Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP/OS Unidade Gestora de Projetos Barragens da Mata Sul UGP Barragens RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL R I M A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP/OS Unidade Gestora de Projetos Barragens da Mata Sul UGP Barragens RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL R I M A"

Transcrição

1

2 Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP/OS Unidade Gestora de Projetos Barragens da Mata Sul UGP Barragens RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL R I M A SISTEMA DE CONTROLE DE CHEIAS DA BACIA DO RIO SIRINHAÉM BARRAGEM BARRA DE GUABIRABA Recife Setembro/2011

3 ESTADO DE PERNAMBUCO Governador Eduardo Henrique Accioly Campos Vice-Governador João Soares Lyra Neto Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos - SRHE João Bosco de Almeida Secretário Executivo de Recursos Hídricos - SRHE José Almir Cirilo Secretário Executivo de Energia - SRHE Eduardo Azevedo Rodrigues Gerência Geral de Recursos Hídricos - SRHE Carlos Marcelo Sá Gerência de Infraestrutura Hídrica - SRHE Maria Lorenzza Pinheiro Leite Presidente da Agência Pernambucana de Àguas e Clima APAC Marcelo Cauás Asfora Gerente de Revitalização de Bacias - APAC Terezinha Matilde Menezes Uchôa Instituto de Tecnologia de Pernambuco (ITEP-OS) Diretor Presidente - DPR Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Técnico - DT Ivan Dornelas Falcone de Melo Diretoria Administrativa Financeira - DAF Fabiana Albuquerque de Freitas Superintendente de Inovação Tecnológica - SITEP Marcia Maria Lira Pereira Superintendente de Pesquisa e Pós-graduação - SPP José Geraldo Eugênio de França Superintendente de Relações e Cooperações Internacionais - SRCI Jean Paul Raul Marie Gayet EQUIPE TÉCNICA Análise do Projeto Ana Paula Batista Lemos Ferreira, Engª. Civil Análise Jurídica Talden Farias, Advogado Meio Físico Margareth M. Alheiros, Drª Geóloga Ana Mônica Correia, Msc Geógrafa Weronica Meira, Drª. Meteorologista Rizelda Regadas, Msc Geóloga Roberto Quental Coutinho, Dr. Eng. Geotécnico Simone Rosa da Silva, Drª. Engª. Hidróloga Antônio Carlos B.Corrêa, Dr. Geógrafo Luciano Cintrão Barros, Dr.Geógrafo Aguinaldo Batista de Queiroz, Eng Químico Meio Socioeconômico Lucia Soares Escorel, Arquiteta e Urbanista Osmil Torres Galindo Filho, Economista Luis Henrique R. Campos, Dr. Economista Veleda Lucena, Drª.Arqueóloga Apoio Administrativo Solange C. da Costa e Silva, Advogada Marlúcia Alves Rodrigues, Pedagoga Viviane Cabral, Administradora Bibliotecária Simone Rosa de Oliveira, Ms. Ciência da Informação Assistente Social Cândida Jucá Redação e edição Rossini Bandeira Arte Romildo Araújo Lima (Ral) Revisão e Diagramação Eva Luzia Nesso Meio Biótico Marcondes A. Oliveira, Dr.Biólogo/Botânico Wbaneide Martins de AnDrªde, Msc Bióloga/Botânica Maristela Casé Costa Cunha, Drª. Bióloga/Oceanógrafa Cristiane Maria V.A Castro, Drª. Bióloga/Oceanógrafa Alfredo Matos Moura Júnior, Dr. Biólogo/Botânico Aurelyanna C. B. Ribeiro, Msc. Bióloga/Zoóloga Silvia Helena L. Schwamborn, Drª. Enga. de Pesca/Oceanógrafa Maria Adélia O. M. da Cru, Drª.Bióloga/Zoóloga Ednilza Maranhão dos Santos, Drª.Bióloga/Zoóloga Luiz Augustinho M. da Silva, Dr.Biólogo/Zoólogo Yumma Bernardo M. Valle. Msc.Bióloga/Zoóloga Roberta Rodrigues da Costa, Msc.Bióloga/Zoóloga Felipe José Alves, Geógrafo Geoinformação Aramis Leite de Lima, MSc Engº. Cartógrafo Flávio Porfírio Alves, MSc Engº. Cartógrafo Daniel Quintino Silva, Tecnólogo em Geoprocessamento Apoio Técnico Glauber Matias de Souza, Geólogo Otávio Leite Chaves, Geólogo I59 Instituto de Tecnologia de Pernambuco Relatório de Impacto Ambiental Rima: Sistema de Controle de Cheias da Bacia do Rio Sirinhaém- Barragem Barra de Guabiraba/ Instituto de Tecnologia de Pernambuco; Unidade Gestora de Projetos Barragens da Mata Sul. Recife, f. : il. ISBN: 1.Relatório de Impacto Ambiental - RIMA. 2. Impactos Ambientais. 3. Sistema de Controle da Bacia do Rio Sirinhaém-Barragem Barra de Guabiraba. 4. Meio Ambiente. 5. Enchentes. 6. Bacia do Rio Sirinhaém. I. Instituto de Tecnologia de Pernambuco. II. Unidade Gestora de Projetos Barragens da Mata Sul. III. Título. CDU 504

4 APRESENTAÇÃO Diante dos graves desastres por inundações ocorridas em junho de 2010, atingindo dezenas de municípios da Mata Sul e da Região Metropolitana, o Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos, SRHE firmou Contrato de Gestão com a Associação Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP/OS. Em decorrência, foi criada a Unidade Gestora de Projetos Barragens da Mata Sul, UGP-Barragens, com o fim de acompanhar e coordenar os estudos ambientais e projetos de barragens nos rios Una, Sirinhaém e Jaboatão, para o controle das enchentes nessas regiões. Este Relatório de Impacto Ambiental - RIMA apresenta uma síntese dos estudos desenvolvidos para obtenção de licenciamento junto à Agencia Ambiental de Pernambuco CPRH, do empreendimento denominado Barragem Barra de Guabiraba, situada no alto curso do rio Sirinhaém, no município Barra de Guabiraba. O RIMA apresenta os principais resultados dos estudos realizados para os meios físico, biótico e socioeconômico, no que se refere ao diagnóstico ambiental da situação atual da área, dos prováveis impactos e das formas de mitigação e controle dos mesmos, além dos dados sobre o empreendimento e dos responsáveis envolvidas no projeto da barragem e nos estudos ambientais.

5 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PARTE I CONHECENDO O EMPRENDIMENTO 1. QUEM É RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO E PELOS ESTUDOS? COMO É O EMPREENDIMENTO? PARTE II CONHECENDO O MEIO AMBIENTE 3. QUE ÁREAS SERÃO AFETADAS? COMO ESSAS ÁREAS SE ENCONTRAM ATUALMENTE? PARTE III CONHECENDO OS IMPACTOS RESULTANTES 5. QUAIS OS IMPACTOS ANALISADOS E MEDIDAS MITIGADORAS PREVISTOS? QUAIS OS PROGRAMAS AMBIENTAIS RECOMENDADOS? AFINAL, COMO FICA A QUALIDADE AMBIENTAL FUTURA? CONCLUSÕES...39

6 PARTE I CONHECENDO O EMPRENDIMENTO 1. QUEM É RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO E PELOS ESTUDOS? 1.1. Identificação do Projeto Empreendimento Projeto Localização/Municípios Barragem de contenção de Barra de Guabiraba Sistema de contenção de enchentes da Bacia Hidrográfica do Rio Sirinhaém Barra de Guabiraba e Bonito 1.2. Identificação do Empreendedor Razão social: SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E ENERGÉTICOS CNPJ: / Endereço: Av. Cruz Cabugá, CEP: Santo Amaro Recife/PE Responsável: João Bosco de Almeida Telefone: (081) Identificação da empresa consultora responsável Razão Social ITEP Associação Instituto de Tecnologia de Pernambuco CNPJ / Endereço Av. Professor Luiz Freire, 700 Cidade Universitária Recife/PE Responsável Frederico Cavalcanti Montenegro Telefone (81)

7 1.4. Identificação da equipe multidisciplinar responsável pelo EIA/RIMA Nome Função Registro Profissional CTF IBAMA Eng. Cartógrafo Ivan Dornelas Falcone de Melo Engenheira Civil Ana Paula B. L. Ferreira Bióloga Wbaneide Martins de Andrade Geóloga Margareth Alheiros Biólogo Marcondes Albuquerque de Oliveira Arquiteta e Urbanista Lúcia de Fátima Soares Escorel Meteorologista Weronica Meira de Souza Geógrafo Antônio Carlos de Barros Corrêa Geógrafa Ana Mônica Correia Meteorologista Romilson Ferreira da Silva Geógrafo Luciano Cintrão Barros Engª Civil Simone Rosa da Silva Geóloga Rizelda Regadas de Carvalho Engª Química Alessandra Maciel de Lima Barros Engº Químico Aguinaldo de Queiroz Batista Biólogo Marcondes A. de Oliveira Bióloga Elcida de Lima Araújo Bióloga Elba Maria Nogueira Ferraz Bióloga Wbaneide Martins de Andrade Bióloga Yumma Bernardo Maranhão Valle Coordenador Técnico Analista do Projeto Básico Supervisão Geral de Estudos Ambientais Coordenação Técnica Supervisão Meio Biótico Supervisão Meio Antrópico Meio Físico Clima e Condições Meteorológicas PE32724/D PE28680/D CRBio 27620/5D PE02569/D CRBio 27377/5D PE8843/D PE Geomorfologia - Clima e Condições Meteorológicas Clima e Condições Meteorológicas Pedologia Recursos Hídricos Superficiais Recursos Hídricos Subterrâneos Qualidade da Água RPS PE6649/D RS069372/D PE D Qualidade do Ar CRQ Ruídos Meio Biótico Flora e Vegetação Terrestre Flora e Vegetação Terrestre Mastofauna terrestre CRBio 27377/5D CRBio 03684/5D CRBio 11077/5D CRBio 27620/5D CRBio 36839/5D

8 Bióloga Ednilza Maranhão dos Santos Bióloga Fabiana Oliveira de Amorim Biólogo Luiz Augustinho Menezes da Silva Biólogo Patrícia Pilatti Alves Biólogo Alfredo Matos Moura Júnior Bióloga Maristela Casé Costa Cunha Bióloga Cristiane Maria Varela de Araújo de Castro Engª de Pesca Sílvia Helena Lima Schwamborn Bióloga Roberta Costa Rodrigues Bióloga Aurelyanna Christine Bezerra Ribeiro Engº Florestal Kléber Costa de Lima Engº Florestal João Paulo Ferreira da Silva Economista Osmil Torres Galindo Filho Economista Luís Henrique Romani Campos Arquiteta e Urbanista Lúcia de Fátima Soares Escorel Arqueólogo Marcos Antônio Gomes de Mattos de Albuquerque Arqueóloga Veleda Christina Lucena de Albuquerque Advogado Talden de Queiroz Farias Herpetofauna Mastofauna alada Macrófitas Fitoplâncton Zooplâncton e Bentos Ictiofauna Avifauna CRBio 19676/5D CRBio 59256/5D CRBio 19949/5D CRBio /5D Nº CRBio 27115/5D CRBio 24488/5D CRBio /5D PE030792/D CRBio 36720/5P Macrozoobentos PE041391/D Inventário Florestal e Projeto de Compensação/reposição Ambiental Socioeconomia Meio Antrópico Uso e Ocupação do Solo Arqueologia e Patrimônio Histórico e Cultural Legislação Análise Jurídica /Compensação Ambiental /Passivo Ambiental PE PE CORECON 1821/PE CORECON 4731/PE PE8843/D SAB 12 SAB 237 OAB/PB

9 Advogado Talden de Queiroz Farias Engª Cartógrafa Ana Carolina Schuler Correia Engº Cartógrafo Flávio Porfírio Alves Engº Cartógrafo Aramis Leite Lima Legislação Análise Jurídica /Compensação Ambiental /Passivo Ambiental Cartografia Cartografia Cartografia Cartografia OAB/PB PE33740D PE033392D PE Tecnólogo em Geoprocessamento Daniel Quintino Geógrafo Felipe José Alves de Albuquerque Tecnólogo em Geoprocessamento Diego Quintino Arqueóloga Rubia Nogueira Arqueóloga Milena Duarte Geólogo Glauber Souza da Rocha Geólogo Otávio Leite Chaves Biólogo Josinaldo Alves da Silva Bióloga Cacilda Michele Cardoso Rocha Engº de Pesca Ericarlos Neiva Lima Engª de Pesca Jana Ribeiro de Santana Biólogo Pedro Jorge Brainer de Carvalho Bióloga Paloma Joana Albuquerque de Oliveira Biólogo Anthony Epifânio Alves Tecnologia da Geoinformação Geografia Tecnologia da Geoinformação PE PRO Equipe de Apoio Coleta de Dados SAB Arqueologia e Patrimônio 537 Histórico e Cultural SAB 539 Mapeamento Geológico PE04508/D Mapeamento Geológico PE045081/D Vegetação Terrestre CRBio 77332/5D Vegetação Aquática Ictiologia Ictiologia Avifauna Mastofauna Alada Ictiofauna/Fitoplâncton CRBio 77874/5P /BA /BA CRBio 85023/05/D

10 2. COMO É O EMPREENDIMENTO? O empreendimento localiza-se no município de Barra de Guabiraba, que possui área de 114,22 2 Km e população de habitantes (0,16% do total do Estado), com uma densidade 2 demográfica de 122 habitantes/km. A sede do município situa-se a uma altitude aproximada de 482 metros, com coordenadas geográficas de de latitude sul e de longitude oeste, distando 132,6km da capital, com acesso pela BR-232 e PE-103/085. A análise das alternativas para escolha da solução técnica e economicamente viável para a construção da barragem Barra de Guabiraba levou em consideração os seguintes fatores: custo, acumulação, custo/m3 de água acumulada e população a ser atendida. Com base nestes dados, na presente fase de realização do projeto, a alternativa de barragem que se mostrou mais indicada, satisfazendo, portanto, os critérios acima citados, é a Alternativa Barragem em CCR, com coroamento na cota 509,00m, cuja concepção apresentou menor custo executivo, aproveitando ao máximo a topografia local e atendendo às necessidades primordiais de controle de cheias. O estudo hidrológico indicou um volume de acumulação é da ordem de m³, inundando uma área de ,635m², baseado na curva cota x área x volume da bacia hidrográfica do Rio Sirinhaém. Características Gerais do Empreendimento Nome da Barragem:...Barra de Guabiraba Município:...Barra de Guabiraba Estado:...Pernambuco Rio Barrado:...Rio Sirinhaém Área da Bacia Hidrográfica:...221,96km² Capacidade de Acumulação (cota 509,00m) m³ Características da Barragem Tipo...Gravidade - Concreto Compactado a Rolo (CCR) Cota do Coroamento...509,0m Largura do Coroamento...6,50m Altura Máxima...29,0m Extensão pelo Coroamento...560,0m Altura Máxima...29,0m Talude de Montante...vertical Talude de Jusante Escalonado...(geratriz) 0,7(H):1(V) 11

11 Características do Vertedouro Tipo...Concreto (no corpo da barragem) Largura...150,00 m Descarga de Projeto (milenar) ,66,00 m³/s Cota da Soleira...504,50 m Lâmina máxima de Sangria (milenar)... 2,56 m Cota do Eixo da Galeria de controle de cheias centenárias:...490,50m Dimensões da galeria de controle de cheia centenária...2,0 x 3,0 m Prazo de execução do empreendimento Prazo 12 meses Previsão de início da obra Fevereiro de 2012 Estimativa de custo total para a obra R$ ,00 12

12 PARTE II CONHECENDO O MEIO AMBIENTE 3. QUE ÁREAS SERÃO AFETADAS? Para os fins do Estudo de Impacto Ambiental - EIA, foram definidas as áreas de influência da barragem quanto às mudanças que poderão ocorrer com a sua construção. A legislação ambiental determina que essas áreas devem ser definidas como: área de influência indireta AII (aquela onde os impactos poderão repercutir de forma indireta), área de influência direta AID (quando os impactos são sentidos de forma mais imediata em áreas próximas do empreendimento) e área diretamente afetada ADA (onde o empreendimento será implantado sendo seus impactos mais fortemente percebidos). Área de Influência Indireta (AII) A AII corresponde à bacia hidrográfica do Rio Sirinhaém, em cujo alto curso será implantada a barragem Barra de Guabiraba, no município de mesmo nome. Tendo em vista a continuidade do rio desde a área da barragem até a foz, como um meio contínuo onde se desenvolvem a fauna e a flora aquáticas, estima-se a possibilidade de impactos da barragem em todo o curso do rio, especialmente sobre as comunidades de peixes. A Figura 1 mostra essa área. Figura 1 13

13 Área de Influência Direta (AID) A AID foi definida como sendo o município de Barra de Guabiraba e em alguns casos incluindo o município de Bonito, tangencialmente tocado pelas águas do lago formado pela barragem. É nessa área onde os impactos se darão de forma mais efetiva, razão pela qual serão indicadas várias medidas mitigadoras e maximizadoras. A Figura 2 apresenta a AID. Figura 2 Área Diretamente Afetada (ADA) A Área Diretamente Afetada (ADA) compreende o lago formado pela barragem, acrescida de uma faixa de 100m em todo o seu entorno e de um trecho de 200m para jusante. É nessa área que ocorrerão as principais modificações ambientais, com a total supressão da cobertura vegetal e afugentamento da flora. Para os estudos socioeconômicos, essa área compreende os municípios de Barra de Guabiraba e Bonito. A Figura 3 apresenta a ADA. Figura 3 14

14 4. COMO ESSAS ÁREAS SE ENCONTRAM ATUALMENTE? As áreas foram analisadas para compor um Diagnóstico Ambiental, enfocando o meio físico (clima, geologia, geotecnia, geomorfologia, pedologia, hidrologia e hidrogeologia, qualidade do ar e ruídos); o meio biótico (flora terrestre e aquática e as diversas temáticas da fauna, como mamíferos, répteis, aves e peixes, entre outros); e o meio socioeconômico (socioeconomia, uso do solo e patrimônio cultural). Os aspectos mais relevantes do diagnóstico são mostrados a seguir. O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO A bacia hidrográfica do rio Sirinhaém é composta por dezessete municípios, distribuídos em três regiões de desenvolvimento - RD: Agreste Central, Mata Sul e Metropolitana. A Área de Influência Indireta AII, que inclui como subconjunto a Área de Influência Direta AID e a Área Diretamente Afetada - ADA, esta definida como a área que compreende a cota máxima da barragem, mais uma faixa de 100 metros em seu entorno, que corresponde a Área de Preservação Permanente APP (Lei Federal nº 4.771/65) e de 500 metros no trecho a jusante da mesma. As áreas de influência ocupam, juntas, um território urbano de km² e um território rural de totalizando uma área de 5.679,40km². O uso e ocupação do solo desenvolvidos no território dos municípios encontram-se diretamente relacionados com as atividades econômicas locais e regionais. Na AII apresentam-se atividades predominantemente rurais, caracterizadas pela pecuária e lavoura de produtos de subsistência, principalmente, a mandioca, a fruticultura (com destaque para a banana) e a atividade sucroalcooleira. Apenas três dos 17 municípios componentes da AII Camocim de São Félix, São Joaquim do Monte e Sairé não desenvolvem atividade agrícola da cana-de-açúcar. Desses, apenas o município de São Joaquim do Monte não integra a AID. A maior parte da economia local e regional está baseada no cultivo da cana-de-açúcar. Na bacia, ocupa uma área 29,3% de seu território com plantio, respondendo por 28,3% do total da produção do Estado de Pernambuco, associadas a atividades industriais a ela integradas e desenvolvidas por usinas e destilarias localizadas, sobretudo na RD Zona da Mata. As categorias de uso do solo encontradas na região de estudo foram as seguintes: - Cobertura vegetal natural; - Áreas de lavouras temporárias; - Áreas de lavouras permanentes; - Áreas de horticultura e floricultura; - Área para a produção de sementes, mudas e outras formas de propagação vegetal; - Áreas com predomínio de pastagens (pecuária e criação de outros animais); - Áreas Urbanas e Sistema rodo-ferroviário; - Áreas de Produção florestal - florestas plantadas; - Áreas de Produção florestal - florestas nativas; - Áreas de pesca e aqüicultura; - Área de atividade mineraria de argila e areia. A SOCIOECONOMIA O quadro histórico elaborado para o estudo de impactos socioambientais das barragens da Zona da Mata de Pernambuco pode ser sumarizada nos seguintes tópicos: 15

15 Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) da Barragem Barra de Guabiraba > População da região com problemas de baixa escolaridade e capacitação para o trabalho, onde parcela significativa da mão-de-obra conhece apenas parte do processo produtivo da cana-de-açúcar ou da criação de gado bovino. Isto dificulta ações de remoção de pessoas, pois esta população tem dificuldades de adaptação em novas realidades produtivas; > Ocupação de áreas de risco nas cidades e no campo. Conflitos agrários são responsáveis pela expulsão de trabalhadores de áreas cobiçadas pela produção agrícola. Estes, então, passam a ocupar áreas onde o conflito é menor, expondo-se ao risco, pois muitas vezes isto ocorre às margens dos rios ou em encostas no entorno das cidades; 16

16 > Altos índices de desemprego nas cidades nos períodos de entressafra. O contingente de trabalhadores que atua no corte da cana-de-açúcar e que fica desempregado na época da entressafra é superior a 45%. Tal desemprego provoca problemas sociais, como o alcoolismo e a violência, por exemplo; > Alta concentração fundiária. A forma de ocupação descrita levou a alta concentração fundiária, situação que é mantida até os dias de hoje; > Problemas de posse das terras. As sucessivas crises da produção da cana-de-açúcar e a estrutura fundiária geraram uma situação onde os engenhos, fazendas e usinas acumularam dívidas junto a bancos e passivos trabalhistas. Este endividamento gerou entraves legais à transferência da posse da terra, dificultando ações de desapropriação para retirada e realocação da população nas áreas que serão inundadas. Os aspectos demográficos permitem destacar alguns pontos relevantes para a análise dos impactos da barragem na população, entre os quais se destacam: > As taxas de crescimento populacional indicam que alguns municípios estão perdendo população para os vizinhos, principalmente aqueles que pertencem à AID; > A conversão dos municípios de rurais para urbanos já se completou em boa parte da área em questão, mas o processo ainda indica que haverá movimentos migratórios em direção às cidades, com consequente pressão por aumento da infraestrutura urbana; > A população tem envelhecido pela diminuição da taxa de natalidade, o que reduz a necessidade de crescimento da infraestrutura para atendimento da primeira infância, mas aumenta a necessidade de crescer a oferta de infraestrutura para atendimento aos idosos. O crescimento econômico dos municípios da bacia hidrográfica do rio Sirinhaém apresenta-se bastante superior ao de Pernambuco devido à presença de Ipojuca. Se for feita a análise da AII sem este município, a conclusão se reverte, ou seja, existe bastante heterogeneidade na economia da região de influência da barragem. Os efeitos do desenvolvimento do Complexo Industrial e Portuário de Suape para os municípios vizinhos dependem de alguns fatores, mas com a centralidade na questão logística. Seja a abertura de uma média empresa fornecedora de alguma empresa instalada no âmbito do complexo, ou a geração de um cinturão verde que supra as necessidades de alimentos para os moradores da parte sul da RMR, que está com sua população crescendo fortemente. Para que estas cadeias de suprimentos desloquem-se para os demais municípios da bacia é preciso que haja facilidade de escoamento da produção destes para Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho. Fazendo-se o controle das enchentes na região é mais fácil manter uma infraestrutura viária com qualidade. Um impacto positivo bastante relevante da barragem é a melhoria das condições logísticas tirando um entrave para que o desenvolvimento que está se verificando no Complexo de Suape possa ser aproveitado pelos municípios da AII. Excetuando-se Ipojuca, a economia da AII é basicamente rural. Essa característica deixa as condições de vida nos municípios muito dependentes da flutuação dos preços dos produtos agrícolas, principalmente da cana-de-açúcar e dos seus principais derivados. A vulnerabilidade é mais acentuada no âmbito dos pequenos produtores familiares, que representam parcela substancial da população local, devido à sua menor produtividade, acesso mais precário a informações estratégicas sobre as condições do mercado e condições menos vantajosas de comercialização tanto dos insumos utilizados quanto da produção gerada. A estrutura fundiária da área analisada mostra-se uma das mais desigualmente distribuídas do Nordeste, onde a posse da terra é extremamente concentrada em razão da ocupação histórica das 17

17 terras para a produção de açúcar. Deve-se ressaltar que a cana-de-açúcar é o principal produto agrícola cultivado em 12 dos 17 municípios da área em questão, e sua cultura é normalmente intensiva no uso da terra tendo em vista as grandes dimensões das unidades de produção que dão suporte à produção do açúcar. Naqueles municípios onde se localizam unidades industriais que transformam a cana-de-açúcar, o tamanho médio da unidade de produção agropecuária chega a ser superior a 200 hectares, com a posse da terra sendo geralmente mais concentrada do que naqueles onde dominam ainda outras culturas alternativas à produção de cana. Nos municípios onde predominam pequenos fornecedores de cana ou existe uma produção mais diversificada, o tamanho médio baixa para menos de 50 hectares. A indústria está concentrada nos segmentos de alimentação e bebidas, construção civil, material de transporte, químico e metalúrgico. A maior parte do emprego industrial da AII está localizada em Ipojuca. O impacto dos investimentos estruturadores de Suape faz com que Ipojuca responda por 71,9% da massa salarial da região. O setor de serviços envolve bens públicos, tais como educação, saúde, saneamento, segurança pública, entre outros. Como principais conclusões da análise dos diversos segmentos de serviços da AII e da AID salientam-se: > Existe pouca oferta de serviços de telefonia fixa, com consequente baixa taxa de conexão à internet; > A malha ferroviária está desativada, mas com projeto de revitalização em curso; > A falta de acessibilidade da rede de transportes tem influência negativa na economia local, uma vez que as principais rodovias apresentam tráfego intenso, gerando sérios problemas de desgaste. > Apesar do quadro favorável da infraestrutura energética da região, observam-se algumas vezes a interrupção do fornecimento de energia tanto nas sedes municipais quanto nas áreas rurais. Segundo a Celpe, as quedas no fornecimento de energia na área decorrem de queimadas ilegais da cana-de-açúcar ou de roubo de fios para a venda do cobre. No que diz respeito ao Índice de Desenvolvimento Humano IDH, os municípios apresentam significativo índice de pobreza, que não se limita à renda, incluindo dificuldades de acesso ao serviço público. O IDH é um indicador síntese que utiliza como referência a renda, a expectativa de vida e a escolaridade. Os municípios apresentam um baixo índice de desenvolvimento, mostrando números abaixo da média de Pernambuco no censo de Os números sugerem que para os cálculos do IDH de 2010 esses municípios deverão apontar melhora considerável nos indicadores por conta da proximidade do Complexo Industrial e Portuário de Suape, onde ocorreram, nos últimos cinco anos, investimentos econômicos consideráveis, mas é de se esperar que essa posição relativa ainda seja desfavorável em relação à média estadual por conta dos níveis de pobreza que são bastante elevados. Dos 17 municípios que compõem a AII, apenas cinco apresentaram em 2000 índices inferiores ao da média estadual (Barra de Guabiraba, Bonito, Cortês, Gameleira e São Joaquim do Monte os três primeiros também fazendo parte da AID); fato que deve ser ressaltado porque, em 1991, apenas Ribeirão achava-se no patamar superior ao da média estadual. 1 Cumpre destacar que retirar um entrave não é garantir que o desenvolvimento de Suape chegue aos demais municípios da AII, uma vez que existem outros entraves como a oferta de mão-de-obra qualificada e com boa escolaridade. 2 Na AII localizam-se 10 empresas agroindustriais, a saber: Destilaria Campo Belo, em Amaraji; Usina Pedrosa, em Cortês; Usina Pumaty, em Joaquim Nabuco; Usina União e Indústria, entre Primavera e Escada; Usina Interiorana, em Ribeirão; Usina Cucaú, em Rio Formoso; Usina Trapiche, em Sirinhaém; e Usinas Ipojuca e Salgado, em Ipojuca. 18

18 O setor de serviços envolve bens públicos, tais como educação, saúde, saneamento, segurança pública, entre outros. Como principais conclusões da análise dos diversos segmentos de serviços da AII e da AID salientam-se: > Existe pouca oferta de serviços de telefonia fixa, com consequente baixa taxa de conexão à internet; > A malha ferroviária está desativada, mas com projeto de revitalização em curso; > A falta de acessibilidade da rede de transportes tem influência negativa na economia local, uma vez que as principais rodovias apresentam tráfego intenso, gerando sérios problemas de desgaste. > Apesar do quadro favorável da infraestrutura energética da região, observam-se algumas vezes a interrupção do fornecimento de energia tanto nas sedes municipais quanto nas áreas rurais. Segundo a Celpe, as quedas no fornecimento de energia na área decorrem de queimadas ilegais da cana-de-açúcar ou de roubo de fios para a venda do cobre. No que diz respeito ao Índice de Desenvolvimento Humano IDH, os municípios apresentam significativo índice de pobreza, que não se limita à renda, incluindo dificuldades de acesso ao serviço público. O IDH é um indicador síntese que utiliza como referência a renda, a expectativa de vida e a escolaridade. Os municípios apresentam um baixo índice de desenvolvimento, mostrando números abaixo da média de Pernambuco no censo de Os números sugerem que para os cálculos do IDH de 2010 esses municípios deverão apontar melhora considerável nos indicadores por conta da proximidade do Complexo Industrial e Portuário de Suape, onde ocorreram, nos últimos cinco anos, investimentos econômicos consideráveis, mas é de se esperar que essa posição relativa ainda seja desfavorável em relação à média estadual por conta dos níveis de pobreza que são bastante elevados. Dos 17 municípios que compõem a AII, apenas cinco apresentaram em 2000 índices inferiores ao da média estadual (Barra de Guabiraba, Bonito, Cortês, Gameleira e São Joaquim do Monte os três primeiros também fazendo parte da AID); fato que deve ser ressaltado porque, em 1991, apenas Ribeirão achava-se no patamar superior ao da média estadual. Em relação à Saúde, a maior parte dos problemas que afligem a população resulta das condições de subdesenvolvimento em que elas estão mergulhadas, e à qual se conjuga a extrema pobreza das famílias que vivem em meio à precariedade da infraestrutura social e urbana básica, que inclui água, esgotamento sanitário e coleta de lixo, asim como a deficiência dos serviços públicos de saúde. Devem ainda ser destacadas determinadas deficiências e inadequações no sistema de atendimento à saúde, entre as quais: a insuficiência de medicamentos, equipamentos e de instrumental nas unidades de saúde em relação à demanda; a infraestrutura precária e deficiente dos hospitais; o tratamento dispensado ao lixo hospitalar; a quantidade reduzida de leitos hospitalares; e o desconhecimento da população sobre o funcionamento do Programa de Saúde da Família - PSF. A distribuição dos recursos de saúde na região tem sua eficiência reduzida pela desproporção existente no número de médicos por habitantes. A carência de profissionais de saúde de nível superior (médico, dentista, enfermeiro e nutricionista, entre outros) é reconhecidamente um dos gargalos do setor de saúde em quase todas as regiões do País. Em onze municípios da AII houve aumento no número de leitos, em cinco ocorreram diminuição, entre os quais quatro fazem parte da AID, e em apenas um o número permaneceu o mesmo. Na AID a média de leitos por cada 10 mil habitantes é de 8,6, em 2009, quase 3 vezes abaixo da média estadual e aproximadamente 1,7 vezes menor do que a da AII; proporção inclusive bem abaixo da que essa área detinha em 2007 que correspondia a 10,5 leitos por 10 mil habitantes. 19

19 Quanto à Educação, os dados apresentados enfatizam as deficiências no sistema educacional tanto local quanto estadual. Em relação aos problemas, o mais apontado pelas estatísticas, e confirmado pelos especialistas em educação no país, é o analfabetismo, principalmente no grupo de idade de 15 anos e mais. Essa questão é ressaltada devido a esse grupo representar parcela significativa de pessoas em idade produtiva e, se não for atenuada, poderá impedir a busca de oportunidades e uma melhor colocação no mercado de trabalho. Embora se tenha observado nos últimos dez anos um avanço na formação dos professores, através de programas de capacitação, essa formação não é, ainda, a ideal, e não contribui significativamente para a elevação do rendimento escolar, o que reforça a tese da baixa qualidade do ensino. Em relação ao número de estabelecimentos de ensino nota-se que o nível fundamental é o que oferece maior quantidade de instituições na AII (819 instituições em 2006), com as escolas municipais representando 77,3% desse total, quantidade que apresentou pequena mudança em relação a 2001 (814 unidades escolares). Um fato representativo na educação é o incremento do ensino médio na região, apesar do ainda restrito número de instituições em 2006 (60 unidades), mas comparando-se esse número com o de 2001 observa-se que o mesmo cresceu seis vezes mais no período. No que diz respeito ao Saneamento, apesar da melhora verificada, os dados permitem concluir que alguns municípios continuam apresentando condições precárias nesse conjunto de serviços básicos de infraestrutura. Sobre o fornecimento de água encanada os dados mostram que menos da metade dos domicílios da AII (49,8%) contam com esse serviço em 2000 (em 1991, essa parcela equivalia a 42,2%). Na maioria dos municípios estudados, a água disponibilizada na rede, em geral, é proveniente de poços, nascentes, cisternas ou de reservatórios abastecidos pelas chuvas. O abastecimento d'água ligado à rede geral na AII é ainda precário, atendendo em poucos casos a mais da metade dos indivíduos em 2000, como é o caso de sete dos 17 municípios da área. O PATRIMONIO CULTURAL A legislação federal aplicável ao patrimônio histórico-cultural protege os conjuntos urbanos, e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico. O estudo do Patrimônio Cultural na Barragem Barra de Guabiraba foi realizado através de levantamento de dados secundários e primários dos municípios de Barra de Guabiraba e Bonito. Durante o Diagnóstico foram levantados os aspectos culturais dos municípios estudados, incluindo o levantamento do patrimônio material (arqueológico e histórico), do patrimônio imaterial (festas, danças, comidas típicas, lendas, artesanato), do patrimônio espeleológico (cavernas e furnas) e do patrimônio paisagístico. Quanto ao patrimônio imaterial dos referidos municípios, merecem destaque as festas populares como o Carnaval, São João e festas religiosas. Nessas festas ocorrem manifestações culturais típicas como o frevo, o boi lavrado, apresentações de grupos de bacamarteiros, as quadrilhas juninas; as comidas típicas como a macaxeira, o cuscuz, a carne-de-sol, comidas a base de milho, doces com frutas regionais, entre outras. O patrimônio material identificado, do ponto de vista arqueológico e histórico, corresponde a ocorrências de material lítico e cerâmico relacionado a grupos indígenas que outrora habitaram a região (referente ao período pré-histórico) e remanescentes de estruturas históricas (Engenhos) referentes ao ciclo da cana-de-açúcar em Pernambuco. Na área que será diretamente afetada pela construção da Barragem foi realizado um levantamento detalhado para identificação do patrimônio cultural presente na área. As 20

20 informações foram obtidas através de entrevistas com a população e através de prospecção visual, enfocando a identificação de eventuais vestígios arqueológicos e históricos. O estudo realizado revelou o potencial arqueológico pré-histórico e histórico da área, com base tanto nas informações de habitantes das cercanias, quanto da identificação direta de um sítio arqueológico pré-histórico, de grupo ceramista da Tradição Tupi-Guarani. Foram identificadas 14 ocorrências históricas de interesse arqueológico. As referências históricas correspondem ao período entre os séculos XIX e XX, época que predominava na região a economia açucareira. No que tange ao patrimônio imaterial identificou-se a existência de lendas relacionadas à Cachoeira do Galo. O estudo realizado revelou o potencial e diversidade cultural desta região. - - Figura 1 - Casa-grande do Engenho Guabiraba, atual câmara de vereadores do município de Barra de Guabiraba. Fotografia fornecida por Gilberto Leopoldino Cavalcanti. Sem data. - Figura 2 - Fragmentos de cerâmica pré-histórica da Tradição ceramista Tupi-Guarani. Figura 3 - Engenho Burarema em Barra de Guabiraba-PE. Figura 4 - Sobrado localizado na Praça da Igreja de São Sebastião. 21

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA)

1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) 1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) -DOCUMENTO TÉCNICO ONDE SE AVALIAM AS CONSEQUÊNCIAS PARA O AMBIENTE DECORRENTES DE UM DETERMINADO PROJETO -AVALIA DE FORMA IMPARCIAL E MERAMENTE TÉCNICA OS IMPACTOS

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O

A P R E S E N T A Ç Ã O A P R E S E N T A Ç Ã O O presente documento técnico integra o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) referente à Extração de Minério de Ferro, na Fazenda Trindade, no Município de São Mamede no estado da Paraíba,

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA CLUSTER 8 Perspectivas da Geografia Urbana CLUSTER 6 Estruturas urbanas, Planejamento urbano,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

3.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR

3.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR 111.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR Recobrindo expressiva parcela do Litoral Norte (40,1%), a cana-de-açúcar é o padrão de uso do solo predominante nos municípios de Araçoiaba, Itaquitinga, Goiana, Igarassu e Itapissuma,

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-051 BARRAGEM DO RIO PIRAPAMA-PE: ANÁLISE DA GESTÃO AMBIENTAL NA FASE DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA

SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA BRASIF S.A. Administração e Participações SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA - Estudo de Impacto Ambiental - EIA - Relatório de Impacto Ambiental - RIMA FAZENDA FORNO GRANDE Município de Castelo-ES Termo

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1 CONTEÚDO Pág. 1 INTRODUÇÃO...1.1 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 2 CONTEXTO GEOGRÁFICO...2.1 3 CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO MINERAL...3.1

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

EIA - Porto Pontal Paraná

EIA - Porto Pontal Paraná 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR E EMPRESA CONSULTORA 1.1. Identificação do empreendedor Razão Social: PORTO PONTAL PARANÁ IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA CNPJ nº 01.183.440/0001-94 Endereço: Av. Atlântica,

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Águas do Planeta

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA

RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA COMPLEXO ECOTURÍSTICO RESERVA GARAÚ CONDE / PB INTERESSADO: LORD NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA. ELABORAÇÃO: GEOCONSULT CONSULTORIA, GEOLOGIA & MEIO AMBIENTE LTDA. CNPJ.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Fernando Souza Damasco 1 ; Caio Araujo Varela 2 fernandodamasco@hotmail.com 1 Universidade Federal

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE Considerando que esse processo é temporário e que a intenção é a continuidade dos trabalhos, para ampliar a produção e o aproveitamento dos recursos de interesse, encaminhamos o Termo de Referência para

Leia mais

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA 11 de Agosto de 2015 Sandro Muniz Biólogo Gestor de Unidade de Conservação DEMANDAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PN Serra da Lontra PEIG Hidrogeologia Conhecer

Leia mais

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO Timóteo MG Janeiro/2004 RESPONSÁBILIDADE TÉCNICA UNIVERSALIS - Consultoria, Projetos e Serviços Ltda - CREA/MG

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 EQUIPE TÉCNICA ENVOLVIDA NOS ESTUDOS EQUIPE TÉCNICA DO EIA 49 profissionais de

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL JEQUITINHONHA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL JEQUITINHONHA Folha: 1/8 Nº. (Órgão Seccional) número/ano Indexado ao(s) Processo(s) nº.: 00125/2000/005/2005 e nº. 00125/2000/004/2005 Tipo de processo: Licenciamento Ambiental ( x ) Auto de Infração ( ) 1. Identificação:

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

SEMINÁRIO Curso: Geografia Disciplina: Hidrogeográfia Professor: Felipe Brasil 4 Período / UNESA Bacia Hidrográfica Rio São Francisco 2 semestre de 2011 Graduandos: Alexandre Graciniano Mª de Lourdes 1

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA PROGRAMAÇÃO I CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE PERÍODO: 08 a 13 de Junho de 2015 LOCAL: ITEP 1º DIA SEGUNDA-FEIRA DATA: 08/06/15 HORÁRIO CRONOGRAMA PALESTRANTE 08:00-09:00h Abertura

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação.

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação. Título do Trabalho: Barragem Subterrânea: uma alternativa de convivência com o semi-árido e a participação das comunidades rurais do sertão pernambucano. Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014

Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014 Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14 Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014 At: Gerência de Sustentabilidade FCTY Janeiro de 2014 1 INTRODUÇÃO... 1 2 LOCALIZAÇÃO...

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA APA VÁRZEA DO RIO TIETÊ. Programas do Plano de Manejo da APA

SISTEMA DE GESTÃO DA APA VÁRZEA DO RIO TIETÊ. Programas do Plano de Manejo da APA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO = ZCM + ZPF Objetivo: Garantir a conservação dos atributos ambientais, bem como do patrimônio histórico cultural, que ainda apresentam características relevantes para esta unidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 O episódio sobre a exploração

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado 2 GEOGRAFIA 01 No Paraná, a Mata de Araucária,

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014 ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS AMBIENTAIS PARA O PROCESSO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO DO ALTEAMENTO DO VERTEDOURO DA BARRAGEM DO CIPÓ 1)

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-004 - AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1)

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais