1 Introdução. Lisandro Bordignon 1 Orientador Metodológico: Viviane Viebrantz Herchmann

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Introdução. Lisandro Bordignon 1 Orientador Metodológico: Viviane Viebrantz Herchmann"

Transcrição

1 MARKETING FARMACÊUTICO: FATORES DE MAIOR INFLUÊNCIA PARA A COMPRA DE MEDICAMENTOS LIVRES DE PRESCRIÇÃO MÉDICA POR ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NA CIDADE DE PORTO ALEGRE/RS Lisandro Bordignon 1 Orientador Metodológico: Viviane Viebrantz Herchmann Este trabalho de pesquisa procurou avaliar o que o consumidor dos medicamentos livres de prescrição médica leva em consideração na hora de decidir qual medicamento comprar e quais fatores ele avalia. O método utilizado foi o de pesquisa exploratória e, por conveniência, foram escolhidos os alunos do IBGEN Instituto Brasileiro de Gestão em Negócios. Os dados foram coletados através de um questionário com abordagem quantitativa. A pesquisa apontou alguns dos principais fatores de influência para a tomada de decisão de compra, sendo o fator indicações, tanto de profissionais da saúde bem como de familiares, o de maior influência; preço marca e propaganda, também ficam evidenciados como importantes fatores para a tomada de decisão. Palavras-chave: Marketing Farmacêutico. Medicamentos isentos de prescrição médica. 1 Introdução Segundo dados divulgados pela SINDUSFARMA (Sindicado da Indústria de Produtos Farmacêuticos de São Paulo), entidade que congrega os principais fabricantes de medicamentos no Brasil, publicados em março de 2011, tendo como base dados da IMS Health (Serviços de Marketing Intercontinental - Saúde), o total de venda de medicamentos no Brasil em 2010 ultrapassou a marca de R$ 36,2 bilhões de reais e aproximadamente 30% do total refere-se a medicamentos isentos de prescrição médica, os chamados de OTC (Over the Counter). Estes medicamentos têm sua venda livre e normalmente são utilizados sem o acompanhamento médico. Apesar de os medicamentos OTC poderem ser vendidos sem prescrição médica, obedecem a uma legislação e normas específicas criadas pelo Ministério da Saúde e ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A resolução RDC Nº 96, de 17 de dezembro de 2008, que Dispõe sobre a propaganda, publicidade, informação e outras práticas cujo objetivo seja a divulgação ou promoção comercial de medicamentos., estabelece os requisitos e normas para a promoção e publicidade deste tipo de medicamento. Além de obedecer a legislações e normas específicas do Ministério da Saúde e Vigilância Sanitária, os laboratórios farmacêuticos são influenciados pela concorrência acirrada e também desafiados pelos altos valores que são direcionados a pesquisas de novos medicamentos. Por este motivo, precisam fazer grandes investimentos em marketing e propaganda com o intuito de viabilizar sua sobrevivência e/ou aumentar sua participação de mercado, maximizando suas vendas e seus lucros. Quando se trata de medicamentos isentos de prescrição médica, os laboratórios farmacêuticos buscam diferentes alternativas, que passam pela propaganda médica, realizada por profissional competente e treinado para este fim, folhetos explicativos sobre estudos realizados, posologia, princípio ativo dos medicamentos, distribuição de amostras grátis, que são entregues ao paciente pelo médico como estímulo à adesão ao tratamento, ações diretas nas farmácias, como informativos sobre produtos e descontos em encartes publicados pelas redes farmacêuticas e distribuidores de medicamentos. Por trabalhar no setor comercial em um laboratório farmacêutico, realizando propaganda médica nos consultórios e farmácias, o pesquisador percebeu uma oportunidade de identificar, através de pesquisa, os fatores que podem influenciar a escolha de medicamentos e, com isso, poder auxiliar na execução de estratégias focadas ao consumidor final. A ¹ Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Administração Faculdade IBGEN, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel, em dezembro/2011. Contato:

2 pesquisa pode ser, portanto, mais uma alternativa para os laboratórios farmacêuticos viabilizarem sua sobrevivência e crescimento no mercado. Para este trabalho, ficou definido o problema de pesquisa como: Quais fatores têm maior influência na compra de medicamentos livres de prescrição médica entre estudantes universitários na cidade de Porto Alegre? Mesmo com rígidos padrões éticos e regulamentações, é essencial que os laboratórios farmacêuticos conheçam e utilizem as melhores práticas e estratégias de marketing por segmento de mercado. Neste contexto, as pesquisas de marketing são importantes ferramentas que ajudam as empresas a tomarem as melhores decisões comerciais e estratégicas para sua sobrevivência e obtenção de lucro. Conforme a RDC Nº 44, de 17 de agosto de 2009 que Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências., todos os medicamentos, inclusive os OTCs, devem ficar apenas na área de circulação dos funcionários das farmácias, sem acesso direto ao cliente e, deste modo, o medicamento deve ser solicitado diretamente ao farmacêutico ou balconista da farmácia. Apesar de existir uma regulamentação específica para a comercialização deste tipo de medicamento, as pessoas procuram diretamente as farmácias para resolver os problemas mais comuns de saúde e acabam comprando medicamentos livremente, sem a preocupação com os danos que podem ser causados pelos mesmos. Sendo assim, é papel da indústria farmacêutica respeitar as regulamentações impostas pela ANVISA e agir com clareza e ética em suas propagandas direcionadas ao consumidor, com o objetivo de evitar o uso indiscriminado de medicamentos, o que pode se transformar em uma ameaça à saúde pública. De acordo com a definição de Kotler e Keller (2006, p. 4), Marketing é um processo social pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam por meio da criação, oferta e da livre troca de produtos e serviços de valor com outros. Em outra citação Kotler define pesquisa de marketing, (Kotler, 2002, p. 125): A pesquisa de marketing corresponde à elaboração, à coleta, à análise e à edição de relatórios sistemáticos de dados e descobertas relevantes sobre uma situação específica de marketing enfrentada pela empresa. Kotler também cita em seu livro Marketing 3.0, (2010, p. 34) que os consumidores acreditam mais uns nos outros que nas empresas. Os consumidores voltam-se para o boca a boca como uma maneira nova e confiável de propaganda. Cerca de 90% dos consumidores entrevistados confiam nas recomendações de conhecidos.. Na página 35 do mesmo livro, o autor argumenta que por culpa das próprias empresas o marketing por algumas vezes é visto como sinônimo de persuasão e até mesmo manipulação, mesmo com o surgimento de uma versão mais moderna que tem como objetivo servir o consumidor. Kerin et al (2008) exploram o conceito de marketing como uma função organizacional, onde se faz um conjunto de processos de criação, comunicação e entrega de valor para os clientes, objetivando avaliar suas necessidades e satisfazê-las de forma que a organização também seja beneficiada. Já para Urdan e Urdan (2006), marketing é definido como troca, filosofia organizacional e processo, e tem como objetivo, conquistar, satisfazer e manter clientes de modo rentável. Deste modo, os autores pesquisados compartilham a ideia básica de marketing como sendo um processo de troca, onde a empresa obtém lucro através da satisfação das necessidades de seus clientes. Estes conceitos também são aplicados na indústria farmacêutica, com a ressalva de obedecer a regulamentações específicas para divulgação e promoção de seus produtos. De acordo com os conceitos citados, este trabalho de pesquisa tem como principal objetivo identificar quais fatores tem maior influência na compra de medicamentos livres de prescrição médica entre estudantes universitários na cidade de Porto Alegre e, com isto, poder direcionar estratégias de marketing direto ao consumidor de forma a orientá-lo sobre os perigos da automedicação, bem como fidelizados a marca através de uma postura ética e confiável, obtendo assim melhores resultados frente aos concorrentes. Como objetivos específicos, identificar os fatores de influência para a tomada de decisão de compra; identificar por meio de pesquisa os que mais influenciam a tomada de decisão de compra; elencar os graus de importância destes fatores após a realização da pesquisa. 2 Marketing: Conceitos e Considerações Para que seja possível entender os elementos que influenciam na compra de medicamentos, se faz necessário compreender como se configura a indústria farmacêutica atualmente e como se estabelece o marketing. Abordaremos, neste momento, as principais bases teóricas que servirão para a confecção da pesquisa, bem como conceitos de marketing, indústria farmacêutica e fatores determinantes do comportamento do consumidor. Kotler e Armstrong (2008) definem marketing como processo de troca e relacionamento, onde as pessoas decidem satisfazer suas necessidades e desejos por meio de troca, ou seja, obter de alguém o objeto desejado, oferecendo algo em troca. Definido de maneira geral, o marketing é um processo administrativo e social, pelo qual indivíduos e organizações obtém o que necessitam e desejam por meio da criação e troca de valor com os outros. Em um contexto mais específico dos negócios, o marketing envolve construir relacionamentos lucrativos e de valor com os clientes. Assim, definimos marketing como o processo pelo qual as empresas criam valor para os clientes e constroem fortes relacionamentos com eles para capturar seu valor em troca. (KOTLER E ARMSTRONG, 2008, p. 4).

3 Para um melhor entendimento do leitor, Kotler e Armstrong (2008) também definem o processo de marketing através de um modelo com cinco etapas: 1) Entender o mercado, necessidades e os desejos dos clientes; 2) Elaborar uma estratégia de marketing orientada para os clientes; 3) Desenvolver um programa de marketing integrado que proporcione valor superior; 4) Construir relacionamentos lucrativos e criar encantamento dos clientes; 5) Capturar valor dos clientes para gerar lucro e qualidade para os clientes. Ainda nos conceitos de marketing, o autor Honorato; Gilson (2004, p. 5), cita: Marketing é uma atividade voltada para a conquista e manutenção lucrativas dos clientes por meio destes processos de troca, desde que atendendo as necessidades, os desejos e as expectativas visando conquistar a fidelidade do cliente para sua empresa, produtos e serviços.. Para Bennet; apud Honorato; (2004, p. 11), Marketing é o processo de planejamento e execução da concepção, preço, promoção e distribuição de ideias, bens e serviços, organizações e eventos para criar trocas que venham satisfazer objetivos individuais e organizacionais.. Ambos os autores concordam em seus conceitos sobre marketing como sendo um processo de troca de valor para a satisfação de expectativas tanto da empresa quanto de seu consumidor, porém Honorato; Gilson (2004) percebe a fidelização do consumidor quando o processo é bem sucedido. Dentre os mais novos conceitos de marketing, surge o marketing 3.0 do autor Philip Kotler que cita a mudança de abordagem das empresas desde o marketing 1.0 (centrado no produto), passando pelo marketing 2.0 (centrado no consumidor), até chegar ao marketing 3.0 (centrado no ser humano e também na responsabilidade corporativa). Este novo conceito complementa o modelo de marketing tradicional. Os consumidores estão cada vez mais optando por empresas que estão engajadas e comprometidas socialmente, empresas que tratem de justiça social, econômica e ambiental em sua visão, missão, valores e objetivos. Hoje estamos testemunhando o surgimento do Marketing 3.0, ou a era voltada para os valores. Em vez de tratar as pessoas simplesmente como consumidoras, os profissionais de marketing as tratam como seres humanos plenos: com mente, coração e espirito. Cada vez mais os consumidores estão em busca de soluções para satisfazer seu anseio de transformar o mundo globalizado em um mundo melhor. (KOTLER; KARTAJAYA; SETIAWAN, 2010, p. 4). Sobre os conceitos de marketing pesquisados, percebe-se que os autores têm ideias semelhantes, definindo-os como sendo um processo de troca que visa satisfação e atendimento das necessidades de seus clientes e da empresa. No entanto, a forma de fazer o marketing está evoluindo para um objetivo que vai além de somente atender necessidades para uma forma mais elaborada que, seja mais do que um processo de troca e de satisfação, mas que também auxilie na resolução de problemas sociais, econômicos e ambientais. Dentro desta nova forma de fazer marketing a indústria farmacêutica pode ajudar seus clientes na decisão de compra, informando melhor sobre seus medicamentos e os riscos que a automedicação pode acarretar, bem como fabricar seus produtos utilizando recursos mais eficazes e menos agressivos às pessoas e ao meio ambiente Marketing e Indústria Farmacêutica A indústria farmacêutica é a responsável por produzir, distribuir e comercializar medicamentos. Também faz pesquisas e desenvolvimento de novas substâncias para tratamento das mais diversas doenças.... o setor farmacêutico atual caracteriza-se por ser extremamente complexo, devido à quantidade de atores envolvidos e seus diferentes papéis, que vão desde a pesquisa e desenvolvimento, passando pela produção e comercialização até o consumo e pós-consumo dos medicamentos. (ITALIANI, 2007, p. 2). De acordo com Italiani (2007), o marketing farmacêutico atual está focado em estabelecer um relacionamento de longo prazo objetivando a resolução de problemas e a fidelização do cliente. O autor comenta que a eficácia dos produtos já está consolidada e que isto não é mais um diferencial, já está intrínseco no produto; qualidade é um pressuposto para a sobrevivência da empresa e não mais um diferencial. O diferencial está em gerenciar e diminuir os efeitos colaterais, ter parcerias em novos conhecimentos que possibilitem uma maior interação medico paciente. Neste trabalho serão abordados os medicamentos conhecidos por OTC 3 ou MIP 4. De acordo com a definição no site da ABIMIP 5 (2010): Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os medicamentos isentos de prescrição MIPs são os medicamentos aprovados pelas autoridades sanitárias para tratar sintomas e males menores, disponíveis sem prescrição ou receita médica devido à sua segurança e eficácia desde que utilizados conforme as orientações disponíveis nas bulas e rotulagens. Os MIPs são internacionalmente conhecidos pela sigla OTC (Over-The-Counter). (ABIMIP, 2010) O uso responsável de medicamentos, obedecendo a recomendações da bula e procurando um profissional 3 Over-The-Counter. 4 Medicamento Isento de Prescrição. 5 Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição Médica.

4 da saúde caso os sintomas não melhorem, pode trazer muitos benefícios tais como: diminuição de custos para o sistema de saúde e para as pessoas que consomem estes medicamentos, conforto e praticidade, pois não há necessidade de ir ao serviço de saúde para tratar de um sintoma conhecido. Os MIP servem para tratamentos de várias patologias comuns tais como: dores de cabeça, acidez estomacal, azia, febre, tosse, prisão de ventre, aftas, dores de garganta, assaduras, hemorroidas, congestão nasal entre outros e obedecem a legislação publicada pela ANVISA RDC nº 138, de O perfil dos pacientes atuais vem se modificando devido ao acesso a informação sobre medicamentos, bem como em relação à multiplicidade de escolha entre marcas e preços diferentes. Estes passaram a ter acesso facilitado às informações sobre os produtos e medicamentos que consomem e por consequência acabam se tornando mais exigentes na relação médico-paciente e também com relação ao que estão consumindo. Os consumidores acreditam mais uns nos outros do que nas empresas. A ascensão das mídias sociais é apenas um reflexo da migração da confiança dos consumidores das empresas para outros consumidores. De acordo com a Nielsen Global Survey, menos consumidores confiam na propaganda gerada por empresas. Os consumidores voltam-se para o boca a boca como uma maneira nova e confiável de propaganda. (KOTLER; KARTAJAYA; SETIAWAN, 2010, p. 34). De acordo com os conceitos apresentados, é possível constatar que os relacionamentos entre pessoas ou grupos podem ser um dos principais fatores para a tomada de decisão de compra perante a sua necessidade de consumo e que os grupos ao qual uma pessoa pertença tem forte influência na escolha de um produto de consumo. Estes conceitos também sugerem que uma empresa focada na segmentação destes mercados pode obter melhores resultados Comportamento do Consumidor e seu Impacto na Estratégia de Marketing de uma Empresa Schiffman e Kanuk (2000) definem o comportamento do consumidor como o comportamento que os consumidores adotam para comprar, usar e avaliar produtos ou serviços para satisfazer suas necessidades. Os mesmos autores também defendem em seu livro que, apesar de existir uma grande diversidade no comportamento e nos costumes dos consumidores, existem também muitas similaridades e, com isso, a segmentação de mercado acaba ajudando as empresas a planejar melhor suas estratégias de marketing. Solomon em seu livro Comportamento do Consumidor (2002) expõe alguns fatores de influência e seus impactos no consumo de produtos e serviços, tais como: grupo de amigos; redes de relacionamento; comerciais de televisão, revista e outdoors; sites da web e comunidades virtuais, entre outros. O autor trata também da fidelização e identificação do consumidor com a marca e como este consumidor interage com as estratégias de marketing adotadas pelas empresas, além disto, também indica que as decisões de compra são altamente influenciadas pelas opiniões e pelo comportamento de um grupo ao qual a pessoa esteja inserida e as recomendações para usar ou evitar determinadas marcas é transmitida nas conversas entre pessoas. Solomom (2002) também afirma que os elos entre os membros de um grupo são reforçados pelos produtos em comum que eles utilizam e que existe pressão sobre seus membros para comprar coisas que possam obter a aprovação do grupo, ou seja, um consumidor que não se adapta as convenções do grupo ao qual pertença muitas vezes enfrenta a rejeição ou sentese constrangido perante aos demais Influências no Comportamento da Compra Kotler (2006) comenta sobre os fatores de influência na decisão de compra O comportamento de compra do consumidor é influenciado por fatores culturais, sociais, pessoais e psicológicos. Os fatores culturais exercem a maior e mais profunda influência. Kotler (2006, p.172). 1. Fatores Culturais: Cultura, Subcultura e Classe Social. A cultura, para Schiffman e Kanuk (2000), é a soma dos valores, crenças e costumes aprendidos, que direcionam o comportamento de consumo dos membros de uma sociedade. Kerin, Hartley, Berkowitz e Rudelius (2008), trazem um conceito de cultura como conjunto de ideias, valores e atitudes aprendido e compartilhado entre membros de um grupo. Kotler (2000), afirma que este é o principal determinante do comportamento e dos desejos da pessoa. A subcultura é entendida por Kerin et al (2008) e Schiffman e Kanuk (2000), como sendo subgrupos dentro de uma cultura maior, com ideias e atitudes únicas e com valores e costumes que os separam de outros membros da mesma sociedade. Já na subdivisão classe social, as pessoas pertencentes à mesma classe social tendem a se comportar de maneira semelhante, conforme afirma Kotler (2000). As classes sociais são indicadas por um grupo de variáveis: ocupação, renda, propriedades, grau de instrução, orientação para valores e, as pessoas, podem mudar de classe social durante a vida, sendo que a mobilidade varia de acordo com a rigidez da estratificação social da sociedade. Schiffman e Kanuk (2000), definem classe social como sendo uma divisão dos membros de uma sociedade em uma hierarquia de classes de status diferentes.

5 2. Fatores Sociais: Além dos fatores culturais, o comportamento do consumidor é influenciado por fatores sociais, como grupos de referência, família, papéis sociais e status., definem Kotler e Keller (2006, p.176). Os grupos de referência de uma pessoa são aqueles que exercem alguma influência direta ou indireta sobre as atitudes ou o comportamento dessa pessoa., Kotler e Keller (2006, p.177). Schiffman e Kanuk (2000) explicam que os fatores culturais são um ponto de comparação na formação de valores, atitudes ou comportamentos e servem como referência nas compras ou decisões de compras. Segundo definição de Kotler e Keller (2006), a família é a mais importante organização de compra de produtos de consumo na sociedade e os seus membros constituem o grupo de referência primária mais influente. É na família que a pessoa adquire uma orientação em relação à religião, à política e à economia e uma noção de ambição pessoal, valor pessoal e amor. Já Schiffman e Kanuk (2000, p. 245), definem que Em sentido mais dinâmico, os indivíduos que constituem uma família podem ser descritos como membros do grupo social mais básico que vivem juntos e interagem para satisfazer as suas necessidades mutuas e pessoais. A determinação de papéis sociais e/ou status possui a seguinte definição por Kotler e Keller (2006, p.179): Uma pessoa participa de muitos grupos família, clubes e organizações. A posição de uma pessoa em cada grupo pode ser definida em termos de papéis e status. Um papel consiste nas atividades que uma pessoa deve desempenhar. Cada papel carrega um status.. 3. Fatores Pessoais: As decisões do comprador também são influenciadas por características pessoais, como idade e estágio do ciclo de vida, ocupação, circunstâncias econômicas, estilo de vida, personalidade e autoimagem., Kotler e Keller (2006, p.179). Os padrões de consumo são moldados de acordo com o ciclo de vida da família e com o número, a idade e o sexo de seus membros em qualquer ponto do tempo. Kotler e Keller (2006, p.179). Para os autores as empresas geralmente escolhem grupos de ciclos de vida de acordo com seu mercado alvo, identificando também grupos de ocupação com interesse comum. A escolha de um produto também é afetada pelas circunstâncias econômicas. Kotler e Keller (2006) defendem que a ocupação também influencia no padrão de consumo. Como exemplo, um operário provavelmente não comprará os mesmos produtos que o presidente de uma empresa. A escolha de um produto também é muito afetada pela situação econômica, principalmente para fabricantes de artigos de luxo em um quadro de declínio na economia. Cada um de nós tem características de personalidade que influenciam nosso comportamento de compra Kotler e Keller (2006, p. 181). Os autores também defende que muitas vezes o consumidor escolhe a marca para comprar de acordo com sua autoimagem real; autoimagem ideal e autoimagem de acordo com os outros conforme citação: Muitas vezes o consumidor escolhe e usa marcas com personalidade coerente com sua autoimagem real (como esta pessoa se vê), embora em alguns casos a personalidade possa corresponder a sua autoimagem ideal (como esta pessoa gostaria de se ver) ou mesmo a sua autoimagem de acordo com os outros (como ela pensa que os outros a vêem). (KOTLER E KELLER, 2006, p.181). Estilo de vida e valores: De acordo com Kotler e Keller 2006, é o padrão de vida da pessoa expresso por atividades, interesses e opiniões e representa a pessoa interagindo com seu ambiente. 4. Fatores Psicológicos: As escolhas de compra de uma pessoa são influenciadas por quatro fatores psicológicos predominantes motivação, percepção, aprendizagem e crenças e atitudes. Kotler e Keller (2006, p.182). Kerin et al (2008), definem a motivação como uma força que estimula o comportamento para a satisfação de uma necessidade sendo que estas necessidades, no indivíduo, não têm limites e cabe aos profissionais de marketing estimulá-las. De acordo com Kotler e Keller (2006), são consideradas três teorias de motivação: Teoria da motivação de Freud: onde forças psicológicas inconscientes moldam o comportamento das pessoas; Teoria da motivação de Maslow: as necessidades são organizadas em hierarquia desde as mais básicas, como necessidades fisiológicas, até necessidades de auto realização pessoal; Teoria da realização de Herzberg: Herzberg desenvolveu a teoria de dois fatores para distinguir os fatores que causam insatisfação e os que causam a satisfação. A percepção é diferente para cada indivíduo de acordo com três processos: Atenção seletiva- Percepção de estímulos de acordo com uma necessidade atual; Distorção seletiva- Tendência de transformar a informação de acordo com seus pré-julgamentos; Retenção seletiva- Os indivíduos retêm as informações que sejam compatíveis com seus valores. A percepção depende não apenas de estímulos físicos, mas também da relação desses estímulos com o ambiente e das condições interiores da pessoa. [...] As pessoas podem ter diferentes percepções do mesmo objeto devido a três processos: atenção seletiva, distorção seletiva e retenção seletiva. (KOTLER E KELLER, 2006, p.184). A teoria da aprendizagem ensina aos profissionais de marketing que eles podem criar demanda para um produto associando-o a fortes impulsos, usando sinais motivadores e fornecendo reforço positivo. Kotler e Keller (2006, p.186). Os autores defendem que as experiências vividas pelas pessoas podem ser armazenadas na sua

6 memória de longo prazo em uma espécie de modelo de rede associativa e que estas informações recuperadas, podem influenciar na decisão de compra. De acordo com a citação do autor temos definidos os fatores de maior influência no processo de compra conforme tabela abaixo: 1. Fatores Culturais: Cultura; Subcultura; Classe Social. 2. Fatores Sociais: Grupos de referência; Família; Papéis sociais e status. 3. Fatores Pessoais: Idade e estágio do ciclo de vida; Ocupação e circunstâncias econômicas; Personalidade e autoimagem; Estilo de vida e valores. 4. Fatores Psicológicos: Motivação; Percepção; Aprendizagem; Memória; Tabela 1: Fatores de influência na decisão de compra. Fonte: Elaboração própria. Nos conceitos apresentados acima, é importante conhecer os fatores de influência para a decisão de compra, pois de acordo com os autores, o comportamento de compra do consumidor é influenciado por fatores culturais, sociais, pessoais e psicológicos. Dentro deste conceito torna-se essencial conhecer e avaliar este comportamento para entender melhor o consumidor Processo para a Tomada de Decisão de Compra do Consumidor Neste item são apresentados conceitos sobre a tomada de decisão de compra do consumidor e o que este leva em consideração na escolha. Para Kerin et al (2008), o processo de decisão de compra é feito em cinco etapas: 1. Reconhecimento do problema: Passo inicial, percepção de uma necessidade. 2. Busca de informações: após reconhecimento da necessidade, inicia-se a busca de informações em experiências anteriores (busca interna) e também busca externa quando a experiência ou conhecimento sobre determinado produto são insuficientes. As primeiras fontes de informação externa são: a) Pessoais parentes e amigos de confiança; b) Públicas Organizações de classificação de produto de agências do governo; c) Profissionais de Marketing Propaganda, sites da empresa, vendedores, displays de ponto de venda. 3. Avaliação de alternativas: Etapa de esclarecimento do problema para o consumidor através de critérios de avaliação objetivos, como marca, e subjetivos, como prestigio e status. 4. Decisão de compra: Após examinadas as alternativas de compra, a decisão depende de muitos fatores tais como: termos da venda, experiência anterior, política de troca, entre outros. 5. Comportamento pós-compra: Comparação das expectativas com os produtos consumidos e sua satisfação. Os autores Shiffman e Kanuk (2000), tratam o processo de tomada de decisão de uma forma diferente. Estes autores definem o modelo de tomada de decisão baseado em três conceitos: psicológicos, sociais e culturais, em uma estrutura de três variáveis: variáveis de input, variáveis de processo e variáveis de output. Input: Esforços de marketing, e influências sociais e culturais do consumidor. Processo: Campo psicológico do consumidor, reconhecimento de uma necessidade, busca da informação de pré-compra e avaliação das alternativas do consumidor. Output: Compra real, avaliação pós-compra. As avaliações pré-compra e pós-compra retornam como experiência no campo psicológico influenciando próximos processos de tomada de decisão. Com relação ao marketing utilizado nas empresas, os autores pesquisados tratam de maneira parecida, definindo como sendo um processo de troca que visa satisfação e atendimento das necessidades de seus clientes e da empresa, visando uma parceria de longo prazo para a obtenção de lucro. O marketing, atualmente, está indo além de somente atender necessidades, em um processo de troca, para uma forma mais elaborada, que também auxilie na resolução de problemas sociais, econômicos e ambientais, pois os consumidores estão buscando cada vez mais empresas que sejam comprometidas socialmente. Os consumidores também estão tendo fácil acesso a informações e assim tornam-se mais exigentes com relação ao estão consumindo. De acordo com os autores estudados neste trabalho de pesquisa, é possível identificar que o processo de decisão de compra do consumidor começa com o reconhecimento do problema, para Kerin et al (2008) e o que Shiffman e Kanuk (2000) definem como input, passa pela busca de informações e avaliação de alternativas, para Kerin et al (2008) e processo para Shiffman e Kanuk (2000) e finaliza com decisão de compra e comportamento pós-compra

7 para Kerin et al (2008) e output para Shiffman e Kanuk (2000). Ainda, segundo os autores, é possível constatar que os relacionamentos entre pessoas ou grupos podem ser um dos principais fatores para a tomada de decisão de compra. De acordo com estes conceitos citados pelos autores o estudo e a pesquisa destes fatores podem auxiliar as empresas a satisfazer as necessidades de seus consumidores de maneira mais efetiva e maior rentabilidade. O mercado farmacêutico, mesmo amplamente pautado por normas e regulamentações, pode também obter melhores resultados se atender as necessidades de seus consumidores, utilizando pesquisas e técnicas de marketing. 3 Metodologia Neste momento, abordaremos a metodologia de pesquisa do trabalho, autores e suas definições, para alcançar os objetivos propostos anteriormente. Para a confecção deste trabalho foi utilizada a pesquisa exploratória, pois se trata de pesquisa sobre o comportamento de consumo de medicamentos livres de prescrição médica em uma população definida por conveniência. O levantamento de dados foi realizado por questionário previamente estruturado, onde os entrevistados responderam com o objetivo de elucidar as informações buscadas de maneira padronizada (Malhotra, 2006). A abordagem foi quantitativa, utilizando-se de medidas estatísticas para análise dos dados coletados. A coleta de dados foi realizada através de um questionário previamente estruturado, com questões fechadas, e encaminhado via correio eletrônico para todos os estudantes de graduação do Instituto Brasileiro de Gestão de Negócios (IBGEN), através do link: da empresa SurveyMonkey, onde os participantes foram direcionados a responder o questionário. O SurveyMonkey é uma empresa norte-americana especializada em web-pesquisa, onde seus usuários podem criar questionários e aplicar a pesquisa. A modalidade de serviço utilizada no site foi a gratuita, onde os resultados são fornecidos de forma direta, sem a identificação dos participantes ou cruzamento de dados, este serviço também contribuiu para facilidade ao acesso ao questionário e não comprometeu a identidade dos respondentes. A técnica utilizada foi a de amostragem não probabilística aleatória. O questionário foi elaborado tendo como base a identificação do comportamento de consumo de medicamento livres de prescrição médica dentro desta população. A aplicação aconteceu no período entre 28 de setembro de 2011 até 07 de outubro de 2011 sendo, primeiramente, para uma amostra inicial de estudantes definidas pelo pesquisador, com o objetivo de corrigir possíveis dificuldades metodológicas que poderão ocorrer na confecção do questionário. Após análise e correção, foi aplicado o questionário de pesquisa para a população citada anteriormente. O questionário aplicado na pesquisa, em anexo, ao final deste trabalho, foi confeccionado de acordo com o referencial teórico, contendo questões para conhecer o perfil do entrevistado e também para atender o objetivo deste trabalho, identificando os fatores de influência na escolha de medicamentos livres de prescrição médica entre estudantes universitários, conforme descrito a seguir: Questões 1, 2, 3, 4, 5 e 9, são para conhecer o perfil dos pesquisados, pois segundo Kotler e Keller (2006) o fator pessoal estágio do ciclo de vida pode influenciar no comportamento de compra. A questão de número um, referente à faixa etária, ficou condicionada entre 18 até 46 anos, pois se trata do perfil médio dos estudantes do IBGEN. A questão 6 é referente ao comportamento do consumidor, de acordo com o referencial dos autores: Solomon (2002); Schiffman, Kanuk 2000; Kotler, Kartajaya, Setiawan, Esta questão está relacionada aos fatores de influência na escolha de medicamentos livres de prescrição médica. Questões de número 7, 8 e 10 estão relacionadas aos fatores de escolha para a compra de medicamentos e estão de acordo com as definições dos autores: Kotler, Keller, 2006; Kotler, Kartajaya, Setiawan, 2010; Kerin, Hartley, Berkowitz, Rudelius, A técnica de análise será quantitativa por se tratar de um resumo dos aspectos da amostra e das medidas realizadas e estudadas dentro de uma população, no caso estudantes universitários do IBGEN. Nesta pesquisa buscou-se um entendimento do comportamento de consumo dos usuários de medicamentos livres de prescrição médica. 4 Análise de Dados Neste momento serão abordados os aspectos avaliados na aplicação do questionário de pesquisa. Questionário enviado via para todo o corpo discente de graduação do IBGEN que contempla, aproximadamente, 590 alunos, no período de 01 de outubro 2011 até 08 de outubro de O questionário foi respondido por 74 alunos, ou 12,5%, até o final do prazo acordado. 16% 4% 37% 5% Idade 38% 18 a 24 anos 25 a 31 anos 32 a 38 anos 39 a 45 anos 46 anos ou mais Questão 1: Idade. Obteve 74 respostas sendo que a grande maioria, 74,3% dos respondentes compreende a faixa que vai dos 18 até 31 anos.

8 Sexo que responderam a questão, tem 1 ou mais filhos em diferentes faixas etárias. Compra de Medicamentos Feminino 51% Masculino 49% 31% 0% 7% Não compro medicamentos livres de prescrição médica Compro para mim 62% Compro para meus familiares Estado Civil Compro para meus amigos Solteiro(a) 62% Casado(a) 38% Questão 5: Hábito de comprar medicamentos e para quem compra, 71 respondentes e 3 ignoradas, com 94 respostas, pois se tratava de questão de múltipla escolha. Nesta questão, 7,4% não costumam comprar medicamentos e, dos que indicaram comprar, fazem para si próprios e para seus familiares. Questão 2: Sexo/Estado Civil, obteve 73 respostas e uma ignorada. Conforme gráfico, 51% dos respondentes são mulheres e 68% dos respondentes são solteiros. Renda Bruta 11% 4% 8% Sem renda definida Até R$1500,00 28% 49% Entre R$1501,00 a R$3000,00 Entre R$3001,00 a R$4500,00 Igual ou acima de R$4501,00 Questão 3: Renda Bruta. Obteve 72 respostas e duas ignoradas. Nesta questão fica evidenciado que quase cinquenta por cento dos entrevistados tem renda média de até R$1.500,00 e, se somados a faixa de R$1.500,00 até R$3.000,00, este percentual passa de 76%. 4 ou mais filhos(as) 3 filhos(as) 2 filhos(as) 1 filho(a) Filhos 0% 2% 4% 6% 8% 10% Mais de 18 anos De 11 a 18 anos Entre 0 e 10 anos Questão 6: Quem mais influencia na escolha, 69 respondentes e 5 ignoradas. Nesta questão fica evidenciado que os profissionais de saúde são os que têm maior influência na indicação dos medicamentos livres de prescrição médica, com quase 90%. Logo após, com quase 73%, a família, depois os balconistas de farmácia com 47% e, por último, amigos, com 37%. Kotler e Keller (2006), quando tratam de influência dos fatores de compra, lembram que o consumidor é influenciado por fatores sociais como: grupos de referência, família, papéis sociais e status. Já o autor Solomon em seu livro Comportamento do Consumidor, de 2002, indica alguns fatores de influência no consumo, entre eles: grupo de amigos; redes de relacionamento; comerciais de televisão revista e outdoors; sites da web e comunidades virtuais, entre outros. As respostas a esta pergunta refletem este comportamento, principalmente no grupo relacionado à família. Devido ao fato do estudo tratar de medicamentos livres de prescrição médica, considera-se que os maiores graus de influência são obtidos nos grupos de profissionais da saúde. Questão 4: Filhos, número de filhos e faixa etária, obteve 15 respondentes. Somente 24%, do total de 74

9 dentre as primeiras fontes de informação externa estão a propaganda, sites da empresa, vendedores, displays de ponto de venda. Questão 7: Escolha do produto, 69 responderam e 5 ignoraram a questão. Os autores Shiffman e Kanuk (2000), definem que os consumidores buscam informações e avaliação às alternativas antes de tomar a decisão de compra. Nesta questão fica evidenciado que para tomar esta decisão, para o caso de medicamentos livres de prescrição médica, o que mais influencia é a variável preço, com 87%, seguido por facilidade de uso, com 83% e marca conhecida, com 67%. Este valor também reflete o que o autor Solomon (2002) fala da fidelização e identificação do consumidor com a marca. Quando se trata da escolha do produto, o que menos importa para o respondente é o design da embalagem que, somados os fatores importantes e muito importantes, não passam de 11%. O fator preço, que foi destacado pela maioria dos respondentes como influente ou muito influente, evidencia que, para os medicamentos OTCs, que não necessitam de visita ao médico, o custo ao adquirente acaba sendo importante e, em essência, possuem facilidade de uso. A marca conhecida, citado como terceiro fator de importância, dá-se devido ao fácil acesso que os consumidores obtêm sobre os medicamentos, de forma que se tornam mais exigentes e, conforme Solomon (2002), é necessário que exista uma fidelização do consumidor com a marca que esteja consumindo. Questão 8: Influência da propaganda, 70 respondentes e 4 ignorados. 62% dos respondentes acham que a propaganda influencia ou influencia muito a escolha de medicamentos que não necessitam de prescrição médica. Dentro do processo de tomada de decisão de compra, Kerin et al (2008), afirmam que o consumidor busca informações após o reconhecimento das necessidades e, Questão 9: Frequência de compra por classe terapêutica, 69 respondentes e 5 ignoradas. A compra frequente ou eventual ocorre com a classe terapêutica de analgésicos. Logo após antissépticos e os que responderam que não compram ficaram dentro da classe de laxantes, seguido de vitaminas. Questão 10: Fatores de influência, 70 respondentes e 4 ignoradas. As indicações são o quesito de maior influência, com 91%, seguido por preço, com 86%, depois marca, com 80% e propaganda, com 61%. Solomon (2002) expõe alguns fatores de influência no consumo de produtos e serviços, tais como: grupo de amigos; redes de relacionamento; comerciais de televisão, revista e outdoors; sites da web e comunidades virtuais entre outros. O autor também cita que as decisões de compra são altamente influenciadas pelas opiniões e pelo comportamento de um grupo ao qual a pessoa esteja inserida, portanto, o quesito indicações ficou evidenciado com 91% somando influente ou muito influente. Com as respostas desta questão é possível constatar que os relacionamentos entre pessoas ou grupos, podem ser um dos principais fatores para a tomada de decisão de compra. Entretanto, percebe-se novamente a influência que uma marca conhecida exerce na decisão de compra de um OTC e isto pode estar relacionado a experiências anteriores.

10 5 Conclusão Este estudo buscou apontar os fatores de maior influência na compra de medicamentos isentos de prescrição médica entre estudantes universitários de graduação da faculdade IBGEN de Porto Alegre. Dentro deste contexto, o estudo mostrou que entre os estudantes universitários estudados, com faixa etária média entre 18 e 31, em sua maioria solteiros, sem filhos e com renda média de até 1.500,00, mais de 90% costuma comprar medicamentos para uso próprio. Segundo Kotler (2006, p.172), os principais fatores de influência na decisão de compra são fatores culturais, sociais, pessoais e psicológicos. Estes fatores ficaram evidenciados de acordo com as respostas obtidas no trabalho de pesquisa. Com relação aos fatores sociais, Kotler e Keller (2006, p.176), definem grupos de referência como exercendo influência direta ou indireta sobre atitudes e comportamento das pessoas. Para Schiffman e Kanuk (2000) os grupos de referência são como um ponto de comparação e servem como referência nas compras ou decisões de compras. Neste trabalho também ficou evidenciado a importância do fator social e grupos de referência, pois os profissionais de saúde (médicos e farmacêuticos) foram apontados por quase 90% dos respondentes, seguidos por familiares com 70%, como influentes na indicação de uso. Quando os fatores de influência foram isolados e confrontados, o item indicações ficou evidenciado com mais de 90% dos respondentes somados como sendo influente ou muito influente, seguidos por preço com 86%, marca conhecida com 80% e propaganda com 61%. Kotler (2010, p. 51), trata do marketing com significado, onde o marketing foge da sua visão tradicional e incorpora visão, missão e valores da empresa, não o considerando apenas como gerador de demanda, mas como uma ferramenta para adquirir a confiança do consumidor. O setor farmacêutico pode se enquadrar nesta nova forma de fazer marketing, pois, mesmo obedecendo a normas e regulamentações muito rígidas, as empresas deste setor precisam viabilizar sua sobrevivência, adotando as melhores práticas de relacionamento com seu consumidor, isto ficou evidenciado neste trabalho de pesquisa quando os participantes definiram, em sua maioria, como influente ou muito influente a marca conhecida. Devido ao número reduzido de literaturas sobre o mercado farmacêutico, a pesquisa foi pautada principalmente na literatura sobre os principais autores de marketing e pesquisa. Entende-se que a principal limitação deste estudo está no tamanho da amostra pesquisada: 74 respondentes. Entretanto, os resultados deste trabalho acadêmico podem servir como base para estudos mais aprofundados sobre o consumo de medicamentos entre estudantes universitários, bem como sugerir uma base para próximos estudos dentro de um universo maior de pessoas ou entre públicos diferentes do universitário. Além disso, podem também auxiliar as empresas do ramo farmacêutico a aprimorar a forma como se relacionam com seus consumidores, indicando qual o melhor caminho para a utilização de estratégias de marketing, tanto na venda bem como no desenvolvimento de novos produtos. Esta pesquisa somente aponta alguns fatores de influência para a compra de medicamentos entre estudantes universitários e, por se tratar de uma amostra não probabilística, os resultados são apenas indicativos, sugerindo uma continuidade no estudo por ora iniciado. Referências ABIMIP. Dados do mercado farmacêutico: Disponível em <http://www. abimip.org.br> Acesso em 15/11/2010. ANVISA. Legislação: Resoluções. Disponível em <http://portal.anvisa. gov.br/> Acesso em 16/11/2010. CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia Científica: 5ª Edição. São Paulo: Prentice Hall, HONORATO, Gilson. Conhecendo o Marketing: 1ª edição. São Paulo: Manole, Acesso em 29/04/11. INTERFARMA. Indicadores de Mercado Farmacêutico: Disponível em <http://www.interfarma.org.br/site2/index.php/informacoes-do-setor/ indicadores> Acesso em 22/04/2011. KERIN, Roger A.; HARTLEY, Steven W. BERKOWITZ, Eric N.; RUDELIUS, William. Marketing. 8ª edição. São Paulo: Mc Graw Hill, KLEINOWSKI, Hamilton Luis. O estudo da confiança, valor percebido e lealdade do segmento farmacêutico brasileiro. Revista Gestão Contemporânea FAPA Vol. 6, Nº 6 (2009). Disponível em < seer2.fapa.com.br/index.php/arquivo/article/viewfile/10/6> Acesso em 29/04/11. KOTLER, Philip. Administração de Marketing: Analise, Planejamento, Implementação e Controle. 5ª edição. São Paulo: Atlas, KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. São Paulo: Prentice Hall, KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. Princípios de marketing: 12ª edição. São Paulo: Prentice Hall, KOTLER, Philip; KARTAJAYA, Hermawan; SETIAWAN, Iwan. Marketing 3.0: As forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier, KOTLER, Philip; KELLER, Kevin. Administração de Marketing. São Paulo: Prentice Hall, SCHIFFMAN, Leon G.; KANUK, Leslie Lazar. Comportamento do Consumidor: 6ª edição. São Paulo: LTC, SOLOMOM, Michael R. O Comportamento do Consumidor: 5ª edição. Porto Alegre: Bookman, REVISTA DE SAÚDE PUBLICA. Perfil da automedicação no Brasil. Disponível em <http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v31n1/2212.pdf> Acesso em 16/11/2010. VALOR ECONÔMICO. Indicadores de Mercado Farmacêutico: Disponível em <http://setorial.valor.com.br/> Acesso em 19/05/2011.

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos PESQUISA INÉDITA DO CREMESP 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos 80% dos médicos recebem visitas de representantes da indústria de medicamentos Estudo

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Estímulos de Marketing Outros Estímulos Características do comprador Processo de decisão do comprador Produto Preço Praça Promoção Econômicos Tecnológicos Políticos Culturais Culturais Sociais Pessoais

Leia mais

O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA

O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA Luciano Zamberlan (UNIJUÍ) lucianoz@unijui.edu.br Ariosto Sparemberger (UNIJUÍ) ariosto@unijui.edu.br

Leia mais

Modelo de Resposta Simples. Estímulo Organismo Resposta

Modelo de Resposta Simples. Estímulo Organismo Resposta AULA 5 Marketing Questões abordadas Como as características do comprador influenciam seu comportamento de compra? Quais fatores psicológicos influenciam as respostas do comprador ao programa de marketing?

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Desmistificando o Marketing Sérgio Luis Ignácio de Oliveira

Desmistificando o Marketing Sérgio Luis Ignácio de Oliveira Desmistificando o Marketing Sérgio Luis Ignácio de Oliveira Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre o autor... 15 Prefácio... 17 Capítulo 1 Desmistificando o Marketing... 20 Mas o que é Marketing?...20

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE MARKETING Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE MARKETING Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE MARKETING Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Marketing e Publicidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso.

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. 1 Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. Daiane Maria ALONGE 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Com a atual concorrência, entender os desejos

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas Introdução e Noções de Mercados Compreendendo o processo de Marketing ADMINISTRAÇÃO - Produtos - Serviços - Mercados - Processos MARKETING COMUNICAÇÃO - Propaganda Marketing é uma filosofia de negócio

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Desenvolvimento em Questão ISSN: 1678-4855 davidbasso@unijui.edu.br Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul Brasil Formentini, Marcia Responsabilidade social e marketing social

Leia mais

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031

e-mail: professor@luisguilherme.adm.br / www.luisguilherme.adm.br FONE: (62) 9607-2031 INSTITUTO UNIFICADO DE ENSINO SUPERIOR OBJETIVO - IUESO PLANO DE ENSINO CURSO: Administração PROF. Luis Guilherme Magalhães SÉRIE: 7º e 8º Período TURNO: Matutino DISCIPLINA: Gestão Mercadológica CARGA

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

MODA SUSTENTÁVEL E CONSUMIDORES OSKLEN 1. Lílian Gonring CASOTTI 2 Vanessa Melo TORRES 3 Faculdades Integradas de São Pedro, Vitória, ES

MODA SUSTENTÁVEL E CONSUMIDORES OSKLEN 1. Lílian Gonring CASOTTI 2 Vanessa Melo TORRES 3 Faculdades Integradas de São Pedro, Vitória, ES MODA SUSTENTÁVEL E CONSUMIDORES OSKLEN 1 Lílian Gonring CASOTTI 2 Vanessa Melo TORRES 3 Faculdades Integradas de São Pedro, Vitória, ES RESUMO Falar de sustentabilidade se tornou comum em tempos que o

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica

MBA em Gestão Estratégica MBA em Gestão Estratégica Disciplina Extra Metodologia Científica Profa. Dra. Sonia Valle W. B. Oliveira Parte 1-23/03/2012 Parte 2-30/03/2012 1 Aula Extra Parte 2 Metodologia Científica 2 Agenda Dados

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR O comportamento do consumidor estuda como pessoas, grupos e organizações selecionam, compram, usam e descartam artigos, serviços, idéias ou experiências para satisfazer suas

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor.

Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor. Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor. Carmen Beatriz Miranda Portela PUC/SP MBA EM MARKETING Resumo Este trabalho objetiva apresentar de forma teórica o marketing e o comportamento do consumidor,

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA SERCOMTEL CELULAR

SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA SERCOMTEL CELULAR 1 V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M A R K E T I N G SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA SERCOMTEL CELULAR Autores: Silvio Roberto Stefano Professor orientador. Mestre em Administração.

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Americanas.com x Lojas Americanas 1

Americanas.com x Lojas Americanas 1 Americanas.com x Lojas Americanas 1 Rayra Costa da SILVA 2 Gabriela Lima RIBEIRO 3 Hugo Osvaldo ACOSTA REINALDO 4 Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE RESUMO Mesmo que no site Americanas.com haja

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS FARMÁCIAS COM MANIPULAÇÃO DE SOBRAL-CE

UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS FARMÁCIAS COM MANIPULAÇÃO DE SOBRAL-CE UTILIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS FARMÁCIAS COM MANIPULAÇÃO DE SOBRAL-CE Ana Gizele Araújo Sousa 1 Resumo: O objetivo principal desta pesquisa é analisar como a utilização

Leia mais

Rogério Caldini Raniero (G CESPAR) Patrícia Rodrigues da Silva (CESPAR) Palavras-chave: Marketing. Comportamento do Consumidor. Consórcio.

Rogério Caldini Raniero (G CESPAR) Patrícia Rodrigues da Silva (CESPAR) Palavras-chave: Marketing. Comportamento do Consumidor. Consórcio. ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR SOBRE A AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS ATRAVÉS DO SISTEMA DE CONSÓRCIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ADMINISTRADORA DE BENS LOCALIZADA EM MARINGÁ-PR RESUMO Este artigo tem por

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROPAGANDA NOS NEGÓCIOS ATUAIS TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 1 ECONOMIA PSICOLOGIA

A IMPORTÂNCIA DA PROPAGANDA NOS NEGÓCIOS ATUAIS TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 1 ECONOMIA PSICOLOGIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Administração A IMPORTÂNCIA DA PROPAGANDA NOS NEGÓCIOS ATUAIS TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 1 ECONOMIA PSICOLOGIA ANA CAROLINA LEÃO EDUARDO

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM

Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM Claudineia Lima de MOURA¹ RGM 081712 claudineia_18@yahoo.com.br Dayane Cristina da SILVA¹ RGM 080225 day_4791@hotmail.com

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

A Influência das Ações Promocionais no Comportamento do Consumidor de Supermercados 1

A Influência das Ações Promocionais no Comportamento do Consumidor de Supermercados 1 A Influência das Ações Promocionais no Comportamento do Consumidor de Supermercados 1 1 RESUMO Márcia Regina Bronnemann Me 2 Emerson Siebert 3 O estudo analisou a influência das propagandas promocionais

Leia mais

PERFIL E HABILIDADES DOS EGRESSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO

PERFIL E HABILIDADES DOS EGRESSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO PERFIL E HABILIDADES DOS EGRESSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO 2 PERFIL E HABILIDADES DOS EGRESSOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO 1 1- INTRODUÇÃO Alessandro

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE: ESTUDO DE CASO EM UM HOSPITAL DE UROLOGIA EM MARINGÁ Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

AS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS EM MÍDIAS SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA DE SMARTPHONES.

AS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS EM MÍDIAS SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA DE SMARTPHONES. FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO - FECAP AS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS EM MÍDIAS SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA DE SMARTPHONES. Laís Novaes Santos. Graduanda em Administração

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Resumo. Palavras-Chave. Área Temática: Marketing

Resumo. Palavras-Chave. Área Temática: Marketing Área Temática: Marketing Título do Artigo: Satisfação dos Usuários de Telefonia Móvel Celular: Uma Pesquisa com Alunos de Graduação de uma Instituição de Ensino Superior. AUTORES MARCOS ROBERTO TEIXEIRA

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Objetivo Analisar a importância da função produção e operações nas organizações e sua hierarquia identificando

Leia mais

ANÁLISE DOS FATORES QUE LEVAM CIDADÃOS MARINGAENSES A UTILIZAR O SERVIÇO DE COMPRAS ONLINE DOS SUPERMERCADOS

ANÁLISE DOS FATORES QUE LEVAM CIDADÃOS MARINGAENSES A UTILIZAR O SERVIÇO DE COMPRAS ONLINE DOS SUPERMERCADOS ANÁLISE DOS FATORES QUE LEVAM CIDADÃOS MARINGAENSES A UTILIZAR O SERVIÇO DE COMPRAS ONLINE DOS SUPERMERCADOS Filipe de Carvalho Oliveira 1, Ivania Skura¹, José Renato de Paula Lamberti 2 RESUMO: O segmento

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão em Marketing CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

O Consumo do Ensino Superior Pelo Idoso 1. Bruno Barros de SOUZA 2 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa

O Consumo do Ensino Superior Pelo Idoso 1. Bruno Barros de SOUZA 2 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa O Consumo do Ensino Superior Pelo Idoso 1 Bruno Barros de SOUZA 2 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa RESUMO O presente artigo visa apresentar um projeto de pesquisa, que tem como objetivo relatar,

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR 1300 REFLEXÕES SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE: O CASO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR José Eduardo Fernandes 1, Silmara Pereira Brites de Moura 2, Caroline Kraus Luvizotto 3 1 Discente do

Leia mais

ATRIBUTOS E MOTIVAÇÕES QUE DETERMINAM A ESCOLHA DE UMA OPERADORA DE CELULAR NO BRASIL

ATRIBUTOS E MOTIVAÇÕES QUE DETERMINAM A ESCOLHA DE UMA OPERADORA DE CELULAR NO BRASIL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Bruno Kiechle Piegas ATRIBUTOS E MOTIVAÇÕES QUE DETERMINAM A ESCOLHA DE UMA OPERADORA

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor

P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor MORAES, W. L. a.b*, BAUDEL, R.M. a, PONTES, V.R. a, LIMA, S.C. b a. UNIBRATEC, Recife b. IMI Instituto de Pesquisa e Marketing Integrado,

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Marketing Direto faz bem para a saúde

Marketing Direto faz bem para a saúde capa Marketing Direto faz bem para a saúde Hospitais e laboratórios têm encontrado no Marketing Direto uma forma eficaz de comunicação, sem cair nas restrições da Anvisa. Levando-se em consideração que

Leia mais

APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ RESUMO

APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ RESUMO APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ Pedro Henrique Coelho de Farias - FAFIJAN Marilei Kroll - FAFIJAN Geise Barbosa Correa - FAFIJAN José Antonio

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS CÂMPUS DE ARARAQUARA BÁRBARA PEIXOTO KIYOTANI

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS CÂMPUS DE ARARAQUARA BÁRBARA PEIXOTO KIYOTANI UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS CÂMPUS DE ARARAQUARA BÁRBARA PEIXOTO KIYOTANI ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE COMPRA DE MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 1 Índice Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 A Empresa Informações sobre a empresa, farmacêuticas responsáveis, instalações, diferenciais

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais