Monitores Vídeos. Hardware de saída padrão em computadores. Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitores Vídeos. Hardware de saída padrão em computadores. Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas"

Transcrição

1 Monitores Vídeos

2 Hardware de saída padrão em computadores Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas

3 Pode ser encontrado na forma: - CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos) - plasma (não é mais fabricado) - LCD (Liquid Cristal Diod) - LED (Light Emitting Diode) - OLED (Organic Light Emitting Diode) - AMOLED (Active-Matrix Organic Light Emitting Diode)

4 A memória de vídeo determina: - Resolução (linhas x colunas) - Número de cores - Determina a controladora (EGA, VGA, SVGA e etc.)

5 Driver de vídeo: - Determina memória de vídeo disponível - Modo de operação (texto ou gráfico) - Freqüências para varreduras horizontal e vertical - Geração de sinais RGB (pixel: Red Green Blue)

6 Vídeo/Monitor: - Mapeado em memória - Driver escreve diretamente na memória RAM de vídeo

7

8 LCD Material chamado cristal líquido; Apesar de não se tratar exatamente de um componente líquido, suas características o fazem agir como tal; As moléculas de cristal líquido são distribuídas entre duas lâminas transparentes polarizadas chamadas substratos; Uma lâmina recebesse polarização horizontal, e a outra, polarização vertical, formando "linhas e colunas".

9 LCD Em telas monocromáticas (comuns em relógios e calculadoras, por exemplo), as moléculas assumem dois estados: - transparente (a luz passa); - e opaco (a luz não passa). Telas que exibem cores, diferentes tensões e filtros trabalham sobre a luz branca aplicados às moléculas, fazendo que algumas cores sejam bloqueadas e outras exibidas.

10 LCD As telas LCD se dividem em: - matriz ativa (Active Matrix LCD); - e matriz passiva (Passive Matrix LCD).

11 Matriz ativa (Active Matrix LCD); - aplicação de transistores para cada pixel (ponto que representa a menor parte da imagem em uma tela); - cada pixel desta pode receber uma tensão diferente, permitindo, entre outros, a utilização de resoluções altas; - sua fabricação é tão complexa que é comum encontrar monitores novos que possuem pixels que não funcionam (dead pixels).

12 Matriz passiva (Passive Matrix LCD) - Transistores são aplicados tomando como base o esquema de linhas e colunas; - Têm constituição mais simples; - Circuitos integrados são encarregados de controlar as cargas que ativam os pixels, permitindo que as imagens sejam formadas na tela.

13 Plasma - As primeiras telas do foram criadas na década de 1960; - no plasma, o componente existe entra as camadas é um gás que fica armazenado em um conjunto de milhões de células; - Quando estimulado eletricamente, libera luz ultravioleta. - Isso causa reação nos átomos de fósforo que revestem cada célula; - O fósforo é um elemento que gera iluminação quando submetido a outra luz.

14 Plasma - Cada pixel é formado por três células (como a de CRT); - Cada uma responsável por uma cor diferente: vermelho (red), verde (green) e azul (blue); - A combinação destas é que gera as cores que enxergamos na tela; - O fósforo presente em cada célula recebe uma intensidade de luz ultravioleta diferente, possibilitando milhões de combinações que resultam na gama de cores.

15 Plasma - Painéis de Plasma conseguem ter seus pixels iluminados de maneira individual; - Resulta em uma tela com excelentes níveis de brilho e nitidez, mesmo quando visualizada a partir de posições mais afastadas em relação à frente do aparelho.

16 LCD X Plasma LCD: - menos brilho; - não exibe cor preta "profunda" com fidelidade; - possibilidade de um ou mais pixels não funcionarem corretamente (o já mencionado dead pixel); - pode haver mais limitações na variedade de resoluções disponíveis, entre outros.

17 LCD X Plasma Plasma: - problema chamado burn-in (marcas deixadas no painel quando determinadas imagens são exibidas por muito tempo); - menor resolução de pixel em relação ao LCD; - mais frágeis.

18 A taxa de atualização (refresh rate) - Indica a quantidade de vezes que a tela é renovada por segundo; - Sua medida é feita em Hertz (Hz); Exemplo: Se um monitor trabalha com 75 Hz, significa que a imagem é renovada 75 vezes por segundo na tela. Obs: quanto maior o refresh rate da tela, maior e melhor sua resolução, mas também maior consumo e prejuízo aos olhos.

19 Aspect ratio (proporção) - monitor pode ser considerado widescreen quando tem um aspect ratio superior a 4:3; - proporção da tela é uma unidade de medida maior (4) na largura do que na altura (3); - tela aspect ratio de 4:4 (ou 1:1) é considerada quadrada; - aspect ratio padrão de widecreen é de 16:9.

20 Resolução - conjunto de pixels que formam linhas horizontais e verticais na tela; Exemplo: 1600 x 900 indica que há 1600 pixels na horizontal e 900 pixels na vertical

21 Resolução Progressive scan: - todas as linhas de pixels da tela são atualizadas simultaneamente.

22 Resolução Interlaced scan: - inicialmente as linhas pares recebem atualização e, em seguida, as linhas ímpares (esquema "linha sim, linha não"). Obs: O modo progressive scan oferece melhor qualidade de imagem.

23 Resolução Termos p e i : - O p indica que o modo usado é progressive scan (por exemplo, 1080p); - Se for utilizado interlaced scan, a letra aplicada é i (por exemplo, 1080i). Obs: O número 720 ou 1080, por exemplo, indica a quantidade de linhas de pixels na vertical.

24 Resolução Contraste - Mede a diferença de luminosidade entre o branco mais forte e o preto mais escuro; - Quanto maior o valor, mais fiel será a exibição das cores da imagem - Essa taxa, quando em número maior, indica que a tela é capaz de representar mais diferenças entre cores; - Para o mínimo de fidelidade, é recomendável o uso de telas com contraste de pelo menos 500:1 ou, se o fabricante informar esta medida como sendo "contraste dinâmico", de :1.

25 Resolução Brilho - O ideal é o uso de tela que tenha a taxa em pelo menos 250 cd/m² (candela por metro quadrado).

26 LED (Light Emitting Diode) - LCD com retroiluminação LED; - Diodo (material semicondutor) capaz de emitir luz quando energizado; - conjunto de LEDs responsável por iluminar cada trecho do LCD; - mais barato e mais durável que LCD e Plasma.

27 OLED (Organic Light Emitting Diode) - Formado por diodos orgânicos (carbono) que geram luz quando recebem carga elétrica; - São muito pequenos, permitindo que cada pixel da tela receba este material de forma a ser iluminado individualmente; - OLED é capaz de gerar luz, assim a tela não necessita de retroiluminação; - Telas mais finas, menor consumo e custo, geram cores mais nítidas, maior ângulo de visão e menos tempo de resposta.

28 AMOLED (Active Matrix Organic Light Emitting Diode) - OLED com tecnologia do tipo matriz ativa; - os transistores são aplicados considerando cada pixel; - utiliza uma camada de TFT (deixa sua fabricação mais complexa) - vantagens: telas com tempo de resposta ainda menor, cores mais vivas e menor consumo de energia.

29 Super AMOLED - AMOLED: composto por camadas com cátodo, material orgânico e TFT inseridos entre lâminas de vidro; - Super AMOLED: uma destas lâminas é eliminada, assim como o espaço entre as camadas é diminuído, permitindo a formação de uma tela mais fina; - Possui menor quantidade de material refletivo: ameniza reflexos na tela em situações de exposição à luz solar.

30 Touch Screen (sensível ao toque) - existe há muito tempo, mas somente nos últimos anos se popularizou; - As tecnologias mais comuns são: - resistivas (em desuso); - e capacitivas.

31 Telas resistivas - Possui duas lâminas bastante finas sobrepostas, com espaço extramente pequeno entre elas; - Quando um toque é realizado na tela, as duas lâminas se tocam naquele ponto, causando uma mudança na corrente elétrica que passa pelo local tocado; - Esta alteração é identificada e suas coordenadas são repassadas para o sistema que irá executar a tarefa relacionada.

32 Telas resistivas - Fabricação mais simples e componentes menos custosos, portanto, são mais baratas; - Desvantagens: - as lâminas deixam a tela mais escura; - não tem tempo de resposta muito rápida; - aplicações que exigem dois ou mais toques simultâneos geralmente não funcionam da maneira esperada com este tipo de tela, principalmente com toque a partir da ponta dos dedos.

33 Telas capacitivas - possuem uma lâmina que recebe carga elétrica; - quando há toque na tela, a carga elétrica existente na ponta dos dedos causa uma alteração no campo elétrico presente no local; - assim, o sistema é capaz de identificar os pontos que estão sendo tocados e executar a ação necessária.

34 Telas capacitivas - Vantagens: - não há necessidade de uma pressão mais forte na tela, bastando um simples toque; - é possível utilizar múltiplos toques simultâneos; - a tela não possui camadas que podem deixá-la mais escura. - Desvantagens: - dificuldade para usar a tela se estiver usando luvas; - aplicações que exigem uma caneta de toque (stylus) precisam que este dispositivo tenha em sua ponta algum material capaz de alterar o campo elétrico da tela.

35 Tela 3D - Formado pela exibição simultânea de duas imagens iguais, mas deslocadas ligeiramente na horizontal; - Tela com percepção de profundidade acentuada impressão de que a imagem em foco está, de fato, à sua frente; - A imagem é captada de maneira individual por cada olho; - Esse processo todo gera a percepção de profundidade.

36 Tela 3D Óculos com lentes do tipo passivo: - Uma lente na cor azul e a outra na cor vermelha (mais baratos); - Lentes vermelhas conseguem "anular" os tons da mesma cor provenientes da imagem; - Lente azul faz o mesmo com os tons de sua cor; - Este processo consegue gerar uma sensação de profundidade.

37 Tela 3D Óculos com lentes polarizadas: - Muito comum em cinemas (mais caros); - Possuem lentes que filtram a passagem de luz a partir de determinados ângulos; - Exibe as cores de maneira mais fiel.

38 Tela 3D Óculos com lentes do tipo ativa: - Formados por lentes que fazem uso da tecnologia LCD ou Plasma; - Ficam transparentes e opacos de acordo com o conteúdo 3D exibido; - O olho direito fica sem recepção das luzes quando imagens para o olho esquerdo são mostradas e vice-versa (muito rápida); - se comunicam com a TV por tecnologia sem fio para "saber" o momento de ativar ou desativar a passagem de luz para cada olho.

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Introdução O dispositivo de saída mais utilizado por um computador é o dispositivo

Leia mais

Monitores. Tipos de conexões:

Monitores. Tipos de conexões: Monitores 1-Conexões O primeiro passo para que as informações de um computador irem para uma tela. O processo todo começa quando um sinal de vídeo é enviado para o aparelho. Ele chega até ele por meio

Leia mais

Dispositivos e Periféricos de Computador

Dispositivos e Periféricos de Computador Dispositivos e Periféricos de Computador Ecrãs - Visual Display Unit - VDU Píxel picture element (plural em pt. é píxeis) Tamanho: diagonal do ecrã Resolução (número de píxeis no ecrã) VGA: 480 x 640 SVGA:

Leia mais

OLED _ Como funciona esta tecnologia

OLED _ Como funciona esta tecnologia OLED _ Como funciona esta tecnologia Imagine uma TV de alta definição com 2 metros de largura e menos de 0,60 cm de espessura, que consuma menos energia do que a maioria das TVs comuns e possa ser enrolada

Leia mais

Informática Aplicada à Química. Hardware saída de dados

Informática Aplicada à Química. Hardware saída de dados Informática Aplicada à Química Hardware saída de dados Tecnologias de Saída de Dados Tecnologias de Saída de Dados 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração 5ª Geração Cartões Perfurados Relatórios e

Leia mais

Atualmente, existe no mercado uma grande variedade de modelos de televisores. Cada

Atualmente, existe no mercado uma grande variedade de modelos de televisores. Cada O que é tecnologia Plasma, LCD, LED e OLED? Entenda definitivamente qual é a diferença entre televisores produzidos de Plasma, LCD, LED e outras tecnologias. Matéria publicada em 21 de Abril de 2015 Atualmente,

Leia mais

CONGRESSO SET 2012 FUCAPI

CONGRESSO SET 2012 FUCAPI CONGRESSO SET 2012 FUCAPI CONGRESSO SET 2012 TECNOLOGIA DE TELAS PARA RECEPTORES DE TV Características da FUCAPI FUCAPI é uma abreviatura para Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica;

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Aula baseada no material do prof. Dr. Neil Paiva Dispositivos de Entrada Teclado Scanner Tela Sensível ao Toque (e saída) Mouse Leitores de código de barras automação de

Leia mais

Teste: Verificar se os cabos da fonte de alimentaçaõ estao corretamente ligados

Teste: Verificar se os cabos da fonte de alimentaçaõ estao corretamente ligados 1. Sintoma: Computador não liga Teste: Verificar se os cabos da fonte de alimentaçaõ estao corretamente ligados Problema: Cabos mal ligados Soluçao: Colocar cabos corretamente Sintoma: Computador não liga

Leia mais

PLASMA X LCD. Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense

PLASMA X LCD. Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense PLASMA X LCD Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense ROTEIRO Introdução Funcionamento do LCD Funcionamento do Plasma Comparação entre as tecnologias Conclusão

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias de computadores Trabalho realizado por: Carlos Aguilar nº 27886 Miguel Xavier nº 26705 Bruno Esteves nº 26975 ECRÃS Introdução Servem basicamente para mostrar

Leia mais

Monitores. Introdução

Monitores. Introdução Monitores Introdução Até os dias de hoje, o principal método para exibição de vídeos em computadores é o tradicional monitor CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos). Comparando de uma forma grosseira,

Leia mais

Manual de Serviço GBA

Manual de Serviço GBA Apêndices Apêndice A: Glossário Cartucho de jogo: O software de aplicação utilizado pelo AGB. Conector de 32 pinos: Local onde os terminais do cartucho de jogo entram em contato com o GBA. CISC: Abreviação

Leia mais

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097 Monitores Universidade da Beira Interior Tecnologias de Computadores Prof.Pedro Araújo Trabalho realizado por: -Diogo Fernandes nº27097 -Gonçalo Paiva nº26743 -Tiago Silva nº27144 Introdução Com o aparecimento

Leia mais

A IMAGEM DE TELEVISÃO

A IMAGEM DE TELEVISÃO STV 18 AGO 2008 1 A IMAGEM DE TELEVISÃO a televisão, basicamente, reproduz imagens estáticas a seqüência dessas imagens, em rápida sucessão, nos dá a sensação de movimento cada uma das imagens, ou quadro,

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 06 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Formação: Graduação

Leia mais

Cores em Imagens e Vídeo

Cores em Imagens e Vídeo Aula 05 Cores em Imagens e Vídeo Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Ciência das Cores A cor é fundamentada

Leia mais

TV Monitor Serie M50D M2250D M2350D M2550D. Monitor TV LED LCD

TV Monitor Serie M50D M2250D M2350D M2550D. Monitor TV LED LCD TV Monitor Serie M2250D M2350D M2550D Monitor TV LED LCD Outubro 2011 Introdução de Produto: Conceito TV e Monitor em um único produto: Multifuncional Características Publico Alvo Usuários que valorizam

Leia mais

testamos a obra prima da sony

testamos a obra prima da sony Ano 21 outubro 2016 223 clubedoaudioevideo.com.br Arte em reprodução eletrônica testamos a obra prima da sony sony xbr-75z9d E MAIS teste de áudio CABO qed reference digital audio 40 cabo de força acrolink

Leia mais

Monitor LCD 15. Modelo: MD LCD 15 DIEBOLD

Monitor LCD 15. Modelo: MD LCD 15 DIEBOLD Monitor LCD 15 Modelo: MD LCD 15 DIEBOLD Informações de Segurança Não abra o monitor: - Nenhuma peça pode ser manuseada pelo usuário. - Há voltagens perigosas, até mesmo quando estiver desligado. - Se

Leia mais

Monitores LCD de Tela plana colorida para aplicações gerais

Monitores LCD de Tela plana colorida para aplicações gerais CCTV Monitores LCD de tela plana colorida para aplicações gerais Monitores LCD de Tela plana colorida para aplicações gerais Suporte a resolução de até 1280 x 1024 1,3 megapixéis (UML 190 90 e UML 170

Leia mais

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma Monitores O monitor tem uma importância vital, pois em conjunto com a placa de vídeo forma o principal meio de comunicação entre a máquina e nós. Os factores que diferenciam os inúmeros modelos de monitores

Leia mais

Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro

Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro Um pouco de História: A importância da iluminação na história do Homem vem desde os tempos mais remotos, através da utilização da luz natural. A

Leia mais

TELAS DE CRISTAL LÍQUIDO (LCD)

TELAS DE CRISTAL LÍQUIDO (LCD) TELAS DE CRISTAL LÍQUIDO (LCD) Você provavelmente utiliza diariamente aparelhos contendo painéis de cristal líquido, que estão por toda parte em computadores portáteis, relógios digitais, fornos de microondas

Leia mais

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015 Projetos e Soluções Iluminação Pública Novembro 2015 O que é um LED? Basicamente, os LEDs (diodos emissores de luz) são componentes semicondutores, mesma tecnologia utilizada nos chips dos computadores,

Leia mais

MUDE O SEU MUNDO COM UM TOQUE. NOVO MONITOR AOC SMART TOUCH 19,5

MUDE O SEU MUNDO COM UM TOQUE. NOVO MONITOR AOC SMART TOUCH 19,5 E2060VWT BASE INCLINÁVEL SMART TOUCH WINDOWS 8 MUDE O SEU MUNDO COM UM TOQUE. NOVO MONITOR AOC SMART TOUCH 19,5 BUSCA ATALHOS AMPLIA E DIMINUI FOTOS TUDO SEM O MOUSE Alia a melhor qualidade de imagem para

Leia mais

Video Analógico. Pedro Alípio Telemédia

Video Analógico. Pedro Alípio Telemédia Video Analógico Pedro Alípio Telemédia 1 Medias Dinâmicos Medias Dinâmicos Também designados por Temporais ou Contínuos As dependências temporais entre os elementos que constituem a informação fazem parte

Leia mais

Osciloscópio Digital. Diagrama em blocos:

Osciloscópio Digital. Diagrama em blocos: Osciloscópio Digital Neste tipo de osciloscópio, o sinal analógico de entrada é inicialmente convertido para o domínio digital através de um conversor A/D rápido, sendo em seguida armazenado em uma memória

Leia mais

Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída:

Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída: Unidades de I/O Interface Entrada/Saída Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída entrada/saída isoladaas instruções IN e OUT transferem dados entre o registo AX ou a memória e

Leia mais

CONECTORES DE VÍDEO. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM) Escola Técnica Estadual República FAETEC Rio de Janeiro - RJ MM - ETER - FAETEC

CONECTORES DE VÍDEO. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM) Escola Técnica Estadual República FAETEC Rio de Janeiro - RJ MM - ETER - FAETEC CONECTORES DE VÍDEO Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM) Escola Técnica Estadual República FAETEC Rio de Janeiro - RJ CONECTORES DE VÍDEO Existem vários tipos de conectores de vídeo que você

Leia mais

Estação de Trabalho para utilização de Softwares. Computador Positivo Premium DR7560

Estação de Trabalho para utilização de Softwares. Computador Positivo Premium DR7560 Estação de Trabalho para utilização de Softwares Computador Positivo Premium DR7560 R$: 1.999,00 Processador Intel Core i3-4160 Dual Core 3.6 GHz Cache 3 MB Memória RAM 4 GB Sistema operacional Windows

Leia mais

STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz

STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz STV 15 SET 2008 1 FREQÜÊNCIAS DE VÍDEO ASSOCIADAS COM A VARREDURA HORIZONTAL no padrão xadrez da figura acima, o sinal de onda quadrada no topo representa as variações do sinal da câmera do sinal composto

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES 1 INTRODUÇÃO Os objetivos desta aula são: Introduzir

Leia mais

As imagens. Representação digital de imagens. P rocessamento da imagem

As imagens. Representação digital de imagens. P rocessamento da imagem As imagens As imagens Representação digital de imagens Dispositivos gráficos P rocessamento da imagem Representação digital de imagens Resolução espacial de imagens: pixel unidade de imagem, usada para

Leia mais

Sistemas de Computação Hardware. Sistema Central Periféricos

Sistemas de Computação Hardware. Sistema Central Periféricos Introdução à Informática Sistemas de Computação Hardware Sistema Central Periféricos 2 Hardware Parte física do sistema de computação Geralmente não é reconfigurável Software Parte lógica do sistema de

Leia mais

Mídias Discretas. Introdução à Ciência da Informação

Mídias Discretas. Introdução à Ciência da Informação Mídias Discretas Introdução à Ciência da Informação Mídias Discretas Mídias discretas (estáticas) Texto Gráficos e Imagens Estáticas Caracteres são convertidos para uma representação com um número fixo

Leia mais

Tipos de Computadores. Prof. Patricia G. P. Magalhães

Tipos de Computadores. Prof. Patricia G. P. Magalhães Tipos de Computadores Prof. Patricia G. P. Magalhães Prof.: Patrícia Magalhães 2 Tipos de computadores DESKTOP, LAPTOPS, NOTEBOOK, NETBOOK, ULTRABOOK, UMPC TABLET, SMARTPHONE, PDA. As tecnologias se misturas,

Leia mais

Roteiro. Sistemas de Computação Hardware. Sistema Central Periféricos

Roteiro. Sistemas de Computação Hardware. Sistema Central Periféricos Roteiro Sistemas de Computação Hardware Sistema Central Periféricos 1 Sistemas de Computação Hardware Parte física do sistema de computação Geralmente não é reconfigurável Software Parte lógica do sistema

Leia mais

Luz, Cor e Percepção Visual

Luz, Cor e Percepção Visual Luz, Cor e Percepção Visual André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Capítulo 13 do Foley O que é luz? Luz é uma forma de energia. Tipo de radiação eletromagnética com um comprimento de onda que afeta

Leia mais

LED ADDARA. MAIS BRILHO, MAIS EMOÇÃO, MAIS ECONOMIA. DE ENERGIA.

LED ADDARA. MAIS BRILHO, MAIS EMOÇÃO, MAIS ECONOMIA. DE ENERGIA. LED ADDARA. MAIS BRILHO, MAIS EMOÇÃO, MAIS ECONOMIA. DE ENERGIA. BEM-VINDO A UM NOVO MUNDO DE SOM E IMAGEM. O televisor LED ADDARA é mais fino, mais leve, mais bonito. Um novo design que traz para você

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Dispositivos de Entrada Teclado, Mouse, Trackball,

Leia mais

Estimativa do Comprimento de Onda de um LED

Estimativa do Comprimento de Onda de um LED Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Cursos de Engenharia Laboratório de Física e Eletricidade: Estimativa do Comprimento de Onda de um LED Autor: Prof. Sandro Martini

Leia mais

Dispositivos Semicondutores. Diodos junções p-n Transistores: p-n-p ou n-p-n

Dispositivos Semicondutores. Diodos junções p-n Transistores: p-n-p ou n-p-n Dispositivos Semicondutores Diodos junções p-n Transistores: p-n-p ou n-p-n Junção p-n Junções p-n tipo-p tipo-n tensão reversa tensão direta zona isolante zona de recombinação buracos elétrons buracos

Leia mais

Montagem e Configuração

Montagem e Configuração Montagem e Configuração ÍNDICE CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS... 09 HISTÓRICO... 11 TIPOS DE COMPUTADORES... 13 CAPÍTULO 2 COMPONENTES EXTERNOS... 17 COMPONENTES INTERNOS... 21 CAPÍTULO 3 ROM BIOS... 31

Leia mais

Imagem Digital. Claudio Carvilhe

Imagem Digital. Claudio Carvilhe Imagem Digital Claudio Carvilhe Imagem Digital Roteiro Introdução. Pixel. Resolução espacial. Cor. Processamento de imagens. Introdução Informação Visual: Imagem vista na tela. Informação Descritiva: Modelo

Leia mais

NOTA: Os primeiros aparelhos emitiam radiação praticamente na faixa de Raios X duros, sendo extremamente perigosos, podendo causar danos biológicos.

NOTA: Os primeiros aparelhos emitiam radiação praticamente na faixa de Raios X duros, sendo extremamente perigosos, podendo causar danos biológicos. As colisões dos elétrons com alta energia cinética no tubo fluorescente provocam transições eletrônicas que envolvem orbitais internos. Raios X moles (de maior λ e fraco poder de penetração, e.g. λ=150å

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS Fundamentos da cor A visão da cor É a capacidade de um organismo ou máquina de distinguir objetos baseando-se nos comprimentos de onda (ou freqüências) da luz sendo refletida,

Leia mais

CEFET-RS Curso de Eletrônica

CEFET-RS Curso de Eletrônica CEFET-RS Curso de Eletrônica 7 - Vídeo Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 07.1 Vídeo Principal periférico de saída desde o final da década de 70;

Leia mais

Símbolo do diodo emissor de luz LED

Símbolo do diodo emissor de luz LED Diodos Especiais Introdução Com a diversificação dos tipos de materiais e da forma de construção utilizados para o desenvolvimento de componentes semicondutores, foi possível observar a ocorrência de diferentes

Leia mais

Como capturar imagens de alta resolução?

Como capturar imagens de alta resolução? Perguntas frequentes sobre captura de imagens com câmeras de alta resolução que utilizam conexão USB. O Laudo & Imagem oferece a opção de captura de imagens de câmeras de alta resolução que utilizam a

Leia mais

Para seus cálculos, sempre que necessário, utilize os seguintes valores para as constantes físicas: Aceleração da gravidade 10 m/s 2

Para seus cálculos, sempre que necessário, utilize os seguintes valores para as constantes físicas: Aceleração da gravidade 10 m/s 2 02/12/2012 Física Caderno de prova Este caderno, com dezesseis páginas numeradas sequencialmente, contém dez questões de Física. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções 1. Verifique

Leia mais

Representação de cores. Computação Gráfica Cores. O que é luz. Distribuição espectral da iluminação 11/12/12

Representação de cores. Computação Gráfica Cores. O que é luz. Distribuição espectral da iluminação 11/12/12 Representação de cores Computação Gráfica Cores Renato Ferreira Tratados de maneira geral como triplas RGB Um parâmetro alpha opcional Quase todas operações separadas por componente Mas usualmente tratadas

Leia mais

Manual do Usuário. Monitor LED Tecnologia e Inovação ao seu alcance

Manual do Usuário. Monitor LED Tecnologia e Inovação ao seu alcance Manual do Usuário Monitor LED-2151 Tecnologia e Inovação ao seu alcance Português Precauções de segurança e manutenção Configuração básica Configurações imagem de tela Funções Imagem Cor Rastreamento Volume

Leia mais

Aplicações Informáticas B 12º Ano

Aplicações Informáticas B 12º Ano Aplicações Informáticas B 12º Ano Prof. Adelina Maia 2013/2014 AIB_U4A 1 Bases sobre a teoria da cor aplicada aos sistemas digitais (red / Green / blue) Modelo CMYK (cyan / magenta / yellow + Black) Modelo

Leia mais

Imagem bitmap. Gráfico vetorial. gráficos vetoriais

Imagem bitmap. Gráfico vetorial. gráficos vetoriais Sobre imagens bitmap e gráficos vetoriais Os elementos gráficos de um computador podem ser divididos em duas categorias principais -- bitmap e vetor. Imagem bitmap Gráfico vetorial Imagens bitmap são ideais

Leia mais

Monitor Full HD AOC E2270Swn LED

Monitor Full HD AOC E2270Swn LED Monitor Full HD AOC E2270Swn LED O AOC E2270Swn é um monitor full HD LED de 21,5 polegadas widescreen. Este proporciona uma experiência única com imagens mais vivas e em alta resolução com riqueza de detalhes.

Leia mais

Computação Gráfica Síntese de Cores

Computação Gráfica Síntese de Cores Computação Gráfica Síntese de Cores Professora: Sheila Cáceres Natureza da cor O ser humano é capaz de visualizar só um subconjunto do espectro de luz solar: desde 380 nanômetros (violeta) a 780 nanômetros

Leia mais

Placa DMX 108 canais LED (versão 2)

Placa DMX 108 canais LED (versão 2) Placa DMX 108 canais LED (versão 2) Após ler o manual veja também o exemplo de ligação da placa de 108 canais (este exemplo se refere a versão antiga desta placa, mas as ligações são idênticas). Introdução

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Sistemas de Cores. Leandro Tonietto Processamento Gráfico Jogos Digitais set-09

Sistemas de Cores. Leandro Tonietto Processamento Gráfico Jogos Digitais  set-09 Sistemas de Cores Leandro Tonietto Processamento Gráfico Jogos Digitais ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto set-09 Sumário Introdução Cores RGB HSV Referências 4-set-09 Leandro

Leia mais

Controlando a saída impressa

Controlando a saída impressa O driver da impressora fornece a melhor qualidade de saída para vários tipos de necessidades de impressão. No entanto, você pode desejar ter mais controle sobre a aparência de seus documentos impressos.

Leia mais

HARDWARE. Disciplina: Informática Professor: Gustavo Sabry

HARDWARE. Disciplina: Informática Professor: Gustavo Sabry Disciplina: Informática Professor: Gustavo Sabry MARÇO/2016 O QUE É HARDWARE? É a parte física de um computador; Formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo, circuitos de fios e luz, placas,

Leia mais

Semáforos de LED s. (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia)

Semáforos de LED s. (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia) Sun Hsien Ming * Semáforos de LED s (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia) A geração de luz utilizando a propriedade de emissão de diodos formados por cristais

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Supressão de Zero Supressão de Zero Medição por pressão hidrostática em tanques fechados e pressurizados Medição por pressão hidrostática

Leia mais

Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor. Revisão: Semicondutores dopados

Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor. Revisão: Semicondutores dopados Unidade 2 Aula 3 Estado Sólido Semicondutores: Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor Revisão: Semicondutores dopados A aplicação da teoria de bandas aos semicondutores

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS.

ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS. ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS. Abrangência: indústria de processamento eletrônico de dados, inclusive de produtos fabricados de acordo com

Leia mais

Curso Técnico em Administração

Curso Técnico em Administração COLÉGIO EST. JOÃO MANOEL MONDRONE - ENS. FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL Rua Mato Grosso n.2233 - Fone/Fax (045) 3264-1749-3264-1507 Curso Técnico em Administração Disciplina: Informática Instrumental

Leia mais

Memórias. IFRN -Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte 17/01/2013

Memórias. IFRN -Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte 17/01/2013 Aula 05 Memórias Memórias Em um computador, as memórias desempenham um papel tão importante quanto o da CPU. Uma CPU veloz só terá eficiência se a memória for também veloz e relativamente grande. Assim,

Leia mais

TEMPO PARA UMA LINHA HORIZONTAL o tempo para varrer cada linha horizontal é H = 1/15.750s em microssegundos: tempo H= =63,5 s

TEMPO PARA UMA LINHA HORIZONTAL o tempo para varrer cada linha horizontal é H = 1/15.750s em microssegundos: tempo H= =63,5 s STV 20 AGO 2008 1 TEMPO PARA UMA LINHA HORIZONTAL o tempo para varrer cada linha horizontal é H = 1/15.750s em microssegundos: tempo H= 1000000 15750 =63,5 s o sinal de vídeo para elementos de imagem em

Leia mais

ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA

ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ECUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA E-mail: vinicius.borba@ifsc.edu.br

Leia mais

Introdução 5. Diodo emissor de luz 6. Princípio de funcionamento 7

Introdução 5. Diodo emissor de luz 6. Princípio de funcionamento 7 Sumário Introdução 5 Diodo emissor de luz 6 Princípio de funcionamento 7 Parâmetros característicos do LED 8 Corrente direta nominal 8 Corrente direta máxima 9 Tensão direta nominal 9 Tensão inversa máxima

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays D.T. e J.R.B./200 (revisão) E.T.M./2003 (revisão da parte experimental) E.T.M./200 (revisão) E.T.M./2006 (revisão) E.T.M./20 (revisão) RESUMO Nesta experiência são apresentados

Leia mais

Prof. Me. Elvis Pontes. Unidade I

Prof. Me. Elvis Pontes. Unidade I Prof. Me. Elvis Pontes Unidade I TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Tecnologia da informação O que é Tecnologia da Informação (TI)? Organizações empresariais e TI; A organização como um sistema Segundo O Brien

Leia mais

Física. Leonardo Gomes (Arthur F. Vieira) Óptica

Física. Leonardo Gomes (Arthur F. Vieira) Óptica Óptica Óptica 1. (Fuvest-SP) Em agosto de 1999, ocorreu o último eclipse solar total do século. Um estudante imaginou, então, uma forma de simular eclipses. Pensou em usar um balão esférico e opaco, de

Leia mais

Hardware. Objetivos do Capítulo

Hardware. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar os principais tipos, tendências e usos de microcomputadores, computadores de médio porte e mainframes. Caracterizar as principais tecnologias e usos de periféricos de

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 7 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores explica como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu qualidade Modo

Leia mais

Memórias Row Address Strobe Column Address Strobe

Memórias Row Address Strobe Column Address Strobe um chip de memória é um exército de clones, formado por um brutal número de células idênticas, organizadas na forma de linhas e colunas, de forma similar a uma planilha eletrônica. O chip de memória em

Leia mais

Sistema de Câmeras. Composição do Kit "Sistema de Câmeras" Instalação do Equipamento Configurações Operação. Manual de Operação.

Sistema de Câmeras. Composição do Kit Sistema de Câmeras Instalação do Equipamento Configurações Operação. Manual de Operação. Sistema de Câmeras Versão: 1.1 Manual de Operação Composição do Kit "Sistema de Câmeras" Instalação do Equipamento Configurações Operação Página 3 CARO CLIENTE, Agradecemos pela escolha do Sistema de

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS 2.1 - INTRODUÇÃO - EXISTEM CINCO ELEMENTOS BÁSICOS IDEAIS QUE SÃO UTILIZADOS EM CIRCUITOS ELÉTRICOS. - ELEMENTOS ATIVOS (GERAM ENERGIA ELÉTRICA)

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 11. Introdução teórica Aula 11: Fotossensor

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 11. Introdução teórica Aula 11: Fotossensor Introdução teórica Aula 11: Fotossensor Um sensor fotoelétrico ou fotocélula é um dispositivo electrônico que responde à alteração da intensidade da luz. Eles são projetados especialmente para a detecção,

Leia mais

M237WA. Monitor Multifuncional com opcional de TV Julho 2009

M237WA. Monitor Multifuncional com opcional de TV Julho 2009 Monitor Multifuncional com opcional de TV Julho 2009 Introdução de Produto: Conceito Monitor Multifuncional com opcional de TV Design Scarlet Publico Alvo Usuários que procuram um monitor multifuncional,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 1: Medidas Elétricas. Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos.

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 1: Medidas Elétricas. Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos. 1 1. Objetivos Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos. 2. Conceito 2.1 Matriz de contatos Uma grande parte dos circuitos eletrônicos, especialmente os digitais, quando

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin UCP ou microprocessador: Circuito Integrado inteligente (capaz de cumprir diferentes funções determinadas por instruções ) CI capaz de efetuar todas as operações necessárias

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRES TVs

INFORMAÇÕES SOBRES TVs INFORMAÇÕES SOBRES TVs TECNOLOGIAS Qual a diferença entre Plasma, LCD e LED? As telas de Plasma são construídas com duas placas de vidro entre as quais há uma combinação de minúsculas células carregadas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD Stc 5 Formador

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD Stc 5 Formador 1 de 6 O computador e a Sociedade Hoje em dia vivemos basicamente da informação, em que tudo o que gira à nossa volta baseia-se na informação desde a televisão, a política, a tecnologia e os computadores,

Leia mais

Mudanças de Coordenadas em Sistemas de Cores

Mudanças de Coordenadas em Sistemas de Cores Mudanças de Coordenadas em Sistemas de Cores Bruno Teixeira Moreira e Emídio Augusto Arantes Macedo Ciência da Computação 1 o. Período Professor: Rodney Josué Biezuner Disciplina: Geometria Analítica e

Leia mais

Mapeamento em posição de Memória Interface com visor LCD 6

Mapeamento em posição de Memória Interface com visor LCD 6 Mapeamento em posição de Memória 6 Objectivos - Compreender os mapeamentos em Portos de I/O e de Memória dados externa. - Identificar os endereços na memória de dados externa em que se encontra o visor

Leia mais

CAPÍTULO 4 DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS

CAPÍTULO 4 DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS CAPÍTULO 4 DODOS COM FNALDADES ESPECÍFCAS Este capítulo discute a aplicação de alguns diodos especiais, com características específicas. São estes o diodo zener (usado como regulador de tensão) e o diodo

Leia mais

Lista de Problemas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência

Lista de Problemas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Interferência Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV006 Lanterna de LED Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Prof. Ventura Ensina Tecnologia Lanterna de LED Nosso simples projeto consiste

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Onda Polarizada: Onda que possui apenas uma direção de vibração para uma direção de propagação. Direção de vibração Direção de vibração Direção de propagação Direção

Leia mais

Processamento Digital de Imagens. Cor

Processamento Digital de Imagens. Cor Processamento Digital de Imagens Cor Em uma descrição física a cor está associada ao seu comprimento de onda. Ao se analisar o espectro eletromagnético na região do visível, os menores comprimentos de

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA A LISTA 8 CAPÍTULO 22 ÓPTICA ONDULATÓRIA

EXERCÍCIOS PARA A LISTA 8 CAPÍTULO 22 ÓPTICA ONDULATÓRIA Exercícios Conceituais QUESTÃO 1. A figura ao lado mostra a imagem projetada em uma tela num experimento com fenda dupla. Para cada item a seguir, o espaçamento entre as franjas irá aumentar, diminuir

Leia mais

Cores. Misturando apenas essas três cores, em proporções e intensidades variadas, podemos obter todas as outras, mesmo as que não estão no

Cores. Misturando apenas essas três cores, em proporções e intensidades variadas, podemos obter todas as outras, mesmo as que não estão no Cores A cor é uma sensação provocada pela luz sobre o órgão da visão, isto é, sobre nossos olhos. A cor-luz pode ser observada através dos raios luminosos. Cor-luz é a própria luz que pode se decompor

Leia mais

INTRODUÇÃO. Conheça essas regras nas próximas páginas deste manual.

INTRODUÇÃO. Conheça essas regras nas próximas páginas deste manual. MANUAL DA MARCA INTRODUÇÃO Este manual tem o objetivo de orientar as aplicações da marca ACIAP São José dos Pinhais. Os elementos gráficos que compõem a identidade visual são o logotipo, as cores institucionais

Leia mais

8. VIDEO OUT 9. Botões de funcionamento 10. Indicador POWER 11. Indicador PAL 12. Interruptor de selecção de canais 13. VIDEO IN

8. VIDEO OUT 9. Botões de funcionamento 10. Indicador POWER 11. Indicador PAL 12. Interruptor de selecção de canais 13. VIDEO IN Informações do produto RECEOR. Aéreo 2. VGA OUT 3. VGA IN 4. AUDIO IN 5. S-VÍDEO 6. Fonte de alimentação 7. Botões de controlo 8. VIDEO OUT 9. Botões de funcionamento 0. Indicador POWER. Indicador PAL

Leia mais

Aula 02 Organização de. computadores DEFINIÇÕES BÁSICAS e PARTES DE UM COMPUTADOR

Aula 02 Organização de. computadores DEFINIÇÕES BÁSICAS e PARTES DE UM COMPUTADOR Arquitetura de Computadores Aula 02 Organização de computadores DEFINIÇÕES BÁSICAS e PARTES DE UM COMPUTADOR 11/04/2016 Prof. Dsc. Jean Galdino 1 Definições Básicas Hardware: Qualquer equipamento eletrônico,

Leia mais

Então, como saber se uma cor que esteja sendo vista na tela será obtida com a mesma aparência na impressão? É aí que entram os modos de cor.

Então, como saber se uma cor que esteja sendo vista na tela será obtida com a mesma aparência na impressão? É aí que entram os modos de cor. Variações de cores entre dispositivos Todo trabalho feito em computação gráfica, mais especificamente com impressão, pode apresentar variações do tipo exibido abaixo. Você vê as cores de um modo na tela,

Leia mais