FÓRUM REGIONAL SOBRE DROGAS EM BARRA DO BUGRES/MT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM REGIONAL SOBRE DROGAS EM BARRA DO BUGRES/MT"

Transcrição

1 FÓRUM REGIONAL SOBRE DROGAS EM BARRA DO BUGRES/MT CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO ALTO DO RIO PARAGUAI Prefeitura de Barra do Bugres

2 2º RELATÓRIO: FÓRUM REGIONAL SOBRE DROGAS EM BARRA DO BUGRES/MT CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO ALTO DO RIO PARAGUAI PERÍODO: 11 a 13 de Maio de 2011 Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Local do evento Câmara Municipal. 1

3 MATO GROSSO CONSTRUINDO A POLÍTICA ESTADUAL SOBRE DROGAS Governador do Estado de Mato Grosso Silval Barbosa Secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos Desembargador Paulo Inácio Dias Lessa Secretário Adjunto de Estado de Justiça - Genilto Nogueira Secretária Adjunta de Estado de Justiça de Direitos Humanos Vera Lúcia Pereira Araújo Fóruns Regionais sobre Drogas

4 FÓRUM ESTADUAL SOBRE DROGAS COORDENAÇÃO GERAL DO FÓRUM Conselho Estadual de Política sobre Drogas - Ana Elisa Limeira - Presidente do CONEN/MT e Coordenadora da COAD/SEJUDH. Universidade Federal de Mato Grosso - Dra. Maria de Sousa Rodrigues e Dra. Maria Jacobina da Cruz Bezerra - Grupo de Pesquisa Serviço Social e Espaços Sócio-Ocupacionais / Departamento de Serviço Social/ICHS/UFMT. COORDENADORA TÉCNICA DOS FÓRUNS E PESQUISA/COAD Dra. Simone Cordeiro Costa Guedes COORDENAÇÃO CIENTÍFICA DOS FÓRUNS E PESQUISA/UFMT Profa. Dra. Maria de Sousa Rodrigues Profa. Dra. Maria Jacobina da Cruz Bezerra EQUIPE CIENTÍFICA E EXECUTIVA DOS FÓRUNS E PESQUISA/UFMT Profa. Dra. Maria de Sousa Rodrigues Profa. Dra. Maria Jacobina da Cruz Bezerra Profa. Delma Rosa de Almeida BOLSISTAS/ACADÊMICAS DE SERVIÇO SOCIAL Karoline Fernanda Leite dos Santos Gabi Michelotti Baldini Joanil Maria Casarotto BOLSISTA /ACADÊMICA DE SERVIÇO SOCIAL - UNISELVA Dayane Flora Santos Soares PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS/SECRETARIA: Eda Lúcia da Silva Delvechio ASSESSORIA DE INFORMÁTICA Ricardo Jacobina Bezerra 3

5 EQUIPE COLABORADORA DO CONEN/MT E COAD/MT Vicência Maria de Moraes - Gerente de Apoio Técnico e Contencioso Enoque Duarte - Motorista André de Aquino Rocha - Estagiário Viviani Lucas de Moraes - Estagiária Lennon Rodrigues da Silva - Estagiário Allexandre Vilela Sigarini Garcia - Estagiário CONSELHEIROS DO CONEN/MT E CONSELHO MUNICIPAL - COMAD PRESENTES NO FÓRUM EM BARRA DO BUGRES/MT Fátima Aparecida Martins dos Santos - COMAD - Barra do Bugres Maria Helena dos Santos - Representante da Polícia Judiciária Civil Marisa Marcelo de Minas Carvalho - Secretaria de Estado de Educação - SEDUC/MT Marli Goveia de Oliveira - Secretaria de Estado de Educação - SEDUC/MT COLABORADORES ESPECIAIS NO FÓRUM EM BARRA DO BUGRES/MT Luzia de Lurdes Severo Lins (Lu) - Assessora da Secretária Adjunta de Estado de Justiça Ludmila Cavalcante da Silva Moura - Representante da Secretária de Comunicações do Estado de Mato Grosso - SECON/MT TRANSPORTE TERCEIRIZADO Gênesis/Flechatur 4

6 SUMÁRIO 1. PROGRAMAÇÃO O CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL ALTO DO RIO PARAGUAI E A CIDADE SEDE II FÓRUM REGIONAL SOBRE DROGAS - BARRA DO BUGRES/MT CICLOS DE PALESTRAS ª Palestra - PRESSUPOSTOS BÁSICOS E OBJETIVOS DA PNAD ª Palestra - PREVENÇÃO ª Palestra - TRATAMENTO, RECUPERAÇÃO E REINSERÇÃO SOCIAL ª Palestra - REDUÇÃO DE DANOS SOCIAIS À SAÚDE ª Palestra - ESTUDOS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES ª Palestra - REDUÇÃO DA OFERTA OFICINAS ª Oficina - PRESSUPOSTOS BÁSICOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL SOBRE DROGAS Pressupostos Objetivos ª Oficina - PREVENÇÃO Princípios Diretrizes ª Oficina - TRATAMENTO, RECUPERAÇÃO E REINSERÇÃO SOCIAL Princípios Diretrizes ª Oficina - REDUÇÃO DE DANOS SOCIAIS À SAÚDE Princípio Diretrizes ª Oficina - REDUÇÃO DA OFERTA (REPRESSÃO) Princípios Diretrizes ª Oficina - ESTUDOS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES Princípios Diretrizes

7 6. ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES PARA O FÓRUM ESTADUAL SOBRE DROGAS RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO II FÓRUM REGIONAL SOBRE DROGAS EM BARRA DO BUGRES/MT REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES APÊNDICE 01: REGIMENTO INTERNO APÊNDICE 02: METODOLOGIA

8 1. PROGRAMAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS CONSELHO ESTADUAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS - MT COORDENADORIA ESTADUAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS Fórum Regional Sobre Drogas Consórcio Intermunicipal do Alto do Rio Paraguai Local: Câmara Municipal de Barra do Bugres Endereço: Rua Belo Horizonte 70 - Centro- Barra do Bugres, MT Data: 11 a 13 de maio de 2011 Programação 11/05/11 - Quarta Feira 19h30 - Inscrições para participação nas Oficinas 20h00 - Composição da mesa e Solenidade de Abertura 20h30 - Palestra de Abertura: Responsabilidade do Estado, sociedade e família Palestrante: Dr. Rinaldo Segundo - Promotor de Justiça da Comarca de Barra do Bugres. Coordenação: Comissão Organizadora 22h00 - Encerramento 12/05/11 - Quinta Feira Matutino 08h00 - Palestra: PRESSUPOSTOS BÁSICOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA SOBRE DROGAS. Coordenação: Comissão Organizadora 08:50 - Debates e Contribuições 09:00 - PREVENÇÃO Palestrantes: Fátima Aparecida Martins dos Santos - Diretora de Ações do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas/COMAD de Barra do Bugres e Antônio Evangelista da Costa - Oficial de Diligências da Promotoria de Barra do Bugres. Coordenação: Comissão Organizadora 09:50 - Debates e Contribuições 10:00 - Intervalo 10:30 - TRATAMENTO, RECUPERAÇÃO E REINSERÇÃO SOCIAL Palestrante: Luciana Lopes Castanha Souto, Secretária Municipal de Saúde de Barra do Bugres. Coordenação: Comissão Organizadora 11:20 - Debates e Contribuições 11:30 - Almoço Vespertino 14:00 - REDUÇÃO DE DANOS SOCIAIS E A SAÚDE Palestrante: Jorge Scarpellini- Terapeuta Ocupacional da Secretaria de Estado de Saúde e Coordenador do Centro de Atenção Psicossocial/ CAPS de Barra do Bugres. 7

9 Coordenação: Comissão Organizadora 14:50 - Debates e Contribuições 15:00 - Intervalo 15:30 - REDUÇÃO DA OFERTA Palestrante: Dr ª Luciani Barros Pereira de Lima - Delegada da Policia Judiciária Civil de Barra do Bugres. Coordenação: Comissão Organizadora 16:20 - Debates e Contribuições 16:30 - ESTUDOS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES Palestrante: Márcio D. Rodrigues, Professor da Universidade Estadual de Mato Grosso - UNEMAT/ Barra do Bugres. Coordenação: Comissão Organizadora 17:20 - Debates e Contribuições 17:30 - Encerramento 13/05/11 - Sexta Feira Matutino 08:00 - Apresentação das Oficinas Temáticas Pressupostos e Objetivos Prevenção Tratamento, Recuperação e Reinserção Social Redução de Danos Sociais e à Saúde Redução de Oferta - Repressão Estudos, Pesquisas e Avaliações. 09:10 - Intervalo 09:30 - Retorno às Atividades 11:30 - Almoço Vespertino 14:00 - Plenária Apresentação dos Consolidados das Oficinas e Votação 15:30 - Intervalo 16:00 - Retorno à Plenária e apresentação dos consolidados das oficinas 17:30 - Aprovação Final do Relatório; escolha dos representantes para o Fórum Estadual e Encerramento Parceiros: Consórcio Intermunicipal do Alto Rio Paraguai Prefeitura Municipal de Barra do Bugres Câmara Municipal de Barra do Bugres Polícia Judiciária Civil Promotoria de Justiça Poder Judiciário Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Estadual de Saúde Universidade Estadual de MT- UNEMAT Obs: os certificados serão emitidos pelo Conselho Estadual de Políticas Sobre Drogas - CONEN (verificar os nomes corretamente). 8

10 2. O CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL ALTO DO RIO PARAGUAI E A CIDADE SEDE. O II Fórum Regional sobre Drogas foi realizado no Município de Barra do Bugres que integra o Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Social, Econômico, Ambiental, Turístico e Sustentável, composto pelos seguintes Municípios: Alto Paraguai, Arenápolis, Barra do Bugres, Campo Novo dos Parecis, Denise, Diamantino, Nortelândia, Nova Marilândia, Nova Maringá, Nova Olímpia, Porto Estrela, Santo Afonso, São José do Rio Claro, Sapezal e Tangará da Serra. Barra do Rio do Bugres, data de 1878, quando Pedro Torquato Leite da Rocha, ali se assentou, procedente de Cuiabá, acompanhado de familiares. Cuidou de explorar as cercanias em busca da preciosa poaia - a ipecacuanha - planta cujas raízes possuem alto valor medicinal. Os primeiros resultados da busca foram satisfatórios, fixou-se no local escolhido para o primeiro rancho, e iniciou o cultivo de lavouras de subsistência. No ano seguinte, 1879, ali chegava Paschoal de Oliveira Pombal, que como seu predecessor, trazia consigo familiares e camaradas poaieiros. Assim, continuou o povoamento da Barra do Rio do Bugres, engrossando com a chegada de novos exploradores CARVALHO (2011). Barra do Bugres localiza-se a Noroeste da Capital, dela distando 155 quilômetros e 137 via aérea e está a 129 m acima do nível do mar. O clima é tropical quente e sub-úmido com precipitação média anual em torno de mm. Sua população estimada gira em torno dos 30 mil habitantes. O relevo do município é caracterizado por possuir grandes extensões de planícies, às vezes levemente onduladas (FERREIRA, 2011). 3. II FÓRUM REGIONAL SOBRE DROGAS - BARRA DO BUGRES/MT Nos dias 11, 12 e 13 de Maio de 2011 foi realizado na Câmara Municipal Palácio Carmem Casasus, o II Fórum Regional sobre Drogas, com o objetivo de realizar a Pesquisa O Desvelar da Realidade sobre Drogas em Mato Grosso, o Fórum Regional teve como finalidade contribuir com propostas para a elaboração da Política Estadual sobre Drogas em Mato Grosso dentro dos cinco eixos da Política Nacional: Prevenção, Tratamento, Recuperação e Reinserção Social; Redução de Danos Sociais e a Saúde; Redução da Oferta; Pesquisas, Estudos e Avaliações. 9

11 O Fórum Regional sobre Drogas em Barra do Bugres teve início com as inscrições, conforme constava na programação enviada antecipadamente para as instituições parceiras: Prefeitura Municipal de Barra do Bugres, a Secretaria de Ação Social, Conselho Municipal sobre Drogas de Barra do Bugres (COMAD) e a Câmara Municipal. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Inscrições no II Fórum Regional. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) -Inscrições no II Fórum Regional. O Fórum contou com a participação de cento e oitenta e oitos pessoas, provenientes dos municípios de Barra do Bugres, Nova Marilândia, Nova Maringá, Nortelândia, Tangará da Serra e Campo Novo dos Parecis, que contribuíram com propostas nos 05 (cinco) eixos da Política Nacional sobre Drogas, a fim de atuar e fazer diferença na realidade Mato-Grossense. Embora, 10

12 consórcio seja constituído de quinze (15) Municípios participaram do evento apenas seis (06), o que significa dizer que não atingiu cinquenta por cento do consórcio e contou com a participação de 188 pessoas. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Abertura - Público Presente. A abertura oficial do evento ocorreu às 20h05 min, com a composição da mesa e estavam presentes: Vera Lúcia Pereira Araújo - Secretária Adjunta de Estado de Justiça de Direitos Humanos; Luciana Lopes Castanha Souto - Secretária Municipal de Saúde de Barra do Bugres no ato representando o Prefeito Municipal de Barra do Bugres Wilson Francelino de Oliveira; Ana Elisa Limeira - Presidente e Coordenadora do Conselho Estadual Sobre Drogas/CONEN; Profa. Dra. Maria de Sousa Rodrigues Representante da Universidade Federal de Mato Grosso; Benedita Araújo - Vereadora de Barra do Bugres no ato representante do Presidente da Câmara Municipal; Dr. Rinaldo Ziuni Segundo - Promotor de Justiça da comarca de Barra do Bugres; Maria dos Santos Gomes - Secretaria de Saúde no ato Representando Prefeito da Cidade Nova Olímpia; Sargento Marivaldo; Franklin; Hélio Pimenta - Secretário de Esporte e Lazer da Capital. Foi registrada a presença da Primeira Dama - Maria José de Lima Medeiros, da Vereadora Ebenilda Xavier da Costa entre outras instituições e pessoas presentes no evento. Na sequencia a apresentação de uma peça teatral do Grupo Resgate de Barra do Bugre. 11

13 Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Composição da Mesa de Abertura do Evento. A acolhida aos participantes do evento e as equipes de Organização do CONEN/COAD e da UFMT foi feita pela Secretária Municipal de Saúde de Barra do Bugres Luciana Lopes Castanha Souto, no ato representando o Prefeito Municipal de Barra do Bugres, que destacou a importância do evento para a região e a relevância da temática. A Secretaria Adjunta de Justiça de Mato Grosso Profa. Vera Araújo, em seu pronunciamento de abertura expôs a preocupação da presidente Dilma Rouseff e do Governo do Estado em relação às drogas no Brasil e realidade mato-grossense. Há necessidade de uma força tarefa para a elaboração de uma política pública, desejou um bom encontro e abriu oficialmente o II Fórum Estadual sobre Drogas. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Composição da Mesa de Abertura do Evento. 12

14 Em seguida se desfez o dispositivo de honra e foi dada continuidade com a Palestra de Abertura proferida pelo Promotor de Justiça Dr. Rinaldo Segundo, da Comarca de Barra do Bugres, com o tema: Responsabilidade do Estado, Sociedade e Família. MATERIAL APRESENTADO PELO PALESTRANTE: 13

15 14

16 15

17 16

18 Encerraram-se os trabalhos às 21h45min e em seguida a equipe organizadora local: COMAD, Secretaria Municipal de Saúde e vereadoras Benedita Araújo e Ebenilda Xavier da Costa ofereceram um coquetel. 17

19 4. CICLOS DE PALESTRAS No dia 12 de Maio de 2011, às 8h e 30min, sob as coordenações de Ana Elisa Limeira - Coordenadora do COAD/CONEN e da Profa. Dra. Maria Jacobina da Cruz Bezerra Vice Coordenadora dos Fóruns e Pesquisa sobre Drogas em Mato Grosso, iniciaram os trabalhos do II Fórum Regional sobre Drogas em Barra do Bugres/MT. No discurso inicial a Presidente do CONEN/MT, saudou as pessoas presentes, e deu sequência com a leitura, apreciação e a aprovação do Regimento Interno (apêndice 01). Após a leitura foi indagado à plateia se havia alguma observação ou alteração em relação ao Regimento, como não houve manifestação o documento foi aprovado. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Palestrante Pressupostos Básicos e Objetivos da PNAD Ana Elisa Limeira, ª Palestra - PRESSUPOSTOS BÁSICOS E OBJETIVOS DA PNAD A 1ª Palestra teve início às 08h50min com o tema Pressupostos Básicos e Objetivos da Política Nacional sobre Drogas - PNAD, ministrada pela Presidente do CONEN e Coordenadora da COAD, Sra. Ana Elisa Limeira, com os conteúdos que se seguem: 18

20 MATERIAL APRESENTADO PELO PALESTRANTE: 19

21 20

22 21

23 22

24 23

25 24

26 25

27 26

28 27

29 28

30 29

31 30

32 31

33 32

34 33

35 34

36 Encerra sua exposição às 09h30min com agradecimentos aos colaboradores e desculpas com algumas falhas na organização do evento. 35

37 4.2. 2ª Palestra - PREVENÇÃO A segunda palestra com o tema Prevenção foi coordenada por Maria Helena dos Santos Conselheira do CONEN e proferida pela Sra. Fátima Aparecida Martins dos Santos - Diretora de Ações do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas- COMAD de Barra do Bugres e Sr. Antônio Evangelista da Costa - Oficial de Diligencias da Promotoria de Barra do Bugres. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Sra. Fátima Aparecida Martins dos Santos. A Senhora Fátima Aparecida Martins dos Santos iniciou a palestra sobre Prevenção, com considerações acerca da história de sua vida e ressaltou que tem o exemplo vivo dentro de casa, relembrando momentos vividos com seu filho que experienciou o uso de drogas muito precocemente - 12 anos de idade, realidade que retirou do convívio com a morte, que de certo modo justifica o seu trabalho na contribuição com pessoas adictos, dependentes de álcool na cãs de recuperação que dirige, bem como Conselheira no COMAD. Destacou a situação de vida vivenciada por familiares de adictos, que muitas vezes nos conduzem a induzir os filhos a apreender ou fazer certas coisas aparentemente banais, mas que na medida em que são repetidas tornam-se hábitos e não contribuem a prevenção aos exemplos: pedir para comprar uma cerveja, cigarro... Após as considerações da Sra. Fátima o Sr. Antônio Evangelista da Costa deu continuidade a palestra com apresentação de slides, conforme segue. 36

38 Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Palestra com Sr. Antônio Evangelista da Costa. MATERIAL APRESENTADO PELO PALESTRANTE: 37

39 38

40 39

41 40

42 41

43 42

44 43

45 44

46 45

47 46

48 47

49 48

50 CD/DVD: 49

51 Às 10h10min encerou a palestra e a coordenadora de mesa abriu o momento seguinte. Debates e Contribuições: No decorrer dos debates, os participantes apresentaram denúncias, reivindica ações e cobram soluções de autoridade locais, que desfoca o objeto da palestra - A prevenção. 1) documentos encaminhado ao promotor Dr.Rinaldo sobre a omissão da P.M. de Barra do Bugres, sobre quando os moradores faz um chamado a policia militar e não são atendido; 2) em frente o posto de saúde fica cheio de usuários de drogas; 3) em frente a escola José Ourives tem um bar, com usuários e a rodovia Marechal Rondon com inúmeros bares e com prostituição visivelmente; 4) não pode se o trabalhador com bandido ou usuário de drogas (Professora Vânia). O Governo federal tem que fazer uma ação forte de combate ao contrabando (Prefeito de Barra do Bugres 1 ) ª Palestra - TRATAMENTO, RECUPERAÇÃO E REINSERÇÃO SOCIAL Após o intervalo, às 10h40min, foi dado início a 3ª palestra com o tema Tratamento, Recuperação e Reinserção Social proferida por Luciana Lopes Castanha Souto - Secretária Municipal de Saúde de Barra do Bugres, sob a Coordenação da Psicóloga Maria Helena dos Santos Conselheira do CONEN. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Palestrante: Luciana Lopes Castanha Souto e Coordenadora de Mesa Maria Helena dos Santos. 1. O Prefeito de Barra do Bugres Wilson Francelino de Oliveira estava participando da Marcha dos Prefeitos em Brasília e no seu retorno, foi ao evento para suas saudações. 50

52 Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Público desta Palestra. Enquanto gestora responsável pela Secretária de Saúde do Município teceu considerações amplas e específicas, e dentre estas expressou a sua posição de desencadear um trabalho de saúde, principalmente, com os jovens adictos. Por outro lado, há extrema necessidade de se ocupar a mente e o corpo deste segmento populacional, pois mente sem ocupação dá espaço às coisas não boas - mentes vazias oficina do diabo. Tem que ser dada continuidade nos trabalhos, tirar dos Fóruns subsídios para ir em frente e não parar. Capacitação continuada - Que tenhamos multiplicadores qualificados nessa área nos municípios para propagar informações sobre drogas. Após estas considerações iniciais passou a apresentar os slides que fundamentam sua palestra: 51

53 MATERIAL APRESENTADO PELO PALESTRANTE: 52

54 53

55 54

56 55

57 56

58 57

59 58

60 59

61 60

62 61

63 62

64 63

65 64

66 65

67 66

68 As 11h25min encerra a palestra e ressalta que se deve ter prioridades para ver o que será trabalhado primeiro, sem perder de vista os recursos financeiros, pois na gestão publica o planejamento ocorre de um ano para o outro e sem estes as ações tornam-se inviáveis razão de se priorizar e ao mesmo tempo hierarquizá-las de acordo com a necessidade e grau de relevância. Ela cita como exemplo: o cobertor - quando é pequeno você vai cobrir onde se tem mais frio... Debates e Contribuição: A participação vem se expressando no decorrer dos debates e contribuições, ainda de forma tímida e nem sempre dentro do tema abordado. Foi uma palestra significativa, mas com apenas uma pergunta dirigida a palestrante, conforme se segue: O que fazer com alunos agressivos? Resposta Luciana - Procurar saber com a criança o que está acontecendo para só assim analisar o que pode ser feito. A palestra se encerrou as 11h15min, com previsão de retorno para as 14h ª palestra - Redução de Danos Sociais e a Saúde No período vespertino as atividades tiveram inicio às 14h15min sob a coordenadora de mesa da Prof. Dra. Maria de Sousa Rodrigues que fez alguns esclarecimentos em relação ao 67

69 desenvolvimento dos fóruns de modo geral. Em seguida convidou o Sr. Jorge Scarpellini - Terapeuta Ocupacional da Secretaria de Estado de Saúde e Coordenador do Centro de Atenção Psicossocial - CAPS de Barra do Bugres, para proferir a quarta palestra intitulada: Redução de Danos Sociais e a Saúde. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Palestrante: Jorge Scarpellini Introduziu a sua fala com a abordagem sobre as drogas licitas (café, Cerveja, remédios...) e ilícitas (maconha, crack, pasta base...) e evidenciou a necessidade de se advertir a cerca das consequências do uso indevido destas substâncias psicoativas, bem como realizar campanhas, mostrar o mal que as drogas podem causar na vida das pessoas e afirmou: isto é redução de danos. Para poder fazer um bom tratamento é preciso que o usuário queira. Mas, alguns cuidados devem ser observados ao se fazer a abordagem do usuário, que implica em se conhecer o assunto e preparo para o trabalho, caso contrário os efeitos podem não ocorrer e mesmo piorar a situação. E após esta introdução inicial apresentou o material abaixo. 68

70 MATERIAL APRESENTADO PELO PALESTRANTE: 69

71 70

72 71

73 72

74 73

75 74

76 75

77 76

78 77

79 78

80 79

81 80

82 81

83 82

84 83

85 84

86 85

87 86

88 Debates e Contribuições: As 15h02min encerrou a sua fala e em seguida a coordenadora de mesa abre para as perguntas e contribuição: Qual são os tratamentos oferecidos para a família do usuário? O que fazer quando a família desiste do dependente químico? E como resgatar essa família? Qual é o numero de habitantes para a composição de CAPS? Se for paciente de outro município pode vir com a família ou só, ou precisa ser encaminhado pelo Secretário de Saúde? Qual é o trabalho que os PSFs desenvolvem dentro do município com relação aos usuários de droga e álcool? Um dependente químico do crack em tratamento, ou seja, tem cura? Resposta: (Jorge Scarpellini) - Dependente químico tem cura desde que faça o tratamento correto sem interrupções e é muito importante a ajuda da família. Resposta: (Luciana Lopes) - Cada município tem responsabilidade pelos seus usuários, pode sim fazer parcerias, mas a responsabilidade é do próprio município - CAPS. Foi repassado verbas dos governos Federal e Municipal para vários municípios, mas para isso implica em que cada Secretaria Municipal de Saúde, anterior passe por toda tramitação formal com Conselhos e Fundos específicos para que sejam distribuídos os recursos via projetos. Luciana Lopes informou que foram repassados R$ ,00 (dez mil reais) em parcela única 87

89 para custeio de tratamento a alguns municípios, porém nem todos aderiram, pois é preciso que se de sequencia ao tratamento que não é barato. Intervalo - 15h30min ª Palestra - ESTUDOS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES As 15h45min retornamos as atividades, coordenadas por Luzia de Lurdes Severo Lins - Assessora da Deputada Vera Araújo, que convidou os Profs. MSC. Márcio Urel Rodrigues e o Prof. Esp. Acelmo de Jesus Brito, ambos integrantes do Departamento de Matemática da Universidade Estadual/MT, Campus - UNEMAT/Barra do Bugres, para ministrarem a 5º palestra do dia com o tema: Estudos, Pesquisas e Avaliações. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Palestrantes Marcio Urel Rodrigues, Professor Acelmo de Jesus Brito e Coordenadora de mesa Luzia de Lurdes Severo Lins. O Prof. MSC. Márcio Urel Rodrigues ressaltou que se preocupa como professor em relação às unidades de ensino, que hoje os alunos não querem ficar nenhum minuto a mais na mesma, pois o mundo fora desta lhe parece mais atrativo e, portanto prendem sua atenção. Informou que substância como a maconha fica presente no organismo, aproximadamente 30 dias para ser eliminado totalmente deste, no caso de uma dose de 500mg. Significa dizer que o uso na vida do individuo, por exemplo, em menos de 10 dias a maconha ainda permanece no organismo, o que caracteriza inicio do ciclo dependência/ vício. 88

90 Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Palestrantes Marcio Urel Rodrigues, Professor Acelmo de Jesus Brito e Coordenadora de mesa Luzia de Lurdes Severo Lins. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Palestrantes Marcio Urel Rodrigues, Professor Acelmo de Jesus Brito e Coordenadora de mesa Luzia de Lurdes Severo Lins. Na sequência da palestra o Professor Acelmo de Jesus Brito, também Contribuiu com o tema, apresentou dados sobre o mesmo no Município, evidenciou que há elevado índice do uso do álcool em Barra do Bugres e complementou com uma análise descritiva e gráfica da violência doméstica. Fez uma reflexão no sentido do que pensa em relação aos professores, ao afirmar se cada discente adotasse trabalhar o tema na transversalidade de acordo com sua disciplina, com certeza 89

91 enriqueceria a sua aula, bem como a sua contribuição no âmbito da pesquisa Estudos, Pesquisas e Avaliações. E concluiu que esclarecer e prevenir os estudantes em relação drogas esse é o papel e transversalidade da escola. MATERIAL APRESENTADO PELOS PALESTRANTES: 90

92 91

93 92

94 93

95 94

96 95

97 96

98 97

99 98

100 99

101 100

102 101

103 102

104 103

105 104

106 As 16h40min finalizaram a palestra e a coordenadora da mesa Luzia de Lurdes Severo Lins, agradeceu os palestrantes, teceu elogios a ambos, ressaltou domínios sobre o tema, pois conseguiram trabalhar com a disciplina que ministram - matemática - mostraram e demostraram por meios de dados e gráficos toda a problemática. Debates e Contribuições: A plenária trouxe mais preocupações que indagações ora dentro do tema ora fora destes, mas contributivas. O que é feito quando o professor se depara com um adolescente dependente químico? Que providencias o professor deve tomar? Quem são os culpados por esses alunos não permanecerem na escola? Tem algum projeto para colocar uma equipe multidisciplinar nas faculdades e escolas em Barra do Bugres? Só assim diminuiria o índice de dependentes químicos? Se o aluno usuário estiver matriculado e for assíduo na escola, porém não assiste as aulas o que fazer, se não conseguimos atendimento para ele a mãe já pediu ajuda e ninguém apareceu pra ajudar disse para esperar já tem duas semanas que esperamos. Com referencia a internet como meio de comunicação de massa existe algum revés negativo com relação a drogatização já catalogado? Desde quando é feito a triagem no CAPS quanto a dados quantitativos qual é o percentual (+-) usuários menores em Barra do Bugres ou onde conseguir esses dados? Existe um levantamento sobre qual a porcentagem de alunos seja na UNEMAT ou escolas publicas que são usuários de drogas? Como as escolas trabalhariam com esses alunos pensando na recuperação dos mesmos? Qual é o índice de dependentes químicos em Barra do Bugres? ª Palestra - REDUÇÃO DA OFERTA Na continuidade das ações deste dia, as 16h52min, foi passada a coordenação da mesa à Profa. Dra. Maria de Sousa Rodrigues, que convidou Dra. Luciani Barros Pereira de Lima - Delegada da Policia Judiciária Civil de Barra do Bugres para proferir a 6ª e última palestra com o tema: Redução da Oferta. A Drª. Luciani, inicialmente, pede desculpas pelo atraso, pois, teve que trocar de horário com a palestrante anterior, porque se encontrava em Tangará da Serra ministrando outra palestra. O papel da família é fundamental para o resgate do dependente químico. É necessário um trabalho conjunto, ou seja: família, policia, governo e sociedade. O município para as drogas nada mais é que um corredor de passagem, mas estas nem sempre permanecem nestes, funciona como um pequeno boqueiro 2 para comercialização do produto. A rotatividade de boca de fumo é 2. Boqueiro é um intermediário para vender/entregar a droga para ele poder ter condições para ter a droga para seu próprio consumo. E justamente esses que estão dando dor de cabeça para o município. 105

107 muito rápida. Após essas considerações a palestrante passou a apresentar slides formativos, conforme segue. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Palestrante Drª. Luciani Barros Pereira de Lima. MATERIAL APRESENTADO PELO PALESTRANTE: 106

108 107

109 108

110 109

111 110

112 111

113 112

114 113

115 114

116 As 17h35min encerrou a sua fala e informou que o efetivo que a Polícia Civil dispõem são oito Policiais no município e os dependentes já os conhecem, o que torna difícil o combate as drogas, pois os artifícios que os dependentes químicos utilizam para driblar a policia são inúmeros. Debates e Contribuições: Em relação à poluição sonora doméstica o que o cidadão que trabalha que medidas devem ser tomadas? Por que ninguém elaborou uma lei municipal para intervir nos horários dos bares e lanchonetes quem faz as leis são vereadores por que não foi feita ainda? Com relação as duas operações realizadas no inicio de seu trabalho em Barra do Bugres do total de pessoas atendidas quantos ainda estão presos? Existe algum trabalho da policia em conjunto com o governo para fazer mudanças necessárias na lei e melhorar a atuação da policia contra os traficantes? Muitos gestores municipais inclusive o de Barra do Bugres, defendem a repressão como a forma mais eficaz de combater o trafico de drogas. Qual é a sua opinião sobre este fato? E qual é a sua opinião sobre a diminuição da maioridade? Que outro projeto além deste que você fez está sendo feito? Doutora será que intimidaria as drogas com mais efetivo nas ruas fazendo ronda nas escolas? Sobre empresas que oferecem vagas para menores, e abatem no imposto? No caso do adolescente que recebe benefícios ou aposentadoria (alunos da PAE). Se for inclusos no comercio local como aprendiz (1º emprego), que no caso receberão meio salário. Ele perde o beneficio ou aposentadoria? E se o aluno (especial) for maior de idade perde ou não o beneficio? E por quanto tempo ele pode trabalhar na mesma empresa? (Profª Sônia). Os trabalhos deste dia foram encerrados às 17h55min, com os agradecimentos pela coordenadora de mesa que lembrou as atividades do dia seguinte terão inicio às 8h com as oficinas. 5. OFICINAS No dia 13 de maio de 2011, na Câmera Municipal de Barra do Bugres/MT, foi dada continuidade ao II Fórum Regional sobre Drogas, de acordo com a metodologia (apêndice 02) definida para esta sessão e aprovada pelo plenário. Desta feita, recorremos ao material recebido por cada participante e dentro destes uma cartilha contendo as propostas dos 05 eixos da PNAD a serem trabalhadas no decorrer desta sessão. 115

117 Salienta-se que trata de um realinhamento destes eixos à Política Nacional sobre Drogas - PNAD, para subsidiar a elaboração da Política Estadual sobre Drogas - PEAD, fundamentada na realidade mato-grossense dos 15 Pólos que integram os Consórcios Municipais de Desenvolvimento Econômico, Social, Ambiental Turístico e Sustentável de Mato Grosso, conforme estabelecido no Programa MT/Regional. Frente ao exposto, por questão didática, apresentamos as propostas de cada eixo com as respectivas devolutivas dos integrantes de cada oficina, com posterior apreciação, discussão e aprovação da plenária constituída para tal, enquanto propostas para o Fórum Estadual sobre Drogas que deverá ocorrer em dezembro de Esta sessão teve inicio às 8h15min, com a apresentação da metodologia, lida pela Profa. Dra. Maria Jacobina da Cruz Bezerra, seguida da leitura dos nomes de todos os participantes em cada oficina temática, com suas respectivas coordenações e facilitadores. PROPOSTAS PARA APRECIAÇÃO, DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA PLENÁRIA CONSTITUÍDA PARA TAL, NO II FÓRUM REGIONAL DE BARRA DO BUGRES/MT ª Oficina - PRESSUPOSTOS BÁSICOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL SOBRE DROGAS Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina: Pressupostos e Objetivos. Coordenação d a Conselheira do CONEN Maria Helena dos Santos e Facilitadora Bolsista de Serviço Social Karoline Fernanda Leite dos Santos 116

118 Foto: Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina: Pressupostos e Objetivos. Coordenação d a Conselheira do CONEN Maria Helena dos Santos e Facilitadora Bolsista de Serviço Social Karoline Fernanda Leite dos Santos Pressupostos da Política Estadual sobre Drogas a) Original: Buscar, incessantemente, atingir o ideal de construção de uma sociedade livre do uso de drogas ilícitas e do uso indevido de drogas lícitas. Oficina: Buscar, incessantemente, atingir o ideal de construção de uma sociedade livre do uso de drogas ilícitas e do uso indevido de drogas lícitas. Aprovado na plenária: Buscar, incessantemente, atingir o ideal de construção de uma sociedade livre do uso de drogas ilícitas e do uso indevido de drogas lícitas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Reconhecer as diferenças entre o usuário, a pessoa em uso indevido, o dependente e o traficante de drogas, tratando-os de forma diferenciada. Oficina: Reconhecer as diferenças entre o usuário, a pessoa em uso indevido, o dependente e o traficante de drogas, tratando-os de forma diferenciada. Aprovado na plenária: Reconhecer as diferenças entre o usuário, a pessoa em uso indevido, o dependente e o traficante de drogas, tratando-os de forma diferenciada. 117

119 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: Tratar de forma igualitária, sem discriminação, as pessoas usuárias ou dependentes de drogas lícitas ou ilícitas. Oficina: Tratar de forma igualitária, sem discriminação, as pessoas usuárias ou dependentes de drogas lícitas ou ilícitas. Aprovado na plenária: Tratar de forma igualitária, sem discriminação, as pessoas usuárias ou dependentes de drogas lícitas ou ilícitas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: Buscar a conscientização do usuário e da sociedade em geral de que o uso de drogas ilícitas alimenta as atividades e organizações criminosas que tem, no narcotráfico, sua principal fonte de recursos financeiros. Oficina: Buscar a conscientização do usuário e da sociedade em geral de que o uso de drogas ilícitas alimenta as atividades e organizações criminosas que tem, no narcotráfico, sua principal fonte de recursos financeiros. Aprovado na plenária: Buscar a conscientização do usuário e da sociedade em geral de que o uso de drogas ilícitas alimenta as atividades e organizações criminosas que tem, no narcotráfico, sua principal fonte de recursos financeiros. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: Garantir o direito de receber tratamento adequado a toda a pessoa com problemas decorrentes do uso indevido de drogas. Oficina: Garantir o direito de receber tratamento adequado a toda a pessoa com problemas decorrentes do uso indevido de drogas. Aprovado na plenária: Garantir o direito de receber tratamento adequado a toda a pessoa com problemas decorrentes do uso indevido de drogas. 118

120 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: Priorizar a prevenção do uso indevido de drogas, por ser a intervenção mais eficaz e de menor custo para a sociedade. Oficina: ENFANTIZAR a prevenção do uso indevido de drogas, por ser a intervenção mais eficaz e de menor custo para a sociedade. Aprovado na plenária: Priorizar a prevenção do uso indevido de drogas, por ser a intervenção mais eficaz e de menor custo para a sociedade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Não confundir as estratégias de redução de danos como incentivo ao uso indevido de drogas, pois se trata de uma estratégia de prevenção. Oficina: Não confundir as estratégias de redução de danos como incentivo ao uso indevido de drogas, pois se trata de uma estratégia de prevenção. Aprovado na plenária: Não confundir as estratégias de redução de danos como incentivo ao uso indevido de drogas, pois se trata de uma estratégia de prevenção. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM h) Original: Intensificar, de forma ampla, a cooperação nacional e internacional, participando de fóruns sobre drogas, bem como estreitando as relações de colaboração multilateral, respeitando a soberania nacional. Oficina: Intensificar, de forma ampla, a cooperação Internacional, Nacional, Estadual e Municipal participando de fóruns sobre drogas, bem como estreitando as relações de colaboração multilateral, respeitando a soberania Nacional. Aprovado na plenária: Intensificar, de forma ampla, a cooperação nacional e internacional, participando de fóruns sobre drogas, bem como estreitando as relações de colaboração multilateral, respeitando a soberania nacional. 119

121 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM i) Original: Reconhecer a corrupção e a lavagem de dinheiro como as principais vulnerabilidades a serem alvo das ações repressivas, visando ao desmantelamento do crime organizado, em particular do relacionado com as drogas. Oficina: Reconhecer a corrupção e a lavagem de dinheiro como as principais vulnerabilidades a serem alvo das ações repressivas, visando ao desmantelamento do crime organizado, em particular do relacionado com as drogas. Aprovado na plenária: Reconhecer a corrupção e a lavagem de dinheiro como as principais vulnerabilidades a serem alvo das ações repressivas, visando ao desmantelamento do crime organizado, em particular do relacionado com as drogas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM j) Original: Reconhecer a necessidade de elaborar planejamento que permita a realização de ações coordenadas dos diversos órgãos envolvidos no problema, a fim de impedir a utilização do território nacional para o cultivo, a produção, a armazenagem, o trânsito e o tráfico de drogas ilícitas. Oficina: Reconhecer a necessidade de elaborar planejamento que permita a realização de ações coordenadas dos diversos órgãos envolvidos no problema, a fim de impedir a utilização do território nacional, Estadual e Municipal para o cultivo, a produção, a armazenagem, o trânsito e o tráfico de drogas ilícitas. Aprovado na plenária: Reconhecer a necessidade de elaborar planejamento que permita a realização de ações coordenadas dos diversos órgãos envolvidos no problema, a fim de impedir a utilização do território nacional, Estadual e Municipal para o cultivo, a produção, a armazenagem, o trânsito e o tráfico de drogas ilícitas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 120

122 k) Original: Garantir, incentivar e articular, por intermédio do Conselho Estadual de políticas sobre Drogas (CONEN), o desenvolvimento de estratégias de planejamento e avaliação nas políticas de educação, assistência social, saúde e segurança pública, em todos os campos relacionados às drogas. Oficina: Garantir, incentivar e articular, por intermédio do Conselho Estadual políticas sobre Drogas e Conselho Municipal sobre Álcool e Drogas (CONEN e COMAD), o desenvolvimento de estratégias de planejamento e avaliação nas políticas de educação, assistência social, saúde e segurança pública, em todos os campos relacionados às drogas. Aprovado na plenária: Garantir, incentivar e articular, por intermédio do Conselho Estadual políticas sobre Drogas e Conselho Municipal sobre Álcool e Drogas (CONEN e COMAD), o desenvolvimento de estratégias de planejamento e avaliação nas políticas de educação, assistência social, saúde e segurança pública, em todos os campos relacionados às drogas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM l) Original: Orientar ações para reduzir a oferta de drogas, por intermédio de atuação coordenada e integrada dos órgãos responsáveis pela persecução criminal em níveis federal e estadual, visando realizar ações repressivas e processos criminais contra os responsáveis pela produção e pelo tráfico de substâncias proscritas, de acordo com o previsto na legislação. Oficina: Orientar ações para reduzir a oferta de drogas, por intermédio de atuação coordenada e integrada dos órgãos responsáveis pela persecução criminal em níveis federal, estadual e municipal visando realizar ações repressivas e processos criminais contra os responsáveis pela produção e pelo tráfico de substâncias proscritas, de acordo com o previsto na legislação. Aprovado na plenária: Orientar ações para reduzir a oferta de drogas, por intermédio de atuação coordenada e integrada dos órgãos responsáveis pela persecução criminal em níveis federal, estadual e municipal visando realizar ações repressivas e processos criminais contra os responsáveis pela produção e pelo tráfico de substâncias proscritas, de acordo com o previsto na legislação. 121

123 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM m) Original: Fundamentar, no princípio da responsabilidade compartilhada, a coordenação de esforços entre os diversos segmentos do governo e da sociedade, em todos os níveis, buscando efetividade e sinergia no resultado das ações, no sentido de obter redução da oferta e do consumo de drogas, do custo social a elas relacionado e das conseqüências adversas do uso e do tráfico de drogas ilícitas e do uso indevido de drogas lícitas. Oficina: Fundamentar, no princípio da responsabilidade compartilhada, a coordenação de esforços entre os diversos segmentos do governo e da sociedade, em todos os níveis, buscando efetividade e sinergia no resultado das ações, no sentido de obter redução da oferta e do consumo de drogas, do custo social a elas relacionado e das conseqüências adversas do uso e do tráfico de drogas ilícitas e do uso indevido de drogas lícitas. Aprovado na plenária: Fundamentar, no princípio da responsabilidade compartilhada, a coordenação de esforços entre os diversos segmentos do governo e da sociedade, em todos os níveis, buscando efetividade e sinergia no resultado das ações, no sentido de obter redução da oferta e do consumo de drogas, do custo social a elas relacionado e das conseqüências adversas do uso e do tráfico de drogas ilícitas e do uso indevido de drogas lícitas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM n) Original: Garantir a implantação, efetivação e melhoria dos programas, ações e atividades de redução da demanda (prevenção, tratamento, recuperação e reinserção social) e de danos, levando em consideração os indicadores de qualidade de vida, respeitando potencialidades e princípios éticos. Oficina: Garantir a implantação, efetivação e melhoria dos programas, ações e atividades de redução da demanda (prevenção, tratamento, recuperação e reinserção social) e de danos, levando em consideração os indicadores de qualidade de vida, respeitando potencialidades e princípios éticos. Aprovado na plenária: Garantir a implantação, efetivação e melhoria dos programas, ações e atividades de redução da demanda (prevenção, tratamento, recuperação e 122

124 reinserção social) e de danos, levando em consideração os indicadores de qualidade de vida, respeitando potencialidades e princípios éticos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM o) Original: Incentivar, orientar e propor o aperfeiçoamento da legislação, para garantir a implementação e a fiscalização das ações decorrentes desta política. Oficina: Incentivar, orientar e propor o aperfeiçoamento da legislação, para garantir a implementação e a fiscalização das ações decorrentes desta política. Aprovado na plenária: Incentivar, orientar e propor o aperfeiçoamento da legislação, para garantir a implementação e a fiscalização das ações decorrentes desta política. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM p) Original: Pesquisar, experimentar e implementar novos programas, projetos e ações, de forma pragmática e sem preconceitos, visando à prevenção, ao tratamento, à reinserção psicossocial, à redução da demanda, da oferta e de danos, com fundamento em resultados científicos comprovados. Oficina: Pesquisar, experimentar e implementar novos programas, projetos e ações, de forma pragmática e sem preconceitos, visando à prevenção, ao tratamento, à reinserção psicossocial, à redução da demanda, da oferta e de danos, com fundamento em resultados científicos comprovados. Aprovado na plenária: Pesquisar, experimentar e implementar novos programas, projetos e ações, de forma pragmática e sem preconceitos, visando à prevenção, ao tratamento, à reinserção psicossocial, à redução da demanda, da oferta e de danos, com fundamento em resultados científicos comprovados. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM q) Original: Garantir que o Sistema Nacional sobre Drogas (SISEAD) seja implementado por meio dos conselhos em todos os níveis de governo e que esses possuam caráter deliberativo, 123

125 articulador, normativo e consultivo, assegurando-se a composição paritária entre sociedade civil e governo. Oficina: Garantir que o Sistema Estadual sobre Drogas (SISEAD) seja implementado por meio dos conselhos em todos os níveis de governo e que esses possuam caráter deliberativo, articulador, normativo e consultivo, assegurando-se a composição paritária entre sociedade civil e governo. Aprovado na plenária: Garantir que o Sistema Estadual sobre Drogas (SISEAD) seja implementado por meio dos conselhos em todos os níveis de governo e que esses possuam caráter deliberativo, articulador, normativo e consultivo, assegurando-se a composição paritária entre sociedade civil e governo. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM r) Original: Reconhecer o uso irracional das drogas lícitas como fator importante na indução de dependência, devendo, por esse motivo, ser objeto de um adequado controle social, especialmente nos aspectos relacionados à propaganda, à comercialização e à acessibilidade de populações vulneráveis, tais como crianças e adolescentes. Oficina: Reconhecer o uso irracional das drogas lícitas como fator importante na indução de dependência, devendo, por esse motivo, ser objeto de um adequado controle social, especialmente nos aspectos relacionados à propaganda, à comercialização e à acessibilidade de populações vulneráveis, tais como crianças e adolescentes. Aprovado na plenária: Reconhecer o uso irracional das drogas lícitas como fator importante na indução de dependência, devendo, por esse motivo, ser objeto de um adequado controle social, especialmente nos aspectos relacionados à propaganda, à comercialização e à acessibilidade de populações vulneráveis, tais como crianças e adolescentes. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM s) Original: Garantir dotações orçamentárias permanentes para o Fundo Estadual sobre Drogas (FEA/MT), a fim de implementar ações propostas pela Política Estadual sobre Drogas, com ênfase para aquelas relacionadas aos capítulos da PNAD: prevenção, tratamento e reinserção social, redução de danos, redução da oferta, estudos e pesquisas. 124

126 Oficina: Garantir dotações orçamentárias permanentes para o Fundo Estadual e municipal sobre Drogas (FEA/MT), a fim de implementar ações propostas pela Política Estadual sobre Drogas, com ênfase para aquelas relacionadas aos capítulos da PNAD: prevenção, tratamento e reinserção social, redução de danos, redução da oferta, estudos e pesquisas. Aprovado na plenária: Garantir dotações orçamentárias permanentes para o Fundo Estadual e municipal sobre Drogas (FEA/MT), a fim de implementar ações propostas pela Política Estadual sobre Drogas, com ênfase para aquelas relacionadas aos capítulos da PNAD: prevenção, tratamento e reinserção social, redução de danos, redução da oferta, estudos e pesquisas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM Objetivos da Política Estadual sobre Drogas a) Original: Conscientizar a sociedade brasileira sobre os prejuízos sociais e as implicações negativas representadas pelo uso indevido de drogas e suas conseqüências. Oficina: Conscientizar a sociedade brasileira e mato-grossense sobre os prejuízos sociais e as implicações negativas representadas pelo uso indevido de drogas e suas conseqüências. Aprovado na plenária: Conscientizar a sociedade brasileira e mato-grossense sobre os prejuízos sociais e as implicações negativas representadas pelo uso indevido de drogas e suas consequências. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Educar, informar, capacitar e formar pessoas em todos os segmentos sociais para a ação efetiva e eficaz de redução da demanda, da oferta e de danos, fundamentada em conhecimentos científicos validados e em experiências bem-sucedidas, adequadas à nossa realidade. Oficina: Educar, informar, capacitar e formar pessoas em todos os segmentos sociais para a ação efetiva e eficaz de redução da demanda, da oferta e de danos, fundamentada em conhecimentos científicos validados e em experiências bem-sucedidas, adequadas à nossa realidade. 125

127 Aprovado na plenária: Educar, informar, capacitar e formar pessoas em todos os segmentos sociais para a ação efetiva e eficaz de redução da demanda, da oferta e de danos, fundamentada em conhecimentos científicos validados e em experiências bemsucedidas, adequadas à nossa realidade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: Conhecer, sistematizar e divulgar as iniciativas, ações e campanhas de prevenção do uso indevido de drogas, em uma rede operativa, com a finalidade de ampliar sua abrangência e eficácia. Oficina: Conhecer, sistematizar e divulgar as iniciativas, ações e campanhas estaduais e municipais de prevenção do uso indevido de drogas, em uma rede operativa, com a finalidade de ampliar sua abrangência e eficácia. Aprovado na plenária: Conhecer, sistematizar e divulgar as iniciativas, ações e campanhas estaduais e municipais de prevenção do uso indevido de drogas, em uma rede operativa, com a finalidade de ampliar sua abrangência e eficácia. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: Implantar e implementar rede de assistência integrada, pública e privada, intersetorial, para pessoas com transtornos decorrentes do consumo de substâncias psicoativas, fundamentada em conhecimento validado, de acordo com a normatização funcional mínima, integrando os esforços desenvolvidos no tratamento. Oficina: Implantar e implementar rede de assistência integrada, pública e privada, intersetorial, para pessoas com transtornos decorrentes do consumo de substâncias psicoativas, fundamentada em conhecimento validado, de acordo com a normatização funcional mínima, integrando os esforços desenvolvidos no tratamento. Aprovado na plenária: Implantar e implementar rede de assistência integrada, pública e privada, intersetorial, para pessoas com transtornos decorrentes do consumo de substâncias psicoativas, fundamentada em conhecimento validado, de acordo com a normatização funcional mínima, integrando os esforços desenvolvidos no tratamento. 126

128 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: Avaliar e acompanhar sistematicamente os diferentes tratamentos e iniciativas terapêuticas fundamentados em diversos modelos, com a finalidade de promover aqueles que obtiverem resultados favoráveis. Oficina: Avaliar e acompanhar sistematicamente os diferentes tratamentos e iniciativas terapêuticas fundamentados em diversos modelos, com a finalidade de promover aqueles que obtiverem resultados favoráveis. Aprovado na plenária: Avaliar e acompanhar sistematicamente os diferentes tratamentos e iniciativas terapêuticas fundamentados em diversos modelos, com a finalidade de promover aqueles que obtiverem resultados favoráveis. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: Reduzir as conseqüências sociais e de saúde decorrentes do uso indevido de drogas para a pessoa, a comunidade e a sociedade. Oficina: Reduzir as conseqüências sociais e de saúde decorrentes do uso indevido de drogas para a pessoa, a comunidade e a sociedade. Aprovado na plenária: Reduzir as conseqüências sociais e de saúde decorrentes do uso indevido de drogas para a pessoa, a comunidade e a sociedade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Difundir o conhecimento sobre os crimes, delitos e infrações relacionados às drogas ilícitas e lícitas, prevenindo-os e coibindo-os por meio da implementação e efetivação de políticas públicas para a melhoria da qualidade de vida do cidadão. Oficina: Difundir o conhecimento sobre os crimes, delitos e infrações relacionados às drogas ilícitas e lícitas, prevenindo-os e coibindo-os por meio da implementação e efetivação de políticas públicas para a melhoria da qualidade de vida do cidadão. 127

129 Aprovado na plenária: Difundir o conhecimento sobre os crimes, delitos e infrações relacionados às drogas ilícitas e lícitas, prevenindo-os e coibindo-os por meio da implementação e efetivação de políticas públicas para a melhoria da qualidade de vida do cidadão. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM h) Original: Combater o tráfico de drogas e os crimes conexos, em todo o território nacional, dando ênfase às áreas de fronteiras terrestres, aéreas e marítimas, por meio do desenvolvimento e da implementação de programas socioeducativos específicos, multilaterais, que busquem a promoção da saúde e a reparação dos danos causados à sociedade. Oficina: Combater o tráfico de drogas e os crimes conexos, em todo o território nacional, estadual e municipal dando ênfase às áreas de fronteiras terrestres, aéreas e marítimas, por meio do desenvolvimento e da implementação de programas socioeducativos específicos, multilaterais, que busquem a promoção da saúde e a reparação dos danos causados à sociedade. Aprovado na plenária: Combater o tráfico de drogas e os crimes conexos, em todo o território nacional, estadual e municipal dando ênfase às áreas de fronteiras terrestres, aéreas e marítimas, por meio do desenvolvimento e da implementação de programas socioeducativos específicos, multilaterais, que busquem a promoção da saúde e a reparação dos danos causados à sociedade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM i) Original: Assegurar, de forma contínua e permanente, o combate à corrupção e à lavagem de dinheiro, como forma de estrangular o fluxo lucrativo desse tipo de atividade ilegal, que diz respeito ao tráfico de drogas. Oficina: Assegurar, de forma contínua e permanente, o combate à corrupção e à lavagem de dinheiro, como forma de estrangular o fluxo lucrativo desse tipo de atividade ilegal, que diz respeito ao tráfico de drogas. Aprovado na plenária: Assegurar, de forma contínua e permanente, o combate à corrupção e à lavagem de dinheiro, como forma de estrangular o fluxo lucrativo desse tipo de atividade ilegal, que diz respeito ao tráfico de drogas. 128

130 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM j) Original: Instituir, Manter e atualizar, de forma contínua, o Observatório de Informações sobre Drogas em Mato Grosso (OBID/MT), para fundamentar, dentro de outras finalidades, o desenvolvimento de programas e intervenções dirigidos à redução de demanda (prevenção, tratamento e reinserção psicossocial), de danos e de oferta de drogas, resguardados o sigilo e a confidencialidade, e seguidos os procedimentos éticos de pesquisa e armazenamento de dados. Oficina: Instituir, Manter e atualizar, de forma contínua, o Observatório Mato-Grossense de Informações sobre Drogas (OBID/MT), para fundamentar, dentro de outras finalidades, o desenvolvimento de programas e intervenções dirigidos à redução de demanda (prevenção, tratamento e reinserção psicossocial), de danos e de oferta de drogas, resguardados o sigilo e a confidencialidade, e seguidos os procedimentos éticos de pesquisa e armazenamento de dados. Aprovado na plenária: Instituir, Manter e atualizar, de forma contínua, o Observatório Mato-Grossense de Informações sobre Drogas (OBID/MT), para fundamentar, dentro de outras finalidades, o desenvolvimento de programas e intervenções dirigidos à redução de demanda (prevenção, tratamento e reinserção psicossocial), de danos e de oferta de drogas, resguardados o sigilo e a confidencialidade, e seguidos os procedimentos éticos de pesquisa e armazenamento de dados. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM k) Original: Garantir rigor metodológico às atividades de redução da demanda, da oferta e de danos, por meio da promoção de levantamentos e pesquisas sistemáticos, avaliados por órgãos de referência da comunidade científica. Oficina: Garantir rigor metodológico às atividades de redução da demanda, da oferta e de danos, por meio da promoção de levantamentos e pesquisas sistemáticos, avaliados por órgãos de referência da comunidade científica. Aprovado na plenária: Garantir rigor metodológico às atividades de redução da demanda, da oferta e de danos, por meio da promoção de levantamentos e pesquisas sistemáticos, avaliados por órgãos de referência da comunidade científica. 129

131 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM l) Original: Garantir a realização de estudos e pesquisas visando à inovação dos métodos e programas de redução da demanda, da oferta e dos danos sociais e à saúde. Oficina: Garantir a realização de estudos e pesquisas visando à inovação dos métodos e programas de redução da demanda, da oferta e dos danos sociais e à saúde. Aprovado na plenária: Garantir a realização de estudos e pesquisas visando à inovação dos métodos e programas de redução da demanda, da oferta e dos danos sociais e à saúde. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM m) Original: Instituir, em todos os níveis de governo, com rigor metodológico, sistema de planejamento, acompanhamento e avaliação das ações de redução da demanda, da oferta e dos danos sociais e à saúde. Oficina: Instituir, em todos os níveis de governo, com rigor metodológico, sistema de planejamento, acompanhamento e avaliação das ações de redução da demanda, da oferta e dos danos sociais e à saúde. Aprovado na plenária: Instituir, em todos os níveis de governo, com rigor metodológico, sistema de planejamento, acompanhamento e avaliação das ações de redução da demanda, da oferta e dos danos sociais e à saúde. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM n) Original: Assegurar, em todos os níveis de governo, dotação orçamentária e efetivo controle social sobre os gastos e ações preconizadas nesta política, em todas as etapas de sua implementação, contemplando os preceitos estabelecidos pelo CONEN e incentivando a participação de toda a sociedade. 130

132 Oficina: Assegurar, em todos os níveis de governo, dotação orçamentária e efetivo controle social sobre os gastos e ações preconizadas nesta política, em todas as etapas de sua implementação, contemplando os preceitos estabelecidos pelo CONEN/MT e incentivando a participação de toda a sociedade. Aprovado na plenária: Assegurar, em todos os níveis de governo, dotação orçamentária e efetivo controle social sobre os gastos e ações preconizadas nesta política, em todas as etapas de sua implementação, contemplando os preceitos estabelecidos pelo CONEN/MT e incentivando a participação de toda a sociedade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM RESULTADO QUANTITATIVO DA OFICINA PRESSUPOSTOS BÁSICOS E OBJETIVOS PRESSUPOSTOS BÁSICOS PRESSUPOSTOS (19 Questões) OBJETIVOS (14 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL Obs: A totalização dos itens de cada oficina mantida, modificada, incluída, excluída e sem consenso, não confere com o total das questões de cada sessão, vez que os participantes dos Fóruns ora interpretaram que modificado seria seguido das palavras incluído e excluído, e assinalaram estes itens, ao passo que caberia somente assinalar o item modificado. 131

133 5.2. 2ª Oficina - PREVENÇÃO Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina de Prevenção sob a Coordenação Luzia de Lurdes Severo Lins - Assessora da Secretaria Adjunta de Estado de Justiça e Direitos Humanos e facilitadora Maria Jacobina da Cruz Bezerra Princípios Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina de Prevenção sob a Coordenação Luzia de Lurdes Severo Lins - Assessora da Secretaria Adjunta de Estado de Justiça e Direitos Humanos e facilitadora Maria Jacobina da Cruz Bezerra. a) Original: A efetiva prevenção é fruto do comprometimento, da cooperação e da parceria entre os diferentes segmentos da sociedade brasileira e dos órgãos governamentais, federal, estadual e municipal, fundamentada na filosofia da responsabilidade compartilhada, com a 132

134 construção de redes sociais que visem à melhoria das condições de vida e à promoção geral da saúde. Oficina: A efetiva prevenção é fruto do comprometimento, da cooperação e da parceria entre os diferentes segmentos da sociedade mato-grossense e dos órgãos governamentais, federal, estadual e municipal, fundamentada na filosofia da responsabilidade compartilhada, com a construção de redes sociais que visem à melhoria das condições de vida e à promoção geral da saúde. Aprovado na plenária: A efetiva prevenção é fruto do comprometimento, da cooperação e da parceria entre os diferentes segmentos da sociedade mato-grossense e dos órgãos governamentais, federal, estadual e municipal, fundamentada na filosofia da responsabilidade compartilhada, com a construção de redes sociais que visem à melhoria das condições de vida e à promoção geral da saúde. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: A execução desta política no campo da prevenção deve ser descentralizada nos municípios, com o apoio dos conselhos estaduais de políticas públicas sobre drogas e da sociedade civil organizada, adequada às peculiaridades locais e priorizando-se as comunidades mais vulneráveis, identificadas por diagnóstico. Para tanto, os municípios devem ser incentivados a instituir, fortalecer e divulgar seu Conselho Municipal sobre Drogas. Oficina: A execução desta política no campo da prevenção deve ser descentralizada nos municípios, com o apoio dos conselhos estaduais de políticas públicas sobre drogas e da sociedade civil organizada, adequada às peculiaridades locais e priorizando-se as comunidades mais vulneráveis, identificadas por diagnóstico. Para tanto, os municípios devem ser incentivados a instituir, fortalecer e divulgar seu Conselho Municipal sobre Drogas. Aprovado na plenária: A execução desta política no campo da prevenção deve ser descentralizada nos municípios, com o apoio dos conselhos estaduais de políticas públicas sobre drogas e da sociedade civil organizada, adequada às peculiaridades locais e priorizando-se as comunidades mais vulneráveis, identificadas por diagnóstico. Para tanto, os municípios devem ser incentivados a instituir, fortalecer e divulgar seu Conselho Municipal sobre Drogas. 133

135 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: As ações preventivas devem ser pautadas em princípios éticos e na pluralidade cultural, orientando-se para a promoção de valores voltados à saúde física e saúde mental, saúde individual e coletiva, ao bem-estar, à integração socioeconômica e à valorização das relações familiares, considerando seus diferentes modelos. Oficina: As ações preventivas devem ser pautadas em princípios éticos e na pluralidade cultural, orientando-se para a promoção de valores voltados à saúde física e saúde mental, saúde individual e coletiva, ao bem-estar, à integração socioeconômica e à valorização das relações familiares, considerando seus diferentes modelos. Aprovado na plenária: As ações preventivas devem ser pautadas em princípios éticos e na pluralidade cultural, orientando-se para a promoção de valores voltados à saúde física e saúde mental, saúde individual e coletiva, ao bem-estar, à integração socioeconômica e à valorização das relações familiares, considerando seus diferentes modelos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: As ações preventivas devem ser planejadas e direcionadas ao desenvolvimento humano, ao incentivo à educação para a vida saudável, ao acesso aos bens culturais, incluindo a prática de esportes, cultura e lazer, à socialização do conhecimento sobre drogas, com embasamento científico e ao fomento do protagonismo juvenil, da participação da família, da escola e da sociedade na multiplicação dessas ações. Oficina: As ações preventivas devem ser planejadas e direcionadas ao desenvolvimento humano, ao incentivo à educação para a vida saudável, ao acesso aos bens culturais, incluindo a prática de esportes, cultura e lazer, à socialização do conhecimento sobre drogas, com embasamento científico e ao fomento do protagonismo juvenil, da participação da família, da escola e da sociedade na multiplicação dessas ações por uma equipe multidisciplinar (psicólogo (a), assistente social e psicopedagogo (a)) PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO. Aprovado na plenária: As ações preventivas devem ser planejadas e direcionadas ao desenvolvimento humano, ao incentivo à educação para a vida saudável, ao acesso aos 134

136 bens culturais, incluindo a prática de esportes, cultura e lazer, à socialização do conhecimento sobre drogas, com embasamento científico e ao fomento do protagonismo juvenil, da participação da família, da escola e da sociedade na multiplicação dessas ações por uma equipe multidisciplinar (psicólogo (a), assistente social e psicopedagogo (a)) PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: As mensagens utilizadas em campanhas e programas educacionais e preventivos devem ser claras, atualizadas e fundamentadas cientificamente, considerando as especificidades do público-alvo, a diversidade cultural e a vulnerabilidade, respeitando as diferenças de gênero, raça e etnia. Oficina: As mensagens utilizadas em campanhas e programas educacionais e preventivos devem ser claras, atualizadas e impactantes fundamentadas cientificamente, considerando as especificidades do público-alvo, a diversidade cultural e a vulnerabilidade, respeitando as diferenças de gênero, raça e etnia. Aprovado na plenária: As mensagens utilizadas em campanhas e programas educacionais e preventivos devem ser claras, atualizadas e impactantes fundamentadas cientificamente, considerando as especificidades do público-alvo, a diversidade cultural e a vulnerabilidade, respeitando as diferenças de gênero, raça e etnia. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM Diretrizes a) Original: Proporcionar aos pais e/ou responsáveis, representantes de entidades governamentais e não-governamentais, iniciativa privada, educadores, religiosos, líderes estudantis e comunitários, conselheiros estaduais e municipais e outros atores sociais capacitação continuada sobre prevenção do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas, objetivando engajamento no apoio às atividades preventivas, com base na filosofia da responsabilidade compartilhada. Oficina: Proporcionar aos pais e/ou responsáveis, representantes de entidades governamentais e não-governamentais, iniciativa privada, educadores, religiosos, líderes estudantis e comunitários, conselheiros estaduais e municipais e outros atores sociais capacitação continuada sobre prevenção do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas, 135

137 objetivando engajamento no apoio às atividades preventivas, com base na filosofia da responsabilidade compartilhada. Aprovado na plenária: Proporcionar aos pais e/ou responsáveis, representantes de entidades governamentais e não-governamentais, iniciativa privada, educadores, religiosos, líderes estudantis e comunitários, conselheiros estaduais e municipais e outros atores sociais capacitação continuada sobre prevenção do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas, objetivando engajamento no apoio às atividades preventivas, com base na filosofia da responsabilidade compartilhada. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Dirigir as ações de educação preventiva, de forma continuada, com foco no indivíduo e em seu contexto sociocultural, buscando desestimular o uso inicial de drogas, incentivar a diminuição do consumo e diminuir os riscos e danos associados ao seu uso indevido. Oficina: Dirigir as ações de educação preventiva, de forma continuada, com foco no indivíduo e em seu contexto sociocultural, buscando desestimular o uso inicial de drogas lícitas e ilícitas para a diminuição do consumo, dos riscos e danos associados ao seu uso indevido. Aprovado na plenária: Dirigir as ações de educação preventiva, de forma continuada, com foco no indivíduo e em seu contexto sociocultural, buscando desestimular o uso inicial de drogas lícitas e ilícitas para a diminuição do consumo, dos riscos e danos associados ao seu uso indevido. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: Promover, estimular e apoiar a capacitação continuada, o trabalho interdisciplinar e multiprofissional, com a participação de todos os atores sociais envolvidos no processo, possibilitando que esses se tornem multiplicadores, com o objetivo de ampliar, articular e fortalecer as redes sociais, visando ao desenvolvimento integrado de programas de promoção geral à saúde e de prevenção. Oficina: Promover, estimular e apoiar a capacitação continuada, o trabalho interdisciplinar e multiprofissional, com a participação de todos os atores sociais envolvidos no processo, possibilitando que esses se tornem multiplicadores, com o objetivo de ampliar, articular e 136

138 fortalecer as redes sociais, visando ao desenvolvimento integrado de programas de promoção geral à saúde e de prevenção. Aprovado na plenária: Promover, estimular e apoiar a capacitação continuada, o trabalho interdisciplinar e multiprofissional, com a participação de todos os atores sociais envolvidos no processo, possibilitando que esses se tornem multiplicadores, com o objetivo de ampliar, articular e fortalecer as redes sociais, visando ao desenvolvimento integrado de programas de promoção geral à saúde e de prevenção. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: Manter, atualizar e divulgar um sistema de informações de prevenção sobre o uso indevido de drogas, integrado, amplo e interligado ao OBID/MT, acessível a toda a sociedade, que favoreça a formulação e a implementação de ações de prevenção, incluindo o mapeamento e a divulgação de boas práticas existentes no Brasil e em outros países. Oficina: Manter, atualizar e divulgar um sistema de informações de prevenção sobre o uso indevido de drogas, integrado, amplo e interligado ao OBID/MT, acessível a toda a sociedade, que favoreça a formulação e a implementação de ações de prevenção, incluindo o mapeamento e a divulgação de boas práticas existentes no Brasil e em outros países. Aprovado na plenária: Manter, atualizar e divulgar um sistema de informações de prevenção sobre o uso indevido de drogas, integrado, amplo e interligado ao OBID/MT, acessível a toda a sociedade, que favoreça a formulação e a implementação de ações de prevenção, incluindo o mapeamento e a divulgação de boas práticas existentes no Brasil e em outros países. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: Incluir processo de avaliação permanente das ações de prevenção realizadas pelos governos federal, estaduais e municipais, observando-se as especificidades regionais. Oficina: Incluir processo de avaliação permanente das ações de prevenção realizadas pelos governos federal, estaduais e municipais, observando-se as especificidades regionais. 137

139 Aprovado na plenária: Incluir processo de avaliação permanente das ações de prevenção realizadas pelos governos federal, estaduais e municipais, observando-se as especificidades regionais. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: Fundamentar campanhas e programas de prevenção em pesquisas e levantamentos sobre o uso de drogas e suas conseqüências, de acordo com a população-alvo, respeitadas as características regionais e as peculiaridades dos diversos segmentos populacionais, especialmente nos aspectos de gênero e cultura. Oficina: Fundamentar campanhas e programas de prevenção em pesquisas e levantamentos sobre o uso de drogas e suas conseqüências, de acordo com a populaçãoalvo, respeitadas as características regionais e as peculiaridades dos diversos segmentos populacionais, especialmente nos aspectos de gênero e cultura. Aprovado na plenária: Fundamentar campanhas e programas de prevenção em pesquisas e levantamentos sobre o uso de drogas e suas conseqüências, de acordo com a população-alvo, respeitadas as características regionais e as peculiaridades dos diversos segmentos populacionais, especialmente nos aspectos de gênero e cultura. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Propor a inclusão, na educação básica e superior, de conteúdos relativos à prevenção do uso indevido de drogas. Oficina: Propor a inclusão, na educação básica e superior, de conteúdos relativos à prevenção do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas. Aprovado na plenária: Propor a inclusão, na educação básica e superior, de conteúdos relativos à prevenção do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 138

140 h) Original: Priorizar ações interdisciplinares e contínuas, de caráter preventivo e educativo, na elaboração de programas de saúde para o trabalhador e seus familiares, oportunizando a prevenção do uso indevido de drogas no ambiente de trabalho, em todos os turnos, visando à melhoria da qualidade de vida, baseadas no processo da responsabilidade compartilhada, tanto do empregado como do empregador. Oficina: Priorizar ações interdisciplinares e contínuas, de caráter preventivo e educativo, na elaboração de programas e projetos de saúde para o trabalhador e seus familiares, oportunizando a prevenção do uso indevido de drogas no ambiente de trabalho, em todos os turnos, visando à melhoria da qualidade de vida, baseadas no processo da responsabilidade compartilhada, tanto do empregado como do empregador. Aprovado na plenária: Priorizar ações interdisciplinares e contínuas, de caráter preventivo e educativo, na elaboração de programas e projetos de saúde para o trabalhador e seus familiares, oportunizando a prevenção do uso indevido de drogas no ambiente de trabalho, em todos os turnos, visando à melhoria da qualidade de vida, baseadas no processo da responsabilidade compartilhada, tanto do empregado como do empregador. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM i) Original: Recomendar a criação de mecanismos de incentivo para que empresas e instituições desenvolvam ações de caráter preventivo e educativo sobre drogas. Oficina: Recomendar a criação de mecanismos de incentivo para que empresas e instituições desenvolvam ações de caráter preventivo e educativo sobre drogas lícitas e ilícitas. Aprovado na plenária: Recomendar a criação de mecanismos de incentivo para que empresas e instituições desenvolvam ações de caráter preventivo e educativo sobre drogas lícitas e ilícitas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 139

141 RESULTADO QUANTITATIVO DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DA OFICINA DE PREVENÇÃO PREVENÇÃO PRINCÍPIOS (05 Questões) DIRETRIZES (09 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL Obs: A totalização dos itens de cada oficina mantida, modificada, incluída, excluída e sem consenso, não confere com o total das questões de cada sessão, vez que os participantes dos Fóruns ora interpretaram que modificado seria seguido das palavras incluído e excluído, e assinalaram estes itens, ao passo que caberia somente assinalar o item modificado ª Oficina - TRATAMENTO, RECUPERAÇÃO E REINSERÇÃO SOCIAL Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina de Tratamento, Recuperação e Reinserção Social, sob a Coordenação Luciana Lopes Castanha Soutos - Secretaria Municipal de Saúde de Barra do Bugres e facilitadora Bolsista de Serviço Social Joanil Maria Casarotto. 140

142 Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina de Tratamento, Recuperação e Reinserção Social, sob a Coordenação Luciana Lopes Castanha Soutos - Secretaria Municipal de Saúde de Barra do Bugres e facilitadora Bolsista de Serviço Social Joanil Maria Casarotto Princípios a) Original: O Estado deve estimular, garantir e promover ações para que a sociedade (incluindo usuários, dependentes, familiares e populações específicas) possa assumir, com responsabilidade ética, o tratamento, a recuperação e a reinserção social, apoiada técnica e financeiramente, de forma descentralizada, pelos órgãos governamentais, nos níveis municipal, estadual e federal, por organizações não-governamentais e entidades privadas. Oficina: O Estado deve estimular, garantir e promover ações para que a sociedade (incluindo usuários, dependentes, familiares e populações específicas) possa assumir, com responsabilidade ética, o tratamento, a recuperação e a reinserção social, apoiada técnica e financeiramente, de forma descentralizada, pelos órgãos governamentais, nos níveis federal, estadual e municipal, por organizações não-governamentais e entidades privadas. Aprovado na plenária: O Estado deve estimular, garantir e promover ações para que a sociedade (incluindo usuários, dependentes, familiares e populações específicas) possa assumir, com responsabilidade ética, o tratamento, a recuperação e a reinserção social, apoiada técnica e financeiramente, de forma descentralizada, pelos órgãos governamentais, nos níveis federal, estadual e municipal, por organizações nãogovernamentais e entidades privadas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 141

143 b) Original: O acesso às diferentes modalidades de tratamento e recuperação, reinserção social e ocupacional deve ser identificado, qualificado e garantido como um processo contínuo de esforços, disponibilizados de forma permanente para usuários, dependentes e seus familiares, com investimento técnico e financeiro, de forma descentralizada. Oficina: O estado deve oferecer acesso às diferentes modalidades de tratamento e recuperação, reinserção social e ocupacional deve ser identificado, qualificado e garantido como um processo contínuo de esforços, disponibilizados de forma permanente para usuários, dependentes e seus familiares, com investimento técnico e financeiro, de forma descentralizada, pelos órgãos governamentais, nos níveis federal, estadual e municipal por organizações não governamentais e entidades privadas. Aprovado na plenária: O estado deve oferecer acesso às diferentes modalidades de tratamento e recuperação, reinserção social e ocupacional deve ser identificado, qualificado e garantido como um processo contínuo de esforços, disponibilizados de forma permanente para usuários, dependentes e seus familiares, com investimento técnico e financeiro, de forma descentralizada, pelos órgãos governamentais, nos níveis federal, estadual e municipal por organizações não governamentais e entidades privadas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: As ações de tratamento, recuperação, reinserção social e ocupacional devem ser vinculadas a pesquisas científicas, avaliando-as, incentivando-as e multiplicando aquelas que tenham obtido resultados mais efetivos, com garantia de alocação de recursos técnicos e financeiros para a realização dessas práticas e pesquisas, promovendo o aperfeiçoamento das demais. Oficina: As três esferas de gestão (união, estado e município) devem garantir ações de tratamento, recuperação, reinserção social e ocupacional vinculadas à pesquisas científicas, pelas universidades publicas e privadas e pesquisa sociais por profissionais de áreas afins avaliando-as, incentivando-as e multiplicando aquelas que tenham obtido resultados mais efetivos, com garantia de alocação de recursos técnicos e financeiros para a realização dessas práticas e pesquisas, promovendo o aperfeiçoamento das demais. Aprovado na plenária: As três esferas de gestão (união, estado e município) devem garantir ações de tratamento, recuperação, reinserção social e ocupacional vinculadas à pesquisas científicas, pelas universidades publicas e privadas e pesquisa sociais por profissionais de áreas afins avaliando-as, incentivando-as e multiplicando aquelas que 142

144 tenham obtido resultados mais efetivos, com garantia de alocação de recursos técnicos e financeiros para a realização dessas práticas e pesquisas, promovendo o aperfeiçoamento das demais. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: Na etapa da recuperação, devem-se destacar e promover ações de reinserção familiar, social e ocupacional, em razão de sua constituição como instrumento capaz de romper o ciclo consumo/tratamento para grande parte dos envolvidos, por meio de parcerias e convênios com órgãos governamentais e organizações não-governamentais, assegurando a distribuição descentralizada de recursos técnicos e financeiros. Oficina: Na etapa da recuperação, devem-se destacar e promover ações de reinserção familiar, social e ocupacional, em razão de sua constituição como instrumento capaz de romper o ciclo consumo/tratamento para grande parte dos envolvidos, por meio de parcerias e convênios com órgãos governamentais e organizações não-governamentais, assegurando a distribuição descentralizada de recursos técnicos e financeiros. Aprovado na plenária: Na etapa da recuperação, devem-se destacar e promover ações de reinserção familiar, social e ocupacional, em razão de sua constituição como instrumento capaz de romper o ciclo consumo/tratamento para grande parte dos envolvidos, por meio de parcerias e convênios com órgãos governamentais e organizações não-governamentais, assegurando a distribuição descentralizada de recursos técnicos e financeiros. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: Reconhecer a importância da Justiça Terapêutica, canal de retorno do dependente químico para o campo da redução da demanda. Oficina: Reconhecer a importância da Justiça Terapêutica, canal de retorno do dependente químico para o campo da redução da demanda. Aprovado na plenária: Reconhecer a importância da Justiça Terapêutica, canal de retorno do dependente químico para o campo da redução da demanda. 143

145 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: No Orçamento Geral do Estado devem ser previstas dotações orçamentárias, em todas as Secretarias responsáveis pelas ações da Política Nacional sobre Drogas, que serão distribuídas de forma descentralizada, com base em avaliação das necessidades específicas para as áreas de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional, estimulando o controle social e a responsabilidade compartilhada entre governo e sociedade. Oficina: No Orçamento Geral do Estado devem ser previstas dotações orçamentárias, em todas as Secretarias responsáveis pelas ações da Política Nacional e estadual sobre Drogas, que serão distribuídas de forma descentralizada, com base em avaliação das necessidades específicas para as áreas de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional, estimulando o controle social e a responsabilidade compartilhada entre governo e sociedade. Aprovado na plenária: No Orçamento Geral do Estado devem ser previstas dotações orçamentárias, em todas as Secretarias responsáveis pelas ações da Política Nacional e estadual sobre Drogas, que serão distribuídas de forma descentralizada, com base em avaliação das necessidades específicas para as áreas de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional, estimulando o controle social e a responsabilidade compartilhada entre governo e sociedade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Definir normas mínimas que regulem o funcionamento de instituições dedicadas ao tratamento e à recuperação de dependentes, quaisquer que sejam os modelos ou formas de atuação, bem como das relacionadas à área de reinserção social e ocupacional. Oficina: Definir normas mínimas que regulem o funcionamento de instituições dedicadas ao tratamento e à recuperação de dependentes, quaisquer que sejam os modelos ou formas de atuação, bem como das relacionadas à área de reinserção social e ocupacional. Aprovado na plenária: Definir normas mínimas que regulem o funcionamento de instituições dedicadas ao tratamento e à recuperação de dependentes, quaisquer que 144

146 sejam os modelos ou formas de atuação, bem como das relacionadas à área de reinserção social e ocupacional. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM h) Original: A capacitação continuada, avaliada e atualizada de todos os setores governamentais e não governamentais envolvidos com tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social dos usuários, dependentes e seus familiares deve ser garantida, inclusive com recursos financeiros, para multiplicar os conhecimentos na área. Oficina: A capacitação continuada, avaliada e atualizada de todos os setores governamentais e não governamentais envolvidos com tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social dos usuários, dependentes e seus familiares deve ser garantida, inclusive com recursos financeiros, para multiplicar os conhecimentos na área, apoio técnico e financeiro, da forma descentralizada, pelos órgãos governamentais, nos níveis municipal, estadual e federal, por organizações não-governamentais e entidades privadas. Aprovado na plenária: A capacitação continuada, avaliada e atualizada de todos os setores governamentais e não governamentais envolvidos com tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social dos usuários, dependentes e seus familiares deve ser garantida, inclusive com recursos financeiros, para multiplicar os conhecimentos na área, apoio técnico e financeiro, da forma descentralizada, pelos órgãos governamentais, nos níveis municipal, estadual e federal, por organizações não-governamentais e entidades privadas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM Diretrizes a) Original: Promover e garantir a articulação e a integração, em rede nacional, das intervenções para tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional (Unidade Básica de Saúde, ambulatórios, Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS/AD), comunidades terapêuticas, grupos de auto-ajuda e ajuda mútua, hospitais gerais e psiquiátricos, hospital-dia, serviços de emergências, corpo de bombeiros, clínicas especializadas, casas de apoio e convivência e moradias assistidas), com o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único de Assistência Social (Suas), para o 145

147 usuário e seus familiares, por meio de distribuição descentralizada e fiscalizada de recursos técnicos e financeiros. Oficina: O estado deve promover e garantir a articulação e a integração, em rede nacional, das intervenções para tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional (Unidade Básica de Saúde, ambulatórios, Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS/AD), comunidades terapêuticas, grupos de auto-ajuda e ajuda mútua, hospitais gerais e psiquiátricos, hospital-dia, serviços de emergências, corpo de bombeiros, clínicas especializadas, casas de apoio e convivência e moradias assistidas), com o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único de Assistência Social (Suas), para o usuário e seus familiares, por meio de distribuição descentralizada e fiscalizada de recursos técnicos e financeiros. Aprovado na plenária: O estado deve promover e garantir a articulação e a integração, em rede nacional, das intervenções para tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional (Unidade Básica de Saúde, ambulatórios, Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS/AD), comunidades terapêuticas, grupos de auto-ajuda e ajuda mútua, hospitais gerais e psiquiátricos, hospital-dia, serviços de emergências, corpo de bombeiros, clínicas especializadas, casas de apoio e convivência e moradias assistidas), com o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único de Assistência Social (Suas), para o usuário e seus familiares, por meio de distribuição descentralizada e fiscalizada de recursos técnicos e financeiros. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Desenvolver e disponibilizar banco de dados, com informações científicas atualizadas, para subsidiar o planejamento e a avaliação das práticas de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional sob a responsabilidade de órgãos públicos, privados ou de organizações não-governamentais, devendo essas informações ser de abrangência regional (estaduais e municipais), ter ampla divulgação, fácil acesso e resguardando-se o sigilo das informações. Oficina: Desenvolver e disponibilizar banco de dados, com informações científicas atualizadas, para subsidiar o planejamento e a avaliação das práticas de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional sob a responsabilidade de órgãos públicos, privados ou de organizações não-governamentais, devendo essas 146

148 informações ser de abrangência regional (estaduais e municipais), ter ampla divulgação, fácil acesso e resguardando-se o sigilo das informações. Aprovado na plenária: Desenvolver e disponibilizar banco de dados, com informações científicas atualizadas, para subsidiar o planejamento e a avaliação das práticas de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional sob a responsabilidade de órgãos públicos, privados ou de organizações não-governamentais, devendo essas informações ser de abrangência regional (estaduais e municipais), ter ampla divulgação, fácil acesso e resguardando-se o sigilo das informações. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: Definir normas mínimas que regulem o funcionamento de instituições dedicadas ao tratamento, à recuperação, à redução de danos, à reinserção social e ocupacional, quaisquer que sejam os modelos ou formas de atuação, monitorar e fiscalizar o cumprimento dessas normas, respeitando o âmbito de atuação de cada instituição. Oficina: Definir normas mínimas que regulem o funcionamento de instituições dedicadas ao tratamento, à recuperação, à redução de danos, à reinserção social e ocupacional, quaisquer que sejam os modelos ou formas de atuação, monitorar e fiscalizar o cumprimento dessas normas, respeitando o âmbito de atuação de cada instituição. Aprovado na plenária: Definir normas mínimas que regulem o funcionamento de instituições dedicadas ao tratamento, à recuperação, à redução de danos, à reinserção social e ocupacional, quaisquer que sejam os modelos ou formas de atuação, monitorar e fiscalizar o cumprimento dessas normas, respeitando o âmbito de atuação de cada instituição. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: Estabelecer procedimentos de avaliação, por uma comissão tripartite e paritária, para as diversas modalidades de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional para usuários, dependentes e familiares, com base em parâmetros comuns, adaptados às realidades regionais, permitindo a comparação de resultados entre as instituições, aplicando para esse fim recursos técnicos e financeiros. 147

149 Oficina: Estabelecer procedimentos de avaliação, por uma comissão tripartite e paritária, para as diversas modalidades de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional para usuários, dependentes e familiares, com base em parâmetros comuns, adaptados às realidades regionais, permitindo a comparação de resultados entre as instituições, aplicando para esse fim recursos técnicos e financeiros. Aprovado na plenária: Estabelecer procedimentos de avaliação, por uma comissão tripartite e paritária, para as diversas modalidades de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional para usuários, dependentes e familiares, com base em parâmetros comuns, adaptados às realidades regionais, permitindo a comparação de resultados entre as instituições, aplicando para esse fim recursos técnicos e financeiros. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: Desenvolver, adaptar e implementar diversas modalidades de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional dos dependentes químicos e familiares às características específicas dos diferentes grupos - crianças e adolescentes, adolescentes em medida socioeducativa, mulheres, gestantes, idosos, pessoas em situação de risco social, portadores de qualquer co-morbidade, população carcerária e egressos, trabalhadores do sexo e populações indígenas, por meio da distribuição descentralizada de recursos técnicos e financeiros. Oficina: Desenvolver, adaptar e implementar diversas modalidades de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional dos dependentes químicos e familiares às características específicas dos diferentes grupos - crianças e adolescentes, adolescentes em medida socioeducativa, mulheres, gestantes, idosos, pessoas em situação de risco social, portadores de qualquer co-morbidade, população carcerária e egressos, trabalhadores do sexo e populações indígenas, por meio da distribuição descentralizada de recursos técnicos e financeiros. Aprovado na plenária: Desenvolver, adaptar e implementar diversas modalidades de tratamento, recuperação, redução de danos, reinserção social e ocupacional dos dependentes químicos e familiares às características específicas dos diferentes grupos - crianças e adolescentes, adolescentes em medida socioeducativa, mulheres, gestantes, idosos, pessoas em situação de risco social, portadores de qualquer co-morbidade, população carcerária e egressos, trabalhadores do sexo e populações indígenas, por meio da distribuição descentralizada de recursos técnicos e financeiros. PROPOSTA DA OFICINA 148

150 MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: Propor, por meio de dispositivos legais, incluindo incentivos fiscais, o estabelecimento de parcerias e convênios, em todos os níveis do Estado, que possibilitem a atuação de instituições e organizações públicas, não-governamentais ou privadas, que contribuam no tratamento, na recuperação, na redução de danos e na reinserção social e ocupacional. Oficina: Propor, por meio de dispositivos legais, incluindo incentivos fiscais, o estabelecimento de parcerias e convênios, em todos os níveis do Estado, que possibilitem a atuação de instituições e organizações públicas, não-governamentais ou privadas, que contribuam no tratamento, na recuperação, na redução de danos e na reinserção social e ocupacional. Aprovado na plenária: Propor, por meio de dispositivos legais, incluindo incentivos fiscais, o estabelecimento de parcerias e convênios, em todos os níveis do Estado, que possibilitem a atuação de instituições e organizações públicas, não-governamentais ou privadas, que contribuam no tratamento, na recuperação, na redução de danos e na reinserção social e ocupacional. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Propor a criação de taxas específicas, para serem arrecadadas em todos os níveis de governo (federal, estadual e municipal), sobre as atividades da indústria de bebidas alcoólicas e de tabaco, para financiar o tratamento, a recuperação, a redução de danos e a reinserção social e ocupacional de dependentes químicos e familiares. Oficina: Propor a criação de taxas específicas, para serem arrecadadas em todos os níveis de governo (federal, estadual e municipal), sobre as atividades da indústria de bebidas alcoólicas e de tabaco, para financiar o tratamento, a recuperação, a redução de danos e a reinserção social e ocupacional de dependentes químicos e familiares. Aprovado na plenária: Propor a criação de taxas específicas, para serem arrecadadas em todos os níveis de governo (federal, estadual e municipal), sobre as atividades da indústria de bebidas alcoólicas e de tabaco, para financiar o tratamento, a recuperação, a 149

151 redução de danos e a reinserção social e ocupacional de dependentes químicos e familiares. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM h) Original: Garantir a destinação dos recursos provenientes das arrecadações do Fundo Estadual sobre Drogas/FEA/MT, composto por recursos advindos da apropriação de bens e valores apreendidos em decorrência do crime do narcotráfico para o tratamento, a recuperação e a reinserção social e ocupacional. Oficina: Garantir a destinação dos recursos provenientes das arrecadações do Fundo Estadual sobre Drogas/FEA/MT, composto por recursos advindos da apropriação de bens e valores apreendidos em decorrência do crime do narcotráfico para o tratamento, a recuperação e a reinserção social e ocupacional. Aprovado na plenária: Garantir a destinação dos recursos provenientes das arrecadações do Fundo Estadual sobre Drogas/FEA/MT, composto por recursos advindos da apropriação de bens e valores apreendidos em decorrência do crime do narcotráfico para o tratamento, a recuperação e a reinserção social e ocupacional. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM i) Original: Estabelecer parcerias com universidades, para implementação da capacitação continuada, por meio dos pólos permanentes de educação, saúde e assistência social. Oficina: Estabelecer parcerias com universidades, para implementação da capacitação continuada, por meio dos pólos permanentes de educação, saúde e assistência social. Aprovado na plenária: Estabelecer parcerias com universidades, para implementação da capacitação continuada, por meio dos pólos permanentes de educação, saúde e assistência social. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM j) Original: Propor que a Agência Nacional de Saúde Suplementar regule o atendimento assistencial em saúde para os transtornos psiquiátricos e/ou por abuso de substâncias 150

152 psicotrópicas, de modo a garantir o tratamento tecnicamente adequado previsto na Política Nacional de Saúde. Oficina: Sem consenso. Aprovado na plenária: Sem consenso. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM RESULTADO QUANTITATIVO DA OFICINA TRATAMENTO, RECUPERAÇÃO E REINSERÇÃO SOCIAL TRATAMENTO, RECUPERAÇÃO E REINSERÇÃO SOCIAL PRINCÍPIOS (08 Questões) DIRETRIZES (10 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL Obs: A totalização dos itens de cada oficina mantida, modificada, incluída, excluída e sem consenso, não confere com o total das questões de cada sessão, vez que os participantes dos Fóruns ora interpretaram que modificado seria seguido das palavras incluído e excluído, e assinalaram estes itens, ao passo que caberia somente assinalar o item modificado. 151

153 5.4. 4ª Oficina - REDUÇÃO DE DANOS SOCIAIS E À SAÚDE Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina de Redução de Danos Sociais e à Saúde, sob a Coordenação Lennon Rodrigues da Silva e facilitadora Gabi Michelotti Baldini. Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina de Redução de Danos Sociais e à Saúde, sob a Coordenação Lennon Rodrigues da Silva e facilitadora Gabi Michelotti Baldini Princípio a) Original: A promoção de estratégias e ações de redução de danos voltadas para a saúde pública e os direitos humanos deve ser realizada de forma articulada, inter e intra-setorial, visando à redução dos riscos, das conseqüências adversas e dos danos associados ao uso de álcool e outras drogas para a pessoa, a família e a sociedade. 152

154 Oficina: A promoção de estratégias e ações de redução de danos voltadas para a saúde pública e os direitos humanos deve ser realizada de forma articulada, inter e intra-setorial, visando à redução dos riscos, das conseqüências adversas e dos danos associados ao uso de drogas lícitas e ilícitas para a pessoa, a família e a sociedade. Aprovado na plenária: A promoção de estratégias e ações de redução de danos voltadas para a saúde pública e os direitos humanos deve ser realizada de forma articulada, inter e intra-setorial, visando à redução dos riscos, das conseqüências adversas e dos danos associados ao uso de drogas lícitas e ilícitas para a pessoa, a família e a sociedade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM Diretrizes a) Original: Reconhecer a estratégia de redução de danos, amparada pelo artigo 196 da Constituição Federal, como medida de intervenção preventiva, assistencial, de promoção da saúde e dos direitos humanos. Oficina: Reconhecer a estratégia de redução de danos, amparada pelo artigo 196 da Constituição Federal, como medida de intervenção preventiva, assistencial, de promoção da saúde e dos direitos humanos. Aprovado na plenária: Reconhecer a estratégia de redução de danos, amparada pelo artigo 196 da Constituição Federal, como medida de intervenção preventiva, assistencial, de promoção da saúde e dos direitos humanos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Garantir o apoio à implementação, à divulgação e ao acompanhamento das iniciativas e estratégias de redução de danos desenvolvidas por organizações governamentais e não governamentais, assegurando os recursos técnicos, políticos e financeiros necessários, em consonância com as políticas públicas de saúde. Oficina: Garantir à implementação, à divulgação e ao acompanhamento das iniciativas e estratégias de redução de danos desenvolvidas por organizações governamentais e não governamentais, assegurando os recursos técnicos, políticos e financeiros necessários, em consonância com as políticas públicas de saúde. 153

155 Aprovado na plenária: Garantir à implementação, à divulgação e ao acompanhamento das iniciativas e estratégias de redução de danos desenvolvidas por organizações governamentais e não governamentais, assegurando os recursos técnicos, políticos e financeiros necessários, em consonância com as políticas públicas de saúde. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR O apoio SEM c) Original: Diminuir o impacto dos problemas socioeconômicos, culturais e dos agravos à saúde associados ao uso de álcool e outras drogas. Oficina: Diminuir o impacto dos problemas socioeconômicos, culturais e dos agravos à saúde associados ao uso de drogas lícitas e ilícitas. Aprovado na plenária: Diminuir o impacto dos problemas socioeconômicos, culturais e dos agravos à saúde associados ao uso de drogas lícitas e ilícitas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR álcool SEM d) Original: Orientar e estabelecer, com embasamento científico, intervenções e ações de redução de danos, considerando a qualidade de vida, o bem-estar individual e comunitário, as características locais, o contexto de vulnerabilidade e o risco social. Oficina: Orientar e estabelecer, com embasamento científico, intervenções e ações de redução de danos, considerando a qualidade de vida, o bem-estar individual e comunitário, as características locais, o contexto de vulnerabilidade e o risco social. Aprovado na plenária: Orientar e estabelecer, com embasamento científico, intervenções e ações de redução de danos, considerando a qualidade de vida, o bem-estar individual e comunitário, as características locais, o contexto de vulnerabilidade e o risco social. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 154

156 e) Original: Garantir, promover e destinar recursos para o treinamento, a capacitação e a supervisão técnica de trabalhadores e profissionais para atuarem em atividades de redução de danos. Oficina: Garantir, promover e destinar recursos para o treinamento, a capacitação e a supervisão técnica de trabalhadores e profissionais para atuarem em atividades de redução de danos. Aprovado na plenária: Garantir, promover e destinar recursos para o treinamento, a capacitação e a supervisão técnica de trabalhadores e profissionais para atuarem em atividades de redução de danos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: Viabilizar o reconhecimento e a regulamentação do agente redutor de danos como profissional e/ou trabalhador de saúde, garantindo sua capacitação e supervisão técnica. Oficina: Viabilizar o reconhecimento e a regulamentação do agente redutor de danos como profissional e/ou trabalhador de saúde, garantindo sua capacitação e supervisão técnica. Aprovado na plenária: Viabilizar o reconhecimento e a regulamentação do agente redutor de danos como profissional e/ou trabalhador de saúde, garantindo sua capacitação e supervisão técnica. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Estimular a formação de multiplicadores em atividades relacionadas à redução de danos, visando a um maior envolvimento da comunidade com essa estratégia. Oficina: Promover a formação de multiplicadores em atividades relacionadas à redução de danos, visando um maior envolvimento da comunidade com essa estratégia. Aprovado na plenária: Promover a formação de multiplicadores em atividades relacionadas à redução de danos, visando um maior envolvimento da comunidade com essa estratégia. 155

157 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR estimular SEM h) Original: Incluir a redução de danos na abordagem da promoção da saúde e da prevenção no ensino formal (fundamental, médio e superior). Oficina: Incluir a redução de danos na abordagem da promoção da saúde, da prevenção e conscientização no ensino formal (fundamental, médio e superior). Aprovado na plenária: Incluir a redução de danos na abordagem da promoção da saúde, da prevenção e sensibilização no ensino formal (fundamental, médio e superior). PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR e SEM i) Original: Promover estratégias de divulgação, elaboração de material educativo, sensibilização e discussão com a sociedade sobre a redução de danos por meio de trabalho com as diferentes mídias. Oficina: Promover estratégias de divulgação, elaboração de material educativo, sensibilização e discussão com a sociedade sobre a redução de danos por meio de trabalho com as diferentes mídias. Aprovado na plenária: Promover estratégias de divulgação, elaboração de material educativo, sensibilização e discussão com a sociedade sobre a redução de danos por meio de trabalho com as diferentes mídias. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM j) Original: Apoiar e divulgar as pesquisas científicas, submetidas e aprovadas por comitê de ética, realizadas na área de redução de danos, para o aprimoramento e a adequação da política e de suas estratégias. Oficina: Apoiar, custear e divulgar as pesquisas científicas, submetidas e aprovadas por comitê de ética, realizadas na área de redução de danos, para o aprimoramento e a adequação da política e de suas estratégias. 156

158 Aprovado na plenária: Apoiar, custear e divulgar as pesquisas científicas, submetidas e aprovadas por comitê de ética, realizadas na área de redução de danos, para o aprimoramento e a adequação da política e de suas estratégias. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM k) Original: Promover a discussão, de forma participativa, e subsidiar tecnicamente a elaboração de eventuais mudanças nas legislações, nas três esferas de governo, por meio dos dados e resultados da redução de danos. Oficina: Promover a discussão, de forma participativa, e subsidiar tecnicamente a elaboração de eventuais mudanças nas legislações, nas três esferas de governo, por meio dos dados e resultados da redução de danos. Aprovado na plenária: Promover a discussão, de forma participativa, e subsidiar tecnicamente a elaboração de eventuais mudanças nas legislações, nas três esferas de governo, por meio dos dados e resultados da redução de danos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM l) Original: Assegurar às crianças e adolescentes o direito à saúde e o acesso às estratégias de redução de danos, conforme preconiza o Sistema de Garantia de Direitos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA - Lei n.º 8.069/1990). Oficina: Assegurar às crianças e adolescentes o direito à saúde e o acesso às estratégias de redução de danos, conforme preconiza o Sistema de Garantia de Direitos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA - Lei n.º 8.069/1990). Aprovado na plenária: Assegurar às crianças e adolescentes o direito à saúde e o acesso às estratégias de redução de danos, conforme preconiza o Sistema de Garantia de Direitos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA - Lei n.º 8.069/1990). PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 157

159 m) Original: Comprometer os governos federal, estaduais e municipais com o financiamento, a formulação, a implementação e a avaliação de programas e ações de redução de danos sociais e à saúde, considerando as peculiaridades locais e regionais. Oficina: Comprometer os governos federal, estaduais e municipais com o financiamento, a formulação, a implementação e a avaliação de programas e ações de redução de danos sociais e à saúde, considerando as peculiaridades locais e regionais. Aprovado na plenária: Comprometer os governos federal, estaduais e municipais com o financiamento, a formulação, a implementação e a avaliação de programas e ações de redução de danos sociais e à saúde, considerando as peculiaridades locais e regionais. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM n) Original: Implementar políticas públicas de geração de trabalho e renda como elementos redutores de danos sociais. Oficina: Implementar políticas públicas de geração de trabalho e renda como elementos redutores de danos sociais. Aprovado na plenária: Implementar políticas públicas de geração de trabalho e renda como elementos redutores de danos sociais. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM o) Original: Promover e implementar a integração das ações de redução de danos com outros programas de saúde pública. Oficina: Promover e implementar a integração das ações de redução de danos com outros programas de saúde pública. Aprovado na plenária: Promover e implementar a integração das ações de redução de danos com outros programas de saúde pública. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 158

160 p) Original: Estabelecer estratégias de redução de danos voltadas para minimizar as conseqüências do uso indevido, não somente de drogas lícitas e ilícitas, bem como de outras substâncias. Oficina: Estabelecer estratégias de redução de danos voltadas para minimizar as conseqüências do uso indevido, não somente de drogas lícitas e ilícitas, bem como de outras substâncias. Aprovado na plenária: Estabelecer estratégias de redução de danos voltadas para minimizar as conseqüências do uso indevido, não somente de drogas lícitas e ilícitas, bem como de outras substâncias. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM RESULTADO QUANTITATIVO DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DA OFICINA REDUÇÃO DE DANOS SOCIAIS E SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS SOCIAS E À SAÚDE PRINCÍPIOS (01 Questão) DIRETRIZES (16 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL Obs: A totalização dos itens de cada oficina mantida, modificada, incluída, excluída e sem consenso, não confere com o total das questões de cada sessão, vez que os participantes dos Fóruns ora interpretaram que modificado seria seguido das palavras incluído e excluído, e assinalaram estes itens, ao passo que caberia somente assinalar o item modificado. 159

161 5.5. 5ª Oficina - REDUÇÃO DA OFERTA (REPRESSÃO) Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina de Redução da Oferta (Repressão), sob a Coordenação Profa. Dra. Maria de Sousa Rodrigues e facilitadora Princípios a) Original: A redução substancial dos crimes relacionados ao tráfico de drogas ilícitas e ao uso abusivo de substâncias nocivas à saúde, responsáveis pelo alto índice de violência no País, deve proporcionar melhoria nas condições de segurança das pessoas. Oficina: A redução substancial dos crimes relacionados ao tráfico de drogas ilícitas e ao uso abusivo de substâncias nocivas à saúde, responsáveis pelo alto índice de violência no ESTADO, deve proporcionar melhoria nas condições de segurança e vida das pessoas. Aprovado na plenária: A redução substancial dos crimes relacionados ao tráfico de drogas ilícitas e ao uso abusivo de substâncias nocivas à saúde, responsáveis pelo alto índice de violência no ESTADO, deve proporcionar melhoria nas condições de segurança e vida das pessoas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Meios adequados devem ser assegurados à promoção da saúde e à preservação das condições de trabalho e da saúde física e mental dos profissionais de segurança pública, incluindo assistência jurídica. 160

162 Oficina: Meios adequados devem ser assegurados à promoção da saúde e à preservação das condições de trabalho e da saúde física e mental dos profissionais de segurança pública, incluindo assistência jurídica. Aprovado na plenária: Meios adequados devem ser assegurados à promoção da saúde e à preservação das condições de trabalho e da saúde física e mental dos profissionais de segurança pública, incluindo assistência jurídica. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: As ações contínuas de repressão devem ser promovidas para reduzir a oferta das drogas ilegais e/ou o abuso, pela erradicação e apreensão permanentes dessas produzidas no Estado, pelo bloqueio do ingresso das oriundas do exterior, destinadas ao consumo interno ou ao mercado internacional, e pela identificação e desmantelamento das organizações criminosas. Oficina: As ações contínuas de repressão devem ser promovidas e ampliadas para reduzir a oferta das drogas ilegais e/ou o abuso, pela erradicação e apreensão permanentes dessas produzidas no Estado, pelo bloqueio do ingresso das oriundas do exterior, destinadas ao consumo interno ou ao mercado internacional, e pela identificação e desmantelamento das organizações criminosas. Aprovado na plenária: As ações contínuas de repressão devem ser promovidas e ampliadas para reduzir a oferta das drogas ilegais e/ou o abuso, pela erradicação e apreensão permanentes dessas produzidas no Estado, pelo bloqueio do ingresso das oriundas do exterior, destinadas ao consumo interno ou ao mercado internacional, e pela identificação e desmantelamento das organizações criminosas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: A coordenação, promoção e integração das ações dos setores governamentais responsáveis pelas atividades de prevenção e repressão ao tráfico de drogas ilícitas, nos diversos níveis de governo, devem orientar a todos que possam apoiar, aprimorar e facilitar o trabalho. Oficina: A coordenação, promoção e integração das ações dos setores governamentais responsáveis pelas atividades de prevenção e repressão ao tráfico de drogas ilícitas, nos 161

163 diversos níveis de governo, devem orientar a todos que possam apoiar aprimorar e facilitar o trabalho. Aprovado na plenária: A coordenação, promoção e integração das ações dos setores governamentais responsáveis pelas atividades de prevenção e repressão ao tráfico de drogas ilícitas, nos diversos níveis de governo, devem orientar a todos que possam apoiar aprimorar e facilitar o trabalho. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: A execução da Política Nacional sobre Drogas deve estimular e promover, de forma harmônica com as diretrizes governamentais, a participação e o engajamento de organizações não-governamentais e de todos os setores organizados da sociedade. Oficina: A execução da Política Estadual sobre Drogas deve estimular e promover, de forma harmônica com as diretrizes governamentais, a participação e o engajamento de organizações não-governamentais e de todos os setores organizados da sociedade. Aprovado na plenária: A execução da Política Estadual sobre Drogas deve estimular e promover, de forma harmônica com as diretrizes governamentais, a participação e o engajamento de organizações não-governamentais e de todos os setores organizados da sociedade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: As ações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI/MJ), da Secretaria da Receita Federal (SRF), do Departamento de Polícia Federal (DP), do Fundo Nacional sobre Drogas (FUNAD), da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), da Polícia Rodoviária Federal (DPRF), das Polícias Civis e Militares e demais setores governamentais com responsabilidade na redução da oferta devem receber irrestrito apoio na execução de suas atividades. Oficina: As ações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI/MJ), da Secretaria da Receita Federal (SRF), do Departamento de Polícia Federal (DP), do Fundo Nacional sobre Drogas (FUNAD), da Secretaria Nacional de Segurança Pública 162

164 (SENASP), da Polícia Rodoviária Federal (DPRF), das Polícias Civis e Militares e demais setores governamentais com responsabilidade na redução da oferta devem receber irrestrito apoio da União, dos Estados, do Distrito Federal dos Municípios e da sociedade em geral na execução de suas atividades. Aprovado na plenária: As ações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI/MJ), da Secretaria da Receita Federal (SRF), do Departamento de Polícia Federal (DP), do Fundo Nacional sobre Drogas (FUNAD), da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), da Polícia Rodoviária Federal (DPRF), das Polícias Civis e Militares e demais setores governamentais com responsabilidade na redução da oferta devem receber irrestrito apoio da União, dos Estados, do Distrito Federal dos Municípios e da sociedade em geral na execução de suas atividades. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Interação permanente com o Poder Judiciário e o Ministério Público, por meio dos órgãos competentes, visando agilizar a implementação da tutela cautelar, com o objetivo de evitar a deterioração dos bens apreendidos. Oficina: Interação permanente com o Poder Judiciário e o Ministério Público, por meio dos órgãos competentes, visando agilizar a implementação da tutela cautelar, com o objetivo de evitar a deterioração dos bens apreendidos. Aprovado na plenária: Interação permanente com o Poder Judiciário e o Ministério Público, por meio dos órgãos competentes, visando agilizar a implementação da tutela cautelar, com o objetivo de evitar a deterioração dos bens apreendidos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM Diretrizes a) Original: Conscientizar e estimular a colaboração espontânea e segura de todas as pessoas e instituições com os órgãos encarregados pela prevenção e repressão ao tráfico de drogas, garantido o anonimato. 163

165 Oficina: Conscientizar e estimular a colaboração espontânea e segura de todas as pessoas e instituições com os órgãos encarregados pela prevenção e repressão ao tráfico de drogas, garantido o anonimato. Aprovado na plenária: Conscientizar e estimular a colaboração espontânea e segura de todas as pessoas e instituições com os órgãos encarregados pela prevenção e repressão ao tráfico de drogas, garantido o anonimato. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Centralizar, no Departamento de Polícia Federal, as informações que permitam promover o planejamento integrado e coordenado das ações repressivas dos diferentes órgãos, disponibilizando-as para as unidades da federação, bem como atender às solicitações de organismos nacionais e internacionais com os quais o País mantém acordos. Oficina: Centralizar, no Departamento de Polícia Federal, as informações que permitam promover o planejamento integrado e coordenado das ações repressivas dos diferentes órgãos, disponibilizando-as para as unidades da federação, bem como atender às solicitações de organismos nacionais e internacionais com os quais o Estado mantém acordos. Aprovado na plenária: Centralizar, no Departamento de Polícia Federal, as informações que permitam promover o planejamento integrado e coordenado das ações repressivas dos diferentes órgãos, disponibilizando-as para as unidades da federação, bem como atender às solicitações de organismos nacionais e internacionais com os quais o Estado mantém acordos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: Estimular operações repressivas, assegurando condições técnicas e financeiras, para ações integradas entre os órgãos federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal responsáveis pela redução da oferta, coordenadas pelo Departamento de Polícia Federal, sem relação de subordinação, com o objetivo de prevenir e combater os crimes relacionados às drogas. Oficina: Estimular operações repressivas, assegurando condições técnicas e financeiras, para ações integradas entre os órgãos federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal 164

166 responsáveis pela redução da oferta, coordenadas pelo Departamento de Polícia Federal, sem relação de subordinação, com o objetivo de prevenir e combater os crimes relacionados às drogas. Aprovado na plenária: Estimular operações repressivas, assegurando condições técnicas e financeiras, para ações integradas entre os órgãos federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal responsáveis pela redução da oferta, coordenadas pelo Departamento de Polícia Federal, sem relação de subordinação, com o objetivo de prevenir e combater os crimes relacionados às drogas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: Incrementar a cooperação internacional estabelecendo e reativando protocolos e ações coordenadas, fomentando a harmonização de suas legislações, especialmente com os países vizinhos. Oficina: Incrementar a cooperação internacional estabelecendo e reativando protocolos e ações coordenadas, fomentando a harmonização de suas legislações, especialmente com os países vizinhos. Aprovado na plenária: Incrementar a cooperação internacional estabelecendo e reativando protocolos e ações coordenadas, fomentando a harmonização de suas legislações, especialmente com os países vizinhos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: Apoiar a realização de ações dos órgãos responsáveis pela investigação, fiscalização e controle nas esferas federal, estadual e municipal, para impedir que bens e recursos provenientes do tráfico de drogas sejam legitimados no Brasil e no exterior. Oficina: Apoiar a realização de ações dos órgãos responsáveis pela investigação, fiscalização e controle nas esferas federal, estadual e municipal, para impedir que bens e recursos provenientes do tráfico de drogas sejam legitimados no Brasil e no exterior. Aprovado na plenária: Apoiar a realização de ações dos órgãos responsáveis pela investigação, fiscalização e controle nas esferas federal, estadual e municipal, para impedir 165

167 que bens e recursos provenientes do tráfico de drogas sejam legitimados no Brasil e no exterior. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: Planejar e adotar medidas para tornar a repressão eficaz, cuidando para que as ações de fiscalização e investigação sejam harmonizadas, mediante a concentração dessas atividades dentro de jurisdição penal em que o Judiciário e a polícia repressiva disponham de recursos técnicos, financeiros e humanos adequados para promover e sustentar a ação contínua de desmonte das organizações criminosas e de apreensão e destruição do estoque de suas mercadorias. Oficina: Planejar e adotar medidas para tornar a repressão eficaz, cuidando para que as ações de fiscalização e investigação sejam harmonizadas, mediante a concentração dessas atividades dentro de jurisdição penal em que o Judiciário e a polícia repressiva disponham de recursos técnicos, financeiros e humanos adequados para promover e sustentar a ação contínua de desmonte das organizações criminosas e de apreensão e destruição do estoque de suas mercadorias. Aprovado na plenária: Planejar e adotar medidas para tornar a repressão eficaz, cuidando para que as ações de fiscalização e investigação sejam harmonizadas, mediante a concentração dessas atividades dentro de jurisdição penal em que o Judiciário e a polícia repressiva disponham de recursos técnicos, financeiros e humanos adequados para promover e sustentar a ação contínua de desmonte das organizações criminosas e de apreensão e destruição do estoque de suas mercadorias. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Manter, por intermédio da SENAD, o Conselho Nacional sobre Drogas informado sobre os bens móveis, imóveis e financeiros apreendidos de narcotraficantes, a fim de agilizar sua utilização ou alienação por via da tutela cautelar ou de sentença com trânsito em julgado, bem como a consequente aplicação dos recursos. Oficina: Manter, por intermédio da SENAD, o Conselho Nacional sobre Drogas informado sobre os bens móveis, imóveis e financeiros apreendidos de narcotraficantes, a fim de agilizar sua utilização ou alienação por via da tutela cautelar ou de sentença com trânsito em julgado, bem como a consequente aplicação dos recursos. 166

168 Aprovado na plenária: Manter, por intermédio da SENAD, o Conselho Nacional sobre Drogas informado sobre os bens móveis, imóveis e financeiros apreendidos de narcotraficantes, a fim de agilizar sua utilização ou alienação por via da tutela cautelar ou de sentença com trânsito em julgado, bem como a consequente aplicação dos recursos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM h) Original: Priorizar as ações de combate às drogas ilícitas que se destinam ao mercado interno, produzidas ou não no País, sem prejuízo das ações de repressão àquelas destinadas ao mercado externo. Oficina: Priorizar as ações de combate às drogas ilícitas que se destinam ao mercado interno, produzidas ou não no País, sem prejuízo das ações de repressão àquelas destinadas ao mercado externo. Aprovado na plenária: Priorizar as ações de combate às drogas ilícitas que se destinam ao mercado interno, produzidas ou não no País, sem prejuízo das ações de repressão àquelas destinadas ao mercado externo. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM i) Original: Controlar e fiscalizar, por meio dos órgãos competentes dos Ministérios da Justiça, da Saúde e da Fazenda, bem como das Secretarias de Fazenda estaduais e municipais e do Distrito Federal, todo o comércio e transporte de insumos que possam ser utilizados para produzir drogas, sintéticas ou não. Oficina: Controlar e fiscalizar, por meio dos órgãos competentes dos Ministérios da Justiça, da Saúde e da Fazenda, bem como das Secretarias de Fazenda estaduais e municipais e do Distrito Federal, todo o comércio e transporte de insumos que possam ser utilizados para produzir drogas, sintéticas ou não. Aprovado na plenária: Controlar e fiscalizar, por meio dos órgãos competentes dos Ministérios da Justiça, da Saúde e da Fazenda, bem como das Secretarias de Fazenda estaduais e municipais e do Distrito Federal, todo o comércio e transporte de insumos que possam ser utilizados para produzir drogas, sintéticas ou não. 167

169 PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM j) Original: Estimular e assegurar a coordenação e a integração entre a Secretaria Nacional de Segurança Pública, as Secretarias de Segurança e Justiça estaduais e do Distrito Federal, o Departamento de Polícia Federal e o Departamento de Polícia Rodoviária Federal, no sentido do aperfeiçoamento das políticas, estratégias e ações comuns de combate ao narcotráfico e aos crimes conexos. Oficina: Estimular e assegurar a coordenação e a integração entre a Secretaria Nacional de Segurança Pública, as Secretarias de Segurança e Justiça estaduais e do Distrito Federal, o Departamento de Polícia Federal e o Departamento de Polícia Rodoviária Federal, no sentido do aperfeiçoamento das políticas, estratégias e ações comuns de combate ao narcotráfico e aos crimes conexos. Aprovado na plenária: Estimular e assegurar a coordenação e a integração entre a Secretaria Nacional de Segurança Pública, as Secretarias de Segurança e Justiça estaduais e do Distrito Federal, o Departamento de Polícia Federal e o Departamento de Polícia Rodoviária Federal, no sentido do aperfeiçoamento das políticas, estratégias e ações comuns de combate ao narcotráfico e aos crimes conexos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM k) Original: Promover e incentivar as ações de desenvolvimento regional de culturas e atividades alternativas, visando à erradicação de cultivos ilegais no País. Oficina: Promover e incentivar as ações de desenvolvimento regional de culturas e atividades alternativas, visando à erradicação de cultivos ilegais no Estado. Aprovado na plenária: Promover e incentivar as ações de desenvolvimento regional de culturas e atividades alternativas, visando à erradicação de cultivos ilegais no Estado. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 168

170 l) Original: Assegurar recursos orçamentários no âmbito da União, dos Estados e do Distrito Federal para o aparelhamento das polícias especializadas na repressão às drogas e estimular mecanismos de integração e coordenação de todos os órgãos que possam prestar apoio adequado às suas ações. Oficina: Assegurar recursos orçamentários no âmbito da União, dos Estados e do Distrito Federal para o aparelhamento das polícias especializadas na repressão às drogas e estimular mecanismos de integração e coordenação de todos os órgãos que possam prestar apoio adequado às suas ações. Aprovado na plenária: Assegurar recursos orçamentários no âmbito da União, dos Estados e do Distrito Federal para o aparelhamento das polícias especializadas na repressão às drogas e estimular mecanismos de integração e coordenação de todos os órgãos que possam prestar apoio adequado às suas ações. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM m) Original: Intensificar a capacitação dos profissionais de segurança pública, dos membros do Poder Judiciário e do Ministério Público com funções nas áreas de prevenção e repressão ao tráfico ilícito de drogas, em todos os níveis de governo e no Distrito Federal, bem como estimular a criação de departamentos especializados nas atividades de combate às drogas. Oficina: Intensificar a capacitação dos profissionais de segurança pública, dos membros do Poder Judiciário e do Ministério Público com funções nas áreas de prevenção e repressão ao tráfico ilícito de drogas, em todos os níveis de governo e no Distrito Federal, bem como estimular a criação de departamentos especializados nas atividades de combate às drogas. Aprovado na plenária: Intensificar a capacitação dos profissionais de segurança pública, dos membros do Poder Judiciário e do Ministério Público com funções nas áreas de prevenção e repressão ao tráfico ilícito de drogas, em todos os níveis de governo e no Distrito Federal, bem como estimular a criação de departamentos especializados nas atividades de combate às drogas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM 169

171 n) Original: Assegurar dotações orçamentárias para a Política de Segurança Pública, especificamente para os setores de redução da oferta de drogas, com vinculação de percentual, nos moldes das áreas de educação e saúde, com o fim de melhorar e implementar atividades, bem como criar mecanismos incentivadores ao desempenho das funções dos profissionais dessa área. Oficina: Assegurar dotações orçamentárias para a Política de Segurança Pública, especificamente para os setores de redução da oferta de drogas, com vinculação de percentual, nos moldes das áreas de educação e saúde, com o fim de melhorar e implementar atividades, bem como criar mecanismos incentivadores ao desempenho das funções dos profissionais dessa área. Aprovado na plenária: Assegurar dotações orçamentárias para a Política de Segurança Pública, especificamente para os setores de redução da oferta de drogas, com vinculação de percentual, nos moldes das áreas de educação e saúde, com o fim de melhorar e implementar atividades, bem como criar mecanismos incentivadores ao desempenho das funções dos profissionais dessa área. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM RESULTADO QUANTITATIVO DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DA OFICINA REDUÇÃO DA OFERTA (REPRESSÃO) REDUÇÃO DA OFERTA (REPRESSÃO) PRINCÍPIOS (07 Questões) DIRETRIZES (14 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL Obs: A totalização dos itens de cada oficina mantida, modificada, incluída, excluída e sem consenso, não confere com o total das questões de cada sessão, vez que os participantes dos Fóruns ora interpretaram que modificado seria seguido das palavras incluído e excluído, e assinalaram estes itens, ao passo que caberia somente assinalar o item modificado. 170

172 5.6. 6ª Oficina - ESTUDOS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES Foto Equipe de Pesquisa (fonte primária) - Oficina de Estudos, Pesquisas e Avaliações, sob a Coordenação Profa. Dra. Maria de Sousa Rodrigues e facilitadora Princípios a) Original: Meios necessários devem ser garantidos para estimular, fomentar, realizar e assegurar, com a participação das instâncias federal, estaduais, municipais e do Distrito Federal, o desenvolvimento permanente de estudos, pesquisas e avaliações que permitam aprofundar o conhecimento sobre drogas, a extensão do consumo e sua evolução, a prevenção do uso indevido, a repressão, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos, a reinserção social e ocupacional, observando os preceitos éticos. Oficina: Meios necessários de forma sistemática e satisfatória devem ser garantidos para estimular, fomentar, realizar e assegurar, com a participação das instâncias federal, estaduais, municipais e do Distrito Federal, o desenvolvimento permanente de estudos, pesquisas e avaliações que permitam aprofundar o conhecimento sobre drogas, a extensão do consumo e sua evolução, a prevenção do uso indevido, a repressão, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos, a reinserção social e ocupacional, observando os preceitos éticos. Aprovado na plenária: Meios necessários de forma sistemática e satisfatória devem ser garantidos para estimular, fomentar, realizar e assegurar, com a participação das instâncias federal, estaduais, municipais e do Distrito Federal, o desenvolvimento permanente de estudos, pesquisas e avaliações que permitam aprofundar o conhecimento sobre drogas, a extensão do consumo e sua evolução, a prevenção do uso indevido, a 171

173 repressão, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos, a reinserção social e ocupacional, observando os preceitos éticos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Meios necessários devem ser garantidos à realização de estudos, análises e avaliações sobre as práticas das intervenções públicas e privadas, nas áreas de prevenção, tratamento, reabilitação, redução de danos, reinserção social e ocupacional e redução da oferta, considerando que os resultados orientarão a continuidade ou a reformulação dessas práticas. Oficina: Meios necessários devem ser garantidos à realização de estudos, análises e avaliações sobre as práticas das intervenções públicas e privadas de acordo com a realidade local, nas áreas de prevenção, tratamento, reabilitação, redução de danos, reinserção social e ocupacional e redução da oferta, considerando que os resultados orientarão a continuidade ou a reformulação dessas práticas adequando. Aprovado na plenária: Meios necessários devem ser garantidos à realização de estudos, análises e avaliações sobre as práticas das intervenções públicas e privadas de acordo com a realidade local, nas áreas de prevenção, tratamento, reabilitação, redução de danos, reinserção social e ocupacional e redução da oferta, considerando que os resultados orientarão a continuidade ou a reformulação dessas práticas adequando. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM Diretrizes a) Original: Promover e realizar, periódica e regularmente, levantamentos abrangentes e sistemáticos sobre o consumo de drogas lícitas e ilícitas, incentivando e fomentando a realização de pesquisas dirigidas a parcelas da sociedade, considerando a enorme extensão territorial do País e as características regionais e sociais, além daquelas voltadas para as populações específicas. Oficina: Promover e realizar, periódica e regularmente, levantamentos abrangentes e sistemáticos sobre o consumo de drogas lícitas e ilícitas, incentivando e fomentando a realização de pesquisas dirigidas a parcelas da sociedade, considerando a enorme extensão territorial do País e as características regionais e sociais, além daquelas voltadas para as populações específicas. 172

174 Aprovado na plenária: Promover e realizar, periódica e regularmente, levantamentos abrangentes e sistemáticos sobre o consumo de drogas lícitas e ilícitas, incentivando e fomentando a realização de pesquisas dirigidas a parcelas da sociedade, considerando a enorme extensão territorial do País e as características regionais e sociais, além daquelas voltadas para as populações específicas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM b) Original: Incentivar e fomentar a realização de pesquisas básicas, epidemiológicas, qualitativas e as inovações tecnológicas sobre os determinantes e condicionantes de riscos e danos, o conhecimento sobre as drogas, a extensão do consumo e sua evolução, a prevenção do uso indevido, a repressão, o tratamento, a redução de danos, a reabilitação, a reinserção social e ocupacional desenvolvidas por organizações governamentais e não-governamentais, disseminando amplamente seus resultados. Oficina: Incentivar e fomentar a realização de pesquisas básicas, epidemiológicas, qualitativas e as inovações tecnológicas sobre os determinantes e condicionantes de riscos e danos, o conhecimento sobre as drogas, a extensão do consumo e sua evolução, a prevenção do uso de drogas ilícitas e uso indevido de drogas lícitas, a repressão, o tratamento, a redução de danos, a reabilitação, a reinserção social e ocupacional desenvolvidas por organizações governamentais e não-governamentais, disseminando amplamente seus resultados. Aprovado na plenária: Incentivar e fomentar a realização de pesquisas básicas, epidemiológicas, qualitativas e as inovações tecnológicas sobre os determinantes e condicionantes de riscos e danos, o conhecimento sobre as drogas, a extensão do consumo e sua evolução, a prevenção do uso de drogas ilícitas e uso indevido de drogas lícitas, a repressão, o tratamento, a redução de danos, a reabilitação, a reinserção social e ocupacional desenvolvidas por organizações governamentais e não-governamentais, disseminando amplamente seus resultados. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM c) Original: Assegurar, por meio de pesquisas, a identificação de princípios norteadores de programas preventivos. 173

175 Oficina: Assegurar, por meio de pesquisas, a identificação de princípios norteadores de programas preventivos. Aprovado na plenária: Assegurar, por meio de pesquisas, a identificação de princípios norteadores de programas preventivos. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM d) Original: Avaliar o papel da mídia e seu impacto no incentivo e/ou prevenção do uso indevido de álcool e outras drogas e os danos relacionados, divulgando os resultados por meio do Observatório de Informações sobre Drogas (OBID/MT). Oficina: Avaliar e fomentar o papel da mídia, por meio dos COMADS e CONEN de forma sistemática e seu impacto no incentivo e/ou prevenção do uso indevido de álcool e outras drogas e os danos relacionados, divulgando os resultados por meio do Observatório de Informações sobre Drogas (OBID/MT). Aprovado na plenária: Avaliar e fomentar o papel da mídia, por meio dos COMADS e CONEN de forma sistemática e seu impacto no incentivo e/ou prevenção do uso indevido de álcool e outras drogas e os danos relacionados, divulgando os resultados por meio do Observatório de Informações sobre Drogas (OBID/MT). PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM e) Original: Garantir que sejam divulgadas, por meio do Observatório de Informações sobre Drogas (OBID/MT) e por meio impresso, pesquisas referentes ao uso indevido de álcool e outras drogas que permitam aperfeiçoar uma rede de informações confiáveis para subsidiar o intercâmbio com instituições regionais, nacionais e estrangeiras e organizações multinacionais similares. Oficina: Garantir que sejam divulgadas, por meio do Observatório de Informações sobre Drogas (OBID/MT) e por meio impresso, pesquisas referentes ao uso indevido de álcool e outras drogas que permitam aperfeiçoar uma rede de informações confiáveis para subsidiar o intercâmbio com instituições regionais, nacionais e estrangeiras e organizações multinacionais similares. Aprovado na plenária: Garantir que sejam divulgadas, por meio do Observatório de Informações sobre Drogas (OBID/MT) e por meio impresso, pesquisas referentes ao uso indevido de álcool e outras drogas que permitam aperfeiçoar uma rede de informações 174

176 confiáveis para subsidiar o intercâmbio com instituições regionais, nacionais e estrangeiras e organizações multinacionais similares. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM f) Original: Apoiar, estimular e divulgar estudos, pesquisas e avaliações sobre violência, aspectos socioeconômicos e culturais, ações de redução da oferta e custo social e sanitário do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas e seus impactos na sociedade. Oficina: Apoiar, estimular e divulgar estudos, pesquisas e avaliações de acordo com a realidade Estadual, Regional e Municipal sobre violência, aspectos socioeconômicos e culturais, ações de redução da oferta e custo social e sanitário do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas e seus impactos na sociedade. Aprovado na plenária: Apoiar, estimular e divulgar estudos, pesquisas e avaliações de acordo com a realidade Estadual, Regional e Municipal sobre violência, aspectos socioeconômicos e culturais, ações de redução da oferta e custo social e sanitário do uso indevido de drogas lícitas e ilícitas e seus impactos na sociedade. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM g) Original: Definir e divulgar critérios de financiamento para estudos, pesquisas e avaliações. Oficina: Definir e divulgar critérios quantitativos e qualitativos de financiamento para estudos, pesquisas e avaliações. Aprovado na plenária: Definir e divulgar critérios quantitativos e qualitativos de financiamento para estudos, pesquisas e avaliações. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM h) Original: Apoiar, estimular e divulgar pesquisas que avaliem a relação custo/benefício das ações públicas vigentes, para subsidiar a gestão e o controle social da Política Nacional sobre Drogas. Oficina: Apoiar, estimular e divulgar pesquisas que avaliem a relação custo/benefício das ações públicas vigentes, para subsidiar a gestão e o controle social da Política Estadual, Regional e Municipal sobre Drogas. 175

177 Aprovado na plenária: Apoiar, estimular e divulgar pesquisas que avaliem a relação custo/benefício das ações públicas vigentes, para subsidiar a gestão e o controle social da Política Estadual, Regional e Municipal sobre Drogas. PROPOSTA DA OFICINA MANTER MODIFICAR INCLUIR EXCLUIR SEM RESULTADO QUANTITATIVO DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DA OFICINA ESTUDOS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES. ESTUDOS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES PRINCÍPIOS (02 Questões) DIRETRIZES (08 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL QUADRO SÍNTESE BARRA DO BUGRES - 2º FÓRUM PRESSUPOSTOS BÁSICOS PRESSUPOSTOS (19 Questões) OBJETIVOS (14 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL PREVENÇÃO PRINCÍPIOS (05 Questões) DIRETRIZES (09 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL TRATAMENTO, RECUPERAÇÃO E REINSERÇÃO SOCIAL PRINCÍPIOS (08 Questões) DIRETRIZES (10 Questões) TOTAL MANTIDO

178 MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL REDUÇÃO DE DANOS SOCIAS E À SAÚDE PRINCÍPIOS (01 Questão) DIRETRIZES (16 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL REDUÇÃO DA OFERTA (REPRESSÃO) PRINCÍPIOS (07 Questões) DIRETRIZES (14 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL ESTUDOS, PESQUISAS E AVALIAÇÕES PRINCÍPIOS (02 Questões) DIRETRIZES (08 Questões) TOTAL MANTIDO MODIFICADO INCLUÍDO EXCLUÍDO SEM TOTAL Obs: A totalização dos itens de cada oficina mantida, modificada, incluída, excluída e sem consenso, não confere com o total das questões de cada sessão, vez que os participantes dos Fóruns ora interpretaram que modificado seria seguido das palavras incluído e excluído, e assinalaram estes itens, ao passo que caberia somente assinalar o item modificado. RESULTADOS Itens mantidos: Itens modificados: Itens incluídos: Itens excluídos:

179 Itens em que não houve consenso: TOTAL GERAL: ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES PARA O FÓRUM ESTADUAL SOBRE DROGAS Logo após as oficinas seguimos com a escolha dos representantes dos municípios presentes no II Fórum Regional sobre Drogas, conforme disposto no Regimento Interno. A Presidente do CONEN e Coordenadora da COAD/MT - Ana Elisa comunicou que teve algumas pessoas de outros municípios que participaram, mas teve que ir embora e registraram sua candidatura. Sugeriu também que se garantisse pelo menos uma pessoa de cada Município para ter representatividade e com continuidade do pleito eleitoral dos candidatos de Barra do Bugres. Candidatos (a): Janete Viana Molina - Barra do Bugres Fatima Aparecida Martins dos Santos - Barra do Bugres José Luiz Pizzotto - Tangara da Serra Florindo de Oliveira Almeida - Nortelandia. Ruth Brandáo Salgado Silva - Tangara da Serra Edilaine - Campo Novo do Parecis Claudemir José Baumanm - Nova Maringa Oscar Freire Neto - Secretaria de Saúde - Nova Maringá. Eleitos (a): Nova Marilândia - Carmem Lucia Magalhães Nova Maringá - Claudemir José Baumanm Barra do Bugres - Fatima Aparecida Martins dos Santos Nortelândia - Florindo de Oliveira Almeida Tangara da serra - José Luiz Pizzotto Suplentes: Edilaine Rodrigues Campos - Nova Parecis As 17h55min a presidente do CONEN e Coordenadora da COAD Ana Elisa teceu as considerações finais sobre o evento, agradeceu e deu por encerrado o II Fórum Regional sobre drogas do Consórcio Intermunicipais de Desenvolvimento Social, Econômico, Ambiental, Turístico e Sustentável do Vale do Paraguai. 178

180 7. RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO II FÓRUM REGIONAL SOBRE DROGAS EM BARRA DO BUGRES/MT Período: 11 a 13 de Maio de ORGANIZAÇÃO Organização Nº % 1-Ótimo 35 43,2% 2-Muito Bom 26 32,1% 3-Bom 19 23,5% 4-Regular 01 1,2% TOTAL ,0% 3-Bom 23,5% Organização 4-Regular 1,2% 1-Ótimo 43,2% 1-Ótimo 2-Muito Bom 2-Muito Bom 32,1% 3-Bom 4-Regular 7.2. HORÁRIO Horário Nº % 1-Ótimo 25 30,9% 2-Muito Bom 24 29,6% 3-Bom 19 23,5% 4-Regular 5 6,2% 5-Insuficiente 5 6,2% NR 3 3,7% TOTAL ,0% Horário 4-Regular 6,2% 5-Insuficiente 6,2% NR 3,7% 1-Ótimo 30,9% 1-Ótimo 3-Bom 23,5% 2-Muito Bom 3-Bom 4-Regular 2-Muito Bom 29,6% 5-Insuficiente NR 179

181 7.3. LOCAL Local Nº % 1-Ótimo 33 40,7% 2-Muito Bom 23 28,4% 3-Bom 11 13,6% 4-Regular 6 7,4% NR 8 9,9% TOTAL ,0% Local 4-Regular 7,4% 3-Bom 13,6% NR 9,9% 1-Ótimo 40,7% 2-Muito Bom 28,4% 1-Ótimo 2-Muito Bom 3-Bom 4-Regular NR 7.4. PALESTRA: Pressupostos básicos e objetivos da Política Nacional sobre Drogas Palestra: Pressupostos Básicos Nº % 1-Ótimo 28 34,6% 2-Muito Bom 37 45,7% 3-Bom 13 16,0% 4-Regular 1 1,2% NR 2 2,5% TOTAL ,0% Palestra: Pressupostos e Objetivos da PND 3-Bom 16,0% 4-Regular 1,2% NR 2,5% 1-Ótimo 34,6% 1-Ótimo 2-Muito Bom 2-Muito Bom 45,7% 3-Bom 4-Regular NR 180

182 7.5. PALESTRA: Prevenção Palestra: Prevenção Nº % 1-Ótimo 30 37,0% 2-Muito Bom 29 35,8% 3-Bom 16 19,8% 4-Regular 2 2,5% NR 4 4,9% TOTAL ,0% Palestra: Prevenção 3-Bom 19,8% 4-Regular 2,5% NR 4,9% 1-Ótimo 37,0% 1-Ótimo 2-Muito Bom 3-Bom 2-Muito Bom 35,8% 4-Regular NR 7.6. PALESTRA: Tratamento, recuperação e reinserção social Palestra: Tratamento Nº % 1-Ótimo 31 38,3% 2-Muito Bom 31 38,3% 3-Bom 12 14,8% 4-Regular 4 4,9% NR 3 3,7% TOTAL ,0% Palestra: Tratamento, Recuperação e Reinserção Social 3-Bom 14,8% 4-Regular 4,9% NR 3,7% 1-Ótimo 38,3% 1-Ótimo 2-Muito Bom 3-Bom 2-Muito Bom 38,3% 4-Regular NR 181

183 7.7. PALESTRA: Redução de danos sociais à saúde Palestra: Redução de Danos Nº % 1-Ótimo 32 39,5% 2-Muito Bom 29 35,8% 3-Bom 15 18,5% 4-Regular 3 3,7% NR 2 2,5% TOTAL ,0% Palestra: Redução de Danos Sociais e à Saúde 3-Bom 18,5% 4-Regular 3,7% NR 2,5% 1-Ótimo 39,5% 1-Ótimo 2-Muito Bom 3-Bom 2-Muito Bom 35,8% 4-Regular NR 7.8. PALESTRA: Redução de Ofertas/Repressão Palestra: Redução de Ofertas Nº % 1-Ótimo 27 33,3% 2-Muito Bom 33 40,7% 3-Bom 12 14,8% 4-Regular 8 9,9% NR 1 1,2% TOTAL ,0% Palestra: Redução de Ofertas/ Repressão 3-Bom 14,8% 4-Regular 9,9% NR 1,2% 1-Ótimo 33,3% 1-Ótimo 2-Muito Bom 3-Bom 2-Muito Bom 40,7% 4-Regular NR 182

184 7.9. PALESTRA: Estudos, Pesquisas e Avaliações Palestra: Estudos, Pesquisas e Avaliações Nº % 1-Ótimo 27 33,3% 2-Muito Bom 31 38,3% 3-Bom 14 17,3% 4-Regular 8 9,9% NR 1 1,2% TOTAL ,0% Palestra: Estudos, Pesquisas e Avaliações 3-Bom 17,3% 4-Regular 9,9% NR 1,2% 1-Ótimo 33,3% 1-Ótimo 2-Muito Bom 3-Bom 2-Muito Bom 38,3% 4-Regular NR METODOLOGIA Metodologia Nº % 1-Ótimo 26 32,1% 2-Muito Bom 30 37,0% 3-Bom 23 28,4% 4-Regular 2 2,5% TOTAL ,0% Metodologia 3-Bom 28,4% 4-Regular 2,5% 1-Ótimo 32,1% 1-Ótimo 2-Muito Bom 2-Muito Bom 37,0% 3-Bom 4-Regular 183

185 7.11. PARTICIPAÇÃO NAS ATIVIDADES Participação nas Atividades Nº % 1-Ótimo 28 34,6% 2-Muito Bom 27 33,3% 3-Bom 21 25,9% 4-Regular 3 3,7% 5-Insuficiente 1 1,2% NR 1 1,2% TOTAL ,0% Participação nas Atividades 3-Bom 25,9% 4-Regular 3,7% 5-Insuficiente 1,2% NR 1,2% 1-Ótimo 34,6% 1-Ótimo 2-Muito Bom 3-Bom 4-Regular 2-Muito Bom 33,3% 5-Insuficiente NR PONTOS POSITIVOS Pontos Positivos Nº NR 15 As palestras, a forma que foi conduzida. 2 A ampliação do assunto e os esclarecimentos. 1 A conscientização sobre o tema do fórum. 1 A organização do fórum. 1 A organização, a participação de várias instituições. 1 A realização do Fórum em Barra do Bugres e o local. 1 Adquirimos conhecimento, experiência, pois nunca tenha participado de fórum. 1 As informações que foram passadas de forma clara e que contribuiu muito para meu profissionalismo, no qual vai somar meu desempenho em sala de aula. 1 As informações referentes às problemáticas que convivemos na sociedade em geral no que tange a respeito das drogas. 1 As palestras muito bem esclarecedoras. 1 As palestras,a forma que foi conduzida. 1 Chamada no ponto eletrônico. Lanche. 1 Chamar atenção da sociedade para o combate às drogas, ou ao uso delas, investir na prevenção. 1 Comprometimento da equipe. 1 Comprometimento da organização. União de forças dos poderes

186 Pontos Positivos Nº Conhecimento. 1 Conteúdo, informações esclarecedoras dos palestrantes. 1 Discussão, ouvir as bases executoras das ações. 1 É muito bom saber que, há ainda que uma minoria de profissionais e autoridades que tem se preocupado verdadeiramente com a população. 1 Equipe aberta a sugestões. 1 Esclarecimento sobre cada item estudado. 1 Este fórum é um passo muito importante para dar continuidade na Política Nacional Anti- Drogas. 1 Etes foram trazer a todos um despertar para a realidade que vivemos hoje no país, agora só cabe a nós. 1 Foi muito bom para adquirir conhecimento. 1 Foram a organização, a força de vontade e a garra que rupo nos passou. O lanche, e principalmente, os temas que foram abordados, com certeza todos sairão daqui, com objetivo de ajudar as pessoas que precisam. 1 Foram aqueles que nós da uma segurança de que os casos das rogas têm solução e que não devemos abandonar as pessoas dependentes dela, e os recursos que estão buscando para melhorar esta situação das drogas. 1 Gerar, participar e idealizar formas de prevenção generalizadas para todas as necessidades, é muito bom para a sociedade. 1 Horário, organização e local 1 Início com o teatro, participação nas atividades. 1 Integração entre coordenadores e participantes. 1 Integração entre os participantes, comissão organizada e preparada. 1 Inteirar-se sobre as leis. 1 Interação e comprometimento da equipe. Ótimo os materiais. O uso das camisetas pela equipe. A explanação da turma responsável pelo fórum. 1 Maior interação de pessoas que estão diretamente ligadas com usuários das drogas lícitas/ilícitas, por exemplo pessoas que atuam na área da saúde e da educação. 1 Mais uma vez se fala sobre esses problemas, apresentando o problema, causas e resoluções. 1 Na escolha das pessoas, estavam esclarecendo as questões referentes aos temas. 1 O conhecimento socializado. As discussões pós-palestras. Qualidade dos palestrantes. 1 O esclarecimento em relação às drogas e como reduzir danos, prevenir e tratar os dependentes químicos. 1 O fórum foi tudo de bom, um momento de conhecimento e de integração em geral. 1 Organização das equipes. 1 Organização e local. 1 Organização positiva. Foi muito bem planejado, cada tema dentro do seu horário e foi bem esclarecido, gostei muito e tive um bom aproveito com isso. 1 Organização, palestras, metodologia, participação nas atividades

187 Pontos Positivos Nº Organização. Material didático. União da equipe de Cuiabá. Competência, empenho e democracia. 1 Os pontos positivos foram nas quais ficaram bem esclarecidos os objetivos da palestra que foi as causas ruins que as drogas causam. 1 Os pontos positivos foi que a equipe estava bem animada e demonstrou bastante confiante ao expor os assuntos. 1 Os trabalhos de informações nas escolas. 1 Palestra sobre recuperação. 1 Palestras bem dismistificadas, com temas bem interessantes. 1 Palestras, a forma em que foi conduzida. 1 Participação de todos os setores dos municípios. 1 Participação e interesse de todos pelo combate às drogas. 1 Participação. 1 Que adquirimos mais conhecimento sobre o assunto e que cada vez mais possamos ajudar e colaborar com o que anda acontecendo nos dias de hoje. 1 São os esclarecimentos sobre drogas. 1 Tais assuntos discutidos são de ordem chamativa a sociedade e principais órgãos ligados na educação e saúde sendo assim maior conhecimentos em respectivos interesses. 1 Todas as entidades envolvidas preocupadas com a comunidade. 1 Todas as palestras são bem esclarecidas, sobre a prevenção, saúde e redução das ofertas. 1 Todas as pessoas envolvidas estão de parabéns, gostei muito e espero que vocês voltem logo. A partir de hoje vou orar por vocês, todos os dias, para que Deus abençoe vocês e os seus trabalhos... 1 Todos os pontos foram positivos em relação ao fórum. Eu só tenho a agradecer. 1 Todos. 1 Trabalhar a prevenção, urgente, urgente urgente. 1 Trazer informações sobre o assunto, desconhecidos pela sociedade, incentivar a sociedade a participar do fórum. 1 Tudo foi ótimo, os pontos positivos foram muito bons pois todo aprendizado é válido, e essa palestra foi muito boa pois ganhou mais conhecimento. 1 Uma grande fonte para a sociedade sobre que existem muitas organizações envolvidas no combate às drogas. 1 TOTAL PONTOS NEGATIVOS Pontos Negativos Nº NR 36 O tempo para as apresentações dos temas e discussões. 2 A clientela é seleta e os participantes (formadores) devem ser pessoas de capacidades específicas da fala e da escrita

188 Pontos Negativos Nº A equipe demonstrou dúvidas em alguns pontos dos assuntos deixando dúvidas e alguns palestrantes não foram agradáveis ao público, em responder as perguntas. 1 A questão do horário, a população atrasava e com isso todos atrasavam. 1 Algumas palestras utilizadas para justificar (????? F.59) de autoridades. 1 As discussões contraditórias, mas que fazem parte. 1 As leis são fundamentais, mas acho que são insuficientes para acabara ou diminuir o uso das drogas. Não adianta que não pode usar, que faz mal, mas sim "liquidar" com os traficantes. Prender não resolve. 1 Colocar que os bandidos estão sempre um passo à frente. 1 Deu a entender em uma palestra que os bandidos são mais justos que os policiais. 1 Deveria haver maior divulgação na cidade sobre o fórum. 1 Dificuldades de definir e manter as propostas. 1 É que algumas coisas ficaram camufladas, outras não terão como mudar por mais que foi falado. 1 Exposição dos problemas de cada município porque sai fora do foco do Fórum. 1 Falta de sanitários suficientes e escadas. Ambiente apertado. 1 Faltas de pessoas mais interligadas ao assunto como exemplo do que já foi feito, do que estão vivendo. 1 Faltou mais divulgação sobre o curso. 1 Foi quando a delegada disse que ainda não sabe o que fazer para acabar com a boca de fumo, e quando ela disse eu prende e o promotor solta. 1 Horário. 1 Local não teve estrutura boa que acolhesse a todos. 1 Lugar impróprio no momento das oficinas. 1 Muitas diretrizes, muito extenso o material. 1 Muito material e pouco tempo. 1 Na hora das oficinas faltou um espaço para cada oficina, e não três oficinas no mesmo local. E também um tempo maior para questionamento e debate. 1 Não identifiquei pontos negativos, apenas o professor de matemática que não conseguiu entender perfeitamente o que quis transmitir. 1 Nem todas as unidades escolares estão participando. Horário de trabalho (em nossa escola teremos de repor aula). 1 O horário não está de acordo com o cronograma. 1 O local poderia ser um espaço maior (exemplo: auditório da UNEMAT). Faltou maior participação de debates com a comunidade. Faltou confecção de crachás, até para as inscrições das pessoas que quisessem participar. A participação do comandante da PM Fábio 1 O tempo é curto para um assunto de grande interesse. 1 O tempo para apresentações dos temas em discussão. 1 O tempo para as apresentações dos temas. 1 O tempo para discutir. 1 O tempo. 1 O tempo: se houvesse mais tempo seria melhor

189 Pontos Negativos Nº Olhar com mais atenção, para as pessoas dos municípios de fora em questão do horário, pausas longas. 1 Os banheiros poucos. 1 Palestra sobre redução de danos. 1 Perceber que ainda existem pontos, a serem analisados, pois é um material criterioso, o qual não tive tempo de fazer a leitura. 1 Por ser horários muito ruins, de matutino e vespertino, atrapalha outras pessoas poderem participar e conhecer. 1 Pouco tempo nas votações. 1 Pouco tempo no que tange à carga horária. 1 Pouco tempo para discussão geral de cada ponto para a votação. 1 Que falar é fácil, o difícil é por em prática o que aprendemos. 1 São aqueles que nos costumamos ver no dia-a-dia de pessoas que não entendem que a droga é uma doença e leva o caso para a violência física sem parar para ajudar na solução do problema 1 Tempo excedido em quase todas as palestras e atividades. 1 TOTAL SUGESTÕES Sugestões Nº NR 24 Convite à OAB. 2 Melhorar o tempo para debates e as intervenções. 2 Acho foi todo muito bom, não precisa melhorar nada. 1 Aproveitar melhor o tempo das votações. 1 As inscriçõies irem com mais antecedência para as unidades escolares para que todos possam participar do Fórum. 1 Aumentar mais o tempo das discussões. 1 Aumentar o número dos CAPS em MT, para atender a demanda que hoje é muio grande de usuários. 1 Aumentar os dias de fórum para uma melhor explanação do assunto. 1 Colocar em prática esta rede para conscientização para prevenção do uso das drogas. Existe no site do SENAD, cpacitação, muitos de nós não emos acesso, teria que fazer propaganda na TV para todos terem acesso. 1 Como nem tudo pode ser melhorado, só alguns esclarecimentos. 1 Dar continuidade ao curso sobre drogas. Oferecer novos cursos. 1 Deveria ter mais palestras essas, pois nós e a sociedade somos muito carentes de informação e conhecimento sobre o assunto. 1 Deveria ter mais vezes pois é um assunto muito imporante. 1 Divulgação junto da Assessoria Pedagógica e Secretaria Municipal de Educação para dispensar professores, para participar do evento. A participante do comandante da PM de Barra do Bugres Fábio Márcio como palestrante e debate com a comunidade

190 Sugestões Nº Em meu ponto de vista eu acho que posso melhorar, deve ter mais incentivo do Governo Federal, estaduais e municipais, para que possamos melhorar a qualidade e vida das pessoas e melhorar e capacitar aos profissionais da Educação e da Saúde. 1 Em primeiro lugar gostaria que os nossos deputados revessem as diretrizes, principalmente o ECA, assim tirando muitas crianças e adolescentes das (?F.68) não trabalho escravo mas sim mais responsabilidade. 1 Maior tempo para debate. 1 Mais ação e projeto social. 1 Mais fóruns de assunto sobre as drogas. 1 Mais tempo para discussão, mais espaço para os participantes da sua opinião. 1 Melhorar o empo para os debates. 1 Melhorar o tempo para debaes e as intervenções. 1 Mesmo não estando todos presentes que se comece no horário. 1 Não tem o que mexer na equipe. 1 Nos próximos fóruns que divulguem com antecedência pra que todos os profissionais possam participar. 1 O estado e os municípios invistam mais em alguns tipos de empresas para ajudar os nossos jovens e adolescentes a não continuar nas ruas usado drogas e também os deputados a rever a lei da ECA. 1 Organizar mais as falas e a votação. O microfone na mão errada se torna uma arma. Pedir para inscrever para falar. 1 Palestras por técnicos. 1 Para melhorar basta mudar as famosas leis que protegem os bandidos e até mesmo as leis eu interferem na criação dos filhos. Isso deixa a criança livre pra fazer o que quer e os pais perdem o controle. 1 Parabéns pela equipe, pelo empenho, pela alegria e simpatia, que nós posamos estar prontos para as conquistas e também para as derrotas, o importante é sentirmos "desejo" pela vida e pela nossa profissão. Mil beijos à toda a equipe! Deus ilumine o caminho 1 Por enquanto p\ara mim está bom sim. 1 Pré-estabelecimento de uma forma de apresentar dos grupos das oficinas. 1 Programar encerramentos para mais cedo, para facilitar a viagem dos de fora. 1 Promover fórum com mais antecedência, utilizando de meios como rádio, televisão, internet, jornais e uma assistência médica. 1 Que a equipe se prepare mais sobre os assuntos abordados, sejam claros e objetivos. Divulgue mais as palestras. 1 Que a participação seja restrita a profissionais da saúde, educação e dos órgãos sociais com formação superior. 1 Que coloque em prática as propostas discutidas. 1 Que nos próximos cursos eja mais divulgado nas escolas com antecedência e forma que todos possam participar. 1 Que os fóruns aconteçam no período noturnopara que mais pessoas possam participar, e tenha mais alunos participantes. 1 Que os próximos fóruns sejam à noite, paraque a sociedade que trabalha o dia ineiro possa participar mais

191 Sugestões Nº Que os próximos fóruns sejam realizados à noite ou nos finais de semana. 1 Que todas as escolas sejam dispensadas quando houver essas discussões para que possam participar em massa. 1 Que todos continuem com essa força e dedicação, que tem demonstrado para com o tema (Parabéns à equipe, que Deus ilumine cada um de vocês). 1 Realizar a divulgação mais eficiente e antecipada. 1 Reorganização do tempo, e melhor divulgação dos fóruns e demais eventos. 1 Ser mais inenso nos trabalhos e criar novos projetos de intervenção. 1 Talvez, que nos próximos fóruns, haja a entrega antecipada dos materiais, da divulgaão e das inscrições. 1 Ter mais palestrantes com idéias e sugestões novas para trabalhar o tema sobre as drogas na comunidade. 1 Teria de ser somente uma noite, para maior participação. 1 Trazer mais participantes para os fóruns, fazer mais divulgação, etc. 1 Um espaço para cada oficina e um tempo maior para ser debatido. 1 Um local mais amplo. 1 Um local onde tenha mais banheiros disponíveis à população. 1 Uma participação maior de pessoas interligadas ao assunto e provoca discussões entre tais assuntos. 1 Uma sugestão seria na programação dos últimos dias de alterar o horário do almoço, e intervalo para ajudar os participantes que vêm de outros municípios distantes, para que consigam retornar mais cedo. 1 TOTAL 81 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CITYBRAZIL. História da Cidade de Barra do Bugres - Mato Grosso. Disponível em: Acesso em 31/01/2012. FERREIRA, João Carlos Vicente - Historia de Barra do Bugres (5 out.2011). Disponível em: Acesso em 31/01/2012. CARVALHO, Alessandra Ribeiro de - A Cidade - Barra do Bugres,2011. Disponível em Acesso em 31/01/

192 APÊNDICES

193 ANEXO 01: REGIMENTO INTERNO 192

194 193

195 194

196 195

197 ANEXO 02: METODOLOGIA 196

198 197

199 198

200 199

201 200

202 201

203 202

204 203

205 204

206 205

POLÍTICA NACIONAL SOBRE DROGAS

POLÍTICA NACIONAL SOBRE DROGAS GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL CONSELHO NACIONAL ANTIDROGAS RESOLUÇÃO Nº3/GSIPR/CH/CONAD, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005 Aprova a Política Nacional Sobre Drogas O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL ANTIDROGAS

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL ANTIDROGAS

POLÍTICA NACIONAL ANTIDROGAS POLÍTICA NACIONAL ANTIDROGAS O Conselho Nacional Antidrogas Conad aprovou a nova Política Nacional sobre Drogas no último dia 27/10/2005, resultado do realinhamento da Política Nacional Antidrogas vigente

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghssdfghjklzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghssdfghjklzxcvbnm qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghssdfghjklzxcvbnm POLITICA ESTADUAL SOBRE DROGAS qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui POLITICA ESTADUAL SOBRE

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS DIÁRIO OFICIAL Nº. 31447 de 25/06/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DECRETOS Número de Publicação: 9546 D E C R E T O Nº 1.763, DE 24 DE JUNHO DE 2009 Institui a Política Estadual sobre Drogas, cria o Sistema

Leia mais

REVOGADA PELA LEI Nº 1.593, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. Cria o Conselho Municipal de Enfrentamento às Drogas, e dá outras providências.

REVOGADA PELA LEI Nº 1.593, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. Cria o Conselho Municipal de Enfrentamento às Drogas, e dá outras providências. REVOGADA PELA LEI Nº 1.593, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. LEI N.º 1.323, DE 14 DE OUTUBRO DE 2010. Cria o Conselho Municipal de Enfrentamento às Drogas, e dá outras providências. O Sr. Sadi Ribeiro Ramos,

Leia mais

Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Mostra Local de: Piraí do Sul Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

Brasil. Presidência da República. Secretaria Nacional Antidrogas

Brasil. Presidência da República. Secretaria Nacional Antidrogas 2003. Presidência da República É permitida a reprodução parcial ou total desde que citada a fonte. Produção, distribuição e informações: Presidência da República Gabinete de Segurança Institucional Secretaria

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

(Minuta) Decreto N..., de 2010.

(Minuta) Decreto N..., de 2010. (Minuta) Decreto N..., de 2010. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas. O PREFEITO DE...(município)... segue o texto de aprovação do presente Decreto, conforme o trâmite

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS FUNDO MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS GUIA PARA CRIAÇÃO ABRIL 2013

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS FUNDO MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS GUIA PARA CRIAÇÃO ABRIL 2013 CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS FUNDO MUNICIPAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS GUIA PARA CRIAÇÃO ABRIL 2013 ÍNDICE I - Apresentação 03 II - Fases para a criação 04 III - Informações gerais sobre

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José

Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José 1 2 Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José dos Campos-SP. Trata-se de um conjunto de ações intersecretariais,

Leia mais

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012 Proposta Projeto Brasileiro Brasília, outubro de 2012 1 - Existe, em seu país, política pública, programa ou estratégia de acesso ao Direito, para a população em condição de vulnerabilidade (grupos vulneráveis)?

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE. Projeto de Lei n..., de de de 2012.

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE. Projeto de Lei n..., de de de 2012. ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE Projeto de Lei n..., de de de 2012. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de e dá outras providências. A Câmara Municipal de (nome

Leia mais

Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus.

Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus. Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus. 1. Resumo Descritivo Data: 31 de outubro de 2013. Local: Assembleia Legislativa

Leia mais

Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no. B r a s i l

Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no. B r a s i l Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no B r a s i l Brasília - 2010 Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no Brasil Brasília-2010 Presidência da República Vice-Presidência da República Gabinete

Leia mais

PLANO DE PROJETO - PP

PLANO DE PROJETO - PP PLANO DE PROJETO - PP 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Código Nome do Projeto PE019 Promotoria Itinerante Gerente do Projeto Dra. Hellen de Macêdo Maciel Patrocinador (apoiador institucional) Dr. Manoel Onofre

Leia mais

B r a s i l. Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no. Brasília - 2008. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas

B r a s i l. Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no. Brasília - 2008. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no B r a s i l Brasília - 2008 Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Gabinete de Segurança Institucional Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

Senado Federal. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas SENAD Ministério da Justiça

Senado Federal. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas SENAD Ministério da Justiça Senado Federal Comissão de Assuntos Sociais i Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas SENAD Ministério da Justiça Contexto mundial: Consumo de drogas ilícitas Estima, entre 149 e 272 milhões, o nº

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA Lei nº 407/2014, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Abaetetuba e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS A Política Estadual sobre Drogas em Minas Gerais Conferencista: Dr. Cloves Eduardo Benevides

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DAS COMUNIDADES

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DAS COMUNIDADES MPPR-0046.13.002014-5 ATA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Aos 18 de abril de 2013, às 19h, na Rua da Cidadania da Regional Boa Vista, localizada na Av. Paraná, 3600, no Bairro Boa Vista, em Curitiba-PR, tiveram início

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN. MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN. MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro LEI Nº 4.622 / 2013, DE 15 DE OUTUBRO DE 2013. EMENTA: AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 Lei n 763/2010. EMENTA: Dispõe sobre a política municipal de segurança alimentar e nutricional sustentável do município de Parnamirim-PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas 1- NOME DO PROJETO PROJETO FALA GAROTO 2- IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO EXECUTORA Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas Razão social e CNPJ: 31.754.914/0001-71 Endereço:

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A V Conferência Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL Cuiabá-MT teve a primeira Promotoria de Justiça a aplicar a Lei Maria da Penha no Brasil, iniciando seus trabalhos no dia 22/09/2006, dia em que a Lei Maria da

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL. Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013.

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL. Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013. ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas COMPOD. O(A) Prefeito(a)

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03 "O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE JUNTO À COMUNIDADE" Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03 A)

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1

RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1 RELATÓRIO FINAL DAS ATIVIDADES DA CTI 1 1. INTRODUÇÃO A discussão em torno do tema criminalidade e violência é um assunto recorrente e atual em nossa sociedade. Aliado também ao crescente tráfico e uso

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL

A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL Olga Lopes Salomão 1 ; Marineide de Jesus Nunes 1, Rodolfo C. Villa do Miu 1, Brigina Kemp 2, Carlos Eduardo Abrahão 2, William

Leia mais

MÓDULO 1. Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas.

MÓDULO 1. Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas. MÓDULO 1 Neste módulo você estudará sobre as políticas públicas e a rede de atenção aos usuários de substâncias psicoativas. Você conhecerá a história da atenção à saúde de usuários de álcool e outras

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL

RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL SAÚDE PÚBLICA DE QUALIDADE PARA CUIDAR BEM DAS PESSOAS: DIREITO DO POVO BRASILEIRO ETAPA MUNICIPAL DA 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 Relatório do Painel PANORAMA LEGAL 1. A DEFENSORIA PÚBLICA ESTADUAL NA PREVENÇÃO E NO COMBATE À VIOLÊNCIA Carência de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS

PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS PROPOSTA PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS Crack é possível vencer 1 P á g i n a Secretaria de Educação Secretaria de Assistência Social Secretaria de Segurança Pública

Leia mais

FALANDO SÉRIO: BATE PAPO SOBRE CRACK E OUTRAS DROGAS EM ESCOLAS DE JATAÍ 1. PALAVRAS-CHAVE: Promoção da saúde. Prevenção. Drogas. Ensino médio.

FALANDO SÉRIO: BATE PAPO SOBRE CRACK E OUTRAS DROGAS EM ESCOLAS DE JATAÍ 1. PALAVRAS-CHAVE: Promoção da saúde. Prevenção. Drogas. Ensino médio. FALANDO SÉRIO: BATE PAPO SOBRE CRACK E OUTRAS DROGAS EM ESCOLAS DE JATAÍ 1 REZENDE, Wender Lopes 2, MAIA, Ludmila Grego 3 ; MARTINS, Marlene Andrade 3 ; NOGUEIRA, Douglas José 3 ; PEREIRA, Ângela Lima

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS CÂMARA MUNICIPAL DE MACEIÓ SETOR DE ATAS E DEBATES ATA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA DISCUTIR O TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA.

ESTADO DE ALAGOAS CÂMARA MUNICIPAL DE MACEIÓ SETOR DE ATAS E DEBATES ATA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA DISCUTIR O TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA. ATA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA DISCUTIR O TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA. Aos (19) dezenove dias do mês de abril do ano de 2013 às (10h00) dez horas, sob a presidência da vereadora Tereza Nelma, reuniu-se

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 9 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 07/04/2014. Aos sete dias do mês de abril do ano de dois mil e quatorze, nesta cidade de

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO LEI Nº 3890 REGULAMENTA A PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS AÇÕES SOCIAIS DE PROTEÇÃO, DEFESA E ATENDIMENTO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, NOS TERMOS DO INCISO II DO ARTIGO 88 DA LEI FEDERAL Nº 8.069,

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA RESUMO EM SANTA MARIA Raisa Crestani Calegaro 1 Carolina Elisa Suptitz 2 O uso do crack tem aumentado cada vez mais no Brasil, principalmente em grandes

Leia mais

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go.

A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. A Política Nacional sobre Drogas e o Atendimento a Usuários de Drogas no Horto Medicinal da SEMAS de Goiânia-Go. Marlene Fátima Stach Alves* Roberto Alves Pereira ** RESUMO: O presente artigo faz uma breve

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

Clipagem. Sexta-feira, 25 de janeiro de 2013. Veículos clipados: Tribuna do Norte; Tribuna do Norte ; Novo Jornal

Clipagem. Sexta-feira, 25 de janeiro de 2013. Veículos clipados: Tribuna do Norte; Tribuna do Norte ; Novo Jornal Clipagem Veículos clipados: Tribuna do Norte; Tribuna do Norte ; Novo Jornal Sexta-feira, 25 de janeiro de 2013 CADERNO OPINIÃO / COLUNA JORNAL DE WM / PÁG. 02 CADERNO OPINIÃO / COLUNA JORNAL DE WM / PÁG.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito Of/GP/CM/069/09 Canoas, 22 de abril de 2009. Senhor Presidente: Vimos respeitosamente apresentar para apreciação desta Casa Legislativa o Projeto de Lei 24/09, que Cria o Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

R E L A T Ó R I O 1ª REUNIÃO ORDINÁRIA 2015

R E L A T Ó R I O 1ª REUNIÃO ORDINÁRIA 2015 R E L A T Ó R I O 1ª REUNIÃO ORDINÁRIA 2015 Brasília, 23 e 24 de abril de 2015 SUMÁRIO I COMUNICAÇÃO DA 1ª RO FNG-MP 2015 II PROGRAMAÇÃO DA 1ª RO FNG-MP 2015 III NIVELAMENTO DOS COMITÊS IV REUNIÃO COM

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos e Ampliação das formas de interação com a categoria Proposta: Conhecer as práticas dos psicólogos nos municípios. Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais