Sistemas de Segurança na Nova Lei da Segurança Privada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Segurança na Nova Lei da Segurança Privada"

Transcrição

1 Sistemas de Segurança na Nova Lei da Segurança Privada O enquadramento dos sistemas de segurança eletrónica na atividade de segurança privada Auditório 2 30 de setembro 2014

2 CONTEÚDOS 1. Apresentação da APSEI e sua intervenção no processo legislativo 2. O enquadramento dos sistemas de segurança eletrónica na atividade de segurança privada 1

3 1. APRESENTAÇÃO DA APSEI E INTERVENÇÃO NO PROCESSO LEGISLATIVO 2

4 ÂMBITO DA APSEI Proteção Contra Incêndio Segurança Eletrónica Segurança no Trabalho MISSÃO: Melhorar a qualidade dos produtos e serviços de segurança. Incrementar a competência das empresas e técnicos 3

5 Atividade dos Associados Exploração e gestão Fabrico Desenvolv. produto Distribuição Comércio retalho Consultoria Formação 250 Associados Instalação Integração Manutenção Projeto 4

6 STAFF Maria João Conde Secretária geral Mélanie Cuendet Formação Secretariado / Informação técnica Normalização Formação João Carvalho / Gonçalo Sítima Comunicação Publicações Eventos 5

7 ATIVIDADES DA APSEI Intervenção institucional / regulamentação Formação profissional Normalização Eventos Informação e publicações 6

8 INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL Administração Interna Normalização Segurança no Trabalho Inspeção económica Engenharia civil Ambiente Formação Construção 7

9 INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL/LEGISLAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA ELETRÓNICA Ago/2012 Reunião no SEAMAI para apresentação propostas APSEI 3 Fórum APSEI para divulgação nova lei da Segurança Privada com participação da DSP PSP Lisboa 238 pax Porto 147 pax Lagoa 66 pax APSEI obteve esclarecimentos a questões colocadas ao DSP Contributos técnicos da APSEI à proposta de Lei n.º 9/2012 (utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum) e Portaria n.º 372/2012 (requisitos técnicos mínimos das câmaras fixas e portáteis) Ago/2013 2ª reunião no SEAMAI Audiências com grupos parlamentares na Assembleia da República APSEI designada pelo Instituto Português da Qualidade como

10 OBJETIVOS DA INTERVENÇÃO DA APSEI Colaborar com Poder Legislativo na elaboração de regulamentação adequada à realidade das empresas prestadoras de serviço de sistemas de segurança eletrónica e empresas de segurança privada com alvará/licença C Clarificação dos aspetos relativos aos sistemas de segurança eletrónica Garantir a qualificação técnica mínima dos profissionais e a competência das empresas Portaria n.º 272/2013 Registo Prévio 8

11 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A APSEI iniciou a sua atividade formativa em cursos técnicos + 50 edições realizadas formandos Acreditação/certificação Reconhecimento 9

12 FORMAÇÃO PROFISSIONAL Security Cursos Técnico Europeu de Security/Técnico de Security 50h Sistemas de Deteção de Incêndio e Gases 17h Sistemas de Videovigilância 8h Sistemas de Alarme de Intrusão 8h Controlo de acessos 6h Redes Informáticas Aplicadas aos Sistemas Eletrónicos de Segurança 8h Fundamentos de Gestão Comercial Aplicados à Segurança 8h Regime Jurídico de Segurança Privada 8h Avaliação e Gestão de Sistemas de Security 12h Curso CFPA Europe, reconhecido em 18 países europeus 10

13 NORMALIZAÇÃO Organ. Europeu / Internacional Organismo Nacional de Normalização (ONN) IPQ Instituto Português da Qualidade 11

14 NORMALIZAÇÃO Sistemas de Alarme 3 Subcomissões 30 Vogais Iniciou atividade março 2014 Subcomissão 1 Sistemas de Alarme Subcomissão 2 Sistemas de Deteção de Intrusão e Controlo de Acessos Subcomissão 3 Sistemas de Videovigilância para Aplicações de Segurança 12

15 EVENTOS 35 Eventos Organizados Participantes 13

16 INFORMAÇÃO E PUBLICAÇÕES Revista PROTEGER + 50 Fichas Técnicas sobre Produtos e Equipamentos Publicações técnicas em Português Folhetos Pedagógicos 14

17 INFORMAÇÃO E PUBLICAÇÕES Portal Segurança Online Legislação Segurança Privada 15

18 ASSOCIADOS APSEI 16

19 ASSOCIADOS APSEI 17

20 ASSOCIADOS APSEI 18

21 ASSOCIADOS APSEI 19

22 O ENQUADRAMENTO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA ELETRÓNICA NA ATIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA 20

23 Nova Regulamentação Lei 34/2013, de 16 de maio Regime do Exercício da Atividade de Segurança Privada Portaria nº 272/2013, de 20 de agosto Define os requisitos e o procedimento de registo, na DNPSP, das entidades de estudo e conceção, instalação e manutenção ou assistência técnica de material e equipamento de segurança Portaria nº 273/2013, de 20 de agosto Define as condições específicas da prestação de serviços de segurança privada e os requisitos técnicos mínimos dos sistemas e medidas de segurança obrigatórios 21

24 IMPACTO DA NOVA REGULAMENTAÇÃO NOS SISTEMAS DE SEGURANÇA Obrigatoriedade de determinados estabelecimentos adotarem medidas de segurança Entidades de estudo e conceção, instalação e manutenção ou assistência técnica de equipamentos e sistemas de segurança Registo Prévio DN PSP Harmonização das normas técnicas e dos requisitos técnicos exigidos Anexo IX Port. 273/2013 normas de cumprimento obrigatório Regulamentação de aspetos técnicos relacionados com alarmes ligados a centrais de receção e monitorização e redução de falsos alarmes 22

25 REQUISITOS LEGAIS Empresas de instalação e manutenção Sistemas de deteção contra intrusão Sistemas de videovigilância 23

26 REQUISITOS LEGAIS: EMPRESAS Lei n.º 34/2013 regime do exercício da atividade segurança privada Portaria n.º 272/2013 registo prévio na direção nacional da PSP Entidades que exerçam conceção e estudo, instalação e manutenção ou assistência técnica de sistemas deteção antiintrusão, controlo acessos, videovigilância e centrais de alarme REGISTO PRÉVIO NA DIREÇÃO NACIONAL DA PSP Obrigatório desde 20 de setembro

27 REQUISITOS LEGAIS: EMPRESAS https://sigesponline.psp.pt/pages/entidades_registo_previo/lista.xhtml Designação social e sede da entidade Número de identificação de pessoa coletiva Âmbito dos serviços prestados Identificação do material e equipamento de segurança Certificação de qualidade voluntária Número de registo prévio, data de emissão e validade 25

28 REQUISITOS LEGAIS: EMPRESAS Registo prévio da DN PSP: Requisitos Técnico responsável Técnico responsável Instalações técnicas Seguro responsabilidade civil Meios e equipamentos Título da atividade de construção Ausência de dívidas ao Estado e Segurança Social Se aplicável 26

29 REQUISITOS LEGAIS: EMPRESAS Engenheiros ou engenheiros técnicos reconhecidos nas respetivas ordens Dupla certificação, por via das modalidades de educação e formação do SNQ, ou qualificação legalmente equiparada Escolaridade mínima obrigatória + 3 anos de experiência profissional (até 19 de agosto de 2016) Técnico Responsável Registo Prévio Formação em eletricidade e energia e eletrónica e automação, que tenham frequentado com aproveitamento unidades de curta duração integradas no Catálogo Nacional de Qualificações 27

30 REQUISITOS LEGAIS: EMPRESAS Renovação, suspensão e cancelamento do registo Renovação Suspensão Cancelamento O registo é válido por 5 anos e renovável por iguais períodos Técnico Responsável que prove a frequência de ação de formação de atualização científica e técnica, de duração não inferior a 50 horas, frequentada nos últimos três anos, em entidade formadora certificada pela DGERT Quando se verificar a falta de Técnico Quando se verificar a cessação da atividade 28

31 REQUISITOS LEGAIS Aplicáveis a: Empresas de instalação e manutenção Sistemas de deteção contra intrusão Sistemas de videovigilância 29

32 REQUISITOS LEGAIS: SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO Legislação aplicável Lei nº 34/ Estabelece o regime do exercício da atividade de segurança privada Portaria nº 273/ Regula os requisitos técnicos dos equipamentos, funcionamento e modelo de comunicação de alarmes Prazos de adaptação Regra geral (novos sistemas) até Sistemas existentes: vários prazos 30

33 SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO Dispositivos de alarme Instalação de dispositivos de alarme com sirene exterior ou suscetíveis de desencadear uma chamada para o número nacional de emergência ou das forças de segurança fica sujeita a comunicação e registo, pelo seu proprietário, na autoridade policial da área, no prazo de 5 dias úteis posteriores à sua montagem. 31

34 SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO Interdição da instalação de sistemas de alarme suscetíveis de desencadear uma chamada telefónica automática para o número nacional de emergência ou para as forças de segurança, com mensagem de voz previamente gravada

35 SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO Verificação de Alarmes Definição de procedimentos de verificação de alarmes, a cumprir pelos operadores das centrais de receção e monitorização de alarmes Objetivo: evitar a comunicação de falsos alarmes 32

36 SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO Verificação de alarmes Entidades autorizadas que explorem centrais de monitorização e receção de alarmes Verificação sequencial Verificação med. Videovigilância Verificação med. Áudio Verificação Pessoal Originado por 3 ou mais sinais procedentes de elementos de deteção diferentes e num espaço de tempo inferior a 30 minutos; ou, Num espaço de tempo inferior a 30 minutos (independentemente do numero de sinais) Sinais de elementos de deteção diferentes e um sinal de corte de linha ou alarme de sabotagem. Ativação por sinal de elemento de deteção de intrusão ou sensor vídeo Sistema de videovigilância com cobertura igual ou superior à dos detetores associados Ativação por sinal de elemento de deteção de intrusão Quando a verificação técnica confirmar a existência de um alarme real efetuada por pessoal habilitado com especialidade de vigilante, equipado com alarme pessoal e meios de comunicação Outros meios técnicos ou procedimentos adequados 33

37 SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO Comunicação de um alarme real a forças de segurança Identificação do local Hora do registo Equipamentos de deteção acionados e sua localização Identificação e contacto do proprietário do local Procedimentos de verificação de alarme implementados Proprietário/Utilizador Assegura que no prazo de 3 horas contadas a partir da comunicação da autoridade policial competente, procede à reposição do alarme 34

38 Falsos alarmes Assegurar a inspeção técnica do sistema e elaborar um relatório técnico da verificação, comunicando o seu resultado à força de segurança, no prazo máximo de 10 dias úteis após a ocorrência do alarme Proprietário SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO Operador do sistema (alvará/licença C) No caso de 3 alarmes confirmados comunicados às forças de segurança que resultem em falsos alarmes, num período de 60 dias, a entidade de segurança privada deve desativar alarme/suspender a ligação e promover intervenção técnica para correção das deficiências técnicas, devendo o seu resultado ser comunicado à força de segurança no prazo máximo de 20 dias Proprietário Operador do sistema (alvará/licença C) 35

39 SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO EN GRAU 1 Graus de segurança Sistemas dotados de sinalização acústica, não ligados a central GRAU 2 Sistemas instalados em residências e estabelecimentos não obrigados a adotar sistemas de segurança e ligados a central GRAU 3 Sistemas instalados em estabelecimentos obrigados a adotar medidas de segurança e ligados a central GRAU 4 Sistemas instalados em infraestruturas críticas, militares ou das forças e serviços de segurança, instalações de armazenamento de explosivos e substâncias explosivas, empresas de segurança privada titulares de Alvará C e D e instalações de depósito e guarda de valores e metais preciosos 36

40 SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO CENTRAIS DE RECEÇÃO E MONITORIZAÇÃO DE ALARMES Desde que previstos na lei ou ligados a uma central de receção e monitorização de alarme devem cumprir os requisitos técnicos previstos nas normas europeias aplicáveis, designadamente com a EN e com os graus de segurança definidos no artigo 111.º da Portaria n.º 273/

41 SISTEMAS DE DETEÇÃO CONTRA INTRUSÃO OUTRAS OBRIGAÇÕES A instalação dos sistemas obriga à emissão de um certificado de instalação, em conformidade com a especificação técnica CLC/TS A instalação, manutenção ou assistência técnica de um sistema de deteção contra intrusão pressupõe a emissão de um termo de responsabilidade pelo Técnico Responsável da entidade instaladora Livro de registo de ocorrências por cada sistema de deteção contra intrusão instalado 38

42 REQUISITOS LEGAIS Empresas de instalação e manutenção Sistemas de deteção contra intrusão Sistemas de videovigilância 39

43 REQUISITOS LEGAIS: SISTEMAS DE VIDEOVIGILÂNCIA Legislação aplicável Decreto Lei nº 135/2014 Estabelece o regime jurídico dos sistemas de segurança privada dos estabelecimentos de restauração e de bebidas que disponham de salas ou de espaços destinados a dança ou onde habitualmente se dance (discotecas e bares) Lei nº 34/2013 Estabelece o regime do exercício da atividade de segurança privada Portaria nº 273/2013 Regula os requisitos técnicos dos equipamentos, funcionamento e modelo de comunicação de alarmes Lei n.º 52/2013 Estabelece o regime jurídico do combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espetáculos desportivos (estádios) Portaria nº 374/2012 Estabelece o regime de instalação dos sistemas de proteção florestal e deteção de incêndios florestais Portaria nº 373/2012 Aprova o modelo de avisos e simbologia da utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos Portaria nº 372/2012 Fixa os Requisitos Técnicos Mínimos das Câmaras Fixas e Portáteis de Videovigilância Lei n.º 54/2012 Define os meios de prevenção e combate ao furto e de recetação de metais não preciosos com valor comercial 40

44 REQUISITOS LEGAIS: SISTEMAS DE VIDEOVIGILÂNCIA Legislação aplicável Lei n.º 9/2012 utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum (locais públicos) Portaria nº 1164 A/2007 aprova o modelo de aviso, a instalar em local visível nos táxis que possuam videovigilância (táxis) Lei nº 33/2007 regula a instalação e utilização de sistemas de videovigilância em táxis (táxis) Lei nº 51/2006 regula a instalação e utilização de vigilância eletrónica rodoviária (autoestradas) Decreto lei nº 207/2005 regula os procedimentos relativos à instalação de sistemas de vigilância rodoviária (autoestradas) Lei n.º 28/2004, de 16 de Julho de 2004 Reformula a Lei do Jogo, introduzindo normas de licenciamento e de utilização de equipamentos eletrónicos de vigilância (casinos) Lei n.º 67/1998 Lei da Proteção de Dados Pessoais Decreto Lei nº 422/89 Estabelece quais os sistemas de segurança a ter em conta nos casinos e nas salas de jogos, designadamente no que respeita ao equipamento de vigilância e controlo. Gravação de imagem. Avisos obrigatórios (casinos) 41

45 SISTEMAS DE VIDEOVIGILÂNCIA Notificação/registo de câmaras fixas de videovigilância Notificação à Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), por parte do responsável pelo tratamento ou do seu representante, para tratamentos de dados pessoais através de videovigilância e gravação de som (Lei n.º 67/98) Prazo máximo conservação imagens gravadas: 30 dias Registo na Direção Nacional da PSP, aplicável aos sistemas utilizados pelas entidades de segurança privada titulares de alvará ou licença A, C e D, bem como aos sistemas de que estas entidades sejam responsáveis pelo tratamento de dados pessoais? 42

46 SISTEMAS DE VIDEOVIGILÂNCIA Sinalização/Aviso Nos locais de acesso ao público: no perímetro exterior do local objeto de videovigilância e no interior do local Informação sobre existência e localização das câmaras de vídeo +? Locais não abrangidos pela Lei n.º 34/2013 ou abrangidos mas sem ligação a CRA Data de Implementação: 15 junho

47 SISTEMAS DE VIDEOVIGILÂNCIA Requisitos mínimos para instalações operacionais empresas habilitadas com alvará e licença C (anexo I Port. 273/2013) Proteção edifícios e acessos Proteção contra vandalismo Visualização e monitorização Proteção de instalações com requisitos especiais Comunicação e transmissão de imagens Registos de segurança e auditorias 44

48 Empresas com alvará e empresas com licença de autoproteção Instalações operacionais Zonas onde estejam instaladas as centrais Instituições de crédito e sociedades financeiras Conjuntos comerciais e grandes superfícies de comércio* NOVO REQUISITOS LEGAIS obrigatoriedade adoção sistemas de segurança Videovigilância Deteção intrusão Outr. dispositivos Geral: adaptação jun.2014 Anexo I (IP) Anexo I (IP) Adaptação sistemas em funcionamento até 01.set.2015 Permitir a identificação de pessoas e garantir a cobertura zonas de atendimento ao público, de depósito e guarda de valores, e de cofres, dispensadores de dinheiro ou caixas automáticas Geral: adaptação jun.2014 Permitir a identificação de pessoas e garantir a cobertura zonas de atendimento ao público, de depósito e guarda de valores, e de cofres, dispensadores de dinheiro ou caixas automáticas Geral: adaptação jun.2014 Grau 4 (não existe) adaptação 1.set.2016 Grau 3 adaptação 1.set.2016 Agências bancárias: 1.set.2018 Grau 3 adaptação 1.set.2016 Central de controlo Cofre forte Porta blindada Gerador (adaptação 15.jun.2015) Central de controlo mesmos requisitos alvará/licença C (adaptação 15.jun.2015) Central de controlo mesmos requisitos alvará/licença C (adaptação 15.jun.2015) 45

49 REQUISITOS LEGAIS obrigatoriedade adoção sistemas de segurança Joalharia, ourivesarias, galerias arte (> ) NOVO Farmácias e postos de abastecimento de combustível NOVO Bares e discotecas > 100 lugares Recintos desportivos onde se realizem espetáculos desportivos Armazenamento, tratamento ou valorização de metais não preciosos Videovigilância Deteção intrusão Outr. dispositivos Com ligação grau 3 e Caixa forte ou cofre: grau 3 Novos: 01.set.2014 adaptação até 1.set.2016 Prazo geral adaptação: Existentes: adaptação 5 anos até Sem ligação Grau 1 2? 01.set set.2018 Adaptação até 1.set.2018 Novos: 01.set.2014 Existentes: adaptação 5 anos até 1.set.2018 identificação de pessoas nos locais de entrada e saída das instalações e, nos casos em que a lotação for superior a 200 pessoas, o controlo de toda a área destinada a clientes Adaptação: março 2015 Conservação 90 dias Gravação de imagens e som: obrigatória desde a abertura até ao encerramento. Aviso deve estar traduzido em uma língua estrangeira Com ligação grau 3 e adaptação até 1.set.2016 Sem ligação Grau 1 2? Adaptação até 1.set.2018 Deteção de armas, objetos de uso proibido Adaptação: dezembro 2014 Controlo de acessos Conservação 90 dias 46

50 EN 1063 Glass in building Security glazing Testing and classification of resistance against bullet attack EN Secure storage units Requirements, classification and methods of test resistance to burglary Part 1: Safes. ATM safes, strongroom doors and strongrooms EN 1522 Windows, doors, shutters and blinds Bullet resistance Requirements and classification EN 1627 Pedestrian doorsets, windows, curtain walling grilles and shutters Burglar resistance Requirements and classification EN Alarm systems EN Alarm systems Intrusion and hold up Systems CLC/TS Alarm systems Intrusion and hold up systems Part 2 7 1: Intrusion detectors Glass break detectors (acoustic) CLC/TS Alarm systems Intrusion and hold up systems Part 2 7 2: Intrusion detectors Glass break detectors (passive) CLC/TS Alarm systems Intrusion and hold up systems Part 2 7 3: Intrusion detectors Glass break detectors (active) CLC/TS Alarm systems Intrusion and hold up systems Part 2 8: Intrusion detectors Shock detectors REQUISITOS LEGAIS NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS SISTEMAS DE SEGURANÇA CLC/TS Alarm systems Intrusion and hold up systems Part 5 4: System compatibility testing for I&HAS equipment located in supervised premises CLC/TS Alarm systems. Intrusion and hold up systems. Part 7: Application guidelines EN Alarm systems CCTV surveillance systems for use in security applications EN Alarm systems Access control systems for use in security applications EN Alarm systems Social alarm systems CLC/TS Alarm systems Social alarm systems Part 7: Application guidelines EN Alarm systems Alarm transmission systems and equipment CLC/TS Alarm systems Alarm transmission systems and equipment Part 4: Annunciation equipment used in alarm receiving centres CLC/TS Alarm systems Alarm transmission systems and equipment Part 7: Application guidelines CLC/TS Alarm systems. Combined and integrated systems. General requirements 47

51 REQUISITOS LEGAIS NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS SISTEMAS DE SEGURANÇA Os dispositivos que integrem sistemas de alarme devem cumprir os requisitos das normas europeias EN 50130, EN 50131, EN 50132, EN 50133, EN e da especificação técnica CLC/TS 50398, e devem ser certificados por entidades acreditadas Exceção: Grau 4 sistemas de deteção contra intrusão Componentes de sistemas que ainda não estão certificados 48

52 Obrigado 49

REQUISITOS LEGAIS APLICÁVEIS AOS SISTEMAS DE SEGURANÇA EM EDIFÍCIOS

REQUISITOS LEGAIS APLICÁVEIS AOS SISTEMAS DE SEGURANÇA EM EDIFÍCIOS REQUISITOS LEGAIS APLICÁVEIS AOS SISTEMAS DE SEGURANÇA EM EDIFÍCIOS EXPOREXEL 21 DE MAIO 2015 CONTEÚDOS 1. A APSEI 2. Equipamentos e sistemas de segurança. Porquê? 3. Requisitos legais aplicáveis aos sistemas

Leia mais

Vídeo Vigilância Novo quadro legal. Samuel Cabral

Vídeo Vigilância Novo quadro legal. Samuel Cabral 1 Legislação dos últimos 2 anos para o regime de exercício de Segurança Privada! Instaladores ou Profissionais de Segurança Eletrónica Clientes Finais Lei n.º 34/2013 2 - Instaladores ou Profissionais

Leia mais

Lei nº 34/2013: Regime Jurídico de Segurança Privada

Lei nº 34/2013: Regime Jurídico de Segurança Privada Questões frequentes Lei nº 34/2013: Regime Jurídico de Segurança Privada 1 - As comunicações e registos efetuados nos governos civis de instalação de dispositivos de alarme com sirene, ao abrigo da anterior

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 94 16 de maio de 2013 2921

Diário da República, 1.ª série N.º 94 16 de maio de 2013 2921 Diário da República, 1.ª série N.º 94 16 de maio de 2013 2921 c) A Portaria n.º 1150/2008, de 13 de outubro, alterada pelo Aviso n.º 22655/2010, de 8 de novembro; d) A Portaria n.º 1151/2008, de 13 de

Leia mais

CÓDIGOS REGIME DO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME DO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME DO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.homepagejuridica.net)

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 94 16 de maio de 2013 2921

Diário da República, 1.ª série N.º 94 16 de maio de 2013 2921 Diário da República, 1.ª série N.º 94 16 de maio de 2013 2921 c) A Portaria n.º 1150/2008, de 13 de outubro, alterada pelo Aviso n.º 22655/2010, de 8 de novembro; d) A Portaria n.º 1151/2008, de 13 de

Leia mais

CIRCULAR Nº 23/2012 de 19.11.2012 Lei da Videovigilância em Locais Públicos de Utilização Comum Publicação de Diplomas Complementares

CIRCULAR Nº 23/2012 de 19.11.2012 Lei da Videovigilância em Locais Públicos de Utilização Comum Publicação de Diplomas Complementares A regulamentação da utilização de sistemas de vigilância por câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum, para captação e gravação de imagens e som e seu

Leia mais

LEGISLAÇÃO POR REFERÊNCIA A NORMAS

LEGISLAÇÃO POR REFERÊNCIA A NORMAS LEGISLAÇÃO POR REFERÊNCIA A NORMAS APSEI Maria João Conde Dia Mundial da Normalização 14 de outubro - IPQ CONTEÚDOS Apresentação da APSEI Normalização aplicável aos sistemas de segurança Legislação por

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA 3900 Diário da República, 1.ª série N.º 137 18 de julho de 2014 5 - Sempre que seja dado provimento ao recurso, o júri efetua, no prazo de três dias úteis contados da data da última decisão, as correções

Leia mais

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015

O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 O PAPEL DA NORMALIZAÇÃO NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Jornada de Engenharia SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS 26-03-2015 CONTEÚDOS 1. APSEI e a normalização 2. O que são normas? 3. Legislação de SCI

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGIME JURÍDICO DA SEGURANÇA PRIVADA

ALTERAÇÃO AO REGIME JURÍDICO DA SEGURANÇA PRIVADA PLMJ CORPORATE/ TRABALHO ALTERAÇÃO AO REGIME JURÍDICO DA SEGURANÇA PRIVADA Foi publicado em Diário da Republica no passado dia 16 de Maio de 2013 a Lei n.º 34/2013 de 16 de Maio, que entrou em vigor no

Leia mais

4956 Diário da República, 1.ª série N.º 159 20 de agosto de 2013

4956 Diário da República, 1.ª série N.º 159 20 de agosto de 2013 4956 Diário da República, 1.ª série N.º 159 20 de agosto de 2013 Artigo 8.º Pedido de registo e de renovação 1 O registo de entidades, ou a sua renovação, é efetuado através da apresentação de requerimento

Leia mais

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO

REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Lei n.º 1/2005, de 10 de (versão actualizada) REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO Contém as seguintes alterações: - Lei n.º 39-A/2005, de 29 de Julho - Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro [ Nº de

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6 Julho 2013 Contencioso Penal A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net Título: Regula a base de dados e os dados pessoais registados objeto de tratamento informático no âmbito do Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas:

Leia mais

Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012

Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012 Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012 Conteúdos Histórico O que é? Porque foi criada? Estrutura da norma Objetivos Princípios Esquema de certificação Âmbito e validade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012. Lei n.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012. Lei n. 868 Diário da República, 1.ª série N.º 39 23 de fevereiro de 2012 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 35/2012 O Presidente da República decreta, nos termos do artigo 135.º,

Leia mais

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CLOSED CIRCUIT TELEVISION CCTV António Gomes aag@isep.ipp.pt 1 Enquadramento Cada vez é maior o recurso à vigilância através dos sistemas de CCTV, quer como elementos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Sistemas de Segurança,

Leia mais

MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR

MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR Paulo Pereira 1, Nelson Baltazar 2 e Bruno Romão 3 1 Scutvias Autoestradas da Beira Interior SA, Direção de Sistemas e

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 2 Departamento de Segurança Privada Março de 2014 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 2. (Março de 2014)

Leia mais

Serviços Tecno Consultores em Formação. Serviços Tecnológicos MAPFRE Consultores em Engenharia e Formação

Serviços Tecno Consultores em Formação. Serviços Tecnológicos MAPFRE Consultores em Engenharia e Formação Serviços Tecno Consultores em Formação Consultores em Engenharia e Formação Plano de Formação 2014 Índice Curso Intensivo sobre Segurança no Trabalho para atualização de CAP s 4 Curso Intensivo sobre Segurança

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

MTFG Breves. Legislação novembro de 2012

MTFG Breves. Legislação novembro de 2012 MTFG Breves Legislação novembro de 2012 No corrente mês apresentamos uma seleção dos principais diplomas publicados, dos quais deixamos um sumário breve. Alteração ao Regime Jurídico da Reserva Ecológica

Leia mais

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Despacho n.º 1/93, de 19 de março publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 22 de 22 de

Leia mais

Sistemas de alarme de intrusão AMAX Simples e de confiança

Sistemas de alarme de intrusão AMAX Simples e de confiança Sistemas de alarme de intrusão AMAX Simples e de confiança 2 Sistemas de Alarme de Intrusão AMAX Com a Bosch, está em boas mãos: os sistemas de alarme de intrusão AMAX garantem a satisfação do cliente

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

Licenciamento Comercial

Licenciamento Comercial Licenciamento Comercial LICENCIAMENTO ZERO Decreto Lei 48/2011, de 01/04 O Licenciamento Zero Comercial vem introduzir um regime simplificado para a instalação, modificação e encerramento dos estabelecimentos

Leia mais

Soluções para protecção da comunidade Easy Series para moradias e apartamentos

Soluções para protecção da comunidade Easy Series para moradias e apartamentos Soluções para protecção da comunidade Easy Series para moradias e apartamentos 2 Painel de controlo Easy Series Tornar a segurança fácil e fiável Adicionar valor a projectos imobiliários inovadores Blocos

Leia mais

A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO

A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO A preencher pelos Serviços da Empresa: A8 FICHA CURRICULAR DO TÉCNICO 1. IDENTIFICAÇÃO NIF Nome Nacionalidade Documento N.º (ver Tabela A) Morada (rua, avenida, etc., n.º e andar) Postal - Localidade Telefone

Leia mais

SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum.

SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum. DATA: Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2005 NÚMERO: 6 SÉRIE I-A EMISSOR: Assembleia da República DIPLOMA: Lei n.º 1/2005 SUMÁRIO: Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA 300.35.01 Segurança Privada CIRCULAR N.º 7/SP/2014 07-04-2014 ASSUNTO: RECONHECIMENTO E EQUIVALÊNCIA DAS FORMAÇÕES OBTIDAS NO ESTRANGEIRO PARA AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS DE VIGILANTE E DIRETOR DE SEGURANÇA

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local

FAQ's. Perguntas Frequentes Alojamento Local FAQ's Perguntas Frequentes Alojamento Local Estou a pensar abrir um estabelecimento de Alojamento Local e quero saber o que preciso de fazer para o licenciar? Qualquer estabelecimento de Alojamento Local

Leia mais

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa Vencemos juntos Apresentação da Empresa @ 2014 Quem Somos Missão Fornecer ferramentas e recursos, que juntos, colmatam as necessidades dos nossos Clientes tornando-os mais competitivos e eficazes. Visão

Leia mais

A Videovigilância e outros tratamentos de imagem (Dados Pessoais)

A Videovigilância e outros tratamentos de imagem (Dados Pessoais) Universidade do Minho Licenciatura em Direito Informática Jurídica A Videovigilância e outros tratamentos de imagem (Dados Pessoais) Docente: José Manuel E. Valença Discente: Eunice Maria Leite Coelho,

Leia mais

Condições gerais de utilização da área reservada A minha CML do Portal da Câmara Municipal de Lisboa

Condições gerais de utilização da área reservada A minha CML do Portal da Câmara Municipal de Lisboa Condições gerais de utilização da área reservada A minha CML do Portal da Câmara Municipal de Lisboa Maio 2013 Versão 1.2 Versão 2.0 maio de 2013 1. OBJETO O serviço de atendimento multicanal da Câmara

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 3666 Diário da República, 1.ª série N.º 121 26 de junho de 2013 MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO EMPREGO E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 208/2013 de 26 de junho O Decreto -Lei n.º 92/2010, de 26 de julho,

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 verificação da utilização agrícola, florestal ou silvopastoril do prédio e do cumprimento por parte do adquirente ou do arrendatário de

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Serviços de instalação e manutenção/assistência técnica de Secção A: equipamentos fixos de refrigeração, ar condicionado e bombas de calor que contenham gases fluorados com efeito

Leia mais

CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS

CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 56101/107 e 56301/305 ESTABELECIMENTOS

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GERADORES AUXILIARES (GERADOR MÓVEL) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos específicos de operação e ligação de gerador auxiliar móvel à rede de distribuição

Leia mais

Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO

Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO Junho de 2014 Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP ÍNDICE GERAL Nota introdutória 3 Pág. 1. Identificação dos elementos

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Diário da República, 1.ª série N.º 80 24 de abril de 2015 2057 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 114/2015 de 24 de abril A Portaria n.º 148/2014, de 18 de julho, veio estabelecer um novo

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O novo regime jurídico dos espectáculos de natureza artística e não artística, tendo transferido

Leia mais

Aviso de confidencialidade

Aviso de confidencialidade Aviso de confidencialidade A informação que consta desta apresentação é confidencial. Qualquer forma de divulgação, reprodução, cópia ou distribuição total ou parcial da mesma é proibida, não podendo ser

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CAPÍTULO 1 AMBITO Artigo 1º. Estabelecimentos de Hospedagem São considerados estabelecimentos de hospedagem, aqueles que não

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais

Registo da prestação de contas

Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas têm simplesmente de entregar a

Leia mais

Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré

Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré Regulamento do Horário de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município da Nazaré Preâmbulo O Regulamento dos Horários de Funcionamento de Abertura e Encerramento

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO

A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO A preencher pelos Serviços Código da Empresa: A7 - RELAÇÃO NOMINAL PESSOAL TÉCNICO 1. IDENTIFICAÇÃO DA PESSOA SINGULAR OU PESSOA COLETIVA NIF Firma ou Denominação Social 2. RELAÇÃO NOMINAL 2.1 Inicial

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

Pack Entidade Pack Utente Pack Entidade Pack Utente A FPN é uma das entidades habilitadas à formação certificada que conferirá os

Pack Entidade Pack Utente Pack Entidade Pack Utente A FPN é uma das entidades habilitadas à formação certificada que conferirá os PORTUGAL A NADAR A FPN é a entidade que superintende e certifica as atividades ligadas à prática da natação e pretende, com a sua experiência na missão de melhorar as condições de prática das disciplinas

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS Só os Técnicos Oficiais de Contas estão habilitados técnica e legalmente a responsabilizarem-se pela sua contabilidade.

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 32 16 de fevereiro de 2015 885

Diário da República, 1.ª série N.º 32 16 de fevereiro de 2015 885 Diário da República, 1.ª série N.º 32 16 de fevereiro de 2015 885 2 Os inspetores que prestem legalmente serviços à data da entrada em vigor da presente lei podem continuar a exercer as respetivas funções

Leia mais

Proprietário. Central receptora de alarmes. Resposta. PowerMax+ Para casas interactivas, Controlo da casa. Alerta por E-mail

Proprietário. Central receptora de alarmes. Resposta. PowerMax+ Para casas interactivas, Controlo da casa. Alerta por E-mail Para casas interactivas, Proprietário @ Telefone privado SMS Alerta por E-mail Interface do utilizador na Web Central receptora de alarmes Luzes Controlo de energia Electrodomésticos Controlo da casa Controlo

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA OBJETIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE, apresentando soluções disponíveis de possível aplicação.

Leia mais

Centros Sonae Sierra medidas para a prevenção de incêndios. 27-Fev-2015 Aurélio Carvalho

Centros Sonae Sierra medidas para a prevenção de incêndios. 27-Fev-2015 Aurélio Carvalho Centros Sonae Sierra medidas para a prevenção de incêndios 27-Fev-2015 Aurélio Carvalho Medidas para Medidas de Autoproteção Áreas Comuns e Lojas Índice: CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS CAPÍTULO

Leia mais

2ª Edição Abril de 2013

2ª Edição Abril de 2013 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CERTIF SERVIÇO DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO E BOMBAS DE CALOR QUE CONTENHAM GASES FLUORADOS COM EFEITO DE ESTUFA

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 51/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 006/2000-CBMDF, sobre a Emissão do Certificado

Leia mais

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO Portaria n.º 1522-B/2002 de 20 de Dezembro Assistente de recinto desportivo...3 Definições...3 Funções...3 Deveres...4 Formação...4 Módulos de formação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

Coordenador da área - Engº Pedro Marques

Coordenador da área - Engº Pedro Marques Requisitos e implementação da ISO 9001 gestão da qualidade, ISO 14001 gestão ambiental e OHSAS 18001 gestão de segurança e saúde no trabalho Coordenador da área - Engº Pedro Marques Índice Duração Total...

Leia mais

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições Direito à informação ao consumo seguro Entidades que supervisionam as empresas/instituições Escola B+S Ângelo Augusto da Silva Projeto de Educação Financeira Banco de Portugal Bancos O Banco de Portugal

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER)

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) Dispõe sobre as empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança e dá outras Providências. O Congresso nacional decreta: CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA 300.35.01 Segurança Privada CIRCULAR N.º10 /SP/2014 23-05-2014 ASSUNTO: REGISTO PRÉVIO PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Referências: - Lei n.º 34/2013, de 16 de maio - Portaria n.º 272/2013, de 20

Leia mais

COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES EM SCIE

COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES EM SCIE OBJETIVO Descrever detalhadamente as competências e responsabilidades de cada interveniente, em cada fase do processo construtivo, designadamente no âmbito da coordenação e conceção dos diversos projetos,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1. OBJETIVO O presente documento tem como objetivo a definição dos termos de prestação de serviços da Ilhéu da Baleia com cada um dos seus clientes. a) Com a confirmação

Leia mais

GT COFRE VIA GSM GT COFRE VIA SATÉLITE ABERTURA E TRAVAMENTO DE PORTAS E COFRES

GT COFRE VIA GSM GT COFRE VIA SATÉLITE ABERTURA E TRAVAMENTO DE PORTAS E COFRES GT COFRE VIA GSM GT COFRE VIA SATÉLITE ABERTURA E TRAVAMENTO DE PORTAS E COFRES O GT COFRE é um equipamento wireless com transmissão via satélite e GSM, que executa a função de recepção e transmissão de

Leia mais

Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP

Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP Para preencher o rodapé: 1. Pressione a tecla F5 2. Prima o seguinte botão EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Agenda 1. Apresentação. O Grupo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas -

O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Lisboa, 18.05.2006 O Regime Jurídico de algumas medidas de segurança - Implicações Práticas - Enquadramento, Conceitos & Formalidades 2 Enquadramento Algumas medidas de segurança envolvem o tratamento

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGULAMENTO PARA RECONHECIMENTO DAS ENTIDADES CERTIFICADORAS DO SISTEMA TÉCNICO DE JOGO

REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGULAMENTO PARA RECONHECIMENTO DAS ENTIDADES CERTIFICADORAS DO SISTEMA TÉCNICO DE JOGO REGULAMENTO N.º ---/SRIJ/2015 REGULAMENTO PARA RECONHECIMENTO DAS ENTIDADES CERTIFICADORAS DO SISTEMA TÉCNICO DE JOGO O Regime Jurídico dos Jogos e Apostas online (RJO), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 66/2015,

Leia mais

Obrigações específicas do sector de Ourivesaria

Obrigações específicas do sector de Ourivesaria Obrigações específicas do sector de Ourivesaria As normas que regem a actividade de ourivesaria estão consagradas no Regulamento das Contrastarias, aprovado pela Lei n.º 98/2015 de 18 de Agosto - https://dre.pt/application/conteudo/70042475,

Leia mais

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO ERO E D DIRETIVA DE SERVIÇOS ERVIÇOS 2014 OBJETIVOS Compreender a novidade regulamentar associado à Diretiva de Serviços e à Iniciativa Licenciamento Zero;

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões EBA/GL/2015/01 11.05.2015 Orientações da EBA relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões 1 Obrigações em matéria

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais