A Droga Raia no Programa de Gerenciamento de Resíduos Domiciliares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Droga Raia no Programa de Gerenciamento de Resíduos Domiciliares"

Transcrição

1 Ano V Nº Distribuição Gratuita Tiragem: exemplares Lavagem das Mãos: detalhes fazem diferença Quando aplicamos injetáveis, devemos usar materiais adequados de qualidade e termos o conhecimento dos riscos inerentes ao procedimento e, principalmente, seguir as recomendações para evitar acidentes, pois além do HIV, vários outros agentes patogênicos são ameaças à nossa saúde e dos clientes. Então, é fundamental padronizarmos a técnica na administração de injetáveis, desde a lavagem das mãos, uso de luvas, abertura de embalagens, aplicação e descarte de todo material usado. Página 3 A Droga Raia no Programa de Gerenciamento de Resíduos Domiciliares Em parceria com a BD, a Droga Raia implantou o Programa de Gerenciamento de Resíduos Domiciliares (PGRD) para clientes com diabetes. Por meio desta iniciativa, a rede busca intensificar suas ações em relação à responsabilidade sócioambiental, diminuir os acidentes causados pelo mau acondicionamento e destinação final dos resíduos, além de fidelizar o cliente. Veja na página 4 ADJ educa no Gerenciamento de Resíduos Domiciliares Na cidade de São Paulo, a Associação de Diabetes Juvenil também participa deste programa idealizado pela BD. O presidente da ADJ, Sussumu Niyama, considera a questão do gerenciamento dos resíduos domiciliares de saúde como um ponto crítico no processo de tratamento do diabetes. Página 5 CRF-RN e BD promovem atualização farmacêutica em administração de injetáveis O Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Norte realizou recentemente o Seminário de Técnicas de Aplicação de Injetáveis (TAI) e as Palestras de Biossegurança e Descarte de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Para a presidente da entidade, dra. Maria Célia Dantas, os eventos educacionais promovidos pela BD são fundamentais ao aprimoramento profissional dos farmacêuticos da região de Natal, especialmente dos responsáveis técnicos das farmácias e drogarias que administram injetáveis. Página 2 Destaques desta edição: Descarte ainda mais seguro Conheça o novo BD Descartex TM de 1,5 L com exclusivas travas provisória e permanente. Página 5 Diabetes: indique a agulha adequada ao cliente Página 6 Fracionamento de medicamentos: o que diz a ANVISA Página 7 O futuro do varejo farmacêutico: você está preparado? Última página

2 Atualização CRF-RN Profissional e BD Aliados na atualização profissional em aplicação de injetáveis Por: Dra. Maria Célia Ribeiro Dantas Aguiar Presidente do Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Norte Parceria entre CRF RN e BD promove Seminário de Técnicas de Aplicação de Injetáveis (TAI) e Palestras de Biossegurança e Descarte de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) A capacitação em aplicação de injetáveis é alcançada por prática diligente, eficaz e segura. Para se obter resultados apropriados, tal prática deve se basear em fundamentos científicos e não apenas constituir a execução repetida e inadequada de uma técnica. Para o CRF-RN, é de fundamental importância a realização eventos educacionais sobre os princípios relacionados a cada via de administração de injetáveis. No intuito de atualizar os farmacêuticos do nosso Estado, o CRF-RN constituiu parceria com a BD para a realização do Seminário de Técnicas de Aplicação de Injetáveis (TAI), além das Palestras de Biossegurança e Descarte de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Estes eventos educacionais representam uma grande oportunidade para os farmacêuticos da região de Natal, prioritariamente os responsáveis técnicos por farmácias e drogarias. Dentro do Programa de Educação Continuada desenvolvido pelo Conselho, promovemos recentemente em nossa sede o Seminário TAI, com excelente repercussão entre os participantes. O Seminário TAI tornou-se uma referência entre os farmacêuticos do Estado, pois aplicar injetáveis é hoje um serviço com alta demanda nos estabelecimentos farmacêuticos. Contudo, trata-se de um procedimento que exige o conhecimento técnico do profissional, especialmente no que se refere aos fatores de riscos que podem levar à ocorrência de erros. As orientações e recomendações transmitidas pela Consultora Educacional da BD, servem para reciclar os conhecimentos, além de corrigir procedimentos e hábitos inadequados que vão se acumulando na prática. O Seminário também enfatiza os procedimentos de prevenção às infecções e acidentes, com as técnicas de lavagem das mãos, assepsia, descarte dos RSS e demais procedimentos de segurança e de racionalização do serviço. O Seminário TAI tornou-se uma referência entre os farmacêuticos do Estado, pois aplicar injetáveis é hoje um serviço com alta demanda nos estabelecimentos farmacêuticos Na relação entre o farmacêutico e o cliente, está implícito o objetivo de que o serviço prestado pelo profissional é sempre voltado ao bem-estar do paciente. Se o profissional comete algum engano, ocorre uma violação desta relação, causando ao paciente prejuízo a sua saúde e abalando a sua confiança no serviço oferecido pelo estabelecimento. Como o medicamento adquiriu uma característica extremamente mercadológica, torna-se indispensável para o farmacêutico impor-se pelos seus conhecimentos técnicos. Desta maneira, o aproxima ainda mais de sua verdadeira função: promover o uso racional de medicamentos para o restabelecimento da saúde do paciente. Além de Farmacologia para preparação e manipulação de medicamentos, Anatomia e Patologia, a Universidade de Farmácia também oferece ensino para o atendimento em Primeiros Socorros e aplicação de injetáveis. No entanto, como os procedimentos de aplicação de injetáveis não são feitos rotineiramente, o farmacêutico pode se sentir inseguro com o passar do tempo após a conclusão da Faculdade. Por isso a Educação Continuada é fundamental. O Seminário TAI procura preencher esta lacuna. O participante compreende como ocorrem as complicações decorrentes de procedimentos inadequados na administração de injetáveis e aprende a prevenir os riscos. Para o cliente atendido por um profissional mais bem capacitado na administração de injetáveis, o grande benefício é não ficar sujeito a eventuais complicações decorrentes de aplicação inadequada algumas das quais são bastante conhecidas pelos farmacêuticos: sobrecarga de fluido, toxicidade medicamentosa e anafilaxia, entre outros. Por ser uma iniciativa voltada ao aperfeiçoamento profissional, acreditamos que a parceria CRF-RN e BD colabora em última análise para o cumprimento da legislação definida pelo Conselho Federal de Farmácia e das normas sanitárias estabelecidas pelas VISAs Municipais. Mais do que fiscalizar o exercício profissional da categoria, o CRF-RN atua para a melhoria da saúde e qualidade de vida da população, mediante programas educacionais de capacitação do farmacêutico. 2

3 Aplicação Lavagem das mãos de e uso Injetáveis de luvas: cuidados indispensáveis na aplicação de injetáveis Por: Soraia Barbosa Salla Farmacêutica e consultora educacional BD Determinados procedimentos na administração de injetáveis, como lavagem de mãos e utilização de luvas, exigem minuciosa atenção por parte do profissional. Veja abaixo nossas recomendações na execução destes procedimentos que ajudam a garantir aplicações seguras, eficazes, sem risco de acidentes e complicações. Lavagem das mãos O profissional deve executar cuidadosamente a técnica de lavagem de mãos, antes e depois de aplicar o medicamento. Isso é feito em local próprio para o procedimento, com equipamentos adequados que ofereçam condições técnicas e higiênicas exclusivos para tal finalidade, de acordo com a resolução 357/01 do CFF. Use sabonete líquido antisséptico É o produto mais indicado, pois garante maior higienização, além de remover a sujidade das mãos e o maior número de microorganismos, evitando assim uma contaminação no preparo e aplicação do injetável. Lembre-se: após lavar as mãos elas estarão limpas, mas não estéreis. Após lavar as mãos, use luvas de procedimento Escolha o tamanho de luvas ideal. Evite acidentes devido à sobra de luva muito grande ou apertadas. Ambas as situações podem dificultar o manuseio do material pelo profissional. Quando utilizar luvas Sempre que houver RISCO de contaminação por agentes BIOLÓ- GICOS ou MEDICAMENTOSOS, decorrente do contato do sangue, saliva, suor e medicamentos. Como há riscos inerentes na aplicação de injetáveis, é imprescindível o uso de luvas desde o início do preparo da medicação até o término da aplicação, para prevenir o contato com medicamentos e fluídos corpóreos do cliente. Leve em conta a relação Risco x Benefício O uso das luvas pode diminuir um pouco a sensibilidade das mãos, mas não impede a execução das técnicas de aplicação com segurança. Geralmente, são altos os custos financeiros e psicológicos de um contágio. Portanto, é preciso adaptar-se ao uso das luvas. Faça o descarte seguro Embora a luva seja um EPI, também pode ser a fonte de contaminação. Por isso, após o uso, descarte-a em coletor adequado de acordo com a RDC 306/04 da ANVISA e a RDC 358/05 do CONAMA. TÉCNICA de Lavagem DAS MÃOS 1 2 Umedeça as mãos e a seguir espalhe o sabonete líquido nas mãos Posione uma mão sobre a outra para lavar a palma das mãos Posicione uma mão sobre a outra e lave o dorso e entre os dedos. Lave os polegares Esfregue as pontas dos dedos e as unhas na palma da mão Não esqueça de lavar os pulsos Enxágüe as mãos em água corrente com as pontas dos dedos voltadas para cima Use o papel toalha para secar as mãos e em seguida feche a torneira. 3

4 Droga Raia fala de sua experiência com o Programa Resíduos de Gerenciamento Domiciliares de Resíduos Domiciliares (PGRD) para clientes com diabetes A Droga Raia celebrou parceria com a BD para implantação e desenvolvimento do Programa de Gerenciamento de Resíduos Domiciliares para o cliente com diabetes A tualmente há um grande apelo da sociedade em relação às questões ambientais e isso leva a Droga Raia a assumir comprometimento real em atendê-los. Nós, por sermos farmácia e drogaria, não podemos deixar de considerar que grande parte dos resíduos infectantes, perfurantes e cortantes como seringas, agulhas, lancetas, tiras para glicemia capilar, são adquiridos pelos clientes com diabetes em nossas lojas. Queremos oferecer ao nosso cliente condições para que ele possa gerenciar melhor estes resíduos que fatalmente vão para o lixo comum. Tendo em vista isto, a Droga Raia celebrou parceria com a BD para implantação e desenvolvimento do Programa de Gerenciamento de Resíduos Domiciliares - para o cliente com diabetes. A iniciativa está implantada em todas as lojas da rede, exceto no Rio de Janeiro. Os objetivos da empresa são, intensificar suas ações em relação à responsabilidade sócio-ambiental, diminuir os acidentes causados pelo mau acondicionamento e destinação final dos resíduos, além de fidelizar o cliente. 4 Treinamento e capacitação dos profissionais Estamos trabalhando um conceito novo, por isto foi indispensável o treinamento dos profissionais das lojas para o atendimento aos clientes com diabetes, para o PGRD. Eles conhecem todo o processo e são capazes de orientar nossos clientes sobre os procedimentos corretos a serem seguidos em cada etapa. A BD também desenvolveu folhetos autoexplicativos para facilitar a comunicação com o usuário. Um dos pontos importantes do treinamento é aquele em que os profissionais da Droga Raia aprendem a abordar os clientes quanto à necessidade de realizar A BD orienta a manter o BD Descartex 1,5 L em ambiente seco e arejado. O local deve ser seguro e fora do alcance das crianças e de animais de estimação. o armazenamento e o recolhimento deste tipo de resíduo, conscientizando-os sobre os riscos e danos à saúde da população quando gerenciados de forma inadequada. Implementação e execução Levamos em consideração o serviço e a qualidade do produto oferecido ao nosso cliente. É preciso que o produto tenha garantias, boa procedência e a implantação tenha acompanhamento. O processo de implantação e execução do Programa GRD na Droga Raia contou com a colaboração da BD e foi simples. Hoje, o cliente adquire numa loja da rede o coletor BD Descartex 1,5 litro, adequado para o descarte de resíduos infectantes, perfurante e cortantes. Na compra, o cliente recebe orientações dos nossos profissionais sobre os cuidados, manuseio, armazenamento e transporte. Depois do uso, o cliente retorna o BD Descartex 1,5 L devidamente lacrado, a qualquer loja da rede. Após receber os coletores, nos encarregamos de encaminhá-los a uma empresa especializada na coleta de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Estes resíduos são transportados para local adequado e seguro, onde recebem tratamento sem riscos para o cliente ou agressão ao meio ambiente. Repercussão positiva entre os clientes Com a implantação do Programa de GRD, a Droga Raia consolida um de seus principais valores, voltado à responsabilidade sócioambiental. Buscamos constantemente a inovação com soluções que beneficiem os clientes e a vizinhança. Por isso, parcerias como esta com a BD são importantes para solucionar problemas básicos como o gerenciamento de resíduos domiciliares de saúde. Desde que o programa entrou em funcionamento nas lojas da rede, foram registrados vários comentários bastante positivos por parte dos clientes. Como o programa é de fácil implementação e de grande importância para a saúde ambiental, vamos todos assumir essa bandeira.

5 Programa BD GRD conta com participação da ADJ GRD O presidente da Associação de Diabetes Juvenil-ADJ, Sussumu Niyama, explica porque e como a entidade aderiu ao Programa de Gerenciamento de Resíduos Domiciliares para pessoas com diabetes. A ADJ vê a questão do gerenciamento dos resíduos perfurantes, cortantes e infectantes domiciliares como um ponto crítico em todo o processo de tratamento do diabetes. Afinal, trata-se de um volume significativo de seringas, agulhas, lancetas, tiras reagentes e demais materiais usados em aplicações de insulina e testes de glicemia. Para o presidente da ADJ, Sussumu Niyama, o que mais preocupa é o risco de contaminação que estes resíduos representam. No entanto, ele acredita que o problema possa ser controlado e até solucionado com campanhas de conscientização, não só dos pacientes e familiares, mas também dos profissionais de unidades e serviços de saúde, farmácias e pontos de vendas de produtos para tratamento do diabetes. O descarte adequado é de suma importância a toda a sociedade, tanto para a segurança das próprias pessoas que têm diabetes e daquelas com quem convivem, como para os profissionais que trabalham com o lixo e na preservação do meio ambiente, afirma. Segundo Niyama, a ADJ sempre procurou alertar seus associados e freqüentadores para o problema. Em todas nossas atividades educativas estimulamos, as pessoas a fazer o descarte adequado, de acordo com as possibilidades de cada família, ressalta. Ele conta que houve um período em que os resíduos dos associados eram recebidos na sede da entidade e, posteriormente, recolhidos pelo serviço de coleta especial de RSS junto com os demais resíduos gerados na própria sede da associação. Porém o volume começou a crescer demais e não tivemos mais condições de armazenar todo aquele material, justifica. Niyama afirma que este programa educacional da BD conta com a aprovação de toda a ADJ: É uma grande oportunidade para retomarmos uma ação mais forte, introduzindo o tema em todas as nossas atividades educativas assegura. Para isso, todos os funcionários, prestadores de serviços e voluntários da ADJ passaram por um treinamento específico coordenado pela BD, com palestras educativas e workshops. Com este treinamento, a equipe da entidade poderá orientar os associados sobre o descarte responsável e gerenciamento correto dos resíduos domiciliares de saúde. Formamos multiplicadores para termos uma quantidade maior de pessoas conscientes a respeito do descarte e gerenciamento destes resíduos, observa. O presidente da ADJ acredita que a conscientização da população que utiliza material perfurante e cortante será um sucesso. É necessário que as farmácias e drogarias, além de participarem ativamente da campanha com distribuição de material informativo e orientação por meio de seus funcionários treinados, também possam receber os coletores com o material perfurante e cortante para destinação final, ressalta. BD Descartex 1,5 L com trava provisória e permanente: segurança ainda maior D ando continuidade ao Programa de Gerenciamento de Resíduos Domiciliares de Saúde a BD introduziu melhorias no BD Descartex 1,5 L com inovações e soluções práticas para melhor atender o cliente no Gerenciamento de Resíduos Domiciliares. TRAVA PROVISÓRIA: Deve ser usada enquanto o BD Descartex 1,5 L não estiver em uso. Evita exposição do conteúdo do coletor. Também é bastante conveniente para transporte interno no domicílio. TRAVA PERMANENTE: Quando o coletor estiver cheio até a linha que indica seu limite de preenchimento, deve-se usar a trava permanente. Isso permitirá que o coletor permaneça lacrado para ser tranportado até a destinação final. O coletor BD Descartex 1,5 L segue as normas da ABNT NBR 13853/97 que especifica as características para a confecção dos coletores em: testes realizados, identificação, alça, bocal, tampa, limite de preenchimento, tipo de material, instruções de uso/montagem. 5

6 Clientes com Diabetes BD Ultra-Fine TM : seringas de insulina com agulhas adequadas ao perfil de cada cliente com diabetes Como indicar ao cliente com diabetes a agulha correta? A escolha deve ser feita de acordo com o seu tipo corpóreo e as características de cada região recomendada para aplicação de insulina. P ara indicar a agulha adequada ao adulto, podemos usar o IMC Índice de Massa Corpórea. IMC é a relação entre o peso e a altura de um adulto e representa o volume corpóreo da pessoa em relação à sua altura. É calculado seguindo a fórmula: IMC = Peso/Altura 2. Veja a tabela abaixo. Após identificar o IMC do cliente, indiquelhe a agulha BD mais adequada para aplicações de insulina. Por exemplo, se o seu cliente pesa 68 Kg e mede 1,70 m seu IMC será 23,5. Este valor indica que a pessoa está com o peso adequado em relação a sua altura. Neste caso, as agulhas indicadas são BD Ultra-Fine III Curta de 8mm ou Mini de 5mm. O uso da tabela de IMC é restrito a adultos. Não deve ser utilizada para crianças, adolescentes, atletas e gestantes. Escolha a Certa Seringa 100 unidades 8 mm Curta Tabela IMC (Índice de Massa Corpórea) 12,7 mm Regular Seringa 50 unidades 8 mm Curta 12,7 mm Regular Seringa 30 unidades 8 mm Curta Quadro de indicações de agulhas BD de insulina de acordo com os valores de IMC Valor do IMC Significado Clínico de insulina recomendada Menor que 19 Baixo Peso em relação à altura BD Ultra-Fine Mini Entre 19 e 25 Peso normal e proporcional à altura BD Ultra Fine Curta Entre 25 e 27 Peso acima do recomendado em relação à altura BD Ultra Fine Regular (12,7mm) Acima de 27 Obesidade: peso muito acima em relação à altura BD Ultra Fine Regular (12,7mm) 12,7 mm Regular 6

7 Fracionamento Fracionamento de medicamentos nas drogarias apenas com a supervisão do farmacêutico. O fracionamento coloca o farmacêutico em sua verdadeira função, que é a de organizar o tratamento do paciente. Portanto, fracionar medicamento é um ato que não deve ser feito por funcionários leigos das drogarias sem a supervisão do farmacêutico, pois este tem a visão do profissional da saúde. I ndo ao encontro do Decreto 5.775/06 que autoriza o fracionamento pelas drogarias, uma prática que era exclusiva às farmácias de manipulação, a Anvisa publicou a RDC 80/ 06, com uma serie de definições regulamentares. Na Resolução, a Agência define fracionamento como procedimento que integra a dispensação de medicamentos na forma fracionada, efetuado sob a supervisão e responsabilidade de profissional farmacêutico habilitado, para atender à prescrição ou ao tratamento correspondente nos casos de medicamentos isentos de prescrição, caracterizado pela subdivisão de um medicamento em frações individualizadas, a partir de sua embalagem original, sem rompimento da embalagem primária, mantendo seus dados de identificação. Até o momento, existem 26 tipos de medicamentos fracionáveis em 11 apresentações diferentes. Com a finalidade de capacitar e orientar os farmacêuticos sobre os aspectos técnicos, operacionais e legais relacionados ao Decreto assinado em maio passado pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva, autorizando as drogarias a fazer a comercialização de medicamentos de forma fracionada, o Conselho Regional de Farmácia de São Paulo está promovendo uma série de seminários sobre fracionamento em suas seccionais. Além destes eventos, o CRF- SP publicou um manual distribuído a todos os farmacêuticos que participam dos seminários, eventos e cursos promovidos pela organização. O manual também está no site do Conselho: Alcance e aceitação Por meio desta iniciativa educacional que visa à capacitação e qualificação dos profissionais responsáveis pelo procedimento, o Conselho busca também mensurar o alcance do Decreto Presidencial quanto à questão do acesso e uso racional de medicamentos, condições de manutenção de segurança, qualidade e eficácia dos produtos fracionados, além da aceitação da população. Para o dr. Pedro Menegasso, integrante do Grupo Técnico de Fracionamento e diretor tesoureiro do CRF-SP, com a Dr. Pedro Menegasso regulamentação da Anvisa, a atuação do farmacêutico das drogarias que adotarem o procedimento torna-se fundamental para que os medicamentos fracionados sejam dispensados racionalmente e vendidos de forma ética, visando sempre bons resultados no tratamento dos pacientes. O fracionamento coloca o farmacêutico em sua verdadeira função, que é a de organizar o tratamento do paciente. Portanto, fracionar medicamento é um ato que não deve ser feito por funcionários leigos das drogarias sem a supervisão do farmacêutico, pois este tem a visão do profissional da saúde, observa o dr. Menegasso. A RDC 80/06 da Anvisa determina também que os tipos de medicamentos destinados ao fracionamento não poderão permanecer ao alcance do consumidor. Já as informações quanto às responsabilidades relacionada com a quantidade de bulas disponibilizadas foram acrescentadas à regulamentação. Com isso, cada embalagem primária fracionada terá que conter a expressão Exija a bula. Qualquer esclarecimento sobre fracionamento de medicamentos pode ser solicitado pelos s: e ou pelo telefone (11) Colaborou a Assessoria de Imprensa do CRF-SP. 7

8 Varejo Varejo Farmacêutico farmacêutico: nova realidade no atendimento Por: Marcos Ferreira Farmacêutico-químico com formação em Marketing. Atualmente sua empresa de consultoria presta serviços ao Laboratório Medley. Menor Preço qualquer um pode praticar. Bons Serviços somente os profissionais capacitados podem prestar. V ários desafios continuam surgindo no mercado farmacêutico brasileiro, com novas tendências. Todos nós que trabalhamos no segmento devemos estar preparados para enfrentá-los. Entre estes desafios, destaco: continuidade do crescimento do mercado de Produtos Genéricos que, nos próximos 3 ou 4 anos, deverão alcançar de 15 a 20% do faturamento total dos medicamentos no Brasil; fusões das empresas no segmento farmacêutico, principalmente no setor varejista através do Associativismo, Cooperativismo e Franquias; expansão do conceito das chamados produtos OTC e no futuro dos produtos PSA (Products Sales Alone) que irão proporcionar uma discussão intensa sobre a venda de medicamentos em supermercados; crescimento da Medicina/Farmácia e Convênio, com a união entre as grandes empresas de medicina de grupo e as redes de farmácias, dando ao consumidor descontos adicionais na aquisição de produtos farmacêuticos. O objetivo é o tratamento preventivo. Poderíamos falar sobre outras tendências. Contudo, para o varejo farmacêutico, o mais importante de todos os desafios é aquele que direciona a evolução do Marketing do Preço para o Marketing do Serviço. Isso significa que os farmacêuticos, farmacistas, gerentes, atendentes e demais integrantes da equipe da farmácia terão que se aprimorar para atender com maior eficiência às necessidades do consumidor. Ou seja, agora passa a ser necessário um conhecimento mais profundo dos produtos oferecidos, além de um melhor treinamento comportamental no relacionamento com os clientes. Não podemos esquecer de que Menor Preço qualquer um pode praticar. Bons Serviços somente os profissionais capacitados podem prestar. Cliente Diferente Vários detalhes devem ser analisados no preparo dos profissionais do Varejo Farmacêutico. Vamos destacar porém, ser prioritário que saibamos entender o Cliente da Farmácia. Identificar o cliente como um Cliente Diferente é fundamental porque: o cliente não tem direito à escolha do produto (o produto a ser comprado é definido por um médico); o cliente é obrigado por força das circunstâncias a comprar o produto (quem quer comprar um medicamento?); o cliente não tem previsão orçamentária (com exceção dos pacientes de uso continuo), pois não aceita que pode ficar doente; o cliente no momento da compra está emocionalmente abalado (pode estar doente ou comprando para alguém da família com problemas de saúde). Portanto, não estamos prestando atendimento a um consumidor comum como aquele que vai a um supermercado ou ao cinema. Temos que entender que Cliente de Farmácia é Diferente. Por isso tem que ser atendido por um Profissional Especializado, com estas características: tenha postura profissional como Vendedor de Saúde; conhecimento de Técnica de Vendas; tenha Conhecimento do Produto; transmita Confiança e Credibilidade; saiba os Serviços que sua Farmácia presta. Quando conhecemos os Clientes da Farmácia e o perfil das suas necessidades, começamos a pensar diferente da maioria dos balconistas sobre a nossa real importância no processo de Dispensação como Atendentes de Farmácias (termo apropriado a um profissional qualificado). Passamos a entender que o Cliente da Farmácia não procura apenas Preço e Desconto. Ele quer mais: Modernidade, Confiabilidade, Profissionalismo, Serviço e Atendimento. São nesses pontos que nós temos que focar nossa atuação no Varejo Farmacêutico. Analisemos as seguintes perguntas feitas aos consumidores: Por quê a farmácia perde o Cliente? indiferença e mau atendimento (falta de profissionalismo); inexistência de Serviços como aplicação de injetáveis; falta de produtos (mix/estoques); competitividade de preços/descontos. Qual o preço da insatisfação do Cliente? 4% dos Clientes insatisfeitos reclamam no ponto de venda; 65 a 96% jamais voltam a comprar na mesma farmácia; não falam do funcionário, falam mal da farmácia. Por isso, atenda-os bem. Profissionalize sua equipe; modernize sua farmáciae aprimore a qualidade do Serviço. Lembre-se: os desafios não são problemas, mas oportunidades para que possamos crescer. Os que se prepararem melhor para esse mercado, os que tiverem mais competência e, principalmente, melhores equipes irão assumir a liderança do Varejo Farmacêutico. O Jornal BD Mão Boa é uma publicação da Becton Dickinson Indústrias Cirúrgicas Ltda. Rua Alexandre Dumas, CEP , Chácara Santo Antônio - São Paulo-SP CRC Coordenadora da Publicação: Gilcleia Fontes Consultoras Educacionais: Beatriz Lott e Soraia Salla Jornalista Responsável: Milton Nespatti (MTB SP) Revisão: Sérgio Cides Projeto gráfico e diagramação: As matérias desta publicação podem ser reproduzidas desde que citada a fonte. As opiniões e conceitos publicados são de responsabilidade dos entrevistados e colaboradores dos artigos.

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond Aplicação de injetáveis Hotoniel Drumond Resolução CFF 499/2008 Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias Seção V Da aplicação de injetáveis: Art 21 ao 24 Outras legislações

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 1 Índice Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 A Empresa Informações sobre a empresa, farmacêuticas responsáveis, instalações, diferenciais

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC NUCLEO CONSULTORIA EM SEGURANÇA Artigo SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BRASIL, São Paulo Novembro, 2013 V.1.0 1. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

O que faz um Responsável Técnico em Restaurantes comerciais

O que faz um Responsável Técnico em Restaurantes comerciais O que faz um Responsável Técnico em Restaurantes comerciais O Impacto de se alimentar fora do lar Alimentação fora do lar Investimento do consumidor no ultimo ano 17% para 30% Hábito de almoçar fora do

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX

ESPECIFICAÇÕES PRODUTO E PROCESSO LANCETAS AUTOMÁTICAS DE SEGURANÇA INJEX Página: 1 de 8 1) DESCRIÇÃO DO PRODUTO Lanceta Automática de Segurança Injex - Estéril - calibre: 28 G = 0,36mm Produto Classe: 2 Registro: 10160610037 2) TIPO DE USO Produto uso único - doméstico (usuários

Leia mais

Você sabia. As garrafas de PET são 100% recicláveis. Associação Brasileira da Indústria do PET

Você sabia. As garrafas de PET são 100% recicláveis. Associação Brasileira da Indústria do PET Você sabia? As garrafas de PET são 100% recicláveis Associação Brasileira da Indústria do PET O Brasil é um dos maiores recicladores de PET do mundo A reciclagem é uma atividade industrial que gera muitos

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Proteção e prevenção SUBFUNÇÃO: SEGURANÇA NO TRABALHO E BIOSSEGURANÇA

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Standard Chartered Bank, Brasil Página 1 de 8 ÍNDICE I. OBJETIVO... 3 II. CICLO DE REVISÃO... 3 III. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 IV. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA... 4

Leia mais

BD em parceria com SBD e ANAD pelo descarte e gerenciamento responsável de resíduos domiciliares

BD em parceria com SBD e ANAD pelo descarte e gerenciamento responsável de resíduos domiciliares Ano V Nº 18 2006 Distribuição Gratuita Tiragem: 35.000 exemplares www.bd.com/brasil CRF-PE consolida programa de educação continuada O CRF-PE adotou o Seminário TAI - Técnicas de Aplicação de Injetáveis

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA SANTA CASA: SAÚDE PÚBLICA COMPROMETIDA COM A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Responsável pelo trabalho: Bruna Vallandro Trolli Vieira - Analista

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Experiências educativas no gerenciamento de resíduos gerados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre Tainá Flôres da Rosa contato: tfrosa@hcpa.ufrgs.br telefone:(51)81414438

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

A- Estou sentindo as lentes confortáveis em meus olhos? B- Meus olhos estão claros e brilhantes como estavam antes de colocar as lentes?

A- Estou sentindo as lentes confortáveis em meus olhos? B- Meus olhos estão claros e brilhantes como estavam antes de colocar as lentes? COMO PREVENIR ACIDENTES COM LENTES DE CONTATO Por Luiz Alberto Perez Alves As lentes de contato modernas além de práticas são muito seguras, desde que você siga corretamente todas as orientações que seu

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA

PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA Hospital Estadual Diadema Prêmio Amigo do Meio Ambiente 2013 PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA Hospital Estadual de Diadema Responsáveis: João Paulo

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA Funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA A Nova RDC 18 Objetivo e Abrangência Definições Requisitos

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL 1 COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL Celso Silva 2 Sobre o autor Celso Silva é nascido no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 1950. Aos 17 anos ingressou

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Cosméticos, Produtos de Higiene e Saneantes COORDENAÇÃO DE INSUMOS FARMACÊUTICOS, SANEANTES E COSMÉTICOS GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social Franquipar Franqueadora e Licenciadora de Marcas Ltda. Nome fantasia Parmê

Leia mais

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA

I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA I-070 - DIAGNÓSTICO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇO DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO EM BELÉM/PA Lana Tais da Silva Coelho (1) Estudante do curso de Engenharia Ambiental do Instituto de

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Apresentação da Concessão

Apresentação da Concessão MEDICINA E ENGENHARIA DO TRABALHO Apresentação da Concessão Cuidar da Saúde e Segurança do Trabalhador é a nossa Especialidade! APRESENTAÇÃO TENHA SEU PRÓPRIO NEGÓCIO COM RETORNO GARANTIDO O mercado de

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

SulAmérica Odonto Empresarial

SulAmérica Odonto Empresarial SulAmérica Odonto Empresarial O sorriso dos seus colaboradores está em nossos planos. A partir de 100 vidas sulamerica.com.br Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos, com 116

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade

Relatório de Sustentabilidade Relatório de Sustentabilidade Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes A Rodorei Transportes adota, há dez anos, uma política agressiva de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 3

Instruções para o preenchimento do Formulário 3 Instruções para o preenchimento do Formulário 3 O Formulário 3 tem como finalidade a requisição para Inscrição ou Reativação de um estabelecimento no CRF-SP. A imagem foi dividida de acordo com o esquema

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Software Farmacêutico Clínico

Software Farmacêutico Clínico Nosso software é uma ferramenta inovadora na atividade clínica do farmacêutico, sendo voltada para profissionais interessados em diferenciar sua atuação. Presente em 21 estados do Brasil Prescrição farmacêutica,

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

A conquista do sucesso depende do bom atendimento!

A conquista do sucesso depende do bom atendimento! Um excelente atendimento faz toda a diferença numa empresa porque é um dos fatores fundamentais para se destacar em qualquer tipo de negocio. Por isto os profissionais de Atendimento e de Vendas precisam

Leia mais

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Dados da empresa Razão Social: J&I Serviços Educacionais LTDA Nome Fantasia: Wizard Aparecidinha Data de fundação:

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006.

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA - UCB PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRG UADA - COORDENAÇÃO EAPs PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PRA DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Categoria Fornecedor

Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Fornecedor Razão Social: Patrus Transportes Urgentes Ltda Nome Fantasia: Patrus Transportes Data de fundação:

Leia mais