Capítulo 3 Derivada e Diferencial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 3 Derivada e Diferencial"

Transcrição

1 Capítulo 3 Derivada e Diferencial Objetivos Determinar a equação de retas tangentes a uma curva em um determinado ponto Resolver problemas que envolvam retas paralelas e normais à reta tangente de uma curva em ponto Calcular derivadas pela de nição Derivar qualquer função, usando as regras de derivação Determinar as derivadas laterais Derivar funções compostas (regra da cadeia) Derivar implicitamente uma função Encontrar a derivada de funções parametrizadas Determinar derivadas de ordem superior Interpretar geométrica e sicamente derivadas e diferenciais Resolver problemas que envolvam diferenciais

2 77 3 Introdução O Cálculo Diferencial é o ramo da matemática que tem como foco o estudo do movimento e da variação deste movimento Seu objeto de estudo são as funções As idéias que usaremos aqui foram introduzidas no século XVII por Newton e Leibnitz A intenção de Cálculo Diferencial é o de medir os incrementos ou variações de grandezas, isto é, problemas do tipo: dada uma função, medir o seu incremento Eemplo : a A velocidade é a variação da distância em relação ao tempo, isto é, o incremento da distância na unidade de tempo é a velocidade b O peso de um animal aumenta regularmente 5 quilos por mês, isto é, o seu incremento em quilos por mês é 5 3 Reta Tangente Sejam = f () uma curva do R Sejam P e Q dois pontos distintos desta curva, cujas coordenadas são ( 0 f ( 0 )) e ( f ( )), respectivamente = f = f ( ) ( ) 0 0 P α s Q = f ( ) 0 A inclinação da reta secante s, que passa pelos pontos P e Q, é m s = tg () = f ( ) f ( 0 ) 0 = Sunpondo que o ponto P se mantém o e Q se move sobre a curva na direção de P Assim, a inclinação da reta secante irá variar À medida que Q se aproima de P a inclinação da reta secante varia cada vez menos até atingir uma posição limite Este limite é chamade de inclinação da reta tangente (t) à curva no ponto P

3 78 t = f = f ( ) ( ) 0 0 P Q s = f ( ) 0 De nição : Dada uma curva = f (), seja P ( 0 f ( 0 )) um ponto sobre ela A inclinação da reta tangente à curva em P é dada por quando este limite eiste m t Q!P f ( ) f ( 0 ),! 0 0 De nindo = 0 + Se! 0, então! 0 Assim, podemos reescrever o coe ciente angular da reta tangente como m t!0 f ( 0 + ) f ( 0 )!0 Sabemos que a equação geral de uma reta é 0 = m ( 0 ), onde m é o coe ciente angular da reta Dessa forma, podemos escrever a equação da reta tangente à curva = f () no ponto P ( 0 f ( 0 )) é f ( 0 ) = m t ( 0 ) Eemplo : Encontre a inclinação da reta tangente à curva = +6+9, no ponto P ( 0 0 ) Solução: Pela de nição, sabemos que a inclinação da reta tangente à curva = no ponto P ( 0 0 ) é f( m t 0 +) f( 0 )!0 ( 0 +) +6( 0 +)+9 ( ) =!0 m t 0 +() +6 (!0 0 + () + 6) = 0 + 6!0 Logo, o coe ciente angular da reta tangente é 0 + 6

4 79 Determine a equação da reta tangente à curva = 3 + 5, no ponto cuja abcissa é 4 Solução: Sabemos que, a equação da reta tangente à curva = f () = 3 + 5, no ponto de abcissa 4, é onde: f (4) = 3 (4) + 5 = 53 m t 4 f(4+)!0 f(4) f (4) = m t ( 4), 3(4+) +5 53!0 Logo, a equação da reta tangente é 53 = 4 ( 4) ) = 4 43 Geometricamente, 3(6+8+() ) 48!0 4+3() =! Considere à curva = p Determine a equação da reta tangente a curva e paralela a reta r : = 0 : Solução: Seja t a reta tangente à curva = f () = p e paralela a reta r : = 6 + Como as retas t e s são paralelas, então m t = m s = 6 () Por outro lado, a inclinação da reta tangente é f( m t 0 +) f( 0 )!0!0 p 0 + p 0 = 0 0 Resolvendo-se o limite acima, obtém-se: m t = p 0 () Comparando () e (), tem-se: p 0 = 6 ) 0 = : 44 Logo, a equação da reta tangente no ponto P f 44 t : = 6 ) t : = Geometricamente, 44 é 3

5 80 4 Determine a equação da reta normal à curva = 3 no ponto P ( ) : Solução: Sejam s e t as retas normal e tangente, respectivamente, à curva = 3 no ponto P ( ) : Como as retas t e s são normais, então m t :m s = () Por outro lado, a inclinação da reta tangente em P é m t!0 f(+) f() (+) 3 = 0!0 0 Resolvendo-se o limite acima, obtém-se: m t = 3 () Substituindo () em (), tem-se que: m s = 3 : Dessa forma, a equação da reta normal no ponto P ( ) é s : = 3 ( ) ) s : = 4 3 Geometricamente, Derivadas Derivada de uma função num ponto De nição : A derivada de uma função f () num ponto 0, denotada por f 0 ( 0 ) é de nida pelo limite quando este limite eiste f 0 f ( 0 + ) f ( 0 ) ( 0 ),!0 Lembrando que: = 0 +, podemos escrever f 0 ( 0 ) como f 0 ( 0 )! 0 f ( ) f ( 0 ) 0 Geometricamente, f 0 ( 0 ) representa a inclinação da reta tangente à curva = f () no ponto P ( 0 f ( 0 ))

6 8 Derivada de uma função De nição 3: A derivada de uma função = f (), denotada por f 0 () tal que seu valor em qualquer Df é de nido por quando este limite eiste f 0 f ( + ) ()!0 f (), Dizemos que f é derivável quando eiste a derivada em todos os pontos de seu domínio Observações: (i) Da de nição, temos que o coe ciente angular da reta tangente a uma curva = f (), em um ponto P ( 0 f ( 0 )), é m t = f 0 ( 0 ) (ii) Na de nição 3, o quociente f(+) f() é chamado Quociente de Newton Outras notações de derivada: f 0 () = 0 = D f = d d Eemplo 4: Seja f () = + Determine f 0 (3) Solução: Pela de nição de derivada de uma função num ponto, em 0 = 3, temos que: f 0 (3)!0 f(3+) Portanto, f 0 (3) = 6 f(3) ((3+) +) (3 +)!0 0+6+() 0 = 6!0 Eemplo 5: Determine a derivada de cada uma das funções: f () = +3 Solução: Pela de nição de derivada, temos que: f 0 ()!0 f(+) f()!0 (+) (+)+3 (+ )(+3) ( )(++3)!0 (+3)(++3) 5!0 (+3)(++3) +3 5 ) f 0 () = 5!0 (+3)(++3) (+3)

7 8 f () = 3 Solução: Pela de nição de derivada, temos que: f 0 ()!0 f(+) f() (+) 3 3 = 0!0 0 De nindo u 3 = + e a 3 = Se! 0, então u! a Dessa forma, f 0 a () u 3 a 3 u!a u mas a = 3p, então: f 0 () = 3 3p =, u!a u +au+a 3a 34 Diferenciabilidade Como a de nição de derivadas envolve limites, a derivada de uma função eiste quando o limite da de nição 3 eiste Esses pontos são chamado pontos de diferenciabilidade para f, e os pontos onde este limite não eist são chamados de pontos de não-diferenciabilidade para f Geometricamente, os pontos de diferenciabilidade de f são aqueles onde a curva = f () tem uma reta tangente,e os pontos de não-diferenciabilidade são aqueles onde a curva não tem reta tangente De modo informal, os pontos de nãodiferenciabilidade mais comumente encontrados podem ser classi cados como: picos, pontos de tangência vertical e pontos de descontinuidade 0 0 Pico Ponto de tangência vertical Ponto de descontinuidade Intuitivamente, os picos são pontos de não-diferenciabilidade, uma vez que não há como desenhar uma única reta tangente em tal ponto Por um ponto de tangência vertical entendemos um lugar na curva onde a reta secante tende a uma posição limite vertical Neste pontos, o único candidato razoável para a reta tangente é uma reta vertical naquele ponto Mas as retas verticais tem inclinações in nitas logo, a derivada (se eistisse) teria um valor nito real lá, o que eplicaria intuitivamente por que a derivada não eiste no ponto de tangência vertical Q P Q P Q Eercício 6: Prove que a função f () = jj não é diferenciável em = 0

8 83 que: Solução: Pela de nição de derivada de uma função em um ponto, temos f 0 (0) f 0 (0) = f(0+)!0 f(0), se > 0, se < 0!0 j0+j j0j jj!0 jj Como os limites laterais são diferentes, dizemos que o limite lim!0 eiste Conseqüentemente, f 0 (0) não eiste Observação: A função f() = jj é contínua em = 0 e no entanto não é derivável em = 0 não Continuidade de funções deriváveis Vejamos um teorema que nos garante a continuidade da função nos pontos em que esta é derivável Teorema: Se uma função = f() é derivável em = a, então é contínua em = a Demonstração: Devemos mostrar que lim f () = f ( 0 ), ou seja, que lim (f () f ( 0 )) =!0!0 0 Note que: lim!0 (f ( 0 + ) f ( 0 ))!0 f(0 +) f( 0 ) f( 0 +) f( 0 ) : : lim!0!0 {z } =0 f( Por hipótese, f é derivável então lim 0 +) f( 0 ) eiste e é igual a f 0 (!0 0 ) Dessa forma, lim (f ( 0 + ) f ( 0 )) = 0!0 Por propriedades de limites, tem-se que: lim f ( 0 + ) = f ( 0 )!0 De nindo = 0 + Se! 0, então! 0 Portanto, lim f () = f ( 0 ) :! 0 Observações: (i) Convém notar que o recíproco deste teorema não é necessariamente correto, isto é, uma função = f() pode ser contínua em = a e, no entanto, não derivável em = a Pode-se observar isso, no eemplo 6 (ii) O teorema acima nos garante que nos pontos de descontinuidade a função não pode ter derivada Embora com isto não se queira dizer que nos demais eista

9 84 Eemplo 7: A função = f () é de nida e contínua para todo R +, mas f 0 () = p não é de nida para = 0 Portanto, não eiste 0 para R 35 Derivadas Laterais De nição 4: Seja = f () uma função de nida em = 0, então a derivada à direita de f () em 0 indica por f+ 0 ( 0 ) é de nida por f 0 + ( 0 ) = caso o limite eista f ( 0 + ) f ( 0 ) lim!0 + De nição 5: Seja = f () f ( ) f ( 0 ),! uma função de nida em = 0, então a derivada à esquerda de f () em 0 indica por f 0 ( 0 ) é de nida por f 0 ( 0 ) = lim!0 caso o limite eista f ( 0 + ) f ( 0 )! 0 f ( ) f ( 0 ) 0, Do teorema da unicidade dos limites teremos que, se então f é derivável em 0 f 0 + ( 0 ) = f 0 ( 0 ), iguais Eemplo 8: Seja f () =, se < 3 8, se 3, calcule a derivada em = 3 Solução: Sabemos que f 0 (3) eiste se as derivadas laterais eistirem e forem As derivadas laterais são: f 0 f(3+) f(3) (3) = lim!0! = f+ 0 f(3+) f(3) (3) =!0 +!0 + Como f+ 0 (3) 6= f 0 (3), então f não é derivável em = 3 Eemplo 9: Seja f () = ( ) jj Encontre f 0 (0) : Solução: Aplicando a de nição de módulo, podemos reescrever f como, se 0 f () = ( ), se < 0 O grá co de f é: 4

10 85 Geometricamente, concluímos f não é derivável em = 0, pois apresenta um pico neste ponto Mostremos analiticamente que f 0 (0) não eiste As derivadas laterais são: (0+) (0+) 0!0 + f+ 0 f(0+) f(0) (0)!0 + f 0 f(0+) f(0) (0)!0!0 Conclusão: f 0 (0) não eiste, pois f+ 0 (0) 6= f 0 (0) : = (0+) +(0+) 0 = 36 Regras de Derivação A derivada de uma função é de nida como um limite e usamos este limite para calcular alguns casos simples Vamos desenvolver agora alguns teoremas importantes, que possibilitaram calcular derivadas de forma mais e ciente Derivada de uma função constante Teorema: Se f() = k, com k R, então f 0 () Demostração: Pela de nição de derivada, temos que: f 0 ()!0 f(+) f()!0 k k!0 0 = 0 Eemplo 0: Se f () = 0, então f 0 () = 0 Regra da Potência Teorema: Se f () = n, com n N, então f 0 () = n n Demostração: Pela de nição de derivada, temos que: f 0 f(+) f() (+) () n!0!0 () Pelo binômio de Newton, sabemos que ( + ) n = n + n n n(n ) + n () + + n () n + () n Substituindo em (), segue que: n n + f 0 ()!0 n n +!0 Portanto, f 0 () = n n Eemplo : (a) Se f () = 7, então f 0 () = 7 6 (b) Se f () =, então f 0 () = n(n ) n () ++n() n +() n n n(n ) n () + + n () n + () n = n n

11 86 Observação: Se n Q, o teorema acima continua verdadeiro Derivada do produto de uma constante por uma função Teorema: Se f for uma função diferenciável em e c for um número real constante, então cf também é diferenciável em e d () (cf ()) = cdf d d Demonstração: De na g () = cf () Pela de nição de limite, temos que: g 0 g(+) g() cf(+) cf() f(+) f() () = c lim!0!0!0 Como f é diferenciável em, então f 0 () eiste Assim, Portanto, g 0 () = cf 0 () (cf ()) 0 = cf 0 () : Eemplo : (a) Se f () = 3 4, então f 0 () = 3 (b) Se f () = 3, então f 0 () = 3 Derivada de soma e diferença de funções Teorema: Se f e g forem funções diferenciáveis em, então f g também é diferenciável em e d df () dg () [f () g ()] = d d d Demonstração: De nindo h () = f () + g () Pela de nição de limite, temos que: h 0 ()!0 h(+) h() f(+)+g(+) f() g() :!0 Reagrupando os termos e aplicando a propriedade do limite da soma de funções, tem-se que: h 0 ()!0 f(+) f() g(+) g() + lim!0 Como f e g são funções diferenciáveis, segue que h 0 () = f 0 () + g 0 () Portanto, a derivada da soma é a soma das derivadas, ou seja, (f () + g ()) 0 = f 0 () + g 0 ()

12 87 Eemplo 3: Se f () = 6 3p Determine f 0 () Solução: Aplicando a propriedade da derivada da soma, temos que: f 0 () = (6 3p ) 0 = (6 3p ) 0 + (3 ) 0 + (7) 0 : Pelas propriedades da derivada de uma constante por uma função e da derivada de uma função constante, segue que: 0 f 0 () = ( ) 0 + 0: Aplicando a regra da potência, obtém-se: f 0 () = 6: 3 + 3: = 6 + = p Regra do Produto Teorema: Se f e g forem funções diferenciáveis em, então f:g também é diferenciável em e d dg () df () [f () :g ()] = f () + g () d d d Demonstração: De nindo h () = f () :g () Pela de nição de limite, temos que: h 0 ()!0 h(+) h() f(+):g(+) f():g()!0 Somando e subtraindo f () :g ( + ), segue que: f(+):g(+) f():g(+)+f():g(+) f():g() h 0 ()!0 Rearranjando os termos e aplicando a propriedade do limite da soma de funções, tem-se que: h 0 ()!0 f(+):g(+) f():g(+) g(+)(f(+) f()) f():g(+) f():g()!0 f()(g(+) g()) + lim + lim!0!0 Aplicando a propriedade do produto de limites, temos que: f(+) f() h 0 () g ( + ) : lim + lim!0!0!0 Como f e g são funções diferenciáveis, segue que: h 0 () = g () :f 0 () + f () :g 0 () f () : lim g(+) g()!0 Eemplo 4: Se f () = p Determine f 0 () Solução : Pela regra do produto, temos que: f 0 () = ( ) 0 p 0 p + = + p = 5 3 Solução : Reescrevendo f, temos que: f () = 5 Pela regra do produto, obtemos que: f 0 () = 5 5 ) f 0 () = 5 3

13 88 Observação: O teorema anterior é válido para mais de duas funções, vejamos para três Se f() = u():v():w(), então e assim sucessivamente f 0 () = u 0 ():v():w() + v 0 ():u():w() + w 0 ():u():v() Regra do Quociente Teorema: Se f e g forem funções diferenciáveis em e g () 6= 0, então f g também é diferenciável em e d d f () g () = g () :f 0 () f () :g 0 () (g ()) Demonstração: De nindo h () = f() Pela de nição de limite, temos que: h(+) h() g() f(+) g(+) f() g() h 0 ()!0!0 Somando e subtraindo f () :g (), segue que:!0 g():f(+)+f():g() f():g() g(+)f() g():f(+) g(+)f() :g():g(+) h 0 ()!0 g():g(+) Rearranjando os termos e aplicando a propriedade do limite da soma de funções, tem-se que: h 0 ()!0 g()(:f(+) f()) f()( g()+g(+)) lim g():g(+)!0 g():g(+) : lim :f(+) f() f() lim!0 g(+)!0!0 Como f e g são funções diferenciáveis, segue que: h 0 () = :f 0 f() () g 0 () = g():f 0 () f():g 0 () g() (g()) (g()) Portanto, 0 f () = g () :f 0 () f () :g 0 () g () (g ()) g():g(+) : lim!0 g(+) g() Eemplo 5: Se f () = + Determine f 0 () 3 Solução: Pela regra do quociente, temos que: f 0 () = (3 ):( +) 0 ( +)(3 ) 0 (3 ) = (3 ): ( +)3 0 (3 ) = 3 6 (3 ) Regra da Cadeia Teorema: Sejam = f(u) e u = g(), duas funções deriváveis A derivada da função em relação a é igual ao produto da derivada da função em relação a u pela derivada da função u em relação a, isto é, d d = d du :du d ou d d = f 0 (g()) :g 0 ()

14 89 Demonstração: Formemos separadamente o quociente de Newton em ambas as funções, assim: + = f (u + u) ) = f (u + u) f (u) ) f(u+u) f(u) = u u () u + u = g ( + ) ) u = g ( + ) g () ) u = g(+) g() () Notemos que, os primeiros membros de () e (), nos dão uma razão entre o acréscimo de cada função e o acréscimo da correspondente variável Os segundos membros de () e (), nos dão as mesmas razões de outra forma Escolhemos os primeiros membros por ser uma notação mais conveniente e façamos o produto, assim: = u : u Fazendo! 0, então u! 0 pois, u() é derivável e portanto contínua De onde vem que: lim!0 u!0 Da de nição de derivadas vem: Portanto, (a) = p 5 + d d =d du :du d u : lim!0 u ou d d = f 0 (g()) :g 0 () ((f g) ()) 0 = f 0 (g()) :g 0 () Eemplo 6: Determine as derivadas das funções abaio: Solução: De nindo u = 5 + Então, = p u Assim, d du = p u e du d = 5 Pela regra da cadeia, temos que: d = d : du ) d = d du d d p d :5 ) = 5 u d p 5+ (b) = 3p p Solução: De nindo v =, u = p v e = 3p u Pela regra da cadeia, temos que: d d = d du : du d () mas, du = du dv d dv d Temos que:

15 90 dv = 4 d du dv = p v d d = 3 3p u Assim, substituindo em (), segue que: d = d 3 3p : u p : (4 ) ) d = 4 v d 6 3p p = 4 : 6( ) 5 6 (c) = ( ) 4 : + 3 Solução: Pela regra do produto, temos que: 0 = ( ) ( ) 4 : () Pela regra da cadeia, temos que: ( ) 4 0 = 4 ( ) 3 ( ) 0 = 4 (4 ) ( ) 3 : () Pela regra do quociente, segue que: = 3 6 () (3 ) Substituindo () e () em (), temos que: 0 = 4 (4 ) ( ) ( ) 4 3 (3 ) 0 = ( ) 3 (3 ) ( ) (d) = 3p( +) Solução: Reescrevendo a função, temos que: Pela regra do produto, temos que: = = ( ) 0 ( + ) 3 + ( + ) 3 0 : () Pela regra da cadeia, temos que: ( + ) 0 3 = 3 ( + ) 3 ( + ) 0 = 4 3 ( + ) 3 4 = : () 3( +) 3 Substituindo () em (), temos que: 0 = ( + ) ( +) 3 0 = 3( +) 3 (3 + 5)

16 9 Derivada das funções trigonométricas Derivada da Função Seno: Se f () = sin, então f 0 () = cos Demonstração: Pela de nição de limite, temos que: f 0 ()!0!0 f(+) f()!0 sin cos()+sin() cos sin(+) sin sin sin [cos() ]+sin() cos!0 Aplicando propriedades de limites, temos que: f 0 cos() sin() () sin : lim + lim cos : lim!0!0!0!0 f 0 () = sin 0 + cos ) f 0 () = cos Portanto, Eemplo 7: Se f () = sin p 3 f 0 () = cos :, determine f 0 () Solução: De nindo u = p 3, então = f (u) = sin u Pela regra da cadeia, temos que: 0 = f 0 (u) :u 0 = (sin u) 0 :u 0 = u 0 : cos u 0 = (3 ) 0 p : cos 3 0 = (3 ) (3 ) 0 : cos p 3 0 = p 3 cos p 3 3 Derivada da Função Cosseno: Se f () = cos, então f 0 () = sin Demonstração: Pela de nição de limite, temos que: f 0 ()!0 f(+) f()!0 cos(+) cos cos() sin() sin cos!0 cos cos [cos() ] sin() sin!0 Aplicando propriedades de limites, temos que: f 0 cos() () cos : lim!0!0 sin() lim sin : lim!0!0 f 0 () = cos 0 sin ) f 0 () = sin Portanto, f 0 () = sin : Eemplo 8: Se f () = cos sin p +, determine f 0 ()

17 9 Solução: De nindo u = sin p +, então = f (u) = cos u Pela regra da cadeia, temos que: 0 = f 0 (u) :u 0 = (cos u) 0 :u 0 = u 0 : sin u 0 = sin p + 0 p : sin sin + 0 = cos p p 0 + : + : sin sin p + 0 = p + cos p + : sin sin p + 3 Derivada da Função Tangente: Se f () =tg(), então f 0 () = sec Demonstração: Escrevendo a função tangente como um quociente, temos que: f () = tg () = sin cos : Derivando pela regra do quociente, temos que: f 0 () = cos (sin )0 sin (cos ) 0 cos Portanto, = cos +sin cos = cos = sec f 0 () = sec : psin Eemplo 9: Se f () =tg ( ), determine f 0 () Solução: De nindo u = p sin ( ), então = f (u) =tg(u) Pela regra da cadeia, temos que: 0 = f 0 (u) :u 0 = (tg (u)) 0 :u 0 = u 0 : sec u 0 = (sin ( )) 0 : sec psin ( ) psin 0 = (sin ( )) (sin ( )) 0 : sec ( ) 0 = cos( ) psin psin( ) sec ( ) 4 Derivada da Função Cotangente: Se f () =cotg(), então f 0 () = cossec () Demonstração: Escrevendo a função cotangente como um quociente, temos que: f () = cotg () = cos sin : Derivando pela regra do quociente, temos que: f 0 () = sin (cos )0 cos (sin ) 0 sin = sin cos sin = sin = cossec ()

18 93 Portanto, f 0 () = cossec () : Eemplo 0: Se f () =cotg( + + ), determine f 0 () Solução: De nindo u = + +, então = f (u) =cotg(u) Pela regra da cadeia, temos que: 0 = f 0 (u) :u 0 = (cotg (u)) 0 :u 0 = u 0 :cossec u 0 = ( + + ) 0 :cossec ( + + ) 0 = ( + ) :cossec ( + + ) 5 Derivada da Função Secante: Se f () = sec (), então f 0 () =tg() sec Demonstração: Escrevendo a função secante como um quociente, temos que: f () = sec = cos = (cos ) : Derivando pela regra da cadeia, temos que: f 0 () = Portanto, (cos ) (cos ) 0 = sin cos = sin cos : cos f 0 () = tg () sec : =tg() sec 6 Derivada da Função Cossecante: Se f () =cossec(), então f 0 () = cotg()cossec() Demonstração: Escrevendo a função cossecante como um quociente, temos que: f () = cossec () = sin = (sin ) : Derivando pela regra da cadeia, temos que: f 0 () = (sin ) (sin ) 0 = cos Portanto, sin = cos : = sin sin f 0 () = cotg () :cossec () : Eemplo : Se f () =cossec 4p sec (), determine f 0 () Solução: De nindo u = 4p sec (), então = f (u) =cossec(u) Pela regra da cadeia, temos que: 0 = 0 = 0 = 0 = 0 = cotg() :cossec() u 0 :cotg(u)cossec(u) p 0 p p 4 sec () :cotg 4 sec () 4 cossec sec () (sec ()) p p (sec ()) 0 4 cotg sec () 4 cossec sec () (sec ()) p p tg() sec ()cotg 4 sec () 4 cossec sec () (sec ()) p p 4 4 tg()cotg 4 sec () 4 cossec sec () :

19 94 Observação: Todos os teoremas demonstrados até aqui, são generalizados, com o uso da função composta: Se f (u) = sin u, então f 0 (u) = u 0 cos u Se f (u) = cos u, então f 0 (u) = u 0 sin u 3 Se f (u) =tg(u), então f 0 (u) = u 0 sec u 4 Se f (u) =cotg(u), então f 0 (u) = u 0 cossec (u) 5 Se f (u) = sec u, então f 0 (u) = u 0 tg(u) sec (u) 6 Se f (u) =cossec(u), então f 0 (u) = u 0 cossec(u)cotg(u) Derivada da função eponencial Teorema: Se = a, com a > 0 e a 6=, então 0 = a ln a Demonstração: Pela de nição de limite, temos que: f(+) f() 0 = f 0 ()!0!0 Pelas propriedades de limites, temos que: 0!0 a a : lim = a ln a!0 Portanto, 0 = a ln a a (+) a a (a ) :!0 Caso particular: Se a = e, então para = e, segue que 0 = e ln e ) 0 = e Derivada da função logarítmica Teorema: Se = log a, com a > 0 e a 6=, então 0 = log a e Demonstração: Pela de nição de limite, temos que: 0 = f 0 ()!0!0 log a (+ ) De nindo = u 0 = log a lim f(+) + u! u Portanto, f()!0 log a!0, ou seja, u = u = log a log a (+) + 0 = log a e: log a!0 = log a lim!0 log a ( + ) + : Se! 0, então u! Assim, lim u! + u u = log a e:

20 95 Caso particular: Se a = e, então para = log e = ln, segue que 0 = ln ) 0 = Derivada de uma função eponencial composta Teorema: Se = u v, onde u = u () e v = v () são funções de, deriváveis em um intervalo I e u () > 0, 8 I, então 0 = v:u v :u 0 + u v : ln u:v 0 Demonstração: Usando propriedades de logaritmo, podemos escrever a função = u v, como = e ln uv ) = e v ln u Note que: = (g f) () = g (f ()), onde g (w) = e w e w = f () = v ln u Pela regra da cadeia, temos que: 0 = g 0 (w) :w 0 ) 0 = e w : (v ln u) 0 ) 0 = e w v 0 ln u + v u0 u ) 0 = e v ln u (v 0 ln u + v:u :u 0 ) Por propriedade de logaritmo, segue que: 0 = e ln uv (v 0 ln u + v:u :u 0 ) ) 0 = u v (v 0 ln u + v:u :u 0 ) Portanto, 0 = v:u v :u 0 + u v : ln u:v 0 obtém-se: Resumo: Aplicando a regra da cadeia para as funções compostas abaio, Se = a u, com a > 0 e a 6=, então = u 0 :a u ln a Se = e u, então = u 0 e u 3 Se = log a u, com a > 0 e a 6=, então = u0 u log a e 4 Se = ln u, então = u0 u 5 Se = u v, então 0 = v:u v :u 0 + u v : ln u:v 0 p = 5 +3 Eemplo : Determine a derivada das funções: Solução: De nindo u = p + 3, então = 5 u Pela regra da cadeia, temos que: u 0 = ( + 3) 0 = ( + 3) : ( + 3) 0 = 4+3 p : +3

21 96 Pela regra de derivação da função eponencial composta, temos que: p 0 = 5 u ln 5:u 0 ) 0 = 4+3 p 5 +3 ln 5 +3 = ln (sin (e )) Solução: De nindo u = sin (e ), então = ln u Pela regra da cadeia, temos que: u 0 = (sin (e )) 0 ) u 0 = (e ) 0 cos (e ) u 0 = ( ) 0 (e ) cos (e ) ) u 0 = e cos (e ) Pela regra de derivação da função logaritmo composta, temos que: 0 = u0 u ) 0 = e cos(e ) sin(e ) = e cotg(e ) : p e 3 = e Solução: De nindo u = p e, então = ln u Pela regra da cadeia, temos que: 0 u 0 = e ) u 0 = e 0 e = e e u 0 = e = p e Pela regra de derivação da função eponencial composta, temos que: 0 = u 0 e u ) 0 = p p e e 4 = sec e 3p + +cossec + Solução: Aplicando propriedades de derivadas, temos que: 0 = sec 3p + + cossec + De nindo u = 3p + e v = + Pela regra da cadeia, temos que: u 0 = ( + ) 0 3 ) u = ( + ) = sec 3 p cossec + 0 : Pela regra do quociente, temos que: v 0 = 0 ) v 0 = (+)( )0 ( )(+) 0 = + (+) (+) Pela regra de derivação de funções trigonométricas composta, temos que: 0 = u 0 sec (u)tg(u) v 0 cotg(v)cotg(v) 0 = 3p sec p 3 + tg 3p + cotg 3 (+) (+) + cotg +

22 97 5 = (sin ) Solução: De nindo u = sin e v = Pela regra de derivação de uma função eponencial composta, temos que: 0 = v:u v :u 0 + u v : ln u:v 0 0 = (sin ) (sin ) 0 + (sin ) ln (sin ) : ( ) 0 0 = (sin ) cos + (sin ) ln (sin ) 0 = (sin ) cos + ln (sin ) sin 0 = (sin ) (cotg () + ln (sin )) Derivada de funções hiperbólicas Como as funções hiperbólicas são de nidas em termos das funções eponenciais, a derivação dessas funções se resume na derivação de funções eponenciais Eemplo 3: Mostre que se f () = sinh, então f 0 () = cosh : Solução: Lembre que: f () = sinh () = e e Assim, f 0 () = (sinh ()) 0 = e Portanto, f 0 () = cosh : e 0 = e +e = cosh são: Analogamente, obtemos as derivadas das demais funções hiperbólicas, que Se f (u) = sinh u, então f 0 (u) = u 0 cosh u Se f (u) = cosh u, então f 0 (u) = u 0 sinh u 3 Se f (u) =tgh(u), então f 0 (u) = u 0 sech (u) 4 Se f (u) =cotgh(u), então f 0 (u) = u 0 cossech (u) 5 Se f (u) =sech(u), então f 0 (u) = u 0 tgh(u)sech(u) 6 Se f (u) =cossech(u), então f 0 (u) = u 0 cossech(u)cotgh(u) Observação: A demonstração das derivadas das funções hiperbólicas ca como eercício! Eemplo 4: Determine a derivada das funções:

23 98 = cosh (( 3 + ) e 4 ) Solução: De nindo u = ( 3 + ) e 4 Então: = cosh u Pela regra do produto, temos que: u 0 = ( 3 + ) (e 4 ) 0 + ( 3 + ) 0 e 4 u 0 = ( ) e 4 ) u 0 = 4 ( 3 + ) e e 4 Pela regra de derivação de funções hiperbólicas, temos que: 0 = (cosh u) 0 = u 0 sinh u ) 0 = ( ) e 4 sinh (( 3 + ) e 4 ) =tgh ln +3 4 Solução : De nindo u = ln Derivando o ln, temos que: = Assim, =tgh(u) = ( +6) u 0 = Pela regra de derivação de funções hiperbólicas, temos que: 0 = u 0 sech (u) ) 0 = sech ln +3 4 Solução : De nindo u = ln +3 Assim, =tgh(u) 4 Aplicando as propriedades de ln para reescrever a função u, temos que: u = ln ( + 3) 4 ln ) u 0 = 4 = Pela regra de derivação de funções hiperbólicas, temos que: 0 = u 0 sech (u) ) 0 = sech ln 3 = q cotgh (t + ) +3 4 Solução: De nindo u =cotgh(t + ) Então, = p u Pela regra da cadeia, temos que: 0 = p u :u0 ) 0 = p cossech (t + ) (t + ) 0 cotgh(t+) 0 = (t+)cossech (t+) pcotgh(t+) 37 Derivação Implícita De nição 6: Quando a relação entre e é dada por uma equação da forma F ( ) = 0, dizemos que é uma função implítica de

24 99 Uma equação em e pode implicitamente de nir mais do que uma função de :Por eemplo, se resolvermos a equação + = 9, () para em termos de, obtemos = p 9 Assim, encontramos duas funções que estão de nidas implicitamente por (), são f () = p 9 f () = p 9 Os grá cos dessas funções são semicírculos do círculo + = 9 que estão localizados acima e abaio do eio das ordenadas + = 9 f () = p 9 f () = p Observe que o círculo completo não passa no teste da reta vertical, e portanto, não é o grá co de uma função de Contudo, os semicírculos superior e inferior passam no teste da reta vertical Nem sempre é possível de nir a forma eplícita de uma função de nida implicitamente Por eemplos, as funções 3 + = 3, ln = 0, não podem ser epressas na forma = f () O método da derivação implícita permite encontrar a derivada de uma função assim de nida, sem a necessidade de eplicitá-la Derivada de uma função dada implicitamente Suponhamos que F ( ) = 0 de ne implicitamente uma função derivável = f () A derivada de uma função na forma umplícita é obtida usando a regra da cadeia Assim, é possível determinar 0 sem eplicitar Eemplo 4: Derive implicitamente as funções abaio + = 9 Solução: Derivando ambos os membros com relação a, temos que: ( + ) 0 = (9) 0 ) d d + = 0 ) d = d d d 3 + = 3 Solução: Derivando ambos os membros com relação a, temos que: ( 3 + ) 0 = (3) 0 ) 3 + d d = 3 ()0 ) 3 + d d ) ( 3) d d = 3 3 ) d = 3 3 d 3 = d d

25 ln = 0 Solução: Derivando ambos os membros com relação a, temos que: ( ln ) 0 = (0) 0 ) 4 3 d d ) d d d d = 0 d d = 3 ) d d = ln (sin ( )) = e 3 + Solução: Derivando ambos os membros com relação a, temos que: (sin( )) 0 sin( ) = (6 + ) e 3 + ) ( ) 0 cos( ) sin( ) = (6 + ) e 3 + ) ( + 0 )cotg( ) = (6 + ) e 3 + ) (7 6 + cot ( )) 0 = (6 + ) e 3 + cotg( ) ) 0 = (6 +)e 3 + cot( ) cot( ) Eemplo 5: Determine o(s) ponto(s) em que a reta tangente à curva C : = 9 é horizontal Solução: Sabemos que a reta tangente é horizontal nos pontos em que m t = d = 0: d Derivando implicitamente a equação que descreve C, temos que: = 0 ) d = () d + 3 Se + 3 6= 0, então d = 0, = () d Substituindo em C, temos que: = 0 ) + 3 = 0, ou seja, = 3 ou = Substituindo estes valores em (), obtemos: P ( 3 6) e P ( ) Portanto, a reta tangente é horizontal nos pontos P e P, pois satisfazem a condição () 38 Derivada da função inversa Eemplo 6: Considere a função = f () = Solução: Como = d Determine e d + d d, derivando pela regra do quociente, obtemos que + d d = ( + )

26 0 Para determinar d, iremos escrever em função de e, a seguir, derivar d com relação a Se = g () = Lembrando que =, então d + = d ( ), temos que: d d ( + ) = Observe que, d d = d d Neste eemplo, veri camos uma aparente relação que eiste entre a derivada de uma função e a derivada de sua inversa Para determinarmos um relação entre as derivadas de f e f, suponha que ambas as funções são diferenciáveis, e seja = f () (#) Reescrevendo esta equação como = f (), e diferenciando implicitamente com relação a, resulta que d() = d (f ()) ) = f 0 () d ) d = d d d d f 0 () A partir de (#) obtemos a seguinte fórmula que relaciona a derivada de f com a derivada de f d d f () = f 0 (f ()) Podemos enunciar este resultado como: Teorema: Seja = f () uma função de nida em um intervalo aberto (a b) Suponhamos que f () admite uma função inversa = g () contínua Se f 0 () eiste e é diferente de zero para qualquer (a b), então g = f é derivável e g 0 () = f 0 () = f 0 (g ()) Em outras palavras, se = f () admita uma função inversa então d d = d d

27 0 Derivada das funções trigonométricas inversas Derivada da função Arco Seno: Seja f : [ ]! de nida por f () = arcsin Então, = f () é derivável em ( ) e 0 = p Demostração: Sabemos a função arco seno é a inversa da função seno, ou seja, = arcsin, = sin Como (sin ) 0 eiste e é diferente de zero 8 da função inversa, temos que:, pelo teorema da derivada 0 = (sin ) 0 = cos Pela identidade trigonométrica, temos que: cos = p sin Assim, 0 = p sin = p Portanto, 0 = p Derivada da função Arco Cosseno: Seja f : [ ]! [0 ] de nida por f () = arccos Então, = f () é derivável em ( ) e 0 = p Demostração: Sabemos a função arco cosseno é a inversa da função cosseno, ou seja, = arccos, = cos Como (cos ) 0 eiste e é diferente de zero 8 (0 ), pelo teorema da derivada da função inversa, temos que: 0 = (cos ) 0 = sin Pela identidade trigonométrica, temos que: sin = p cos Assim, 0 = p cos = p Portanto, 0 = p

28 03 3 Derivada da função Arco Tangente: Seja f : R! de nida por f () =arctg() Então, = f () é derivável e 0 = + Demostração: Sabemos a função arco tangente é a inversa da função tangente, ou seja, = arctg (), = tg () Como (tg ()) 0 eiste e é diferente de zero 8 da função inversa, temos que:, pelo teorema da derivada 0 = (tg ()) 0 = sec Pela identidade trigonométrica, temos que: sec = tg () + Assim, 0 = tg () + = + Portanto, 0 = + 4 Derivada da função Arco Cotangente: Seja f : R! (0 ) de nida por f () =arccotg() Então, = f () é derivável e 0 = + Demostração: Sabemos a função arco cotangente é a inversa da função cotangente, ou seja, = arccotg (), = cotg () Como (cotg ()) 0 eiste e é diferente de zero 8 (0 ), pelo teorema da derivada da função inversa, temos que: 0 = (cotg ()) 0 = cossec Pela identidade trigonométrica, temos que: cossec = cotg () + Assim, 0 = cotg () + = + Portanto, 0 = + 5 Derivada da função Arco Secante: Seja f () = arcsec (), de nida para jj Então, = f () é derivável para jj > e 0 = jj p Demostração: Sabemos a função arco secante é a inversa da função secante, ou seja, = arcsec (), = sec () = ) = arccos cos

29 04 Pela regra da cadeia, nos pontos em que eiste a primeira derivada, temos que: 0 p = q = p = p p = jj p Portanto, : q = 0 = jj p 6 Derivada da função Arco Cossecante: Seja f () =arccossec(), de nida para jj Então, = f () é derivável para jj > e 0 = jj p Demostração: Sabemos a função arco cossecante é a inversa da função cossecante, ou seja, = arccossec (), = cossec () = ) = arcsin sin Pela regra da cadeia, nos pontos em que eiste a primeira derivada, temos que: 0 = q p = p = jj p Portanto, : q = 0 = jj p Para funções compostas, usando a regra da cadeia, temos que: Se = arcsin u, então 0 = u0 p u Se = arccos u, então 0 = u 0 p u 3 Se =arctg(u), então 0 = u0 +u 4 Se =arccotg(u), então 0 = u 0 +u 5 Se = arcsec (u), então 0 = u 0 juj p u 6 Se =arccossec(u), então 0 = u 0 juj p u Eemplo 7: Determine a derivada das funções f () = arcsin [ln ( )] Solução: De nindo u = ln ( ) Então, u 0 = 0 = p u0 u = p = (ln( )) ( ) p ln ( )

30 05 f () = arcsec e 3 Solução: De nindo u = e 3 Então, u 0 = ( ) e 3 0 u = 0 juj p = (+33 )e 3 u je 3 j p e 3 3 f () =arccossec ln p + Solução: De nindo u = ln p + = ln ( + ) Então, u 0 = 0 = u 0 juj p u = ( +)jln p +j p ln p + + Derivada das funções hiperbólicas inversas Pelo capítulo anterior, sabemos que a função = arg sinh também pode ser escrita como = ln + p + Assim, de nindo u = + p +, segue que: 0 = + p p + = + p + + p + ) 0 = p + : Logo, se = arg sinh, então 0 = p + Por desenvolvimento análogo podem ser obtidas as derivadas das demais funções hiperbólicas inversas A seguir, apresentamos as derivadas das funções hiperbólicas inversas compostas Se = arg sinh u, então 0 = u0 p u + Se = arg cosh u, então 0 = p u0 u, para u > 3 Se = arg tgh(u), então 0 = u0 u, para juj < 4 Se = arg cotgh(u), então 0 = u0 u, para juj > 5 Se = arg sech(u), então 0 = u 0 u p u, para 0 < u < 6 Se = arg cossech(u), então 0 = u 0 juj p +u, para u 6= 0:

31 06 Eemplo 7: Determine a derivada da função = arg tgh cosh (6) Solução: Se u = cosh (6), então: u 0 = cosh (6) sinh (6) = 6 sinh () Assim, 0 = u0 = 6 sinh() u cosh 4 (6) 39 Derivada de uma função na forma paramétrica Função na forma paramétrica Considere a equação + = a () A equação () representa um círculo de raio a Pelos conhecimentos da Geometria Analítica, podemos epressar e como funções de uma paramâmetro t, da seguinte forma: a a t a = a cos t = a sin t, com t [0 ] () a As epressões () e () representam a mesma curva Na equação (), a função é apresentada na forma implícita As equações (), epressam a função na forma paramétrica Sejam = (t) = (t), com t [a b], (3) Então a cada valor de t correspondem dois valores e Considerando estes valores como as coordenadas de um ponto P, podemos dizer que a cada valor de t corresponde um ponto bem determinado do plano Se as funções = (t) e = (t) são contínuas, quando t varia de a até b, o ponto P ( (t) (t)) descreve uma curva no plano As equações (3) são chamadas equações paramétricas da curva C e t é chamado parâmetro Derivada de uma função na forma paramétrica Seja uma função de, de nida pelas equações paramétricas (3) Suponhamos que as funções = (t), = (t) e sua inversa t = t () são deriváveis A função = (), através das equações (3), podem ser vista como função composta = (t ()) (4)

32 07 Aplicando a regra da cadeia em (4), segue que: d d = d dt dt d Como = (t) e t = t () são deriváveis, pelo teorema da derivada para funções inversas, temos que: Logo, dt d = d dt d d = d dt d dt ) t 0 () = 0 (t) ) d d = 0 (t) 0 (t) : = t 3 Eemplo 8: Derive a função representada parametricamente por = t 4 3 Solução: Temos que: 0 (t) = 6t e 0 (t) = 4t 3 Logo, a derivada da função respresentada parametricamente é d d = 0 (t) 0 (t) = 4t3 6t = 3 t t () Para apresentar a derivada d d Neste caso, como = t 3, então t = 3 q + Substituindo em d, temos que: d em termos de, deve-se escrever t como t = d 3p 4 d = 3 3p + Eemplo 9: Considere a função representada parametricamente por p (t) = cos 3 t (t) = p sin 3 : t Determine as equações das retas tangente e normal ao grá co da função no ponto onde t = 4 Solução: Determinando o coe ciente angular, pela derivação de funções dada parametricamente 0 (t) = 3 p cos t: sin t 0 (t) = 3 p sin : t cos t Então, d = 0 (t) = d 0 (t) Em t =, segue que 4 d 3p sin cos t 3 p = sin t = cos t: sin t cos t d t= 4 tan t = :

33 08 E ainda, 4 = p cos = p sin 3 4 ) 0 4 = 0 4 = A equação da reta tangente no ponto é = ) = + : O coe ciente anguar da reta normal é m n = m tg, ou seja, m n = Assim, a equação da reta normal é = ) = : 30 Derivadas de Ordem Superior Se a derivada f 0 de uma função f for ela mesma diferenciável, então a derivada de f 0 será denotada por f 00, sendo chamada de derivada segunda de f À medida que tivermos diferenciabilidade, poderemos continuar o processo de diferenciar derivadas para obter as derivadas terceira, quarta, quinta e mesmo as derivadas mais altas de f As derivadas sucessivas de f são denotadas por f 0, f 00 = (f 0 ) 0, f 000 = (f 00 ) 0, f (4) = (f 000 ) 0, f (5) = f (4) 0, Chamadas de derivadas primeira, segunda, terceira e assim por diante Acima da derivada terceira, ca muito estranho continuar a usar linhas para indicar derivadas Assim sendo, denotamos por inteiros entre parênteses a indicação da ordem das derivadas Nesta notação, a derivada de ordem arbitrária é denotada por f (n) : n-ésima derivada de _ f Derivadas sucessivas também podem ser denotadas por 0 = f 0 () ) d = d [f ()] d d 00 = f 00 () ) d = d d d d [f ()] = d d [f ()] d 000 = f 000 () ) d3 = d d [f ()] = d3 [f ()] d 3 d d d 3 Em geral, escrevemos (n) = f (n) () ) dn d n = dn [f ()] : dn Eemplo 30: Obtenha a epressão da n-ésima derivada das funções abaio: = Solução: Temos que: 0 = =

34 = 60 8 (4) = 0 (5) = 0 (6) = 0 Determinando algumas derivadas, observamos que a forma geral da n-ésima é (n) = 0, 8n 6 = a, para a > 0 e a 6= Solução: Temos que: 0 = ln a:a 00 = ( ln a) :a 000 = ( ln a) 3 :a (4) = ( ln a) 4 :a Determinando algumas derivadas, observamos que a forma geral da n-ésima é (n) = ( ln a) n :a, 8n N 3 = sin Solução: Temos que: 0 = cos = sin + 00 = sin = sin = cos = sin + 3 (4) = sin = sin + 4 Determinando algumas derivadas, observamos que a forma geral da n-ésima é (n) = sin + n, 8n N

35 0 4 = ln (3 + ) Solução: Temos que: 0 = = 3:3 (3+) 000 = 3:3::3 (3+) 3 (4) = 3:3::3:3:3 (3+) 4 Observamos que a forma geral da n-ésima é (n) = ( )n+ 3 n (n )! (3 + ) n, 8n N 5 = +a Solução: Observe que, = ( + a) Assim, temos que: 0 = ( + a) 00 = ( + a) = :3: ( + a) 4 (4) = :3:4: ( + a) 5 Observamos que a forma geral da n-ésima é (n) = ( ) n ( + a) (n+) n! = ( )n n! n+, 8n N ( + a) Eemplo 3: Determine a constante k para que () = k cotgh() sech() seja solução da equação : 0 + cot gh () : cos sech () = 0 Solução: Reescrevendo () = k cotgh() sech(), temos que: () = k cosh : = k = k (sinh ) sinh cosh sinh Assim, 0 () = k (sinh ) cosh = k cosh : sinh Observe que, : 0 + cotgh() : cossech () = k Logo, k cosh sinh + cotgh() : cossech () = ( k + ) cotgh() : cossech () sinh :

36 : 0 + cotgh() : cossech () = 0, ( k + ) cotgh() : cossech () = 0 Dessa forma, a igualdade é satisfeita se, e somente se, k + = 0 ou cotgh() : cossech () = 0 ) k = ou cosh = 0: sinh Conclusão: Se k = então () = k cotgh() sech() é solução da equação diferencial dada 3 Diferenciais e Aproimação Linear Local 3 Incrementos Seja = f () uma função Sempre é possível considerar uma variação da variável independente Se varia de 0 a, de nimos o incremento ou acréscimo de, denotado por, como = 0 Se = f () e se varia de 0 a, então há uma correspondente variação no valor de que vai de 0 = f ( 0 ) até = f ( ), ou seja, o incremento em produz um incremento em, onde = 0 = f ( ) f ( 0 ) () Q 0 P 0 Os incrementos podem ser positivos, negativos ou nulos, dependendo da posição relativa do pontos inicial e nal Por eemplo, na gura anterior, os incrementos e são positivos Observe que, as epressões = 0 e = 0, podem ser reescritas como = 0 + e = 0 + Com esta notação podemos escrever () como = f ( 0 + ) f ( 0 ) Em um ponto qualquer, omitindo-se os subscritos, temos que: Geometricamente, = f ( + ) f ()

37 + Q P + A razão pode ser interpretada como a inclinação da reta secante que passa pelos pontos P ( f ()) e Q ( + f ( + ) ), e, portanto, a derivada de com relação a pode ser epressa como Gra camente, d d!0 f ( + )!0 = f ( ) f () + = f ( + ) f ( ) + 3 Diferenciais Os símbolos d e d que aparecem na derivada são chamados de diferenciais, e o nosso objetivo é de nir estes símbolos de tal forma que se possa tratar d como d uma razão Com essa nalidade, vamos considerar como o e de nir d como uma variável independente, para a qual possa ser atribuído um valor arbitrário Se f for diferenciável em, então de nimos d pela fórmula d = f 0 () d Se d 6= 0, podemos dividir esta epressão por d Assim, d d = f 0 () Como a inclinação da reta tangente a = f () em é m t = f 0 (), as diferenciais d e d podem ser vistas como o avanaço (d) e a elevação (d) correspondentes dessa reta tangente Para ver a diferença entre o incremento e o diferencial d, vamos atribuir às variáveis independentes d e o mesmo valor (d = ) Dessa forma, temos que: (i) representa a variação ao longo da curva =f (), quando são percorridas unidades na direção

38 3 (ii) d representa a variação ao longo da reta tangente =f (), quando são percorridas d unidades na direção = f ( ) d d = + d ( + ) Eemplo 3: Seja = Determine o incremento e o diferencial d em = 3 para d = = 4 unidades Solução: Observe que d = pode ser escrita na forma diferencial como d d = d Para = 3, temos que: d = 6d ) d = 4 unidades ao longo da reta tangente = f (3 + ) f (3) ) = f (7) f (3) = 40 unidades ao longo da curva Assim, d = 6 unidades d Eemplo 3: Seja = ln Determine o incremento e o diferencial d em = para d = = 3 unidades Solução: Observe que d = pode ser escrita na forma diferencial como d d = d Para =, temos que: d = d ) d = 3 = 0:75 unidades ao longo da reta tangente 4 = f ( + ) f () ) = f 7 f () = ln 7 ln = 0:559 6 unidades ao longo da curva Assim, d = 0:90 38 unidades 33 Aproimação Linear Local Uma função diferenciável em P é dita localmente linear em P, quando P é um ponto de diferenciabilidade de uma função f, pois quanto maior for a ampliação em P, mais o segmento da curva contendo P se parecerá com uma reta não-vertical, que é a reta tangente a curva em P

39 4 = f ( ) f ( ) 0 0 Observe que, a equação da reta tangente no ponto ( 0 f ( 0 )) é dada por f ( 0 ) = f 0 ( 0 ) ( 0 ) Como = f (), para valores de próimos de 0, tem-se que f () f ( 0 ) + f 0 ( 0 ) ( 0 ) Esta aproimação é chamada de aproimação linear local e é melhor a medida que! 0 De nindo = 0, podemos escrever a apromação como f ( 0 + ) f ( 0 ) + f 0 ( 0 ) Eemplo 33: Calcule um valor aproimado de 3p 65 5 Solução: Seja a função = 3p Assim, a aproimação linear local para f f ( 0 + ) f ( 0 ) + f 0 ( 0 ) ) 3p 0 + 3p p (+) 0 Observe que: 65 5 = : Assumindo 0 = 64 e = 5, pela aproimação dada em (+), segue que 3p p ( 5) = p (64) Obsere que, o valor calculado diretamente é 3p 65 5 = 4 03 Assim, a diferença entre o valor eato e aproimado, em valor absoluto, é é Eemplo 34: Calcule uma valor aproimado para tg( ) : Solução: Seja = f () a função de nida por f () =tg() Assim, a aproimação linear local para f é f ( 0 + ) f ( 0 ) + f 0 ( 0 ) ) tg( 0 + ) tg( 0 ) + sec ( 0 ) (#) Observe que: = : Assumindo 0 = 45 e = Devemos transformar para radianos: Transformando para minutos, tem-se que: = Transformando = 9 0 para graus, tem-se que: 9 0 = 9 =

40 5 3 E, nalmente, transformando 40 para radianos, obtém-se: 3 = Portanto, pela aproimação dada em (#), tem-se que tg( ) tg(45 ) + sec (45 ) 400 ) tg( ) 0067 Eemplo 35: Determine uma aproimação linear local para f () = sin em torno de = 0 Use esta aproimação para encontrar sin ( ) Solução: Pela aproimação linear local, temos que: f ( 0 + ) f ( 0 ) + f 0 ( 0 ) Para 0 = 0, temos que f () f (0) + f 0 (0) ) sin () sin 0 + (cos 0) ) sin () : (I) Para determinar um valor aproimado de sin ( ), é necessário transformar para radianos A seguir, basta aplicar a relação dada em (I) Transformando para radianos, obtém-se: = Assim, pela aproimação dada em (I), tem-se que sin ( ) = Note que este valor está bem próimo do valor eato, que é sin ( ) = : 34 Diferenciais de ordem superior Se = f () uma função e d = f 0 () d a diferencial desta função Se denomina diferencial segunda de = f () e se representa por d a epressão d = f 00 () d A diferencial terceira de = f () e se representa por d 3 a epressão d 3 = f 000 () d 3 E assim sucessivamente, a epressão da diferencial n-ésima é d n = f (n) () d n Eemplo 36: Obtenha a diferencial n-ésima da função = e Solução: Temos que: d = e ( + ) d d = e ( + ) d d 3 = e ( + 3) d 3 Observamos que a diferencial n-ésima é d n = e ( + n) d n, 8n N

41 6 3 Interpretação Mecânica da Derivada Velocidade Sabemos que velocidade é a variaçãoo do espaço percorrido num determinado intervalo de tempo Supondo que um corpo se move em linha reta e que s (t) respresente o espaço percorrido pelo móvel até o instante t Então no intervalo de tempo entre t e t + t, o corpo sofre um deslocamento s = s (t + t) s (t) De nimos a velocidade média como v m = s s (t + t) s (t) ) v m = t t A velocidade média não nos diz nada a respeito da velocidade do corpo num determinado instante t Para determinar a velocidade instantânea, isto é, a velocidade num instante t devemos fazer t cada vez menor (t! 0) Assim, a velocidade neste instante é o limite das velocidade médias v = v (t) v s (t + t) m t!0 t!0 t s (t) ) v = s 0 (t) Aceleração Lembre que a aceleração é a variação da velocidade num certo intervalo de tempo gasto Por racicínio análogo ao anterior, segue que a aceleração média no intervalo de t até t + t é a m = v v (t + t) v (t) ) a m = t t Para obter a aceleração do corpo no instante t, tomamos sua aceleração média em intervalos de tempo t cada vez menores A aceleração instantânea é a = a (t) a v (t + t) m t!0 t!0 t v (t) ) a = v 0 (t) = s 00 (t) Eemplo 37: No instante t = 0 um corpo inicia um movimento retilíneo e sua posição num instante t é dada por s (t) = t Determinar: t+ (a) a posição no instante t = (b) a velocidade média do corpo para t [ 4] (c) a velocidade do corpo no instante t = (d) a aceleração média do corpo para t [0 4] (e) a aceleração no instante t = Obs: Considere o tempo medido em segundos e a distância em metros

42 7 Solução: (a) A posição do corpo no instante t = é s () = 3 m (b) Para t [ 4], temos que t = Assim, a velocidade média do corpo é v m = s(t+t) s(t) s(4) s() = = m=s: t 5 (c) A velocidade instantânea é v (t) = s 0 (t) = (t+) Então, em t =, obtém-se v () = s 0 () = 9 m=s (d) Para t [0 4], temos que t = 4 A aceleração média do corpo é a m = v(4) v(0) = 6 m=s 4 5 (e) A aceleração instantânea é a (t) = v 0 (t) = (t+) 3 Logo, em t =, temos que a () = 7 m=s 33 Taa de Variação Sabemos que a velocidade é a razão da variação do deslocamento por unidade de variação de tempo Então, dizemos que s 0 (t) é a taa de variação da função s (t) por unidade de variação de t Analogamente, dizemos que a aceleração a (t) = v 0 (t) representa a taa de variação da velocidade v (t) por unidade de tempo Toda derivada pode ser interpretada como uma taa de variação Dada uma função = f (), quando a variável independente varia de a +, a correspondente variação de será = f ( + ) f () Assim, a taa de variação média de com relação a é dada por f ( + ) = f () A taa de variação instantânea é de nida como d d!0 ) f 0 f ( + ) ()!0 f () Eemplo 37: Seja V o volume de um cubo de cm de aresta (a) Calcule a razão da variação média do volume quando varia de 3 cm à 3 cm (b) Calcule a razão da variação instantânea do volume por variação em centímetros no comprimento de aresta, quando = 3 cm Solução: (a) Sabemos que o volume de um cubo é V = 3 Quando varia de 3 cm à 3 cm, temos que = 0 cm Então, a razão da variação média do volume V = V (+) V () ) V V (3) V (3) = = 7 9 cm 3 0 (b) A variação instantânea do volume é dada por V 0 () = 3 Em = 3, temos que: V (3) = 7 cm 3

43 8 34 Taas Relacionadas Nos problemas de taas relacionadas busca-se encontrar a taa segundo a qual certa quantidade está variando em relação a outras quantidades, cujas taas de variação são conhecidas Eemplo 38: O lado de um quadrado ` (em m) está se epandindo segundo a equação ` = +t, onde a variável t representa o tempo Determine a taa de variação da área deste quadrado em t = s Solução: Sejam: t : tempo (em s) ` : lado do quadrado (em m) A : área do quadrado (em m ): Sabemos que, a área de um quadrado é da = da d` ) da dt d` dt dt ) da A (`) = ` Como ` é uma função do tempo, pela regra da cadeia, temos que = ` d` = ( + dt t ) d` dt = (4 + t ) t = 4t 3 + 8t dt Para t = s, temos que: A 0 () = t= ) A 0 () = 48 m =s da dt Eemplo 39: Suponhamos que um óleo derramado através da ruptura do tanque se espalha em uma forma circular cujo raio cresce em uma taa constante de m=s Com que velocidade a área do derramamento de óleo está crescendo quando o raio dele for 0m? Solução: Sejam: t : tempo (em s) r : raio (em m) A : área da circunferência (em m ): O óleo está se espalhando em forma circular, a área do derramamento é A (r) = r Como r é está variando com o tempo, pela regra da cadeia, temos que da = da dr ) da = r dr () dt dr dt dt dt Sabemos que o raio cresce em uma taa constante de m=s Substituindo em (), temos que: da dt = r : Para o raio r = 0m, temos que: A 0 (0) = r=0 ) A 0 (0) = 0 m =s da dr m=s, ou seja, dr dt = Eemplo 40: Uma escada de 50 cm de comprimento está apoiada num muro vertical Se a etremidade inferior da escada se afasta do muro na razão de 90

44 9 cm=s, então com que rapidez está descendo a etremidade superior no instante em que o pé da escada está a 40 cm do muro? (I), temos que: d dt Solução: Sejam: : distância do pé da escada ao muro (em m) : distância do topo da escada ao chão (em m) t : tempo (em s): Nosso objetivo é determinar d, para = 4 m dt Fazendo um esboço, pelo teorema de Pitágoras, temos que: + = (5 ) (I) Como e variam no tempo, derivando implicitamente com relação ao tempo d + = 0 ) d = d (II) dt dt dt Por (I), se = 4 m, então = 4 5 m: Substituindo em (II) e ainda, lembrando que d dt d dt = 0 48 m=s = 90 cm=s, obtém-se Eemplo 4: Acumula-se areia em monte com a forma de um cone cuja altura é igual ao raio da base Se o volume da areia cresce a uma taa de 0 m 3 =h, a que razão aumenta à área da base quando a altura do monte é de 4 m Solução: Sejam: h : altura do monte de areia (em m) r : raio da base (em m) A : área da base (em m ): V : volume de areia (em m 3 ) A área da base corresponde a área de um circulo, isto é, A = r Pela regra da cadeia, a razão que aumenta à área da base é da = da dr ) da = r dr (I) dt dr dt dt dt Precisamos encontrar uma relação para dr dt Como o monte de areia tem a forma de um cone, seu volume é V = 3 r h (II) Lembre que, o raio e a altura são iguais Assim, substituindo r = h em (II), temos que V = 3 r3 (III) Aplicando a regra da cadeia em (III), temos que dv = dv dr ) dv = r dr ) dr = dv dt dr dt dt dt dt r dt Como dv = 0 m 3 =h, temos que dr = 0 : dt dt r Substituindo em (I), temos que: da = r 0 = 0 dt r r Se h = r = 4, então da dt = 5 m =h

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine:

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine: Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia - CCT Unidade Acadêmica de Matemática e Estatística - UAME - Tarde Prova Estágio Data: 5 de setembro de 006. Professor(a):

Leia mais

5. Derivada. Definição: Se uma função f é definida em um intervalo aberto contendo x 0, então a derivada de f

5. Derivada. Definição: Se uma função f é definida em um intervalo aberto contendo x 0, então a derivada de f 5 Derivada O conceito de derivada está intimamente relacionado à taa de variação instantânea de uma função, o qual está presente no cotidiano das pessoas, através, por eemplo, da determinação da taa de

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Exemplos: sen(36º)=0.58, cos(36º)=0.80 e tg(36º)=0.72, Calcular o valor de x em cada figura:

Exemplos: sen(36º)=0.58, cos(36º)=0.80 e tg(36º)=0.72, Calcular o valor de x em cada figura: REVISÃO RELAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS E REDUÇÃO AO PRIMEIRO QUADRANTE DO CICLO TRIGONOMÉTRICO TURMA: ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROF. LUCAS FACTOR Trigonometria no Triangulo Retângulo Considere o triangulo retângulo

Leia mais

Geometria Diferencial de Curvas Espaciais

Geometria Diferencial de Curvas Espaciais Geometria Diferencial de Curvas Espaciais 1 Aceleração tangencial e centrípeta Fernando Deeke Sasse Departamento de Matemática CCT UDESC Mostremos que a aceleração de uma partícula viajando ao longo de

Leia mais

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Função Trigonométrica II Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Resumo das Principais Relações I sen cos II tg sen cos III cotg tg IV sec cos V csc sen VI sec tg VII csc cotg cos sen Arcos e subtração

Leia mais

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá.

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá. ANÁLISE GRÁFICA QUANDO y. CORRESPONDE A ÁREA DA FIGURA Resposta: Sempre quando o eio y corresponde a uma taa de variação, então a área compreendida entre a curva e o eio do será o produto y. Isto é y =

Leia mais

Funções reais de variável real

Funções reais de variável real Funções reais de variável real Função exponencial e função logarítmica 1. Determine a base de cada logaritmo. log a 36 = 2 (b) log a (25a) = 5 (c) log a 4 = 0.4 2. Considere x = log 10 2 e y = log 10 3.

Leia mais

Tópico 2. Funções elementares

Tópico 2. Funções elementares Tópico. Funções elementares.6 Funções trigonométricas A trigonometria (do grego trigonon triângulo + metron medida ) é um ramo da matemática que estuda os triângulos, particularmente triângulos em um plano

Leia mais

FUNÇÕES. 1.Definição e Conceitos Básicos

FUNÇÕES. 1.Definição e Conceitos Básicos FUNÇÕES 1.Definição e Conceitos Básicos 1.1. Definição: uma função f: A B consta de três partes: um conjunto A, chamado Domínio de f, D(f); um conjunto B, chamado Contradomínio de f, CD(f); e uma regra

Leia mais

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano 60 Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano Caderno 1 UNIDADE 1 Significados das operações (adição e subtração) Capítulo 1 Números naturais O uso dos números naturais Seqüência dos números

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

Ondas EM no Espaço Livre (Vácuo)

Ondas EM no Espaço Livre (Vácuo) Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações ELM20704 Eletromagnetismo Professor: Bruno Fontana da Silva 2014-1 Ondas EM

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais

Limites indeterminados e as regras de L'Hopital

Limites indeterminados e as regras de L'Hopital Aula 3 Limites indeterminados e as regras de L'Hopital Nesta aula, estaremos apresentando as regras de L'Hopital, regras para calcular ites indeterminados, da forma 0=0 ou =, usando derivadas. Estaremos

Leia mais

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis 1 4.1 Funções de 2 Variáveis Em Cálculo I trabalhamos com funções de uma variável y = f(x). Agora trabalharemos com funções de várias variáveis. Estas funções aparecem naturalmente na natureza, na economia

Leia mais

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Matemáticas Gerais (Licenciatura em Geologia Caderno de eercícios (eercícios propostos e tabelas Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

2.1 - Triângulo Equilátero: é todo triângulo que apresenta os três lados com a mesma medida. Nesse caso dizemos que os três lados são congruentes.

2.1 - Triângulo Equilátero: é todo triângulo que apresenta os três lados com a mesma medida. Nesse caso dizemos que os três lados são congruentes. Matemática Básica 09 Trigonometria 1. Introdução A palavra Trigonometria tem por significado do grego trigonon- triângulo e metron medida, associada diretamente ao estudo dos ângulos e lados dos triângulos,

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III Unidade 4: Circuitos simples em corrente alternada: Generalidades e circuitos resistivos http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 agosto/26 Na Unidade anterior estudamos o comportamento de

Leia mais

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE QUESTÃO 01 SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES Descritor 11 Resolver problema envolvendo o cálculo de perímetro de figuras planas. Os itens referentes a

Leia mais

Unidade 3 Função Afim

Unidade 3 Função Afim Unidade 3 Função Afim Definição Gráfico da Função Afim Tipos Especiais de Função Afim Valor e zero da Função Afim Gráfico definidos por uma ou mais sentenças Definição C ( x) = 10. x + Custo fixo 200 Custo

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

2 Limites e Derivadas. Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados.

2 Limites e Derivadas. Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. 2 Limites e Derivadas Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. 2.7 Derivadas e Taxas de Variação Copyright Cengage Learning. Todos os direitos reservados. Derivadas e Taxas de Variação

Leia mais

Os eixo x e y dividem a circunferência em quatro partes congruentes chamadas quadrantes, numeradas de 1 a 4 conforme figura abaixo:

Os eixo x e y dividem a circunferência em quatro partes congruentes chamadas quadrantes, numeradas de 1 a 4 conforme figura abaixo: Circunferência Trigonométrica É uma circunferência de raio unitário orientada de tal forma que o sentido positivo é o sentido anti-horário. Associamos a circunferência (ou ciclo) trigonométrico um sistema

Leia mais

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta Capítulo 4 Retas e Planos Neste capítulo veremos como utilizar a teoria dos vetores para caracterizar retas e planos, a saber, suas equações, posições relativas, ângulos e distâncias. 4.1 A reta Sejam

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questão Se Amélia der R$,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia. Se Maria der um terço do que tem a Lúcia, então esta ficará com R$ 6,00 a mais do que Amélia. Se Amélia perder a metade do

Leia mais

Seu pé direito nas melhores Faculdades

Seu pé direito nas melhores Faculdades 10 Insper 01/11/009 Seu pé direito nas melhores Faculdades análise quantitativa 40. No campeonato brasileiro de futebol, cada equipe realiza 38 jogos, recebendo, em cada partida, 3 pontos em caso de vitória,

Leia mais

= 1 1 1 1 1 1. Pontuação: A questão vale dez pontos, tem dois itens, sendo que o item A vale até três pontos, e o B vale até sete pontos.

= 1 1 1 1 1 1. Pontuação: A questão vale dez pontos, tem dois itens, sendo que o item A vale até três pontos, e o B vale até sete pontos. VTB 008 ª ETAPA Solução Comentada da Prova de Matemática 0 Em uma turma de alunos que estudam Geometria, há 00 alunos Dentre estes, 30% foram aprovados por média e os demais ficaram em recuperação Dentre

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA X 1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS 1.2 Triângulo equilátero circunscrito A seguir, nós vamos analisar a relação entre alguns polígonos regulares e as circunferências.

Leia mais

Função Seno. Gráfico da Função Seno

Função Seno. Gráfico da Função Seno Função Seno Dado um número real, podemos associar a ele o valor do seno de um arco que possui medida de radianos. Desta forma, podemos definir uma função cujo domínio é o conjunto dos números reais que,

Leia mais

Aplicações Diferentes Para Números Complexos

Aplicações Diferentes Para Números Complexos Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Aplicações Diferentes Para Números Complexos Capítulo II Aplicação 2: Complexos na Geometria Na rápida revisão do capítulo I desse artigo mencionamos

Leia mais

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES OPERAÇÕES COM FRAÇÕES Adição A soma ou adição de frações requer que todas as frações envolvidas possuam o mesmo denominador. Se inicialmente todas as frações já possuírem um denominador comum, basta que

Leia mais

Trigonometria. Relação fundamental. O ciclo trigonométrico. Pré. b c. B Sabemos que a 2 = b 2 + c 2, dividindo os dois membros por a 2 : a b c 2 2 2

Trigonometria. Relação fundamental. O ciclo trigonométrico. Pré. b c. B Sabemos que a 2 = b 2 + c 2, dividindo os dois membros por a 2 : a b c 2 2 2 Trigonometria Relação fundamental C b a A c B Sabemos que a = b + c, dividindo os dois membros por a : a b c = + a a a sen + cos = Temos também que: b c senα= e cosα= a a Como b tgα= c, concluímos que:

Leia mais

PARTE 11 VETOR GRADIENTE:

PARTE 11 VETOR GRADIENTE: PARTE 11 VETOR GRADIENTE: INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA 11.1 Introdução Dada a função real de n variáveis reais, f : Domf) R n R X = 1,,..., n ) f 1,,..., n ), se f possui todas as derivadas parciais de primeira

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

1 Exercícios de Aplicações da Integral

1 Exercícios de Aplicações da Integral Cálculo I (5/) IM UFRJ Lista 6: Aplicações de Integral Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão 9.5.5 Eercícios de Aplicações da Integral. Eercícios de Fiação Fi.: Esboce o gráco e calcule a área

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 2 do livro de Taha (2008): Introdução O modelo de PL de duas variáveis Propriedades

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Energia produzida Para a industria eólica é muito importante a discrição da variação da velocidade do vento. Os projetistas de turbinas necessitam da informação para otimizar o desenho de seus geradores,

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Matemática Básica Intervalos

Matemática Básica Intervalos Matemática Básica Intervalos 03 1. Intervalos Intervalos são conjuntos infinitos de números reais. Geometricamente correspondem a segmentos de reta sobre um eixo coordenado. Por exemplo, dados dois números

Leia mais

A lei dos senos. Na Aula 42 vimos que a Lei dos co-senos é. a 2 = b 2 + c 2-2bc cos Â

A lei dos senos. Na Aula 42 vimos que a Lei dos co-senos é. a 2 = b 2 + c 2-2bc cos  A UA UL LA A lei dos senos Introdução Na Aula 4 vimos que a Lei dos co-senos é uma importante ferramenta matemática para o cálculo de medidas de lados e ângulos de triângulos quaisquer, isto é, de triângulos

Leia mais

TRIGONOMETRIA CICLO TRIGONOMÉTRICO

TRIGONOMETRIA CICLO TRIGONOMÉTRICO TRIGONOMETRIA CICLO TRIGONOMÉTRICO Arcos de circunferência A e B dividem a circunferência em duas partes. Cada uma dessas partes é um arco de circunferência (ou apenas arco). A e B são denominados extremidades

Leia mais

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS

GEOMETRIA. sólidos geométricos, regiões planas e contornos PRISMAS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS REGIÕES PLANAS CONTORNOS PRISMAS Os prismas são sólidos geométricos muito utilizados na construção civil e indústria. PRISMAS base Os poliedros representados a seguir são denominados prismas. face lateral base Nesses prismas,

Leia mais

A Derivada. 1.0 Conceitos. 2.0 Técnicas de Diferenciação. 2.1 Técnicas Básicas. Derivada de f em relação a x:

A Derivada. 1.0 Conceitos. 2.0 Técnicas de Diferenciação. 2.1 Técnicas Básicas. Derivada de f em relação a x: 1.0 Conceitos A Derivada Derivada de f em relação a x: Uma função é diferenciável / derivável em x 0 se existe o limite Se f é diferenciável no ponto x 0, então f é contínua em x 0. f é diferenciável em

Leia mais

Funções de varias variáveis ou Funções reais de variável vetorial

Funções de varias variáveis ou Funções reais de variável vetorial Funções de varias variáveis ou Funções reais de variável vetorial F : R n R (1,,..., n ) w F( 1,,.., 3 ) n R Dom( F) S S é um subconjunto de R n Eemplo 1: Seja F tal que F : R R (, ) w 1 Identiique o domínio

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y . Cálculo Diferencial em IR.1. Função Exponencial e Função Logarítmica.1.1. Função Exponencial Comecemos por relembrar as propriedades das potências: Propriedades das Potências: Sejam a e b números positivos:

Leia mais

Aplicações das derivadas ao estudo do gráfico de funções

Aplicações das derivadas ao estudo do gráfico de funções Aplicações das derivadas ao estudo do gráfico de funções MÁXIMOS E MÍNIMOS LOCAIS: Seja f uma f. r. v. r. definida num intervalo e D f. 1) f tem um mínimo local f ( ), em, se e só se f ( ) f ( ) para qualquer

Leia mais

PRIMITIVAÇÃO POR PARTES

PRIMITIVAÇÃO POR PARTES PRIMITIVAÇÃO POR PARTES Apretam-se as principais sugestões para eectuar a primitivação por partes com sucesso e uma proposta de resolução dos eercícios apretados PRIMITIVAÇÃO POR PARTES Quando se pretende

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA 1 GRÁFICOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA 1 GRÁFICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA Prof. Irineu Hibler 1 GRÁFICOS Os gráficos desempenham na Física Experimental um papel preponderante. Mais facilmente pelos

Leia mais

SOLUÇÕES. Fichas de Trabalho de Apoio. FT Apoio 7 ; 4.2. 1; 5.1. [ 30, [ ); 5.2. [, 2[ ; 8.6. FT Apoio 8. 2 e 1; 3.2. por exemplo: 3 ou.

SOLUÇÕES. Fichas de Trabalho de Apoio. FT Apoio 7 ; 4.2. 1; 5.1. [ 30, [ ); 5.2. [, 2[ ; 8.6. FT Apoio 8. 2 e 1; 3.2. por exemplo: 3 ou. 11, 6 ; 1 4, 86 ; (A); (D); 41 permite resolver o problema é problema é ( ) SOLUÇÕES Fichas de Trabalho de Apoio FT Apoio 7 S 16 = 17, + ); [, [ Escola EB, de Ribeirão (Sede) ANO LETIVO 11/1 ; 4 1; 1 [,

Leia mais

Unidade 10 Trigonometria: Conceitos Básicos. Arcos e ângulos Circunferência trigonométrica

Unidade 10 Trigonometria: Conceitos Básicos. Arcos e ângulos Circunferência trigonométrica Unidade 10 Trigonometria: Conceitos Básicos Arcos e ângulos Circunferência trigonométrica Arcos e Ângulos Quando em uma corrida de motocicleta um piloto faz uma curva, geralmente, o traçado descrito pela

Leia mais

UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 1

UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 1 ANÁLISE GRÁFICA UNESP - Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá 0.. Introdução Neste capítulo abordaremos princípios de gráficos lineares e logarítmicos e seu uso em análise de dados. Esta análise possibilitará

Leia mais

Lei de Gauss. 2.1 Fluxo Elétrico. O fluxo Φ E de um campo vetorial E constante perpendicular Φ E = EA (2.1)

Lei de Gauss. 2.1 Fluxo Elétrico. O fluxo Φ E de um campo vetorial E constante perpendicular Φ E = EA (2.1) Capítulo 2 Lei de Gauss 2.1 Fluxo Elétrico O fluxo Φ E de um campo vetorial E constante perpendicular a uma superfície é definido como Φ E = E (2.1) Fluxo mede o quanto o campo atravessa a superfície.

Leia mais

SOLUÇÕES. Fichas de Trabalho de Apoio. FT Apoio 7 ; 4.2. 1; 5.1. [ 30, [ ); 5.2. [, 2[ ; 8.6. FT Apoio 8. 2 e 1; 3.2. por exemplo: 3 ou.

SOLUÇÕES. Fichas de Trabalho de Apoio. FT Apoio 7 ; 4.2. 1; 5.1. [ 30, [ ); 5.2. [, 2[ ; 8.6. FT Apoio 8. 2 e 1; 3.2. por exemplo: 3 ou. , 6 ; 4, 86 ; (A); (D); 4 permite resolver o problema é 0 problema é ( ) SOLUÇÕES Fichas de Trabalho de Apoio FT Apoio 7 S 6 = 7, + ); [, [ Escola EB, de Ribeirão (Sede) ANO LETIVO 0/0 ; 4 ; [ 0, [ 9º

Leia mais

TRIGONOMETRIA III) essa medida é denominada de tangente de α e indicada

TRIGONOMETRIA III) essa medida é denominada de tangente de α e indicada MTEMÁTIC TRIGONOMETRI. TRIÂNGULO RETÂNGULO.. Definição Define-se como triângulo retângulo a qualquer triângulo que possua um de seus ângulos internos reto (medida de 90º). Representação e Elementos Catetos:

Leia mais

FUNÇÕES. É uma seqüência de dois elementos em uma dada ordem. 1.1 Igualdade. Exemplos: 2 e b = 3, logo. em. Represente a relação.

FUNÇÕES. É uma seqüência de dois elementos em uma dada ordem. 1.1 Igualdade. Exemplos: 2 e b = 3, logo. em. Represente a relação. PR ORDENDO É uma seqüência de dois elementos em uma dada ordem Igualdade ( a, ( c,d) a c e b d Eemplos: E) (,) ( a +,b ) a + e b, logo a e b a + b a b 6 E) ( a + b,a (,6), logo a 5 e b PRODUTO CRTESINO

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA POSIÇÃO DO CENTRO DE MASSA

CONSERVAÇÃO DA POSIÇÃO DO CENTRO DE MASSA CONSERVAÇÃO DA POSIÇÃO DO CENTRO DE MASSA Problemas deste tipo têm aparecido nas provas do ITA nos últimos dez anos. E por ser um assunto simples e rápido de ser abrodado, não vale apena para o aluno deiar

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros exercícios)

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros exercícios) UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros eercícios) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Eercícios

Leia mais

Faculdade Pitágoras Unidade Betim

Faculdade Pitágoras Unidade Betim Faculdade Pitágoras Unidade Betim Atividade de Aprendizagem Orientada Nº 4 Profª: Luciene Lopes Borges Miranda Nome/ Grupo: Disciplina: Cálculo III Tempo da atividade: h Curso: Engenharia Civil Data da

Leia mais

12 26, 62, 34, 43 21 37, 73 30 56, 65

12 26, 62, 34, 43 21 37, 73 30 56, 65 1 Questão 1 Solução a) Primeiro multiplicamos os algarismos de 79, obtendo 7 9 = 63, e depois somamos os algarismos desse produto, obtendo 6 + 3 = 9. Logo o transformado de é 79 é 9. b) A brincadeira de

Leia mais

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas.

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas. Definição Uma matriz do tipo m n (lê-se m por n), com m e n, sendo m e n números inteiros, é uma tabela formada por m n elementos dispostos em m linhas e n colunas. Estes elementos podem estar entre parênteses

Leia mais

Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte 3. Circunferência. Professores: Cleber Assis e Tiago Miranda

Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte 3. Circunferência. Professores: Cleber Assis e Tiago Miranda Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte Circunferência. 8 ano/e.f. Professores: Cleber Assis e Tiago Miranda Elementos Básicos de Geometria - Parte. Circunferência. 1 Exercícios Introdutórios Exercício

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Calculando volume de sólidos geométricos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Calculando volume de sólidos geométricos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 06 matemática Calculando volume de sólidos geométricos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Aula 15. Integrais inde nidas. 15.1 Antiderivadas. Sendo f(x) e F (x) de nidas em um intervalo I ½ R, dizemos que

Aula 15. Integrais inde nidas. 15.1 Antiderivadas. Sendo f(x) e F (x) de nidas em um intervalo I ½ R, dizemos que Aula 5 Integrais inde nidas 5. Antiderivadas Sendo f() e F () de nidas em um intervalo I ½, dizemos que F e umaantiderivada ou uma rimitiva de f, emi, sef 0 () =f() ara todo I. Ou seja, F e antiderivada

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA FUNÇÃO EXPONENCIAL PROF. CARLINHOS 1 Antes de iniciarmos o estudo da função eponencial faremos uma revisão sobre potenciação. 1. Potência com epoente natural

Leia mais

GABARITO PROVA AMARELA

GABARITO PROVA AMARELA GABARITO PROVA AMARELA 1 MATEMÁTICA 01 A 11 A 0 E 1 C 03 Anulada 13 Anulada 04 A 14 B 05 B 15 C 06 D 16 A 07 D 17 E 08 A 18 C 09 E 19 C 10 C 0 C GABARITO COMENTADO PROVA AMARELA 01. Utilizando que (-1)

Leia mais

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 )

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 ) Estudo da Reta no R 2 Condição de alinhamento de três pontos: Sabemos que por dois pontos distintos passa uma única reta, ou seja, dados A(x 1, y 1 ) e B(x 2, y 2 ), eles estão sempre alinhados. y. B(x

Leia mais

SISTEMA DE EQUAÇÕES DO 2º GRAU

SISTEMA DE EQUAÇÕES DO 2º GRAU SISTEMA DE EQUAÇÕES DO 2º GRAU Os sistemas a seguir envolverão equações do 2º grau, lembrando de que suas soluções constituem na determinação do par ordenado { (x, y )(x, y ) }. Resolver um sistema envolvendo

Leia mais

A integral indefinida

A integral indefinida A integral indefinida Introdução Prof. Méricles Thadeu Moretti MTM/CFM/UFSC. A integração é uma operação fundamental na resolução de problemas de matemática, física e outras disciplinas, além de fazer

Leia mais

A unidade de freqüência é chamada hertz e simbolizada por Hz: 1 Hz = 1 / s.

A unidade de freqüência é chamada hertz e simbolizada por Hz: 1 Hz = 1 / s. Movimento Circular Uniforme Um movimento circular uniforme (MCU) pode ser associado, com boa aproximação, ao movimento de um planeta ao redor do Sol, num referencial fixo no Sol, ou ao movimento da Lua

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA TEXTO: CÍRCULO TRIGONOMÉTRICO AUTORES: Mayara Brito (estagiária da BOM) André Brito (estagiário da BOM) ORIENTADOR:

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof AULA 0 - FUNÇÕES.

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2015-2 a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2015-2 a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - o Ano 205-2 a Fase Proposta de resolução GRUPO I. O valor médio da variável aleatória X é: µ a + 2 2a + 0, Como, numa distribuição de probabilidades de uma variável aleatória,

Leia mais

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1 Capítulo 7 Na aula anterior definimos o produto interno entre dois vetores e vimos como determinar a equação de uma reta no plano de diversas formas. Nesta aula, vamos determinar as bissetrizes de duas

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada Resumo: Estudo do Comportamento das Funções O que fazer? 1º - Explicitar o domínio da função estudada 2º - Calcular a primeira derivada e estudar os sinais da primeira derivada 3º - Calcular a segunda

Leia mais

Preço de uma lapiseira Quantidade Preço de uma agenda Quantidade R$ 10,00 100 R$ 24,00 200 R$ 15,00 80 R$ 13,50 270 R$ 20,00 60 R$ 30,00 160

Preço de uma lapiseira Quantidade Preço de uma agenda Quantidade R$ 10,00 100 R$ 24,00 200 R$ 15,00 80 R$ 13,50 270 R$ 20,00 60 R$ 30,00 160 Todos os dados necessários para resolver as dez questões, você encontra neste texto. Um funcionário do setor de planejamento de uma distribuidora de materiais escolares verifica que as lojas dos seus três

Leia mais

Unidade 11 Geometria Plana I. Congruência e semelhança de figuras planas Relações métricas do triângulo retângulo Triângulo qualquer

Unidade 11 Geometria Plana I. Congruência e semelhança de figuras planas Relações métricas do triângulo retângulo Triângulo qualquer Unidade 11 Geometria Plana I Congruência e semelhança de figuras planas Relações métricas do triângulo retângulo Triângulo qualquer Congruência e Semelhança de Figuras Planas TRIÂNGULOS SEMELHANTES Dois

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de primeiro grau Introdução Equação é toda sentença matemática aberta que exprime

Leia mais

Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares

Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 2 INTRODUÇÃO Considere o problema de determinar as componentes horizontais e verticais das forças que atuam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Produtos Notáveis; Equações; Inequações; Função; Função Afim; Paridade;

Leia mais

Resolução do exemplo 8.6a - pág 61 Apresente, analítica e geometricamente, a solução dos seguintes sistemas lineares.

Resolução do exemplo 8.6a - pág 61 Apresente, analítica e geometricamente, a solução dos seguintes sistemas lineares. Solução dos Exercícios de ALGA 2ª Avaliação EXEMPLO 8., pág. 61- Uma reta L passa pelos pontos P 0 (, -2, 1) e P 1 (5, 1, 0). Determine as equações paramétricas, vetorial e simétrica dessa reta. Determine

Leia mais

Aula 9. Superfícies de Revolução. Seja C uma curva e r uma reta contidas num plano π.

Aula 9. Superfícies de Revolução. Seja C uma curva e r uma reta contidas num plano π. Aula 9 Superfícies de Revolução Seja C uma curva e r uma reta contidas num plano π. Fig. 1: Superfície de revolução S, geratriz C e eixo r contidos no plano π A superfície de revolução S de geratriz C

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2011-2 a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2011-2 a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ano 011 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como no lote existem em total de 30 caixas, ao selecionar 4, podemos obter um conjunto de 30 C 4 amostras diferentes,

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Álgebra Linear Professor: André Luiz Galdino Aluno(a): 4 a Lista de Exercícios 1. Podemos entender transformações lineares

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 3 Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 3 Professor Marco Costa 1 1. (Fgv 97) Uma empresa produz apenas dois produtos A e B, cujas quantidades anuais (em toneladas) são respectivamente x e y. Sabe-se que x e y satisfazem a relação: x + y + 2x + 2y - 23 = 0 a) esboçar

Leia mais

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 TRIGONOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO Considere um triângulo ABC, retângulo em  ( = 90 ), onde a é a medida da hipotenusa, b e c, são as medidas dos catetos e a, β são os ângulos

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 GEOMETRIA Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 O MATERIAL COMO SUPORTE DO PENSAMENTO Muita gente usa o material na sala de aula como se a Geometria estivesse no material.

Leia mais

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano Escola Secundária/ da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática no Lectivo 00/0 Geometria - Revisões º no Nome: Nº: Turma: região do espaço definida, num referencial ortonormado, por + + = é: [] a circunferência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

Resolução Comentada Unesp - 2013-1

Resolução Comentada Unesp - 2013-1 Resolução Comentada Unesp - 2013-1 01 - Em um dia de calmaria, um garoto sobre uma ponte deixa cair, verticalmente e a partir do repouso, uma bola no instante t0 = 0 s. A bola atinge, no instante t4, um

Leia mais

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2.

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2015 Nível 1 1 SOLUÇÕES N2 2015 N2Q1 Solução O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Com um

Leia mais

Usando potências de 10

Usando potências de 10 Usando potências de 10 A UUL AL A Nesta aula, vamos ver que todo número positivo pode ser escrito como uma potência de base 10. Por exemplo, vamos aprender que o número 15 pode ser escrito como 10 1,176.

Leia mais

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1) Arredonde os valores abaixo, para apenas dois algarismos significativos: (a) 34,48 m (b) 1,281 m/s (c) 8,563x10

Leia mais

Cinemática Bidimensional

Cinemática Bidimensional Cinemática Bidimensional INTRODUÇÃO Após estudar cinemática unidimensional, vamos dar uma perspectiva mais vetorial a tudo isso que a gente viu, abrangendo mais de uma dimensão. Vamos ver algumas aplicações

Leia mais