INSTITUI O PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS DO SESCOOP PARANÁ E REVOGA A RESOLUÇÃO N.º 36/2011 DO SESCOOP/PR.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUI O PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS DO SESCOOP PARANÁ E REVOGA A RESOLUÇÃO N.º 36/2011 DO SESCOOP/PR."

Transcrição

1 INSTITUI O PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS DO SESCOOP PARANÁ E REVOGA A RESOLUÇÃO N.º 36/2011 DO SESCOOP/PR. RESOLUÇÃO Nº: 41 SESCOOP/PR 13/10/2014. Cnsiderand a necessidade de prmver e instituir plítica salarial, definind suas trajetórias, pssibilidade de cresciment de carreira, metdlgias de aplicabilidade, bem cm s parâmetrs para cncessã de benefícis as empregads; Cnsiderand s artigs 33, IV e 49, parágraf únic, d Regiment Intern d SESCOOP Nacinal que dispõem sbre a cmpetência estadual para elabrar plan de cargs e saláris e implantar a plítica salarial; Cnsiderand interesse de pssibilitar a adaptaçã ds empregads que exercem funçã cmpatível; Cnsiderand desenvlviment na carreira cm a evluçã funcinal e prfissinal e pssibilidade de evluçã salarial d empregad; Cnsiderand a crescente demanda d SESCOOP/PR em atender as necessidades das Cperativas, entendend prtun e cnveniente a criaçã de funções nmeadas de Crdenaçã nas áreas mei e fins e; Cnsiderand a estruturaçã de saláris, representada pel mercad, inclusive pela cncessã de gratificaçã de funçã, quand cuber; 1

2 O Cnselh Administrativ d SESCOOP Paraná, em cnfrmidade cm as atribuições que lhe sã cnferidas pel Regiment Intern, n artig 3º, incis I, cmbinad cm artig 8º, incis IV e 31, bservad planejament estratégic d SESCOOP Nacinal, RESOLVE instituir e regulamentar presente Plan de Cargs e Saláris e Benefícis na seguinte frma, revgand a Resluçã Nº 36 de SUMÁRIO CAPÍTULO I - GLOSSÁRIO CAPÍTULO II - DOS CARGOS CAPÍTULO III - DO PROVIMENTO DOS CARGOS CAPÍTULO IV - GRATIFICAÇÃO DE FUNÇÃO NOMEADA CAPÍTULO V PROGRESSÃO HORIZONTAL CAPÍTULO VI ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CAPÍTULO VII - DA GRATIFICAÇÃO ANUAL POR PRODUTIVIDADE CAPÍTULO VIII - DOS BENEFÍCIOS CAPÍTULO IX - DISPOSIÇÕES FINAIS ANEXOS TABELA DE CLASSES SALARIAIS DESCRIÇÃO DOS CARGOS E FUNÇÕES 2

3 CAPÍTULO I GLOSSÁRIO Art. 1. Para efeits desta nrma cnsidera-se: I. Tarefa - é cada atividade desempenhada pel empregad, cnsiderada individualmente, para btençã de um determinad resultad; II. Funçã - é cnjunt de tarefas (atividades) atribuídas a um empregad; III. Carg - cnjunt de atribuições e respnsabilidades previstas na estrutura rganizacinal de um empregad; IV. Prgressã hrizntal: é a evluçã salarial d empregad, sem mudança de carg, cnsiderand-se, alternadamente, s critéris de antiguidade e mereciment; VI. Adicinal de Qualificaçã Prfissinal: é a evluçã salarial d empregad, sem mudança de carg, cnsiderand, entre utrs requisits, cresciment acadêmic. VI. Gratificaçã de Funçã Nmeada de Crdenaçã: Cnstitui um adicinal de natureza salarial instituíd e pag pel empregadr em decrrência d desempenh da funçã de Crdenaçã; VII. Gratificaçã Anual pr Prdutividade: trata-se de um valr financeir, cncedid anualmente n 1 quadrimestre as empregads, cndicinad a cumpriment de bjetivs e metas, d exercíci anterir, traçads quand d planejament geral d SESCOOP/PR. VIII. Tabela de Classes Salariais: é a grade estrutural que representa psicinament d empregad na matriz de saláris, cuja revisã ds valres, se pera autmaticamente, de acrd cm a respectiva Cnvençã Cletiva de Trabalh u Acrd Cletiv de Trabalh. IX. GAP: Gratificaçã Anual Pr Prdutividade; VGAP: Valr da Gratificaçã Anual Pr Prdutividade; VGAPI: Valr da Gratificaçã Anual Pr Prdutividade Individual; VGAPI 1: Valr da Gratificaçã Anual Pr Prdutividade individual 25% VGAPI 2: Valr da Gratificaçã Anual Pr Prdutividade Individual 75% 3

4 CAPÍTULO II DOS CARGOS Art. 2. O Plan de cargs e saláris cmpreende s seguintes cargs: 1 Cargs Diretivs: Presidente Superintendente 2 Cargs de Gerência: Gerente de Desenvlviment Cperativ 2.2 Gerente de Desenvlviment Human 3 Carg de Crdenaçã 3.1 Crdenadr Administrativ Financeir 4 Técnics relacinads as bjetivs fins: 4.1 Analista Técnic Especializad 4.2 Analista de Desenvlviment Cperativista 4.3 Analista de Desenvlviment Human 4.4 Analista Ecnômic Financeir 4.5 Assistente técnic 5 Cargs Técnics relacinads as bjetivs cmplementares: 5.1 Auditr Intern 5.2 Assessr Jurídic 5.3 Assessr de Imprensa 5.4 Cntadr 5.5 Analista de Sistemas 5.6 Analista de Suprte 5.7 Assessr de Planejament 5.8 Assessr em Cperativism 5.9 Biblitecári(a) 5.10 Assessr de Marketing 5.11 Designer Gráfic 5.12 Assistente de Cmunicaçã 6 Cargs Administrativs: 6.1 Assessr Financeir 6.2 Assessr Administrativ 6.3 Analista de Recurss Humans 6.4 Assistente Administrativ 6.5 Assistente de Patrimôni 6.6 Secretária 7 Cargs Auxiliares: 7.1 Recepcinista 7.2 Auxiliar de serviçs gerais 7.3 Auxiliar de serviçs de cpa e limpeza 7.4 Técnic de Suprte 4

5 CAPÍTULO III DO PROVIMENTO DOS CARGOS Art. 3. O ingress d empregad n SESCOOP/PR se faz através de seleçã pública externa, excetuand-se s cargs Diretivs e de Gerência, bedecend as princípis cnstitucinais d artig 37 da Carta Magna, especialmente s de publicidade, impessalidade e isnmia. Parágraf primeir. O prviment ds cargs diretivs será feit na frma prevista n Regiment Intern d SESCOOP/PR. Parágraf segund. O superintendente será nmead e cntratad pel Presidente, após aprvaçã pel Cnselh Administrativ, ns terms d Regiment Intern d SESCOOP/PR. 1 Parágraf terceir. Os Gerentes serã selecinads pel Superintendente e nmeads pel Presidente, pr mei de prtaria específica, ns terms d Regiment Intern d SESCOOP/PR 2 ; bservad dispst n artig 62, II, parágraf únic da CLT 3. Art. 4. A mbilidade funcinal d empregad para utrs cargs que cmpõem a estrutura d Plan de Cargs e Saláris pderá ser feita nas seguintes hipóteses: I. Quand huver cmpatibilidade entre as tarefas atribuídas a carg e da seleçã pública de ingress e nã haja alteraçã de salári u; II. Quand huver extinçã d carg cupad pel empregad. CAPÍTULO IV GRATIFICAÇÃO DE FUNÇÃO NOMEADA DE COORDENAÇÃO Art. 5. A gratificaçã de funçã é cndicinada a seu efetiv exercíci. Enquant empregad exercê-la, receberá benefíci. Quand deixar a funçã, a gratificaçã crrespndente será suprimida; destinada àqueles empregads que exercem funções especiais u de mair respnsabilidade. 4 1 Art. 16º - O Superintendente será nmead e cntratad pel Presidente, após aprvaçã pel Cnselh Administrativ Estadual. 2 Art. 17º - Os órgãs da estrutura funcinal d SESCOOP/PR serã dirigids pr assessres e gerentes nmeads pel Presidente d Cnselh Administrativ Estadual, mediante prpsta d Superintendente. 3 II - s gerentes, assim cnsiderads s exercentes de cargs de gestã, as quais se equiparam, para efeit d dispst neste artig, s diretres e chefes de departament u filial. (Incluíd pela Lei nº 8.966, de ) Parágraf únic - O regime previst neste capítul será aplicável as empregads mencinads n incis II deste artig, quand salári d carg de cnfiança, cmpreendend a gratificaçã de funçã, se huver, fr inferir a valr d respectiv salári efetiv acrescid de 40% (quarenta pr cent). 4 BOMFIM, Direit d Trabalh. 9ª Ed, Sã Paul, Métd, 2014, p

6 Art. 6. O Presidente d SESCOOP/PR, pr mei de Prtaria que regulamente e dispnha sbre valr da gratificaçã, referendada pel Cnselh Administrativ, pderá nmear à funçã gratificada de Crdenaçã, pr mei de indicaçã d Superintendente, empregad cupante de um ds Cargs Técnics u Administrativs, discriminads ns itens 4, 5 u 6 d Artig 2. Parágraf Primeir. A nmeaçã depende, ainda, d preenchiment ds seguintes requisits: a) Titulaçã acadêmica avançada, n mínim Pós-graduaçã lat sensu. b) Mínim de 03 ans de ingress n SESCOOP/PR; Parágraf Segund. Sã passíveis de nmeaçã as seguintes Funções de Crdenaçã, cm as atribuições definidas n Anex II, letra B): a) Crdenadr Técnic; b) Crdenadr de Cmunicaçã Scial; c) Crdenadr de Tecnlgia da Infrmaçã; d) Crdenadr de Planejament e Cntrle; e) Crdenadr Administrativ Financeir; f) Crdenadr Jurídic. Parágraf Terceir. O empregad nmead na funçã de Crdenadr, a critéri d SESCOOP/PR, pde, a qualquer temp, ser destituíd da funçã nmeada, deixand de receber a gratificaçã crrespndente, bservad disciplinad pela Súmula nº 372 d TST. 5 Parágraf Quart. A nmeaçã d empregad para a funçã de Crdenaçã deve guardar crrespndência cm a área de atuaçã d mesm. Parágraf Quint. Os cupantes de cargs de Gerencia u Crdenaçã, existentes n plan de cargs e saláris anterir, Resluçã n 36/2011, nã sã alcançads pela Gratificaçã de Funçã, dispsta pr este capítul. Parágraf Sext. A gratificaçã de funçã nã altera as dispsições cnstantes na tabela de classes salariais (anex I). 5 GRATIFICAÇÃO DE FUNÇÃO. SUPRESSÃO OU REDUÇÃO. LIMITES (cnversã das Orientações Jurisprudenciais ns 45 e 303 da SBDI-1) - Res. 129/2005, DJ 20, 22 e I - Percebida a gratificaçã de funçã pr dez u mais ans pel empregad, se empregadr, sem just mtiv, revertê-l a seu carg efetiv, nã pderá retirar-lhe a gratificaçã tend em vista princípi da estabilidade financeira. (ex-oj nº 45 da SBDI-1 - inserida em ) II - Mantid empregad n exercíci da funçã cmissinada, nã pde empregadr reduzir valr da gratificaçã. (ex-oj nº 303 da SBDI-1 - DJ ) 6

7 CAPÍTULO V PROGRESSÃO HORIZONTAL Art. 7. É aument salarial que crre de frma alternada pr antiguidade e mereciment, bem cm àquelas necessárias à adequaçã salarial a mercad de trabalh prfissinal, cm fundament n artig 26 e 27 d Regiment Intern SESCOOP/PR 6 e artig 461, 3 da CLT 7, cnfrme segue: I. Periódica: de 04 (quatr) em 04 (quatr) ans será cncedid um aument salarial crrespndente a 20% (vinte pr cent) da média ds 04 (quatr) últims reajustes salariais atribuíds pel Acrd/Cnvençã Cletiva de Trabalh da categria prfissinal d SESCOOP/PR, prprcinalmente a temp de trabalh d empregad n quadriêni. II. Meritória: de 04 (quatr) em 04 (quatr) ans pderá ser cncedid um aument salarial de até 20% (vinte pr cent) da média ds 04 (quatr) últims reajustes salariais atribuíds pel Acrd/Cnvençã Cletiva de Trabalh da categria prfissinal d SESCOOP/PR, prprcinalmente a temp de trabalh d empregad n quadriêni. Parágraf únic: A primeira prgressã meritória dar-se-á n an de 2015, utilizand-se cm parâmetr as avaliações meritórias anuais d últim quadriêni: 2011, 2012, 2013 e As prgressões meritórias seguintes terã cm base as avaliações meritórias d quadriêni crrespndente. As avaliações de mérit serã analisadas e preenchidas, anualmente, pel superir imediat d empregad avaliad, bservand-se percentual de metas alcançad pel empregad, cnfrme regulad na Prtaria SESCOOP/PR n 06/2010 de 22 de nvembr de III. Mercadlógica: Acréscim salarial para adequaçã d salári d empregad cm praticad pel mercad de trabalh, cndicinad a pesquisa de mercad e aprvaçã pel Cnselh Administrativ. Tal mdalidade de prgressã visa atrair u manter empregads e aplicar-se-á exclusivamente a cargs que se encntrem defasads em 6 Art. 26 Os empregads d SESCOOP/PR serã submetids à periódica avaliaçã, visand aferir seu desempenh prfissinal. Art A plítica salarial e plan de benefícis, que se fizerem necessáris, serã definids n plan de cargs, saláris e benefícis, de respnsabilidade d SESCOOP/PR. 7 3º - N cas d parágraf anterir, as prmções deverã ser feitas alternadamente pr mereciment e pr antiguidade, dentr de cada categria prfissinal. 7

8 relaçã a mercad. Esta adequaçã crrerá independente da prgressã meritória u Periódica. 8 CAPÍTULO VI ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Art. 8. Pderá ser cncedid a empregad, Adicinal de Qualificaçã Prfissinal, equivalente a 01 (um) nível de referência salarial, pr investiment na qualificaçã prfissinal, atendids s seguintes requisits: a) Mínim de 05 (cinc) ans de efetiva atuaçã n carg; b) Tenha investid em seu desenvlviment prfissinal, pr mei de evluçã acadêmica na respectiva área de atuaçã, cmpatível cm as atribuições desempenhadas n carg e de acrd cm respectiv planejament individual de metas; cmprvad pr certificad u diplma de curs de lnga duraçã, cncluíd após iníci de vigência desta Resluçã, que represente mudança de nível superir para mestrad; mestrad para dutrad; u dutrad para pós-dutrad. c) Tenha alcançad índice acima de 90% (nventa pr cent) nas avaliações anuais; Parágraf Únic: A avaliaçã d Adicinal de Qualificaçã Prfissinal crrerá anualmente pela Cmissã de Avaliaçã d Cumpriment de Objetivs e Metas d SESCOOP/PR, que encaminhará s pedids para deliberaçã d Presidente d SESCOOP/PR. CAPÍTULO VII DA GRATIFICAÇÃO ANUAL POR PRODUTIVIDADE Art. 9. A Gratificaçã Anual pr PRODUTIVIDADE trata-se de um valr financeir, cncedid anualmente n 1 quadrimestre, as empregads d SESCOOP/PR; atrelada a cumpriment de bjetivs e metas, d exercíci anterir, traçads quand d planejament geral d SESCOOP/PR. Art. 10. A Gratificaçã Anual pr PRODUTIVIDADE tem intuit de incentivar empregad d SESCOOP/PR, a se dedicar, dentr de suas funções, cm máxim de 8 AC /08-2 Sessã: 03/06/08 Grup: II Classe: II Relatr: Ministr BENJAMIN ZYMLER: N tcante à extraplaçã d tet remuneratóri cnstitucinal, nã subsiste a irregularidade, prquant entendiment atual deste Tribunal, manifestad ns Acórdãs nºs 2.788/2006-1ª Câmara e 288/2007-Plenári, é n sentid de que s serviçs sciais autônms nã se sujeitam as limites remuneratóris cnstantes d incis XI d art. 37 da Cnstituiçã, embra devam ter cm balizadres s saláris praticads pel mercad. 8

9 PRODUTIVIDADE, alcançand e superand as metas prpstas de maneira individual, refletind-se n esfrç cletiv de tds s empregads, independentemente d setr de atuaçã, cm fulcr n princípi da eficiência dispst n caput d artig 37 da Cnstituiçã Federal. Art. 11. O Regiment Intern d SESCOOP/PR pssibilita a avaliaçã periódica ds empregads 9. Desse md, será realizada criterisa análise d últim relatóri de planejament anual de metas d SESCOOP/PR, alcançads s bjetivs e as metas, cnfrme percentual a seguir indicad, a Diretria Executiva gratificará a prdutividade ds empregads. Parágraf Primeir. O percentual d valr da Gratificaçã Anual pr PRODUTIVIDADE será fundamentad em bjetivs e metas glbais, fmentand envlviment de tds s setres, vist que, se uma área nã alcançar seus bjetivs e/u metas, influenciará negativamente n valr da Gratificaçã Anual pr PRODUTIVIDADE de tds s empregads. Parágraf Segund. Quand d planejament anual, Superintendente encaminhará a Presidente e este a Cnselh Administrativ, a prpsta d rçament anual da flha salarial ds empregads d SESCOOP/PR, incluind um valr máxim, limitad a 01 (uma) flha de salári mensal, a ser destinad cm Valr da Gratificaçã Anual pr PRODUTIVIDADE (VGAP). Parágraf Terceir. A apuraçã d VGAP = VALOR DA GRATIFICAÇÃO ANUAL POR PRODUTIVIDADE, tem cm base de cálcul índice de alcance ds bjetivs e metas traçadas quand d planejament geral d SESCOOP/PR, bedecend, ainda, s seguintes parâmetrs: Cumpriment de 100% das metas % d VGAP Cumpriment de 90 a 99% das metas - 90 a 99% d VGAP Cumpriment de metas inferir a 90% - 00 % d VGAP Art. 12. O VALOR DA GRATIFICAÇÃO ANUAL POR PRODUTIVIDADE INDIVIDUAL (VGAPI) é definid em dis mments, primeir tratand de 25 % (vinte e cinc pr cent) d VGAP, dividid igualitariamente entre tds s empregads; e últim, referente a 75 % (setenta e cinc pr cent) restante d VGAP, prprcinal a salári individual de cada empregad d SESCOOP/PR. 9 Art. 26 Os empregads d SESCOOP/PR serã submetids à periódica avaliaçã, visand aferir seu desempenh prfissinal. 9

10 I - Em relaçã a percentual de 25 % (vinte e cinc) d VGAP. Parágraf Primeir. VGAPI 1 = 25% d VGAP (variand cnfrme cumpriment de metas)/númer de empregads/12; Parágraf Segund. O VGAPI 1, em seguida, deverá ser multiplicad pel númer de meses efetivamente labrads pel empregad, entendend-se cm mês trabalhad a fraçã igual u superir a 15 dias de trabalh. II - Em relaçã a percentual de 75 % (setenta pr cent) d VGAP. Parágraf Primeir. VGAPI 2 = Salári d empregad x 75% d VGAP x percentual de cumpriment de metas/12 meses; Parágraf Segund. O VGAPI 2, em seguida, deverá ser multiplicad pel númer de meses efetivamente labrads pel empregad, entendend-se cm mês trabalhad a fraçã igual u superir a 15 dias de trabalh. Art. 13. Nã send alcançad mínim de 90 % das metas físicas e financeiras, cnfrme indicad n planejament d rçament anual, bservand-se as respectivas refrmulações n exercíci, nã haverá a cncessã da GRATIFICAÇÃO ANUAL POR PRODUTIVIDADE, devend mntante prvisinad retrnar a rçament d SESCOOP/PR, servind cm recurs para exercíci seguinte. Art. 14. O empregad que fr desligad, u que pedir demissã, smente fará jus à GRATIFICAÇÃO ANUAL POR PRODUTIVIDADE, se tiver labrad durante td exercíci avaliad. Os cass de demissã pr justa causa desqualifica empregad d recebiment da GRATIFICAÇÃO ANUAL POR PRODUTIVIDADE. Art. 15. O SESCOOP/PR é respnsável pel reclhiment ds encargs trabalhistas vigentes relativs à gratificaçã anual pr prdutividade, cabend as empregads as retenções fiscais incidentes. CAPÍTULO VIII DOS BENEFÍCIOS Art. 16. O SESCOOP/PR pderá cnceder as empregads s seguintes benefícis: I. Vale transprte, de acrd cm que determina a legislaçã; II. Vale refeiçã, mdalidade utilizada para pagament de refeições em restaurantes e similares, cm participaçã d empregad em 10% d valr nminal; III. Segur de vida em grup e acidentes pessais; 10

11 IV. Plan de saúde; V. Blsa de Estud: benefíci cncedid para suprir as despesas de participaçã d interessad em Prgramas de Desenvlviment e Aperfeiçament Pessal de lnga, média e curta duraçã cm pagament parcial u ttal, cnfrme critéris definids em Resluçã própria; VI. Gratificaçã pr prdutividade; VII. Adicinal de Qualificaçã; VIII. Prgressã Hrizntal; IX. Previdência Privada Cmplementar; CAPÍTULO IX DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 17. O SESCOOP/PR pderá realizar peridicamente a adequaçã ds cargs e saláris cm base em pesquisa de mercad e após a aprvaçã pel Cnselh Administrativ bservand dispst n artig 461, 1 a 4, da CLT. Art. 18. Cm a implantaçã d presente Plan de Cargs e Saláris, ficam extints s seguintes cargs: Crdenadr de Desenvlviment Cperativ; Crdenadr de Desenvlviment Human e Auditr de Gestã. Parágraf Únic: Os empregads cupantes ds referids cargs pderã slicitar enquadrament n presente Plan de Cargs e Saláris, u manter-se n mesm carg d PCS (Resluçã 36/2011), em situaçã de extinçã: PCS 36/2011 PCS 41/2014 Crdenadr de Desenvlviment Cperativ Analista Técnic Especializad Crdenadr de Desenvlviment Human Analista Técnic Especializad Auditr de Gestã Analista Técnic Especializad Esta resluçã entra em vigr na data de sua assinatura, revgand-se a Resluçã n 36 de 11/07/2011. Curitiba, 13 de utubr de JOÃO PAULO KOSLOVSKI PRESIDENTE DO SESCOOP/PR 11

12 ANEXO I TABELA DE CLASSES SALARIAIS 40 HORAS SEMANAIS NIVEL FUNDAMENTAL NF1 NF2 NF3 NF4 NF5 NF6 NF7 NF8 NF9 NF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,40 NF11 NF12 NF13 NF14 NF15 NF16 NF17 NF18 NF19 NF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,45 40 HORAS SEMANAIS NIVEL MÉDIO NM1 NM2 NM3 NM4 NM5 NM6 NM7 NM8 NM9 NM , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,52 NM11 NM12 NM13 NM14 NM15 NM16 NM17 NM18 NM19 NM , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,94 40 HORAS SEMANAIS NÍVEL SUPERIOR NS1 NS2 NS3 NS4 NS5 NS6 NS7 NS8 NS9 NS , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,41 NS11 NS12 NS13 NS14 NS15 NS16 NS17 NS18 NS19 NS , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,19 NS21 NS22 NS23 NS24 NS25 NS26 NS27 NS28 NS29 NS , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,59 NS31 NS32 NS33 NS34 NS35 NS36 NS37 NS38 NS39 NS , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,36 40 HORAS SEMANAIS - GERENTE GE1 GE2 GE3 GE4 GE5 GE6 GE7 GE8 GE9 GE , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,31 GE11 GE12 GE13 GE14 GE15 GE16 GE17 GE18 GE19 GE , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,46 40 HORAS SEMANAIS - SUPERINTENDENTE SU01 SU02 SU03 SU04 SU05 SU06 SU07 SU08 SU09 SU , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,39 SU11 SU12 SU13 SU14 SU15 SU16 SU17 SU18 SU19 SU , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,33 12

13 ANEXO II DESCRIÇÃO DOS CARGOS E FUNÇÕES 1) CARGOS DIRETIVOS (DE GESTÃO) A - CARGOS Presidente Requisit: Ensin Superir Descriçã de funçã, ns terms d Regiment Intern d SESCOOP/PR: Executar a plítica de atuaçã d SESCOOP, respndend perante Tribunal de Cntas da Uniã pels ats da sua gestã; Representar a Administraçã Estadual em juíz u fra dele e cnstituir prcuradres; Cnvcar e presidir as reuniões d Cnselh Administrativ; Editar e prmver cumpriment das prtarias, resluções e deliberações d Cnselh Nacinal; aprvar regulaments interns e suas alterações, definind as atribuições, a rganizaçã e a cmpetência ds setres administrativs e peracinais; Assinar s cnvênis, cntrats, ajustes e utrs instruments jurídics; Assinar s cheques e s dcuments de abertura e mvimentaçã de cntas bancárias em cnjunt cm Superintendente u cm funcinári especialmente designad, pr intermédi de instrument particular de prcuraçã que estabeleça s limites ds pderes cnferids e a vigência da prcuraçã, cuj períd nã excederá mandat em exercíci; Indicar, nmear e cntratar Superintendente e estabelecer sua remuneraçã, mediante aprvaçã d Cnselh Administrativ Estadual; Cumprir a legislaçã pertinente ns prcediments licitatóris; Dar psse as membrs ds Cnselhs Administrativ Estadual e Cnselh Fiscal; Nmear s assessres e gerentes ds órgãs interns d SESCOOP/PR, pr prpsta d Superintendente; Avcar à sua análise de julgament u decisã quaisquer questões em assunts que nã sejam da cmpetência d Cnselh Administrativ Estadual u que nã tenham sid pr este avcads; Encaminhar a Cnselh Administrativ, as prpstas de Plans de Trabalh, ds rçaments anuais e plurianuais e balanç patrimnial, demais demnstrações financeiras, parecer d Cnselh Fiscal Estadual e relatóri anual de atividades; Superintendente Requisit: Ensin Superir cm Pós-Graduaçã. Descriçã de funçã, ns terms d Regiment Intern d SESCOOP/PR: Organizar, administrar e executar n Paraná, cm api e cperaçã da OCEPAR, ensin de frmaçã prfissinal e de gestã cperativista; desenvlviment, a prmçã scial ds trabalhadres em cperativas; ds cperads e seus familiares Organizar cadastr, mnitrament, cntrle, cnsultria e auditria e supervisã em cperativas; Exercer a crdenaçã, supervisã e fiscalizaçã da execuçã ds prgramas e prjets de frmaçã prfissinal, de gestã cperativista e de prmçã scial n Estad; 13

14 Articular-se cm órgãs e entidades públicas u privadas estabelecend instruments de cperaçã; Encaminhar a Cnselh Administrativ relatóri semestral de execuçã, cm base n plan anual de trabalh; Dirigir, rdenar e cntrlar as atividades técnicas e administrativas da Administraçã Estadual, praticand s ats pertinentes de sua gestã; Assinar, juntamente cm Presidente d Cnselh Administrativ, u seus prcuradres devidamente cnstituíds, cheques e dcuments de abertura e mvimentaçã de cntas bancárias; Cumprir e fazer cumprir as nrmas em vigr da Administraçã Estadual, d Cnselh Administrativ e d seu Presidente; Praticar s ats de admissã, gestã e demissã ds empregads, sb a supervisã d Presidente d Cnselh Administrativ; Encaminhar a Cnselh Administrativ, através d Presidente, as prpstas de Plans de Trabalh, ds rçaments anuais e plurianuais e balanç geral, demais demnstrações financeiras, parecer d Cnselh Fiscal Estadual e s relatóris semestral e anual de atividades; Secretariar as reuniões d Cnselh Administrativ; Elabrar e submeter a Presidente d Cnselh Administrativ s prjets de ats e nrmas cuja decisã extraple sua cmpetência; Expedir instruções de serviç visand cumpriment eficiente ds bjetivs d SESCOOP e das nrmas editadas pel Cnselh Administrativ; Estabelecer e difundir metdlgias adequadas à frmaçã prfissinal e prmçã scial d trabalhadr nas sciedades cperativas. Ministrar palestras e/u curss. 2) 2. CARGOS DE GERÊNCIA Gerente de Desenvlviment Cperativ Requisit: Ensin Superir cm Pós-Graduaçã. Descriçã de funçã: Gerenciament d prgrama de autgestã e mnitrament das cperativas n Paraná; Gerenciar as atividades vltadas à rientaçã e acmpanhament na cnstituiçã e registr de nvas cperativas, respeitand-se s princípis que nrteiam cperativism, a viabilidade d negóci a ser iniciad e respeit a Lei, que é cnsiderad açã preventiva de mnitrament; Gerenciar as atividades vltadas a acmpanhament da gestã das cperativas, via prcess de análise de dads, cm frmaçã de cenáris cmparativs para cntribuir na rientaçã ds rums de cnduçã ds negócis em cperaçã frente a mercad e a cncrrência, send dirigid em três frentes de acmpanhament: Ecnômic e financeir - análise da maximizaçã da utilizaçã ds recurss físics e financeirs da cperativa, gerand melhres resultads. 14

15 Recurss humans - à análise e maximizaçã da utilizaçã destes e acmpanhament da cnstante prfissinalizaçã. Viabilidade ds cperads - vltad a análise de desempenh da atividade ds cperads, através de indicadres de desempenh cmparativ. Gerenciar as atividades, através de acmpanhament ds executres d prcess de certificaçã integral da gestã, e d cntrle de qualidade da atuaçã d Cnselh Fiscal, Auditria Interna e Auditria externa, nas cperativas; Gerenciar as atividades vltadas a acmpanhament e rientaçã na realizaçã de cnsultrias especializadas requeridas para melhria da atuaçã das cperativas; Clabrar cm a gerência da área de Desenvlviment Human, para determinar demandas apuradas a partir d mnitrament e acmpanhament da gestã das cperativas; Cumprir regiment, resluções e nrmas pertinentes a planejament e execuçã rçamentária da entidade; Integrar-se a gerente de desenvlviment human na gerência de atividades demandadas pelas unidades reginais. Aprvar relatóris de events e viagens Ministrar palestras e/u curss Gerente de Desenvlviment Human Requisit: Ensin Superir cm Pós-Graduaçã. Descriçã de funçã: Planejar, crdenar e supervisinar prgrama anual e plurianual de frmaçã, treinament e prmçã scial junt às cperativas paranaenses; Encaminhar a Superintendente planejament final da rganizaçã e cntrle ds events prevists n prgrama; Analisar estatísticas e relatóris das atividades executadas gerand dads e subsídis para a avaliaçã ds prgramas de treinament; Prpr métds de trabalh que facilitem alcance ds bjetivs e que prprcinem graus de satisfaçã as grups treinads; Gerenciar prgramas e plans de treinament técnics e administrativs, de sua área de atuaçã; Prmver a divulgaçã ds prgramas de treinament junt às cperativas e entidades afins, redefinind, ajustand u adequand s bjetivs prpsts a grup participante; Gerenciar cnvênis cm as cperativas para prmçã ds curss descentralizads; Buscar a integraçã das ações de prfissinalizaçã d Sescp/PR cm instituições similares; Gerenciar acmpanhament ds treinaments e ds events; Cumprir regiment, resluções e nrmas pertinentes a planejament e execuçã rçamentária da entidade; Clabrar e integrar-se a gerente de desenvlviment cperativ na gerência de atividades demandadas pelas unidades reginais. Aprvar relatóris de events e viagens Ministrar palestras e/u curss. 15

16 3) 3. CARGO DE COORDENAÇÃO Crdenadr Administrativ Financeir Requisit: Ensin Superir cm Pós-Graduaçã. Descriçã de funçã: Crdenar a área administrativa relativa a departament de pessal, cntabilidade, rçamentária, finanças, patrimôni e utras crrelatas; Administrar s serviçs cmuns de interesse d SESCOOP/PR, cnslidads em cntrat de gestã cm entidades cngêneres; Administraçã da área cntábil e financeira; Assessrar a diretria em questões administrativas; Elabrar e acmpanhar a prestaçã de cntas anual; Acmpanhar e arquivar cnvênis e cntrats estabelecids cm órgãs e parceirs; Supervisinar s serviçs necessáris para bm funcinament de tda estrutura; Participar nas reuniões d Cnselh Administrativ e Fiscal d SESCOOP/PR; Apiar e acmpanhar a Auditria Interna e Externa; Elabrar e refrmular Orçament d SESCOOP/PR; Auxiliar as áreas fins quand slicitad; Ministrar palestras e/u curss. Executar utras tarefas crrelatas. 4) CARGOS TÉCNICOS RELACIONADOS AOS OBJETIVOS FINS Analista Técnic Especializad Requisit: Ensin Superir cm Pós-Graduaçã Descriçã da funçã: Desenvlver atividades prgrama de autgestã e mnitrament das cperativas n Paraná; Desenvlver atividades vltadas à rientaçã e acmpanhament na cnstituiçã e registr de nvas cperativas, respeitand-se s princípis que nrteiam cperativism, a viabilidade d negóci a ser iniciad e respeit a Lei, que é cnsiderad açã preventiva de mnitrament; Desenvlver atividades vltadas a acmpanhament da gestã das cperativas, via prcess de análise de dads, cm frmaçã de cenáris cmparativs para cntribuir na rientaçã ds rums de cnduçã ds negócis em cperaçã frente a mercad e a cncrrência, send dirigid em três frentes de acmpanhament: Ecnômic e financeir - análise da maximizaçã da utilizaçã ds recurss físics e financeirs da cperativa, gerand melhres resultads. Recurss humans - à análise e maximizaçã da utilizaçã destes e acmpanhament da cnstante prfissinalizaçã. Viabilidade ds cperads - vltad a análise de desempenh da atividade ds cperads, através de indicadres de desempenh cmparativ. 16

17 Desenvlver atividades, através de acmpanhament ds executres d prcess de certificaçã integral da gestã, e d cntrle de qualidade da atuaçã d Cnselh Fiscal, Auditria Interna e Auditria externa, nas cperativas; Desenvlver atividades vltadas a acmpanhament e rientaçã na realizaçã de cnsultrias especializadas requeridas para melhria da atuaçã das cperativas; Elabrar estuds técnics avançads em gestã de cperativas, cm ênfase na área de desenvlviment human cm treinament, recurss humans e quadr scial; Desenvlver prcess de planejament estratégic de cperativas na área de desenvlviment human; Interagir cm prfissinais e gestres de cperativas na peracinalizaçã d prgrama de Autgestã d cperativism. Operacinalizar PEDC Plan Estratégic de Desenvlviment Cperativ pr mei das seguintes ações: Interpretaçã ds indicadres das cperativas para utilizaçã nas decisões de investiments em treinament Desenvlver e acmpanhar um banc de indicadres de RH e sciais que dará suprte a PEDC; Elabrar e analisar prjets de viabilidade técnica de prjets de treinament das cperativas; Orientar a peracinalizaçã e s cntrles para iníci de atividades de cperativas; Clabrar cm as áreas de acmpanhament ecnômic/financeira, recurss humans e cperads, de frma integrada, para melhria da gestã cperativa. Desenvlver cenáris nas áreas de gestã de pessas das cperativas; Elabrar em cnjunt cm a Gerência de Desenvlviment Cperativ s plans de desenvlviment reginais de cperativas; Acmpanhar as cperativas na área de desenvlviment human, pr mei de sistema infrmatizad; Elabrar relatóris de acmpanhament e análise de cperativas que demnstrem evluçã prprcinada pel us ds recurss de treinaments; Prduzir cenáris e prjeções da área de treinament e recurss humans das cperativas; Prmver e participar de reuniões e visitas técnicas para análise e acmpanhament de desempenh das cperativas; Elabrar diagnóstics preventivs na área de recurss humans de cperativas; Prpr melhrias na gestã de pessas das cperativas; Reestruturar/implantar sistema de avaliaçã d desempenh de RH e acmpanhar sua evluçã; Prpr, desenvlver e aplicar prgramas de capacitaçã de cnselheirs de cperativas; Prpr e aplicar prgramas de capacitaçã para melhria da gestã de pessas nas cperativas; 17

18 Diagnóstics nas áreas de recurss humans em prjets especiais de desenvlviment e recuperaçã de cperativas; Divulgaçã d cperativism (vídes, publicações, material educativ, palestras, etc.); Ministrar palestras e/u curss. Executar utras tarefas crrelatas Analista de Desenvlviment Cperativista Requisit: Ensin Superir Descriçã da funçã: Interagir cm prfissinais e gestres de cperativas na peracinalizaçã d prgrama de Autgestã d cperativism. Operacinalizar mnitrament, a supervisã, a auditria e cntrle das cperativas através das seguintes ações: Orientaçã sbre cperativism, para grups interessads em cnstituir cperativas; Divulgaçã d cperativism (vídes, publicações, material educativ, palestras, etc.); Analisar prjets de viabilidade ecnômic/financeira de cperativas; Orientaçã para btençã ds registrs legais; Operacinalizaçã e s cntrles para iníci de atividades de nvas cperativas; Analisar e acmpanhar as auditrias de gestã das cperativas; Prpr prgrama de treinament sbre auditria. Elabrar análise técnica ds prcesss de registr e d exercíci da atividade de auditria independente n âmbit das cperativas. Manter cadastr atualizad ds prfissinais, empresas de auditria independente e respnsáveis técnics autrizads a emitir e assinar parecer, credenciadas junt a OCB/OCEPAR; Manter prcesss cm análise ds relatóris de Auditria independente das cperativas; Manter cntrle de qualidade das auditrias, verificand e acmpanhand sua atuaçã n âmbit das cperativas; Prmver a inserçã ds auditres interns das cperativas, integrad cm trabalh desenvlvid pel Cnselh Fiscal, n cnceit de auditria de gestã; Manter atualizadas nrmas, para que trabalh executad pela auditria interna da cperativa esteja perfeitamente integrad cm desenvlviment das atividades executadas pela auditria independente; Acmpanhament das cperativas de pequen prte, cnfrme critéris da OCB/OCEPAR. Clabrar cm as áreas de acmpanhament ecnômic/financeira, recurss humans e cperads, de frma integrada, para melhria da gestã cperativa. Executar Prgrama de Api Integral às Pequenas Cperativas; Acmpanhament das cperativas através de sistema infrmatizad; Elabrar relatóris de acmpanhament e análise de cperativas; Análise ecnômica e financeira de cperativas; 18

19 Prmver e participar de reuniões e visitas técnicas, visand à análise e acmpanhament da prdutividade das cperativas; Elabrar diagnóstics preventivs; Elabrar / implantar plan de saneament financeir e acmpanhar sua execuçã; Elabrar / implantar sistemas de avaliaçã de desempenh; Reestruturar / implantar sistema de custs e acmpanhar sua evluçã; Organizar, administrar e executar ensin de frmaçã prfissinal e a prmçã scial ds trabalhadres em cperativas, ds cperads e de seus familiares através das seguintes ações: Prestar assistência e assessrar n planejament, rganizaçã e cntrle ds treinaments; Preparar e supervisinar s treinaments prmvids isladamente u em cnvênis cm utras empresas; Aplicar métds que cntribuam para a criaçã, adaptaçã e aperfeiçament de instruments necessáris a realizaçã de treinaments; Elabrar estatísticas e relatóris das atividades executadas gerand dads e subsídis para a avaliaçã ds prgramas de treinament; Analisar, eleger e criar métds de trabalh que facilitem alcance ds bjetivs e prprcinem graus de satisfaçã as grups treinads; Cnfeccinar materiais e instruments técnics de acmpanhaments de curss; Preparar prgramas e plans de treinament; Divulgar s prgramas de treinament junt às empresas, cperativas e entidades afins, cas julgue necessári, redefinind, ajustand u adequand s bjetivs prpsts a grup participante; Negciar s valres ds curss cm s instrutres, das diárias cm s htéis, das lcações de salas e utrs crrelats; Elabrar e analisar relatóris de viagens; Manter cntat cm as cperativas para prmçã ds curss; Dar suprte técnic e peracinal as instrutres; Emitir recibs e certificads; Acmpanhar a execuçã ds treinaments e events. Reestruturar sistema financeir; Participar de reuniões para análise das cperativas; Acmpanhament das cperativas através d sistema de acmpanhament de gestã; Análise das cperativas através d sistema de acmpanhament de gestã; Revisões ns plans de saneament, adequaçã estrutural e reestruturaçã de custs; Elabrar relatóris; Ministrar palestras e/u curss. Executar utras tarefas crrelatas. 19

20 4.3 - Analista de Desenvlviment Human Requisit: Ensin Superir Descriçã da funçã: Interagir cm prfissinais e gestres de cperativas na peracinalizaçã d prgrama de Autgestã d cperativism. Operacinalizar mnitrament, a supervisã, a auditria e cntrle das cperativas através das seguintes ações: Orientaçã sbre cperativism, para grups interessads em cnstituir cperativas; Divulgaçã d cperativism (vídes, publicações, material educativ, palestras, etc.); Analisar prjets de viabilidade ecnômic/financeira de cperativas; Orientaçã para btençã ds registrs legais; Orientar a peracinalizaçã e s cntrles para iníci de atividades de nvas cperativas; Analisar e acmpanhar as auditrias das cperativas; Prpr prgrama de treinament sbre auditria. Elabrar análise técnica ds prcesss de registr e d exercíci da atividade de auditria independente n âmbit das cperativas. Manter cadastr atualizad ds prfissinais, empresas de auditria independente e respnsáveis técnics autrizads a emitir e assinar parecer, credenciadas junt a OCB/OCEPAR; Manter prcesss cm análise ds relatóris de Auditria independente das cperativas; Manter cntrle de qualidade das auditrias, verificand e acmpanhand sua atuaçã n âmbit das cperativas; Prmver a inserçã ds auditres interns das cperativas, integrad cm trabalh desenvlvid pel Cnselh Fiscal, n cnceit de auditria de gestã; Manter atualizadas nrmas, para que trabalh executad pela auditria interna da cperativa esteja perfeitamente integrad cm desenvlviment das atividades executadas pela auditria independente; Acmpanhament das cperativas de pequen prte, cnfrme critéris da OCB/OCEPAR. Clabrar cm as áreas de acmpanhament ecnômic/financeira, recurss humans e cperads, de frma integrada, para melhria da gestã cperativa. Executar Prgrama de Api Integral às Pequenas Cperativas; Acmpanhament das cperativas através de sistema infrmatizad; Elabrar relatóris de acmpanhament e análise de cperativas; Elabrar a análise ecnômica e financeira de cperativas; Prmver e participar de reuniões e visitas técnicas. Elabrar diagnóstics preventivs; Elabrar / implantar plan de saneament financeir e acmpanhar sua execuçã; Elabrar / implantar sistemas de avaliaçã de PRODUTIVIDADE; Reestruturar / implantar sistema de custs e acmpanhar sua evluçã; Executar utras tarefas crrelatas. 20

21 Organizar, administrar e executar ensin de frmaçã prfissinal e a prmçã scial ds trabalhadres em cperativas, ds cperads e de seus familiares através das seguintes ações: Prestar assistência e assessrar n planejament, rganizaçã e cntrle ds treinaments; Preparar e supervisinar s treinaments prmvids isladamente u em cnvênis cm utras empresas; Aplicar métds que cntribuam para a criaçã, adaptaçã e aperfeiçament de instruments necessáris a realizaçã de treinaments; Elabrar estatísticas e relatóris das atividades executadas gerand dads e subsídis para a avaliaçã ds prgramas de treinament; Analisar, eleger e criar métds de trabalh que facilitem alcance ds bjetivs e prprcinem graus de satisfaçã as grups treinads; Cnfeccinar materiais e instruments técnics de acmpanhaments de curss; Preparar prgramas e plans de treinament; Divulgar s prgramas de treinament junt às empresas, cperativas e entidades afins, cas julgue necessári, redefinind, ajustand u adequand s bjetivs prpsts a grup participante; Negciar s valres ds curss cm s instrutres, das diárias cm s htéis, das lcações de salas e utrs crrelats; Elabrar e analisar relatóris de viagens; Manter cntat cm as cperativas para prmçã ds curss; Dar suprte técnic e peracinal as instrutres; Emitir recibs e certificads; Acmpanhar a execuçã ds treinaments e events. Ministrar palestras e/u curss. 4.4 Analista Ecnômic Financeir Requisit: Ensin Superir cm especializaçã Descriçã da funçã: Atuar cm s prfissinais e gestres de cperativas na peracinalizaçã d prgrama de Autgestã d cperativism. Operacinalizar mnitrament, a supervisã e cntrle das cperativas através das seguintes ações: Prmver a rientaçã sbre cperativism, para grups interessads em cnstituir cperativas; Prmver a divulgaçã d cperativism (vídes, publicações, material educativ, palestras, etc.); Analisar prjets de viabilidade ecnômic/financeira de nvas cperativas; Prmver a rientaçã para btençã ds registrs legais; Orientar a peracinalizaçã e s cntrles para iníci de atividades de nvas cperativas; Manter acmpanhament das cperativas de pequen prte, cnfrme critéris da OCB/Ocepar. 21

22 Clabrar cm as áreas de acmpanhament ecnômic/financeira, recurss humans e cperads, de frma integrada, para melhria da gestã cperativa. Acmpanhament das cperativas através de sistema infrmatizad; Elabrar relatóris de acmpanhament e análise de cperativas; Análise ecnômica e financeira de cperativas; Prmver e participar de reuniões e visitas técnicas para análise e acmpanhament da PRODUTIVIDADE das cperativas; Elabrar diagnóstics preventivs; Elabrar/implantar plan de saneament financeir e acmpanhar sua execuçã; Reestruturar/implantar sistema de custs e acmpanhar sua evluçã; Reestruturar/implantar sistema de avaliaçã d desempenh ecnômic e financeir e acmpanhar sua evluçã; Prpr, desenvlver e aplicar prgramas de capacitaçã d cnselh fiscal de cperativas; Prpr e aplicar prgramas de capacitaçã para melhria da gestã ecnômica e financeira de cperativas; Prmver rientaçã técnica cntábil às cperativas; Executar utras tarefas crrelatas. Ministrar palestras e/u curss. 4.5 Assistente Técnic Requisit: Ensin médi Descriçã da funçã: Cntribuir para a criaçã, adaptaçã e aperfeiçament de instruments necessáris a realizaçã de treinaments; Auxiliar na análise de métds de trabalh que facilitem alcance ds bjetivs e prprcinem graus de satisfaçã as grups treinads; Auxiliar na preparaçã de prgramas e plans de treinament, tant técnic cm administrativamente. Digitaçã de crrespndências internas e externas, peraçã de crrei eletrônic, api geral as demais setres e Diretria, elabraçã de trabalhs em Crel Draw; Auxiliar em utras áreas quand slicitad sem que iss interfira nas atividades diárias; Atender as gerências, clabradres e clientes prestand infrmações em cass de rtina u encaminhand interessad a setr cmpetente; Alimentar e cntrlar cadastr de recebiments; Preencher guias, blets bancáris e demais dcuments afins; Executar atividade da rtina administrativa; Gerar relatóris de acmpanhament; Dar suprte para áreas afins; Apiar e executar utras tarefas crrelatas; Acmpanhar a evluçã d rçament anual; 22

23 5) CARGOS TÉCNICOS RELACIONADOS AOS OBJETIVOS COMPLEMENTARES Auditr Intern Requisit: Ensin Superir em Ciências Cntábeis, Administraçã u Ecnmia. Descriçã de funçã: Análise e acmpanhament d prcess intern administrativ; Acmpanhar cumpriment d Plan de Trabalh n âmbit da entidade, visand cmprvar a cnfrmidade de sua execuçã; Assessrar s gestres da entidade n acmpanhament da execuçã ds Plans de Trabalh, Elabrar análise técnica ds prcesss centralizads e descentralizads na área de mnitrament e capacitaçã prfissinal; Verificar a execuçã d rçament da entidade, visand cmprvar a cnfrmidade da execuçã cm s limites e destinações estabelecidas n Plan de Trabalh; Verificar a PRODUTIVIDADE da gestã da entidade, visand a cmprvar a legalidade e a legitimidade ds ats e examinar s resultads quant à ecnmicidade, à eficácia, eficiência da gestã rçamentária, financeira, patrimnial, de pessal e demais sistemas administrativs peracinais; Prpr ações crretivas para a administraçã de acrd cm as nrmas legais e regulaments que disciplinam a atuaçã d SESCOOP/PR; Orientar subsidiariamente a Diretria Executiva d SESCOOP/PR quant as princípis e às nrmas de cntrle intern, inclusive sbre a frma de prestar cntas; Examinar e emitir parecer prévi sbre a prestaçã de cntas e tmadas de cntas. Acmpanhar a implementaçã das recmendações ds órgãs/unidades d Sistema de Cntrle d TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO; 5.2 Assessr Jurídic Requisit: Bacharel em Direit cm pós-graduaçã e registr na OAB. Descriçã de funçã: Representar SESCOOP/PR, em juíz u fra dele, nas ações em que este fr autr, réu u interessad, acmpanhand andament d prcess, prestand assistência jurídica, apresentand recurss em qualquer instância, cmparecend à audiência, sustentaçã ral, e utrs ats, para defender direits u interesses; Prestar assistência jurídica preventiva e crretiva a SESCOOP/PR; Desenvlver estuds e pesquisas n Camp d Direit, cnsultand códigs, leis, jurisprudência e utrs dcuments, para adequar s fats à legislaçã aplicável; Elabrar pareceres e utrs instruments jurídics, tais cm cntrats, cnvênis, terms de referência, cperaçã, cntestações, declarações, petições, prcurações, aditivs, fícis e utrs, para assessrar e viabilizar as atividades internas d SESCOOP/PR; Acmpanhar, analisar, rientar juridicamente e emitir pareceres jurídics ds prcediments licitatóris realizads pelas áreas d SESCOOP/PR; Redigir u elabrar cntrats, prnunciaments, minutas e infrmações sbre questões de Direit Administrativ, Civil, Cnstitucinal, Empresarial, Previdenciári, Prcessual, Trabalhista, Tributári, Penal, legislaçã ds Serviçs Sciais Autônms, entre utras, aplicand a 23

24 legislaçã, frma e terminlgia adequadas a assunt em questã, para utilizá-las na defesa e rientaçã d SESCOOP/PR; Manter-se relacinad junt as Tribunais de Justiça, Tribunais Superires, Tribunal de Cntas, órgãs da Administraçã Pública Federal e demais Serviçs Sciais Autônms; Prestar assessrament jurídic e manifestaçã em demandas cnsultivas e cntencisas prvenientes d SESCOOP/PR; Orientar e emitir pareceres sbre ações slicitadas pela diretria; Prestar assessrament jurídic e manifestaçã em demandas cnsultivas e cntencisas tant d públic intern, quant extern. Prmver e/u participar de events jurídics, visand a alinhament institucinal Prestar atendiment as clientes interns e externs, dispnibilizand infrmações e/u rientações quant a assunts relacinads à licitações e cntrats e Direit Administrativ. Participar das atividades de cntrataçã de bens e serviçs, incluind a elabraçã de ntas técnicas e participaçã em events de licitações, bem cm fazer acmpanhament da execuçã ds cntrats de prestaçã de serviçs. Organizar events de capacitaçã e de alinhament técnic e prferir palestras sbre temas relacinads. Prestar suprte técnic em assunts jurídics a Cmitês interns e Externs, emitind parecer quand slicitad. Acmpanhar as atividades desenvlvidas pels empregads, prestand a rientaçã jurídica necessária. Ministrar palestras e/u curss. 5.3 Assessr de Imprensa Requisit: Ensin Superir na área de cmunicaçã scial u Jrnalism. Descriçã de funçã: Agendament e acmpanhament de entrevistas cletivas, facilitand trabalh d entrevistad e d entrevistadr; Cntat permanente cm a mídia, sugerind pautas e fazend esclareciments necessáris para a eficiência da matéria jrnalística a ser publicada; Elabrar texts (releases), que sã enviads para s veículs de cmunicaçã; Preparaçã de texts de api, sinpses, súmulas e artigs; Divulgar events prmvids pel Sescp/PR; Organizar entrevistas cletivas; Dar rientações de cm lidar cm a imprensa; Mntar clippings - eles reúnem recrtes de jrnais e revistas ns quais seu cliente apareceu u matérias veiculadas na TV; Sugerir assunts que pdem ser interessantes para a mídia. Desenvlver ações através d us da cmunicaçã e editraçã d Paraná Cperativ (revista, jrnal, bletins, edições especiais, síti na internet); Realizar cbertura ftgráfica de events e rganizaçã d acerv; Prduzir e editar arquivs de áudi/vídes cm interesse das cperativas e afins; Divulgar prgramas e ações d sistema; 24

25 Prduzir edições especiais sbre grandes temas de interesse d cperativism; Apiar e participar de encntrs de cmunicadres das cperativas d Paraná; Assessrar e apiar as gerências na divulgaçã de events, matérias, prduçã de texts para banners, flhets e afins; Participaçã na definiçã de estratégias de cmunicaçã; Ministrar palestras e/u curss Cntadr Requisit: Ensin Superir de Ciências Cntábeis cm Registr n CRC. Descriçã de funçã: Executar tarefas de natureza cntábil referentes a classificaçã, lançament, registr e escrituraçã cntábil, emissã de dcuments, cmpilaçã de dads, cálculs diverss, cnferência de serviçs, peraçã de sistemas, planilhas eletrônicas e utrs; Efetuar a análise, classificaçã, lançament e escrituraçã cntábil ds dcuments, bedecend a princípis cntábeis e nrmas legais; Efetuar registrs analítics para cntrle da execuçã rçamentária; Cnferir lançaments cmparand-s cm s registrs ds fats e as cntábeis; Efetuar cntrle cntábil ds cntrats/cnvênis firmads pela empresa; Preparar s dads para elabraçã balancetes, relatóris gerenciais e demais demnstrativs cntábeis rçamentáris e de custs patrimniais; Acmpanhar as legislações fiscais, trabalhistas e previdenciária em seus aspects cntábeis, agind de acrd cm as tais instituições; Atualizar quand necessári plan de cntas; Efetuar escrituraçã de caixa, através de lançaments diáris de dcuments pags e recebids; Arquivar dcuments cntábeis; Executar utras tarefas crrelatas; Outrs inerentes a área e determinadas pr quem de direit. Ministrar palestras e/u curss Analista de Sistemas Requisit: Ensin Superir na área de Exatas. Descriçã de funçã: Planejament e execuçã de prjets de sistemas de infrmaçã, cm tais entendids s que envlvam prcessament de dads u utilizaçã de recurss de infrmática e autmaçã; Elabraçã de rçaments e definições peracinais e funcinais de prjets e sistemas para prcessament de dads, infrmática e autmaçã; Definiçã, estruturaçã, teste e simulaçã de prgramas e sistemas de infrmaçã; Elabraçã e cdificaçã de prgramas; Estuds de viabilidade técnica e financeira para implantaçã de prjets e sistemas de infrmaçã, assim cm máquinas e aparelhs de infrmática e autmaçã; Fiscalizaçã, cntrle e peraçã de sistemas de prcessament de dads que demandem acmpanhament especializad; 25

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N 01/2007 De 8 de nvembr de 2007 Reedita as Nrmas para Recnheciment de Títuls de Pós-Graduaçã, revgand a Resluçã Cmplementar n 02/93, de 25 de junh de 1993. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA SE/STN Nº 321, DE 20 DE AGOSTO DE 2009.

PORTARIA CONJUNTA SE/STN Nº 321, DE 20 DE AGOSTO DE 2009. PORTARIA CONJUNTA SE/STN Nº 321, DE 20 DE AGOSTO DE 2009. O SECRETÁRIO-EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA E O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL n us de suas atribuições e bservad dispst na Prtaria MF nº 424,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

1. DADOS GERAIS...4. 1.1. Identificação...4. 1.2. Histórico...4. 1.3. Estrutura Organizacional...5 2. OBJETIVOS E METAS...7. 2.1. Finalidade...

1. DADOS GERAIS...4. 1.1. Identificação...4. 1.2. Histórico...4. 1.3. Estrutura Organizacional...5 2. OBJETIVOS E METAS...7. 2.1. Finalidade... Índice 1. DADOS GERAIS...4 1.1. Identificaçã...4 1.2. Históric...4 1.3. Estrutura Organizacinal...5 2. OBJETIVOS E METAS...7 2.1. Finalidade...8 2.2. Missã...8 2.3. Visã...8 2.4. Premissas...9 2.5. Diretrizes...9

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão

SIG Sistema Integrado de Gestão SIG Sistema Integrad de Gestã SIGRH -Sistema Integrad de Gestã de Recurss Humans Gustav Bertld Quatrin Deivid Firin Agenda Cntextualizaçã Visã Geral ds seguintes sistemas: SIPAC, SGPP, SIGAA, SIGADMIN,

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA ÍNDICE DOS CAPÍTULOS 1 Dispsições Gerais 1.1 Definiçã 1.2 Objetiv 2 Cntextualizaçã da BB Previdência 2.1 Arcabuç Legal e Regulatóri 2.2 Dcuments de Gvernança 2.3 Identidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Advisory. Audit. Corporate. BPO / Accounting

Advisory. Audit. Corporate. BPO / Accounting BPO / Accunting Audit Advisry TAX Labr Crprate A JCG Cnsultria Para se trnarem cmpetitivas n mund glbalizad e se estabelecerem num mercad em crescente evluçã, a tendência atual nas empresas é a terceirizaçã

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 00 Pól Mveleir de Arapngas PR Revisã: 01 TERMOS DE USO DO ECOSELO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DESTE DOCUMENTO: Irineu Antni Brrasca Presidente d CETEC

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

REGULAMENTO PARA O ACOMPANHAMENTO DA GESTÃO E A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO SISTEMA CONFEA/CREA E DA MÚTUA

REGULAMENTO PARA O ACOMPANHAMENTO DA GESTÃO E A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO SISTEMA CONFEA/CREA E DA MÚTUA REGULAMENTO PARA O ACOMPANHAMENTO DA GESTÃO E A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO SISTEMA CONFEA/CREA E DA MÚTUA Seçã I Fundaments para a Prestaçã e Exame das Cntas 1. Critéris para exame das cntas 1.1 Os gestres

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Modelo de Gestão de Portfólio de Projetos de TIC

Modelo de Gestão de Portfólio de Projetos de TIC Mdel de Gestã de Prtfóli de Prjets de TIC Versã 1.0 Mai de 2015 INDICE HISTÓRICO DE VERSÕES... 4 COMPOSIÇÃO... 5 1. INTRODUÇÃO... 6 1.1 REFERÊNCIAS... 6 1.2 SIGLAS E ACRÔNIMOS... 6 1.3 PREMISSAS... 7 1.4

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais