CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA"

Transcrição

1 IESP INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA PARAÍBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E CONTROLADORIA GOVERNAMENTAL PROFESSOR: Esp. Gilmar Martins de Carvalho Santiago

2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO PCASP ESTRUTURA DO PCASP RELAÇÃO DE CONTAS 04 3 PRÁTICA DE ESCRITURAÇÃO E ELABORAÇÃO DE BALANÇOS PÚBLICOS ANEXOS Lei n.º 4320/64 Anexos 12, 13, 14, 15, 16 e Portaria n.º 42, de 14/04/1999 do MOG Portaria Interministerial n.º 163, de 04/05/ REFERÊNCIAS... 31

3 3 1 INTRODUÇÃO O do presente trabalho tem por objetivo tornar mais fácil a assimilação por parte dos estudantes, daqueles tópicos que julgamos essenciais ao estudo do Direito Financeiro e em particular da Contabilidade Governamental. Em outro plano, pretende-se que o presente estudo possa servir de estímulo a pesquisas mais aprofundadas. Desta maneira, apresentamos um modelo de plano de contas e os anexos 12, 13, 14, 15, 16 e 17 da Lei nº 4.320/64, visando auxiliar as práticas de escrituração a serem desenvolvidas em sala de aula, bem como a elaboração dos balanços públicos. Por fim, anexamos o texto da Portaria nº 42, de 14/04/1999 do MOG e da Portaria Interministerial nº 163, de 04/05/2001, que desencadearam inúmeras alterações nos demonstrativos contábeis, a partir da edição da LC 101/2000, notadamente no que diz respeito à classificação da receita e despesa orçamentária.

4 4 2 PLANO DE CONTAS DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO PCASP 2.1 ESTRUTURA DO PCASP A estrutura básica do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP, aplicável à toda a Federação, é a seguinte: Legenda dos níveis de desdobramento: 1 Nível Classe 2º Nível Grupo 3º Nível Subgrupo 4º Nível Título 5º Nível Subtítulo 6º Nível Item 7º Nível Subitem As contas poderão conter mais níveis do que os dispostos acima. As classes apresentam a seguinte estrutura: 1. Ativo; 2. Passivo e Patrimônio Líquido; 3. Variações Patrimoniais Diminutivas; 4. Variações Patrimoniais Aumentativas; 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento; 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento; 7. Controles Devedores; e 8. Controles Credores. 2.2 RELAÇÃO DE CONTAS A relação ou elenco de contas é a disposição ordenada dos códigos e títulos das contas. Os planos de contas dos entes da Federação somente poderão ser detalhados nos níveis posteriores ao nível detalhado na relação de contas abaixo.

5 5 CONTA TÍTULO O/F 1 NAT ATIVO O D ATIVO CIRCULANTE O D CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA O D CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL O D CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL EXTRA OFSS O D CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL INTRA OFSS O D CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA ESTRANGEIRA O D CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA ESTRANGEIRA EXTRA OFSS O D CRÉDITOS A CURTO PRAZO O D CLIENTES O D CLIENTES-EXTRA OFSS O D CLIENTES-INTRA OFSS O D CLIENTES INTER-OFSS O D CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER O D DIVIDA ATIVA TRIBUTARIA O D DIVIDA ATIVA NÃO TRIBUTARIA -CLIENTES O D CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER O D CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER -INTER OFSS O D (-) PROVISÕES DE CRÉDITOS A CURTO PRAZO O C DEMAIS CRÉDITOS E VALORES A CURTO PRAZO O D TRIBUTOS A RECUPERAR / COMPENSAR O D EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS O D CRÉDITOS A RECEBER POR DESCENTRALIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O D CRÉDITOS POR DANOS AO PATRIMÔNIO O D DEPÓSITOS RESTITUÍVEIS E VALORES VINCULADOS O D DIVIDA ATIVA NÃO TRIBUTARIA -DEMAIS CRÉDITOS O D OUTROS CRÉDITOS A RECEBER E VALORES A CURTO PRAZO O D (-) PROVISÕES PARA DEMAIS CRÉDITOS E VALORES A CURTO PRAZO O C INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS O D TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS O D APLICAÇÃO TEMPORÁRIA EM METAIS PRECIOSOS O D (-) PROVISÕES DE INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS O C ESTOQUES O D MERCADORIAS PARA REVENDA O D PRODUTOS E SERVIÇOS ACABADOS O D PRODUTOS E SERVIÇOS EM ELABORAÇÃO O D MATÉRIAS-PRIMAS O D 1 O atributo O/F tem como objetivo indicar se, ocorrendo uma transação ou evento, o seu registro contábil é obrigatório ou facultativo. 2 Natureza do Saldo identifica se a conta tem saldo credor (C), devedor (D) ou misto (D/C).

6 MATÉRIAIS EM TRANSITO O D ALMOXARIFADO O D ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES O D OUTROS ESTOQUES O D (-) PROVISÃO PARA ESTOQUES O C VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS PAGAS ANTECIPADAMENTE O D PRÊMIOS DE SEGUROS A APROPRIAR O D VPD FINANCEIRAS A APROPRIAR O D ASSINATURAS E ANUIDADES A APROPRIAR O D ALUGUEIS PAGOS A APROPRIAR O D TRIBUTOS PAGOS A APROPRIAR O D CONTRIBUIÇÕES CONFEDERATIVAS A APROPRIAR O D BENEFÍCIOS A PESSOAL A APROPRIAR O D DEMAIS VPD A APROPRIAR O D ATIVO NAO-CIRCULANTE O D ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO O D CRÉDITOS A LONGO PRAZO O D CLIENTES O D CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER O D DIVIDA ATIVA TRIBUTARIA O D DIVIDA ATIVA NÃO TRIBUTARIA -CLIENTES O D (-) PROVISÕES DE CRÉDITOS A LONGO PRAZO O C CRÉDITOS A LONGO PRAZO-INTRA OFSS O D CLIENTES O D CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER O D DIVIDA ATIVA TRIBUTARIA O D DIVIDA ATIVA NÃO TRIBUTARIA -CLIENTES O D (-) PROVISÕES DE CRÉDITOS A LONGO PRAZO O C CLIENTES O D CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER O D DIVIDA ATIVA TRIBUTARIA O D DIVIDA ATIVA NÃO TRIBUTARIA-CLIENTES O D (-) PROVISÕES DE CRÉDITOS A LONGO PRAZO O C DEMAIS CRÉDITOS E VALORES A LONGO PRAZO O D ADIANTAMENTOS CONCEDIDOS A PESSOAL E A TERCEIROS O D TRIBUTOS A RECUPERAR / COMPENSAR O D EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS O D (-) PROVISÕES DE CRÉDITOS A LONGO PRAZO O C CLIENTES O D CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER O D DIVIDA ATIVA TRIBUTARIA O D DIVIDA ATIVA NÃO TRIBUTARIA - CLIENTES O D (-) PROVISÕES DE CRÉDITOS A LONGO PRAZO O C CLIENTES O D CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER O D DIVIDA ATIVA TRIBUTARIA O D DIVIDA ATIVA NÃO TRIBUTARIA-CLIENTES O D

7 (-) PROVISÕES DE CRÉDITOS A LONGO PRAZO O C DEMAIS CRÉDITOS E VALORES A LONGO PRAZO O D ADIANTAMENTOS CONCEDIDOS A PESSOAL E A TERCEIROS O D TRIBUTOS A RECUPERAR / COMPENSAR O D EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS O D CRÉDITOS A RECEBER POR DESCENTRALIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O D CRÉDITOS POR DANOS AO PATRIMÔNIO PROVENIENTES DE CRÉDITOS ADMINISTRATIVOS O D CRÉDITOS POR DANOS AO PATRIMÔNIO APURADOS EM TOMADA DE CONTAS ESPECIAL O D DEPÓSITOS RESTITUÍVEIS E VALORES VINCULADOS O D DIVIDA ATIVA NÃO TRIBUTARIA - DEMAIS CRÉDITOS O D OUTROS CRÉDITOS A RECEBER E VALORES A LONGO PRAZO O D (-) PROVISÕES PARA DEMAIS CRÉDITOS E VALORES A LONGO PRAZO O C INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS A LONGO PRAZO O D ESTOQUES O D VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS PAGAS ANTECIPADAMENTE O D INVESTIMENTOS O D PARTICIPAÇÕES PERMANENTES O D DEMAIS INVESTIMENTOS PERMANENTES O D (-) REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE INVESTIMENTOS O C IMOBILIZADO O D BENS MOVEIS O D BENS IMÓVEIS O D (-) DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO ACUMULADAS O C (-) REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE IMOBILIZADO O C INTANGÍVEL O D SOFTWARES O D MARCAS, DIREITOS E PATÉNTES INDUSTRIAIS O D DIREITO DE USO DE IMÓVEIS O D (-) AMORTIZAÇÃO ACUMULADA O C (-) REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE INTANGÍVEL O C PASSIVO E PATRIMÔNIO LIQUIDO O C PASSIVO CIRCULANTE O C OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS, PREVIDENCIÁRIAS E ASSISTENCIAIS A PAGAR A CURTO PRAZO O C PESSOAL A PAGAR O C PESSOAL A PAGAR-EXTRA OFSS O C PESSOAL A PAGAR-INTRA OFSS O C PESSOAL A PAGAR-INTER OFSS O C BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS A PAGAR O C BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS A PAGAR O C ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR O C EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS A CURTO PRAZO O C PARCELA A CURTO PRAZO DOS EMPRÉSTIMOS E

8 8 FINANCIAMENTOS O C EMPRÉSTIMOS A CURTO PRAZO O C FINANCIAMENTOS A CURTO PRAZO O C FINANCIAMENTOS POR ARRENDAMENTO FINANCEIRO A CURTO PRAZO O C JUROS E ENCARGOS A PAGAR DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS A CURTO PRAZO O C (-) ENCARGOS FINANCEIROS A APROPRIAR O D FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR A CURTO PRAZO O C FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PRAZO O C FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR ESTRANGEIROS A CURTO PRAZO O C OBRIGAÇÕES FISCAIS A CURTO PRAZO O C OBRIGAÇÕES FISCAIS A CURTO PRAZO COM A UNIÃO O C OBRIGAÇÕES FISCAIS A CURTO PRAZO COM OS ESTADOS O C OBRIGAÇÕES FISCAIS A CURTO PRAZO COM OS MUNICÍPIOS O C DEMAIS OBRIGAÇÕES A CURTO PRAZO O C ADIANTAMENTOS DE CLIENTES O C OBRIGAÇÕES POR DANOS A TERCEIROS O C ARRENDAMENTO OPERACIONAL A PAGAR O C DEBÊNTURES E OUTROS TÍTULOS DE DIVIDA A CURTO PRAZO O C DIVIDENDOS A PAGAR O C OBRIGAÇÕES DE REPARTIÇÃO A OUTROS ENTES O C VALORES RESTITUÍVEIS O C OUTRAS OBRIGAÇÕES A CURTO PRAZO O C PROVISÕES A CURTO PRAZO O C PROVISÃO PARA RISCOS TRABALHISTAS A CURTO PRAZO O C PROVISÕES PARA RISCOS FISCAIS A CURTO PRAZO O C PROVISÃO PARA RISCOS CÍVEIS A CURTO PRAZO O C PROVISÃO PARA REPARTIÇÃO DE CRÉDITOS O C PROVISÃO PARA RISCOS DECORRENTES DE CONTRATOS DE PPP A CURTO PRAZO O C OUTRAS PROVISÕES A CURTO PRAZO O C PASSIVO NAO-CIRCULANTE O C OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS, PREVIDENCIÁRIAS E ASSISTENCIAIS A PAGAR A LONGO PRAZO O C PESSOAL A PAGAR O C BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS A PAGAR O C BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS A PAGAR O C ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR O C EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS A LONGO PRAZO O C EMPRÉSTIMOS A LONGO PRAZO O C FINANCIAMENTOS A LONGO PRAZO O C FINANCIAMENTOS POR ARRENDAMENTO FINANCEIRO A LONGO PRAZO O C JUROS E ENCARGOS A PAGAR DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS A LONGO PRAZO O C (-) ENCARGOS FINANCEIROS A APROPRIAR O D

9 FORNECEDORES A LONGO PRAZO O C FORNECEDORES NACIONAIS A LONGO PRAZO O C FORNECEDORES ESTRANGEIROS A LONGO PRAZO O C OBRIGAÇÕES FISCAIS A LONGO PRAZO O C OBRIGAÇÕES FISCAIS A LONGO PRAZO COM A UNIÃO O C OBRIGAÇÕES FISCAIS A LONGO PRAZO COM OS ESTADOS O C OBRIGAÇÕES FISCAIS A LONGO PRAZO COM OS MUNICÍPIOS O C DEMAIS OBRIGAÇÕES A LONGO PRAZO O C ADIANTAMENTOS DE CLIENTES A LONGO PRAZO O C OBRIGAÇÕES POR DANOS A TERCEIROS A LONGO PRAZO O C DEBÊNTURES E OUTROS TÍTULOS DE DIVIDA A LONGO PRAZO O C ADIANTAMENTO PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITAL O C OUTRAS OBRIGAÇÕES A LONGO PRAZO O C PROVISÕES A LONGO PRAZO O C PROVISÃO PARA RISCOS TRABALHISTAS A LONGO PRAZO O C PROVISÃO PARA REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL A LONGO PRAZO O C PROVISÃO PARA RISCOS FISCAIS A LONGO PRAZO O C PROVISÃO PARA RISCOS CÍVEIS A LONGO PRAZO O C PROVISÃO PARA REPARTIÇÃO DE CRÉDITOS A LONGO PRAZO O C PROVISÃO PARA RISCOS DECORRENTES DE CONTRATOS DE PPP A LONGO PRAZO O C OUTRAS PROVISÕES A LONGO PRAZO O C RESULTADO DIFERIDO O C VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA (VPA) DIFERIDA O C (-) CUSTO DIFERIDO O D PATRIMÔNIO LIQUIDO O C PATRIMÔNIO SOCIAL E CAPITAL SOCIAL O C PATRIMÔNIO SOCIAL O C CAPITAL SOCIAL REALIZADO O C ADIANTAMENTO PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITAL O C RESERVAS DE CAPITAL O C ÁGIO NA EMISSÃO DE AÇÕES O C ALIENAÇÃO DE PARTES BENEFICIARIAS O C ALIENAÇÃO DE BÔNUS DE SUBSCRIÇÃO O C CORREÇÃO MONETÁRIA DO CAPITAL REALIZADO O C OUTRAS RESERVAS DE CAPITAL O C AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL O C AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL DE ATIVOS O C AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL DE PASSIVOS O C RESERVAS DE LUCROS O C RESERVA LEGAL O C RESERVAS ESTATUTÁRIAS O C RESERVA PARA CONTINGENCIAS O C RESERVA DE INCENTIVOS FISCAIS O C RESERVAS DE LUCROS PARA EXPANSÃO O C RESERVA DE LUCROS A REALIZAR O C RESERVA DE RETENÇÃO DE PREMIO NA EMISSÃO DE

10 10 DEBÊNTURES O C OUTRAS RESERVAS DE LUCRO O C DEMAIS RESERVAS O C RESERVA DE REAVALIAÇÃO F C OUTRAS RESERVAS O C RESULTADOS ACUMULADOS O D/C SUPERÁVITS OU DÉFICITS ACUMULADOS O D/C SUPERÁVITS OU DÉFICITS DO EXERCÍCIO O D/C SUPERÁVITS OU DÉFICITS RESULTANTES DE EXTINÇÃO, FUSÃO E CISÃO O D/C LUCROS E PREJUÍZOS ACUMULADOS O D/C LUCROS E PREJUÍZOS ACUMULADOS E AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES O D/C LUCROS A DESTINAR DO EXERCÍCIO O C LUCROS A DESTINAR DE EXERCÍCIOS ANTERIORES O C RESULTADOS APURADOS POR EXTINÇÃO, FUSÃO E CISÃO O D/C (-) AÇÕES / COTAS EM TESOURARIA O D (-) AÇÕES EM TESOURARIA O D (-) COTAS EM TESOURARIA O D VARIAÇÃO PATRIMONIAL DIMINUTIVA O D PESSOAL E ENCARGOS O D REMUNERAÇÃO A PESSOAL O D REMUNERAÇÃO A PESSOAL-RPPS O D REMUNERAÇÃO A PESSOAL-RGPS O D REMUNERAÇÃO A PESSOAL-REGIME PRÓPRIO DOS MILITARES O D ENCARGOS PATRONAIS O D ENCARGOS PATRONAIS-RPPS O D ENCARGOS PATRONAIS-RGPS O D ENCARGOS PATRONAIS-FGTS O D CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS GERAIS O D CONTRIBUIÇÕES A ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA O D OUTROS ENCARGOS PATRONAIS O D BENEFÍCIOS A PESSOAL O D BENEFÍCIOS A PESSOAL-RPPS O D BENEFÍCIOS A PESSOAL-RGPS O D BENEFÍCIOS A PESSOAL-MILITAR O D CUSTO DE PESSOAL E ENCARGOS O D CUSTO DE MERCADORIAS VENDIDAS PESSOAL E ENCARGOS O D CUSTO DE PRODUTOS VENDIDOS PESSOAL E ENCARGOS O D CUSTO DE SERVIÇOS PRESTADOS PESSOAL E ENCARGOS O D OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS-PESSOAL E ENCARGOS O D INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES TRABALHISTAS O D OUTRAS VPD DE PESSOAL E ENCARGOS O D BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS E ASSISTENCIAIS O D

11 APOSENTADORIAS E REFORMAS O D APOSENTADORIAS-RPPS O D APOSENTADORIAS-RGPS O D RESERVA REMUNERADA E REFORMAS-MILITAR O D OUTRAS APOSENTADORIAS O D PENSÕES O D PENSÕES-RPPS O D PENSÕES-RGPS O D PENSÕES-MILITAR O D OUTRAS PENSÕES O D BENEFÍCIOS DE PRESTAÇÃO CONTINUADA O D BENEFÍCIOS DE PRESTAÇÃO CONTINUADA AO IDOSO O D BENEFÍCIOS DE PRESTAÇÃO CONTINUADA AO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA O D OUTROS BENEFÍCIOS DE PRESTAÇÃO CONTINUADA O D BENEFÍCIOS EVENTUAIS O D AUXILIO POR NATALIDADE O D AUXILIO POR MORTE O D BENEFÍCIOS EVENTUAIS POR SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE TEMPORÁRIA O D BENEFÍCIOS EVENTUAIS EM CASO DE CALAMIDADE PUBLICA O D OUTROS BENEFÍCIOS EVENTUAIS O D POLÍTICAS PUBLICAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA O D OUTROS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS E ASSISTENCIAIS O D OUTROS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS-RPPS O D OUTROS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS-RGPS O D OUTROS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS -MILITAR O D OUTROS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS E ASSISTENCIAIS O D USO DE BENS, SERVIÇOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO O D USO DE MATERIAL DE CONSUMO O D CONSUMO DE MATERIAL O D DISTRIBUIÇÃO DE MATERIAL GRATUITO O D SERVIÇOS O D DIÁRIAS O D SERVIÇOS TERCEIROS-PF O D SERVIÇOS TERCEIROS-PJ O D CONTRATO DE TERCEIRIZAÇÃO POR SUBSTITUIÇÃO DE MÃO DE OBRA ART. 18 1, LC 101/00 O D DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO O D DEPRECIAÇÃO O D AMORTIZAÇÃO O D EXAUSTÃO O D CUSTO DE MATÉRIAIS, SERVIÇOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO O D CUSTO DE MERCADORIAS VENDIDAS MATÉRIAIS, SERVIÇOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO O D CUSTO DE PRODUTOS VENDIDOS MATÉRIAIS, SERVIÇOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO O D CUSTO DE SERVIÇOS PRESTADOS MATÉRIAIS, SERVIÇOS E

12 12 CONSUMO DE CAPITAL FIXO O D VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS FINANCEIRAS O D JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS OBTIDOS O D JUROS E ENCARGOS DA DIVIDA CONTRATUAL O D JUROS E ENCARGOS DA DIVIDA MOBILIARIA O D JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS POR ANTECIPAÇÃO DE RECEITA ORÇAMENTÁRIA O D OUTROS JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS O D JUROS E ENCARGOS DE MORA O D JUROS E ENCARGOS DE MORA DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS OBTIDOS O D JUROS E ENCARGOS DE MORA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS O D JUROS E ENCARGOS DE MORA DE OBRIGAÇÕES TRIBUTARIAS O D OUTROS JUROS E ENCARGOS DE MORA O D VARIAÇÕES MONETÁRIAS E CAMBIAIS O D VARIAÇÕES MONETÁRIAS E CAMBIAIS DE DIVIDA CONTRATUAL O D VARIAÇÕES MONETÁRIAS E CAMBIAIS DE DIVIDA MOBILIARIA O D OUTRAS VARIAÇÕES MONETÁRIAS E CAMBIAIS O D DESCONTOS FINANCEIROS CONCEDIDOS O D OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS FINANCEIRAS O D JUROS E ENCARGOS EM SENTENÇAS JUDICIAIS O D JUROS E ENCARGOS EM INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES O D OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS FINANCEIRAS O D TRANSFERÊNCIAS CONCEDIDAS O D TRANSFERÊNCIAS INTRAGOVERNAMENTAIS O D TRANSFERÊNCIAS INTER GOVERNAMENTAIS O D TRANSFERÊNCIAS A INSTITUIÇÕES PRIVADAS O D TRANSFERÊNCIAS A INSTITUIÇÕES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS O D TRANSFERÊNCIAS A INSTITUIÇÕES PRIVADAS COM FINS LUCRATIVOS O D TRANSFERÊNCIAS A INSTITUIÇÕES MULTIGOVERNAMENTAIS O D TRANSFERÊNCIAS A CONSÓRCIOS PÚBLICOS O D TRANSFERÊNCIAS AO EXTERIOR O D DESVALORIZAÇÃO E PERDA DE ATIVOS O D REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL E PROVISÃO PARA PERDAS O D REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL DE INVESTIMENTOS O D REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL DE IMOBILIZADO O D REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL DE INTANGÍVEIS O D VARIAÇÃO PATRIMONIAL DIMINUTIVA COM PROVISÃO PARA PERDAS DE CRÉDITOS O D VARIAÇÃO PATRIMONIAL DIMINUTIVA COM PROVISÃO PARA REDUÇÃO A VALOR DE MERCADO DE ESTOQUES O D PERDAS COM ALIENAÇÃO O D PERDAS COM ALIENAÇÃO DE INVESTIMENTOS O D

13 PERDAS COM ALIENAÇÃO DE IMOBILIZADO O D PERDAS COM ALIENAÇÃO DE INTANGÍVEIS O D PERDAS INVOLUNTÁRIAS O D PERDAS INVOLUNTÁRIAS COM IMOBILIZADO O D PERDAS INVOLUNTÁRIAS COM INTANGÍVEIS O D PERDAS INVOLUNTÁRIAS COM ESTOQUES O D OUTRAS PERDAS INVOLUNTÁRIAS O D TRIBUTARIAS O D IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA O D IMPOSTOS O D TAXAS O D CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA O D CONTRIBUIÇÕES O D CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS O D CONTRIBUIÇÕES DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O D CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DO SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA-COSIP O D OUTRAS CONTRIBUIÇÕES O D CUSTO COM TRIBUTOS O D CUSTO DE MERCADORIAS VENDIDAS -TRIBUTOS O D CUSTO DE PRODUTOS VENDIDOS-TRIBUTOS O D CUSTO DE SERVIÇOS PRESTADOS-TRIBUTOS O D OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS O D PREMIAÇÕES O D PREMIAÇÕES CULTURAIS O D PREMIAÇÕES ARTÍSTICAS O D PREMIAÇÕES CIENTIFICAS O D PREMIAÇÕES DESPORTIVAS O D ORDENS HONORIFICAS O D OUTRAS PREMIAÇÕES O D RESULTADO NEGATIVO DE PARTICIPAÇÕES O D RESULTADO NEGATIVO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL O D VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS O D INCENTIVOS O D INCENTIVOS A EDUCAÇÃO O D INCENTIVOS A CIÊNCIA O D INCENTIVOS A CULTURA O D INCENTIVOS AO ESPORTE O D OUTROS INCENTIVOS O D SUBVENÇÕES ECONÔMICAS O D PARTICIPAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES O D PARTICIPAÇÕES DE DEBÊNTURES O D PARTICIPAÇÕES DE EMPREGADOS O D PARTICIPAÇÕES DE ADMINISTRADORES O D PARTICIPAÇÕES DE PARTES BENEFICIARIAS O D PARTICIPAÇÕES DE INSTITUIÇÕES OU FUNDOS DE ASSISTÊNCIA OU PREVIDÊNCIA DE EMPREGADOS O D

14 CUSTO DE OUTRAS VPD O D CUSTO DE MERCADORIAS VENDIDAS OUTRAS VPD O D CUSTO DE PRODUTOS VENDIDOS OUTRAS VPD O D CUSTO DE SERVIÇOS PRESTADOS OUTRAS VPD O D DIVERSAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS O D COMPENSAÇÃO FINANCEIRA ENTRE RGPS/RPPS O D VARIAÇÃO PATRIMONIAL DIMINUTIVA COM BONIFICAÇÕES O D AMORTIZAÇÃO DE ÁGIO EM INVESTIMENTOS O D VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS DECORRENTES DE FATOS GERADORES DIVERSOS O D VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA O C IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA O C IMPOSTOS O C IMPOSTOS SOBRE COMERCIO EXTERIOR O C IMPOSTOS SOBRE PATRIMÔNIO E A RENDA O C IMPOSTOS SOBRE A PRODUÇÃO E A CIRCULAÇÃO O C IMPOSTOS EXTRAORDINÁRIOS O C OUTROS IMPOSTOS O C TAXAS O C TAXAS PELO EXERCÍCIO DO PODER DE POLICIA O C TAXAS PELA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O C CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA O C CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA PELA EXPANSÃO DA REDE DE ÁGUA POTÁVEL E ESGOTO SANITÁRIO O C CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA PELA EXPANSÃO DA REDE DE ILUMINAÇÃO PUBLICA NA CIDADE O C CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA PELA EXPANSÃO DE REDE DE ILUMINAÇÃO PUBLICA RURAL O C CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA PELA PAVIMENTAÇÃO E OBRAS COMPLEMENTARES O C OUTRAS CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA O C CONTRIBUIÇÕES O C CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS O C CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS-RPPS O C CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS-RGPS O C CONTRIBUIÇÃO SOBRE A RECEITA OU O FATURAMENTO O C CONTRIBUIÇÃO SOBRE O LUCRO O C CONTRIBUIÇÃO SOBRE RECEITA DE CONCURSO DE PROGNOSTICO O C CONTRIBUIÇÃO DO IMPORTADOR DE BENS OU SERVIÇOS DO EXTERIOR O C OUTRAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS O C CONTRIBUIÇÕES DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O C CONTRIBUIÇÃO DE ILUMINAÇÃO PUBLICA O C CONTRIBUIÇÕES DE INTERESSE DAS CATÉGORIAS PROFISSIONAIS O C EXPLORAÇÃO E VENDA DE BENS, SERVIÇOS E DIREITOS O C VENDA DE MERCADORIAS O C VENDA BRUTA DE MERCADORIAS O C (-) DEDUÇÕES DA VENDA BRUTA DE MERCADORIAS O D

15 VENDA DE PRODUTOS O C VENDA BRUTA DE PRODUTOS O C (-) DEDUÇÕES DE VENDA BRUTA DE PRODUTOS O D EXPLORAÇÃO DE BENS E DIREITOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O C VALOR BRUTO DE EXPLORAÇÃO DE BENS E DIREITOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O C (-) DEDUÇÕES DO VALOR BRUTO DE EXPLORAÇÃO DE BENS, DIREITOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O D VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS FINANCEIRAS O C JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS O C JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS O C JUROS E ENCARGOS DE FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS O C JUROS E ENCARGOS DE MORA O C JUROS E ENCARGOS DE MORA SOBRE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS O C JUROS E ENCARGOS DE MORA SOBRE FORNECIMENTOS DE BENS E SERVIÇOS O C JUROS E ENCARGOS DE MORA SOBRE CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS O C OUTROS JUROS E ENCARGOS DE MORA O C VARIAÇÕES MONETÁRIAS E CAMBIAIS O C VARIAÇÕES MONETÁRIAS E CAMBIAIS DE EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS O C VARIAÇÕES MONETÁRIAS E CAMBIAIS DE FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS O C OUTRAS VARIAÇÕES MONETÁRIAS E CAMBIAIS O C DESCONTOS FINANCEIROS OBTIDOS O C REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS E APLICAÇÕES FINANCEIRAS O C REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS O C REMUNERAÇÃO DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS O C OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS FINANCEIRAS O C TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS O C TRANSFERÊNCIAS INTRAGOVERNAMENTAIS O C TRANSFERÊNCIAS INTER GOVERNAMENTAIS O C TRANSFERÊNCIAS DAS INSTITUIÇÕES PRIVADAS O C TRANSFERÊNCIAS DAS INSTITUIÇÕES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS O C TRANSFERÊNCIAS DAS INSTITUIÇÕES PRIVADAS COM FINS LUCRATIVOS O C TRANSFERÊNCIAS DAS INSTITUIÇÕES MULTIGOVERNAMENTAIS O C TRANSFERÊNCIAS DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS O C TRANSFERÊNCIAS DO EXTERIOR O C TRANSFERÊNCIAS DE PESSOAS FÍSICAS O C VALORIZAÇÃO E GANHOS COM ATIVOS O C REAVALIAÇÃO DE ATIVOS O C REAVALIAÇÃO DE IMOBILIZADO O C

16 REAVALIAÇÃO DE INTANGÍVEIS O C REAVALIAÇÃO DE OUTROS ATIVOS O C GANHOS COM ALIENAÇÃO O C GANHOS COM ALIENAÇÃO DE INVESTIMENTOS O C GANHOS COM ALIENAÇÃO DE IMOBILIZADO O C GANHOS COM ALIENAÇÃO DE INTANGÍVEIS O C GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE ATIVOS O C GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE ATIVOS POR DESCOBERTAS O C GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE ATIVOS POR NASCIMENTOS O C GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE VALORES APREENDIDOS O C OUTROS GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE ATIVOS O C OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS O C VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA A CLASSIFICAR O C RESULTADO POSITIVO DE PARTICIPAÇÕES O C RESULTADO POSITIVO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL O C DIVIDENDOS E RENDIMENTOS DE OUTROS INVESTIMENTOS O C DIVERSAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS O C COMPENSAÇÃO FINANCEIRA ENTRE RGPS/RPPS O C VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA COM BONIFICAÇÕES O C AMORTIZAÇÃO DE DESÁGIO EM INVESTIMENTOS O C MULTAS ADMINISTRATIVAS O C INDENIZAÇÕES O C VPA DECORRENTE ALIENAÇÃO BENS APREENDIDOS O C REVERSÃO DE PROVISÕES O C VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS DECORRENTES DE FATOS GERADORES DIVERSOS O C CONTROLES DA APROVAÇÃO DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO O D PLANEJAMENTO APROVADO F D PPA-APROVADO F D PLOA F D ORÇAMENTO APROVADO O D PREVISÃO DA RECEITA O D PREVISÃO INICIAL DA RECEITA O D ALTERAÇÃO DA PREVISÃO DA RECEITA O D PREVISÃO ADICIONAL DA RECEITA O D (-) ANULAÇÃO DA PREVISÃO DA RECEITA O C FIXAÇÃO DA DESPESA O D DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA O D DOTAÇÃO INICIAL O D DOTAÇÃO ADICIONAL POR TIPO DE CREDITO O D CREDITO ADICIONAL SUPLEMENTAR O D CREDITO ADICIONAL - ESPECIAL O D CRÉDITOS ESPECIAIS ABERTOS O D CRÉDITOS ESPECIAIS REABERTOS O D CRÉDITOS ESPECIAIS REABERTOS-SUPLEMENTAÇÃO O D CREDITO ADICIONAL EXTRAORDINÁRIO O D CRÉDITOS EXTRAORDINÁRIOS ABERTOS O D CRÉDITOS EXTRAORDINÁRIOS REABERTOS O D

17 CRÉDITOS EXTRAORDINÁRIOS REABERTOS-SUPLEMENTAÇÃO O D DOTAÇÃO ADICIONAL POR FONTE F D CANCELAMENTO/REMANEJAMENTO DE DOTAÇÃO F D MOVIMENTAÇÃO DE CRÉDITOS RECEBIDOS O D DESCENTRALIZAÇÃO INTERNA DE CRÉDITOS-PROVISÃO O D DESCENTRALIZAÇÃO EXTERNA DE CRÉDITOS-DESTAQUE O D OUTRAS DESCENTRALIZAÇÕES DE CRÉDITOS O D DETALHAMENTO DE CREDITO O D OUTROS CONTROLES DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA F D INSCRIÇÃO DE RESTOS A PAGAR O D INSCRIÇÃO DE RP NÃO PROCESSADOS O D RP NÃO PROCESSADOS INSCRITOS O D RP NÃO PROCESSADOS-EXERCÍCIOS ANTERIORES O D RP NÃO PROCESSADOS RESTABELECIDOS O D RP NÃO PROCESSADOS RECEBIDOS POR TRANSFERÊNCIA O D RP NÃO PROCESSADOS-INSCRIÇÃO NO EXERCÍCIO O D INSCRIÇÃO DE RP PROCESSADOS O D RP PROCESSADOS-INSCRITOS O D RP PROCESSADOS-EXERCÍCIOS ANTERIORES O D RP PROCESSADOS RECEBIDOS POR TRANSFERÊNCIA O D RP PROCESSADOS-INSCRIÇÃO NO EXERCÍCIO F D CONTROLES DA EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO O C EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO F C EXECUÇÃO DO PPA F C EXECUÇÃO DO PLOA F C EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO O C EXECUÇÃO DA RECEITA O C RECEITA A REALIZAR O C RECEITA REALIZADA O C (-) DEDUÇÕES DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA O D EXECUÇÃO DA DESPESA O C DISPONIBILIDADES DE CREDITO O C CREDITO DISPONÍVEL O C CREDITO INDISPONÍVEL O C CREDITO UTILIZADO O C CREDITO EMPENHADO A LIQUIDAR O C CREDITO EMPENHADO EM LIQUIDAÇÃO O C CREDITO EMPENHADO LIQUIDADO A PAGAR O C CREDITO EMPENHADO PAGO O C (-) OUTROS CRÉDITOS UTILIZADOS O D MOVIMENTAÇÃO DE CRÉDITOS CONCEDIDOS F C DESCENTRALIZAÇÃO INTERNA DE CRÉDITOS-PROVISÃO F C DESCENTRALIZAÇÃO EXTERNA DE CRÉDITOS-DESTAQUE F C OUTRAS DESCENTRALIZAÇÕES DE CRÉDITOS F C DETALHAMENTO DE CREDITO F C OUTROS CONTROLES DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA F C EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR O C EXECUÇÃO DE RP NÃO PROCESSADOS O C

18 RP NÃO PROCESSADOS A LIQUIDAR O C RP NÃO PROCESSADOS EM LIQUIDAÇÃO O C RP NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS A PAGAR O C RP NÃO PROCESSADOS PAGOS O C RP NÃO PROCESSADOS A LIQUIDAR BLOQUEADOS O C RP NÃO PROCESSADOS TRANSFERIDOS O C RP NÃO PROCESSADOS-INSCRIÇÃO NO EXERCÍCIO O C RP NÃO PROCESSADOS CANCELADOS O C EXECUÇÃO DE RP PROCESSADOS O C RP PROCESSADOS A PAGAR O C RP PROCESSADOS PAGOS O C RP PROCESSADOS TRANSFERIDOS O C RP PROCESSADOS-INSCRIÇÃO NO EXERCÍCIO F C RP PROCESSADOS CANCELADOS O C CONTROLES DEVEDORES O D ATOS POTENCIAIS O D ATOS POTENCIAIS ATIVOS O D GARANTIAS E CONTRAGARANTIAS RECEBIDAS O D DIREITOS CONVENIADOS E OUTROS INSTRUMENTOS CONGÊNERES O D DIREITOS CONTRATUAIS O D OUTROS ATOS POTENCIAIS ATIVOS O D ATOS POTENCIAIS PASSIVOS O D GARANTIAS E CONTRAGARANTIAS CONCEDIDAS O D OBRIGAÇÕES CONVENIADAS E OUTROS INSTRUMENTOS CONGÊNERES O D OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS O D OUTROS ATOS POTENCIAIS PASSIVOS O D ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA O D DISPONIBILIDADES POR DESTINAÇÃO O D CONTROLE DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS O D LIMITE DE RESTOS A PAGAR POR DESTINAÇÃO F D RECURSO DIFERIDO POR DESTINAÇÃO F D PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA F D INSCRIÇÃO DO LIMITE ORÇAMENTÁRIO F D CONTROLES DA ARRECADAÇÃO F D DIVIDA ATIVA O D CONTROLE DO ENCAMINHAMENTO DE CRÉDITOS PARA INSCRIÇÃO EM DIVIDA ATIVA F D CONTROLE DA INSCRIÇÃO DE CRÉDITOS EM DIVIDA ATIVA O D RISCOS FISCAIS F D CONTROLE DE PASSIVOS CONTINGENTES F D CONTROLE DOS DEMAIS RISCOS FISCAIS F D CUSTOS F D OUTROS CONTROLES F D CONTROLES CREDORES O C EXECUÇÃO DOS ATOS POTENCIAIS O C EXECUÇÃO DOS ATOS POTENCIAIS ATIVOS O C

19 EXECUÇÃO DE GARANTIAS E CONTRAGARANTIAS RECEBIDAS O C EXECUÇÃO DE DIREITOS CONVENIADOS E OUTROS INSTRUMENTOS CONGÊNERES O C EXECUÇÃO DE DIREITOS CONTRATUAIS O C EXECUÇÃO DE OUTROS ATOS POTENCIAIS ATIVOS O C EXECUÇÃO DOS ATOS POTENCIAIS PASSIVOS O C EXECUÇÃO DE GARANTIAS E CONTRAGARANTIAS CONCEDIDAS O C EXECUÇÃO DE OBRIGAÇÕES CONVENIADAS E OUTROS INSTRUMENTOS CONGÊNERES O C EXECUÇÃO DE OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS O C EXECUÇÃO DE OUTROS ATOS POTENCIAIS PASSIVOS O C EXECUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA O C EXECUÇÃO DAS DISPONIBILIDADES POR DESTINAÇÃO O C EXECUÇÃO DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS O C DISPONIBILIDADE POR DESTINAÇÃO DE RECURSOS O C DISPONIBILIDADE POR DESTINAÇÃO DE RECURSOS COMPROMETIDA POR EMPENHO O C DISPONIBILIDADE POR DESTINAÇÃO DE RECURSOS COMPROMETIDA POR LIQUIDAÇÃO E ENTRADAS COMPENSATÓRIAS F C DISPONIBILIDADE POR DESTINAÇÃO DE RECURSOS UTILIZADA O C EXECUÇÃO FINANCEIRA DO LIMITE DE RESTOS A PAGAR F C EXECUÇÃO DO RECURSO DIFERIDO POR DESTINAÇÃO F C EXECUÇÃO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA F C EXECUÇÃO DO LIMITE ORÇAMENTÁRIO F C CONTROLES DA ARRECADAÇÃO F C EXECUÇÃO DA DIVIDA ATIVA O C EXECUÇÃO DO ENCAMINHAMENTO DE CRÉDITOS PARA INSCRIÇÃO EM DIVIDA ATIVA F C CRÉDITOS A ENCAMINHAR PARA A DIVIDA ATIVA F C CRÉDITOS ENCAMINHADOS PARA A DIVIDA ATIVA F C CANCELAMENTO DE CRÉDITOS ENCAMINHADOS PARA A DIVIDA ATIVA F C EXECUÇÃO DA INSCRIÇÃO DE CRÉDITOS EM DIVIDA ATIVA O C CRÉDITOS A INSCREVER EM DIVIDA ATIVA O C CRÉDITOS A INSCREVER EM DIVIDA ATIVA DEVOLVIDOS O C CRÉDITOS INSCRITOS EM DIVIDA ATIVA A RECEBER O C CRÉDITOS INSCRITOS EM DIVIDA ATIVA RECEBIDOS O C BAIXA DE CRÉDITOS INSCRITOS EM DIVIDA ATIVA O C EXECUÇÃO DOS RISCOS FISCAIS F C EXECUÇÃO DE PASSIVOS CONTINGENTES F C EXECUÇÃO DOS DEMAIS RISCOS FISCAIS F C APURAÇÃO DE CUSTOS F C OUTROS CONTROLES F C

20 20 3 PRÁTICA DE ESCRITURAÇÃO E ELABORAÇÃO DE BALANÇOS PÚBLICOS EXERCÍCIO Nº 01 A Câmara Legislativa do Município de Maré aprovou o orçamento elaborado pelo Poder Executivo para o ano de 201X nos seguintes termos: Art. 1º Estima a receita do município para o exercício de 201X em R$ ,00, e fixa a despesas e em igual valor. 1º A previsão da receita segundo o Resumo Geral da Receita está assim detalhada: Código Especificação Desdobramento Fonte Cat.Econ RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA RECEITA PATRIMONIAL RECEITA DE SERVIÇOS RECEITAS DE CAPITAL TRANSFERENCIAS DE CAPITAL TOTAL: Art. 2º Fica o Poder Executivo autorizado a abrir créditos suplementares em até 20% (vinte por cento) do valor do orçamento, bem como, contratar operações de créditos por antecipação da receita, limitadas a 10% da receita tributária prevista. A fixação da despesa foi classificada em nível de Funções (04 Administração e 06 Segurança Pública), de Categorias Econômicas e Elementos da Despesa segundo o Quadro de Detalhamento da Despesa (QDD): QUADRO DE DETALHAMENTO DA DESPESA (QDD) Código Especificação Natureza Detalhamento Total 04. ADMINISTRAÇÃO Venc. e Vantagens Fixas P. Civil Material de Consumo SEGURANÇA PÚBLICA Equip. e Mat. Permanente T O T A L

21 21 De posse das informações a seguir relatadas, faça os lançamentos nos razonetes, elabore o balancete e os Balanços Orçamentário, Financeiro, Patrimonial e a Demonstração das Variações Patrimoniais (anexos 12, 13, 14 e 15 da Lei 4.320/64). Observação: - Considere toda despesa empenhada liquidada. Os extratos bancários acusam uma arrecadação de R$ ,00; Das receitas arrecadadas verificam-se, através dos relatórios de arrecadação, que R$ ,00, refere-se a receita tributária e R$ 6.000,00 a transferências correntes; A despesa empenhada na função 06 para aquisição de material permanente somou R$ 5.000,00, porém, a despesa paga totalizou R$ 3.000,00; A lei 9.524/201X autorizou a abertura de crédito especial na função 06 ( ), utilizando-se como fonte de recurso a contratação de operação de crédito dentro do país, no valor de R$ 8.000,00, crédito este aberto por Decreto do Chefe do Poder Executivo de nº /201X. EXERCÍCIO Nº 02 A Câmara Legislativa do Município de Maré aprovou o orçamento elaborado pelo Poder Executivo para o ano de 201X nos seguintes termos: Art. 1º Estima a receita do município para o exercício de 201X em R$ ,00, e fixa a despesas e em igual valor. 1º A previsão da receita segundo o Resumo Geral da Receita está assim detalhada: Código Especificação Desdobramento Fonte Cat.Econ RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA RECEITA PATRIMONIAL RECEITA DE SERVIÇOS RECEITAS DE CAPITAL TRANSFERENCIAS DE CAPITAL TOTAL: Art. 2º Fica o Poder Executivo autorizado a contratar operações de créditos por antecipação da receita, limitadas a 50% da receita prevista.

22 22 A fixação da despesa foi classificada em nível de Funções (04 Administração e 06 Segurança Pública), de Categorias Econômicas e Elementos da Despesa segundo o Quadro de Detalhamento da Despesa (QDD): QUADRO DE DETALHAMENTO DA DESPESA (QDD) Código Especificação Natureza Detalhamento Total 04. ADMINISTRAÇÃO Venc. e Vantagens Fixas P. Civil Material de Consumo SEGURANÇA PÚBLICA Equip. e Mat. Permanente T O T A L De posse das informações a seguir relatadas, faça os lançamentos nos razonetes, elabore o balancete e os Balanços Orçamentário, Financeiro, Patrimonial e a Demonstração das Variações Patrimoniais (anexos 12, 13, 14 e 15 da Lei 4.320/64). Observações: - Considere todo restos a pagar não liquidado; - As contas patrimoniais Caixa e Equivalentes de Caixa, Superávits ou Déficits Acumulados, Empréstimos e Financiamentos Concedidos e Pessoal a Pagar, possuem saldo inicial nos valores de R$ ,00, R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00, respectivamente. Os extratos bancários acusaram uma arrecadação de R$ ,00; Através dos relatórios de arrecadação emitidos, verificou-se que das receitas arrecadadas, R$ ,00 refere-se a receita tributária e R$ 6.000,00 a receita patrimonial e R$ 8.000,00 a amortização de empréstimo concedido; A despesa empenhada na função 04 para pagamento de pessoal civil somou R$ ,00, ficando um resto a pagar de R$ 8.000,00; A despesa empenhada na função 06 para aquisição de móveis e utensílios somou R$ 5.000,00; Por determinação do ordenador da despesa e visando o interesse público, toda a despesa empenhada na função 06 para aquisição de móveis e utensílios foi anulada; A lei nº 9.454/201X autorizou a abertura de crédito suplementar na função 06 ( ), utilizando-se como fonte de recurso o excesso de arrecadação de amortização de empréstimo concedido, no valor de R$ 8.000,00, crédito este aberto por Decreto do Chefe do Poder Executivo de nº /201X; Pagamento de restos a pagar no valor de R$ 5.000,00. EXERCÍCIO Nº 03 A Câmara Legislativa do Município de Pororó aprovou o orçamento elaborado pelo Poder Executivo para o ano de 201X nos seguintes termos:

23 23 Art. 1º Estima a receita do município para o exercício de 201X em R$ ,00, e fixa a despesas e em igual valor. 1º A previsão da receita segundo o Resumo Geral da Receita está assim detalhada: Código Especificação Desdobramento Fonte Cat.Econ RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA RECEITA PATRIMONIAL RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL TRANSFERENCIAS DE CAPITAL TOTAL: Art. 2º Fica o Poder Executivo autorizado a contratar operações de créditos por antecipação da receita, limitadas a 100% da receita prevista. A fixação da despesa foi classificada em nível de Funções (04 Administração, 10 Saúde e 12 Educação), de Categorias Econômicas e Elementos da Despesa segundo o Quadro de Detalhamento da Despesa (QDD): QUADRO DE DETALHAMENTO DA DESPESA (QDD) Código Especificação Natureza Detalhamento Total 04. ADMINISTRAÇÃO Venc. e Vantagens Fixas P. Civil Material de Consumo SAÚDE Equip. e Mat. Permanente EDUCAÇÃO Venc. e Vantagens Fixas P. Civil Equip. e Mat. Permanente T O T A L De posse das informações a seguir relatadas, faça os lançamentos nos razonetes, elabore o balancete e os Balanços Orçamentário, Financeiro, Patrimonial e a Demonstração das Variações Patrimoniais (anexos 12, 13, 14 e 15 da Lei 4.320/64). Observação: - Considere os restos a pagar das despesas correntes empenhadas não liquidados; - Considere toda despesa de capital empenhada liquidada.

24 24 Através dos extratos bancários e relatórios de arrecadação emitidos, verificou-se o ingresso de R$ ,00 a título de receita tributária e R$ ,00 como receita patrimonial; Da receita tributária arrecada R$ 500,00 foram restituídos a contribuintes em virtude de pagamento de tributo feito em duplicidade; Sacou-se do banco a importância de R$ 1.000,00 para suprimento de caixa da tesouraria geral do município; Contratou-se uma operação de crédito por antecipação da receita orçamentária no valor de R$ ,00, recurso este já ingressado nos cofres municipais conforme extrato bancário; A despesa empenhada na função 04 para pagamento de pessoal civil somou R$ ,00, ficando um resto a pagar de R$ 8.000,00; A despesa empenhada e paga na função 12 pela aquisição de um veículo somou R$ ,00; Arrecadação de receitas de serviços via tesouraria geral no valor de R$ ,00, dos quais R$ 8.000,00 foram depositados no banco; A despesa empenhada na função 10 para aquisição de equipamento hospitalar somou R$ 5.000,00, ficando a pagar R$ 1.000,00. EXERCÍCIO Nº 04 A Câmara Legislativa do Município de Maré aprovou o orçamento elaborado pelo Poder Executivo para o ano de 201X nos seguintes termos: Art. 1º Estima a receita do município para o exercício de 201X em R$ ,00, e fixa a despesas e em igual valor. 1º A previsão da receita segundo o Resumo Geral da Receita está assim detalhada: Código Especificação Desdobramento Fonte Cat.Econ RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA RECEITA PATRIMONIAL RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL TRANSFERENCIAS DE CAPITAL TOTAL:

25 25 Art. 2º Fica o Poder Executivo autorizado a contratar operações de créditos por antecipação da receita, limitadas a 50% da receita prevista. A fixação da despesa foi classificada em nível de Funções (04 Administração, 06 Segurança Pública, 10 Saúde e 12 Educação), de Categorias Econômicas e Elementos da Despesa segundo o Quadro de Detalhamento da Despesa (QDD): QUADRO DE DETALHAMENTO DA DESPESA (QDD) Código Especificação Natureza Detalhamento Total 04. ADMINISTRAÇÃO Venc. e Vantagens Fixas P. Civil Material de Consumo SEGURANÇA PÚBLICA Material de Consumo SAÚDE Equip. e Mat. Permanente EDUCAÇÃO Venc. e Vantagens Fixas P. Civil Equip. e Mat. Permanente T O T A L De posse das informações a seguir relatadas, faça os lançamentos nos razonetes, elabore o balancete e os Balanços Orçamentário, Financeiro, Patrimonial e a Demonstração das Variações Patrimoniais (anexos 12, 13, 14 e 15 da Lei 4.320/64). Observações: - Considere toda despesa empenhada liquidada; - As contas patrimoniais Bancos, Ativo Real líquido, Empréstimos Concedidos e Restos a Pagar, possuem saldo inicial nos valores de R$ ,00, R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00, respectivamente. Através dos extratos bancários e relatórios de arrecadação emitidos, verificou-se o ingresso de R$ ,00 a título de receita tributária, R$ 6.000,00 como receita patrimonial e R$ 8.000,00 oriundos de amortização de empréstimo concedido; A despesa empenhada na função 04 para pagamento de pessoal civil somou R$ ,00, com pagamento do valor líquido da folha (R$ ,00) e retenções, ainda não pagas, a título de contribuições previdenciárias no valor de R$ 2.000,00 e de imposto de renda retido na fonte no valor de R$ 1.000,00; A despesa empenhada na função 12 para pagamento de pessoal civil somou R$ ,00, ficando toda a pagar; A despesa empenhada e paga na função 06 pela aquisição de material de consumo somou R$ 2.000,00; A despesa empenhada na função 10 pela aquisição de equipamento hospitalar somou R$ 5.000,00, ficando a pagar R$ 1.000,00;

26 26 A lei nº 9.465/201X autorizou a abertura de crédito suplementar à função 04 ( ), utilizando-se como fonte de recurso anulação parcial da dotação para aquisição de material de consumo ( ) do mesmo programa e função, no valor de R$ ,00, crédito este aberto por Decreto do Chefe do Poder Executivo de nº /201X; Contratou-se uma operação de crédito por antecipação da receita orçamentária no valor de R$ ,00, recurso este já ingressado nos cofres municipais conforme extrato bancário; Dos restos a pagar do exercício anterior R$ R$ 5.000,00 foram pagos e o saldo remanescente cancelado. EXERCÍCIO Nº 05 A Câmara Legislativa do Município de Pato aprovou o orçamento elaborado pelo Poder Executivo para o ano de 201X nos seguintes termos: Art. 1º Estima a receita do município para o exercício de 201X em R$ ,00, e fixa a despesas e em igual valor. 1º A previsão da receita segundo o Resumo Geral da Receita está assim detalhada: RESUMO GERAL DA RECEITA Código Especificação Desdobramento Fonte Cat.Econ RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA RECEITA PATRIMONIAL RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL OPERAÇÕES DE CRÉDITO ALIENAÇÃO DE BENS TRANSFERENCIAS DE CAPITAL TOTAL: Art. 2º Fica o Poder Executivo autorizado a contratar operações de créditos por antecipação da receita, limitadas a 20% da receita tributária prevista.

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior Página 1 de 5 CIRCULANTE 3.458.065,56 1.875.217,00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE FINANÇAS GERÊNCIA GERAL DA CONTABILIDADE DO MUNICÍPIO DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - CONSOLIDADO - 2013 Demonstrativo das Variações Patrimoniais e Resultado

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

Documento gerado em 27/04/2015 15:46:27 Página 1 de 42

Documento gerado em 27/04/2015 15:46:27 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 90.603.291,75 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 39.564.561,26 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA s s 100000000000 ATIVO 939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina BALANÇO PATRIMONIAL Em 31/12/2014 - Encerramento 9.817.136,65 40.159.587,34. Prazo 104.

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina BALANÇO PATRIMONIAL Em 31/12/2014 - Encerramento 9.817.136,65 40.159.587,34. Prazo 104. ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa - Bancos Conta Movimento - Demais Contas Rede Bancária - Arrecadação Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata - Intra OFSS Recursos Liberados

Leia mais

Anexo 14 - BALANÇO PATRIMONIAL

Anexo 14 - BALANÇO PATRIMONIAL Página 1 de 3 CIRCULANTE 17.957.906,23 13.781.064,25 CIRCULANTE 2.918.670,71 3.459.718,41 Caixa e Equivalentes de Caixa 11.326.508,18 CRÉDITOS A CURTO PRAZO Clientes Crédito Tributário a Receber Dívida

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 Receita Despesa ORÇAMENTÁRIA (1) ORÇAMENTÁRIA (5) Receitas Orçamentárias Despesas

Leia mais

1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.2.3.1.1.03.02 (40966) MÓVEIS MÁQUINAS E E UTENSÍLIOS DE ESCRITÓRIO 339.159,49D 25.

1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.2.3.1.1.03.02 (40966) MÓVEIS MÁQUINAS E E UTENSÍLIOS DE ESCRITÓRIO 339.159,49D 25. 1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.217.589,73D 1.245.340,55D Atual1/8 ATIVO CIRCULANTE 588.962,97D 151.410,23D 194.301,54 188.047,63 166.550,72 160.296,81 616.713,79D 1.1.1.1.1.50.99

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO 100000000000 ATIVO 329.083,39 911.970,67 872.747,07 368.306,99 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 3.073,50 898.201,87 872.747,07 28.528,30 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Empresa Munic. de Transporte Urbano Presidente Figueiredo

Empresa Munic. de Transporte Urbano Presidente Figueiredo 03698709/000109 Exercício: 2015 BALANCETEISOLADO EMPRESA MUNICIPAL DE TRANSPORTE URBANO EMTU (UG:5) Página 1 de 5 100000000 05 ATIVO 343.632,70 139.134,52 114.972,75 367.794,47 110000000 05 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 129.967,90D 130.464,22D 1/8 1.1.1.1.1.01 ATIVO CIRCULANTE 54.320,75D 54.817,07D E EQUIVALENTES CAIXA MOEDA NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO 51.666,68D 497.996,11

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação aos arquivos publicados em 10/11/2014: Item alterado/incluído Evento 1.9 Evento 2.20.8 Evento 2.72.13 Motivo Obs: Os créditos relativos à Dívida Ativa podem ser registrados somente

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Ativo Circulante 1.149.479.180,77 989.839.743,43 Passivo Circulante 317.274.300,38 283.051.918,44 Caixa e Equiv. Caixa Moeda Nacional 800.954.874,69 676.326.925,34 Obrig.

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José da Lapa

Prefeitura Municipal de São José da Lapa Estado de Minas Gerais Demostração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 - Lei 4.320/64 ENTIDADE: 000 - CONSOLIDADO lilian@sonner.com.br 30-03-2015 13:44:25 400000000 VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 300000000

Leia mais

Balancete. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06. Créditos. Conta. Página:1/24

Balancete. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06. Créditos. Conta. Página:1/24 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06 Balancete Período: 01/05/2015 a 31/05/2015 Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 660.339,65D 383.449,46 379.045,53 664.743,58D

Leia mais

Índice do diário. GABINETE DA PREFEITA MUNICIPAL DE RIBEIRA DO AMPARO, em 16 de abril de 2014. TETIANA DE PAULA FONTES CEDRO BRITTO.

Índice do diário. GABINETE DA PREFEITA MUNICIPAL DE RIBEIRA DO AMPARO, em 16 de abril de 2014. TETIANA DE PAULA FONTES CEDRO BRITTO. Diário Oficial Ano: 2 Edição: 231 Páginas: 40 Atos Oficiais Decreto - Nº 0532/2014 Portaria - Nº 0054/2014 Contas Públicas Balanço Orçamentário - BALANÇO Índice do diário Atos Oficiais Decreto Nº 0532/2014

Leia mais

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul.

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Público Alvo: Servidores de Prefeituras do Estado do Rio Grande do Sul que atuam na área contábil.

Leia mais

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 99.562,86D 118.646,81D 1/9 ATIVO CAIXA CONTA CIRCULANTE E ÚNICA EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO 97.962,86D 250.343,95 231.260,00

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 11º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 1 Professor João Eudes Bezerra

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais

ANEXO III 280.864,02 264.833,28 39.905,58 37.578,73 18.357,59 0,00 271.900,62 264.843,53 39.905,58 37.578,73 9.383,94 0,00

ANEXO III 280.864,02 264.833,28 39.905,58 37.578,73 18.357,59 0,00 271.900,62 264.843,53 39.905,58 37.578,73 9.383,94 0,00 100000000 ATIVO 110000000 ATIVO CIRCULANTE 111000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 111110000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL -

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 Consorcio Publico do Extremo Sul

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 Consorcio Publico do Extremo Sul Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 31 de Março de 2013 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 6.735,34 8.034,62 4.211,61 10.558,35 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 6.735,34 8.034,62

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

AUTARQUIA MUNICIPAL DE ESPORTES DE CACOAL - AM Estado de Rondônia. Balancete do Sistema Orçamentário no Período de janeiro a janeiro Anexo TC-01

AUTARQUIA MUNICIPAL DE ESPORTES DE CACOAL - AM Estado de Rondônia. Balancete do Sistema Orçamentário no Período de janeiro a janeiro Anexo TC-01 Balancete do Sistema Orçamentário no Período de janeiro a janeiro 1. 1.1. 1.1.1. 1.1.1.1. 1.1.1.1.1. 1.1.1.1.1.19. 1.1.1.1.1.19.02. 1.1.1.1.1.19.04. 1.1.3. 1.1.3.8. 1.1.3.8.1. 1.1.3.8.1.08. 1.1.3.8.1.09.

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro Segundo o MCASP, o é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das

Leia mais

Página de Transparência Pública - Tabela de Natureza da Despesa Fonte: Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Página de Transparência Pública - Tabela de Natureza da Despesa Fonte: Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Página de Transparência Pública - Tabela de Natureza da Despesa Fonte: Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI OBS: utilizar apenas a parte numérica dos códigos, desprezando

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA BALANCETE MÊS DE JANEIRO/2015. Página 1

ESTADO DE RONDÔNIA BALANCETE MÊS DE JANEIRO/2015. Página 1 CAMARA MUNICIPAL DE Página 1 1 ATIVO 69.111,18 60.711,80 75.399,38 1.1 ATIVO CIRCULANTE 60.711,80 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 60.711,80 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 60.711,80

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c = (a-b)

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS MUNICÍPIO DE CALDAS NOVAS ESTADO DE GOIAS Balanço Financeiro Anexo 1 (Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP)Portaria STN nº 37/2012 5a edição BALANÇO GERAL DO EXERCICIO DE 201 PERÍODO(MÊS)

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO 001 Previsão orçamentária inicial da receita Estado de Santa Catarina 1 5.2.1.1.1.00.00 Previsão inicial da receita bruta 1 6.2.1.1.0.00.00 Receita a realizar 002 Previsão adicional da receita 1 5.2.1.2.1.XX.XX

Leia mais

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO PASSIVO CIRCULANTE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS,

Leia mais

112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS

112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS 112110103 FATURAS/ DUPLICATAS A RECEBER Sim DB 1211104 DIVIDA ATIVA NAO TRIBUTARIA - CLIENTES Sim DB 1211105 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS NÆo DB 121110501 EMPRESTIMOS CONCEDIDOS A RECEBER Sim

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Estado drio Grande do Sul Balancete de Verificacao Pag: 1 CONSORCIO - CISGA De 01.01.2015 a 30.04.2015

Estado drio Grande do Sul Balancete de Verificacao Pag: 1 CONSORCIO - CISGA De 01.01.2015 a 30.04.2015 Estado drio Grande do Sul Balancete de Verificacao Pag: 1 100000000000000 ATIVO 746.423,74 521.047,13 478.433,06 789.037,81 110000000000000 ATIVO CIRCULANTE 718.821,28 507.893,92 470.065,45 756.649,75

Leia mais

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PÁGINA: 1 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO - 2005 ANEXO 14 ATIVO ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL 450.323.096,72 CAIXA 47.294,31 BANCOS CONTA MOVIMENTO 210.194.091,20

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

SALDO (f)=(a+b-c-e) DESPESAS CORRENTES 8.201,60 4.051.439,12 3.861.681,23 25.087,21 172.872,28

SALDO (f)=(a+b-c-e) DESPESAS CORRENTES 8.201,60 4.051.439,12 3.861.681,23 25.087,21 172.872,28 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ANEXO I - DEMONSTRATIVO DE EXECUÇÃO DOS RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS : 2013 Data de Emissão: 29/03/2014 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ANEXO II - DEMONSTRATIVO DE EXECUÇÃO DOS RESTOS A PAGAR

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Abril / 2013. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO AMAPA Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Abril / 2013. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 1.267.635,99 199.024,16 243.515,58 1.223.144,57 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 407.941,54 177.708,38 222.564,32 363.085,60 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 119.056,37 76.325,59 56.861,51

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - SP Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Julho / 2015. Pág. : 1.

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - SP Sistema de Contabilidade BALANCETE DE VERIFICAÇÃO - PATRIMONIAL ATIVO Julho / 2015. Pág. : 1. ATIVO Pág. : 1 1 ATIVO 6.962.923,94 955.075,63 999.851,97 6.918.147,60 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 2.575.224,25 286.194,78 341.306,07 2.520.112,96 D 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 998.084,67 206.815,23

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

621.927,10 284.748,83 239.680,43 666.995,50 111115099000 F OUTRAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE LIQUIDEZ IMEDIATA

621.927,10 284.748,83 239.680,43 666.995,50 111115099000 F OUTRAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE LIQUIDEZ IMEDIATA Código BALANCETE ANALÍTICO CONTÁBIL SIMPLIFICADO BALANCETE - JANEIRO DE 2015 Saldo Inicial Débito Crédito Movimentação Débitos Créditos 111111901000 F BANCOS CONTA MOVIMENTO - DEMAIS CONTAS 621.927,10

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 05 Metodologia para Elaboração da Demonstração das Variações Patrimoniais (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 05 Metodologia para Elaboração da Demonstração das Variações Patrimoniais (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 05 Metodologia para Elaboração da Demonstração das Variações

Leia mais

Total 420.044.577,42 Total 420.044.577,42

Total 420.044.577,42 Total 420.044.577,42 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 1.324.567,17 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

CORE/RS Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado do Rio Grande do Sul CNPJ: 92.963.776/0001-25

CORE/RS Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado do Rio Grande do Sul CNPJ: 92.963.776/0001-25 Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado do Rio Grande do Sul CNPJ: 92.963.776/0001-25 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Sinopolandia do Norte. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT Última Atualização: 12/01/2010 Programa do Módulo 2 1. Plano de

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1. Ativo 2. Passivo 1.1. Ativo Circulante 2.1. Passivo Circulante Bancos/Caixa (F) Obrigações em circulação pessoal a pagar (F) Créditos a receber (P) Dívida Ativa Provisões a curto prazo 13º salário (P)

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Departamento de Desenvolvimento Profissional Home Page: www.crc.org.br E-mail: cursos@crcrj.org.br DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

<ESFERA DE GOVERNO> BALANÇO ORÇAMENTÁRIO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL <PERÍODO DE REFERÊNCIA> Créditos Orçamentários e Suplementares

<ESFERA DE GOVERNO> BALANÇO ORÇAMENTÁRIO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL <PERÍODO DE REFERÊNCIA> Créditos Orçamentários e Suplementares $1(;2,,,6(*81'2$370361ž$78$/,=$'$3(/$370361žH370361ž 02'(/26(,16758d (6'(35((1&+,0(172'$6'(021675$d (6&217È%(,6 Os Regimes Próprios de Previdência Social deverão elaborar, anualmente, as seguintes Demonstrações

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 1. CODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA Para melhor identificação da entrada dos recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

20/07/2015. Receitas. Receitas. Receitas

20/07/2015. Receitas. Receitas. Receitas Em sentido amplo, os ingressos de recursos financeiros nos cofres do Estado denominam-se receitas públicas, registradas como receitas orçamentárias, quando representam disponibilidades de recursos financeiros

Leia mais

Balancete De Verificacao Do Sistema Patrimonial Plano PCASP-MT Atributo: Todos Março / 2016

Balancete De Verificacao Do Sistema Patrimonial Plano PCASP-MT Atributo: Todos Março / 2016 Março / 2016 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 1.1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL - CONSOLIDACAO

Leia mais

Descrição Exclusões Descrição Observações LINHA DA DCA

Descrição Exclusões Descrição Observações LINHA DA DCA ANEXO I - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MF-DF ao Plano de

Leia mais

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS CONVERGÊNCIA CONTÁBIL SETOR PUBLICO BRASILEIRO Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP Lucy átima de Assis reitas Plano de Implantação Procedimentos Contábeis Patrimoniais Regulamenta o art. 13 da Portaria

Leia mais

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação por Tempo de Serviço. Programa de Alimentação ao Trabalhador - Pat

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação por Tempo de Serviço. Programa de Alimentação ao Trabalhador - Pat Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Pará CNPJ: 14.974.293/0001-12 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 922.380,03 665.569,81 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESA CORRENTE 541.961,33 188.309,60

Leia mais

Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº 4.

Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº 4. PREVIDENCIA SOCIAL DO MUN. DE CAMPINA GRANDE DO SUL ESTADO DO PARANÁ Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais