ESTUDO UTILIDADE E EFICÁCIA PEDAGÓGICO DIDÁCTICA CSF ENAIP PIEMONTE DAS PLATAFORMAS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO UTILIDADE E EFICÁCIA PEDAGÓGICO DIDÁCTICA CSF ENAIP PIEMONTE DAS PLATAFORMAS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA"

Transcrição

1 CSF ENAIP PIEMONTE ESTUDO UTILIDADE E EFICÁCIA PEDAGÓGICO DIDÁCTICA DAS PLATAFORMAS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA CRITÉRIOS E TÉCNICAS PARA AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DAS PLATAFORMAS DE FORMAÇÃO A DISTÂNCIA ESTUDO INTERNACIONAL Janeiro 2011 Gerir, Conhecer, Intervir

2

3 Centro Nacional de Qualificação de Formadores Projecto POAT Gerir, Conhecer, Intervir Estudo Utilidade e eficácia pedagógico-didáctica das plataformas de formação a distância Ficha Técnica Editor Instituto do Emprego e Formação Profissional, IP Projecto Estudo da Utilidade e Eficácia Pedagógico-didáctica das Plataformas de Formação a Distância Titulo Critérios e técnicas para avaliação da utilização das Plataformas de Formação a Distância Estudo Internacional Autores EnAIP PIEMONTE Ente ACLI Istruzione Professionale Ettore Beldi (Coordenador do Estudo) Adriano Bolamperti ( Responsabile Area Programmazione e Sviluppo) Gabriele Martelengo ( Responsabile Servizio Progettazione) Colaboração Gilberto Collinassi ( Direttore Generale En.A.I.P Friuli Venezia Giulia) Carlo Valentini ( Coordinatore ITIS Omar ) Local de Edição Lisboa Data de Edição Janeiro 2011

4

5 1 Sumário PARTE 1 - AVALIAÇÃO DO PROJECTO... 7 Introdução...8 Análise dos indicadores Conclusões PARTE 2 - ANÁLISE DOS CRITÉRIOS E DAS TÉCNICAS Introdução A Avaliação As Macrofases de desenvolvimento As Macrofases de desenvolvimento A1) A Concepção/Planificação A.2) Implementação A.3) A Distribuição A.4) O acompanhamento A.5) A avaliação Os Ambientes Operativos As figuras envolvidas Conselhos práticos para a implementação de um curso de FAD Sutentabilidade do e-learning GLOSSÁRIO BIBLIOGRAFIA E SITOGRAFIA PARTE 3 - ANÁLISE DO CASO OMAR Introdução A Escola Os resultados - 1ª parte. Eficácia Pedagógica Os resultados - 2ª parte. As Macrofases de acompanhamento Os resultados - 3ª parte. A Percepção Conclusões PARTE 4 - ANÁLISE DO CASO ENAIP FRIULI Introdução A Entidade Formadora Os resultados - 1ª parte - Eficácia Pedagógica Os resultados - 2ª parte - Macrofases de desenvolvimento Os resultados - 3ª parte. Percepção Conclusões PARTE 5 - ANÁLISE DO CASO DYLOG Introdução A história...109

6 2 A missão e a estratégia A organização A génese do projecto Os resultados- 1ª parte - Eficácia pedagógica Os resultados - 2ª parte - Macrofases de desenvolvimento Os resultados - 3ª parte - Percepção Conclusões PARTE 6- ANÁLISE DO CASO UNIVERSITÀ DEGLI STUDI DEL PIEMONTE ORIENTALE Introdução A Universidade A Universidade em números Estrutura Didáctica Estudantes Pessoal Balanço Os cursos actuais A génese do projecto A Plataforma Os resultados - 1ª parte - eficácia pedagógica Os resultados - 2ª parte. As Macrofases de acompanhamento Os resultados - 3ª parte. A Percepção Conclusões PARTE 7 - CONFRONTO DE RESULTADOS Confronto final Os resultados - 1ª parte - eficácia pedagógica Os resultados - 2ª parte - Macrofases de desenvolvimento A.1) Planificação A.2) Implementação A.3) Distribuição A.4) Apoio A.5) Avaliação Os resultados - 3ª parte - Percepção B1. Ambiente Formando B2. Ambiente Autor B3. Ambiente Formador B4. Administração B5. Propriedades gerais ANEXO AS PLATAFORMAS FAD UTILIZADAS NA EUROPA Introdução...161

7 3 Metodologia DOCEBO Funções principais: Exemplo de ecrã do Portal Docebo.org MOODLE CLAROLINE Exemplo de ecrã de Claroline DOKEOS ATUTOR ILIAS EFRONTLEARNING ZMS BLACKBOARD SHAREPOINT LRN WORDPRESS JOOMLA SAKAI SITOGRAFIA BIBLIOGRAFIA

8 4

9 5 Prólogo A análise que se segue percorre as fases operativas e conceptuais que fundamentam a escolha relativa à utilização de determinada uma Plataforma de Formação a Distância (FAD). No primeiro capítulo analisam-se os ítens de avaliação propostos pelo 1º Relatório relativo ao Estudo da Utilização e Eficácia Pedagógico Didáctica das Plataformas de Formação a Distância, da responsabilidade do Centro Nacional de Qualificação de Formadores do IEFP. A análise referida conduziu à selecção de uma série de grelhas de avaliação que foram aplicadas a casos de estudo concretos. Paralelamente à fase de aplicação das grelhas de avaliação, iniciou-se um processo de pesquisa sobre os critérios e paradigmas que podem, de uma forma eficaz, descrever um processo de Formação a Distância (FAD) em termos de planificação, implementação e eficácia. Aquele processo não pretendeu propôr um modelo de análise alternativo ao do estudo referido, mas sim acrescentar aos ítens de avaliação propostos uma série de instrumentos complementares e que permitam uma visão em 360 graus sobre como avaliar uma FAD. A pesquisa referida desenvolveu-se através da identificação de uma série de macrofases de desenvolvimento, identificando-se assim momentos críticos a tomar em consideração na nalise de um projecto FAD e na percepção que têm da mesma os respectivos utilizadores, no âmbito de um processo formativo. A avaliação neste último caso é muito subjectiva e de difícil homogeneização, sendo que seria eventualmente mais correcto falar aqui de simples indicadores e não de critérios de avaliação. Os indicadores que emergiram da análise permitem justificar a escolha de uma Plataforma, face às outras disponíveis, critérios relacionados seja com o paradigma didáctico seleccionado pela entidade/escola/sociedade, seja com a maior ou menor importância concedida à utilização das tecnologias disponibilizadas na Plataforma em causa. A análise referida gerou ainda uma série de grelhas que concretizaram os parâmetros do Projecto. A escolha que resultou no percorrer de duas estradas em simultâneo resultou necessária porque, como será descrito de seguida, a identificação de critérios

10 6 de avaliação objectivos e inequívocos é tarefa árdua, sendo dificil definir critérios exaustivos e completos. As grelhas construídas foram aplicadas a duas Escolas identificadas como estudo de caso. A escolha das entidades objecto dos estudos efectuados - escola pública e Centro de formação profissional - foi realizada utilizando-se sobretudo o critério relativo à utilização de um instrumento FAD de forma sistemática e contínua, no processo formativo. Ambas as entidades utilizam sistemas FAD que evoluiram de CMS existentes e que oferecem duas visões modernas e diferentes de utilização de software (open source versus sistema proprietário). Os resultados que emergiram não representam uma verdadeira avaliação, até porque aqueles instrumentos não foram consolidados e avaliados ao nível empresarial, mas constituem uma série de indicações úteis para actualizar. Foi tomada em consideração a possibilidade de alargar a análise a entidades de fomação empresarial, mesmo se nessa situação estamos em presença de uma FAD bloqueada e concebida principalmente para realizar negócio, devendo ser priveligiados casos em que as preocupações pedagógicas são de qualquer forma presentes e em que os objectivos da formação sejam explicitados e por vezes formalizados junto dos utilizadores. A análise dos resultados que emergiram, seja através de documentos oficiais seja através do estudo efectuado, permitem também evidenciar quais são os temas mais importantes e significativos nesta matéria e em torno dos quais quais se posicionarão (se existirem) eventuais desenvolvimentos.

11 7 Parte 1 - Avaliação do projecto o Introdução o Análise de indicadores o Conclusões

12 8 Introdução A abordagem metodológica para análise das Plataformas FAD poderá ser consubstanciada na maioria dos indicadores propostos pelo projecto em análise. Os elementos essenciais de avaliação de uma Plataforma foram na nossa opinião devidamente abordados e individualizados, também em relação ao desenvolvimento das Plataformas na direcção da Web 2.0. A abordagem da Web 2.0, quase de tipo filosófico, que evidencia a dimensão social da partilha e da autoria como mera fruição, torna a análise puramente técnica desta nova Web insuficiente, até porque a maioria dos instrumentos já preexistiam, na Web clássica. Ponto cardial e portanto elemento fundamental deste conceito é sem dúvida a centralidade adquirida pelo utilizador no processo de participação no crescimento da Web. Em torno dele gravitam todos os elementos inovadores da lógica da Web 2.0, como a colaboração, a partilha e a interligação da informação disponibilizada. O utilizador reveste-se de um papel central, de protagonista, porquanto insubstituível enquanto fonte de informação de alto valor técnico e comercial. Analisemos brevemente qual é a hierarquia da Web 2.0, para poder compreender quais serão os desenvolvimentos futuros, também da FAD: Nível 3: compreende as aplicações que podem existir exclusivamente sobre a Internet e que são instrumentos poderosos porque estão na Rede e permitem ligações muito eficazes possíveis entre pessoas ou aplicações. Alguns exemplos fornecidos são: ebay, Craigslist, Wikipedia, del.icio.us, Skype, Adsense, os quais são geridos através de uma actividade puramente online.

13 9 Nível 2: as aplicações deste nível podem existir offline, mas são vantajosas apenas quando têm uma presença na web. Um exemplo que pode ser referido é o do Flickr, que apresenta entre as suas características a presença de uma database fotográfica partilhada e uma comunidade que cria autonomamente tag. Nível 1: integra todas aquelas aplicações que funcionam sem nenhum problema offline, mas que permitem funcionalidades adicionais e benefícios se utilizadas online. Um exemplo clássico pode ser o itunes, instrumento da Apple que funciona esplendidamente como software sobre um PC para a organização da recolha pessoal de música, mas que, ligado à Internet, pode oferecer serviços suplementares, como a venda legal de marcas musicais, podcast ou conteúdos multimédia. Nível 0: o nível base é caracterizado por aqueles serviços que funcionam bem seja operando offline, tendo à disposição todos os dados localmente, seja online, sem trazer qualquer benefício a sua presença na Internet. O MapQuest, o Yahoo!, o Mappe, ou o Google Maps são alguns exemplos válidos. Se, no entanto, se inserem elementos de interactividade e de participação, podem-se situar estas aplicações num nível superior.

14 10 Análise dos indicadores Em relação ao projecto Estudo da utilidade e eficácia pedagógico-didáctica das Plataformas de Formação a distância, da responsabilidade do Centro Nacional de Qualificação de Formadores do IEFP, foram propostos 4 indicadores, definidos como objecto de análise. Apresenta-se seguidamente uma tentativa de decomposição de cada um dos ítens principais e de aprofundamento da temática em causa, com algumas indicações consideradas significativas,até em relação com a experiência no campo. OBJECTO DE ANÁLISE 1 Projecto pedagógico e relevância dos recursos 1 Apoio à definição inicial do projecto FAD e ao diagnóstico de necessidades 2 Apoio à personalização e configuração do ambiente de aprendizagem 3 Apoio à criação e construção de cursos, segundo metodologias activas e colaborativas 4 Apoio à estruturação e formulação lógica de conteúdos 5 Apoio à colaboração entre os recursos internos e externos do projecto FAD 6 Apoio ao enriquecimento dos recursos ( imagens, animações, audio, vídeo, multimedia, interactividade, etc..) 7 Apoio aos autores 8 Disponibilidade de glossários, materiais de referência, simbologia O objeto de análise é o cerne do debate sobre a forma de avaliar a FAD, em relação às técnicas e/ou tecnologias de suporte aos diversos actores envolvidos no projecto FAD. No objecto de análise faz-se referência à reutilização dos materiais didácticos. Este elemento deve representar um dos pontos de força numa FAD, constituindo um elemento motriz para todos aqueles que pretendem implementar um sistema de Formação a Distância. O tempo para

15 11 preparar, partilhar e adaptar um qualquer material didáctico é muito superior numa FAD, relativamente às modalidades de formação tradicionais (para uma hora de FAD podem ser necessárias 100 horas de tempo de trabalho para desenvolver módulos de formação reutilizáveis e auto consistentes). A colaboração entre os formadores/peritos é neste caso fundamental, para estruturar de modo lógico e de acordo com uma metodologia formativa acordada e testada, os conteúdos a disponibilizar. Se os conteúdos em si podem não representar efectivamente um problema num projecto FAD; a modalidade através da qual são disponibilizados deve ser sempre equacionada com muita atenção, devendo constituir um valor acrescentado e facilitar o processo de aprendizagem. Isto significa que quem desenvolve um projecto FAD não se deverá concentrar sobre a mera implementação da animação, do vídeo e de outros meios multimedia, de forma a ocupar os formandos no processo de aprendizagem, mas sobre a formulação e modalidades de disponibilização e estruturação dos conteúdos. Esta questão é independente da natureza dos standards, podendo ser ou não SCORM (considerando embora que a existência dos standards SCORM significa um ponto de partida obrigatório para qualquer projecto FAD, actualmente partilhado por todos). OBJECTO DE ANÁLISE 2 Acompanhamento e tutoria 1 Apoio à actividade de tutoria 2 Comunicação e colaboração 3 Interface e ambiente de trabalho 4 Relatórios sobre a actividade

16 12 Neste objecto de análise coloca-se a tónica sobre a actividade de tutoria e de comunicação entre formadores, entre formadores e formandos e entre formandos e formandos, devendo-se prestar especial atenção à tecnologia utilizada (chat, novidades, etc..) e à presença de um tutor em ligação contante ou quase online. Deve-se ter em atenção que concentrando-se toda a actividade online corre-se o risco de colocar uma barreira à aprendizagem, sobretudo para aqueles que têm inseguranças face à utilização dos instrumentos informáticos (não necessariamente apenas os formandos). É preferível assim uma formação a distância mista, defendendo-se a hipótese de desenvolver também num projecto FAD momentos presenciais, podendo ser realizados no mínimo 4 encontros. No encontro inicial serão apresentados os objectivos do curso, as modalidades de utilização da Plataforma, os materiais de auto-estudo e aqueles disponibilizados na Plataforma, devendo ainda ser detalhada a organização e a estruturação dos módulos e sessões. Neste mesmo encontro deve ser estabelecido o pacto formativo. O segundo encontro deverá ter lugar depois de poucas horas de formação a distância e tem como principal objectivo diagnosticar e apresentar soluções para resolver eventuais dificuldades relacionadas com a utilização dos instrumentos e dos materiais. No terceiro encontro serão fornecidas soluções e aprofundados temas abordados na formação a distância, devendo ainda ser simulada uma prova de avaliação. O último encontro, opcional, mas não muito, será dedicado à prova de avaliação final. I I dealmente, no centro deveriam estar sempre disponíveis, para todos os utilizadores mais inseguros, postos de trabalho ligados à Internet e assistência, em horário acessível, de um tutor FAD. É recomendável portanto integrar no objecto de análise um item de claro valor acrescentado:

17 13 5 Tutoria off-line Este item pode ser analisado através da presença (pelo menos), dos seguintes indicadores: o Apresentação do percurso e das actividades, presencialmente; o Estabelecimento de um pacto formativo (que poderá ser revisto); o Actividades de learning point acordadas. OBJECTO DE ANÁLISE 3 Verificação e acompanhamento Apoio à verificação da actividade formativa Apoio à verificação da aprendizagem Os indicadores a este nível de análise deverão ser bem definidos, porque se referem às modalidades da avaliação e à verificação dos resultados da actividade formativa, aspectos essenciais num projecto FAD. De salientar que os resultados em termos de rendimento e eficácia da intervenção formativa não devem ser avaliados através de questionários ou testes on-line. Deve-se a este nível considerar ponto importante de avaliação o nível de satisfação do formando, face às expectativas que o mesmo podia ter, inscrevendo-se num curso FAD. Normalmente acontece que os formandos se inscrevem em acções FAD com expectativas desajustadas, de que os conceitos e conhecimentos serão implantados directamente no seu cérebro, através do instrumento informático, sendo que este pressuposto pode provocar desilusão e um abandono precoce da formação a distância, acompanhada de um retorno ao ambiente mais tradicional de formação. São portanto fundamentais os instrumentos de avaliação, como as sondagens e os testes de avaliação que permitem, se acompanhados de uma discussão em sessão presencial, compreender efectivamente quais são as motivações, quais as respostas aos problemas de adaptação dos formandos e como agir, para efectuar as devidas correcções no futuro.

18 14 OBJECTO DE ANÁLISE 4 Gestão, administração e suporte Gestão e administração Apoio às intervenções técnicas Através da definição de indicadores a este nível pretende-se centrar a análise nas figuras de gestão do sistema: Administrador e peritos informáticos. Existem usualmente uma série de figuras que podem ser envolvidas num projecto FAD e a quem são atribuídas funções de gestão. As designações são diversas, sendo que se pode falar de Administradores, de responsáveis, de coordenadores, sendo que o que conta verdadeiramente é o que devem fazer e analisar com quem dialogam para obter resultados. Podemos portanto ter: o um responsável de curso e materiais didácticos FAD, com a tarefa de coordenar a implementação desta tipologia de cursos e pela pesquisa e produção de material multimédia. o um responsável FAD, com a tarefa de acompanhar a progressão dos cursos e implementar eventuais correcções. o um grupo de trabalho coordenado pelo responsável FAD, que organiza, estrutura e assegura a estandartização dos materiais multimedia e organiza os elementos que devem ser fornecidos aos formandos. Este grupo deve tomar em consideração critérios de referência para tratar e uniformizar quer os materiais disponibilizados pelos formadores, quer aqueles fornecidos/adquiridos junto de empresas especializadas. o um Administrador informático, com a tarefa de implementar modificações e/ou correcções ao sistema informático, tomando em consideração nomeadamente as contribuições do grupo de trabalho anterior. Recomenda-se assim que se integre no objecto de análise um outro ítem, que se considera de verdadeiro valor acrescentado:

19 15 3. É garantida a presença de figuras profissionais, com funções de gestão e coordenação, no projecto? Este item pode ser analisado através da presença (pelo menos), dos seguintes indicadores: o Presença de um administrador o Presença de um técnico informático o Presença de um responsável de conteúdos didácticos o Presença de uma coordenação entre as várias figuras Conclusões Em conclusão, um projecto FAD deve poder garantir : - A flexibilidade na gestão do tempo, porque se podem frequentar cursos em horários compatíveis com a disponibilidade de cada formando e segundo o ritmo pessoal de aprendizagem. - A flexibilidade na gestão do espaço, porque é possivel seguir os cursos de locais distantes. - A utilização de materiais didácticos especificamente criados e/ou estruturados e organizados para esta metodologia formativa específica - A diminuição do isolamento típico da autoformação, através da inserção numa rede de aprendizagem colaborativa, na qual os utilizadores podem interagir com os formadores e com o seu grupo de aprendizagem, utilizando o correio electrónico, o chat, a videoconferência, o telefone e o fax. - A tutoria em permanência, online, sendo que os tutores devem coordenar toda a actividade didáctica e com quem se pode: o interagir e ser orientado na escolha do percurso, o personalizar a actividade didáctica, o organizar a cadência das diversas actividades de estudo e dos exercícios previstos.

20 16

21 17 Parte 2 - Análise dos critérios e das técnicas o Introdução o A avaliação o As macrofases de desenvolvimento o Os ambientes operativos o As figuras envolvidas o Sustentabilidade do e-learning o Conselhos práticos o As Plataformas o A Web 2.0 o Glossário o Bibliografia

22 18

23 19 Introdução Antes da análise dos sistemas de e-learning e da definição de critérios e princípios através dos quais se pode efectuar uma comparação entre as diversas tipologias e/ou Plataformas Formação a Distância (FAD), deve precisar-se o conceito de e-learning, reportando-nos fundamentalmente à definição fornecida pelo Glossario Asfor, ou seja, Metodologia didáctica que oferece a possibilidade de disponibilizar conteúdos formativos electronicamente (e-learning) através da Internet ou da rede Intranet. Para o utilizador, representa uma solução de aprendizagem flexivel, porque fortemente personalizável e facilmente acessível. O conceito de e-learning cobre uma ampla série de aplicações e processos formativos, como os do computer based learning, Web-based learning e aulas virtuais. Desenvolver um sistema de e-learning significa desenvolver um sistema integrado de formação, utilizando a tecnologia de rede para programar, distribuir, seleccionar e ampliar os recursos que permitem um processo de aprendizagem. As modalidades mais utilizadas para realizar aquela integração são as seguintes: - a auto-aprendizagem assíncrona, com recurso à fruição de conteúdos préelaborados e disponíveis sobre uma Plataforma; - a aprendizagem síncrona, através do recurso à videoconferância e às aulas virtuais; - a aprendizagem colaborativa, através das actividades das Comunidades Virtuais de Aprendizagem. Assim, por e-learning pode entender-se as modalidades de utilização da tecnologia informática e da comunicação dedicadas ao desenvolvimento dos processos de formação/aprendizagem/requalificação, disponibilizando conteúdos por via electrónica, processos fundamentalmente baseados em modalidades de aprendizagem activa e/ou colaborativa. O e-learning deve portanto basear-se numa tecnologia fiável e ser orientado por objectivos de natureza pedagógica. Por outro lado, deve facilitar a integração social, a interacção e a colaboração entre os actores do processo de aprendizagem, sendo que tal implica uma mudança significativa na relação entre docente/formador, formando/aluno e tutor/facilitador.

24 20 Criar, gerir ou mesmo apenas utilizar um ambiente e-learning de forma eficaz implica a necessidade de compreender: - que a natureza da aprendizagem se modifica e que a relação entre os actores que interagem se alteram igualmente, de modo significativo; - que os formadores e formandos se encontram num processo de ensino/aprendizagem mediado pela tecnologia, num ambiente onde a relação espaço/tempo se anula; - que as dinâmicas que regulam uma aula virtual são muito diferentes daquelas que regulam uma aula convencional; - que a tecnologia permite desenvolver e melhorar os processos de aprendizagem dos diversos sujeitos envolvidos. Aprender em rede, em suma, significa aprender em conjunto, mesmo se à distância, numa relação em parceria e de intercâmbio entre os actores envolvidos, entre discentes e docentes, num modelo pedagógico que deve prever uma relação dinâmica entre os diversos sujeitos e uma articulação em rede. No que respeita ao modelo didáctico que pode ser adoptado, existem três correntes de pensamento mais difundidas que identificam diferentes paradigmas, no que respeita à filosofia à qual se pode recorrer para projectar, implementar ou simplesmente utilizar uma Plataforma de e-learning: 1. A racionalista-informacionista 2. A sistémico-interacionista 3. A construtivista-social Ao paradigma racionalista-informacionista corresponde um modelo, uma organização didáctica do tipo transmissivo. O processo de aprendizagem, de acordo com esta abordagem, consiste na simples transmissão de conteúdos, por uma parte, e na aquisição desses conteúdos, pela outra. Não estão previstos níveis significativos de interacção entre formando e tutor ou entre os próprios formandos, sendo que a avaliação das aprendizagens baseia-se basicamente na utilização de baterias de testes. O paradigma sistémico-interacionista corresponde, em contrapartida, a um modelo didáctico do tipo cooperativo. Desenvolver uma acção de formação não significa apenas distribuir e fruir conteúdos, sendo sobretudo intercâmbio e

25 21 confronto de experiências e competências. A aprendizagem é realizada em grupo, sendo que cada membro deste grupo (formador, perito, tutor ou formando) contribui para a sua implementação. Ao paradigma construtivista-social, finalmente, corresponde um modelo didáctico laboratorial. O trabalho de grupo torna-se central, valoriza-se de forma muito significativa a interação, deseja-se atingir rapidamente resultados e procura-se criar uma comunidade de aprendizagem que se mantenha mesmo após o limite temporal do curso. Para se poder analisar um projecto de e-learning, é necessário que existam instrumentos de análise adequados, que se tornam cada vez mais complexos, se o paradigna sobre o qual é construído o projecto exige interacções variadas. Pode-se simplificar e esquematizar os parâmetros de avaliação numa série de macrofases de desenvolvimento e na percepção que têm os operadores sobre a utilização da FAD. São esses parâmetros e indicadores que se explicitam nos pontos seguintes.

26 22 A Avaliação Enunciemos desde já a questão-chave que se coloca quando abordamos a temática em causa: como avaliar um projecto e uma Plataforma de e-learning, e quais os parâmetros que são necessários para realizar uma avaliação completa e objectiva? Têm sido publicados estudos bastante interessantes sobre a questão enunciada e seguramente neste Relatório não se explicitará matéria que seja nova ou revolucionária. Como já recordado na introdução, uma das correntes de pensamento mais difundidas analisa as macrofases de desenvolvimento de uma Plataforma, identificando os momentos críticos a ter sob observação. Referimo-nos no entanto a fases operativas ou indicadores, mais do que a aspectos críticos, atendendo a que é dificil avaliar a bondade de um projecto limitando-se a análise a aspectos de planificação e de gestão. Diferente é questão relacionada com a percepção que os utentes/formadores/gestores têm da utilização da plataforma e dos instrumentos nela disponíveis. A avaliação, nesta caso, é muito subjectiva e de difícil uniformização, sendo portanto talvez mais correcto aqui referirmo-nos a simples indicadores. É possível ainda definir uma série de ambientes operativos nos quais se pode classificar uma FAD, tomando em consideração a tipologia dos utilizadores e a tecnologia utilizada. No interior destes ambientes podem-se identificar critérios que permitem optar por uma mais do que por outra Plataforma, opção baseada na maior ou menor importância concedida às tecnologias utilizadas na Plataforma em análise. Na actualidade é possível testar as principais Plataformas presentes no mercado para verificar se possuem as caracteristicas e requisitos desejados e

27 23 sobretudo em que medida as mesmas Plataformas FAD são idóneas para apoiar, se for considerado necessário, cursos de formação, integralmente ou parcialmente online. O reconhecimento formal de cursos integralmente online representa efectivamente um problema mais político e formal que tecnológico, exigindo a certificação dos percursos e das competências e a possibilidade de enquadrálos em standards formativos universalmente reconhecidos.

28 24 As Macrofases de desenvolvimento Na definição das fases temporais relacionadas com o desenvolvimento de um projecto FAD, diferenciam-se usualmente: 1) as Plataformas proprietárias, realizadas em conformidade com exigências mais comerciais que didácticas; 2) projectos open source, ligados a uma visão mais transversal e aberta. A) Fases operativas de uma plataforma e-learning No desenvolvimento de um projecto de e-learning, mesmo que se trate da implementação de uma Plataforma que utiliza pacotes já prontos, podem-se identificar algumas fases operativas: A.1) A concepção/planificação; A.2) A implementação; A.3) A distribuição; A.4) A assistência/help-desk; A.5) A avaliação Utilizando-se sistemas de FAD já desenvolvidos, a primeira e a segunda fases exigem um investimento limitado no que respeita à criação de materiais didácticos, sendo ainda que a construção de uma interface de navegação entre gestor/utilizador assume um lugar igualmente secundário (apesar da personalização de um objecto de aprendizagem requerer um tempo de investimento bastante superior se se parte de uma estrutura pré-existente,

29 25 sendo que a análise e a reelaboração dos scripts exige competências técnicas e metodologicas notáveis). Na construção de um projecto de e-learning é possível portanto esquematizar três momentos sequenciais, que passam pela análise das exigências da programação à programação efectiva e à distribuição do percurso formativo. Mesmo neste caso pode-se refazer o esquema conceptual proposto por ADFOR e a seguir reproduzido. Auto-aprendizagem Cenário de Negócios Exigências Específicas Presencialmente Aprendizagem colaborativa Sessões Comunidade Aprendizagem A1) A Concepção/Planificação Nesta fase procede-se à análise das necessidades de formação, da tecnologia disponível e analisam-se os custos que implicam implementar um projecto FAD. A escolha da tipologia dos conteúdos a fornecer vincula de um modo decisivo o projecto e-learning. As tecnologias actualmente disponíveis podem resultar indigestas face a muitos sistemas, não alinhados com determinados níveis de desenvolvimento tecnológico. É assim frequente encontrar Plataformas que utilizam LMS (Learning Management System) extremamente avançados, mas que não podem ser inteiramente suportados pelas máquinas dos utilizadores-clientes, atendendo às exigências em termos de custos. Regista-se ainda que se deve ter em conta as características dos destinatários do projecto, mantendo-se sempre a coerência com o modelo didáctico, que deverá aderir ao estilo cognitivo dos discentes e sobretudo deverá ser contextualizado, face aos conteúdos de referência.

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Identificar um Sistema de Gestão da Formação Online; Analisar as diversas

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

Apresentação da Plataforma

Apresentação da Plataforma Apresentação da Plataforma por Luís Miguel Ricardo 282 I - Generalidades Inaugurada no ano de 2009, a modalidade elearning concebida pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, utiliza a plataforma

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução

GUIA PEDAGÓGICO. Introdução GUIA PEDAGÓGICO Introdução O objectivo deste documento é ser um condutor para os formandos que frequentam os cursos em elearning ministrados através da plataforma NetForma. Os cursos serão sempre orientados

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

e Campus do ISPA Instituto Universitário

e Campus do ISPA Instituto Universitário e Campus do ISPA Instituto Universitário Manual de utilização do Moodle Perfil utilizador: Docente Versão: Agosto 2010 Índice Índice... 2 Índice de Figuras... 3 Introdução... 4 1. Primeiros passos... 5

Leia mais

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI Apresentação do MOODLE Educação do século XXI Software social e e-learning Talvez seja o momento de fazer algo nas suas disciplinas! O que pretende do seu sistema de aprendizagem on-line? Fácil criação

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor Guião de utilização da plataforma moodle para Professor http://elearning.up.ac.mz http://www.ceadup.edu.mz E-mail: up.cead@gmail.com info@ceadup.edu.mz Maputo, 2013 Introdução Há alguns anos atrás, para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

Plataforma e.megaexpansao.com Guia do e-formando

Plataforma e.megaexpansao.com Guia do e-formando Plataforma e.megaexpansao.com Guia do e-formando Enquadramento O presente curso apresenta-se na forma de organização de e-learning, não existindo sessões presenciais ou horários específicos. É proposto

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF

Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF Ensino à distância Caso prático E-MBA do IESF Manuel Leite Mestrado em Análise de Dados e Sistemas de Apoio à Decisão Sistemas de Informação para Gestão Faculdade de Economia, 29 de Novembro de 2002 1

Leia mais

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada portefólio Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada Destinado a professores Aqui encontrará um conjunto de sugestões de trabalho para a utilização da metodologia dos portefólios no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso

Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso Pág. 1 Índice Índice... 2 Dados Gerais da formação... 3 Objetivos da formação... 3 Estrutura e desenvolvimento da formação...

Leia mais

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3.1. DESCRIÇÃO DA FERRAMENTA E SUAS APLICAÇÕES Dyn3W é um fórum desenvolvido especialmente para ser utilizado na educação. O seu desenvolvimento iniciou-se em meados

Leia mais

EDUTec Learning. José Paulo Ferreira Lousado

EDUTec Learning. José Paulo Ferreira Lousado EDUTec Learning MANUAL DO UTILIZADOR José Paulo Ferreira Lousado Índice Página Principal... ii Página de Desenvolvimento de Conteúdos... iii Página de Comunicações...iv Página de Transferência de Ficheiros...vi

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com A plataforma Sistemas de Gestão de Aprendizagem Carlos Nunes csmnunes@gmail.com O que é o Moodle? É um Sistema de Gestão de Aprendizagem (LMS) e de trabalho colaborativo, acessível através da Internet

Leia mais

Módulo 5: Trabalho de Aplicação Pedagógica (TAP)

Módulo 5: Trabalho de Aplicação Pedagógica (TAP) Módulo 5: Trabalho de Aplicação Pedagógica (TAP) Objectivos gerais 1. Preparar, desenvolver e avaliar sessões de formação realizadas em EFAD; 2. Identificar os aspectos pedagógicos considerados mais importantes

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning Público-Alvo Profissionais que pretendam adquirir competências de base para monitorizar formação na modalidade e-learning ou b-learning que sejam possuidores do

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2 Guia do aluno Título Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008 Abril 2008 2 Índice 1. Introdução... 4 2. Metodologia... 4 3. Aulas online... 5 4. A avaliação... 5

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

http://www.formare.pt/eb3svn

http://www.formare.pt/eb3svn INSCRIÇÕES NO ENSINO RECORRENTE MEDIATIZADO (PELA INTERNET) MANUAL DE PROCEDIMENTOS Um aluno para se matricular no Ensino Recorrente Mediatizado pode fazê-lo directamente nos Serviços da Administração

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

Manual Blackboard para docentes. Guia Rápido

Manual Blackboard para docentes. Guia Rápido Manual Blackboard para docentes Guia Rápido CAPÍTULO I CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 1. PLATAFORMA DE CONTEÚDOS ACADÉMICOS... 3 2. OBJECTIVOS DESTE GUIA... 3 CAPÍTULO II O AMBIENTE DE TRABALHO DA PLATAFORMA...

Leia mais

CINEP ESAC. Grupos de aprox. 10 Participantes INSCRIÇÕES aceites por ORDEM DE CHEGADA

CINEP ESAC. Grupos de aprox. 10 Participantes INSCRIÇÕES aceites por ORDEM DE CHEGADA CINEP Workshops Novembro-Dezembro/2012 Inscrições abertas Frequência gratuita! Grupos de aprox. 10 Participantes INSCRIÇÕES aceites por ORDEM DE CHEGADA Inscrições: enviar para cinep@ipc.pt acção em que

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico.

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. ENTIDADE FORMADORA Formadores: Eunice Macedo e Carlos Moedas C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. Escola EB 2,3 Irmãos Passos Guifões 5, 7, 12, 14

Leia mais

Centro e-learning da TecMinho

Centro e-learning da TecMinho Centro e-learning da TecMinho Dias A 1, Fernandes D 1 1 TecMinho/Gabinete de Formação Continua da Universidade do Minho, Guimarães, Portugal Resumo. A TecMinho/Gabinete de Formação Contínua da Universidade

Leia mais

Formação Contínua de Formadores

Formação Contínua de Formadores Programa Conjunto: Mais e Melhores empregos nas Províncias de Cabo Delgado e Nampula Formação Contínua de Formadores Formação Contínua de Formadores do INEFP Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional,

Leia mais

Documentos Electrónicos

Documentos Electrónicos Documentos Electrónicos Define-se como Documento electrónico todo o documento produzido em computador integrado em sistemas e redes, não tendo existência própria se for deslocado do sistema de informação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Dossier de Unidade Curricular Manual do Docente

Dossier de Unidade Curricular Manual do Docente Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Gabinete de Apoio ao Ensino Dossier de Unidade Curricular Manual do Docente 1 ABREVIATURAS... 4 2 PRESSUPOSTOS... 4 3 DOSSIER DE UNIDADE CURRICULAR... 4 4 PERFIS... 5

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO An 2-A NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

[Conteúdo] Manual do e-formando [2010] 1.INTRODUÇÃO... 3 2.METODOLOGIA DIDÁCTICA... 3 3.HORÁRIO... 3 4.TUTORIAS... 4 5.SISTEMA DE TRABALHO...

[Conteúdo] Manual do e-formando [2010] 1.INTRODUÇÃO... 3 2.METODOLOGIA DIDÁCTICA... 3 3.HORÁRIO... 3 4.TUTORIAS... 4 5.SISTEMA DE TRABALHO... [Conteúdo] 1.INTRODUÇÃO... 3 2.METODOLOGIA DIDÁCTICA... 3 3.HORÁRIO... 3 4.TUTORIAS... 4 5.SISTEMA DE TRABALHO... 4 6.1.ACESSO À PLATAFORMA... 4 6.2.FUNCIONAMENTO DIÁRIO DA PLATAFORMA... 7 2 1.INTRODUÇÃO

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

E-LEARNING. Como estudar e tirar melhor proveito

E-LEARNING. Como estudar e tirar melhor proveito E-LEARNING Como estudar e tirar melhor proveito TEXTO Núcleo Pedagógico do IFBM CONCEPÇÃO GRÁFICA Secção de Informática do IFBM ADAPTAÇÃO E ARRANJO GRÁFICO Luís Tenório CAPA António Sopa IMPRESSÃO E ACABAMENTO

Leia mais

CURSO: CONCEITOS DE FORMAÇÃO PRESENCIAL, ONLINE E MISTA

CURSO: CONCEITOS DE FORMAÇÃO PRESENCIAL, ONLINE E MISTA CURSO: CONCEITOS DE FORMAÇÃO PRESENCIAL, ONLINE E MISTA RESUMO Com este curso pretende-se a familiarização dos formandos com os principais conceitos que envolvem os processos formativos presenciais, online

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fotografia Digital e Pós-produção de imagem. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER O "Curso de Fotografia

Leia mais

Módulo Presencial Síncrona Assíncrona TOTAL

Módulo Presencial Síncrona Assíncrona TOTAL REFRESCAMENTO DE PROFESSORES EM TIC NÍVEL 1 (125 horas) Objectivos gerais Este curso visa a aquisição de competências técnicas básicas no âmbito das aplicações informáticas de processamento de texto, folha

Leia mais

elearning Formare - Sistema de Gestão da Aprendizagem BEYOND INNOVATION

elearning Formare - Sistema de Gestão da Aprendizagem BEYOND INNOVATION elearning Formare - Sistema de Gestão da Aprendizagem BEYOND INNOVATION CERTIFICAÇÃO A aplicação foi construída e dividida em três grandes camadas de código, separando a camada de apresentação (écrans

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

CURSO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho para Gestores

CURSO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho para Gestores CURSO Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho para Gestores O Projecto ReQual visou promover a adaptabilidade e a formação ao longo da vida de activos com baixos níveis de qualificação. Visou ainda consolidar

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

PT Learning Working Group

PT Learning Working Group PT Learning Working Group Reunião n.º 8 Data: 21 de Março 2011 Local: CIEJD Informar e comunicar a UE Iniciativas financiadas pela Comissão Europeia informar UE comunicar Parceria de gestão 2008-2011 Governo

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo 03 A SÈTIMA A SÉTIMA produz soluções de software maioritariamente com recurso à WEB, de modo a dar suporte ao crescimento tecnológico que é já a maior realidade do século XXI. Esta aposta deve-se ao facto

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Índice Preambulo... 3 ÁREA (ii) APRENDIZAGENS E APOIO AOS ESTUDANTES... 5 1. ASSESSMENT/AVALIAÇÃO... 7 2. IMPROVEMENT/MELHORIA... 7 3. ENGAGEMENT/COMPROMISSO/GARANTIA...

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional

Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Título Do ensino modular ao ensino por elearning uma evolução natural para o Ensino Profissional Autora Ana Paula Salvo Paiva (Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Católica Portuguesa) apaula.sintra.paiva@gmail.com

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

ferramentas e funcionalidades básicas

ferramentas e funcionalidades básicas ferramentas e funcionalidades básicas MOODLE - Tipos de Actividades Núcleo Minerva da Universidade de Évora Referendo A actividade Referendo permite ao professor fazer, por exemplo, uma sondagem de opinião

Leia mais

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4

Leia mais

Se você é pedagogo ou treinador de negócios provavelmente já ouviu falar sobre...

Se você é pedagogo ou treinador de negócios provavelmente já ouviu falar sobre... Se você é pedagogo ou treinador de negócios provavelmente já ouviu falar sobre... Educação do século XXI Software Social e e-learning Talvez seja o momento certo de fazer algo na sua instituição educacional.

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II - UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Projecto: Kit elearning, SAF/ Novabase, S.A. Equipa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Um outro olhar sobre o Universo

Um outro olhar sobre o Universo Escola Superior de Educação Jean Piaget Um outro olhar sobre o Universo (disciplina leccionada em regime semi-presencial) Edição 2007 Guia de aprendizagem do aluno Ana Filipa Coelho, Júlia M. Carvalho,

Leia mais

ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Moodle Guia rápido

ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Moodle Guia rápido ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Guia rápido ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria Unidade de Ensino a Distância Equipa Guia

Leia mais

Enquadramento institucional Programas

Enquadramento institucional Programas O e-learning na Universidade de Aveiro (1998-2005) Evento de ensino virtual e e-learning UFP@Porto 28 Jan 2005 Helder Caixinha caixinha@cemed.ua.pt UOe-L Unidade Operacional de e-learning Universidade

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão de Equipamentos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Instalação e Manutenção de Equipamentos Escolas Proponentes / Autores ETAP

Leia mais

Publicação em contexto académico: OJS na prática

Publicação em contexto académico: OJS na prática Publicação em contexto académico: OJS na prática sumário 1. Publicações científicas em ambiente académico: um cenário pouco homogéneo 1.1 o papel das bibliotecas de ensino superior 2. OJS Open Journal

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS.011-2011 Serviço de Registo de Requisições de MCDT Interface para recepção de requisições electrónicas ICS DESCRITORES Sistema de recepção de requisições de meios complementares

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36 Plano de Formação 2009 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Competências em TIC : Curso A nível 1 CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO Área de Formação Domínio de Formação Tecnologias de Informática e Comunicação Utilização e/ou Manutenção

Leia mais

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante)

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) 1. Introdução I 2. Primeiros passos I 3. Unidade Curricular I 4. Recursos e atividades O e-campus do ISPA - Instituto

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais