Barra da Tijuca Lugar de significação: pesquisando a imagem identitária urbana e sua comunicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Barra da Tijuca Lugar de significação: pesquisando a imagem identitária urbana e sua comunicação"

Transcrição

1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ Centro de Tecnologia e Ciências - CTC Instituto de Geografia IGEOG Programa de Pós-Graduação em Geografia - PPGEO Curso de Mestrado Barra da Tijuca Lugar de significação: pesquisando a imagem identitária urbana e sua comunicação Rodrigo Leão Março de 2009

2 CATALOGAÇÃO NA FONTE UERJ/REDE SIRIUS/PROTEC L437 Leão, Rodrigo Fernandes. Barra da Tijuca lugar de significação: pesquisando a imagem identitária urbana e sua comunicação / Rodrigo Fernandes Leão f. Orientador : Zeny Rosendahl. Dissertação (mestrado) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Geografia. 1. Barra da Tijuca(Rio de Janeiro, RJ) - Monumentos Teses. 2. Planejamento urbano Barra da Tijuca(Rio de Janeiro,RJ) Teses. I. Rosendahl, Zeny. II. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Geografial. III. Título. CDU 711.4(815.3)

3 Rodrigo Fernandes Leão Barra da Tijuca Lugar de significação: pesquisando a imagem identitária urbana e sua comunicação Orientadora: Profª. Drª Zeny Rosendahl Rio de Janeiro 2009

4 Dissertação de Mestrado Barra da Tijuca Lugar de significação: pesquisando a imagem identitária urbana e sua comunicação Autor Rodrigo Fernandes Leão Orientadora Profª. Drª. Zeny Rosendahl Banca Examinadora Aprovado por Profª. Drª. Zeny Rosendahl - UERJ Prof. Dr. Márcio Piñon de Oliveira - UFF Prof. Dr. João Baptista Ferreira de Mello - UERJ Prof. Dr. Miguel Ângelo Ribeiro - UERJ

5 Ao meu filho, Felipe Morand Leão.

6 Agradecimentos A minha mulher, Gabriela, fundamental em todos os momentos, com sua preocupação, seu incentivo, sua tranqüilidade, seu companheirismo e principalmente seu amor. A minha mãe, sempre presente, em todas as horas. A Zeny Rosendahl, professora, orientadora e amiga. Sempre pronta ao longo dos últimos 9 anos. Ao João Baptista, sempre pronto a ajudar com sua alegria. Ao Miguel Ângelo. Daqueles professores que ainda se emocionam com sucesso de seus alunos. A equipe de bolsistas do NEPEC, fazendo jus à tradição de competência desse núcleo de pesquisa tão querido.

7 Venham a mim as massas exaustas, pobres e confusas ansiando por respirar liberdade. Venham a mim os desabrigados, os que estão sob a tempestade. Eu os guio com minha tocha. Texto escrito no pedestal da estátua da liberdade original localizada em Nova Iorque Estados Unidos

8 Sumário APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 1 A HERANÇA DO PASSADO O BAIRRO DA BARRA DA TIJUCA RJ Antes do Túnel: o espaço e o tempo 1.2. Depois do túnel: o espaço e o tempo CAPÍTULO 2 A INCLUSÃO DO PRESENTE O BAIRRO DA BARRA DA TIJUCA RJ Habitante Identidade Lugar: tríade de análise 2.2. Laboratório de Valores na Transformação do Lugar CAPÍTULO 3 NEW YORK CITY CENTER, LUGAR DE SIGNIFICAÇÃO PESQUISANDO IMAGEM IDENTITÁRIA URBANA E SUA COMUNICAÇÃO A Forma Simbólica Espacial: a Estátua da Liberdade 3.2. A Dimensão Fundamental da Significação: a Comunicação CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ANEXO... 93

9 Mapas, Gráficos e Fotos Mapa 1 Barra da Tijuca...25 Mapa 2 Plano Piloto da Barra da Tijuca e Jacarepaguá Gráfico 1 Crescimento Populacional da Barra da Tijuca Foto 1 Barra da Tijuca 1952 Foto aérea registra o, então, grande vazio Foto 2 Barra da Tijuca 1969 Início da ocupação do Jardim Oceânico Foto 3 Avenida das América, primeiro plano e Avenida Alvorada ao fundo. Sistema viário cruciforme Foto 4 Cartão comemorativo da construtora Dias & Paz uma das responsáveis pela urbanização da Barra Foto 5 Funcionários da construtora Foto 6 Avenida Sernambetiba, Foto 7 Jardim Oceânico Foto 8 Mesmo enquadramento da foto 1. Podemos perceber o adensamento da ocupação do bairro Foto 9 Lagoa com processo de assoreamento por poluição, principalmente residencial, acelerado Foto 10 Corridas de automóvel na Barra 1957

10 Foto 11 Corridas de automóvel na Barra Foto 12 Corridas de automóvel na Barra Foto 13 Marca registrada, tradicional cartaz localizado na entrada do bairro Foto 14 Estátua situada na Vila Kennedy RJ...68 Foto 15 Estátua de Santa Catarina Foto 16 Estátua de Juiz de Fora MG...69 Foto 17 Estátua de Maceió AL...70 Foto 18 Estátua carioca por enfeitada por ocasião da Copa do Mundo de Futebol FIFA Foto 19 Em frente à réplica da Estátua da Liberdade do shopping New York City Center, no Rio de Janeiro, manifestantes fazem protesto contra Bush e os Estados Unidos, na ocasião da viagem do presidente norte-americano no Brasil, em março de

11 Resumo A recente urbanização da Barra da Tijuca foi acompanhada pelo surgimento de uma nova forma de apropriação do espaço geográfico na cidade do Rio de Janeiro, um novo estilo de viver. Esta dissertação de Mestrado procura identificar que modo de viver é esse, os agentes que contribuíram para tais mudanças e, sobretudo, debruçar o nosso olhar sobre toda a carga simbólica ali presente. Além é claro, de esclarecer acerca da presença ou não de símbolos que representem a identidade deste lugar e do grupo que o habita. Para tal, foram utilizados como base teórica, principalmente, os conceitos de lugar, de monumentalização e forma simbólica. Diversos trabalhos de campo foram realizados a fim de comprovar dar suporte a parte teórica. Este trabalho esta disposto em três partes. Na primeira parte construímos a base histórica sobre a qual será construído o trabalho. A segunda parte consiste na tentativa de compreender de quais processos transformaram a Barra da Tijuca, nesse bairro diferenciado dentro da dinâmica da metrópole carioca. Na última etapa, através dos questionários e das entrevistas, procuramos comprovar nossas teorias e responder as questões inicialmente colocadas. Palavras chave: Barra da Tijuca (RJ), Estátua da Liberdade (RJ), identidade, forma simbólica, monumento.

12 APRESENTAÇÃO

13 APRESENTAÇÃO A partir do final de 1970 e durante a década seguinte, a geografia cultural passou por um processo de renovação no qual a tradição calcada na Escola de Berkeley, mas também na geografia vidaliana, foi submetida a críticas por parte de geógrafos das mais diferentes linhas teóricas ou de experiências em distintos contextos culturais. Pesquisando formas espaciais simbólicas em lugar concreto. Seguindo pelo mesmo caminho de reflexão escolhido ao longo de minha graduação, onde tive a oportunidade de abraçar a geografia cultural, principalmente graças aos quatro anos em que fui bolsista do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Espaço e Cultura, o NEPEC, sob a orientação da Professora Zeny Rosendahl, onde pude lançar meu olhar sobre um dos maiores símbolos da cidade do Rio de Janeiro, o Maracanã. Hoje, no mestrado, mais uma vez tenho a oportunidade de observar um monumento como objeto central de minhas pesquisas, a Estátua da Liberdade do shopping New York City Center da Barra da Tijuca. A escolha de um fixo até certo ponto recente, onde procuro diagnosticar a existência de alguma identidade estabelecida com os cidadãos que com ele convivem. Tal tentativa será norteada a partir dos conceitos de Formas Simbólicas, Monumento e Lugar. São muitos os monumentos que fazem parte da paisagem urbana e devem ser interpretados geograficamente. Utilizando-me das palavras de Corrêa (2005) e de Mello (2003) ao parafrasearem Cosgrove (1998), os 12

14 símbolos e os monumentos estão em toda parte. São simultaneamente marca e matriz (BERQUE, 1998). É pensando em reconhecer o processo de monumentalização como uma possível categoria na interpretação da forma e da função, que nos remetemos ao estudo geográfico da Estátua da Liberdade como símbolo de um novo estilo de vida instalado na cidade do Rio de Janeiro. O estudo do monumento surge como um dos focos da geografia das formas simbólicas. Tal tema é abordado inicialmente por David Harvey (1979) em seu texto intitulado Monument end Myth, no qual investiga os papéis estratégico e simbólico da Basílica de Sacré-Coeur, que domina o horizonte da parte norte de Paris. A temática é também explorada por outros dois autores, Dimitri Sidorov, que lança seu olhar sobre a Catedral de Cristo Salvador em Moscou, e Jêrome Monnet, que analisa a simbólica dos lugares através das relações entre espaço, poder e identidade. Portanto, identidade e poder parecem ser as palavras-chave em torno de suas representações. São poucos os registros acerca deste temática no Brasil. Os monumentos podem ser definidos como objetos fixos grandiosos, cheios de significados/valores simbólicos que fazem parte da organização do espaço. Dispostos ao longo do espaço público em temporalidades distintas. Os monumentos não são apenas objetos estéticos, são intencionalmente dotados de sentido político, são capazes de condensar complexos significados em torno de valores e práticas. Podem ser comparados a um texto, uma vez que podem possuir diversas interpretações/olhares e vocações. Ainda como obras literárias, são independentes da intenção que os originou. Fazem sobreviver na memória alguma coisa significativa para alguém ou para um grupo social. Podem ser enxergados como objetos de celebração, contestação ou 13

15 memorialização. A dimensão ou a escala, normalmente, está relacionada com os monumentos anteriores, em outras palavras, o novo monumento surge para superar as formas pretéritas, confrontando-se a elas (CORRÊA, 2005). As formas simbólicas são articuladas entre si participando de um batalha de símbolos e alegorias, parte integrante da disputa ideológica e política no contexto nacional. Tempo e espaço são fundamentais nos estudos geográficos acerca dos monumentos. Segundo Corrêa (2005), seu sentido original é orientado por sete funções: 1. Servir, mesmo que futuramente para a perpetuação de antigas tradições; 2. São criados com a finalidade de dar a impressão de que o novo venha a parecer antigo, em outras palavras, inventa tradições; 3. Possuem o objetivo de transmitir valores universais; 4. Firmam identidades étnica, nacional, racial religiosa ou de classe, representando assim a classe dominante; 5. Glorificam o passado; 6. Podem sugerir ou anunciar que o futuro já chegou; 7. Pretendem dar origem a lugares de memória. A estátua referida seria um símbolo compartilhado pela coletividade? Ou ainda um objeto representativo de um povo? Um lugar/objeto pode ser considerado como simbólico na medida em que significa algo para um conjunto de indivíduos; assim ocorrendo, ele contribui para dar identidade a esse grupo (MONNET, 2000) e os símbolos significam, 14

16 isto é, eles carregam o sentido que um indivíduo ou grupo lhe atribuem. Eles são realidades concretas, objetos ou atos físicos cuja existência factual é relativamente independente das significações que lhes damos. Porque participa inteiramente da vida dos indivíduos e dos grupos, o lugar influencia, até mesmo constrói, tanto subjetivamente como objetivamente, identidades culturais e sociais (LÊ BOSSÉ, 2004). A identificação consiste em um sentido intransitivo e, por vezes, reflexivo. Entendendo a identidade como similaridade, a identificação consiste em se assemelhar a qualquer coisa ou a qualquer um, e se traduz principalmente, tanto para o indivíduo como para o grupo, por um sentimento de pertencimento comum, de partilha e de coesão social (LE BOSSÉ, 2004). O símbolo é aquilo que une as distâncias, aquilo que reúne, aquilo que traz consigo, aquilo que comunica. O símbolo pode ser definido como mediador entre registros diferentes da experiência e da comunicação humanas. Debruçarei meu olhar sobre o lugar. Um ponto de concentração, receptor de fluxos diversos. Na literatura geográfica lugar é uma preocupação central. Na verdade, alguns geógrafos consideram que, sentido de por que as coisas estão onde estão, lugar é sinônimo do aparecimento da geografia humanística, lugar é como uma realidade vivida (BUTTIMER, 1971). Mas recentemente, o entendimento do lugar suscitou uma troca entre aqueles que consideram a geografia como uma ciência antropocêntrica. Como uma ciência humana, a geografia vê a paisagem não como um objeto destituído de valor, distante do olho, o geógrafo a vê ao lado, onde a paisagem é moral e o observador se localiza dentro dela (TUAN, 1979). Integrando a experiência sentida e o símbolo percebido, o geógrafo humanista 15

17 se prepara para oferecer uma interpretação de lugar na sua ambigüidade, ambivalência e complexidade (TUAN, 1977). Baseando-se na fenomenologia, lugar não é simplesmente um espelho passivo que reflete desapaixonadamente o esforço humano; ele é o meio, o gestual através do qual nós somos (ROWTRE e CONKEY apud RICHARDSON, 1989). Para Mello (2003), os lugares adquirem profundo significado, através dos laços emocionais ao longo dos anos, são entes queridos merecedores de considerações especiais. Merecem ter seu conteúdo simbólico compreendido e decodificado. Possuem magnitudes diferenciadas como pátria, edifícios, estádios ou simples pedras do caminho. O envolvimento despontado a partir da experiência, da confiança e da afeição, denota intimidade, na acepção da palavra a qualidade do que se encontra bem no interior ou que atua no âmago. Seguindo esta linha, os lugares são ao mesmo tempo públicos, compartilhados e forjados através de edificantes significados. Essa idéia pode ser reforçada pela frase do filósofo francês Gabriel Marcel, reaproveitada por Relph (1976) e Mello (2003): um individuo não é distinto de seu lugar, ele é esse lugar. O lugar pode ser entendido como lar ou pátria, sendo ao mesmo tempo um símbolo de união e congraçamento. Trata-se de um mundo vivido e filosófico, existencial, coletivo, de enraizamento, de lutas e de glorias, uma morada familiar. Finalmente para Tuan (1983), o lugar humanista é um objeto carregado de valor e de sentido, um centro de valores sentidos pela subjetividade dos indivíduos e dos grupos. Com base no exposto até então, uma questão torna-se pertinente: Que formas simbólicas existentes no Brasil ou mais particularmente na cidade do 16

18 Rio de Janeiro, merecem ser analisadas? A pertinência de tal analise está no fato de que as formas simbólicas podem ser objetos de disputas entre grupos distintos e, assim, submetidos à interpretação contrastantes, revelando a sua real natureza. Questiona-se, sobretudo acerca do contexto econômico e social, dos agentes participantes do processo, seus interesses, sua localização, a iconografia dos mesmos e os seus significados de acordo com os diversos grupos em confronto. Ao longo das últimas décadas, a Barra da Tijuca, vertente natural de crescimento da cidade do Rio de Janeiro, vem sendo ocupada em um ritmo cada vez mais intenso. Nosso olhar, portanto, é lançado sobre o estilo utilizado nesta ocupação. Simbolizando este processo de miamização 1, está a Estátua da Liberdade situada à frente do New York City Center. Tentando interpretar a dinâmica do objeto de estudo analisar-se-á a forma e os fluxos simbólicos a ele relacionados. Temos dois objetivos: 1 Reconhecer se tal forma simbólica está diretamente ligada ao estilo de vida americano american way of life. 2 Interpretar os fluxos simbólicos, econômicos, políticos e sociais representados pelos freqüentadores deste espaço. Ratificando ou não o modelo de vida norte-americano adotado. 1 Entenda-se por miamização o processo de importação e posterior aplicação de valores, estilo de viver, organização espacial, arquitetura estadunidenses em uma área de recente ocupação da metrópole carioca, a Barra da Tijuca. 17

19 Ainda que em outro plano, não menos importante, a natureza social dos participantes e o impacto do monumento no lugar também serão analisados. Os procedimentos adotados para a realização desta tarefa são os de praxe: entrevistas, aplicação de questionários, pesquisa participante e a pesquisa ação. Sobre a Geografia Cultural A década de 1990 caracteriza-se pela importância da geografia cultural renovada. A criação dos periódicos como Géographie et cultures em francês (1992), Ecumene, em inglês (1994), reflete tal importância. No Brasil, o NEPEC Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Espaço e Cultura, criado em 1993 no âmbito do Departamento de Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, e seu periódico Espaço e Cultura, criado em 1995, vêm tornar ainda mais evidente o recente interesse pela geografia cultural no país. O processo de renovação se fez no contexto de valorização da cultura, a denominada virada cultural. Na década de 1980, um conjunto de mudanças em escala mundial ressalta a dimensão cultural dos processos em ação. Entre estas, algumas são expostas aqui: as mudanças na esfera econômica, o fim da denominada Guerra Fria, a ampliação dos fluxos migratórios da periferia para os países centrais, o movimento ecológico, novas formas de ativismo social e a crescente consciência da necessidade de novos modos de se construir e entender a realidade, até então calcada no racionalismo moderno, no raciocínio cientifico e na celebração. Durante a renovação e a revalorização da geografia cultural, diversas 18

20 influências se fazem presentes. De um lado, a própria tradição saueriana e o legado vidaliano. De outro a influência das filosofias do significado, especialmente da fenomenologia, e do denominado materialismo cultural de Raymond Willams. Um grande relacionamento com as humanidades em geral enriqueceu a geografia cultural. A Geografia social também se constitui em um dos ingredientes a partir dos quais se revigora a geografia cultural. Neste processo, o conceito de cultura é redefinido, liberado da visão supra-orgânica do culturalismo, na qual a cultura é vista segundo o senso comum e dotada de poder explicativo. Coloca-se também oposta à visão estruturalista, na qual a cultura faria parte da superestrutura, sendo determinada pela base. A cultura é vista como um reflexo, uma mediação e uma condição social. Não tem poder explicativo, ao contrário, necessita ser explicada. A cultura é então considerada como o conjunto de saberes, técnicas, crenças e valores. Este conjunto, entretanto, é parte integrante do cotidiano, cunhado no seio das relações sociais de uma sociedade de classes. Este novo olhar sobre a cultura coloca-a como dotada de um sentido político, no qual a noção gramsciana de hegemonia cultural e as expressões política, cultural e produção cultural estão associadas. A ênfase na interpretação das formas espaciais e dos movimentos surge em Cosgrove e Jackson (2000) e em Cosgrove (2000) em seu texto Mundos de Significados Geografia Cultural e Imaginação. Cosgrove argumenta que a imaginação desempenha um papel simbólico, capturando dados sensoriais sem reproduzi-los como imagens miméticas, metamorfoseando-os através de sua capacidade metamórfica de criar 19

21 significados. Diversos caminhos podem ser trilhados pelos geógrafos, visando contribuir para dar inteligibilidade à ação humana sobre a superfície terrestre. Neste sentido, podem ser considerados tanto a dimensão material da cultura como a sua dimensão não-material, tanto o presente como o passado, tanto objetos e ações em escala global como regional e local, tanto aspectos concebidos como vivenciados, tanto espontâneos como planejados, tanto aspectos objetivos como intersubjetivos. O que os une em torno da geografia cultural é que esses aspectos são vistos em termos de significados e como parte integrante da espacialidade humana. A heterogeneidade cultural brasileira e as intensas transformações que nos últimos 50 anos têm alterado as configurações espaciais do país, sugerem um conjunto de temas a serem abordados pelos geógrafos, visando contribuir para a inteligibilidade do país por intermédio de uma análise da cultura em sua dimensão espacial. Destaca-se quatro grandes temas: a paisagem cultural, a região cultural, a religião e a cultura popular. As formas espaciais criadas pela ação humana geram paisagens culturais impregnadas de significados. Há inúmeros tipos de paisagens culturais, da classe dominante, residual, excluída (COSGROVE, 1998). As paisagens da cidade, do campo e de áreas desertas de homens, podem ser objetos de análise em busca de seus significados, ultrapassando a tradição dos estudos morfológicos. As formas simbólicas espaciais estão dispersas pela superfície terrestre, sugerindo a força que as representações humanas constroem a 20

22 respeito de diversas faces da vida, envolvendo o passado, o presente e o futuro. As formas simbólicas são agentes passivos ou ativos, presentes na criação e recriação das práticas sócio-espaciais. 21

23 CAPÍTULO 1 A HERANÇA DO PASSADO O BAIRRO DA BARRA DA TIJUCA - RJ 22

24 Antes de começarmos, é importante deixar claro que ao utilizarmos o nome Barra da Tijuca, estaremos fazendo referência ao bairro. Tal esclarecimento faz-se necessário pois até hoje existe uma grande confusão no que diz respeito a utilização de tal toponímia. Isso, porque, derivados de Tijuca, temos vários elementos de diversas naturezas: a proximidade com o bairro Tijuca, a lagoa da Tijuca, a barra da Tijuca, determinada pela geografia, a Região Administrativa da Barra da Tijuca e outros Antes do Túnel: o espaço e o tempo Originalmente um imenso areal, com vegetação rasteira típica de restingas, cheia de alagadiços e pouco apropriada ao plantio a Barra da Tijuca começou a ser ocupada em 1594, com a concessão de duas sesmarias pelo governador do Rio de Janeiro da época, Salvador Corrêa de Sá, a seus dois filhos, Martim de Sá e Gonçalo Corrêa de Sá. Foto 1 Barra da Tijuca 1952 Foto aérea registra o, então, grande vazio. 23

25 As terras de Gonçalo Corrêa de Sá foram legadas em testamento por sua filha, Victória Corrêa de Sá, ao Mosteiro de São Bento. Os monges tomaram posse da área em 1667 e fundaram várias fazendas, onde se dedicaram por mais de duzentos anos à cultura de cana de açúcar, mandioca e criação de gado. (Abreu, 2003) Foto 2 Barra da Tijuca 1969 Início da ocupação do Jardim Oceânico. A sesmaria de Martim de Sá ficou em poder de seus descendentes até 1694, quando foi vendida à família Serpa Pinto, que fundou ali a Fazenda da Restinga. Por volta de 1900 as terras da Barra da Tijuca e Baixada de Jacarepaguá foram vendidas para a empresa Saneadora Territorial e Agrícola S.A., ainda hoje permanece como grande proprietária de terras na área, assim como a Carvalho Hosken e a ESTA, dentre outras. 24

26

27 A concentração de grandes extensões de terras em mãos de poucos foi uma das causas do seu crescimento tardio, além da dificuldade de acesso à área, por apresentar separada do restante do município por grandes cadeias montanhosas, com picos que variam de 800 a 1200 metros. Em 1920, a área passou ao controle de uma companhia ferroviária inglesa. Em 1938, o industrial Euvaldo Lodi fez o primeiro loteamento da Barra, ele também foi o responsável pela fundação do loteamento do Jardim Oceânico local onde ocorreria a ocupação inicial e mais efetiva da área. A urbanização da Barra da Tijuca pode ser entendida, em nossa análise, como a etapa mais recente do processo de abertura de frente de expansão da cidade ao longo da orla marítima. O processo de esgotamento do mercado imobiliário do Centro ( ), de Copacabana ( ) e de Ipanema e Leblon (a partir da década de 1960) fez com que a Barra da Tijuca e a Baixada de Jacarepaguá passassem a ser vistas como o novo local atrativo para investimento da indústria da construção civil em grandes empreendimentos. No âmbito político, existia interesse na área como local próprio para a reestruturação da cidade, que estava em vias de deixar de ser capital federal. O lugar era tido como área de resgate da unidade perdida entre a zona norte e a zona sul da metrópole fluminense. Com o investimento político e econômico, a Barra da Tijuca, que, desde a década de 1940, havia tido sua expansão de modo espontâneo, passou a ser objeto de planos e projetos em grande escala (Eppinghaus, 2004). 26

28 1.2. Depois do túnel: o espaço e o tempo A partir da conjunção desses fatores, da abertura do túnel Dois Irmãos e do elevado do Joá, ligando a Zona Sul à Barra pela costa litorânea, aliado a existência de uma área ainda intocada e à necessidade de promover a expansão da cidade do Rio de Janeiro, em 1968, o então governador Negrão de Lima, encomendou uma proposta de planejamento para urbanização da barra da Tijuca e baixada de Jacarepaguá ao urbanista Lucio Costa, renomado arquiteto e um permanente defensor dos ideais modernistas com proposições e realizações na cidade do Rio de Janeiro, em que se destacam: o Parque Guinle no bairro das Laranjeiras, projeto habitacional precursor das super-quadras de Brasília e a Cidade Universitária na Ilha do Fundão. Tal contratação tratava-se, segundo as fontes oficiais (Costa, 1969), de uma estratégia de antecipação ao processo inevitável de ocupação da área com a definição de parâmetros construtivos, que a partir da proteção de características singulares deste determinado espaço com suas belezas naturais como as praias, as dunas, restingas e lagoas, evitaria a reprodução do que havia ocorrido com outros bairros da orla marítima como Copacabana, Ipanema e Leblon, que sofriam um processo intenso de construção e adensamento. 27

29 Mapa 2 - Plano Piloto da Barra da Tijuca e Jacarepaguá 1969 O Plano Piloto para a Barra da Tijuca e Jacarepaguá, em 1969, era apresentado à sociedade fluminense, transformando-se em lei logo em seguida. A iniciativa do Plano tratava-se, na realidade, de uma grande oportunidade que o modernismo tinha de se realizar em uma área de expansão da cidade desvencilhando-se das dificuldades impostas em áreas já parceladas e edificadas. A natureza do Plano pode ser exemplificada com a seguinte espacialidade. (Leitão, 1999) O ponto central do plano era a construção de duas vias principais, sistema viário cruciforme estruturador da urbanização da área, a Avenida das Américas e a Avenida Alvorada, atualmente denominada Avenida Ayrton Senna, permitiriam a articulação e a ligação de todo o bairro. Além disso, também limitava os gabaritos para construção dos prédios e definia os usos do espaço: residencial, comercial, lazer, e desde aquela época a 28

30 preservação ambiental. As moradias se concentrariam em uni ou plurifamiliares, formando os já conhecidos condomínios fechados, um novo conceito de moradia, associando residências a serviços e lazer. A novidade da presença de condomínios fechados apresenta inúmeros estudos na geografia. Valladares, (1980), O Neill (1986) e muitos outros. Mas não iremos nos deter no assunto, pois não se refere diretamente ao nosso objeto de pesquisa. Foto 3 Avenida das América, primeiro plano e Avenida Alvorada 29

31 ao fundo. Sistema viário cruciforme O plano promoveria a abertura de novos espaços ao capital imobiliário, ainda que sob um ordenamento em que a preocupação paisagística termo utilizado à época, antecipando-se à preocupação ambiental estivesse presente. Além de promover a regulação da ocupação da área, o Estado cumpriria outro papel relevante na estruturação da área, investindo maciçamente na construção de um complexo sistema viário como estradas, vias elevadas e túneis, que permitissem melhores condições de acessibilidade, e também, na implantação da infra-estrutura urbana necessária. A estratégia de ação dos agentes espaciais, como os proprietários fundiários, os promotores imobiliários e o Estado imprimiam suas marcas no espaço. Foto 4 Cartão comemorativo da construtora Dias & Paz uma das responsáveis pela urbanização da Barra

32 Foto 5 Funcionários da construtora Lucio Costa pretendia ordenar essa nova área da cidade, caracterizada por ser uma extensão das áreas de Copacabana, Ipanema e Leblon, a zona Sul da cidade. Impedindo que acontecesse o que ocorreu nesses mesmos bairros, um muro de cimento construída nas avenidas litorânea, bloqueando a ventilação, a circulação e a vista do mar dos demais quarteirões. Com essa idéia executada no plano, Lucio Costa pretendeu harmonizar a urbanização e a natureza. Mas o processo sofreu mudanças. 31

33 Foto 6 Avenida Sernambetiba, 1979 A partir da década de 70, tem início um grande impulso de ocupação caracterizado por um rápido processo de expansão e urbanização na área. Em um primeiro momento a ocupação da Barra da Tijuca se caracteriza pela emergência dos condomínios residenciais privados, que dão origem a um novo conceito de moradia, associando residências a serviços e lazer. Esses condomínios, alguns em verdade loteamentos com bloqueios que impedem a circulação nos moldes da cidade tradicional, se tornam um paradigma para futuros empreendimentos no bairro, contribuindo significativamente para a consolidação da ocupação da Barra da Tijuca. A paisagem vai se alterando, surgem, desse modo, os condomínios Nova Ipanema e Novo Leblon, por promotores imobiliários entendido aqui como o conjunto de agentes que 32

34 realizam, parcial ou totalmente (...) a comercialização ou transformação do capital-mercadoria em capital-dinheiro, agora acrescido de lucros; os corretores, os planejadores de vendas e os profissionais de propagando são responsáveis por esta operação. (Corrêa, 2000). São os corretores e os planejadores de vendas baseiam sua propaganda na possibilidade de espaços de recriação semelhantes aos dos antigos bairros da cidade. Projetados, porém, sem os seus supostos vícios, tornando-se, desse modo, áreas segregadas/seletivas tanto física quanto socialmente. Foto 7 Jardim Oceânico 1985 Nos anos 80, surgem empreendimentos destinados às atividades de comércio, serviços e lazer, observando-se, ainda, a construção de um expressivo número de unidades residenciais multi-familiares, com menor 33

35 porte. Destaca-se, ainda, nesse período, o surgimento dos apart-hotéis ou hotéis residência edificações que mesclam os usos residencial e turístico. Esse tipo de empreendimento favorece particularmente o setor imobiliário, por ser identificado como aquele que permite a aplicação de maiores índices construtivos, quando comparado com outros empreendimentos. (Leitão, 1999) Os empresários naturalmente em razão de suas atividades na sociedade são, algumas vezes, os grandes consumidores de espaço. Na Barra, em 1988 iniciou uma campanha articulada pelos grandes empresários de interesse na áreas da Barra tentou promover a emancipação política do bairro e cercanias. O apelo contra o pagamento de altos impostos e a falta de investimentos na área foi o motivo alegado que justificando, assim, a causa e o interesse na manutenção do zoneamento do plano. Foi este o discurso usado por aqueles que apoiavam a iniciativa. Os que pensavam contra essa idéia eram de um modo, os pequenos e médios empresários, as associações de moradores e o governo municipal. Cada um apresentava seus motivos particulares por seus motivos, porém unidos e lutando por uma maior participação da população na produção da cidade. Esta luta político-econômica esta representada no plebiscito de 1988 que decidiu pela não separação da cidade. Os embates ficaram adiados para as discussões sobre a Lei Orgânica do Município e o Plano Diretor da cidade, em Ainda assim, há atualmente um projeto de lei em andamento na Assembléia Legislativa do estado do Rio de Janeiro em que se prevê a formação de um novo município formado pelos bairros da região (Barra, Recreio, Grumari, Vargem Pequena, Vargem Grande, Itanhangá, Joá e 34

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos Rio de cara nova Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos por Ernesto Neves 01 de Agosto de 2011 Fonte: Revista Veja Rio Cidade do Rock O terreno de 250 mil metros quadrados

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Domicílios e ocupação no Rio

Domicílios e ocupação no Rio ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Domicílios e ocupação no Rio Nº 20010505 Maio - 2001 Alcides Carneiro - IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro PREFEITURA DA CIDADE DO RIO

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

ADEMI - Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário. Engarrafamentos na Barra podem triplicar

ADEMI - Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário. Engarrafamentos na Barra podem triplicar Page 1 of 5 Página Principal Sala de Imprensa ADEMI na Imprensa mapa do site fale conosco ADEMI na Imprensa Conheça nossos Sócios ADEMI ADEMI em foco Seja Sócio Sala de Imprensa Pesquisa ADEMI do Mercado

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009

CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009 CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009 Equipe: Arq. Nelson Andrade (coordenador) Arq. Luis Fernando Menezes Salgado Arq. Marconi Marinho Arq. Mariana Rial Arq. Paula Amadei Arq. Rodrigo Serafino

Leia mais

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av.

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. ÁREA 3-3 Limites e potencialidades limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. dos Estados e a free-way/ RS- 290. espaço adequado para novas atividades

Leia mais

O fim dos lotações e dos bondes

O fim dos lotações e dos bondes Distrito Federal Transportes O fim dos lotações e dos bondes O período entre 1950 e 1964 foi um dos mais prolíficos em regulamentos para o transporte coletivo, a maior parte deles fixando as condições

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

Intervenção Pública na década de 90:

Intervenção Pública na década de 90: Intervenção Pública na década de 90: Uma análise dos impactos espaciais do Programa Rio-Cidade no mercado imobiliário da cidade do Rio de Janeiro Andrea Paulo da Cunha PULICI Observatório Imobiliário e

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Da rua ao centro comercial

Da rua ao centro comercial Herculano Cachinho cachinho@fl.ul.pt O espaço o públicop Da rua ao centro comercial Mobilidade e Espaço Público, Odivelas, 11 de Maio 2006 Quatro questões Espaço público: conceito moribundo ou em expansão?

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL 1. EMPRESA A EMPRESA ILHA PURA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS É UMA EMPRESA CRIADA COM O OBJETIVO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A.

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Será que nós podemos viver melhor nas cidades? Com mais tempo para nossas famílias; com menos stress, com menos doenças e mais saúde; com mais produtividade;

Leia mais

José Elias, 141. Conceito:

José Elias, 141. Conceito: Conceito: menu No meio do jardim tem um escritório. Na beira da janela, uma floreira. Na alma,inspiração. Nasce no ponto mais valorizado do Alto da Lapa o único projeto comercial que leva o verde para

Leia mais

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo A em pre sa Institucional Desde 2003 no mercado do Vale do Aço, a Costa Construtora investe em qualidade e tecnologia com o objetivo de atender toda a demanda na área de construção civil e melhorar o desempenho

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Dinâmicas urbanas. condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial

Dinâmicas urbanas. condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial Reconfigurações Espaciais e Diferenciação Social em Cidades de Angola e Moçambique Lisboa, Junho de 2014 Dinâmicas urbanas condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil Exercícios Processo de Urbanização no Brasil 1. Nota intitulada Urbano ou rural? foi destaque na coluna Radar, na revista Veja. Ela apresenta o caso extremo de União da Serra (RS), município de 1900 habitantes,

Leia mais

Complexos recicláveis

Complexos recicláveis Complexos recicláveis Em função da realização dos próximos megaeventos esportivos mundiais por aqui Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016, grandes obras de arquitetura voltada para os esportes (estádios,

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL A FUNÇÃO SOCIAL DA CIDADE E O PAPEL SOCIAL DA PROPRIEDADE Autor(es): Pascoal Mário Costa Guglielmi e Pedro Ribeiro Guglielmi Condicionada pela sua complexa topografia, a ocupação inicial do Rio de Janeiro

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Gustavo Guerrante. 30 de novembro de 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Gustavo Guerrante 30 de novembro de 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil.

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. O Outlet Premium avança pelo território nacional abrindo grandes oportunidades de negócios para você. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Outlet

Leia mais

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil - SEPesq O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil Vivian K.Levy Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Unirriter Vivianklevy@gmail.com Resumo Este artigo trata da evolução, do caminho que a tipologia do

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

Mapa das Vias não concluídas Fonte: Jornal O Globo, caderno Barra, pág. 10.

Mapa das Vias não concluídas Fonte: Jornal O Globo, caderno Barra, pág. 10. 5 INFRA-ESTRUTURA Alguns aspectos relacionados à infra-estrutura local merecem destaque, principalmente por serem de grande importância para a continuidade do desenvolvimento sustentado da Barra da Tijuca.

Leia mais

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 6 3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 3.3.. O projeto: Implantação e áreas livres de uso comum Os materiais não se podem construir em si mesmo. São os homens que projetam e executam.

Leia mais

Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO

Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO Realização: Patrocínio: Desafio National Geographic 2010 CADERNO DE CAMPO 2 São Paulo em movimento: os sistemas de circulação na cidade Em 1872, São Paulo tinha 31 mil habitantes. Quase um século depois,

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA

NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA Giuliana de Freitas Frederico de Holanda Universidade de Brasília, Brasil INTRODUÇÃO Na comemoração do aniversário de cinquenta anos da inauguração

Leia mais

Julieta Cristina Fernandes (*)

Julieta Cristina Fernandes (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 7 Os muros e a mobilidade urbana: considerações a partir dos condomínios fechados no Setor Sul de Uberlândia-MG Julieta Cristina Fernandes (*)

Leia mais

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande:

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: HELENA CATÃO H. FERREIRA * Ao mesmo tempo em que podemos observar um refazer constante de resgates de memórias

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 EMPREENDIMENTOS DE USO MISTO Profa.Dra.Eliane Monetti Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Empreendimentos de uso misto

Leia mais

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM 1 COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM Heliana Comin Vargas Publicado no Portal do Estado de São Paulo. www.estadao.com.br/ext/eleicoes/artigos31/08/2000 Desde o início das civilizações, comércio

Leia mais

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE OLIMPÍADAS 2016 RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE 1 Principais intervenções previstas para as Olimpíadas: A Infraestrutura urbana Porto Maravilha Projeto de revitalização

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

Sustentabilidade do Concreto

Sustentabilidade do Concreto Sustentabilidade do Concreto CONCRETO COM ALTA TECNOLOGIA PARA CLIENTES EXIGENTES MISSÃO Zelar pelo atendimento ao seu cliente e fornecer serviços de alta qualidade, com alto valor agregado. GRUPO CORTESIA

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Os Centros Urbanos do Século XXI

Urban View. Urban Reports. Os Centros Urbanos do Século XXI Urban View Urban Reports Os Centros Urbanos do Século XXI Os centros urbanos do século XXI Hoje 19,4 milhões de pessoas vivem na região metropolitana de São Paulo. A quinta maior aglomeração humana do

Leia mais

[ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] 1 5 2 L E T S G O B A H I A DIVULGAÇÃO

[ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] 1 5 2 L E T S G O B A H I A DIVULGAÇÃO [ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] DIVULGAÇÃO COMPLEXO DE VIADUTOS DO IMBUÍ Projeção apresenta como será o complexo de viadutos que vai desafogar o trânsito na Avenida Paralela. As obras foram autorizadas

Leia mais

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL Senhoras e senhores É com grande satisfação que participo dessa primeira Conferência de Gerenciamento de

Leia mais

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo.

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. T erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. Ao longo dos últimos 12 anos, Sorocaba vem crescendo expressivamente

Leia mais

Agora você pode morar perto da praia com o conforto e tranquilidade que sempre quis.

Agora você pode morar perto da praia com o conforto e tranquilidade que sempre quis. Agora você pode morar perto da praia com o conforto e tranquilidade que sempre quis. Posto de gasolina Av. Santos Dummont Restaurante Fagulha Hotel Vila Galé Os bons tempos voltaram. Padaria Foto aérea

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL O MORAR CARIOCA E A MANEIRA CARIOCA DE MORAR Autor(es): João Carlos Laufer Calafate, Pablo Cesar Benetti, José Augusto Pina, Ana Prado e Ana Gabriella Steinhauser As Olimpíadas de 2016 e a Copa do Mundo

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS MARÇO DE 2010 QUADRO HABITACIONAL DAS METRÓ- POLES PAULISTAS São Paulo. Cliente: Emplasa - Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano SA 2009 Consultoria compreendendo a compartimentação espacial georeferenciada

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos A Criação de Espaços Particulares dos jardins aos espaços condominiais Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos Sílvio Soares MACEDO PAISAGISMO BRASILEIRO (São Paulo, 2012) EDUSP e

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE Inclusão de Iniciativa no Ministério da Educação Página: 1563 de 2301 AUTOR DA Otavio Leite 25100001 2030 - Educação Básica 0598 - Apoiar o educando,

Leia mais

Clipping Vendas de imóveis caem 36,5%

Clipping Vendas de imóveis caem 36,5% Vendas de imóveis caem 36,5% 4438298 - DCI - SERVIÇOS - SÃO PAULO - SP - 16/07/2014 - Pág A8 O mercado imobiliário na capital paulista segue com queda nas vendas em 2014 na comparação com 2013, influenciado

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 Problematização da Mobilidade Urbana de Salvador e sua Região Metropolitana

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 Problematização da Mobilidade Urbana de Salvador e sua Região Metropolitana Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 Problematização da Mobilidade Urbana de Salvador e sua Região Metropolitana Thiago Freire de Oliveira (*) 1. Introdução Nos anos 80, a democratização

Leia mais