RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos"

Transcrição

1 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT

2 RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos ÍNDICE 1. ANTECEDENTES PANORÂMICA DA RECOLHA DE DADOS DO EUROSTAT NO ÂMBITO DA DIRETIVA 2011/85/UE DO CONSELHO Comunicação de informações no âmbito do artigo 14.º, n.º 3, da Diretiva 2011/85/UE Prazos Descrição dos indicadores Garantias estatais PPP fora do balanço Crédito mal parado das administrações públicas Passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora administrações públicas (empresas públicas) RESULTADOS DA PRIMEIRA RECOLHA DE DADOS DO EUROSTAT SOBRE PASSIVOS CONTINGENTES Exaustividade e cobertura dos dados Garantias estatais PPP fora do balanço Crédito mal parado Passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública Comparabilidade dos dados OUTRAS COMPILAÇÕES DE DADOS DO EUROSTAT Passivos contingentes da administração pública em relação ao setor financeiro Outras fontes de dados do Eurostat CONCLUSÕES

3 1. ANTECEDENTES O artigo 11.º do Regulamento (UE) n.º 549/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de maio de 2013, relativo ao sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia 1 (SEC 2010) exige que, até 2014, a Comissão apresente ao Parlamento Europeu e ao Conselho um relatório contendo as informações existentes sobre as parcerias público-privadas (PPP) e outros passivos implícitos, incluindo os passivos contingentes, fora da administração pública 2. Designam-se passivos contingentes na medida em que são por natureza apenas potenciais e não passivos efetivos. A pertinência de recolher este tipo de informações é explicitamente reconhecida pelo SEC 2010, no n.º 5.11: «Ainda que não sejam registados nas contas, os ativos contingentes e os passivos contingentes são importantes para fins políticos ou de análise, sendo necessário recolher e apresentar a título complementar qualquer informação a seu respeito. Mesmo que não seja devido qualquer pagamento pelos ativos contingentes e passivos contingentes, a existência de um elevado nível de contingências pode indiciar um grau de risco indesejável por parte das unidades que os propõem.» Importa ainda sublinhar que os passivos contingentes não são parte da dívida pública, tal como definido no Regulamento (CE) n.º 479/2009 do Conselho, de 25 de maio de 2009, relativo à aplicação do Protocolo sobre o procedimento relativo aos défices excessivos anexo ao Tratado que institui a Comunidade Europeia 3. O presente faz uma síntese das informações de que o Eurostat dispõe. Centra-se essencialmente nos dados sobre os passivos contingentes recolhidos pelo Eurostat no contexto do reforço da governação económica da UE, que teve lugar em 2011 (o sixpack) e, em especial, da Diretiva 2011/85/UE, de 8 de novembro de 2011, que estabelece requisitos aplicáveis aos quadros orçamentais dos Estados-Membros 4. O artigo 14.º, n.º 3, desta diretiva estabelece novos requisitos estatísticos para os Estados-Membros: «Relativamente a todos os subsetores da administração pública, os Estados- Membros publicam informações pertinentes sobre passivos contingentes com impacto potencialmente elevado nos orçamentos públicos, incluindo as garantias estatais, os empréstimos improdutivos e os passivos decorrentes das operações de empresas públicas, definindo ainda a extensão dos mesmos. Os Estados-Membros publicam também informações sobre as participações da administração pública no capital de empresas privadas e públicas, de montantes economicamente significativos». Os dados recolhidos no âmbito da diretiva acima mencionada são a principal fonte de informações relacionadas com os passivos contingentes das administrações públicas dos Estados-Membros. Além disso, existem outras compilações de dados 1 JO L 174 de , p O relatório é compilado após o termo do prazo previsto no regulamento, a fim de incluir as informações pertinentes dos resultados da recolha de dados do Eurostat sobre os passivos contingentes que ocorreu no final de dezembro de JO L 145 de , p JO L 306 de , p

4 do Eurostat (a saber, o quadro suplementar relacionado com a crise financeira, o questionário relativo ao PDE, etc.) que fornecem informações limitadas e/ou confidenciais sobre determinados tipos de passivos contingentes. O âmbito das informações disponíveis provenientes destas fontes será também apresentado no presente relatório. 2. PANORÂMICA DA RECOLHA DE DADOS DO EUROSTAT NO ÂMBITO DA DIRETIVA 2011/85/UE DO CONSELHO 2.1. Comunicação de informações no âmbito do artigo 14.º, n.º 3, da Diretiva 2011/85/UE A fim de ajudar os Estados-Membros na aplicação dos novos requisitos estatísticos previstos na diretiva, o Eurostat conduziu um Grupo de Trabalho em cooperação com Estados-Membros e com a DG ECFIN 5. O seu relatório final estabelece, inter alia, um conjunto de modelos e respetivas notas, que indicam a metodologia, o âmbito da informação obrigatória, a periodicidade e a tempestividade da publicação nacional e do Eurostat de dados sobre os passivos contingentes. Especifica que o Eurostat irá recolher e publicar determinados indicadores relacionados com os passivos contingentes, ou seja, garantias da administração pública, parcerias público-privadas (PPP) fora do balanço, passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública (empresas públicas) e crédito mal parado (ativos da administração pública). Os Estados-Membros devem publicar os mesmos indicadores, a nível nacional e, além disso, os dados sobre a participação da administração pública no capital das sociedades. As alterações necessárias nos sistemas de recolha do Eurostat foram formalizadas através da introdução de uma adenda ao questionário PDE (procedimento relativo aos défices excessivos), ao abrigo do disposto no artigo 8.º, n.º 2, alínea d), do Regulamento (CE) n.º 479/2009 do Conselho. Os modelos e as orientações de execução foram fornecidos na decisão do Eurostat, de 22 de julho de 2013, relativa ao suplemento sobre passivos contingentes e eventuais obrigações incluído no questionário relativo ao PDE 6. Esta decisão especifica igualmente que os dados sobre os passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública (empresas públicas) serão compilados pelo Eurostat com base nas informações já recolhidas através do Questionário sobre unidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública, que foi introduzido em Todos os indicadores devem ser comunicados ao Eurostat em milhões da moeda nacional, a nível dos subsetores individuais das administrações públicas. A metainformação que esclarece a exaustividade, as definições, a utilização de estimativas ou a tempestividade dos dados deve ser transmitida ao Eurostat juntamente com os dados. 5 Realizaram-se três reuniões de grupo de trabalho em 2012: 29 de junho, 5 de setembro e 6 de novembro O questionário foi objeto de um parecer positivo do CMFB em Os dados são recolhidos numa base anual e a primeira transmissão de dados ocorreu em dezembro de

5 2.2. Prazos Os dados sobre os passivos contingentes devem ser transmitidos ao Eurostat, anualmente, antes de 31 de dezembro do ano seguinte (T + 12 meses) pela autoridade estatística nacional, juntamente com o Questionário sobre unidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública. A primeira transmissão de dados ocorreu em dezembro de 2014 e abrangeu o ano de 2013, ao passo que os dados relativos ao período entre 2010 e 2012 foram comunicados voluntariamente. No caso das garantias, a transmissão dos dados relativos aos anos anteriores era obrigatória. A intenção é acabar por abranger os quatro últimos anos em todos os indicadores abrangidos pelas comunicações periódicas e desenvolver gradualmente séries cronológicas Descrição dos indicadores Esta secção apresenta os conceitos e as definições acordados para a publicação de dados sobre os passivos contingentes, ao passo que a sua aplicação pelos Estados- Membros no que se refere aos dados transmitidos ao Eurostat é descrita na secção Garantias estatais O Eurostat recolhe informações sobre o montante pendente das garantias concedidas pelas administrações públicas. A comunicação de informações só abrange as garantias fornecidas a unidades classificadas fora da administração pública. Está disponível uma desagregação por subsetores, exceto para fundos de segurança social. As informações são expressas no volume total das garantias, com exclusão da dívida já assumida pela administração pública, tal como registado nas contas do SEC Os dados são comunicados pelo valor nominal. Os dados abrangem garantias pontuais e normalizadas. Uma garantia pontual é definida como individual, e os garantes não estão em condições de poder fazer estimativas fiáveis do risco de acionamento das garantias. As garantias pontuais estão associadas a instrumentos de dívida (por exemplo, empréstimos, títulos). Está ainda disponível uma desagregação adicional para garantias pontuais concedidas a empresas públicas e a sociedades financeiras. As garantias normalizadas são garantias emitidas em grande número, normalmente para montantes bastante reduzidos e segundo regras idênticas. Não é possível estimar com precisão o risco de incumprimento de cada empréstimo, mas é possível estimar quantos empréstimos, de entre um grande número deles, são suscetíveis de incumprimento. Exemplos de tais garantias são as garantias de empréstimos hipotecários, as garantias de empréstimos estudantis, etc PPP fora do balanço As parcerias público-privadas (PPP) 8 registadas fora do balanço da administração pública significam que os ativos não são considerados como detidos, do ponto de vista económico, pela administração pública e que a formação bruta de capital fixo não é registada como uma despesa da administração pública no momento em que é suportada. 8 Parcerias público-privadas (PPP), tal como definido pelo SEC 2010, n.º e de forma mais pormenorizada no Manual do Eurostat sobre o défice das administrações públicas e a dívida, parte VI.4. 5

6 O Eurostat recolhe dados sobre o total do passivo pendente registado fora do balanço. Este deve ser expresso no valor ajustado de capital correspondente a um valor contratual inicial do capital ao qual é progressivamente subtraído, ao longo do tempo, o montante da «depreciação económica», calculada com base em estimativas ou dados reais. O valor ajustado do capital reflete o valor corrente do ativo no momento da comunicação das informações. O montante representa uma estimativa da formação bruta de capital fixo e do impacto da dívida caso o governo tenha de adquirir os ativos durante a vigência do contrato. Os dados são recolhidos para as administrações públicas e por todos os subsetores e são comunicados pelo valor nominal Crédito mal parado das administrações públicas São recolhidas informações sobre o volume de crédito mal parado (ativos das administrações públicas) concedido pelas administrações públicas. Um empréstimo considera-se mal parado quando os pagamentos de juros ou de capital estão vencidos há 90 dias, ou quando os pagamentos de juros equivalentes a 90 ou mais dias foram capitalizados, refinanciados ou adiados por acordo, ou ainda, quando, embora os pagamentos tenham um atraso inferior a 90 dias, há outras razões fundamentadas (como um pedido de declaração de falência do devedor) para duvidar que os pagamentos venham a ser integralmente feitos. Os dados são comunicados pelo valor nominal. São disponibilizados valores consolidados para as administrações públicas e pormenores por subsetor Passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora administrações públicas (empresas públicas) As entidades controladas pelas administrações públicas são unidades cuja política geral ou programa são passíveis de determinação pela administração pública (SEC 2010, n.º 20.18) 9. Essas entidades controladas classificam-se fora das administrações públicas na maioria dos casos, devido ao seu comportamento de unidades mercantis. Os passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública (empresas públicas) são definidos como o volume de passivos no final do ano, com base nas contas comerciais das empresas. Os Estados-Membros podem escolher que conceito utilizar para efeitos da comunicação, optando quer por contas comerciais (incluindo todos os passivos constantes das demonstrações financeiras da empresa) quer por contas nacionais (excluindo outras contas a pagar). Caso estejam disponíveis, podem também ser comunicados dados sobre passivos relativos aos elementos de dívida contidos no Tratado de Maastricht. Os dados abrangem unidades controladas pela administração pública que relatam passivos superiores a 0,01 % do PIB e classificadas, de acordo com o SEC 2010, nos setores das sociedades não financeiras, das sociedades financeiras e do resto do mundo. Os dados são comunicados em relação a unidades individuais e não a contas do grupo numa base consolidada. 9 Deve considerar-se um conjunto de indicadores para determinar o controlo da administração pública (os detalhes relativos a cada critério são definidos no SEC 2010, n.º ). 6

7 Os dados fornecem uma desagregação dos passivos de unidades envolvidas em atividades financeiras 10 e dos passivos de unidades envolvidas noutras atividades, entre as quais as unidades não financeiras deficitárias. Além disso, o subsetor da administração pública que detém o controlo também é identificável a partir dos dados. 3. RESULTADOS DA PRIMEIRA RECOLHA DE DADOS DO EUROSTAT SOBRE PASSIVOS CONTINGENTES Em dezembro de 2014, o Eurostat recolheu pela primeira vez dados sobre passivos contingentes. Todos os Estados-Membros forneceram dados ao Eurostat em datas próximas do termo do prazo para a comunicação. Em 10 de fevereiro de 2015, o Eurostat publicou na sua base de dados 11 os valores em milhões da moeda nacional e em percentagem do PIB 12, juntamente com a respetiva metainformação e notas de rodapé específicas do país 13. A publicação destes dados foi acompanhada de um comunicado de imprensa 14. Os principais resultados são apresentados no anexo 1 do presente relatório Exaustividade e cobertura dos dados Todos os Estados-Membros forneceram uma versão completa do Suplemento sobre passivos contingentes e obrigações potenciais, bem como uma resposta ao Questionário sobre entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública. A exaustividade dos dados varia consoante o indicador e os Estados-Membros Garantias estatais Todos os Estados-Membros forneceram valores do total de garantias das administrações públicas para os anos de 2010 a No caso da França, da Croácia e da Eslovénia, este valor agregado não abrange o subsetor da administração local, para o qual não haviam dados disponíveis. No caso da Dinamarca, os dados relativos à administração local só estão disponíveis a partir de No que diz respeito a garantias normalizadas, não existem, para todos os subsetores da administração, dados relativos à Bélgica, à Croácia e a Portugal. No caso da Dinamarca, da França e da Polónia, não estão disponíveis dados relativos às garantias normalizadas ao nível da administração local. No caso da Itália, os dados relativos à administração local incluem tanto as garantias pontuais como as normalizadas, sem distinção. No caso da Alemanha, os dados do volume total de empréstimos cobertos por garantias normalizadas só estão disponíveis para o maior regime de garantias, que é organizado pela administração central, ao passo que os 10 Os passivos de unidades envolvidas em atividades financeiras incluem as seguintes categorias da NACE: (64) Atividades de serviços financeiros, exceto o Banco Central, (65) Atividades de seguro, (66) Atividades auxiliares de serviços financeiros Os valores relativos ao PIB fornecidos durante a notificação do procedimento de défices excessivos de outubro de 2014 são utilizados para o cálculo dos indicadores. 13 and edb183a 7

8 dados sobre o volume dos empréstimos abrangidos pelos dois outros regimes de garantias normalizadas não estão disponíveis PPP fora do balanço Todos os países forneceram dados sobre as PPP fora do balanço em Uma grande maioria dos países também comunicou valores para os anos 2010 a Os dados não são exaustivos no caso da Áustria, cuja administração central não é abrangida, e do Reino Unido, em que não estão disponíveis dados para a administração local. No caso da Alemanha, os ativos de todos os projetos de PPP são registados no balanço da administração pública Crédito mal parado Para 2013, 23 dos 28 países forneceram informações sobre crédito mal parado da administração pública. Os países em falta são a Bélgica, a França, a Croácia, Chipre e a Eslováquia. Os dados não são exaustivos no que se refere à Espanha, uma vez que não abrangem o subsetor da administração local, nem no caso da Itália e da Finlândia, cujos créditos mal parados da administração local e dos fundos da segurança social não são comunicados. Alguns países forneceram também voluntariamente dados sobre crédito mal parado para os anos de 2010 a Foram eles os seguintes: Grécia, Letónia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polónia, Portugal, Suécia e o Reino Unido Passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública Todos os países responderam ao questionário do Eurostat sobre as entidades controladas, o qual constitui a base para calcular as séries de dados sobre os passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública. Para a maior parte dos países, os dados referem-se a 2013, com exceção da Alemanha, de Chipre e, em parte, da Irlanda, cujos dados se referem ao ano de A maioria dos países forneceu dados exaustivos, que abrangem todos os subsetores da administração pública detentores de controlo. No entanto, alguns dados dos Estados-Membros não são exaustivos, não incluindo os passivos de instituições financeiras e/ou os passivos de unidades controladas pela administração local. Em especial, a cobertura dos dados da Grécia e da Irlanda é limitada a empresas públicas controladas pela administração central. No caso da Grécia e de Chipre, existem igualmente algumas unidades controladas pela administração central cujos dados não são comunicados. Para a Polónia, os dados não incluem as unidades que empregam menos de 10 pessoas. Para a Bélgica e Chipre, a cobertura da administração local não é exaustiva. Além disso, alguns países (Bélgica, Grécia, Espanha, Chipre e Luxemburgo) não fornecem quaisquer valores ou apenas fornecem valores parciais sobre as instituições financeiras controladas pela administração pública. 8

9 3.2. Comparabilidade dos dados Devido às suas características, os dados sobre os passivos contingentes são específicos do país e estão estreitamente ligados a especificidades nacionais relativas à estrutura económica, financeira e jurídica do mesmo. Como descrito acima e novamente indicado nas notas de rodapé do país publicadas com os dados, a cobertura dos dados não é completa para todos os Estados-Membros. Por estas razões, os dados devem ser interpretados com precaução. Em geral, a comparabilidade das garantias estatais, do crédito mal parado e das PPP fora do balanço é satisfatória, ao passo que é limitada para os passivos das empresas públicas. Para este indicador, conforme descrito acima, alguns dados dos Estados- Membros não são exaustivos, não incluindo os passivos de instituições financeiras e/ou os passivos das unidades controladas pela administração local. Em especial, os dados mostram diferenças significativas entre os países que incluem de forma exaustiva os passivos das instituições financeiras (tais como a Alemanha, a Irlanda, os Países Baixos, a Eslovénia) e aqueles que apenas forneceram dados parciais ou que não os forneceram de todo (Bélgica, Grécia, Espanha, Chipre e Luxemburgo). Acresce ainda o facto de os dados comunicados para passivos de empresas públicas não serem consolidados, o que significa que parte da dívida destas unidades poderá ser em relação a entidades do mesmo grupo de empresas (a dívida entre unidades do mesmo grupo não é identificável a partir dos dados comunicados). Além disso, a recolha de dados refere-se apenas aos passivos das entidades, sem que estes sejam ponderados relativamente aos ativos. Este aspeto é muito importante no caso de instituições financeiras que têm normalmente uma quantidade significativa de ativos e passivos. Além disso, para alguns dos Estados-Membros, a maior parte dos passivos comunicados pelas instituições financeiras diz respeito a depósitos. Importa igualmente referir que, na compilação dos passivos das empresas públicas, os Estados-Membros puderam escolher que conceito utilizar para efeitos de comunicação, quer contas comerciais ou contas nacionais. Ao aplicarem as definições das contas comerciais, os países incluíram todos os passivos das demonstrações financeiras da empresa, incluindo também os passivos relacionados com a rubrica «outras contas a pagar». A maioria dos países comunicou passivos seguindo esta abordagem. Alguns outros países (Bélgica, Espanha, Países Baixos, Portugal e Eslováquia) utilizaram o conceito de contas nacionais (excluindo a rubrica outras contas a pagar) ou comunicaram elementos de dívida de Maastricht, ou seja, moeda e depósitos, títulos de dívida e empréstimos. 4. OUTRAS COMPILAÇÕES DE DADOS DO EUROSTAT 4.1. Passivos contingentes da administração pública em relação ao setor financeiro Desde outubro de 2009, o Eurostat procede regularmente (duas vezes por ano, no âmbito de cada notificação PDE 15 ) à recolha de informações sobre os passivos da administração pública, através do quadro suplementar relativo à crise financeira No seguimento da decisão do Eurostat, de 15 de julho de 2009, sobre o registo estatístico das intervenções públicas para apoiar as instituições financeiras e os mercados financeiros durante a crise financeira, é recolhido um «quadro suplementar». Ver ainda Eurostat supplementary table for the financial crisis: Background note (abril de 2015) 9

10 Fornece dados relacionados com os impactos reais e potenciais sobre o défice e a dívida das administrações públicas do apoio prestado às instituições financeiras no contexto das perturbações financeiras. As informações sobre os passivos eventuais das administrações públicas ligados ao setor financeiro são publicadas no sítio Web do Eurostat 17, por Estado-Membro da UE, incluindo um quadro de síntese com os dados agregados da UE e da área do euro e abrange o período de 2007 a Outras fontes de dados do Eurostat Foram também recolhidos pelo Eurostat alguns dados sobre as garantias das administrações públicas, bem como sobre as PPP fora do balanço, nos quadros do questionário do PDE (que não são públicos), apresentados juntamente com a notificação do PDE há mais de dez anos. As informações recolhidas não são para publicação mas sim para fins internos do Eurostat em matéria de controlo da qualidade da comunicação do PDE. Além disso, os dados agregados sobre as garantias estatais têm sido recolhidos previamente como parte do questionário anual sobre a estrutura da dívida das administrações públicas, que é publicado no sítio Web do Eurostat aproximadamente T + 6 meses após o final do período de referência 18. Por último, o programa de transmissão do SEC 2010 prevê a apresentação ao Eurostat de quadros suplementares de passivos relativos a pensões. Os dados do quadro SEC 29 são recolhidos em T + 24 meses após o final do período de referência e em intervalos de três anos. A primeira recolha voluntária ocorreu no final de 2014 e a primeira recolha obrigatória ocorrerá no final de CONCLUSÕES A recolha de dados sobre os passivos contingentes no contexto da Diretiva 2011/85/UE do Conselho tem por objetivo aumentar a disponibilidade de informações sobre os passivos implícitos das administrações públicas. Antes da aplicação da diretiva, o Eurostat só recolhia dados parciais, e maioritariamente não públicos, em matéria de garantias e das PPP fora do balanço. Na sequência do relatório do grupo de trabalho, os Estados-Membros devem publicar as informações pertinentes de uma forma harmonizada e abrangente. Os resultados da primeira recolha de dados do Eurostat mostram que os Estados-Membros já tinham envidado grandes esforços. Para a maior parte dos países estão disponíveis dados completos e com uma boa cobertura para a maioria dos indicadores. Alguns países têm ainda de fazer progressos em relação à exaustividade dos dados e à cobertura, a fim de incluir todas as unidades das administrações públicas. Em especial, deve ser melhorada a cobertura dos dados comunicados como uma base para o cálculo do passivo total das entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública. Atualmente, alguns países não comunicam os passivos das instituições financeiras controladas pela administração pública e/ou os passivos das unidades controladas pela administração local. Além disso, a disponibilidade da metainformação que acompanha tais dados poderia ser melhorada a fim de informar Esta recolha de dados abrange dois anos. See collection gov_dd_sgd. Os dados relativos ao SEC 2010 serão disponibilizados em junho de

11 melhor os utilizadores sobre as especificidades nacionais e as limitações dos dados. O Eurostat realizará um debate com os Estados-Membros sobre os próximos passos a tomar a este respeito. Será salientada a necessidade de melhorar a cobertura e a exaustividade da próxima de recolha de dados de dezembro de Será examinada a possibilidade de uma recolha harmonizada de metainformação. No entanto, já nesta fase, a nova recolha de dados representa um passo em frente rumo a uma maior transparência das finanças públicas da União Europeia, dando uma visão mais abrangente da situação financeira dos Estados-Membros da UE ao analisar o impacto potencial nos orçamentos públicos. 11

12 Anexo 1. Total dos passivos contingentes das administrações públicas e crédito mal parado nos Estados-Membros, 2013 (% do PIB) Total Garantias estatais Pontual do qual: Normalizado Passivos pendentes relacionados com parcerias público-privadas (PPP) fora do balanço Passivos das entidades controladas pela administração pública classificadas fora da administração pública Crédito mal parado Belgium a 13,29 13,29 : 0,15 11,41 : Bulgária 0,75 0,70 0,04 0,00 12,83 0,07 República Checa 1,19 1,19 0,00 0,00 15,48 0,09 Dinamarca a 9,18 9,10 0,07 0,13 27,17 0,22 Alemanha a 18,22 18,03 0,19-126,26 0,29 Estónia 1,71 0,00 1,71 0,23 8,93 0,00 Irlanda a 32,14 32,14 0,00 2,82 64,51 11,40 Grécia a 3,67 3,61 0,06 0,01 6,82 0,00 Espanha a 18,41 18,41 : 0,28 12,46 0,19 França a 5,53 3,54 1,99 0,00 46,90 : Croácia a 7,25 7,25 : 0,13 15,90 : Itália a 6,10 5,41 0,68 0,02 45,45 0,00 Chipre a 15,85 15,85 0,00 4,85 10,40 : Letónia 2,31 1,85 0,47 0,03 30,65 0,13 Lituânia a 0,82 0,73 0,10 0,00 7,28 0,15 Luxemburgo a 7,72 6,95 0,77 0,00 1,63 0,00 Hungria 8,03 7,70 0,34 2,18 14,72 0,05 Malta a 15,88 15,88 0,00 0,09 31,16 0,00 Países Baixos a 7,22 6,75 0,47 0,39 107,15 0,70 Áustria a 35,01 35,01 0,00 0,04 36,15 0,08 Polónia a 6,80 6,51 0,29 0,00 25,84 0,18 Portugal a 11,97 11,97 : 5,12 51,79 1,50 Roménia a 2,15 0,81 1,34 0,00 9,92 0,00 Eslovénia a 17,82 17,82 0,00 0,00 93,30 2,83 Eslováquia 0,03 0,03 0,00 1,44 3,88 : Finlândia a 24,08 23,27 0,81 0,03 35,96 0,07 Suécia 11,56 11,56 0,00 0,00 34,50 0,80 Reino Unido a 9,47 9,47 0,00 1,89 60,88 0,77 a Ver Notas de rodapé específicas por país disponível no sítio Web do Eurostat; : :dados não disponíveis não aplicável

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010 Exercício de stress test na União Europeia Principais resultados para os bancos portugueses 23 Julho 2010 Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom)

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom) 271 der Beilagen XXV. GP - Beschluss NR - 17 Beschluss Portugiesisch (Normativer Teil) 1 von 7 L 168/105 DECISÕES DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS e da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS e da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO SOBRE A CONCESSÃO DE GARANTIAS PESSOAIS PELO ESTADO PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS O presente Relatório é elaborado nos termos

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Classic Estrangeiro: Rede 28,85 28,85 19,23 19,23 Isenção

Leia mais

É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu!

É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu! F É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu! 1 QUEM PODE VOTAR A 25 DE MAIO DE 2014? Para poder participar nesta eleição na qualidade

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco BPI, Sociedade

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 ACTA FINAL FA/TR/EU/HR/pt 1 2 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência 1 Proposta de Adesão de Crédito - Particulares Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Identificação do titular Nome Completo B.I./ Cidadão Nº Contribuinte

Leia mais

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2).

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2). 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 04-agosto-2015 3.1. Cartões de Crédito Designação do cartão Redes onde o cartão é aceite Barclays

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 5.5.2012 Jornal ficial da União Europeia L 120/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTS REGULAMENT (UE) N. o 383/2012 DA CMISSÃ de 4 de maio de 2012 que estabelece os requisitos técnicos relativos às cartas

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente 1 Proposta de Adesão Particulares Cartão de Crédito Miles & More Gold da Caixa (para residentes no estrangeiro) Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2012)722 Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho - Plano de Ação para reforçar a luta contra a fraude e a evasão fiscais 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

1 Instruções gerais para os dois formulários. 2 Instruções para o formulário relativo ao total dos ativos. Fevereiro de 2015.

1 Instruções gerais para os dois formulários. 2 Instruções para o formulário relativo ao total dos ativos. Fevereiro de 2015. Instruções para preenchimento dos formulários relativos ao total dos ativos e das posições em risco para efeitos de recolha dos fatores de taxa utilizados no cálculo das taxas de supervisão Fevereiro de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 11.4.2007 COM(2007) 178 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório final da Comissão Europeia sobre a continuação da adequação

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira

Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira EIOPA-BoS-15/107 PT Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax.

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12)

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) PT ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 24 de março de 2015 sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) Introdução e base jurídica Em 14 de janeiro de 2015 o Banco Central Europeu (BCE)

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos

A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos A estabilidade de preços é importante porquê? Brochura informativa para os alunos O que é que podes comprar com uma nota de 10? Que tal dois CD-singles ou talvez a tua revista preferida todas as semanas,

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

(2014/541/UE) Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão,

(2014/541/UE) Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão, 29.8.2014 L 258/11 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 29 de julho de 2014 relativa a medidas respeitantes às operações de refinanciamento de prazo alargado direcionadas (BCE/2014/34) (2014/541/UE) O CONSELHO

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015 EUR / Kg Peso Vivo CONJUNTURA SEMANAL - AVES Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Artigo 7.º, n.º 3, da Diretiva 2002/21/CE: Sem observações

COMISSÃO EUROPEIA. Artigo 7.º, n.º 3, da Diretiva 2002/21/CE: Sem observações COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.7.2015 C(2015) 5529 final Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) Avenida José Malhoa n.º 12 1099-017 Lisboa Portugal Ao cuidado da Sr.ª D.ª Fátima Barros Presidente

Leia mais

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/17 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pedido de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 1.7.2015 COM(2015) 326 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Avaliação das medidas adotadas pela FRANÇA em resposta à Recomendação do Conselho de 10 de março de 2015 com vista a

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA 28.10.2014 C 382/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA/31/2014 Programa Erasmus+, Ação-chave 3 Apoio à reforma de políticas Cooperação com

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

***II PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA

***II PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários 2010/0207(COD) 4.6.2014 ***II PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA sobre a posição do Conselho em primeira leitura, tendo

Leia mais

Breve guia do euro. Assuntos Económicos e Financeiros

Breve guia do euro. Assuntos Económicos e Financeiros Breve guia do euro Assuntos Económicos e Financeiros Sobre o euro O euro nasceu em 1999: surgiu inicialmente em extratos de pagamento, contas e faturas. Em 1 de janeiro de 2002, as notas e moedas em euros

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais