INFORMÁTICA PARA CONCURSOS LINUX. Professor Mauricio Franceschini Duarte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMÁTICA PARA CONCURSOS LINUX. Professor Mauricio Franceschini Duarte"

Transcrição

1 INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Professor Mauricio Franceschini Duarte

2 SOFTWARE LIVRE É todo software sobre o qual o usuário tem o livre direito de instalar, usar, estudar, modificar e redistribuir. 2

3 FSF FREE SOFTWARE FOUNDATION (FUNDAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE) É uma organização sem fins lucrativos, que defende a idéia do Software Livre e que se dedica à eliminação de restrições sobre cópia, entendimento, modificação e redistribuição de programas de computadores. Iniciou um projeto de criação de um Sistema Operacional (SO) que se aproxima do UNIX, porém gratuito, que se chama GNU (GNU S NOT UNIX reparem a recursividade do nome). Como reguladora, criou a GPL, um tipo de licença pública. 3

4 GPL GENERAL PUBLIC LICENSE (LICENÇA PÚBLICA GERAL) A GPL é um tipo de classificação criada pela FSF para determinar o que é software livre. Na GPL, quatro direitos são garantidos aos usuários dos programas regidos por ela (os chamados software livre). 4

5 QUATRO DIREITOS DA GPL Um Software Livre poderá ser usado para qualquer finalidade. Um Software Livre poderá ser estudado plenamente (para isso é necessário possuir o código-fonte do programa). Um Software Livre poderá ser alterado em sua totalidade (para isso é necessário possuir o código-fonte do programa). Um Software Livre poderá ser distribuído (copiado) livremente, sem restrições de licença. 5

6 O Sistema Operacional considerado um Software Livre. Sua distribuição é gratuita e seu código-fonte é aberto (Open Source) Porém, algumas empresas lançam distribuições que são cobradas apenas a sua venda e não sua utilização/instalação. 6

7 HISTÓRICO Idealizado pelo finlandês Linus Torvalds. Baseou-se no UNIX, (que era OpenSource, porém licenciado para uso comercial) tendo como base a linguagem de programação C. Primeira versão foi lançada em

8 CARACTERÍSTICAS Multitarefa: capaz de executar mais de uma tarefa ao mesmo tempo. Preemptivo: o SO gerencia o processamento de tarefa, podendo fazer o escalonamento arbitrário. Multiusuário: capaz de atender a vários terminais (processamento centralizado) estabelecendo um sistema de prioridade entre cada um deles (semelhante ao Windows 2000). Multi-sessão: permite vários usuários logados ao mesmo tempo. Portabilidade: código fonte aberto permite alterações para possíveis adaptações ao hardware (mainframes, pc s). 8

9 ESTRUTURA DO Kernel: É o próprio sistema operacional é o núcleo essencial do sistema (o restante é acessório). É a parte mais próxima do nível físico. Composta de chamadas ao sistema, de acesso aos dispositivos E/S e gerência dos recursos da máquina Shell: Representa uma camada entre o kernel do sistema operacional e o usuário. É o interpretador de comandos digitados que passa para o kernel e vice-versa. Os mais conhecidos são o Bourne Shell (bsh), o C Shell (csh), o Korn Shell (ksh) e o Bourne Again Shell - bash (nova versão do Bourne Shell). HARDWARE KERNEL SHELL APLICATIVOS Aplicativos: demais recursos de software que compõem a distribuição do Linux. 9

10 INTERFACES GRÁFICAS Para utilizar o Linux de maneira gráfica, assim como o Windows, são disponibilizadas algumas interfaces gráficas, porém, não são nativas do Linux, ou seja, não fazem parte do seu Kernel. Podem ser chamadas de gerenciadores de janelas. Rodam sobre o Shell do Linux, que por sua vez utiliza uma camada antes da interface gráfica, chamada de servidor X. As interfaces mais comentadas em provas são KDE e GNOME, compatíveis entre si, ou seja, os programas que rodam em uma também rodam na outra. 10

11 INTERFACES GRÁFICAS - KDE 11

12 INTERFACES GRÁFICAS - GNOME 12

13 DISTRIBUIÇÕES DO Uma distribuição é a junção do Kernel com a inclusão de programas auxiliares (aplicativos e acessórios). Toda elas possuem um Kernel e um Shell. Em alguns casos a distribuição pode ter uma pequena alteração no kernel. Algumas distribuições são bem pequenas (cabendo em um disquete ou em um CD) e outras já são bem maiores (com centenas de programas juntos) O que diferencia uma da outra é maneira como são organizados e pré-configurados os aplicativos e como será feita a instalação do sistema. 13

14 GERENCIADORES DE INICIALIZAÇÃO São programas que permitem ao usuário gerenciar a inicialização dos SO s, podendo escolher qual deles carregar, caso haja mais de um em sua máquina. LILO: Linux LOader é um gerenciador modo texto, que gerencia o setor de Boot da MBR (Master Boot Record - primeiro setor de um HD que é lido na inicialização para dar a partida no computador) do HD permitindo a inicialização seletiva do sistema operacional, ou seja, ele apresenta um menu de opções para que o usuário possa escolher um entre os sistemas operacionais disponíveis para aquela inicialização. GRUB: GRand Unified Bootloader é um loader que trabalha com interface gráfica, logo na inicialização do computador, antes de carregar o SO. 14

15 GERENCIADORES DE INICIALIZAÇÃO - LILO 15

16 GERENCIADORES DE INICIALIZAÇÃO - GRUB 16

17 CONTAS DE USUÁRIOS Por ser um sistema multi-sessão e multiusuário, permite o cadastro de contas de usuários com diferentes níveis de permissão de acesso, sendo os principais: Usuários comuns: possuem restrições aos recursos do SO, não podendo configurar, instalar ou alterar programas, a não ser que seja dada permissão pelo administrador. Super usuário: conhecido como usuário root (raiz), possui privilégio total sobre a máquina, sendo responsável pela administração de configurações, outras contas de usuários, instalação de programas, etc. 17

18 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS É a forma como são organizados os arquivos e as pastas no SO. No Linux, o diretório raiz está tomado pelas pastas de sistemas, enquanto as pastas e arquivos pessoais devem ficar armazenadas no diretório /home. Há uma padronização para os diretórios Linux, o Filesystem Hierarchy Standard - FHS (http://www.pathname.com/fhs/), que especifica como é a organização de arquivos e diretórios em sistemas Unix/Linux. O Linux segue o padrão Unix System V / Este é o diretório raiz do sistema (no DOS o diretório raiz era C:\ ). É chamado de raiz porque dele serão originados todos os outros diretórios e subdiretórios, por isso a estrutura criada será semelhante a uma raiz. Todos os subdiretórios diretos do diretório / são diretórios do sistema e seguem uma estrutura peculiar, que deve ser mantida igual nos sistemas Linux. Ou seja, embora seja possível criar outros diretórios no diretório raiz, já existem alguns diretórios criados durante a instalação padrão do Linux, e estes diretórios padrão é que serão importantes de se conhecer. 18

19 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS /bin No diretório bin (de binários) ficam os programas para a interface ou operações básicas com o Linux no modo texto. É o diretório que possui o maior número de arquivos em qualquer distribuição Linux justamente por conter executáveis e bibliotecas dos principais programas que são usados com freqüência. No bin estão os principais comandos que o usuário irá utilizar durante a interação com o sistema por meio do prompt (interação shell em modo texto), exemplos: cat, cp, ls, mv, rm, su, tar, pwd; Por exemplo o comando ls que permite exibir a lista de arquivos e diretórios do diretório atual. 19

20 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS /boot Boot, como já sabemos, significa inicialização, sendo assim, neste diretório localizam-se todos os arquivos essenciais que o Linux utiliza para inicializar, para dar a partida assim que o computador é ligado. /dev É um diretório muito cobrado em provas de concursos. Neste diretório encontram-se os arquivos relacionados aos dispositivos de hardware (partes físicas do computador). Os arquivos essenciais para o funcionamento do hardware, que no Windows são chamados de drivers, no Linux são conhecidos como devices por isso o nome do diretório /dev. 20

21 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS /etc Também muito lembrando em provas de concursos, aqui são encontrados os arquivos de configuração do sistema (como o inittab), úteis para se fazerem determinadas modificações na interface (como carregar um ambiente gráfico). Também é importante ressaltar que o arquivo passwd, que é a base de dados dos usuários do sistema, se localiza neste diretório. O diretório /etc pode ser comparado ao registro do Windows, porque faz o papel de ser o esqueleto de configuração do Linux. 21

22 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS /home Este diretório é muito lembrando em provas porque é o diretório padrão para cada usuário, ou seja, cada usuário cadastrado no sistema Linux possui, usualmente, um diretório com seu respectivo login dentro do diretório /home, por exemplo: /home/profmaudua. O diretório /home é, no Linux, equivalente ao diretório Documents and Settings que o Windows 2000 e XP utilizam para armazenar as opções e configurações de cada usuário. No entanto, no Linux, cada usuário (que não seja administrador) só pode criar outros diretórios dentro do /home, ao contrário do Windows que o usuário cria diretórios (ou pastas) em qualquer lugar salvo se o root der permissões diferenciadas. Neste diretório é possível criar e salvar arquivos já que aqui o usuário comum tem permissão de leitura e gravação. 22

23 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS /mnt Diretório utilizado para conexão (montagem) de volumes ou drives (acionadores de disco) presentes em outros computadores da rede ou para acessar dispositivos removíveis, ou seja, para montar um dispositivo e seu sistema de arquivos temporariamente, como é o caso do CD/DVD ou ainda das modernas pen drives (memórias removíveis de conexão USB). /proc Diretório virtual de informações do sistema. Este diretório contém arquivos especiais que recebem e enviam informações ao kernel. Estes arquivos mostram informação dos programas ou processos que estão se executando em um momento dado. 23

24 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS /tmp Diretório que armazena os arquivos temporários do sistema. Arquivos temporários são os arquivos que são usados pelo sistema para armazenar informações apenas por um curto período de tempo e depois poderão ser removidos sem nenhum prejuízo ao sistema. /usr Os arquivos importantes para os usuários se encontram neste diretório. Neste diretório são encontrados: editores de texto, ferramentas, navegadores, ambientes gráficos e etc. No /usr ficam os executáveis e bibliotecas dos principais programas. /var Neste diretório se encontram informações variáveis do sistema contém diretórios de spool (mail, news, impressoras), arquivos de log, manuais... Neste diretório é possível acessar os arquivos que contém informações dos usuários e os últimos logins efetuados na máquina. Há um subdiretório chamado log (/var/log) que armazena diversas informações sobre o sistema Linux (eventos do sistema) por meio do arquivo messages. 24

25 PROMPT (TERMINAL DE COMANDOS SHELL) Execução: O terminal é a tela do Linux que permite a execução de comandos. Comandos são programas: Os comandos são pequenos programas, que já fazem parte do próprio sistema operacional e que podem ser executados para realizar tarefas. Ponto de inserção: O prompt apresenta um traço que pisca intermitentemente, este traço pode ser chamado de ponto de inserção. Nível de acesso: Há diferenças entre usar o prompt como usuário comum e como usuário root (administrador), para o Linux mostrar esta diferença ao usuário será apresentada uma # (tralha) para representar que se está usando o prompt como root. E para identificar o usuário comum o Linux apresenta o $ (cifrão). Pipe : É usado para direcionar a saída de um comando para outro comando. Ex: man ls col-b > profmaudua.txt Envia a saída da ajuda do comando ls, separada por coluna para o arquivo profmaudua.txt. 25

26 PROMPT (TERMINAL DE COMANDOS SHELL) PID: O programa/comando, ao ser executado, receberá um número de identificação (chamado de PID Process Identification), este número é útil para identificar o processo no sistema e assim ter um controle sobre sua execução (querer finalizar o processo, por exemplo). Scripts: São conjuntos de comandos que serão executados na ordem em que foram escritos no arquivos script. É utilizado para se evitar a digitação pro várias vezes consecutivas de um mesmo comando ou até para se compilar programas mais complexos. 26

27 TIPOS DE COMANDOS Comandos para aplicativos: Para os usuários que fazem uso da interface texto, alguns comandos servem para chamar os principais softwares do Linux pelo shell (lembrando que os comandos a seguir não executam uma tarefa específica no Linux, apenas abrem um aplicativo) : Ex: gedit - Editor de texto simples do Gnome. konqueror - Gerencia arquivos e navega na Web pelo KDE. kwrite - Editor de textos sem formatação do KDE, semelhante ao Bloco de Notas do Windows. 27

28 COMANDOS DO Para executar ações no Linux, por meio da linha de comandos, é possível usar centenas de comandos, em geral o formato de um comando é: comando -opções parâmetros As opções são usadas para controlar como o comando será executado. Também são chamadas de flag. Exemplo: ls -a: o "-a" representa uma opção (exibir arquivos ocultos). Um parâmetro identifica o caminho, origem, destino, entrada padrão ou saída padrão que será passada ao comando. Exemplo: ls /usr/doc: "/usr/doc" representa o parâmetro. Exemplo completo: ls -a /usr/doc: irá listar todos os arquivos (incluídos os ocultos) do diretório doc que está dentro do diretório usr que está na raiz /. É sabido que a linha de comandos do Linux é muito poderosa, pode-se comandar todo o sistema sem a necessidade de uma interface gráfica, para facilitar o acesso aos comandos o Linux permite que sejam executados dois comandos em uma mesma linha, separando-os por um ; (ponto-e-vírgula), exemplo: ls; man ls. 28

29 COMANDOS RELACIONADOS À AJUDA apropos: Permite localizar programas por assunto; info: É um sistema mais moderno de obtenção de ajuda sobre um comando, permite navegar por entre os hyperlinks da documentação - não é tão técnico como as informações do comando man; help: Permite obter uma lista dos principais comandos suportados diretamente pelo shell. locate: Localiza arquivos; man: Mostra uma ajuda de um comando; whatis: Exibe o que é determinado comando; whereis: Utilizado para se localizar um programa; xman: Mostra ajuda, porém, mostra as páginas man no XWindow; 29

30 COMANDOS RELACIONADOS À ADMINISTRAÇÃO, INICIALIZAÇÃO E DESLIGAMENTO adduser: Permite a criação de novas contas de usuário; alt f1: Alterna entre áreas de trabalho ; arch: Informa a arquitetura do computador; chfn: Muda os dados do usuário; exit: Finaliza sessão atual; free: Informa a utilização da memória; halt: Utilizado pelo usuário root para desligar o sistema imediatamente; id: Mostra identificação do usuário atual; init: Pode ser usado para desligar (0) ou reiniciar (6). last: Informa o histórico de logs do usuário atual; login: Inicializa uma sessão; logname: Mostra o login de um usuário; logout: Finaliza a sessão atual (equivale a exit ou a Ctrl+d); mkbootdisk: Cria um disco de boot do sistema; netconfig: Permite modificar as configurações de rede; 30

31 COMANDOS RELACIONADOS À ADMINISTRAÇÃO, INICIALIZAÇÃO E DESLIGAMENTO passwd: Utilizado para alterar a senha. O root pode alterar de outros usuários e um usuário limitado só pode utilizá-lo para alterar sua própria senha; Parâmetros: -e: Faz com que a senha do usuário expire, forçando-o a fornecer uma nova senha no próximo login; -k: Permite a alteração da senha somente se esta estiver expirada; -x dias: Faz com que a senha funcione apenas pela quantidade de dias informada. Depois disso, a senha expira e o usuário deve trocá-la; -n dias: Indica a quantidade mínima de dias que o usuário deve aguardar para trocar a senha; -w dias: Define a quantidade mínima de dias em que o usuário receberá o aviso de que sua senha precisa ser alterada; -i: Deixa a conta inativa, caso a senha tenha expirado; -l: Bloqueia a conta do usuário; -u: Desbloqueia uma conta; -S: Exibe o status da conta. 31

32 COMANDOS RELACIONADOS À ADMINISTRAÇÃO, INICIALIZAÇÃO E DESLIGAMENTO shutdown: Também é útil para desligar o sistema. Parâmetros: -r: Reinicializa o computador (dependendo da distribuição, também pode ser usada a combinação de teclas ctrl+alt+del); -h now: Utilizado pelo usuário root para desligar o sistema imediatamente. Ao invés de usar o now pode-se, também, configurar um tempo X, exemplo: -r +15: Reiniciar em 15 minutos; -h +60: Desligar em 60 minutos; -h +00:00: Desligar à 0h; whoami useradd userdel Mostra o login do usuário atual; Adiciona usuários ao sistema; Apaga usuários no sistema; se for usada a tag -f até mesmo a pasta do usuário será removida. 32

33 OUTROS COMANDOS IMPORTANTES & Envia o comando a ser executado (a estrutura é comando_qualquer &) para o segundo plano, ou seja, permite que sejam executados outros comandos enquanto o comando atual continua sua execução, o terminal fica livre para outros comandos; Acrescentar o & deixa o terminal desocupado e cria uma espécie de "multitarefa" dentro do sistema. alias Possibilita a criação de apelidos para os comandos desejados; cal Exibe o calendário; Exemplos: cal : Exibe o calendário do mês de Janeiro no ano 2000 cal MM YYYY: Exibe a data no formato especificado cat Concatena ou mostra o conteúdo de pequenos arquivos de texto, equivalente ao Type do DOS; Exemplo: cat profmaudua.txt: Exibe o texto do arquivo profmaudua.txt no console. 33

34 OUTROS COMANDOS IMPORTANTES cd Mudar o diretório (se não for especificado o diretório este comando acessa o diretório raiz do usuário logado); chown Permite alterar o dono e o grupo de um determinado arquivo, a tag (-R) permite a aplicação em todos os arquivos e subdiretórios; cp cron Copia arquivos e diretórios; executar comandos agendados; du Informa o espaço ocupado pelos arquivos ou diretórios; find Procura arquivo; Exemplo: find /diretoriox -name profmaudua Procura no diretoriox por arquivo com o nome profmaudua ; 34

35 OUTROS COMANDOS IMPORTANTES chmod Altera as permissões de acesso de arquivos ou diretórios, o "+" acrescenta uma permissão e o "-" tira uma permissão. Lembre-se que apenas o root pode alterar as permissões de pastas do sistema ou de outros usuários. Parâmetros: u: referente ao dono g: referente ao grupo o: referente a outros a: referente a todos Como identificar: r ou 4: Leitura w ou 2: Escrita/gravação x ou 1: Execução 0: Sem permissão alguma 6 (4+2): Leitura e gravação; 7 (4+2+1): Controle total, leitura, gravação e execução; 35

36 OUTROS COMANDOS IMPORTANTES chmod Exemplo: chmod u=rwx, g=x, o=x profmaudua chmod a+rwx, g-rw, o-rw profmaudua Na primeira linha está se dizendo que as permissões do dono (u) devem ser totais (rwx), do grupo (g) e outros (o) apenas execução (x). Na segunda linha, está se permitindo que todos tenham todas as permissões (a+rwx). Após retira-se as permissões de escrita e leitura do grupo e outros (g-rw e o-rw). 36

37 OUTROS COMANDOS IMPORTANTES df Informa os dados de ocupação do sistema de arquivo, mostra as partições usadas ou livres do HD. Pode ser utilizado junto com várias opções, Exemplo: # df a Opções: -a - inclui sistema de arquivos com 0 blocos -h - mostra o espaço livre/ocupado em MB, KB, GB em vez de bloco. -k - lista em Kbytes -l - somente lista sistema de arquivos locais -m - lista em Mbytes -T - lista o tipo de sistema de arquivos de cada partição. 37

38 OUTROS COMANDOS IMPORTANTES history Mostra os comandos que o usuário já digitou; O linux guarda até os últimos 500 comandos existe um arquivo (.bash_history) no diretório /home do usuário que guarda tais informações; kill Encerra um ou mais processos em andamento; ln Conecta arquivos e diretórios, ou seja, cria links (ou atalhos) para arquivos ou diretórios; mkdir Cria diretório; more Mostra conteúdo de um arquivo de texto; mount Permite a montagem dos dispositivos (discos) no Linux. Exemplo: mount /mnt/floppy Permite montar o disquete de 3,5 no Linux. É igual ao A: do Windows. Para desmontá-lo, execute umount: umount /mnt/floppy (O sistema não deixa38 desmontar se o usuário estiver acessando-o).

39 OUTROS COMANDOS IMPORTANTES mv Move arquivos ou renomeia arquivos. Exemplo: mv profmaudua.doc /home/profmaudua irá mover o arquivo do diretório atual para o diretório /home/profmaudua. Já o comando mv profmaudua.doc profmaudua2.doc irá mudar o nome do arquivo de profmaudua.doc para profmaudua2.doc; ps Exibe os processos em execução; pwd rm rmdir whoami Mostra o diretório atual; Apaga arquivos. Opções: -r - apaga diretórios não vazios se utilizar; -rf - apaga o diretório sem mostrar as confirmações de exclusão de arquivos; Remove diretórios vazios; Mostra o login do usuário atual; 39

40 Gabarito dos Exercícios 1 b 2 e 3 a 4 e 5 e 6 c 7 d 8 a 9 d 40

41 CRÉDITOS SOBRE OS OMBROS DE GIGANTES ESTE MATERIAL FOI PRODUZIDO COM A AJUDA DAS FONTES ABAIXO. 1 Apostila de Linux do professor Léo Matos. 2 Apostila de Linux do professor André Alencar. 3 Site de pesquisa Wikipédia. 41

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013 1 2 INTRODUÇÃO A LINUX ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais Kernel núcleo do

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Conteúdo Programático Login e Logout Iniciando e Desligando o Sistema Tipos de arquivo Texto Binário Arquivos e Diretório Manipulação de

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Principais Comandos do Terminal no LINUX

Principais Comandos do Terminal no LINUX Principais Comandos do Terminal no LINUX Estes comandos não visam ser um compêndio completo de operação, haja vista que se possui mais comandos que esses aqui que serão listados, logo os comandos são:

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Linux. Wagner de Oliveira

Linux. Wagner de Oliveira Linux Wagner de Oliveira Um computador, uma mesa, um usuário. Duas pessoas não podem trabalhar em paralelo, executando o Microsoft Word na mesma máquina, simultaneamente. Windows 2003 Advanced Server +

Leia mais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais De modo semelhante ao Linux, o Windows é considerado um software microbásico. Uma característica desse tipo

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre

Introdução ao Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais Campus Pouso Alegre Introdução ao Linux Comandos Ubuntu/Linux Michelle Nery Agenda Comandos do Sistema Comandos para Processos

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

Sistema Operacional GNU/Linux

Sistema Operacional GNU/Linux Sistema Operacional GNU/Linux Histórico: 1969 Bell Labs anuncia a primeira versão do Unix 1983 Criação do Projeto GNU 1987 Andrew Tenenbaum anuncia o Minux, versão do Unix para Desktops 1990 Microsoft

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux GNU / Linux Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009 Conceitos Básico O S.O. é case sensitive, ou seja, sensível à caixa; Exemplo: o arquivo apple.txt é diferente do arquivo Apple.txt e podem conviver juntos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

GNU/Linux/Bash. Aula 2

GNU/Linux/Bash. Aula 2 GNU/Linux/Bash Aula 2 O que é? Ubuntu GNU Linux Ubuntu 12.04 Ubuntu é um sistema operacional baseado em Linux desenvolvido pela comunidade e é perfeito para notebooks, desktops e servidores. Ele contém

Leia mais

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Curso UNIX Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Universidade Federal de Santa Catarina 25 de Setembro de 2010 CHAMADA Objetivos Instalação do sistema Ubuntu 10.04 Conhecer a origem do sistema

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

Introdução a. Shell Script. Clésio Matos clesior.matos@gmail.com

Introdução a. Shell Script. Clésio Matos clesior.matos@gmail.com Introdução a Shell Script Clésio Matos clesior.matos@gmail.com 1 Plano de apresentação O que são shell scripts Comandos básicos Estruturas básicas do BASH - Comandos condicionais - Comandos de repetição

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Recuperando o GRUB após instalação do Windows

Recuperando o GRUB após instalação do Windows Recuperando o GRUB após instalação do Windows PET Engenharia de Computação - http://www.inf.ufes.br/~pet 1 Instruções iniciais Para efetuar as configurações a seguir talvez precisaremos executar comandos

Leia mais

http://introcomp.pet.inf.ufes.br

http://introcomp.pet.inf.ufes.br O SITE http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br O MOODLE http://introcomp.pet.inf.ufes.br/moodle http://introcomp.pet.inf.ufes.br/moodle

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

Comandos Básicos do Linux/Unix

Comandos Básicos do Linux/Unix Comandos Básicos do Linux/Unix Vou partir do pressuposto que você sabe o básico de um sistema Linux/Unix. É importante para qualquer usuário de sistemas baseados em Unix aprender a trabalhar no modo texto

Leia mais

Gerenciamento de Boot

Gerenciamento de Boot - Gerenciamento de Boot é um meio de você configurar e trabalhar com diversos sistemas operacionais instalados. - Gerenciador de Boot é um pequeno software instalado no Master Boot Record (MBR) nas trilhas

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Equivalente a inicializar um computador ; Durante o bootstrapping, o kernel é carregado na memória principal e começa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo. Comandos LINUX. principais vi ifconfig.

Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo. Comandos LINUX. principais vi ifconfig. Comandos LINUX Universidade Católica de Brasília Laboratório de Redes de Computadores 1 Prof Eduardo Lobo Comandos LINUX principais vi ifconfig Comando Descrição Exemplo cd Muda o diretório corrente cd

Leia mais

Aula 05 Estrutura de diretórios

Aula 05 Estrutura de diretórios 1 Aula 05 Estrutura de diretórios 1.0 Histórico Quando do desenvolvimento do Linux, Linus Torvalds tinha a pretensão de evitar problemas encontrados durante seu uso do Minix. Dessa maneira, o sistema de

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Adelman Wallyson de Sousa Benigno

Adelman Wallyson de Sousa Benigno Laboratory of Software Engineering and Computer Network Universidade Federal do Maranhão Curso de Engenharia Elétrica Engineering for a better life LINUX Trabalho apresentado ao Prof. Denivaldo Lopes Adelman

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba Mini Curso Linux Eu defendo!!! Apresentação Rafael Arlindo Dias Técnico em Informática CEFET Rio Pomba/MG Cursos

Leia mais

CET GRSI 2011. Sistema Operativo de Rede. António Paulo Santos aps@estgf.ipp.pt

CET GRSI 2011. Sistema Operativo de Rede. António Paulo Santos aps@estgf.ipp.pt CET GRSI 2011 Sistema Operativo de Rede António Paulo Santos aps@estgf.ipp.pt O que é um S.O. de Rede? Sistema operativo que incluí: funções especiais que permitem a ligação de um computador a uma LAN.

Leia mais

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Gerenciamento de Arquivos e Pastas Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Arquivo Todo e qualquer software ou informação gravada em nosso computador será guardada em uma unidade de disco,

Leia mais

NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux. www.ncd.ufes.br

NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux. www.ncd.ufes.br NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux www.ncd.ufes.br Licença Este trabalho é licenciado sob a licença Creative Commons Attribution NonCommercial-ShareAlike

Leia mais

Informática. Aula 04/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aula 04/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aula 04/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática Qualificação:

Leia mais

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente?

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? Conteúdo 1 Comandos Básicos Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? a) shutdawn b) shutdown t now c) shutdown r now d) shutdwon h now e) shutdown h now Questão 2: Que comando

Leia mais

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Objetivos Detalhar conceitos sobre o sistema operacional Linux; Operar comandos básicos de sistemas Linux em modo Texto; Realizar a manutenção de arquivos

Leia mais

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos

Informática. Aula 03 Sistema Operacional Linux. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Informática Aula 03 Sistema Operacional Linux Objetivos Entender

Leia mais

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo.

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. (n=1 a 6) Alterna para o terminal (1 a 6).

Leia mais

www.leitejunior.com.br 13/01/2012 12:57 Leite Júnior

www.leitejunior.com.br 13/01/2012 12:57 Leite Júnior LINUX É um programa(software) de computador que gerencia(controla) os recursos do computador. É uma interface(intérprete) entre o usuário e a máquina. É um sistema MULTIUSUÁRIO, permite cadastrar várias

Leia mais

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Elaboração: Prof. Éverton Loreto everton@uffs.edu.br 2010 Objetivo Conhecer as características e recursos do Sistema Operacional

Leia mais

Minicurso de Introdução a GNU/Linux. Nicolas Katte Dornelles Raul José Chaves Róbson Tolfo Segalla

Minicurso de Introdução a GNU/Linux. Nicolas Katte Dornelles Raul José Chaves Róbson Tolfo Segalla Minicurso de Introdução a GNU/Linux Nicolas Katte Dornelles Raul José Chaves Róbson Tolfo Segalla Avisos Aulas disponíveis em http://www-usr.inf. ufsm. br/~rsegalla/minicurs os/intrognulinux/ Partes que

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

LINUX PARA CONCURSOS PÚBLICOS

LINUX PARA CONCURSOS PÚBLICOS LINUX PARA CONCURSOS PÚBLICOS ÍNDICE GNU/Linux... 1 Distribuições LINUX... 1 Iniciando o Linux... 1 Gerenciadores de Janelas... 1 Shell (Modo Texto)... 2 KDE e Gnome... 2 Inicialização do Sistema Linux

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II

Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II Faculdade Senac Porto Alegre - FSPOA Administração de Sistemas Operacionais Não-Proprietários II UC: Administração de Redes Aula 01 1/15 Faculdade Senac Porto Alegre - FSPOA Revisão 2/15 Linux e Distribuições

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0

Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 2007 Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 Por: Rafael Nink de Carvalho Web site: 2 Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 Por: Rafael Nink de Carvalho Machadinho D Oeste RO Agosto 2007

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 ÍNDICE Aula 1 Conhecendo o Linux... 3 Apresentação... 3 Tela de Logon... 4 Área de trabalho... 5 Explorando o Menu

Leia mais

Comandos básicos do Linux

Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Introdução Alguns comandos que você verá nesta página, equivalem aos utilizados no DOS. No entanto, saiba que conhecendo ou não o DOS, você poderá estranhar

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Sistema Operacional Linux Curso Básico. Leonardo Brenner Paulo Fernandes

Sistema Operacional Linux Curso Básico. Leonardo Brenner Paulo Fernandes Sistema Operacional Linux Curso Básico Leonardo Brenner Paulo Fernandes i Sumário 1 Apresentação e Conceitos 1 1.1 Histórico.................................. 1 1.2 Sistema de Arquivos............................

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

Projeto de extensão Linux no Campus

Projeto de extensão Linux no Campus Projeto de extensão Linux no Campus Universidade Federal de Santa Maria Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação Evandro Bolzan Contatos: ebolzan@inf.ufsm.br, http://www.inf.ufsm.br/~ebolzan BUG BUG

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça EE: Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Sistema de Arquivos Fabricio Breve O que você encontra no Sistema de Arquivos do Linux... Processos Portas seriais Canais de comunicação entre

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal

Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal DIRETORIA DE OPERAÇÕES DO GERÊNCIA DE GESTÃO DE AMBIENTES GGA Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal Documento Versão 1.0.1 Adaptado por Coordenação Data de

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Manual de Comando Linux

Manual de Comando Linux Manual de Comando Linux 1 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Comandos Simples Linux... 3 Gerir Directórios e Ficheiros... 4 Gerir processos... 6 Estrutura de Diretórios do LINUX... 6 Executar comandos

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais