J.G INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE GERADORES LTDA EPP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "J.G INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE GERADORES LTDA EPP"

Transcrição

1 TECNOLOGIA EM AQUECIMENTO TÉRMICO 1

2 Nossa História A J.G foi fundada em 1987 com o intuito de atender a necessidade do mercado no segmento de aquecimento térmico oriundo de vapor ou óleo térmico e desde então vem buscando com seus fornecedores, colaboradores e clientes aperfeiçoar seus equipamentos e produtos comercializados. Atuamos no mercado fabricando geradores de vapor, caldeiras, aquecedores de óleo térmico, bem como a comercialização de peças para reposição nos equipamentos, produtos para instalações industriais e com contratos de manutenção preventiva e corretiva de seus equipamentos produzidos e existentes no mercado. Buscamos atender, com agilidade, o segmento industrial, de serviços, residencial e instituições com fins didáticos, oferecendo alternativas técnicas e econômicas com qualidade e que atendam as exigências solicitadas por nossos clientes. Os inúmeros equipamentos comprovam nossa qualidade e liderança. PRINCIPAIS RAZÕES PARA UTILIZAR GERADOR DE VAPOR Segurança: O gerador de vapor não oferece risco de explosão, sendo este o principal diferencial quando comparado a uma caldeira convencional. Vapor Instantâneo: Em apenas 05 (cinco) minutos após o preenchimento do sistema de alimentação de água e dada a partida no sistema de ignição, obtêm-se vapor com pressão de 150 Lbs (10 Kgf/cm²), evitando o gasto de combustível com pré-aquecimento do equipamento, como ocorre em todas as caldeiras convencionais. Baixo Custo de Reparação: Nossos geradores de vapor possuem o mínimo de refratário, o que evita operações e manutenções custosas à câmara de combustão. Baixo Custo de Instalação: Um gerador de vapor tem custo de instalação de 40% a 50% inferior comparado às caldeiras convencionais. Baixo Custo de Reposição: Após anos em operação, nosso gerador de vapor pode ser recondicionado com a qualidade de um equipamento novo, com apenas 50% do custo de reparação de uma caldeira convencional. Calor Uniforme: Vapor com alta qualidade, com menos de 1% de umidade, controlado, proporcionando calor uniforme através do sistema. Economia de Combustível: Até 25% de economia devido a bomba de alimentação do equipamento suprir o sistema com condensados a altas temperaturas. Espaço Mínimo: Os geradores de vapor necessitam de um espaço pequeno para sua instalação: ¼ do espaço necessário para uma caldeira convencional. 2

3 Manutenção Mínima: Devido ao sistema de circulação do gerador de vapor ser controlado mecanicamente e eletronicamente, minimiza as partes expostas ao fogo direto. Máxima Eficiência: O Controle automático dos três fatores básicos da produção de vapor, sendo estes: 1-) Circulação de Água, 2-) Combustão e 3-) Aproveitamento do calor originado pelos gases da combustão, asseguram uma eficiência máxima sem necessidade de constante atenção. Ótima Transmissão de Calor: O controle de incrustação, através do diferencial de pressões entre a entrada e saída das superfícies de aquecimento, assegura uma transmissão máxima de calor, que reflete na mais alta eficiência. Práticos: Não necessitam de fundações especiais e reforço do piso para sua instalação. Transporte: Devido a sua construção compacta, o gerador de vapor possibilita uma mobilidade mais ágil. ISENÇÃO DA NORMA NR-13 PARA OS GERADORES DE VAPOR GERADOR DE VAPOR CALDEIRA 3

4 GERADOR DE VAPOR CALDEIRA 4

5 GERADOR DE VAPOR Manual Técnico de Caldeiras e Vasos de Pressão Edição Comemorativa10 anos da NR-13 (da Portaria nº 23/94) Brasília2006 CALDEIRA Manual Técnico de Caldeiras e Vasos de Pressão Edição Comemorativa10 anos da NR-13 (da Portaria nº 23/94) Brasília Caldeiras a vapor disposições gerais Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior à atmosférica, utilizando qualquer fonte de energia, excetuando-se os refervedores e equipamentos similares utilizados em unidades de processo. Para efeito da NR-13, serão considerados, como caldeiras todos os equipamentos que simultaneamente geram e acumulam vapor de água ou outro fluido. 2. Esta NR não se aplica aos seguintes equipamentos: e) Serpentinas para troca térmica. g) Vasos com diâmetro interno inferior a 150 mm para fluidos da classe B, C e D, conforme especificado no Anexo IV Caldeiras a vapor disposições gerais Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior à atmosférica, utilizando qualquer fonte de energia, excetuando-se os refervedores e equipamentos similares utilizados em unidades de processo. Para efeito da NR-13, serão considerados, como caldeiras todos os equipamentos que simultaneamente geram e acumulam vapor de água ou outro fluido. 2. Esta NR não se aplica aos seguintes equipamentos: e) Serpentinas para troca térmica. g) Vasos com diâmetro interno inferior a 150 mm para fluidos da classe B, C e D, conforme especificado no Anexo IV. Termos da isenção da norma NR 13 - O Gerador de vapor produz vapor, mas não acumula vapor em seu interior. - Por ser um equipamento fabricado em forma de espiras, já estão isentos da aplicação da norma NR Nos equipamentos EO 16; RO 33; EG 16; RG 33, por possuírem o separador de vapor com diâmetro inferior a 150 mm, não enquadramse na norma NR 13. Termos da aplicação da norma NR 13 - A Caldeira produz vapor e acumula vapor em seu interior. - Por ser um equipamento fabricado com tubos em forma reta ou curvo, estão enquadrados na norma NR Todos os equipamentos enquadram-se na norma NR 13 pelo fato de o tubulão da caldeira possuir entre 1000 mm até 7000 mm 5

6 FÁCIL INSTALAÇÃO INSTALAÇÃO TÍPICA PARA EQUIPAMENTO A ÓLEO DIESEL GERADOR DE VAPOR Os modelos abaixo são utilizados para combustíveis líquidos: - Álcool - Óleo Diesel - Querosene EO 16 RO 33 6

7 WHO 50 WHO 100 TABELA TÉCNICA: GERADOR DE VAPOR (COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS) MODELO EO 16 RO - 33 WHO- 50 WHO Kcal / h Kcal / h Kcal / h Kcal / h Produção de Calor (Líquido) Evaporação (Com água de alimentação a 20 ºC) Pressão de Operação do Vapor Consumo de Combustível (Para Produção Máxima) Motor Elétrico Superfície de Aquecimento Peso do Equipamento Dimensões Aproximadas Altura Comprimento Largura 216 Kg V/h 432 Kg V/h 650 Kg V/h Kg V/h 4,57 a 10,50 Kgf/cm² 4,57 a 13,70 Kgf/cm² 29,50 L/h 18,50 L/h 19,50 L/h 59,00 L/h 37,50 L/h 39,00 L/h 4,57 a 10,50 Kgf/cm² 89,00 L/h 57,00 L/h 59,00 L/h 4,57 a 10,50 Kgf/cm² 178,00 L/h 114,00 L/h 118,00 L/h 0,75 HP 1,50 HP 3,00 HP 5,00 HP 4,55 m² 7,15 m² 9,66 m² 18,39 m² 450 Kg 750 Kg Kg Kg mm mm 800 mm mm mm 850 mm mm mm mm mm mm Obs:Reservamo-nos o direito de proceder alterações nos dados divulgados neste catalogo. Legenda Combustíveis Álcool = Azul Óleo Diesel = Preto Querosene = Vermelho 7

8 FÁCIL INSTALAÇÃO INSTALAÇÃO TÍPICA PARA EQUIPAMENTO A GÁS GLP OU NATURAL GERADOR DE VAPOR Os modelos abaixo são utilizados para combustíveis gasosos - Gás GLP - Gás Natural EG 16 RG 33 8

9 WG 50 WG 100 TABELA TÉCNICA: GERADOR DE VAPOR (COMBUSTÍVEIS GASOSOS) MODELO EG 16 RG - 33 WG- 50 WG Kcal / h Kcal / h Kcal / h Kcal / h Produção de Calor (Liquido) Evaporação (Com Àgua de Alimentação a 20 ºC) Pressão de Operação do Vapor 216 Kg V/h 432 Kg V/h 650 Kg V/h Kg V/h 4,57 a 10,50 Kgf/cm² 4,57 a 13,70 Kgf/cm² 4,57 a 10,50 Kgf/cm² 4,57 a 10,50 Kgf/cm² Consumo de Combustível (Para Produção Máxima) Motor Elétrico Superfície de Aquecimento Peso do Equipamento Dimensões Aproximadas Altura Comprimento Largura 13,6 Kg/h 17,50 m³/h 27,50 Kg/h 35,00 m³/h 42,00 Kg/h 57,00 m³/h Kg/h 108,00 m³/h 0,75 HP 1,50 HP 3,00 HP 5,00 HP 4,55 m² 7,15 m² 9,66 m² 18,39 m² 450 Kg 750 Kg Kg Kg mm mm 800 mm mm mm 850 mm mm mm mm mm mm Legenda Combustíveis Azul: Gás GLP Vermelho: Gás Natural 9

10 CALDEIRA ELÉTRICA TABELA TÉCNICA: CALDEIRA ELÉTRICA MODELO JGE- 15 JGE- 30 JGE- 50 JGE- 80 JGE- 100 Produção de Calor (Liquido) Evaporação (Com Àgua de Alimentação a 20ºC) Pressão de Operação do Vapor Kcal / h Kcal/h Kcal / h Kcal/h Kcal / h 15 Kg V/h 30 Kg V/h 50 Kg V/h 80 Kg V/h 100 Kg V/h 2,5 a 8 Kgf/cm² 2,5 a 8 Kgf/cm² 2,5 a 8 Kgf/cm² 2,5 a 8 Kgf/cm² 2,5 a 8 Kgf/cm² Consumo de Combustível (Para Produção Máxima) Dimensões Aproximadas Altura Comprimento Largura 12 KW / h 24 KW / h 36 KW / h 64 KW / h 80 KW / h 600 mm 900 mm 600 mm 600 mm 600 mm 700 mm mm 700 mm mm Obs:Reservamo-nos o direito de proceder alterações nos dados divulgados neste catalogo mm 10

11 AQUECEDOR DE ÓLEO TÉRMICO MODELO TABELA TÉCNICA: AQUECEDOR DE ÓLEO TÉRMICO Produção de Calor Temperatura de Trabalho (Limitada a temperatura do Óleo) Pressão de Operação JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² JG THERM Kcal / h 300 ºC 6 Kgf / cm² Consumo de Combustível 12,8 L/h (Óleo Diesel) 10 Kg/h (GLP) 12 m³/h (Gás Nat) 25,6 L/h (Óleo Diesel) 20 Kg/h (GLP) 24 m³/h (Gás Nat) 38,4 L/h (Óleo Diesel) 30 Kg/h (GLP) 36 m³/h (Gás Nat) 55 L/h (Óleo Diesel) 40 Kg/h (GLP) 48 m³/h (Gás Nat) 65 L/h (Óleo Diesel) 50 Kg/h (GLP) 60 m³/h (Gás Nat) 78 L/h (Óleo Diesel) 60 Kg/h (GLP) 72 m³/h (Gás Nat) 91 L/h (Óleo Diesel) 70 Kg/h (GLP) 84 m³/h (Gás Nat) 104 L/h (Óleo Diesel) 80 Kg/h (GLP) 96 m³/h (Gás Nat) 117 L/h (Óleo Diesel) 90 Kg/h (GLP) 108 m³/h (Gás Nat) 130 L/h (Óleo Diesel) 100 Kg/h (GLP) 120 m³/h (Gás Nat) Obs:Reservamo-nos o direito de proceder alterações nos dados divulgados neste catalogo. Dimensões Aproximadas Altura: mm mm Largura:1.300 mm Altura: mm mm Largura: mm Altura: mm mm Largura: mm Altura: mm mm Largura: mm Altura: mm mm Largura: mm Altura: mm mm Largura: mm Altura: mm mm Largura: mm Altura: mm mm Largura: mm Altura: mm mm Largura: mm Altura: mm mm Largura: mm 11

12 CALDEIRA A LENHA TABELA TÉCNICA: CALDEIRA A LENHA MODELO JCL - 50 JCL JCL JCL JCL JCL Produção de Calor (Liquido) Evaporação (Com Àgua de Alimentação a 15ºC) Pressão de Operação do Vapor Consumo de Combustível (Para Produção Máxima) Superfície de Aquecimento Peso do Equipamento Dimensões Aproximadas Kcal / h Kcal / h Kcal / h Kcal / h Kcal / h Kcal / h 50 Kg V/h 100 Kg V/h 200 Kg V/h 300 Kg V/h 400 Kg V/h 500 Kg V/h 8 Kgf/cm² 8 Kgf/cm² 8 Kgf/cm² 8 Kgf/cm² 8 Kgf/cm² 8 Kgf/cm² 13 Kg / h (Lenha) 25 Kg / h (Lenha) 50 Kg / h (Lenha) 75 Kg / h (Lenha) 105 Kg / h (Lenha) 130 Kg / h (Lenha) 3,5 m² 6,5 m² 13 m² 19 m² 25 m² 33 m² Kg Kg Kg Kg Kg Kg Altura Comprimento Largura mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm Obs:Reservamo-nos o direito de proceder alterações nos dados divulgados neste catalogo. 12

13 Produtos Comercializados 13

14 Produtos Comercializados 14

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS Características e Vantagens Tipo vertical, com serpentina dupla e camisa de ar (em lugar de refratários), que evita a formação de incrustações de carvão no fluído..

Leia mais

PRODUTOS.

PRODUTOS. PRODUTOS www.psienergiatermica.com.br CENTRAL TERMOELÉTRICA Motor a Vapor com 3 potências disponíveis: 100, 200 e 300 CV, com alta capacidade de transformação do vapor, que garante geração de energia térmica

Leia mais

Caldeiras Industriais

Caldeiras Industriais Caldeiras Industriais SUMÁRIO VAPOR 5 O QUE É VAPOR? 5 CALOR 10 QUANTIDADE DE CALOR 10 CALOR ESPECÍFICO 10 TRANSFERÊNCIA DE CALOR 11 CALOR SENSÍVEL 11 CALOR LATENTE 11 CALOR TOTAL 11 TIPOS DE VAPOR 21

Leia mais

09/09/ Agosto/2012

09/09/ Agosto/2012 09/09/2012 1 Agosto/2012 Caldeiras 09/09/2012 2 CALDEIRAS Histórico 1698 - O inglês Thomas Savery patenteou um sistema de bombeamento de água utilizando vapor como força motriz. 1711 Newcomen desenvolveu

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Caldeira de vapor é todo equipamento que utilizando a energia química liberada durante a combustão de um combustível

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS. Equipamentos Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS. Equipamentos Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS Equipamentos Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso, misto Fluido quente

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA GERADORES DE VAPOR Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 O objetivo dessa aula apresentar e classificar os diversos tipos de geradores de vapor. Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 2 Gerador

Leia mais

CHAMA AQUECEDORES CEP T Rua Zélia, 325, Assunção São Bernardo do Campo, SP

CHAMA AQUECEDORES CEP T Rua Zélia, 325, Assunção São Bernardo do Campo, SP CHAMA AQUECEDORE Rua Zélia, 325, Assunção ão Bernardo do Campo, P CEP 09861-710 T 11 2291-5355 chama@aquecedoreschama.com.br www.aquecedoreschama.com.br 2 ITEMA MINI-CENTRAL TCA Modelos vertical e horizontal.

Leia mais

GERADORES DE VAPOR FOGOTUBULARES. Tecnologia

GERADORES DE VAPOR FOGOTUBULARES. Tecnologia GERADORES DE VAPOR FOGOTUBULARES Geradores de Vapor Definição 2 Geradores de vapor, ou simplesmente caldeira, é um trocador de calor complexo, que produz energia térmica em forma de vapor, a partir de

Leia mais

Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão

Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão 2016 ThermoSub - Apresentação O sistema ThermoSub apresenta um conceito totalmente inovador para o mercado de aquecimento de piscinas. O aquecimento é feito diretamente

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 : A 13º norma regulamentadora, estabelece todos os requisitos

Leia mais

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecimento de Água Linha Bomba de Calor para Piscina Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecedor de Água Apresentação Este modelo de bomba de calor para piscina é fabricado pela Rheem nos Estados

Leia mais

Sumário. Apresentação... IX Prefácio... XI Minicurrículo do Autor... XIII

Sumário. Apresentação... IX Prefácio... XI Minicurrículo do Autor... XIII Sumário Apresentação... IX Prefácio... XI Minicurrículo do Autor... XIII Capítulo 1 CÁLCULOS, CONCEITOS E DEFINIÇÕES... 1 1.1 Cálculos de Combustão.... 1 1.1.1 Introdução... 1 1.1.2 Ar de combustão...

Leia mais

Controle térmico em processos de conformação de plásticos

Controle térmico em processos de conformação de plásticos Controle térmico em processos de conformação de plásticos O controle preciso da temperatura é essencial na indústria de plásticos. Para cada aplicação e matéria-prima processada há uma solução de resfriamento

Leia mais

Quem busca economia prefere Heliotek

Quem busca economia prefere Heliotek Linha de aquecimento para piscina Quem busca economia prefere Heliotek A marca de aquecimento solar do grupo Bosch Aquecedor solar de piscina A opção com melhor custo-benefício para aquecer sua piscina

Leia mais

A WIRTGEN GROUP COMPANY LINHA DE TANQUES. ciberoficial

A WIRTGEN GROUP COMPANY LINHA DE TANQUES.  ciberoficial A WIRTGEN GROUP COMPANY LINHA DE TANQUES www.ciber.com.br ciberoficial 02 03 A Ciber conta com uma diferenciada linha de tanques de armazenamento de CAP e combustível. Também conta com tanques de armazenamento

Leia mais

QUE A SUA FAMÍLIA TODO CONFORTO MERECE AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS DE PASSAGEM LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO. O novo grau de conforto.

QUE A SUA FAMÍLIA TODO CONFORTO MERECE AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS DE PASSAGEM LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO. O novo grau de conforto. TO EN AM NÇ LA TODO CONFORTO QUE A SUA FAMÍLIA MERECE AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS DE PASSAGEM LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO O novo grau de conforto. A Rheem é uma empresa multinacional, fundada em São

Leia mais

AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS

AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS ! AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS 1) - M A S S A E S P E C Í F I C A ( ρ ) OU DENSIDADE ABSOLUTA (ρ ). - É o quociente entre a Massa do fluido e o Volume que contém essa massa. m ρ

Leia mais

precisamente monitorados.

precisamente monitorados. NR 14 - FORNOS Os fornos industriais são produzidos em diferentes modelos para atender às necessidades das indústrias, seja para produção de alimentos ou aquecimento de materiais. No setor de alimentos

Leia mais

Apresentação Técnica. Secadores por refrigeração a ar COOL. People. Footer Passion. Performance.

Apresentação Técnica. Secadores por refrigeração a ar COOL. People. Footer Passion. Performance. Apresentação Técnica Secadores por refrigeração a ar COOL People. Passion. Performance. 1. Agenda Visal geral da linha de produtos Aplicações Principais benefícios Características Técnicas Fluxograma Cuidamos

Leia mais

Catálogo de Seleção e Aplicação Unidades Condensadoras Slim Pack

Catálogo de Seleção e Aplicação Unidades Condensadoras Slim Pack MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Catálogo de Seleção e Aplicação www.danfoss.com.br Homologada para R22 / R404A/507 / R402B (HP81) Vantagens e benefícios Silenciosa - Baixo nível de ruído, própria para instalações

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR 2 SIST. POTÊNCIA A VAPOR Diferente do ciclo de potência a gás, no ciclo de potência

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 O objetivo dessa aula é relembrar os conceitos termodinâmicos do ciclo Rankine e introduzir aos equipamentos que

Leia mais

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT TO EN M A Ç N LA CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. QUALIDADE E AR CONDICIONADO LINHA SPLIT 00485mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:20:24 Cassete Apresentação

Leia mais

Equipamentos Industriais

Equipamentos Industriais Equipamentos Industriais CONDUÇÃO E CONTROLE DE FLUIDOS Empresa Certificada - ISO 9001 A BERMO iniciou suas atividades em 1973, em Blumenau- SC e, atualmente, através de suas filiais e representantes,

Leia mais

BIOMASSA LENHA PELLETS

BIOMASSA LENHA PELLETS CALDEIRAS e ESTUFAS BIOMASSA LENHA PELLETS 2014 CALDEIRA A PELLETS PELLING Caldeira a s semiautomática concebida para o aquecimento de habitações familiares e/ou blocos de apartamentos. A Caldeira está

Leia mais

A perfeita definição de qualidade. Calor é o nosso elemento. Bosch Group. Acumuladores Logalux. Logalux LT Logalux SU Logalux LTN Logalux SM.

A perfeita definição de qualidade. Calor é o nosso elemento. Bosch Group. Acumuladores Logalux. Logalux LT Logalux SU Logalux LTN Logalux SM. [ Ar ] [ Água ] [ Terra ] Acumuladores Logalux [ Buderus ] A perfeita definição de qualidade Logalux LT Logalux SU Logalux LTN Logalux SM Calor é o nosso elemento Bosch Group Acumuladores Logalux Avançada

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO AQUECEDOR INDUTIVO NACHI [N-SOLUTIONS] DEPARTARTAMENTO DE ENGENHARIA DE APLICAÇÃO

GUIA DO USUÁRIO AQUECEDOR INDUTIVO NACHI [N-SOLUTIONS] DEPARTARTAMENTO DE ENGENHARIA DE APLICAÇÃO GUIA DO USUÁRIO [N-SOLUTIONS] AQUECEDOR INDUTIVO NACHI CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3 DESCRIÇÃO DOS COMPONETES 4 PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 5 UTILIZANDO O N- WARMER INTRODUÇÃO O AQUECEDOR

Leia mais

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano. Prof. Jorge Nhambiu

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano. Prof. Jorge Nhambiu Motores Térmicos 8º Semestre 4º ano Aula 2 - Tópicos Definição Objectivo e Divisão dos Motores de Combustão Interna; Motor Wankel; Motor de êmbolo; Bases utilizadas para a classificação dos motores; Valores

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 13 Sistema Predial de Água Quente: Energia Solar e Aquecimento a Gás Profª Heloise G. Knapik 1 Energia

Leia mais

Caldeira de condensação a gás

Caldeira de condensação a gás Caldeira de condensação a gás mural Recomendada para conforto: eficiente, segura, económica "Quase não reparamos no nosso sistema de aquecimento. É extremamente silencioso, fácil de utilizar, ocupa pouco

Leia mais

Maquinas Termicas - Fornalha

Maquinas Termicas - Fornalha Máquinas Térmicas: Fornalhas Combustão 1 Fornalha Converte energia química do combustível em energia térmica. De acordo com o tipo e a qualidade do combustível disponível, a queima pode ser em suspensão,

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor Termodinâmica Ciclos motores a vapor 1 v. 1.1 Por que estudar ciclos? Pergunta: Quanto custa operar uma usina termelétrica de 1000 MW de potência elétrica, queimando combustível fóssil, operando segundo

Leia mais

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel /

Metalúrgica do Eucalípto Nesprido - Viseu Tel / www.metlor.com Caldeira a Pellets aqualuxo Informações de segurança Atenção: o interior da máquina pode atingir em funcionamento elevadas temperaturas que provocam queimaduras graves, manter crianças afastadas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS QUEIMADORES QUEIMADOR DE ÓLEO DIESEL FIRE Queimador de Óleo Diesel - Série Econômica. Compacto; Baixo nível de ruído em operação; Combustão de alto desempenho com baixos níveis de CO e NOx; Fácil instalação

Leia mais

LANÇAMENTO. LINHA Aquecedor de Água para Banho. O novo grau de conforto.

LANÇAMENTO. LINHA Aquecedor de Água para Banho. O novo grau de conforto. LANÇAMENTO TRANSFORME SEU BANHO EM UM MOMENTO INESQUECÍVEL. Aquecedor de Água a Gás de Passagem LINHA Aquecedor de Água para Banho O novo grau de conforto. A QUALIDADE QUE VOCÊ EXIGE, COM A FLEXIBILIDADE

Leia mais

AQS Água quente sanitária. É a água aquecida, usada para banhos, preparação ou confeção de alimentos.

AQS Água quente sanitária. É a água aquecida, usada para banhos, preparação ou confeção de alimentos. Índice A... 2 Acumulador... 2 AQS... 2 Autoconsumo... 2 B... 2 Bomba de calor... 2 C... 2 Caldeira de condensação... 2 Coletor solar seletivo... 2 Condução... 3 Convecção... 3 COP (Coefficient Of Performance)...

Leia mais

1) A eficiência das caldeiras elétricas varia significativamente de acordo com a carga. ( ) Certo ( ) Errado

1) A eficiência das caldeiras elétricas varia significativamente de acordo com a carga. ( ) Certo ( ) Errado 1) A eficiência das caldeiras elétricas varia significativamente de acordo com a carga. 2) As caldeiras a combustão se dividem, basicamente em dois tipos básicos: caldeiras elétricas e caldeiras fogotubulares.

Leia mais

TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA.

TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. 1 - Resumo Desde a assinatura do Protocolo de Kyoto em 1997, o mundo vive, um momento de reflexão sobre o desequilíbrio ocasionado pela

Leia mais

Válvulas de Esfera Monobloco 1000 WOG

Válvulas de Esfera Monobloco 1000 WOG Válvulas de Esfera Válvulas de Esfera Monobloco 1000 WOG A Válvula de Esfera Monobloco é uma válvula de bloqueio de fluxo indicada para utilização em á- gua, óleo ou gás com pressões que podem chegar até

Leia mais

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo 1 Refrigeração II Aplicações e Certificação Equipamentos, Sistemas e Instalações Capítulo VIII LEGENDA: 1 Fluido frigorigéneo 2 Capilar 3 Compressor hermético 4 Evaporador estático 5 Temperatura de condensação

Leia mais

17/02/ Agosto/2012

17/02/ Agosto/2012 17/02/2013 1 Agosto/2012 Caldeiras 17/02/2013 2 O VAPOR Um vapor é uma substância na fase de gás à uma temperatura inferior à sua temperatura crítica. Isto significa que o vapor pode ser condensado para

Leia mais

o sistema solar para todo o ano DEPÓSITO SOLAR DE CAPAS SEM PRESSÃO ANTI LIGIONELA DE ALTO RENDIMENTO

o sistema solar para todo o ano DEPÓSITO SOLAR DE CAPAS SEM PRESSÃO ANTI LIGIONELA DE ALTO RENDIMENTO o sistema solar para todo o ano DEPÓSITO SOLAR DE CAPAS SEM PRESSÃO ANTI LIGIONELA DE ALTO RENDIMENTO Todos os novos depósito têm: Isolamento de alta qualidade (PUR) para um melhor rendimento Recipiente

Leia mais

Manual Filtros SFMC 150/400/1000

Manual Filtros SFMC 150/400/1000 Manual Filtros SFMC 150/400/1000 Filtro Micrônico e Coalescente, com capacidade de retenção de sólidos de 5 micra e separação de água com eficiência de 99,5% e vazão de 150 ou 400 litros por minuto. Composto

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível

Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível 1. Enquadramento De acordo com a prestação de serviços para o Desenvolvimento de uma unidade

Leia mais

Mais sol na sua vida

Mais sol na sua vida Mais sol na sua vida 2 Aquecedor Solar Coletor Solar Linha Quality Selo PROCEL de eficiência energética 3 Maior eficiência e durabilidade Solda por ultrassom: máxima condução de calor e maior eficiência

Leia mais

Fornalha. Aparelho de combustão Câmara de combustão. Atmosfera: Local onde se queima o combustível

Fornalha. Aparelho de combustão Câmara de combustão. Atmosfera: Local onde se queima o combustível FORNALHAS Fornalha Local onde se queima o combustível Aparelho de combustão Câmara de combustão Atmosfera: Uma boa combustão se processa sempre com excesso de ar. A atmosfera de uma fornalha é oxidante.

Leia mais

1. conhecimento. O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos. Bloco desidratado (teor de água: 80%)

1. conhecimento. O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos. Bloco desidratado (teor de água: 80%) 1. conhecimento O processo de secagem é necessário como pré-tratamento de outros processos Lodos concentrados (teor de água> 95%) Desidratação física Bloco desidratado (teor de água: 80%) Processo de secagem

Leia mais

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS CAPÍTULOS ABORDAGEM

PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS CAPÍTULOS ABORDAGEM PARTE II REGRAS PARA CONSTRUÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE NAVIOS IDENTIFICADOS POR SUAS MISSÕES TÍTULO 32 PETROLEIROS SEÇÃO 5 MOTORES E MECÂNICA CAPÍTULOS A B C D E F G H I T ABORDAGEM DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA MATERIAIS

Leia mais

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Composição O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Na natureza, ele é encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo, frequentemente acompanhad

Leia mais

urgnani CATÁLOGO PELLETS 2013

urgnani CATÁLOGO PELLETS 2013 urgnani CATÁLOGO PELLETS 2013 INDICE 4 ARIA 4D SALAMANDRA A AR DE PELLETS 6 MATRIX IDRO SALAMANDRA AR/ÁGUA DE PELLETS 8 IDROBOX EVO 18, 22 CALDEIRA DE PELLETS 10 IDROBOX EVO 26, 32 CALDEIRA DE PELLETS

Leia mais

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP VRP9-01 pressão de trab. 07bar WWW.ARFUSION.COM.BR Resfriador de painel VORTEX Os Resfriadores com Ar Comprimido - Vortex são destinados à aplicações especiais

Leia mais

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. AULA 4 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7 Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. 1 LINHAS DE VAPOR Nas linhas de vapor sempre haverá água líquida (condensado) resultante da condensação

Leia mais

ENG 3006 TRANSFERÊNCIA DE CALOR E MASSA 1 o SEMESTRE DE Capítulo 11 Trocadores de Calor

ENG 3006 TRANSFERÊNCIA DE CALOR E MASSA 1 o SEMESTRE DE Capítulo 11 Trocadores de Calor ENG 3006 TRANSFERÊNCIA DE CALOR E MASSA 1 o SEMESTRE DE 2015 Capítulo 11 Trocadores de Calor Tópicos Tipos de trocadores de calor; O coeficiente global de transferência de calor; Análise térmica de trocadores

Leia mais

Nova Gama de Esquentadores Estanques CELSIUSPUR e CELSIUSNEXT

Nova Gama de Esquentadores Estanques CELSIUSPUR e CELSIUSNEXT Nova Gama de Esquentadores Estanques CELSIUSPUR e CELSIUSNEXT Outubro 008 Esquentadores Estanques CELSIUSPUR (Condensação) e CELSIUSNEXT Os Novos Esquentadores CELSIUSPUR e CELSIUSNEXT da Junkers proporcionam

Leia mais

FOGÃO DE PLACA SÓLIDA A GÁS MONOBLOCO

FOGÃO DE PLACA SÓLIDA A GÁS MONOBLOCO COMPOSIÇÃO GAMA : Engloba mais de 100 modelos concebidos para garantir o nível mais alto de desempenho, fiabilidade, economia de energia, normas de segurança e ergonomia nas operações. Estes conceitos

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

Atlas Copco Compressores de Parafuso Rotativo Lubrificado GX 2-11 (2-11 kw/3-15 hp)

Atlas Copco Compressores de Parafuso Rotativo Lubrificado GX 2-11 (2-11 kw/3-15 hp) Atlas Copco Compressores de Parafuso Rotativo Lubrificado GX 2-11 (2-11 kw/3-15 hp) Nova série GX: compressores de parafuso compactos construídos para durar Os compressores de parafuso da Atlas Copco sempre

Leia mais

CALDEIRAS Winter 201 5

CALDEIRAS Winter 201 5 CALDEIRAS 201 Winter 5 30 CALDEIRAS COMPACTAS 31 CALDEIRAS COMPACTAS SZM A nova gama de caldeiras compactas Solzaima foi desenvolvida utilizando as mais modernas tecnologias e integra componentes de elevada

Leia mais

Intercambiador de Calor

Intercambiador de Calor C6-003 Intercambiador de Calor Séries ICH-DX, ICV-DX Expansão Direta TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

Figura 1. Combustão externa: calor é produzido fora do motor em caldeiras.

Figura 1. Combustão externa: calor é produzido fora do motor em caldeiras. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES INTRODUÇÃO CONSTITUIÇÃO DOS MOTORES Carlos Alberto Alves

Leia mais

Maquinas Termicas Geradores de Vapor

Maquinas Termicas Geradores de Vapor Máquinas Térmicas: Geradores de Vapor Geradores de Vapor Fornalha Caldeira Superaquecedores Economizadores Aquecedores de Ar Dispositivos de Controle e Segurança Tiragem 1 Gerador de Vapor Usina : 65 MW

Leia mais

Votorantim Metais do niquel para o ácido sulfurico. Fernando Braghini - Vmetais FM Thomas Bartoneck - Combustion Solutions Mario Beer MB Consultores

Votorantim Metais do niquel para o ácido sulfurico. Fernando Braghini - Vmetais FM Thomas Bartoneck - Combustion Solutions Mario Beer MB Consultores Votorantim Metais do niquel para o ácido sulfurico Fernando Braghini - Vmetais FM Thomas Bartoneck - Combustion Solutions Mario Beer MB Consultores 1 Grupo Votorantim 96 anos de história Empresas do grupo:

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERMODINÂMICA... 1 1.1 Variáveis e Transformações Termodinâmicas... 1 1.2 Primeiro Princípio da Termodinâmica... 1 1.3 Segundo Princípio da Termodinâmica... 2 1.4 Expressões das Variáveis

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000. Estabelece os requisitos necessários à qualificação de centrais cogeradoras de energia e dá outras providências.

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

Opções disponíveis GX 2-5 AP GX 2-5 FF GX 7-11 AP GX 7-11 FF

Opções disponíveis GX 2-5 AP GX 2-5 FF GX 7-11 AP GX 7-11 FF Especificações técnicas GX 2-5 e GX 7-11 MODELO DO COMPRESSOR Pressão máxima de trabalho. Capacidade (FAD)* Potência do motor Nível de ruído db(a) ** Peso (kg)*** bar(g) psi l/s m 3 /min cfm kw cv db(a)

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS

MÁQUINAS TÉRMICAS UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA EXERCÍCIOS DAS AULAS PRÁTICAS MÁQUINAS TÉRMICAS 2010-2011 DOCENTES RESPONSÁVEIS DEM Fernando Neto DEM João Oliveira DISCIPLINA Código 40544 Ano

Leia mais

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR

FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR fabrico de termoacumuladores e bombas de calor www.termobrasa.com TERMOSSIFÃO FABRICO DE TERMOACUMULADORES E BOMBAS DE CALOR 45 Anos HISTÓRIA A Termobrasa foi criada em 1970 com o objetivo de fabricar

Leia mais

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna 302 770 00 27 3397 Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade Dupla saída de ar Baixa velocidade Bandeja interna Características Técnicas Bandeja interna que evita fugas de ar e concentra fluxo de água

Leia mais

Alvenaria - Construarttis Projetos Especiais

Alvenaria - Construarttis Projetos Especiais LAREIRAS LAREIRA À LENHA Nossas lareiras à lenha, de alvenaria e prémoldadas, são projetadas de acordo com os padrões nacionais e internacionais de qualidade, garantindo durabilidade, beleza e requinte.

Leia mais

Chaminé Parede dupla para caldeiras

Chaminé Parede dupla para caldeiras 3.4 Chaminé rede dupla para caldeiras Terminal saída cónica (DWECO 32C) ra todas as aplicações indicadas utiliza-se o sistema nas diferentes versões em (gás natural e gasóleo em condições secas) e 316

Leia mais

PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA COMPARAÇÃO DESVANTAGENS VANTAGENS: Preparação; Compressibilidade; Potência; Escape de ar; Custo;

PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA COMPARAÇÃO DESVANTAGENS VANTAGENS: Preparação; Compressibilidade; Potência; Escape de ar; Custo; PNEUMÁTICA PNEUMÁTICA É um sistema que torna possível a utilização do ar para geração de energia mecânica. SENAI CETEMP Mecânica Boa força Ótimas velocidades Ótima precisão Hidráulica Ótima força Baixas

Leia mais

Fogão 4 Queimadores com Forno

Fogão 4 Queimadores com Forno A gama 700XP engloba mais de 100 modelos concebidos para garantir elevados níveis de desempenho, fiabilidade, economia de energia, normas de segurança e operações ergonómicas. Estes conceitos estão reflectidos

Leia mais

Anexo I REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE FOGÕES E FORNOS A GÁS. Capítulo I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO

Anexo I REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE FOGÕES E FORNOS A GÁS. Capítulo I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Portaria Interministerial nº /MME/MCT/MDIC fl. 1 Anexo I REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE FOGÕES E FORNOS A GÁS Capítulo I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Art.

Leia mais

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Cogeração em Centros Hospitalares Projeto CHSJ A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Caracterização infraestrutura Hospital 1100 camas Área de

Leia mais

Cap. 4: Análise de Volume de Controle

Cap. 4: Análise de Volume de Controle Cap. 4: Análise de Volume de Controle AR Ar+Comb. www.mecanicavirtual.org/carburador2.htm Cap. 4: Análise de Volume de Controle Entrada, e Saída, s Conservação da Massa em um Sistema dm dt sist = 0 Conservação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIA QUÍMICA LOQ4085 OPERAÇÕES UNITÁRIAS I Profa. Lívia Chaguri E-mail: lchaguri@usp.br Conteúdo Bombas Parte 1 - Introdução - Classificação - Bombas sanitárias - Condições

Leia mais

Ar Condicionado. VRF Modular

Ar Condicionado. VRF Modular Ar Condicionado VRF Modular MINI-VRF 8 ~ 16 KW Unidades de Caudal de Refrigerante Variável (VRF) equipadas com compressores DC Inverter e ventiladores de velocidade variável. Ventiladores de descarga

Leia mais

Soluções em. Ar - Condicionado. Tecnologia para a vida ACS 255/651/810. Recicladoras de ar - condicionado

Soluções em. Ar - Condicionado. Tecnologia para a vida ACS 255/651/810. Recicladoras de ar - condicionado Soluções em Ar - Condicionado ACS 255/651/810 Recicladoras de ar - condicionado Tecnologia para a vida Serviço em A/C Bosch Dirigindo com conforto e segurança Atualmente mais de 60% dos veículos comuns

Leia mais

Maquinas Termicas Geradores de Vapor

Maquinas Termicas Geradores de Vapor Máquinas Térmicas: Geradores de Vapor Geradores de Vapor Fornalha Caldeira Superaquecedores Economizadores Aquecedores de Ar Dispositivos de Controle e Segurança Tiragem 1 Gerador de Vapor Usina : 65 MW

Leia mais

CAPÍTULO 09 COMBATE A INCÊNDIO

CAPÍTULO 09 COMBATE A INCÊNDIO CAPÍTULO 09 COMBATE A INCÊNDIO Tirando-se um dos elementos desse triângulo a combustão será eliminada. Assim, para combatermos um incêndio, temos três (3) regras básicas: A remoção do material combustível

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 O que são vasos e caldeiras para fins de aplicação da NR 13? Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior

Leia mais

TERMOREGULADOR. Esta linha de equipamentos necessitam de uma fonte fria para modular a temperatura. 2

TERMOREGULADOR. Esta linha de equipamentos necessitam de uma fonte fria para modular a temperatura. 2 TERMOREGULADOR Sua variação de controle poder chegar até 0,5ºC, esta precisão se da pelo controle de PID gerido pelo controlador GEFRAN instalado estrategicamente em seu painel frontal e fácil acesso ao

Leia mais

Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica

Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti Objetivo: Apresentar uma visão geral sobre circuitos elétricos, com ênfase à segurança das instalações e às características

Leia mais

GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA

GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DE ELÉTRICA ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Outubro de 2016 Principais

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais

Soluções em Eficiência Energética

Soluções em Eficiência Energética Soluções em Eficiência Energética CQM Energia, Água e Eficiência ecológica Até 30% de economia de energia em HVAC Até 4% de economia em termoelétricas Significante economia de energia em processos industriais

Leia mais

Redução de espaço e alta eficiência. COOL MAX MAIS COM MENOS. SERPENTINA EM G Alta eficiência na troca térmica.

Redução de espaço e alta eficiência. COOL MAX MAIS COM MENOS. SERPENTINA EM G Alta eficiência na troca térmica. Redução de espaço e alta eficiência. O VRV INOVA é a mais recente novidade da Daikin, que mais uma vez provou ao mundo que sabe como transformar seus produtos e proporcionar muito mais vantagens para seus

Leia mais

Curso Engenharia de Energia

Curso Engenharia de Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS - UFGD FACULDADE DE ENGENHARIA Curso Engenharia de Energia Prof. Dr. Omar Seye omarseye@ufgd.edu.br Disciplina: COMBUSTÃO E COMBUSTÍVEIS A analise energética é fundamental

Leia mais

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I LEB0332 Mecânica e Máquinas Motoras Prof. Leandro M. Gimenez 2017 TÓPICOS Motores de combustão interna I Aspectos teóricos,

Leia mais

Capítulo 4 TROCADORES DE CALOR: INTRODUÇÃO 08/2010

Capítulo 4 TROCADORES DE CALOR: INTRODUÇÃO 08/2010 Capítulo 4 TROCADORES DE CALOR: INTRODUÇÃO 08/2010 1 Capítulo 4 4.1. Conceito 4.2. Classificação 4.3. Seleção 2 4.1. Conceito Trocadores de calor são equipamentos destinados a promover a transferência

Leia mais

Boletim Técnico TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE

Boletim Técnico TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE Julho / 01 Página 01/07 TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE SUMÁRIO: Informar o Lançamento das novas Unidades Evaporadoras da Linha Cassete. OBJETIVO: Informar as principais

Leia mais

CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO

CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO GRUPOS MOTOGERADORES Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 O Grupo Motogerador consiste de um ou mais motores alternativos de combustão interna utilizados para converter energia

Leia mais

Uso e Aproveitamento do Biogás

Uso e Aproveitamento do Biogás UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA DENA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA DE SEMINÁRIO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Uso e Aproveitamento do Biogás

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO PARA MESA DE PASSADORIA THEOBOARD 03 CONFORME NORMAS DA NR-12 SINAIS DE ATENÇÃO! Atenção! Alta Voltagem 230/240V Atenção! Superfície quente! Vapor quente ou líquido. Atenção!

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais