IUS RESUMOS. Inquérito Policial Parte II. Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IUS RESUMOS. Inquérito Policial Parte II. Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante"

Transcrição

1 Inquérito Policial Parte II Organizado por: Max Danizio Santos Cavalcante

2 SUMÁRIO I INQUÉRITO PÓLICIAL PARTE II Destino do Inquérito Policial Novas diligências requeridas pelo Ministério Público Arquivamento do Inquérito Policial Controle do Arquivamento do Inquérito Policial e Peças de Informação Arquivamento Indireto Arquivamento Implícito Arquivamento Provisório Des do Inquérito Policial (art. 18 do CPP e súmula 524 do STF) Competência no Inquérito Policial (art. 22 do CPP) Termo Circunstanciado de Ocorrência (art.69, caput, da LEI 9.099/95) Referências... 8

3 INQUÉRITO POLICIAL PARTE II INQUÉRITO POLICIAL PARTE II Nestor Távora e Rosmar Alencar (2014, p. 86) afirmam que o processo penal deve conferir efetividade ao direito penal, fornecendo os meios e o caminho para materializar a aplicação da pena ao caso concreto. Bem mais que um simples instrumento de aplicação do direito material, o direito processual penal constitui-se em um acervo de garantias processuais constitucionais que, conforme lição do mestre Aury Lopes Jr (2014, p. 107), são verdadeiros escudos protetores contra o abuso do poder estatal. Assim, o Direito Processual Penal, inserido no Direito Público, tem o papel de estabelecer garantias mínimas e condições necessárias para que haja legitimidade no exercício da jurisdição criminal. Nesse resumo vamos dar continuidade ao assunto Inquérito Policial, seguindo o roteiro do Código de Processo Penal. Vamos falar sobre a tramitação do inquérito após sua conclusão, as espécies de que pode sofrer, competência ou atribuição no inquérito policial e termo circunstanciado de ocorrência. Boa leitura! Max Danizio Santos Cavalcante Equipe Ius Resumos I INQUÉRITO POLICIAL PARTE II 1. Destino do Inquérito Policial Tramitação do Inquérito Policial Devem acompanhar os autos do inquérito os instrumentos do crime e os objetos de prova, para que fiquem à disposição das partes, possibilitando o requerimento de realização de contraprova (art. 11 do CPP) A autoridade policial deverá oficiar o Instituto de Identificação e Estatística ou repartição congênere, mencionando o juízo a que tiverem sido distribuídos os autos e os dados relativos à infração penal e à pessoa do indiciado (art. 23 do CPP) [3]

4 Depois de concluído e devidamente relatado, o inquérito policial é encaminhado ao juízo competente. Se for o caso de ação penal privada, os autos são remetidos ao juízo, mas lá deverão aguardar que o ofendido ou o seu representante se manifestem (art.19 do CPP). Em caso de ação penal pública, o inquérito é remetido ao Juiz, que abre vistas ao Ministério Público, que por sua vez possui 03(três) opções: oferece a denúncia (caso entenda existir base para tanto), requisita novas diligências (que sejam imprescindíveis para o oferecimento da denúncia) ou pede o, nas hipóteses legais. MP oferece denúncia Conclusão do Inquérito Policial Crime de ação penal pública MP requisita novas diligências MP promove 2. Novas diligências requeridas pelo Ministério Público O Ministério Público poderá: Novas diligências requeridas pelo Ministério Público O Ministério Público não poderá requerer a devolução do inquérito à autoridade policial, senão para novas diligências, imprescindíveis ao oferecimento da denúncia - art. 16 do CPP Se o Ministério Público julgar necessários maiores esclarecimentos e documentos complementares, ou novos elementos de convicção, deverá requisitá-los diretamente, de quaisquer autoridades ou funcionários que devam ou possam fornecê-los art. 47 do CPP 3. Arquivamento do Inquérito Policial O do processo se dará da seguinte forma:

5 INQUÉRITO POLICIAL PARTE II Arquivamento do Inquérito Policial Se esgotadas as diligências cabíveis e o MP concluir que não há indícios suficientes de autoria ou prova da materialidade delitiva, ou... Em sendo o caso de provável rejeição da denúncia (art. 395 do CPP) ou de absolvição sumária (art. 397 do CPP) Deverá ser formulado ao Juiz o pedido de do Inquérito Policial 3.1 Controle do Arquivamento do Inquérito Policial e Peças de Informação É importante verificar a competência para o encerramento do inquérito 1 : Controle do Arquivamento do Inquérito Policial O do Inquérito Policial, em regra, é ato complexo Depende de dois atos distintos, de órgãos diversos, para produzir efeitos Efeitos Requerimento do órgão do Ministério Público Anuência do órgão do Poder Judiciário, manifestada através de decisão homologatória Conforme o artigo 28 do CPP, se o órgão do Ministério Público, ao invés de apresentar a denúncia, requerer o do inquérito policial ou de quaisquer peças de informação, ocorrerá o que se segue: MP requer o Juiz discorda Remessa dos autos ao Procurador Geral de Justiça (ou à Câmara de Coordenação e Revisão, no caso do MPF) PGJ ou Câmara discorda do pedido de PGJ ou Câmara concorda com o pedido de Oferece diretamente a denúncia Designa outro membro do MP para oferecer a denúncia Juiz está obrigado a homologar o [5]

6 3.2 Arquivamento Indireto Chama-se indireto... A hipótese em que o Ministério Público deixa de oferecer denúncia por entender que o juízo é incompetente para processar e julgar a causa Se o magistrado discordar do MP, deve remeter os autos ao Procurador Geral de Justiça, aplicando analogicamente o artigo 28 do CPP 3.3 Arquivamento Implícito Nas palavras de Nestor Távora e Rosmar Alencar 2, implícito é: O implícito ocorre quando... O Ministério Público, ao propor a denúncia, deixa de se manifestar acerca de alguma infração relatada no inquérito O Ministério Público deixa de indicar algum criminoso que tenha sido indiciado, seguido do recebimento da denúncia pelo juiz que não notou a omissão É resultado da omissão ministerial que passa despercebida pelo magistrado Importante destacar que: Atenção O implícito não tem sido aceito pela jurisprudência, nem pela doutrina, em razão da ausência de previsão legal para essa hipótese, pois, sendo a ação penal indisponível, o aditamento da denúncia pode se dar a qualquer tempo, desde que antes da sentença final, conforme previsão do art. 569 do CPP 3.4 Arquivamento Provisório Arquivamento Provisório Ocorre na hipótese da ausência de uma condição de procedibilidade, como no caso de representação da vítima nos crimes de ação penal pública condicionada a essa representação Se a vítima se retrata antes do oferecimento da denúncia (art. 25 do CPP), também caberá o, que perdurará até que ela se arrependa e volte a representar Se ultrapassado o prazo de 6 (seis) meses desde a descoberta da autoria do delito e a vítima não representa, ela decai de seu direito, e o que era provisório se torna definitivo (art. 38 do CPP).

7 INQUÉRITO POLICIAL PARTE II 3.5 Des do Inquérito Policial (art. 18, CPP e súmula 524 do STF) Em regra, a decisão de não gera coisa julgada material, podendo ser revista a qualquer tempo, desde que haja provas novas que autorizem o seu des. Apenas em algumas hipóteses o terá efeito definitivo, não podendo ser desfeito 3 : Impossibilidade de des Atipicidade do fato ou inexistência do crime Reconhecimento de excludentes de ilicitude, culpabilidade ou de causas de extinção da punibilidade Aos demais casos aplica-se a redação do art. 18 do CPP: Depois de ordenado o do inquérito pela autoridade judiciária, por falta de base para denúncia, a autoridade policial poderá proceder a novas pesquisas, se de outras provas tiver notícia 4. Competência no Inquérito Policial (art. 22 do CPP) O inquérito policial não obedece às regras de competência processual. Para a autoridade policial não se fala em competência, mas em atribuição, sendo que a delimitação territorial na qual ela exerce as suas atribuições é conhecida como circunscrição. Atribuição no Inquérito Policial Quanto ao critério territorial, a circunscrição é determinada pelo local da consumação do delito Há ainda o critério material de fixação da atribuição O critério diz respeito à divisão de atribuições entre a polícia federal e as polícias civis, bem como dentro das próprias polícias, por meio de delegacias especializadas 5. Termo Circunstanciado de Ocorrência (art. 69, caput, da Lei 9.099/95) O Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) é uma peça mais simples, que possui algumas diferenças em relação ao Inquérito 4 : [7]

8 Termo Circunstanciado de Ocorrência Aplicado a infração penal de menor potencial ofensivo, de competência dos Juizados Especiais Criminais A autoridade policial deverá proceder à lavratura do termo circunstanciado de ocorrência (TCO), ao invés do inquérito O TCO é semelhante ao boletim de ocorrência policial, mas, incorpora uma narrativa mais detalhada do fato registrado, com a indicação do autor do fato, do ofendido e do rol de testemunhas Será competente para a lavratura a autoridade policial a que for comunicada a ocorrência da infração Porém, há casos em se recomenda a lavratura do inquérito policial, como exemplo: se o crime for de alta complexidade, se não for conhecido o autor da infração penal ou ainda se houver conexão ou continência com crime que comporte a instauração de inquérito policial. 6. Referências AVENA, Norberto. Processo Penal Esquematizado. 3ª ed. São Paulo: Editora Método, TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. Salvador: JusPodivm, NOTAS: 1 Nestor Távora e Rosmar Alencar (2014, p. 159). 2 Nestor Távora e Rosmar Alencar (2014, p. 171). 3 Nestor Távora e Rosmar Alencar (2014, p ). 4 Noberto Avena (2011, p. 224).

Juizados Especiais. Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br.

Juizados Especiais. Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br. Juizados Especiais Aula 13 (21.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Juizado Especial Criminal Competência Princípios JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

Leia mais

- PARA CRIMES CUJA PENA MÁXIMA SEJA IGUAL OU SUPERIOR A QUATRO ANOS: PROCEDIMENTO ORDINÁRIO;

- PARA CRIMES CUJA PENA MÁXIMA SEJA IGUAL OU SUPERIOR A QUATRO ANOS: PROCEDIMENTO ORDINÁRIO; ESQUEMA DE ESTUDO PROCEDIMENTOS PENAIS PROFESSOR: PIETRO CHIDICHIMO JUNIOR NOVA FORMA DE ESCOLHA DOS PROCEDIMENTOS COMUNS COM O ADVENTO DA LEI N.º 11.719/08. EXCEÇÕES: PROCEDIMENTO DE FUNCIONÁRIO E HONRA

Leia mais

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL. Proposta de programa a desenvolver em sumários:

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL. Proposta de programa a desenvolver em sumários: CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL Proposta de programa a desenvolver em sumários: I Do inicio do processo o crime e sua natureza. - Crimes públicos, semi-públicos e particulares;

Leia mais

Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente.

Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente. RESOLUÇÃO Nº 49, DE 28 DE SETEMBRO DE 2004 DOE SP DE 29/09/2004 Dispõe sobre procedimentos para o licenciamento ambiental no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente. O Secretário de Estado do Meio Ambiente,

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO

PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO PROCEDIMENTOS PROCESSO instrumento utilizado para resolução dos conflitos de interesses, formado por um conjunto de atos, exige a conjugação de dois fatores:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO 4869/2012 AÇÃO PENAL Nº 0002281-37.2010.403.6117 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL NA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO PROCURADOR OFICIANTE: MARCOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO...3. Crime de Racismo...4. Crime de Injúria Racial...6. Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL...

APRESENTAÇÃO...3. Crime de Racismo...4. Crime de Injúria Racial...6. Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL... 1 Sumário APRESENTAÇÃO...3 COMO DENUNCIAR? Crime de Racismo...4 Crime de Injúria Racial...6 Crimes de Ódio na Internet...8 DIFERENÇAS ENTRE RACISMO E INJÚRIA RACIAL...10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...12

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Conselho Institucional

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Conselho Institucional MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Conselho Institucional VOTO Nº 1600/2016 ORIGEM: PRM RIBEIRÃO PRETO/SP PROCURADORA DA REPÚBLICA: ANNA FLÁVIA NÓBREGA CAVALCANTI UGATTI RELATOR: JULIANO BAIOCCHI VILLA-VERDE DE

Leia mais

IMPETRANTE: SINDICATO DAS AGÊNCIAS DE NAVEGAÇÃO MARÍTIMA DO ESTADO DE SÃO PAULO-SINDAMAR

IMPETRANTE: SINDICATO DAS AGÊNCIAS DE NAVEGAÇÃO MARÍTIMA DO ESTADO DE SÃO PAULO-SINDAMAR 1 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: SINDICATO DAS AGÊNCIAS DE NAVEGAÇÃO MARÍTIMA DO ESTADO DE SÃO PAULO-SINDAMAR IMPETRADO: CHEFE DO POSTO PORTUÁRIO DA AGÊNCIA NACIONAL DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA EM

Leia mais

MEDIDA DE SEGURANÇA MACAPÁ 2011 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO MATERIAL DIDÁTICO

MEDIDA DE SEGURANÇA MACAPÁ 2011 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE DIREITO MATERIAL DIDÁTICO MEDIDA DE SEGURANÇA DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 2.079, DE 2003

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 2.079, DE 2003 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI N o 2.079, DE 2003 Determina a perda de mandato para Prefeito e Vice-Prefeito que transferir domicílio eleitoral. Autor: Deputado Lupércio

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br. Injúria racial. Gilbran Queiroz de Vasconcelos. 1. Considerações iniciais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br. Injúria racial. Gilbran Queiroz de Vasconcelos. 1. Considerações iniciais BuscaLegis.ccj.ufsc.br Injúria racial Gilbran Queiroz de Vasconcelos 1. Considerações iniciais O crime de Injúria Racial está alocado no artigo 140, 3º, no Título I, capítulo V, da Parte Especial do Código

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR WASHINGTON LUIS BEZERRA DE ARAUJO

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR WASHINGTON LUIS BEZERRA DE ARAUJO Processo: 0001353-14.2015.8.06.0000 - Conflito de competência Suscitante: Juiz de Direito da 15ª Vara de Família da Comarca de Fortaleza Suscitado: Juiz de Direito da 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483 1 CPC. ART. 15 2 LINDB (onde está escrito STF leia-se STJ); ART. 35 3, LEI 9307/96; ART. 105 4 CF/88.

HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483 1 CPC. ART. 15 2 LINDB (onde está escrito STF leia-se STJ); ART. 35 3, LEI 9307/96; ART. 105 4 CF/88. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PONTO 1: HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA PONTO 2: REQUISITOS; PROCEDIMENTO PONTO 3: CARTA ROGATÓRIA HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483

Leia mais

03-07-12 - Prospeto a publicar nas ofertas públicas de valores mobiliários

03-07-12 - Prospeto a publicar nas ofertas públicas de valores mobiliários 03-07-12 - Prospeto a publicar nas ofertas públicas de valores mobiliários A Comissão Europeia (CE) emitiu novas regras quanto ao formato e ao conteúdo do prospeto, do prospeto de base, do sumário, das

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003 DE 20 DE JANEIRO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003 DE 20 DE JANEIRO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003 DE 20 DE JANEIRO DE 2011. Estabelece os procedimentos técnicos e operacionais complementares à Portaria 2.220/2010, que trata dos prazos para inclusão, alteração e/ou cancelamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS - SEJUDH EDITAL SEC/SADH/SEJUDH Nº. 004/2016

SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS - SEJUDH EDITAL SEC/SADH/SEJUDH Nº. 004/2016 SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS - SEJUDH EDITAL SEC/SADH/SEJUDH Nº. 004/2016 EDITAL DE ELEIÇÃO DOS MEMBROS DA SOCIEDADE CIVIL DO CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA COM

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF.

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF. CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF. OSVALDO ESTUDO DE PEÇAS JURÍDICAS PROCURAÇÃO AD JUDICIA JUÍZO. PROCURAÇÃO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho O Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil, assinado em Porto Seguro em 22 de Abril de 2000, aprovado,

Leia mais

COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS CURSOS ON LINE - OAB ÉTICA PROFISSIONAL PROFESSOR ALYSSON RACHID. Twitter: @alyssonrachid

COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS CURSOS ON LINE - OAB ÉTICA PROFISSIONAL PROFESSOR ALYSSON RACHID. Twitter: @alyssonrachid COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS CURSOS ON LINE - OAB ÉTICA PROFISSIONAL PROFESSOR ALYSSON RACHID Twitter: @alyssonrachid AULA: - Inscrição - Honorários advocatícios 1. Inscrição: - Requisitos para

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia.

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia. Escrivao P.F Nível Superior DISCIPLINA:D.Proc.Penal Professor: Guilherme Madeira Aula 01 MATERIAL DE APOIO Processo Penal Professor Madeira Dicas: -Apenas caderno e lei na reta final! -Fazer uma prova

Leia mais

PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 2.2 CIRCUNSTÂNCIAS ATENUANTES (art. 65 e 66 do CP) Circunstâncias Atenuantes Art. 65 - São circunstâncias que sempre atenuam a pena: I - ser o agente menor de 21 (vinte e

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 4ª VARA CRIMINAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO. Ref. Processo nº 2011.51.01.802117-3 A Egrégia Ordem dos Advogados do Brasil, seção Rio de Janeiro OAB/RJ,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.354, DE 2015 (Do Sr. Luiz Nishimori)

PROJETO DE LEI N.º 3.354, DE 2015 (Do Sr. Luiz Nishimori) *C0057198A* C0057198A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.354, DE 2015 (Do Sr. Luiz Nishimori) Dispõe sobre a concessão de visto permanente ao estrangeiro que invista e pretenda fixar-se no Brasil.

Leia mais

Educação a distância dissensos e consensos

Educação a distância dissensos e consensos Reunião Conjunta das Regiões Sul e Sudeste do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais Educação a distância dissensos e consensos Arthur José Pavan Torres Conselho Estadual de Educação-SP Histórico a partir

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ANÁPOLIS/GO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ANÁPOLIS/GO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA ÚNICA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE ANÁPOLIS/GO P.A. n 1.18.000.001478/2005-80 Denunciante TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Denunciado

Leia mais

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1 DIREITOS POLÍTICOS Prof. Fábio Ramos prof.fabioramos@hotmail.com Conjunto de normas que disciplinam as formas de exercício da soberania popular. Princípio da Soberania Popular: Art. 1º, par. único: Todo

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO N. 0004453-07.2009.4.01.3800(2009.38.00.004782-8)/MG R E L A T Ó R I O

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO N. 0004453-07.2009.4.01.3800(2009.38.00.004782-8)/MG R E L A T Ó R I O R E L A T Ó R I O Trata-se de recurso em sentido estrito interposto pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra decisão que rejeitou a denúncia oferecida contra MARIA AUXILIADORA CARVALHO GUEDES, LISANARA CARVALHO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO ANEXO I (Anexo ao Regulamento Portaria JFES-POR-2014/00073) LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA BAIXA DEFINITIVA DE AUTOS Órgão Julgador/Vara Processo

Leia mais

Requerimentos reconhecimento de firma autenticação identificação fé pública.

Requerimentos reconhecimento de firma autenticação identificação fé pública. Requerimentos reconhecimento de firma autenticação identificação fé pública. EMENTA NÃO OFICIAL. a) para as averbações previstas no art. 167, II, 4 e 5, da Lei n. 6015/73, não se exigirá o reconhecimento

Leia mais

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998 "Altera a Consolidação das Resoluções do Conselho Federal de Psicologia, aprovada pela Resolução CFP N 004/86, de 19 de outubro de 1986." O CONSELHO FEDERAL

Leia mais

Edital Verticalizado Polícia Civil de Pernambuco

Edital Verticalizado Polícia Civil de Pernambuco Edital Verticalizado Polícia Civil de Pernambuco 2016 Edital Verticalizado Polícia Civil de Pernambuco O Focus Concursos Online oferece aos que desejam se preparar, um curso teórico, atualizado, com todas

Leia mais

Criança ou adolescente com indícios de. exploração sexual. Se é flagrante

Criança ou adolescente com indícios de. exploração sexual. Se é flagrante s nas rodovias estaduais e O cidadão ou profissional que deixar de prestar assistência à criança ou ao em situação de exploração sexual, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, responderá pelo crime

Leia mais

A EQUIPE DO DIREITO CONCENTRADO ESTÁ COM VOCÊ!

A EQUIPE DO DIREITO CONCENTRADO ESTÁ COM VOCÊ! Olá CONCENTRADOS! Como está a sua preparação para a 2ª fase da OAB? Muito estudo e dedicação? Sabemos como é difícil conseguir conciliar tudo nesta fase, o período é curto, a matéria longa e você precisa

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

Curso de Extensão Inteligência Teoria e Prática 2010

Curso de Extensão Inteligência Teoria e Prática 2010 1 Apresentação O INSTITUTO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO promove o curso ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA, com o objetivo de apresentar aspectos essenciais sobre a inteligência, função de natureza permanente,

Leia mais

Fiscalização e Autuação Ambiental: Como agir? FIEMG-JF, 12 de agosto de 2014

Fiscalização e Autuação Ambiental: Como agir? FIEMG-JF, 12 de agosto de 2014 Fiscalização e Autuação Ambiental: Como agir? FIEMG-JF, 12 de agosto de 2014 Quem pode fiscalizar e autuar Ente federal: IBAMA Ente estadual: Em Minas, SEMAD, IEF, FEAM, IGAM, Polícia Militar (Dir. de

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS UNIFICADA - JUSTIÇA ESTADUAL

TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS UNIFICADA - JUSTIÇA ESTADUAL TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS UNIFICADA - JUSTIÇA ESTADUAL ELIMI JUIZADOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE 547 Seção Cível 1385 Cartas 1450 Carta de ordem 1451 Carta Precatória 1455 Incidentes 10969

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Representação nº 140/98 RECOMENDAÇÃO Nº 23/99 Trata o procedimento de representação formulada por Paulo Murilo Castilho Barone em face da recusa da Polícia Federal em São Paulo em lhe conceder passaporte

Leia mais

SlPt. - mm um um,,, n... um um mu.,... ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

SlPt. - mm um um,,, n... um um mu.,... ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO SlPt má PODER JUDICIÁRIO DE SÃO ACÓRDÃO PAULO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N - mm um um,,, n... um um mu.,... *01917152* Vistes, relatados e discutidos estes autos de Habeas

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2015.0000578466 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0133073-16.2010.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA, é apelado THAMIRES FURLAN.

Leia mais

EGREGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL

EGREGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL MINISTERIO PUBLIC() FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERMS EGREGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL PRE/PA/2013 RC RECURSO CRIMINAL N 384-41.2012.6.13.0302 RECORRENTE: Ministerio Public Eleitoral

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 011 Declaração de Isenção de Licenciamento Ambiental DILA

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 011 Declaração de Isenção de Licenciamento Ambiental DILA INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 011 Declaração de Isenção de Licenciamento Ambiental DILA Disciplina o processo de dispensa de licenciamento ambiental das atividades localizadas no município de Blumenau, e passíveis

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO EXAME DE ORDEM OAB 1ª FASE

CONTROLE DE CONTEÚDO EXAME DE ORDEM OAB 1ª FASE 1 Teoria Geral da Constituição / Separação de Poderes 2 Direitos e deveres individuais e coletivos 3 Nacionalidade 4 Direitos políticos/ Partidos Políticos 5 Organização Político-Administrativa 6 Poder

Leia mais

PARECER Nº 008/2013 - MPC

PARECER Nº 008/2013 - MPC PARECER Nº 008/2013 - MPC PROCESSO Nº ASSUNTO ÓRGÃO CNS28.000-02/2010 (0576/2010 - TCERR) Consulta Prefeitura Municipal de Uiramutã RESPONSÁVEL Eliésio Cavalcante de Lima Prefeito Municipal RELATOR Consa.

Leia mais

TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO APLICADA A POLÍCIA FEDERAL

TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO APLICADA A POLÍCIA FEDERAL TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO APLICADA A POLÍCIA FEDERAL Lei 6.815/80 (Estatuto do Estrangeiro) 1- (PF/2013/Escrivão) Julgue o item abaixo, a respeito da deportação de estrangeiro prevista na Lei n.º 6.815/1980.

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Auditoria e Análise de Segurança da Informação Forense Computacional Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Forense Computacional 2 Forense Computacional A forense computacional pode ser definida

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Defender interesses difusos e coletivos, defender o regime democrático e a implementação de políticas constitucionais.

Defender interesses difusos e coletivos, defender o regime democrático e a implementação de políticas constitucionais. 1. Escopo ou finalidade do projeto Ampliar a efetividade do velamento que o Ministério Público exerce sobre as Fundações Privadas, de forma a garantir que este patrimônio social seja efetivamente aplicado

Leia mais

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Versão 01 - Página 1/24 PROCESSO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP- GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Objetivo estratégico:

Leia mais

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL

Regime fiscal das fundações. Guilherme W. d Oliveira Martins FDL Regime fiscal das fundações Guilherme W. d Oliveira Martins FDL DUP e benefícios fiscais O regime fiscal das Fundações/IPSS depende da atribuição da declaração de utilidade pública a essas pessoas coletivas.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça Exmo Sr. Dr. Juiz de Direito Auxiliar da. Assunto: Estudo Social e Psicológico nos Juizados Informais de Conciliação, Juizados Especiais Cíveis e Criminais e Curadoria do Idoso. O tem recebido consultas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL NO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL NO RIO GRANDE DO SUL EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) ELEITORAL, EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL Mandado de Segurança n.º 114-91.2013.6.21.0000 Procedência: GUAPORÉ - RS (22ª ZONA ELEITORAL - GUAPORÉ)

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

NORMAS REEDITADAS PARA A ELEIÇÃO DE DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

NORMAS REEDITADAS PARA A ELEIÇÃO DE DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS NORMAS REEDITADAS PARA A ELEIÇÃO DE DIRETOR E VICE-DIRETOR DA DA O Conselho Diretor, através da Comissão Eleitoral designada em reunião realizada em 07 de novembro de 2012, e nomeada conforme Portaria

Leia mais

INQUERITO POLICIAL artigos 4º ao 23 do CPP.

INQUERITO POLICIAL artigos 4º ao 23 do CPP. INQUERITO POLICIAL artigos 4º ao 23 do CPP. Conceito de inquérito policial. Atribuição da Autoridade Policial. Polícia. Polícia preventiva ou ostensiva. Polícia judiciária ou repressiva. Finalidade do

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

I Locação em geral. 30 dias Antecedência mínima necessária para que o Locador denuncie locações de prazo indeterminado.

I Locação em geral. 30 dias Antecedência mínima necessária para que o Locador denuncie locações de prazo indeterminado. I Locação em geral 10 anos Contratos com tal prazo dependem da vênia conjugal, sob pena do período excedente não ser respeitado pelo cônjuge não anuente 30 dias Antecedência mínima necessária para que

Leia mais

- Livro de Reclamações -

- Livro de Reclamações - - Livro de Reclamações - Regime Jurídico: Decreto-Lei nº156/2005 de 15 de Setembro, alterado pelo Decreto-Lei nº371/2007, de 6 de Novembro; Portarias 1288/2005, de 15 de Dezembro e 869/2008, de 18 de Agosto.

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Manual Mobuss Construção - Móvel

Manual Mobuss Construção - Móvel Manual Mobuss Construção - Móvel VISTORIA & ENTREGA - MÓVEL Versão 1.0 Data 22/04/2014 Mobuss Construção - Vistoria & Entrega Documento: v1.0 Blumenau SC 2 Histórico de Revisão Versão Data Descrição 1.0

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DO ACRE DIVISÃO DE PATRIMÔNIO

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DO ACRE DIVISÃO DE PATRIMÔNIO GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DO ACRE DIVISÃO DE PATRIMÔNIO PORTARIA N 003/DP/2010 Dispõe sobre a carga pessoal de armas de fogo, munições e coletes balísticos pertencentes ao patrimônio da

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM) PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM) Altera o art. 5º da Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do

Leia mais

COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII 1. NOÇÕES GERAIS

COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII 1. NOÇÕES GERAIS COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII COMPETÊNCIA SUMÁRIO 1. Noções gerais; 2. Competência territorial (ratione loci); 2.1. O lugar da infração penal como regra geral (art. 70 CPP); 2.2. O domicílio ou residência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS A Secretaria de Estado da Gestão Pública do Governo de Alagoas torna público o 3º CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS NA GESTÃO DO PODER EXECUTIVO DE ALAGOAS que será

Leia mais

Segurança e Preservação de Dados

Segurança e Preservação de Dados Segurança e Preservação de Dados Computação Forense Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.6T Segurança e Preservação de Dados Conteúdo Programático :: 1a Unidade Conceitos

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

1.0035.08.127333-2/001

1.0035.08.127333-2/001 <CABBCBBCCACADBADAACBACABDDDAAACDAABAADDADAAAD> Acórdãos na Íntegra 146000101958 Tribunal: Tribunal De Justiça Do Estado De Minas Gerais Órgão Julgador: 7ª C.Crim. Tipo do Recurso: RSE Nº Processo: 1.0035.08.127333-2/001 Relator(a): Rel. Duarte de Paula

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Procuradoria Geral de Justiça

Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Procuradoria Geral de Justiça CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DO CARGO DE PROMOTOR DE JUSTIÇA SUBSTITUTO (EDITAL Nº 001/2014/MP-MT) (publicado no DOE em 14/02/2014 páginas 183 a 188) ANEXO I PROGRAMAS DOS GRUPOS TEMÁTICOS PARA O CONCURSO

Leia mais

Contabilidade Pública e Governamental

Contabilidade Pública e Governamental Contabilidade Pública e Governamental Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Conceito Estrutura e critérios de classificação das contas. Sistemas de contas Sistema Orçamentário

Leia mais

A PROVA NO PROCESSO PENAL MILITAR INDÍCIOS KARINA CILENE BRUSAROSCO

A PROVA NO PROCESSO PENAL MILITAR INDÍCIOS KARINA CILENE BRUSAROSCO A PROVA NO PROCESSO PENAL MILITAR INDÍCIOS KARINA CILENE BRUSAROSCO Advogada, Especialista em Direito Penal e Processual Penal Militar pela Universidade Cruzeiro do Sul e Chefe do Departamento Administrativo

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro GABINETE DO DESEMBARGADOR GILMAR AUGUSTO TEIXEIRA OITAVA CÂMARA CRIMINAL

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro GABINETE DO DESEMBARGADOR GILMAR AUGUSTO TEIXEIRA OITAVA CÂMARA CRIMINAL Apelante Apelado : ALCIMAR DE MELO DA SILVA : MINISTERIO PUBLICO APELAÇÃO. ROUBO MAJORADO (ART. 157, 2º, I DO CÓDIGO PENAL). RECURSO QUE VISA A MITIGAÇÃO DAS PENAS-BASE, O RECONHECIMENTO DE ATENUANTE DO

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L tda e outro CONCLUSÃO

Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L tda e outro CONCLUSÃO fls. 435 D E C ISÃ O Processo Digital nº: 1066745-48.2014.8.26.0100 Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência Requerente: Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L

Leia mais

DIREITOS POLITICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS

DIREITOS POLITICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS CONCEITO: O direito democrático de participação do povo no governo, por seus representantes, acabou exigindo a formação de um conjunto de normas legais permanentes, que recebe a denominação de direitos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM SALVADOR EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 2ª VARA CRIMINAL DE SALVADOR/BA,

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM SALVADOR EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 2ª VARA CRIMINAL DE SALVADOR/BA, EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 2ª VARA CRIMINAL DE SALVADOR/BA, Autos n. 2007.44.00.08447-9 (IPL n. 751/2007) Denunciado: XIS DENÚNCIA - NARCOTRÁFICO INTERNACIONAL COCAÍNA USO DE DOCUMENTO FALSO

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO - MINAS GERAIS - A penhora on line no âmbito da Justiça do

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO - MINAS GERAIS - A penhora on line no âmbito da Justiça do TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO - MINAS GERAIS - A penhora on line no âmbito da Justiça do Trabalho Significados dos termos on line e penhora On line = termo de origem inglesa que se popularizou

Leia mais

Obs: Os textos grifados correspondem à lei original antes da reforma proposta.

Obs: Os textos grifados correspondem à lei original antes da reforma proposta. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA LEI Nº 11.343/2006 APRESENTAÇÃO Este projeto de lei, além de estabelecer critérios objetivos de diferenciação entre traficante e usuário, apóia instituições de cuidado para que

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

ESCOPO E POLÍTICA EDITORIAL

ESCOPO E POLÍTICA EDITORIAL ESCOPO E POLÍTICA EDITORIAL Escopo A revista Subjetividad y Processos Cognitivos está orientada a uma audiência interdisciplinar e internacional. O seu objetivo é contribuir ao conhecimento e a pesquisa

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA DENÚNCIAS

INSTRUÇÕES PARA DENÚNCIAS CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS DA 2ª REGIÃO INSTRUÇÕES PARA DENÚNCIAS IMPRIMIR E PREENCHER COM LETRA LEGÍVEL (ou completar no próprio site), O FORMULÁRIO ANEXO EM DUAS VIAS (uma para protocolo

Leia mais

Pena de Morte: Devemos ou não defendê-la?

Pena de Morte: Devemos ou não defendê-la? BuscaLegis.ccj.ufsc.br Pena de Morte: Devemos ou não defendê-la? *Roberto Ramalho A pena de morte é um tema bastante controverso entre os estudiosos do Direito, da Criminologia, da Sociologia, da Medicina

Leia mais

Sessão de 02 de fevereiro de 2016 RECURSO Nº - 60.305 ACÓRDÃO Nº - 14.767 REDATOR CONSELHEIRO PAULO EDUARDO DE NAZARETH MESQUITA

Sessão de 02 de fevereiro de 2016 RECURSO Nº - 60.305 ACÓRDÃO Nº - 14.767 REDATOR CONSELHEIRO PAULO EDUARDO DE NAZARETH MESQUITA PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 01 / 03 / 2016 Fls.: 17 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Sessão de 02 de fevereiro de 2016 PRIMEIRA CAMARA RECURSO Nº - 60.305 ACÓRDÃO Nº - 14.767 INSCRIÇÃO ESTADUAL Nº

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 881/07-GSF, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 881/07-GSF, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 881/07-GSF, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007. Institui o Sistema de Exportação - SISEXP -. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FAZENDA, no uso das atribuições, tendo em vista o disposto no art. 82

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO

FACULDADE DE ARARAQUARA CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CURSO ARARAQUARA 2015 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE DIREITO Dispõe sobre a forma de operacionalização do Trabalho de Curso. CAPÍTULO I DAS

Leia mais

Pedido de Consulta de Processo/Fotocópias/2ª Vias Alvarás/Certidões

Pedido de Consulta de Processo/Fotocópias/2ª Vias Alvarás/Certidões Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas (A preencher pelos serviços) Processo n.º / / Pedido de Consulta de Processo/Fotocópias/2ª Vias Alvarás/Certidões Identificação do Requerente

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. Estabelece procedimentos relacionados com a instrução de processos de autorização para funcionamento, alterações

Leia mais

Laís Maria Costa Silveira Promotora de Justiça de Belo Horizonte Titular da 22ª Promotoria de Justiça de Defesa da Pessoa com Deficiência e Idosos.

Laís Maria Costa Silveira Promotora de Justiça de Belo Horizonte Titular da 22ª Promotoria de Justiça de Defesa da Pessoa com Deficiência e Idosos. As medidas protetivas de urgência previstas pela Lei Maria da Penha e sua aplicação a outros segmentos de pessoas: idosos, crianças, enfermos e pessoas com deficiência Laís Maria Costa Silveira Promotora

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TRE/AP 4º Simulado de Direito Eleitoral p/ TRE-AMAPÁ! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TRE/AP 4º Simulado de Direito Eleitoral p/ TRE-AMAPÁ! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: DIREITO ELEITORAL P/ O TSE - ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO ELEITORAL P/ O TSE - ANALISTA E TÉCNICO ÁREA ADMINISTRATIVA

Leia mais

TUTELA PROCESSUAL DO MEIO AMBIENTE

TUTELA PROCESSUAL DO MEIO AMBIENTE GESTÃO AMBIENTAL Prof. Francisco José Carvalho TUTELA PROCESSUAL DO MEIO AMBIENTE COMPETÊNCIA NA AÇÃO CIVIL PÚBLICA Conceito de Ação Civil Pública (ACP) É um instrumento processual, que visa proteger direitos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DESEMBARGADORA TEREZA CRISTINA SOBRAL BITTENCOURT SAMPAIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DESEMBARGADORA TEREZA CRISTINA SOBRAL BITTENCOURT SAMPAIO VIGÉSIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR CONFLITO DE COMPETÊNCIA N 0001707-13.2014.8.19.0000 SUSCITANTE: JUÍZO DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DA BARRA DA TIJUCA SUSCITADO: JUÍZO DE DIREITO DA 7ª

Leia mais

Pedido de revalidação académica dum diploma estrangeiro do ensino superior

Pedido de revalidação académica dum diploma estrangeiro do ensino superior Pedido de revalidação académica dum diploma estrangeiro do ensino superior Agência para o Controlo da Qualidade de Ensino e Formação Departamento de Serviços EVC NARIC-Flandres Koning Albert II-laan 15,

Leia mais

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização

Leia mais

Perguntas e respostas sobre os serviços móveis de dados

Perguntas e respostas sobre os serviços móveis de dados Perguntas e respostas sobre os serviços móveis de dados (As seguintes informações são só para referência, em caso de dúvida consulte a operadora.) 1. Como se podem utilizar os serviços móveis de dados?

Leia mais

Regulamento do Auditor Padi

Regulamento do Auditor Padi 1 de 7 1. OBJETIVO Caracterizar os auditores externos do Padi Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem, classificando-os e definindo os critérios de sua seleção, suas qualificações, competências

Leia mais

EDITAL Nº 18/2011 01* 01* OBS: O professor ao se inscrever deverá ter disponibilidade nos turnos indicados.

EDITAL Nº 18/2011 01* 01* OBS: O professor ao se inscrever deverá ter disponibilidade nos turnos indicados. EDITAL Nº 18/2011 Processo Seletivo de Docentes da Estácio FIC 2011. A DIRETORA GERAL da Faculdade Estácio do Ceará - Estácio FIC, no uso de suas atribuições e regimentais, torna pública a abertura de

Leia mais