Projeto Gestão de Riscos. Luiz Claudio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Gestão de Riscos. Luiz Claudio"

Transcrição

1 Projeto Gestão de Riscos Luiz Claudio

2 Missão da Área de Gestão de Riscos Assegurar a existência do modelo integrado de gerenciamento de riscos da organização, permitindo o provimento de informações oportunas para auxílio na tomada das decisões estratégicas, bem como a redução do risco a limites aceitáveis, utilizando mecanismos de identificação, avaliação, monitoramento e revisão periódica dos riscos, apoiado por metodologias e ferramentas adequadas aos negócios

3 Principais elementos para construir um estrutura de gerenciamento de riscos Framework/ Linguagem comum Comprometimento da alta direção Definir responsabilidade para o processo de gerenciamento de risco Monitoramento do processo de gerenciamento de risco Arquitetura de Risco Processo Interativo Reforçar a cultura de risco Através de mecanismos de RH Comunicação e treinamento Recursos

4 Modelos Relevantes Customers Procurement Rental services Customer service Finance Business development Client request Booking a vehicle Delivering a vehicle Return vehicle Vehicle returned Stock balance Inventory system Bookings Customer info Transaction Booking system Customer system Financial system Key figures Data w arehouse system Branches Contracts Vehicles Customer need stated Customer service Purchase request Service Invoice request Suppliers Customer Customer requests vehicle Clerk Get customer information No Has reservation? Get customer requests Reservation system Search for vehicle Booking system Resource planner Bokning system Uppdatera bilpolen «include» «include» Kontrollera behörighet Handle returned vehicle «include» «include» Hand over vehicle Rental clerk «actor» «domain» Customer «domain» Type «domain» «domain» * 1 Reservation * 1 Contract issuedby basedon #New Attribute #sfsdf * 1 «domain» 1 * startlocation 1 Location 1 * «domain» 1 * Payment * Yes Verify details Details OK? Yes No Cstomer accepts No fulfilment Vehicle found Sales person Motor vehicle office Customer Book vehicle «include» Verify drivers license «include» Bokning via WEB «extend» Verify credit «extend» «include» Financial institution 1 * «domain» Make 1 1 «domain» Period «domain» Vehiicle 1 * * 1 availableat 1 Customer Customer Id Customer Address Customer credit rating Customer entitled discount Order Order identifier Ordered product Ordered line items Customer Id Contact initiator Person Details accepted by customer receiver Sales person :Sales person Issue Voting List - [0 to 5 issues] Moderate Discussion? The task returns the value of the DiscussionOver to True or False «create» Customer info :Fönster Customer :Kund Black list :Spärrlista ange personuppgifter searchcustomer() Kontrollera Pool :Bil Uppdatera AND Grönt ljus Start Announce Issues for Discussion Delay 6 days from Announcement Discussion Deadline Warning Evaluate Discussion Progress End «create» «create» Rental info :Fönster Rental contract :Kontrakt Ange önskemål Kontrollera Boka Allow one week for discussions of the issues - Through or calls Check Calendar for Conference Call Conference Call in Discussion Week Yes No Moderate Conference Call Discussion? printcontract() Uppdatera pris Uppda te ra Calendar Wait intil Thursday, 9 am

5 Forma de atuação entre as áreas de Auditoria e Gestão de Riscos Gestão de Riscos Processo Áreas envolvidas Metodologia/Abordagem- Enfoque Interação Risco Inerente Risco Residual Gestão Gestão de Riscos CSA Sistemático Gestão de Riscos Mapeamento dos Riscos Cíclico Auditoria CSA Auditoria Processo ou Gestão Revisão de alto nível ou detalhada

6 Metamodel Identificar os riscos BusinessProcess Strategy/Goal Product/Service Influence Risk Application Account Organization

7 Metamodel Estabelecer controles BusinessProcess Strategy/Goal Product/Service Influence Risk Application Account Organization Reduzir Gerar Activity

8 Por quê gerenciar riscos? Necessidade de decidir num ambiente de incertezas Pesquisar oportunidades - manter as vantagens competitivas Evitar problemas

9 Benefícios de um sistema de gerenciamento de riscos Prover informações para auxílio na tomada de decisões estratégicas da organização, contemplando os seguintes principais aspectos: Redução do risco a limites aceitáveis Criação da cultura de riscos (formação de agentes multiplicadores) Identificar e quantificar os fatores de riscos Identificação dos responsáveis pelo processo de gerenciamento de riscos Processo de gestão de riscos de forma descentralizada

10 Nove itens não financeiros, de performance, de maior credibilidade para os investidores Qualidade da estratégia corporativa Execução da estratégia Qualidade do corpo gerencial Qualidade dos profissionais Qualidade da base de clientes Capacidade de inovar Qualidade da comunicação corporativa Comprometimento com meio ambiente Qualidade das práticas de gerenciamento de riscos Fonte: Ernst & Young

11 Avaliar Riscos? Identifique Qualifique (Alto, Médio ou Baixo ) Quantifique ( Impacto x Probabilidade ) Planeje Resposta ao Risco Monitorar o risco (indicador)

12 Conta BusinessProcess Influence Account RiskAssessment Strategy/Goal Risk Activity(Control) ControlCoverage Product/Service Application Organization Evaluation ControlDeficiency CorrectiveAction

13 Risco BusinessProcess Influence Account RiskAssessment Strategy/Goal Risk Activity(Control) ControlCoverage Product/Service Application Organization Evaluation ControlDeficiency CorrectiveAction

14 Controle BusinessProcess Influence Account RiskAssessment Strategy/Goal Risk Activity(Control) ControlCoverage Product/Service Application Organization Evaluation ControlDeficiency CorrectiveAction

15 Integração com o processo

16 Mapa de Risco de Calor

17 Metamodel Avaliação e cobertura BusinessProcess Strategy/Goal Product/Service Influence Risk Application Account Organization RiskAssessment Activity (Control) ControlCoverage

18 Estrutura de Informação DIRETORIA Objetivos de negócio DIVISÃO MACRO PROCESSO PROCESSO MACRO RISCO GRUPO DE RISCO SUB-PROCESSO RISCO INDICADOR RISCO Descrição do sub-processo Início e fim do sub-processo Controles do risco Impacto Probabilidade Evolução do risco Planos de ação, prazos, execução e responsável Identificação Unidade de medida Periodicidade Tolerância Inclusão de dados ** Responsável Comentários

19 Matriz de riscos I M P O R T Â N C I A Riscos secundários Riscos significativos mas pouco prováveis Assegurar que sejam detectados a tempo Riscos não significativos Se recomenda não controlar Riscos primários Riscos críticos Assegurar que existam os controles necessários para prevenir sua ocorrência Riscos secundários Riscos pouco significativos mas prováveis Assegurar seu controle sob uma perspectiva de custo-benefício PROBABILIDADE

20 Risco / Matriz de Controle BusinessProcess Influence Account RiskAssessment Strategy/Goal Risk Activity(Control) ControlCoverage Product/Service Application Organization Evaluation ControlDeficiency CorrectiveAction

21 BusinessProcess Influence Account RiskAssessment A avaliação de riscos Strategy/Goal Product/Service Risk Application Organization Activity(Control) Evaluation ControlCoverage ControlDeficiency CorrectiveAction

22 BusinessProcess Influence Account RiskAssessment Controle de Cobertura Strategy/Goal Product/Service Risk Application Organization Activity(Control) Evaluation ControlCoverage ControlDeficiency CorrectiveAction

23 Cobertura de riscos e Residual

24 Controle de Cobertura

25 Metamodel avaliar e gerir BusinessProcess Strategy/Goal Product/Service Influence Risk Application Account Organization RiskAssessment Activity (Control) Evaluation ControlCoverage ControlDeficiency CorrectiveAction

26 BusinessProcess Influence Account RiskAssessment Strategy/Goal Risk Activity(Control) ControlCoverage Product/Service Application Organization Evaluation ControlDeficiency CorrectiveAction Avaliação

27 BusinessProcess Influence Account RiskAssessment Controle da Deficiência Strategy/Goal Product/Service Risk Application Organization Activity(Control) Evaluation ControlCoverage ControlDeficiency CorrectiveAction

28 BusinessProcess Influence Account RiskAssessment Strategy/Goal Risk Activity(Control) ControlCoverage Ação Corretiva Product/Service Application Organization Evaluation ControlDeficiency CorrectiveAction

29 QualiWare GRC Inherent and Key Business Risk Financial Statements Sox Visão holística Mudança Process implications Mangement Assertions Financial implications Significant Account BusinessProcess Strategy/Goal Product/Service Significant Processes Método integrado sox2 Influence Risk Application Account Organization What can go wrong? RiskAssessment Activity(Control) Evaluation Funcionalidade especial ControlCoverage ControlDeficiency CorrectiveAction Controls Evaluate/Monitor Ferramenta de suporte Management report QLM QEI QDM

30 Premissas do gerenciamento de riscos Visão consolidada de riscos da empresa, aprovação das decisões estratégicas sobre os riscos e revisão periódica dos indicadores de riscos Aprovação das Políticas, Normas e Procedimentos da forma de atuação do Comitê de Riscos Visão consolidada de riscos da empresa, definição das estratégias sobre os riscos residuais altos Revisão das auto-avaliações, consolidação da visão de riscos da Diretoria, monitoramento do status dos planos de ação Auto-avaliação de riscos e controles, elaboração e execução de planos de ação Comissão Executiva Comitê de Riscos Área de Gestão de Riscos Auto-avaliação Gestor de Riscos por Diretoria Definição do grau de exposição de risco da empresa. Patrocínio do modelo de gerenciamento de riscos. Definição e aprovação da composição do Comitê de Riscos Nomear o Sponsor do Projeto TC Aprovação de metodologias, ferramentas e atribuição de responsabilidades Propor o adequado grau de exposição de risco da empresa Revisão do processo de auto-avaliação, monitoramento dos riscos e planos de ação das áreas Monitoramento diário dos riscos pertinentes à suas atividades e reporte periódico FACILITADOR

31 O papel e a importância do Facilitador Multiplicador dentro da Empresa Orientador no processo de Planejamento e Levantamento das Informações Visão de Processo e Negócio Monitoração dos Indicadores de Risco

32 Premissas de Auto-avaliação dos riscos Conscientização em risco e Controle de Gestão Revisão dos Indicadores de Riscos Cumprimento das Metas, Resultados e Plano de Ação Entender e Revisar os objetivos de negócio Auto-avaliação - O que será feito? A área de Gestão de Riscos conjunto em com o Gestor de Riscos cadadiretoria de auxiliará no processo de auto-avaliação. Treinamento Planejamento Workshop Resultado Planode ação Plano de Ações / Prestações (de Contas ( Accountabilities ) Auto avaliação Avaliar os riscos e seus indicadores Analisar os controles de Gestão Manutenção, Monitoramento e Indicadores de Riscos

33 Mensagem final NO RISK, NO REWARD Querer eliminar totalmente o risco em um empreendimento é impossível. Negócios O risco é algo inerente ao comprometimento dos recursos presentes com vistas às expectativas futuras. (Peter Drucker)

34 FIM OBRIGADO PELA ATENÇÃO!!!

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 5.0 06/12/2010 Sumário 1 Objetivos... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 6 Responsabilidades... 6 7 Disposições

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 -

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - Glossário BiSL Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - 1. Glossário de Terminologia Terminologia em Inglês Terminologia em Português BiSL processes Processos de BiSL Business data management

Leia mais

-Dominios do Exame CCSA

-Dominios do Exame CCSA -Dominios do Exame CCSA Os tópicos do exame de CCSA são divididos em seis Domínios 1 : I - Fundamentos de CSA (5-10%) II - Integração do Programa de CSA (15-25%) III - Elementos do Processo de CSA (15-25%)

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

CCEE - Metodologia de Gestão de Risco. InfoPLD ao vivo 28/4/2014

CCEE - Metodologia de Gestão de Risco. InfoPLD ao vivo 28/4/2014 CCEE - Metodologia de Gestão de Risco InfoPLD ao vivo 28/4/2014 Definição de Gestão de Risco Gestão de risco é a abordagem sistemática de identificar, analisar e controlar os riscos que são específicos

Leia mais

Indicadores para Auditoria Contínua

Indicadores para Auditoria Contínua Indicadores para Auditoria Contínua Ronaldo Fragoso Sócio. Deloitte. Agenda Objetivo da auditoria contínua Contexto e evolução da auditoria interna Tendências em auditoria contínua Implementação metodologia

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio

Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio Como estabelecer Valores e Grau de relevância de Riscos de acordo com as Vulnerabilidades do Negócio Paulo Ayres CIA Gerente de Riscos e Auditoria Interna Grupo RBS Como estabelecer Valores e Grau de relevância

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Banco John Deere S.A No Banco John Deere S.A., a Gestão de Riscos é atribuição do Departamento de Gestão de Riscos e Compliance (DPRC), que se reporta diretamente ao

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

2 Categorias Categories Todas as categorias de actividade são apresentadas neste espaço All activity categories are presented in this space

2 Categorias Categories Todas as categorias de actividade são apresentadas neste espaço All activity categories are presented in this space 1 Próximas Actividades Next Activities Visualiza as próximas actividades a ter inicio, com a indicação do tempo restante Displays upcoming activities and indicating the remaining time 2 Categorias Categories

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves BPM Congress 27 e 28-11-2012 Palestrante: Ranussy Gonçalves O SEBRAE-MG Mais de 700 funcionários Orçamento para 2012 de mais de R$ 185 milhões 130 mil empresas atendidas em 2011 e 150 mil para 2012 O início

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos, Auditoria, Controles Internos, Compliance e Continuidade de Negócios.

Governança Corporativa Gestão de Riscos, Auditoria, Controles Internos, Compliance e Continuidade de Negócios. Apresentação Executiva 2014 Governança Corporativa Gestão de Riscos, Auditoria, Controles Internos, Compliance e Continuidade de Negócios. Tecnologia para Gestão da Auditoria Interna Murah - Institucional

Leia mais

Gestão de Riscos na Embrapa

Gestão de Riscos na Embrapa Gestão de Riscos na Embrapa Gestão de riscos na Embrapa - Agenda A Embrapa Ponto de partida Reestruturação Organizacional Política de gestão de risco Metodologia Alinhamento de processos Contexto atual

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile Apresentação da Empresa CAPO Software QUEM SOMOS A CAPO SOFTWARE é provedora de serviços diversificados de TI com vasta experiência em desenvolvimento de sistemas e processo de configuração que compreende

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Diretoria Executiva de Controles Internos e Risco Operacional

Diretoria Executiva de Controles Internos e Risco Operacional Diretoria Executiva de Controles Internos e Risco Operacional Seminário de Segurança da Informação 2014 Painel "A dinâmica do cenário de ameaças à rede interna frente a um contexto GRC e às novas ferramentas

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

As possibilidades de melhoria dos resultados financeiros através da aplicação da gestão por processos

As possibilidades de melhoria dos resultados financeiros através da aplicação da gestão por processos As possibilidades de melhoria dos resultados financeiros através da aplicação da gestão por processos Marcelo Anderson Baptista Gerente de Recebíveis DASA DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S/A As possibilidades

Leia mais

Parcial 18/01/2013. O que é o PRINCE2? Estrutura dos projetos PRINCE2 PRINCE 1989-2009. PRINCE(1989) : Encomendado PROMPT (II) para projetos de TI

Parcial 18/01/2013. O que é o PRINCE2? Estrutura dos projetos PRINCE2 PRINCE 1989-2009. PRINCE(1989) : Encomendado PROMPT (II) para projetos de TI O que é o PRINCE2? PRINCE2 Parcial PRojects IN Controlled Environment Curso completo em português no formato e- learning em Em português: s em Ambiente Controlado Curso completo em: PRINCE(1989) : Encomendado

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Luciana de Souza Martins Ferreira Celso Yamamoto reluferreira@ig.com.br celsoyamamoto@uol.com.br Resumo. Este artigo tem como objetivo avaliar os resultados

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (GSI/PR) OBJETIVO Identificar a Metodologia de Gestão de SIC na APF AGENDA Gestão

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA QUALITY ASSURANCE Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA Viviane Souza Miranda CCSA Diretora de Auditoria Interna Telefônica Vivo Índice

Leia mais

ANGOLA BANKING SERIES GOVERNANÇA CORPORATIVA 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES

ANGOLA BANKING SERIES GOVERNANÇA CORPORATIVA 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES GOVERNANÇA CORPORATIVA 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES OBJECTIVOS DO CURSO Saiba como prevenir, detectar e implementar medidas que garantam um Bom Governo Empresarial Conheça as melhores

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Review e dos Benefícios

Review e dos Benefícios Process Improvement Project: Customer Engagement Workflow Visão do Visio 2010 Sales Representative 1.1 Handle Request Status Inactive 2 2.1 Assess Technical Feasibility Status Inactive 3 2.2 Assess Financial

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na avaliação e na mensuração de riscos AUDITORIA INTERNA NO CONBRAI 2009.

Atuação da Auditoria Interna na avaliação e na mensuração de riscos AUDITORIA INTERNA NO CONBRAI 2009. IBC realizada em 18 de agosto de 2009. A sua circulação, cópia ou distribuição, total ou parcial, para outros fins deve ser previamente autorizada, por escrito, pela Claro. Atuação da Auditoria Interna

Leia mais

Fórum ABBC Como a atuação integrada do Compliance e da Auditoria Interna pode se tornar estratégica na Governança Corporativa

Fórum ABBC Como a atuação integrada do Compliance e da Auditoria Interna pode se tornar estratégica na Governança Corporativa www.pwc.com/br Como a atuação integrada do Compliance e da Auditoria Interna pode se tornar estratégica na Governança Corporativa Maio 2011 Agenda 1. Considerações iniciais 2. A Governança Corporativa

Leia mais

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 1 Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015 Índice: 1. Objetivo... 3 2. Conceito/Definição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Liderança Feminina Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Sobre o Hay Group Hay Group é uma consultoria global em gestão que trabalha com líderes para transformar estratégias

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

Tecnologias Emergentes de BPM: Processos mais Inteligentes

Tecnologias Emergentes de BPM: Processos mais Inteligentes Tecnologias Emergentes de BPM: Processos mais Inteligentes BPM Global Trends Brasília, Novembro 2013 Sandy Kemsley www.column2.com @skemsley Agenda Como tecnologias emergentes estão tornando processos

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Política Institucional Gerenciamento de Capital

Política Institucional Gerenciamento de Capital P a g e 1 1 P a g e 2 Índice: 1. Objetivos... 2 2. Estrutura... 3 Diretoria BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A e BNY Mellon Banco S.A... 4 Diretor Responsável

Leia mais

Manual de Risco Operacional

Manual de Risco Operacional Manual de Risco Operacional Atualizado em maio/2014 Índice 1. Definição 3 2. Política e Premissas 4 3. Estrutura de Gestão de Risco Operacional 5 3a. Competências 6 3b. Modelo de Gestão do Risco Operacional

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Gerenciamento de TI. Paulo César Rodrigues

Gerenciamento de TI. Paulo César Rodrigues Gerenciamento de TI Paulo César Rodrigues *Analista de Sistemas; *Tutor do curso de graduação em Tecnologia em Sistemas de Computação (UFF/Cederj); * Professor do curso Técnico em Informática da Prefeitura

Leia mais

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul Juliano Sulzbach Consultor de Vendas Oracle Regional Sul GUO-RS Oracle BPEL Process Manager Agenda Introdução Oracle BPEL Process Manager Rápida revisão Demonstrações Agenda Introdução Oracle BPEL Process

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio

Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio Novembro de 2009 STEFANO JR, Wilson Principal - Oliver Wight Together We Make a Difference wstefano@oliverwight.com

Leia mais

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 I WORKSHOP FNCC Governança da TI Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 São Paulo, 22 de setembro de 2015 1 OBJETIVO Apresentar a Enigma

Leia mais

O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o

O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o futuro da empresa. O que pode fazer pela minha empresa? Avaliar

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Ambiente de Controles Internos

Ambiente de Controles Internos Ambiente de Controles Internos Agosto/2012 Gerência de Gestão de Riscos, Compliance e Controles Internos Gestão de Controle Interno Responsabilidades GESTÃO DE RISCOS AUDITORIA INTERNA Mapeamento dos Riscos

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SERVIÇO ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Service Strategies

ESTRATÉGIA DE SERVIÇO ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Service Strategies ESTRATÉGIA DE SERVIÇO ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Service Strategies É a integração de Negócio/Estratégia com a área de Tecnologia da Informação.

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

BID LIST 2013. Ayslan Verticchio. Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores

BID LIST 2013. Ayslan Verticchio. Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores BID LIST 2013 Ayslan Verticchio Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores Time Line Main changes & improvements 2004... 2010 2012 KPI (internal) KPI (internal & external) + Quality System Evaluation

Leia mais

EDP IMPLEMENTA SOLUÇÃO EM GOVERNANÇA E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTABELECE CONFORMIDADE CONTÍNUA NA GESTÃO DE ACESSOS

EDP IMPLEMENTA SOLUÇÃO EM GOVERNANÇA E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTABELECE CONFORMIDADE CONTÍNUA NA GESTÃO DE ACESSOS EDP IMPLEMENTA SOLUÇÃO EM GOVERNANÇA E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTABELECE CONFORMIDADE CONTÍNUA NA GESTÃO DE ACESSOS Perfil A EDP Energias do Brasil é uma holding que detém investimentos no setor de

Leia mais

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras

A Função de Controles Internos em Instituições Financeiras Seminário IIA Brasil - Os Desafios da Auditoria Interna frente aos processos de Gestão de Riscos, Controles e Governança Corporativa Belém, 21 de junho de 2013 A Função de Controles Internos em Instituições

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Auditando Segurança da Informação

Auditando Segurança da Informação Auditando Segurança da Informação Claudio Dodt, CISA, CRISC, CISSP, ITIL Expert Business Continuity & Security Senior Consultant claudio.dodt@daryus.com.br www.daryus.com.br claudiododt.com www.twitter.com/cdodt

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Agenda. 1. Situação 2. Desafios 3. Benefícios 4. Contatos. Page 2

Agenda. 1. Situação 2. Desafios 3. Benefícios 4. Contatos. Page 2 Resolução 3.721 do BaCen Uma avaliação criteriosa de sua implementação CEB FGV Centro de Excelência Bancária Agenda 1. Situação 2. Desafios 3. Benefícios 4. Contatos Page 2 1 Situação Page 3 A recente

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

A onda atual de BPM une conceitos que vão da estratégia à automação de processos de negócio

A onda atual de BPM une conceitos que vão da estratégia à automação de processos de negócio ELO Group A onda atual de BPM une conceitos que vão da estratégia à automação de processos de negócio Fonte: Paul Harmon, BPTrendsAssociates, 2009 2º Seminário Internacional de BPM ELO Group & Michael

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho AGENDA A FUNCEF INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS FUNDAÇÃO 1ºde Agosto de 1977 34 anos PATROCINADO RAS Missão COLEGIADOS CAIXA ECONÔMICA

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Posicionamento Estratégico do Escritório de Processos. Gupo GOL SAOXN Gerência Geral de Análise de Processos

Posicionamento Estratégico do Escritório de Processos. Gupo GOL SAOXN Gerência Geral de Análise de Processos Posicionamento Estratégico do Escritório de Processos Gupo GOL SAOXN Gerência Geral de Análise de Processos GOL Um Breve Histórico GOL Linhas Aéreas Inteligentes De 2000 a 2002 Criada em 1 de agosto de

Leia mais

Lições Aprendidas em Gestão de Projetos

Lições Aprendidas em Gestão de Projetos Lições Aprendidas em Gestão de Projetos 27/03/2013 Gestão de Projetos Um processo estruturado de Gestão de Projetos demanda uma estreita relação entre Pessoas & Recursos, Atividades e os Resultados (Produtos

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata:

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: Vaga: Estagiário Área Jurídica Área: Legal Department O Departamento Jurídico é uma área dinâmica que possui

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r v.1.8 de 14/07/2010 1 1993: fundada como Integradora de Sistemas 2009: reconhecida Inteligência em Projetos 16 anos de realizações: + 350 projetos no

Leia mais