Academy Christophe Colomb Hurricane Grand Voyage II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Academy Christophe Colomb Hurricane Grand Voyage II"

Transcrição

1 Acadmy Chistph Clmb! a b Huican Gand Vyag II l c d p m t é, s n 150 a

2 Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II p m t é, s n a 150! a b l c d À DESCOBERTA DA AÉRICA Em hmnagm a mític navgad Cistóvã Clmb, a anufatua Znith apsnta uma das suas ciaçõs ljias mais fascinants, adnada cm acssóis sublims. À singulaidad d um mcanism cmplx cspndm uma dcaçã uma namntaçã xcpcinais. Expssõs dlicadas d um atsanat d alta qualidad, a gavaçã a micpintua vidnciam tda a vitusidad da Znith na alizaçã d bas ljias, cmbinand tcnicidad magnificência atística. Limitad a 10 xmplas cm acabamnts intiamnt alizads à mã, impssinant Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II cntinua a vca d fma fulguant a ppia d avntui italian, iniciada m 2013 cm a pimia vsã d Gand Vyag, cm uma dcaçã tã única cm sumptusa. D pnt d vista técnic, apsnta tês avançs imptants da históia ljia: um sistma patntad d gavity cntl, um mcanism d tansmissã fus-cnt uma fquência invulga d vibaçõs/ha. Cistóvã Clmb Ggs Fav-Jact fundad da anufatua Znith têm sguamnt m cmum um spíit pini, a sd das dscbtas a paixã pl dsafi. A msma paixã msm spíit mpndd guiaam Cistóvã Clmb Ggs Fav-Jact um a nvs hiznts. O pimi quand nfnta s cans paa abi a ta cidntal paa as Índias. O sgund quand funda a Znith, m 1865, ciand uma das pimias manufatuas ljias industiais. Cca d um sécul mi mais tad, a maca da stla pmanc fil a sta pcua da pcisã da invaçã, dmnstada nmadamnt p mais d 300 patnts. A anufatua pvu- a cia, m 1969, lndái mvimnt autmátic El Pim, qu cntinua a s calib d cnógaf d séi mais pcis d mund. as a bla ljaia nã s limita as mcanisms. Sguind a sua tadiçã d dcaçõs finadas (psnificada spcialmnt p inúms lógis d bls smaltads u p mdls Acadmy cnts), a Znith faz nvamnt a algia ds clcinads apciads d pças aas a apsnta Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II uma diçã limitada qu s distingu p uma dcaçã ntávl qu dca a pat tasia d lógi. Esta ba d at psnta um vdadi dsafi paa s atsãs, ljis ngnhis, qu tivam d tabalha mvimnt d mdl Acadmy Chistph Clmb iginal, ind p vzs até as limits d pssívl, n sntid d inclui sts namnts na msma caixa d 45 mm d diâmt, m u sa, sb msm vid d safia abaulad, sm cmpmt a pcisã a fiabilidad. Ilusta d fma pfita a audácia ciativa da Znith a sua capacidad paa alia mcanisms pdigiss dcaçõs dcnts ds mais pstigiss fícis d at. O cntaps d sistma d gavity cntl também tm uma psntaçã d hmisféi sul alizada m micpintua.

3 Exibiçã xcpcinal Rlativamnt a mstad, a Znith apsnta as pzas ljias dst mvimnt, alizand uma aquittua abta qu pmit admia tês mcanisms m plna açã: bailt cm tansmissã fus-cnt (às 10h30 1h30), sistma giscópic d gavity cntl ógã gulad d alta fquência (às 6h). Esta apaência técnica tidimnsinal dá igualmnt luga a uma intnsa busca stética, cm cus as bls fícis d at, qu a Znith pcua pptua cm xclência. Os tês pquns mstads auxilias m u (has/minuts às 12h, pnti pqun ds sgunds às 9h, sva d macha às 4h) fam dlicadamnt guilhchads, dpis smaltads a banc quipads cm pntis paafuss m aç azulad, qu fazm lmba a gand tadiçã ljia. A platina fi ttalmnt scavada à mã paa dixa apnas m lv lgótip da Znith um séquit d stlas. As pats scavadas fam, d sguida, pnchidas cm laca azul nit. O cntaps d sistma d gavity cntl também tm uma dcaçã pética sfisticada, intiamnt alizada à mã, qu psnta hmisféi sul m micpintua.

4 Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II p m t é, s n 150 a! a b l d c Atsanat d alta qualidad S mstad assinala uma ba d xclência, fund d Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II também ún maavilhas. Simblizand uma psntaçã cm c lv da ppia d célb navgad italian, st autêntic fsc m miniatua alça a vitusidad ds atsãs mais méits. Est quad, fixad a mvimnt cm a ajuda d um sistma sfisticad d apliqus m u, ilusta cm mstia a dscbta da Améica p Cistóvã Clmb m Ralizad m d d mcanism qu lmba a suspnsã cadã ds cnómts da mainha, pimi plan dsta ba ínfima distingu a fígi d Cistóvã Clmb a sgua a bandia da mnaquia spanhla, nquadada p palmias, a psntaçã d dis indígnas qu lh viam fc futas xóticas um papagai. Estas psnagns dlicadas m apliqus sã dlicadamnt gavadas à mã, dpis altnadamnt afladas u adnadas cm cs cintilants. Em sgund plan, a navga num can azul pfund, s tês navis famss Pinta, Niña Santa aia dissciam-s d um céu lumins. O cnjunt é micpintad à mã. A dcaçã, gavada à mã, pduz cm uma infinita iquza d dtalhs a dscbta das Índias, nmadamnt a nívl ds adns ds indígnas, das pnas d dslumbant papagai u, ainda, das amas da bandia spanhla. A flhagm da palmia, assim cm a taça d futas sã gavadas à mã dpis clidas. A intgaçã dsta cna magistalmnt xcutada xigiu um nm talnt. Em paticula, fi ncssái ncnta pnts d fixaçã paa s lmnts cm apliqus duzi a máxim a spssua d mvimnt ds spaçs nt calib s namnts (mns d um décim d milímt p baix das imagns). Cm acabamnt intiamnt manual alizad p atsãs cm uma dstza xtma, fabuls namnt d Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II tna cada lógi numa pça cmpltamnt única. A dcaçã, gavada à mã, cnstitui a dscbta da Améica cm uma incívl iquza d dtalhs. Em pimi plan, s tats d Cistóvã Clmb ds indígnas, dlicadamnt gavads à mã. As palmias, papagai cm asas abtas as futas vidnciam dtalhs cs qu iadiam alism.

5 Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II 150 ans, é tmp d clba! À cnquista da pcisã S Cistóvã Clmb dsafiu s limits d hiznt, lógi cm su nm dsafia, quant a l, s limits d tmp, aliand tês mcanisms qu assguam uma mlh pcisã: um ógã gulad d alta fquência d scilaçã ( vaiaçõs/ha) paa sucssã d tmp m décims d sgund, um sistma d tansmissã fus-cnt, qu cmpnsa as vaiaçõs d fça d bailt quand é dsamad um módul patntad d gavity cntl qu pmit nutaliza s fits da gavidad tst n funcinamnt d lógi. P utas palavas, ultapassu pblmas lacinads cm us (gavidad) a duaçã da macha (duçã d binái), gaantind uma pcisã ntávl na mdiçã d tmp (ligada à vlcidad d scilaçã d balanci). Estas pzas btêm-s atavés d um mvimnt xcpcinal, ttalizand 939 cmpnnts, ds quais 354 paa calib ppiamnt dit, n si d qual s aljam s 173 lmnts d módul d gavity cntl. Rlativamnt a fus-cnt, ttaliza 585 cmpnnts. Uma tansmissã fus-cnt paa uma fça cnstant À mdida qu um lógi mcânic s dscaga, mvimnt pd m amplitud (ângul d scilaçã d balanci), ptant, m pcisã. Pl cntái, sistma d tansmissã fus-cnt pmit qu a fça mtiz pmança pfitamnt stávl duant tda a duaçã da sva d macha a gmtia is-bináia d fus cmpnsa a diminuiçã pgssiva da fça d bailt. A maiia ds lógis d puls ds séculs XVI, XVII XVIII stavam quipads cm um fus. Atualmnt, sã aas as manufatuas capazs d tansp st mcanism paa vlum stit d um lógi d puls. Cm Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag, fut d dis ans d dsnvlvimnt, a anufatua Znith ntu paa st club muit fchad. A tansmissã nt bailt fus é assguada p uma cnt d 585 cmpnnts, cm 18 cntímts d cmpimnt. Esta cnstuçã d uma cmplxidad xtma altna nós dupls intmédis. Uma vz mntada, é capaz d sisti a uma fça d taçã supi a 3 quils. Duant tda a duaçã da sva d macha, a mla-mt tansmit a sua ngia a fus p intmédi da cnt qu s nla m d d bailt. A ajusta as vaiaçõs d tnsã, fus gulaiza a fça qu é distibuída à dagm, m sguida, à da d scap m silíci aljada na gaila giscópica. Sã ncssáias mais d 50 has (duaçã da sva d macha) paa qu a cnt s nl m d d bailt, faznd cm qu pcss d cda atavés da hast ppcin um sptácul fascinant. Ests bvs sgunds pmitm v fus bailt gia n sntid pst à macha, paa qu a cnt vlt a nla-s, nvamnt, m d d fus. A fma d fus fi ditada pla fça ótima qu s msts ljis da Znith quisam cnfi a bailt. A sua silhuta anhuada, assim cm as suas dimnsõs spcíficas sã sultads d cálculs minuciss, paticulamnt cmplxs, alizads p cada uma das fass da cnstuçã. Sm a intgaçã d tds s fícis (paticulamnt a pttipagm ds mvimnts) n si da anufatua Znith sm a implmntaçã d quipamnts sfisticads, st fus nunca tia sid ciad. Esta é uma das vantagns das manufatuas intgadas.

6 O gavity cntl : um dsafi às lis da ataçã tst S a tansmissã fus-cnt limina as vaiaçõs d iscnism (igualdad d duaçã das scilaçõs), Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II anula um ut fit nciv à macha d um lógi mcânic: a influência da gavidad tst. Patind d pincípi d qu a manutnçã d ógã gulad na psiçã hizntal igina a mlh amplitud pssívl d balanci, d qu act da macha é ftuad numa única psiçã nã sulta, ptant, d um cmpmtimnt, gand, assim, a mlh pcisã háia, a Znith ciu patntu um módul vlucinái qu pmit a caçã d mvimnt a scap ficam pmanntmnt nssa psiçã. Sistma vanguadista qu ilusta tda a audácia ciativa da anufatua, gavity cntl cnstitui, também, uma hmnagm à históia, uma vz qu s inspia ns cnómts da mainha qu a Znith fabicava uta. El adpta dsts instumnts lndáis pincípi da suspnsã cadã, intduzid n sécul XVI nas bússlas da mainha, paa qu cnsvassm a sua psiçã hizntal, apsa ds mvimnts d bac. Cm su mcanism giscópic autgulad, sistma d gavity cntl pmit mant pmanntmnt ógã gulad na psiçã hizntal, indpndntmnt da inclinaçã d puls, assinaland assim a dadia vluçã d cnómt da mainha. A maca da stla é a única manufatua qu dmina st sistma galadad n Gand Pémi d Rljaia d Gnba m 2011, na catgia lógis cm cmplicaçõs -, invntad após cinc ans d intns dsnvlvimnt. Um stj cm muit stil Um stj xcpcinal paa uma pça xcpcinal. O Acadmy Chistph Clmb Huican Gand Vyag II é apsntad num pcis stj m mgn cm incustaçõs d ss d bi, qu pd também svi d humidificad paa 80 chauts. Em hmnagm a Cistóvã Clmb, st stj stá dcad cm uma sigafia sb papi d pgaminh, qu pduz planisféi d Waldsmüll (1507), pimi mapa-múndi a mncina nm Améica. Uma gand viagm pls cans, uma gand viagm a caçã d infinitamnt pqun: cm sta séi limitada aliand alta ljaia a fícis d at, a Znith cnquista nvs hiznts sb sign da audácia, da autnticidad d paz.

7 B OLO C PHE Acadmy Chistph Clmb Huican gand vyag II OVIENTO El Pim 8805, manual Um mcanism giscópic únic qu mantém ógã numa psiçã ttalmnt hizntal Calib: 16 ½ (diâmt: 37 mm) Espssua: 5,85 mm Cmpnnts: 354 Gaila giscópica fita d 173 cmpnnts Cnt fita d 585 cmpnnts Jias: 53 Fquência: VPH (5 Hz) Rsva d macha: mínim d 50 has FUNÇÕES Has minuts dscntalizads às 12 has ódul autgulad d cntl da gavidad às 6 has Pnti pqun ds sgunds às 9 has Indicaçã da sva d macha às 3 has Tansmissã fus-cnt n mstad das has/minuts ISTO CHR SÃO O L IS DU Ó NS E I O TRA RENT E DE TE ENT ARRILE CO O-COR R R O B C O S SO ADA A FU O FU SSÃ NTE LIG I S À O: ADO T STA ANS BRIC VIEN I TR ÇA CON A F URO AO O A FOR O DOS TUR OS E ENT RAFUSA ICROPIN E S I EL O E APA URA, LARE Ã OGRAV EP X E R A 10 IC ADA T I LI IÇÃO I ED CAIXA, OSTRADOR E PONTEIROS atial: u sa d 18 quilats Diâmt: 45 mm Espssua: 14,80 mm / 21,80 mm (cm vid d safia abaulad) Vid fund: vid d safia abaulad cm tatamnt antiflx m ambas as fnts, cúpulas qu ptgm módul Chistph Clmb Estanquidad: 3 AT stad: 3 mstads m u smaltads Índics das has: lacads a pt Pntis: aç azulad BRACELETE E FECHO Pl d aligát castanha tipl fch xtnsívl m u sa REFERÊNCIA /36.C713

8 ZENITH Swiss Watch anufactu Sinc 1865 aud Tibti Ru ds Billds CH-2400 L Lcl Tl Fundada m 1865 m L Lcl p um lji visinái, Ggs Fav-Jact, a anufatua Znith ganhu apidamnt fama dvid à pcisã ds sus cnómts cm s quais ganhu pémis d cnmtia a lng d um sécul mi d xistência, um cd abslut m tms d lógis d bls, d bd d puls. Dpis d ganha fama gaças a su lndái calib El Pim, um cnógaf autmátic intgad cm da d clunas lançad m 1969, qu stá quipad cm uma alta fquência d vibaçõs p ha qu lh pmit t uma pcisã d um décim d sgund, a anufatua Znith dsnvlvu mais d 600 vaiaçõs d mvimnts. Tds s lógis Znith pssum um mvimnt manufatuad Znith sã dsnvlvids pla anufatua d L Lcl. Fact a, sta anufatua ncnta-s ainda hj n msm luga nd su fundad cnstuiu pimi atliê.

01. A equação de Clapeyron, válida para os gases ideais ou perfeitos, é dada pela expressão . Utilizando a análise dimensional,

01. A equação de Clapeyron, válida para os gases ideais ou perfeitos, é dada pela expressão . Utilizando a análise dimensional, FÍSCA 0. A quaçã d Clapyn, válida paa s ass idais u pfits, é dada pla xpssã pv nrt. Utilizand a anális dimnsinal, a dimnsã da cnstant univsal ds ass pfits R é A) ML TNθ -. ) MLT - N - θ -. D) ML T - N

Leia mais

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica Sumáio Unidad II Elticidad Magntismo 1- - Engia potncial lética. - Potncial lético. - Supfícis quipotnciais. Movimnto d cagas léticas num campo lético unifom. PS 22 Engia potncial lética potncial lético.

Leia mais

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física Moderna I. Aula 29. Professora: Mazé Bechara Institut d Físic USP Físic Mdn I Aul 9 Pfss: Mzé Bch Aul 9 O átm d hidgêni n ti d Schding 1. A sluçã d átm d H n ti d Schding. Cmpçã cm s sultds d Bh.. Os stds dgnds m ngi: stds d msm ngi divss móduls

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências UNIERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto d Ciências Exatas Biológicas Mstado Pofissional m Ensino d Ciências Slção da pimia tapa d avaliação m Física Instuçõs paa a alização da pova Nst cadno sponda

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE LAPLACE PARA O POTENCIAL DE LIGAÇÃO IÔNICA

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE LAPLACE PARA O POTENCIAL DE LIGAÇÃO IÔNICA SOLUÇÃO D EQUÇÃO DE LPLCE PR O POTENCIL DE LIGÇÃO IÔNIC Bathista,. L. B. S., Ramos, R. J., Noguia, J. S. Dpatamnto d Física - ICET - UFMT, MT, v. Fnando Coa S/N CEP 786-9 Basil, -mail: andlbbs@hotmail.com

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1 ) Dtrmin dmíni das funçõs abai rprsnt- graficamnt: z + z 4.ln( ) z ln z z arccs( ) f) z g) z ln + h) z ( ) ) Dtrmin dmíni, trac as curvas d nívl sbc gráfic das funçõs: f (, ) 9 + 4 f (, ) 6 f (, ) 6 f

Leia mais

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb.

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb. apítul 3-Ptencal eletc PÍTULO 3 POTEIL ELÉTRIO Intduçã Sabems ue é pssível ntduz cncet de enega ptencal gavtacnal pue a fça gavtacnal é cnsevatva Le de Gavtaçã Unvesal de ewtn e a Le de ulmb sã mut paecdas

Leia mais

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Mcânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EA3N Smstr: 1 sm/2017 Data: 20/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES DA

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

Mecânica dos Materiais. Instabilidade de Colunas. Tradução e adaptação: Victor Franco

Mecânica dos Materiais. Instabilidade de Colunas. Tradução e adaptação: Victor Franco Mcânica dos Matiais Instabilidad d Colunas 10 Tadução adaptação: Victo Fanco Rf.: Mchanics of Matials, B, Johnston & DWolf McGaw-Hill. Mchanics of Matials, R. Hibbl, asons Education. Estabilidad d Estutuas

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escla Básica Scdária Dr. Âgl Agst da Silva Tst d MATEMÁTIA A º A Draçã: 9 mits Març/ 3 Nm Nº T: lassificaçã O Prf. (Lís Abr) ª PARTE Para cada ma das sgits qstõs d sclha múltipla, slci a rspsta crrta d

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A Eam Final Nacional do Ensino Scundáio Pova Escita d Matmática A 1.º Ano d Escolaidad Dcto-Li n.º 139/01, d 5 d julho Pova 635/1.ª Fas Citéios d Classificação 1 Páginas 014 Pova 635/1.ª F. CC Página 1/

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Operações comuns em transportes

Operações comuns em transportes paçõ cmu m tapt Ex Wk (EXW) : aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a dpdêcia d vdd (igm), m cagamt, ã ã dmbaaçad paa xptaçã. = ic = ut Vdd mpad ai (A): aplica- a qualqu mdal d tapt; b ã tgu a taptad digad

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

F = ma. Cinética Plana de uma Partícula: Força e Aceleração Cap. 13. Primeira Lei (equilíbrio) Segunda Lei (movimento acelerado) Terceira Lei

F = ma. Cinética Plana de uma Partícula: Força e Aceleração Cap. 13. Primeira Lei (equilíbrio) Segunda Lei (movimento acelerado) Terceira Lei Objtivos MECÂNIC - INÂMIC Cinética Plana d uma Patícula: Foça clação Cap. 3 Establc as Lis d Nwton paa Movimntos tação Gavitacional dfini massa pso nalisa o movimnto aclado d uma patícula utilizando a

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

POTÊNCIAS EM SISTEMAS TRIFÁSICOS

POTÊNCIAS EM SISTEMAS TRIFÁSICOS Tmática ircuitos Eléctricos apítulo istmas Trifásicos POTÊNA EM TEMA TRÁO NTRODÇÃO Nsta scção studam-s as potências m jogo nos sistmas trifásicos tanto para o caso d cargas dsquilibradas como d cargas

Leia mais

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período Rsolução da Prova d Física Tórica Turma C2 d Engnharia Civil Príodo 2005. Problma : Qustõs Dados do problma: m = 500 kg ; v i = 4; 0 m=s ;! a = 5! g d = 2 m. Trabalho ralizado por uma força constant: W

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Chotes. Música na escola: exercício 12

Chotes. Música na escola: exercício 12 Chts Músic n scl: xcíci 12 Chts Aut: Aut scnhci, cnçã flclóic Rgiã: Ri Gn Sul Fix: 12 Anj: Nil Azv Pvt Músics: Cls Rbt Olivi pin Nil Azv Pvt clints sx lt Cnts: lic Alid Pi Guilh Cnciçã Sntn Eily Ryn Buin

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS - CINEMÁTICA

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS - CINEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 5ª LISTA DE EXERCÍCIOS - CINEMÁTICA Cnsidee

Leia mais

5/21/2015. Prof. Marcio R. Loos. Revisão: Campo Magnético. Revisão: Campo Magnético. Ímãs existem apenas em pares de polos N e S (não há monopolos*).

5/21/2015. Prof. Marcio R. Loos. Revisão: Campo Magnético. Revisão: Campo Magnético. Ímãs existem apenas em pares de polos N e S (não há monopolos*). 5/1/15 Físca Geal III Aula Teóca 16 (Cap. 1 pate 1/): 1) evsã: Camp Magnétc ) Le de t-savat ) devd a um f etlíne lng ) Lnhas de camp pduzds p um f 5) n cent de cuvatua de um ac de f 6) Fça ente centes

Leia mais

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é:

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é: nrgia no MHS Para studar a nrgia mcânica do oscilador harmônico vamos tomar, como xmplo, o sistma corpo-mola. A nrgia cinética do sistma stá no corpo d massa m. A mola não tm nrgia cinética porqu é uma

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PESQUISA EM CLOUD COMPUTING NO IFC - CÂMPUS CAMBORIÚ 1

DESENVOLVIMENTO DE PESQUISA EM CLOUD COMPUTING NO IFC - CÂMPUS CAMBORIÚ 1 Msta Nacinal Iniciaçã Cintífica Tcnlógica Intisciplina VI MICTI Institut Fal Catainns Câmpus Cambiú 30 a 31 utub 2013 DEENVOLVIMENTO DE PEQUIA EM CLOUD COMPUTING NO IFC - CÂMPU CAMBORIÚ 1 Dig Alvs a Rcha

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios sluçõs Ecícis MTEMÁTI IV LOO 0 nhcimnts lgébics pítul 0 Funçõs Tignmétics 0 p.( p-)( p-b).( p- c), n + b+ c 8+ + p 8 8.0...9..... LOO 0 0 D + D sn cs tg 0 + 0... sn +.,8.,8. sn 0. +,.,8. +, cm. sn 0 0

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

tre L' y 4or, n p g ;q..40, A /... 401#' 1 / #114/ f ... Il PREJUDICA 4110f Af \. I - ) v n / 1 1::: 11 1::: is! n::1 ;:i C) C) e ui LIDO HOJE.

tre L' y 4or, n p g ;q..40, A /... 401#' 1 / #114/ f ... Il PREJUDICA 4110f Af \. I - ) v n / 1 1::: 11 1::: is! n::1 ;:i C) C) e ui LIDO HOJE. LDO HOJE. n Ai 0 2 -- ÀS COMSSÕES DE: nual 9)50.;.:)...(á 3 i / J. 99 5 j::'(445:,dw).., 0... E 3 S... A T :: V () H P. / 9 5 c-.4 7-- Õ.t_ cem A CaARA 3:CPLL PREJUDCA C.', n id e. 't t. :. de j. el a

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Não deu tempo. VL já tinha sumido no mundo. Uma coisa ninguém podia negar: VL sabia quando tinha feito algo errado. E quando era hora de dar o fora!

Não deu tempo. VL já tinha sumido no mundo. Uma coisa ninguém podia negar: VL sabia quando tinha feito algo errado. E quando era hora de dar o fora! Cítl 3 N ã ê hitói gt C t t it bih tiã. N v ã t fi t. O ã? É lh xli: t tã. C tv ih l b l g fi tl filht h vli l l i. Ei é vê vi? Cl filht ã b C filht ã g tã. M VL g. Q ig C i it hã. VL vih tá filht tbé

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa A. alternativa B. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã TIPO DE PROVA: A de dias decrrids para que a temperatura vlte a ser igual àquela d iníci das bservações é: A ser dividid pr 5, númer 4758 + 8a 5847 deixa rest. Um pssível valr d algarism a, das

Leia mais

Plano Anual de atividades 2015/2016 1ºPeriodo

Plano Anual de atividades 2015/2016 1ºPeriodo Anua atividas 2015/2016 1ºPid Atividas a aiza Ecíci vacuaçã Assciaçã atística andant tat Afina Íbis 1ª Runiã ga ncagads ducaçã Mês da aimntaçã, atividas pmçã paa a saú Gup av Pésca Pésca Pésca Pésca Rcuss

Leia mais

Í n d i c e. I n t r o d u ç ã o C o m o e u c o n f i g u r o o S P A 9 3 2? I n f o r m a ç

Í n d i c e. I n t r o d u ç ã o C o m o e u c o n f i g u r o o S P A 9 3 2? I n f o r m a ç Í I t ç ã C m f g S P A 9 3 2? I f m ç õ s R l s Itçã Est tg é m m m sé p xl stlçã, tblshtg mtçã pts Cs Smll Bsss (tg Lksys Bsss Ss). Q. Cm fg SPA932? R. O SPA932 é m sl tmt 32-btt p SPA962. C SPA932 f

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO As qustõs sguints rfrm-s as sus hábits d sn durant mês passad. Suas rspstas dvm dmnstrar, d frma mais prcisa pssívl, qu acntcu na mairia ds dias

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistemas Trifásicos LIGAÇÃO DE CARGAS INTRODUÇÃO

Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistemas Trifásicos LIGAÇÃO DE CARGAS INTRODUÇÃO www.-l.nt Tmática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistmas Trifásicos GAÇÃO DE CARGAS NTRODÇÃO Nsta scção, studam-s dois tipos d ligação d cargas trifásicas (ligação m strla ligação m triângulo ou dlta) dduzindo

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

Bem-vindo! Depois de percorrer

Bem-vindo! Depois de percorrer B-! D çã O ê B, ê ê á! A, í ó, á,,,, ç. P é, á ê á. N ó á, ê á çã. D-! Tâ T ê. V ó ê. Há? - >>> >>> >>> >>> - >>> ìì - >>> >>> >>> 2 3 + TRÂNSTO DE PALAVRAS Há á õ ê. V. FRASES CÉLEBRES A ã í? Fç ê. O

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

alpha número 8 O VELOCISTA PURO SANGUE INGLÊS A ARTE de MoRAR com REquINTE

alpha número 8 O VELOCISTA PURO SANGUE INGLÊS A ARTE de MoRAR com REquINTE alha alha a l h a a l h a OLANDO BuNNO JAHAA LANA DEL EY an 2 - núm 8 - $ 14,90 6,30 viagm música cinma gasnmia dsign blza a O Cnnái d Tha Municial d Sã Paul Galáags: cuis aquiélag A ARTE d MRAR cm REquINTE

Leia mais

w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995

w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995 (2-4- LIDO HOJE AS COMISSÕES DE: S E I 995 nnnnnnnnnnnnnnnnnnnn w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995 Dnmina "Praça Marcus França Trrs" a Praça VI, cadlg 46.573-9, situada n Distrit d Jaraguá - JAR.

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO

RECURSOS HUMANOS ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO RECURSOS HUMANOS Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl Intduçã Cncits dfiniçã Digms d flux d pcsss Gáfics d flux d pcsss Estud d cs: DDT d FPFutbl

Leia mais

Energia Potencial Elétrica

Energia Potencial Elétrica Enegia Ptencial Elética Q - Cm encnta tabalh ealizad p uma fça F sbe um bjet que se deslca ente dis pnts P e P? P P - W P F.d P Q - O que se pde dize sbe tabalh ealizad p esta fça F em difeentes tajetóias

Leia mais

TECIDOS CONJUNTIVOS ESPECIAIS: ÓSSEO

TECIDOS CONJUNTIVOS ESPECIAIS: ÓSSEO TECIDOS CONJUNTIVOS ESPECIAIS: ÓSSEO O tcid ós é cnstituíd células matriz xtraclular calcificada, nminada matriz ósa. A matriz minralizada é frmada pr cnstituints rgânics, cm clágn d tip I pr cnstituints

Leia mais

o que se entende por lente.

o que se entende por lente. 1062.0041 As lentes esféricas e suas principais características. 1. Habilidades e cmpetências. 3. Mntagem. B ::; A términ desta atividade alun deverá ter Cas necessári cnsulte a instruçã ]992.021. cmpetência

Leia mais

TEOREMA DE TAYLOR 2! 1 1. (n) n (n 1) 0 + f x0 x x0 + f (c) x

TEOREMA DE TAYLOR 2! 1 1. (n) n (n 1) 0 + f x0 x x0 + f (c) x (Tóp. Tto Complmta) TEOREMA DE TAYLOR TEOREMA DE TAYLOR S uma ução suas pimias divadas istm um itvalo abto I cotdo, sgu-s do toma do valo médio galizado (dado o tópico dsta aula), substituido a ou b po,

Leia mais

Figura 13-Balança de torção

Figura 13-Balança de torção Capítul-Cagas eléticas, islantes e cndutes ças eléticas A Lei de Culmb Augustin Culmb aceditava na teia de açã a distância paa a eleticidade Ele inventa e cnstói em 785 uma balança de tçã paa estuda a

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre AGÊNCIA ESTADUAL DE EXECUÇÃO DOS PROJETOS DA COPA DO MUNDO DO PANTANAL FIFA 2014 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO MOBILIDADE URBANA Cliqu paa ita til ubtítul mt Ditia Planjamnt Gtã Nvmb / 2010 A p 1 Plan

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Transistor Bipolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 7 Boylestad Cap. 9 Malvino

Transistor Bipolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 7 Boylestad Cap. 9 Malvino Tanssto Bpola d Junção TBJ Cap. 4 Sda/Sth Cap. 7 Boylstad Cap. 9 Malno Análs Pqunos Snas Notas d Aula SEL 313 Ccutos Eltôncos 1 Pat 5 1 o S/2016 Pof. Manol Modlos Pqunos Snas do TBJ Tas odlos são úts paa

Leia mais

Instruções sobre a placa de interface ISDN BRI 1 porta (WIC-1B-U-V2, WIC-1B-U ou WIC36-1B- U)

Instruções sobre a placa de interface ISDN BRI 1 porta (WIC-1B-U-V2, WIC-1B-U ou WIC36-1B- U) Instuções sbe a placa de inteface ISDN BRI 1 p (-1B--V2, -1B- u 36-1B- ) Índice Intduçã Antes de Cmeça Cnvenções Pé-equisits Cmpnentes tilizads Númes de pdut Recuss Supte à platafma Infmações Relacinad

Leia mais

Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESTÁTICA Arquitectura 2006/07

Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura ESTÁTICA Arquitectura 2006/07 Scção d Mcâica Estutual Estutuas Dpatamto d Eghaia Civil Aquitctua ESTÁTICA Aquitctua 2006/07 ESTÁTICA 0. Apstação Objctivo (gal): Aális stutual d stutuas isostáticas paa acçõs státicas, cálculo d sfoços

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA FOLHA DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA FOLHA DE QUESTÕES CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC FOLH DE QUESTÕES 007 1 a QUESTÃO Valr: 1,0 Um hmem está de pé diante de um espelh plan suspens d tet pr uma mla. Sabend-se que: a distância entre s lhs d hmem

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

BAGS LIFE BAGS FOR ENTREG

BAGS LIFE BAGS FOR ENTREG , N M DIF QU M 4 c liz v l Id v u c u Y BG LIF BG F bg v w 5 g.c y-b www. IM PDUZ LIZM PN M XP IMDI NG N MN P K Y BG BG IF F L IM PDUZ M IZ L N P M XP DI IM G N N N M P K G b v w 66 D Y BG D L L D LIF

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

HORÁRIO DIA DE PROVA BLOQUEIO. 00h às 16h DETALHE BARRA DA TIJUCA SÃO CONRADO PRAINHA. Ás 08h

HORÁRIO DIA DE PROVA BLOQUEIO. 00h às 16h DETALHE BARRA DA TIJUCA SÃO CONRADO PRAINHA. Ás 08h 1/5 FHMNTOS D VIS POV D U D STD DT DI D POV GO Bi ft OPBN, IPNM,, GÁV, JD, HOTO, LTO D BO VIST, SÃO ONDO, OINH, VIDIGL, B D TIJU, IO, GUTIB JOÁ 00h à 16h LGND DO MP MSULINO THO INTDITDO P O TÁFGO GL Á

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO 1. NOMES DAS PEÇAS Nomes das Peças... 2 Acessórios Padrão... 3

ÍNDICE SEÇÃO 1. NOMES DAS PEÇAS Nomes das Peças... 2 Acessórios Padrão... 3 ÍNDICE SEÇÃO 1. NOMES DAS PEÇAS Noms das Pças... 2 Acssóios Padão... 3 SEÇÃO 2. PREPARANDO-SE PARA COSTURAR Ligando a Máuina à Font d Engia... 3 Pdal... 3 Alavanca do Pé Calcado... 4 Contol d Ponto Rvso...

Leia mais

Capítulo 3 - Flexão de Peças Curvas

Capítulo 3 - Flexão de Peças Curvas Capítulo - Flxão d Pças Cuvas.1. Gnaldads No studo qu s sgu, admt-s qu a lna qu un os ntos d gavdad das sçõs tansvsas da aa, amada lna dos ntos, sja uma uva plana qu as sçõs tansvsas tnam um xo d smta

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re O dia do benquerer José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re O dia do benquerer José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 2- t O i bq Jé Ri Mi 1 Cpítl D pi q gt t, l té q é b lgl. Algé h q ã? Etã p: ã f l, é q vê ii h tt iç vz? E ã vl fl ft ivái, pi iç lá pi q bl b. Até vê, q tbé t q vlt p. T p big, é

Leia mais

Cálculo Numérico. Integração Numérica. Prof: Reinaldo Haas

Cálculo Numérico. Integração Numérica. Prof: Reinaldo Haas Cálculo Numérico Intgração Numérica Pro: Rinaldo Haas Intgração Numérica Em dtrminadas situaçõs, intgrais são diícis, ou msmo impossívis d s rsolvr analiticamnt. Emplo: o valor d é conhcido apnas m alguns

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Curso de Engenharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EQ3M Smstr: 1 sm/2017 Data: 27/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Bimstral Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES

Leia mais

Cilindros Heavy Duty - Série 3400

Cilindros Heavy Duty - Série 3400 Catálogo 1001-8 BR Informações técnicas Índice Cilindros Características técnicas Diâmetros 1 1/2", 2", 2 1/2", 3 1/4" e 4" Tipo Dupla e simples ação Faixa de pressão Faixa de temperatura Fluido Até 17

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981 CC Vsã Cputacnal Câeas Insttut ecnlógc de Aenáutca P. Cals Henque Q. Fste Sala IEC aal 598 ópcs da aula Mdels de câeas Aqusçã de agens Paâets da câea Recupeaçã da atz de pjeçã Calbaçã de sa Lv paa acpanha

Leia mais

Aula 7-1 Campos Magnéticos produzidos por Correntes Lei de Biot-Savart Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 7

Aula 7-1 Campos Magnéticos produzidos por Correntes Lei de Biot-Savart Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 7 Aul 7-1 Cmps Mgnétics pduzids p Centes Lei de Bit-Svt Físic Gel e Expeimentl III Pf. Cláudi Gç Cpítul 7 Cmp B p cente elétic Expeiênci de Oested Fi n iníci d sécul XIX (em 180) que físic dinmquês Hns Chistin

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

D e A, respectivamente. Após a. transferência de energia eles encontram-se nos respectivos estados D e

D e A, respectivamente. Após a. transferência de energia eles encontram-se nos respectivos estados D e TRNSFERÊNCI E ENERGI NÃO RITIV Tansência d ngia não adiativa na scala nanoscópica, nvolvndo átomos moléculas, é um pocsso d gand impotância na natuza. Nss pocsso não há missão absoção d ótons; a ngia é

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

sábado, 5 de março de 2016 Destaque Foto: Leandro Brito Sessão fofura Liz Muniz Casamento Sarah e Luis Henrique

sábado, 5 de março de 2016 Destaque Foto: Leandro Brito Sessão fofura Liz Muniz Casamento Sarah e Luis Henrique Em áb, 5 mç 2016 Dtqu Ft: Ln Bit Sã ffu Liz uniz Cmnt Sh Lui Hniqu OGI GUAÇU, áb, 5 mç 2016 OGI GUAÇU, áb, 5 mç 2016 2 3 Sh LuiHniqu O mnt Sh hi Suz Lui Hniqu Bini Hnói fi liz n i 24 jni. Amig fmili fm

Leia mais

Módulo II Resistores e Circuitos

Módulo II Resistores e Circuitos Módulo Claudia gina Campos d Carvalho Módulo sistors Circuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. Como o rsistor é um condutor d létrons, xistm aquls

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

Física A 1. Na figura acima, a corda ideal suporta um homem pendurado num ponto eqüidistante dos dois apoios ( A 1

Física A 1. Na figura acima, a corda ideal suporta um homem pendurado num ponto eqüidistante dos dois apoios ( A 1 Física Vstibular Urj 98 1ª fas Qustão 16 A 1 A 2 θ Na figura acima, a corda idal suporta um homm pndurado num ponto qüidistant dos dois apoios ( A 1 A 2 ), a uma crta altura do solo, formando um ângulo

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais