A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil"

Transcrição

1 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 35: Julho de A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil Luisa Maria Sarmento-Soares 1,2,3,* & Ronaldo Fernando Martins-Pinheiro 1 RESUMO: A Reserva Biológica de Sooretama é a maior floresta nos tabuleiros costeiros ao norte do Espírito Santo, localizada no terço inferior da bacia do rio Barra Seca. Uma grande variedade de pequenos peixes de riacho habita os córregos protegidos pela reserva. Destaca-se a presença de riachos florestados, de águas escuras e ácidas, e ainda grandes lagoas e ambientes temporários na reserva e entorno. Especial atenção se faz necessária aos trechos a montante da unidade, pela degradação das nascentes e terço médio. Foram descritos os ambientes aquáticos e a composição taxonômica de peixes da bacia do rio Barra Seca, incluindo 15 pontos de amostragem nos terços superior e médio, 28 no trecho baixo e 14 no Vale do Suruaca. Foram identificadas 84 espécies, pertencentes a 37 famílias e 13 ordens. Destas 39 são espécies marinhas que frequentam o estuário. Considerando todas as espécies de peixes encontradas na região, a ordem mais numerosa foi Perciformes com 26 espécies, seguida por Siluriformes com 18 espécies e Characiformes com 16 espécies. Algumas espécies foram encontradas unicamente no trecho do Vale do Suruaca, correspondendo a 43 do total de espécies. Espécies raras e ameaçadas de extinção foram historicamente registradas na reserva e seu entorno, mas não encontradas nas amostragens recentes. Para manutenção da ictiofauna na bacia do rio Barra Seca e Vale do Suruaca se faz necessário estabelecer metas para preservar os ambientes de vida da biota aquática. Algumas medidas de proteção são sugeridas no texto visando conservar os córregos e sua biota. Palavras-chave: ictiofauna, riachos, unidade de conservação, tabuleiros costeiros, sudeste do Brasil. 1 Museu de Biologia Prof. Mello Leitão/ Projeto BIOdiversES (www.nossosriachos.net), Av. José Ruschi, 4, Centro, Santa Teresa-ES, Brasil. 2 Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal- PPGBAN- Universidade Federal do Espírito Santo. Av. Marechal Campos, Prédio da Biologia- Campus de Maruípe, , Vitória- ES, Brasil. 3 Bolsista FAPES, Bolsa PA- Pesquisador Associado. *Autor para correspondência: Recebido: 7 set 2013 Aceito: 17 mar 2014

2 50 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca ABSTRACT: The fish fauna in the rio Barra Seca basin and Sooretama biological reserve, Espírito Santo, Brazil. The biological reserve of Sooretama is the largest forest in coastal tablelands at northern Espírito Santo, situated on lower stretch of the rio Barra Seca basin. A great variety of small stream fishes inhabit the rivers protected by the reserve. We point out the presence of forested streams, with dark acid waters and also large lakes and temporary environments in the reserve and surroundings. Special attention is necessary upstream the reserve, by degradation of headwaters and middle stretches of the river. Environments were described and the taxonomic composition of fishes was documented for the rio Barra Seca basin, including 15 collecting localities along upper and middle stretches, 28 on lower section and 14 along Suruaca valley. Eighty-four species were identified, belonging to 37 families and 13 orders. Among these, 39 are marine species that visit the estuaries. Considering all the fish species found in the area, the most numerous order was Perciformes, with 26 species, followed by the Siluriformes, with 18 species and the Characiformes, with 16 species. Some species were found only in the Suruaca valley, corresponding to 43 of the total species. Rare and endangered species were historically reported in the reserve and near around, but not found in recent surveys. For maintenance of the fish fauna at the Rio Barra Seca basin and Suruaca valley it is necessary to establish aims for aquatic biota environmental preservation. Some protection measures are suggested in the text in order to preserve streams and its biota. Key-words: fish fauna, streams, conservation units, coastal tablelands, southeastern Brazil. Introdução É um planalto, com cerca de 70 metros acima do nível do mar, sulcado por fundas ravinas feitas pela erosão dos córregos e rios. A região há 20 anos atrás era coberta por uma floresta luxuriante e contínua, hoje com numerosas e amplas abertas. A mata tem o mesmo aspecto observado no vale do rio Itaúnas; mata limpa e de árvores altíssimas. A devastação da floresta vai em grande adiantamento; felizmente a criação da Reserva Federal e de uma Estadual, ao lado da primeira, veio salvar um pequeno trecho da devastação. A providência do Governo infelizmente chegou um tanto tarde, pois nas vizinhanças do rio Barra Seca, existem grandes abertas feitas por posseiros clandestinos que,

3 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) dela agora afastados, deixaram largas cicatrizes na floresta, feitas pela brutalidade do fogo e inconsciência do machado. A direção da Reserva está procurando cicatrizar estas feridas pela abolição absoluta do fogo e do machado, permitindo que a floresta se reconstitua lentamente. É de grande interesse que se acompanhe com estudos ecológicos a evolução destas clareiras para floresta, a fim de que se possa ter uma idéia de como se formaram, e assim se conheçam as possibilidades e o tempo preciso para reflorestar as vastas áreas, que a ignorância associada à ganância descontrolada, procuram transformar nosso país, de belo e ubérrimo, em sapezal estéril e árido. Um fato que pudemos observar agora foi a existência de clareiras naturais em plena floresta e onde a transição da floresta para o campo é brusca, ficando as árvores como que debruçadas sobre um lago, lago de gramíneas e ciperácea. São pontos em que há um lençol impermeável no solo e que durante as chuvas se transforma, realmente, em pequeno lago onde a vegetação arbórea não medra. Estas clareiras merecem um estudo cuidadoso de ecologia vegetal. Lauro Travassos & F. Teixeira de Freitas (1948: 608) Sistemas hídricos formam um dos maiores centros de diversidade do planeta (Myers et al., 2000) e um dos ambientes mais ameaçados do país pela expansão demográfica, agrícola e industrial (Dean, 1996). Os riachos da Mata Atlântica abrigam uma fauna peculiar de peixes, com vários casos de endemismo, resultantes do isolamento geográfico (Sabino & Castro 1990; Weitzman et al., 1996; Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro, 2007). A ictiofauna de riachos é composta por, pelo menos, metade de indivíduos de médio e pequeno porte, com até 150 mm de comprimento padrão (Castro, 1999). Rios e riachos que atravessam remanescentes de Floresta Atlântica sofrem graus variáveis de perturbação, notadamente pelo movimento de materiais e organismos pela água (Esteves & Lobón-Cervia, 2001; Mazzoni & Iglesias-Rios, 2002; Hilsdorf & Petrere, 2002). Atualmente os trechos melhor preservados encontram-se dentro de algumas reservas biológicas ou em regiões de cabeceiras de difícil acesso (Camargo et al., 1996). As principais formações de florestas nativas do Espírito Santo, na região Sudeste do Brasil, são as matas de tabuleiros e as matas da região serrana. Os tabuleiros ocorrem ao longo da costa brasileira, em áreas

4 52 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca planas ou levemente onduladas, de baixas altitudes. No estado, as matas de tabuleiros ocupam uma faixa estreita ao sul e uma área expressiva ao norte, prolongando-se do rio Doce até o sul da Bahia. Apesar das dezenas de Unidades de Conservação (UCs) criadas no Espírito Santo, muitas áreas são pequenas, de maneira que não sabemos ao certo se podem proteger de maneira efetiva a biodiversidade. A ictiofauna tem sido desconsiderada de tal forma na delimitação de áreas de proteção que nenhuma das Unidades de Conservação do Estado possui em seu Plano de Manejo uma relação dos peixes existentes na Unidade respaldada por material catalogado em coleções zoológicas. A bacia do rio Barra Seca está situada no norte do Estado do Espírito Santo, Brasil (Fig.1a), inserida na Região Hidrográfica do Atlântico Sudeste (CNRH, 2003). O rio Barra Seca, escondido pela densa floresta ombrófila, permaneceu desconhecido até o século XX. Foi encontrado apenas na década de 1920, a 40 Km do litoral, quando foi aberta uma picada, entre Linhares e São Mateus, para passagem da linha telegráfica (Moraes, 1974). Foi então nomeado rio misterioso em referência às suas nascentes vindas de Nova Venécia em meio à densa floresta reinante na época. Somente após 1925, quando foi aberta uma outra picada ligando Nova Venécia a Pancas é que o misterioso foi identificado como sendo o próprio rio Barra Seca (Moraes, 1974). No baixo rio Barra Seca se encontra a lagoa do Suruaca, que no passado formava um lago que inundava toda a região pantanosa do Nativo e de Barra Seca. As impressões de tal lago ainda podem ser percebidas nas imagens por satélite. O lago ficava em um imenso pantanal que abrangia 174 mil hectares nos municípios de Aracruz, Linhares e São Mateus. O rio que vinha do oeste até esta lagoa e parecia não ter uma barra no mar, ficando por este motivo conhecido como rio Barra Seca. De fato a vazão das suas águas somadas às águas da lagoa e ainda do pantanal da Suruaca acontecia pelo rio Mariricu, que deságua no rio São Mateus. Isto fazia do rio Barra Seca uma sub-bacia do São Mateus. O vale do Suruaca por sua vez sofreu severas intervenções antrópicas em meados do século passado. Os alagadiços entre o baixo rio São Mateus e o baixo rio Doce, que compunham o vale do Suruaca, representavam a única faixa de terra do litoral não ocupada até o século XX (cf. Moraes, 1974). Na década de 1960 o Departamento Nacional de Obras de Saneamento (DNOS) dinamitou um cordão de arenito que bloqueava a saída para o mar, criando uma nova foz, nomeada Barra Nova. O rio Barra Seca foi assim transformado em uma bacia independente, embora continuasse sua comunicação com o rio São Mateus através do rio Mariricu. O trecho entre a lagoa do Suruaca

5 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) e a foz em Barra Nova levou o nome de córrego Barra Nova, mas de fato é uma continuação do rio Barra Seca até o Mar. Mais tarde, o problema foi agravado pela descoberta de petróleo na região, sob os terrenos de aluvião do cenozóico. A Petrobrás drenou a lagoa Suruaca ligando-a ao rio Ipiranga, que corre paralelo ao mar vindo do sul do vale. Para abrir o canal, teve de romper o recife de arenito longitudinal que acompanhava a orla e fazia a contenção das águas de todo o vale. Desta forma o rio Ipiranga, apesar de originalmente apresentar uma única desembocadura no oceano, passou a apresentar duas saídas artificiais diretamente para o mar. Uma destas saídas foi incorporada à bacia do rio Barra Seca, com o canal aberto na altura da lagoa do Suruaca. O rio Barra Seca recebe ainda no município de São Mateus o córrego Grande do Meio, além de diversos canais artificiais usados para a drenagem da região até o deságue atual, deslocado para a Barra Nova. O Projeto BIOdiversES Distribuição e Endemismo de Peixes de Água Doce do Espírito Santo estuda os sistemas hídricos capixabas e vem realizando uma avaliação da ictiofauna de água doce do Estado. Para este estudo, os sistemas hidrográficos do Espírito Santo foram divididos nos grupos de drenagem: 1- bacias do norte do Espírito Santo (Sarmento- Soares & Martins-Pinheiro, 2012); 2- bacias do Rio Doce no Espírito Santo (bacias dos rios Doce e Barra Seca); 3- bacias do nordeste do Espírito Santo (bacias dos rios Riacho e Piraquê-açu e as microbacias de Fundão e Aracruz); 4- bacias do Centro-Norte do Espírito Santo (Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro, 2010); 5- bacias do Centros-Sul do Espírito Santo (bacias dos rios Santa Maria da Vitória e Jucu); 6- bacias do sudeste do Espírito Santo (Sarmento-Soares et. al., 2012); e 7- bacias do sul do Espírito Santo (Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro, 2013a). Por outro lado, o Projeto DiversidadES Efetividade de Unidades de Conservação no Estado do Espírito Santo para a proteção da biodiversidade, veio complementar o Projeto BIOdiversES, pela proposta de verificar a efetividade de unidades de conservação no território do Espírito Santo na proteção de espécies da fauna raras, ameaçadas ou sensíveis a alterações ambientais. Neste trabalho abordamos algumas questões referentes à fauna de água doce da bacia do rio Barra Seca e em especial à ictiofauna protegida pela REBIO Sooretama. Materiais e Métodos Área de estudo. Com aproximadamente 157 km o rio Barra Seca forma uma bacia de Km 2, incluindo integralmente a Reserva Biológica de Sooretama e quase totalmente a Reserva Natural de Linhares. Faz limites

6 54 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca ao norte e nordeste com a bacia do São Mateus e ao sul e sudeste com a parte baixa da bacia do Doce e a Leste com o Oceano Atlântico (Fig. 1b). O rio Barra Seca nasce a 225 m de altitude formando as divisas entre os municípios de São Gabriel da Palha e Nova Venécia. Foram considerados 86 pontos de amostragem, sendo 29 de registros históricos de coleções ictiológicas e 57 de coletas recentes de nossa equipe. Os registros históricos estão concentrados no trecho baixo, onde se localiza a REBIO Sooretama, com 22 localidades históricas recuperados (H1 a H22), além de 7 localidades no Vale do Suruaca, identificados de H23 até H29 (Fig. 1c e Tabelas 1 e 2). As coordenadas destes pontos foram estimadas a partir das localidades indicadas nos registros. Figura 1. Mapa da bacia do rio Barra Seca. a. Localização da bacia no país (hachurado contorno do Brasil, pontilhado em relevo- contorno do estado do Espírito Santo, vermelho- bacia do rio Barra Seca). b. Localização das bacias limítrofes (pontilhado em relevo- contorno do estado do Espírito Santo, hachurado horizontal limites das bacias vizinhas São Mateus e médio Doce, hachurado vertical- baixo Doce, quadriculado vermelho- bacia do rio Barra Seca, verde- contorno da REBIO Sooretama, RPPNs e reservas particulares no entorno direto).

7 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) Figura 1c. Mapa da bacia do rio Barra Seca. c. Localização dos registros históricos de coletas- pontos precedidos por H H01 a H29 (hachurado horizontal- baixo rio Barra Seca, hachurado vertical- vale do Suruaca, verdecontorno da REBIO Sooretama, RPPNs e reservas particulares no entorno direto). Para localização dos pontos ver Tabela 1.

8 56 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca Tabela 1. Localização dos pontos encontrados nas coleções ictiológicas, indicando as coordenadas estimadas com base nas localidades informadas nos registros. Pt Localidade abreviada/ município Coordenadas estimadas Altitude Latitude Longitude (m) Baixo rio Barra Seca H01 Rio Barra Seca na Estrada Linhares - São Mateus, próximo a divisa em Jaguaré 18º57 53 S 40º07 34 W 20 H02 Rio Barra Seca 18º58 54 S 40º04 48 W 18 H03 Córrego do Deve, estrada Linhares a São Mateus 18º57 02 S 40º07 57 W 43 H04 Córrego Jundiá, na estrada Linhares - São Mateus 18º55 20 S 40º07 58 W 31 H05 Rio Barra Seca 18º59 31 S 40º00 54 W 9 H06 Córrego Caximbau na estrada Linhares- São Mateus 18º55 00 S 40º01 24 W 18 H07 Córrego Caximbau 18º57 09 S 40º00 37 W 12 H08 Rio Barra Seca na BR101 18º59 41 S 40º00 09 W 8 H09 Rio Barra Seca 19º01 19 S 39º58 29 W 7 H10 Córrego do Cupido na Cachoeira na Fazenda do Cupido na Estrada Linhares - São Mateus 19º03 25 S 40º09 49 W 66 H11 Córrego do Cupido na Estrada Linhares - São Mateus 19º04 19 S 40º07 51 W 48 H12 Lagoa do Cupido (afluente do rio Barra Seca) na estrada BR-101, no limite norte da Reserva Biológica de Sooretama 19º02 16 S 40º01 28 W 27 H13 Parque Sooretama 19º02 09 S 40º09 30 W 65 H14 Córrego Quirino, Residência 19º00 40 S 40º06 31 W 52

9 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) Tabela 1 (cont.) Pt Localidade abreviada/ município Coordenadas estimadas Altitude Latitude Longitude (m) H15 Córrego do Quirino na BR101 próximo a Reserva Florestal Vale do Rio Doce 19º01 49 S 40º01 10 W 32 H16 Córrego Água Limpa 19º00 16 S 39º53 32 W 14 H17 Área Alagada, córrego Rancho Alto 19º08 35 S 40º04 27 W 41 H18 Córrego Chumbado na BR101 próximo a Reserva Florestal Vale do Rio Doce 19º08 15 S 40º04 19 W 44 H19 Área de brejo dentro da Reserva Florestal Vale do Rio Doce 19º08 18 S 40º04 03 W 34 H20 Riacho da Reserva Florestal Vale do Rio Doce 19º08 09 S 40º03 40 W 34 H21 Arroio costeiro no km 118 da estrada BR-101, próximo à Reserva Florestal de Sooretama (Córrego Chumbado) 19º07 27 S 40º03 56 W 49 H22 Marobá, Reserva Florestal Campanhia Vale do Rio Doce 19º07 50 S 39º57 48 W 36 Vale do Suruaca H23 Lagoa Suruaca 19º09 10 S 39º44 46 W 7 H24 Canal de drenagem da Lagoa Suruaca no Pontal do Ipiranga 19º10 15 S 39º45 04 W 4 H25 Laguna costeira em Pontal do Ipiranga 19º19 44 S 39º43 53 W 3 H26 Córrego na estrada Pontal do Ipiranga 19º15 52 S 39º43 13 W 3 H27 Poça temporária na ES-010 em Degredo 19º13 30 S 39º43 20 W 3 H28 Rio Ipiranga, em Pontal do Ipiranga 19º09 56 S 39º43 19 W 3 H29 Rio Barra Seca, próximo a Urussuquara 19º07 00 S 39º43 19 W 3

10 58 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca Tabela 2. Registros das amostragens históricas, na bacia do rio Barra Seca. Expedição Local Data Equipe Coleção Lotes Instituto Oswaldo Cruz Rio Barra Seca e córregos Cupido, Quirino e Jundiá Fev.-Mar L. Travassos, H. Travassos e J.F. Teixeira de Freitas MNRJ 21 lotes com 569 exemplares (entorno) 67 lotes com 245 exemplares (interior da REBIO) MZUSP/ USNM Riachos da REBIO Sooretama 23- Mar N.A. Menezes e R.M.C. Castro MZUSP 3 lotes com 8 exemplares (interior da REBIO) MZUSP/ USNM Bordo da floresta de Sooretama 23- Mar N.A. Menezes e R.M.C. Castro USNM 1 lote com 6 exemplares (entorno) MCP/ MZUSP riacho costeiro no km 118 da BR-101 e Lagoa do Macuco 20 a 26 Jan R.E. Reis, E.H.L. Pereira, J.C.Garavello, W.G. Saul e A.S. Santos. MCP 7 lotes com 49 exemplares (entorno) 4 lotes com 10 exemplares (interior da REBIO) MCP/ MZUSP riacho costeiro no km 118 da BR-101 (possivelmente o Córrego Chumbado) e Lagoa do Macuco 20 a 26 Jan R.E. Reis, E.H.L. Pereira, J.C.Garavello, W.G. Saul e A.S. Santos. MZUSP 1 lote com 14 exemplares (entorno) 1 lote com 1 exemplar (interior da REBIO) Estação Biológica Soóretama Sem data Sem coletor MNRJ 1 lote com 3 exemplares Parque Sooretama Sem data Heber MNRJ 3 lotes com 4 exemplares Afluente do rio São José Sem data R. La Corte MZUSP 1 lote com 6 exemplares

11 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) As cabeceiras. Em sua parte mais alta, formando a região de cabeceira, até cruzar a rodovia ES-137, já com uma altitude de 98m (Fig. 2a), o rio Barra Seca recebe na margem direita no município de São Gabriel da Palha os córregos São Sebastião, São Bento, Alegre, Bom Destino, do Almeida e Cinco de Junho. Pela margem esquerda, do município de Nova Venécia recebe os córregos Brejão, Bonfim, Maruí, Santo Antônio e do Augusto. Após cruzar a ES-137 segue em seu trecho médio até encontrar a Cachoeira do Bereco em uma altitude de 60 m. O trecho de cabeceiras do rio Barra Seca banha uma superfície de 172 km 2 e o leito principal percorre uma distância de aproximadamente 20 km. Neste trecho não havia nenhum registro de amostragens históricas em coleções e foram realizadas amostragens em oito pontos identificados de C01 até C08 (Fig 2a, b e Tabela 3). Figura 2a. Trecho das cabeceiras da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por C C01 a C08 (hachurado horizontal- alto rio Barra Seca). Para localização dos pontos de coleta recentes ver Tabela 3.

12 60 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca Figura 2b. Trecho das cabeceiras da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por C. Fotos dos pontos de coletas recentes (nomes dos pontos precedidos por C- cabeceiras).

13 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) Tabela 3. Localização geográfica, vegetação, condições da água e substrato do fundo dos pontos amostrais no trecho de cabeceiras do rio Barra Seca. Característica da água: (T1) Transparente amarelada; (T2) Transparente cor de chá e (T3) Marrom turva. Substrato: (Ae) Areia; (Ai) Argila; (C) Cascalho; (Fl) folhiço no fundo do rio; (L) Lodo; (P) Pedra e (R) Rocha. Pt Fig Localidade abreviada/ município Coordenadas Altitude Prof.amostral Água Substrato (m) (m) C01 2b Rio Barra Seca sob a ponte da estrada que liga os povoados de São Gabriel e Santo Antonio em Nova Venécia 18º52 18 S 40º31 30 W 141 0,8-1,0 T3 Ae C02 2b Córrego Santo Antonio próximo ao povoado de Santo Antonio em Nova Venécia 18º51 33 S 40º32 04 W 150 0,5-0,6 T3 Ae C03 2b Córrego Bom Destino na Estrada para o povoado de São Gabriel em São Gabriel da Palha 18º55 38 S 40º32 21 W 134 0,5 T3 Ae C04 2b Córrego da Lapa na Estrada para o povoado de São Gabriel em São Gabriel da Palha 18º56 34 S 40º31 39 W 136 0,3-0,5 T3 Ae, C C05 2b Córrego Bom Destino próximo ao povoado de São Gabriel em São Gabriel da Palha 18º53 59 S 40º31 50 W 119 0,5 T3 Ae C06 2b Córrego Augusto na estrada entre o povoado de Santo Antonio e a ES-137 em Nova Venécia 18º51 29 S 40º30 31 W 134 0,5-0,6 T1 P, R C07 2b Afluente do Córrego Augusto na estrada entre o povoado de Santo Antonio e a ES- 137 em Nova Venécia 18º51 06 S 40º30 20 W 120 0,3-0,5 T3 Ae, C C08 2b Afluente do Córrego Augusto próximo a ES-137 em Nova Venécia 18º51 15 S 40º29 42 W 115 0,6-0,8 T3 Ai, L

14 62 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca O trecho médio. Em seu curso médio demarca a divisa entre os municípios de São Mateus e Vila Valério (Fig. 3a), recebendo na margem direita ainda no município de São Gabriel da Palha os córregos General Rondon, do Sossego, Alegre, Iracema e do João. E no município de Vila Valério os riachos Jacarandá, Pavão, Jacutinga, Areia, Pintada e Tesourinha. Pela margem esquerda, no município de Nova Venécia recebe os córregos do Cavalo, Sabiá, Grande e Santa Inês, e por sua vez no município de São Mateus recebe os riachos Cristal, Serrinha, Pouso Alegre, da Lama, da Serra, Timbó, Terra Fresca e Jacaré. Este trecho banha uma área de 418 km 2 e nele o rio Barra Seca percorre mais 48 km de seu curso. Para este trecho também não havia nenhum registro em coleções ictiológicas. Foram realizadas sete amostragens identificadas como M01 a M07 (Fig. 3a, b e Tabela 4). Figura 3a. Trecho médio da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por M M01 a M07 (hachurado horizontal- médio rio Barra Seca). Para localização dos pontos de coleta recentes ver Tabela 4.

15 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) Figura 3b. Trecho médio da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por M. Fotos dos pontos de coletas recentes (nomes dos pontos precedidos por M- trecho médio).

16 64 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca Tabela 4. Localização geográfica, vegetação, condições da água e substrato do fundo dos pontos amostrais no trecho médio do rio Barra Seca. Característica da água: (T1) Transparente amarelada; (T2) Transparente cor de chá e (T3) Marrom turva. Substrato: (Ae) Areia; (Ai) Argila; (C) Cascalho; (Fl) folhiço no fundo do rio; (L) Lodo; (P) Pedra e (R) Rocha. Pt Fig. Localidade abreviada/ município Coordenadas Altitude Prof.amostral Água Substrato (m) (m) M01 3b Rio Barra Seca ao lado leste da ES-137 em Nova Venécia 18º51 23 S 40º29 12 W 103 0,8-1,2 T3 Ae, Ai, P M02 3b Córrego General Rondon próximo à foz no Rio Barra Seca em São Gabriel da Palha 18º51 27 S 40º27 32 W 94 0,6 T3 Ae, Ai M03 3b Córrego do Sossego próximo à foz no Rio Barra Seca em São Gabriel da Palha 18º51 24 S 40º25 48 W 93 0,3-0,5 T1 Ai M04 3b Córrego Alegre próximo à foz no Rio Barra Seca em São Gabriel da Palha 18º51 16 S 40º24 49 W 92 0,5-0,8 T1 Ae, C, P M05 3b Rio Barra Seca antes do Córrego Iracema em São Gabriel da Palha 18º51 06 S 40º24 34 W 90 0,8-1,5 T3 Ae, Ai, P M06 3b Rio Barra Seca entre os córregos Serrinha e Jacarandá em Vila Valério 18º50 55 S 40º21 50 W 87 0,8-1,5 T3 Ae, Ai, M07 3b Córrego Jacarandá após o povoado em Vila Valério 18º53 05 S 40º19 40 W 90 0,3-0,5 T3 Ai

17 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) O trecho baixo. No seu trecho baixo, a jusante da Cachoeira do Bereco, o rio Barra Seca faz a divisa entre os municípios de Jaguaré e Sooretama e após a BR-101 entre Jaguaré e Linhares (Fig. 4a). Neste trecho baixo recebe em sua margem direita, ainda no município de Vila Valério, o córrego do Tesouro e no município de Sooretama, o córrego Paraisópolis que vem a desaguar no rio Barra Seca no interior da REBIO de Sooretama, além de outros pequenos córregos. Do município de Linhares recebe o Córrego do Cupido que define grande parte do limite sul da REBIO de Sooretama, com foz na lagoa do Macuco. A lagoa do Macuco se espalha por cerca de um quilômetro de largura e três metros de profundidade, no extremo leste da reserva de Sooretama, sendo alimentada pelo rio Barra Seca e o córrego Cupido. Ainda no município de Linhares entre a lagoa do Macuco e a lagoa do Suruaca o rio Barra Seca vai receber o rio Pau Atravessado que percorre áreas da Reserva Natural Vale do Rio Doce. Pela margem esquerda no município de Jaguaré, o rio Barra Seca recebe os córregos do Deve, Jundiá, Abóbora, Caximbau, no trecho a montante da lagoa do Macuco, e os córregos Menezes e Água Limpa, no trecho entre a lagoa do Macuco e a lagoa Suruaca. Neste trecho foram realizadas 27 amostragens recentes identificadas de B01 até B28 (Fig.4a, b, c, d, e, Tabela 5). Para este trecho foram recuperados ainda 22 registros históricos em coleções (H01 a H22, Fig 1c e Tabela 1). Figura 4a. Trecho baixo da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por B B01 a B27 (hachurado horizontal- baixo rio Barra Seca; verde- contorno da REBIO Sooretama, RPPNs e reservas particulares no entorno direto). Para localização dos pontos de coleta recentes ver Tabela 5.

18 66 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca Figura 4b. Trecho baixo da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por B. Fotos dos pontos de coletas recentes (nomes dos pontos precedidos por B- trecho baixo).

19 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) Figura 4c. Trecho baixo da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por B. Fotos dos pontos de coletas recentes (nomes dos pontos precedidos por B- trecho baixo).

20 68 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca Figura 4d. Trecho baixo da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por B. Fotos dos pontos de coletas recentes (nomes dos pontos precedidos por B- trecho baixo).

21 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) Figura 4e. Trecho baixo da bacia do rio Barra Seca- pontos precedidos por B. Fotos dos pontos de coletas recentes (nomes dos pontos precedidos por B- trecho baixo).

22 70 Sarmento-Soares & Martins-Pinheiro: Peixes do rio Barra Seca Tabela 5. Localização geográfica, vegetação, condições da água e substrato do fundo dos pontos amostrais no trecho baixo do rio Barra Seca. Característica da água: (T1) Transparente amarelada; (T2) Transparente cor de chá e (T3) Marrom turva. Substrato: (Ae) Areia; (Ai) Argila; (C) Cascalho; (Fl) folhiço no fundo do rio; (L) Lodo; (P) Pedra e (R) Rocha. Pt Fig. Localidade abreviada/ município Coordenadas Altitude Prof. amostral (m) (m) Água Substrato B01 4b Rio Barra Seca sob a ponte da estrada entre Nossa Senhora de Fátima e Vila Valério, no limite externo da REBIO em Sooretama B02 4b Córrego Tesouro sob a estrada para Vila Valério, no entorno da REBIO em Sooretama B03 4b Córrego Tesouro próximo à foz no rio Barra Seca sob a trilha interna da REBIO em Sooretama B04 4b Córrego Paraisópolis na estrada de Vila Valério antes do povoado de Juruma em Vila Valério B05 4b Córrego Paraisópolis próximo a ponte na trilha interna da REBIO em Sooretama B06 4b B07 4b B08 4b Afluente do Córrego Bom Jardim, tributário do Córrego Paraisópolis na trilha interna da REBIO em Sooretama Afluente do córrego Bom Jardim, tributário do córrego Paraisópolis na trilha interna da REBIO em Sooretama Córrego do Rodrigues afluente do Córrego Paraisópolis na estrada para Juncado próximo ao povoado de Bom Jardim em Sooretama B09 4c Córrego do Rodrigues, afluente do Córrego Paraisópolis na trilha interna da REBIO em Sooretama B10 4c Córrego Areinha, tributário do córrego Paraisópolis na trilha interna da REBIO em Sooretama B11 4c Afluente do córrego Areinha, tributário do córrego Paraisópolis na trilha interna da REBIO em Sooretama B12 4c Afluente do córrego Areinha, tributário do córrego Paraisópolis na trilha interna da REBIO em Sooretama B13 4c Córrego Areinha, tributário do córrego Paraisópolis na trilha interna da REBIO em Sooretama 18º54 05 S 40º12 19 W 18º54 14 S 40º13 05 W 18º54 17 S 40º12 42 W 18º58 17 S 40º17 28 W 18º58 54 S 40º14 31 W 19º01 22 S 40º14 52 W 19º01 34 S 40º14 07 W 19º02 43 S 40º13 49 W 19º01 37 S 40º13 39 W 19º56 06 S 40º13 16 W 18º55 23 S 40º13 11 W 18º57 14 S 40º13 53 W 18º57 55 S 40º14 10 W 32 1,0 T3 Ae 35 2,0 T3 Ae, Ai 31 0,8 T1 Ai, L 82 0,8 T1 Ae, Ai 42 1,5 T1 Ae, Fl 75 0,3 T1 Ae, Ai 84 0,3 T2 Ae, Fl 71 1,0 T2 Ae, C, Fl 54 0,5 T2 Ae, C, Fl 54 0,5 T2 Ae, Fl 64 0,8 T1 Ae, Fl 67 0,3 T1 Ai, L 61 0,3 T2 Ae, Fl

23 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) Pt Fig. Localidade abreviada/ município Coordenadas Altitude Prof. amostral (m) (m) Tabela 5 (cont.) Água Substrato B14 4c Afluente do córrego Areinha, tributário do córrego Paraisópolis na trilha interna da REBIO em Sooretama B15 4c Córrego Paraisópolis (rio do Sul) na foz no rio Barra Seca no interior da REBIO em Sooretama B16 4c Brejo na margem esquerda do Rio Barra Seca próximo à foz do córrego Paraisópolis (rio do Sul) no limite externo da REBIO em Jaguaré B17 4d Rio Barra Seca próximo a foz do rio do sul (rio Paraisópolis) em Jaguaré B18 4d Segundo poção na ES-356 após a ponte sobre o Rio Barra Seca, no interior da REBIO em Sooretama B19 4d Primeiro poção na ES-356 após a ponte sobre o Rio Barra Seca, no interior da REBIO em Sooretama B20 4d Rio Barra Seca sob a ponte da ES-356, no limite externo da REBIO em Jaguaré. B21 4d Lagoa do Macuco, no interior da REBIO em Sooretama B22 4d Córrego Cupido, na trilha do Cupido próximo a BR-101 no interior da REBIO em Sooretama B23 4d Córrego Quirino, afluente do Córrego Cupido próximo a nascente na trilha interna da REBIO em Sooretama B24 4d Córrego Quirino, afluente do Córrego Cupido sob a ponte da ES-356 no interior da REBIO em Sooretama B25 4e Córrego Quirino, afluente do córrego Cupido na trilha para a casa velha do Quirinão no interior da REBIO em Sooretama B26 4e Córrego Quirino, afluente do córrego Cupido, na BR-101 no interior da REBIO em Sooretama B27 4e Córrego Quirino, próximo a foz no córrego Cupido, na trilha do Cupido próximo a BR-101 no interior da REBIO em Sooretama 18º57 41 S 40º14 05 W 18º57 43 S 40º08 25 W 18º57 40 S 40º08 31 W 18º57 41 S 40º08 30 W 18º57 59 S 40º07 39 W 18º57 55 S 40º07 37 W 18º57 53 S 40º07 37 W 19º02 37 S 39º56 46 W 19º02 20 S 40º01 20 W 19º02 43 S 40º10 41 W 19º02 09 S 40º09 30 W 19º00 40 S 40º06 31 W 19º01 49 S 40º01 10 W 19º02 23 S 39º39 58 W 55 0,2 T1 Ai, L 10 1,0 T3 Ae, Ai 12 0,4 T3 Ae, Ai 10 T3 Ae 18 1,0 T3 Ae, Ai 23 1,0 T3 Ae, Ai 8 1,0 T3 Ae 0 2,0-3,0 T1- T3 Ai 16 0,5 T1 Ai, Fl 74 0,3 T1 Ai, L 64 0,3 T2 Ai, L 42 0,3 T2 Ai, L 14 1,0 T2 Ae, Fl 12 1,5 T2 Ae, Ai

NO PRELO. A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil

NO PRELO. A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 35:49-103. Julho de 2014 A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil Luisa Maria Sarmento-Soares 1,2,3,* & Ronaldo

Leia mais

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL Siqueira, R.C.; Oliveira Júnior, P.R.; Silveira, V.C; Melo, R S.; Teixeira, T.M.; Guedes, E.A; Sousa,

Leia mais

A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 26:25-46. Dezembro de 2009 25 A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1* & Ronaldo

Leia mais

A fauna de peixes da bacia dos Reis Magos e microbacias de Serra, Espírito Santo, Brasil

A fauna de peixes da bacia dos Reis Magos e microbacias de Serra, Espírito Santo, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 28:105-141. Dezembro de 2010 105 A fauna de peixes da bacia dos Reis Magos e microbacias de Serra, Espírito Santo, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1* & Ronaldo F.

Leia mais

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu Considerado morto dentro dos limites da cidade de São Paulo, o rio Tietê abriga a menos de 80 km do centro da capital espécies de peixes não descritas pela

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil BOL. MUS. BIOL. MELLO LEITÃO (N. SÉR.) 24:119-142. DEZEMBRO DE 2008 119 A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1,2*, Rosana Mazzoni 1 & Ronaldo

Leia mais

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil BOL. MUS. BIOL. MELLO LEITÃO (N. SÉR.) 24:119-142. DEZEMBRO DE 2008 119 A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1,2*, Rosana Mazzoni 1 & Ronaldo

Leia mais

A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia

A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia LUISA MARIA SARMENTOSOARES 1, ROSANA MAZZONI 2 & RONALDO FERNANDO MARTINSPINHEIRO 1 1 Museu de Biologia Prof. Mello

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

A fauna de peixes nas bacias do sul do Espírito Santo, Brasil

A fauna de peixes nas bacias do sul do Espírito Santo, Brasil DOI: 10.13102/scb218 ARTIGO A fauna de peixes nas bacias do sul do Espírito Santo, Brasil Luisa Maria Sarmento-Soares 1,2* & Ronaldo Fernando Martins-Pinheiro 1 1 Museu de Biologia Prof. Mello Leitão/

Leia mais

NO PRELO. Peixes do córrego Valsugana Velha, afluente do rio Timbuí, bacia dos Reis Magos, Santa Teresa, Espírito Santo, Brasil

NO PRELO. Peixes do córrego Valsugana Velha, afluente do rio Timbuí, bacia dos Reis Magos, Santa Teresa, Espírito Santo, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 35:5-20. Julho de 2014 Peixes do córrego Valsugana Velha, afluente do rio Timbuí, bacia dos Reis Magos, Santa Teresa, Espírito Santo, Brasil Maria Margareth Cancian

Leia mais

Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil

Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 329 Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil I. M. Mazzini 1, 2* ; L. F. Duboc 1, 3

Leia mais

Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia

Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia Peies de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia MAURICIO CETRA 1, LUISA MARIA SARMENTO-SOARES 2 & RONALDO FERNANDO MARTINS-PINHEIRO 2 1 UFSCar - Universidade Federal de São Carlos, Ciências

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES - BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO SÊNIOR CNPq- PRIMEIRO ANO

RELATÓRIO DE ATIVIDADES - BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO SÊNIOR CNPq- PRIMEIRO ANO RELATÓRIO DE ATIVIDADES - BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO SÊNIOR CNPq- PRIMEIRO ANO DIVERSIDADE, ENDEMISMO E ANÁLISE BIOGEOGRÁFICA DE SILURIFORMES EM SISTEMAS HÍDRICOS POUCO EXPLORADOS NO EXTREMO SUL DA BAHIA

Leia mais

RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO. Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado PINHEIRO 2

RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO. Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado PINHEIRO 2 RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado LUISA MARIA SARMENTO-SOARES 1,2 & RONALDO FERNANDO MARTINS- PINHEIRO 2 1 UERJ. Laboratório de Ecologia

Leia mais

COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL

COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL Tiago Debona 1, Evelini Arsego 1, Vinicius Valiente dos Santos 1, Daniele Zaneratto Damasceno 2, Norberto Castro

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA 27 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA ESTUDO ICTIOFAUNÍSTICO PARA

Leia mais

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS Foto 01: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 02: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 03: Estação de coleta P02 localizada no rio Itaquiraí no eixo Foto

Leia mais

A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil

A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil Biota Neotrop., vol. 11, no. 3 A ictiofauna de cabeceiras do rio Tietê, São Paulo, Brasil Alexandre Pires Marceniuk 1,3, Alexandre Wagner da Silva Hilsdorf 1 & Francisco Langeani 2 1 Laboratório de Genética

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA

DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA DESCRIÇÃO DO PESCADO NA BAIXADA MARANHENSE São Bento/MA Resumo: Diego Carvalho Viana¹ Amilton Cesar dos Santos² Rennan Lopes Olio³ Luís Miguel Lobo 4 Carlos Eduardo Malavasi Bruno 5 Douglas de Jesus Soares

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP.

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. Cruz, B. B. 1 ; Teshima, F. A. 1 ; Cetra, M. 1 ¹ Universidade federal de São Carlos, Campus Sorocaba.

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Efetividade das Unidades de Conservação na proteção da biodiversidade aquática Estudo de caso com o Projeto DiversidadES.

Efetividade das Unidades de Conservação na proteção da biodiversidade aquática Estudo de caso com o Projeto DiversidadES. II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 11 Efetividade das Unidades de Conservação na proteção da biodiversidade aquática Estudo de caso com o Projeto DiversidadES. Luisa Maria Sarmento-Soares

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP

Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP Realização: ENERGEST - PCH Fruteiras Elaboração: Água Viva Coordenação do Projeto: Catálogo das Espécies de Peixes

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

Revista Agrogeoambiental - v.7, n.1 - Março 2015

Revista Agrogeoambiental - v.7, n.1 - Março 2015 COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA COMUNIDADE DE PEIES DE UM AFLUENTE DO RIO TIETÊ, BACIA DO ALTO RIO PARANÁ 1 Jane Piton Serra Fabio de Faria e Souza Campos 3 André Luis da Silva Castro 2 Resumo A América do Sul

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-004 - AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1)

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 45 2013 COORDENAÇÃO

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS

GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS GUIA FOTOGRÁFICO E ASPECTOS DA BIOLOGIA DOS PRINCIPAIS PEIXES DE ÁGUA DOCE DO PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE, RS Fabiano CORRÊA 1, Marlucy Coelho CLAUDINO 2, Alexandre Miranda GARCIA 3 Laboratório de

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Estrutura do trabalho

Estrutura do trabalho Estrutura do trabalho Primeira Parte Processamento da informação; Percepção da realidade e Visão sistêmica Apresentação do texto Alegoria da Caverna Segunda Parte Definição de bacia hidrográfica, Estrutura

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal

A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador/Lab. Vida Selvagem Embrapa Pantanal walfrido.tomas@embrapa.br Pantanal : o que é? Uma planície inundável que,

Leia mais

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Resumo A Bacia Hidrográfica do Rio Doce apresenta uma extensão territorial

Leia mais

Ana Cecília Hoffmann 1, Mario L. Orsi 2 & Oscar A. Shibatta 1

Ana Cecília Hoffmann 1, Mario L. Orsi 2 & Oscar A. Shibatta 1 Diversidade de peixes do reservatório da UHE Escola Engenharia Mackenzie... 319 Diversidade de peixes do reservatório da UHE Escola Engenharia Mackenzie (Capivara), Rio Paranapanema, bacia do alto rio

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco

Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco 475 Ictiofauna da praia de Jaguaribe, Itamaracá, Pernambuco Ana Karla F. Lira & Simone F. Teixeira Laboratório de Ecologia de Peixes Tropicais, Universidade

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE Dr. Rodrigo Silva da Costa (rdgcosta@ufersa.edu.br) Dr. José Luís Costa Novaes (novaes@ufersa.edu.br) Universidade Federal Rural

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS.

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Aula 19: Conhecendo a hidrosfera do Brasil I CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Correção atividade sala: PG 3: Canadá, Brasil, EUA, Canadá, R.U etc... Bolívia, República do Congo, Mongólia, etc...

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Lima, F.C.T. & Caires, R.A.

Lima, F.C.T. & Caires, R.A. Peixes da Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins, bacias dos rios Tocantins e São Francisco, com observações sobre as implicações biogeográficas das águas emendadas dos rios Sapão e Galheiros Biota

Leia mais

Atrativos e Eventos Turísticos: praias de Itaúnas e do Riacho Doce, dunas, festas folclóricas, patrimônio ambiental e educação ambiental.

Atrativos e Eventos Turísticos: praias de Itaúnas e do Riacho Doce, dunas, festas folclóricas, patrimônio ambiental e educação ambiental. 2.8. ATRAÇÕES E PRODUTOS TURÍSTICOS O levantamento de atrações e produtos turísticos da Área de Planejamento representa os alicerces do processo de planejamento turístico que deverá ser desenvolvido para

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 Declara como Área de Proteção Ambiental APA a região que compreende os Municípios de Itamaracá e Itapissuma e parte do Município de Goiana, e dá outras providências.

Leia mais

Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil.

Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil. Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil. Welber Senteio Smith 1 Miguel Petrere Jr. 2 Valter Barrella 3 1 Instituto Manchester Paulista de Ensino Superior (IMAPES) / Universidade Paulista

Leia mais