Segurança PRIVADA PUB. Louafi Larbi / Reuters

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança PRIVADA PUB. Louafi Larbi / Reuters"

Transcrição

1 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5608 DE 07 DE FEVEREIRO DE 2013 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Segurança PRIVADA Louafi Larbi / Reuters Conheça as regras que a nova Lei vai trazer ao sector Segurança privada cai 5,2% em 2012 Câmaras de vigilância obrigatórias até 2014 Guerra de preços condena empresas e receitas fiscais PUB

2 II Diário Económico Quinta-feira 7 Fevereiro 2013 SEGURANÇA PRIVADA APSPvai continuar a fiscalizar e a controlar a actividade de segurança privada, mas não pode investigar situações de crime no sector. Paulo Alexandre Coelho Governo aberto a alterar proposta de Lei Proposta de Lei discutida ontem no Parlamento levanta dúvidas sobre câmaras de vigilância obrigatórias. RAQUEL CARVALHO E IRINA MARCELINO Adiscussão sobre a proposta de legislação apresentada pelo Governo decorreu ontem e revela que o próprio Governo está aberto a fazer algumas modificações. A garantia foi dada pelo secretário de Estado Adjunto do Ministro da Administração Interna, Juvenal Silva da Peneda, que, no final das intervenções do BE, PP, PS, PSD e PCP, referiu que muitas das preocupações levantadas pelos deputados lhe são comuns. Não querendo entrar em pormenores sobre que questões serão essas, Juvenal Silva da Peneda pediu aos deputados para concretizarem, em sede de especialidade, os constributos que possam melhorar a Lei. Entre os reparos feitos pelos partidos, a questão da obrigatoriedade de câmaras de vigilância foi referida por quase todos. Filipe Brandão, do PS, disse que neste aspecto a proporcionalidade e razoabilidade não assistem ao governo, lembrando o parecer da Comissão Nacional de Protecção de Dados sobre o assunto, um tema destacado também pelo Bloco de Esquerda, que criticou o facto de estar prevista a gravação não só de imagem mas também de som em locais como farmácias. Sobre o tema, António Filipe, do PCP, acrescentou ainda que não deve ser competência do Estado dizer às farmácias ou às gasolineiras que MIGUEL MACEDO Ministro da Administração Interna O novo diploma clarifica a área de actuação das empresas de segurança privada e fixa novasregrasde incompatibilidades para administradors egestores. tipo de soluções de segurança deve ter. Nuno Magalhães, do PP, interviu sobre o tema e levantou dúvidas sobre o facto da obrigatoriedade de ter seguranças privados em locais como escolas. A confusão que poderá haver entre segurança privada e segurança pública foi também destacada pelo BE e pelo PCP. António Filipe disse mesmo que deve haver garantia que o exercício de poder não pode ser feito por seguranças privados, exemplificando que com a proposta de Lei os seguranças privados poderão revistar e realizar buscas. António Filipe referiu ainda que as bancadas parlamentares recebem inúmeras queixas sobre o desrespeito das empresas relativamente aos direitos laborais, pelo que esta deve ser uma questão aprofundada em sede de especialidade. O que diz a proposta de Lei Regras mais apertadas para o exercício da profissão e intensificação da acção de fiscalização por parte da PSP são duas das principais mudanças impostas pela nova Lei de segurança privada. Depois do conselho de ministros onde se aprovou a proposta em Dezembro, Miguel Macedo, ministro da Administração Interna, referiu que o novo diploma pretende clarificar a área de actuação das empresas de segurança privada e fixa novas regras de incompatibilidades para administradores e gestores. A nova Lei obriga ainda a que todos os contratos de trabalho e de prestação de serviço passem a ser escritos, com Miguel Macedo a dizer que não serão admitidos contratos de muito curta duração por se mostrarem incompatíveis face à especificidade da actividade de segurança privada. De referir ainda que a proposta de Lei poderá criar novas regras para acesso à profissão na área da formação e consultoria, que passam a ser mais restritas, mais rigorosas e sujeitas a novos critérios, disse o governante, que acrescentou passarem a ser automaticamente excluídos da profissão os vigilantes com cadastro. Para tal, quem quiser dedicar-se a esta actividade, terá que apresentar prova de que não tem cadastro com regime criminal. Importa referir ainda que a Lei exige um requisito de número minimo de dez trabalhadoresparaaemissãodealvará,quemaria João Conde considera desarticulado com a realidade das empresas. Isto porque, explica, põe em causa a viabilidade de pequenas empresas de segurança que se dedicam exclusivamente à exploração e gestão de centrais de recepção e monitorização de alarme e de videovigilância, que só precisam de metade desses trabalhadores, podendo correr o risco de fecharem.

3 PUB

4 IV Diário Económico Quinta-feira 7 Fevereiro 2013 SEGURANÇA PRIVADA Infografia: Marta Carvalho

5 Quinta-feira 7 Fevereiro 2013 Diário Económico V Mais definição de conceitos e funções A Associação de Empresas de Segurança espera que a nova lei seja reforçada por uma fiscalização mais eficaz. RAQUEL CARVALHO A Associação de Empresas de Segurança (AES) representa as maiores empresas do sector de segurança privada, tais como a Securitas, a Prosegur, a Charon, a Loomis Portugal, entre outras, daí ser um interveniente activo na alteração das lacunas existentes na lei. Sobre a nova lei de segurança privada, Bárbara Marinho e Pinto, secretária-geral, diz que a AES está de acordo com grande número de medidas propostas, nomeadamente as que obrigam à definição de conceitos e à distinção de funções. Sublinha que um porteiro não é um vigilante nem um segurança e isso estava pouco claro na antiga lei, falha corrigida com a nova lei que, diz, vai contribuir para clarificar as diferentes funções dos profissionais do sector e, assim, evitar algumas práticas fraudulentas. É o caso da contratação de porteiros (cujo salário é menor que o do vigilante) para exercício de funções de segurança e vigilância, o que pode constituir crime de exercício ilícito de segurança privada. Bárbara Marinho e Pinto afirma ser comum, ver um vigilante a ajudar na reposição de stocks e outro tipo de tarefas que o desviam da sua função preventiva, com prejuízo para a segurança de todos. Sobre isto, a secretáriageral da AES, que representa nove empresas e mais de 20 mil seguranças, diz esperar que a nova legislação seja reforçada por uma fiscalização eficaz, quer pela PSP, que tem competência para fiscalizar o cumprimento da lei da segurança privada, quer pela Autoridade das Condições do Trabalho (ACT), que fiscaliza as condições de trabalho dos vigilantes e, de um modo geral, o cumprimento, pelas empresas de segurança, das suas obrigações laborais e relativas à segurança social. A associação não tem dúvidas de que a lei é positiva, mas Bárbara Marinho e Pinto diz ser também imperioso que o Estado fiscalize bem o cumprimento por parte das empresas de segurança privada das respectivas obrigações fiscais, Isto porque, explica, há demasiadas empresas de segurança a não entregar ao Fisco e à Segurança Social as contribuições a que estão obrigadas. Pontos de discórdia Em relação à organização de serviços de autoprotecção, Bárbara Marinho e Pinto assegura que a AES crê haver situações em que é desadequado permitir que seja o próprio a organizar a sua protecção, justificando que isso depende das necessidades de segurança do local em concreto e das possibilidades e capacidades da entidade para organizar os serviços de segurança adequados. A secretária-geral da AES explica que em locais onde se coloquem especiais exigências de segurança, esta deve ser assegurada por empresas cuja actividade seja especializada em segurança. E acrescenta que uma entidade que queira, nestes casos, organizar os seus A novalei vai contribuir para clarificar as diferentes funções dos profissionais do sector e evitar algumas práticas fraudulentas, como a contratação de porteiros para exercício de funções de segurança e vigilância. AES em foco 1 Quem é A AES é uma associação sem fins lucrativos, de natureza empregadora, constituída por empresas de segurança privada. 2 O que faz Promove princípios de deontologia e ética profissional, práticas próprias de uma concorrência leal, no respeito pela legislação. 3 Responsabilidades É membro do Conselho de Segurança Privada, a quem cabe elaborar um relatório anual sobre a actividade de segurança privada. 4 As associadas As nove associadas empregam dos trabalhadores e representam a maior fatia da facturação no sector. próprios serviços de autoprotecção tem que, no mínimo, demonstrar ter a estrutura e a capacidade necessárias ao investimento que terá que fazer. Investimento esse que passa pela contratação de pessoal de vigilância especializadoepelaobtençãodesistemasdesegurança complexos. Outro ponto com que a associação não concorda é com a possibilidade de o transporte de valores até 15 mil euros poder ser realizado sem quaisquer garantias de segurança. Neste ponto, a nossa lei está atrasada e desactualizada, e o projecto não resolve um problema que está criado e enraizado e que poderá dar origem a uma onda de assaltos, diz. Para a AES, importa estabelecer que só é livre o transporte de valores até cinco mil Bárbara Marinho e Pinto, secretária-geral da Associação de Empresas de Segurança. euros. Acima desse montante tem que ser autorizado pelo MAI, que verifica se há ou não condições para o mesmo se fazer em segurança. Defende que até dez mil euros o transporte de valores deve ser autorizado a entidades que comprovem poder fazê-lo em segurança. Acima desse montante, só uma empresadetransportedevalorespoderá realizar a tarefa. Bárbara Marinho e Pinto afirma ainda que a lei fica muito aquém do que a sociedade exige, em matéria do que o vigilante deve poder fazer, esclarecendo que a legislação actual não difere no essencial da Proposta de Lei, não permitindo a um vigilante permanecer à porta de um estabelecimento, mas apenas e só dentro do mesmo. Foto cedida por AES

6 PUBLIREPORTAGEM

7

8 VIII Diário Económico Quinta-feira 7 Fevereiro 2013 SEGURANÇA PRIVADA APSEI em foco Maria João Conde, secretária-geral da Associação Portuguesa de Segurança (APSEI). 1 Quem é A APSEI é o interlocutor institucional das empresas de Segurança Electrónica, Segurança no Trabalho e Protecção contra Incêndio. 2 O que faz Integra a Comissão de Acompanhamento da Implementação do Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios. 3 Responsabilidades Desde 2010, é o Organismo de Normalização Sectorial da Comissão Técnica 46, sendo responsável pela actividade normativa da área da Segurança contra Incêndios e Símbolos Gráficos. 4 Associadas Tem 184 empresas associadas. Foto cedida por APSEI A referência aos sistemas de segurança na legislação era escassa O mercado da segurança electrónica tem crescido de forma contínua, tendência que se manterá com a nova lei. RAQUEL CARVALHO Omercado dos sistemas de videovigilância está a ser objecto de maior atenção, depois de aprovada a nova lei de segurança privada que obriga a sua instalação em vários espaços comerciais. Maria João Conde, secretária-geral da Associação Portuguesa de Segurança (APSEI), que representa as empresas ligadas às tecnologias de segurança electrónica (videovigilância, controlo de acessos, sistemas antirroubo e intrusão), na área do projecto, fabrico, distribuição, instalação, integração ou manutenção, faz um balanço positivo da lei, mas admite que ainda há mudanças a fazer. A responsável afirma que a nova lei da segurança privada veio responder a alguns anseios dos profissionais do sector, porque, explica, os sistemas de segurança são uma parte fundamental dos serviços de segurança privada, que, até ao momento, tinham uma referência na legislação escassa, sendo uma actividade praticamente desregulamentada. Maria João Conde diz que a proposta de Lei não aprofunda o tema dos sistemas de segurança, mas mostra-se satisfeita por referir o essencial e aponta para regulamentação pos- Para garantir que as imagens constituam um elemento probatório fidedigno, os sistemas de videovigilância terão que cumprir com requisitos técnicos mínimos para poder captar imagens de qualidade. terior em legislação complementar a publicar pelo Governo. Questionada sobre se a obrigatoriedade de montar sistemas de videovigilância vai impulsionar esta área, Maria João Conde destaca que nos últimos dez anos, o mercado da segurança electrónica apresentou taxas de crescimento muito significativas, frisando ser um sector que continua a revelar perspectivas de crescimento acima da economia global. Crescimento esse que admite poder vir a ser impulsionado com este ponto da lei. A futura Lei irá dar maior visibilidade à actividade de segurança privada, o que é, sem dúvida, positivo, diz, acreditando que os sistemas de segurança também serão objecto desta maior atenção por parte do público em geral. O que pode mudar No geral, a lei é positiva, mas a secretária-geral da APSEI diz haver ainda arestas a melhorar. Na sua opinião, uma das insuficiências é ser omissa no que se refere à qualidade das imagens captadas pelos sistemas de videovigilância. Clarifica que defende que, para garantir que as imagens captadas e gravadas constituam efectivamente um elemento probatório fidedigno na prevenção, detecção, investigação e resolução de crimes, os sistemas de videovigilância terão que cumprir com requisitos técnicos mínimos para poder captar imagens de qualidade, pelo que considera que os sistemas instalados em entidades obrigadas a implementar medidas de segurança devem responder a requisitos mínimos de qualidade das imagens captadas. A qualidade dos equipamentos é outro ponto quepreocupaasecretária-geraldaassociação. Maria João Conde diz que uma questão que está ausente da futura legislação tem a ver com a obrigatoriedade de garantir a compatibilidade dos equipamentos ligados com as centrais de recepção de alarme. Lembra que a legislação aponta para a necessidade de actualizar as centrais de recepção de alarmes de acordo com as normas europeias, mas nada refere sobre a necessidade dos equipamentos terminais ligados às centrais também não poderem deixar de cumprir com as mesmas normas europeias. Ainda de salientar um apontamento feito pela secretária-geral da APSEI, que lembra a crescente consciência dos proprietários da eficácia dos sistemas de segurança, tendo já adquirido voluntariamente estes sistemas, mesmo sem a imposição do legislador.

9 Quinta-feira 7 Fevereiro 2013 Diário Económico IX PUB Instalação de sistemas de videovigilância obrigatória até 2014 Decisão pretende aumentar segurança e eficácia na prevenção de crimes, mas não é consensual. Uma das propostas da nova lei de segurança privada que mais tem causado polémica é a obrigatoriedade de instalação de câmaras de videovigilância em bancos, farmácias, bombas de gasolina, ourivesarias, casas de jogo, lojas de arte e estabelecimentos comerciais de grande dimensão, sendo que as empresas poderão instalar os seus sistemas até Janeiro de Miguel Macedo, ministro da Administração Interna, disse durante a conferência de imprensa após aprovação da nova lei, que esta é uma medida que visa aumentar os níveis de segurançaedeeficáciadaprevençãocriminal. Mas a decisão não reúne o consenso. A Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (Anarec) considerou oportuna a revisão da lei da segurança privada. De acordo está também a Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT), que disse ao Diário Económico que esta legislação veio responder às questões de segurança que surgiram em certos estabelecimentos, acrescentando que a lei mostra preocupação com a segurança e o bem-estar dos clientes. Mas há quem seja contra a obrigatoriedade de instalar câmaras de videovigilância. A Associação Nacional de Farmácias (ANF) manifestou-se frontalmente contra a alteração da lei, considerando absolutamente inaceitável essa imposição no actual contexto económico e, mais ainda, num sector que diz já ter ultrapassado o limiar da sobrevivência. A mesma linha de pensamento tem a Associação dos Comerciantes de Ourivesaria e Relojoaria do Sul que, apesar de admitir que estes estabelecimentos devem ter câmaras de videovigilância, é contra a sua obrigatoriedade, justificando a posição com o facto de nem todos os comerciantes terem dinheiro para comprar sistemas de videovigilância. Este é também um problema apontado por Inês Antas de Barros, advogada associada do escritório de advocacia Vieira de Almeida Associados (VdA), que assevera que esta medida não só acarreta custos para estes sectores, como e não obstante os objectivos legítimos da mesma, cria um problema associado à segurança versus privacidade. Esclarece que sobre isso será efectuada uma avaliação pela Comissão Nacional de Protecção de Dados, cuja autorização prévia é obrigatória, informa. Garante haver incertezas relacionadas com a instalação de sistemas de videovigilância, visto encontrar-se regulada em diplomas dispersos, não facilitando o conhecimento das regras por parte das empresas. Já Manuel Lopes Rocha, sócio da PLMJ, diz que a instalação de meios de vigilância electrónica é limitada pelos direitos e interesses legalmenteprotegidos,peloque éumaleiaberta, que será constantemente interpretada, pela CNPD e pelos tribunais. Frisa ainda haver um princípio incontornável, o da a adequação da medida de vigilância ao respeito pelos direitos, liberdades e garantias. R.C. Esta legislação veio responder às questões de segurança que surgiram em certos estabecimentos emostra preocupação comobemestar dos clientes. FONTE OFICIAL da Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo. A obrigatoriedade de instalar sistemas de videovigilância acarreta custos para estes sectores e cria um problema associado à segurança versus privacidade. INÊS ANTAS DE BARROS Associada sénior da Vieira de Almeida Associados.

10 X Diário Económico Quinta-feira 7 Fevereiro 2013 NÚMEROS DO SECTOR crimes violentes e graves foram participados em 2011, revela o Relatório Anual de Segurança Interna 2011, elaborado pelo Conselho Nacional de Segurança crimes por roubo na via pública foram reportados em 2011, sendo o crime violento e grave, com mais participações, logo seguido de roubo por esticão, com um total de Guerra de preços está a condenar emprego e receitas fiscais As cinco maiores empresas estão preocupadas com o dumping comercial que está a colocar em causa a competividade do sector, criando desemprego e reduzindo as receitas fiscais e da Segurança Social. ANTÓNIO DE ALBUQUERQUE A maioria das empresas de segurança privada está preocupada com a guerra comercial que está em curso através de praticas punidas pela Leijáquesetratadeverdadeiro dumping comercial. Todos defendem uma maior intervenção por parte do Estado, nomeadamente através da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e da Polícia de Segurança Pública (PSP). Empresários e gestores apontam o dedo às designadas empresas de vão de escada ou de porteiros que estão a empurrar muitas outras para a falência. Mas também o Estado que lança concursos públicos em desrespeito pela Lei está na mira dos empresários, bem com as empresas que aceitam essas condições. Para os empresários as consequências estão à vista: falências, desemprego, menor dignificação do trabalho, menos receitas fiscais e da Segurança Social. Apenas um grande esforço de contenção de custos, aposta na inovação, formação e uma relação de proximidade com os clientes tem permitido às empresas garantir a competitividade. Defendem que o Estado tem que se afastar progressivamente de algumas áreas que podem ser desempenhadas pela segurança privada à semelhança do que aconteceu com os aeroportos e o futebol. Contudo, são críticos quanto à participação accionista da Caixa Geral de Depósitos numa empresa de segurança privada. SECURITAS Falta de fiscalização pode levar a perda de receitas fiscais Jorge Couto, administrador delegado da Securitas, quer uma maior fiscalização no sector por parte do Estado. Em causa estão práticas comerciais desleais que colocam em risco empresas e trabalhadores do sector. Mas não só. O responsável alerta para o risco de quebras de receitas fiscais e da Segurança Social. Questionado pelo Diário Económico sobre a política de baixos preços que muitas empresas estão a seguir, o responsável máximo pela empresa em Portugal não esconde que a política muito agressiva de preços que algumas empresas têm promovido levam a situações de dumping comercial, o que não é aceitável e que só traz prejuízos a todos os intervenientes no mercado. E acrescenta: o Estado perde receita devido à eventual fuga às obrigações fiscais e da Segurança Social, as empresas cumpridoras são confrontadas com concorrência desleal que condiciona a sua viabilidade económica e os trabalhadores são também muito prejudicados. Sobre os trabalhadores chama a atenção para o facto para uma duração excessiva de horários de trabalho e uma menor dignificação do seu trabalho. Por isso defende uma maior actuação da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e da Polícia de Segurança Pública (PSP). Quanto às políticas para fazer face à crise não esconde uma estratégia orientada para a inovação. A inovação nas propostas de segurança apresentadas incorpora benefícios óbvios para os clientes no binómio custo/benefício, explica Jorge Couto. PRESENÇA EM 51 PAÍSES O grupo Securitas é líder mundial na prestação de serviços de segurança privada, presente em 51 Países, com três milhões de colaboradores de trabalhadores RESULTADOS POSITIVOS A Esegur vai fechar o ano 2012 com um resultado líquido ligeiramente superior ao do ano 2011, apesar de ter visto reduzida a sua facturação em 7%. -7%

11 Quinta-feira 7 Fevereiro 2013 Diário Económico XI é o número de crimes participados em 2011, com o furto em veículo motorizado a ser o mais reportado, , seguido de furto a residência, com participações. 132 contas bancárias foram apreendidas pela Policia Judiciária, GNR e PSP, em 2011, tal como cigarros, 8 embarcações, veículos e telemóveis. OPINIÃO:???????????????????????????????????????????????? armas foram apreendidas em 2011, no âmbito de investigação criminal, bem como munições. Foram ainda registadas intercepções telefónicas, um acréscimo de 8,46%. PROSEGUR Mais sete delegações para uma maior proximidade 100 MIL COLABORADORES O grupo Prosegur está hoje presente em 17 países, com uma equipa de mais de 100 mil colaboradores e uma frota superior a veículos blindados. 17 países Contenção de custos e uma estratégia de proximidade foram duas grandes apostas da Prosegur para fazer face à crise económica que se abateu em Portugal. Jorge Leitão, presidente da companhia, confirma essa mesma estratégia em declarações ao Diário Económico. Só com uma política rigorosa e eficiente ao nível dos custos e investimentos e um plano comercial ambicioso conseguiremos consolidar a nossa actual liderança em Portugal, enfatiza o gestor. E não deixa de concretizar com exemplos com a melhoria dos rácios operacionais e de produtividade nas várias unidades de negócio, como na vigilância, logística ou ainda no residencial e empresarial. E ao nível da proximidade salienta a abertura de sete novas delegações tanto no continente como nas ilhas autónomas. Apesar destas medidas estratégicas, Jorge Leitão não deixa de alertar para a importância de uma maior regulamentação para o sector, já que são muitas as empresas com práticas comerciais que ultrapassam a agressividade. Aliás, o gestor, num tom irónico, não considera um problema as políticas de preços agressivos praticadas por algumas empresas, mas sim a incapacidade do Estado fazer cumprir a legislação. Mais. São algumas instituições públicas que ignoram a própria lei, bem como a aceitação de contratos por parte de algumas empresas privadas. Por isso, Jorge Leitão exige durante o corrente ano que o Estado exerça uma forte regulação do mercado e que o mercado e os reguladores penalizem as más práticas. ESEGUR Contenção de custo é a palavra de ordem Apesar do actual contexto de crise económica a Esegur conseguiu apresentar no ano passado um resultado líquido ligeiramente superior ao do ano de 2011, segundo fonte oficial da empresa. Questionada sobre as medidas que tomou para estes resultado, a empresa confessa que encarou a crise como uma oportunidade. Neste sentido, tomou medidas mais viradas para o cliente, com propostas inovadoras e diferenciadoras e gerindo adequadamente os seus custos, explica a mesma fonte. Mas foi a redução de custos que permitiu tais resultados num ano em que o sector contraiu significativamente. Aliás, a empresa reconhece que contenção nos custos foi a palavra de ordem durante o ano passado e que continua no actual. Mas não só para dentro da empresa, já que foram feitas propostas mais eficientes e, como tal, mais competitivas, aos clientes. Exemplos disso é a optimização da gestão das ATM e a gestão do numerário dos balcões. Contudo, todo este esforço pode ser colocado em causa, já que existem muitas situações de empresas incumpridoras. O cada vez mais generalizado incumprimento das normas mais elementares da concorrência leal, obrigações legais para com os trabalhadores, Segurança Social ou até fiscais está a conduzir o sector a uma situação dramática, alerta. A empresa reconhece ainda que o processo de auto-regulação não só não se tem conseguido melhorar a situação como, pelo contrário, se agrava cada dia, levando a empresas de primeira linha, não apenas as denominadas de vão de escada, a incumprir com as suas obrigações. CHARON Em Portugal há empresas de porteiros a vender segurança privada Formação dos colaboradores, exploração de nichos de mercado, novas soluções e redimensionamento das estruturas com o objectivo de reduzir custos fixos foram algumas medidas tomadas pela empresa Charon para fazer face à crise. Mas também um acompanhamento mais próximo dos clientes com soluções que permitam uma maior racionalização de custos, como referiu fonte oficial da empresa ao Diário Económico. À semelhança das sua concorrentes, as maiores INTERNACIONALIZAÇÃO preocupações dos responsáveis da Charon estão focalizadas com as práticas que estão a ser seguidas por A Charon está à procura de oportunidades de negócio muitas empresas que estão a desregular o sector. no estrangeiro, sobretudo Aliás, os responsáveis acusam estas organizações de em mercados em forte empresas de porteiros a vender serviços de segurança privada. E as críticas não se ficam por aqui, já que crescimento e em parcerias com empresas já instaladas está a acontecer uma autêntica desregulação do no mercado nacional. mercado da segurança privada, com empresas sem alvará a prestar serviços de segurança. E não deixam de apontar o dedo ao estado já que lança concursos públicos que são abaixo dos custos suportados pelas empresas e a metodologia de avaliação das propostas, que é redutora ao só ponderar o preço e nada mais. A existência da figura dos gratificados por parte da PSP é outra questão que a Charon suscita já que, como explicou, consiste numa sobreposição à actividade das empresas de segurança privada. Quanto questionada sobre as consequências para o sector de imediato foram elencadas o fecho de empresas, fuga ao pagamento de certos impostos e contribuições para segurançasocialeonãopagamentodeacordocomoestipuladona contratação colectiva. MaxRossi / Reuters

12 PUB

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

Desafios da Implementação. Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1

Desafios da Implementação. Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1 Desafios da Implementação da Nova Lei da Segurança Privada Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1 AGENDA 1. Nova Lei da Segurança Privada Balanço Impactos nos Clientes Impactos

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Considerando a necessidade de apoiar a criação e a consolidação de cooperativas residentes no concelho. Considerando a necessidade de incentivar a expansão

Leia mais

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ 1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ Novo Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET) Inovadora, simplificadora e de maior facilidade

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

O REGIME DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012

O REGIME DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 27 de Fevereiro de 2012 O REGIME DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 Introdução O Decreto-Lei n.º 32/2012, de 13 de Fevereiro, que regula a execução do Orçamento do Estado para 2012, aprovado

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1

1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1 Radios_8_Abril_2015 Revista de Imprensa 1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1 2. Sindicatos da PSP enviam proposta conjunta ao ministério, TSF - Notícias, 07-04-2015

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO O documento em apreciação realiza uma síntese adequada da quase totalidade dos temas discutidos na

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro.

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 130/IX PROTECÇÃO DAS FONTES DOS JORNALISTAS Exposição de motivos A Constituição da República Portuguesa define, na alínea b) do n.º 2 do artigo 38.º, que a liberdade de imprensa implica

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA

REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA ARTIGO 1.º O presente Regulamento estabelece os requisitos de registo e inscrição na Ordem dos

Leia mais

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02 José Pedro AGUIAR-BRANCO Senhor Presidente Srs. Ministros Senhoras e Senhores Deputados 1. A segurança e a justiça constituem um pilar fundamental do Estado

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Parte I: Assunto * 1. A Associação Novo Macau apresentou, em 11 de Setembro de 2012, uma queixa ao Comissariado contra a Corrupção

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6 Julho 2013 Contencioso Penal A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

QUERES ENT PARA O MER REGISTO NACIONAL DE MEMBROS ESTUDANTES. Membros Estudantes Os estudantes do último ano do 1.º ciclo, dos cursos

QUERES ENT PARA O MER REGISTO NACIONAL DE MEMBROS ESTUDANTES. Membros Estudantes Os estudantes do último ano do 1.º ciclo, dos cursos REGISTO NACIONAL DE MEMBROS ESTUDANTES Membros Estudantes Os estudantes do último ano do 1.º ciclo, dos cursos de Engenharia registados na OET, podem fazer a sua inscrição na Ordem, na qualidade de membro

Leia mais

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos A candidatura é um processo de prospecção e avaliação de projectos inovadores e tem como objectivo promover a realização de investimentos através do

Leia mais

Ninho de Empresas de Mortágua

Ninho de Empresas de Mortágua mortágua ninho de empresas Ninho de Empresas de Mortágua REGULAMENTO Preâmbulo Inserindo-se numa estratégia de Desenvolvimento do Concelho de Mortágua que dá prioridade ao Crescimento Económico e ao Empreendedorismo,

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de Turismo de Natureza e Sustentabilidade QUEM SOMOS A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de 2007,

Leia mais

Os Processos de Constituição de Sociedades por Quotas face às Alterações Legislativas de 2011

Os Processos de Constituição de Sociedades por Quotas face às Alterações Legislativas de 2011 Os Processos de Constituição de Sociedades por Quotas face às Alterações Legislativas de 2011 ANTÓNIO AMADO * Este pequeno artigo destina-se a ajudar os alunos de Direito Comercial do ISMAT a compreender,

Leia mais

Pós-Graduação Gestão Hoteleira

Pós-Graduação Gestão Hoteleira Coordenação: Mestre Filipe Ferrão Pós-Graduação Gestão Hoteleira O Curso de Pós-Graduação em Gestão de Hotelaria visa proporcionar uma especializada, que alie o conhecimento das técnicas de gestão fundamentais

Leia mais

P R E M I S S A S P A R A E L A B O R A Ç Ã O D E C O N T R A T O D E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S D E A R Q U I T E C T U R A

P R E M I S S A S P A R A E L A B O R A Ç Ã O D E C O N T R A T O D E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S D E A R Q U I T E C T U R A P R E M I S S A S P A R A E L A B O R A Ç Ã O D E C O N T R A T O D E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S D E A R Q U I T E C T U R A O Pelouro do Apoio à Prática Profissional entendeu estabelecer um

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Comissão de Política Geral reuniu no dia 11 de junho de 2014, na delegação de Ponta Delgada da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, a fim de apreciar, relatar e dar parecer

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 89/XI RECOMENDA AO GOVERNO MEDIDAS URGENTES NO ÂMBITO DA PREVENÇÃO E RESPOSTA À VIOLÊNCIA EM ESPAÇO ESCOLAR

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 89/XI RECOMENDA AO GOVERNO MEDIDAS URGENTES NO ÂMBITO DA PREVENÇÃO E RESPOSTA À VIOLÊNCIA EM ESPAÇO ESCOLAR Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 89/XI RECOMENDA AO GOVERNO MEDIDAS URGENTES NO ÂMBITO DA PREVENÇÃO E RESPOSTA À VIOLÊNCIA EM ESPAÇO ESCOLAR A questão da violência no espaço escolar tem vindo

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM O J O V E M REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O PARTICIPATIVO JOVEM Artigo 1º Referências A Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais, como forma de potenciar os valores da Democracia, num sector ainda

Leia mais

Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de contratação pública PARECER DA ESOP

Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de contratação pública PARECER DA ESOP Consulta Pública sobre o novo regime jurídico das plataformas eletrónicas de PARECER DA ESOP Janeiro de 2015 Índice 1 Enquadramento... 3 2 O novo regime jurídico... 4 3 Contributos para o novo regime das

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Paulo Pinto Obrigações legais e metodologias para a sua implementação Conteúdo 2 Medidas de Autoprotecção O que são? Enquadramento legal Responsabilidades Coimas e sanções acessórias

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO Atendendo aos pedidos de esclarecimento solicitados à Comissão para a Eficácia das Execuções relativamente às incompatibilidades

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Mudança - PS,BE,PND,MPT, PTP e PAN

Mudança - PS,BE,PND,MPT, PTP e PAN Autárquicas 2013 Funchal Situação Política, financeira, económica e social O Concelho do Funchal vive uma situação dramática, a pior desde a implementação da democracia, da autonomia e do poder local democrático.

Leia mais

Mestrado em Comportamentos Desviantes e Ciências Criminais INQUÉRITO AOS COMERCIANTES DA CIDADE DE ELVAS (comércio tradicional)

Mestrado em Comportamentos Desviantes e Ciências Criminais INQUÉRITO AOS COMERCIANTES DA CIDADE DE ELVAS (comércio tradicional) ANEXO 1 INQUÉRITO 1 2 Mestrado em Comportamentos Desviantes e Ciências Criminais INQUÉRITO AOS COMERCIANTES DA CIDADE DE ELVAS (comércio tradicional) 1. Sexo: 3.Habilitações literárias: 1.1 Masc 1.2 Fem

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES O Novo Regime Jurídico do Sector Empresarial Local O novo regime jurídico do sector empresarial

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Despacho Normativo n.º 22/2008: Estabelece as regras da cooperação, no âmbito da toxicodependência, luta contra o HIV-Sida, comportamentos de risco e igualdade

Leia mais

CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS

CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS Parecer do Conselho Geral N.º 11/PP/2011, de 18 de Junho de 2012 Relator: Dr. Marcelino Pires Parecer A Comissão Social de Freguesias

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas Prioridades para 2014-2019 Quem somos Somos o maior grupo político da Europa, orientado por uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

Adesão ao Serviço MB WAY

Adesão ao Serviço MB WAY Adesão ao Serviço MB WAY 1) Objecto Pelo presente contrato, o Banco Santander Totta SA obriga-se a prestar ao Utilizador o Serviço MB WAY, nas condições e termos regulados nas cláusulas seguintes, e o

Leia mais

Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas

Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. - 1 B - A ü t o r i d a d e ~ d e ~ Av.JoséMalhobl2 1099-017 Lisboa Lisboa, 16 de Outubro de 2007 Assunto: Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010

30 de Junho de 2010. Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com. LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 30 de Junho de 2010 Carmo Sousa Machado carmo.s.machado@abreuadvogados.com 1 LOCAL : Porto DATA : 01-07-2010 1. A videovigilância no local de trabalho 2. Confidencialidade e acesso à informação 3. Monitorização

Leia mais

newsletter Nº 78 JULHO / 2013

newsletter Nº 78 JULHO / 2013 newsletter Nº 78 JULHO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 O conceito de Indispensabilidade do Gasto para a Realização do Rendimento 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais