Processadores para computação de alto desempenho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processadores para computação de alto desempenho"

Transcrição

1 Processadores para computação de alto desempenho Aleardo Manacero Jr. DCCE/UNESP Grupo de Sistemas Paralelos e Distribuídos

2 Introdução Nesta aula apresentaremos características de processadores e como elas influenciam no desempenho de um sistema Mostraremos também alguns processadores reais, de várias épocas Começaremos falando da arquitetura do conjunto de instruções, ou ISA.

3 O debate CISC x RISC O que é CISC e RISC? São formas de estruturar as instruções do processador quanto aos padrões de codificação e execução Processadores RISC usam poucas instruções com formatos rígidos Processadores CISC usam muitas instruções com formatos distintos

4 O debate CISC x RISC RISC é mais eficiente, porém mais complexo e usa mais memória. Mesmo sendo menos eficiente, quem reinava era o CISC (até começo dos anos 90)

5 Problemas da primeira geração RISC A não adoção inicial de RISC se deu por: Falta de sistemas operacionais e compiladores adaptados aos RISC Os executáveis eram muito grandes por terem muitas instruções A pouca variedade de instruções de máquina exigia a construção de instruções de software

6 (R)evolução do RISC Aumento no número de transistores por chip Pipelining é mais fácil se instruções têm mesmo tamanho Surgimento de compiladores mais otimizados

7 Características de processadores RISC Uso intensivo de pipelining Todo o projeto RISC é voltado para o uso de pipelines Instruções de mesmo tamanho Essa característica é a que mais reforça o conceito de pipeline, uma vez que é possível uniformizar todo o processo de transferência de dados e instruções

8 Características de processadores RISC Arquitetura LOAD/STORE Todo acesso à memória ocorre apenas através de instruções LOAD ou STORE, não sendo possível outras operações nela Endereçamento simples Como apenas LOAD e STORE acessam a memória não são necessárias variações nesse formato. As outras instruções acessam apenas registradores

9 Características de processadores RISC Ponto flutuante em pipelines Como todas as instruções têm mesmo formato, incluindo as de ponto flutuante, é possível executá-las em pipelines Tratamento de desvios São necessários para evitar esvaziamentos frequentes do pipeline. Usa técnicas de predição, delay slot e execução condicional

10 A técnica de delay slot

11 Segunda geração RISC Chegada dos processadores SUPER Superescalares Permitem a execução simultânea de várias instruções através de vias de execução paralelas Superpipelines Fazem a construção de estágios cada vez mais especializados, chegando a 31 estágios (geração Prescott do Pentium 4)

12 Outros caminhos CISC e RISC não são as únicas soluções possíveis. A família pentium, por exemplo, misturava os dois conceitos Outra saída é o uso de processadores VLIW (verylong instruction word)

13 Modelos arquiteturais básicos

14 Modelos arquiteturais básicos

15 Modelo de arquitetura CISC

16 Modelo de arquitetura RISC

17 Arquitetura POWER (32 bits)

18 Arquitetura VLIW Modelo de processador

19 Arquitetura VLIW Formato de instrução e execução

20 Antigo cenário sobre microprocessadores

21 Cenário atual sobre microprocessadores

22 Cenário atual sobre microprocessadores Preocupação com consumo de energia Design orientado pela aplicação, ou seja, menos clock e instruções por ciclo quando é preciso economizar energia Para alto desempenho a preocupação é como refrigerar os processadores...

23 Lei de Moore Continua aplicável Não se resume a número de transistores ou velocidade da CPU Na verdade é uma referência econômica sobre gerações de microprocessadores

24 Lei de Moore Avanços na tecnologia de litografia (20nm) Avanços na construção dos transistores (3D)

25 Pipelines O uso de pipelines é uma das formas de se acelerar o processamento Pipelines surgem em duas formas: Pipeline aritméticos Pipeline de instruções

26 Pipelines aritméticos Envolvem a decomposição de operações aritméticas em etapas funcionais São mais simples de implementar e não envolvem problemas de predição ou de esvaziamentos

27 Pipelines aritméticos 400 ns

28 Pipelines aritméticos 150 ns

29 Pipeline de instruções Envolve as várias etapas de execução de uma instrução, como busca, decodificação, etc É mais complicado pois essas etapas possuem comportamentos distintos para tipos de instruções distintas

30 Pipeline de instruções

31 Pipeline de instruções

32 Antigamente... Pipelines podiam ainda ser classificados como sendo lineares ou não-lineares Com o aumento na complexidade dos pipelines o conceito de linearidade (típico nos antigos pipelines RISC) foi abandonado Mas ainda é útil no entendimento dos hazards de um pipeline

33 Pipelines lineares Caracterizados como uma linha de produção serial típica Mais simples de serem compreendidos O fluxo dos dados/instruções pode ser feito de forma síncrona (latches e relógio único), ou assíncrona (sinais de requisição e reconhecimento)

34 Pipeline linear síncrono

35 Pipeline linear assíncrono

36 Pipeline não-linear É um pipeline em que o fluxo pelos estágios pode sofrer grandes desvios ou até formar ciclos Fundamental para CISC, pois instruções de formatos diferentes demandam caminhos de execução diferentes Seu controle é tipicamente assíncrono

37 Exemplo pipeline não-linear assíncrono

38 Pipelines superescalares São pipelines com uma grande quantidade de estágios e caminhos possíveis São característicos dos processadores modernos Permitem, em determinados estágios, a execução de vários caminhos (instruções) simultaneamente

39 Pipelines superescalares Permitem o escalonamento de instruções fora de ordem (out-of-order execution), a partir do momento em que a instrução: Tem dados disponíveis Tem unidade operacional disponível Não criará conflitos

40 Pipelines superescalares

41 Pipelines superescalares

42 Pipeline superescalar (threads)

43 Pipeline família Power

44 Pipeline processadores MIPS

45 Arquitetura de alguns processadores

46 MIPS 64bits

47 Sandy Bridge Observar o anel ligando as caches locais (nível 1) Observar também os elementos especializados

48 Sandy Bridge

49 Sandy Bridge

50 Haswell Quarta geração da família i3,5,7 Do ponto de vista da Intel representa avanços mais significativos do que a geração anterior

51 Haswell

52 Haswell

53 Haswell

54 AMD Bulldozer

55 AMD Bulldozer

56 Sistema de multiprocessadores (Power cells)

57 Sistema de multiprocessadores (Power cells)

58 Como o Power Cell funciona Processador Power (PPE) cuida do SO e controle das SPE Processadores sinergísticos (SPE) fazem o processamento real, através de sua unidade de processamento (SPU) e de interface (MFC) Comunicação ocorre por 4 anéis de 16 bytes de largura cada

59 Diagrama interno de um SPE

60 Anéis da rede interna

61 Arquitetura Power (64 bits)

62 Arquitetura Power8

63 Arquitetura Power8

64 Sparc M7

65 Sparc M7

66 Sparc M7

67 Estrutura mista do Roadrunner Uso do Opteron (dual core) e do PowerXcell 8i (célula) para aceleração de operações aritméticas Uso de Infiniband como elemento de conexão

68 Arquitetura do Opteron Processadores Opteron trabalham com 64 bits, sendo suas principais características: Endereços virtuais de 48 bits Endereços físicos de 40 bits Caches L1 e L2 separadas para cada núcleo Cache L1 é composta por 64Kbytes para dados e 64Kbytes para instruções 3 conexões para E-S (16 bits em cada direção) suportam conexões entre processadores

69 Placa vetorial Cray Y-MP

70 Arquitetura Cray XT4

71 Processador vetorial Cray XT5

72 Processador reconfigurável Cray XT5 Uso de FPGA s como elemento para adaptação ao software

73 Processadores de baixo consumo Uma alternativa hoje é o uso de uma grande quantidade de processadores de baixo consumo de energia para fazer um paralelismo em larga escala Nessa categoria aparecem processadores como o ATOM, Vortex e as GPU s

74 ATOM (Intel)

75 ATOM (Intel)

76 Graphical Processing Units O uso de GPUs como elementos de aceleração de processamento tem crescido A idéia é usar GPUs como processadores das partes não sequenciais de um programa A GPU Fermi, da Nvidia, apresenta até 512 núcleos por chassi A GPU Kepler, da Nvidia, chega a 2688 núcleos, atingindo 1.31 Tflops

77 Nvidia - Kepler

78 Nvidia - Kepler

79 Nvidia - Kepler

80 Nvidia - Kepler Kepler Tesla

81 Graphical Processing Units Além da NVIDIA temos também GPUs da Intel, através da família Xeon Phi Atinge desempenho de 1TFlops, através de 60 núcleos executando até 240 threads

82 Arquitetura do Xeon Phi

83 Modos de execução

84 Xeon Phi (Knights Landing)

85 Processadores ARM São processadores de consumo de energia muito baixo, chegando a menos de 2 watts no processador e menos de 12 watts num sistema completo Uso inicial em dispositivos móveis Tem se tornado uma alternativa para uso como processador auxiliar

86 ARM processors Cortex A9

87 Rex Neo processors

88 Rex Neo processors

89 Rex Neo processors

90 Processadores para HPC Tendência para uso de processadores comuns, em organização manycores e multicomputadores Cuidados recentes (nem tanto) com economia de energia Problemas de conectividade a serem resolvidos para sistemas exascale

91 Processadores para HPC

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

O Funcionamento do Processador

O Funcionamento do Processador O Funcionamento do Processador Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Os cinco componentes clássicos de um Computador - Controle O

Leia mais

periféricos: interfaces humano-computador (HCI) arquivo de informação comunicações

periféricos: interfaces humano-computador (HCI) arquivo de informação comunicações Introdução aos Sistemas de Computação (6) Análise de componentes num computador Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador 2. Organização e estrutura interna dum computador 3.

Leia mais

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Processamento de Dados aplicado à Geociências AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores

Microcontroladores e Microprocessadores Microcontroladores e Microprocessadores Prof. Alison Lins Microcontrolador Agenda - Histórico da Evolução da Eletrônica - Microprocessadores - Memórias - Microcontroladores - Microcontrolador x Microprocessador

Leia mais

Aula 02: Tendências Tecnológicas e Custos

Aula 02: Tendências Tecnológicas e Custos Aula 02: Tendências Tecnológicas e Custos Cadeia Alimentar Figura Original Regra: Peixes maiores comem peixes menores Tubarões e Comidas O que é um tubarão? sistema de computação PC Mainframe comer: seguindo

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2 LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2 SANTO AMARO 2011 ANGELO RAMOS JACKELINE BARBOSA JEANDERVAL SANTOS PROCESSADOR TEGRA 2 Trabalho apresentado ao Instituto Federal de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III)

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III) SIS17 - Arquitetura de Computadores Introdução (Parte III) Espectro Computacional (Visão Geral) Servidor Estações de Trabalho Mainframe Supercomputador TIPO Computadores de uso comum (pequenos chips) Computadores

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores. 12ª aula

SSC510 Arquitetura de Computadores. 12ª aula SSC510 Arquitetura de Computadores 12ª aula EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA INTEL PROFA. SARITA MAZZINI BRUSCHI 1 Pentium - Modelos 2 Pentium - Arquiteturas Netburst P7 Sétima geração dos processadores da arquitetura

Leia mais

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções...

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10 4 10. CPU (CENTRAL PROCESSOR UNIT) Como vimos no capítulo

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

Univ ersidade Feder al do Rio de Janei ro Informáti ca DCC/IM. Pipeline. Gabriel P. Silva. Gabriel P. Silva

Univ ersidade Feder al do Rio de Janei ro Informáti ca DCC/IM. Pipeline. Gabriel P. Silva. Gabriel P. Silva Univ ersidade Feder al do Rio de Janei ro Informáti ca DCC/IM Arquitetura de Computadores II Pipeline Introdução Pipeline é uma técnica de implementação de processadores que permite a sobreposição temporal

Leia mais

Sistemas Computacionais e Hardware. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais

Sistemas Computacionais e Hardware. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais Sistemas Computacionais e Hardware Disciplina: Informática Prof. Higor Morais 1 Agenda Sistema Computacional O Computador e seus componentes Hardware 2 Unidade de entrada Unidade de saída Unidade de Processamento

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Histórico. Gerações

Arquitetura e Organização de Computadores. Histórico. Gerações Histórico Gerações 00001 As gerações dos computadores Os computadores são máquinas capazes de realizar vários cálculos automaticamente, além de possuir dispositivos de armazenamento e de entrada e saída.

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária Entrada e

Leia mais

RISC X CISC - Pipeline

RISC X CISC - Pipeline RISC X CISC - Pipeline IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 25 e 26/30 Prof. Msc. Antonio Carlos Souza Referências

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Organização e Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Organização e Arquitetura de Computadores Hierarquia de Memória Ivan Saraiva Silva Hierarquia de Memória A Organização de Memória em um computador é feita de forma hierárquica Registradores, Cache Memória

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I AULA 09 Estruturas de Interconexão (Barramentos) II Existem algumas questões relacionadas ao desempenho do sistema e os barramentos que merecem ser destacadas. 1. a quantidade de dispositivos conectados

Leia mais

Introdução aos Computadores Introdução à Ciência de Computadores Outubro 2011 1 / 16

Introdução aos Computadores Introdução à Ciência de Computadores Outubro 2011 1 / 16 Introdução aos Computadores Introdução à Ciência de Computadores Nelma Moreira Departamento de Ciência de Computadores da FCUP Outubro 2011 Introdução aos Computadores Introdução à Ciência de Computadores

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; Arquiteturas

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3.1 CPU: Unidade de Processamento Central Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Unidade de Processamento Central (CPU): Memória Principal Unidade de Processamento

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III PROCESSADORES P5 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Quinta Geração (P5) Pentium (586) 32 bits; Instruções MMX; Concorrente K5 (AMD).

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br ESQUEMA DE UM COMPUTADOR Uma Unidade Central de

Leia mais

Processador ( CPU ) E/S. Memória. Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento

Processador ( CPU ) E/S. Memória. Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento 1 Processadores Computador Processador ( CPU ) Memória E/S Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento 2 Pastilha 3 Processadores (CPU,, Microcontroladores)

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 2 Princípios de Programação Prof. Belarmino Linguagem de Computadores Internamente os computadores usam instruções e armazenam os dados no formato numérico binário

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Processadores Superescalares. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Processadores Superescalares. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Processadores Superescalares por Helcio Wagner da Silva Introdução O Pipeline é uma técnica desenvolvida para a melhoria do desempenho frente à execução seqüencial de instruções

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA)

PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA) PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA) SACCA, Juliana 1 ; KOYAMA, Julio César Hiroshi 2 ; TAMAE, Yoshio Rodrigo 3, MUZZI, Fernando Augusto Garcia 3. 1 Acadêmico do Curso de Sistemas

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br RELAÇÃO ENTRE PROGRAMAÇÃO E ARQUITETURA

Leia mais

Processador. Colégio Serrano Guardia Módulo III Suporte Técnico e Redes William Andrey de Godoy

Processador. Colégio Serrano Guardia Módulo III Suporte Técnico e Redes William Andrey de Godoy Processador 1 Colégio Serrano Guardia Módulo III Suporte Técnico e Redes Processador ou CPU É o cérebro do computador, responsável principalmente por executar os comandos (processamento) e carregar (manipular)

Leia mais

ORGANIZACÃO DE COMPUTADORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES

ORGANIZACÃO DE COMPUTADORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES O que é um chip? - conhecido como circuito integrado; - pequeno e fino pedaço de silício no qual os transistores, que formam o microprocessador, foram encapsulados; - processadores

Leia mais

Avaliando e Compreendendo o Desempenho. Capítulo 4

Avaliando e Compreendendo o Desempenho. Capítulo 4 Avaliando e Compreendendo o Desempenho Capítulo 4 Desempenho Mensurar, analisar e informar Fazer escolhas inteligentes Por que um hardware é melhor que outro para programas diferentes? Que fatores do desempenho

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; 20 bits

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Professor: Clayton Rodrigues da Siva

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Professor: Clayton Rodrigues da Siva ARQUITETURA DE COMPUTADORES Professor: Clayton Rodrigues da Siva OBJETIVO DA AULA Objetivo: Conhecer a estrutura da arquitetura da Máquina de Von Neumann. Saber quais as funcionalidades de cada componente

Leia mais

Introdução ao Processador CELL BE

Introdução ao Processador CELL BE 1 Introdução ao Processador CELL BE por: José Ricardo de Oliveira Damico 17 / Maio / 2007 São Paulo SP 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS 3 RESUMO 4 1.) INTRODUÇÃO 5 1.1) O que é? 5 2.) Utilização 5 3.) FUNCIONAMENTO

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Hardware. Arquitetura básica de Processadores. Profº André Luiz andreluizsp@gmail.

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Hardware. Arquitetura básica de Processadores. Profº André Luiz andreluizsp@gmail. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Hardware Arquitetura básica de Processadores Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com 1 Microprocessador Ao comprar um desktop ou notebook, quase

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma Aula 03 Processadores Prof. Ricardo Palma Definição O processador é a parte mais fundamental para o funcionamento de um computador. Processadores são circuitos digitais que realizam operações como: cópia

Leia mais

MÓDULO 2 Topologias de Redes

MÓDULO 2 Topologias de Redes MÓDULO 2 Topologias de Redes As redes de computadores de modo geral estão presentes em nosso dia adia, estamos tão acostumados a utilizá las que não nos damos conta da sofisticação e complexidade da estrutura,

Leia mais

Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções

Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções Antes de deixarmos o hardware (1) Nível da Arquitetura do Conjunto das Instruções (Aula 11) Visão Geral do Nível ISA 8 Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Agradecimentos:

Leia mais

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Multi-processamento Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Arquitecturas MIMD de memória distribuída Massive Parallel Computers Sistemas distribuídos Ainda

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Processadores - II... 3 1.1.1. Princípios de projeto para computadores modernos... 3 1.1.2. Paralelismo...

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

Arquiteturas Paralelas

Arquiteturas Paralelas I Escola Regional de Alto Desempenho de SP São Paulo - SP 30 e 31 de Julho de 2010 Arquiteturas Paralelas Prof. Dr. Edson T. Midorikawa edson.midorikawa@poli.usp.br Departamento de Engenharia de Computação

Leia mais

Evolução das CPUs: Dual e Quad Core

Evolução das CPUs: Dual e Quad Core Evolução das CPUs: Dual e Quad Core Cesar Sposito Mário J. Filho Rodrigo Ferrassa... os computadores sequenciais estão se aproximando do limite físico fundamental em sua energia potencial computacional.

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

4/11/2010. Computadores de grande porte: mainframes e supercomputadores. Sistemas Computacionais Classificação. Sistemas Computacionais Classificação

4/11/2010. Computadores de grande porte: mainframes e supercomputadores. Sistemas Computacionais Classificação. Sistemas Computacionais Classificação Arquitetura de Computadores Quanto ao princípio de construção Computador Analógico: Computadores de grande porte: mainframes e supercomputadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Unidade 4 Paralelismo em Nível de Instrução. Filipe Moura de Lima Gutenberg Pessoa Botelho Neto Thiago Vinícius Freire de Araújo Ribeiro

Unidade 4 Paralelismo em Nível de Instrução. Filipe Moura de Lima Gutenberg Pessoa Botelho Neto Thiago Vinícius Freire de Araújo Ribeiro Unidade 4 Paralelismo em Nível de Instrução Filipe Moura de Lima Gutenberg Pessoa Botelho Neto Thiago Vinícius Freire de Araújo Ribeiro Sumário Introdução O Pipeline Pipeline em diferentes CPUs ARM Cortex-A9

Leia mais

Prof a Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM

Prof a Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM Modelos de Computadores Paralelos Prof a Andréa Schwertner Charão DELC/CT/UFSM Sumário Modelos de computadores paralelos Classificações "acadêmicas" Tendências de mercado TOP500 Impacto na programação

Leia mais

Aula 02 - Conceitos de Hardware e Software. Por Sediane Carmem Lunardi Hernandes

Aula 02 - Conceitos de Hardware e Software. Por Sediane Carmem Lunardi Hernandes Aula 02 - Conceitos de Hardware e Software Por Sediane Carmem Lunardi Hernandes 1 1. Hardware Unidades funcionais Processador / UCP Unidade Lógica e Aritmética Unidade de Controle Registradores Memória

Leia mais

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Profa. Dra. Denise Stringhini (ICT- Unifesp) Primeiro Encontro do Khronos Chapters Brasil Belo Horizonte, 20/09/2013 Conteúdo Computação heterogênea:

Leia mais

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 1 Professores: Aula 10 Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins Conteúdo: Arquiteturas Avançadas - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 2 Arquiteturas RISC Reduced Instruction Set Computer se

Leia mais

Microprocessadores. Cap. 2 Microprocessador, operação de hardware e computação

Microprocessadores. Cap. 2 Microprocessador, operação de hardware e computação Microprocessadores Cap. 2 Microprocessador, operação de hardware e computação Sumário 2.1 Arquiteturas microprocessadas 2.2. Diagrama de blocos (arquitetura, registradores, ALU, etc.) 2.3. Barramentos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Revisão Pipeline, Superescalar e Multicores

Infraestrutura de Hardware. Revisão Pipeline, Superescalar e Multicores Infraestrutura de Hardware Revisão Pipeline, Superescalar e Multicores Pipeline Pipeline é uma técnica que visa aumentar o nível de paralelismo de execução de instruções ILP (Instruction-Level Paralellism)

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

7-1. Parte 6 Otimizações da Arquitetura

7-1. Parte 6 Otimizações da Arquitetura 7-1 Parte 6 Otimizações da Arquitetura 7-2 Bibliografia [1] Miles J. Murdocca e Vincent P. Heuring, Introdução à Arquitetura de Computadores [2] Andrew S. Tanenbaum, Modern Operating Systems [3] William

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores

SIS17 - Arquitetura de Computadores SIS17 - Arquitetura de Computadores Organização Básica B de Computadores (Parte I) Organização Básica B de Computadores Composição básica b de um Computador eletrônico digital Processador Memória Memória

Leia mais

Manutenção de Computadores Montagem de microcomputadores: Entendendo melhor os processadores. Professor: Francisco Ary

Manutenção de Computadores Montagem de microcomputadores: Entendendo melhor os processadores. Professor: Francisco Ary Manutenção de Computadores Montagem de microcomputadores: Entendendo melhor os processadores Professor: Francisco Ary Introdução O processador é um dos componentes mais importantes (e geralmente o mais

Leia mais

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Roteiro... Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Infra-estrutura de um SD Considerações de projeto Sistemas Distribuídos Aula 4 Karine de Pinho Peralta Modelos de Comunicação - comunicação entre processos

Leia mais

Construção de uma via de dados, abordagem monociclo, multiciclo e pipeline

Construção de uma via de dados, abordagem monociclo, multiciclo e pipeline INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA ACADÊMICA DE GESTÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Construção

Leia mais

Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano

Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos das arquiteturas CISC e RISC, confrontando seus desempenhos. Bibliografia:

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 4 Memória cache Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Características Localização. Capacidade.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lis. ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 3.120.000 processadores :-)

Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lis. ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 3.120.000 processadores :-) Evolução da Computação de Alto Desempenho sob a Ótica da Lista TOP500 ou (Se um processador já é rápido, imaginem um sistema com 3.120.000 processadores :-) Siang Wun Song IME-USP Evolução

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Tipos de Sistemas Operacionais De Sistemas Embarcados (PalmOS,WinCE,WinXPEmbbeded,Linux) Hardware simples, especifico

Leia mais

Arquitetura de processadores: RISC e CISC

Arquitetura de processadores: RISC e CISC Arquitetura de processadores: RISC e CISC A arquitetura de processador descreve o processador que foi usado em um computador. Grande parte dos computadores vêm com identificação e literatura descrevendo

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CPU (Central Processing Unit) é o coordenador de todas as atividades

Leia mais

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores.

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. 7.3.1.2 Registradores: São pequenas unidades de memória, implementadas na CPU, com as seguintes características:

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Capítulo 9. Arquitecturas Reais e Alternativas

Capítulo 9. Arquitecturas Reais e Alternativas Capítulo 9 Arquitecturas Reais e Alternativas Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Ábaco (3000 AC) do Lat. abacu < Gr. abax, quadro,

Leia mais

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Organização de um Computador Típico Memória: Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação Departamento de Ciência da Computação - UFF O Sistema de Computação Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br O Sistema de Computação Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes

Leia mais

Exemplo: CC1 CC2 CC3 CC4 CC5 CC6 CC7 CC8 CC9 ADD $s0, $t0, $t1 IF ID EX MEM WB SUB $t2, $s0, $t3 IF Stall Stall ID EX MEM WB

Exemplo: CC1 CC2 CC3 CC4 CC5 CC6 CC7 CC8 CC9 ADD $s0, $t0, $t1 IF ID EX MEM WB SUB $t2, $s0, $t3 IF Stall Stall ID EX MEM WB 2.3 Dependências de dados (Data Hazards) Ocorre quando uma instrução depende do resultado de outra instrução que ainda está no pipeline. Este tipo de dependência é originado na natureza seqüencial do código

Leia mais

BARRAMENTO. Caminho de Dados

BARRAMENTO. Caminho de Dados BARRAMENTO Caminho de Dados Conceito Um barramento é simplesmente um circuito que conecta uma parte da placa-mãe à outra. Quanto mais dados o barramento consegue ter de uma só vez, mais rápido a informação

Leia mais

História. Pioneiros AMD

História. Pioneiros AMD História Pioneiros AMD Marco na História 1969 AMD estabelece sede em Sunnyvale, Califórnia. 1970 AMD lança seu primeiro contador Lógico. 1982 A pedido da IBM, AMD assina um acordo para servir como uma

Leia mais

Arquitecturas Alternativas. Pipelining Super-escalar VLIW IA-64

Arquitecturas Alternativas. Pipelining Super-escalar VLIW IA-64 Arquitecturas Alternativas Pipelining Super-escalar VLIW IA-64 Pipeline de execução A execução de uma instrução passa por várias fases: Vimos o ciclo: fetch, decode, execute fetch decode execute instrução

Leia mais

Cap. 5 - Microprocessadores

Cap. 5 - Microprocessadores Cap. 5 - Microprocessadores Arquitectura de Computadores 2010/2011 Licenciatura em Informática de Gestão Dora Melo (Responsável) Originais cedidos gentilmente por António Trigo (2009/2010) Instituto Superior

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Hardware. Objetivos da aula. Fornecer exemplos de processadores Intel. Esclarecer as diferenças e as tecnologias embutidas nos processadores Intel.

Hardware. Objetivos da aula. Fornecer exemplos de processadores Intel. Esclarecer as diferenças e as tecnologias embutidas nos processadores Intel. Hardware UCP Unidade Central de Processamento Características dos processadores Intel Disciplina: Organização e Arquitetura de Computadores Prof. Luiz Antonio do Nascimento Faculdade Nossa Cidade Objetivos

Leia mais

Histórico e Evolução da Computação

Histórico e Evolução da Computação Lista de Exercícios Introdução à Informática Professor: Sérgio Salazar Histórico e Evolução da Computação O 1º computador foi o ENIAC, utilizado para montar tabelas para o cálculo de projéteis na 2ª Guerra

Leia mais

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Microprocessadores Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Arquitetura de Microprocessadores; Unidade de Controle UC; Unidade Lógica Aritméticas ULA; Arquitetura de von Neumann; Execução de

Leia mais

Arquitetura de Computadores II

Arquitetura de Computadores II Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação - DCC/IM Arquitetura de Computadores II Multithreading Prof. Gabriel P. Silva Introdução Muitos dos sistemas operacionais modernos

Leia mais

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM).

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). PROCESSADOR Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). INTRODUÇÃO O processador é o C.I. mais importante do computador. Ele é considerado o cérebro do computador, também conhecido como uma UCP -

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação Unidade V Hardware - Arquitetura de um Sistema de Computação - Processador. Processador. Introdução.

Introdução a Ciência da Computação Unidade V Hardware - Arquitetura de um Sistema de Computação - Processador. Processador. Introdução. Introdução a Ciência da Computação Unidade V Hardware - Arquitetura de um Sistema de Computação - Processador Processador - Introdução - - Instrução de máquina - Ciclo da instrução - - Função de processamento

Leia mais

Computação Gráfica Aula 0. Alexandre de Barros Barreto - Ms

Computação Gráfica Aula 0. Alexandre de Barros Barreto - Ms Computação Gráfica Aula 0 Alexandre de Barros Barreto - Ms Objetivo da Disciplina Apresentar a computação gráfica, enquanto conjunto de aplicações matemáticas, como ferramenta de representação de dados

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ. Pipeline. Gabriel P. Silva. Microarquitetura de Alto Desempenho

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ. Pipeline. Gabriel P. Silva. Microarquitetura de Alto Desempenho Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ Microarquiteturas de Alto Desempenho Pipeline Gabriel P. Silva Introdução Pipeline é uma técnica de implementação de processadores

Leia mais

Informática I. Aula 5. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1

Informática I. Aula 5. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1 Informática I Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 3- Memórias 4- Dispositivos

Leia mais

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução;

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução; Em 1993, foi lançada a primeira versão do processador Pentium, que operava a 60 MHz Além do uso otimizado da memória cache (tecnologia já amadurecida) e da multiplicação do clock, o Pentium passou a utilizar

Leia mais