PMBOK Processo Planejamento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PMBOK Processo Planejamento"

Transcrição

1 PMBOK Processo Planejamento Profª Andrea Padovan Jubileu

2 PMBOK Iniciação Planeja mento Controle Execução Fechamento Integração de Projeto Escopo do Projeto Tempo do Projeto Custo do Projeto Qualidade do Projeto Recursos Humanos do Projeto Comunicações do Projeto Riscos do Projeto Aquisições do Projeto Desenvolver o Plano de Gerenc. do Projeto (integração). Coletar os Requisitos (escopo). Definir o escopo (escopo). Criar EAP (escopo). Definir as Atividades (tempo). Sequenciar as Atividades (tempo). Estimar os Recursos das Atividades (tempo). Estimar as Durações das Atividades (tempo). Desenvolver o cronograma (tempo). Estimar os custos (custo). Determinar o orçamento (custo). Planejar a qualidade. Desenvolver o Plano de Recursos Humanos. Planejar as comunicações. Planejar o Gerenciamento de Riscos. Identificar os Riscos. Realizar a Análise Qualitativa de Riscos. Realizar a Análise Quantitativa de Riscos. Planejar Respostas a Riscos. Planejar as aquisições. 2

3 Processo PLANEJAMENTO Fonte: (NOCÊRA, 2009) 3

4 Integração Iniciação Planeja mento Controle Execução Fechamento Integração de Projeto Escopo do Projeto Tempo do Projeto Custo do Projeto Qualidade do Projeto Recursos Humanos do Projeto Comunicações do Projeto Riscos do Projeto Aquisições do Projeto Desenvolver o Plano de Gerenc. do Projeto (integração). Coletar os Requisitos (escopo). Definir o escopo (escopo). Criar EAP (escopo). Definir as Atividades (tempo). Sequenciar as Atividades (tempo). Estimar os Recursos das Atividades (tempo). Estimar as Durações das Atividades (tempo). Desenvolver o cronograma (tempo). Estimar os custos (custo). Determinar o orçamento (custo). Planejar a qualidade. Desenvolver o Plano de Recursos Humanos. Planejar as comunicações. Planejar o Gerenciamento de Riscos. Identificar os Riscos. Realizar a Análise Qualitativa de Riscos. Realizar a Análise Quantitativa de Riscos. Planejar Respostas a Riscos. Planejar as aquisições. 4

5 Desenvolver o Plano de Gerenciamento do Projeto (integração) Esse plano é a documentação das ações necessárias para definir, preparar, integrar e coordenar todos os planos auxiliares em um plano de gerenciamento. Define como o projeto é executado, monitorado, controlado e encerrado. 5

6 Desenvolver o Plano de Gerenciamento do Projeto (integração) O Plano de Gerenciamento do Projeto inclui: Os processos de gerenciamento de projetos aplicáveis ao projeto, selecionados pela equipe de gerenciamento de projeto; As descrições das ferramentas e técnicas que serão usadas para realizar esse processo; Como o trabalho será executado para realizar os objetivos do projeto; Como as mudanças serão monitoradas e controladas; Como o gerenciamento de configuração será realizado; Como a integridade das linhas de base da medição de desempenho será mantida e atualizada; A necessidade e as técnicas de comunicação entre as partes interessadas; O ciclo de vida do projeto e, para projetos com várias fases, as fases associadas ao projeto. 6

7 Desenvolver o Plano de Gerenciamento do Projeto (integração) O Plano de Gerenciamento do Projeto pode ser sumarizado ou detalhado, e pode ser constituído por planos auxiliares, que são detalhados até o nível necessário para o projeto. Exemplos de planos auxiliares: plano de gerenciamento do escopo do projeto, do gerenciamento do cronograma, do gerenciamento de custos, etc. 7

8 Escopo Iniciação Planeja mento Controle Execução Fechamento Integração de Projeto Escopo do Projeto Tempo do Projeto Custo do Projeto Qualidade do Projeto Recursos Humanos do Projeto Comunicações do Projeto Riscos do Projeto Aquisições do Projeto Desenvolver o Plano de Gerenc. do Projeto (integração). Coletar os Requisitos (escopo). Definir o escopo (escopo). Criar EAP (escopo). Definir as Atividades (tempo). Sequenciar as Atividades (tempo). Estimar os Recursos das Atividades (tempo). Estimar as Durações das Atividades (tempo). Desenvolver o cronograma (tempo). Estimar os custos (custo). Determinar o orçamento (custo). Planejar a qualidade. Desenvolver o Plano de Recursos Humanos. Planejar as comunicações. Planejar o Gerenciamento de Riscos. Identificar os Riscos. Realizar a Análise Qualitativa de Riscos. Realizar a Análise Quantitativa de Riscos. Planejar Respostas a Riscos. Planejar as aquisições. 8

9 Coletar os requisitos (Gerenc. escopo) Processo de definição e documentação das necessidades e expectativas das partes interessadas para alcançar os objetivos do projeto. Os requisitos representam a base da EAP (Estrutura Analítica do Projeto). Esse processo se inicia com as informações do Termo de Abertura do Projeto (requisitos de alto nível do projeto e descrição em alto nível do produto) e do Registro das Partes Interessadas (requisitos e expectativas das partes interessadas). 9

10 Coletar os requisitos (Gerenc. escopo) Formas de obtenção dos requisitos: Entrevistas formais e informais Brainstorming Grupos de discussão Questionários Observações, entre outras. 10

11 Coletar os requisitos (Gerenc. escopo) Saídas: 1. Documento de Requisitos: registro dos requisitos individuais de cada parte interessada. Pode ser uma lista de requisitos e prioridades ou mais elaborado, contendo: Descrição do requisito e sua importância no alcance dos objetivos do projeto; Premissas e restrições relacionadas ao requisito; Impacto do requisito no custo e no prazo do projeto; Métricas da qualidade e critérios de aceitação do requisito; Outras informações relevantes dos requisitos. 2. Plano de Gerenciamento dos Requisitos: documenta como eles serão analisados, documentados e gerenciados durante todo o ciclo de vida do projeto. 3. Matriz de Rastreabilidade de Requisitos: requisitos relacionados às necessidades do negócio, aos objetivos do projeto; às entregas da EAP, entre outros. 11

12 Definir o escopo (Gerenc. Escopo) Consiste na descrição do projeto e do produto. Declaração do escopo do produto Inclui as características e funções que descrevem um produto, serviço ou resultado. Declaração do escopo do projeto Deve considerar as entregas principais, o trabalho requerido para a obtenção dessas entregas, as premissas e as restrições documentadas na iniciação do projeto. Na fase de planejamento, o escopo do projeto é definido mais detalhadamente. 12

13 Definir o escopo (Gerenc. Escopo) Saídas: 1. Declaração do Escopo do Projeto deve incluir: Descrição do escopo do produto Requisitos do projeto Exclusões do projeto Entregas do projeto Critérios de aceitação das entregas Restrições e premissas. 2. Atualização dos documentos do projeto: Registros das partes interessadas Documento de Requisitos Matriz de Rastreabilidade dos requisitos 13

14 LOGO PROJETO DECLARAÇÃO DO ESCOPO DO PROJETO Rev.: Data: Folha de 1. OBJETIVO (S) DO PROJETO Descrever o(s) objetivo(s) do projeto o que se quer alcançar com o projeto. 2. ESCOPO DO PRODUTO Descrever as características do produto, serviço ou trabalho a ser entregue pelo projeto. 3. REQUISITOS DO PROJETO Descrever as condições ou capacidade que devem ser atendidas ou possuídas pelas entregas do projeto para satisfazer um contrato, norma, especificação ou outros documentos formais. 4. EXCLUSÕES DO ESCOPO Descrever o que não está incluído no escopo do projeto 5. ENTREGAS DO PROJETO Descrever as entregas do projeto incluindo resultados auxiliares como documentos, relatórios, etc. 6. CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO Descrever o processo e os critérios para aceitação dos produtos terminados. 7. ESPECIFICAÇÃO DO PROJETO Identificar os documentos de especificação com os quais o projeto deve estar de acordo. 14

15 8. LIGAÇÕES COM OUTROS PROJETOS Indicar, se existirem, as interdependências com outros projetos da organização. 9. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Desenhar a estrutura organizacional do projeto descrevendo as principais responsabilidades. Indicar a equipe de planejamento do projeto incluindo nome, setor, telefones e endereços de e- mails. 10. VALORES ESTIMADOS Indicar a receita e os custos. 11. MARCOS DO CRONOGRAMA Identificar os marcos e colocar as datas impostas pelo cliente e/ou fornecedor. 12. RESTRIÇÕES Descrever as restrições do projeto, principalmente as referentes a custo, prazo, escopo e qualidade. 13. PREMISSAS Indicar as premissas assumidas pela equipe de planejamento até a presente data. Fonte: Adaptado de 15 (NOCÊRA, 2009)

16 PMBOK Iniciação Planeja mento Controle Execução Fechamento Integração de Projeto Escopo do Projeto Tempo do Projeto Custo do Projeto Qualidade do Projeto Recursos Humanos do Projeto Comunicações do Projeto Riscos do Projeto Aquisições do Projeto Desenvolver o Plano de Gerenc. do Projeto (integração). Coletar os Requisitos (escopo). Definir o escopo (escopo). Criar EAP (escopo). Definir as Atividades (tempo). Sequenciar as Atividades (tempo). Estimar os Recursos das Atividades (tempo). Estimar as Durações das Atividades (tempo). Desenvolver o cronograma (tempo). Estimar os custos (custo). Determinar o orçamento (custo). Planejar a qualidade. Desenvolver o Plano de Recursos Humanos. Planejar as comunicações. Planejar o Gerenciamento de Riscos. Identificar os Riscos. Realizar a Análise Qualitativa de Riscos. Realizar a Análise Quantitativa de Riscos. Planejar Respostas a Riscos. Planejar as aquisições. 16

17 Criar EAP (Gerenc. escopo) EAP 1 é a decomposição hierárquica, orientada para entregas, do trabalho a ser executado pela equipe do projeto para alcançar os objetivos e criar as entregas necessárias. O que deve ser realizado no projeto. Principal ferramenta do planejamento. Organiza e define o escopo total do projeto. Entradas: declaração do escopo do projeto, documentação dos requisitos e ativos 2 dos processos organizacionais. 1 Conceito desenvolvido pelo Depto Defesa EUA e pela NASA em Política de gerenciamento de projetos da empresa, de qualidade, instruções de trabalho, etc. 17

18 EDT Estrutura de Decomposição do Trabalho Também conhecido por: EAP Estrutura Analítica do Projeto WBS Working Breakdown Structure A EAP subdivide o trabalho do projeto em partes menores e mais facilmente gerenciáveis, em que cada nível descendente da EAP representa uma definição cada vez mais detalhada do trabalho do projeto. 18

19 EAP/EDT Objetivos: Fornece detalhes do escopo do projeto Dá origem ao cronograma que permitirá monitorar o progresso Mostra o detalhamento do custo de equipamento, mão-de-obra e materiais Auxilia na montagem da equipe e distribuição do trabalho 19

20 EAP/EDT Deliverable (Entrega): Qualquer saída ou resultado mensurável, tangível ou verificável que indique o término de uma parte do projeto, geralmente relacionado como um resultado parcial a ser verificado pelo cliente ou interessado. Work Package (Pacote de Trabalho) : Representa o nível mais baixo de decomposição da EAP. O pacote de trabalho inclui as atividades do projeto e os marcos do cronograma necessários para terminar a entrega do pacote de trabalho (NOCÊRA, 2009). Pacotes de trabalho são as atividades ou componentes que podem ser facilmente atribuídos a uma pessoa ou grupo, que assumirão a clara responsabilidade pelo seu cumprimento (HELDMAN, 2006). 20

21 EAP Existe certa controvérsia entre os gerentes de projeto com relação à inclusão das atividades na EAP. O PMBOK não faz referência a nenhuma regra sobre isso e cabe ao gerente de projeto decidir o quanto irá decompor as entregas e se irá ou não incluir as atividades. Na prática, alguns gerentes de projeto incluem as atividades nas EAPs de projetos pequenos, pois facilita os futuros processos de Planejamento. Nesse caso, as atividades formam o nível de pacote de trabalho. Entretanto, projetos grandes e complexos provavelmente não incluirão as atividades na EAP. As atividades são decompostas no processo Definição de Atividades e não fazem parte da EAP. 21

22 Exemplo EDT/EAP 22

23 Exemplo: Sistema de Pagamentos Sistema de Pagamentos Produto do Projeto Requisitos Identificados Especificação Técnica... Código Deliverable Pacote de Trabalho Banco de Dados Criado Tabelas 23

24 Exemplo EAP 24

25 Exemplo EAP 25

26 Como elaborar uma EAP/EDT Podem ser utilizadas as técnicas: top-down Passo 1: Identifique o(s) produto(s) final do projeto o que deve ser entregue para garantir o sucesso do projeto. Passo 2: Defina as entregas no mais alto nível do projeto e as intermediárias, mas que por si só não satisfazem a necessidade do projeto. Passo 3: Decomponha as entregas de alto nível e as intermediárias até um nível de detalhe apropriado para gerenciamento e controle integrado. Cada pacote de trabalho deve conter apenas uma entrega; Passo 4: Reveja e refine a EAP até que as partes interessadas concordem que o planejamento do projeto pode ser efetivamente executado, e que a execução e controle produzirão as entregas e resultados desejados. 26

27 Como elaborar uma EAP/EDT Podem ser utilizadas as técnicas: bottom-up Escolher a técnica top-down quando o gerente e a equipe de gerenciamento do projeto têm pouca experiência no desenvolvimento de EAP; essa técnica permite o entendimento progressivo e a elaboração da EAP. 27

28 Bibliografia HELDMAN, K. Gerência de projetos: guia para o exame oficial do PMI. Rio de Janeiro: Elsevier, NOCÊRA, R. J. Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática. São Paulo: Ed. do Autor,

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Desenvolvimento de Software

Desenvolvimento de Software PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Total de Páginas:16 Versão: 1.0 Última Atualização: 26/07/2013 Índice

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos ÁREAS DE CONHECIMENTO [01] Nós já sabemos que o Guia PMBOK é dividido em 10 áreas do conhecimento relacionadas

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos

MBA em Gerenciamento de Projetos MBA em Gerenciamento de Projetos APRESENTAÇÃO A gestão eficiente de projetos é essencial para a sobrevivência das empresas em um cenário de competição global, avanços tecnológicos, clientes mais exigentes

Leia mais

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de Integração Prof. Anderson Valadares 1. Conceito A área de conhecimento em gerenciamento de integração do projeto inclui processos e as atividades necessárias para identificar, definir,

Leia mais

Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro. Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se

Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro. Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se PLANEJAMENTO DE PROJETOS Mauro Lúcio Batista Cazarotti Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se dos profissionais

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

SIMULADO 3 CERTIFICAÇÃO PMP

SIMULADO 3 CERTIFICAÇÃO PMP SIMULADO 3 CERTIFICAÇÃO PMP Nível Básico Página 0 de 5 51) Das opções abaixo qual encontra-se no Termo de Abertura? a) Uma estratégia de gerenciamento dos riscos. b) Estimativas de pacotes de trabalho.

Leia mais

Simulado "ESCOPO PMP"

Simulado ESCOPO PMP Pá gina 1 de 11 Simulado "ESCOPO PMP" Simulado do PMI por Jackson Leonardo das Neves Albino 26 de January de 2012 Pá gina 2 de 11 Disciplinas e temas deste simulado Gerenciamento do Escopo do Projeto (13

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

PSI 2591. Elaboração. 6ª Aula Gerenciamento de Projetos 2015

PSI 2591. Elaboração. 6ª Aula Gerenciamento de Projetos 2015 PSI 2591 PROJETO DE FORMATURA I 6ª Aula Gerenciamento de Projetos 2015 Elaboração Prof. Sergio Takeo Kofuji Prof. Marcelo K. Zuffo Prof. Antonio C. Seabra Dra. Ramona M. Straube Livro Texto: 2 Literatura

Leia mais

CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR

CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR CASOS DE TESTE PALESTRANTE: MARCIA SILVA MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR WWW.EMERSONRIOS.ETI.BR CONCEITOS BÁSICOS - TESTES O que é Teste de Software? Teste é o processo de executar um programa com o objetivo

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010 Rastreabilidade É definida como a habilidade

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Introdução ao gerenciamento de projeto

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Introdução ao gerenciamento de projeto Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública Introdução ao gerenciamento de projeto O que é um Projeto? Um projeto é um complexo e não rotineiro esforço único limitado por tempo, orçamento, recursos

Leia mais

Processo de Gerenciamento do Catálogo de Serviços de TIC

Processo de Gerenciamento do Catálogo de Serviços de TIC de TIC Escritório de Gerenciamento de Processos de Tecnologia da Informação e Comunicação EGPr-TIC João Pessoa 2016 Versão 1.0 Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região Desembargador Presidente Ubiratan

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 2 Definição de atividades Sequenciamento das atividades 1 6.1 Definir as atividades 1 Lista das atividades A lista das atividades é uma lista abrangente que inclui todas as atividades necessárias

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

Implementação de um serviço de correio eletrônico na Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente SQUIRELMAIL e POSTFIX em um Servidor Linux

Implementação de um serviço de correio eletrônico na Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente SQUIRELMAIL e POSTFIX em um Servidor Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ - EAJ CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Projeto das Disciplinas de Sistemas Operacionais de Redes e Projeto de Redes Implementação de um

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

Gestão de Projetos. Prof. Dr. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com 1

Gestão de Projetos. Prof. Dr. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com 1 Gestão de Projetos Prof. Dr. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com 1 Projeto de Longo Prazo Olimpíadas de Pequim Início do Projeto 2001 9000 obras foram executadas 37 estádios e ginásios Construção do maior

Leia mais

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário A documentação permite a comunicação

Leia mais

PSP: Personal Software Process. PSP- Personal Software Process. PSP: Personal Software Process. PSP: Personal Software Process

PSP: Personal Software Process. PSP- Personal Software Process. PSP: Personal Software Process. PSP: Personal Software Process PSP- Personal Software Process Maria Cláudia F. P. Emer PSP: Personal Software Process z Já foram vistas ISO/IEC 9126 foco no produto ISO 9001 e CMM foco no processo de desenvolvimento z Critica a essas

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 13:39:41 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 13:39:41 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 02/12/2013 Verificado por Cristiane Muniz em 05/12/2013 Aprovado por Denis Fortes/BRA/VERITAS em 06/12/2013 ÁREA GRH Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Gestão de projetos aplicada no planejamento de substituição de maquinário em uma indústria do setor farmacêutico

Gestão de projetos aplicada no planejamento de substituição de maquinário em uma indústria do setor farmacêutico 1 Gestão de projetos aplicada no planejamento de substituição de maquinário em uma indústria Elias Rafael Pinto eng.eliasrafael@gmail.com MBA em Gestão de Projetos em Engenharias e Arquitetura Instituto

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Controlo de Gestão de Projectos

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Controlo de Gestão de Projectos INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

8/25/2015. Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos

8/25/2015. Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos 1 Planejamento Financeiro Transforma a Vida das Pessoas Processo de Planejamento 2 Definir o relacionamento entre cliente e planejador Obter informações,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ORIENTAÇÕES GERAIS Cada aluno deve elaborar seu relatório, mesmo que o trabalho esteja sendo desenvolvido em grupo. Os relatórios devem

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS E SIMULADORES DE RISCOS EM PROJETOS CONSULTORIA

IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS E SIMULADORES DE RISCOS EM PROJETOS CONSULTORIA IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS E SIMULADORES DE RISCOS EM PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Aumente a confiabilidade dos resultados de suas previsões através dos mais modernos simuladores

Leia mais

Minuta Circular Normativa

Minuta Circular Normativa Minuta Circular Normativa 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo a) Estabelecer princípios e diretrizes para orientar as ações de natureza socioambiental nos negócios da Desenbahia e no seu relacionamento com clientes

Leia mais

Plano de Ensino 1º semestre de 2016. Professores: CLEANTES ALVES LEITE JR. / JOÃO CARLOS IVO DE ABREU

Plano de Ensino 1º semestre de 2016. Professores: CLEANTES ALVES LEITE JR. / JOÃO CARLOS IVO DE ABREU Plano de Ensino 1º semestre de 2016 ÁREA DE GESTÃO E NEGÓCIOS Unidade Curricular: AVALIAÇÃO E GESTÃO DE PROJETOS Professores: CLEANTES ALVES LEITE JR. / JOÃO CARLOS IVO DE ABREU Carga horária: 133h Carga

Leia mais

Nome da Empresa: Check-List preenchido por: Data: Check-List de Madeira Controlada Política da Empresa Comentários Conformidade Uma política de comprometimento público foi elaborada declarando que a empre-

Leia mais

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS O Plano de Controle Ambiental Simplificado deverá conter

Leia mais

AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Projeto de longo prazo Tem variados objetivos, focos e etapas; Depende de muitas pessoas, organizações, decisões em outras instâncias, grande captação de recursos

Leia mais

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy Brasília, 13 de Julho de 2011 Perspectiva: Aprendizado e Crescimento Planejamento Estratégico Objetivo

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA)

Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) 1. Objetivo O objetivo do presente documento é estabelecer os princípios e diretrizes determinadas pela administração do Banco Fidis, em relação à gestão

Leia mais

Título do Case: Categoria: Temática: Resumo: Introdução:

Título do Case: Categoria: Temática: Resumo: Introdução: Título do Case: Diagnóstico Empresarial - Vendendo e Satisfazendo Mais Categoria: Prática Interna. Temática: Mercado Resumo: Na busca por uma ferramenta capaz de auxiliar na venda de mais consultorias

Leia mais

Introdução. O Modelo CMM/SEI. Roteiro da Apresentação. Conceitos básicos de qualidade. Conceitos básicos de qualidade de software

Introdução. O Modelo CMM/SEI. Roteiro da Apresentação. Conceitos básicos de qualidade. Conceitos básicos de qualidade de software O Modelo CMM/SEI Francisco Rapchan Engenheiro de Computação Prof. do Depto de Informática - UFES / UNESC Mestrando em Informática Área de estudo: Engenharia de Software www.inf.ufes.br/~.br/~rapchanrapchan

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR POR PRODUTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR POR PRODUTOS Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR POR PRODUTOS OEI/BRA 09/005 - Desenvolvimento da Gestão Estratégica do

Leia mais

Projeto Manutenção SAP Web e Portal TRT

Projeto Manutenção SAP Web e Portal TRT Anexo VIII SOF 46/11 Projeto Manutenção SAP Web e Portal TRT Versão: 2.00 Índice 1 Introdução... 1.1 Objetivo... 1.2 Escopo... 1.3 Definições, Acrônimos e Abreviações... 1.4 Referências... 2 Gerenciamento

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE

DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE PARTICIPANTES Belo Horizonte - 1

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS

PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS Nestor Nogueira de Albuquerque, MsC. Gestão e Desenvolvimento Regional V Encontro de Pós-GraduaP Graduação UNITAU 2005 Necessidade de um processo de Gestão de Projetos

Leia mais

PLANO DE PROJETO MANUAL DE PREENCHIMENTO

PLANO DE PROJETO MANUAL DE PREENCHIMENTO PLANO DE PROJETO MANUAL DE PREENCHIMENTO Cuiabá, 26 de julho de 2005 02-Plano de Projeto.doc Instruções para Preenchimento dos Formulários do Projeto Este documento deve ser utilizado como referência para

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática : ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Um conjunto estruturado

Leia mais

Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa

Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa 1 Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa O primeiro passo é criar um login de acesso que será com um e-mail e uma senha única para o grupo. Ao entrar no ambiente de Inscrição e selecionar

Leia mais

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com 1 As 10 áreas de Conhecimento 2 INTEGRAÇÃO 3 Gerência da Integração Processos necessários

Leia mais

Auxílio Estudantil Fase de análise

Auxílio Estudantil Fase de análise UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ASSESSORIA DE AUXÍLIO ESTUDANTIL PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Auxílio Estudantil Fase de análise

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Gestão de Projetos é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos,

Leia mais

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (Hospital Regional do Mato Grosso do Sul- HRMS) Campo Grande MS MÊS /ANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO (s) ALUNO

Leia mais

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Durante todo Estágio (Teórica e prática) Março a junho 2013 Mês de março e abril de 2013 25 a 31 março Preparação para o ingresso no Estágio Leitura obrigatória

Leia mais

Qualidade de Software Normatização

Qualidade de Software Normatização Qualidade de Software Normatização Norma ISO/IEC 12207 processo do ciclo de vida de software Norma criada em 1995 com o objetivo de fornecer uma estrutura comum para adquirente, fornecedor, desenvolvedor,

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Tipologia dos Escritórios de Projeto

Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Negócio Todos sabemos que conduzir projetos é muito mais do que uma arte e que ao Gerente de Projetos cabe a responsabilidade de gerenciar

Leia mais

Sérgio Luisir Díscola Junior

Sérgio Luisir Díscola Junior Capítulo-3: Estoque Livro: The Data Warehouse Toolkit - Guia completo para modelagem dimensional Autor: Ralph Kimball / Margy Ross Sérgio Luisir Díscola Junior Introdução Cadeia de valores Modelo de DW

Leia mais

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas AUDITORIAS DE 2A PARTE em atividades aéreas " O QUE É E COMO ATUAMOS NESTA ÁREA. O significado de complience é o de agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou um pedido, ou seja,

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

Gerenciamento de projetos (Project Management).

Gerenciamento de projetos (Project Management). Gerenciamento de projetos (Project Management). A gestão de projetos é uma das áreas fundamentais de qualquer departamento de sistemas de informação, estando hoje em dia amplamente difundido dentro das

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL OBJETIVOS: CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS - 80h Capacitar os participantes para trabalharem com as melhores

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM ABR/2013 Nº 01/ SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PDS-UFPR

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PDS-UFPR PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PDS-UFPR 1. Apresentação 1.2 Descricao principal O PDS/UFPR é um processo de desenvolvimento de software inspirado em metodologias

Leia mais

Deswik.Sched. Sequenciamento por Gráfico de Gantt

Deswik.Sched. Sequenciamento por Gráfico de Gantt Deswik.Sched Sequenciamento por Gráfico de Gantt SOLUÇÕES EM SEQUENCIAMENTO DE LAVRA QUE NOS DIFERENCIAM Uma abordagem dinâmica e moderna para o sequenciamento de lavra Desde gráficos de Gantt interativos

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

O PAPEL E AS RESPONSABILIDADES DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS NA GOVERNANÇA

O PAPEL E AS RESPONSABILIDADES DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS NA GOVERNANÇA O PAPEL E AS RESPONSABILIDADES DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS NA GOVERNANÇA O Papel e as Responsabilidades dos Órgãos Estatutários na Governança Compliance Auditoria Interna Controles Internos CGPC nº 13/2004

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa Elaborando um projeto de pesquisa A pesquisa é a realização concreta de uma investigação planeada, desenvolvido e redigida de acordo com as normas das metodologias consagradas pela ciência; Requerida quando

Leia mais

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a 16 1 Introdução Este trabalho visa apresentar o serviço oferecido pelas administradoras de cartões de crédito relacionado ao produto; propor um produto cartão de crédito calcado na definição, classificação

Leia mais

Rabobank International Brazil

Rabobank International Brazil Rabobank International Brazil Política de Gerenciamento de Capital Resolução 3.988/2011 Conteúdo 1. Introdução... 3 Patrimônio de Referência Exigido (PRE)... 3 2. Princípios... 4 3. Papéis e Responsabilidades...

Leia mais

2.2 Estruturar ação de oficina de integração com gestores, trabalhadores, usuários e familiares da RAPS, redes de saúde e rede intersetorial.

2.2 Estruturar ação de oficina de integração com gestores, trabalhadores, usuários e familiares da RAPS, redes de saúde e rede intersetorial. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. II Chamada para Seleção de Redes Visitantes

Leia mais

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO INTELIGÊNCIA DE NEGÓCIOS DO LABORATÓRIO AS DECISÕES SOBRE O LABORATÓRIO COMEÇAM COM A INTELIGÊNCIA

Leia mais

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores 1/15 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 01 26 02 27 03 28 04 29 05 30 06 31 07 32 08 33

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste TERMO DE REFERÊNCIA é orientar a elaboração mais eficiente do RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO - RAP definido

Leia mais

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20

1.1. Caracterização do Problema. Capítulo 1. Introdução 20 1 Introdução Projetos de software normalmente estão bastante suscetíveis a passar por inúmeras modificações ao longo do seu ciclo de vida. Muitos deles falham ao atingir seus resultados necessários dentro

Leia mais

Um Projeto de Sucesso!

Um Projeto de Sucesso! Um Projeto de Sucesso! IF66J/S71 Oficinas de Integração 3 Eng. Computação Profs. João A. Fabro e Heitor S. Lopes.-Slide 1/46 O que é um Projeto de Sucesso? IF66J/S71 Oficinas de Integração 3 Eng. Computação

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues

José Geraldo Loureiro Rodrigues Governança Aplicada Autodiagnóstico de Maturidade em Governança de TI José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Analisar-se se-á os três níveis: n Governança

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS

INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS INSTRUÇÕES PARA INSCRIÇÕES CONGRESSISTAS Estão asseguradas as vagas dos 184 secretários municipais de saúde do Estado do Ceará, sendo necessário efetuar sua inscrição on-line no site do congresso. Havendo

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TIRO COM ARCO OLÍMPICO EM 2016.... PENSAMENTOS e AMBIÇÕES SEM LIMITE... = logo BAF=

PLANO DIRETOR DE TIRO COM ARCO OLÍMPICO EM 2016.... PENSAMENTOS e AMBIÇÕES SEM LIMITE... = logo BAF= PLANO DIRETOR DE TIRO COM ARCO OLÍMPICO EM 2016... PENSAMENTOS e AMBIÇÕES SEM LIMITE... = logo BAF= =logos= COB FITA Tiro com Arco Mundial Ministério do Esporte Peter Nieuwenhuis, janeiro de 2011. Conteúdo;

Leia mais

Métricas de Software Importância e Aplicação

Métricas de Software Importância e Aplicação Métricas de Software Importância e Aplicação Mauricio Aguiar PSM Qualified Instructor Presidente da ti MÉTRICAS IFPUG Past President USC Visiting Associate www.metricas.com.br 1 Agenda Definindo e Alcançando

Leia mais

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados COLÉGIO EST. JOÃO MANOEL MONDRONE - ENS. FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL Rua Mato Grosso n.2233 - Fone/Fax (045) 3264-1749-3264-1507 Banco de Dados O que é um banco de dados? Um conjunto de informações

Leia mais

PROGRAMA CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS e preparação para os Exames de Certificação PMP e CAPM do PMI (64 Horas)

PROGRAMA CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS e preparação para os Exames de Certificação PMP e CAPM do PMI (64 Horas) PROGRAMA CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS e preparação para os Exames de Certificação PMP e CAPM do PMI (64 Horas) O Curso preparado tem por objetivo apresentar conceitos de Gerenciamento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil TERMO DE REFERÊNCIA Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica São Paulo Brasil Contextualização e justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI) 1 EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI) O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP) da Universidade Federal

Leia mais

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Atualizado em 02/07/15 Pág.: 1/9 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Índice de nacionalização... 3 2. Objetivo da planilha... 4 3. O preenchimento

Leia mais

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua;

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; QUEM SOMOS A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; Especializada em Vida e Previdência, possui portfólio completo para assegurar nossos clientes e seus familiares dos

Leia mais

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS . - ; - -1,- - MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala B, 1 andar, sala 176 - CEP: 70056-900 - Brasilia/DF sitgmte

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais