Código de ética: Missão. Cuidar das pessoas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Código de ética: Missão. Cuidar das pessoas."

Transcrição

1 Código de ética: Missão Cuidar das pessoas. Ser o melhor parceiro para criar, aperfeiçoar, produzir e disponibilizar produtos inovadores e acessíveis que promovam a saúde e o bem-estar das pessoas. Visão Ser admirada e reconhecida como a maior e melhor empresa farmacêutica por todos. Valores Ousadia Inovar e aprimorar tudo o que fazemos. Simplicidade Trabalhar com objetividade, agilidade e inteligência. Responsabilidade Ética e seriedade em todas as nossas atividades. Excelência Busca constante do mais alto grau de eficiência. Valorização de Pessoas Valorizamos quem se supera, atinge metas e quer crescer conosco.

2 Palavra do Presidente do Conselho Caro colaborador, O regime da livre iniciativa e da concorrência impõe às empresas, aos seus representantes, colaboradores e parceiros, conduzirem-se dentro de um ambiente de respeito mútuo e entendimento. Preocupamo-nos para que toda forma de relacionamento enalteça a dignidade das pessoas, preserve a lealdade e assegure transparência nas ações indispensáveis à existência dos sentimentos de confiança e boa fé. A EMS tem os seus negócios orientados por sua visão, missão e um conjunto de valores que observam os mais elevados padrões éticos e morais, direcionando todas as ações da empresa. Constantemente ampliamos nosso universo de colaboradores, parceiros e clientes que acreditam na EMS pela existência do respeito à ética e ás pessoas. Para reforçar ainda mais nossas crenças, criamos este Código de Ética e Conduta, onde são apresentadas as linhas mestras que conduzem a nossa política institucional. Esse Código de Ética e Conduta aplica-se a todos os colaboradores e parceiros da EMS, suas subsidiárias e sociedade controladas, desempenhando papel fundamental no fortalecimento da cultura da organização. Ele contém normas pelas quais todos devem manter as suas condutas funcionais nos relacionamentos internos. Assim é dever de todos conhecer, entender, vivenciar e tornar efetiva as recomendações previstas neste Código de Ética e Conduta, estimulando e orientando os seus colegas nesse sentido, sempre que entender apropriado, respeitando os valores nos quais eles se inspiram. A imagem positiva da EMS é um patrimônio de seus acionistas e colaboradores, sendo fruto do comportamento e compromisso de todos com nossos princípios. Para isso, as consultas a este Código de Ética e Conduta devem ser facilitadas, sendo recomendável mantê-lo em local de fácil acesso.

3 Objetivo A finalidade deste Código de Ética e Conduta é servir como guia prático de conduta pessoal e profissional, a ser utilizado por todos os colaboradores do grupo EMS em suas interações e decisões diárias, tornando explícitos nossos princípios e afirmando nossos valores. Introdução ao Código de Ética e Conduta Nossa conduta depende do desempenho de todas as pessoas da EMS, que devem seguir os padrões éticos pelos quais são incentivados e responsabilizados, regidos pelos seguintes princípios: a) Respeitar a dignidade das pessoas, integridade e privacidade dos nossos clientes, acionistas, colegas, prestadores de serviços contratados em regime de terceirização, fornecedores, concorrentes e entidades de direito público; b) Cumprir as leis, normas e regulamentos e aplicáveis; c) Preservar o patrimônio e a imagem da EMS; d) Agir com responsabilidade para conquistar e manter confiança de todos; e) Cooperar para que sejam atingidos os propósitos da EMS; f) Usar as informações recebidas exclusivamente no exercício de suas funções; g) Recusar vantagens que influenciam decisões na atuação profissional; h) Proporcionar constrangimentos às pessoas no ambiente de trabalho é terminantemente proibido; i) Manter sigilo sobre as operações e estratégias da EMS. 1. Relações no Trabalho 1.1 As relações no ambiente de trabalho e em todas as instalações da EMS devem se pautar pela atitude positiva, cortesia e respeito mútuo, com todos se empenhando para que predomine o foco no resultado, espirito de equipe, profissionalismo, lealdade, transparência e confiança, sempre voltados para o desenvolvimento da empresa e seus colaboradores. 1.2 É vetado a todos o uso do cargo visando obter facilidades ou qualquer outra forma de favorecimento para si ou para terceiros. 1.3 É considerado intolerável qualquer conduta que possa ser caracterizada como discriminatória em função de raça, nacionalidade, sexo, idade, crença religiosa, opção sexual, classe social, pessoas com deficiência ou convicção política. 1.4 É proibido realizar qualquer tipo ou espécie de propaganda política ou religiosa nas dependências da EMS, utilizando a condição de empregado ou administrador da companhia, quando esta não estiver sido previamente aprovado segundo as normas internas. 1.5 Os colaboradores e administradores da companhia não deverão ter outros empregos ou atividades paralelas que prejudiquem o exercício eficiente de suas funções na EMS.

4 1.6 As avaliações dos colaboradores e administradores deverão ser por mérito, tendo como base a avaliação objetiva no exercício de suas funções. 1.7 Todos os colaboradores devem respeitar os procedimentos vigentes quanto às necessidades de assinaturas e aprovações dos representantes legais da EMS, ficando sob sua total responsabilidade as penalidades legais decorrentes do não cumprimento dessa determinação. 1.8 É proibida a contratação de parentes de 1º grau para o quadro de colaboradores da EMS ou em empresas do Grupo, sem a prévia autorização do conselho. 2. Relacionamento com Clientes 2.1 É dever de todos os administradores e colaboradores atender aos clientes com clareza, presteza, cortesia, eficiência e atitude positiva, objetivando atender as necessidades e buscar o relacionamento de longo prazo, sempre de acordo com as políticas comerciais e objetivos corporativos da companhia. 2.2 Deve-se evitar o tratamento preferencial a qualquer cliente por critérios que não estejam de acordo com os objetivos da empresa. 3. Relacionamento com Fornecedores 3.1 A contratação de fornecedores ou prestadores de serviços deve estar baseada em critérios técnicos e transparentes, obedecendo às politicas e procedimentos, de forma a garantir a escolha da melhor relação custo e benefício; considerando o conjunto de atividades da companhia. 3.2 O relacionamento com quaisquer fornecedores ou prestadores de serviço deverá ser conduzido de forma ética e respeitosa, visando os interesses da companhia. 4. Relacionamento com Órgãos Governamentais e Reguladores 4.1 Não é permitida qualquer forma de concessão de vantagens e privilégios a agentes públicos em razão de sua função, primando sempre pela manutenção da ética nos assuntos que envolvam a EMS e o GOVERNO, em todas as suas esferas. 4.2 São permitidos convites para visitas às instalações da EMS e comunidades vizinhas, eventos, congressos, seminários ou comemorações patrocinadas pela empresa, ou de eventos em que esta venha participar de forma direta ou indireta. 5. Relacionamentos com as Comunidades 5.1 As relações com as comunidades nas quais a EMS atua devem ser pautadas pela transparência, atitude construtiva, cortesia e parceria, além de benefício e respeito

5 mútuos, buscando preservar a imagem da companhia e as boas relações com os seus vizinhos. 6. Relacionamento com Associação e Entidades de Classe 6.1 Reconhecer o papel das associações e entidades de classe, legalmente constituídas, acompanhando suas iniciativas e práticas, estando sempre dispostos a dialogar em qualquer situação que envolva a EMS, objetivando sempre uma solução que atenda a ambas as partes. 7. Observância de Leis Internacionais 7.1 Devemos estar em sintonia com as práticas de negócios globais e com as leis internacionais, quando aplicáveis, que visam promover a aprimorar o mercado farmacêutico. 8. Exercício do Cargo ou Função 8.1 Ter consciência da responsabilidade da função e não se utilizar do cargo ou de informações privilegiadas em benefício próprio ou de terceiro 8.2 Ser responsável e coerente com o esperado no exercício da função, eliminando situações que possam prejudicar os resultados do trabalho. 8.3 Respeitar e proteger a privacidade e confidencialidade de quaisquer informações relativas aos colaboradores e/ou ao Negócio. 9. Assédio Moral e Sexual 9.1 É terminantemente proibida qualquer forma de assédio moral e/ou sexual por parte dos colaboradores da EMS, qualquer que seja o nível de hierárquico por ele ocupado, vínculo empregatício com a empresa ou contratado para prestação de serviço na companhia. 9.2 Consideram-se como assédio quaisquer ações que caracterizem difamação, intimidação, ameaças, hostilidades ou ódio para com outro indivíduo, por qualquer razão, motivo ou natureza, incluindo: Agressão Verbal ou Moral: Comentários irônicos, piadas ou acusações humilhantes. Agressão Física ou Sexual: Contatos físicos ou carinhos indesejados, dificultar propositalmente movimentos, batidas ou empurrões etc. Agressão Visual: Exposição a imagens com conotações ofensivas ou gestos obscenos. 9.3 Incidentes de assédio ou discriminação devem ser imediatamente in formados à Ouvidoria, que tomará todas as medidas cabíveis para a adequada condução, correção e prevenção desse tipo de situações.

6 9.4 Todo Aquele que comprovadamente adote qualquer postura, gesto ou ação de recriminação contra qualquer pessoa que tenha, com lisura e de maneira adequada, informado um caso de assédio moral ou sexual, ou que tenha cooperado em uma investigação sobre o tema, será passível de ações disciplinares, incluindo possível demissão. 10. Conflitos de Interesse 10.1 Os administradores e colaboradores da EMS devem empregar os seus melhores esforços para evitar situações nas quais seus interesses pessoais conflitem com os interesses da companhia Sendo identificada uma situação onde se verifique a existência de um conflito de interesse próprio com os interesses da empresa, o colaborador ou o administrador deverá comunicar imediatamente, por escrito, este fato ao seu superior, que deverá tomar as medidas necessárias visando salvaguardar os interesses da companhia ou encaminhar o assunto á Ouvidoria O administrador ou colaborador não poderá representar a companhia no relacionamento com empresas nas quais o próprio tenha participação ou alguma outra forma de interesse, direto ou indireto, que possa influenciar a sua decisão. 11. Parentes Vantagens e Convites 11.1 É vetado aos colaboradores solicitar ou aceitar presentes, que superem o valor de R$ 500,00 (Quinhentos Reais), cortesias e vantagens em benefício próprio, de terceiro ou da EMS, que caracterizem comprometimento de sua situação profissional e/ou das tratativas comerciais e de negócio da EMS Convites para eventos com despesas custeadas por terceiros ou pela EMS somente podem ser aceitos ou ofertados quando existir real relação com o desenvolvimento dos negócios da companhia, desde que não caracterizem benefício fora dos padrões comerciais adotados pela EMS o qual deve ainda ser aceito ou ofertado mediante autorização prévia do superior imediato Eventuais cortesias recebidas como passagens, hotel, passeios em finais de semana devem ser previamente autorizado pelo Conselho Quaisquer objeto recebido como presente, premiação ou brindes que representem, direta ou indiretamente, distinção ao colaborador ou á EMS e que supere o valor estipulado no item 11.1, deve ser recusado ou, se recebido sem prévio conhecimento, encaminhados á área de Gestão do Capital Humano para adequado encaminhamento ou doação É expressamente vetado, por qualquer motivo, o oferecimento ou recebimento de ofertas em dinheiro para benefícios de terceiros, dos colaboradores ou da EMS.

7 12. Informações Confidenciais 12.1Devem ser mantidas estritas confidencialidade sobre qualquer informação sigilosa ou estratégica da companhia, não devendo ser divulgada tais informações a terceiros, exceto nos estritos interesses empresariais da EMS ou no atendimento ás normas legais Não se admite a utilização ou a divulgação de quaisquer informações confidenciais da empresa para qualquer propósito de interesse pessoal, com benefícios para si ou para terceiros Consideram-se informações confidenciais os dados técnicos e comerciais sobre produtos, objetivos, táticas e estratégias de negócios e de comercialização, orçamentos anuais, planejamento de curto e longo prazo, volume e condições de venda, resultados de pesquisas, dados estatísticos, financiamentos, contábeis, salários praticados, bem como quaisquer outras informações que estejam relacionadas com os interesses da EMS Somente pessoas autorizadas podem fornecer informações relevantes a terceiros O administrador e o colaborador devem zelar para que informações confidenciais ou restritas a terceiros, que estejam disponíveis à EMS, sejam tratadas com a devida confidencialidade Os colaboradores da EMS têm reponsabilidade ética e legal em resguardar informações confidenciais que estejam sob sua guarda, mesmo após a sua saída da companhia. 13. Patrimônio da EMS 13.1 Os administradores e colaboradores da EMS devem, em suas ações dentro e fora do ambiente corporativo, proteger o patrimônio físico e intelectual da empresa, que inclui a sua marca e demais bens tangíveis e intangíveis, móveis, imóveis, tecnologia, estratégias de negócios e comercialização, informações, pesquisas, dados, etc Esse patrimônio não pode ser utilizado para a obtenção de vantagens pessoais, nem fornecido terceiros, salvo os dispositivos de contrato celebrados em conformidade com as normas internas da EMS. 14. Responsabilidade Social 14.1 É princípio da EMS ser um agente de evolução social junto aos diversos públicos com os quais atua, devendo os seus administradores e colaboradores estabelecer um bom relacionamento com o público envolvido, respeitando assim os interesses da comunidade onde está inserida e os respectivos setores da sociedade Todas as decisões da empresa são baseadas nos valores corporativos e éticos buscando o bom relacionamento com os diversos públicos envolvidos.

8 15. Segurança e Meio Ambiente 15.1 Os administradores e colaboradores devem, no exercício de suas atividades, ter compromisso com a segurança dos colaboradores e preservação do meio ambiente, com a adoção de ações que busquem melhorar a qualidade de vida do ser humano Todos os negócios da EMS devem ser conduzidos em total conformidade com os valores éticos e morais da empresa e com a legislação buscando o aperfeiçoamento dos processos técnicos/ operacionais da EMS e de sua política de atuação, dentro do conceito de segurança e desenvolvimento sustentável. 16. Concorrência 16.1 Os administradores e colaboradores não devem conduzir, nem nenhuma hipótese, tratativas com empresas concorrentes da EMS que resultem em limitações ilegais do comércio O relacionamento com colaboradores de empresas concorrentes deve ser pautado pelo respeito e observação das normas legais, além do disposto nos itens 10 e 11 deste código. 17. Divulgação e Procedimentos 17.1 Cabem a todos os colaboradores o conhecimento, a divulgação e a aplicabilidade dos preceitos deste código de Ética e Conduta no desenvolvimento de suas atividades diárias Todos os gestores deverão permitir, a qualquer momento, o acesso a este Código de Ética e Conduta, devendo manter em local de fácil acesso na área de trabalho Dúvidas específicas a respeito de situações concretas sobre a aplicação ou interpretação das regras constantes deste código deverão ser encaminhadas ao superior hierárquico imediato que, por sua vez, caso necessário, levará a questão ao conhecimento do superior hierárquico máximo da área ou ainda da Diretoria de Gestão de Capital Humano os administradores ou colaboradores que tenham conhecimento de quaisquer atos, fatos ou práticas que violem o presente código deverão informar os mesmos ao seu superior hierárquico ou, caso seja necessário, ao superior hierárquico máximo da área ou através do canal Ouvidoria Dúvidas e violações ao presente Código também poderão ser encaminhadas diretamente à Ouvidoria ou ainda á Diretoria de Gestão do Capital humano Violações a este código são passíveis de penalidade disciplinar previstas nas normas da EMS, incluindo a possibilidade de demissão dos envolvidos na violação A gestão e divulgação desse código caberão á Diretoria de gestão do Capital Humano, juntamente com a área de Governança Corporativa, sendo também responsável pelo recebimento das sugestões advindas dos colaboradores, visando o aperfeiçoamento e a

9 permanente atualização deste importante instrumento de gestão; o seu Código de Ética e Conduta EMS. 18. Ouvidoria É a área responsável por receber, avaliar, conduzir e responder às manifestações de reclamações, críticas, sugestões, elogios e denúncias dos nossos colaboradores, referentes a assuntos sigilosos ou confidenciais, com imparcialidade e respeito, visando melhorar nosso ambiente de trabalho e as práticas de gestão. Formas de contato com o ouvidor: Telefone: Internet Envio de cartas Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença, km 8, Parque Odimar Hortolândia SP CEP: Urnas coletoras Estarão disponíveis nas unidades de Hortolândia e São Bernardo do Campo.

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE MENSAGEM DO PRESIDENTE A Ética sempre se fez historicamente presente no ambiente corporativo da Schulz S/A, gerando relações exitosas e, por isso, duradouras entre clientes e fornecedores. A elaboração

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. No relacionamento com colegas e outros Profissionais, cada Profissional deverá:

CÓDIGO DE CONDUTA. No relacionamento com colegas e outros Profissionais, cada Profissional deverá: CÓDIGO DE CONDUTA Introdução Este Código define as regras de conduta aos quais os Sócios, os Diretores, bem como todos os funcionários da AGROFEL Agro Comercial Ltda, e terceiros, que ajam em seu interesse

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL As Indústrias Romi S.A. ( ROMI ou Companhia ) têm os seus negócios orientados por um conjunto de valores que observam os mais elevados padrões éticos e morais. Todos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014.

CÓDIGO DE ÉTICA. Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014. CÓDIGO DE ÉTICA Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014. CÓDIGO DE ÉTICA (Aprovado pela Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014.) CONSIDERANDOS * Dada a missão da Faculdade Inedi, de constituir num centro

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição.

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição. I. OBJETIVO Esta Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA), tem como objetivo estabelecer os princípios e as diretrizes compatíveis com a natureza e complexidade das atividades e produtos da Instituição,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda

1. APRESENTAÇÃO Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda 1. APRESENTAÇÃO O Código de Ética e Conduta visa estabelecer e manter o mais alto padrão de comportamento ético e profissional. O Código deve ser observado por todos os sócios, colaboradores, consultores,

Leia mais

FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º - A Ouvidoria da FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA- é um canal de diálogo com a comunidade acadêmica ou

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL E CONDUTA EMPRESARIAL R WEM EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS LTDA. Página 2 de 9 Ciente de sua responsabilidade como fabricante de produtos médicos, a WEM divulga seu manual de conduta ética e conduta empresarial.

Leia mais

Código de Ética da ABTT

Código de Ética da ABTT Código de Ética da ABTT Prezados (as) Associados (as), A ABTT, ao longo de sua existência, tem conduzido suas atividades na crença de que para seu associado desenvolver-se e ter sucesso, é imprescindível

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 13:39:41 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 13:39:41 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 02/12/2013 Verificado por Cristiane Muniz em 05/12/2013 Aprovado por Denis Fortes/BRA/VERITAS em 06/12/2013 ÁREA GRH Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Código de ética e conduta empresarial

Código de ética e conduta empresarial 1 INTRODUÇÃO A diretoria da Naspers estabelece a liderança pelo exemplo formulando nossos valores e garantindo que os padrões de ética empresarial, como contido neste Código, estejam integrados nas estratégias

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda.

COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda. COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda. Período coberto pela sua Comunicação de Progresso (COP) De: 02/02/2016 A: 31/12/2016 Declaração de Apoio 02/02/2015 Aos participantes do Pacto Global: Tenho o prazer

Leia mais

Regulamento do Auditor Padi

Regulamento do Auditor Padi 1 de 7 1. OBJETIVO Caracterizar os auditores externos do Padi Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem, classificando-os e definindo os critérios de sua seleção, suas qualificações, competências

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Orlando Lopes CEO Kantar IBOPE Media

APRESENTAÇÃO. Orlando Lopes CEO Kantar IBOPE Media CÓDIGO DE CONDUTA 1 APRESENTAÇÃO O código de conduta da Kantar IBOPE Media, o código de conduta empresarial da WPP e o book de políticas, reúnem os valores e princípios éticos que orientam a conduta profissional

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...5 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...5 Artigo 2.º Princípios Gerais...5 Artigo 3.º Legalidade...5 Artigo 4.º

Leia mais

Código de Conduta e ética empresarial Colaboradores e Fornecedores

Código de Conduta e ética empresarial Colaboradores e Fornecedores Código de Conduta e ética empresarial Colaboradores e Fornecedores Material confidencial uso exclusivo da Decision Group 09/14_V03 Aprovadores Ronaldo Ramos Diretor de Recursos Humanos Andrea Feres Consultora

Leia mais

Política de investimentos sociais 3M

Política de investimentos sociais 3M Política de investimentos sociais 3M 1. Objetivos A presente política tem por finalidade estabelecer os critérios para investimento em projetos sociais com recursos próprios visando: Estabelecer os princípios

Leia mais

REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES

REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES Este regulamento contém as regras aplicáveis ao Hackathon Kimberly-Clark Edição Huggies ( Evento ), promovida pela KIMBERLY-CLARK BRASIL INDÚSTRIA E

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

Código de Conduta Empresarial

Código de Conduta Empresarial Código de Conduta Empresarial Prezados Colegas, A Cristal construiu uma empresa global baseada nos valores de honestidade, confiança e respeito. Estes princípios orientam nossa conduta dentro e fora de

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed Diretriz Nacional de Comunicação Sistema Unimed Diretriz de Comunicação Definição Política ou Diretriz de Comunicação é um processo articulado de definição de valores, objetivos, diretrizes, normas e estruturas,

Leia mais

Código de Conduta. Mensagem do Presidente. Marcos Sawaya Jank Presidente

Código de Conduta. Mensagem do Presidente. Marcos Sawaya Jank Presidente Código de Conduta Código de Conduta Mensagem do Presidente Elaborado de acordo com os princípios e políticas definidos e aprovados pelos Conselhos Deliberativo e Fiscal da UNICA, este código de conduta

Leia mais

Como o Departamento Jurídico pode Auxiliar a Empresa em Tempos de Crise

Como o Departamento Jurídico pode Auxiliar a Empresa em Tempos de Crise Como o Departamento Jurídico pode Auxiliar a Empresa em Tempos de Crise 1 Artes Médicas Artmed Grupo A Expandiu seus negócios para o ramo da educação Adaptou-se às mudanças do mercado Transformou-se e

Leia mais

Novo Código de Ética Profissional

Novo Código de Ética Profissional Novo Código de Ética Profissional As Entidades Nacionais representativas dos profissionais da Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da Meteorologia pactuam e proclamam o

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel

Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel SÃO MIGUEL DO OESTE, JUNHO DE 2015. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SULCREDI SÃO MIGUEL 1 ABRANGÊNCIA Esta política orienta o

Leia mais

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Justificativas O Estado contemporâneo busca superar uma parte substantiva dos obstáculos que permeiam as políticas públicas e as ações privadas através

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO Renatto Marcello de Araujo Pinto Comitê Gestor da PNRSJT Comissão de Responsabilidade Socioambiental DILEMAS DO DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Criação: junho/2015 Page 1 of 5 1. OBJETIVOS A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ou Política ) tem o objetivo de estabelecer os princípios,

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 1 ABNT NBR IS O 10002:2005 S atisfação do cliente Diretrizes para o tratamento de reclamações nas organizações.

Leia mais

GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ

GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ DA DEFINIÇÃO MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Art. 1 - O GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Responsabilidade Socioambiental

POLÍTICA CORPORATIVA Responsabilidade Socioambiental POLÍTICA - Versão: 1.0 POLÍTICA CORPORATIVA Área Reponsável: DIRETORIA DE CONTROLADORIA E COMPLIANCE 1. OBJETIVO A Política Corporativa de ( Política ) define um conjunto de princípios, diretrizes e responsabilidades

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 (*)

RESOLUÇÃO Nº 22, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 (*) Republicação INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Comitê de Tecnologia e Informação RESOLUÇÃO Nº 22, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 (*) Normatiza o uso do Correio Eletrônico na Previdencia Social. O COMIT DE TECNOLOGIA

Leia mais

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Guia de monitorização de impactos Nº Direitos Humanos Guia de monitorização de impactos Aplicá vel à EDP Temas incluídos

Leia mais

Minuta Circular Normativa

Minuta Circular Normativa Minuta Circular Normativa 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo a) Estabelecer princípios e diretrizes para orientar as ações de natureza socioambiental nos negócios da Desenbahia e no seu relacionamento com clientes

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Atualizado em 12/04/2015 1 PROGRAMA DE ÉTICA E COMPLIANCE DA VISIONA A Visiona busca assegurar o mais alto nível de integridade e ética em suas atividades. Para tanto, estabeleceu

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB Estabelece a Política para Manutenção e Guarda do Acervo Acadêmico da Escola de Direito de Brasília

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas AUDITORIAS DE 2A PARTE em atividades aéreas " O QUE É E COMO ATUAMOS NESTA ÁREA. O significado de complience é o de agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou um pedido, ou seja,

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 019/2011. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando:

ATO NORMATIVO Nº 019/2011. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando: ATO NORMATIVO Nº 019/2011 Disciplina o uso do correio eletrônico no Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando:

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE Considerando que a,s.a. ( Sociedade Interessada ) tem interesse em analisar a eventual participação no projecto de da sociedade ( Promotora ), vem a Sociedade Interessada

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

Código de Conduta e Ética. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 2 / junho 2014

Código de Conduta e Ética. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 2 / junho 2014 Código de Conduta e Ética EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 2 / junho 2014 índice Apresentação 3 Mensagem do Presidente 4 Principais Objetivos do Código 5 Razão da existência do Código

Leia mais

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL 1. PoliticadoGrupoThyssenKrupp Esta política trata-se de um complemento à Politica «Group Policy on Corporate Citizenship Activities,MembershipsandTicketsPurchases(últimamodificaçãoJaneiro2013)».

Leia mais

11. Ciclo de Gestão do Governo Federal

11. Ciclo de Gestão do Governo Federal Marco Legal: Constituição de 1988 11. Ciclo de Gestão do Governo Federal Instrumentos: Planejamento Orçamento Finanças Controle LDO PPA LOA Elementos Normativos: Plano Plurianual - PPA, Lei de Diretrizes

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a 16 1 Introdução Este trabalho visa apresentar o serviço oferecido pelas administradoras de cartões de crédito relacionado ao produto; propor um produto cartão de crédito calcado na definição, classificação

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS Profa. Cleide de Freitas Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS O que vimos na aula anterior Ideias e Oportunidades Oportunidades x Experiência de mercado O que é um plano de negócios? Identificação e análise de

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco Operacional - Sumário 1. Introdução:... 3 2. Abrangência:... 3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:... 3 3. Responsabilidades:... 4 Comitê

Leia mais

Comitê Científico do Enangrad

Comitê Científico do Enangrad Comitê Científico do Enangrad Administração Pública Empreendedorismo e Governança Corporativa Ensino, Pesquisa e Formação Docente em Administração Finanças Gestão da Sustentabilidade Gestão de Informações

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA SOLENIDADE SIMBÓLICA DE ENCERRAMENTO DE CURSO

CAPÍTULO I DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA SOLENIDADE SIMBÓLICA DE ENCERRAMENTO DE CURSO REGULAMENTO PARA A ENTREGA DOS CERTIFICADOS DE CONCLUSÃO DOS CURSOS PROEJA, PROEJA FIC, FIC, MULHERES MIL, TÉCNICOS INTEGRADOS, CONCOMITANTE e SUBSEQUENTES (PRESENCIAIS, EAD, PRONATEC) DO CÂMPUS BARBACENA

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015. Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial.

PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015. Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial. PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015 Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial. 1-Do Fato: Venho por meio deste solicitar um parecer do Coren/CE

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA)

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) Página 1 de 12 1 ASPECTOS GERAIS DA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1.1 - Princípios da Relevância e da Proporcionalidade Para o estabelecimento

Leia mais

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão SOBRE A EQUIPE A equipe da I9Gestão é formada por consultores experientes, altamente qualificados e apaixonados pelo que fazem. SOBRE A I9Gestão A I9Gestão Consultoria & Treinamento é especializada na

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

O website e domínio Arquipelago Business, bem como seus subdomínios, funcionalidades,

O website e domínio Arquipelago Business, bem como seus subdomínios, funcionalidades, O website e domínio Arquipelago Business, bem como seus subdomínios, funcionalidades, conteúdo e demais aplicações e serviços (incluindo aplicações mobile) estão sujeitos aos termos e condições deste termo

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Anatomia

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Anatomia Regulamento para a utilização do Laboratório de Anatomia 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA 1. Auxiliar o aluno na introdução

Leia mais

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. do Grupo CPFL Energia. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Política de da Investimento CPFL Energia Social S.A. do Grupo CPFL Energia Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 4 3. Âmbito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS A Secretaria de Estado da Gestão Pública do Governo de Alagoas torna público o 3º CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS NA GESTÃO DO PODER EXECUTIVO DE ALAGOAS que será

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA)

Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) 1. Objetivo O objetivo do presente documento é estabelecer os princípios e diretrizes determinadas pela administração do Banco Fidis, em relação à gestão

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO DE CLUBE RECURSOS Guia para implementação do Memorando de Entendimento de clube

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO DE CLUBE RECURSOS Guia para implementação do Memorando de Entendimento de clube PORTUGUÊS (PT) MEMORANDO DE ENTENDIMENTO DE CLUBE RECURSOS Guia para implementação do Memorando de Entendimento de clube O pedido de seu clube para receber Subsídios Globais demonstra o seu compromisso

Leia mais

Política de uso. AR SSL Corporativa. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços. Versão 1.0

Política de uso. AR SSL Corporativa. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços. Versão 1.0 Política de uso AR SSL Corporativa DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Versão 1.0 Outubro de 2014 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Público alvo... 4 4. Credenciamento... 4

Leia mais

1. DA APRESENTAÇÃO. Profissionalismo Valorizamos o profissionalismo para melhorar os serviços aos Participantes e Patrocinadoras.

1. DA APRESENTAÇÃO. Profissionalismo Valorizamos o profissionalismo para melhorar os serviços aos Participantes e Patrocinadoras. P R E V I G 4 C Ó D I G O D E É T I C A P R E V I G 5 C Ó D I G O D E É T I C A 1. DA APRESENTAÇÃO A ética é o ideal de conduta humana, criada em conformidade com os mais elevados padrões da civilização,

Leia mais

Minuta de Instrução Normativa

Minuta de Instrução Normativa Minuta de Instrução Normativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº [NÚMERO], DE Dispõe sobre o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (Paint), os aspectos relativos aos trabalhos de auditoria e o Relatório Anual

Leia mais

O PAPEL E AS RESPONSABILIDADES DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS NA GOVERNANÇA

O PAPEL E AS RESPONSABILIDADES DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS NA GOVERNANÇA O PAPEL E AS RESPONSABILIDADES DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS NA GOVERNANÇA O Papel e as Responsabilidades dos Órgãos Estatutários na Governança Compliance Auditoria Interna Controles Internos CGPC nº 13/2004

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL

REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL Capítulo I Da Revista e sua Sede Art. 1º - A Revista Diálogo Educacional, criada em 2000, é uma publicação periódica do da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Leia mais

Governança Corporativa de Empresas Familiares. Migrando do Conselho para os níveis operacionais

Governança Corporativa de Empresas Familiares. Migrando do Conselho para os níveis operacionais Governança Corporativa de Empresas Familiares Migrando do Conselho para os níveis operacionais O que é "empresa familiar"? A família detém o controle societário Empresas Familiares no Mundo Fonte: Consultoria

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus Direitos iguais e inalienáveis é o fundamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS)

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS) REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS) I ÂMBITO E FINALIDADE 1. O Gabinete de Imagem e Comunicação do Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

Em atendimento a Resolução nº 4.327 de 25 de abril de 2014, apresentamos a seguir a nossa: POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

Em atendimento a Resolução nº 4.327 de 25 de abril de 2014, apresentamos a seguir a nossa: POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Em atendimento a Resolução nº 4.327 de 25 de abril de 2014, apresentamos a seguir a nossa: POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Apresentação Este documento atende à Resolução nº 4.327 do Banco

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

POLÍTICA DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS DE TI Departamento de Tecnologia da Informação

POLÍTICA DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS DE TI Departamento de Tecnologia da Informação 1. INTRODUÇÃO... 02 2. PROPÓSITO... 03 3. ABRANGÊNCIA... 03 4. DIREITOS DE USO... 03 5. DEVERES CORRESPONDENTES... 04 6. PROIBIÇÕES... 05 7. COMPROMISSOS... 07 8. SOFTWARES E LICENÇAS... 08 9. ADIÇÃO E

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL (SUPERVISIONADO)

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL (SUPERVISIONADO) REGULAMENTO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL (SUPERVISIONADO) GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA PROFª MS. ELAINE CRISTINA SIMOES BRAGANÇA PAULISTA 2013 O estágio é um ato educativo supervisionado, desenvolvido no ambiente

Leia mais

A visão empresarial da nova institucionalidade

A visão empresarial da nova institucionalidade Inovação Tecnológica e Segurança Jurídica A visão empresarial da nova institucionalidade José Ricardo Roriz Coelho Diretor Titular Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC Presidente Suzano

Leia mais

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTERIO DA SAÚDE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O MINISTÉRIO DO TRABALHO, DA SAÚDE E DAS POLÍTICAS SOCIAIS DA REPÚBLICA ITALIANA SOBRE COOPERAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE

Leia mais

[De]Codificando a Comunicação de uma Organização Criativa: Um Estudo de Caso no CESAR

[De]Codificando a Comunicação de uma Organização Criativa: Um Estudo de Caso no CESAR Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração Ana Aragão da Cunha Lima e Nascimento Relatório

Leia mais

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Esplanada dos Ministérios, Bloco L 70047-902 Brasília DF ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais