Sistema Gráfico VGA. Sistema Gráfico VGA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Gráfico VGA. Sistema Gráfico VGA"

Transcrição

1 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Texto (03h) Procedure SetMode(M:Byte);Far;Assembler; Solução. (Nota serve para modo gráfico) Procedure ClearTextScreen(Atr:Byte);Far;Assembler; Solução Procedure CursorXY(Col,Lin:Byte);Far;Assembler; Solução Procedure WriteStr(x,y:byte;s:string;atr:Byte);Far;Assembler; Solução Procedure SaveScreen(P:Pointer);Far;Assembler; Solução 151 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Texto (03h) Procedure SetMode(M:Byte);Far;Assembler; push AX mov ah,00h mov al,m t 10h pop ax 152

2 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Texto (03h) Procedure ClearTextScreen(Atr:Byte);Far;Assembler; push ax push cx push di push es mov al,' ' {coloca em al=<space>} mov ah,atr {coloca em ah=atributos} mov cx,0b800h {es:[di] = Endereco destino} mov es,cx mov di,0 cld {clear Flag DF Direction = incrementacao automatica} mov cx,80*25 {cx=numero de words a copiar} rep stosw {repete cx vezes mov es:[di],ax; add di,2} pop es pop di pop cx pop ax 153 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Texto (03h) Procedure CursorXY(Col,Lin:Byte);Far;Assembler; push ax push bx push dx mov bh,0 mov dl,col mov dh,lin mov ah,02h {funcao 02h = set cursor} t 10h pop dx pop bx pop ax 154

3 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Texto (03h) Procedure WriteStr(x,y:byte;s:string;atr:Byte);Far;Assembler; {Escreve a string s na posicao x,y com atributos atr Nao altera a posicao actual do cursor} push ds push es push si push di push ax push cx {icializa ds:[di]= primeira posicao na memoria video} mov ax,0b800h mov ds,ax mov al,160 mul y {ax=160*y} mov cl,x shl cl,1 {cl=2*x} xor ch,ch add ax,cx {ax=160*y+2*x} mov di,ax {ds:[di] aponta para a primeira posicao na memoria video} les si,s {es:[si]=inicio da string} mov cl,es:[si] {cl=numero de caracteres} mov ah,atr {coloca em cmp cl,0 inc si mov al,es:[si] {al = caracter a visualizar} mov [di],ax {copia al+ah (caracter + atributo) para memoria video} add di,2 dec pop cx pop ax pop di pop si pop es pop ds 155 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Texto (03h) Procedure SaveScreen(P:Pointer);Far;Assembler; {salvaguarda o conteudo da memoria video na variavel cujo endereco esta armazenado em P} push ds push es push si push di push cx {ds:[si] = inicio da memoria video} mov cx,0b800h mov ds,cx xor si,si {es:[di] = destino da copia = endereco armazenado em P} les di,p cld {clear Flag DF Direction = incrementa automaticamente} mov cx,80*25 {cx=numero de words a copiar} rep movsw {repete cx vezes mov word ptr es:[si], word ptr ds:[di] add di,2 add si,2} pop cx pop di pop si pop es pop ds 156

4 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Gráfico (13h) Procedure ClearDisplay(Cor:Byte);Far;Assembler; Solução Procedure Plot(X,Y:Word;Cor:Byte);Far;Assembler; Solução 157 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Gráfico (13h) Procedure ClearDisplay(Cor:Byte);Far;Assembler; push ax push cx push di push es {es:[di] = Endereco destino = inicio da memoria video} mov cx,0a000h mov es,cx xor di,di mov al,cor {al=cor} cld {Clear Flag DF Direction = crementa automaticamente} mov cx,320*200 {cx=numero de bytes a transferir} rep stosb {repete cx vezes mov es:[di],al ; inc di} pop es pop di pop cx pop ax 158

5 Sistema Gráfico VGA Rotinas Vídeo VGA: Modo Gráfico (13h) Procedure Plot(X,Y:Word;Cor:Byte);Far;Assembler; {Coloca pixel de coordenadas X,Y numa determinada cor} push es push di push ax {converte coordenada Y} mov ax,199 sub ax,y mov Y,ax {es:[di] = endereco destino} mov ax,0a000h mov es,ax mov ax,320 mul Y {ax=320*y} add ax,x {ax=320*y+x} mov di,ax {es:[di] = endereco do pixel de coordenadas X,Y} mov al,cor {al=cor} mov es:[di],al pop ax pop di pop es 159 Arquitectura de Entradas/Saídas A organização do sistema de entradas e saídas num computador é um aspecto de central importância na definição da sua arquitectura. Como já foi anteriormente referido, um computador está organizado em torno de um sistema de barramentos que permite ao processador trocar informação com a memória e com todos os periféricos do sistema. Globalmente essa arquitectura está representada na figura seguinte: 160

6 A ligação dos periféricos é, na maior parte dos casos, assegurada por um módulo que pode assumir diversos graus de complexidade, denominado interface. A interface existe para isolar o processador das particularidades dos periféricos. De entre as funcionalidades pedidas à interface, podem ser referidas, nesta fase, as seguintes: Promover as adaptações necessárias do ponto de vista físico, nomeadamente ao nível das tensões e correntes envolvidas na comunicação entre o processador e os periféricos. Permitir esconder ao processador a velocidade dos periféricos, tipicamente mais baixa que a do processador. 161 Descodificar os endereços presentes no respectivo barramento por forma a identificar uma transferência de dados que envolve o periférico a que está ligada. Controlar o periférico nos casos em que podem existir vários modos de funcionamento. Controlar a comunicação física com o periférico através de lógica adequada, diminuindo, assim as tarefas a desempenhar pelo processador. Sinalizar ao processador, através do barramento de controlo, a presença de dados provenientes do periférico ou a disponibilidade deste para receber dados através do sistema de interrupções do computador. 162

7 A estrutura de uma interface está ilustrada na figura seguinte: 163 No caso de periféricos uni-direccionais, isto é, só de saída ou entrada, como uma impressora, ou um rato, a interface possui um registo onde o processador escreve os dados a enviar para o periférico ou onde lê os dados provenientes do periférico. Como é óbvio em periféricos bi-direccionais, como por exemplo, um modem, é de esperar a existência de dois registos, um em que o processador escreve os dados a enviar e outro em que o processador lê os dados recebidos. Estes registos, a unidade mais simples de entrada/saída endereçável pelo processador, têm o nome de portos. 164

8 Muitas interfaces, possuem, para além dos portos de dados, isto é, os portos destinados a transferir dados, alguns outros portos onde o processador pode escrever informações de controlo que permitem configurar determinados aspectos do funcionamento do periférico ou da comunicação com ele, bem como ler informação sobre o estado do periférico, da ligação ou da própria interface. Trata-se, respectivamente, de portos de controlo e portos de estado. Cada um destes portos é naturalmente acedido através de endereços diferentes. 165 Um exemplo: A Porta Paralela. A porta paralela é uma interface de comunicação entre o computador e um periférico. Quando a IBM criou o seu primeiro PC a esta porta estava destinado a ligação de uma impressora. Actualmente são vários os periféricos que utilizam (utilizavam) esta porta para enviar e receber dados. 166

9 Modelos de Porta Paralela Transmissão Unidireccional A porta paralela SPP (Standard Parallel Port) pode chegar a uma taxa de transmissão de dados de 150kB/s. Comunica-se com a CPU utilizando um BUS de dados de 8bits. Para a transmissão de dados entre periféricos são usados 4 bits de cada vez. Transmissão Bidireccional A porta EPP (Enhanced Parallel Port) chega a atingir uma taxa de transferência de 2MB/s. Para atingir esta velocidade é necessário um cabo especial. Comunica com a CPU atravé de um BUS de dados de 32bits. Para a transmissão de dados entre periféricos são usados 8bits de cada vez; A porta ECP (Enhanced Capabilities Port) tem as mesmas características que a EPP utilizando, porém, acesso directo à memória (DMA). Utiliza também um buffer FIFO de 16 bytes. 167 Porta Paralela: Extensão do cabo A extensão do cabo é no máximo 8m. Na prática utiliza-se um cabo com extensão menor. Quanto maior a extensão do cabo, maior é a interferência na transmissão dos dados. 168

10 Porta Paralela: Endereços O computador nomeia as portas chamando-as de LPT1, LPT2, LPT3, etc.. A porta física padrão é a LPT1 sendo o seu endereço base, normalmente, o 378h. Nome da porta Endereço de memória Endereço da porta Descrição LPT1 0000: hexa 888 decimal End. Base LPT2 0000:040A 278 hexa 632 decimal End. Base 169 Porta Paralela: Registos Supondo uma impressora ligada à porta, os registos terão nomes sugestivos: Nome Endereços LPT1 Endereços LPT2 Descrição Registo de Dados 378 h 278 h Envia uma byte para a impressora Registo de Estado 379 h 279 h Lê o estado da impressora Registo de Controlo 37A h 27Ah Envia dados de Controlo para a impressora 170

11 Porta Paralela: Conectores O conector DB25 As figuras abaixo mostram um conector padrão com a identificação dos pinos. 171 Porta Paralela: Conectores Esquema de Funcionamento do DB25 em modo SPP 172

12 Porta Paralela: Conectores O conector centronics de 36 pinos. Significado de cada pino do conector Centronics 36 pinos Número do Pino 1 2 ao ao ao a Descrição Strob Dados (D0...D7) Ack Busy Paper End Select Auto Feed conectato GROUND it Error GROUND conectato Select 173 Porta Paralela: Distribuição dos Bits de E/S por cada Registo As operações de transferência de e sobre registos é feita sempre com 8 bits de dados, sendo a distribuição destes a seguinte (SPP): Data Register (Endereço Base) Bit Pin: D-sub Sinal (Nome) Data bit 0 Data bit 1 Data bit 2 Data bit 3 Data bit 4 Data bit 5 Data bit 6 Data bit 7 Direcção IN/ vertido por Hardware? Pin: Centro

13 Porta Paralela: Distribuição dos Bits de E/S por cada Registo Status Register (Endereço Base + 1) Bit 0 Pin: D-sub Sinal (Nome) Reservado Direcção /out vertido por Hardware? Pin: Centro. 1 Reservado 2 IRQ(not) Sim 3 15 nerror (nfault) Select PaperEnd nack Busy Sim Porta Paralela: Distribuição dos Bits de E/S por cada Registo Control Register (Endereço Base + 2) Bit Pin: D-sub Sinal (Nome) nstrobe nautolf nit (Reset) nselection Enable IRQ Via Ack Enable bi-direc. usado usado Direcção /out / / / / / / vertido por Hardware? Sim Sim Sim Pin: Centro

14 Porta Paralela: Exemplo de acesso em line Assembly Program EX_LPT; var s:string; Procedure Delay(N:word);near;assembler; {introduz um tempo de espera proporcional a N} push cx mov pop cx Function WriteLPT1(s:String):Boolean;Near;Assembler; {Envia string para o interface LPT1 Devolve TRUE se bem sucedido Devolve FALSE se erro (Time atingido)} var Time:byte; push es push si push cx push dx {obtem o endereco base de IO do porto LPT1 na posicao de memoria 0040h:0008h} mov ax,0040h mov es,ax mov dx,es:[0008h] {dx=end. IO de LPT1} les si,s {es:[si] = endereco da string} mov cmp cl,0 inc si mov al,es:[si] {envia caracter para registo de dados} out dx,al {testa se b7(bsy) do registo de dados=1} inc dx mov Time,0FFh {Numero de tentativas = in al,dx {leitura do registo de estado} test al, b {b7=1? <=>not printer busy/error/off-line} dec Time {Numero de tentativas} {Time alcancado => Erro} mov {activa sinal STR (strobe)} inc dx in al,dx or al, b out dx,al mov ax,1 push ax call delay {introduz tempo de espera} {inactiva sinal STR (strobe)} in al,dx and al, b out dx,al sub dx,2 {dx = endereco base} dec mov al,true {escrita em LPT1 bem pop dx pop cx pop si pop es begin write('string para LPT1?');Readln(s); If WriteLPT1(s+chr(13)) Then Writeln ('OK') Else Writeln('Erro ao escrever na LPT1'); readln; end. 177

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Entradas/Saídas Programação por interrupções Conceitos gerais Programação da porta série Transmissão Problemas a resolver Como identificar a interrupção? Motivo da interrupção Que rotina executar? Como

Leia mais

Portas de Comunicação. http://www.walmorgodoi.com

Portas de Comunicação. http://www.walmorgodoi.com Introdução à Programação Portas de Comunicação Prof.: Walmor Cardoso Godoi,M.Sc. http://www.walmorgodoi.com USB Fireware Porta Paralela Agenda Introdução Aplicação em Controle de Display PortaSerial Introdução

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Gustavo G. Parma Lista dos comandos assembly que serão utilizados ao longo das práticas. 1 Comandos 1. ADD destino, fonte

Leia mais

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela A porta paralela 1 - Introdução A porta paralela é uma interface de comunicação desenvolvida pela IBM para funcionar nos primeiros computadores PC lançado em 1983, ela também é chamada de porta para impressora.

Leia mais

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são:

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: Linguagem Assembly Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: INSTRUÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE DADOS - Movem dados entre Registradores, Registradores e Memória e Valores Fixos para

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

Protótipo de Software e Hardware para Aquisição de Dados.

Protótipo de Software e Hardware para Aquisição de Dados. Protótipo de Software e Hardware para Aquisição de Dados. Luís Augusto Spranger Universidade Regional de Blumenau FURB bibao@yahoo.com Novembro / 2002 RESUMO Este artigo descreve a construção de um protótipo

Leia mais

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC

Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232, USB e IEEE 1394 (Firewire) Porta Paralela no PC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Portas Paralelas e Seriais IEEE 1284, RS 232,

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 4323 Trabalho Trimestral de Física

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 4323 Trabalho Trimestral de Física FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 4323 Trabalho Trimestral de Física OBTENÇÃO DE DADOS VIA EXCEL APLICADA AO ENSINO DA

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

Introdução à programação em linguagem assembly

Introdução à programação em linguagem assembly Introdução à programação em linguagem assembly Espaço de endereçamento Instruções de acesso à memória Modos de endereçamento Diretivas Tabelas Pilha Rotinas Arquitetura de Computadores Introdução à programação

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação 7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação São instruções que permitem mudar o padrão de bits num byte (8 bits) ou numa palavra (16 bits). Linguagens de alto nível (exceto C) não permitem manipular

Leia mais

Primeiros "computadores" digitais. Execução de um programa. Consolas. Primórdios dos computadores. Memória interna. Computadores com memória interna

Primeiros computadores digitais. Execução de um programa. Consolas. Primórdios dos computadores. Memória interna. Computadores com memória interna Execução de um O executa um Quais os seus componentes? Como estes se organizam e interactuam? entrada de dados processador, memória, input bits periféricos,etc bits saída de dados output Primeiros "es"

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Sistema de Interrupções do 8086 Prática 11 Gustavo G. Parma Assunto: sistema de interrupcões do 8086. Interrupções do DOS Objetivos: Apresentação do

Leia mais

Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo.

Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Comunicação Paralela Meio de transferência de dados onde a informação é transferida os 8 bits ao mesmo tempo. Porta Paralela do PC Foi concebida originalmente para transferir dados para uma impressora,

Leia mais

Professor Marcelo Josué Telles Porta LPT, programação, componentes eletrônicos, sistema binário...

Professor Marcelo Josué Telles Porta LPT, programação, componentes eletrônicos, sistema binário... Objetivos: - Conhecer a porta paralela LPT (explore as referências!) - Explorar uma linguagem de programação - Montagem de um circuito de comunicação via LPT - Revisão do sistema numérico binário INTRODUÇÃO

Leia mais

INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo

INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo BIOS Basic Input/Output System BIOS e System Calls Prof. Eduardo Tavares eagt@cin.ufpe.br Primeira instrução a ser executada (0xFFFF0-0xFFFFF) Configuração inicial do sistema Inicialização do boot loader

Leia mais

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos. Interrupções Uma interrupção é equivalente a uma chamada de procedimento. A chamada é equivalente a um CALL gerado pela execução de uma instrução. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Leia mais

Trabalho Prático Nº3 Porta Paralela

Trabalho Prático Nº3 Porta Paralela Trabalho Prático Nº3 Porta Paralela 1. OBJECTIVOS - Utilização da porta paralela como porto genérico de Entrada e Saída. 2. INTRODUÇÃO A porta paralela é um meio frequentemente utilizado para efectuar

Leia mais

CARTÃO INTERFACE PARALELO PCI

CARTÃO INTERFACE PARALELO PCI CARTÃO INTERFACE PARALELO PCI Manual de Instalação Rápida: Introdução Agradecemos a aquisição do cartão acessório PCI do interface IEEE 1284. Este cartão permite aos utilizadores adicionar ou expandir

Leia mais

8. Instruções de multiplicação e divisão

8. Instruções de multiplicação e divisão Cap8.1 8. Instruções de multiplicação e divisão 8.1 Instruções de multiplicação MUL fonte IMUL fonte MUL (multiply) -> usada com números em representação não-sinalizada IMUL (integer multiply) -> usada

Leia mais

Uso de interrupções de BIOS/DOS

Uso de interrupções de BIOS/DOS Uso de interrupções de BIOS/DOS Prof. Ronaldo Hüsemann Mapa de Memória FFFFFh F0000h C0000h B8000h A0000h BIOS (ROM) Reservado Memória de Vídeo (Texto e Gráfica) Memória de Vídeo (Parte Gráfica) Área para

Leia mais

Capítulo 14. Vamos discutir neste capítulo uma pequena miscelânea de interfaces encontradas nos PCs: paralela, serial, IRDA, teclado e mouse.

Capítulo 14. Vamos discutir neste capítulo uma pequena miscelânea de interfaces encontradas nos PCs: paralela, serial, IRDA, teclado e mouse. Capítulo 14 Interfaces Vamos discutir neste capítulo uma pequena miscelânea de interfaces encontradas nos PCs: paralela, serial, IRDA, teclado e mouse. Porta paralela A porta paralela, também conhecida

Leia mais

1345 Arquitectura de Computadores

1345 Arquitectura de Computadores 1345 Arquitectura de Computadores Relatório do 2º Teste formativo Ano lectivo 1999/2000 Resolução da questão 1 O mapa de memória pedido é o seguinte: Endereço do fim da página FFFFH DFFFH BFFFH 9FFFH 7FFFH

Leia mais

Porta Paralela. Fabricio Ferrari. Maio 2008. www.ferrari.pro.br. Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil

Porta Paralela. Fabricio Ferrari. Maio 2008. www.ferrari.pro.br. Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil Fabricio Ferrari www.ferrari.pro.br Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil Maio 2008 Porta de comunicação paralela SPP Single Parallel Port 150 Kbits/s EPP Enhanced Parallel Port 2 Mbits/s ECP

Leia mais

Gerência de Entrada/Saída

Gerência de Entrada/Saída Gerência de Entrada/Saída Prof Clodoaldo Ap Moraes Lima 1 Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Cap1.1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. Conceitos básicos Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou 1 elemento básico de informação Byte Word = 8 bits processados em paralelo (ao

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO Marcella Scoczynski Ribeiro (UTFPR/UEPG) marcella_engcomp@yahoo.com.br Matheus Safraid (UEPG) msafraid@hotmail.com Resumo Este trabalho apresenta os benefícios

Leia mais

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas Programação ao nível da máquina Operações lógicas e aritméticas Operações lógicas e aritméticas Operações: aritméticas: add, sub, inc, dec, cmp lógicas: and, or, xor, not Realizadas pela ALU (Arithmetic

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas das Tecnologias

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Periféricos e Interfaces 2003/2004 Cursos de Informática e Ensino de Informática Exame

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 24 de Outubro de 2004 Microprocessadores

Leia mais

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal e secundária) Equipamentos (dispositivos, elementos, unidades,...) de Entrada/Saída

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Arquitectura de um Computador Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sumário Arquitectura de um Computador Estrutura de I/O Estrutura de Armazenamento Hierarquia de Armazenamento Protecção

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1)

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Correcção da ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário A constituição de um sistema informático: hardware e software. A placa principal. O processador, o barramento e a base digital. Ficha

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA (I/O)

ENTRADA E SAÍDA (I/O) MICROPROCESSADORES II (EMA864315) ENTRADA E SAÍDA (I/O) 1 O SEMESTRE / 2015 Alexandro Baldassin MATERIAL DIDÁTICO Patterson & Hennessy (4a edição) Capítulo 6 (Tópicos I/O) 6.1 Introduction 6.5 Connecting

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída

Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Arquitetura de Entrada e Saída Arquitetura de Computadores Arquitetura de entrada e saída Barramento Meio de transmissão de dados entre a CPU, a memória principal e os dispositivos de entrada e saída.

Leia mais

Funcionamento básico de um computador

Funcionamento básico de um computador Funcionamento básico de um computador Processador Unidade de dados Unidade de controlo Arquitetura de computador básica Linguagem assembly Exemplos Arquitetura de Computadores Funcionamento básico de um

Leia mais

PLACA ADICIONAL PCI EM SÉRIE/PARALELO I/O COM 2/1-PORT

PLACA ADICIONAL PCI EM SÉRIE/PARALELO I/O COM 2/1-PORT PLACA ADICIONAL PCI EM SÉRIE/PARALELO I/O COM 2/1-PORT Manual de instruções DS-33040-1 Funções e benefícios Em conformidade com as especificações de Bus Local PCI, Revisão 2.3 Suporta 2x portas UART em

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos Linguagem de Montagem 2 Operações e Operandos Revisão Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer Esse conjunto de instruções chamamos de algoritmo

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Projecto de uma placa com DIP-Switches e LCD com ligação à placa DETIUA

Projecto de uma placa com DIP-Switches e LCD com ligação à placa DETIUA Sistemas Digitais Reconfiguráveis Projecto de uma placa com DIP-Switches e LCD com ligação à placa DETIUA Liliana Rocha Nicolau Lopes da Costa 27611 Ano Lectivo de 2006/2007 Universidade de Aveiro 1. Objectivos

Leia mais

Gerenciador de Boot Simples

Gerenciador de Boot Simples Gerenciador de Boot Simples Este tutorial é uma simples caminhada através de um Gerenciador de Boot Hello World. Este, como qualquer outro gestor, tem que obedecer a algumas regras. Termos utilizados:

Leia mais

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br

Interface Hardware/Software. Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interface Hardware/Software Centro de Informática - UFPE Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Interrupção INT 1Ah Ler o Relógio; Atualizar o Relógio; Ler a Data; Atualizar a Data. 2 Interrupção - INT 1Ah Ler

Leia mais

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2)

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2) Arquitectura de um computador Caracterizada por: Conjunto de instruções do processador (ISA Estrutura interna do processador (que registadores existem, etc Modelo de memória (dimensão endereçável, alcance

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Arquitectura de Computadores Modos de Transferência de Informação (14.6) José Monteiro Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I:

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I: Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores Unidade I: 0 Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA E REGISTRADORES O Processador é um chip com milhares de

Leia mais

Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída:

Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída: Unidades de I/O Interface Entrada/Saída Existem três formas básicas de efectuar operações de entrada/saída entrada/saída isoladaas instruções IN e OUT transferem dados entre o registo AX ou a memória e

Leia mais

Programando displays de cristal líqüido a partir da porta paralela do PC. Programming liquid crystal display from PC parallel port.

Programando displays de cristal líqüido a partir da porta paralela do PC. Programming liquid crystal display from PC parallel port. Programando displays de cristal líqüido a partir da porta paralela do PC Resumo Programming liquid crystal display from PC parallel port Carlos Sica 1 Como toda máquina, computadores utilizam uma forma

Leia mais

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas Conjunto de instruções O Conjunto de Instruções ISA Instruction Set Architecture Alguns conceitos... Linguagem máquina Combinação de 0 s e 1 s organizados segundo palavras que são as instruções que o processador

Leia mais

PLACAS DE COMUNICAÇÃO

PLACAS DE COMUNICAÇÃO PLACAS DE COMUNICAÇÃO São utilizadas para controle de dispositivos e instrumentos. Processam somente sinais digitais Cada uma das opções existentes possui protocolo de comunicação próprio Funcionam tanto

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20 Sumário: Os subsistemas vídeo. A RAM vídeo. Aula Teórica 20 Leitura Recomendada: Capítulo 37 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware Book, Addison-Wesley. Capítulos 4 e 11 - Peter Norton, Peter

Leia mais

DISPLAY LCD. Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury

DISPLAY LCD. Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury DIPLAY LCD Ilton L. Barbacena Claudio Afonso Fleury Outubro - 1996 01. INTRODUÇÃO Os módulos LCD são interfaces de saída muito útil em sistemas microprocessados. Estes módulos podem ser gráficos e a caracter.

Leia mais

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings)

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings) Componentes básicos de um sistema computacional Cap. 1 (Stallings) 1 Sistema de Operação Explora recursos de hardware de um ou mais processadores Provê um conjunto de serviços aos utilizadores Gerencia

Leia mais

Atividade prática: Rodando o programa SOMA

Atividade prática: Rodando o programa SOMA Atividade prática: Rodando o programa SOMA Representação de caracteres ASCII: Letras e pontuação não são representáveis diretamente em computadores e circuitos lógicos. Utiliza-se alguns códigos binários

Leia mais

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da

Leia mais

i---------------------------------------------- RBT Curso de Assembly Aula Nº 13 È----------------------------------------------

i---------------------------------------------- RBT Curso de Assembly Aula Nº 13 È---------------------------------------------- Por: Frederico Pissarra i---------------------------------------------- RBT Curso de Assembly Aula Nº 13 È---------------------------------------------- +---------------+ ASSEMBLY XIII +---------------+

Leia mais

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Componentes de um Computador (5) Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/01 - INF02597 Com slides de Roberta Lima Gomes

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS Capítulo 15 do livro-texto, págs. 309 a 330 Impressora Scanner Monitor Flop Disk Modem Floppy drive "CPU" HD CD ROM Teclado Mouse Dispositivos

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PORTA PARALELA DA IMPRESSORA

DESCRIÇÃO DA PORTA PARALELA DA IMPRESSORA Professor: Carlos Sica - 27/11/98 Palavras Chave: Impressora, Porta Paralela, Entrada e Saída DESCRIÇÃO DA PORTA PARALELA DA IMPRESSORA Cada dispositivo paralelo tem sua própria interface e uma interface

Leia mais

Versão Portuguesa. Introdução. Conteúdo da caixa. Especificações. PU001 Sweex 1 Port Parallel PCI Card

Versão Portuguesa. Introdução. Conteúdo da caixa. Especificações. PU001 Sweex 1 Port Parallel PCI Card PU001 Sweex 1 Port Parallel PCI Card Introdução Antes de tudo, muito obrigado por comprar esta Sweex 1 Port Parallel PCI Card. Esta placa permite simplesmente que adicione uma porta paralela ao seu PC.

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Interface com Periféricos

Arquitectura de Computadores II. Interface com Periféricos Arquitectura de Computadores II LESI - 3º Ano Interface com Periféricos João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Janeiro 2002 Aspecto frequentemente relegado para segundo

Leia mais

Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com

Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com Interface Hardware Software Aula Prática 1 Introdução à programação Assembly no DOS usando TASM Bruno Silva bs@cin.ufpe.br lauro Moura lauromoura@gmail.com Conteúdo Visão geral do processo TASM / TLINK

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA

Entradas/Saídas. Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Entradas/Saídas Programação por interrupções Programação da porta série Recepção Concorrência no acesso a recursos Programação por DMA Relembrar a recepção com espera activa Para receber um byte pela porta

Leia mais

Principais Componentes. Funções do Barramento. Esquema de Barramento. Um Barramento (Bus) é. Barramentos. Sistema de Barramento no Pentium

Principais Componentes. Funções do Barramento. Esquema de Barramento. Um Barramento (Bus) é. Barramentos. Sistema de Barramento no Pentium Principais Componentes Funções do Barramento Conexão de Memória Recebe e envia dados Recebe endereços Recebe sinais de controle Read Write Timing Entrada e Saída (I/O) Recebe e Envia dados Recebe sinais

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva CEFET-RS Curso de Eletrônica 2 - Processadores Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Microprocessador 8086 FX ULA AH AL BH BL CH CL DH DL BP SI DI SP (AX)

Leia mais

Binária. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Bit. Introdução à Informática

Binária. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Introdução à Informática. Bit. Introdução à Informática Informação Introdução à Os dispositivos que num computador permitem armazenar informação devem ser capazes de: Receber informação Conservar informação Restituir informação Mas que tipo de informação? Binária

Leia mais

O sucesso alcançado pelos computadores pessoais fica a dever-se aos seguintes factos:

O sucesso alcançado pelos computadores pessoais fica a dever-se aos seguintes factos: O processador 8080 da intel é tido como o precursor dos microprocessadores, uma vez que o primeiro computador pessoal foi baseado neste tipo de processador Mas o que significa família x86? O termo família

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Entradas/Saídas 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Organização de um Sistema Operativo System Call Handler

Leia mais