1/5) SECRETARIA NACIONAL DE ASSESSOR DAS 102.4 DAS 101.6 Conselho Nacional de Segurança Pública CHEFE DE GABINETE DE INTELIGÊNCIA ENFRENTAMENTO ÀS AÇÕES CRIMINOSAS

Leia mais

Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual. Brasília, 16 de novembro de 2005

Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual. Brasília, 16 de novembro de 2005 Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual Brasília, 16 de novembro de 2005 1 Monitoramento e Avaliação do PPA Objetivos Proporcionar maior transparência às ações de governo; Auxiliar a tomada de decisão;

Leia mais

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLU ÇÃO N 0212005 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL 1)0 SESI - APROVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS - O PRESIDENTE DO DO SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Gestão de Projetos Industriais: Lições Aprendidas

Gestão de Projetos Industriais: Lições Aprendidas Gestão de Projetos Industriais: Lições Aprendidas Seminário: Gestão e Competitividade na Indústria da Construção Copyright INDG - Instituto de Desenvolvimento Gerencial Belo Horizonte, 13 de abril de 2012

Leia mais

Projeto Fiscalização. Alinhamento Conceitual & Escopo. Ano I. Gerência de Planejamento e Gestão / Julho/2018

Projeto Fiscalização. Alinhamento Conceitual & Escopo. Ano I. Gerência de Planejamento e Gestão / Julho/2018 Projeto Fiscalização Alinhamento Conceitual & Escopo Ano I Gerência de Planejamento e Gestão / Julho/2018 Art. 24 - A aplicação do que dispõe esta Lei, a verificação e a fiscalização do exercício e atividades

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

EXPERIÊNCIA COM A CONSTRUÇÃO DE UM MODELO PARA O CICLO DO PLANEJAMENTO INTEGRADO DA SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SES-DF

EXPERIÊNCIA COM A CONSTRUÇÃO DE UM MODELO PARA O CICLO DO PLANEJAMENTO INTEGRADO DA SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SES-DF EXPERIÊNCIA COM A CONSTRUÇÃO DE UM MODELO PARA O CICLO DO PLANEJAMENTO INTEGRADO DA SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SES-DF Graciela Pauli Gil Cardoso Camila Santos Christiane Braga Marilza Almeida Paulyanne

Leia mais

Tópico 04: Sistema de Planejamento e Orçamento Orçamento Público p/ Técnico Administrativo da Câmara dos Deputados

Tópico 04: Sistema de Planejamento e Orçamento Orçamento Público p/ Técnico Administrativo da Câmara dos Deputados Tópico 04: Sistema de Planejamento e Orçamento Orçamento Público p/ Técnico Administrativo da Câmara dos Deputados Projeto do curso 2 Tópicos Itens do programa Quantidade de aulas 1 -Princípios orçamentários.

Leia mais

III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA

III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA Proposta de Sistema de Indicadores de Desempenho de Segurança Pública Doriam Borges (Consultor da SENASP) Abril de 2009 A informação como instrumento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da Evolução do Pensamento Administrativo I Semestre 1º Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua

Leia mais

Governança e Gestão Pública Desafios das macrofunções do Estado

Governança e Gestão Pública Desafios das macrofunções do Estado Governança e Gestão Pública Desafios das macrofunções do Estado 1 Pilares Estratégicos de Negócio BPM BSC EIM Construção da Cadeia de Valor Organização da gestão de processos Gestão corporativo de processos

Leia mais

EAD SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI. Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis

EAD SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI. Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis H3 EAD - 5736 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis sergioassis@usp.br 02 Agenda 1. Plano Estratégico de TI Etapas de execução ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

Leia mais

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS TEMÁTICA CATEGORIA ESPECIFICAÇÃO DE RELATO Inclui relatos sobre práticas na elaboração e acompanhamento dos Instrumentos: 1.A FERRAMENTAS DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Pós-Graduação a distância Administração Pública

Pós-Graduação a distância Administração Pública Pós-Graduação a distância Administração Pública Disciplinas: 1) Direito Constitucional 2) Direito Administrativo 3) Economia do setor público e desenvolvimento sustentável 4) Contabilidade pública, controle

Leia mais

ESTRUTURA E ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ESTRUTURA E ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL - AELBRA Credenciado pela Portaria Ministerial nº 1.198, de 13/06/2001 DOU de 15/06/2001 Recredenciado pela Portaria Ministerial n 1.381, de 23/11/2012 DOU de

Leia mais

Concurso - EPPGG Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 00

Concurso - EPPGG Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 00 Concurso - EPPGG 2013 Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 00 As regras do jogo...(p1) 2 As regras do jogo...(p2) 3 As regras do jogo...(p3) 4 As regras do jogo...(p4) 5 As regras do jogo...(p5)

Leia mais

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES Programa Gestão Estratégica de Pessoas Projeto Corporativo BNDES CONTEXTO Desafios novos e crescentes Produtividade 1950 1960 Infraestrutura Econômica - Siderurgia Indústrias de Base - Bens de Consumo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Ciclo Orçamentário Lei nº 10.180 de 2001 Sistema de Planejamento e Orçamento Federal Parte 1 Professor Sergio Barata Organiza e disciplina os Sistemas de Planejamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

RESOLUÇÃO INSS Nº 616, DE

RESOLUÇÃO INSS Nº 616, DE RESOLUÇÃO INSS Nº 616, DE 10-11-2017 DOU 13-11-2017 Dispõe sobre as diretrizes para elaboração do Plano de Ação do INSS referente ao exercício de 2018. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Decreto nº 9.104, de 24 de julho

Leia mais

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha Pulo do Gato Receita Federal Graciano Rocha Edital RFB 2012 e 2014 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:1. Organização do Estado e da Administração Pública. 2. Modelos teóricos de Administração Pública: patrimonialista,

Leia mais

Sistema da Qualidade

Sistema da Qualidade Sistema da Qualidade Treinamento: PG-IPN-0104 - Planejamento PG-IPN-0105 Plano de Negócio PG-IPN-0106 Plano de Ação Willy Hoppe de Sousa Adriano Giardino Gerência de Planos e Programas GPP abri/2011 Sumário

Leia mais

I. Conformidade Contábil e Análise das Demonstrações

I. Conformidade Contábil e Análise das Demonstrações I. Conformidade Contábil e Análise das Demonstrações Público Alvo: Destina-se a atender, prioritariamente, a contadores, auditores, coordenadores, gerentes, especialistas e técnicos envolvidos nas ações

Leia mais

GESPÚBLICA - FMVZ/USP

GESPÚBLICA - FMVZ/USP Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia GESPÚBLICA - FMVZ/USP Desburocratização & Excelência 2008 O que é GESPÚBLICA? É o programa do Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

DECRETO RIO Nº DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO RIO Nº DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO RIO Nº 43378 DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) Dispõe sobre a estrutura organizacional da Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S.A. - RIOSAÚDE. O PREFEITO DA CIDADE DO

Leia mais

PALESTRA 2: Como elaborar um Plano Diretor de Gestão de Pessoas. PALESTRANTE: Prof. Weskley Rodrigues - IBGP. Palestrante:

PALESTRA 2: Como elaborar um Plano Diretor de Gestão de Pessoas. PALESTRANTE: Prof. Weskley Rodrigues - IBGP. Palestrante: PALESTRA 2: Como elaborar um Plano Diretor de Gestão de Pessoas PALESTRANTE: Prof. Weskley Rodrigues - IBGP Palestrante: 2 Governança Planejamento Monitoramento Indicadores Resultados Valor público Governança

Leia mais

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação

GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Seminário Reforma Gerencial 20+20 GESTÃO POR RESULTADOS DA PREFEITURA DE OSASCO/SP Uma reflexão sobre planejamento, monitoramento e avaliação Prefeito Jorge Lapas 27 de agosto 2015 TEMAS A SEREM ABORDADOS

Leia mais

Políticas e programas públicos relacionados aos determinantes sociais da saúde desenvolvidos no Nordeste brasileiro

Políticas e programas públicos relacionados aos determinantes sociais da saúde desenvolvidos no Nordeste brasileiro Conferência Regional sobre os Determinantes Sociais da Saúde - Nordeste Recife, 02 a 04 de setembro de 2013 Políticas e programas públicos relacionados aos determinantes sociais da saúde desenvolvidos

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Acórdão: 2.127/2017-Plenário Relator: Ministro-Substituto Marcos Bemquerer

Acórdão: 2.127/2017-Plenário Relator: Ministro-Substituto Marcos Bemquerer Acórdão: 2.127/2017-Plenário Relator: Ministro-Substituto Marcos Bemquerer 1. POR QUE FAZER? CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 70 e 71 Cabe ao Tribunal de Contas da União (TCU) a fiscalização contábil, financeira,

Leia mais

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC.

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC dovicchi@inf.ufsc.br http://www.inf.ufsc.br/~dovicchi Programa Projetos e Metodologias Tipos e abordagens Organização Estimativas de Esforço e Gerência de Riscos

Leia mais

MBA em GESTÃO DE FINANÇAS E CONTROLADORIA

MBA em GESTÃO DE FINANÇAS E CONTROLADORIA MBA em GESTÃO DE FINANÇAS E CONTROLADORIA OBJETIVOS DO CURSO O objetivo geral do Curso de Pós-graduação Lato Sensu MBA em Finanças e Controladoria é capacitar e atualizar profissionais de finanças e controladoria

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA Legislação Lei n 10.180-2001 Parte 1 Prof. Cláudio Alves A Lei 10.180-2001 discorre acerca do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal. Este Sistema tem por finalidade: I -

Leia mais

Portfólio de Produtos...better companies for a better world

Portfólio de Produtos...better companies for a better world GESTÃO FINANCEIRA REDUÇÃO DE CUSTOS Identificar as lacunas de custos, priorizá-las e atacá-las com metas e planos de ação específicos. Identificar e disseminar as melhores práticas e o controle efetivo

Leia mais

AGENDA COMUM DE GESTÃO PÚBLICA

AGENDA COMUM DE GESTÃO PÚBLICA AGENDA COMUM DE GESTÃO PÚBLICA Assinada na I Primeira Jornada Internacional de Gestão Pública Brasília, março de 2013 União: MPOG e SRI/PR Estados: CONSAD e CONSEPLAN Estruturada em 10 Eixos prioritários

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P : O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 CUSTOS NO SETOR PÚBLICO: P Diversidade de visões. Objetivos - custo para otimização de resultados, para melhoria de

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I

GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I DEFINIÇÃO DE PROJETO Empreendimento temporário realizado de forma progressiva para criar um produto ou serviço único. (Project Management Institute

Leia mais

FORMULÁRIO PARA ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO PARA EXERCÍCIO NO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DA SEPLAN

FORMULÁRIO PARA ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO PARA EXERCÍCIO NO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DA SEPLAN FORMULÁRIO PARA ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO PARA EERCÍCIO NO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DA SEPLAN I IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE DE EERCÍCIO PREVISTA: Órgão/Entidade: Ministério do Planejamento,

Leia mais

6 Proposta preliminar de modelo conceitual para a mensuração de desempenho do gerenciamento de portfólio de projetos

6 Proposta preliminar de modelo conceitual para a mensuração de desempenho do gerenciamento de portfólio de projetos 6 Proposta preliminar de modelo conceitual para a mensuração de desempenho do gerenciamento de portfólio de projetos Este capítulo tem o desafio de atender um dos objetivos principais desta pesquisa, qual

Leia mais

Gestão da Qualidade. Profa. Ms. Ana Cabanas 02/09/ Aula 2 - QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL

Gestão da Qualidade. Profa. Ms. Ana Cabanas 02/09/ Aula 2 - QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL Gestão da Qualidade Profa. Ms. Ana Cabanas - Aula 2 - QUALIDADE TOTAL Qualidade Assegura 1980 Aspectos segurança e responsabilidade civil Produto/serviço QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL ISO 9000 Década

Leia mais

CONTROLES INTERNOS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE DE GASTOS PÚBLICOS

CONTROLES INTERNOS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE DE GASTOS PÚBLICOS CONTROLES INTERNOS COMO INSTRUMENTO DE DE QUALIDADE DE GASTOS PÚBLICOS ARNALDO GOMES FLORES Fonte: Fonte: Fonte: Questão central Como garantir que os programas governamentais cumpram suas finalidades declaradas?

Leia mais

Comitê de TI e PDTI: Definições e Importância para a Universidade

Comitê de TI e PDTI: Definições e Importância para a Universidade Comitê de TI e PDTI: Definições e Importância para a Universidade Hugo P. Kuribayashi Diretor do CTIC-Unifesspa hugo@unifespa.edu.br 28 de Março de 2016 Agenda Contextualização O Comitê de TI Plano Diretor

Leia mais

I. Conformidade Contábil e Análise das Demonstrações. O que é uma capacitação de Alta Performance

I. Conformidade Contábil e Análise das Demonstrações. O que é uma capacitação de Alta Performance I. Conformidade Contábil e Análise das Demonstrações Público Alvo: Destina-se a atender, prioritariamente, a contadores, auditores, coordenadores, gerentes, especialistas e técnicos envolvidos nas ações

Leia mais

Balanced Scorecard. Implantando a Gestão Estratégica através do Balanced Scorecard. Case Politeno

Balanced Scorecard. Implantando a Gestão Estratégica através do Balanced Scorecard. Case Politeno Balanced Scorecard Implantando a Gestão Estratégica através do Balanced Scorecard Case Politeno Tsiane Poppe Araújo / Vera Pustilnik Novembro/2002 Planejamento Estratégico 1 Um pouco de História Planejamento

Leia mais

Planejamento e Postura Estratégica

Planejamento e Postura Estratégica Planejamento e Postura Estratégica Gestão de Negócios Fabio Queda Silva Conceito de Planejamento Conceituação de Planejamento Um processo desenvolvido para o alcance de uma situação desejada de maneira

Leia mais

CS&OP Certified Sales and Operations Planning Professional

CS&OP Certified Sales and Operations Planning Professional O Workshop de S&OP Em mercados competitivos o profissional que dominar o processo de S&OP possuirá grande diferencial estratégico e vantagem competitiva no ambiente de negócios. Neste cenário onde os clientes

Leia mais

Brasília-DF, abril de 2012.

Brasília-DF, abril de 2012. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS (DEMAS) Coordenação Geral de Monitoramento e Avaliação (CGMA) Brasília-DF, abril de 2012. Política de Monitoramento

Leia mais

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Heriberto Henrique Vilela do Nascimento Analista de Finanças e Controle Coordenador de Análise Contábil Secretaria-Executiva/Ministério

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 1 Sem fronteiras para o conhecimento Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 2 Seja um Especialista Lean Manufacturing O pacote de Formação de Especialista em Lean Manufacturing une a filosofia

Leia mais

Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público e do Controle Social. BELEM 13 de Março de 2014

Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público e do Controle Social. BELEM 13 de Março de 2014 Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público e do Controle Social BELEM 13 de Março de 2014 1 Teoria da legitimação... Se um tomador de decisão sabe que está sendo observado

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA LEI Nº 16.859, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2015 Institui o Plano Plurianual para o quadriênio 2016-2019 e estabelece outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA Faço saber a todos os habitantes

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS

ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS ESCRITÓRIO DE PRIORIDADES ESTRATÉGICAS Evolução dos modelos de gestão III Encuentro de la Red de Monitoreo y Evaluación de Política Pública en Colombia GOVERNO DE MINAS GERAIS Evolução constante 3 GERAÇÕES,

Leia mais

MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS

MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS Os macroprocessos do SESCOOP/RN foram elaborados no Projeto Gestão por Competência, projeto este iniciado em 2012 pela Unidade Nacional do SESCOOP, com o apoio e assessoramento

Leia mais

Avaliação da Qualidade dos Gastos Públicos

Avaliação da Qualidade dos Gastos Públicos Seminário Avaliação da Qualidade dos Gastos Públicos A Experiência do Estado do Espírito Santo - SiMAPP Brasília, 14 de Fevereiro de 2017 O Brasil não sabe aplicar o dinheiro público porque não avalia

Leia mais

RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 14

RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 14 RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 14 PERÍODO: 01 de fevereiro de 2016 a 29 de fevereiro de 2016 DATA: 01/03/2016 INTRODUÇÃO Este relatório tem como objetivo atender as demandas estabelecidas

Leia mais

Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e ao conteúdo mínimo dos Planos de Saneamento Básico.

Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e ao conteúdo mínimo dos Planos de Saneamento Básico. RESOLUÇÃO RECOMENDADA ConCidades N o 75, DE 2 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e ao conteúdo mínimo dos Planos de Saneamento Básico. O Conselho das Cidades,

Leia mais

GOVERNANÇA E GESTÃO DE TIC. Câmara dos Deputados

GOVERNANÇA E GESTÃO DE TIC. Câmara dos Deputados GOVERNANÇA E GESTÃO DE TIC Câmara dos Deputados GOVERNANÇA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê de Gestão Estratégica Escritório Corporativo de Gestão Estratégica Comitês Setoriais de Gestão Escritórios Setoriais

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 3.988/11 do Conselho Monetário Nacional, definiu o gerenciamento de capital como o processo contínuo de: I

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 4.557 de fevereiro de 2017 do Conselho Monetário Nacional, define o gerenciamento de capital como o processo

Leia mais

RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 08

RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 08 RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 08 PERÍODO: 01 de agosto de 2015 a 31 de agosto de 2015 DATA: 31/08/2015 INTRODUÇÃO Este relatório tem como objetivo atender as demandas estabelecidas no Termo

Leia mais

O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA

O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA O que é o Acordo de Resultados Instrumento de pactuação de resultados

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS, ATRIBUIÇÕES E REMUNERAÇÕES DOS CARGOS CARGO/GRUPO ATRIBUIÇÕES REQUISITOS REMUNERA

ANEXO II REQUISITOS, ATRIBUIÇÕES E REMUNERAÇÕES DOS CARGOS CARGO/GRUPO ATRIBUIÇÕES REQUISITOS REMUNERA ANEXO II REQUISITOS, ATRIBUIÇÕES E REMUNERAÇÕES DOS CARGOS CARGO/GRUPO ATRIBUIÇÕES REQUISITOS REMUNERA Analista de Informática de Sistemas Codificar e manter aplicações e classes Executar análise, diagnóstico

Leia mais

APPGG - SÃO PAULO - CRONOGRAMA GESTÃO GOVERNAMENTAL

APPGG - SÃO PAULO - CRONOGRAMA GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO GESTÃO GOVERNAMENTAL Professor 1. Avaliação e monitoramento de políticas públicas. Maria das Graças Rua 30/09 13. Serviços públicos no município, qualidade no serviço público, modalidades de execução:

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 329, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 329, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 1/5 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 329, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 Institui e regulamenta a Política de Monitoramento e Avaliação do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. O MINISTRO DE

Leia mais

Sobre o IBGP. Pilares IBGP: Inovação Qualidade Experiência

Sobre o IBGP. Pilares IBGP: Inovação Qualidade Experiência Sobre o IBGP O Instituto Brasileiro de Governança Pública - IBGP tem o foco na formação de Gestores, Auditores e Técnicos do Setor Público Brasileiro. Pilares IBGP: Inovação Qualidade Experiência Sobre

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE <UF> CREA-<UF>

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE <UF> CREA-<UF> SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE CREA- Apresentamos plano de trabalho, conforme disposto no Capítulo II, item 2, do Manual de Convênios

Leia mais

1- PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA - PAINT-2011 (Instrução Normativa nº. 01 de 03 de janeiro de 2007 da Controladoria Geral da União)

1- PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA - PAINT-2011 (Instrução Normativa nº. 01 de 03 de janeiro de 2007 da Controladoria Geral da União) 1- PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA - PAINT-2011 (Instrução Normativa nº. 01 de 03 de janeiro de 2007 da Controladoria Geral da União) JANEIRO CONTROLE DA GESTÃO Nº Avaliação Sumária Origem

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DA SAÚDE

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DA SAÚDE MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS DA SAÚDE OBJETIVOS DO CURSO O objetivo geral do Curso de Pós-graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Negócios da Saúde é a formação de gestores em negócios da área da saúde, com

Leia mais

AVALIAÇÃO INICIAL DO PPA : A EXPERIÊNCIA DA BAHIA

AVALIAÇÃO INICIAL DO PPA : A EXPERIÊNCIA DA BAHIA AVALIAÇÃO INICIAL DO PPA 2016-2019: A EXPERIÊNCIA DA BAHIA Diálogos Nordeste - Recife, 28/07/2016 Roteiro 1 A SECRETARIA DO PLANEJAMENTO SEPLAN 2 O PPA 2016-2019 3 EXPERIÊNCIA DA AVALIAÇÃO INICIAL DO PPA

Leia mais

Christiane Braga Martins de Brito Camila Santos Cinthya Rodrigues (SES-DF) Marilza Almeida (SES-DF) Paulyane Ribeiro (SES-DF)

Christiane Braga Martins de Brito Camila Santos Cinthya Rodrigues (SES-DF) Marilza Almeida (SES-DF) Paulyane Ribeiro (SES-DF) EXPERIÊNCIA DO ALINHAMENTO ENTRE OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO COMO UM FORMATO ORGANIZACIONAL PARA A QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA DO DISTRITO Christiane Braga Martins de Brito Camila Santos

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2017

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2017 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2017 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Institui a Política de Gestão de Riscos - PGR do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União - CGU.

Institui a Política de Gestão de Riscos - PGR do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União - CGU. CONTEÚDO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS CAPÍTULO III - DOS OBJETIVOS CAPÍTULO IV - DA OPERACIONALIZAÇÃO CAPÍTULO V - DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO VI - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Leia mais

Gestão de custos segundo a NBCT 16.11

Gestão de custos segundo a NBCT 16.11 Gestão de custos segundo a José Sílvio Born dezembro/2015 Objetivo Analisar o sistema de Custos do Estado sob a ótica da NBC T 16.11 Convergências, divergências e desafios. Solução Estado 2. O SICSP registra,

Leia mais

O curso regular de AFO 2018 está disponível em: comparativo do edital

O curso regular de AFO 2018 está disponível em: comparativo do edital Comparativo dos Editais de Administração Financeira e Orçamentária, Direito Financeiro e Orçamento Público com as aulas dos cursos regulares de AFO 2017 e 2018. O curso regular de AFO 2018 está disponível

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES INTEGRADAS E REFERÊNCIAIS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL INFANTO-JUVENIL PAIR/MG

PROGRAMA DE AÇÕES INTEGRADAS E REFERÊNCIAIS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL INFANTO-JUVENIL PAIR/MG PROGRAMA DE AÇÕES INTEGRADAS E REFERÊNCIAIS DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL INFANTO-JUVENIL PAIR/MG pair-mg@proex.ufmg.br http://pair.ledes.net Políticas Públicas Políticas Públicas Um conjunto de

Leia mais

PROGRAMA MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA UFSM. Projeto de Modernização Administrativa da Reitoria da UFSM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

PROGRAMA MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA UFSM. Projeto de Modernização Administrativa da Reitoria da UFSM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Projeto de Modernização Administrativa da Reitoria da UFSM UFSM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Contextualização Problemas Estruturas focadas na rotina, hierarquizadas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DS Documento de Suporte

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DS Documento de Suporte DOCUMENTOS QUE COMPÕEM O SGQ DS. 09 12 1 / 10 PLANEJAMENTO DO SGQ DS. 01 Planejamento do Sistema de Gestão da 1A. Planejamento do SGQ: DS. 03 Organograma para a qualidade PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

Modelo Conceitual de Custos no Setor Público Brasileiro. Subsecretaria de Contabilidade Pública - SUCON

Modelo Conceitual de Custos no Setor Público Brasileiro. Subsecretaria de Contabilidade Pública - SUCON Modelo Conceitual de Custos no Setor Público Brasileiro Subsecretaria de Contabilidade Pública - SUCON Índice 1 2 Porque Utilizar Custos no Setor Público Contexto Econômico 3 Modelo de Custos no Setor

Leia mais

Eficiência, Eficácia e Qualidade dos Gastos Públicos nas Estatais

Eficiência, Eficácia e Qualidade dos Gastos Públicos nas Estatais Eficiência, Eficácia e Qualidade dos Gastos Públicos nas Estatais 18/10/2017 VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público 2017 Agenda A CAIXA Grandes Números

Leia mais

PLANEJAMENTO X EXECUÇÃO

PLANEJAMENTO X EXECUÇÃO PLANEJAMENTO X EXECUÇÃO Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são eficientemente executadas Revista Fortune Na maioria das falhas - em torno de 70% - o problema real não é estratégia ruim...

Leia mais

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de 2003. Prezada Superintendente Em atenção ao ofício circ. N 003/ESP/SAD, datado de 24 de janeiro do presente ano, estamos enviando em anexo, as necessidades

Leia mais

Sistema de Gestão Econômica: Processo de Gestão

Sistema de Gestão Econômica: Processo de Gestão Sistema de Gestão Econômica: Processo de Gestão Processo de Gestão PLANEJAMENTO EXECUÇÃO OTIMIZAÇÃO DO LUCRO E CRIAÇÃO DE VALOR CONTROLE Foco no Planejamento Envolvimento no processo de planejamento das

Leia mais

Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Pará - IGEPREV-PA. Técnico de Administração e Finanças VOLUME 1. Língua Portuguesa

Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Pará - IGEPREV-PA. Técnico de Administração e Finanças VOLUME 1. Língua Portuguesa Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Pará - IGEPREV-PA Técnico de Administração e Finanças VOLUME 1 Língua Portuguesa 1 Compreensão e intelecção de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 3 3 Ortografia....

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

Portaria nº 966 de 26 de março de O Vice-Reitor da Universidade Federal de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Portaria nº 966 de 26 de março de O Vice-Reitor da Universidade Federal de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Portaria nº 966 de 26 de março de 2018. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos da Universidade Federal de são Paulo - Unifesp O Vice-Reitor da, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Considerando

Leia mais

Auditoria Interna em Sistema de Integridade. Rodrigo Fontenelle, CGAP, CRMA, CCSA

Auditoria Interna em Sistema de Integridade. Rodrigo Fontenelle, CGAP, CRMA, CCSA Auditoria Interna em Sistema de Integridade Rodrigo Fontenelle, CGAP, CRMA, CCSA Agenda Governança Integridade (Compliance) Papel da Auditoria Interna 2 Interação entre Instrumentos Governança Gestão de

Leia mais

Sistema de Custos do Governo Federal A História do Sistema de Custos do Governo Federal

Sistema de Custos do Governo Federal A História do Sistema de Custos do Governo Federal Custos - SIC Sistema de Custos do Governo Federal A História do Sistema de Custos do Governo Federal Os esforços para que se chegasse ao Sistema de Custos do Governo Federal foram muitos. Pode-se destacar

Leia mais

\ pea Versão: lOh SAE1PR. Proposta Orçamentária 2010

\ pea Versão: lOh SAE1PR. Proposta Orçamentária 2010 r! \ pea Versão: 15-07-09-lOh SAE1PR Proposta Orçamentária 2010 Versão: 15 07 09 loh 1. Desafios Estratégicos Esta proposta orçamentária contempla recursos financeiros necessários para a superação dos

Leia mais

As Fases de um Projeto

As Fases de um Projeto Mesa Redonda Fatores Críticos de Engenharia e Projeto na Indústria Siderúrgica 1 Fases de um Projeto 2 Fases de um Projeto 3 Identificação do negócio Fase Conceitual Determinação dos investidores Pré-dimensionamento

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital BANCO CARGILL 1/7 O documento à seguir trata da estrutura de risco de capital, bem como seus principais processos e procedimentos. OBJETIVO O objetivo desta

Leia mais